AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DOS VÁRIOS AMBIENTES DO CAMPUS DA UNUCET - ANÁPOLIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DOS VÁRIOS AMBIENTES DO CAMPUS DA UNUCET - ANÁPOLIS"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DOS VÁRIOS AMBIENTES DO CAMPUS DA UNUCET - ANÁPOLIS Weslley Oliveira de Araújo¹; Maria Joselma de Moraes²; Israel Candido da Silva 2 1 Colaborador, graduando do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET - UEG. 2 Orientador(a), docentes do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET Anápolis - UEG. RESUMO As recomendações quanto à necessidade de níveis de iluminação adequados para a realização confortável de atividades exercida em alguns postos de trabalho faz parte da ergonomia. Os quais não trazem iluminação adequada para realização da atividade são conhecidos como insalubre e pode causar sérios danos a saúde tais como: maior número de acidentes, perda de produtividade, produto final de baixa qualidade, maior fadiga visual, ambiente desagradável e baixa moral dos trabalhadores. Sabe-se assim, que todos os postos de trabalho possuem solicitações de iluminação correspondentes níveis ideais de iluminação e são estipuladas pela NBR5413, podendo ser por meio de luz natural, artificial ou as duas em conjunto. Este trabalho visou realizar uma avaliação da iluminação das salas de aula da UnUCET - Ánapolis. Para avaliação da iluminação utilizou um luxímetro digital com fotocélula (sensor) de silicone. Foram determinados os níveis de iluminação no mínimo em 5 pontos diferente para cada ambiente. Palavras-chave: Iluminação. Ergonomia. Introdução Na atualidade, existe uma preocupação muito grande nas empresas, indústrias, comércio etc, com o posto de trabalho de cada funcionário, isto vem ocorrendo devido estes postos de trabalho não estarem sendo projetado ergonometricamente correto, podendo causar problemas de saúde física e mental do trabalhador que ocupa um posto de trabalho insalubre. 1

2 De acordo com a Lei, a insalubridade está conceituada no artigo 189 do código de legislação trabalhista (CLT), pela lei de 22/12/77: serão consideradas atividades ou operações insalubres, aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à sua saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos. Tecnicamente a Insalubridade tem sua definição na portaria de 08/06/78, Norma Regulamentadora 15 e seus 14 anexos. Segundo CAMPANHOLE (2001) para minimizar o problema das doenças ocupacionais nos posto de trabalho recorremos à ergonomia que se preocupa com as condições de trabalho, tais como, a iluminação, os ruídos e a temperatura, que geralmente são conhecidas como agentes causadores de males na área de saúde física e mental, mas que o estudo procura traçar os caminhos para a correção. O seu objetivo é aumentar a eficiência humana através de condições que permitam que se tomem decisões lógicas. O custo individual é minimizado através da ergonomia que remove aspectos do trabalho, que em longo prazo, possam provocar ineficiências ou os mais variados tipos de incapacidades físicas ou mentais. A iluminação é considerada um fator importante para desenvolvimento de algumas das atividades no dia a dia. Sabe-se que determinadas solicitações da visão, devem corresponder níveis ideais de claridade. A NBR5413 estipula a iluminância necessária para cada plano de trabalho (superfície de referencia definida como plano no qual o trabalho é normalmente executado), em função da idade do trabalhador, precisão da tarefa desenvolvida no local, e refletância do fundo da tarefa. A refletância do fundo de tarefa diz respeito à refletância das paredes, teto e piso que influência na iluminância do ambiente, sendo em função do material de constituição da construção e as cores (CREDER,1996). Segundo a LEI Nº6514 em todos os locais de trabalho deve haver iluminação adequada, natural ou artificial, geral ou suplementar, apropriada à natureza da atividade, sendo que a iluminação geral deve ser uniformemente distribuída e difusa e a iluminação geral suplementar deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento, reflexos incômodos, sombras e contraste excessivos. A iluminação natural é feita através da luz solar pelas vidraças, portas, janelas, telhas de vidro etc, já a iluminação artificial é feita através de lâmpadas elétricas, que podem ser fluorescentes, incandescentes, de mercúrio e outras, podendo ser geral ou suplementar. A iluminação geral é feita em todo o local de trabalho, não objetivando uma 2

3 única operação. A suplementar é realizada quando além da iluminação existente no local, coloca-se outra luminária próxima ao local do trabalho, com o objetivo de iluminar melhor aquela atividade. A utilização de uma iluminação adequada proporciona um ambiente de trabalho agradável, melhorando as condições de supervisão e diminuindo a probabilidades de ocorrer uma doença do trabalho. As conseqüências de uma iluminação inadequada no trabalho são: maior número de acidentes, perda de produtividade, produto final de baixa qualidade, maior fadiga visual, ambiente desagradável e baixa moral dos trabalhadores. Segundo COTRIM (2000) as condições para um local de trabalho adequadamente iluminado pode ser influenciado por: tipo de lâmpada e luminária, quantidade de luminária, distribuição e localização das luminárias, manutenção, idade do funcionário e Incidência direta. Material e Métodos Para realização deste trabalho foi efetuado um levantamento das salas de aula da UnUCET, em seguida foram selecionadas doze salas, sendo as salas 6C, 3C, 103, 112, 206 e 212 as que obtiveram resultados mais expressivos, 2 por andar e sempre de lados opostos. Para realização das avaliações de iluminação foi utilizado um luxímetro digital com fotocélula (sensor) de silicone. Foram efetuadas 6 avaliações para cada ambiente durante a realização deste trabalho (2 em 2meses) realizado conforme a norma brasileira NBR 5382/abril 85. Foi avaliado no mínimo em 5 pontos diferente para cada ambiente, sendo que para cada ponto o aparelho ficou estacionado por um período de 1 minuto para estabilizar a leitura. Posteriormente foi realizada a média de iluminação entre os 5 pontos. Foi realizado também um levantamento das rampas de acesso aos pavimentos, sendo 3 pontos de leituras a uma altura de 1,5m do chão, por ser em média o nível do olho humano. A avaliação foi realizada três vezes durante o período do dia para verificar iluminação natural e artificial, e outra a noite para verificar somente a iluminação artificial. Sendo que para realizar uma avaliação não tendenciosa do setor, as mesmas foram realizadas sem aviso do dia para que pudéssemos ser o mais imparcial possível, etc. Para avaliar a iluminação estava adequada para tipo de atividade foi determinado o valor médio 3

4 (valores médios em serviços), e posterioemente foi comparada com os valores recomendados pela norma brasileira NBR 5413/abril 92. Resultados e Discussão As salas de aulas da UEG estão dispostas de tal maneira que apenas uma das suas paredes recebe influência de luz natural, paredes estas com janelas em toda a sua extensão, onde as mesmas são compostas de vidros com insulfilme. As salas de aula, cujas janelas estão posicionadas na direção a qual o sol nasce (112 e 212), os valores das médias gerais do nível de iluminação no horário das 8:00 estão dentro dos padrões mínimos estabelecidos pela Norma NBR-5413/92 sendo valores de iluminância mínimo de 200 LUX, médio de 300 LUX e o máximo de 500 LUX. Já no horário das 17:00 houve uma redução no nível de iluminância nesses ambientes devido receber menos influência da luz natural, ficando com o nível de iluminância no período vespertino e noturno inferior ao mínimo exigido pela Norma (ver figura 1), podendo causar danos aos usuários desses recintos. Este problema pode ser resolvido com a melhor adequação da iluminação artificial, substituindo as lâmpadas desses ambientes por outras com maior poder iluminativo. Observando a figura 1, as salas de aulas 103 e 206, está com nível de iluminância no horário da manhã (às 08:00) abaixo do valor mínimo recomendado pela Norma. Já no horário das 17:00, período da tarde, o nível de iluminância na sala 206 atingi níveis superiores ao máximo recomendado pela norma, causado pela presença do sol no plano de trabalho. Observa-se que a sala de aula 6C, os níveis de iluminância são inferiores (Figura 1) aos recomendados pela norma em todos os períodos, evidenciando a existência de uma iluminação artificial inadequada e iluminação natural precária no recinto. Os dados obtidos durante o período noturno (às 20:00) sem há influencia da luz natural, apresentou resultados abaixo de 200 LUX em todos os ambientes estudados, exceto a sala de aula 202, onde os valores obtidos foram de 220 LUX. Assim, as pessoas que utilizam estas salas de aulas com iluminação insuficiencia durante à noite podem sofrer conseqüências tais como: perda de produtividade, produto final de baixa qualidade, maior fadiga visual, ambiente desagradável, entre outros agentes nocivos a saúde. 4

5 Figura 1. Médias do níveis de iluminação em função do horário de leitura. As avaliações realizadas nas áreas nas rampas de acesso mostraram estarem com valores dos níveis de iluminação inferiores ao recomendado pela norma, onde o valor médio máximo encontrado foi de 61 LUX o mínimo de 12 LUX nessas áreas. A Norma NBR-5413/92 estabelece para aos corredores e escadas em geral os valores de iluminância mínimo é de 75 LUX, médio de 100 LUX e o máximo de 150 LUX. Durante o dia a luz natural contribui significativamente na iluminação dessas áreas, por serem amplas as condições de incidência dos raios solares. Conclusões Ocorre nas salas de aulas, pela disposição das janelas uma variação de iluminância, tanto no período matutino como vespertino, podendo encontrar valores adequados ou não influenciados diretamente pela incidência dos raios solares. Durante o período noturno, os níveis de iluminância estavam em níveis inferiores aos mínimos recomendados pela NBR-5413/92 em quase todos os ambientes avaliados. A iluminação artificial das salas de aulas da Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas (UnUCET), deve ser redimensionada para que possa atender os níveis mínimos exigido pela NBR-5413/92. 5

6 Referências Bibliográficas CREDER, H. Instalações Elétricas. 14ª ed, São Paulo: LTC p. CONTRIM, A.A. M. B. Instalações Elétricas. 4ª ed, São Paulo:Printice Hall, p. Lei nº Segurança e Medicina do Trabalho. 51ed. São Paulo: Atlas, p. CAMPANHOLE, A. Consolidação das Leis do Trabalho. São Paulo: Editora Atlas,

Radiação visível - iluminação

Radiação visível - iluminação Iluminação Radiação visível - iluminação É a faixa do espectro eletromagnético capaz de ser detectada pelo olho humano. A sensibilidade do olho a esta região visível varia, dependendo do comprimento de

Leia mais

Projeto de Iluminação

Projeto de Iluminação LUMINOTÉCNICA Requisitos Básicos: Projeto de Iluminação Nível de Iluminamento: definir a iluminância em função da tarefa visual; Requisitos Básicos: Projeto de Iluminação Nível de Iluminamento: NBR 5413

Leia mais

AULA 06: HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

AULA 06: HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO AULA 06: Prof. Thiago Gomes ASPECTOS INICIAIS Cuidados Domésticos no dia-a-dia Motivos dos cuidados especiais no trabalho. Motivo A: Motivo B: 1 ASPECTOS INICIAIS Morte Doenças ocupacionais LER DORT ASPECTOS

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI)

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI) INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI) Aula 3 Revisão de luminotécnica Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br Prof. Bruno G. Martins Aula 2 Revisão luminotécnica RECAPITULANDO Revisão

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES COM LUXÍMETRO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES COM LUXÍMETRO ENGENHARIAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES COM LUXÍMETRO ZAFRA, Jennifer Carolina G. Estudante do Curso de Engenharia Civil de Infraestrutura ILATIT UNILA; E-mail: jennifer.zafra@aluno.unila.edu.br;

Leia mais

Francisco José d Almeida Diogo

Francisco José d Almeida Diogo ARQUITETURA Francisco José d Almeida Diogo Professor da Seção de Engenharia de Fortificação e Construção Instituto Militar de Engenharia IME Praça General Tibúrcio, 80 - Praia Vermelha CEP. 22290-270 Tel:

Leia mais

Norma Regulamentadora nº 17 - A famosa NR 17

Norma Regulamentadora nº 17 - A famosa NR 17 Norma Regulamentadora nº 17 - A famosa NR 17 Tudo que se diz respeito à ergonomia e conforto ao trabalho está respaldado na portaria nº 3.751, de 23 de novembro de 1990, Norma Regulamentadora nº 17 - Ergonomia,

Leia mais

equipamentos e às condições ambientais do posto de trabalho e à própria organização do trabalho Para avaliar a adaptação das condições de

equipamentos e às condições ambientais do posto de trabalho e à própria organização do trabalho Para avaliar a adaptação das condições de Em anexo a NR 17 falando sobre ergonomia e seu anexo II para as maiores vítimas de descaso do empregador quanto a saúde dos funcionários: O operador de telemarketing. NR 17 - ERGONOMIA Publicação D.O.U.

Leia mais

Iluminação em ambientes de trabalho

Iluminação em ambientes de trabalho a r t i g o Iluminação em ambientes de trabalho Por Carolina Rocha Mota A relação entre o projeto luminotécnico e a produtividade dos funcionários Divulgação Philips Tem-se observado nos últimos anos,

Leia mais

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES LUMINOTÉCNICAS

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES LUMINOTÉCNICAS 1 Programa de Recuperação de Espaços Didáticos Pró-Reitoria de Graduação MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES LUMINOTÉCNICAS 2 1. INTRODUÇÃO Adotou-se um processo de trabalho convencional, de desenvolvimento

Leia mais

Sérgio Ferreira de Paula Silva

Sérgio Ferreira de Paula Silva Instalações Elétricas 1 Projeto de Instalações Elétricas Projetar uma instalação elétrica para qualquer tipo de prédio ou local consiste essencialmente em selecionar, dimensionar e localizar, de maneira

Leia mais

Faculdade de Engenharia. Luminotécnica. Departamento de Engenharia Elétrica. Prof. Luiz Sebastião Costa

Faculdade de Engenharia. Luminotécnica. Departamento de Engenharia Elétrica. Prof. Luiz Sebastião Costa Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Luminotécnica Prof. Luiz Sebastião Costa LUMINOTÉCNICA Iluminar - distribuir luz de acordo com a percepção humana Iluminação artificial não consideramos

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS

ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 11.05.2016 CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro Roteiro básico da arquitetura

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE IMAGENS HDR

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE IMAGENS HDR ENGENHARIAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE IMAGENS HDR IBAÑEZ, Cristian Andres. Estudante do Curso de Engenaria Civil de Infraestrutura - ILATIT UNILA; E-mail: cristian.ibanez@aluno.unila.edu.br;

Leia mais

Ergonomia. O que é ergonomia??? Ergonomia. Ergonomia 25/05/2015

Ergonomia. O que é ergonomia??? Ergonomia. Ergonomia 25/05/2015 O que é ergonomia??? É o conjunto de estudos que visam à organização metódica do trabalho em função do fim proposto e das relações entreohomemeamáquina. 1 A ergonomia preocupa-se com os aspectos fisiológicos

Leia mais

ESTUDO DE NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA NAS SALAS DE AULA DO BLOCO 9 DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ.

ESTUDO DE NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA NAS SALAS DE AULA DO BLOCO 9 DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO DE NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA NAS SALAS DE AULA DO BLOCO 9 DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Paulo José Moraes Monteiro e Teixeira Germano 1, Camila

Leia mais

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso O projeto de sistema de iluminação de um ambiente baseia-se no conceito de iluminação natural e artificial integradas. Assim deve-se definir os parâmetros de

Leia mais

DIAGNÓSTICO QUALITATIVO DA INTENSIDADE DE ILUMINAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS CAMBORIÚ

DIAGNÓSTICO QUALITATIVO DA INTENSIDADE DE ILUMINAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS CAMBORIÚ IGNÓSTICO QULITTIVO INTENSIE E ILUMINÇÃO O INSTITUTO FEERL E EUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI CTRINENSE CMPUS CMBORIÚ Mateus Testoni CRVLHO (Bolsista IFC Campus Camboriú), Michele LOTTERMNN, Polyana Mayara Fonseca

Leia mais

conhecimento? 1. Informação de pequenos

conhecimento? 1. Informação de pequenos Pequenos parques de estacionamento 1. Informação de pequenos parques de estacionamento Os pequenos parques de estacionamento estão situados em edificios residenciais ou hotéis de negócios. As dimensões

Leia mais

Introdução. A iluminação é responsável por: 23% do consumo de energia elétrica no setor residencial. 44% no setor comercial. 1% no setor industrial

Introdução. A iluminação é responsável por: 23% do consumo de energia elétrica no setor residencial. 44% no setor comercial. 1% no setor industrial Iluminação 1 Introdução A iluminação é responsável por: 23% do consumo de energia elétrica no setor residencial 44% no setor comercial 1% no setor industrial Iluminação pública é responsável por cerca

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB Prof. Jean Carlo Fechine Tavares Universidade Federal da Paraíba, Campus I, Centro de Tecnologia Departamento de Arquitetura

Leia mais

ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Rubya Vieira de Mello Campos 1, Hélyda Radke Prado Mitsui 2, Paulo

Leia mais

Certificação de edificações

Certificação de edificações Certificação de edificações O consumo de energia elétrica nas edificações corresponde a cerca de 45% do consumo faturado no país. Potencial estimado de redução em 50% para novas edificações e de 30% para

Leia mais

O espaço atual. E por conta de existirem 2 andares no LAME, no piso superior deveria ter um sistema de proteção contra quedas adequado.

O espaço atual. E por conta de existirem 2 andares no LAME, no piso superior deveria ter um sistema de proteção contra quedas adequado. O espaço atual Em relação à distribuição das máquinas, segundo a NR12 a distância mínima entre máquinas deve ser de 0,6m a 0,8m, portanto, as distâncias entre as máquinas presentes no LAME é adequada para

Leia mais

Ergonomia e Ações de Saúde

Ergonomia e Ações de Saúde CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Ergonomia e Ações de Saúde Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA ANEXO 01

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA ANEXO 01 REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA LUMINOTÉCNICO ANEXO 01 Responsabilidade e compromisso com o meio Ambiente SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO E OBJETIVO... 4 2. NORMALIZAÇÃO... 4 3. COMENTÁRIOS LUMINOTÉCNICOS:...

Leia mais

Aula: Projeto Luminotécnico

Aula: Projeto Luminotécnico Fonte: IGS, 2011 Aula: Projeto Luminotécnico Conteúdo programático Aula de hoje: Definição de Luminotécnica Grandezas e Conceitos Tipos de Iluminação Critérios de Desempenho do Principais Variáveis do

Leia mais

Conceitos Básicos. Introdução:

Conceitos Básicos. Introdução: LUMINOTÉCNICA Conceitos Básicos Introdução: Comparando a época que a luz artificial começou a ser utilizada com os dias atuais, constata-se que foi grande o passo dado pela indústria da iluminação no século;

Leia mais

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Luminotécnica (Lâmpadas e Luminárias) Edcarlos Nunes Patrícia Lins Raphael Leite Thiago Santos 18/09/2011 1 Sumário Cálculo Luminotécnico:

Leia mais

CURSO SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO. Pericia de Engenharia de Segurança

CURSO SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO. Pericia de Engenharia de Segurança CURSO SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Pericia de Engenharia de Segurança Conteúdo programático Como emitir um relatório pericial? Como emitir um LTCAT? COMO EMITIR UM RELATÓRIO PERICIAL? Para emissão

Leia mais

Escritório Bom de Ficar

Escritório Bom de Ficar c a s e Fotos: Pedro Rubens Escritório Bom de Ficar Da Redação Um Projeto Premiado O ESPAÇO DE TRABALHO SOFREU mudanças em diferentes aspectos ao longo da história, mas conforme o computador foi se tornando

Leia mais

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento, das seguintes maneiras: 1ª Pela carga mínima exigida por normas; 2ª Pelo método

Leia mais

Ergonomia no Trabalho: Produzindo com Conforto

Ergonomia no Trabalho: Produzindo com Conforto Ergonomia no Trabalho: Produzindo com Conforto Exigência Legal Norma Regulamentadora nº 17 NR 17 Portaria MTPS nº 3.751, de 23 de novembro de 1990 17.1.2. Para avaliar a adaptação das condições de trabalho

Leia mais

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico Iluminação natural zenital Conforto ambiental lumínico Objetivos Visibilidade no plano de trabalho Eficiência energética Uso das paredes Satisfação do usuário Introdução A ILUMINAÇÃO ZENITAL (IZ) é uma

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS

AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS Alessandro Morello (1); Christiane Krum (2); Miguel A. Sattler (3) (1) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ARTIGO - ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTUDO ERGONÔMICO DO ÍNDICE DE ILUMINAÇÃO NO SETOR DE ALMOXARIFADO DE UMA CONSTRUTORA CIVIL

ARTIGO - ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTUDO ERGONÔMICO DO ÍNDICE DE ILUMINAÇÃO NO SETOR DE ALMOXARIFADO DE UMA CONSTRUTORA CIVIL ARTIGO - ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTUDO ERGONÔMICO DO ÍNDICE DE ILUMINAÇÃO NO SETOR DE ALMOXARIFADO DE UMA CONSTRUTORA CIVIL NILTON SADI FREITAS DE BITENCOURT, LUCAS LEMOS Resumo: A ergonomia

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE RUÍDO E ÍNDICES DE ILUMINAÇÃO ORIUNDOS DAS AGÊNCIAS BANCÁRIAS DO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE

ANÁLISE COMPARATIVA DE RUÍDO E ÍNDICES DE ILUMINAÇÃO ORIUNDOS DAS AGÊNCIAS BANCÁRIAS DO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE ANÁLISE COMPARATIVA DE RUÍDO E ÍNDICES DE ILUMINAÇÃO ORIUNDOS DAS AGÊNCIAS BANCÁRIAS DO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE IALY CORDEIRO DE SOUSA (UFCG) ialyengenheira@gmail.com O artigo

Leia mais

Prêmio GLP de Inovação e Tecnologia 2016

Prêmio GLP de Inovação e Tecnologia 2016 Prêmio GLP de Inovação e Tecnologia 2016 Luminária Solar Projeto Categoria: Infraestrutura Comitê de Inovação 1 1. Breve Histórico História A família Benchimol fundou a Fogás no dia 20 de agosto de 1956

Leia mais

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO De acordo com as normas da ABNT, cada ambiente requer um determinado nível de iluminância (E) ideal, estabelecido de acordo com as atividades a serem ali desenvolvidas,

Leia mais

SÉRIE PAINÉIS ADVANCED OPTRONIC DEVICES (BRASIL) S/A» Características Painel de LED AOD. Aplicações Recomendadas. AL-PL Parâmetros

SÉRIE PAINÉIS ADVANCED OPTRONIC DEVICES (BRASIL) S/A» Características Painel de LED AOD. Aplicações Recomendadas. AL-PL Parâmetros A luz do Painel de LED AOD é uma das iluminações interiores de alta qualidade. A estrutura do painel com alumínio anodizado, além da proteção contra oxidação não só resolve o problema de dissipação de

Leia mais

Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias

Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias 1 1. CÁLCULO DE ILUMINAMENTO Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento que são: métodos dos lumens; métodos

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA. LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA. LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre de

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR /2013

ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR /2013 ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR 8995-1/2013 Prof. Marcos Fergütz fev/2016 CONCEITOS - ÁREA DA TAREFA - ENTORNO IMEDIATO Uma faixa ao redor da Área de Tarefa com pelo menos 0,5m de largura (L).

Leia mais

CURSO DE SEGURANÇA DO TRABALHO RISCOS AMBIENTAIS E MAPA DE RISCOS

CURSO DE SEGURANÇA DO TRABALHO RISCOS AMBIENTAIS E MAPA DE RISCOS Sociedade de Ensino Regional Ltda SOER SOCIEDADE DE ENSINO REGIONAL LTDA Rua Ipiranga, 681 Nova York - Araçatuba SP - CEP 16018-305 Fone/Fax (18) 3625-6960/3117-7481/3117-7482 www.colegiosoer.com.br/ contato@colegiosoer.com.br

Leia mais

Por José Luís Carneiro

Por José Luís Carneiro Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 1 Introdução O espaço físico organizacional influi no trabalho desenvolvido

Leia mais

ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO

ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO Luís Agostinho Neto ¹ RESUMO: Este

Leia mais

LAUDO ERGONÔMICO. Empresa: ROTHENBERG COM. DE PERFUM. E COSM. LTDA CNPJ:

LAUDO ERGONÔMICO. Empresa: ROTHENBERG COM. DE PERFUM. E COSM. LTDA CNPJ: 1 LAUDO ERGONÔMICO Empresa: ROTHENBERG COM. DE PERFUM. E COSM. LTDA CNPJ: 2 LAUDO ERGONÔMICO Empresa : ROTHENBERG COM. DE PERFUM. E COSM. LTDA Endereço : CNPJ : Atividade : Com. de Perfumes e Cosméticos

Leia mais

10 DICAS PARA A SUA EMPRESA SER SUSTENTÁVEL

10 DICAS PARA A SUA EMPRESA SER SUSTENTÁVEL EXCLUSIVO PARA EMPRESAS QUE REDUZIR SEUS CUSTOS DE FORMA SUSTENTÁVEL 10 DICAS PARA A SUA EMPRESA SER SUSTENTÁVEL Prezado Empresário, O Grupo Quality preparou esse manual para ajudá-lo a implantar ações

Leia mais

SÉRIE LÂMPADAS LED TUBULARES

SÉRIE LÂMPADAS LED TUBULARES A lâmpada tubular de LED AOD é um semicondutor de iluminação ecologicamente correto que possui uma série de vantagens sobre as lâmpadas tubulares convencionais, tais como, não piscam ao acender, luz suave

Leia mais

ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO

ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO Roteiro adaptado de modelo proposto pela CIE (Commission Internationale de l Éclairage) para avaliação da iluminação em ambientes existentes. Embora elaborado para

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE

A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE SISTEMA SKYLUX PRISMÁTICO SISTEMA SKYLUX PRISMÁTICO DUPLO VENEZIANAS LUXVENT SISTEMA DE VENTILAÇÃO NATURAL EXHAUST SISTEMA SKYLUX ESTRUTURADO SISTEMA INTRALUX A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE ENGENHARIA

Leia mais

A Iluminação Natural e Artificial em Edifícios Desportivos

A Iluminação Natural e Artificial em Edifícios Desportivos A Iluminação Natural e Artificial em Edifícios Desportivos António J.C. Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios - Núcleo de Acústica e Iluminação Workshop Eficiência Energética

Leia mais

Prof. Bruno Fernandes. Layout (Arranjo Físico)

Prof. Bruno Fernandes. Layout (Arranjo Físico) Layout (Arranjo Físico) O espaço físico organizacional influi no trabalho desenvolvido pelos indivíduos dentro da empresa; Importa mais o fluxo do trabalho e pessoas que o aspecto visual e de conforto;

Leia mais

LAUDO 005/2017 GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SMS

LAUDO 005/2017 GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SMS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA LAUDO 005/2017 GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SMS LAUDO PERICIAL

Leia mais

GRANDEZAS E UNIDADES FOTOMÉTRICAS

GRANDEZAS E UNIDADES FOTOMÉTRICAS GRANDEZAS E UNIDADES FOTOMÉTRICAS GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS I GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS I 1 É A QUANTIDADE DE ENERGIA RADIANTE CAPAZ DE SENSIBILIZAR O OLHO HUMANO A UNIDADE DESTA GRANDEZA

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE INSALUBRIDADE

LAUDO TÉCNICO DE INSALUBRIDADE Empresa: ORION INDÚSTRIA DE PLÁSTICOS LTDA. Equipe Técnica Executora: Reginaldo Beserra Alves Eng. Segurança CREA: 5907-D/PB Hannah Martins Técnica em Segurança do Trabalho SRT/AM 0003169 Outubro / 2012

Leia mais

ARRANJO FÍSICO (LAYOUT)

ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) Definição ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O arranjo físico (ou layout) corresponde ao arranjo dos diversos postos de trabalho nos espaços

Leia mais

Em vigor. Aprovação - Operações. (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.

Em vigor. Aprovação - Operações. (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto.: Cargo: (dd/mm/aaaa) Nome: Depto. Versão 1.1 01/10/2013 Página: 1 de 9 Código do Documento RH-P0XX Política Institucional de Eficiência Autor Aprovação - Operações Karen Ribeiro Operações Gerente Planejamento Adm Aprovação - Jurídico Raimundo

Leia mais

CONCEITUAÇÃO ALGUNS TIPOS PODEM TAMBÉM FILTRAR RAIOS ULTRAVIOLETAS OU MUDAR A COR DA LUZ.

CONCEITUAÇÃO ALGUNS TIPOS PODEM TAMBÉM FILTRAR RAIOS ULTRAVIOLETAS OU MUDAR A COR DA LUZ. LUMINÁRIAS CONCEITUAÇÃO LUMINÁRIAS SÃO APARATOS QUE SE PRESTAM A DISTRIBUIR A LUZ EMITIDA POR UMA OU MAIS LÂMPADAS, E QUE CONTÊM TODOS OS ACESSÓRIOS NECESSÁRIOS PARA FIXÁ-LAS, PROTEGÊ-LAS E CONECTÁ- LAS

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

ERGONOMIA APLICADA AO TRABALHO

ERGONOMIA APLICADA AO TRABALHO ERGONOMIA APLICADA AO TRABALHO HISTÓRICO A ergonomia nasce da constatação de que o Homem não é uma máquina, pois: - ele não é um dispositivo mecânico; - ele não transforma energia como uma máquina a vapor;

Leia mais

Manual de Instruções. LD-400 plus. Luxímetro digital com datalogger

Manual de Instruções. LD-400 plus. Luxímetro digital com datalogger Manual de Instruções LD-400 plus Luxímetro digital com datalogger Sumário 1. Introdução 3 2. Especificações do Produto 4 3. Descrição do Produto 5 4. Descrição do Display 6 5. Informações de Segurança

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS FUNDAMENTAIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS 03 GRANDEZAS LUMINOSAS GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BLUMENAU

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BLUMENAU LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BLUMENAU ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 2155240 Blumenau, 10 de Fevereiro de 2015.

Leia mais

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP TRABALHO ESTE TRABALHO FOI SELECIONADO COMO

Leia mais

Projeto de Iluminação

Projeto de Iluminação Projeto de Iluminação Luz e o tempo A luz como energia, arquitetura como algo ligado a energia. A luz artificial como herdeira do fogo, em torno do qual nossos ancestrais se reuniam. Luzes e sombras mutantes

Leia mais

SEG72 - SEGURANÇA DO TRABALHO. Professor: Gleison Renan Inácio Tecnólogo Mecatônica

SEG72 - SEGURANÇA DO TRABALHO. Professor: Gleison Renan Inácio Tecnólogo Mecatônica SEG72 - SEGURANÇA DO TRABALHO Professor: Gleison Renan Inácio gleison.renan@ifsc.edu.br Curso: Tecnólogo Mecatônica - Aula 02 NR 6 EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NR 15 ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES

Leia mais

SEG72 - SEGURANÇA DO TRABALHO. Professor: Gleison Renan Inácio Curso: Tecnólogo Mecatrônica

SEG72 - SEGURANÇA DO TRABALHO. Professor: Gleison Renan Inácio Curso: Tecnólogo Mecatrônica SEG72 - SEGURANÇA DO TRABALHO Professor: Gleison Renan Inácio gleison.renan@ifsc.edu.br Curso: Tecnólogo Mecatrônica NR-4 - SERVIÇOS - Aula ESPECIALIZADOS 02 EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO

Leia mais

ETEC SÃO MATEUS

ETEC SÃO MATEUS AULA 5 GESTÃO DE PESSOAS I PROF. PROCÓPIO ETEC SÃO MATEUS - 11-03-2016 Não fique sem o conteúdo, acesse: www.professorprocopio.com Processo de Admissão A área de Recursos Humanos (RH) / Departamento Pessoal

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS RIO DO SUL UNIDADE URBANA

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS RIO DO SUL UNIDADE URBANA LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS RIO DO SUL UNIDADE URBANA ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau, 22 de Abril

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 6 Método dos Lumens Porto Alegre - 2012 Tópicos NBR 5413 Iluminância de interiores Método dos Lumens Exemplo de projeto Consumo

Leia mais

ERGONOMIA e Saúde do Trabalhador nos Ambientes de Atenção à Saúde

ERGONOMIA e Saúde do Trabalhador nos Ambientes de Atenção à Saúde Curso: Gestão Hospitalar Disciplina: Arquitetura Hospitalar ERGONOMIA e Saúde do Trabalhador nos Ambientes de Atenção à Saúde Professora Ma. Tainá Menezes Belém/PA 2016 ERGONOMIA: Estudo entre homem e

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO REITORIA

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO REITORIA LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO REITORIA ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau, 28 de Abril de 2015. SUMÁRIO 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE INSALUBRIDADE

LAUDO TÉCNICO DE INSALUBRIDADE Empresa: MISSÃO BATISTA DA FÉ. Equipe Técnica Executora: Reginaldo Beserra Alves Eng. Segurança CREA: 5907-D/PB Taiane Baraúna Cavalcante Técnica em Segurança do Trabalho SRT/AM 0004157 Dezembro / 2012

Leia mais

Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais

Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) 99112-3636 - netobv@hotmail.com Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais 1 DA SEGURANÇA E DA MEDICINA DO TRABALHO Art. 156 - Compete

Leia mais

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE SUMÁRIO 1. Conceitos...3 2. Embasamento legal e agentes...4 3. Equipamentos de Proteção Individual...8 4. Normas Regulamentadoras...9 5. Sinopse...10 2 1. CONCEITOS ADICIONAL

Leia mais

ILUMINAÇÃO CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO. Prof. Eng. Antonio Gebara José. Ir p/ primeira página

ILUMINAÇÃO CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO. Prof. Eng. Antonio Gebara José. Ir p/ primeira página CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO Prof. Eng. Antonio Gebara José CONCEITO DE CONFORTO (reposta fisiológica a estímulos ambientais) Luz = LUX Ruído = db(a) Temperatura = o C Umidade Relativa

Leia mais

A Importância da Ergonomia nas Relações de Trabalho

A Importância da Ergonomia nas Relações de Trabalho A Importância da Ergonomia nas Relações de Trabalho Jaques Sherique Eng. Mecânico e de Segurança do Trabalho 2º vice-presidente do CREA-RJ Secretário da SOBES Presidente da ABPA-SP sherique@gbl.com.br

Leia mais

NÍVEL DE ILUMINAÇÃO EM MODELO FÍSICO REDUZIDO E AMBIENTE REAL: UM ESTUDO EXPERIMENTAL COMPARATIVO

NÍVEL DE ILUMINAÇÃO EM MODELO FÍSICO REDUZIDO E AMBIENTE REAL: UM ESTUDO EXPERIMENTAL COMPARATIVO NÍVEL DE ILUMINAÇÃO EM MODELO FÍSICO REDUZIDO E AMBIENTE REAL: UM ESTUDO EXPERIMENTAL COMPARATIVO BERGER, Jaqueline 1 ; HILLER, Raquel 2 ; SIGNORINI,Vanessa 3 e CORREA, Celina Maria Britto 4 ¹ Mestranda

Leia mais

SEL-0437 Eficiência Energética. Sistemas de Refrigeração Parte II

SEL-0437 Eficiência Energética. Sistemas de Refrigeração Parte II SEL-0437 Eficiência Energética Sistemas de Refrigeração Parte II 1 Tópicos da Aula de Hoje Sistemas de ar condicionado Redução do consumo de energia elétrica Termoacumulação Exercícios 2 Sistemas de Ar

Leia mais

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO.

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. 1. Levantamento de Informações 1.1.Projeto de arquitetura A escolha do projeto residencial 1.2. Lay out ocupação e uso do espaço Informações

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA DO TRABALHADOR EM UMA INDÚSTRIA MOVELEIRA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA DO TRABALHADOR EM UMA INDÚSTRIA MOVELEIRA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA DO TRABALHADOR EM UMA INDÚSTRIA MOVELEIRA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Cristiano Bonifácio Ferreira 1 ; Luciano José Minette 2 ; Amaury Paulo de Souza 3 ; Rodrigo Ferreira

Leia mais

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/5 Identificação Descrever o plano de instalação, manutenção e controle do sistema de iluminação da empresa

Leia mais

Eletrotécnica. Introdução a luminotécnica

Eletrotécnica. Introdução a luminotécnica Eletrotécnica Introdução a luminotécnica Grandezas Fundamentais em Luminotécnica Luz: É o aspecto da energia radiante que um observador humano constata pela sensação visual, determinado pelo estímulo da

Leia mais

Iluminação Natural. Estudo realizado para salas de aula em Tucumán. a u l a r á p i d a. Por Guillermo E. Gonzalo

Iluminação Natural. Estudo realizado para salas de aula em Tucumán. a u l a r á p i d a. Por Guillermo E. Gonzalo a u l a r á p i d a Iluminação Natural Por Guillermo E. Gonzalo Estudo realizado para salas de aula em Tucumán ESTUDOS REALIZADOS SOBRE RENDIMENTO ESCOLAR, NOS QUAIS foram analisados os resultados de 21

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA, no uso de suas atribuições, de acordo com o disposto na Lei Federal n.º 8080/90, artigos 15, I e XI, 17, III e XI e na Lei Estadual

Leia mais

INFORMATIVO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE

INFORMATIVO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE INFORMATIVO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE 1 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES. Segundo a Portaria Ministerial número 3214 de 08 de junho de 1978, na sua Norma Regulamentadora de número

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 USO RACIONAL DA ENERGIA Identificar onde, na edificação, ocorrem os maiores gastos. Geralmente consegue-se reduzir o gasto energético reduzindo

Leia mais

Cartilha de. Fotopoluição

Cartilha de. Fotopoluição Cartilha de Fotopoluição Projeto Tamar Equipe Técnica: Eduardo Saliés, Paulo Hunold Lara; Fernando Pazetto (in memoriam); Luciana Franco Veríssimo, João Arthur Abreu, Luciano Soares e Soares Realização

Leia mais

Window Film Neutral 35

Window Film Neutral 35 Window Film Neutral 35 Dados Técnicos Novembro/ 2011 Descrição A 3M oferece uma ampla opção de películas para vidros que rejeitam o calor e bloqueiam praticamente todos os raios infravermelhos e ultravioletas

Leia mais

Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1. G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra

Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1. G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1 G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra Introdução A partir da análise do Edifício E1, entende-se que é papel do

Leia mais

LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE

LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Lâmpadas Lâmpadas Incandescentes Lâmpadas para Iluminação Pública e para Grandes

Leia mais

Organização Ergonômica do Layout

Organização Ergonômica do Layout Organização Ergonômica do Layout Objetivo da elaboração do Layout A organização do Layout é o resultado final de um estudo sistemático que procura uma combinação ótima de todas as instalações, materiais

Leia mais

catálogo de lâmpadas

catálogo de lâmpadas catálogo de lâmpadas uma ideia ligada em você LÂMPADAS LORENZETTI Acreditamos que a inovação das grandes ideias pode contribuir para um mundo sustentável. Para nós uma mudança simples de atitude aumenta

Leia mais

A R Q U I T E T U R A

A R Q U I T E T U R A 44 c a p a O teto é um elemento forte na arquitetura do espaço. Foram utilizadas luminárias especialmente desenvolvidas para lâmpadas dicróicas. Um grande espelho no teto dobra a altura dos fornos. Para

Leia mais

Monografia apresentada ao Programa de Residência Médica em Neonatologia (R3) Hospital Regional da Asa Sul (HRAS)

Monografia apresentada ao Programa de Residência Médica em Neonatologia (R3) Hospital Regional da Asa Sul (HRAS) Monografia apresentada ao Programa de Residência Médica em Neonatologia (R3) Hospital Regional da Asa Sul (HRAS) AFERIÇÃO DA TEMPERATURA INTERNA E DA TEMPERATURA DA ÁGUA CORRENTE EM UMA UTI NEONATAL Residente:

Leia mais

Capítulo 02 - Cálculo luminotécnico apresentação das grandezas luminotécnicas, fórmulas e levantamentos de dados:

Capítulo 02 - Cálculo luminotécnico apresentação das grandezas luminotécnicas, fórmulas e levantamentos de dados: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Capítulo 02 - Cálculo luminotécnico apresentação das grandezas luminotécnicas, fórmulas e levantamentos de dados: Informações Luminotécnicas

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Valdemir Romero Diretor do Deconcic

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Valdemir Romero Diretor do Deconcic Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Valdemir Romero Diretor do Deconcic Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança em Edificações - Objetivos 1. Criação

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO PAULO SERGIO SCARAZZATO

ILUMINAÇÃO NATURAL RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO PAULO SERGIO SCARAZZATO ILUMINAÇÃO NATURAL RECOMENDAÇÕES PARA PROJETO PAULO SERGIO SCARAZZATO 1. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA COM A UTILIZAÇÃO DA LUZ NATURAL RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA COM

Leia mais