TÍTULO I CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO I CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS SOCIEDADES COMERCIAIS"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO 5 ABREVIATURAS 7 TÍTULO I CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CAPÍTULO I - A SOCIEDADE COMO ORGANIZAÇÃO JURÍDICA DA EMPRESA 11 1) Definição de contrato de sociedade 12 a) Elemento pessoal 12 b) Elemento patrimonial 13 c) Actividade económica 13 d) Finalidade lucrativa 14 2) Tipos de sociedades comerciais 16 CAPÍTULO n - A PERSONALIDADE JURÍDICA E A CAPACIDADE DE DIREITO 19 1) A personalidade jurídica 19 2) A capacidade de direito 21 CAPÍTULO TH - A LIMITAÇÃO DA RESPONSABILIDADE 25 SECÇÃO I Antecedentes 25 SECÇÃO II Delimitação do conceito e excepções 27 1) Excepções estatutárias 28 a) Sócios garantes da sociedade 28 b) Prestações suplementares 28 c) Obrigações de prestações acessórias 28

2 528 O Direito Angolano das Sociedades Comerciais 2) Excepções legais 29 a) Responsabilidade pela redução dos sócios abaixo do mínimo legal 29 b) Responsabilidade dos administradores 30 c) Responsabilidade dos sócios que nomearam os administradores 30 d) Desconsideração da personalidade jurídica 31 e) Abuso de maioria 32 f) Direito Fiscal e Segurança Social 32 g) Responsabilidade para com os credores da sociedade dominada ou subordinada 33 CAPÍTULO IV - ASPECTOS PATRIMONIAIS E FINANCEIROS DA SOCIEDADE 35 SECÇÃO I As contas sociais 36 1) A obrigação de prestar contas 36 2) Os princípios contabilísticos 37 3) O balanço 39 a) O activo 40 b) O capital próprio e passivo 41 4) Apreciação anual da situação da sociedade 43 5) A avaliação da sociedade e das participações sociais 45 SECÇÃO II - O capital social 47 1) A constituição e a salvaguarda do capital social 47 2) Perdas de capital 52 SECÇÃO III - As reservas 54 1) Reservas obrigatórias 55 a) Reserva legal 55 b) Reservas estatutárias 56 2) Reservas livres 56 TÍTULO II A SITUAÇÃO JURÍDICA DOS SÓCIOS CAPÍTULO I - NATUREZA JURÍDICA DA PARTICIPAÇÃO SOCIAL ) Princípio do interesse social 65 2) Princípio da finalidade lucrativa 70

3 Bibliografia 529 3) Princípio da igualdade de tratamento 72 a) Realização das subscrições 74 b) Prestações suplementares 74 c) Participação nos lucros e nas perdas 74 d) Direito de voto 75 e) Deliberações sociais 75 f) Aumentos de capital social 75 g) Alienação e aquisição de quotas e acções próprias 75 CAPÍTULO II - AS OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS 77 1) Obrigação de entrada 77 a) Entradas em dinheiro 78 b) Entradas em espécie 79 c) Entradas em trabalho 81 2) Dever de lealdade 82 CAPÍTULO in - OS DIREITOS DOS SÓCIOS 83 1) O direito à qualidade de sócio 87 a) Limites 87 b) Casos legais de exclusão de sócios 88 2) O direito à informação 91 a) O direito geral à informação 91 b) Direito à informação preparatória das assembleias gerais 98 c) Direito à informação nas assembleias gerais 99 3) O direito aos lucros 100 a) Características 101 b) Conceito de lucro distribuível 102 c) Direito a uma distribuição periódica de lucros 106 d) Cláusulas estatutária sobre a distribuição de dividendos 110 e) Adiantamentos U0 f) Pagamento dos dividendos Hl 4) O direito de participação nas deliberações sociais OireÍÊo Angolano a) O direito de ser convocado para as assembleias gerais 115 b) O direito de assistir e intervir nas deliberações sociais 116 c) O direito de voto ' 1?

4 530 O Direito Angolano das Sociedades Comerciais 5) O direito preferencial de subscrição de aumentos de capital 123 6) Os direitos especiais dos sócios 126 TÍTULO III OS ÓRGÃOS DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CAPÍTULO I-A ASSEMBLEIA GERAL 131 SECÇÃO I Natureza jurídica das deliberações sociais 133 1) As deliberações sociais como actos jurídicos em sentido estrito 133 2) As deliberações sociais como negócios jurídicos 134 SECÇÃO II O processo deliberativo 137 1) O Presidente da mesa 137 a) Nomeação e Cessação de funções 137 b) Competências 138 2) Formas de deliberação 139 3) Reuniões da assembleia geral 140 a) Reuniões ordinárias 140 bí Reuniões extraordinárias 142 4) Convocação da assembleia 142 5) Funcionamento da assembleia. Deliberações 144 6) As actas 145 SECÇÃO III - A invalidade das deliberações sociais 148 1) Deliberações sociais nulas 150 a) Vícios de formação 150 b) Vícios de conteúdo 153 2) Deliberações sociais anuláveis 154 u) Violação da lei ou dos estatutos 154 b) Deliberações abusivas 155 ci Violação do direito à informação 160

5 Bibliografia 53] 3) A relevância dos vícios do voto 161 a) A natureza jurídica do voto 162 b) Vícios da formação da vontade no voto 163 c) Outros vícios do voto 165 4) Acções para declaração de invalidade 167 5) Suspenção de deliberações sociais 173 6) Revogação e renovação de deliberações sociais inválidas 174 a) Revogação de deliberações 174 b) Renovação de deliberações sociais inválidas 174 CAPÍTULO II - A ADMINISTRAÇÃO, 179 SECÇÃO I Estatuto dos administradores 179 1) Deveres dos administradores 181 a) O dever de cuidado 181 b) O dever de diligência 183 c) O dever de lealdade 185 2) Direitos dos administradores 189 a) Direito de não serem destituídos sem justos motivos 189 b) Direito à remuneração 190 3) Competência dos administradores 190 4) A vinculação da sociedade 192 5) Nomeação e cessação de funções 195 a) Caducidade 195 b) Renúncia 196 c) Destituição 196 SECÇÃO II Responsabilidade dos administradores 199 1) Responsabilidade dos administradores para com a sociedade 201 a) O princípio business judgment rule 201 b) Pressupostos da responsabilidade 203 c) Causas de justificação 206 2) Efectivação da responsabilidade para com a sociedade 208 a) Acção social "ut universi" 209 b) Acção social "ut singuli" 210 c) Acção sub-rogatória dos credores sociais 211

6 532 O Direito Angolano das Sociedades Comerciais 3) Responsabilidade dos administradores para com os credores sociais 212 a) Pressupostos 213 b) Efectivação da responsabilidade 214 4) Responsabilidade dos administradores para com os sócios e terceiros 215 5) Extinção da responsabilidade 219 a) Prescrição 219 b) Renúncia 219 6) Responsabilidade da Sociedade 220 CAPÍTULO III - A FISCALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES 221 TÍTULO IV A CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE CAPÍTULO I - REGRAS GERAIS DE CONSTITUIÇÃO 225 SECÇÃO F Enquadramento legal dos projectos de investimento 225 1) Lei dos sectores de actividade económica 225 2) Lei de bases do investimento privado 227 a) Regime de acesso a incentivos e facilidades 228 bi Regimes processuais de investimento 230 cl Deveres do investidor privado 231 d) Importação de capitais 232 3) Fomento do empresariado angolano 232 SECÇÃO II Procedimentos para a constituição de sociedades comerciais 234 SECÇÃO III O Pacto social e acordos parassociais 237 ii O pacto social 237 2) Os acordos parassociais 242 CAPÍTULO II - AS SOCIEDADES COMERCIAIS IRREGULARES ) Vícios do contrato 247 til Antes do resisto 248 bi Depois do registo 248

7 Bibliografia 533 2) Pré-vida da sociedade 249 a) Antes da celebração do contrato de sociedade 250 b) Entre a celebração do contrato de sociedade e o registo 250 3) Sociedades de facto 252 TÍTULO V AS SOCIEDADES POR QUOTAS CAPÍTULO I - AS QUOTAS 255 SECÇÃO I A realização das quotas 256 SECÇÃO II A transmissão de quotas 258 1) Transmissão "mortis causa" 258 a) Intransmissibilidade no interesse da sociedade 258 b) Intransmissibilidade no interesse dos herdeiros 260 2) Cessão de quotas 261 3) Aquisição de quotas próprias 266 4) Divisão de quotas 267 SECÇÃO III A amortização de quotas 269 1) Noção 269 2) Pressupostos 269 3) Processo 271 4) A contrapartida 272 5) Efeitos 274 CAPÍTULO n - PRESTAÇÕES SUPLEMENTARES, OBRIGAÇÕES DE PRESTAÇÕES ACESSÓRIAS E SUPRIMENTOS 277 1) Prestações suplementares 277 2) Obrigações de prestações acessórias 279 3) Suprimentos 279 CAPÍTULO m - EXONERAÇÃO E EXCLUSÃO DE SÓCIOS 283 SECÇÃO I O direito de exoneração dos sócios 283 1) Causas legais de exoneração dos sócios nas sociedades por quotas 283 a) Subscrição por terceiros de aumentos de capital social 284 b) Mudança de objecto social 284

8 534 O Direito Angolano das Sociedades Comerciais c) Porrogação da sociedade 285 d) Regresso à actividade da sociedade dissolvida 285 e) Tranferência da sede para o estrangeiro 286 f) Não exclusão do sócio ocorrendo justa causa 286 g) Proibição de cessão de quotas 287 2) O exercício do direito de exoneração 287 SECÇÃO II A exclusão de sócios 289 1) Causas legais de exclusão de sócios 289 a) Exclusão por falta de liberação das quotas 289 b) Exclusão por falta de pagamento das pretações suplementares 290 c) Exclusão por justos motivos 290 2) Causas estatutárias de exclusão de sócios 292 3) O Direito à contrapartida 292 4) Situação da sociedade durante a exclusão do sócio 293 CAPÍTULO IV - OS ÓRGÃOS DA SOCIEDADE POR QUOTAS 295 SECÇÃO I A assembleia geral 295 SECÇÃO II - A gerência 300 1) Nomeação e cessação de funções 300 a) Formas de designação 300 b) Cessação de funções 302 2) Competência 304 3) Funcionamento e representação 306 TÍTULO VI AS SOCIEDADES ANÓNIMAS CAPÍTULO I REGRAS PARTICULARES DE CONSTITUIÇÃO 316 1) Constituição sem recurso à subscrição pública 317 2) Constituição com recurso à subscrição pública 318 CAPÍTULO II - AS OBRIGAÇÕES DOS ACCIONISTAS 323 1) Obrigação de realização de entradas 323 2) Obrigações de prestações acessórias e suprimentos 324

9 Bibliografia 535 CAPÍTULO III - AS ACÇÕES E OBRIGAÇÕES 327 SECÇÃO I As acções 327 Pígs. 1) Emissão das acções 327 2) Registo e depósito das acções 329 3) Espécies de acções 329 4) A circulação das acções 330 a) A transmissão das acções ao portador 331 b) A transmissão das acções nominativas 332 5) Limites estatutários à transmissão de acções 333 6) Categorias de acções 334 a) Acções preferenciais sem voto 335 b) Acções preferenciais remíveis 339 c) Acções de fruição 340 SECÇÃO II As acções próprias 341 SECÇÃO III Amortizações de acções 345 1) Amortização sem redução do capital social 345 2) Amortização com redução do capital social 346 SECÇÃO IV - As obrigações 347 1) Emissão de obrigações 347 2) Direitos dos obrigacionistas 349 3) A assembleia de obrigacionistas e o representante comum 350 4) Modalidades de obrigações 352 CAPÍTULO IV - A ASSEMBLEIA GERAL 355 1) Convocação 356 2) Participação e representação dos accionistas 358 3) Quorum 358 4) Deliberações 359 5) Competência 360 CAPÍTULO V-A ADMINISTRAÇÃO 361 SECÇÃO I Composição do Conselho de Administração 364 SECÇÃO II Nomeação e substituição de administradores 366 1) Nomeação 366

10 536 O Direito Angolano das Sociedades Comerciais 2) Regras especiais de eleição 366 a).regras de bloqueio 366 b) Regras de indigitação e nomeação 366 c) Substituição e destituição dos administradores eleitos em representação das minorias 369 3) Caução 370 4) Substituição de Administradores 371 SECÇÃO III Competência e Funcionamento 372 1) Competência 372 2) Funcionamento do Conselho de Administração 375 3) Os poderes de gestão 376 4) A representação da sociedade 377 SECÇÃO IV A invalidade de deliberações do Conselho de Administração 383 SECÇÃO V Suspensão e cessação de funções 387 CAPÍTULO VI - O CONSELHO FISCAL 389 1) Nomeação 389 2) Funcionamento e Competência 391 a) Funcionamento 391 b) Deveres 392 c) Competências 393 d) Direitos e poderes 394 3) Cessação de funções 395 4) Responsabilidade 396 CAPÍTULO VII - DEVERES DE INFORMAÇÃO E ABUSO DE INFOR- MAÇÃO 397 1) Deveres de informação 397 2) Abuso de informação 398 TÍTULO VII SOCIEDADES COLIGADAS CAPÍTULO I - O FENÓMENO DA CONCENTRAÇÃO 403 \) A concentração económica 403 2) As formas jurídicas da concentração 405

11 Bibliografia 537 CAPITULO II - SOCIEDADES EM RELAÇÃO DE SIMPLES PARTICI- PAÇÃO 407 1) Noção 407 2) Regime 408 CAPÍTULO III - SOCIEDADES EM RELAÇÃO DE PARTICIPAÇÕES RECÍPROCAS 411 1) Noção 411 2) Regime 412 CAPÍTULO IV - SOCIEDADES EM RELAÇÃO DE GRUPO 415 SECÇÃO I Sociedades em relação de domínio 415 1) O conceito 415 a) Maioria do capital social 418 b) Maioria de votos 419 c) Designação da administração ou fiscalização 419 2) Regime 420 a) Proibição de aquisição de participações 420 b) Dever de comunicação 421 c) Direito de dar instruções 421 d) Regime de responsabilidades 422 3) Domínio total superveniente 424 SECÇÃO II Sociedades em relação de subordinação ^ 5 1) Noção 425 2) Processo de celebração do contrato 426 3) Regime da relação de grupo 429 4) Cessação do contrato de subordinação 433 SECÇÃO m Sociedades em relação de grupo paritário 434 1) Noção e forma de celebração 434 2) Regime 435 TÍTULO Vffl AS MODIFICAÇÕES DOS ESTATUTOS CAPÍTULO I - REGIME GERAL 439 SECÇÃO I Limites à modificação dos estatutos 439

12 538 O Direito Angolano das Sociedades Comerciais SECÇÃO II - Procedimento 440 1) Sociedades por quotas 441 2) Sociedades anónimas 441 CAPÍTULO II - MODIFICAÇÕES TÍPICAS DOS ESTATUTOS 443 SECÇÃO I Aumento do capita] social 443 1) Aumento por incorporação de reservas 443 2) Aumento com novas entradas 445 a) Procedimento 445 b) Direito legal de preferência 446 c) Aumentos de capital a realizar pela administração 451 d) Falta de subscrições ou subscrições em excesso 452 e) Subscrição indirecta 453 SECÇÃO II Redução do capital social 454 1) Finalidades 454 a) Cobertura de prejuízos e saneamento financeiro 454 b) Excesso de capital 456 c) Aumento de capital social 456 d) Amortização de quotas ou acções 457 e) Extinção de acções próprias 458 2) Procedimento 458 SECÇÃO III - Fusão 460 1) Noção e modalidades 460 2) O processo de fusão 463 a) Projecto de fusão 463 b) A fiscalização do projecto de fusão 465 c) As assembleias gerais 466 d) Oposição e garantias dos credores 467 e) Escritura e registo 469 3) Protecção dos sócios 469 4) Efeitos da fusão 473 SECÇÃO IV - Cisão 474 1) Noção e modalidades 474 2) Processo 477 3) Efeitos da cisão 479

13 Bibliografia 539 SECÇÃO V Transformação 481 TÍTULO IX DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO CAPÍTULO I - DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE 487 1) Causas de dissolução imediata 487 2) Causas de dissolução diferida 489 CAPÍTULO II - LIQUIDAÇÃO 491 1) Situação jurídica da sociedade em liquidação 491 2) Processo de liquidação 492 3) Regresso da sociedade à actividade 494 JURISPRUDÊNCIA 497 BIBLIOGRAFIA 509

SECÇÃO III - Regime da sociedade antes do registo. Invalidade do contrato

SECÇÃO III - Regime da sociedade antes do registo. Invalidade do contrato Legislação Comercial Ficha Técnica Código das Sociedades Comerciais TÍTULO I - Parte geral CAPÍTULO I - Âmbito de aplicação CAPÍTULO II - Personalidade e capacidade CAPÍTULO III - Contrato de sociedade

Leia mais

ÍNDICE. Nota Prévia à 4: edição 1 Nótu1a à 2: edição 3 Abreviaturas 5

ÍNDICE. Nota Prévia à 4: edição 1 Nótu1a à 2: edição 3 Abreviaturas 5 ÍNDICE Nota Prévia à 4: edição 1 Nótu1a à 2: edição 3 Abreviaturas 5 TIPOS DE SOCIEDADES COMERCIAIS 1. Princípio da tipicidade 7 1.1. Sentido 7 1.2. Justificação 9 2. Caracterização geral dos tipos legais

Leia mais

Código das Sociedades Comerciais

Código das Sociedades Comerciais CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Código das Sociedades Comerciais Texto Simples Todos os direitos reservados à DATAJURIS, Direito e Informática, Lda.

Leia mais

CLÍNICAS FORENSES SOCIEDADES COMERCIAIS

CLÍNICAS FORENSES SOCIEDADES COMERCIAIS CLÍNICAS FORENSES SOCIEDADES COMERCIAIS Fevereiro 2006 ÍNDICE 1. Boas Vindas 3 2. Horário e Funcionamento 4 3. Metodologia das Sessões 5 4. Programa 6 5. Calendarização das Sessões 7 6. Objectivos e Planificação

Leia mais

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONTRATO DE SOCIEDADE 1 Elementos contratuais 2 Sociedades simples e empresárias 3 Sociedades não personificadas 4 Sociedade em comum 4.1 Patrimônio social e responsabilidade

Leia mais

I INTRODUÇÃO CAPÍTULO I A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS SOCIEDADES

I INTRODUÇÃO CAPÍTULO I A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS SOCIEDADES FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO COMERCIAL II (SOCIEDADES COMERCIAIS) ANO LETIVO 2015/2016, TURMA A Regência: Prof. Doutor António Menezes Cordeiro Colaboradores: Profs. Doutores

Leia mais

Código das Sociedades Comerciais

Código das Sociedades Comerciais Código das Sociedades Comerciais Decreto-Lei n.º 262/86 Artigo 1.º - Aprovação do Código das Soc. Comerciais Artigo 2.º - Começo de vigência Artigo 3.º - Revogação do direito anterior [Rectificado pelo

Leia mais

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS ARSENAL DO ALFEITE, S. A. (Constituída pelo Decreto-Lei n.º33/2009, de 5 de Fevereiro) ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º Forma e denominação A sociedade adopta a forma

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I. Denominação, sede, objecto e duração da sociedade ARTIGO 1º

ESTATUTOS CAPÍTULO I. Denominação, sede, objecto e duração da sociedade ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração da sociedade ARTIGO 1º A sociedade anónima que, por força do Decreto-Lei nº 93/93, de 24 de Março, continua a personalidade jurídica da empresa

Leia mais

Direito das Sociedades. Programa. Pedro Caetano Nunes 2014/2015

Direito das Sociedades. Programa. Pedro Caetano Nunes 2014/2015 1 Direito das Sociedades Programa Pedro Caetano Nunes 2014/2015 1 2 1. Introdução 1.1 A sociedade enquanto ente jurídico e enquanto contrato 1.2. Possibilidade de o negócio institutivo de sociedade-organização

Leia mais

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração Artigo 1º 1. A sociedade tem a denominação de Litho Formas, S.A., e teve o seu início em 5 de Dezembro de 1966. 2.

Leia mais

CÓDIGO DO TRABALHO. CAPÍTULO I - Fontes do direito do trabalho CAPÍTULO II - Aplicação do direito do trabalho. CAPÍTULO I - Disposições gerais

CÓDIGO DO TRABALHO. CAPÍTULO I - Fontes do direito do trabalho CAPÍTULO II - Aplicação do direito do trabalho. CAPÍTULO I - Disposições gerais CÓDIGO DO TRABALHO Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro LIVRO I - Parte geral TÍTULO I - Fontes e aplicação do direito do trabalho CAPÍTULO I - Fontes do direito do trabalho CAPÍTULO II - Aplicação do direito

Leia mais

MANUAL DE DIREITO EMPRESARIAL

MANUAL DE DIREITO EMPRESARIAL Benigno Cavalcante MANUAL DE DIREITO EMPRESARIAL Sumário Apresentação... 17 Abreviatura... 21 CAPÍTULO I HISTÓRIA DO DIREITO COMERCIAL 1. O Surgimento do Direito Comercial... 25 1.2. Evolução do Direito

Leia mais

Lista de Jurisprudência sobre Direito das Sociedades *

Lista de Jurisprudência sobre Direito das Sociedades * Lista de Jurisprudência sobre Direito das Sociedades * (ordenada cronologicamente, com indicações sobre os assuntos tratados) Ac. STJ 16.3.76 - RLJ 3.590, ano 110, 1977 (conta em participação) Ac. STJ

Leia mais

1 Classificação das sociedades

1 Classificação das sociedades 1 Classificação das sociedades Qto à forma de exploração do objeto Qto à personificação Qto ao regime de constituição Qto à forma de constituição Qto à nacionalidade Qto ao capital Qto à responsabilidade

Leia mais

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III)

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III) A Bolsa de Valores Na parte final do artigo anterior caracterizámos o mercado secundário de valores e, neste âmbito, apresentámos a definição basilar da bolsa de valores, como uma entidade que tem por

Leia mais

Apresentação Assembleias Instrução CVM 571/2015 FII. Outubro 2016

Apresentação Assembleias Instrução CVM 571/2015 FII. Outubro 2016 Apresentação Assembleias Instrução CVM 571/2015 FII Outubro 2016 REGULAMENTO Exclusão (i) dos fatores de risco; (ii) das remunerações de terceiros; (iii) despesas e encargos; (iv) informações periódicas.

Leia mais

1. A sociedade tem por objecto:.

1. A sociedade tem por objecto:. CONTRATO DE SOCIEDADE ANÓNIMA Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo de sociedade anónima e a firma. 2. A sociedade tem o número de pessoa colectiva e o número de

Leia mais

NOVO CONTRATO DE SOCIEDADE DA RIBEIRA DA TEJA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA, E.M., LDA. CAPÍTULO I FIRMA, SEDE, DURAÇÃO E OBJECTO.

NOVO CONTRATO DE SOCIEDADE DA RIBEIRA DA TEJA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA, E.M., LDA. CAPÍTULO I FIRMA, SEDE, DURAÇÃO E OBJECTO. NOVO CONTRATO DE SOCIEDADE DA RIBEIRA DA TEJA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA, E.M., LDA. CAPÍTULO I FIRMA, SEDE, DURAÇÃO E OBJECTO Artigo Primeiro (Firma) A sociedade é constituída sob a forma de sociedade

Leia mais

ESTATUTOS DA PARPÚBLICA - PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objecto social

ESTATUTOS DA PARPÚBLICA - PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objecto social Texto actualizado dos Estatutos da sociedade anónima PARPÚBLICA - PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (S.G.P.S.) S.A., elaborado nos termos do disposto no artigo 59, n. 2, do Código do Registo Comercial, em virtude

Leia mais

Anexo 2 ao Relatório do Conselho de Administração

Anexo 2 ao Relatório do Conselho de Administração Anexo 2 ao Relatório do Conselho de Administração Em conformidade com o regulamento nº 07/2001 Governo das Sociedades Cotadas, apresenta-se de seguida relatório sobre as práticas de governo societário.

Leia mais

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes:

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes: CONTRATO DE SOCIEDADE ANÓNIMA A) Declaram constituir uma sociedade nos termos dos artigos seguintes: Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo de sociedade anónima

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE DO GRUPO MEDIA CAPITAL SGPS, S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO. Denominação, sede e objecto. Artigo 1º

CONTRATO DE SOCIEDADE DO GRUPO MEDIA CAPITAL SGPS, S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO. Denominação, sede e objecto. Artigo 1º CONTRATO DE SOCIEDADE DO GRUPO MEDIA CAPITAL SGPS, S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, sede e objecto Artigo 1º A sociedade adopta a denominação de Grupo Media Capital, SGPS, S.A. Artigo 2º Um - A sociedade

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade aberta com o Capital Social: 12.000.000,00 (doze milhões de euros) Sede: Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, n.º 17, 6.º andar, 1070-313 Lisboa Registada

Leia mais

Correspondência entre articulados: CPA'15/CPA'91. Disposições gerais PARTE I. Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II

Correspondência entre articulados: CPA'15/CPA'91. Disposições gerais PARTE I. Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II Disposições gerais PARTE I Disposições preliminares CAPÍTULO I Definições Artigo 1.º Âmbito de aplicação Artigo 2.º Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II Princípio da legalidade Artigo

Leia mais

REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES ANÓNIMAS EUROPEIAS

REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES ANÓNIMAS EUROPEIAS ( Até às alterações do DL n.º 76-A/2006, de 29 de Março) REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES ANÓNIMAS EUROPEIAS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Regime Jurídico é aplicável às

Leia mais

AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro. Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro. Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que me é atribuída pelo artigo 58 0 da Lei n.

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL II - CCJ0027 DIREITO EMPRESARIAL II (22/07/2014) Contextualização

DIREITO EMPRESARIAL II - CCJ0027 DIREITO EMPRESARIAL II (22/07/2014) Contextualização DIREITO EMPRESARIAL II - CCJ0027 DIREITO EMPRESARIAL II (22/07/2014) Contextualização O Direito Societário, dentro do sistema jurídico brasileiro, está distribuído em duas etapas: a Teoria Geral do Direito

Leia mais

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS 2004

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS 2004 ADENDA AO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS 2004 1 Pelo Decreto-Lei n.º 2/2005, de 4 de Janeiro, publicado no Diário da República, de Terça-feira, 4 de Janeiro de 2005, n.º 2, Série I-A, páginas 22 a 31,

Leia mais

Celbi ESTATUTOS DO AGRUPAMENTO COMPLEMENTAR DE EMPRESAS - ACE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo Primeiro (Firma)

Celbi ESTATUTOS DO AGRUPAMENTO COMPLEMENTAR DE EMPRESAS - ACE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo Primeiro (Firma) Celbi ESTATUTOS DO AGRUPAMENTO COMPLEMENTAR DE EMPRESAS - ACE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo Primeiro (Firma) O Agrupamento Complementar de Empresas adoptará a denominação AFOCELCA Agrupamento Complementar

Leia mais

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas PROGRAMA 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira (1 hora: Sandra Alves) 1.1. A Contabilidade Financeira 1.1.1. Conceito e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

Constituição e Estruturação de Sociedades Comerciais [6 ECTS]

Constituição e Estruturação de Sociedades Comerciais [6 ECTS] Rui Pinto Duarte Julho 2013 Constituição e Estruturação de Sociedades Comerciais [6 ECTS] Objetivo da disciplina: desenvolver o conhecimento dos problemas relativos à constituição e à estruturação das

Leia mais

Código Cooperativo. CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro

Código Cooperativo. CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Código Cooperativo CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Alterada pelos DL n.º 343/98 de 6 de Nov., DL n.º 131/99 de 21 de Abril e DL n.º 108/2001

Leia mais

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I Firma, sede, objecto e duração Artigo 1º Firma A Sociedade adopta o tipo de Sociedade anónima, com a firma EDAB Empresa de Desenvolvimento do Aeroporto de Beja,

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril, no seu artigo 102º, prevê que os solicitadores podem

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Direito das Sociedades

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Direito das Sociedades INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico / / Aprovação do Conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

Constituição e Estruturação de Sociedades Comerciais [6 ECTS]

Constituição e Estruturação de Sociedades Comerciais [6 ECTS] Rui Pinto Duarte Setembro 2016 Constituição e Estruturação de Sociedades Comerciais [6 ECTS] Objetivo da disciplina: desenvolver o conhecimento dos problemas relativos à constituição e à estruturação das

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

Constituição e Estruturação de Sociedades Comerciais [6 ECTS]

Constituição e Estruturação de Sociedades Comerciais [6 ECTS] Rui Pinto Duarte Setembro 2014 Constituição e Estruturação de Sociedades Comerciais [6 ECTS] Objetivo da disciplina: desenvolver o conhecimento dos problemas relativos à constituição e à estruturação das

Leia mais

Reditus Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. ESTATUTOS

Reditus Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. ESTATUTOS Reditus Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. ESTATUTOS CAPITULO PRIMEIRO Denominação, sede, objectivo e duração ARTIGO PRIMEIRO (Denominação Social) A sociedade adopta a denominação de Reditus

Leia mais

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS Edição de Bolso 8.ª EDIÇÃO ACTUALIZAÇÃO N. 2 1 CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização n. 2 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES

Leia mais

ESTATUTOS DA SOCIEDADE TOYOTA CAETANO PORTUGAL,S.A. ARTIGO 1º (Denominação e Sede)

ESTATUTOS DA SOCIEDADE TOYOTA CAETANO PORTUGAL,S.A. ARTIGO 1º (Denominação e Sede) ESTATUTOS DA SOCIEDADE TOYOTA CAETANO PORTUGAL,S.A. ARTIGO 1º (Denominação e Sede) 1 - A sociedade adopta a denominação de Toyota Caetano Portugal, S.A., e tem a sua sede na Avenida Vasco da Gama, número

Leia mais

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS DL 495/88 1988-Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS SOCIEDADES HOLDING Artigo 1º (sociedades gestoras de participações sociais) 1 As sociedades gestoras de participações

Leia mais

Instituições de Direito FEA

Instituições de Direito FEA Instituições de Direito FEA MÓDULO II INTRODUÇÃO AO DIREITO EMPRESARIAL! Pessoa jurídica vs. Pessoa física! Personalidade jurídica! Registro dos atos constitutivos! Empresa e empresário! EIRELI e sociedade

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS REGIME JURÍDICO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS E ESTUDANTIS Decreto nº 15/03 de 22 de Abril (Diário da República I Série nº 31, de 22 de Abril de 2003) A juventude angolana

Leia mais

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1.º Natureza e Firma 1. A Sociedade é organizada sob a forma de sociedade anónima e adopta a firma

Leia mais

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES 1 TIPOS DE SOCIEDADES NO DIREITO BRASILEIRO SOCIEDADE EM COMUM não tem personalidade jurídica os sócios são ilimitadamente responsáveis SOCIEDADE SIMPLES atividades

Leia mais

AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO

AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO Publicado no Diário da República, I série, nº 74, de 22 de Abril AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO Havendo necessidade de adequar as regras

Leia mais

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO (6.ª Edição) Actualização N.º 1 Código das Sociedades Comerciais 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 1

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Índice Geral...5 Nota dos Autores...7 Lei n.º 16/2012, de 20 de Abril...9 CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Índice Geral...5 Nota dos Autores...7 Lei n.º 16/2012, de 20 de Abril...9 CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS ÍNDICE SISTEMÁTICO Índice Geral...5 Nota dos Autores...7 Lei n.º 16/2012, de 20 de Abril...9 CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS Título I - Disposições introdutórias... 29 Capítulo I - Disposições

Leia mais

COLECTÂNEA DE LEGISLAÇÃO BÁSICA INCLUÍDA

COLECTÂNEA DE LEGISLAÇÃO BÁSICA INCLUÍDA ÍNDICE PREFÁCIO 7 NOTA PRÉVIA 9 SIGLAS UTILIZADAS 13 Capo I - Algumas considerações introdutórias. A relação jurídica de emprego público na Administração Pública 15 Capo II - Âmbito de aplicação subjectivo

Leia mais

ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94

ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94 ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94 1. Sociedades Seguradoras Nacionais, Sociedades de Capitalização e Sociedades de Previdência Privada Aberta com fins lucrativos. 1.1- ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA - AGE

Leia mais

Estatutos da Musikarisma Associaça o

Estatutos da Musikarisma Associaça o Estatutos da Musikarisma Associaça o SECÇÃO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º A Musikarisma é uma Associação Cultural, Sem Fins Lucrativos, tendo a sua sede na Rua José Estêvão, com o número cento e treze, na

Leia mais

SOCIEDADES ABERTAS E DO MERCADO 2014 PÓS-GRADUAÇÃO

SOCIEDADES ABERTAS E DO MERCADO 2014 PÓS-GRADUAÇÃO 2013-2014 PÓS-GRADUAÇÃO 2ª edição outubro de 2013 a fevereiro de 2014 ABERTAS E DO MERCADO 2014 PÓS-GRADUAÇÃO 2ª edição janeiro a junho de 2014 DIREITO COMERCIAL 2013-2014 PÓS-GRADUAÇÕES 2ª edição Em 2012/13

Leia mais

Noções Introdutórias Abertura da Sucessão. Transmissão da Herança. Aceitação e Renúncia da Herança. Cessão da Herança

Noções Introdutórias Abertura da Sucessão. Transmissão da Herança. Aceitação e Renúncia da Herança. Cessão da Herança Sumário 1. Noções Introdutórias 1.1 Sucessão. Compreensão do Vocábulo. O Direito das Sucessões 1.2 Direito das Sucessões no Direito Romano 1.3 Ideia Central do Direito das Sucessões 1.4 Noção de Herança

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE

CONTRATO DE SOCIEDADE CONTRATO DE SOCIEDADE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) UM A sociedade, constituída sob a forma de Sociedade Anónima, adopta a denominação de GLINTT GLOBAL INTELLIGENT TECHNOLOGIES,

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE SOCIEDADES

CONCENTRAÇÃO DE SOCIEDADES CONCENTRAÇÃO DE SOCIEDADES Entendimentos: 1. Na visão de um mundo globalizado; 2. Nos termos do art. 97º do CC, onde se estabelece sua possibilidade; 3. Lei 6404/76 no art. 223 a 233, prevê 3 formas: Cisão,

Leia mais

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A ESTATUTOS

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A ESTATUTOS BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A ESTATUTOS A ser apresentado para aprovação na Assembleia Geral de 24 de Abril de 2015, com integração, no corpo dos Estatutos, das alterações já aprovadas em Assembleia

Leia mais

Da Atividade da Associação. Dos Sócios

Da Atividade da Associação. Dos Sócios REGULAMENTO GERAL INTERNO Associação Trilhos da Boa Viagem (ATBV) Artigo 1º Da Atividade da Associação Objetivos e Atividades 1 A ATBV é uma associação de carácter desportivo, recreativo, cultural e educativo,

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE DO BANCO PORTUGUÊS DE INVESTIMENTO, S.A. (Versão consolidada com as alterações aprovadas na reunião

CONTRATO DE SOCIEDADE DO BANCO PORTUGUÊS DE INVESTIMENTO, S.A. (Versão consolidada com as alterações aprovadas na reunião CONTRATO DE SOCIEDADE DO BANCO PORTUGUÊS DE INVESTIMENTO, S.A. (Versão consolidada com as alterações aprovadas na reunião da Assembleia Geral de 10 de Abril de 2008) CONTRATO DE SOCIEDADE DO BANCO PORTUGUÊS

Leia mais

Estatutos da Sociedade

Estatutos da Sociedade Estatutos da Sociedade Estatutos da sociedade Oitante, S.A. Capítulo I- Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação, natureza e duração 1 - A Oitante,S.A., é um veículo de gestão de ativos constituído nos

Leia mais

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO E FINS Artigo 1º É constituída uma associação, sem fins lucrativos, denominada APP Associação dos Portos de Portugal,

Leia mais

BOLETIM DE VOTO Exercício do Voto por Correspondência Postal

BOLETIM DE VOTO Exercício do Voto por Correspondência Postal Ex.mo. Sr. Presidente da Mesa da Assembleia Geral de Accionistas da Sonae SGPS, S.A. Voto por Correspondência Postal Assembleia Geral Extraordinária de Accionistas da Sonae SGPS, S.A. de 27 de Abril de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º - Denominação e regime jurídico

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º - Denominação e regime jurídico ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Denominação e regime jurídico 1. É constituída a InComunidade Cooperativa de Solidariedade Social CRL, doravante designada como Cooperativa,

Leia mais

Contabilidade Geral. 1. Fundamentos da contabilidade Financeira. 2. Normalização contabilística. 3. Estrutura conceptual da contabilidade financeira

Contabilidade Geral. 1. Fundamentos da contabilidade Financeira. 2. Normalização contabilística. 3. Estrutura conceptual da contabilidade financeira Contabilidade Geral 1. Fundamentos da contabilidade Financeira 1.1. A contabilidade financeira 1.1.1. Conceito e divisões da Contabilidade 1.1.2. A importância da informação financeira para a tomada de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal 1 SUMÁRIO 1. Tipos de Sociedades 2. Sociedades de Responsabilidade Limitada e Sociedades Anónimas 3. Constituição de sociedades 4. Regime

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO DISCIPLINA: DIREITO DAS ORGANIZAÇÕES PLANIFICAÇÃO ANUAL

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO DISCIPLINA: DIREITO DAS ORGANIZAÇÕES PLANIFICAÇÃO ANUAL MÓDULOS / CONTEÚDOS OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM TEMPO PREVISTO (BLOCOS 45 MINUTOS) OBSERVAÇÕES I MÓDULO 40 NOÇOES FUNDAMENTAIS DE DIREITO. NATUREZA SOCIAL DO HOMEM ORDEM SOCIAL NORMATIVA DIREITO, SENTIDOS

Leia mais

I. CONTRATOS EM GERAL

I. CONTRATOS EM GERAL S UMÁRIO I. CONTRATOS EM GERAL 1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES... 25 1.1. Conceitos de obrigação... 28 1.2. Obrigação de dar (coisa certa ou incerta)... 28 1.2.1. Obrigação de dar coisa certa...

Leia mais

SUMOL+COMPAL, SA. REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL 1.º ÂMBITO

SUMOL+COMPAL, SA. REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL 1.º ÂMBITO SUMOL+COMPAL, SA. REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL 1.º ÂMBITO O presente regulamento estabelece as regras de funcionamento do Conselho Fiscal da SUMOL+COMPAL, S.A., tendo por objectivo o cumprimento da lei

Leia mais

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 39 000 000 euros Capital Próprio: (75.593.000) euros aprovado em Assembleia Geral de 28 de Setembro de 2012 Sede Social: Estádio

Leia mais

ESTATUTOS APROVADOS NA ASSEMBLEIA GERAL REALIZADA EM 27 DE DEZEMBRO DE 2013 NO ÂMBITO DO PROJETO DE FUSÃO POR INCORPORAÇÃO DA EEG

ESTATUTOS APROVADOS NA ASSEMBLEIA GERAL REALIZADA EM 27 DE DEZEMBRO DE 2013 NO ÂMBITO DO PROJETO DE FUSÃO POR INCORPORAÇÃO DA EEG ESTATUTOS APROVADOS NA ASSEMBLEIA GERAL REALIZADA EM 27 DE DEZEMBRO DE 2013 NO ÂMBITO DO PROJETO DE FUSÃO POR INCORPORAÇÃO DA EEG EMPRESA DE ELETRICIDADE E GÁZ, LDA. CAPÍTULO I FIRMA, SEDE E OBJECTO Artigo

Leia mais

ESTORIL SOL SGPS SA CONVOCATÓRIA

ESTORIL SOL SGPS SA CONVOCATÓRIA ESTORIL SOL, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Capital social, integralmente realizado, 59.968.420 Sociedade Anónima, sede na Av. Dr. Stanley Ho, Edifício do Casino Estoril Estoril - Cascais Matriculada na Conservatória

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração Artigo 1º - A Cemig Participações Minoritárias S.A. (a Sociedade ) é uma sociedade anônima de capital fechado, subsidiária integral, que

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS EM ANGOLA O IMPOSTO INDUSTRIAL E O ESTATUTO DOS GRANDES CONTRIBUINTES

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS EM ANGOLA O IMPOSTO INDUSTRIAL E O ESTATUTO DOS GRANDES CONTRIBUINTES PAULA ROSADO PEREIRA Doutora em Direito Professora da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Consultora da SRS Advogados TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS EM ANGOLA O IMPOSTO INDUSTRIAL E O ESTATUTO DOS

Leia mais

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza)

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) 1. O Grupo Desportivo Santander Totta, é uma Associação de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

Índice Sistemático NOTA EXPLICATIVA

Índice Sistemático NOTA EXPLICATIVA Índice Sistemático NOTA EXPLICATIVA CAPÍTULO I FORMAÇÃO DO DIREITO DE EMPRESA 1. Origens da sociedade 2. A formação da sociedade com finalidades econômicas 3. O início das relações comerciais 4. As primeiras

Leia mais

Direito Processual Civil Executivo. Programa

Direito Processual Civil Executivo. Programa Direito Processual Civil Executivo Programa Rui Pinto Duarte 2010/2011 I Aspectos Gerais 1. Noção de acção executiva 2. O princípio do dispositivo na acção executiva (3.º, 810 e 675-A) 3. Execução individual

Leia mais

sociedade anônima características

sociedade anônima características sociedade anônima características capital social dividido em ações (títulos de crédito) responsabilidade limitada dos sócios denominação : SOCIEDADE ANONIMA ou S/A. no início ou no final do nome COMPANHIA

Leia mais

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação)

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação) Estatutos Capítulo I Disposições fundamentais Art.1º (Denominação) A Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação, abreviadamente designada por APCT, é uma associação que se rege pelos

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL, INVESTIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO

DIREITO EMPRESARIAL, INVESTIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO DIREITO EMPRESARIAL, INVESTIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO Grupos societários e o regime legal das insolvências e recuperação de empresas Paulo Valério Relevância do tema no contexto da conferência a) Aspetos

Leia mais

EXTRACTO DA ACTA Nº 21. Aos trinta dias do mês de Maio de dois mil e oito, pelas dezoito horas e trinta

EXTRACTO DA ACTA Nº 21. Aos trinta dias do mês de Maio de dois mil e oito, pelas dezoito horas e trinta EXTRACTO DA ACTA Nº 21 Aos trinta dias do mês de Maio de dois mil e oito, pelas dezoito horas e trinta minutos, reuniu em Assembleia Geral, no Auditório do Estádio José Alvalade, na Rua Professor Fernando

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

CÓDIGO DO TRABALHO (Após a revisão) - Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro LIVRO I Parte geral TÍTULO I Fontes e aplicação do direito do trabalho

CÓDIGO DO TRABALHO (Após a revisão) - Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro LIVRO I Parte geral TÍTULO I Fontes e aplicação do direito do trabalho CÓDIGO DO TRABALHO (Após a revisão) - Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro LIVRO I Parte geral TÍTULO I Fontes e aplicação do direito do trabalho CAPÍTULO I Fontes do direito do trabalho Artigo 1.º - Fontes

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

AVISO Nº. 10/96 ARTIGO 1º.

AVISO Nº. 10/96 ARTIGO 1º. AVISO Nº. 10/96 O Banco Nacional de Angola, tendo em vista a nova orientação económica estabelecida pelo Governo e a necessidade de actualização das regras para o funcionamento das Casas de Câmbio, no

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina DIR321 Direito Empresarial - Direto Societário

Programa Analítico de Disciplina DIR321 Direito Empresarial - Direto Societário 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Direito - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: 3 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal 3 Períodos

Leia mais

ÍNDICE. Págs. NOTA PRÉVIA... 5 ABREVIATURAS 9

ÍNDICE. Págs. NOTA PRÉVIA... 5 ABREVIATURAS 9 ÍNDICE NOTA PRÉVIA.............. 5 ABREVIATURAS 9.' 1.0 Direito do Trabalho: o quê, porquê e para quê?................... 11 2. Noção, objecto e características gerais do Direito do Trabalho....... 21

Leia mais

GNB- COMPANHIA DE SEGUROS DE VIDA, S.A.

GNB- COMPANHIA DE SEGUROS DE VIDA, S.A. Ata nº45 No dia dezoito de Dezembro de dois mil e catorze, às 9h30m, realizouse a Assembleia Geral da BES Vida Companhia de Seguros, S.A., na sede social sita na Avenida Columbano Bordalo Pinheiro, n.º

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 15

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 15 I Noções Introdutórias ao Direito Civil... 19 1.1 Conceito de Direito... 19 1.2 Direito Objetivo e Subjetivo...22 1.3 Situações Subjetivas...27 1.4 Relação Jurídica...28 1.5 Direito

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Capítulo I Das sociedades desportivas em geral Artigo 1.º Objeto 1 - O presente decreto-lei estabelece o

Leia mais

ESTATUTOS GALP ENERGIA, SGPS, S.A.

ESTATUTOS GALP ENERGIA, SGPS, S.A. ESTATUTOS GALP ENERGIA, SGPS, S.A. A crescer com a exploração e produção GALP ENERGIA, SGPS, S.A. CAPÍTULO I Firma, sede, duração e objecto Artigo 1º Firma e Regime 1. A Sociedade adopta a denominação

Leia mais

USINA TÉRMICA IPATINGA S. A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

USINA TÉRMICA IPATINGA S. A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração USINA TÉRMICA IPATINGA S. A. O presente Estatuto Social é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 11-08-2000 - arquivada na JUCEMG em 16-08-2000, sob o nº 3130001496-7,

Leia mais

CNEF SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL II (PROCESSO EXECUTIVO) O processo executivo será ministrado em 12 sessões de 2 horas.

CNEF SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL II (PROCESSO EXECUTIVO) O processo executivo será ministrado em 12 sessões de 2 horas. CNEF SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL II (PROCESSO EXECUTIVO) O processo executivo será ministrado em 12 sessões de 2 horas. 1ª Sessão a) conceito e fim da execução; b) formas do precesso de execução:

Leia mais

Projeto de alteração dos Estatutos. Caixa Económica Montepio Geral

Projeto de alteração dos Estatutos. Caixa Económica Montepio Geral Projeto de alteração dos Estatutos da Caixa Económica Montepio Geral 3 ESTATUTOS Caixa Económica Montepio Geral CAPÍTULO I NATUREZA, SEDE, OBJETO E FIM Artigo 1.º 1. A Caixa Económica Montepio Geral, caixa

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PREPARATÓRIO XXII EXAME DE ORDEM

DIREITO EMPRESARIAL PREPARATÓRIO XXII EXAME DE ORDEM Prof. Ma Marina Zava de Faria FACE: Marina Zava INSTA: Marina Zava Periscope:@marinazava E-mail: profmarinazava@hotmail.com DIREITO EMPRESARIAL PREPARATÓRIO XXII EXAME DE ORDEM 1. CONCEITO: Modalidade

Leia mais

PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO AO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO AO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS CMVM AO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS GOVERNO DAS SOCIEDADES ANÓNIMAS 6 DE FEVEREIRO DE 2006 Desactualização dos Modelos de Governação Actual regime concebido

Leia mais

BANCO PINE S.A. EXERCÍCIO DE 2013

BANCO PINE S.A. EXERCÍCIO DE 2013 BANCO PINE S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DAS LETRAS FINANCEIRAS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Credores das Letras Financeiras, Na qualidade

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 ÍNDICE OBJECTO... 4 APROVAÇÃO E VIGÊNCIA... 4 CARÁCTER VINCULATIVO... 4 COMPETÊNCIAS... 4 NOMEAÇÃO E COMPOSIÇÃO... 5 ÁREAS DE RESPONSABILIDADE...

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais