CF360 - Resumo Experimentos Prova 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CF360 - Resumo Experimentos Prova 2"

Transcrição

1 CF360 - Resumo Experimentos Prova 2 Fabio Iareke 19 de dezembro de Força Magnética sobre Condutores de Corrente 1.1 Roteiro de Estudos 1. Qual é a expressão para o campo magnético B produzido por uma corrente elétrica i que circula num fio condutor retilíneo? B = µ 0I 2πd 2. Qual é a expressão que define a força que age sobre um fio condutor retilíneo de comprimento L, por onde passa uma corrente elétrica i, imerso num campo magnético externo B? (1) F = i L b (2) 3. À medida que a intensidade da corrente i aumenta, o que acontece com o módulo da força magnética que age sobre este fio? Deve aumentar. 4. O que acontece com o sentido da força magnética se invertermos o sentido da corrente? Inverte o sentido. 5. Cite três situações do cotidiano onde os fenômenos estudados estão envolvidos e são relevantes. 1.2 Análise dos Resultados No clue. 1

2 2 Indução Eletromagnética 2.1 Roteiro de Estudos 1. Você observou experimentalmente em uma prática anterior que se pode construir o modelo de linhas de força para o campo elétrico. Como são as linhas de força do campo magnético de um imã? Cíclicas passando por dentro do imã no sentido do pólo S para o pólo N, saindo do pólo N e entrando no pólo S. 2. Qual é a definição de fluxo do campo magnético? Qual sua unidade no S.I.? Φ B = Unidade: Webber 1[W b] = 1[T ] [m 2 [N] [m] ] = 1 [A] B d A (3) 3. O que diz a lei de Faraday da indução eletromagnética? A fem induzida em uma espira fechada é dada pela taxa de variação do fluxo magnético, com o sinal negativo, através da área delimitada pela espira. [1] ε = dφ B dt 4. Com base na equação da lei de Faraday, deduza uma expressão que permita calcular o fluxo magnético Φ em função da força eletromotriz ε registrada pela interface. 5. Justifique o sinal negativo que aparece na lei de Faraday. (4) O sinal negativo é a contribuição de Lenz, pois como a fem induzida é gerada pela variação do fluxo magnético, e conforme a lei de Lenz, deve ter o sentido contrário ao do gerador. 6. O que diz a lei de Lenz? O sentido de qualquer efeito de indução magnética é tal que ele se opõe à causa que produz este efeito. [1] 7. Qual das leis de Newton é análoga à lei de Lenz? A primeira lei de Newton, o princípio da inércia. 2

3 Lex I : Corpus omne perseverare in statu suo quiescendi vel movendi uniformiter in directum, nisi quatenus a viribus impressis cogitur statum illum mutare. 8. O que são correntes de Foucault? Correntes induzidas provenientes do movimento do objeto em um campo magnético uniforme ou da variação do campo magnético. 9. Dê exemplos de dispositivos em que a indução eletromagnética é um fenômeno importante. 2.2 Análise dos Resultados 1 a Parte: 1. Por que surgem dois picos para cada queda livre do imã através do indutor? 2. Por que os picos que surgem são desiguais? 3. Qual dos picos é o maior? 4. O que muda no gráfico quando o imã é invertido? 5. O que muda no gráfico quando o número de espiras é aumentado? 6. Analise o gráfico do fluxo magnético em função do tempo. Ele é simétrico em relação ao ponto de máximo? Explique o seu comportamento. 7. Analise o gráfico do fluxo em função da posição. Ele é simétrico? Explique este comportamento. 8. Esboce para cada caso analisado, as linhas de campo magnético, o sentido da corrente elétrica induzida e a direção do movimento do imã. 9. Avalie cada situação em termos da lei de Faraday. 2 a Parte: 1. O que você observa com o módulo da força eletromotriz induzida em diferentes instantes de tempo? Explique este comportamento. 2. Por que a força eletromotriz induzida apresenta alternância de sinal? 3. Observando a curva registrada, o que se observa com o período da onda de tensão gerada? Como isto está relacionado com o movimento do eixo? 3

4 3 a Parte: 1. Explique, para as situações analisadas, o que provocou o registro de picos de tensão induzida. 2. Por que há uma alternância de picos positivos e negativos? 3. Por que os picos são assimétricos? (a descida é mais lenta que a subida) 4. Qual foi a forma de onda da tensão induzida no indutor 2 quando foi aplicada uma onda triangular no indutor 1? Observando os gráficos registrados, que relação matemática associa estas duas funções? 5. Qual foi a forma de onda da tensão induzida no indutor 2 quando foi aplicada uma onda senoidal no indutor 1? 4 a Parte: 1. Explique as diferenças observadas em função do tipo de placa de alumínio em questão, utilizando os seguintes conceitos: a) da geração de correntes induzidas pelo movimento relativo entre um imã e uma bobina através da análise da variação do fluxo do campo magnético - lei de Faraday e da determinação do sentido da corrente induzida - lei de Lenz e b) da força magnética sobre um condutor de corrente. 3 Circuitos RC e RLC - Regime Transitório 3.1 Roteiro de Estudos 1. Qual grandeza física caracteriza um resistor? Qual sua unidade no S.I.? Resistência elétrica. Unidade: ohm 1[Ω] = 1 [V ] [A] 2. Qual grandeza física caracteriza um capacitor? Qual sua unidade no S.I.? Capacitância. [A s] Unidade: Faraday 1[F ] = 1 [V ] 3. Para o circuito RC da Figura 1, escreva a equação diferencial que descreve a variação da carga (q) com o tempo (t) durante o carregamento do circuito, identificando cada elemento da equação. dq dt + q RC = ε R (5) 4. Faça o mesmo para o descarregamento do circuito. dq dt + q RC = 0 (6) 4

5 5. Quais são as expressões que representam as soluções das equações diferenciais anteriores? Faça um esboço do comportamento destas soluções em função do tempo. Carga: q(t) = Q f (1 e t/rc) (7) i(t) = I 0 e t/rc (8) Descarga: q(t) = Q 0 e t/rc (9) i(i) = I 0 e t/rc (10) 6. De que forma varia a corrente na carga e na descarga do circuito RC série? Na carga, a corrente diminui exponencialmente no mesmo sentido da corrente fornecida pela fonte. Na descarga, também diminui exponencialmente porém no sentido contrário. 7. Como é definida a constante de tempo de um circuito RC? Qual o seu significado? τ = RC (11) A medida da velocidade durante o tempo de carga ou descarga do capacitor. 8. Escreva as expressões para V R (t) e V C (t) na carga e na descarga. Faça um esboço destas soluções em função do tempo. 9. Suponha que você dispõe um resistor de 100kΩ e um capacitor com capacitância da ordem de nf, e que você deseja estudar o comportamento do circuito RC usando o gerador de sinais com onda quadrada. Qual deve ser o período mínimo do sinal usado para alimentar o circuito RC? Seria adequado usar o sinal da fonte com freqüência 100kHz? Justifique a resposta. 10. Compare a equação diferencial do oscilador massa-mola com a do circuito RLC em série. Faça uma analogia entre cada elemento. Oscilador massa-mola forçado com amortecimento [2]: Circuito RLC em série ligado à uma fonte: m d2 x dt 2 + β dx dt + kx = F E (12) L d2 q dt 2 + R dq dt + 1 C q = V F (13) 5

6 Temos por analogia, a força externa com a fonte F E V F, a massa com o indutor m L, a constante de amortecimento com o resistor β R, a constante elástica com o inverso do capacitor k 1/C e o deslocamento pela carga x q. 11. Qual é a expressão para a energia armazenada num indutor? Em que situação ela é máxima? U B = 1 2 LI2 (14) Em um oscilador L C em t = nt Qual é a expressão para a energia armazenada num capacitor? Quando ela é máxima? U E = Q2 2C (15) Em um oscilador L C em t = (n + 1)T Escreva a solução para a corrente I(t) num circuito RLC sem fontes (oscilação amortecida). Qual é o fator correspondente à envoltória? q(t) = Ae (R/2L)t cos. ( ) 1 LC R2 4L 2 t + φ (16) i(t) = dq dt (17) Fator da envoltória: Ae (R/2L) 14. No caso da questão anterior, o que acontece com a energia inicial fornecida ao sistema? Durante as oscilações a energia será dissipada no resistor. 15. A partir da observação da oscilação amortecida, explique como você poderia determinar a freqüência natural do circuito. Medindo o período da oscilação e tomando o seu inverso. 16. Qual é a expressão para a freqüência natural do circuito (f 0 ) em função dos parâmetros do mesmo? 6

7 3.2 Análise dos Resultados Circuito RC 1. Que tipo de curva de V R e V C em função do tempo você obtém na carga e descarga do capacitor? 2. Qual é a constante de tempo obtida em cada curva? Elas deveriam ser iguais? Justifique. 3. Analise a diferença obtida entre o valor medido de C e o valor nominal. Qual foi o desvio obtido? Quais foram as possíveis causas? 4. Se você quisesse determinar a carga máxima no capacitor, como você procederia? Circuito RLC 5. Faça uma comparação do circuito RLC com o oscilador massa-mola. Analise com detalhes todas as semelhanças. 6. Que mudança você observa nos gráficos ao utilizar diferentes resistores? 7. Observando os gráficos no computador compare as fases das tensões sobre o indutor e o capacitor. O que você observa? Explique. 8. A teoria prediz que num circuito RLC a freqüência de ressonância é igual 1 a f 0 = 2π. Com base nesta afirmação, determine a indutância da LC bobina utilizada. 9. Considere os dados obtidos com o resistor ( de 2Ω. Com base na equação da envoltória da oscilação amortecida a(t) = a m e R t) 2L, faça um gráfico de a em função de t e o ajustamento necessário para obter o valor da resistência total do circuito. 10. Com os dados utilizados no item anterior, faça um gráfico de ln(a) em função de t. Faça o ajustamento e compare o resultado com aquele obtido no gráfico anterior. 11. Calcule a indutância da bobina nas situações com o núcleo em forma de barra e com o núcleo fechado, utilizando os períodos de oscilação medidos. 4 Circuitos RC e RLC - Regime Senoidal 4.1 Roteiro de Estudos 1. Considere dois sinais oscilando com a mesma freqüência de 35Hz. Enquanto um dos sinais atinge seu valor máximo no instante t 1 = 0.089s o outro sinal só alcança seu valor máximo no instante t 2 = 0.093s. Determine para este exemplo: a) a freqüência do sinal e b) a diferença de fase entre os sinais. 2. Qual é o significado físico da reatância capacitiva? Como ela é definida? De que forma ela varia com a freqüência? 7

8 Dispositivo que oferece maior resistência à passagem de correntes com baixas freqüências. X C = 1 ωc (18) Inversamente proporcional à freqüência. 3. Defina impedância de um circuito RC em série. Qual a sua unidade no S.I.? O que esta grandeza representa? Z = R 2 + (X C ) 2 (19) Unidade: ohm 1[Ω] = 1 [V ] [A] 4. Defina reatância indutiva. Qual a sua unidade no S.I.? De que forma ela varia com a freqüência? X L = ωl (20) Unidade: ohm 1[Ω] = 1 [V ] [A] Diretamente proporcional à freqüência. 5. Defina impedância de um circuito RLC, ou seja um circuito composto por resistor, indutor e capacitor associados em série. Qual a sua unidade no S.I.? O que esta grandeza representa? Z = R 2 + (X L X C ) 2 (21) Unidade: ohm 1[Ω] = 1 [V ] [A] 6. Como se pode determinar o ângulo de fase entre a instensidade de corrente e a diferença de potencial sobre os elementos de um circuito RLC? tan φ = ωl 1 ωc R (22) 7. Qual a expressão que descreve a curva do pico de corrente em função da freqüência, no fenômeno da ressonância? 8. Cite de três situações do cotidiano onde os fenômenos estudados estão envolvidos e são relevantes. 8

9 4.2 Análise dos Resultados Circuito RC 1. Faça um gráfico de tan( ϕ) em função de 1/f. 2. Que forma de curva você espera obter para este gráfico? 3. Ajuste uma equação para ele usando um programa de computador. 4. Qual o significado físico dos coeficientes desta curva? 5. Compare os resultados obtidos com os valores dos componentes do circuito. 6. O comportamento da reatância capacitiva em função da freqüência é condizente com o previsto pela teoria? Circuito RLC 7. Calcule a corrente que circula pelo circuito, completando as Tabelas 2 e Construa um gráfico da corrente no circuito em função da freqüência, utilizando um programa para traçado de gráficos. Represente as duas curvas (relativas a R 1 e R 2 ) num mesmo gráfico. 9. Qual a forma destas curvas? O que você observa com o valor máximo das curvas quando a resistência é modificada? ( ) 2 VF 10. Faça um gráfico de em função de f 2, onde V C é a tensão sobre o V C capacitor, V F é a tensão da fonte e f é a freqüência. Ajuste uma parábola a esta curva. Qual o significado dos coeficientes obtidos? 11. Faça um gráfico da diferença de fase entre a corrente e a tensão aplicada em função da freqüência. Represente as duas curvas num mesmo gráfico. 12. O que você observa com a diferença de fase entre a corrente e a tensão aplicada quando a freqüência é aumentada? Que valor particular é apresentado pela diferença de fase quando o circuito entra em ressonância? Este comportamento foi o mesmo para os dois resistores utilizados? 13. A partir dos seus gráficos, o que caracteriza a ressonância num circuito RLC em série? 14. A teoria afirma que num circuito RLC a freqüência de ressonância é dada 1 por f 0 = 2π. Com base nesta expressão, determine a indutância da LC bobina utilizada. 9

10 5 Referências Referências [1] Young, Hugh D, Física III: eletromagnetismo / Young & Freedman 12a edição, 2009 Addison Wesley Sao Paulo [2] Zill, Dennis G., Equações Diferenciais, volume 1 / Dennis G. Zill, Michael R. 3a edição, 2001 Pearson 10

Aquino, Josué Alexandre.

Aquino, Josué Alexandre. Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica para engenharia de produção : análise de circuitos : corrente e tensão alternada / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 53 slides; il. Sistema requerido:

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Exercícios Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-2015/ Exercício 01 01)

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais

φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da

φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da 01 As afirmativas: I) Falsa, pois o ângulo formado entre a normal ao plano da espira é de 60, assim o fluxo eletromagnético é: φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da espira

Leia mais

Indução Magnética. E=N d Φ dt

Indução Magnética. E=N d Φ dt Indução Magnética Se uma bobina de N espiras é colocada em uma região onde o fluxo magnético está variando, existirá uma tensão elétrica induzida na bobina, e que pode ser calculada com o auxílio da Lei

Leia mais

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo 01) Para o eletroimã da figura abaixo, determine: a) Calcule a densidade de fluxo no núcleo; b) Faça um esboço das linhas de campo e

Leia mais

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica : engenharia / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 50 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Eletrotécnica.

Leia mais

INDUÇÃO MAGNÉTICA. Indução Magnética

INDUÇÃO MAGNÉTICA. Indução Magnética INDUÇÃO MAGNÉTIA Prof. ergio Turano de ouza Lei de Faraday Força eletromotriz Lei de Lenz Origem da força magnética e a conservação de energia.. 1 Uma corrente produz campo magnético Um campo magnético

Leia mais

PUC-RIO CB-CTC. P3 DE ELETROMAGNETISMO quarta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma:

PUC-RIO CB-CTC. P3 DE ELETROMAGNETISMO quarta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma: P3 1/6/13 PUC-IO CB-CTC P3 DE ELETOMAGNETISMO 1.6.13 quarta-feira Nome : Assinatura: Matrícula: Turma: NÃO SEÃO ACEITAS ESPOSTAS SEM JUSTIFICATIVAS E CÁLCULOS EXPLÍCITOS. Não é permitido destacar folhas

Leia mais

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Dispositivos Básicos e os Fasores Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Fasores Método válido porém longo é somar algebricamente as ordenadas em cada ponto ao longo da abscissa.

Leia mais

TRANSFORMADORES. Introdução

TRANSFORMADORES. Introdução TRANSFORMADORES Introdução Por volta do século XIX, o físico britânico Michael Faraday estabeleceu o fenômeno da indução magnética. Uma das experiências de Faraday consistiu em induzir uma corrente numa

Leia mais

Capitulo 28: A Lei de Faraday

Capitulo 28: A Lei de Faraday Capitulo 8: A Lei de Faraday 1.A Lei de Faraday Michael Faraday e Joseph Henry(1830) verificaram que campos magnéticos variáveis induzem corrente elétrica. Fem induzida na bobina Fem induzida não é localizada

Leia mais

Experimento 10 Circuitos RLC em corrente alternada: ressonância

Experimento 10 Circuitos RLC em corrente alternada: ressonância Experimento 10 Circuitos RLC em corrente alternada: ressonância 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RLC em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada.

Leia mais

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento de indutores associados a resistores em circuitos alimentados com onda quadrada. 2.

Leia mais

Indutância Elétrica. Professor João Luiz Cesarino Ferreira

Indutância Elétrica. Professor João Luiz Cesarino Ferreira Indutância Elétrica Um indutor é essencialmente um condutor enrolado em forma helicoidal. Pode ser enrolado de forma auto-sustentada ou sobre um determinado núcleo. Para lembrar sua constituição, o símbolo

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

Electromagnetismo Aula Teórica nº 22

Electromagnetismo Aula Teórica nº 22 Electromagnetismo Aula Teórica nº 22 Departamento de Engenharia Física Faculdade de Engenharia Universidade do Porto PJVG, LMM 1 Breve revisão da última aula O motor de corrente contínua Inductâncias A

Leia mais

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação Lista de exercícios 9 - Indução e Indutância 1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação φ B = 6,0t2 + 7,0t, onde φb está em miliwebers e t em segundos. (a) Qual

Leia mais

Sétima Lista - Lei de Faraday

Sétima Lista - Lei de Faraday Sétima Lista - Lei de Faraday FGE211 - Física III Sumário O fluxo magnético através de uma superfície S é definido como Φ B = B da A Lei da Indução de Faraday afirma que a força eletromotriz (fem) induzida

Leia mais

f = B. A. cos a Weber

f = B. A. cos a Weber FLUXO MAGNÉTICO (f) Tesla T f = B. A. cos a Weber Wb metros quadrados m onde a ângulo formado entre n e B UEPG 1 PERGUNTA gera Se vimos que i B, será que o contrário é gera verdadeiro? Isto é, B i? EXPERIÊNCIAS

Leia mais

Prof. Henrique Barbosa Edifício Basílio Jafet - Sala 100 Tel

Prof. Henrique Barbosa Edifício Basílio Jafet - Sala 100 Tel Prof. Henrique Barbosa Edifício Basílio Jafet - ala 100 Tel. 3091-6647 hbarbosa@if.usp.br http://www.fap.if.usp.br/~hbarbosa Tarefas da semana (1) Calibração da bobina sonda em carretel: Usando a bobina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE a) Determine Io. b) Calcule

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51 Sumário CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13 Estrutura do átomo 13 Carga elétrica 15 Unidade coulomb 16 Campo eletrostático 16 Diferença de potencial 17 Corrente 17 Fluxo de corrente 18 Fontes de eletricidade

Leia mais

Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada

Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada 1. OBJETIVO Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RL em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada. 2. MATERIAL UTILIZADO

Leia mais

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta 1 Sumário Capacitor Indutor 2 Capacitor Componente passivo de circuito. Consiste de duas superfícies condutoras separadas por um material não condutor

Leia mais

Identifique, no circuito, o sinal da carga em cada uma das placas do capacitor

Identifique, no circuito, o sinal da carga em cada uma das placas do capacitor CIRCUITO RC INTRODUÇÃO Considere o circuito mostrado na Fig. 1 com a chave S na posição intermediária entre A e B e o capacitor C inicialmente descarregado. Se a chave S for fechada em A, a fonte ε alimentará

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos C e filtros de freqüência OBJETIO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito C Os filtros elétricos

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Dados: ANATEL - DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 1 RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Fonte:

Leia mais

EM - ELETROMAGNETISMO. Prof. Eduardo Calsan Depto. de Elétrica EN/TN/MC/AI

EM - ELETROMAGNETISMO. Prof. Eduardo Calsan Depto. de Elétrica EN/TN/MC/AI EM - ELETROMAGNETISMO Prof. Eduardo Calsan Depto. de Elétrica EN/TN/MC/AI Força eletromotriz induzida (f.e.m.i.): analisando um condutor retilíneo em movimento no interior de um campo magnético uniforme,

Leia mais

Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado.

Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado. Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado. Quando o circuito é puramente resistivo essas variações são instantâneas, porém

Leia mais

ELETROTÉCNICA CAT124 O INDUTOR E OS CIRCUITOS MAGNÉTICOS Adrielle C. Santana

ELETROTÉCNICA CAT124 O INDUTOR E OS CIRCUITOS MAGNÉTICOS Adrielle C. Santana ELETROTÉCNICA CAT124 O INDUTOR E OS CIRCUITOS MAGNÉTICOS Adrielle C. Santana Força Magnetizante A força magnetomotriz por unidade de comprimento é chamada de força magnetizante (H). = F (Ae/m) ou = Força

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD PISM III- TRIÊNIO PROVA DE FÍSICA

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD PISM III- TRIÊNIO PROVA DE FÍSICA PISM III- TRIÊNIO 008-00 Na solução da prova, use quando necessário: Aceleração da gravidade g = 0 m / s 8 ;Velocidade da luz no vácuo c = 3,0 0 m/s Permeabilidade magnética do vácuo = 7 µ T m A 0 4π 0

Leia mais

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. cel: (48)

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. cel: (48) Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC cel: (48)9668 3767 Maxwell formulou um conjunto de 4 equações (equações de Maxwell) que desempenham no eletromagnetismo o mesmo papel que as leis de Newton

Leia mais

INDUÇÃO MAGNÉTICA (2)

INDUÇÃO MAGNÉTICA (2) INDUÇÃO MAGNÉTICA Material Utilizado: - uma bobina de campo (l = 750 mm, n = 485 espiras / mm) (PHYWE 11006.00) - um conjunto de bobinas de indução com número de espiras N e diâmetro D diversos (N = 300

Leia mais

PLANOS DE AULA DO MATERIAL INSTRUCIONAL

PLANOS DE AULA DO MATERIAL INSTRUCIONAL PLANOS DE AULA DO MATERIAL INSTRUCIONAL Professor: Alencar Material a ser aplicado a uma turma de 30 alunos do terceiro ano do Ensino Médio em seis períodos de 50 min cada. Plano para 1ª aula Objetivos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia EXPERIÊNCIA - TORÓIDE FLUXÔMETRO A FLUXÔMETRO Instrumento por meio do qual pode ser executada a exploração de um campo magnético, podendo ser determinada a intensidade dos fluxos locais de indução magnética.

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÃO 50 Se aumentarmos o valor da corrente através de um fio condutor, o que acontece com o campo magnético: a. Diminui a intensidade b. Aumenta a

Leia mais

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v.

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v. 1) Um indutor de 10 mh tem uma corrente, i = 5cos(2000 t ), obtenha a tensão vl. V = 100 sen(2000 t ) V L 2) Um circuito série com R=10 Ω e L=20 mh, tem uma corrente de i = 2s en(500 t ). Calcule a tensão

Leia mais

Questão 04- A diferença de potencial entre as placas de um capacitor de placas paralelas de 40μF carregado é de 40V.

Questão 04- A diferença de potencial entre as placas de um capacitor de placas paralelas de 40μF carregado é de 40V. COLÉGIO SHALOM Trabalho de recuperação Ensino Médio 3º Ano Profº: Wesley da Silva Mota Física Entrega na data da prova Aluno (a) :. No. 01-(Ufrrj-RJ) A figura a seguir mostra um atleta de ginástica olímpica

Leia mais

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: a) L M = L ( + ) e e L M d = L + L d = L + L = L = L M M d

Leia mais

MOVIMENTO OSCILATÓRIO

MOVIMENTO OSCILATÓRIO MOVIMENTO OSCILATÓRIO 1.0 Noções da Teoria da Elasticidade A tensão é o quociente da força sobre a área aplicada (N/m²): As tensões normais são tensões cuja força é perpendicular à área. São as tensões

Leia mais

EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA

EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA Em 1819, Oersted ao aproximar uma bússola de um fio percorrido por corrente, observou que a agulha se movia, até se posicionar num plano perpendicular ao fio. Esta

Leia mais

PSI.3212 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS

PSI.3212 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI - EPUSP PSI.3212 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA Edição 2016 MEDIDA DA CONSTANTE

Leia mais

Indução Eletromagnética

Indução Eletromagnética Indução Eletromagnética 1 Aprendemos que uma força eletromotriz (fem) é necessária para produzir uma corrente em um circuito. Até aqui, quase sempre tomamos uma bateria como a fonte de fem. Contudo, para

Leia mais

Experimento 9 Circuitos RLC em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda

Experimento 9 Circuitos RLC em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda Experimento 9 Circuitos C em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e reeita-banda. OBJETIO Parte A:Circuitos C em série Circuitos contendo indutores e capacitores

Leia mais

Abra o arquivo ExpCA05. Identifique o circuito da Fig12a. Ative-o. Anote o valor da corrente no circuito.

Abra o arquivo ExpCA05. Identifique o circuito da Fig12a. Ative-o. Anote o valor da corrente no circuito. Curso CA Parte3 a) Primeiramente deveremos calcular a reatância X C = 1 / (..60.0,1.10-6 ) =6.55 Agora poderemos calcular a impedância. Z = 40 6,5 = 48K b) = U / Z = 10V / 48K =,5 ma c) V C = X C. = 6,5K.,5mA

Leia mais

Resposta natural de circuitos RLC paralelo

Resposta natural de circuitos RLC paralelo Exemplo 1 i R 6 Ω 7 H 1/42 F i C v v() = V () = 1 A α = 3. 5 rad/s s = 1 rad/s ω = 6 rad/s s = 6 rad/s 2 1 v(t) = 84 (e t e 6t ) V Regime sobreamortecido ou aperiódico Teoria dos Circuitos Circuitos RLC

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:42. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:42. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 0 de Junho de 203, às 7:42 Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Doutor em Física pela Universidade

Leia mais

Ressonador de Helmholtz.

Ressonador de Helmholtz. Ressonador de Helmholtz. Modelo mecânico do ressonador de Helmholtz O ressonador é composto por um volume V, esférico no caso mostrado na figura, e um gargalo de seção reta S e comprimento l. A primeira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FICHA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FICHA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Física Geral Experimental CÓDIGO: GEQ013 UNIDADE ACADÊMICA: Instituto de Física

Leia mais

Diferenciar auto-indutância da indutância mútua bem como caracterizá-las.

Diferenciar auto-indutância da indutância mútua bem como caracterizá-las. Aula 10 INDUTÂNCIA META Conceituar Indutância Diferenciar auto-indutância da indutância mútua bem como caracterizá-las. Estabelecer as relações entre a tensão de saída e a tensão de entrada de um transformador.

Leia mais

Capítulo 27: Circuitos

Capítulo 27: Circuitos Capítulo 7: Circuitos Índice Força letromotriz Trabalho, nergia e Força letromotriz Calculo da Corrente de um Circuito de uma Malha Diferença de Potencial entre dois Pontos Circuitos com mais de uma Malha

Leia mais

Resistores e CA. sen =. logo

Resistores e CA. sen =. logo Resistores e CA Quando aplicamos uma voltagem CA em um resistor, como mostrado na figura, uma corrente irá fluir através do resistor. Certo, mas quanta corrente irá atravessar o resistor. Pode a Lei de

Leia mais

O eletromagnetismo e a energia

O eletromagnetismo e a energia O eletromagnetismo e a energia Nesta aula veremos finalmente o que levou a unificação dos campos de estudos elétricos e magnéticos, o que foi uma das maiores revoluções científicas do século XIX A lei

Leia mais

Descrição das atividades de simulação computacional com o software Modellus, sobre circuitos RC 1, LC 2 e RLC 3

Descrição das atividades de simulação computacional com o software Modellus, sobre circuitos RC 1, LC 2 e RLC 3 Descrição das atividades de simulação computacional com o software Modellus, sobre circuitos RC 1, LC 2 e RLC 3 saber: As atividades de simulação computacional são descritas em termos de quatro itens,

Leia mais

CAPITULO 12 INDUTORES

CAPITULO 12 INDUTORES CAPITULO 12 INDUTORES Neste capitulo iremos estudar um outro elemento chamado de indutor, que possui varias características de resposta semelhantes em muitos aspectos ao capacitor. A LEI DE FARADAY PARA

Leia mais

T7 - Oscilações forçadas. sen (3)

T7 - Oscilações forçadas. sen (3) Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T7 FÍSICA EXPERIMENTAL I - 2007/08 OSCILAÇÕES FORÇADAS NUM CIRCUITO RLC 1. Objectivo Estudar um circuito RLC série ao qual é aplicada

Leia mais

Capacitância C = Q / V [F]

Capacitância C = Q / V [F] Capacitância Na figura abaixo, como exemplo, tem-se duas placas paralelas, feitas de um material condutor e separadas por um espaço vazio. Essas placas estão ligadas a uma fonte de tensão contínua através

Leia mais

Experiência 05: TRANSITÓRIO DE SISTEMAS RC

Experiência 05: TRANSITÓRIO DE SISTEMAS RC ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Máquinas Elétricas. Odailson Cavalcante de Oliveira

Máquinas Elétricas. Odailson Cavalcante de Oliveira Máquinas Elétricas Odailson Cavalcante de Oliveira Campo Magnético Fluxo magnético Permeabilidade Magnética Relutância Experiência de Oersted Densidade do Campo Magnético Solenoide Vetor Força Magnetizante

Leia mais

2 Ressonância e factor de qualidade

2 Ressonância e factor de qualidade Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Física Electromagnetismo e Física Moderna 2 Ressonância e factor de qualidade Os circuitos RLC Observar a ressonância em

Leia mais

Aula-11 Corrente alternada

Aula-11 Corrente alternada Aula-11 orrente alternada urso de Física Geral F-38 1º semestre, 014 F38 1014 1 Oscilações forçadas ( com fem) As oscilações de um circuito não serão totalmente amortecidas se um dispositivo de fem externo

Leia mais

Lista 3. Física Experimental III (F 329 C) Rafael Alves Batista

Lista 3. Física Experimental III (F 329 C) Rafael Alves Batista Lista 3 Física Experimental III (F 329 C) Rafael Alves Batista 1) Considere uma fonte de tensão alternada senoidal. A partir do gráfico abaixo, faça o que se pede. a) Estime o período da onda. b) Estime

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia

Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia Guia da 2 a aula prática 2014 Carga RLC Monofásica Assunto: - Medição de potência em carga RLC monofásica e correção

Leia mais

Resposta em Frequência dos Circuitos

Resposta em Frequência dos Circuitos Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Telecomunicações PRT- Princípios de Telecomunicações Resposta em Frequência dos Circuitos Prof. Deise Monquelate Arndt São José, abril de 2016 Resposta

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 04

LISTA COMPLETA PROVA 04 ISTA OMPETA PROVA 4 APÍTUO 33 1E. A indutância de uma bobina compacta de 4 espiras vale 8. mh. alcule o fluxo magnético através da bobina quando a corrente é de 5. ma. 4,6 H que varia com o tempo t, conforme

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOEAR 2002 05 No circuito mostrado na figura abaixo, determine a resistência

Leia mais

Apostila do experimento CORRENTE ALTERNADA. Unesp - Faculdade de Ciências Departamento de Física Campus de Bauru

Apostila do experimento CORRENTE ALTERNADA. Unesp - Faculdade de Ciências Departamento de Física Campus de Bauru Apostila do experimento CORRENTE ALTERNADA Unesp - Faculdade de Ciências Departamento de Física Campus de Bauru Disciplina - Laboratório de Física III Autores: Carlos Alberto Fonzar Pintão Momotaro Imaizumi

Leia mais

Indução Electromagnética. Força Electromotriz

Indução Electromagnética. Força Electromotriz Indução Electromagnética Força Electromotriz Escola Secundária Anselmo de Andrade 2011/2012 Fluxo Magnético B A cos N B B : Fluxo Magnético (Wb) : Vector Campo Magnética (T) A A: Área da espira (m 2 )

Leia mais

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro.

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro. Microfone e altifalante Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. Conversão de um sinal elétrico num sinal sonoro. 1 O funcionamento dos microfones e dos altifalantes baseia-se na: - acústica; -

Leia mais

PSI LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

PSI LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI 3212 - LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS GUIA DE EXPERIMENTOS Experiência 3 COMPORTAMENTO DE COMPONENTES

Leia mais

UDESC 2015/2 FÍSICA. Comentário

UDESC 2015/2 FÍSICA. Comentário FÍSICA I. Incorreta. Com o aumento da distância a força aplicada é menor para produzir o mesmo torque. II. Incorreta. Joule é a unidade específica para energia. III. Correta. IV. Incorreta. Se a força

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

Duração do exame: 2:30h Leia o enunciado com atenção. Justifique todas as respostas. Identifique e numere todas as folhas da prova.

Duração do exame: 2:30h Leia o enunciado com atenção. Justifique todas as respostas. Identifique e numere todas as folhas da prova. Duração do exame: :3h Leia o enunciado com atenção. Justifique todas as respostas. Identifique e numere todas as folhas da prova. Problema Licenciatura em Engenharia e Arquitetura Naval Mestrado Integrado

Leia mais

16/Nov/2012 Aula 16 16. Circuitos RL (CC). Corrente alternada 16.1 Circuitos RL em corrente

16/Nov/2012 Aula 16 16. Circuitos RL (CC). Corrente alternada 16.1 Circuitos RL em corrente 16/Nov/01 Aula 16 16. Circuitos RL (CC). Corrente alternada 16.1 Circuitos RL em corrente contínua. 16. Corrente alternada (CA). 16..1 Numa resistência 1/Nov/01 Aula 17 17. Continuação - Corrente alternada

Leia mais

EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE

EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE 10.1 OBJETIVOS Determinar o valor da componente horizontal da indução magnética terrestre local. 10.2 INTRODUÇÃO Num dado lugar

Leia mais

Eletromagnetismo II. Prof. Daniel Orquiza. Prof. Daniel Orquiza de Carvalho

Eletromagnetismo II. Prof. Daniel Orquiza. Prof. Daniel Orquiza de Carvalho Eletromagnetismo II Prof. Daniel Orquiza Eletromagnetismo II Prof. Daniel Orquiza de Carvalho (Capítulo 9 Páginas 277a 284) Lei de Faraday. Lei de Lenz. Eletromagnetismo I 1 Prof. Daniel Orquiza Campos

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Módulo IV POTÊNCIA E VALOR EFICAZ UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Potência Instantânea Potência entregue a um elemento em um

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 4: Transformadores de potência Exercícios 4.1 Um transformador monofásico de dois enrolamentos apresenta os seguintes valores nominais: 20 kva, 480/120 V,

Leia mais

Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica.

Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Ímã: Princípios de Eletromecânica Ímã é um objeto formado por material ferromagnético que apresenta um campo magnético à sua volta.

Leia mais

Máquinas Elétricas. Máquinas CC Parte III

Máquinas Elétricas. Máquinas CC Parte III Máquinas Elétricas Máquinas CC Parte III Máquina CC Máquina CC Máquina CC Comutação Operação como gerador Máquina CC considerações fem induzida Conforme já mencionado, a tensão em um único condutor debaixo

Leia mais

Departamento de Física e Química Laboratório de Física Experimental ll Velocidade do Som em Metais

Departamento de Física e Química Laboratório de Física Experimental ll Velocidade do Som em Metais Departamento de Física e Química Laboratório de Física Experimental ll Velocidade do Som em Metais 1. Introdução A propagação das ondas mecânicas através de um meio material se dá pela transmissão das

Leia mais

Retificadores com tiristores

Retificadores com tiristores Retificadores com tiristores 5 O retificador controlado trifásico de meia onda Os retificadores trifásicos são alimentados pela rede de energia trifásica cujas tensões podem ser descritas pelas expressões

Leia mais

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Resposta em Frequência O que será estudado? Decibel Circuitos Ressonantes Filtros Ressonância Circuito Ressonante (ou sintonizado) Combinação

Leia mais

Se uma carga puramente resistiva for alimentada por uma fonte de tensão AC ou DC, certamente pela mesma circularão correntes idênticas.

Se uma carga puramente resistiva for alimentada por uma fonte de tensão AC ou DC, certamente pela mesma circularão correntes idênticas. Num circuito DC a resistência é o único elemento que se opõe ao fluxo da corrente. Assim num circuito DC que possui uma resistência muito baixa, a tendência da corrente é aumentar muito, podendo assumir

Leia mais

5 Transdutor Indutivo

5 Transdutor Indutivo 5 Transdutor Indutivo De modo análogo aos transdutores resistivos e capacitivos, os transdutores indutivos são transdutores ativos que requerem uma fonte de excitação externa para proporcionar uma tensão

Leia mais

TENSÃO E CORRENTE ALTERNADAS SENOIDAIS

TENSÃO E CORRENTE ALTERNADAS SENOIDAIS TENSÃO E CORRENTE ALTERNADAS SENOIDAIS Uma forma de onda de um sinal de tensão ou corrente alternada é aquela onde a intensidade e a polaridade alteram-se ao longo do tempo. Em geral são sinais periódicos

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto circuito...2

Leia mais

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Princípios de Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Resistência, Indutância e Capacitância Resistor: permite variações bruscas de corrente e tensão Dissipa energia Capacitor:

Leia mais

8/5/2015. Física Geral III. Aula Teórica 18 (Cap. 32 parte 1/2): 1) Lei da indução de Faraday 2) Fluxo de campo magnético 3) Lei de Lenz

8/5/2015. Física Geral III. Aula Teórica 18 (Cap. 32 parte 1/2): 1) Lei da indução de Faraday 2) Fluxo de campo magnético 3) Lei de Lenz Física Geral III Aula Teórica 18 (Cap. 32 parte 1/2): 1) Lei da indução de Faraday 2) Fluxo de campo magnético 3) Lei de Lenz Prof. Marcio R. Loos Correntes criam campo magnético B devidoa um fio retilíneo

Leia mais

Electromagnetismo e Física Moderna. Conhecer um método para a determinação da capacidade eléctrica

Electromagnetismo e Física Moderna. Conhecer um método para a determinação da capacidade eléctrica Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Física 1 Compreender o que é um condensador eléctrico Electromagnetismo e Física Moderna Capacidade e condensadores Conhecer

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Física Eletricidade Ótica Carga Horária: 80h Período: 3º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Física Eletricidade Ótica Carga Horária: 80h Período: 3º. Ementa Disciplina: Física Eletricidade Ótica Carga Horária: 80h Período: 3º Ementa PLANO DE ENSINO Processos de eletrização, carga elétricas, força elétrica, campo elétrico, Lei de Gauss, potencial elétrico,

Leia mais

Aula 10: Indução e Indutância

Aula 10: Indução e Indutância Aula 10: Indução e Indutância Curso de Física Geral III F-38 1 o semestre, 014 F38 1S014 1 Indução Aprendemos que: Uma espira condutora percorrida por uma corrente i na presença de um campo magnético sofre

Leia mais

A força magnética tem origem no movimento das cargas eléctricas.

A força magnética tem origem no movimento das cargas eléctricas. Grandezas Magnéticas Força e Campo Magnético A força magnética tem origem no movimento das cargas eléctricas. Considere os dois fios condutores paralelos e imersos no espaço vazio representados na Figura

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 10

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 10 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL 40 Módulo 10 Drawing of Michael Faraday's 1831 experiment showing electromagnetic induction between coils of wire, using 19th century apparatus,

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA Os circuitos magnéticos dos transformadores e das máquinas CA são excitados por fontes CA. Com excitação CA, a indutância influi no comportamento do regime permanente. Joaquim Eloir Rocha 1 Com excitação

Leia mais

SIMULADO Radioeletricidade

SIMULADO Radioeletricidade 73 questões PY1IB SIMULADO Radioeletricidade 1ª Pergunta: Dois corpos carregados eletricamente com cargas, respectivamente, positiva e negativa exercem entre si uma força que tende a: A Aproximá los. B

Leia mais

f = 1MHz ε rms = 10V C = 220pF V Lrms = 39,1V V Crms = 30,0V V Rrms = 4,15V

f = 1MHz ε rms = 10V C = 220pF V Lrms = 39,1V V Crms = 30,0V V Rrms = 4,15V 1 Circuito RLC série Quando adicionamos uma resistência ao circuito LC série, como mostrado no diagrama ao lado, o comportamento do circuito é similar ao comportamento do circuito LC sem a resistência,

Leia mais

Física. Leo Gomes (Vitor Logullo) Eletromagnetismo

Física. Leo Gomes (Vitor Logullo) Eletromagnetismo Eletromagnetismo Eletromagnetismo 1. Um imã preso a um carrinho desloca-se com velocidade constante ao longo de um trilho horizontal. Envolvendo o trilho há uma espira metálica, como mostra a figura. Pode-se

Leia mais

Programa de engenharia biomédica

Programa de engenharia biomédica Programa de engenharia biomédica princípios de instrumentação biomédica COB 781 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto

Leia mais