INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI)"

Transcrição

1 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI) Aula 3 Revisão de luminotécnica Prof.: Bruno Gonçalves Martins Prof. Bruno G. Martins

2 Aula 2 Revisão luminotécnica RECAPITULANDO Revisão de luminotécnica; 1- Introdução 2- Histórico 3- Espectro visível 4- Conceitos e grandezas fundamentais da luminotécnica 5- Tipos de lâmpadas 6- Exemplo e aplicações Prof. Bruno G. Martins

3 Aula 2 Revisão luminotécnica RECAPITULANDO Fluxo luminoso; Eficiência luminosa; Intensidade luminosa; luminância; IRC; Temperatura de cor; Prof. Bruno G. Martins

4 O cálculo luminotécnico visa atender demandas de iluminação de locais e ambientes, de acordo com sua utilização. Principais Critérios: Quantidade de Luz Equilíbrio da Iluminação Ofuscamento Reprodução de cores Em função das características do projeto deve-se definir o padrão de iluminação, tipos de lâmpadas, tipos de luminárias, etc... Prof. Bruno G. Martins

5 MÉTODOS DE CÁLCULOS: Atualmente existem vários métodos e ferramentas de software para o cálculo e simulação da Iluminação de ambientes. Contudo, os principais métodos ainda utilizados são : MÉTODO DOS LUMENS MÉTODO PONTO A PONTO Prof. Bruno G. Martins

6 MÉTODO DOS LUMENS OU FLUXO LUMINOSO Consiste em determinar a quantidade de fluxo luminoso total é necessário para iluminar um determinado ambiente. Para tanto, toma-se por base a norma NBR ISO , nas características de geometria e acabamento do ambiente e nas características das lâmpadas e luminárias utilizadas no projeto. PASSOS PARA DETERMINAR O : 1- Determinar a Iluminância (E) em Lux do ambiente: A iluminância é obtida em tabelas presentes na norma NBR ISO 89951, e varia de acordo com a utilização do ambiente. Prof. Bruno G. Martins

7 2- Determinar o coeficiente K do ambiente: É um índice que depende das características de geometria do ambiente. Prof. Bruno G. Martins

8 3- Determinar os tipos de lâmpadas / luminárias que serão utilizadas no ambiente. 4- Determinar a Refletância do Ambiente: A refletância é um índice obtido através das características de acabamento das partes internas do ambiente, parede,teto e piso. Refletâncias recomendadas para parede, teto e piso. Variando os percentuais em função das características de pintura e acabamento. (Branco, cinza e escuro).

9 5- Com os dados da luminária, índice K e refletância, determinar o Coeficiente de Utilização. (Cu) Obtendo este valor em tabelas fornecidas pelos fabricantes da própria luminária.

10 6- Fator de Manutenção ou de Depreciação: Este fator prevê a perda de eficiência de iluminação da lâmpada / Luminária ao longo do tempo de sua vida útil. Este fator depende das características das lâmpadas e luminárias utilizadas, das características do ambiente onde se encontram instaladas e do período de tempo do intervalo de manutenção. Finalmente, com estas características obtém-se os valores de FD em tabelas. A norma NBR ISO traz no anexo D a explicação de como obter e tabelas que trazem valores de fatores de manutenção. Com os dados da luminária, índice K e refletância, determinar o Coeficiente de Utilização. (Cu) Obtendo este valor em tabelas fornecidas pelos fabricantes da própria luminária.

11

12

13 7- Cálculo do Fluxo Total: Com os dados obtidos anteriormente calcula-se o Fluxo total ( ambiente. Fluxo total em lm Iluminância para o ambiente Área do ambiente Coeficiente de Utilização Fator de Depreciação ) em lumens (lm) para o

14 8- Cálculo do Número de Luminárias: Com o fluxo total obtido no cálculo anterior e o fluxo emitido por uma luminária pode-se determinar o número de luminárias necessárias para o correto iluminamento do ambiente.

15 9- Distribuição Geométrica das Luminárias:

16 9- Distribuição Geométrica das Luminárias:

17 MÉTODO POR PONTO OU PONTO A PONTO: Permite o cálculo de qualquer ponto individualmente da superfície a ser iluminada. O Iluminamento total será a soma dos iluminamentos. É utilizado quando se necessita a iluminação especifica de um ponto de uma superfície ou quando a fonte luminosa é muito pequena em relação ao plano a ser iluminado.

18 MÉTODO POR PONTO OU PONTO A PONTO: Lei de Lambert: O iluminamento de uma determinada superfície varia com o quadrado da distância (d) do ponto ou foco luminoso até o plano a ser iluminado.

19 MÉTODO POR PONTO OU PONTO A PONTO: Utilizando a Lei de Lambert pode-se calcular o iluminamento em um determinado ponto a partir de um foco de luz da seguinte forma: Para um Plano Horizontal Para um Plano Vertical

20 MÉTODO POR PONTO OU PONTO A PONTO: Para uma superfície diretamente abaixo do foco de luz o iluminamento final depende somente da intensidade luminosa do foco e do quadrado da distância do plano a ser iluminado.

21 Bibliografia MAMEDE FILHO, João. Instalações Elétricas Industriais. 8ª Edição, Editora LTC, Rio de Janeiro, CREDER, Hélio. Instalações Elétricas, 15ª Edição, Editora LTC, Rio de Janeiro, acesso em 08/02/2017 às 15:30. Prof. Bruno G. Martins

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Luminotécnica (Lâmpadas e Luminárias) Edcarlos Nunes Patrícia Lins Raphael Leite Thiago Santos 18/09/2011 1 Sumário Cálculo Luminotécnico:

Leia mais

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO De acordo com as normas da ABNT, cada ambiente requer um determinado nível de iluminância (E) ideal, estabelecido de acordo com as atividades a serem ali desenvolvidas,

Leia mais

GRANDEZAS FOTOMÉTRICAS E MÉTODO DE LUMÉNS AULA 20

GRANDEZAS FOTOMÉTRICAS E MÉTODO DE LUMÉNS AULA 20 O que é luz? Luz Princípios Gerais Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Fonte de luz radiação eletromagnética diferentes comprimentos de onda sensibilidade do olho espectro

Leia mais

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento, das seguintes maneiras: 1ª Pela carga mínima exigida por normas; 2ª Pelo método

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 6 Método dos Lumens Porto Alegre - 2012 Tópicos NBR 5413 Iluminância de interiores Método dos Lumens Exemplo de projeto Consumo

Leia mais

Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias

Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias 1 1. CÁLCULO DE ILUMINAMENTO Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento que são: métodos dos lumens; métodos

Leia mais

Iluminação Esportiva. A torcida agradece. Da Redação. Pré-avaliação A CADA ANO EM QUE ASSISTIMOS AOS JOGOS

Iluminação Esportiva. A torcida agradece. Da Redação. Pré-avaliação A CADA ANO EM QUE ASSISTIMOS AOS JOGOS a u l a r á p i d a Foto: Divulgação Philips Iluminação Esportiva Da Redação A torcida agradece A CADA ANO EM QUE ASSISTIMOS AOS JOGOS Olímpicos ou a uma Copa do Mundo pela TV, ficamos impressionados com

Leia mais

Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resulta

Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resulta Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resultado em termos de quantidade, qualidade da luz e sua

Leia mais

Ambiente: RETAGUARDA - 1P Dimensões: Comprimento: 3,90 m Largura: 7,70 m Pé direito: 2,60 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core

Ambiente: RETAGUARDA - 1P Dimensões: Comprimento: 3,90 m Largura: 7,70 m Pé direito: 2,60 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core Empresa: BRB - Banco de Brasília-DF Obra: BRB - Banco de Brasília-DF Dados adicionais: REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Autor: HUDSON ALESSE Data: 21/04/2012 Revisão:

Leia mais

PROJECTO DE ILUMINAÇÃO INTERIOR

PROJECTO DE ILUMINAÇÃO INTERIOR PROJECTO DE ILUMINAÇÃO INTERIOR A. INTRODUÇÃO Vamos usar o método do coeficiente de utilização, também conhecido por método dos fluxos. Este método baseia se na fórmula φ=e.s, que já estudámos noutro artigo,

Leia mais

LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE

LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Lâmpadas Lâmpadas Incandescentes Lâmpadas para Iluminação Pública e para Grandes

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS FUNDAMENTAIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS 03 GRANDEZAS LUMINOSAS GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO

Leia mais

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL A LUZ NATURAL A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO 1. LUZ VISÍVEL 2. VISÃO E CONFORTO VISUAL D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES Product training program http://www.osram.com/osram_com/tools

Leia mais

Projeto de Iluminação

Projeto de Iluminação Projeto de Iluminação Luz e o tempo A luz como energia, arquitetura como algo ligado a energia. A luz artificial como herdeira do fogo, em torno do qual nossos ancestrais se reuniam. Luzes e sombras mutantes

Leia mais

LuxSIMON10. Software para estudo luminotécnico

LuxSIMON10. Software para estudo luminotécnico LuxSIMON10 Software para estudo luminotécnico ÍNDICE CONFIGURAÇÃO DE HARDWARE: Instalação do software... 03 ATUALIZAÇÃO DO BANCO DE DADOS... 03 BARRAS DE FERRAMENTAS: Projeto...04 Ambiente... 04 ESTUDO

Leia mais

2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária

2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária 2001 2xT26 32W - 2001.232.100 / Folha de dados de luminária Emissão luminosa 1: É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias. 105 90 105 90 75 75 60 60 160 45 45 320 30 15 0

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA ANEXO 01

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA ANEXO 01 REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA LUMINOTÉCNICO ANEXO 01 Responsabilidade e compromisso com o meio Ambiente SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO E OBJETIVO... 4 2. NORMALIZAÇÃO... 4 3. COMENTÁRIOS LUMINOTÉCNICOS:...

Leia mais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Parte 2 Sistemas de Iluminação: Luminotécnica Prof Msc Alex Vilarindo Menezes 1 Cronograma 1 Conceitos fundamentais da luminotécnica 2 Lâmpadas Classificação

Leia mais

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP TRABALHO ESTE TRABALHO FOI SELECIONADO COMO

Leia mais

AQUALED 2. LUXPOINT e LUXOPTIM Iluminação de alta performance e baixo consumo de energia. Luz é OSRAM.

AQUALED 2. LUXPOINT e LUXOPTIM Iluminação de alta performance e baixo consumo de energia. Luz é OSRAM. www.osram.com.br LUXPOINT e LUXOPTIM Iluminação de alta performance e baixo consumo de energia AQUALED 2 Segurança e visibilidade. Luminárias de LED para embutir em pisos e paredes. Luz é OSRAM LUXPOINT

Leia mais

1- Baixando e instalando o LUMICALC

1- Baixando e instalando o LUMICALC 1- Baixando e instalando o LUMICALC 2.0.62 - Acesse o site entre na guia LUMICALC e clique no link para iniciar o download. - Uma pasta em formato compactado será salva em seu computador para iniciar a

Leia mais

Matt ou Especular. Faz diferença? t e n d ê n c i a s. Da Redação A EXPOLUX ESTÁ AÍ E VOCÊ VAI ENCONTRAR. Principais diferenças

Matt ou Especular. Faz diferença? t e n d ê n c i a s. Da Redação A EXPOLUX ESTÁ AÍ E VOCÊ VAI ENCONTRAR. Principais diferenças t e n d ê n c i a s Foto: Andrés Otero / Proj. Luminotécnico: Franco & Fortes Lighting Design Matt ou Especular Faz diferença? Da Redação A EXPOLUX ESTÁ AÍ E VOCÊ VAI ENCONTRAR um número enorme de opções

Leia mais

Análise luminotécnica como estratégia para gestão de investimentos em uma indústria moveleira

Análise luminotécnica como estratégia para gestão de investimentos em uma indústria moveleira Análise luminotécnica como estratégia para gestão de investimentos em uma indústria moveleira Filipe Marangoni (UTFPR) filipemarangoni@utfpr.edu.br Dhenifer Moura (UTFPR) dhenifer@hotmail.com Samir de

Leia mais

ET-SE -030 TRAVESSIAS COM LUMINÁRIAS À LED

ET-SE -030 TRAVESSIAS COM LUMINÁRIAS À LED Sumário 1 OBJETIVO 2 2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3 DEFINIÇÃO 3 4 REQUISITOS ESPECÍFICOS 5 5 DOCUMENTAÇÃO 9 6 GARANTIA 11 Superintendência de Engenharia de Sinalização - SSI Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

A R Q U I T E T U R A

A R Q U I T E T U R A 44 c a p a O teto é um elemento forte na arquitetura do espaço. Foram utilizadas luminárias especialmente desenvolvidas para lâmpadas dicróicas. Um grande espelho no teto dobra a altura dos fornos. Para

Leia mais

Iluminação Artificial de uma Biblioteca. Ricardo Jorge de Loureiro Silva

Iluminação Artificial de uma Biblioteca. Ricardo Jorge de Loureiro Silva Iluminação Artificial de uma Biblioteca Ricardo Jorge de Loureiro Silva Pretende-se colocar iluminação artificial numa biblioteca com a seguinte planta. Como se pode ver, existem 5 zonas distintas: Estantes

Leia mais

SOFTWARE PARA O CÁLCULO DO NÚMERO DE LÂMPADAS, LUMINÁRIAS E DA DISTRIBUIÇÃO NO AMBIENTE VISANDO O USO EFICIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA

SOFTWARE PARA O CÁLCULO DO NÚMERO DE LÂMPADAS, LUMINÁRIAS E DA DISTRIBUIÇÃO NO AMBIENTE VISANDO O USO EFICIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA SOFTWARE PARA O CÁLCULO DO NÚMERO DE LÂMPADAS, LUMINÁRIAS E DA DISTRIBUIÇÃO NO AMBIENTE VISANDO O USO EFICIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA Resumo TEÓFILO MIGUEL DE SOUZA INÁCIO BIANCHI Professores Assistentes

Leia mais

L E D C A T Á L O G O

L E D C A T Á L O G O L E D 20 16 C A T Á L O G O 2 C A T Á L O G O 2016 4 Com mais de 10 anos no mercado de importação, o Grupo Rio Cd traz ao mercado brasileiro a marca L&D. Com uma fábrica na China, oferecemos mais de 100

Leia mais

ENE082: Intalações Elétricas

ENE082: Intalações Elétricas UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ENE082: Intalações Elétricas (Turma A) Aula 01: Informações Gerais P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

Luminária de emergência a led de alta potência substitui outras luminárias de emergência a led de baixa eficiência e baixa durabilidade da bateria.

Luminária de emergência a led de alta potência substitui outras luminárias de emergência a led de baixa eficiência e baixa durabilidade da bateria. DESCRIÇÃO Luminária de emergência a led de alta potência substitui outras luminárias de emergência a led de baixa eficiência e baixa durabilidade da bateria. APLICAÇÕES Indicada para todas as áreas prediais,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS Prof.: Luís M. Nodari luis.nodari@ifsc.edu.br http://www.joinville.ifsc.edu.br/~luis.nodari/ 1 Luminotécnica Revisão 2 1- DEFINIÇÃO 2- RESGATE HISTÓRICO 3- ESPECTRO VISÍVEL

Leia mais

Finalidade Fonte de Alimentação Proteção da Rede de Média Tensão Proteção contra Sobretensão: 2.5.

Finalidade Fonte de Alimentação Proteção da Rede de Média Tensão Proteção contra Sobretensão: 2.5. MEMÓRIAL DESCRITIVO 5 2.1. - Finalidade Traçar diretrizes básicas para a implementação dos projetos de iluminação externa do Campus Petrolina e iluminação da via de interligação entre o anel viário e os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROJETO COMPLEMENTAR DE ILUMINAÇÃO PARA O PRÉDIO DO PROJETO FRONTEIRAS DO DIAGNÓSTICO E DAS TERAPIAS DAS DOENÇAS

Leia mais

Luminotécnica. Iluminação: Conceitos e Projetos. Prof. Msc. Getúlio. Teruo Tateoki

Luminotécnica. Iluminação: Conceitos e Projetos. Prof. Msc. Getúlio. Teruo Tateoki Luminotécnica Iluminação: Conceitos e Projetos Conforto luminoso -O que todos nós queremos - arquitetos, engenheiros, decoradores de interiores, empresas fornecedoras de tecnologia, produtos e serviços

Leia mais

CONCEITUAÇÃO ALGUNS TIPOS PODEM TAMBÉM FILTRAR RAIOS ULTRAVIOLETAS OU MUDAR A COR DA LUZ.

CONCEITUAÇÃO ALGUNS TIPOS PODEM TAMBÉM FILTRAR RAIOS ULTRAVIOLETAS OU MUDAR A COR DA LUZ. LUMINÁRIAS CONCEITUAÇÃO LUMINÁRIAS SÃO APARATOS QUE SE PRESTAM A DISTRIBUIR A LUZ EMITIDA POR UMA OU MAIS LÂMPADAS, E QUE CONTÊM TODOS OS ACESSÓRIOS NECESSÁRIOS PARA FIXÁ-LAS, PROTEGÊ-LAS E CONECTÁ- LAS

Leia mais

Informações. Técnicas

Informações. Técnicas Informações Técnicas LUMINOTÉCNICA - CONCEITOS BÁSICOS Iluminância Luminância Símbolo E Símbolo L Unidade lux (lx) Unidade cd/m² É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância

Leia mais

Módulo Iluminação Artificial

Módulo Iluminação Artificial FAU / USP AUT 262 / 2 Sem. 2008 Módulo Iluminação Artificial (Parte 2) Prof. A. C. Mingrone Lâmpadas, Luminárias e Sistemas de Ilmuminação O resto de minha vida vou passar pensando sobre o que é a luz

Leia mais

LUMI OTÉC ICA - EFICIÊ CIA E ERGÉTICA ILLUMI ATIO

LUMI OTÉC ICA - EFICIÊ CIA E ERGÉTICA ILLUMI ATIO 30 LUMI OTÉC ICA - EFICIÊ CIA E ERGÉTICA ILLUMI ATIO Guilherme Camelo, Breno Monteiro, Marcelo Faleiro, Rodrigo Lincoln, Jurandir Agostinho, Adnan Oliveira, Leonardo Leite Centro Universitário de Belo

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 1 Apresentação Porto Alegre 2012/2 Tópicos Apresentação Súmula Objetivos Conteúdo Metodologia Avaliação Recuperação Bibliografia

Leia mais

c a s e A R Q U I T E T U R A

c a s e A R Q U I T E T U R A c a s e A Iluminação do salão da Globo Minas, equilibrada e basicamente indireta, foi definida para atender às diferentes atividades realizadas no local. 14 Salão de Eventos da Globo Minas Iluminação equilibrada

Leia mais

Iluminação. !Natureza da Luz

Iluminação. !Natureza da Luz !Natureza da Luz A luz é uma radiação ondulatória, de natureza eletromagnética, assim como as ondas do rádio, da televisão, telefone celular, as microondas, ou o calor radiante, diferindo destes apenas

Leia mais

LUMINÁRIA DE EMERGÊNCIA. Atende à norma NBR 10898:2013. alumbra.com.br

LUMINÁRIA DE EMERGÊNCIA. Atende à norma NBR 10898:2013. alumbra.com.br LUMINÁRIA DE EMERGÊNCIA Atende à norma NBR 10898:2013 alumbra.com.br SEGURANÇA E PROTEÇÃO PARA DESLOCAMENTO NO ESCURO As luminárias de emergência LED Alumbra, tem um design compacto e são ideiais para

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Iluminação Pública. E o uso eficiente das fontes de luz. i l u m i n a ç ã o u r b a n a. Por Jose Luiz Pimenta e Carlos Carvalho

Iluminação Pública. E o uso eficiente das fontes de luz. i l u m i n a ç ã o u r b a n a. Por Jose Luiz Pimenta e Carlos Carvalho i l u m i n a ç ã o u r b a n a Foto: Lino Sasse Parque Linear do Cachoeira Joinville - SC Iluminação Pública Por Jose Luiz Pimenta e Carlos Carvalho E o uso eficiente das fontes de luz 24 A PRÁTICA DE

Leia mais

Avanços Tecnológicos e Experiências de Sucesso em Iluminação

Avanços Tecnológicos e Experiências de Sucesso em Iluminação Avanços Tecnológicos e Experiências de Sucesso em Iluminação Abilux Associação Brasileira da Indusria de Iluminação Fórum ANEEL, Brasília 28 de Maio de 2015 Avanços Tecnológicos e Experiências de Sucesso

Leia mais

Evolve LED - Iluminação Pública

Evolve LED - Iluminação Pública GE Lighting Evolve LED - Iluminação Pública Cobrahead Modular - Project Grade (ERS & ERS) imagination at work Características do Produto Desde as vias locais até as rodovias, as luminárias Evolve LED Roadway

Leia mais

A ECROM Iluminação. Sobre a Ecrom. A ECROM Iluminação nasceu de uma parceria. de profissionais com grande experiência no

A ECROM Iluminação. Sobre a Ecrom. A ECROM Iluminação nasceu de uma parceria. de profissionais com grande experiência no A ECROM Iluminação A ECROM Iluminação nasceu de uma parceria de profissionais com grande experiência no mercado de iluminação brasileiro. Sempre visualizando seu próximo salto, a empresa não se limita

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Iluminação. Desempenho. Habitação.

Resumo. Palavras-chave: Iluminação. Desempenho. Habitação. 1 Resumo Verificação da Aplicação dos Critérios da NBR-15575/2013 - Edificações Habitacionais - Desempenho Relacionados à Iluminação Artificial em Edificações de Baixo Custo Jean Carlo Fechine Tavares

Leia mais

METODOLOGIA PARA PROSPECÇÃO DE PROJETOS E AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM ILUMINAÇÃO EFICIENTE.

METODOLOGIA PARA PROSPECÇÃO DE PROJETOS E AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM ILUMINAÇÃO EFICIENTE. METODOLOGIA PARA PROSPECÇÃO DE PROJETOS E AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM ILUMINAÇÃO EFICIENTE. Patrícia R. da S. Jota¹, Anísio R. Braga¹, Rodrigo A. Rocha¹ e Eduardo C. Nobre² ¹Centro Federal de Educação

Leia mais

Visão Humana. Vapores metálicos x Vapor de sódio

Visão Humana. Vapores metálicos x Vapor de sódio i l u m i n a ç ã o p ú b l i c a Hoje, a iluminação nas cidades tem sido direcionada no sentido da valorização de seu patrimônio histórico e da criação de ambientes urbanos voltados ao bem estar do cidadão.

Leia mais

BRIKA PEQUENA, EFICIENTE E FLEXÍVEL. OPções

BRIKA PEQUENA, EFICIENTE E FLEXÍVEL. OPções BRIKA BRIKA CARATeristÍcas LUMINária Estanqueidade global: IP 66 (*) Resistência ao choque: IK 08 (**) Tensão nominal: 230 V - 50 Hz Classe elétrica: I or II (*) Peso: from 2.8 to 4.7 kg Materiais: Corpo:

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Exemplos de iluminância: Luz solar em dia claro (exterior)... 100.000lux Sala com janelas amplas, à luz do dia... 1.000lux Sala bem

Leia mais

Luminárias Outdoor. UrbanStep. Iluminando o futuro. Segurança para os moradores

Luminárias Outdoor. UrbanStep. Iluminando o futuro. Segurança para os moradores Luminárias Outdoor UrbanStep Iluminando o futuro Segurança para os moradores Oferecendo para você a melhor relação custo-benefício em iluminação viária. Com design otimizado para uso em vias públicas e

Leia mais

ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO

ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO LED Bulbo As lâmpadas LED tipo bulbo possuem formato de uma lâmpada incandescente e corpo em alumínio, apresentando economia de 70% e durabilidade muito elevada em relação as lâmpadas incandescentes.

Leia mais

TUTORIAL. Projetos utilizando o Assistente para Dialux Lighting

TUTORIAL. Projetos utilizando o Assistente para Dialux Lighting TUTORIAL Projetos utilizando o Assistente para Dialux Lighting Introdução O Dialux é uma poderosa ferramenta para simulação de projetos luminotécnicos e, para que o usuário possa explorar as inúmeras funções

Leia mais

oferece ao mercado soluções tecnológicas diferenciadas, através de projetos personalizados que procuram atender as necessidades específicas de cada

oferece ao mercado soluções tecnológicas diferenciadas, através de projetos personalizados que procuram atender as necessidades específicas de cada A oferece ao mercado soluções tecnológicas diferenciadas, através de projetos personalizados que procuram atender as necessidades específicas de cada cliente. Através de cálculo preciso em softwares luminotécnicos

Leia mais

Túnel Ayrton Senna em São Paulo

Túnel Ayrton Senna em São Paulo Túnel Ayrton Senna em São Paulo Marcio Visini Carlos, Fernando Luiz Britto Bacellar, Luciano Alves Carreira Barros Resumo Neste trabalho será apresentado o projeto de eficiência energética implementado

Leia mais

SOLUÇÃO LED DE ILUMINAÇÃO INDIRETA PARA UM AMBIENTE DE CONVÍVIO CARATERÍSTICAS - LUMINÁRIA PRINCIPAIS VANTAGENS

SOLUÇÃO LED DE ILUMINAÇÃO INDIRETA PARA UM AMBIENTE DE CONVÍVIO CARATERÍSTICAS - LUMINÁRIA PRINCIPAIS VANTAGENS calla led calla LED CARATERÍSTICAS - LUMINÁRIA Estanqueidade: IP 66 (*) Resistência ao choque (vidro): IK 07 (**) Resistência aerodinâmica (CxS): 0.34m 2 Tensão nominal: Classe eléctrica: II (*) Peso:

Leia mais

SIMULAÇÃO ENERGÉTICA DO EDIFÍCIO SEDE DA FIESC: ESTUDO DE RETROFIT NO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO

SIMULAÇÃO ENERGÉTICA DO EDIFÍCIO SEDE DA FIESC: ESTUDO DE RETROFIT NO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO SIMULAÇÃO ENERGÉTICA DO EDIFÍCIO SEDE DA FIESC: ESTUDO DE RETROFIT NO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO WESTPHAL, Fernando S. (1); GHISI, Enedir (2); LAMBERTS, Roberto (3) (1) Acadêmico Eng. Civil, pesquisador do

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS

AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS Alessandro Morello (1); Christiane Krum (2); Miguel A. Sattler (3) (1) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Luminária AlphaLED Ex nc / Ex tb (com alojamento p/ driver)

Luminária AlphaLED Ex nc / Ex tb (com alojamento p/ driver) Luminária lpha Ex nc / Ex tb (com alojamento p/ driver) YnC Não centelhante, à prova de tempo e jatos d água. Características Construtivas Luminária a prova de tempo e para área explosiva, com corpo, tampa,

Leia mais

Catálogo de Lâmpadas de LED Ano: 2012

Catálogo de Lâmpadas de LED Ano: 2012 Catálogo de Lâmpadas de LED V.2012.C06 Iluminação LED O mercado de iluminação está passando por mais uma revolução no que se refere à forma de emissão da luz elétrica, possibilitando novas aplicações e

Leia mais

ETME 01. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 12/05/2015

ETME 01. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 12/05/2015 ETME 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 12/05/2015 SUMÁRIO 1.1 OBJETIVO... 4 1.2 NORMAS RECOMENDADAS... 4 1.3 UNIDADES DE MEDIDA... 4 1.4 IDIOMA... 5 1.5 GARANTIAS QUANTO

Leia mais

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/5 Identificação Descrever o plano de instalação, manutenção e controle do sistema de iluminação da empresa

Leia mais

Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro 1ª PARTE

Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro 1ª PARTE ACTIVIDADE PRÁCTICA DE SALA DE AULA FÍSICA 10.º ANO TURMA A Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro Zoom escala do eixo das ordenadas 1ª PARTE Cor do corpo Definir temperatura do corpo

Leia mais

Projeto de Sensores para Eficiência e Sustentabilidade

Projeto de Sensores para Eficiência e Sustentabilidade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: Laboratório de Engenharia Elétrica V Código: TE067 1º SEMESTRE DE 2012 PROFESSOR: JAMES ALEXANDRE BARANIUK Projeto de Sensores para

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Daiane Babireski dos Santos UMA ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS LED E FLUORESCENTES

Leia mais

Lâmpadas halógenas ÍNDICE

Lâmpadas halógenas ÍNDICE ÍNDICE Lâmpadas halógenas HALÓGENA CLASSIC ENERGY SAVER 2.02 HALOPAR 2.03 HALOPIN 2.04 HALOLINE 2.05 HALOSTAR 2.06 HALOSPOT 111 ECO 2.07 HALOSPOT 2.08 DECOSTAR 51 ECO 2.09 DECOSTAR 51 TITAN 2.10 DECOSTAR

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB Prof. Jean Carlo Fechine Tavares Universidade Federal da Paraíba, Campus I, Centro de Tecnologia Departamento de Arquitetura

Leia mais

A R Q U I T E T U R A

A R Q U I T E T U R A 46 L U M E A R Q U I T E T U R A c a s e Ponte Estaiada Por Claudia Sá Fotos: Rubens Campo e Algeo Cairolli LEDs dão toque colorido à nova paisagem arquitetônica de São Paulo EM MEIO AOS LUXUOSOS ARRANHA-CÉUS

Leia mais

Iluminação. Como a tecnologia LED influenciará na iluminação que conhecemos

Iluminação. Como a tecnologia LED influenciará na iluminação que conhecemos Iluminação Como a tecnologia LED influenciará na iluminação que conhecemos Trajetória do LED Componente (Chip) Apresentação KIAN Soluções completas para Iluminação Desde 2009 Avanços Tecnológicos do LED

Leia mais

ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO

ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO Luís Agostinho Neto ¹ RESUMO: Este

Leia mais

MADE IN PORTUGAL. by INDELAGUE GROUP PERFIL DE ALUMÍNIO REBA 65 GAMA. Lm/W LED. Mostrado no tamanho real GRUPO INDELAGUE

MADE IN PORTUGAL. by INDELAGUE GROUP PERFIL DE ALUMÍNIO REBA 65 GAMA. Lm/W LED. Mostrado no tamanho real GRUPO INDELAGUE MADE IN PORTUGAL by INDELAGUE GROUP PT PERFIL DE ALUMÍNIO GAMA LED REBA 65 91 Lm/W GRUPO INDELAGUE Mostrado no tamanho real 2 CONCEITO Gama REBA 65 ILUMINAÇÃO E DESIGN CRIATIVO PARA O SEU PROJETO 3 A gama

Leia mais

Evolution LED MR11 Mini Dicróica STH3510 - pág. 04 MR16 Dicróica STH3320 - pág. 05 MR16 Dicróica STH3325 - pág. 06 MR16 Dicróica STH3300 - pág. 07 Power LED Bi-pino STH3030 - pág. 10 Halopin STH3041/42

Leia mais

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico Iluminação natural zenital Conforto ambiental lumínico Objetivos Visibilidade no plano de trabalho Eficiência energética Uso das paredes Satisfação do usuário Introdução A ILUMINAÇÃO ZENITAL (IZ) é uma

Leia mais

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DO EDIFÍCIO SEDE DA TELESC : RETROFIT DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E SIMULAÇÃO

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DO EDIFÍCIO SEDE DA TELESC : RETROFIT DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E SIMULAÇÃO AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DO EDIFÍCIO SEDE DA TELESC : RETROFIT DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E SIMULAÇÃO GRASSO R., Pilar A.(1); GHISI, E. (2); LAMBERTS, Roberto (2) (1) Eng a Civil, Mestrandra em Engenharia, Pesquisadora

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS Compromisso em tornar o Sol a principal fonte de energia do mundo SOLAR 17145 / 17146 LUMINÁRIA SOLAR MINI BALIZADORA ABS 8971 / 8972 / 11315 LUMINÁRIA SOLAR BALIZADORA INOX 16286

Leia mais

PROJETO LUMINOTÉCNICO COM TECNOLOGIA LED PARA ALGUMAS ÁREAS DO CENTRO DE TECNOLOGIA DA UFRJ

PROJETO LUMINOTÉCNICO COM TECNOLOGIA LED PARA ALGUMAS ÁREAS DO CENTRO DE TECNOLOGIA DA UFRJ PROJETO LUMINOTÉCNICO COM TECNOLOGIA LED PARA ALGUMAS ÁREAS DO CENTRO DE TECNOLOGIA DA UFRJ Luise Wanderley Torres Ramos Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica,

Leia mais

PRODUTOS ILUMINAÇÃO COM ENERGIA SOLAR LINHA RESIDENCIAL JARDINS E CONDOMÍNIOS Não requer energia elétrica - Recarregável com energia solar.

PRODUTOS ILUMINAÇÃO COM ENERGIA SOLAR LINHA RESIDENCIAL JARDINS E CONDOMÍNIOS Não requer energia elétrica - Recarregável com energia solar. - 2017 Não requer energia elétrica - Recarregável com energia solar. Fácil Instalação Acende automaticamente ao anoitecer. Economize energia! Tecnologia LED! Mod. RIESL-32 Luminária Solar BR/AM 400 lúmens

Leia mais

Catálogo de Luminárias LED. Iluminação eficiente

Catálogo de Luminárias LED. Iluminação eficiente Catálogo de Luminárias LED Iluminação eficiente W2 2015 Introdução Fundada em 2005 e listada na Bolsa de Valores de Nova York desde 2008 (NYSE: SOL), a ReneSola é uma líder global provedora de tecnologia

Leia mais

Loja de decoração. Luz reforça a ambientação de residência, proposta pela arquitetura. p r o j e t o. Por Claudia Sá Fotos: Alex Santos

Loja de decoração. Luz reforça a ambientação de residência, proposta pela arquitetura. p r o j e t o. Por Claudia Sá Fotos: Alex Santos m e u p r o j e t o Loja de decoração Por Claudia Sá Fotos: Alex Santos Luz reforça a ambientação de residência, proposta pela arquitetura LOCALIZADA NO CENTRO DE CURITIBA, CAPITAL do Paraná, a loja de

Leia mais

ECOTUBO. Com todo o expressado anteriormente podemos falar que nosso sistema ECOTUBO produz um aumento na luminosidade média superior a 40%.

ECOTUBO. Com todo o expressado anteriormente podemos falar que nosso sistema ECOTUBO produz um aumento na luminosidade média superior a 40%. ECOTUBO Sistema economizador de energia elétrica para lâmpadas fluorescentes Função do sistema: O ECOTUBO é um sistema projetado para as luminárias com lâmpadas fluorescentes e HO, que produz uma economia

Leia mais

Eficientização do Sistema de Iluminação da Fundação Parque de Eventos e Desenvolvimento de Bento Gonçalves (Fundaparque)

Eficientização do Sistema de Iluminação da Fundação Parque de Eventos e Desenvolvimento de Bento Gonçalves (Fundaparque) Eficientização do Sistema de Iluminação da Fundação Parque de Eventos e Desenvolvimento de Bento Gonçalves (Fundaparque) Maria Fernanda Baquerizo Martinez, Marta Baltar Alves, Dione Barbosa Soares, Cristian

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Educação a Distância da UFSM EAD Universidade Aberta do Brasil UAB

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Educação a Distância da UFSM EAD Universidade Aberta do Brasil UAB Universidade Federal de Santa Maria UFSM Educação a Distância da UFSM EAD Universidade Aberta do Brasil UAB Curso de Pós-Graduação em Eficiência Energética Aplicada aos Processos Produtivos Polo: Vila

Leia mais

POSTE Está construído em aço galvanizado, para evitar deterioração por agentes atmosféricos e calculado para suportar cargas de vento. Tem uma altura

POSTE Está construído em aço galvanizado, para evitar deterioração por agentes atmosféricos e calculado para suportar cargas de vento. Tem uma altura Iluminação 03 A iluminação pública através de lâmpadas solares, tornou-se como uma das grandes aplicações da energia fotovoltaica. A ViV Energia e Ambiente dispõe de equipamentos desenhados especificamente

Leia mais

Portanto, o fator de demanda é definido como a relação entre a demanda máxima do circuito (Dmáx) e a potência instalada (Pinst).

Portanto, o fator de demanda é definido como a relação entre a demanda máxima do circuito (Dmáx) e a potência instalada (Pinst). 81 III. FATOR DE DEMANDA - Fd Portanto, o fator de demanda é definido como a relação entre a demanda máxima do circuito (Dmáx) e a potência instalada (Pinst). Suponhamos que Dmáx = 70 % da Pinst. Então:

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM. Universidade Aberta do Brasil UAB. Educação a Distância EAD

Universidade Federal de Santa Maria UFSM. Universidade Aberta do Brasil UAB. Educação a Distância EAD 1 Universidade Federal de Santa Maria UFSM Universidade Aberta do Brasil UAB Educação a Distância EAD Curso de Pós-Graduação em Eficiência Energética Aplicada aos Processos Produtivos Polo: VILA FLORES

Leia mais

ARANDELA 45 WYP 26/2. Incandescente 200 W WYP-25/2 Vapor Mercúrio 80 W 3700 Cinza Sem Grade

ARANDELA 45 WYP 26/2. Incandescente 200 W WYP-25/2 Vapor Mercúrio 80 W 3700 Cinza Sem Grade ARANDELA 90 WYP 20/2 WYP 25/2 WYP 26/2 WYP 27/2 APARELHO DE ILUMINAÇÃO WYP VISOR POLICARBONATO - SEM GRADE Aparelhos para iluminação à prova de gases não infl amáveis, vapores e pó. Para lâmpada incandescente

Leia mais

Seqüência Didática Racionalizar para não apagar

Seqüência Didática Racionalizar para não apagar Fábio Carvalho de Oliveira Fernando Augusto N. Nascimbeni Luiz Gustavo Briguet Luiz Henrique Felipe Rocha Seqüência Didática Racionalizar para não apagar Universidade de São Paulo Faculdade de Educação

Leia mais

VIABILIDADE DA TRANSIÇÃO FLUORESCENTE PARA LED PARA O IFCE-CAMPUS CEDRO

VIABILIDADE DA TRANSIÇÃO FLUORESCENTE PARA LED PARA O IFCE-CAMPUS CEDRO ISSN 1984-9354 VIABILIDADE DA TRANSIÇÃO FLUORESCENTE PARA LED PARA O IFCE-CAMPUS CEDRO Área temática: Gestão Ambiental & Sustentabilidade Alessandra Lima Silva allelyss@hotmail.com Cryslania Guedes Silva

Leia mais

Fluorescente Tubular T5

Fluorescente Tubular T5 Ampla e extensa gama de lâmpadas de alta eficiência, em diversos comprimentos, diâmetros e potências.excelente reprodução de cores, alto fluxo luminoso, melhor rendimento e vida mediana de até 24.000 horas,

Leia mais

Estudo de Retrofit de Iluminação de Salas de Aula da UFSC

Estudo de Retrofit de Iluminação de Salas de Aula da UFSC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL CENTRO TECNOLÓGICO CTC CAMPUS UNIVERSITÁRIO - TRINDADE - CEP 88040-900 FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA Estudo de Retrofit

Leia mais

Disciplina: Físico-Química 7ºX Aula nº X Data XX/XX/201X Plano de aula

Disciplina: Físico-Química 7ºX Aula nº X Data XX/XX/201X Plano de aula Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Infante D. Henrique Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Disciplina: Físico-Química 7ºX Aula nº X Data XX/XX/201X Plano de aula Duração da aula: 45 min Unidade

Leia mais

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Aula 25 Radiação UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez REVISÃO: Representa a transferência de calor devido à energia emitida pela matéria

Leia mais

LINHA SLIM LIGHT V h IRC 70. Vida. Multi Tensão

LINHA SLIM LIGHT V h IRC 70. Vida. Multi Tensão LED LUMINÁRIAS 06 Catálogo de Produtos LUMINÁRIAS DE EMBUTIR LINHA SLIM LIGHT 0-240 V 25.000h 1 Ângulo de Abertura Drivers independentes, proporcionando maior segurança e exibilidade Multi-tensão Design

Leia mais

série Grelhas de insuflação

série Grelhas de insuflação série 26 Grelhas de insuflação www.koolair.com Série 26 1 ÍNDICE Descrição 2 Modelos 3 Quadros de selecção 4 Generalidades 6 Aplicações 7 Exemplo de selecção 8 2 Série 26 Grelhas de insuflação de lâminas

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas 5ª Lista de Exercícios de MAT140 Cálculo /2

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas 5ª Lista de Exercícios de MAT140 Cálculo /2 Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática Centro de Ciências Eatas e Tecnológicas 5ª Lista de Eercícios de MAT Cálculo / ) Resolva as integrais definidas abaio a) ( + )d c) (5 ) d e) +

Leia mais

Guia de Instalação para Iluminação de Baixa Voltagem em Ambientes Externos

Guia de Instalação para Iluminação de Baixa Voltagem em Ambientes Externos Guia de Instalação para Iluminação de Baixa Voltagem em Ambientes Externos Outubro -2003 APRESENTAÇÃO: A iluminação de baixa tensão é a solução ideal para quem deseja economizar energia sem ter que racionalizar

Leia mais

SOLUÇÕES EM ILUMINAÇÃO HUBBELL HARSH & HAZARDOUS

SOLUÇÕES EM ILUMINAÇÃO HUBBELL HARSH & HAZARDOUS SOLUÇÕES EM ILUMINAÇÃO HUBBELL HARSH & HAZARDOUS 1 Linha do Tempo: Soluções de iluminação artificial Oil Lamps with Chimneys 1780 Oil Lamps 13,000-5000 BC Experimental Arc Lamps 1835 Commercial Incandescent

Leia mais