Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias"

Transcrição

1 1 1. CÁLCULO DE ILUMINAMENTO Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento que são: métodos dos lumens; métodos de cavidades zonais; método do ponto por ponto. O mais usado e objeto desta apresentação será o método de lumens. 1.1 Características Básicas do Projeto Luminotécnico Para iniciar um projeto Luminotécnico é necessário ter os seguintes dados e sob posse dos dados serão necessários alguns cálculos, na ordem: a) Definições do ambiente: A - comprimento do recinto, em m; B - largura do recinto, em m; Hlp - altura da Fonte de luz, sobre o plano de trabalho, em m; TPP - Cor do Teto, Parede e Piso, respectivamente; K - índice do recinto: K = H A B ( A B) lp + b) Escolha do nível de iluminamento: E - Nível de iluminamento (iluminância) mínimo para determinado ambiente, em lux. Esta etapa depende da definição da tabela a ser utilizada, se grupo de tarefa ou tipo de atividade. Caso seja escolhido o tipo de atividade devem ser analisadas as características da tarefa e do observador (idade; velocidade e precisão e ainda a refletância do fundo da tarefa); c) Escolha da luminária e da lâmpada: Φ L - fluxo luminoso emitido pela Lâmpada individual escolhida para ser instalada no ambiente, em lúmens; N la - Número de lâmpadas por luminária; φ L - fluxo luminoso emitido pela Luminária, em lumens, com a(s) lâmpada(s). Podendo uma luminária conter uma ou mais lâmpadas; Fdl - fator de depreciação ou de manutenção; Fu - fator de utilização ou coeficiente de utilização (com base nos valores de K índice do recinto e R M Refletância média com base na cor do Teto, Parede e Piso);

2 2 d) Cálculo do Fluxo luminoso no plano (de trabalho) e do número de luminárias: Ψt - fluxo luminoso no plano, em lumens: ψ t = E x S Fu x Fdl N - Número de luminárias a ser instalado no recinto: ψ N = t ϕ l Última etapa do projeto é a distribuição das luminárias no ambiente. 1.2 Material de apoio à confecção do projeto Luminotécnico Determinação do fator de depreciação - Fdl Tipo de aparelho Aparelhos para embutir lâmpadas incandescentes Aparelhos para embutir lâmpadas refletoras Calha aberta e chanfrada Refletor industrial para lâmpadas incandescentes Luminária comercial Luminária ampla utilizada em linhas contínuas Refletor parabólico para 2 lâmpadas incandescente Refletor industrial para lâmpada VM Aparelho para lâmpada incandescente para iluminação indireta Luminária industrial tipo Miller Luminária com difusor acrílico Globo de vidro fechado para lâmpada incandescente Refletor com difusor plástico Luminária comercial para lâmpada high output colméia Luminária para lâmpada fluorescente para iluminação indireta Fonte: Mamede Filho (2002). Fdl 0, Cor do ambiente Peso Percentagem Branco 7 70% Claro 5 50% Médio 3 30% Escuro 1 10% Fonte: Camilo (2006)

3 Fluxo luminoso da luminária Lâmpadas incandescentes Fluorescente Halogênicas Vapor de Mercúrio Luz Mista Vapor Metálico Vapor de Sódio Alta Pressão Fonte: Mamede Filho (2002) V 220V

4 Conceito de H LP Fonte: Manual Osram adaptado autor Distância entre as luminárias Fonte: Manual Osram: 2006

5 Fator de Utilização da Luminária Luminária TMS 1 - Lâmpada de 65 W TMS Lâmpadas de 65W TMS Lâmpadas de 40W TCK Lâmpadas de 40W HDK Lâmpada de 400W Fonte: Mamede Filho (2002). Teto 70% 50% 70% 50% 30 Parede 50% 30% 50% 30% 10% 10% 30% 10% K 10% (valor de refletância percentual piso) 0,25 0,29 0,22 0,20 0,18 0,20 0,17 0,39 0,31 0,35 0,29 0,26 0,24 0,26 0,22 1,00 0,37 0,40 0,34 0,29 0,31 1,25 0,39 0,37 0,34 0,36 1,50 0,48 0,44 0,39 0,40 0,36 2,00 2,50 3,00 0,69 0,64 0,59 4,00 0,73 0,69 0,57 5,00 0,69 0,69 1,00 1,25 1,50 2,00 2,50 3,00 4,00 5,00 1,00 1,25 1,50 2,00 2,50 3,00 4,00 5,00 1,00 1,25 1,50 2,00 2,50 3,00 4,00 5,00 1,00 1,25 1,50 2,00 2,50 3,00 4,00 5,00 0,31 0,59 0,69 0,35 0,83 0,41 0,52 0,73 0,77 0,82 0,84 0,85 0,25 0,37 0,28 0,36 0,34 0,40 0,73 0,59 0,64 0,77 0,82 0,84 0,57 0,23 0,30 0,36 0,48 0,23 0,30 0,36 0,59 0,57 0,78 0,82 0,83 0,22 0,28 0,37 0,41 0,57 0,31 0,44 0,64 0,40 0,52 0,73 0,79 0,81 0,82 0,20 0,25 0,48 0,34 0,40 0,57 0,69 0,78 0,81 0,83 0,18 0,24 0,29 0,37 0,48 0,21 0,23 0,30 0,36 0,59 0,77 0,81 0,19 0,24 0,28 0,35 0,40 0,44 0,22 0,28 0,48 0,26 0,39 0,64 0,52 0,77 0,81 0,16 0,21 0,25 0,29 0,41 0,44 0,19 0,24 0,29 0,34 0,23 0,29 0,35 0,41 0,64 0,79

6 6 2. ILUMINAÇÃO DE INTERIORES De acordo com Mamede Filho (2002), no estudo de um projeto de iluminação industrial, devem seguir critérios apurados para cada tipo de função das atividades desenvolvidas pela indústria, os detalhes de arquitetura do prédio, riscos de explosão e outros requisitos de segurança referente a cada ambiente. Em geral as construções industriais têm um pé direito que pode variar de 3,5 m até 9 m. É comum a utilização de projetores de facho de abertura média com lâmpadas a vapor de mercúrio ou de luminária com pintura difusora com lâmpadas fluorescentes. As luminárias fluorescentes podem ser dispostas em linha, de maneira continua ou espaçada. Os projetores são fixados em pontos mais elevados, a fim de se obter uma uniformidade desejada no plano de trabalho. As luminárias fluorescentes, em geral, são fixadas em pontos de altura inferior. (MAMEDE FILHO, 2002). 2.1 CRITÉRIOS DE ORIENTAÇÃO São apresentadas algumas orientações básicas ao desenvolvimento de um projeto de iluminação de interiores como: a) não se devem utilizar lâmpadas de incandescentes na iluminação principal; b) utilizar lâmpadas incandescentes em que é exigida pouca iluminância, em iluminação localizada em certos tipos de máquinas e iluminação de emergência, banheiros; c) projetar a iluminação mais uniforme possível; d) relação entre as iluminâncias dos pontos de menores e maiores iluminamento, preferencialmente superior a ; e) em prédios com pé direito igual ou inferior a 6 m, utilizar lâmpadas fluorescentes; f) em prédios com pé direito superior a 6 m empregar lâmpadas de descarga de alto fluxo luminoso; g) no uso de projetores, utilizar lâmpadas de vapor de mercúrio ou vapor de sódio e; h) onde exigir IRC elevado não utilizar lâmpadas de vapor de sódio. 2.2 LUMINOTÉCNICO RESIDENCIAL Pode ser utilizado, juntamente com o método de lumens apresentado no item 1, sempre escolhendo a situação mais crítica, sob os olhos de maior potência instalada ou maior número de lâmpadas, o seguinte critério na determinação das cargas de iluminação em residências; Em cômodos ou dependências com área igual ou inferior a 6 m 2 deve ser prevista uma carga mínima de 100 VA; Em cômodos ou dependências com área superior a 6 m 2 deve ser prevista uma carga mínima de 100 VA para os primeiros 6 m 2, acrescida de 60 VA para cada aumento de 4 m 2 inteiros; Prever arandelas nas paredes ou sancas de luz indireta.

7 7 3. ILUMINAÇÃO DE EXTERIORES Há que diferenciar entre iluminação interior e exterior. Ao contrário do que acontece num espaço fechado, normalmente na iluminação de exteriores não existe luz refletida por paredes ou tetos. De acordo com Mamede Filho (2002), [...] as áreas externas das instalações industriais em geral são iluminadas através de projetores fixados em postes ou nas laterais do conjunto arquitetônico da fábrica. O método mais adequado para essa aplicação é o método do ponto por ponto. A tabela indica os níveis de iluminamento adequados para áreas externas. ILUMINAMENTO ADEQUADO PARA ÁREAS EXTERNAS Área Iluminâncias - Lux Depósitos ao ar livre 10 Parques de estacionamento 50 Vias de tráfego 70 Fonte: Mamede Filho: ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA É o conjunto de componentes e equipamentos que, em funcionamento, proporcionam a Iluminação suficiente e adequada para permitir a saída fácil e segura do público para o exterior. No caso de interrupção da alimentação normal, como também, a execução das manobras de interesse da segurança e intervenção do socorro e garante a continuação do trabalho naqueles locais onde não pode haver interrupção da Iluminação. As áreas importantes que necessitam de serem dotadas de iluminação de emergência são, corredores, salas de reunião, auditórios, salas de emergência, setores de produção de materiais combustíveis ou gasosos, sala de maquinas, em geral. Segundo a NBR (1998), a iluminação de emergência iluminar áreas escuras de passagens, horizontais e verticais, incluindo áreas de trabalho e áreas técnicas de controle de restabelecimento de serviços essenciais e normais, na falta de iluminação normal. A iluminação de emergência ainda deverá garantir uma intensidade de iluminamento adequado para evitar acidentes e garantir a evacuação das pessoas, levando em consideração a possível penetração de fumaça nas áreas. O sistema de iluminação de emergência deve permitir o controle visual das áreas abandonadas para localizar pessoas impedidas de locomover-se; manter a segurança patrimonial para facilitar a localização de estranhos nas áreas de segurança pelo pessoal da intervenção; sinalizar inconfundivelmente as rotas de fuga utilizáveis no momento do abandono do local; sinalizar o topo do prédio para a aviação comercial. Em casos especiais, a iluminação de emergência deve garantir, sem interrupção, os serviços de primeiros socorros, de controle aéreo, marítimo, ferroviário e outros serviços essenciais instalados. O tempo de funcionamento do sistema de iluminação de emergência deve garantir a segurança pessoal e patrimonial de todas as pessoas na área, até o restabelecimento da iluminação normal, ou até que outras medidas de segurança sejam tomadas. No caso do abandono total do edifício, o tempo da iluminação deve incluir, além do tempo previsto para a evacuação, o tempo que o pessoal da intervenção e de segurança necessita para localizar pessoas

8 8 perdidas ou para terminar o resgate em caso de incêndio. Este tempo deve ser respaldado pela documentação de segurança do edifício aprovada pelo usuário e do poder público. Devem ser respeitadas as limitações da visão humana, com referência às condições fisiológicas da visão diurna e noturna e o tempo de adaptação para cada estado. A variação da intensidade de iluminação não pode ser superior ao valor de 20:1. (NBR 10898). A tabela a seguir mostra os valores mínimos de iluminâncias adotadas para diferentes ambientes, e ainda a iluminação de emergência poderá ser feita através de baterias ou gerador auxiliar. ILUMINAMENTO MÍNIMO PARA ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Ambientes Iluminância - Lux Auditórios, salas de recepção 5 Corredores, refeitórios, salões, iluminação externa 10 Almoxarifados, escritórios, escadas, entradas em locais com desníveis, elevadores 20 Corredores de saída de pessoal, centro de processamento de dados, subestação, sala de máquina 50 Fonte: Mamede Filho: AUTONOMIA O sistema com iluminação de emergência deverá garantir a intensidade luminosa conforme projetado. O sistema deve ter autonomia superior ou igual a 1h de funcionamento, com uma perda maior que 10% de sua luminosidade inicial. Em casos específicos, esse tempo de funcionamento poderá ser prolongado, respeitando os critérios impostos pelos órgãos competentes para cumprir com as exigências de segurança a serem atingidas. 4.2 PROJETO Em um projeto do sistema de iluminação de emergência devem-se prever duas situações de emergência: a) falta ou a falha de energia elétrica fornecida pela concessionária b) desligamento voluntário em caso de incêndio na área afetada ou em todas as áreas com materiais combustíveis. 4.3 SIMBOLOGIA Para o projeto do sistema de iluminação de emergência, recomenda-se a utilização dos símbolos da NBR 4.4 LUMINÁRIA DE EMERGÊNCIA Atendendo integralmente as normas da INMETRO, a Luminária de emergência é elaborada com materiais que garantem resistência a uma temperatura de 70 ºC, no mínimo uma hora, conforme laudo técnico nº do IPT (Instituto de Pesquisa Tecnológicas), decreto n de 18 de outubro de 1994 (normas de segurança contra incêndio).

Sérgio Ferreira de Paula Silva

Sérgio Ferreira de Paula Silva Instalações Elétricas 1 Projeto de Instalações Elétricas Projetar uma instalação elétrica para qualquer tipo de prédio ou local consiste essencialmente em selecionar, dimensionar e localizar, de maneira

Leia mais

Projeto de Iluminação

Projeto de Iluminação LUMINOTÉCNICA Requisitos Básicos: Projeto de Iluminação Nível de Iluminamento: definir a iluminância em função da tarefa visual; Requisitos Básicos: Projeto de Iluminação Nível de Iluminamento: NBR 5413

Leia mais

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Luminotécnica (Lâmpadas e Luminárias) Edcarlos Nunes Patrícia Lins Raphael Leite Thiago Santos 18/09/2011 1 Sumário Cálculo Luminotécnico:

Leia mais

Introdução. A iluminação é responsável por: 23% do consumo de energia elétrica no setor residencial. 44% no setor comercial. 1% no setor industrial

Introdução. A iluminação é responsável por: 23% do consumo de energia elétrica no setor residencial. 44% no setor comercial. 1% no setor industrial Iluminação 1 Introdução A iluminação é responsável por: 23% do consumo de energia elétrica no setor residencial 44% no setor comercial 1% no setor industrial Iluminação pública é responsável por cerca

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI)

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI) INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI) Aula 3 Revisão de luminotécnica Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br Prof. Bruno G. Martins Aula 2 Revisão luminotécnica RECAPITULANDO Revisão

Leia mais

Radiação visível - iluminação

Radiação visível - iluminação Iluminação Radiação visível - iluminação É a faixa do espectro eletromagnético capaz de ser detectada pelo olho humano. A sensibilidade do olho a esta região visível varia, dependendo do comprimento de

Leia mais

A base de um projeto de instalação elétrica consiste em:

A base de um projeto de instalação elétrica consiste em: A base de um projeto de instalação elétrica consiste em: Previsão e dimensionamento das cargas elétricas (Máquinas, tomadas Tug s, tomadas Tue s e iluminação) no local desejado; Dimensionar e especificar

Leia mais

Faculdade de Engenharia. Luminotécnica. Departamento de Engenharia Elétrica. Prof. Luiz Sebastião Costa

Faculdade de Engenharia. Luminotécnica. Departamento de Engenharia Elétrica. Prof. Luiz Sebastião Costa Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Luminotécnica Prof. Luiz Sebastião Costa LUMINOTÉCNICA Iluminar - distribuir luz de acordo com a percepção humana Iluminação artificial não consideramos

Leia mais

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES LUMINOTÉCNICAS

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES LUMINOTÉCNICAS 1 Programa de Recuperação de Espaços Didáticos Pró-Reitoria de Graduação MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES LUMINOTÉCNICAS 2 1. INTRODUÇÃO Adotou-se um processo de trabalho convencional, de desenvolvimento

Leia mais

Aula: Projeto Luminotécnico

Aula: Projeto Luminotécnico Fonte: IGS, 2011 Aula: Projeto Luminotécnico Conteúdo programático Aula de hoje: Definição de Luminotécnica Grandezas e Conceitos Tipos de Iluminação Critérios de Desempenho do Principais Variáveis do

Leia mais

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento, das seguintes maneiras: 1ª Pela carga mínima exigida por normas; 2ª Pelo método

Leia mais

Capítulo 02 - Cálculo luminotécnico apresentação das grandezas luminotécnicas, fórmulas e levantamentos de dados:

Capítulo 02 - Cálculo luminotécnico apresentação das grandezas luminotécnicas, fórmulas e levantamentos de dados: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Capítulo 02 - Cálculo luminotécnico apresentação das grandezas luminotécnicas, fórmulas e levantamentos de dados: Informações Luminotécnicas

Leia mais

ET-SE -030 TRAVESSIAS COM LUMINÁRIAS À LED

ET-SE -030 TRAVESSIAS COM LUMINÁRIAS À LED Sumário 1 OBJETIVO 2 2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3 DEFINIÇÃO 3 4 REQUISITOS ESPECÍFICOS 5 5 DOCUMENTAÇÃO 9 6 GARANTIA 11 Superintendência de Engenharia de Sinalização - SSI Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 6 Método dos Lumens Porto Alegre - 2012 Tópicos NBR 5413 Iluminância de interiores Método dos Lumens Exemplo de projeto Consumo

Leia mais

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO De acordo com as normas da ABNT, cada ambiente requer um determinado nível de iluminância (E) ideal, estabelecido de acordo com as atividades a serem ali desenvolvidas,

Leia mais

LUMINÁRIA DE EMERGÊNCIA. Atende à norma NBR 10898:2013. alumbra.com.br

LUMINÁRIA DE EMERGÊNCIA. Atende à norma NBR 10898:2013. alumbra.com.br LUMINÁRIA DE EMERGÊNCIA Atende à norma NBR 10898:2013 alumbra.com.br SEGURANÇA E PROTEÇÃO PARA DESLOCAMENTO NO ESCURO As luminárias de emergência LED Alumbra, tem um design compacto e são ideiais para

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

Eletrotécnica. Introdução a luminotécnica

Eletrotécnica. Introdução a luminotécnica Eletrotécnica Introdução a luminotécnica Grandezas Fundamentais em Luminotécnica Luz: É o aspecto da energia radiante que um observador humano constata pela sensação visual, determinado pelo estímulo da

Leia mais

GRANDEZAS FOTOMÉTRICAS E MÉTODO DE LUMÉNS AULA 20

GRANDEZAS FOTOMÉTRICAS E MÉTODO DE LUMÉNS AULA 20 O que é luz? Luz Princípios Gerais Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Fonte de luz radiação eletromagnética diferentes comprimentos de onda sensibilidade do olho espectro

Leia mais

Certificação de edificações

Certificação de edificações Certificação de edificações O consumo de energia elétrica nas edificações corresponde a cerca de 45% do consumo faturado no país. Potencial estimado de redução em 50% para novas edificações e de 30% para

Leia mais

Luminotécnica - Exercícios

Luminotécnica - Exercícios - Exercícios Determine o nº de luminárias necessárias para os seguintes ambientes segundo a NBR5413. A) Galpão industrial/tipo fundição - setor de inspeção de precisão, paredes de cor clara, teto claro,

Leia mais

CAPÍTULO 05 SISTEMA PREVENTIVO ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA ALARME DE INCÊNDIOS

CAPÍTULO 05 SISTEMA PREVENTIVO ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA ALARME DE INCÊNDIOS CAPÍTULO 05 SISTEMA PREVENTIVO ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA ALARME DE INCÊNDIOS 05.01 Iluminação de emergência: Segundo a NBR-10898/2013 A intensidade da iluminação deve ser adequada para evitar acidentes

Leia mais

Sequência para projeto de instalações 1. Determinar as áreas dos cômodos, com base na planta baixa arquitetônica 2. A partir da entrada de energia,

Sequência para projeto de instalações 1. Determinar as áreas dos cômodos, com base na planta baixa arquitetônica 2. A partir da entrada de energia, Projeto de instalações residenciais Um projeto de instalações elétricas possui, basicamente, 4 partes: Memorial técnico projetista justifica e descreve sua solução Conjunto de plantas, esquemas e detalhes

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Bloco Autônomo de Iluminação de Emergência À Prova de Tempo (IP 65) - Com 01 Lâmpada Fluorescente de 8 W. Código AFMAC8IP O Bloco Autônomo com uma lâmpada fluorescente de 8 Watts é um equipamento de iluminação

Leia mais

Conceitos Básicos. Introdução:

Conceitos Básicos. Introdução: LUMINOTÉCNICA Conceitos Básicos Introdução: Comparando a época que a luz artificial começou a ser utilizada com os dias atuais, constata-se que foi grande o passo dado pela indústria da iluminação no século;

Leia mais

Lâmpadas Tubulares de LED

Lâmpadas Tubulares de LED Catálogo Lâmpadas Tubulares de LED Aplicações: Lojas, Escritórios, Farmácias, Hospitais, Escolas, Hotéis, Bancos, Shopping Centers, Supermercados, Armazéns, entre outros. Benefícios: Economiza até 60%

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA ANEXO 01

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA ANEXO 01 REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA LUMINOTÉCNICO ANEXO 01 Responsabilidade e compromisso com o meio Ambiente SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO E OBJETIVO... 4 2. NORMALIZAÇÃO... 4 3. COMENTÁRIOS LUMINOTÉCNICOS:...

Leia mais

Finalidade Fonte de Alimentação Proteção da Rede de Média Tensão Proteção contra Sobretensão: 2.5.

Finalidade Fonte de Alimentação Proteção da Rede de Média Tensão Proteção contra Sobretensão: 2.5. MEMÓRIAL DESCRITIVO 5 2.1. - Finalidade Traçar diretrizes básicas para a implementação dos projetos de iluminação externa do Campus Petrolina e iluminação da via de interligação entre o anel viário e os

Leia mais

Sensibilidade Visual. Temperatura de Cor

Sensibilidade Visual. Temperatura de Cor Luminotécnica Fernando Augusto Lopes Corrêa Engº Eletricista CREA/PR 28.393-D Luz Radiação eletromagnética capaz de produzir uma sensação visual 1 Sensibilidade Visual Varia de acordo com o comprimento

Leia mais

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA GUIA DE ACESSIBILIDADE EM LOCAIS DOS EVENTOS UVESP União de Vereadores do Estado de São Paulo Luiz Baggio Neto Este guia prático de Acessibilidade foi preparado

Leia mais

ILUMINAÇÃO CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO. Prof. Eng. Antonio Gebara José. Ir p/ primeira página

ILUMINAÇÃO CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO. Prof. Eng. Antonio Gebara José. Ir p/ primeira página CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO Prof. Eng. Antonio Gebara José CONCEITO DE CONFORTO (reposta fisiológica a estímulos ambientais) Luz = LUX Ruído = db(a) Temperatura = o C Umidade Relativa

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO EM BAIXA TENSÃO OBRA: ANEXO 01. Eng. Eletrecista Sandro Waltrich. Av. Osmar Cunha, Ceisa Center, Sala 210 A

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO EM BAIXA TENSÃO OBRA: ANEXO 01. Eng. Eletrecista Sandro Waltrich. Av. Osmar Cunha, Ceisa Center, Sala 210 A MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO EM BAIXA TENSÃO OBRA: ANEXO 01 Proprietário: CREA SC - CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SANTA CATARINA Responsável Projeto: Eng. Eletrecista

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Conceitos Básicos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Conceitos Básicos Energia Capacidade que possui um corpo ou sistema de realizar trabalho, potência num intervalo de tempo. Unidade: Wh, símbolo E Resistência Elétrica Resistência à passagem

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR /2013

ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR /2013 ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR 8995-1/2013 Prof. Marcos Fergütz fev/2016 CONCEITOS - ÁREA DA TAREFA - ENTORNO IMEDIATO Uma faixa ao redor da Área de Tarefa com pelo menos 0,5m de largura (L).

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA. LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA. LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre de

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

Ambiente: RETAGUARDA - 1P Dimensões: Comprimento: 3,90 m Largura: 7,70 m Pé direito: 2,60 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core

Ambiente: RETAGUARDA - 1P Dimensões: Comprimento: 3,90 m Largura: 7,70 m Pé direito: 2,60 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core Empresa: BRB - Banco de Brasília-DF Obra: BRB - Banco de Brasília-DF Dados adicionais: REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Autor: HUDSON ALESSE Data: 21/04/2012 Revisão:

Leia mais

Planejamento e projeto das instalações elétricas

Planejamento e projeto das instalações elétricas Planejamento e projeto das instalações elétricas 1) A energia elétrica fornecida aos consumidores residenciais é resultado da conexão do consumidor com: a) Sistema elétrico de geração; b) Sistema de compatibilidade

Leia mais

conhecimento? 1. Informação de pequenos

conhecimento? 1. Informação de pequenos Pequenos parques de estacionamento 1. Informação de pequenos parques de estacionamento Os pequenos parques de estacionamento estão situados em edificios residenciais ou hotéis de negócios. As dimensões

Leia mais

PROJETO LUMINOTÉCNICO NO CONTEXTO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESTUDO DE CASO

PROJETO LUMINOTÉCNICO NO CONTEXTO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESTUDO DE CASO PROJETO LUMINOTÉCNICO NO CONTEXTO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESTUDO DE CASO ellington Rocha Araújo, Saulo Gomes Moreira, Rafael Nishimura, Luciana Cambraia Leite, João César Okumoto, Amâncio Rodrigues da

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Setembro - 2013 1 Acessibilidade a Edificações 1.1 Introdução A norma brasileira

Leia mais

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO.

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. 1. Levantamento de Informações 1.1.Projeto de arquitetura A escolha do projeto residencial 1.2. Lay out ocupação e uso do espaço Informações

Leia mais

Laudo de Comissionamento das Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Laudo de Comissionamento das Instalações Elétricas de Baixa Tensão LEGGA SOLUÇÕES EM ENERGIA Eng. Adriel de Oliveira Engenheiro Eletricista - CREA PR: 119.257/D Av. Santos Dumont, 633 Londrina PR Fones: (43) 3039-2142 / (43) 9150-1414 E-mail: adriel@legga.com.br Laudo

Leia mais

LEVANTAMENTO DA CARGA DE ILUMINAÇÃO - NBR 5410

LEVANTAMENTO DA CARGA DE ILUMINAÇÃO - NBR 5410 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS - I NBR 5410 Segundo a NBR5410 o levantamento das potências é feito mediante uma previsão das potências mínimas (neste caso, cargas mínimas) de iluminação e tomadas,

Leia mais

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso O projeto de sistema de iluminação de um ambiente baseia-se no conceito de iluminação natural e artificial integradas. Assim deve-se definir os parâmetros de

Leia mais

As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência.

As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência. SINALIZAÇÃO As regras completas para a sinalização de emergência estão contidas na IT-20 Sinalização de Emergência. A sinalização de emergência tem como finalidade reduzir o risco de ocorrência de incêndio,

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Obra: Mirante de Santo Antônio Finalidade: Projeto de instalações elétricas de baixa tensão Local: Sítio Jatobá Piancó - PB Proprietário: Prefeitura Municipal de Piancó - PB

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Luminária de Emergência Com 16 LEDs de Alto Brilho. Código AFLMLED-24 (Uso em Conjunto a Central de Iluminação de Emergência 24 Volts.) Luminária para Iluminação de Emergência com 16 LEDS de alto brilho

Leia mais

EFICIÊNCIA ALTA QUALIDADE

EFICIÊNCIA ALTA QUALIDADE CATÁLOGO 2016 Catálogo OL ILUMINAÇÃO EFICIÊNCIA ALTA QUALIDADE Ol iluminação, uma empresa que garante e atesta a qualidade de seus produtos para seu consumidor. Contando com a sua larga experiência tecnológica

Leia mais

Projetor Ex de AZW45. (sem alojamento p/ reator e auxiliares)

Projetor Ex de AZW45. (sem alojamento p/ reator e auxiliares) Projetor Ex de (sem alojamento p/ reator e auxiliares) AZW45 Tomadas/Plugs Painéis A prova de explosão, segurança aumentada e jatos potentes d água Características Construtivas Projetor industrial. Corpo,

Leia mais

Ambiente: CAIXAS - TÉRREO Dimensões: Comprimento: 7,70 m Largura: 3,70 m Pé direito: 2,20 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core

Ambiente: CAIXAS - TÉRREO Dimensões: Comprimento: 7,70 m Largura: 3,70 m Pé direito: 2,20 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core Empresa: BRB - 504 NORTE Obra: IMPLANTAÇÃO AGENCIA NOVA Dados adicionais: Autor: FOX ENGENHARIA Data: 14/04/2012 Revisão: 0 Ambiente Luminária Código Qtde E mcz (lx) E méd (lx) E máx (lx) E mín (lx) CAIXAS

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS FUNDAMENTAIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS 03 GRANDEZAS LUMINOSAS GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO

Leia mais

HOME L I G H T I N G. Fone: Rua Pion. José dos Santos, 144 C - CEP Parque Itaipú - Maringá - Paraná

HOME L I G H T I N G.  Fone: Rua Pion. José dos Santos, 144 C - CEP Parque Itaipú - Maringá - Paraná HOME L I G H T I N G www.ecrom.com.br Fone: 44 3046.2222 Rua Pion. José dos Santos, 144 C - CEP 87065.440 Parque Itaipú - Maringá - Paraná Empresa A ECROM Iluminação nasceu de uma parceria de profissionais

Leia mais

Francisco José d Almeida Diogo

Francisco José d Almeida Diogo ARQUITETURA Francisco José d Almeida Diogo Professor da Seção de Engenharia de Fortificação e Construção Instituto Militar de Engenharia IME Praça General Tibúrcio, 80 - Praia Vermelha CEP. 22290-270 Tel:

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

Edições. :: Fonte: Revista Lume Arquitetura - edição número 2. Case Museu Oscar Niemeyer - Ousadia em Curitiba Por: Claúdia Cavallo

Edições. :: Fonte: Revista Lume Arquitetura - edição número 2. Case Museu Oscar Niemeyer - Ousadia em Curitiba Por: Claúdia Cavallo Edições :: Fonte: Revista Lume Arquitetura - edição número 2 Case Museu Oscar Niemeyer - Ousadia em Curitiba Por: Claúdia Cavallo Localizado em Curitiba, o maior museu do Brasil é uma obra de Oscar Niemeyer:

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Linha de produtos Portal Lux 2017

APRESENTAÇÃO. Linha de produtos Portal Lux 2017 APRESENTAÇÃO Linha de produtos Portal Lux 2017 Todas as imagens contidas neste catálogo são meramente ilustrativas. Para mais informações de nossos produtos acesse: www.portallux.com.br A Portal Lux se

Leia mais

Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resulta

Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resulta Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resultado em termos de quantidade, qualidade da luz e sua

Leia mais

Iluminação Esportiva. A torcida agradece. Da Redação. Pré-avaliação A CADA ANO EM QUE ASSISTIMOS AOS JOGOS

Iluminação Esportiva. A torcida agradece. Da Redação. Pré-avaliação A CADA ANO EM QUE ASSISTIMOS AOS JOGOS a u l a r á p i d a Foto: Divulgação Philips Iluminação Esportiva Da Redação A torcida agradece A CADA ANO EM QUE ASSISTIMOS AOS JOGOS Olímpicos ou a uma Copa do Mundo pela TV, ficamos impressionados com

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

Escritório Bom de Ficar

Escritório Bom de Ficar c a s e Fotos: Pedro Rubens Escritório Bom de Ficar Da Redação Um Projeto Premiado O ESPAÇO DE TRABALHO SOFREU mudanças em diferentes aspectos ao longo da história, mas conforme o computador foi se tornando

Leia mais

LUMINÁRIAS COZINHA/ DEPÓSITOS / CIRCULAÇÃO DE SERVIÇO

LUMINÁRIAS COZINHA/ DEPÓSITOS / CIRCULAÇÃO DE SERVIÇO OBRA: PARQUE TECNOLÓGICO DE SOROCABA Av. Itavuvu, 11.777 Sorocaba SP CEP 18078-005 Tel. (15) 3316-2095 Paula Vieria Coordenadora de Compras EMPTS Email: paula.vieira@empts.com.br LUMINÁRIAS COZINHA/ DEPÓSITOS

Leia mais

ILUMINAÇÃO LED. Residencial, Comercial e Industrial

ILUMINAÇÃO LED. Residencial, Comercial e Industrial ILUMINAÇÃO LED Residencial, Comercial e Industrial Catálogo 2017 www.jng.com.br LED BULBO - Durabilidade até 5x maior comparado a lâmpadas convencionais; - Economia de até 90% em comparação a lâmpadas

Leia mais

Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica

Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica Lâmpadas e Comandos Iluminação - Grandezas de Luminotécnica; - Iluminação Incandecente; - Iluminação fluorescente; - Lâmpadas de descarga de alta pressão; - Interruptores. Conceitos básicos de luminotécnica

Leia mais

GRANDEZAS E UNIDADES FOTOMÉTRICAS

GRANDEZAS E UNIDADES FOTOMÉTRICAS GRANDEZAS E UNIDADES FOTOMÉTRICAS GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS I GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS I 1 É A QUANTIDADE DE ENERGIA RADIANTE CAPAZ DE SENSIBILIZAR O OLHO HUMANO A UNIDADE DESTA GRANDEZA

Leia mais

CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO

CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO Mais do que você imagina SOLUÇÕES QUE ILUMINAM SEUS AMBIENTES ACREDITAMOS QUE A INOVAÇÃO DAS GRANDES IDEIAS PODE CONTRIBUIR PARA UM MUNDO SUSTENTÁVEL. PARA NÓS UMA MUDANÇA SIMPLES

Leia mais

c a s e A R Q U I T E T U R A

c a s e A R Q U I T E T U R A c a s e 52 Parede curva, ao lado da recepção, destacada por uma seqüência de fachos luminosos. Ao lado, fachada do hotel. Blue Tree Premium Londrina Por Claudia Sá Luz suave e discreta proporciona conforto

Leia mais

A R Q U I T E T U R A

A R Q U I T E T U R A 40 L U M E A R Q U I T E T U R A c a s e Na sala de reuniões, LEDs destacam a textura do revestimento das paredes. Mesma tecnologia é utilizada nas circulações. Fotos: Guinter Parschalk Edifício corporativo

Leia mais

LUMINÁRIAS SUPERLED DECORATIVAS DE EMBUTIR

LUMINÁRIAS SUPERLED DECORATIVAS DE EMBUTIR SAC 8-933 S SUPERLED DECORATIVAS DE EMBUTIR SOLUÇÕES FEITAS PARA VOCÊ SOLUÇÕES FEITAS PARA VOCÊ EFICIENTE DESDE O PRIMEIRO MOMENTO E SUPERLED EM UM ÚNICO PRODUTO Eficiência energética é o que se busca

Leia mais

CATÁLOGO DE LÂMPADAS. TECNOLAMP DO BRASIL - LÂMPADAS E ACESSORIOS Av. Tiradentes, Luz São Paulo, SP

CATÁLOGO DE LÂMPADAS. TECNOLAMP DO BRASIL - LÂMPADAS E ACESSORIOS Av. Tiradentes, Luz São Paulo, SP CATÁLOGO DE LÂMPADAS 2015 1 Índice Sobre a Empresa PAG. 3 Lampâdas de Vapor de Sódio 6 Lampâdas de Vapor Metálico 10 Lampâdas de Vapor de Mercúrio e Mistas 13 Lâmpadas de LED/Especiais 15 2 Sobre a Empresa

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES REQUISITOS DE PROJETO PRELIMINARES GMG REQUISITOS PRELIMINARES O projeto da instalação de um

Leia mais

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Dá para começar a fazer um projeto? Quantas escadas serão necessárias? Mas, existem vários tipos de escadas: a) Escada comum (não enclausurada) b) Escada enclausurada

Leia mais

Luminárias Públicas LUMINÁRIA PÚBLICA ORION TETRA ATLANTIS AUDAZ AUDAZ 65 MIRAGE I MIRAGE II

Luminárias Públicas LUMINÁRIA PÚBLICA ORION TETRA ATLANTIS AUDAZ AUDAZ 65 MIRAGE I MIRAGE II Luminárias Públicas LUMINÁRIA PÚBLICA ORION TETRA ATLANTIS Com tecnologia LED é indicada para ruas e avenidas. Índice de Reprodução de Cores (IRC) > 75%. SOMENTE SOB ENCOMENDA Corpo em alumínio injetado.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DOS VÁRIOS AMBIENTES DO CAMPUS DA UNUCET - ANÁPOLIS

AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DOS VÁRIOS AMBIENTES DO CAMPUS DA UNUCET - ANÁPOLIS AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DOS VÁRIOS AMBIENTES DO CAMPUS DA UNUCET - ANÁPOLIS Weslley Oliveira de Araújo¹; Maria Joselma de Moraes²; Israel Candido da Silva 2 1 Colaborador, graduando do Curso de Engenharia

Leia mais

Módulo Iluminação Artificial

Módulo Iluminação Artificial FAU / USP AUT 262 / 2 Sem. 2008 Módulo Iluminação Artificial (Parte 2) Prof. A. C. Mingrone Lâmpadas, Luminárias e Sistemas de Ilmuminação O resto de minha vida vou passar pensando sobre o que é a luz

Leia mais

Luminárias para Interiores

Luminárias para Interiores a u l a r á p i d a Fotos: Divulgação Siteco Luminárias para Interiores Por Rinaldo Caldeira Pinto E suas fotometrias Quando pensamos em fotometrias de luminárias, logo nos vem à cabeça a idéia de uma

Leia mais

Aplicações: Galpões Armazéns Vias públicas Indústrias Restaurantes Iluminação externa e interna em geral

Aplicações: Galpões Armazéns Vias públicas Indústrias Restaurantes Iluminação externa e interna em geral A Sylvania possui uma ampla linha de lâmpadas de alta intensidade de descarga, indicadas para as mais diversas aplicações. Caracterizadas por altíssimo rendimento luminoso, possui modelos com excelente

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Exemplos de iluminância: Luz solar em dia claro (exterior)... 100.000lux Sala com janelas amplas, à luz do dia... 1.000lux Sala bem

Leia mais

A R Q U I T E T U R A

A R Q U I T E T U R A 38 L U M E c a s e Fachada do prédio de 1934, localizado na região conhecida como Corredor Cultural, restaurada para construção do Café do Mercado. Café do Mercado Por Claudia Sá Fotos: André Nazareth

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Bloco Autônomo com Balizamento Acrílico Iluminação Normal e Emergência Código: AFLPA25X16NE O Bloco Autônomo de Balizamento é constituído de um suporte de ferro e duas placas acrílicas que fixam, em seu

Leia mais

AQUALED 2. LUXPOINT e LUXOPTIM Iluminação de alta performance e baixo consumo de energia. Luz é OSRAM.

AQUALED 2. LUXPOINT e LUXOPTIM Iluminação de alta performance e baixo consumo de energia. Luz é OSRAM. www.osram.com.br LUXPOINT e LUXOPTIM Iluminação de alta performance e baixo consumo de energia AQUALED 2 Segurança e visibilidade. Luminárias de LED para embutir em pisos e paredes. Luz é OSRAM LUXPOINT

Leia mais

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL Métodos de cálculo simplificados

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL Métodos de cálculo simplificados Métodos de cálculo simplificados Paulo Scarazzato VÁLIDO PARA ESPAÇOS RELATIVAMENTE SIMPLES TETO BRANCO, PAREDES TONALIDADE MÉDIA, JANELAS, ETC. COM LUMINÁRIAS E EQUIPAMENTOS COMUNS EVITE PEÇAS CUSTOMIZADAS

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Bloco Autônomo com Balizamento Acrílico Somente Emergência Código: AFLPA25X16 O Bloco Autônomo de Balizamento é constituído de um suporte de ferro e duas placas acrílicas que fixam, em seu interior, pictogramas

Leia mais

Lâmpadas e luminotécnica

Lâmpadas e luminotécnica Lâmpadas e luminotécnica Conceitos gerais e projeto de luminotécnica Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica da USP 15 de março de 2013 EPUSP

Leia mais

c a s e A R Q U I T E T U R A

c a s e A R Q U I T E T U R A c a s e 44 Espaço Docelar União Efeitos de luz integram design de interiores Por Claudia Sá Fotos: Luiz Machado UM SANTUÁRIO DOS DOCES E GULOSEIMAS. ASSIM PODE ser definido o espaço Docelar União, inaugurado

Leia mais

Luminária de emergência a led de alta potência substitui outras luminárias de emergência a led de baixa eficiência e baixa durabilidade da bateria.

Luminária de emergência a led de alta potência substitui outras luminárias de emergência a led de baixa eficiência e baixa durabilidade da bateria. DESCRIÇÃO Luminária de emergência a led de alta potência substitui outras luminárias de emergência a led de baixa eficiência e baixa durabilidade da bateria. APLICAÇÕES Indicada para todas as áreas prediais,

Leia mais

SÉRIE LÂMPADAS LED TUBULARES

SÉRIE LÂMPADAS LED TUBULARES A lâmpada tubular de LED AOD é um semicondutor de iluminação ecologicamente correto que possui uma série de vantagens sobre as lâmpadas tubulares convencionais, tais como, não piscam ao acender, luz suave

Leia mais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Parte 2 Sistemas de Iluminação: Luminotécnica Prof Msc Alex Vilarindo Menezes 1 Cronograma 1 Conceitos fundamentais da luminotécnica 2 Lâmpadas Classificação

Leia mais

Galeria Melissa. Primeira concept store da marca inova na iluminação. c a s e. Da Redação Fotos de Rômulo Fialdini

Galeria Melissa. Primeira concept store da marca inova na iluminação. c a s e. Da Redação Fotos de Rômulo Fialdini c a s e Criada pelo designer multimídia Muti Randolph, a loja-conceito de 445m 2 é um espaço onde diferentes universos como arquitetura, arte, design e moda irão conviver lado a lado. Galeria Melissa Da

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 35/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 35/2011 Instrução Técnica nº 35/2011 - Túnel rodoviário 729 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 35/2011 Túnel rodoviário

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 14/2017 2ª Edição SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 14/2017 2ª Edição SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 14/2017 2ª Edição SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Procedimentos DIRETORIADEATIVIDADESTÉCNICAS Rodovia

Leia mais

LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE

LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Lâmpadas Lâmpadas Incandescentes Lâmpadas para Iluminação Pública e para Grandes

Leia mais

A ECROM Iluminação. Sobre a Ecrom. A ECROM Iluminação nasceu de uma parceria. de profissionais com grande experiência no

A ECROM Iluminação. Sobre a Ecrom. A ECROM Iluminação nasceu de uma parceria. de profissionais com grande experiência no A ECROM Iluminação A ECROM Iluminação nasceu de uma parceria de profissionais com grande experiência no mercado de iluminação brasileiro. Sempre visualizando seu próximo salto, a empresa não se limita

Leia mais

LOTE 2 VALOR TOTAL GLOBAL PARA O LOTE ,00 ITEM 7 - ARAUCÁRIA VALOR TOTAL PARA O ITEM ,00

LOTE 2 VALOR TOTAL GLOBAL PARA O LOTE ,00 ITEM 7 - ARAUCÁRIA VALOR TOTAL PARA O ITEM ,00 .4 Recomposição da parede onde estavam instalados os aparelhos de ar condicionado tipo janeleiro. 7 un. 36,3 36,3 7,9 7,9 - O aparelho deverá ser instalado na parte interna da porta de vidro principal

Leia mais

SÉRIE PAINÉIS ADVANCED OPTRONIC DEVICES (BRASIL) S/A» Características Painel de LED AOD. Aplicações Recomendadas. AL-PL Parâmetros

SÉRIE PAINÉIS ADVANCED OPTRONIC DEVICES (BRASIL) S/A» Características Painel de LED AOD. Aplicações Recomendadas. AL-PL Parâmetros A luz do Painel de LED AOD é uma das iluminações interiores de alta qualidade. A estrutura do painel com alumínio anodizado, além da proteção contra oxidação não só resolve o problema de dissipação de

Leia mais

INFRA ESTRUTURA URBANA ILUMINAÇÃO PÚBLICA

INFRA ESTRUTURA URBANA ILUMINAÇÃO PÚBLICA INFRA ESTRUTURA URBANA ILUMINAÇÃO PÚBLICA iluminação conceito Luminotécnica (ou também Luminotecnia) é o estudo da aplicação de iluminação artificial tanto em espaços interiores como exteriores. Iluminação

Leia mais

TV Globo São Paulo. Luz cria identidade visual única para múltiplos usos e soluções arquitetônicas. c a p a. Da Claudia Sá Fotos: João Pregnolato

TV Globo São Paulo. Luz cria identidade visual única para múltiplos usos e soluções arquitetônicas. c a p a. Da Claudia Sá Fotos: João Pregnolato c a p a TV Globo São Paulo Luz cria identidade visual única para múltiplos usos e soluções arquitetônicas Da Claudia Sá Fotos: João Pregnolato INAUGURADO EM JULHO DE 2008, NO BROOKLIN, ZONA SUL DA CAPITAL

Leia mais