CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA"

Transcrição

1 Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA Aplicação da Carta Solar para Sombreamento Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre de 2014

2 Relembrando!!! RADIAÇÃO DIRETA

3 Quanto ao aspecto insolação para o conforto ambiental em arquitetura, precisamos saber: o período de tempo em que determinado plano recebe diretamente a radiação solar, a área insolada nesse período. Podemos, com isso, planejar aberturas e proteções no ambiente construído, de modo a que a iluminação, a temperatura, a ventilação do lugar sejam adequados ergonomicamente às atividades previstas e ao público usuário.

4 A Carta Solar e as recomendações por Zona Bioclimática fornecem as diretrizes para um tratamento arquitetônico quanto à insolação. Classificação climática de Köppen para o Brasil ABNT - NBR Zoneamento Bioclimático Brasileiro

5 ESTRUTURA DA CARTA SOLAR: integração de 4 grandezas Imagens referenciadas em aula anterior

6 EQUINÓCIOS

7 TRAÇADO DE SOMBRAS

8 O ser humano necessita do Sol para viver, porém, para o conforto ambiental sustentável, é preciso controlar a incidência de radiações diretas sobre os espaços de uso humano.

9 Os obstáculos externos à incidência de radiação direta numa edificação precisam ser estudados e mapeados seja por impedirem a incidência direta de luz solar nas áreas que necessitam de maior insolação, como dormitórios e salas, seja para protegerem a edificação nas horas de maior aquecimento do dia. O sombreamento pode propiciar economia energética tanto no calor como no frio, com a redução do uso, respectivamente, de aparelhos de refrigeração ou de aquecimento.

10 A Carta Solar permite a determinação gráfica de sombras e serve à implantação de: edifícios, playgrounds e piscinas, pontos de ônibus, esculturas, escolha de espécies vegetais para jardins, criadouros...

11 O sombreamento pode ser obtido por meio de: vegetação, componentes da própria edificação, como pérgulas horizontais ou verticais, venezianas, brises externos e outros protetores solares, elementos internos. CAIXA, 2010, p.63

12 A representação das sombras, na arquitetura, é feita nos planos vertical (PV) e horizontal (PH), conforme o método de projeções mongeanas da geometria descritiva.

13 Esse mesmo método é utilizado para determinação gráfica da incidência do Sol sobre um objeto na Terra (Observador): PH = plano do horizonte do observador. Linha AB = último raio de Sol que incide sobre o Observador. Abaixo dessa linha se faz sombra. As projeções de AB em PH (A 1 B 1 ) e em PV (A 2 B 2 ), representam os limites da sombra.

14 A determinação gráfica da DIREÇÃO do Sol em PLANTA é feita pelo AZIMUTE solar. Imagem de aulas anteriores Consequentemente, a DIREÇÃO da sombra em planta coincide com a direção do Sol e é dada pelo Azimute solar Na Carta Solar, o Azimute solar é indicado na circunferência externa da Carta Solar, de 0 a 360, medido no sentido horário, a partir do Norte geográfico. CAII - Profª Claudete Gebara J. Callegaro. Última alteração em 17/09/2014

15 Observador = haste vertical em relação a PH PH = plano do horizonte do observador Sombra da haste em determinado horário e dia. Complementação da autora sobre desenhos de FROTA, 2004, p.87 Direção do raio solar e direção da sombra são coincidentes

16 A determinação gráfica da posição do Sol Imagem de aulas anteriores em CORTE é feita pela ALTURA solar. Porém, não é possível transferir diretamente o que está desenhado da Carta Solar para o desenho arquitetônico, pois na Carta foi utilizado o artifício da projeção estereográfica; mas valem as indicações numéricas de altura para o início do estudo. Na Carta Solar, a Altura solar é indicada em qualquer dos eixos radiais, de 0 a 90, medida da Linha do Horizonte para o Zênite. CAII - Profª Claudete Gebara J. Callegaro. Última alteração em 17/09/2014

17 Neste exemplo, como a haste é vertical, sua projeção no PV já está em verdadeira grandeza (VG), embora a sombra da haste não esteja em VG. As projeções no PH e no PV do último raio solar (linha amarela) sobre a haste, antes de que a sombra se crie, indicam o limite da sombra (linhas azuis). SUGESTÃO: Reveja sua matéria de desenho geométrico, épura, VG, LT, projeções... Alguns exercícios bem explicados podem ser encontrados em hp/gd_t/gd_5t.php Complementação da autora sobre desenhos de FROTA, 2004, p.88 CAII - Profª Claudete Gebara J. Callegaro. Última alteração em 17/09/2014

18 FONTES CONSULTADAS ABNT - NBR Zoneamento Bioclimático Brasileiro. CAIXA. Desafios da Construção Sustentável. Manual Selo Casa Azul: Boas práticas para a habitação mais sustentável. Caixa Econômica Federal. São Paulo: Páginas e Letras, FROTA, Anésia Barros. Geometria da Insolação. São Paulo: Geros, CAII - Profª Claudete Gebara J. Callegaro. Última alteração em 17/09/2014

SOMBRA: EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

SOMBRA: EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO SOMBRA: EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Aplicação da Geometria Descritiva e da Carta Solar para determinação do Sombreamento

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Clima MÁSCARAS OBSTRUÇÕES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Clima MÁSCARAS OBSTRUÇÕES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Clima MÁSCARAS OBSTRUÇÕES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 1º semestre de 2014 A CARTA DE TRAJETÓRIA SOLAR

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE SOMBRAS

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE SOMBRAS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE SOMBRAS Aplicação da Geometria Descritiva e da Carta Solar para determinação do Sombreamento

Leia mais

CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA CARTA SOLAR

CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA CARTA SOLAR Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA CARTA SOLAR Azimute solar Altura solar Trajetória solar nos equinócios e solstícios

Leia mais

Aula 5. Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações

Aula 5. Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 06.05.2015 CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA Aula 5 Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro claudete.callegaro@ibirapuera.edu.br

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO : INSOLAÇÃO MÓDULO : ILUMINAÇÃO NATURAL MÓDULO : ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Docente: Claudete Gebara J. Callegaro

Leia mais

UNIDADE III DIMENSIONAMENTO BRISES

UNIDADE III DIMENSIONAMENTO BRISES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA DR.PROF. EDUARDO GRALA DA CUNHA DR. PROF. ANTÔNIO CÉSAR BAPTISTA DA SILVA MESTRANDA: JAQUELINE PEGLOW

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO : INSOLAÇÃO MÓDULO : ILUMINAÇÃO NATURAL MÓDULO : ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Docente: Claudete Gebara J. Callegaro

Leia mais

PROJETO DE BRISE-SOLEIL

PROJETO DE BRISE-SOLEIL BRISES PROJETO DE BRISE-SOLEIL Dispositivo arquitetônico, formado por uma ou mais lâminas externas à edificação, que têm a função principal de controlar a incidência de radiação solar na edificação. Geralmente

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo Ênfase Identificação Disciplina 0003726A - Conforto Térmico II: Isolação e Ventilação Docente(s) Maria Solange Gurgel de Castro Fontes Unidade Faculdade de Arquitetura,

Leia mais

ANEXO 3. Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas

ANEXO 3. Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas ANEXO 3 DADOS RELATIVOS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas 1. Considerações gerais As edificações comerciais apresentam

Leia mais

O PROJETO DE EDIFICAÇÕES COM AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO EM OURO PRETO/MG

O PROJETO DE EDIFICAÇÕES COM AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO EM OURO PRETO/MG O PROJETO DE EDIFICAÇÕES COM AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO EM OURO PRETO/MG NEVES, Tamiris dos Santos 1 ; GOMES, Adriano P. 2 1. Bolsista PIBIC-JR, Aluna do Curso de Edificações/IFMG-OP, tamiris_sn@yahoo.com.br

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS

ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 11.05.2016 CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro Roteiro básico da arquitetura

Leia mais

Aula 4 CONTROLE DA TEMPERATURA INTERIOR Paredes Coberturas - Aberturas

Aula 4 CONTROLE DA TEMPERATURA INTERIOR Paredes Coberturas - Aberturas Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 18.03.2015 CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA Aula 4 CONTROLE DA TEMPERATURA INTERIOR Paredes Coberturas - Aberturas Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro claudete.callegaro@ibirapuera.edu.br

Leia mais

06/05/2015 AULA 8 CONFORTO AMBIENTAL & BIOCLIMATISMO EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 20. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

06/05/2015 AULA 8 CONFORTO AMBIENTAL & BIOCLIMATISMO EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 20. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AULA 8 CONFORTO AMBIENTAL & 015 EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 20 BIOCLIMATISMO Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille 1 ATENÇÃO: AJUSTE NA PROGRAMAÇÃO (CONTEÚDO) Data ANTES DEPOIS 06/05 Bioclimatismo

Leia mais

ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA

ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA CLIMA E ARQUIETURA >>> Como a arquitetura pode contribuir na redução do consumo energético de uma edificação mantendo suas condições de conforto? Estratégias de projeto arquitetônico

Leia mais

FINALIZAÇÃO DO SIMULADOR SOLAR HELIODON RESUMO

FINALIZAÇÃO DO SIMULADOR SOLAR HELIODON RESUMO Mostra Nacional de Iniciação Científica e Tecnológica Interdisciplinar III MICTI Fórum Nacional de Iniciação Científica no Ensino Médio e Técnico - I FONAIC-EMT Camboriú, SC, 22, 23 e 24 de abril de 2009

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA. LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA. LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre de

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA ALGUNS TÓPICOS SOBRE CLIMA E EQUILÍBRIO TÉRMICO EM AMBIENTES INTERNOS

CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA ALGUNS TÓPICOS SOBRE CLIMA E EQUILÍBRIO TÉRMICO EM AMBIENTES INTERNOS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 20.05.2014 CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA ALGUNS TÓPICOS SOBRE CLIMA E EQUILÍBRIO TÉRMICO EM AMBIENTES INTERNOS Profª Claudete Gebara J. Callegaro - Mestranda

Leia mais

Fonte: KAWAKAMI (2009)

Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) 4 LEED s no Brasil

Leia mais

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário...

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... ÍNDICE Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... XXIV CAPÍTULO 1 1.1. - Introdução... 1 1.2. - Metodologia

Leia mais

Conforto Térmico e Bioclimatologia

Conforto Térmico e Bioclimatologia Conforto Térmico e Bioclimatologia Introdução ao Conforto Térmico A importância do estudo de conforto térmico está baseada principalmente em 3 fatores: A satisfação do homem ou seu bem estar em se sentir

Leia mais

Escola Politécnica UFRJ Departamento de Expressão Gráfica DEG. Sistemas Projetivos. Representação de Retas no Sistema Mongeano NOTAS DE AULA

Escola Politécnica UFRJ Departamento de Expressão Gráfica DEG. Sistemas Projetivos. Representação de Retas no Sistema Mongeano NOTAS DE AULA Escola Politécnica UFRJ Departamento de Expressão Gráfica DEG Sistemas Projetivos Representação de Retas no Sistema Mongeano NOTAS DE AULA Prof. Julio Cesar B. Torres (juliotorres@ufrj.br) REPRESENTAÇÃO

Leia mais

PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE

PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE O objetivo da Parte I é a apresentação das técnicas que permitem ao projetista entender, antes que a edificação seja projetada, como o prédio provavelmente usará a energia,

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA ESSENCIALMENTE RETANGULAR E DELGADO.

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA ESSENCIALMENTE RETANGULAR E DELGADO. FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA RUA ALEMANHA

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDENCIAIS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Conselho Brasileiro de Construção

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 USO RACIONAL DA ENERGIA Identificar onde, na edificação, ocorrem os maiores gastos. Geralmente consegue-se reduzir o gasto energético reduzindo

Leia mais

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído As expectativas da nova norma no mercado imobiliário Eng. Carlos Alberto Moraes Borges NORMALIZAÇÃO Na ultima década, diversas norma quem implicam na acústica das edificações foram atualizadas, criadas,

Leia mais

Energia Solar Térmica. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014

Energia Solar Térmica. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Energia Solar Térmica Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 O Sol Energia Solar Térmica - 2014 Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia FACULDADE DE ARQUITETURA Coordenação Acadêmica

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia FACULDADE DE ARQUITETURA Coordenação Acadêmica PLANO DE CURSO Disciplina: Conforto Ambiental I Código: ARQ025 Carga horária: 34h Pré-requisito: N/A Semestre letivo: 2016.01 Turma: T010100 / T020200 Horário: Terças-feiras: 07:00 às 08:50h / 08:50 às

Leia mais

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto ESTUDO DE CASO: CENPES II DA PETROBRAS NO RIO DE JANEIRO Uma atitude ambiental inovadora na arquitetura brasileira Joana Gonçalves jocarch@usp.br Arquiteta Dra. Profa. FAU USP Pesquisadora do LABAUT/ FAU

Leia mais

Complexos Escolares. Exemplos de Eficiência Energética

Complexos Escolares. Exemplos de Eficiência Energética Complexos Escolares Exemplos de Eficiência Energética Empresa de consultoria em Construção Sustentável, especializada no acompanhamento ao Gabinete de Arquitectura ou Promotor. Desde o inicio em assessoria

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico

UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Agosto - 2016 1 Projeto de Arquitetura: Introdução 1.1 Introdução O início da concepção do projeto arquitetônico

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural

Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + Importância + Ocorrência dos ventos + Implantação e orientação + Mecanismos + Diferenças de

Leia mais

Curso de Engenharia Naval

Curso de Engenharia Naval Curso de Engenharia Naval Enviar via email, no formato CAD [formato DXF ou AutoCAD DWG (versão menos recente que a 2013) ], as duas épuras seguintes com a legenda indicando o autor do exercício. A margem

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 PLANO DE CURSO C U R S O D E A R Q U I T E T U R A E U R B A N I S M O Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 Componente Curricular: CONFORTO AMBIENTAL Código: ARQ056 Pré-requisito: ------

Leia mais

FAMEBLU Arquitetura e Urbanismo

FAMEBLU Arquitetura e Urbanismo FAMEBLU Arquitetura e Urbanismo Disciplina GEOMETRIA DESCRITIVA APLICADA A ARQUITETURA 1 Aula 2: Conceitos Básicos Sistemas de Projeção Método da Dupla Projeção de Monge Professor: Eng. Daniel Funchal,

Leia mais

AULA 4. Profa. Clélia Monasterio. Engenharia e Arquitetura - UFJF

AULA 4. Profa. Clélia Monasterio. Engenharia e Arquitetura - UFJF Engenharia Profa. Clélia e Arquitetura Monasterio - UFJF AULA 4 Fontes : PRINCIPE JR, A.R., Noções de Geometria Descritiva V. 1, 36. ed., Sao Paulo : Nobel, 1983. PDD- CANAL DIBUJO TECNICO. Profesor de

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO : INSOLAÇÃO MÓDULO : ILUMINAÇÃO NATURAL MÓDULO : ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Docente: Claudete Gebara J. Callegaro

Leia mais

ABNT NBR (2008) Edifícios Habitacionais de Até Cinco Pavimentos Desempenho. Resumo dos itens relacionados ao Desempenho Térmico

ABNT NBR (2008) Edifícios Habitacionais de Até Cinco Pavimentos Desempenho. Resumo dos itens relacionados ao Desempenho Térmico ABNT NBR 15575 (2008) Edifícios Habitacionais de Até Cinco Pavimentos Desempenho Resumo dos itens relacionados ao Desempenho Térmico SUMÁRIO Assunto pg. Parte 1: Requisitos Gerais 1 Anexo A (Informativo):

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA REVISÃO DE CONCEITOS LÂMPADAS

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA REVISÃO DE CONCEITOS LÂMPADAS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA REVISÃO DE CONCEITOS LÂMPADAS Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre de 2014 ALGUNS

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira QUESTÃO 1 Classifique as alternativas abaixo em verdadeiras (V) ou falsas (F), corrigindo as falsas e justificando as verdadeiras: a ( F ) Para

Leia mais

Tabela 3.37: Constantes da Equação

Tabela 3.37: Constantes da Equação C R = [(a) + (b X AU amb ) + (c X CT baixa ) + (d X α par ) + (e X PD/AU amb ) + (f X somb) + (g X CT cob ) + (h X Ab S ) + (i X SomA parext X CT par ) + (j X cob) + (k X U cob X α cob X cob X AU amb )

Leia mais

Geometria Descritiva. Desenho de Sólidos. Departamento de EXPRESSÃO GRÁFICA

Geometria Descritiva. Desenho de Sólidos. Departamento de EXPRESSÃO GRÁFICA Geometria Descritiva Desenho de Sólidos Departamento de EXPRESSÃO GRÁFICA Material elaborado para Disciplina CD014 - Geometria Descritiva do curso de Agronomia pelo Prof Dr. Rossano Silva em março de 2014

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL. FIGURA 1. Relógio de sol fonte: Rivero. FIGURA 2. Estudo da sombra projetada por um conjunto de edifícios fonte: Rivero

ILUMINAÇÃO NATURAL. FIGURA 1. Relógio de sol fonte: Rivero. FIGURA 2. Estudo da sombra projetada por um conjunto de edifícios fonte: Rivero ILUMINAÇÃO NATURAL O RELÓGIO DE SOL COMO RECURSO AUXILIAR DE PROJETO Paulo Sergio Scarazzato A insolação sempre tem influência sobre a iluminação natural dos edifícios, embora em muitos casos a presença

Leia mais

Este é um manual retirado do site do labee MANUAL EXPLICATIVO PARA USO DO PROGRAMA SOL-AR

Este é um manual retirado do site do labee MANUAL EXPLICATIVO PARA USO DO PROGRAMA SOL-AR Este é um manual retirado do site do labee MANUAL EXPLICATIVO PARA USO DO PROGRAMA SOL-AR Considere um observador sobre a terra, onde há um plano imaginário onde o sol se projeta. A localização do sol

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Desenho Técnico Desenho Mecânico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Introdução O desenho, para transmitir o comprimento, largura e altura, precisa recorrer a um modo especial de representação gráfica:

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade Conforto higrotérmico dirigido à concepção arquitetônica Parte 1.2 Instrumentos de apoio à decisão de projeto Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc. DTC PROARQ

Leia mais

Desenho Técnico. Aula 5 Prof. Daniel Cavalcanti Jeronymo. Cotagem e Escalas

Desenho Técnico. Aula 5 Prof. Daniel Cavalcanti Jeronymo. Cotagem e Escalas Desenho Técnico CP41F Cotagem e Escalas Aula 5 Prof. Daniel Cavalcanti Jeronymo Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Engenharia de Computação 3º Período 2016.1 1/13 Cotagem em desenho técnico

Leia mais

AULA 4 DESENHANDO ESCADAS

AULA 4 DESENHANDO ESCADAS AULA 4 DESENHANDO ESCADAS Referência desenho: Material didático - aula escada. Autor desconhecido. Representação de projetos de arquitetura NBR- 649: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Equipamentos

Leia mais

O EFEITO DA AMPLITUDE DIÁRIA DA TEMPERATURA DO AR EXTERIOR E DO RESFRIAMENTO NOTURNO NA INÉRCIA TÉRMICA DE HABITAÇÃO

O EFEITO DA AMPLITUDE DIÁRIA DA TEMPERATURA DO AR EXTERIOR E DO RESFRIAMENTO NOTURNO NA INÉRCIA TÉRMICA DE HABITAÇÃO O EFEITO DA AMPLITUDE DIÁRIA DA TEMPERATURA DO AR EXTERIOR E DO RESFRIAMENTO NOTURNO NA INÉRCIA TÉRMICA DE HABITAÇÃO CASTRO, Guilherme Molnar (1); BRITO, Adriana Camargo de (2); AKUTSU, Maria (3); VITTORINO,

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 4: Avaliação bioclimática

Desempenho Térmico de edificações Aula 4: Avaliação bioclimática Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts Parque Explora Medellín, Colômbia ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + importância + problemas + estratégias na prática + normais climatológicas +

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO PAULO SERGIO SCARAZZATO

ILUMINAÇÃO NATURAL RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO PAULO SERGIO SCARAZZATO ILUMINAÇÃO NATURAL RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO PAULO SERGIO SCARAZZATO 1. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA COM A UTILIZAÇÃO DA LUZ NATURAL RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA COM

Leia mais

Disciplinarum Scientia. Série: Artes, Letras e Comunicação, S. Maria, v. 14, n. 1, p , Recebido em: Aprovado em:

Disciplinarum Scientia. Série: Artes, Letras e Comunicação, S. Maria, v. 14, n. 1, p , Recebido em: Aprovado em: Disciplinarum Scientia. Série: Artes, Letras e Comunicação, S. Maria, v. 14, n. 1, p. 79-88, 2013. Recebido em: 14.07.2014. Aprovado em: 16.12.2014. ISSN 2177-0948 RESUMO SOLUÇÃO FORMAL E FUNCIONAL PARA

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL NA REGIÂO SUL DO RS

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL NA REGIÂO SUL DO RS ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL NA REGIÂO SUL DO RS Liader S. Oliveira(1); Antônio César S. B. da Silva (2); Eduardo G. da Cunha (2); César R. Rosa (3) (1) Eng.

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP LABTOP Topografia 1. Escalas

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP LABTOP Topografia 1. Escalas UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP LABTOP Topografia 1 Escalas Recife, 2014 Definição de Escala É a relação matemática constante entre o comprimento de uma linha

Leia mais

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Relatório Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural

Leia mais

APLICAÇÃO DO CONCEITO DO SELO PROCEL EDIFICA EM EDIFICAÇÃO DO CAMPUS DE PALMAS/UFT

APLICAÇÃO DO CONCEITO DO SELO PROCEL EDIFICA EM EDIFICAÇÃO DO CAMPUS DE PALMAS/UFT APLICAÇÃO DO CONCEITO DO SELO PROCEL EDIFICA EM EDIFICAÇÃO DO CAMPUS DE PALMAS/UFT Nathália Canêdo de Lima Silva 1 ; Mariela Cristina Ayres de Oliveira 2 ; 1 Aluna do Curso de Arquitetura e Urbanismo;

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO : INSOLAÇÃO MÓDULO : ILUMINAÇÃO NATURAL MÓDULO : ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Docente: Claudete Gebara J. Callegaro

Leia mais

ESTUDO DA RETA COMO DETERMINAR UMA RETA COMO É A PROJEÇÃO DE UM SEGMENTO DE RETA. Por um ponto passam infinitas retas.

ESTUDO DA RETA COMO DETERMINAR UMA RETA COMO É A PROJEÇÃO DE UM SEGMENTO DE RETA. Por um ponto passam infinitas retas. 1 ESTUDO DA RETA COMO DETERMINAR UMA RETA Por um ponto passam infinitas retas. Uma reta é definida por dois pontos. COMO É A PROJEÇÃO DE UM SEGMENTO DE RETA Raios ortogonais ao plano de projeção incidem

Leia mais

AULA SISTEMA DE PROJEÇÃO

AULA SISTEMA DE PROJEÇÃO 1 É a parte da matemática aplicada que tem por finalidade representar sobre um plano as figuras do espaço de modo que seja possível resolver por geometria os problemas de três dimensões SISTEMAS PROJETIVOS

Leia mais

ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES EM LOCAIS DE GRANDE VARIAÇÃO CLIMÁTICA

ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES EM LOCAIS DE GRANDE VARIAÇÃO CLIMÁTICA ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES EM LOCAIS DE GRANDE VARIAÇÃO CLIMÁTICA Juliana Al-Alam Pouey (1); Antonio César Silveira Baptista da Silva (2)

Leia mais

A vegetação e o arejamento em ambiente urbano

A vegetação e o arejamento em ambiente urbano A vegetação e o arejamento em ambiente urbano Quem viu o vento? Nem tu nem eu. Mas quandos as árvores inclinam as suas cabeças, O vento está a passar. Christina Rosetti, 1872 Sing-Song Vectores de transporte

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia Representação Desenho Arquitetônico Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia OS ELEMENTOS DO DESENHO ARQUITETÔNICO Os desenhos básicos que compõem um projeto de arquitetura, a partir de projeções ortogonais,

Leia mais

Desempenho Térmico. Sinduscon 27/06/13

Desempenho Térmico. Sinduscon 27/06/13 15.575 Desempenho Térmico O Que a Norma exige? 15575-1 Item 11 Desempenho Térmico 11.1 Generalidades: atender às exigências de desempenho térmico (ZB) a) Procedimento 1 simplificado b) Procedimento 2 medição

Leia mais

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS Disposição final Planejamento Uso e Operação ENVELOPE ESTRUTURAS Projeto SISTEMAS PREDIAIS Construção Implantação PPI Conceituação Planejamento Definição Módulo escopoi Documentação Estudos de Projeto

Leia mais

Ajuste da Radiação Solar Incidente

Ajuste da Radiação Solar Incidente Ajuste da Radiação Solar Incidente Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Prof. Dr. Leonardo M. Monteiro Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação: N (adotar)

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Construção Civil IV

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Construção Civil IV SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL 2 INTRODUÇÃO TC 042 - PROJETO ARQUITETÔNICO Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2017 SOUZA (2015). 3 INTRODUÇÃO 4 INTRODUÇÃO

Leia mais

Desenho Auxiliado por Computador

Desenho Auxiliado por Computador UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ENE073 Seminários em Eletrotécnica Desenho Auxiliado por Computador (CAD - Computer Aided Design) Prof. Flávio Vanderson Gomes E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula

Leia mais

Aplicação da Bioclimatologia em edificações na região de Araçatuba-SP

Aplicação da Bioclimatologia em edificações na região de Araçatuba-SP EIXO TEMÁTICO: ( ) Desastres, Riscos Ambientais e a Resiliência Urbana ( ) Drenagem Urbana Sustentável ( ) Engenharia de Tráfego, Acessibilidade e Mobilidade Urbana ( ) Habitação e a Gestão Territórios

Leia mais

SISTEMAS DE PROJEÇÃO. Prof. Janine Gomes da Silva, Arq. MSc Eng Civil. Desenho Técnico Técnico em Edificações

SISTEMAS DE PROJEÇÃO. Prof. Janine Gomes da Silva, Arq. MSc Eng Civil. Desenho Técnico Técnico em Edificações SISTEMAS DE PROJEÇÃO Prof. Janine Gomes da Silva, Arq. MSc Eng Civil Desenho Técnico Técnico em Edificações Métodos de representação de objetos no plano Métodos de representação de objetos no plano Métodos

Leia mais

Projeto arquitetônico: Fachadas ou Elevações Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico: Fachadas ou Elevações Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico: Fachadas ou Elevações Professora Valéria Peixoto Borges DEFINIÇÃO E FINALIDADE São vistas resultantes

Leia mais

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico Iluminação natural zenital Conforto ambiental lumínico Objetivos Visibilidade no plano de trabalho Eficiência energética Uso das paredes Satisfação do usuário Introdução A ILUMINAÇÃO ZENITAL (IZ) é uma

Leia mais

ESTUDO DO PLANO. Quando o plano intersecta o PH tem traço horizontal. Quando o plano intersecta o PV tem traço vertical.

ESTUDO DO PLANO. Quando o plano intersecta o PH tem traço horizontal. Quando o plano intersecta o PV tem traço vertical. ESTUDO DO PLANO GENERALIDADES SOBRE PLANOS Um plano α pode ser determinado por:. Três pontos (A, B e C) não alinhados.. Um ponto e uma reta (A e r). 3. Duas retas que se cortam (r e s). REPRESENTAÇÃO DO

Leia mais

novas SOLUÇÕES DE FACHADAS

novas SOLUÇÕES DE FACHADAS novas SOLUÇÕES DE FACHADAS nova sede infoglobo 2 FÓRUM DE DEBATES DO ALUMÍNIO E DO VIDRO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL MAIO 2015 Edifício Cidade Nova Universidade Petrobras 1987 Ano de Fundação 1999 Alinhamento

Leia mais

07/10/2013. AULA 03 Sistemas de projeção. Sobre a Geometria Descritiva (GD):

07/10/2013. AULA 03 Sistemas de projeção. Sobre a Geometria Descritiva (GD): 1 2 Sobre a Geometria Descritiva (GD): Enquanto a Perspectiva mostra os objetos como parecem ser à nossa vista, em três dimensões, a Geometria Descritiva possibilita a representação dos objetos como eles

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO

CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 10fev2016 CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO Arquitetura sustentável importância de aproveitamento e controle da insolação Conforto ambiental - aspectos

Leia mais

DESENHO BÁSICO AULA 01. Desenho Técnico. Desenho. História do Desenho Técnico. Desenho Artístico Desenho Técnico

DESENHO BÁSICO AULA 01. Desenho Técnico. Desenho. História do Desenho Técnico. Desenho Artístico Desenho Técnico desenho de planta-baixa DESENHO BÁSICO AULA 01 Introdução ao Desenho Técnico Desenho Desenho Artístico Desenho Técnico Desenho Técnico Ramos do Desenho Técnico Mecânico Desenho Não-Projetivo: peças máquinas

Leia mais

Acadêmica do curso de Engenharia Civil da UNIJUÍ, 3

Acadêmica do curso de Engenharia Civil da UNIJUÍ, 3 VENTILAÇÃO NATURAL: REFLEXÕES ACERCA DA VIABILIDADE E IMPLANTAÇÃO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL 1 NATURAL VENTILATION: REFLECTIONS ON VIABILITY AND IMPLANTATION IN HOUSING OF SOCIAL INTEREST Andressa

Leia mais

Balanço Térmico da Edificação

Balanço Térmico da Edificação Balanço Térmico da Edificação Profa. Dra. Denise Duarte, Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação: N (adotar) Uso: Ocup/

Leia mais

Plano de Ensino. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 1º Semestre. CARGA HORÁRIA: 40 h TURNO: Noturno TURMA: EDS 01/T5

Plano de Ensino. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 1º Semestre. CARGA HORÁRIA: 40 h TURNO: Noturno TURMA: EDS 01/T5 Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA CURSO: Curso Técnico em Edificações FORMA/GRAU: ( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Resumo. Abstract. Introdução

Resumo. Abstract. Introdução 30 - Limitações quanto aos parâmetros de desempenho térmico e estratégias bioclimáticas recomendadas pela norma brasileira de desempenho térmico de habitações de interesse social Limitations Related to

Leia mais

NOTAS DE AULAS GEOMETRIA DESCRITIVA

NOTAS DE AULAS GEOMETRIA DESCRITIVA NOTAS DE AULAS DE GEOMETRIA DESCRITIVA O A B C D E F 2º diedro P 2 PVS P 1º diedro PHA P 0 PHP P 1 PVI 3º diedro 4º diedro PROF. LUIZ ANTONIO DE MORAIS 2003 1) Introdução A Geometria descritiva foi criada

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

FAMEBLU Arquitetura e Urbanismo

FAMEBLU Arquitetura e Urbanismo FAMEBLU Arquitetura e Urbanismo Disciplina GEOMETRIA DESCRITIVA APLICADA A ARQUITETURA 1 Aula 8: Revisão Geral Exercícios Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Revisão PLANOS Um plano pode ser determinado

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2 2º semestre de 2016 Prof. Alceu Ferreira Alves www.feb.unesp.br/dee/docentes/alceu Na última aula: Energia solar complementos da teoria radiação Massa de ar Irradiação

Leia mais

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características:

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: 6. SIMULAÇÃO 6.1. Pré-requisitos específicos 6.1.1. Programa de simulação O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: ser um programa para

Leia mais

rmico, insolação no projeto de arquitetura

rmico, insolação no projeto de arquitetura Conforto higrotérmico, rmico, insolação no projeto de arquitetura Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc DTC e PROARQ FAU/UFRJ www.fau.ufrj.br/proarq Barroso-krause@proarq.ufrj.br 1806 1973 2006 A pesquisa

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CARBON

Leia mais

Desenho Auxiliado por Computador

Desenho Auxiliado por Computador UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ENE073 Seminários em Eletrotécnica Desenho Auxiliado por Computador (CAD - Computer Aided Design) Prof. Flávio Vanderson Gomes E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula

Leia mais

Projeto e Construção Sustentável. Estratégias bioclimáticas aplicadas ao clima de Sinop-MT

Projeto e Construção Sustentável. Estratégias bioclimáticas aplicadas ao clima de Sinop-MT O ProjetEEE (http://www.projeteee.ufsc.br/) foi desenvolvido a partir do questionamento "Como proporcionar menor consumo energético e maior conforto interno ao usuário". O resultado é uma ferramenta gratuita

Leia mais

SUGESTÕES PARA REVISÃO DA ORMA AB T BR :2008, REFERE TES AO DESEMPE HO TÉRMICO

SUGESTÕES PARA REVISÃO DA ORMA AB T BR :2008, REFERE TES AO DESEMPE HO TÉRMICO SUGESTÕES PARA REVISÃO DA ORMA AB T BR 15.575:2008, REFERE TES AO DESEMPE HO TÉRMICO Adriana C. de Brito (1); Fulvio Vittorino (2); Marcelo de M. Aquilino (3); Maria Akutsu (4) (1) Laboratório de Conforto

Leia mais

Prefácio... Abreviaturas e Definições... Simbologia...

Prefácio... Abreviaturas e Definições... Simbologia... Sumário Prefácio... Abreviaturas e Definições.................................................. Simbologia... VII XI XIII Capítulo 1 Características Termodinâmicas Preliminares de Ciclo Fechado com Turbina

Leia mais

APOSTILA GEOMETRIA DESCRITIVA

APOSTILA GEOMETRIA DESCRITIVA APOSTILA GEOMETRIA DESCRITIVA 1 GEOMETRIA MÉTRICA E ESPACIAL 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 SISTEMAS DE PROJEÇÃO Conforme o que foi exposto anteriormente, o estudo da Geometria Descritiva está

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre de 2014 Relembrando: ARQUITETURA SUSTENTÁVEL O ser humano busca,

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES NBR 15220

DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES NBR 15220 DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES NBR 15220 ASPECTOS GERAIS: Parte 1: Definições, símbolos e unidades; Parte 2: Métodos de cálculo da transmitância térmica, da capacidade térmica, do atraso térmico e do

Leia mais

RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL

RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL DUNA: RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN Centro de Tecnologia CT Curso de Arquitetura e Urbanismo CAU Trabalho Final

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO 1 PA1

PROJETO ARQUITETÔNICO 1 PA1 PROJETO ARQUITETÔNICO 1 PA1 AULA 1a_REVISÃO DESENHO Profa Dra Sandra Martins Prof. Esp. Fernando Guedes ESCALAS REFERÊNCIAS DE NÍVEL Adotado em plantas para informar a cota de altura de determinados pontos

Leia mais