O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto"

Transcrição

1 ESTUDO DE CASO: CENPES II DA PETROBRAS NO RIO DE JANEIRO Uma atitude ambiental inovadora na arquitetura brasileira Joana Gonçalves Arquiteta Dra. Profa. FAU USP Pesquisadora do LABAUT/ FAU USP Laboratório de Conforto Ambiental e Eficiência Energética O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto CENPES II, O NOVO CENTRO DE PESQUISAS DA PETROBRAS, NO RIO DE JANEIRO: UMA ATITUDE AMBIENTAL INOVADORA NA ARQUITETURA BRASILEIRA ENCAC

2 O EDITAL DO CONCURSO E O INTERESSE POR UMA ARQUITETURA DE MENOR IMPACTO AMBIENTAL Edital do concurso: questões de sustentabilidade na arquitetura (chamadas pela Petrobras de eco-eficiência) em dez tópicos de caráter eliminatório: 1. Orientação solar adequada; 2. Forma Arquitetônica: adequada aos condicionantes climáticos locais e padrão de uso para a minimização da carga térmica interna; 3. Material das superfícies opacas e transparentes: termicamente eficiente; 4. Superfícies envidraçadas: Taxa de WWR (Window Wall Ratio) adequada às condições de conforto térmico e luminoso internos; 5. Proteções solares externas: adequadas às fachadas; 6. Ventilação natural: aproveitamento adequado dos ventos para resfriamento e renovação do ar interno; 7. Aproveitamento da Luz Natural; 8. Uso da Vegetação; 9. Sistemas para uso racional de água e reuso; 10. Materiais de baixo impacto ambiental: conceito de desenvolvimento sustentável. O EDITAL DO CONCURSO E O INTERESSE POR UMA ARQUITETURA DE MENOR IMPACTO AMBIENTAL A busca pela certificação verde LEED, Leadership in Energy and Environmental Design (Green Building Rating System), DOE, USA,1996 2

3 ORIGEM DO TERRENO E O IMPACTO AMBIENTAL POSITIVO DA IMPLANTAÇÃO PETROBRAS CENPES II PETROBRAS CENPES II PROGRAMA CENPES II: 1 Prédio Central 2 Laboratórios 3 Centro de Convenções 4 Realidade Virtual 5 Empreiterópolis 6 Oficinas 7 Orquidário 8 Planta Piloto 9 Restaurante 10 CENPES I 3

4 FASES DE DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE ECO-EFICIÊNCIA Fase 1 Concurso 1.1 Integração das exigências de eco-eficiência ao partido arquitetônico: Implantação e arquitetura dos edifícios Fase 2 Consolidação das principais estratégias de projeto 2.1 Definição das condições ambientais de exposição: clima, acústica e insolação 2.2 Estabelecimento dos critérios de desempenho Fase 3 1 a Avaliação do Desempenho Ambiental de edifícios e espaços abertos 3.1 Edifícios: conforto térmico, luminoso, acústico e os impactos no consumo de energia 3.2 Espaços abertos: conforto térmico Fase 4 Otimização do Desempenho Ambiental dos edifícios 4.1. Estudo de alternativas para o projeto arquitetônico: distribuição dos espaços internos, detalhamento e especificações FASE 1 DIAGNÓSTICO CLIMÁTICO PRELIMINAR E DIRETRIZES DE PROJETO DIRETRIZES DE PROJETO 1. proteção solar 2. ventilação natural 3. cores claras 4. baixa inércia térmica 5. alto isolamento térmico 4

5 FASE 1 ORIENTAÇÃO E FORMA 1. proteção solar 2. materiais 3. aberturas 4. vegetação 5. espaços abertos 6. energia FASE 1 ENSAIOS PRELIMINARES DE INSOLAÇÃO CONJUNTO UNIDADE DOS LABORATÓRIOS 5

6 FASE 1 ENSAIOS PRELIMINARES DE VENTILAÇÃO DO CONJUNTO FASE 2 CONSOLIDAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESTRATÉGIAS DE PROJETO Condições Ambientais de Exposição: Clima, Acústica e Insolação Critérios de Desempenho + Desenvolvimento Metodológico + Aplicação de ferramentas avançadas de Simulação Computacional 6

7 FASE 2 BANCO DE DADOS CLIMÁTICOS TEMPERATURA DAS 8760 HORAS DO ANO ROSA DOS VENTOS DIREÇÕES PREDOMINANTES RADIAÇÃO GLOBAL DAS 8760 HORAS DO ANO ANO TÍPICO Dados provenientes da estação meteorológica do Galeão Dados cedidos pelo Laboratório Master, IAG/USP. FASE 2 BANCO DE DADOS CLIMÁTICOS TEMPERATURA DO MÊS MAIS QUENTE (FEV/2003) UMIDADE RELATIVA DO MÊS MAIS QUENTE (FEV/2003) 7

8 FASE 2 ESTUDOS DE INSOLAÇÃO DO CONJUNTO: SOLSTÍCIOS E EQUINÓCIOS DEFINIÇÃO DE ÁREAS PARA OS PAINÉIS FOTOVOLTAICOS FASE 2 ESTUDOS DE VENTILAÇÃO DO CONJUNTO VENTO A 10m DE ALTURA VENTO NO NÍVEL DO PEDESTRE 8

9 FASE 2 ESTUDOS DE VENTILAÇÃO DO CONJUNTO PRESSÃO E VELOCIDADE DO VENTO NAS ENVOLTÓRIAS DOS EDIFÍCIOS FASE 3 1 A AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL EDIFÍCIOS: conforto térmico, luminoso, acústico e os impactos no consumo de energia ESPAÇOS ABERTOS: conforto térmico + Desenvolvimento Metodológico + Aplicação de ferramentas avançadas de Simulação Computacional 9

10 FASE 3 CONFORTO AMBIENTAL EM ESPAÇOS ABERTOS Tabela 3 - Espaços externos com toda radiação solar incidente e metade da ventilação natural (rv*) Tabela 4 - Espaços externos com metade da radiação solar incidente e metade da ventilação natural (r*v*) Tabela 5 - Espaços externos com toda radiação solar incidente e sem ventilação natural (r) FASE 3 PROPOSTAS, METAS E CRITÉRIOS DE DESEMPENHO TÉRMICO E ENERGÉTICO DAS EDIFICAÇÕES MODELO ADAPTATIVO E O CONCEITO DE TEMPERATURA EFETIVA PARA O RIO DE JANEIRO ZONA DE CONFORTO NOS AMBIENTES VENTILADOS NATURALMENTE 10

11 FASE 3 AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO POTENCIAL DE VENTILAÇÃO NATURAL E APLICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE MODO MISTO LABORATÓRIOS E AMBIENTES DE TRABALHO FASE 3 PARÂMETROS DE OPERAÇÃO PARA A CLIMATIZAÇÃO ARTIFICIAL 11

12 FASE 3 - DESEMPENHO LUMINOSO: LABORATÓRIO Estudo com aletas refletoras na cobertura para a maximização da captação de luz sem o acesso solar direto. Solstício de verão às 12h - destaque para a participação da cobertura inferior na reflexão da luz natural para o interior por meio de janelas altas. NORTE SUL FASE 3 - DESEMPENHO LUMINOSO: LABORATÓRIO 12

13 FASE 3 - DESEMPENHO LUMINOSO: PRÉDIO CENTRAL FASE 3 - DESEMPENHO LUMINOSO: PRÉDIO CENTRAL 13

14 Estudo de alternativas para o projeto arquitetônico: Distribuição dos espaços internos, Detalhamento e Especificações + Aplicação de ferramentas avançadas de Simulação Computacional PRÉDIO CENTRAL: MODELO DE SIMULAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO 14

15 PRÉDIO CENTRAL: MODELO DE SIMULAÇÃO DE VENTILAÇÃO NATURAL PRÉDIO CENTRAL: SIMULAÇÃO DE DESEMPENHO LUMINOSO 15

16 AUDITÓRIO: MODELO DE SIMULAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO E VENTILAÇÃO NATURAL AUDITÓRIO: SIMULAÇÃO DE DESEMPENHO LUMINOSO 16

17 EMPREITERÓPOLIS: MODELO DE SIMULAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO E VENTILAÇÃO NATURAL EMPREITERÓPOLIS: SIMULAÇÕES DA VELOCIDADE E FLUXO DO AR EM DIFERENTES TIPOS DE SHEDS 17

18 EMPREITERÓPOLIS: MODELO DE SIMULAÇÃO DE VENTILAÇÃO NATURAL E DESEMPENHO LUMINOSO PLANTA PILOTO: MODELO DE SIMULAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO E VENTILAÇÃO NATURAL 18

19 PLANTA PILOTO: MODELO DE SIMULAÇÃO DE VENTILAÇÃO NATURAL E DESEMPENHO LUMINOSO CONSIDERAÇÕES FINAIS 1. Nas análises e recomendações da ecoeficiência, buscou-se o melhor resultado térmico e luminoso para as soluções de orientação, proteção e especificação das aberturas. 2. A relevância considerada para as questões de conforto ambiental já na fase do projeto conceitual arquitetônico assegurou um desempenho potencial dos edifícios e espaços abertos a esse respeito. 19

20 CONSIDERAÇÕES FINAIS 3. Softwares de simulação como Radiance e CFX foram ferramentas essenciais para as análises de desempenho e conseqüentes ajustes e aprimoramentos da arquitetura. 4. Comprovação da importância da interação entre todos da equipe (projeto arquitetônico e complementares) para alcançar todas as metas de desempenho ambiental pré-estabelecidas, e assim obter sucesso no projeto. Obrigada! Arq. Dra. Joana Gonçalves 20

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II o novo centro de pesquisas da Petrobras Rio de Janeiro LABAUT Laboratório de Conforto Ambiental e Eficiência

Leia mais

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário...

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... ÍNDICE Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... XXIV CAPÍTULO 1 1.1. - Introdução... 1 1.2. - Metodologia

Leia mais

9º SEMINÁRIO TECNOLOGIA DE ESTRUTURAS: PROJETO E PRODUÇÃO COM FOCO NA RACIONALIZAÇÃO E QUALIDADE

9º SEMINÁRIO TECNOLOGIA DE ESTRUTURAS: PROJETO E PRODUÇÃO COM FOCO NA RACIONALIZAÇÃO E QUALIDADE 9º SEMINÁRIO TECNOLOGIA DE ESTRUTURAS: PROJETO E PRODUÇÃO COM FOCO NA RACIONALIZAÇÃO E QUALIDADE Centro de Pesquisas da Petrobras no Rio de Janeiro Ampliação do CENPES: uma estrutura dentro de um conceito

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA Estratégias por TRY e Normais Climatológicas M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CARTA PSICROMÉTRICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PARTIDO ARQUITETÔNICO DIRETRIZES GERAIS O edital do concurso aliado ao interesse por

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira QUESTÃO 1 Classifique as alternativas abaixo em verdadeiras (V) ou falsas (F), corrigindo as falsas e justificando as verdadeiras: a ( F ) Para

Leia mais

Ventilação Natural VENTILAÇÃO 1/47

Ventilação Natural VENTILAÇÃO 1/47 Ventilação Natural 1/47 Ventilação Natural CARACTERÍSTICAS GERAIS É uma das mais antigas estratégias de resfriamento passivo. É resultante de movimentos de ar, através de trocas entre ar interno e externo

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

Expansão da área do extremo sul do Campus da Universidade de Brasília Parque Científico e Tecnológico

Expansão da área do extremo sul do Campus da Universidade de Brasília Parque Científico e Tecnológico Fundação Universidade de Brasília Reitor Timothy Martin Mulholland Vice Reitor Edgar Nobuo Mamiya Decano de Administração Érico Paulo Siegmar Weidle Coordenação CEPLAN Arquiteto Alberto Alves de Faria

Leia mais

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ÚMIDAS MECANISMOS

Leia mais

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS Disposição final Planejamento Uso e Operação ENVELOPE ESTRUTURAS Projeto SISTEMAS PREDIAIS Construção Implantação PPI Conceituação Planejamento Definição Módulo escopoi Documentação Estudos de Projeto

Leia mais

Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura

Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura SABESP 7ª Audiência de Sustentabilidade Construções Sustentáveis Profa. ROBERTA CONSENTINO KRONKA MÜLFARTH rkronka@usp.br LABAUT - Laboratório de Conforto

Leia mais

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura Prof a : Ana Cecília Estevão Desenvolvimento sustentável Aquele que busca um equilíbrio entre

Leia mais

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão, 29 th May A ECOCHOICE é uma empresa de consultoria de referência na área da construção sustentável em Portugal, satisfazendo as necessidades

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 USO RACIONAL DA ENERGIA Identificar onde, na edificação, ocorrem os maiores gastos. Geralmente consegue-se reduzir o gasto energético reduzindo

Leia mais

Eficiência Energetica em edificações

Eficiência Energetica em edificações MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Eficiência Energetica em edificações 1 Alexandra Albuquerque Maciel alexandra.maciel@mma.gov.br SECRETARIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E QUALIDADE AMBIENTAL Diretoria de licenciamento

Leia mais

Benchmarking de consumo energético em edificações

Benchmarking de consumo energético em edificações Benchmarking de consumo energético em edificações Edward Borgstein CT Energia, CBCS BENCHMARKING E DESEMPENHO ENERGÉTICO OPERACIONAL (DEO) Consumos de projeto Consumo de energia Etiqueta de projeto/construção

Leia mais

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características:

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: 6. SIMULAÇÃO 6.1. Pré-requisitos específicos 6.1.1. Programa de simulação O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: ser um programa para

Leia mais

Benchmarking de consumo energético em edificações

Benchmarking de consumo energético em edificações Benchmarking de consumo energético em edificações Edward Borgstein CT Energia, CBCS BENCHMARKING E DESEMPENHO ENERGÉTICO OPERACIONAL (DEO) Etapas de etiquetagem energética #1 Etiqueta de projeto PBE Edifíca

Leia mais

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Relatório Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural

Leia mais

PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE

PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE O objetivo da Parte I é a apresentação das técnicas que permitem ao projetista entender, antes que a edificação seja projetada, como o prédio provavelmente usará a energia,

Leia mais

Programa EcoCommercial Building Brasil. Rede de soluções integradas para edifícios sustentáveis

Programa EcoCommercial Building Brasil. Rede de soluções integradas para edifícios sustentáveis Programa EcoCommercial Building Brasil Rede de soluções integradas para edifícios sustentáveis Programa EcoCommercial Building Serviços Engenharia Energias renováveis Arquitetura Plano Energético Iluminação

Leia mais

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL ESTRATÉGIAS DE ACTUAÇÃO Arq. Joana Mourão 28.11.2011 Solo Recursos Naturais

Leia mais

SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS. 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS. Organograma

SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS. 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS. Organograma SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS 2º SEMINÁRIO BIM SINDUSCON / SP 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS Organograma Visão SEDE Geral do Projeto DE SANTOS Perspectiva principal Visão Geral do Projeto 2011 2007

Leia mais

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído As expectativas da nova norma no mercado imobiliário Eng. Carlos Alberto Moraes Borges NORMALIZAÇÃO Na ultima década, diversas norma quem implicam na acústica das edificações foram atualizadas, criadas,

Leia mais

PROJETO E SIMULAÇÃO DE UM ESCRITÓRIO E DE UMA CASA COM ENERGIA LÍQUIDA ZERO ( NZEB) Paulo Otto Beyer - UFRGS

PROJETO E SIMULAÇÃO DE UM ESCRITÓRIO E DE UMA CASA COM ENERGIA LÍQUIDA ZERO ( NZEB) Paulo Otto Beyer - UFRGS PROJETO E SIMULAÇÃO DE UM ESCRITÓRIO E DE UMA CASA COM ENERGIA LÍQUIDA ZERO ( NZEB) Paulo Otto Beyer - UFRGS 1 www.energyplus.gov 2 3 4 Faixa de conforto = de 19,5 à 28 C, máximo 300 h/ano fora da faixa

Leia mais

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq.

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq. O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção João Mariz Graça, Arq. joao.mariz@lneg.pt Introdução conceito de sustentabilidade Bom desempenho Ambiental ciclo de vida do edifício; Fase

Leia mais

PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO E REDUÇÃO DE CUSTOS. Soluções em Empreendimentos e Edificações Sustentáveis

PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO E REDUÇÃO DE CUSTOS. Soluções em Empreendimentos e Edificações Sustentáveis PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO E REDUÇÃO DE CUSTOS O Problema: Atual Crise Hídrica e Elétrica 2003 A Crise Hídrica no Brasil O setor elétrico teve custos adicionais devido a problemas nos mananciais Em 2002

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia FACULDADE DE ARQUITETURA Coordenação Acadêmica

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia FACULDADE DE ARQUITETURA Coordenação Acadêmica PLANO DE CURSO Disciplina: Conforto Ambiental I Código: ARQ025 Carga horária: 34h Pré-requisito: N/A Semestre letivo: 2016.01 Turma: T010100 / T020200 Horário: Terças-feiras: 07:00 às 08:50h / 08:50 às

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220 Desempenho Térmico de edificações NBR15220 PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + requisitos usuários + NBR 15220 + NBR 15220-3 + parâmetros e condições de contorno + estratégias

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Ventilação Urbana. AUT 225 Conforto Ambiental em Espaços Urbanos Abertos

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Ventilação Urbana. AUT 225 Conforto Ambiental em Espaços Urbanos Abertos Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo AUT 225 Conforto Ambiental em Espaços Urbanos Abertos Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Sumário Introdução Impactos em diferentes climas

Leia mais

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS A B C D COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS E F G COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS COMPARAR É POUPAR ENERGIA O SEEP, Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos, é um sistema

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Rosário Fino

Leia mais

Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade. Arq.º Miguel Nery OASRN

Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade. Arq.º Miguel Nery OASRN 04-06-2009 Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade Arq.º Miguel Nery OASRN 1 oasrn edifício sede porto criatividade sustentabilidade O Conceito _ a oasrn estableceu um compromisso para a promoção da

Leia mais

Edificações Sustentáveis

Edificações Sustentáveis COLÓQUIO SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Edificações Sustentáveis Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações

Leia mais

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Ambiente diferenciado do meio empresarial Campus Santo Amaro - Centro Universitário rio SENAC 120 mil m2 de terreno 21 cursos de graduação e 7

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO. Catharina Macedo

ILUMINAÇÃO NATURAL PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO. Catharina Macedo PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO Catharina Macedo catharina.macedo@gmail.com PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO 1. BREVE HISTÓRICO 2. VANTAGENS

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

O PROJETO DE EDIFICAÇÕES COM AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO EM OURO PRETO/MG

O PROJETO DE EDIFICAÇÕES COM AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO EM OURO PRETO/MG O PROJETO DE EDIFICAÇÕES COM AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO EM OURO PRETO/MG NEVES, Tamiris dos Santos 1 ; GOMES, Adriano P. 2 1. Bolsista PIBIC-JR, Aluna do Curso de Edificações/IFMG-OP, tamiris_sn@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto e Construção Sustentável. Estratégias bioclimáticas aplicadas ao clima de Sinop-MT

Projeto e Construção Sustentável. Estratégias bioclimáticas aplicadas ao clima de Sinop-MT O ProjetEEE (http://www.projeteee.ufsc.br/) foi desenvolvido a partir do questionamento "Como proporcionar menor consumo energético e maior conforto interno ao usuário". O resultado é uma ferramenta gratuita

Leia mais

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras BREEAM Building Research Establishment Environmental Assessment Method Palestrante Viviane Cunha

Leia mais

Contexto: Zona Norte. Problema

Contexto: Zona Norte. Problema Contexto: Zona Norte Problema Há mais de 20 anos, estudos apontam a demanda de áreas públicas verdes e de lazer para a Zona Norte da Cidade do Rio do Janeiro - região com altos índices de ocupação urbana.

Leia mais

Eficiência energética e Qualidade do Ar Interior

Eficiência energética e Qualidade do Ar Interior A POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DA ARSC IP, E O PLANO ESTRATÉGICO DO BAIXO CARBONO PEBC Eficiência energética e Qualidade do Ar Interior Carlos Borrego e João Ginja Coimbra, 20 de junho de 2013 Consumo

Leia mais

Física da edificação - Térmica -

Física da edificação - Térmica - Física da edificação - Térmica - Física da Edificação Calor Luz Natural Umidade Conforto Térmico Estrutura da disciplina Físicia da Edificação F.E. 2014/1 Exercício Aula Introdução Planejamento Integrado

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Arquitetura e Urbanismo Café com Pesquisa SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Sistemas pergolados na arquitetura contemporânea

Sistemas pergolados na arquitetura contemporânea Título do Projeto: Green Architecture: Estratégias de sustentabilidade aplicadas à arquitetura e design BANPESQ/THALES: 2014015429 IC VOLUNTÁRIA 2014 Sistemas pergolados na arquitetura contemporânea Pesquisadora:

Leia mais

CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA

CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA Aplicação da Carta Solar para Sombreamento Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre

Leia mais

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Os requisitos de desempenho acústico do ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Ruídos internos e externos aos edifícios - DESEMPENHO ACÚSTICO - Normas técnicas 1) Normas Técnicas

Leia mais

ARQUITETURA SUSTENTÁVEL. Professora: Eliete de Pinho Araujo e alunas: Ana Paula, Carla, Carol Maurício, Karoline e Sandra (Uniceub, 2004).

ARQUITETURA SUSTENTÁVEL. Professora: Eliete de Pinho Araujo e alunas: Ana Paula, Carla, Carol Maurício, Karoline e Sandra (Uniceub, 2004). ARQUITETURA SUSTENTÁVEL Professora: Eliete de Pinho Araujo e alunas: Ana Paula, Carla, Carol Maurício, Karoline e Sandra (Uniceub, 2004). É uma forma de promover a busca pela igualdade social, valorização

Leia mais

cidades verdes OUTUBRO 2014

cidades verdes OUTUBRO 2014 cidades verdes ESPAÇOS DE QUALIDADE OUTUBRO 2014 Edifício Cidade Nova Universidade Petrobras 1987 Ano de Fundação Parque Madureira Rio+20 1999 2007 2010 Alinhamento com Agenda 21 1 o LEED NC Core & Shell

Leia mais

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Termografia Inês Simões www.itecons.uc.pt O que é a termografia infravermelha?

Leia mais

Resumo. Abstract. Introdução

Resumo. Abstract. Introdução 30 - Limitações quanto aos parâmetros de desempenho térmico e estratégias bioclimáticas recomendadas pela norma brasileira de desempenho térmico de habitações de interesse social Limitations Related to

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade Conforto higrotérmico dirigido à concepção arquitetônica Parte 1.2 Instrumentos de apoio à decisão de projeto Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc. DTC PROARQ

Leia mais

Arquitetura e desempenho luminoso: CENPES II, o novo centro de pesquisas da Petrobras, no Rio de Janeiro, Brasil

Arquitetura e desempenho luminoso: CENPES II, o novo centro de pesquisas da Petrobras, no Rio de Janeiro, Brasil Arquitetura e desempenho luminoso: CENPES II, o novo centro de pesquisas da Petrobras, no Rio de Janeiro, Brasil Architectural and daylighting performance: CENPES II, The new research centre from Petrobras,

Leia mais

A LUZ DO DIA NA ARQUITETURA RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO

A LUZ DO DIA NA ARQUITETURA RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO A LUZ DO DIA NA ARQUITETURA RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO Creio ser natural a aspiração do homem à luz Le Corbusier 01 QUESTIONAMENTO PRELIMINAR ILUMINAÇÃO NATURAL NA ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA POR QUÊ? BENEFÍCIOS

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDENCIAIS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Conselho Brasileiro de Construção

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação Funchal, 4 Junho 2 instrumentos para a Responsabilidade Social, Económica e Ambiental na Edificação Declaração de conformidade que visa verificar o cumprimento

Leia mais

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Rui Rafael Braga Rodrigues Ribeiro Professor Coordenador: Prof. Doutor

Leia mais

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras. Palestrante Fernando Perrone

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras. Palestrante Fernando Perrone Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras Etiquetagem Eficiência Energética de Edificações Procel Edifica Palestrante Fernando Perrone

Leia mais

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios Lisboa, 8 de Maio de 2012 ADENE Agência para a Energia sce@adene.pt ÍNDICE A Directiva Europeia EPBD Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Eficiência Energética nos edifícios e adaptação às Alterações Climáticas

Eficiência Energética nos edifícios e adaptação às Alterações Climáticas Eficiência Energética nos edifícios e adaptação às Alterações Climáticas AdaPT AC:T Método para integração da adaptação às Alterações Climáticas no Setor do Turismo LNEC 4 de junho 2015 CATARINA GONÇALVES

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica na Prática. Projete, Instale, Otimize!

Energia Solar Fotovoltaica na Prática. Projete, Instale, Otimize! TREINAMENTO Energia Solar Fotovoltaica na Prática Projete, Instale, Otimize! PV HANDS ON O desafio: Dimensionar e Instalar um Sistema Fotovoltaico Real. O Que Você Vai Aprender? - Dimensionar o Sistema

Leia mais

EDITAL CONCURSO CASA SOLIDÁRIA

EDITAL CONCURSO CASA SOLIDÁRIA EDITAL CONCURSO CASA SOLIDÁRIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS DO CONCURSO 2.1. Casa Solidária - Detalhamento conceitual 3. DIRETRIZES DO PROJETO 3.1. Diretrizes Gerais 3.2.

Leia mais

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem as suas próprias necessidades. COMISSÃO

Leia mais

ANÁLISE DE ALTERNATIVAS PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO ENERGÉTICO EM EDIFICAÇÕES CLIMATIZADAS

ANÁLISE DE ALTERNATIVAS PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO ENERGÉTICO EM EDIFICAÇÕES CLIMATIZADAS ANÁLISE DE ALTERNATIVAS PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO ENERGÉTICO EM EDIFICAÇÕES CLIMATIZADAS Markus Kirst Hahm markus.hahm@gmail.com Resumo. Este trabalho tem como objetivo a análise de diferentes soluções

Leia mais

ERGONOMIA. Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES

ERGONOMIA. Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES ERGONOMIA AULA 8: O O Ambiente de Trabalho Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES Estas condições influenciam o desempenho humano e a saúde dos trabalharores. TEMPERATURA TEMPERATURA

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

CONJUNTO HABITACIONAL MANGUETOWN

CONJUNTO HABITACIONAL MANGUETOWN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO CTC CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PROJETO ARQUITETÔNICO IV PROF THEMIS FAGUNDES, PROF JOSÉ KÓS. ANA LUÍZA CARTANA, CAIO SABBAGH,

Leia mais

ARQUITETANDO O FUTURO

ARQUITETANDO O FUTURO ARQUITETANDO O FUTURO Arq. Emílio Ambasz T J D F T ASSESSORIA DA SECRETARIA GERAL DA PRESIDÊNCIA Objetivos do TJDFT Cumprir o mandamento constitucional de defesa e preservação do meio ambiente para as

Leia mais

O CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL APLICADO À ARQUITETURA E URBANISMO COMO PARÂMETRO DA QUALIDADE DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

O CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL APLICADO À ARQUITETURA E URBANISMO COMO PARÂMETRO DA QUALIDADE DO AMBIENTE CONSTRUÍDO O CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL APLICADO À ARQUITETURA E URBANISMO COMO PARÂMETRO DA QUALIDADE DO AMBIENTE CONSTRUÍDO BOGO, Amilcar J. (1) (1) Arquiteto e Urbanista, M.Sc. Professor e Pesquisador

Leia mais

A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis

A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis 06/11/12 A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis A importância desta certificação para as Compras Públicas Sustentáveis Seminário Internacional A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS PASSIVAS E A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO EDIFÍCIO SEDE DOS CORREIOS, EM BELO HORIZONTE

O USO DE TECNOLOGIAS PASSIVAS E A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO EDIFÍCIO SEDE DOS CORREIOS, EM BELO HORIZONTE O USO DE TECNOLOGIAS PASSIVAS E A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO EDIFÍCIO SEDE DOS CORREIOS, EM BELO HORIZONTE LARA, Valéria Cristina Diniz (1); ALUCCI, Márcia Peinado (2) Mestre em Arquitetura FAUUSP, Arquiteta

Leia mais

EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS EM BRASÍLIA, UMA ANÁLISE BIOCLIMÁTICA

EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS EM BRASÍLIA, UMA ANÁLISE BIOCLIMÁTICA EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS EM BRASÍLIA, UMA ANÁLISE BIOCLIMÁTICA Alexandra A. Maciel (1), Roberto Lamberts (2) (1) LabEEE, Departamento de Engenharia Civil/UFSC, end: UFSC, c. postal 476, Florianópolis- SC-

Leia mais

A Experiência da MRV na Implantação da NBR 15575

A Experiência da MRV na Implantação da NBR 15575 RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S/A A Experiência da MRV na Implantação da NBR 15575 REALIZAÇÃO Flávio Paulino de Andrade e Silva

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ORIENTAÇÃO NO DESEMPENHO DOS EDIFÍCIOS EM ÁGUAS CLARAS - DISTRITO FEDERAL

INFLUÊNCIA DA ORIENTAÇÃO NO DESEMPENHO DOS EDIFÍCIOS EM ÁGUAS CLARAS - DISTRITO FEDERAL INFLUÊNCIA DA ORIENTAÇÃO NO DESEMPENHO DOS EDIFÍCIOS EM ÁGUAS CLARAS - DISTRITO FEDERAL Andiara Campanhoni (1); Marta Bustos Romero (2); (1) Mestranda da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Labotrtório

Leia mais

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil NBR 15575 Edificações Habitacionais 2000 2013 2008 ABNT NBR 15575-4 NBR 15575:2013

Leia mais

Sistemas de Certificação Ambiental de Edificações

Sistemas de Certificação Ambiental de Edificações Introdução Sistemas de Certificação Ambiental de Edificações Conheça os 5 principais sistemas de certificação ambiental de edificações em uso atualmente no Brasil: LEED, EDGE, AQUA, Etiqueta Procel e Selo

Leia mais

APLICAÇÃO DA TERMOFISIOLOGIA HUMANA NA AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO. Eusébio Conceição

APLICAÇÃO DA TERMOFISIOLOGIA HUMANA NA AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO. Eusébio Conceição APLICAÇÃO DA TERMOFISIOLOGIA HUMANA NA AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO Eusébio Conceição FCT - Universidade do Algarve - Faro OBJECTIVOS Desenvolvimento de um novo sistema de controlo de sistemas AVAC baseados

Leia mais

COMISSIONAMENTO DE SISTEMAS PREDIAIS

COMISSIONAMENTO DE SISTEMAS PREDIAIS AGENDA OBJETIVO DO COMISSIONAMENTO; PAPEL DO AGENTE/ EMPRESA DE COMISSIONAMENTO; PRINCIPAIS ATIVIDADES NA CADEIA DA CONSTRUÇÃO; CASES; BENEFÍCIOS DO COMISSIONAMENTO; AÇÕES DO COMISSIONAMENTO NO BRASIL;

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR 15575

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR 15575 Desempenho Térmico de edificações NBR 15575 Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + NBR 15575 + procedimentos de avaliação + prescritivo + simulação computacional + medição + prescritivo

Leia mais

"Arquitetura Sustentável: morar de bem com a Natureza"

Arquitetura Sustentável: morar de bem com a Natureza "Arquitetura Sustentável: morar de bem com a Natureza" Sustentabilidade: Sustentabilidade é um termo usado para definir ações e atividades humanas que visam suprir as necessidades atuais dos seres humanos,

Leia mais

ABNT NBR (2008) Edifícios Habitacionais de Até Cinco Pavimentos Desempenho. Resumo dos itens relacionados ao Desempenho Térmico

ABNT NBR (2008) Edifícios Habitacionais de Até Cinco Pavimentos Desempenho. Resumo dos itens relacionados ao Desempenho Térmico ABNT NBR 15575 (2008) Edifícios Habitacionais de Até Cinco Pavimentos Desempenho Resumo dos itens relacionados ao Desempenho Térmico SUMÁRIO Assunto pg. Parte 1: Requisitos Gerais 1 Anexo A (Informativo):

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA CONECTADA À REDE

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA CONECTADA À REDE Junho - 2015 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA CONECTADA À REDE Fernando Medeiros & Roseli Doreto EnergyBras Energias Renováveis ASPECTOS GERAIS DA TECNOLOGIA FOTOVOLTAICA Conceitos Básicos da Tecnologia Fotovoltaico

Leia mais

SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO

SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO QUANDO PRECISAMOS DE AR CONDICIONADO? DIAGRAMA BIOCLIMATICO DE GIVONI 30 30 zon Estratégias mais eficientes a 1 Conforto higrotérmico 10

Leia mais

Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos

Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos Profa. Dra. Denise Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação:

Leia mais

PAINEL 9 GERAÇÃO PRÓPRIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS SISTEMAS METROFERROVIARIOS DAVID TURBUK METRÔ - SP

PAINEL 9 GERAÇÃO PRÓPRIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS SISTEMAS METROFERROVIARIOS DAVID TURBUK METRÔ - SP PAINEL 9 GERAÇÃO PRÓPRIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS SISTEMAS METROFERROVIARIOS DAVID TURBUK METRÔ - SP Soluções de projeto para melhoria da eficiência energética e para geração própria no Metrô - SP.

Leia mais

Ventilação natural. Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro AUT DESEMPENHO TÉRMICO, ARQUITETURA E URBANISMO

Ventilação natural. Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro AUT DESEMPENHO TÉRMICO, ARQUITETURA E URBANISMO Ventilação natural Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro 1. Introdução 2. Ventilação Natural 3. Procedimentos de Cálculo 4. Exemplos Projetuais e Aplicações 5. Considerações

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade Parte 1 - Conforto higrotérmico dirigido à concepção arquitetônica (continuação) Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc. DTC PROARQ FAU/UFRJ Roteiro O conforto,

Leia mais

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico Iluminação natural zenital Conforto ambiental lumínico Objetivos Visibilidade no plano de trabalho Eficiência energética Uso das paredes Satisfação do usuário Introdução A ILUMINAÇÃO ZENITAL (IZ) é uma

Leia mais

Pedimos agilidade. Porém, com alma. Precisamos de atividade. Por que não ao ar livre? Queremos funcionalidade. Por favor, sem ser artificial.

Pedimos agilidade. Porém, com alma. Precisamos de atividade. Por que não ao ar livre? Queremos funcionalidade. Por favor, sem ser artificial. Pedimos agilidade. Porém, com alma. Precisamos de atividade. Por que não ao ar livre? Queremos funcionalidade. Por favor, sem ser artificial. MULTIUSO. MULTIVIDA. No coração da Zona Sul, o W traz evolução

Leia mais

Certificações Ambientais LEED e BREEAM. Por uma vida mais sustentável

Certificações Ambientais LEED e BREEAM. Por uma vida mais sustentável Certificações Ambientais LEED e BREEAM Por uma vida mais sustentável 2 1 Introdução Certificações ambientais Um projeto sustentável deve considerar os efeitos a longo prazo das ações realizadas no presente,

Leia mais

Jacqueline Moterani Maia SUSTENTABILIDADE E ARQUITETURA: PROPOSTA DE GUIA DE RECOMENDAÇÕES DE PROJETO

Jacqueline Moterani Maia SUSTENTABILIDADE E ARQUITETURA: PROPOSTA DE GUIA DE RECOMENDAÇÕES DE PROJETO Jacqueline Moterani Maia SUSTENTABILIDADE E ARQUITETURA: PROPOSTA DE GUIA DE RECOMENDAÇÕES DE PROJETO Belo Horizonte Escola de Arquitetura da UFMG 2015 Jacqueline Moterani Maia SUSTENTABILIDADE E ARQUITETURA:

Leia mais

Audiência Pública. Registro de Preços para Construção de

Audiência Pública. Registro de Preços para Construção de Audiência Pública Registro de Preços para Construção de Estabelecimentos de Ensino Público Projeto Piloto: Construção Escolas ProInfância Desafio: Melhorar a eficiência do processo, e garantir:. Edifícios

Leia mais

Narrativa RTQ-R 1. INFORMAÇÕES GERAIS 2. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO 1.1. INFORMAÇÕES DO SOLICITANTE 1.2. DADOS GERAIS

Narrativa RTQ-R 1. INFORMAÇÕES GERAIS 2. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO 1.1. INFORMAÇÕES DO SOLICITANTE 1.2. DADOS GERAIS Narrativa RTQ-R 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. INFORMAÇÕES DO SOLICITANTE Nome: Rogério de Souza Versage Telefone: 48 8888-8888 / 48 8888-8888 E-mail: versage@labeee.ufsc.br 1.2. DADOS GERAIS Objeto de avaliação:

Leia mais

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER Seminário Final do Projeto Aveiro, 30/05/2012 Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT-09-142-FEDER-000022 Victor M. Ferreira 1 O desafio Em

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 SINDUSCON PE 12/11/2014 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO

Leia mais

DEFINIÇÃO DO CONCEITO DE AVALIAÇÃO EXIGENCIAL E DE NÍVEIS DE QUALIDADE TÉRMICA CAPÍTULO 4

DEFINIÇÃO DO CONCEITO DE AVALIAÇÃO EXIGENCIAL E DE NÍVEIS DE QUALIDADE TÉRMICA CAPÍTULO 4 DEFINIÇÃO DO CONCEITO DE AVALIAÇÃO EXIGENCIAL E DE NÍVEIS DE QUALIDADE TÉRMICA CAPÍTULO 4 DEFINIÇÃO DO CONCEITO DE AVALIAÇÃO EXIGENCIAL E DE NÍVEIS DE QUALIDADE TÉRMICA 27 CAPÍTULO 4 ÍNDICE 4. DEFINIÇÃO

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DA ENVOLTÓRIA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES

INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DA ENVOLTÓRIA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DA ENVOLTÓRIA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES Verônica Stefanichen Monteiro Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC veronica.sm@puccampinas.edu.br Cláudia Cotrim Pezzuto

Leia mais

Alguns questionamentos

Alguns questionamentos Alguns questionamentos Quais são as principais preocupações das administradoras e operadores prediais em relação ao desempenho do sistema de Ar Condicionado? - Atender a carga térmica (subdimensionamento

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais