Melhoria das condições de iluminação natural

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Melhoria das condições de iluminação natural"

Transcrição

1 Urban Rehabilitation Week Lisbon, LNEC, 5-7 April 2016 Workshop 5 Reabilitação integrada de edifícios antigos (Workshop 5 - Integrated Rehabilitation of old buildings) Melhoria das condições de iluminação natural (Improvement of Daylighting Conditions) António J. Santos LNEC - DED/NAICI Lisboa LNEC 7 abril2016

2 RESUMO: Abordam-se os principais aspetos relacionados com a melhoria das condições de iluminação natural em processos de reabilitação de EDIFÍCIOS ANTIGOS. Semana da Reabilitação Urbana

3 PRESSUPOSTOS: Manutenção ou melhoria das características estéticas, históricas e construtivas Edifícios de Interesse Patrimonial / Classificados / Históricos; Limitações no grau e tipo de intervenção; Satisfação dos Requisitos Funcionais (em função do tipo de edifício e das tarefas visuais); Satisfação das necessidades de Conforto Visual dos ocupantes ; Garantia de Eficiência Energética; Necessidade de Articulação com Domínios Afins (Desempenho térmico, climatização mecânica, etc.). Semana da Reabilitação Urbana

4 Potenciais limitações na reabilitação da componente de iluminação natural: Alterações aos vãos podem não ser possíveis ou desejáveis; Alterações nas dimensões dos vãos não são na maioria dos casos possíveis por motivos de ordem estrutural e de manutenção da estética; Alterações aos caixilhos: manutenção do material (madeira, regra geral) ou se existir alteração ela pode replicar o existente com um mínimo de impacte visual ; Envidraçados devem manter a aparência antiga, ou seja o mais transparentes e neutros possível; Vidros antigos já são os que permitem maior passagem da luz para o interior (~90%) O cumprimento da regulamentação Térmica, Energética e Acústica pode, em, príncipio, prejudicar a Iluminação Natural (Vidros mais isolantes (duplos) e de controlo solar, sombreamentos, janelas duplas, etc -> todas estas soluções diminuem a Transmitância luminosa dos vãos) Semana da Reabilitação Urbana

5 O que se pode então fazer para melhorar as condições de iluminação natural nos edifícios antigos? Semana da Reabilitação Urbana Avaliar o potencial da iluminação natural; Seleccionar soluções de baixo impacte visual e compatíveis com as características do edifício e das suas proximidades Aproveitar as características urbanas (proximidade entre edifícios, existência de obstruções, reflectâncias das superfícies, pavimentos exteriores claros); Tirar partido do clima luminoso prevalecente no país; Dar preferência a soluções de aproveitam a luz natural (do Sol e do Céu) reflectida; Usar acabamentos superfíciais de cores claras e mate; Redistribuição espacio/funcional e/ou alteração geometria interior (Sala -> quarto; diminuír profundidades; criar aberturas interiores (bandeiras))

6 Aspectos que Influenciam a Quantidade e a Qualidade da Iluminação Natural nos Edifícios Caracterização do Ambiente Exterior de Iluminação Natural (Mod. Estatísticos, Céus-Padrão..) Luz do Céu Difusa Luz do Sol Directa e Luz do Sol e do Céu Reflectida nos Obstáculos e pavimento CD Caracterização Obstruções e Pavimento Exteriores (Geom., dimens. reflect., etc.) Caracterização dos Vãos Envidraçados (Geom., dimens.,transmit., reflect., localização, etc.) Caracterização dos Espaços Interiores (Geom., dimens., reflect., etc.) Caracterização das Condições Interiores de Iluminação Natural Aspectos QUALITATIVOS (Desemp. Visual, Comforto Visual, Encandeam.) Aspectos QUANTITATIVOS (FLD, iluminâncias, uniformidade,..) CRE CRI P Semana da Reabilitação Urbana

7 A IN disponível no interior de um compartimento, resulta da soma de: luz recebida directamente do Sol luz recebida do céu após ter sido difundida pelos gases da atmosfera (luz azul) e pelas partículas de água nas nuvens (luz branca) luz das duas componentes anteriores após ter sido reflectida superfícies próximas (edifícios, vegetação, pavimento exterior, etc.) luz reflectida pelas superfícies interiores CD OS COMPONENTES DA IN P CRI CRE Iluminação Natural no interior = Componente Directa (Sol+Céu) + Componente Reflectida Exterior + Componente Reflectida Interior Semana da Reabilitação Urbana

8 Estratégias de aproveitamento da luz natural reflectida (em superfícies fronteiras e/ou nos pavimentos exteriores) R >> R >> R >> Refletância R(%): % Semana da Reabilitação Urbana

9 Semana da Reabilitação Urbana

10 Semana da Reabilitação Urbana

11 Semana da Reabilitação Urbana

12 Semana da Reabilitação Urbana

13 Semana da Reabilitação Urbana

14 Semana da Reabilitação Urbana

15 Semana da Reabilitação Urbana

16 Semana da Reabilitação Urbana

17 Semana da Reabilitação Urbana

18 Semana da Reabilitação Urbana

19 REFERÊNCIAS [1] Santos, A.J. - A Iluminação Natural e Artificial Como Componentes da Reabilitação Energética nos Edifícios. In Miranda Dias, J.; Grandão Lopes, J. (Coord.) - Conservação e Reabilitação de Edifícios Recentes. Lisboa: LNEC, Julho de 2010, pp (Cadernos Edifícios Nº 5). [2] Paiva, J.V., Aguiar, J., Pinho, A. (Coord.) - Guia Técnico de Reabilitação Habitacional. Lisboa: INH/LNEC, Semana da Reabilitação Urbana

20 Obrigado Semana da Reabilitação Urbana

Fonte: KAWAKAMI (2009)

Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) 4 LEED s no Brasil

Leia mais

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso O projeto de sistema de iluminação de um ambiente baseia-se no conceito de iluminação natural e artificial integradas. Assim deve-se definir os parâmetros de

Leia mais

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura Prof a : Ana Cecília Estevão Desenvolvimento sustentável Aquele que busca um equilíbrio entre

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal Departamento de Arquitetura

Leia mais

SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO

SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO António Curado SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PRÓ-EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E CONFORTO TÉRMICO Índice 1. ENERGIA E CONFORTO TÉRMICO 2. SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS REGULAMENTARES 2.1. REQUISITOS DE DESEMPENHO 2.2. FACHADAS

Leia mais

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq.

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq. O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção João Mariz Graça, Arq. joao.mariz@lneg.pt Introdução conceito de sustentabilidade Bom desempenho Ambiental ciclo de vida do edifício; Fase

Leia mais

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Prof. Dr. Fernando Simon Westphal Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Arquitetura e Urbanismo Laboratório de Conforto

Leia mais

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto ESTUDO DE CASO: CENPES II DA PETROBRAS NO RIO DE JANEIRO Uma atitude ambiental inovadora na arquitetura brasileira Joana Gonçalves jocarch@usp.br Arquiteta Dra. Profa. FAU USP Pesquisadora do LABAUT/ FAU

Leia mais

PERFORMANCE 70 FP Janelas e portas de batente

PERFORMANCE 70 FP Janelas e portas de batente PERFORMANCE 70 FP Janelas e portas de batente TODAS AS VANTAGENS DE DESEMPENHO TÉRMICO E ACÚSTICO Para aplicação no sector residencial e público O sistema de portas e janelas de batente Performance 70

Leia mais

Plano de Adaptação às Alterações Climáticas

Plano de Adaptação às Alterações Climáticas Plano de Adaptação às Alterações Climáticas O Município de Alfândega da Fé tem vindo a desenvolver ações no sentido alcançar uma maior sustentabilidade energética e ambiental, que têm expressão em áreas

Leia mais

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil Manuela Almeida Universidade do Minho 12.as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 USO RACIONAL DA ENERGIA Identificar onde, na edificação, ocorrem os maiores gastos. Geralmente consegue-se reduzir o gasto energético reduzindo

Leia mais

Empreitada de Reabilitação da Cobertura e Fachada do centro de saúde de sete Rios

Empreitada de Reabilitação da Cobertura e Fachada do centro de saúde de sete Rios Empreitada de Reabilitação da Cobertura e Fachada do centro de saúde de sete Rios Projeto de Execução Memória Descritiva e Justificativa ARSLVT Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo,

Leia mais

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios Lisboa, 8 de Maio de 2012 ADENE Agência para a Energia sce@adene.pt ÍNDICE A Directiva Europeia EPBD Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão, 29 th May A ECOCHOICE é uma empresa de consultoria de referência na área da construção sustentável em Portugal, satisfazendo as necessidades

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II o novo centro de pesquisas da Petrobras Rio de Janeiro LABAUT Laboratório de Conforto Ambiental e Eficiência

Leia mais

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico Iluminação natural zenital Conforto ambiental lumínico Objetivos Visibilidade no plano de trabalho Eficiência energética Uso das paredes Satisfação do usuário Introdução A ILUMINAÇÃO ZENITAL (IZ) é uma

Leia mais

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil NBR 15575 Edificações Habitacionais 2000 2013 2008 ABNT NBR 15575-4 NBR 15575:2013

Leia mais

Complexos Escolares. Exemplos de Eficiência Energética

Complexos Escolares. Exemplos de Eficiência Energética Complexos Escolares Exemplos de Eficiência Energética Empresa de consultoria em Construção Sustentável, especializada no acompanhamento ao Gabinete de Arquitectura ou Promotor. Desde o inicio em assessoria

Leia mais

Eficiência Energética nos edifícios e adaptação às Alterações Climáticas

Eficiência Energética nos edifícios e adaptação às Alterações Climáticas Eficiência Energética nos edifícios e adaptação às Alterações Climáticas AdaPT AC:T Método para integração da adaptação às Alterações Climáticas no Setor do Turismo LNEC 4 de junho 2015 CATARINA GONÇALVES

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO. Catharina Macedo

ILUMINAÇÃO NATURAL PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO. Catharina Macedo PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO Catharina Macedo catharina.macedo@gmail.com PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO 1. BREVE HISTÓRICO 2. VANTAGENS

Leia mais

Projeto e Construção Sustentável. Estratégias bioclimáticas aplicadas ao clima de Sinop-MT

Projeto e Construção Sustentável. Estratégias bioclimáticas aplicadas ao clima de Sinop-MT O ProjetEEE (http://www.projeteee.ufsc.br/) foi desenvolvido a partir do questionamento "Como proporcionar menor consumo energético e maior conforto interno ao usuário". O resultado é uma ferramenta gratuita

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

A Reabilitação Urbana de Santarém e a Eficiência Energética

A Reabilitação Urbana de Santarém e a Eficiência Energética A Reabilitação Urbana de Santarém e a Eficiência Energética Reabilitação Energeticamente Eficiente de Edifícios Urbanos Santarém, 23 de Julho de 2014 Área de Intervenção ARU da Ribeira de Santarém e Alfange

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL DE EDIFÍCIOS Conforto visual e introdução ao projecto. António Moret Rodrigues IST EXIGÊNCIAS I

ILUMINAÇÃO NATURAL DE EDIFÍCIOS Conforto visual e introdução ao projecto. António Moret Rodrigues IST EXIGÊNCIAS I ILUMINAÇÃO NATURAL DE EDIFÍCIOS Conforto visual e introdução ao projecto António Moret Rodrigues IST EXIGÊNCIAS I As exigências de conforto visual podem ser encaradas em 2 planos: - No estritamente fisiológico,

Leia mais

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Requisitos das medidas Despesas Elegíveis a) Intervenções que visem o aumento

Leia mais

A Haná Garden oferece o que há de melhor em jardim vertical, seja ele preservado, natural ou artificial -, além de soluções para paisagismo e

A Haná Garden oferece o que há de melhor em jardim vertical, seja ele preservado, natural ou artificial -, além de soluções para paisagismo e A Haná Garden oferece o que há de melhor em jardim vertical, seja ele preservado, natural ou artificial -, além de soluções para paisagismo e jardinagem em geral. Somos especialistas em toda a cadeia,

Leia mais

Etiquetagem Energética de Produtos. 11 de novembro Custóias

Etiquetagem Energética de Produtos. 11 de novembro Custóias Etiquetagem Energética de Produtos 11 de novembro Custóias Produtos abrangidos pela diretiva europeia Foco da Comissão Europeia nos produtos que consomem energia Impacto direto no consumo de energia (Produtos

Leia mais

CONCEITOS E DEFINIÇÕES

CONCEITOS E DEFINIÇÕES CONCEITOS E DEFINIÇÕES Patologia da Construção Anomalia Degradação Inoperacionalidade Envelhecimento Tempo de vida útil Sintoma Diagnóstico Reabilitação Estudo das anomalias das construções, dos seus elementos

Leia mais

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto Jornadas de Investigação e Inovação LNEC Energias renováveis Potencial de integração da indústria da construção apinto@lnec.pt LNEC 26 de março de 2012 Objetivos para energia renovável > Diretiva 2009/28/CE

Leia mais

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário...

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... ÍNDICE Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... XXIV CAPÍTULO 1 1.1. - Introdução... 1 1.2. - Metodologia

Leia mais

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL ESTRATÉGIAS DE ACTUAÇÃO Arq. Joana Mourão 28.11.2011 Solo Recursos Naturais

Leia mais

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Termografia Inês Simões www.itecons.uc.pt O que é a termografia infravermelha?

Leia mais

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS A B C D COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS E F G COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS COMPARAR É POUPAR ENERGIA O SEEP, Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos, é um sistema

Leia mais

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética;

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Energia e Ambiente Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Investigação de formas novas e renováveis de energia; Potenciar as

Leia mais

ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Rubya Vieira de Mello Campos 1, Hélyda Radke Prado Mitsui 2, Paulo

Leia mais

Potencial de eficiência energética em edifícios

Potencial de eficiência energética em edifícios Potencial de eficiência energética em edifícios PORTUGAL EM CONFERÊNCIA PARA UMA ECONOMIA ENERGETICAMENTE EFICIENTE Coimbra, 22 de Junho de 2012 Potencial de eficiência energética em edifícios Enquadramento

Leia mais

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Rui Rafael Braga Rodrigues Ribeiro Professor Coordenador: Prof. Doutor

Leia mais

Arq.º Jorge Graça Costa

Arq.º Jorge Graça Costa Dia 28 de Maio Construir com Sustentabilidade Arq.º Jorge Graça Costa Casa DT JORGE GRAÇA COSTA ARQUITECTO Casa DT ARQUITECTURA SUSTENTÁVEL PARA 1 0. Estrutura de apresentação 1. Introdução 2. Mudança

Leia mais

VILAS OPERÁRIAS EM LISBOA EMERGÊNCIA DE NOVOS MODOS DE HABITAR O Caso da Vila Berta

VILAS OPERÁRIAS EM LISBOA EMERGÊNCIA DE NOVOS MODOS DE HABITAR O Caso da Vila Berta VILAS OPERÁRIAS EM LISBOA EMERGÊNCIA DE NOVOS MODOS DE HABITAR O Caso da Vila Berta MOTIVAÇÃO / JUSTIFICAÇÃO / OBJECTIVOS Viabilidade de utilização de edifícios de habitação pluri-familiar que se inserem

Leia mais

HABITAR E ENVELHECIMENTO

HABITAR E ENVELHECIMENTO Jornadas LNEC Engenharia para a Sociedade Investigação e Inovação Cidades e Desenvolvimento Lisboa, LNEC, 18 a 20 de junho de 2012 HABITAR E ENVELHECIMENTO Paulo Machado J. Branco Pedro Isabel Plácido

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA - UNIVERSIDADE DO PORTO

Leia mais

A LUZ DO DIA NA ARQUITETURA RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO

A LUZ DO DIA NA ARQUITETURA RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO A LUZ DO DIA NA ARQUITETURA RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO Creio ser natural a aspiração do homem à luz Le Corbusier 01 QUESTIONAMENTO PRELIMINAR ILUMINAÇÃO NATURAL NA ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA POR QUÊ? BENEFÍCIOS

Leia mais

Francisco Alves GabiGamito MarcoGomes PedroCorreia. Disciplina de Conservação, Restauro e Reabilitação, Professor José Aguiar, FAUTL, MIARQ, 2010

Francisco Alves GabiGamito MarcoGomes PedroCorreia. Disciplina de Conservação, Restauro e Reabilitação, Professor José Aguiar, FAUTL, MIARQ, 2010 CONSERVAÇÃO, RESTAURO E REABILITAÇÃO Professor José Aguiar Faculdade de Arquitectura. Universidade Técnica de Lisboa. Mestrado Integrado em Arquitectura. Turma 4C Francisco Alves. 20091335 GabiGamito.

Leia mais

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem as suas próprias necessidades. COMISSÃO

Leia mais

ITECONS. Reabilitação energeticamente eficiente de edifícios urbanos

ITECONS. Reabilitação energeticamente eficiente de edifícios urbanos ITECONS Reabilitação energeticamente eficiente de edifícios urbanos Empresa 18 anos de atividade Cerca de 400 obras realizadas na região centro, Lisboa, Algarve e Trás-os-montes 85 % das obras realizadas

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Pavimentos em contacto com o terreno......- Lajes térreas.....- Fachadas......- Parte opaca das fachadas......- Aberturas em fachada.....- Paredes meeiras... 5..- Coberturas...

Leia mais

PAPEL DE NANO-ADITIVOS NA FUNCIONALIZAÇÃO DE ARGAMASSAS

PAPEL DE NANO-ADITIVOS NA FUNCIONALIZAÇÃO DE ARGAMASSAS 4º Congresso Português de Argamassas e ETICS, Coimbra, 29/30 Março 2012 PAPEL DE NANO-ADITIVOS NA FUNCIONALIZAÇÃO DE ARGAMASSAS S. LUCAS 1, A. L. VELOSA 1, J. B. AGUIAR 2, V. M. FERREIRA 1 1 Universidade

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS

ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 11.05.2016 CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro Roteiro básico da arquitetura

Leia mais

Caracterização da Iluminância em salas de aula de escolas da cidade de Viseu

Caracterização da Iluminância em salas de aula de escolas da cidade de Viseu Caracterização da Iluminância em salas de aula de escolas da cidade de Viseu Manuel Pinto Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu mpinto@estv.ipv.pt R.M.S.F. Almeida Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

Regime Excecional para a Reabilitação Urbana (RERU) 24 de Fevereiro, 2014

Regime Excecional para a Reabilitação Urbana (RERU) 24 de Fevereiro, 2014 Regime Excecional para a Reabilitação Urbana (RERU) 24 de Fevereiro, 2014 Aposta na Reabilitação Urbana O novo modelo de desenvolvimento territorial proposto na Lei de Bases da Política dos Solos, do Ordenamento

Leia mais

Ferragens de segurança anti-intrusão PORTAS DE ENTRADA

Ferragens de segurança anti-intrusão PORTAS DE ENTRADA Ferragens de segurança anti-intrusão PORTAS DE ENTRADA + isolamento térmico e acústico + segurança + estética A combinação perfeita entre as exigências de isolamento térmico e acústico e as necessidades

Leia mais

Convetores aquecimento a baixa temperatura

Convetores aquecimento a baixa temperatura Convetores aquecimento a baixa temperatura Melhorar o aquecimento é possível. Ao instalar os emissores Aquabit, consegue tirar o máximo partido do conforto e eficiência em cada divisão da sua casa. Poupança

Leia mais

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação Questão 8 Considere as peças desenhadas anexas correspondentes ao projeto de uma grande intervenção a realizar num edifício anterior a 1960 situado no concelho de Évora, a uma altitude de 287 m a fração

Leia mais

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte

Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Acústica nos edifícios. Som directo. Som reflectido. 6dB, quando se (2X) a distância à fonte Som directo Som reflectido Anabela Moreira FC - Acústica de difícios 1 CAMPO ABRTO Nível sonoro SPAÇOS FCHADOS 6dB, quando se (2X) a distância à fonte nergia directamente nergia reflectida pelos obstáculos

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA MATERNIDADE, 50, Localidade PORTO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA MATERNIDADE, 50, Localidade PORTO Válido até 17/12/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DA MATERNIDADE, 50, Localidade PORTO Freguesia CEDOFEITA,ILDEFONSO,SÉ,MIRAGAIA,NICOLAU,VITÓRIA Concelho PORTO GPS 41.152400, -8.619980 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Inovação e Tecnologia na Gestão Sustentável na Construção de Edifícios. Prof. Dayana Bastos Costa (UFBA)

Inovação e Tecnologia na Gestão Sustentável na Construção de Edifícios. Prof. Dayana Bastos Costa (UFBA) Inovação e Tecnologia na Gestão Sustentável na Construção de Edifícios Prof. Dayana Bastos Costa (UFBA) Gestão Sustentável na Construção de Edifícios A gestão sustentável na construção de edifícios deve

Leia mais

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ÚMIDAS MECANISMOS

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220 Desempenho Térmico de edificações NBR15220 PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + requisitos usuários + NBR 15220 + NBR 15220-3 + parâmetros e condições de contorno + estratégias

Leia mais

Aula 5. Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações

Aula 5. Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 06.05.2015 CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA Aula 5 Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro claudete.callegaro@ibirapuera.edu.br

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE MATERIAIS TRANSPARENTES DE MESMA COLORAÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE MATERIAIS TRANSPARENTES DE MESMA COLORAÇÃO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 24, São Paulo. ISBN 85-89478-8-4. ANÁLISE COMPARATIVA DE CARACTERÍSTICAS DE

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB Prof. Jean Carlo Fechine Tavares Universidade Federal da Paraíba, Campus I, Centro de Tecnologia Departamento de Arquitetura

Leia mais

Sistemas pergolados na arquitetura contemporânea

Sistemas pergolados na arquitetura contemporânea Título do Projeto: Green Architecture: Estratégias de sustentabilidade aplicadas à arquitetura e design BANPESQ/THALES: 2014015429 IC VOLUNTÁRIA 2014 Sistemas pergolados na arquitetura contemporânea Pesquisadora:

Leia mais

Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade. Arq.º Miguel Nery OASRN

Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade. Arq.º Miguel Nery OASRN 04-06-2009 Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade Arq.º Miguel Nery OASRN 1 oasrn edifício sede porto criatividade sustentabilidade O Conceito _ a oasrn estableceu um compromisso para a promoção da

Leia mais

ILUMINAÇÃO LATERAL. Arquitetura é o jogo correto e magnífico das formas sob a luz »AAR. Le Corbusier (1940)

ILUMINAÇÃO LATERAL. Arquitetura é o jogo correto e magnífico das formas sob a luz »AAR. Le Corbusier (1940) ILUMINAÇÃO LATERAL»AAR Arquitetura é o jogo correto e magnífico das formas sob a luz Le Corbusier (1940) BENEFÍCIOS DA LUZ NATURAL - Satisfação e bem estar dos usuários - Aumento da produtividade; - Redução

Leia mais

Física da edificação - Térmica -

Física da edificação - Térmica - Física da edificação - Térmica - Física da Edificação Calor Luz Natural Umidade Conforto Térmico Estrutura da disciplina Físicia da Edificação F.E. 2014/1 Exercício Aula Introdução Planejamento Integrado

Leia mais

A câmara hermética dos vidros duplos ISOLAR GLAS permitem alcançar um nível de isolamento consideravelmente maior que um simples vidro.

A câmara hermética dos vidros duplos ISOLAR GLAS permitem alcançar um nível de isolamento consideravelmente maior que um simples vidro. ISOLAR GLAS Torre Maia (Porto) ISOLAR GLAS é um envidraçado formado por dois ou mais vidros, separados entre si por um perfil de alumínio (intercalar perfil separador) recheio de um tamis molecular que

Leia mais

REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE de edifícios urbanos. Coimbra 31 de Julho de 2014

REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE de edifícios urbanos. Coimbra 31 de Julho de 2014 REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE de edifícios urbanos Coimbra 31 de Julho de 2014 1 2 3 REABILITAÇÃO URBANA uma estratégia de desenvolvimento para Portugal REABILITAÇÃO URBANA com enfoque na eficiência

Leia mais

REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS E O NOVO RCCTE

REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS E O NOVO RCCTE REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS E O NOVO RCCTE Prof. Catedrático Laboratório de Física das Construções FEUP Porto UBI.NOV.2007-1 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO RCCTE E REABILITAÇÃO ANÁLISE TÉCNICO-ECONÓMICA DE SOLUÇÕES

Leia mais

Caracterização das condições ambientais de iluminação natural nos edifícios com base na avaliação in situ

Caracterização das condições ambientais de iluminação natural nos edifícios com base na avaliação in situ Caracterização das condições ambientais de iluminação natural nos edifícios com base na avaliação in situ SANTOS, António J. LNEC - Laboratório Nacional de Engenharia Civil. DED/NAI Av. Brasil, 101, 1700-066

Leia mais

Projetos Salas de Múltiplo uso. MSc. Keliane Castro

Projetos Salas de Múltiplo uso. MSc. Keliane Castro Projetos Salas de Múltiplo uso MSc. Keliane Castro Há dois critérios básicos a serem atendidos pelo projeto acústico: o isolamento e o condicionamento interno do ambiente. O primeiro, em síntese, bloqueia

Leia mais

Eficiência energética

Eficiência energética Eficiência energética Consumo de energia elétrica no mundo 1991 a 2004 14000 12000 10000 8000 6000 4000 2000 0 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 kwh / hab EUA Austrália

Leia mais

DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES

DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES DESEMPENHO DAS EDIFICAÇÕES SUMÁRIO Conceito e Definição de Desempenho Histórico do desempenho das edificações; Abordagem de desempenho nas edificações; Norma Prescritivas X Normas de Desempenho; Metodologia

Leia mais

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos.

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos. Tecnologia Trabalhando a favor do bem-estar. Qualidade de vida Conforto acústico é saúde para todos. Sustentabilidade Respeito à vida, ao ser humano e ao planeta. Palestra Acústica Arquitetônica OFFICE

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Rosário Fino

Leia mais

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia 14 Março 2006 Auditório da Câmara Municipal de Mirandela Vítor Lopes EDV ENERGIA Agência de Energia do Entre o Douro e Vouga Região constituída por 5 municípios:

Leia mais

Iluminação Natural. Estudo realizado para salas de aula em Tucumán. a u l a r á p i d a. Por Guillermo E. Gonzalo

Iluminação Natural. Estudo realizado para salas de aula em Tucumán. a u l a r á p i d a. Por Guillermo E. Gonzalo a u l a r á p i d a Iluminação Natural Por Guillermo E. Gonzalo Estudo realizado para salas de aula em Tucumán ESTUDOS REALIZADOS SOBRE RENDIMENTO ESCOLAR, NOS QUAIS foram analisados os resultados de 21

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CARLOS MALHEIRO DIAS, 128, 2º Localidade PORTO.

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CARLOS MALHEIRO DIAS, 128, 2º Localidade PORTO. Válido até 02/03/2026 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA CARLOS MALHEIRO DIAS, 128, 2º Localidade PORTO Freguesia BONFIM Concelho PORTO GPS 41.160805, -8.594971 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

As esquadrias empvc da Kömmlux possuem isolamento térmico e acústico, proporcionam economia energética, segurança e estão disponíveis numa

As esquadrias empvc da Kömmlux possuem isolamento térmico e acústico, proporcionam economia energética, segurança e estão disponíveis numa As esquadrias empvc da Kömmlux possuem isolamento térmico e acústico, proporcionam economia energética, segurança e estão disponíveis numa diversidade de cores e tamanhos conforme seu projeto. Aberturas

Leia mais

Balanço Térmico da Edificação

Balanço Térmico da Edificação Balanço Térmico da Edificação Profa. Dra. Denise Duarte, Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação: N (adotar) Uso: Ocup/

Leia mais

INSTITUTO DA CONSTRUÇÃO E DO IMOBILIÁRIO

INSTITUTO DA CONSTRUÇÃO E DO IMOBILIÁRIO INSTITUTO DA CONSTRUÇÃO E DO IMOBILIÁRIO ASSIMFOI 15 DE ABRIL / 09H30 CONFERÊNCIA REABILITAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO ESPAÇO CONSTRUIDO 13> 19 ABRIL ORGANIZAÇÃO APOIO PROMEVI PRODUCCIONES, EVENTOS & EXPOSICIONES

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A PRESERVAÇÃO DAS ESTRUTURAS HISTÓRICAS EM MADEIRA (1999)

PRINCÍPIOS PARA A PRESERVAÇÃO DAS ESTRUTURAS HISTÓRICAS EM MADEIRA (1999) Pág. 1 de5 PRINCÍPIOS PARA A PRESERVAÇÃO DAS ESTRUTURAS HISTÓRICAS EM MADEIRA (1999) Adoptada pelo ICOMOS na 12.ª Assembleia Geral no México, em Outubro de 1999 Tradução por António de Borja Araújo, Engenheiro

Leia mais

"A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios

A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios "A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios Ordem dos Engenheiros Lisboa ADENE Pedro Mateus A nova regulamentação de eficiência energética em edifícios 1. Sistema de Certificação

Leia mais

ALTERAÇÃO N.º1 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO

ALTERAÇÃO N.º1 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO ALTERAÇÃO N.º1 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO-16-2016-03 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO

Leia mais

PORTA DE ALUMÍNIO SCHÜCO ADS 70

PORTA DE ALUMÍNIO SCHÜCO ADS 70 CAIXILHARIA, FACHADA, COBERTURA E GRADEAMENTOS PORTA DE ALUMÍNIO SCHÜCO ADS 70 O sistema de janelas e portas de qualidade com grande variedade de soluções. Os novos sistemas de portas Schüco ADS destacam-se

Leia mais

PERFORMANCE 70 GTI Porta de uso intensivo de grandes dimensões

PERFORMANCE 70 GTI Porta de uso intensivo de grandes dimensões PERFORMANCE 70 GTI Porta de uso intensivo de grandes dimensões www.sapabuildingsystem.pt 1 até 3 m 2.000.000 de ciclos ELEVADO DESEMPENHO TÉRMICO A porta de uso intensivo de grandes dimensões Performance

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDENCIAIS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Conselho Brasileiro de Construção

Leia mais

O ISOLAR SUN-FLEX é um vidro duplo em cuja câmara é colocada uma persiana de lâminas de alumínio.

O ISOLAR SUN-FLEX é um vidro duplo em cuja câmara é colocada uma persiana de lâminas de alumínio. ISOLAR SUN-FLEX Vidros Câmara de ar Persiana de lâminas Perfil separador Primeira barreira de selagem (Butil) Tamis molecular (Desidratante) Segunda barreira de selagem (Poliuretano ou silicone) O ISOLAR

Leia mais

Benchmarking de consumo energético em edificações

Benchmarking de consumo energético em edificações Benchmarking de consumo energético em edificações Edward Borgstein CT Energia, CBCS BENCHMARKING E DESEMPENHO ENERGÉTICO OPERACIONAL (DEO) Consumos de projeto Consumo de energia Etiqueta de projeto/construção

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos A carga térmica é a quantidade de calor

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR ETICS NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES LNEC, LISBOA

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE VENTILAÇÃO NATURAL PARA ASSEGURAR A QUALIDADE DO AR INTERIOR DE UM EDIFÍCIO

DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE VENTILAÇÃO NATURAL PARA ASSEGURAR A QUALIDADE DO AR INTERIOR DE UM EDIFÍCIO DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE VENTILAÇÃO NATURAL PARA ASSEGURAR A QUALIDADE DO AR INTERIOR DE UM EDIFÍCIO Amorim, Diogo 1, Silva, Sandra 2, Almeida, Manuela 3* 1, 2, 3: Universidade do Minho, Escola de Engenharia,

Leia mais

EXPERIENCE FROM NEW BUILDINGS AND RETROFITTING IN BRAZIL

EXPERIENCE FROM NEW BUILDINGS AND RETROFITTING IN BRAZIL IEA-SHC TASK 50 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE ILUMINAÇÃO PARA RETROFIT DE EDIFÍCIOS EXPERIENCE FROM NEW BUILDINGS AND RETROFITTING IN BRAZIL ROBERTA V G SOUZA NEW BUILDINGS NBR ISO CIE 8995/2013 Cost of implementation

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO NO ETICS A ESCOLHA PARA UM ISOLAMENTO EFICIENTE, ECONÓMICO E SUSTENTÁVEL NICOLAU TIRONE SEMINÁRIO APFAC/ ITeCons FACHADAS

Leia mais

desafio: Como podem duas equipas e adeptos sentir-se identificadas com um único estádio?

desafio: Como podem duas equipas e adeptos sentir-se identificadas com um único estádio? Estádio partilhado pelos dois clubes de Munique FC Bayern de Munique e TSV 1860 Munique desafio: Como podem duas equipas e adeptos sentir-se identificadas com um único estádio? SOLUÇÃO dos arquitetos suíços

Leia mais

ifelt Introdução Ibérica Feltros A IbéricaFeltros Feltros Industriais, Lda., é uma empresa que iniciou a sua actividade em Maio de 2000.

ifelt Introdução Ibérica Feltros A IbéricaFeltros Feltros Industriais, Lda., é uma empresa que iniciou a sua actividade em Maio de 2000. Introdução A IbéricaFeltros Feltros Industriais, Lda., é uma empresa que iniciou a sua actividade em Maio de 2000. Esta Empresa tem a sua origem na Jomafil, e com os conhecimentos adquiridos ao longo de

Leia mais

MAXMA Administração e Participações S/A.

MAXMA Administração e Participações S/A. XMA Participações S/A. MA Rua Aloísio Magalhães, 22 Via Anhanguera Km 27 CEP 05275-050 Cx. Postal 507 São Paulo SP Tel/Fax 11 3944-6565 3911-0010 maxma@maxma-sa.com.br www.maxma-sa.com.br Tecnologia exclusiva

Leia mais