CONCEITOS FUNDAMENTAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCEITOS FUNDAMENTAIS"

Transcrição

1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS

2 03 GRANDEZAS LUMINOSAS

3 GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA

4 GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA

5 FLUXO LUMINOSO FLUXO LUMINOSO É A QUANTIDADE DE ENERGIA RADIANTE CAPAZ DE SENSIBILIZAR O OLHO HUMANO A UNIDADE DESTA GRANDEZA ÉO LUMEN, QUE CORRESPONDE À QUANTIDADE DE ENERGIA RADIANTE CAPAZ DE SENSIBILIZAR OS OLHOS DURANTE UM SEGUNDO Fluxo luminoso Símbolo Φ Unidade: Lúmen (lm)

6 FLUXO LUMINOSO O FLUXO LUMINOSO É REPRESENTADO PELA LETRA GREGA Ф (FI) SUA UNIDADE É O LUMEN (lm)* * UNIDADE DE POTÊNCIA CORRESPONDENTE A 1/680 W EMITIDOS NO COMPRIMENTO DE ONDA DE 555 nm, NO QUAL A SENSIBILIDADE DO OLHO É MÁXIMA O FLUXO LUMINOSO É MEDIDO EM LABORATÓRIO, COM UM APARELHO CHAMADO ESFERA INTEGRADORA DE ULBRICHT

7 FLUXO LUMINOSO ESFERAS INTEGRADORAS DE ULBRICHT DE DIFERENTES TAMANHOS

8 FLUXO LUMINOSO TIPO DE LÂMPADA VELA DE CERA BICICLETA INCANDESCENTE TRANSLÚCIDA 60 W HALÓGENA BIPINO 50 W FLUORESCENTE COMPACTA 15 W FLUORESCENTE TUBULAR 32 W FLUORESCENTE TUBULAR 28 W VAPOR DE SÓDIO ALTA PRESSÃO 70 W MULTIVAPOR METÁLICO 70 W FLUXO LUMINOSO (LM) (127 v) Valores de referência: Para dados específicos, consultar catálogos FLUXO LUMINOSO DE ALGUMAS FONTES

9 GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA

10 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É A RAZÃO ENTRE O FLUXO EMITIDO POR UMA FONTE DE LUZ E A POTÊNCIA ELÉTRICA CONSUMIDA NO PROCESSO. EM OUTRAS PALAVRAS, UMA MAIOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SIGNIFICA MAIS LUZ COM MENOR CONSUMO DE ENERGIA.

11 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É REPRESENTADA PELA LETRA GREGA η (ETA) SUA UNIDADE É O LUMEN / W É A SEGUINTE A FÓRMULA QUE EXPRESSA O RENDIMENTO LUMINOSO: Eficiência Energética Símbolo Unidade:) η = φ w

12 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA TIPO DE LÂMPADA POTENCIA NOMINAL (w) EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (lm/w) INCANDESCENTE TRANSLÚCIDA 60 13,3 HALÓGENA BIPINO 50 18,6 FLUORESCENTE COMPACTA FLUORESCENTE TUBULAR (T8) - diâmetro 26 mm 32 84,4 FLUORESCENTE TUBULAR (T5) - diâmetro 16 mm 28 90,6 VAPOR DE SÓDIO DE ALTA PRESSÃO MULTIVAPOR METÁLICO 70 94,3 Valores de referência: Para dados específicos, consultar catálogos EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE ALGUMAS LÂMPADAS ELÉTRICAS

13 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE ALGUMAS LÂMPADAS ELÉTRICAS

14 GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA

15 INTENSIDADE LUMINOSA INTENSIDADE LUMINOSA ÉO FLUXO LUMINOSO EMITIDO NUMA DADA DIREÇÃO Intensidade Luminosa Símbolo I Unidade: candela (cd)

16 INTENSIDADE LUMINOSA SUA UNIDADE É A CANDELA (cd) A INTENSIDADE LUMINOSA É MEDIDA EM LABORATÓRIO, COM APARELHOS ESPECIAIS É A SEGUINTE A FÓRMULA QUE EXPRESSA A INTENSIDADE: I = φ ω = φ 4π

17 INTENSIDADE LUMINOSA A INTENSIDADE LUMINOSA É MEDIDA EM LABORATÓRIO, COM APARELHOS ESPECIAIS (GONIOFOTÔMETROS) ALGUNS TIPOS DE GONIOFOTÔMETROS

18 INTENSIDADE LUMINOSA ASSIM COMO A ÁREA DE UMA CIRCUNFERÊNCIA É DE 4πr², O VOLUME DE UMA ESFERA É DE 4π ESFERORADIANOS

19 INTENSIDADE LUMINOSA CURVAS FOTOMÉTRICAS DE UMA LÂMPADA INCANDESCENTE E DE UMA LÂMPADA FLUORESCENTE

20 GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA

21 ILUMINÂNCIA ILUMINÂNCIA(OU ILUMINAÇÃO) É A RAZÃO ENTRE O FLUXO LUMINOSO EMITIDO POR UMA FONTE E A SUPERFÍCIE ILUMINADA A CERTA DISTÂNCIA DA FONTE. Iluminância Símbolo E Unidade: lux (lx)

22 ILUMINÂNCIA SUA UNIDADE É O LUX (lx) A ILUMINÂNCIA É MEDIDA COM UM APARELHO CHAMADO LUXÍMETRO ALGUNS MODELOS DE LUXÍMETROS

23 ILUMINÂNCIA É A SEGUINTE A FÓRMULA QUE EXPRESSA A ILUMINÂNCIA: E = φ A ONDE : Φ É O FLUXO E A A ÁREA

24 ILUMINÂNCIA MEIO DIA DE VERÃO, CÉU CLARO MEIO DIA DE VERÃO, CÉU ENCOBERTO ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE ESCRITÓRIO BOA ILUMINAÇÃO PÚBLICA NOITE DE LUZ CHEIA NOITE DE LUA NOVA (LUZ DAS ESTRELAS) LUX LUX 500 LUX 20 A 40 LUX 0,25 LUX 0,01 LUX VALORES APROXIMADOS DE ILUMINÂNCIAS SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE LUZ

25 GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA

26 LUMINÂNCIA A LUMINÂNCIA DE UMA SUPERFÍCIE NUMA DIREÇÃO DADA É A RAZÃO ENTRE A INTENSIDADE LUMINOSA NAQUELA DIREÇÃO E A SUPERFÍCIE APARENTE* PARA O OBSERVADOR *A SUPERFÍCIE APARENTE É EXPRESSA POR A cosα

27 LUMINÂNCIA Luminância Símbolo L Unidade: candela / cm² ou candela / m²

28 LUMINÂNCIA α α L = ρ π E OU L = A I cosα ρ = refletância E = iluminância

29 LUMINÂNCIA A LUMINÂNCIA SERÁ MÁXIMA QUANDO O OLHO ESTIVER NA PERPENDICULAR DA SUPERFÍCIE LUMINOSA A LUMINÂNCIA PODE SER DIRETA OU INDIRETA SERÁ DIRETA QUANDO SE TRATAR DE SUPERFÍCIES ILUMINANTES E INDIRETA NO CASO DE SUPERFÍCIES ILUMINADAS

30 LUMINÂNCIA LUMINÂNCIA DIRETA DE UMA SUPERFÍCIE LUMINOSA

31 LUMINÂNCIA LUMINÂNCIA INDIRETA DE UMA SUPERFÍCIE ILUMINADA

32 LUMINÂNCIA A LUMINÂNCIA É MEDIDA COM UM APARELHO CHAMADO LUMINANCÍMETRO LUMINANCÍMETRO KONICA MINOLTA ESTE MODELO FAZ LEITURAS DE 1/3 E SUA FAIXA DE ABRANGÊNCIA VAI DE 0,01 cd/m² a cd/m²

33 LUMINÂNCIA É A LUMINÂNCIA QUE PRODUZ A SENSAÇÃO DE CLARIDADE A LUZ NÃO SE FAZ VISÍVEL ATÉ QUE SEJA REFLETIDA PELOS CORPOS A MAIOR OU MENOR CLARIDADE COM QUE VEMOS OS OBJETOS ILUMINADOS DEPENDE DE SUA LUMINÂNCIA VER PRÓXIMA FIGURA

34 LUMINÂNCIA COM A MESMA ILUMINÂNCIA O LIVRO APRESENTA MAIOR LUMINÂNCIA QUE O TAMPO DA MESA

35 LUMINÂNCIA A PERCEPÇÃO DA LUZ NA REALIDADE É A PERCEPÇÃO DE DIFERENÇAS DE LUMINÂNCIAS A LUMINÂNCIA TEM GRANDE IMPORTÂNCIA NO FENÔMENO DO OFUSCAMENTO

36 LUMINÂNCIA SOL CÉU CLARO CÉU ENCOBERTO LUA CHAMA DE UMA VELA DE CERA LÂMPADA INCANDESCENTE CLARA LÂMPADA INCANDESCENTE OPAL LÂMPADA HQI 400 W PAPEL BRANCO SOB 1000 LUX CALÇADA BEM ILUMINADA cd/cm² 0,3 A 0,5 cd/cm² 0,03 A 0,1cd/cm² 0,5 cd/cm² 0,7 cd/cm² 100 A 200cd/cm² 1 A 5 cd/cm² 78 cd/cm² 250 cd/cm² 2 cd/cm² VALORES APROXIMADOS DE LUMINÂNCIAS

37 LUMINÂNCIA GRANDEZA SÍMBOLO UNIDADE Fluxo Luminoso Φ Lumen (lm) Eficiência Energética η Lumen por watt (lm/w) Intensidade Luminosa I Candela (cd) Iluminância E Lux (lx) Luminância L Candela / m² ou Candela / cm² RESUMO GERAL GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS

GRANDEZAS FOTOMÉTRICAS E MÉTODO DE LUMÉNS AULA 20

GRANDEZAS FOTOMÉTRICAS E MÉTODO DE LUMÉNS AULA 20 O que é luz? Luz Princípios Gerais Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Fonte de luz radiação eletromagnética diferentes comprimentos de onda sensibilidade do olho espectro

Leia mais

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL A LUZ NATURAL A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO 1. LUZ VISÍVEL 2. VISÃO E CONFORTO VISUAL D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES Product training program http://www.osram.com/osram_com/tools

Leia mais

2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária

2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária 2001 2xT26 32W - 2001.232.100 / Folha de dados de luminária Emissão luminosa 1: É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias. 105 90 105 90 75 75 60 60 160 45 45 320 30 15 0

Leia mais

Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resulta

Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resulta Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resultado em termos de quantidade, qualidade da luz e sua

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Exemplos de iluminância: Luz solar em dia claro (exterior)... 100.000lux Sala com janelas amplas, à luz do dia... 1.000lux Sala bem

Leia mais

Visão Humana. Vapores metálicos x Vapor de sódio

Visão Humana. Vapores metálicos x Vapor de sódio i l u m i n a ç ã o p ú b l i c a Hoje, a iluminação nas cidades tem sido direcionada no sentido da valorização de seu patrimônio histórico e da criação de ambientes urbanos voltados ao bem estar do cidadão.

Leia mais

Iluminação. !Natureza da Luz

Iluminação. !Natureza da Luz !Natureza da Luz A luz é uma radiação ondulatória, de natureza eletromagnética, assim como as ondas do rádio, da televisão, telefone celular, as microondas, ou o calor radiante, diferindo destes apenas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Daiane Babireski dos Santos UMA ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS LED E FLUORESCENTES

Leia mais

Projeto de Iluminação

Projeto de Iluminação Projeto de Iluminação Luz e o tempo A luz como energia, arquitetura como algo ligado a energia. A luz artificial como herdeira do fogo, em torno do qual nossos ancestrais se reuniam. Luzes e sombras mutantes

Leia mais

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA ÍNDICE I A iluminação no trabalho I.1 A aplicação norma regulamentadora NR 17 do Ministério do Trabalho I.2 Iluminação de Interiores NBR 5413 da ABNT I.3 Como selecionar

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO De acordo com as normas da ABNT, cada ambiente requer um determinado nível de iluminância (E) ideal, estabelecido de acordo com as atividades a serem ali desenvolvidas,

Leia mais

Informações. Técnicas

Informações. Técnicas Informações Técnicas LUMINOTÉCNICA - CONCEITOS BÁSICOS Iluminância Luminância Símbolo E Símbolo L Unidade lux (lx) Unidade cd/m² É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância

Leia mais

Módulo Iluminação Artificial

Módulo Iluminação Artificial FAU / USP AUT 262 / 2 Sem. 2008 Módulo Iluminação Artificial (Parte 2) Prof. A. C. Mingrone Lâmpadas, Luminárias e Sistemas de Ilmuminação O resto de minha vida vou passar pensando sobre o que é a luz

Leia mais

Altura do Centro de Luz (A.C.L.)

Altura do Centro de Luz (A.C.L.) Termo Altura do Centro de Luz (A.C.L.) American National Standards Institute (ANSI) Ampéres ("Amps" ou A ) Ângulo do Campo Ângulo do Facho Luminoso Canadian Standard Association (CSA) Candela (cd) Candlepower

Leia mais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Parte 2 Sistemas de Iluminação: Luminotécnica Prof Msc Alex Vilarindo Menezes 1 Cronograma 1 Conceitos fundamentais da luminotécnica 2 Lâmpadas Classificação

Leia mais

Ambiente: RETAGUARDA - 1P Dimensões: Comprimento: 3,90 m Largura: 7,70 m Pé direito: 2,60 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core

Ambiente: RETAGUARDA - 1P Dimensões: Comprimento: 3,90 m Largura: 7,70 m Pé direito: 2,60 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core Empresa: BRB - Banco de Brasília-DF Obra: BRB - Banco de Brasília-DF Dados adicionais: REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Autor: HUDSON ALESSE Data: 21/04/2012 Revisão:

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA ILUMINAÇÃO RESIDENCIAL: ASPECTOS TÉCNICOS, ECONÔMICOS, CONFORTO VISUAL E SEGURANÇA

ALTERNATIVAS PARA ILUMINAÇÃO RESIDENCIAL: ASPECTOS TÉCNICOS, ECONÔMICOS, CONFORTO VISUAL E SEGURANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ALTERNATIVAS PARA ILUMINAÇÃO RESIDENCIAL: ASPECTOS TÉCNICOS, ECONÔMICOS, CONFORTO VISUAL E SEGURANÇA LÉNINE

Leia mais

Goniofotometria e suas contribuições para a Iluminação Pública

Goniofotometria e suas contribuições para a Iluminação Pública Goniofotometria e suas contribuições para a Ivo Ázara Pesquisador no Laboratório de Radiometria e Fotometria (Laraf) O que é goniofotometria? Fotometria Medição da luz visível reproduzindo a sensibilidade

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

CATÁLOGO DE LÂMPADAS. TECNOLAMP DO BRASIL - LÂMPADAS E ACESSORIOS Av. Tiradentes, Luz São Paulo, SP

CATÁLOGO DE LÂMPADAS. TECNOLAMP DO BRASIL - LÂMPADAS E ACESSORIOS Av. Tiradentes, Luz São Paulo, SP CATÁLOGO DE LÂMPADAS 2015 1 Índice Sobre a Empresa PAG. 3 Lampâdas de Vapor de Sódio 6 Lampâdas de Vapor Metálico 10 Lampâdas de Vapor de Mercúrio e Mistas 13 Lâmpadas de LED/Especiais 15 2 Sobre a Empresa

Leia mais

LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE

LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Lâmpadas Lâmpadas Incandescentes Lâmpadas para Iluminação Pública e para Grandes

Leia mais

Elementos de Fotometria

Elementos de Fotometria EPUSP - Guido Stolfi 1 / 70 Elementos de Fotometria PTC2547 Princípios de Televisão Digital Guido Stolfi EPUSP - 2016 Tópicos Abordados Emissão de Luz Corpo Negro Descarga em Gás Fluorescência Junções

Leia mais

Luminotécnica. Iluminação: Conceitos e Projetos. Prof. Msc. Getúlio. Teruo Tateoki

Luminotécnica. Iluminação: Conceitos e Projetos. Prof. Msc. Getúlio. Teruo Tateoki Luminotécnica Iluminação: Conceitos e Projetos Conforto luminoso -O que todos nós queremos - arquitetos, engenheiros, decoradores de interiores, empresas fornecedoras de tecnologia, produtos e serviços

Leia mais

Fluorescente Tubular T5

Fluorescente Tubular T5 Ampla e extensa gama de lâmpadas de alta eficiência, em diversos comprimentos, diâmetros e potências.excelente reprodução de cores, alto fluxo luminoso, melhor rendimento e vida mediana de até 24.000 horas,

Leia mais

Quantidades Básicas da Radiação

Quantidades Básicas da Radiação Quantidades Básicas da Radiação Luminosidade e Brilho Luminosidade = energia emitida por unidade de tempo. Brilho = fluxo de energia(energia por unidade de tempo e por unidade de superfície) Luminosidade

Leia mais

Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro 1ª PARTE

Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro 1ª PARTE ACTIVIDADE PRÁCTICA DE SALA DE AULA FÍSICA 10.º ANO TURMA A Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro Zoom escala do eixo das ordenadas 1ª PARTE Cor do corpo Definir temperatura do corpo

Leia mais

Para cada grandeza física existe uma unidade que é utilizada para medir essa grandeza.

Para cada grandeza física existe uma unidade que é utilizada para medir essa grandeza. Grandezas e Unidades Quando começamos a falar sobre o SI, logo dissemos que seu objetivo principal é padronizar as medições e que para isso, estão definidos nele, apenas uma unidade para cada grandeza

Leia mais

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Luminotécnica (Lâmpadas e Luminárias) Edcarlos Nunes Patrícia Lins Raphael Leite Thiago Santos 18/09/2011 1 Sumário Cálculo Luminotécnico:

Leia mais

Módulo Iluminação Artificial

Módulo Iluminação Artificial FAU / USP AUT 262 / 2 Sem. 2008 Módulo Iluminação Artificial Programa 15 set. Luz, Visão e Grandezas Fotométricas 22 set. Fontes Artificiais de Luz e Equipamentos de Controle 29 set. Luminárias e Sistemas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MECÂNICA PROF. JOSÉ EDUARDO. Grandezas. De base Derivada

DEPARTAMENTO DE MECÂNICA PROF. JOSÉ EDUARDO. Grandezas. De base Derivada MEDIÇÃO INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE MECÂNICA PROF. JOSÉ EDUARDO Grandezas De base Derivada DEPARTAMENTO DE MECÂNICA Grandezas de Base COMPRIMENTO TEMPO GRANDEZAS DE BASE MASSA QUANTIDADE DE MATÉRIA CORRENTE

Leia mais

Diodos Emissores de Luz em Edificações Eficientes. Prof. Henrique A. C. Braga, Dr. Eng. São Paulo, Junho, 2014

Diodos Emissores de Luz em Edificações Eficientes. Prof. Henrique A. C. Braga, Dr. Eng. São Paulo, Junho, 2014 Diodos Emissores de Luz em Edificações Eficientes Prof. Henrique A. C. Braga, Dr. Eng. São Paulo, Junho, 2014 1 Conteúdo Conceitos Básicos de Luminotécnica Lâmpadas Conectadas em CA Lâmpadas Ineficientes

Leia mais

ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO

ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO Luís Agostinho Neto ¹ RESUMO: Este

Leia mais

LANTERNAS PARA MERGULHO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. Fernando Reiszel Pereira ESDI - Escola Superior de Desenho Industrial - UERJ

LANTERNAS PARA MERGULHO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. Fernando Reiszel Pereira ESDI - Escola Superior de Desenho Industrial - UERJ LANTERNAS PARA MERGULHO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Fernando Reiszel Pereira ESDI - Escola Superior de Desenho Industrial - UERJ INTRODUÇÃO: Lanternas são equipamentos fundamentais para um bom mergulho noturno.

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS DE ILUMINAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADA A UM CONJUNTO HABITACIONAL DE CASAS POPULARES EM CACOAL-RONDONIA.

ANÁLISE DE PARÂMETROS DE ILUMINAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADA A UM CONJUNTO HABITACIONAL DE CASAS POPULARES EM CACOAL-RONDONIA. ISSN 1984-9354 ANÁLISE DE PARÂMETROS DE ILUMINAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADA A UM CONJUNTO HABITACIONAL DE CASAS POPULARES EM CACOAL-RONDONIA. Sérgio Luiz Sousa Nazario, Paulo Renda Anderson, Rodrigo

Leia mais

I Seminário de Iluminação Pública Eficiente - SEMIPE

I Seminário de Iluminação Pública Eficiente - SEMIPE I Seminário de Iluminação Pública Eficiente - SEMIPE Regulamento para Etiquetagem e Selo das Luminárias de Iluminação Pública Alexandre Paes Leme Inmetro Ribamar Vilela Velez Eletrobras/Procel Juiz de

Leia mais

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP TRABALHO ESTE TRABALHO FOI SELECIONADO COMO

Leia mais

Manual de Luminotécnica

Manual de Luminotécnica Apostila auxiliar da disciplina ENE-065 para o curso de Engenharia Elétrica da UFJF Manual de Luminotécnica Prof. Rodrigo Arruda Felício Ferreira 2010 Sumário Grandezas e conceitos... 1 Tipos e características

Leia mais

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS )

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 2 - OBJETIVOS: 1) CONCEITOS BÁSICOS DE FOTOMETRIA E DA AÇÃO DA LUZ SOBRE O OLHO 2) TIPOS DE LÂMPADAS 2.1) LÂMPADAS

Leia mais

Figuras: ALVARENGA, Beatriz, MÁXIMO, Antônio. Curso de Física-Vol. 1, Editora Scipione, 6a Ed. São Paulo (2005) Comprimento metro m

Figuras: ALVARENGA, Beatriz, MÁXIMO, Antônio. Curso de Física-Vol. 1, Editora Scipione, 6a Ed. São Paulo (2005) Comprimento metro m FÍSICA I AULA 01: GRANDEZAS FÍSICAS; SISTEMAS DE UNIDADES; VETORES TÓPICO 02: SISTEMAS DE UNIDADES Para efetuar medidas é necessário fazer uma padronização, escolhendo unidades para cada grandeza. Antes

Leia mais

1. Grandezas luminotécnicas

1. Grandezas luminotécnicas 1. Grandezas luminotécnicas 1.1 Fluxo luminoso O fluxo luminoso é a quantidade de luz emitida por uma fonte na unidade de tempo. Designa-se pelo símbolo, e a sua unidade o lúmen (lm). Da definição de lúmen

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROJETO COMPLEMENTAR DE ILUMINAÇÃO PARA O PRÉDIO DO PROJETO FRONTEIRAS DO DIAGNÓSTICO E DAS TERAPIAS DAS DOENÇAS

Leia mais

Matt ou Especular. Faz diferença? t e n d ê n c i a s. Da Redação A EXPOLUX ESTÁ AÍ E VOCÊ VAI ENCONTRAR. Principais diferenças

Matt ou Especular. Faz diferença? t e n d ê n c i a s. Da Redação A EXPOLUX ESTÁ AÍ E VOCÊ VAI ENCONTRAR. Principais diferenças t e n d ê n c i a s Foto: Andrés Otero / Proj. Luminotécnico: Franco & Fortes Lighting Design Matt ou Especular Faz diferença? Da Redação A EXPOLUX ESTÁ AÍ E VOCÊ VAI ENCONTRAR um número enorme de opções

Leia mais

Estudo da Eficiência Energética na Iluminação - Desenvolvimento de uma Ferramenta de Cálculo Luminotécnico e de Rentabilidade

Estudo da Eficiência Energética na Iluminação - Desenvolvimento de uma Ferramenta de Cálculo Luminotécnico e de Rentabilidade FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Estudo da Eficiência Energética na Iluminação - Desenvolvimento de uma Ferramenta de Cálculo Luminotécnico e de Rentabilidade Rúben Fernandes Guedes de

Leia mais

1 / 10 Tel: +55 (19) LED Planet Importadora LED Tubes ou Tubular T8

1 / 10 Tel: +55 (19) LED Planet Importadora LED Tubes ou Tubular T8 http://www.ledplanet.com.br/ 1 / 10 LED Planet Importadora LED Tubes ou Tubular T8 Especificação LED Tube T8 600mm 10W - Mod. LP-T8010 Equivalente a fluorescente convencional 600mm 16W ou 20W Parâmetro

Leia mais

AQUALED 2. LUXPOINT e LUXOPTIM Iluminação de alta performance e baixo consumo de energia. Luz é OSRAM.

AQUALED 2. LUXPOINT e LUXOPTIM Iluminação de alta performance e baixo consumo de energia. Luz é OSRAM. www.osram.com.br LUXPOINT e LUXOPTIM Iluminação de alta performance e baixo consumo de energia AQUALED 2 Segurança e visibilidade. Luminárias de LED para embutir em pisos e paredes. Luz é OSRAM LUXPOINT

Leia mais

ERGONOMIA. Introdução

ERGONOMIA. Introdução ERGONOMIA AULA 10: Iluminação no ambiente de trabalho Introdução Objetivo: uma boa iluminação do ambiente de trabalho contribui para aumentar a satisfação, melhorar a produtividade e reduzir a fadiga e

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE INTERIORES: ANÁLISE E ORIENTAÇÃO PARA APLICAÇÕES. Jaques da Silva Barbosa

ILUMINAÇÃO DE INTERIORES: ANÁLISE E ORIENTAÇÃO PARA APLICAÇÕES. Jaques da Silva Barbosa ILUMINAÇÃO DE INTERIORES: ANÁLISE E ORIENTAÇÃO PARA APLICAÇÕES Jaques da Silva Barbosa PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

POSTE Está construído em aço galvanizado, para evitar deterioração por agentes atmosféricos e calculado para suportar cargas de vento. Tem uma altura

POSTE Está construído em aço galvanizado, para evitar deterioração por agentes atmosféricos e calculado para suportar cargas de vento. Tem uma altura Iluminação 03 A iluminação pública através de lâmpadas solares, tornou-se como uma das grandes aplicações da energia fotovoltaica. A ViV Energia e Ambiente dispõe de equipamentos desenhados especificamente

Leia mais

HO 54 W/865. Ficha técnica do produto. LUMILUX T5 HO Lâmpadas fluorescentes tubulares de 16 mm, de alto rendimento

HO 54 W/865. Ficha técnica do produto. LUMILUX T5 HO Lâmpadas fluorescentes tubulares de 16 mm, de alto rendimento HO 54 W/865 LUMILUX T5 HO Lâmpadas fluorescentes tubulares de 16 mm, de alto rendimento Aŕeas de aplicação _ Indústria _ Prédios públicos _ Escritórios _ Túneis, passarelas subterrâneas _ Estacionamentos

Leia mais

INFORMAÇÕES. Técnicas

INFORMAÇÕES. Técnicas INFORMAÇÕES Técnicas Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

A ECROM Iluminação. Sobre a Ecrom. A ECROM Iluminação nasceu de uma parceria. de profissionais com grande experiência no

A ECROM Iluminação. Sobre a Ecrom. A ECROM Iluminação nasceu de uma parceria. de profissionais com grande experiência no A ECROM Iluminação A ECROM Iluminação nasceu de uma parceria de profissionais com grande experiência no mercado de iluminação brasileiro. Sempre visualizando seu próximo salto, a empresa não se limita

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 49. Questão 48. alternativa B. alternativa B. alternativa A. alternativa D. A distância média da Terra à Lua é

Questão 46. Questão 47. Questão 49. Questão 48. alternativa B. alternativa B. alternativa A. alternativa D. A distância média da Terra à Lua é Questão 46 A distância média da Terra à Lua é 3,9 10 m. Sendo a velocidade da luz no vácuo igual a 30, 10 5 km/s, o tempo médio gasto por ela para percorrer essa distância é de: a) 0,77 s d) 77 s b) 1,3

Leia mais

L E D C A T Á L O G O

L E D C A T Á L O G O L E D 20 16 C A T Á L O G O 2 C A T Á L O G O 2016 4 Com mais de 10 anos no mercado de importação, o Grupo Rio Cd traz ao mercado brasileiro a marca L&D. Com uma fábrica na China, oferecemos mais de 100

Leia mais

Unidade 1 SOM E LUZ. Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade. Objetivos. O que é a luz? Como se propaga? O que é a luz?

Unidade 1 SOM E LUZ. Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade. Objetivos. O que é a luz? Como se propaga? O que é a luz? Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade Unidade 1 SOM E LUZ Objetivos Como se propaga? Concluir que a visão dos objetos implica a propagação da luz, em diferentes meios, desde a fonte de luz

Leia mais

BRIKA PEQUENA, EFICIENTE E FLEXÍVEL. OPções

BRIKA PEQUENA, EFICIENTE E FLEXÍVEL. OPções BRIKA BRIKA CARATeristÍcas LUMINária Estanqueidade global: IP 66 (*) Resistência ao choque: IK 08 (**) Tensão nominal: 230 V - 50 Hz Classe elétrica: I or II (*) Peso: from 2.8 to 4.7 kg Materiais: Corpo:

Leia mais

Unidades de Medidas e as Unidades do Sistema Internacional

Unidades de Medidas e as Unidades do Sistema Internacional Unidades de Medidas e as Unidades do Sistema Internacional Metrologia é a ciência da medição, abrangendo todas as medições realizadas num nível conhecido de incerteza, em qualquer dominio da atividade

Leia mais

CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO

CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO 2014 CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO Índice EMBUTIDOS HALÓGENAS 01 SOBREPOR HALÓGENAS 05 EMBUTIDOS FLUORESCENTES 06 SOBREPOR FLUORESCENTES 11 EMBUTIDOS VAPOR METÁLICO

Leia mais

FÍSICA - Lucas SALA DE ESTUDOS 2º TRIMESTRE Ensino Médio 3º ano classe: Prof.LUCAS MUNIZ Nome: nº

FÍSICA - Lucas SALA DE ESTUDOS 2º TRIMESTRE Ensino Médio 3º ano classe: Prof.LUCAS MUNIZ Nome: nº FÍSICA - Lucas SALA DE ESTUDOS º TRIMESTRE Ensino Médio 3º ano classe: Prof.LUCAS MUNIZ Nome: nº Sala de Estudos ENERGIA MECÂNICA, POTÊNCIA E ELETRODINÂMICA 1. (Espcex (Aman) 014) Uma esfera é lançada

Leia mais

Seqüência Didática Racionalizar para não apagar

Seqüência Didática Racionalizar para não apagar Fábio Carvalho de Oliveira Fernando Augusto N. Nascimbeni Luiz Gustavo Briguet Luiz Henrique Felipe Rocha Seqüência Didática Racionalizar para não apagar Universidade de São Paulo Faculdade de Educação

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 6 Método dos Lumens Porto Alegre - 2012 Tópicos NBR 5413 Iluminância de interiores Método dos Lumens Exemplo de projeto Consumo

Leia mais

Lâmpadas Tubulares de LED

Lâmpadas Tubulares de LED Catálogo Lâmpadas Tubulares de LED Aplicações: Lojas, Escritórios, Farmácias, Hospitais, Escolas, Hotéis, Bancos, Shopping Centers, Supermercados, Armazéns, entre outros. Benefícios: Economiza até 60%

Leia mais

ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO

ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO LED Bulbo As lâmpadas LED tipo bulbo possuem formato de uma lâmpada incandescente e corpo em alumínio, apresentando economia de 70% e durabilidade muito elevada em relação as lâmpadas incandescentes.

Leia mais

LUMINÁRIAS SPOT E DOWNLIGHT

LUMINÁRIAS SPOT E DOWNLIGHT LUMINÁRIAS SPOT E DOWNLIGHT 40 Catálogo de Produtos LUMINÁRIAS DE EMBUTIR LINHA BASIC 1XE27 Bocal E-27 Para 01 Fluorescente Compacta LARGURA (L) X COMPRIMENTO (C) Modelo Q 3.5 1xE27 Q 5.0 1xE27 A [mm]

Leia mais

Grandezas Físicas Fundamentais

Grandezas Físicas Fundamentais ANÁLISE DIMENSIONAL Grandezas Físicas Fundamentais Grandeza Física Unidade no SI Comprimento L metro m Massa M quilograma kg Tempo T segundo s Temperatura termodinâmica Corrente elétrica Intensidade luminosa

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ÓPTICA. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 10/10/2016 1

PRINCÍPIOS DA ÓPTICA. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 10/10/2016 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA 10/10/2016 1 O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. A luz do Sol percorre a distância de 150 milhões de quilômetros com

Leia mais

Catálogo de Lâmpadas de LED Ano: 2012

Catálogo de Lâmpadas de LED Ano: 2012 Catálogo de Lâmpadas de LED V.2012.C06 Iluminação LED O mercado de iluminação está passando por mais uma revolução no que se refere à forma de emissão da luz elétrica, possibilitando novas aplicações e

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS Fundamentos da cor A visão da cor É a capacidade de um organismo ou máquina de distinguir objetos baseando-se nos comprimentos de onda (ou freqüências) da luz sendo refletida,

Leia mais

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento, das seguintes maneiras: 1ª Pela carga mínima exigida por normas; 2ª Pelo método

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014 CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014 LED - Um avanço em iluminação Com a evolução tecnológica, o LED deixou de ser usado apenas como forma de luz indicadora em equipamentos, função restrita à década de 60, quando

Leia mais

Polarização de Ondas

Polarização de Ondas Polarização de Ondas 1. polarização de Ondas. Considere uma onda transversal se propagando numa corda, na qual as direções de oscilação são totalmente aleatórias. Após a passagem da onda pela fenda, a

Leia mais

PROJECTO DE ILUMINAÇÃO INTERIOR

PROJECTO DE ILUMINAÇÃO INTERIOR PROJECTO DE ILUMINAÇÃO INTERIOR A. INTRODUÇÃO Vamos usar o método do coeficiente de utilização, também conhecido por método dos fluxos. Este método baseia se na fórmula φ=e.s, que já estudámos noutro artigo,

Leia mais

Física C Extensivo V. 4

Física C Extensivo V. 4 GBITO Física C Extensivo V. Exercícios 0) F. lei de Ohm se refere a um tipo de resistor com resistência constante cuja resistência não depende nem da tensão aplicada nem da corrente elétrica. F. penas

Leia mais

Flare. Eficiência e conforto com LED

Flare. Eficiência e conforto com LED Flare Eficiência e conforto com LED Flare Downlights e projectores com tecnologia LED Flare, um conceito de design único design de produto Mun* Flare é uma família completa de downlights e projectores

Leia mais

Física C Extensivo V. 4

Física C Extensivo V. 4 GBITO Física C Extensivo V. Exercícios 0) F. lei de Ohm se refere a um tipo de resistor com resistência constante cuja resistência não depende nem da tensão aplicada nem da corrente elétrica. F. penas

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE ENERGIA CV - HP - kwh - Rendimento

TRANSFORMAÇÕES DE ENERGIA CV - HP - kwh - Rendimento TRANSFORMAÇÕES DE ENERGIA CV - HP - kwh - Rendimento ENERGIA: capacidade de produzir trabalho A unidade de trabalho é o Joule (J) Cinética: é a energia em movimento Potencial: é a energia em repouso UNIDADES

Leia mais

PROJETO LUMINOTÉCNICO COM TECNOLOGIA LED PARA ALGUMAS ÁREAS DO CENTRO DE TECNOLOGIA DA UFRJ

PROJETO LUMINOTÉCNICO COM TECNOLOGIA LED PARA ALGUMAS ÁREAS DO CENTRO DE TECNOLOGIA DA UFRJ PROJETO LUMINOTÉCNICO COM TECNOLOGIA LED PARA ALGUMAS ÁREAS DO CENTRO DE TECNOLOGIA DA UFRJ Luise Wanderley Torres Ramos Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica,

Leia mais

Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias

Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias 1 1. CÁLCULO DE ILUMINAMENTO Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento que são: métodos dos lumens; métodos

Leia mais

HE 14 W/865. Ficha técnica do produto. LUMILUX T5 HE Lâmpadas fluorescentes tubulares de 16 mm, de alta eficiência

HE 14 W/865. Ficha técnica do produto. LUMILUX T5 HE Lâmpadas fluorescentes tubulares de 16 mm, de alta eficiência HE 14 W/865 LUMILUX T5 HE Lâmpadas fluorescentes tubulares de 16 mm, de alta eficiência Aŕeas de aplicação _ Prédios públicos _ Escritórios _ Lojas _ Supermercados e lojas de departamentos _ Indústria

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB Prof. Jean Carlo Fechine Tavares Universidade Federal da Paraíba, Campus I, Centro de Tecnologia Departamento de Arquitetura

Leia mais

GE Iluminação. Anexos. Informações Gerais. Como usar as curvas de distribuição da Intensidade Luminosa. Curvas de distribuição da Intensidade Luminosa

GE Iluminação. Anexos. Informações Gerais. Como usar as curvas de distribuição da Intensidade Luminosa. Curvas de distribuição da Intensidade Luminosa nexos urvas de distribuição da Intensidade Luminosa 3.1 Informações Gerais Os fachos de algumas lâmpadas PR são ovais. Todos os outros são aproximadamente circular. s urvas de Distribuição da Intensidade

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS CENTRO FÍSICA 3ª SÉRIE TESTE TURMAS 1301 e 1303

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS CENTRO FÍSICA 3ª SÉRIE TESTE TURMAS 1301 e 1303 COLÉGIO PEDRO II CAMPUS CENTRO FÍSICA 3ª SÉRIE TESTE TURMAS 1301 e 1303 Professor: Pedro Terra Coordenador: Sérgio Lima TURMA: NOTA NOME: NÚMERO: Responda às questões objetivas no quadro abaixo, a caneta

Leia mais

SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA. Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS

SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA. Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA 2010-2011 Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1.A Conceitos Matemáticos Fundamentais Coordenadas Cartesianas e representação gráfica de uma função Função Seno e Co-seno

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Lâmpadas são fontes elementares de luz elétrica. Podemos proteger, refletir, refratar,filtrar, dimerizar, ou simplesmente expor as

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA:

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA: ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 0.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 200/20 NOME: Nº: TURMA: AVALIAÇÃO: Prof.. A energia eléctrica pode ser produzida em centrais termoeléctricas. Nessa produção há perdas de

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL N o, DE DE DE 2005.

PORTARIA INTERMINISTERIAL N o, DE DE DE 2005. PORTARIA INTERMINISTERIAL N o, DE DE DE 2005. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, E DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, no uso da atribuição que lhes confere

Leia mais

OSRAM DULUX D/E Fluorescentes compactas de dois tubos, base com 4 pinos para a operação com reator eletrônico

OSRAM DULUX D/E Fluorescentes compactas de dois tubos, base com 4 pinos para a operação com reator eletrônico DULUX D/E 26 OSRAM DULUX D/E Fluorescentes compactas de dois tubos, base com 4 pinos para a operação com reator eletrônico Aŕeas de aplicação Escritórios, prédios públicos Lojas Supermercados e lojas de

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRICIDADE 4 MÓDULO

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRICIDADE 4 MÓDULO CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRICIDADE 4 MÓDULO 2011 Sumário 1 Geração de Energia Elétrica... 3 1.1 Energia Eólica... 3 1.2 Energia nuclear... 4 1.3 Energia solar... 5 1.3.1 Tipos de energia solar...

Leia mais

Conforto Visual pode ser interpretado como uma recepção clara das mensagens visuaisde um ambiente luminoso

Conforto Visual pode ser interpretado como uma recepção clara das mensagens visuaisde um ambiente luminoso Conforto Visual pode ser interpretado como uma recepção clara das mensagens visuaisde um ambiente luminoso é a potência da radiação eletromagnética emitida ou recebida por um corpo Fluxo Radiante (watt

Leia mais

ET-SE -030 TRAVESSIAS COM LUMINÁRIAS À LED

ET-SE -030 TRAVESSIAS COM LUMINÁRIAS À LED Sumário 1 OBJETIVO 2 2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3 DEFINIÇÃO 3 4 REQUISITOS ESPECÍFICOS 5 5 DOCUMENTAÇÃO 9 6 GARANTIA 11 Superintendência de Engenharia de Sinalização - SSI Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Aula 25 Radiação UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez REVISÃO: Representa a transferência de calor devido à energia emitida pela matéria

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS INFORMAÇÕES TÉCNICAS Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 132, DE 12 DE JUNHO DE 2006. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, E DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº

Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos: Fenômenos Ópticos e Espelhos Planos 1. (Pucrj 2013) A uma certa hora da manhã, a inclinação dos

Leia mais

Compete, ainda, à Delegacia Regional do Trabalho - DRT ou à Delegacia do Trabalho Marítimo - DTM, nos limites de sua jurisdição:

Compete, ainda, à Delegacia Regional do Trabalho - DRT ou à Delegacia do Trabalho Marítimo - DTM, nos limites de sua jurisdição: NR 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS RESUMO Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 Portaria SSMT n.º 06, de 09 de março de 1983 Portaria SSMT n.º 03, de 07 de fevereiro de 1988 Portaria SSST n.º 13, de 17

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Educação a Distância da UFSM EAD Universidade Aberta do Brasil UAB

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Educação a Distância da UFSM EAD Universidade Aberta do Brasil UAB Universidade Federal de Santa Maria UFSM Educação a Distância da UFSM EAD Universidade Aberta do Brasil UAB Curso de Pós-Graduação em Eficiência Energética Aplicada aos Processos Produtivos Polo: Vila

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável. Eficiência Energética em Sistemas de Sinalização Semafórica. [ Tecnologia LED (light emitting diode) ] Jan/2009.

Desenvolvimento Sustentável. Eficiência Energética em Sistemas de Sinalização Semafórica. [ Tecnologia LED (light emitting diode) ] Jan/2009. Eficiência Energética em Sistemas de Sinalização Semafórica [ Tecnologia LED (light emitting diode) ] Jan/2009. Semáforos Convencionais Aspectos Físicos: Constituídos por Grupos Focais formados por módulos

Leia mais

HOME L I G H T I N G. Fone: Rua Pion. José dos Santos, 144 C - CEP Parque Itaipú - Maringá - Paraná

HOME L I G H T I N G.  Fone: Rua Pion. José dos Santos, 144 C - CEP Parque Itaipú - Maringá - Paraná HOME L I G H T I N G www.ecrom.com.br Fone: 44 3046.2222 Rua Pion. José dos Santos, 144 C - CEP 87065.440 Parque Itaipú - Maringá - Paraná Empresa A ECROM Iluminação nasceu de uma parceria de profissionais

Leia mais

SUMÁRIO. /galaxyledbr /galaxyledbr

SUMÁRIO. /galaxyledbr /galaxyledbr Nossa missão é fornecer soluções em iluminação, disseminando as mais recentes tecnologias com o mais alto padrão de qualidade, promovendo inclusive a responsabilidade sócioambiental e garantindo a satisfação

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Maio / 2004 GEPEA/EPUSP GRUPO DE ENERGIA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE

Leia mais