2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária"

Transcrição

1 2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária Emissão luminosa 1: É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias cd/klm η = 73% C0 - C180 C90 - C270 Classificação de luminárias conforme CIE: 100 Código de Fluxo (CIE): Emissão luminosa 1: Avaliação de ofuscamento seg. UGR ρ Tecto ρ Paredes ρ Solo Tamanho da sala X Y Direcção transversal do olhar em relação ao eixo da lâmpada Direcção longitudinal do olhar em relação ao eixo da lâmpada 2H 2H H H H H H H 2H H H H H H H 4H H H H H 4H H H Variação da posição do observador para as distâncias de luminária S S = 1.0H +0.6 / / -3.1 S = 1.5H +1.7 / / S = 2.0H +2.2 / / Tabel padrão BK01 BK00 Adicional de correcção Índices de ofuscamento corrigidos com referência a 5020lm Corrente luminosa total Página 1

2 Sala de Crédito / Resumo 5.85 m m Altura da sala: m, Altura de montagem: m, Factor de manutenção: 0.80 Valores em Lux, Escala 1:76 Superfície ρ [%] E m [lx] [lx] E max [lx] Plano de uso / Solo Tecto Paredes (4) / Plano de uso: UGR Longitudinal- Transversal em relação ao Altura: m Parede esquerda eixo da Grelha: 32 x 32 Pontos Parede inferior luminária (CIE, SHR = 1.00.) Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.457, Tecto / Plano de uso: Lista de luminárias N Unid. Denominação (Factor de correcção) Φ [lm] P [W] xT26 32W (Tipo 1)* (1.000) *Dados técnicos alterados Total: Potência específica: W/m² = 1.45 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 2

3 Sala de Crédito / Lista de luminárias 12 Unid xT26 32W (Tipo 1) N do artigo: Fluxo luminoso da luminária: 5020 lm Potência luminosa: 36.0 W Classificação de luminárias conforme CIE: 100 Código de Fluxo (CIE): É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias. Lâmpada (s): 1 x Definido pelo usuário (Factor de correcção 1.000). Página 3

4 Sala de Crédito / Resultados Luminotécnicos Fluxo luminoso total: lm Potência total: W Factor de manutenção: 0.80 Superfície Iluminâncias médias [lx] Grau de reflexão [%] Luminância média [cd/m²] directo indirecto total Plano de uso / / Solo Tecto Parede Parede Parede Parede Uniformidades no plano de uso : (1:1) ax : (1:2) UGR Longitudinal- Transversal em relação ao Parede esquerda eixo da Parede inferior luminária (CIE, SHR = 1.00.) Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.457, Tecto / Plano de uso: Potência específica: W/m² = 1.45 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 4

5 Sala técnica / Resumo 3.00 m Altura da sala: m, Altura de montagem: m, Factor de manutenção: m Valores em Lux, Escala 1:39 Superfície ρ [%] E m [lx] [lx] E max [lx] Plano de uso / Solo Tecto Paredes (4) / Plano de uso: Altura: m Grelha: 32 x 16 Pontos Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.431, Tecto / Plano de uso: Lista de luminárias N Unid. Denominação (Factor de correcção) Φ [lm] P [W] xT26 32W (Tipo 1)* (1.000) *Dados técnicos alterados Total: Potência específica: W/m² = 1.54 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 5

6 Sala técnica / Lista de luminárias 5 Unid xT26 32W (Tipo 1) N do artigo: Fluxo luminoso da luminária: 5020 lm Potência luminosa: 36.0 W Classificação de luminárias conforme CIE: 100 Código de Fluxo (CIE): É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias. Lâmpada (s): 1 x Definido pelo usuário (Factor de correcção 1.000). Página 6

7 Sala técnica / Resultados Luminotécnicos Fluxo luminoso total: lm Potência total: W Factor de manutenção: 0.80 Superfície Iluminâncias médias [lx] Grau de reflexão [%] Luminância média [cd/m²] directo indirecto total Plano de uso / / Solo Tecto Parede Parede Parede Parede Uniformidades no plano de uso : (1:1) ax : (1:2) Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.431, Tecto / Plano de uso: Potência específica: W/m² = 1.54 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 7

8 Almox - Arquivo / Resumo 3.20 m m Altura da sala: m, Altura de montagem: m, Factor de manutenção: 0.80 Valores em Lux, Escala 1:42 Superfície ρ [%] E m [lx] [lx] E max [lx] Plano de uso / Solo Tecto Paredes (4) / Plano de uso: Altura: m Grelha: 32 x 32 Pontos Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.410, Tecto / Plano de uso: Lista de luminárias N Unid. Denominação (Factor de correcção) Φ [lm] P [W] xT26 32W (1.000) Total: Potência específica: W/m² = 2.61 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 8

9 Almox - Arquivo / Lista de luminárias 3 Unid xT26 32W N do artigo: Fluxo luminoso da luminária: 5020 lm Potência luminosa: 64.0 W Classificação de luminárias conforme CIE: 100 Código de Fluxo (CIE): Lâmpada (s): 2 x Fluorescente tubular T8 32W (Factor de correcção 1.000). É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias. Página 9

10 Almox - Arquivo / Resultados Luminotécnicos Fluxo luminoso total: lm Potência total: W Factor de manutenção: 0.80 Superfície Iluminâncias médias [lx] Grau de reflexão [%] Luminância média [cd/m²] directo indirecto total Plano de uso / / Solo Tecto Parede Parede Parede Parede Uniformidades no plano de uso : (1:1) ax : (1:2) Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.410, Tecto / Plano de uso: Potência específica: W/m² = 2.61 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 10

11 Público - 1ºPAV / Resumo m Altura da sala: m, Altura de montagem: m, Factor de manutenção: m Valores em Lux, Escala 1:148 Superfície ρ [%] E m [lx] [lx] E max [lx] Plano de uso / Solo Tecto Paredes (5) / Plano de uso: Altura: m Grelha: 64 x 64 Pontos Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.398, Tecto / Plano de uso: Lista de luminárias N Unid. Denominação (Factor de correcção) Φ [lm] P [W] xT26 32W (Tipo 1)* (1.000) *Dados técnicos alterados Total: Potência específica: 7.80 W/m² = 1.17 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 11

12 Público - 1ºPAV / Lista de luminárias 49 Unid xT26 32W (Tipo 1) N do artigo: Fluxo luminoso da luminária: 5020 lm Potência luminosa: 36.0 W Classificação de luminárias conforme CIE: 100 Código de Fluxo (CIE): É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias. Lâmpada (s): 1 x Definido pelo usuário (Factor de correcção 1.000). Página 12

13 Público - 1ºPAV / Resultados Luminotécnicos Fluxo luminoso total: lm Potência total: W Factor de manutenção: 0.80 Superfície Iluminâncias médias [lx] Grau de reflexão [%] Luminância média [cd/m²] directo indirecto total Plano de uso / / Solo Tecto Parede Parede Parede Parede Parede Uniformidades no plano de uso : (1:2) ax : (1:2) Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.398, Tecto / Plano de uso: Potência específica: 7.80 W/m² = 1.17 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 13

14 Circulação - Plataforma / Resumo 6.31 m Altura da sala: m, Altura de montagem: m, Factor de manutenção: m Valores em Lux, Escala 1:112 Superfície ρ [%] E m [lx] [lx] E max [lx] Plano de uso / Solo Tecto Paredes (8) / Plano de uso: Altura: m Grelha: 128 x 64 Pontos Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.231, Tecto / Plano de uso: Lista de luminárias N Unid. Denominação (Factor de correcção) Φ [lm] P [W] xT26 32W (Tipo 1)* (1.000) *Dados técnicos alterados Total: Potência específica: 5.12 W/m² = 1.08 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 14

15 Circulação - Plataforma / Lista de luminárias 6 Unid xT26 32W (Tipo 1) N do artigo: Fluxo luminoso da luminária: 5020 lm Potência luminosa: 36.0 W Classificação de luminárias conforme CIE: 100 Código de Fluxo (CIE): É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias. Lâmpada (s): 1 x Definido pelo usuário (Factor de correcção 1.000). Página 15

16 Circulação - Plataforma / Resultados Luminotécnicos Fluxo luminoso total: lm Potência total: W Factor de manutenção: 0.80 Superfície Iluminâncias médias [lx] Grau de reflexão [%] Luminância média [cd/m²] directo indirecto total Plano de uso / / Solo Tecto Parede Parede Parede Parede Parede Parede Parede Parede Uniformidades no plano de uso : (1:185) ax : (1:258) Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.231, Tecto / Plano de uso: Potência específica: 5.12 W/m² = 1.08 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 16

17 Retaguarda / Resumo m m Altura da sala: m, Altura de montagem: m, Factor de manutenção: 0.80 Valores em Lux, Escala 1:194 Superfície ρ [%] E m [lx] [lx] E max [lx] Plano de uso / Solo Tecto Paredes (8) / Plano de uso: Altura: m Grelha: 64 x 32 Pontos Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.420, Tecto / Plano de uso: Lista de luminárias N Unid. Denominação (Factor de correcção) Φ [lm] P [W] xT26 32W (Tipo 1)* (1.000) *Dados técnicos alterados Total: Potência específica: 8.73 W/m² = 1.30 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 17

18 Retaguarda / Lista de luminárias 18 Unid xT26 32W (Tipo 1) N do artigo: Fluxo luminoso da luminária: 5020 lm Potência luminosa: 36.0 W Classificação de luminárias conforme CIE: 100 Código de Fluxo (CIE): É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias. Lâmpada (s): 1 x Definido pelo usuário (Factor de correcção 1.000). Página 18

19 Retaguarda / Resultados Luminotécnicos Fluxo luminoso total: lm Potência total: W Factor de manutenção: 0.80 Superfície Iluminâncias médias [lx] Grau de reflexão [%] Luminância média [cd/m²] directo indirecto total Plano de uso / / Solo Tecto Parede Parede Parede Parede Parede Parede Parede Parede Uniformidades no plano de uso : (1:2) ax : (1:2) Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.420, Tecto / Plano de uso: Potência específica: 8.73 W/m² = 1.30 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 19

20 Circulação / Resumo 2.25 m m Altura da sala: m, Altura de montagem: m, Factor de manutenção: 0.80 Valores em Lux, Escala 1:46 Superfície ρ [%] E m [lx] [lx] E max [lx] Plano de uso / Solo Tecto Paredes (6) / Plano de uso: Altura: m Grelha: 64 x 16 Pontos Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.555, Tecto / Plano de uso: Lista de luminárias N Unid. Denominação (Factor de correcção) Φ [lm] P [W] xT26 32W (Tipo 1)* (1.000) *Dados técnicos alterados Total: Potência específica: 9.18 W/m² = 2.00 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 20

21 Circulação / Lista de luminárias 3 Unid xT26 32W (Tipo 1) N do artigo: Fluxo luminoso da luminária: 5020 lm Potência luminosa: 36.0 W Classificação de luminárias conforme CIE: 100 Código de Fluxo (CIE): É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias. Lâmpada (s): 1 x Definido pelo usuário (Factor de correcção 1.000, Adequação p/ Lâmpadas de LED). Página 21

22 Circulação / Resultados Luminotécnicos Fluxo luminoso total: lm Potência total: W Factor de manutenção: 0.80 Superfície Iluminâncias médias [lx] Grau de reflexão [%] Luminância média [cd/m²] directo indirecto total Plano de uso / / Solo Tecto Parede Parede Parede Parede Parede Parede Uniformidades no plano de uso : (1:2) ax : (1:2) Proporção de potência luminosa (segundo LG7): Paredes / Plano de uso: 0.555, Tecto / Plano de uso: Potência específica: 9.18 W/m² = 2.00 W/m²/100 lx (Superfície básica: m²) Página 22

Ambiente: RETAGUARDA - 1P Dimensões: Comprimento: 3,90 m Largura: 7,70 m Pé direito: 2,60 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core

Ambiente: RETAGUARDA - 1P Dimensões: Comprimento: 3,90 m Largura: 7,70 m Pé direito: 2,60 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core Empresa: BRB - Banco de Brasília-DF Obra: BRB - Banco de Brasília-DF Dados adicionais: REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Autor: HUDSON ALESSE Data: 21/04/2012 Revisão:

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS FUNDAMENTAIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS 03 GRANDEZAS LUMINOSAS GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO

Leia mais

Ambiente: CAIXAS - TÉRREO Dimensões: Comprimento: 7,70 m Largura: 3,70 m Pé direito: 2,20 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core

Ambiente: CAIXAS - TÉRREO Dimensões: Comprimento: 7,70 m Largura: 3,70 m Pé direito: 2,20 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core Empresa: BRB - 504 NORTE Obra: IMPLANTAÇÃO AGENCIA NOVA Dados adicionais: Autor: FOX ENGENHARIA Data: 14/04/2012 Revisão: 0 Ambiente Luminária Código Qtde E mcz (lx) E méd (lx) E máx (lx) E mín (lx) CAIXAS

Leia mais

Estudo Luminotécnico - Quinta do Paraiso

Estudo Luminotécnico - Quinta do Paraiso Interlocutor(a): Engº Claudio Santo N do pedido: Empresa: Câmara Municipal de Lagoa N do cliente: Data: : Índice Estudo Luminotécnico - Quinta do Paraiso Página de rosto do projecto 1 Índice 2 Lista de

Leia mais

GRANDEZAS E UNIDADES FOTOMÉTRICAS

GRANDEZAS E UNIDADES FOTOMÉTRICAS GRANDEZAS E UNIDADES FOTOMÉTRICAS GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS I GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS I 1 É A QUANTIDADE DE ENERGIA RADIANTE CAPAZ DE SENSIBILIZAR O OLHO HUMANO A UNIDADE DESTA GRANDEZA

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR /2013

ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR /2013 ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR 8995-1/2013 Prof. Marcos Fergütz fev/2016 CONCEITOS - ÁREA DA TAREFA - ENTORNO IMEDIATO Uma faixa ao redor da Área de Tarefa com pelo menos 0,5m de largura (L).

Leia mais

Exercício cálculo de irradiância

Exercício cálculo de irradiância Exercício cálculo de irradiância Uma fonte plana Lambertiana de diâmetro d = r s e radiância L é colocada no foco objecto de uma lente convergente de distância focal f e diâmetro D. Assume-se r s

Leia mais

Iluminação dos Corredores do Prédio de Engenharia Elétrica. Estudo Preliminar

Iluminação dos Corredores do Prédio de Engenharia Elétrica. Estudo Preliminar Iluminação dos Corredores do Prédio de Engenharia Elétrica Estudo Preliminar Introdução No presente estudo são apresentados os resultados obtidos na simulação de iluminação dos corredores do prédio de

Leia mais

Sensibilidade Visual. Temperatura de Cor

Sensibilidade Visual. Temperatura de Cor Luminotécnica Fernando Augusto Lopes Corrêa Engº Eletricista CREA/PR 28.393-D Luz Radiação eletromagnética capaz de produzir uma sensação visual 1 Sensibilidade Visual Varia de acordo com o comprimento

Leia mais

Eletrotécnica. Introdução a luminotécnica

Eletrotécnica. Introdução a luminotécnica Eletrotécnica Introdução a luminotécnica Grandezas Fundamentais em Luminotécnica Luz: É o aspecto da energia radiante que um observador humano constata pela sensação visual, determinado pelo estímulo da

Leia mais

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES LUMINOTÉCNICAS

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES LUMINOTÉCNICAS 1 Programa de Recuperação de Espaços Didáticos Pró-Reitoria de Graduação MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES LUMINOTÉCNICAS 2 1. INTRODUÇÃO Adotou-se um processo de trabalho convencional, de desenvolvimento

Leia mais

Capítulo II. Curvas fotométricas. Sistemas de iluminação

Capítulo II. Curvas fotométricas. Sistemas de iluminação 48 Capítulo II Curvas fotométricas Por Marcelo de Oliveira Jesus* Quando falamos em curvas fotométricas, podemos nos referir à curva de qualquer grandeza fotométrica: curva de iluminância, curva de luminância,

Leia mais

PROJECTO DE ILUMINAÇÃO INTERIOR

PROJECTO DE ILUMINAÇÃO INTERIOR PROJECTO DE ILUMINAÇÃO INTERIOR A. INTRODUÇÃO Vamos usar o método do coeficiente de utilização, também conhecido por método dos fluxos. Este método baseia se na fórmula φ=e.s, que já estudámos noutro artigo,

Leia mais

Iluminação Artificial de uma Biblioteca. Ricardo Jorge de Loureiro Silva

Iluminação Artificial de uma Biblioteca. Ricardo Jorge de Loureiro Silva Iluminação Artificial de uma Biblioteca Ricardo Jorge de Loureiro Silva Pretende-se colocar iluminação artificial numa biblioteca com a seguinte planta. Como se pode ver, existem 5 zonas distintas: Estantes

Leia mais

Introdução. A iluminação é responsável por: 23% do consumo de energia elétrica no setor residencial. 44% no setor comercial. 1% no setor industrial

Introdução. A iluminação é responsável por: 23% do consumo de energia elétrica no setor residencial. 44% no setor comercial. 1% no setor industrial Iluminação 1 Introdução A iluminação é responsável por: 23% do consumo de energia elétrica no setor residencial 44% no setor comercial 1% no setor industrial Iluminação pública é responsável por cerca

Leia mais

A solução mais eficiente para uma excelente iluminação

A solução mais eficiente para uma excelente iluminação U5 A solução mais eficiente para uma excelente iluminação U5_talen_druk.indd 1 01-09-2005 12:28:42 MENOS LUMINÁRIAS, MAIOR CONFORTO E VERSATILIDADE O melhor reflector disponível no mercado As luminárias

Leia mais

Projeto de Iluminação

Projeto de Iluminação LUMINOTÉCNICA Requisitos Básicos: Projeto de Iluminação Nível de Iluminamento: definir a iluminância em função da tarefa visual; Requisitos Básicos: Projeto de Iluminação Nível de Iluminamento: NBR 5413

Leia mais

Sérgio Ferreira de Paula Silva

Sérgio Ferreira de Paula Silva Instalações Elétricas 1 Projeto de Instalações Elétricas Projetar uma instalação elétrica para qualquer tipo de prédio ou local consiste essencialmente em selecionar, dimensionar e localizar, de maneira

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI)

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI) INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI) Aula 3 Revisão de luminotécnica Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br Prof. Bruno G. Martins Aula 2 Revisão luminotécnica RECAPITULANDO Revisão

Leia mais

DOSSIER EN m DESCRIÇÃO RESUMIDA DA NORMA. edição 2, junho 2012

DOSSIER EN m DESCRIÇÃO RESUMIDA DA NORMA. edição 2, junho 2012 DOSSIER EN 12464-1 10.80 m 10.30 500 500 DESCRIÇÃO RESUMIDA DA NORMA edição 2, junho 2012 500 500 Prefácio A EN 12464-1 é uma norma para aplicações de iluminação. A norma original foi elaborada pelo Grupo

Leia mais

Aula: Projeto Luminotécnico

Aula: Projeto Luminotécnico Fonte: IGS, 2011 Aula: Projeto Luminotécnico Conteúdo programático Aula de hoje: Definição de Luminotécnica Grandezas e Conceitos Tipos de Iluminação Critérios de Desempenho do Principais Variáveis do

Leia mais

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL Métodos de cálculo simplificados

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL Métodos de cálculo simplificados Métodos de cálculo simplificados Paulo Scarazzato VÁLIDO PARA ESPAÇOS RELATIVAMENTE SIMPLES TETO BRANCO, PAREDES TONALIDADE MÉDIA, JANELAS, ETC. COM LUMINÁRIAS E EQUIPAMENTOS COMUNS EVITE PEÇAS CUSTOMIZADAS

Leia mais

GRANDEZAS FOTOMÉTRICAS E MÉTODO DE LUMÉNS AULA 20

GRANDEZAS FOTOMÉTRICAS E MÉTODO DE LUMÉNS AULA 20 O que é luz? Luz Princípios Gerais Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Fonte de luz radiação eletromagnética diferentes comprimentos de onda sensibilidade do olho espectro

Leia mais

Faculdade de Engenharia. Luminotécnica. Departamento de Engenharia Elétrica. Prof. Luiz Sebastião Costa

Faculdade de Engenharia. Luminotécnica. Departamento de Engenharia Elétrica. Prof. Luiz Sebastião Costa Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Luminotécnica Prof. Luiz Sebastião Costa LUMINOTÉCNICA Iluminar - distribuir luz de acordo com a percepção humana Iluminação artificial não consideramos

Leia mais

SubstiTUBE Basic A 3ª. Geração das lâmpadas LED tubulares

SubstiTUBE Basic A 3ª. Geração das lâmpadas LED tubulares A 3ª. Geração das lâmpadas LED tubulares O mercado procura a tecnologia LED Cliente Pretende uma instalação com lâmpadas LED, porque têm uma tecnologia mais verde, são uma tendência, dão luz imediata e

Leia mais

Diogo Ehlke Schueda GRR

Diogo Ehlke Schueda GRR Diogo Ehlke Schueda GRR 20044289 Setor de Tecnologia Coordenação de Engenharia Elétrica TE105 Projeto de Graduação Prof. Orientador: Dr. James Alexandre Baraniuk APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GEORREFERENCIAMENTO

Leia mais

A Iluminação Natural e Artificial em Edifícios Desportivos

A Iluminação Natural e Artificial em Edifícios Desportivos A Iluminação Natural e Artificial em Edifícios Desportivos António J.C. Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios - Núcleo de Acústica e Iluminação Workshop Eficiência Energética

Leia mais

Baixo consumo e confortável

Baixo consumo e confortável Baixo consumo e confortável A série R6 tem tudo para uma iluminação confortável e dotada de eficiência energética. Com a sua avançada tecnologia de reflectores, todos os ambientes de trabalho são bem iluminados

Leia mais

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO De acordo com as normas da ABNT, cada ambiente requer um determinado nível de iluminância (E) ideal, estabelecido de acordo com as atividades a serem ali desenvolvidas,

Leia mais

MR16 - GU10 Lâmpada de LED

MR16 - GU10 Lâmpada de LED MR16 - GU1 Lâmpada de LED 93 Baixo consumo de energia. Driver interno isolado. automático. UMA MARCA www.intral.com.br BAG MR16 - GU1 Lâmpada de LED 93 Uso em ambientes internos, iluminação decorativa

Leia mais

GRANDEZAS USADAS EM LUMINOTECNIA Introdução

GRANDEZAS USADAS EM LUMINOTECNIA Introdução Introdução GL01 Em luminotecnia consideram-se basicamente 4 grandezas: - fluxo luminoso; - intensidade luminosa; - iluminação ou iluminância; - luminância; Em relação a esta última grandeza, as fontes

Leia mais

Iluminação LED de nível alto

Iluminação LED de nível alto Iluminação LED de nível alto Sistemas de iluminação em linha com LED As séries E4, E5 e E7 da ETAP oferecem uma vasta gama de iluminação LED para espaços com pé direito elevado, como pavilhões industriais,

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS

ORDEM DOS ENGENHEIROS ORDEM DOS ENGENHEIROS 12º Encontro Nacional do Colégio de Engenharia Electrotécnica Vitor Vajão Eng. Sénior Electrotécnico Especialista em Luminotecnia Vítor Vajão ARTE A ILUMINAR A ARTE A regulamentação

Leia mais

Luminárias para Interiores

Luminárias para Interiores a u l a r á p i d a Fotos: Divulgação Siteco Luminárias para Interiores Por Rinaldo Caldeira Pinto E suas fotometrias Quando pensamos em fotometrias de luminárias, logo nos vem à cabeça a idéia de uma

Leia mais

Luminárias Descarga ILC 01 - ILC/ T 01 ILE 01 ILR 01 - ILR/ D 01 RJI 01 - RJI/ T 01

Luminárias Descarga ILC 01 - ILC/ T 01 ILE 01 ILR 01 - ILR/ D 01 RJI 01 - RJI/ T 01 Luminárias Descarga ILC 0 - ILC/ T 0 74 ILE 0 76 ILR 0 - ILR/ D 0 77 RJI 0 - RJI/ T 0 78 73 ILC 0 ILC/ T 0 Série de luminárias suspensas para lâmpada de descarga, com aplicação em zonas Industriais e Comerciais.

Leia mais

ILUMINAÇÃO INTERIOR - O PROJECTO LUMINOTÉCNICO

ILUMINAÇÃO INTERIOR - O PROJECTO LUMINOTÉCNICO A importância da iluminação Quer seja no meio industrial quer seja em escritórios, uma iluminação apropriada facilita a execução de todas as tarefas. As pessoas recebem cerca de 85% das informações por

Leia mais

Francisco José d Almeida Diogo

Francisco José d Almeida Diogo ARQUITETURA Francisco José d Almeida Diogo Professor da Seção de Engenharia de Fortificação e Construção Instituto Militar de Engenharia IME Praça General Tibúrcio, 80 - Praia Vermelha CEP. 22290-270 Tel:

Leia mais

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso O projeto de sistema de iluminação de um ambiente baseia-se no conceito de iluminação natural e artificial integradas. Assim deve-se definir os parâmetros de

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 6 Método dos Lumens Porto Alegre - 2012 Tópicos NBR 5413 Iluminância de interiores Método dos Lumens Exemplo de projeto Consumo

Leia mais

AQUALED 2. LUXPOINT e LUXOPTIM Iluminação de alta performance e baixo consumo de energia. Luz é OSRAM.

AQUALED 2. LUXPOINT e LUXOPTIM Iluminação de alta performance e baixo consumo de energia. Luz é OSRAM. www.osram.com.br LUXPOINT e LUXOPTIM Iluminação de alta performance e baixo consumo de energia AQUALED 2 Segurança e visibilidade. Luminárias de LED para embutir em pisos e paredes. Luz é OSRAM LUXPOINT

Leia mais

Capítulo 02 - Cálculo luminotécnico apresentação das grandezas luminotécnicas, fórmulas e levantamentos de dados:

Capítulo 02 - Cálculo luminotécnico apresentação das grandezas luminotécnicas, fórmulas e levantamentos de dados: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Capítulo 02 - Cálculo luminotécnico apresentação das grandezas luminotécnicas, fórmulas e levantamentos de dados: Informações Luminotécnicas

Leia mais

SmartBalance encastrado alia ao desempenho um design inteligente

SmartBalance encastrado alia ao desempenho um design inteligente Lighting SmartBalance encastrado alia ao desempenho um design inteligente A maior parte das pessoas procura aplicar luminárias encastradas com uma superfície de luz, como alternativa às soluções de tipo

Leia mais

Campânulas para espaços Industriais ou Comerciais

Campânulas para espaços Industriais ou Comerciais Solid-State Lighting Series Campânulas para espaços Industriais ou Comerciais Este tipo de campânulas é perfeito para aplicações industriais. Elas permitem uma melhor solução de iluminação em tectos baixos/altos,

Leia mais

TECNOWATT Acendendo Emoções NATH ISTANIUM LED 2

TECNOWATT Acendendo Emoções NATH ISTANIUM LED 2 TECNOWATT Acendendo Emoções NATH ISTANIUM LED 2 www.tecnowatt.com.br NATH ISTANIUM LED 2 Os novos modelos de NATH Istanium LED 2 são a proposta da Simon para oferecer soluções de eficiência energética

Leia mais

Iluminação LED de alto nível

Iluminação LED de alto nível Iluminação LED de alto nível Grandes espaços bem iluminados As séries E4, E5, E7 e E8 da ETAP oferecem uma vasta gama de iluminação LED para espaços com pé direito elevado, como pavilhões industriais,

Leia mais

mentos: 1, 2 ou 4 metros. Podem ser instaladas individualmente ou em linha, e estão disponíveis versões salientes e suspensas.

mentos: 1, 2 ou 4 metros. Podem ser instaladas individualmente ou em linha, e estão disponíveis versões salientes e suspensas. E7 E7 - Iluminação de LED para grandes espaços E7 é uma série de luminárias individuais e em linha com LED para iluminação de grandes espaços. A série utiliza a tecnologia LED+LENS da ETAP e disponibiliza

Leia mais

Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resulta

Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resulta Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resultado em termos de quantidade, qualidade da luz e sua

Leia mais

Fichas de Trabalho 2013/2014

Fichas de Trabalho 2013/2014 Percepção Visual I Fichas de Trabalho 2013/2014 27 de Maio de 2013 Ficha de Trabalho n.1 Radiometria e Fotometria 1. Um lúmen é a unidade fotométrica correspondente a um fluxo radiante monocromático de

Leia mais

SCHRÉDER ILUMINAÇÃO UALG UNIVERSIDADE DO ALGARVE O LED NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA - EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS LUMINÁRIAS LED ANTÓNIO MENDES

SCHRÉDER ILUMINAÇÃO UALG UNIVERSIDADE DO ALGARVE O LED NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA - EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS LUMINÁRIAS LED ANTÓNIO MENDES SCHRÉDER ILUMINAÇÃO UALG UNIVERSIDADE DO ALGARVE ANTÓNIO MENDES O LED NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA - EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS LUMINÁRIAS LED Schréder Iluminação 1 TECNOLOGIA E SOLUÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Temas:

Leia mais

2 pétalas 4 pétalas 1 pétala + 2 luminárias 1 luminária 1 luminária 1luminária para passeio para passeio para passeio de passeio.

2 pétalas 4 pétalas 1 pétala + 2 luminárias 1 luminária 1 luminária 1luminária para passeio para passeio para passeio de passeio. 1. SIMBOLOGIA Formatos mais empregados em projetos de iluminação artificial para luminárias e/ou projetores nos projetos de paisagismo (praças, jardins, passeios, etc). As medidas dessas luminárias e/ou

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Linha de produtos Portal Lux 2017

APRESENTAÇÃO. Linha de produtos Portal Lux 2017 APRESENTAÇÃO Linha de produtos Portal Lux 2017 Todas as imagens contidas neste catálogo são meramente ilustrativas. Para mais informações de nossos produtos acesse: www.portallux.com.br A Portal Lux se

Leia mais

Conceitos Básicos. Introdução:

Conceitos Básicos. Introdução: LUMINOTÉCNICA Conceitos Básicos Introdução: Comparando a época que a luz artificial começou a ser utilizada com os dias atuais, constata-se que foi grande o passo dado pela indústria da iluminação no século;

Leia mais

LUMINÁRIAS COZINHA/ DEPÓSITOS / CIRCULAÇÃO DE SERVIÇO

LUMINÁRIAS COZINHA/ DEPÓSITOS / CIRCULAÇÃO DE SERVIÇO OBRA: PARQUE TECNOLÓGICO DE SOROCABA Av. Itavuvu, 11.777 Sorocaba SP CEP 18078-005 Tel. (15) 3316-2095 Paula Vieria Coordenadora de Compras EMPTS Email: paula.vieira@empts.com.br LUMINÁRIAS COZINHA/ DEPÓSITOS

Leia mais

Radiação visível - iluminação

Radiação visível - iluminação Iluminação Radiação visível - iluminação É a faixa do espectro eletromagnético capaz de ser detectada pelo olho humano. A sensibilidade do olho a esta região visível varia, dependendo do comprimento de

Leia mais

Conceitos de iluminação urbana

Conceitos de iluminação urbana 30 Capítulo II Conceitos de urbana Por Plinio Godoy* Neste capítulo, são apresentados alguns conceitos fundamentais para o bom entendimento das questões relativas à Iluminação urbana. A partir de uma instalação

Leia mais

Iluminação urbana Aplicação

Iluminação urbana Aplicação 30 Capítulo X Iluminação urbana Aplicação Por Plinio Godoy* No capítulo anterior, foi apresentada a via a ser projetada: a) Tipo I: sua classificação viária, os requisitos luminotécnicos com base na -

Leia mais

ILUMINAÇÃO CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO. Prof. Eng. Antonio Gebara José. Ir p/ primeira página

ILUMINAÇÃO CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO. Prof. Eng. Antonio Gebara José. Ir p/ primeira página CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO Prof. Eng. Antonio Gebara José CONCEITO DE CONFORTO (reposta fisiológica a estímulos ambientais) Luz = LUX Ruído = db(a) Temperatura = o C Umidade Relativa

Leia mais

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL A LUZ NATURAL A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO 1. LUZ VISÍVEL 2. VISÃO E CONFORTO VISUAL D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES Product training program http://www.osram.com/osram_com/tools

Leia mais

Lightcore Desenvolvimento: O/M + Bartenbach GmbH

Lightcore Desenvolvimento: O/M + Bartenbach GmbH Pro Lightcore Desenvolvimento: O/M + Bartenbach GmbH Completamente novo. Completamente único. Desenvolvido com a Bartenbach GmbH, a geometria complexa e superfície revestida em alumínio de elevada reflexão

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1 VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PROJECTO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA PROJECTO DE EXECUÇÃO ÍNDICE 4-1 LEGISLAÇÃO... 2 4-2 COMPOSIÇÃO DO PROJECTO... 2 4-2.1 PEÇAS

Leia mais

Flare. Eficiência e conforto com LED

Flare. Eficiência e conforto com LED Flare Eficiência e conforto com LED Flare Downlights e projectores com tecnologia LED Flare, um conceito de design único design de produto Mun* Flare é uma família completa de downlights e projectores

Leia mais

CONFORTO VISUAL A ESCOLHA SEMPRE CORRETA

CONFORTO VISUAL A ESCOLHA SEMPRE CORRETA U3 U3 CONFORTO VISUAL A ETAP desenvolveu a U3 tendo em mente o seu conforto visual. A inovadora tecnologia Shielded Lens protege a lâmpada LED e evita o encadeamento (UGR 19; UGR 16 para aplicações específicas).

Leia mais

Luxial. Afinados até à perfeição. Downlights. 2 ETAP Luxial

Luxial. Afinados até à perfeição. Downlights. 2 ETAP Luxial Luxial Luxial Afinados até à perfeição Downlights 2 ETAP Luxial Design inteligente Os downlights Luxial são reconhecidos pela sua forma e acabamento simples, fundindo-se desta forma no tecto. Além disso,

Leia mais

SÉRIE LÂMPADAS LED TUBULARES

SÉRIE LÂMPADAS LED TUBULARES A lâmpada tubular de LED AOD é um semicondutor de iluminação ecologicamente correto que possui uma série de vantagens sobre as lâmpadas tubulares convencionais, tais como, não piscam ao acender, luz suave

Leia mais

CATÁLOGO TOTAL LED PRODUTOS PRINCIPAIS

CATÁLOGO TOTAL LED PRODUTOS PRINCIPAIS CATÁLOGO TOTAL LED PRODUTOS PRINCIPAIS LÂMPADA AR 70 DE LED Potência(W) = 7 w Voltagem = BIVOLT Ângulo de Iluminação = 24 Fluxo Luminoso = 480 LÚMENS Temperatura de Cor = 3000 K Temperatura de Funcionamento

Leia mais

LuxSIMON10. Software para estudo luminotécnico

LuxSIMON10. Software para estudo luminotécnico LuxSIMON10 Software para estudo luminotécnico ÍNDICE CONFIGURAÇÃO DE HARDWARE: Instalação do software... 03 ATUALIZAÇÃO DO BANCO DE DADOS... 03 BARRAS DE FERRAMENTAS: Projeto...04 Ambiente... 04 ESTUDO

Leia mais

PEA Usos Finais - Iluminação. Prof. Marco Antonio Saidel Prof. André Gimenes Arq. Juliana Iwashita

PEA Usos Finais - Iluminação. Prof. Marco Antonio Saidel Prof. André Gimenes Arq. Juliana Iwashita PEA 2520 Usos Finais - Iluminação Prof. Marco Antonio Saidel Prof. André Gimenes Arq. Juliana Iwashita Introdução Visão um dos sentidos mais importantes Influencia profundamente no desempenho de usuários

Leia mais

ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO

ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO Luís Agostinho Neto ¹ RESUMO: Este

Leia mais

Modelo de caracterização de LEDs de potência para aplicações em iluminação

Modelo de caracterização de LEDs de potência para aplicações em iluminação Orientador: Sérgio Vidal Garcia Oliveira Disciplina: TCC Acadêmico: Andresa C. Bernardes Modelo de caracterização de LEDs de potência para aplicações em iluminação Objetivo Geral Para atender aos requerimentos

Leia mais

Iluminação urbana. Capítulo IX. Iluminação pública e urbana. A iluminação viária. Segurança noturna dos motoristas e dos pedestres

Iluminação urbana. Capítulo IX. Iluminação pública e urbana. A iluminação viária. Segurança noturna dos motoristas e dos pedestres 34 Em um passado não tão longínquo, o único sistema de iluminação desenvolvido para as cidades era a iluminação pública, que era o sistema de iluminação das vias. Hoje, temos a iluminação urbana, que compõe

Leia mais

MADE IN PORTUGAL by INDELAGUE GROUP ALPHA INDELAGUE GROUP

MADE IN PORTUGAL by INDELAGUE GROUP ALPHA INDELAGUE GROUP MADE IN PORTUGAL by INDELAGUE GROUP PT ALPHA INDELAGUE GROUP ALPHA A preocupação com o desenvolvimento de edifícios mais eficientes energeticamente e mais eficazes relativamente às emissões de carbono

Leia mais

conhecimento? 1. Informação de pequenos

conhecimento? 1. Informação de pequenos Pequenos parques de estacionamento 1. Informação de pequenos parques de estacionamento Os pequenos parques de estacionamento estão situados em edificios residenciais ou hotéis de negócios. As dimensões

Leia mais

CATÁLOGO SLIM. lux.com.br

CATÁLOGO SLIM. lux.com.br LUZ É UMA RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA CAPAZ DE PRODUZIR SENSAÇÃO VISUAL. QUANDO A LUZ ATINGE UMA SUPERFÍCIE, PODE SER ABSORVIDA, REFLETIDA OU TRANSMITIDA. LUMENS X WATTS Lumen é a unidade de medida que mensura

Leia mais

Linha de produtos GalaxyLED 2016

Linha de produtos GalaxyLED 2016 Linha de produtos Galaxy 2016 Todas as imagens contidas neste catálogo são meramente ilustrativas. Para mais informações de nossos produtos acesse: www.galaxyled.com.br A Galaxy se reserva o direito de

Leia mais

Informações. Técnicas

Informações. Técnicas Informações Técnicas LUMINOTÉCNICA - CONCEITOS BÁSICOS Iluminância Luminância Símbolo E Símbolo L Unidade lux (lx) Unidade cd/m² É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL DE EDIFÍCIOS Conforto visual e introdução ao projecto. António Moret Rodrigues IST

ILUMINAÇÃO NATURAL DE EDIFÍCIOS Conforto visual e introdução ao projecto. António Moret Rodrigues IST ILUMINAÇÃO NATURAL DE EDIFÍCIOS Conforto visual e introdução ao projecto António Moret Rodrigues IST EXIGÊNCIAS I As exigências de conforto visual podem ser encaradas em 2 planos: - No estritamente fisiológico,

Leia mais

POSTE Está construído em aço galvanizado, para evitar deterioração por agentes atmosféricos e calculado para suportar cargas de vento. Tem uma altura

POSTE Está construído em aço galvanizado, para evitar deterioração por agentes atmosféricos e calculado para suportar cargas de vento. Tem uma altura Iluminação 03 A iluminação pública através de lâmpadas solares, tornou-se como uma das grandes aplicações da energia fotovoltaica. A ViV Energia e Ambiente dispõe de equipamentos desenhados especificamente

Leia mais

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento, das seguintes maneiras: 1ª Pela carga mínima exigida por normas; 2ª Pelo método

Leia mais

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO.

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. 1. Levantamento de Informações 1.1.Projeto de arquitetura A escolha do projeto residencial 1.2. Lay out ocupação e uso do espaço Informações

Leia mais

Catálogo Geral. Soluções de iluminação Uma nova luz para a sua instalação

Catálogo Geral. Soluções de iluminação Uma nova luz para a sua instalação Catálogo Geral Soluções de iluminação Uma nova luz para a sua instalação Catálogo Geral de Iluminação Visão geral 2 Oferta de iluminação Sextan 8 Sextan Wall 10 Lips 12 Squad 14 Option 16 Havana 18 Axiome

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL DE EDIFÍCIOS Conforto visual e introdução ao projecto. António Moret Rodrigues IST EXIGÊNCIAS I

ILUMINAÇÃO NATURAL DE EDIFÍCIOS Conforto visual e introdução ao projecto. António Moret Rodrigues IST EXIGÊNCIAS I ILUMINAÇÃO NATURAL DE EDIFÍCIOS Conforto visual e introdução ao projecto António Moret Rodrigues IST EXIGÊNCIAS I As exigências de conforto visual podem ser encaradas em 2 planos: - No estritamente fisiológico,

Leia mais

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Luminotécnica (Lâmpadas e Luminárias) Edcarlos Nunes Patrícia Lins Raphael Leite Thiago Santos 18/09/2011 1 Sumário Cálculo Luminotécnico:

Leia mais

file://c:\memoria produção\2005\artigos de Periodicos\Aula8-.htm

file://c:\memoria produção\2005\artigos de Periodicos\Aula8-.htm Página 1 de 8 boletim lumière Cadastre-se editorial Agenda & Cursos Serviços & Produtos Artigos & Pesquisas Livros & Catálogos Últimas notícias Links úteis Aula 8 21/Jan/05 19:01 CURSO DE FOTOMETRIA ON-LINE

Leia mais

Esferas Integradoras LMS 400 LMS 200

Esferas Integradoras LMS 400 LMS 200 Seminários de Equipamentos Esferas Integradoras LMS 400 LMS 200 Pedro S. Almeida Mestrando (NIMO UFJF) UFJF Juiz de Fora Sumário 2 Introdução Esferas Integradoras LMS 400 LMS 200 Lâmpadas-padrão SCL 1400

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA. LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA. LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre de

Leia mais

Luminotécnia. Definição. Modulo IX. Grandezas e Fundamentos da Luminotécnica. c f

Luminotécnia. Definição. Modulo IX. Grandezas e Fundamentos da Luminotécnica. c f Definição Modulo IX Luminotécnia Prof. Luís César da Silva Luminotécnica área do conhecimento que tem por objetivo a elaboração de projetos de iluminação levando em consideração parâmetros, tais como:

Leia mais

LEP TM. Light Emmiting Plasma

LEP TM. Light Emmiting Plasma LEP TM Soluções de Iluminação LEP TM Light Emmiting Plasma LEP TM - Light Emmiting Plasma Solução inovadora projetada para levar a iluminação limpa e natural a um nível totalmente novo. Esta tecnologia

Leia mais

ElumTools. Ferramenta para projetos de iluminação totalmente integrada a uma plataforma BIM. s o f t w a r e. Por Jose Luiz Pimenta Pinheiro

ElumTools. Ferramenta para projetos de iluminação totalmente integrada a uma plataforma BIM. s o f t w a r e. Por Jose Luiz Pimenta Pinheiro s o f t w a r e ElumTools Por Jose Luiz Pimenta Pinheiro Ferramenta para projetos de iluminação totalmente integrada a uma plataforma BIM Os sistemas computacionais que empregam a tecnologia BIM (Modelagem

Leia mais

Visão. Iluminação. Fernando Gonçalves Amaral. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS

Visão. Iluminação. Fernando Gonçalves Amaral. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Visão Iluminação Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS 1 1 esfera φ 20 mm Movimento do globo por músculos extrínsecos Cristalino lente do olho Retina possui

Leia mais

II fórum pró-sustentabilidade

II fórum pró-sustentabilidade II fórum pró-sustentabilidade Feevale - Arquitetura e Urbanismo Novo Hamburgo, RS 6 a 8 de novembro de 2008 Arquitetura Bioclimática Módulo 1b: Iluminação Natural em Edificações Prof. Dr. Maurício Roriz

Leia mais

Poupar em manutenção e energia

Poupar em manutenção e energia K7 2 K7 ETAP ETAP K7 é uma gama completa de iluminação de emergência baseada na tecnologia LED. Foi concebida para explorar por completo todas as vantagens dos LED. Poupar em manutenção e energia Custos

Leia mais

www.osram.pt Legislação e recomendações na iluminação

www.osram.pt Legislação e recomendações na iluminação www.osram.pt Legislação e recomendações na iluminação Paulo Dinis p.dinis@osram.pt novembro 2014 Introdução Elementos do projecto de iluminação Legislativa Normas & Leis Ecológica Ambiente & Consciencialização

Leia mais

INTRODUÇÃO... 2 OBJECTIVO... 2 DADOS DO PROJECTO... 3 LUMINÁRIAS UTILIZADAS E SUAS CARACTERÍSTICAS... 4 CÁLCULOS LUMINOTÉCNICOS...

INTRODUÇÃO... 2 OBJECTIVO... 2 DADOS DO PROJECTO... 3 LUMINÁRIAS UTILIZADAS E SUAS CARACTERÍSTICAS... 4 CÁLCULOS LUMINOTÉCNICOS... Índice INTRODUÇÃO... 2 OBJECTIVO... 2 DADOS DO PROJECTO... 3 LUMINÁRIAS UTILIZADAS E SUAS CARACTERÍSTICAS... 4 CÁLCULOS LUMINOTÉCNICOS... 5 DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS DE ALIMENTAÇÃO DA INSTALAÇÃO... 8

Leia mais

Iluminação em ambientes de trabalho

Iluminação em ambientes de trabalho a r t i g o Iluminação em ambientes de trabalho Por Carolina Rocha Mota A relação entre o projeto luminotécnico e a produtividade dos funcionários Divulgação Philips Tem-se observado nos últimos anos,

Leia mais

BLOCO. Modelos directos c/ grelha - Rectangular/Quadrado: IK 09 (**) - Circular: IK 08 (**) Classe Eléctrica: 1 (*) Peso (vazio): -minímo:

BLOCO. Modelos directos c/ grelha - Rectangular/Quadrado: IK 09 (**) - Circular: IK 08 (**) Classe Eléctrica: 1 (*) Peso (vazio): -minímo: BLOCO bloco Modelos e versoes R E C T A N G U L A R D I R E C T O C O M G R E L H A R E C T A N G U L A R D I R E C T O O P A L I N O R ECT A N G U L A R IN D I R E CTO C I R C U L A R D I R E C T O C

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS ILUMINAÇÃO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS ILUMINAÇÃO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS ILUMINAÇÃO Formadora - Magda Sousa Introdução Paraaobtençãodeumbombom ambiente de trabalho é necessário a existência de uma

Leia mais

Design: Eduardo Souto de Moura

Design: Eduardo Souto de Moura U Design: Eduardo Souto de Moura Robustez na gama mais completa e família mais alargada, a U é inigualável na sua flexibilidade e fiabilidade. Suspensa, encastrada, saliente, de interior ou exterior, a

Leia mais

ET-SE -030 TRAVESSIAS COM LUMINÁRIAS À LED

ET-SE -030 TRAVESSIAS COM LUMINÁRIAS À LED Sumário 1 OBJETIVO 2 2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3 DEFINIÇÃO 3 4 REQUISITOS ESPECÍFICOS 5 5 DOCUMENTAÇÃO 9 6 GARANTIA 11 Superintendência de Engenharia de Sinalização - SSI Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA ANEXO 01

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA ANEXO 01 REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA LUMINOTÉCNICO ANEXO 01 Responsabilidade e compromisso com o meio Ambiente SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO E OBJETIVO... 4 2. NORMALIZAÇÃO... 4 3. COMENTÁRIOS LUMINOTÉCNICOS:...

Leia mais