ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO"

Transcrição

1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO

2 Existe uma bibliografia completa com dimensões médias das necessidades humanas. Um dos autores mais importantes é Ernst Neufert, que fez um estudo detalhado sobre estas dimensões na década de 1940, e que é usado até hoje.

3 Apesar das medidas médias apresentadas nos livros, em um primeiro momento todos os móveis e equipamentos devem ser dimensionados para realização dos estudos dos ambientes, tendo em vista que o mobiliário varia bastante.

4 ? O que é mais importante em um ambiente? Existem alguns fatores que variam conforme o ambiente estudado e a edificação em si. O primeiro passo é definir que mobiliário, equipamento, ou espaço livre é essencial para um espaço.

5 Em salas de TV o equipamento principal dá nome ao ambiente, por isso deve ser o objeto gerador do leiaute. Certos espaços como bibliotecas, tem na relação corredorestante o seu módulo básico. Cabe ao arquiteto definir o que é o elemento principal.

6 Mobiliário Dimensões Quantidade A Mesa de jantar 6 lugares 200 x 90 cm 01 unidade B C Cadeira de jantar Buffet (móvel de apoio) 45 x 45 cm 150 x 50 cm 06 unidades 01 unidade Para um estudo inicial de um ambiente mínimo é necessário a lista dos equipamentos e mobiliários, observando comprimentos e profundidades máximos. Observe um exemplo de lista de mobiliário para uma mesa de jantar. Os tamanhos podem ser estabelecidos pelo arquiteto a partir de pesquisa.

7 B B B B A B A B B B B B A B B B B No caso de uma sala de jantar, o equipamento principal é a mesa. O número de usuários e o formato da mesa são definidos pelo arquiteto a partir dos dados oferecidos pelo cliente. Nos estudos, é de extrema importância os testes de diferentes tamanhos de mesa para obtenção de um resultado satisfatório.

8 A DISTÂNCIA MÍNIMA CIRCULAÇÃO Depois de definida a mesa e a disposição das cadeiras inicia-se a etapa da colocação de distâncias mínimas. Essas distâncias estão diretamente ligadas à freqüência de passagem de pessoas. Devido a sua mobilidade, a cadeira não deve ser medida diretamente e sim o espaço em que esta deve estar.

9 Deve-se avaliar a necessidade de passagem de usuários ao redor do mobiliário. O espaço necessário pode ser para a mobilidade da cadeira, para a passagem mesmo com a cadeira afastada, ou ainda nenhuma distância até uma parede.

10 C A D D D DISTÂNCIA MÍNIMA CIRCULAÇÃO D D O espaço mínimo deve conter o mobiliário e os equipamentos de forma otimizada para a sua utilização. Além disso, devem estar dispostos de forma a permitir a circulação adequada do usuário. Observar o uso do desenho em planta como ferramenta de registro do dimensionamento.

11 C A Y X metros x Y metros ÁREA MÍNIMA (m 2 ) X Em seguida, as paredes devem ser desenhadas, a fim de delimitar o espaço interno definido.

12 C A C B B B A B B B Quanto maior a variedade de estudos para um mesmo espaço forem realizados mais certeza da área o arquiteto terá. Observe que no segundo caso a dimensão da mesa foi alterada. Mobiliários com grande importância em um ambiente devem ter suas dimensões avaliadas cuidadosamente pelo arquiteto.

13 AMBIENTE A ÁREA COMUM AMBIENTE B Vale ressaltar, porém, que alguns espaços integrados possuem áreas que são comuns aos dois ambientes. Um exemplo comum na arquitetura convencional é o grupo estarjantar que possui área comum destinadas à circulação dos usuários.

14 50 cm 60 cm 90 cm A largura de uma pessoa em pé é de, aproximadamente, 50 cm, por isso é recomendável o uso de um espaço mínimo de 60 cm para passagem de pessoas. Porém, em um espaço enclausurado, como um corredor (de uma residência, por exemplo), deve ser de 90 cm, no mínimo.

15 O padrão de largura livre das portas são de 60 cm para os banheiros; de 80 cm para acesso principal, acesso de serviço e acesso entre cozinha-estar/cozinha-circulação; e de 70 cm para quartos/cômodos. Deve-se observar a necessidade do distanciamento entre a porta e a parede perpendicular. Este distanciamento é chamado de boneca tem tamanho padrão de 10 cm.

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET0043 - Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 4 : Planta Baixa Planta Baixa: A planta baixa é a

Leia mais

Ergonomia aplicada ao design de interiores SALA

Ergonomia aplicada ao design de interiores SALA Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Ergonomia aplicada ao design de interiores SALA estar A sala, sobretudo a de estar, é em sua natureza um espaço multifuncional: é usada para receber visitas,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA. UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni

DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA. UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA ABRIL 2015 UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni 1 Ambientes: Garagem Estar e Jantar Lavabo Cozinha (copa) Lavanderia Escritório Quartos Banheiros

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: conceito De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio Desenho de Construção Civil 1 Introdução ao Desenho Arquitetônico e de Construção Civil Docente Fabrícia Mitiko

Leia mais

COZINHAS e SALA DE JANTAR. Disciplina: DCCC 2 Docentes: Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica Freitas

COZINHAS e SALA DE JANTAR. Disciplina: DCCC 2 Docentes: Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica Freitas COZINHAS e SALA DE JANTAR Disciplina: DCCC 2 Docentes: Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica Freitas Ambiente Sala de Jantar A peça principal deste ambiente é a mesa, seguida das cadeiras e do aparador. Com

Leia mais

DORMITÓRIOS - SUÍTES ÁREA DE DESCANSO E HIGIENE

DORMITÓRIOS - SUÍTES ÁREA DE DESCANSO E HIGIENE DORMITÓRIOS - SUÍTES ÁREA DE DESCANSO E HIGIENE DORMITÓRIOS Neste ambiente a peça principal é a cama, e a sua colocação irá determinar a distribuição de outros componentes do dormitório. O ideal é colocar

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

Representando Edificações

Representando Edificações Código da Disciplina CCE0985 Aula 7 Representando Edificações e-mail:clelia.monasterio@estacio.br http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Escalas: NBR - 8196 Escala Numérica: é a relação que existe entre

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Setembro - 2013 1 Acessibilidade a Edificações 1.1 Introdução A norma brasileira

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE ELEVADORES E S DE ACESSIBILIDADE Arquitetos e profissionais da construção civil tendem a começar suas pesquisas sobre acessibilidade buscando informações na 9050 ABNT NBR 9050:2015 Acessibilidade a edificações,

Leia mais

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Dá para começar a fazer um projeto? Quantas escadas serão necessárias? Mas, existem vários tipos de escadas: a) Escada comum (não enclausurada) b) Escada enclausurada

Leia mais

ARQUITETURA. Permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial.

ARQUITETURA. Permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial. ARQUITETURA Francisco José d Almeida Diogo Professor da Seção de Engenharia de Fortificação e Construção Instituto Militar de Engenharia IME Praça General Tibúrcio, 80 - Praia Vermelha CEP. 22290-270 Tel:

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 02. Aula 03

NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 02. Aula 03 NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 02 Aula 03 NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 02 Aula 03 09. Escala Atenção: O material está disponível apenas para este curso. É proibida cópia total ou parcial,

Leia mais

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA

CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA CARAVANA DA INCLUSÃO, ACESSIBILIDADE E CIDADANIA GUIA DE ACESSIBILIDADE EM LOCAIS DOS EVENTOS UVESP União de Vereadores do Estado de São Paulo Luiz Baggio Neto Este guia prático de Acessibilidade foi preparado

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio DORMITÓRIOS - SUÍTES QUARTO + BANHEIRO ÁREA DE DESCANSO E HIGIENE Docente: Fabrícia Mitiko Ikuta Verônica de Freitas

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA. UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni

DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA. UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA ABRIL 2015 UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni 1 RESUMO/CONTEXTO: Material apresentado na disciplina de Desenho Arquitetônico II do Curso de

Leia mais

ATELIÊ DE PROJETO I CCE0004

ATELIÊ DE PROJETO I CCE0004 ATELIÊ DE PROJETO I CCE0004 Prof. Aline Cancela anc.estacio@gmail.com A.01 APRESENTAÇÃO EMENTA Introdução à arquitetura: projeto e pesquisa; Conceitos fundamentais do projeto arquitetônico; Elaboração

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 1 Objetivo ( NBR 9050 ) 1.1 Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto,

Leia mais

As regras completas para o dimensionamento dos elementos de circulação são encontradas na IT- 11/2014.

As regras completas para o dimensionamento dos elementos de circulação são encontradas na IT- 11/2014. Saídas de Emergência Algumas pessoas acreditam que prover uma edificação de saídas de emergência consiste em implantar portas e saídas especiais. Eventualmente portas suplementares necessitam ser implantadas,

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes: Em todo e qualquer projeto arquitetônico,

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO

DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO CIRCULAÇÃO VERTICAL A circulação vertical tem função de vencer os desníveis, possibilitando o livre acesso e circulação entre estes. ESCADAS

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08 Curso Técnico Segurança do Trabalho Normas Regulamentadoras Normas Regulamentadoras Módulo 6 NR 08 Norma Regulamentadoras 8 (Edificações) Esta Norma Regulamentadora -NR estabelece requisitos técnicos mínimos

Leia mais

CONVENÇÕES DE PROJETO E DESENHO ARQUITETÔNICO

CONVENÇÕES DE PROJETO E DESENHO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO PARA ENGENHARIA CIVIL CONVENÇÕES DE PROJETO E DESENHO ARQUITETÔNICO UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ 2016/02 PLANTA A planta de edificação é uma representação plana de edificação gerada

Leia mais

DETALHAMENTO DE MATERIAIS PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO AO ALUNO UNINCOR UNIVERSIDADE VALE DO RIO VERDE TRES CORAÇÕES / MG

DETALHAMENTO DE MATERIAIS PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO AO ALUNO UNINCOR UNIVERSIDADE VALE DO RIO VERDE TRES CORAÇÕES / MG DETALHAMENTO DE MATERIAIS PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO AO ALUNO UNINCOR UNIVERSIDADE VALE DO RIO VERDE TRES CORAÇÕES / MG Angélica Ferreira Silva Barbosa Arquitetura e Urbanismo OBJETIVO

Leia mais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais... todas as pessoas têm uma necessidade especial, alguma coisa que sintam dificuldade em fazer... Acessibilidade Utilização, com segurança e

Leia mais

CEUNSP_ Curso: ARQUITETURA E URBANISMO

CEUNSP_ Curso: ARQUITETURA E URBANISMO CEUNSP_ Curso: ARQUITETURA E URBANISMO Disciplina CONFORTO AMBIENTAL I _ Prof. Arq. Elizabeth Correia Aula 4 _ POSTO DE TRABALHO. Salto, 08/03/2017. O critério estabelecido para o enfoque ergonômico no

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR SISTEMAS ELÉTRICOS

ESTUDO PRELIMINAR SISTEMAS ELÉTRICOS ESTUDO PRELIMINAR SISTEMAS ELÉTRICOS OBRA : ECO INDEPENDÊNCIA LOCAL : Rua Souza Coutinho CONSTRUÇÃO : Fortenge Construções Empreendimentos Ltda REVISÃO : ØØ 06/10/2005 EMISSÃO INCIAL Eco Independência

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS. MÓDULO 01 Leitura e Interpretação de Projetos. Módulo 01 Leitura e Interpretação de Projetos

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS. MÓDULO 01 Leitura e Interpretação de Projetos. Módulo 01 Leitura e Interpretação de Projetos 1 CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS MÓDULO 01 Leitura e Interpretação de Projetos CURSO COMPaLETO DE PROJETO DE MÓVEIS 2 MÓDULO 01 Aula 03 Assuntos a serem abordados 09. Escala Atenção: O material está

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

Por José Luís Carneiro

Por José Luís Carneiro Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 1 Introdução O espaço físico organizacional influi no trabalho desenvolvido

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 2.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 2. Código da Disciplina CCE0047 AULA 2 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ CURIOSIDADES DA GEOMETRIA: Subdivisão do retângulo ÁUREO em quadrados e em outros retângulos áureos: Subdivisão do retângulo HARMÔNICO

Leia mais

Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges INTRODUÇÃO O projeto arquitetônico é conjunto de passos normativos,

Leia mais

Partido arquitetônico Método de projetação

Partido arquitetônico Método de projetação Conceito geral PLANEJAMENTO ARQUITETÔNICO Projetar idealizar algo a ser feito Projeto Documento demonstrativo deste algo. Conceito (ótica da arquitetura) Projetar idealizar o edifício a ser construído

Leia mais

Materiais necessários

Materiais necessários Aula 3 -Escalas PROJETO ELÉTRICO Materiais necessários 1- Escalímetro com as escalas 1:125, 1:100, 1:75, 1:50, 1:25 e 1:20 2- Papel sulfite A4 3- Trena de no mínimo 3m 4- Software CAD alguns softwares

Leia mais

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos PROJETOS ARQUITETÔNICOS

Leia mais

PROGRAMA DE NECESSIDADES

PROGRAMA DE NECESSIDADES Área Total - Presidência Espera / Secretaria Sala da presidência Acesso ao setor 1 posto de trabalho; estar Presidência para 6 O ambiente de 1 mesa de trabalho, 1 reuniões deverá ser mesa de reunião para

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos

Leia mais

ANÁLISE ERGONOMIA DAS SALAS DE AULA TEORIA E PRÁTICA MUSICAL DE UMA ESCOLA DE MÚSICA

ANÁLISE ERGONOMIA DAS SALAS DE AULA TEORIA E PRÁTICA MUSICAL DE UMA ESCOLA DE MÚSICA ANÁLISE ERGONOMIA DAS SALAS DE AULA TEORIA E PRÁTICA MUSICAL DE UMA ESCOLA DE MÚSICA Maria Clara M. ROQUE IFPB, email: clara_roque@hotmail.com RESUMO Para que se possa desenvolver qualquer tipo de atividade

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 09: ESPAÇO E ORGANIZAÇÃO. PROJETANDO OS ESPAÇOS Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, podem-se usar as dimensões de

Leia mais

ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA

ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA DEPARTAMENTO DE TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA - THA DISCIPLINA ARQ&URB NO BRASIL CONTEMPORÂNEO PROFª DRª. ANA PAULA GURGEL ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA 1. Programa de necessidades Não

Leia mais

CIRCULAÇÃO VERTICAL. Escadas e Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

CIRCULAÇÃO VERTICAL. Escadas e Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas CIRCULAÇÃO VERTICAL Escadas e Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas CIRCULAÇÃO VERTICAL - ORIGENS A concentração de construções nas grandes cidades criou a exigência de um aproveitamento cada

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

Dicas para projeto de cozinhas e áreas Gourmet

Dicas para projeto de cozinhas e áreas Gourmet Dicas para projeto de cozinhas e áreas Gourmet Dicas para projeto de cozinhas e áreas Gourmet1 Circulação e altura dos móveis e bancadas de cozinha Para que a cozinha tenha as circulações adequadas para

Leia mais

Todo mundo sonha em ter uma casa. Elegante e moderno com apenas 65 m 2

Todo mundo sonha em ter uma casa. Elegante e moderno com apenas 65 m 2 MORAR visite o decorado Elegante e moderno com apenas 65 m 2 Para um projeto charmoso, quadros foram expostos, a iluminação é diferenciada e toques de cor se espalham pelo apê texto NATÁLIA SÁ fotos Bruno

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico DESENHO ARQUITETÔNICO I O Projeto Arquitetônico O que é um projeto arquitetônico? É uma representação em um plano das projeções de uma edificação. Possui três fases: 1. Fase preliminar - Estudo da viabilidade

Leia mais

AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS. Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77

AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS. Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77 AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77 ESCADA Referência desenho: Material didático - aula escada. Autor desconhecido. Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO

Leia mais

AULA 3. (Continuação) Parte II EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

AULA 3. (Continuação) Parte II EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AULA 3 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA URBANISMO_ 2015 EDI 64 ARQUITETURA E U (Continuação) Parte II Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille ESQUADRIAS/ABERTURAS PORTAS Representar a(s) folha(s) da esquadria procurando

Leia mais

Projeto Arquitetônico Conceitos e elementos. Curso técnico em Eletroeletrônica

Projeto Arquitetônico Conceitos e elementos. Curso técnico em Eletroeletrônica Projeto Arquitetônico Conceitos e elementos Curso técnico em Eletroeletrônica PROJETO LEGAL PROJETO LEGAL É aquele dirigido à aprovação junto aos órgãos competentes: Projeto arquitetônico na Prefeitura

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA - PROJETO ARQUITETÔNICO

DESENHO DE ARQUITETURA - PROJETO ARQUITETÔNICO DESENHO DE ARQUITETURA - PROJETO ARQUITETÔNICO O projeto arquitetônico faz parte do conjunto de estudos, desenhos e especificações que definem uma edificação. Além da parte de arquitetura, a edificação

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E Ensino Fundamental Ciências da Natureza I Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Porcentagem H15 H8 2 Subtração e divisão com números decimais 3 Multiplicação e adição

Leia mais

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO.

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. 1. Levantamento de Informações 1.1.Projeto de arquitetura A escolha do projeto residencial 1.2. Lay out ocupação e uso do espaço Informações

Leia mais

CIV Sistemas Estruturais na Arquitetura III. Desenvolvimento de um projeto simples em Concreto Armado

CIV Sistemas Estruturais na Arquitetura III. Desenvolvimento de um projeto simples em Concreto Armado CIV 1113 - Sistemas Estruturais na Arquitetura III Desenvolvimento de um projeto simples em Concreto Armado A idéia deste curso é que se possa desenvolver, em seus passos básicos, um projeto estrutural

Leia mais

Desenho Técnico. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Desenho Técnico. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 A elaboração de esboços, além favorecer a análise gráfica das projeções ortogonais, ajuda a desenvolver o sentido de proporcionalidade. Os materiais necessários para

Leia mais

DESENHO TÉCNICO ESCALA

DESENHO TÉCNICO ESCALA DESENHO TÉCNICO ESCALA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos ESCALA ABNT - NBR 8196 Desenho Técnico - Emprego

Leia mais

FURNITURE Solution _ SILVER

FURNITURE Solution _ SILVER Graças ao configurador gráfico 3D, a solução GIOTTO MobilCAD Furniture Solution SILVER permite projetar de maneira paramétrica qualquer tipo de móvel e de elemento de decoração, em complemento aos componentes

Leia mais

AULA 4. Antropometria Medição - Modelos

AULA 4. Antropometria Medição - Modelos Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: ERGONOMIA E ANTROPOMETRIA 09.03.2015 AULA 4 Antropometria Medição - Modelos Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro claudete.callegaro@ibirapuera.edu.br

Leia mais

Tamanho de papel 3 Desenh en o h t écni n co Projeto el étrico

Tamanho de papel 3 Desenh en o h t écni n co Projeto el étrico Aula 3 Escalas e cotas 1 Escalas e cotas Considerações Iniciais Todo mapa/carta/planta é uma representação esquemática da realidade, dando-se segundo proporções entre o desenho e a medida real 2 Tamanho

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO (40 h)

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO (40 h) ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO (40 h) AULA 01 - APRESENTAÇÃO Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil APRESENTAÇÃO Philipe do Prado Santos

Leia mais

ERGONOMIA APLICADA AO DESIGN DE INTERIORES DORMITÓRIOS E BANHEIROS

ERGONOMIA APLICADA AO DESIGN DE INTERIORES DORMITÓRIOS E BANHEIROS ERGONOMIA APLICADA AO DESIGN DE INTERIORES DORMITÓRIOS E BANHEIROS DORMITÓRIO: Assim como outros ambientes da casa o quarto de dormir passou a ter múltiplas funções/ utilidades, sendo a mais comum a de

Leia mais

ERGONOMIA APLICADA AO DESIGN DE INTERIORES DORMITÓRIOS E BANHEIROS

ERGONOMIA APLICADA AO DESIGN DE INTERIORES DORMITÓRIOS E BANHEIROS ERGONOMIA APLICADA AO DESIGN DE INTERIORES DORMITÓRIOS E BANHEIROS DORMITÓRIO: Assim como outros ambientes da casa o quarto de dormir passou a ter múltiplas funções/ utilidades, sendo a mais comum a de

Leia mais

Prof. Bruno Fernandes. Layout (Arranjo Físico)

Prof. Bruno Fernandes. Layout (Arranjo Físico) Layout (Arranjo Físico) O espaço físico organizacional influi no trabalho desenvolvido pelos indivíduos dentro da empresa; Importa mais o fluxo do trabalho e pessoas que o aspecto visual e de conforto;

Leia mais

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos PROJETOS ARQUITETÔNICOS

Leia mais

O sistema Move Móvel se compõem de peças básicas, caixas e tampos e, miméticas, as torneadas. Da união de ambas revela-se a personalidade do móvel.

O sistema Move Móvel se compõem de peças básicas, caixas e tampos e, miméticas, as torneadas. Da união de ambas revela-se a personalidade do móvel. Apresentamos a você, arquiteto, nosso parceiro nos projetos, o Catálogo de Produtos Move Móvel Criação de Mobiliário. Além dos produtos, você vai conhecer o conceito que criamos e desenvolvemos. É um sistema

Leia mais

Construção Nova CASA para 3 pessoas Caeté - MG

Construção Nova CASA para 3 pessoas Caeté - MG PIII Módulo 2: Cirurgia de Casas Construção Nova CASA para 3 pessoas Caeté - MG PIII Módulo 2: Cirurgia de Casas 1ª ETAPA : Pré-entrevista Construção NOVA - em um local onde já existe um bar de propriedade

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, pode-se usar as dimensões de um

Leia mais

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO PARA ENGENHARIA CIVIL ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ 2016/02 ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO O projeto de uma edificação é desenvolvido em fases,

Leia mais

2. Folha de Desenho Folhas de Desenho Formatos da série A

2. Folha de Desenho Folhas de Desenho Formatos da série A 2. Folha de Desenho O objetivo deste capítulo é o de introduzir as normas: NBR 10068 Folha de desenho Leiaute e dimensões que padroniza as características dimensionais das folhas em branco e pré-impressas

Leia mais

CASA LP. Implantação e Partido Formal. Local: São Paulo Ano: 2012 Escritório: METRO Arquitetos Associados Autoria: Mariana Samurio

CASA LP. Implantação e Partido Formal. Local: São Paulo Ano: 2012 Escritório: METRO Arquitetos Associados Autoria: Mariana Samurio CASA LP Local: São Paulo Ano: 2012 Escritório: METRO Arquitetos Associados Autoria: Mariana Samurio Implantação e Partido Formal A casa LP está localizada na cidade de São Paulo e possui um caráter urbano,

Leia mais

CASA DE RIBERÃO PRETO

CASA DE RIBERÃO PRETO CASA DE RIBERÃO PRETO Local Ribeirão Preto, São Paulo Ano 2000 Escritório SPBR Autoras: Gabriela Costa e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal A Casa de Ribeirão Preto foi projetada pelo escritório

Leia mais

Fig. 2.1 Dimensões de um bloco

Fig. 2.1 Dimensões de um bloco CAPÍTULO 2 PRINCIPAIS ASPECTOS QUANTO À MODULAÇÃO 2.1. Conceitos Básicos Chama-se de bloco, ou unidade, o componente básico da alvenaria. Um bloco será sempre definido por três dimensões principais: comprimento,

Leia mais

Tipo 1: espaços internos livres e área de estar na varanda. Tipo 2: mesa de jantar para 8, escritório e área de estar na varanda.

Tipo 1: espaços internos livres e área de estar na varanda. Tipo 2: mesa de jantar para 8, escritório e área de estar na varanda. IKAROS A idéia proposta pelo grupo alemão é de que este seja um espaço de vivência flexível, tornando possível que o usuário o configure conforme sua necessidade. O espaço foi pensado para ser amplo e

Leia mais

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS Módulo 05 Projeto de Móveis CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS MÓDULO 05 Aula 07 Assuntos a serem abordados: 06. Detalhando um Móvel Atenção: O material está disponível

Leia mais

DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR RENATA MELLO ARQUITETA DA DIVERSIDADE

DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR RENATA MELLO ARQUITETA DA DIVERSIDADE DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR ARQUITETA DA DIVERSIDADE REFLEXÃO USUÁRIOS COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? 1.CONFORTÁVEL??? ELEMENTO: LONGO PERCURSO LAVATÓRIO

Leia mais

LABORATÓRIO DE CLP, REDES INDUSTRIAIS E AUTOMAÇÃO. 1. Descrição Física

LABORATÓRIO DE CLP, REDES INDUSTRIAIS E AUTOMAÇÃO. 1. Descrição Física LABORATÓRIO DE CLP, REDES INDUSTRIAIS E AUTOMAÇÃO 1. Descrição Física O laboratório deve dispor de estrutura mínima de uma área igual ou superior a 50m 2 ; com sala de apoio uma área igual ou superior

Leia mais

Aula 07 Acessibilidade

Aula 07 Acessibilidade Aula 07 Acessibilidade Sumário 1. Introdução 2. Instalações e equipamentos Portas Cozinha Copa / Refeições Sala de estar Banheiro Piso Tátil Elevadores Rampas Cadeiras Elevadoras Plataformas Elevadoras

Leia mais

TQS - SISEs Parte 9 Fundações em bloco sobre uma estaca sem baldrame

TQS - SISEs Parte 9 Fundações em bloco sobre uma estaca sem baldrame Palavras-chave: SISEs, bloco sobre estacas, pórtico espacial. Neste texto será falado um pouco da interação entre pilares, vigas e lajes de uma edificação usual com os elementos estruturais de estabilidade

Leia mais

Interfaces. As matrizes OD estimadas para as horas de ponta da manhã (HPM) e da tarde (HPT) são as seguintes:

Interfaces. As matrizes OD estimadas para as horas de ponta da manhã (HPM) e da tarde (HPT) são as seguintes: Interfaces Exercício Resolvido 2 Uma nova estação de metro será construída junto a um campus universitário. Esta estação terá três níveis, plataforma dos cais, átrio e superfície e fará também interface

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA 1 MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA 1 - Base: 1.1 - Fundação: 1.1.1 - Brocas com diâmetro mínimo de 20 cm em concreto estrutural, executadas manualmente, com profundidade média de até 3,00 m. 1.1.2 -

Leia mais

Estantes para paletização sobre bases móveis

Estantes para paletização sobre bases móveis Estantes para paletização sobre bases móveis ESTANTES PARA PALETIZAÇÃO SOBRE BASES MÓVEIS BASES MÓVEIS Permite um aumento da capacidade do armazém, sem perder o acesso directo a cada palete PALETIZAÇÃO

Leia mais

TIPOS DE DESENHOS E PAPÉIS

TIPOS DE DESENHOS E PAPÉIS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE TIPOS DE DESENHOS E PAPÉIS Professor: João Carmo Quando se pretende construir uma escola, um hospital ou uma casa, surge a necessidade

Leia mais

SUMARIO SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO NORMA NBR PISO TÁTIL PISO TÁTIL DE ALERTA... 02

SUMARIO SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO NORMA NBR PISO TÁTIL PISO TÁTIL DE ALERTA... 02 SUMARIO 1.0.0 SINALIZAÇÃO TÁTIL DE PISO... 02 1.1.1 NORMA NBR 9050... 02 1.2.0 PISO TÁTIL... 02 1.2.1 PISO TÁTIL DE ALERTA... 02 1.2.2 PISO TÁTIL DE DIRECIONAL... 03 1.3.0 COMPOSIÇÃO DOS PISOS TÁTEIS DE

Leia mais

Stand 9m2 FICHA TÉCNICA DE STAND PARA EXPOSIÇÃO DESCRIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DO STAND

Stand 9m2 FICHA TÉCNICA DE STAND PARA EXPOSIÇÃO DESCRIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DO STAND Stand 9m2 [3 x 3] - 2 Frentes branca [(3m largura X 2,5m altura) x 2] - Alcatifa de Stand (3 x 3) de cor cinza Stand 16m2 [4 x 4] - 2 Frentes - Estrutura e Painéis de divisória em termolaminado de cor

Leia mais

SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Decreto 56818/11 e ITs

SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Decreto 56818/11 e ITs SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO Decreto 56818/11 e ITs CLASSIFIQUE A ALTURA Decreto, artigo 3º nº I ; I Altura da Edificação: a. para fins de exigências

Leia mais

Apresentação do trabalho de prédimensionamento

Apresentação do trabalho de prédimensionamento SEGUNDA AVALIAÇÃO 2ª Parte Pré-dimensionamento dos elementos estruturais e Carregamentos Verticais Turmas A01, A02 e A03 25/10/2016 e 28/10/2016 Tuma A04 27/10/2016 e 31/10/2016 Apresentação do trabalho

Leia mais

PDM Lisboa Revisão do PDM HIERARQUIA DA REDE VIÁRIA: Rede. vias arteriais. Rede estruturante (1º nível) Primária ou Fundamental.

PDM Lisboa Revisão do PDM HIERARQUIA DA REDE VIÁRIA: Rede. vias arteriais. Rede estruturante (1º nível) Primária ou Fundamental. HIERARQUIA DA REDE VIÁRIA: PDM Lisboa 1994 Revisão do PDM Rede Primária ou Fundamental vias arteriais vias principais Rede estruturante (1º nível) Rede de Distribuição Principal (2º nível) Rede Secundária

Leia mais

Conforto Ambiental I: Ergonomia e Antropometria

Conforto Ambiental I: Ergonomia e Antropometria Conforto Ambiental I: Ergonomia e Antropometria Profª Claudete Gebara J. Callegaro Mestranda em Arquitetura e Urbanismo claucallegaro@gmail.com 1º semestre de 2013 Universidade Ibirapuera Arquitetura e

Leia mais

Ambientes. Acessibilidade ao edifício

Ambientes. Acessibilidade ao edifício Acessibilidade ao edifício PROGRAMA ARQUITETÔNICO MÓDULO BÁSICO DATA Ciclo I - Ciclo II - Ensino Médio M1 - M2 - M3 - M4 - M5 - M6 Outubro/ 2008 Ambientes DIRETRIZES DE PROJETO Os aspectos de acessibilidade

Leia mais

DESENHO TÉCNICO ESCALA

DESENHO TÉCNICO ESCALA DESENHO TÉCNICO ESCALA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos ESCALA ABNT - NBR 8196 Desenho Técnico - Emprego

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA SELEÇÃO DE ESTÁGIO_2017

QUESTIONÁRIO PARA SELEÇÃO DE ESTÁGIO_2017 NOME:GABARITO QUESTIONÁRIO PARA SELEÇÃO DE ESTÁGIO_2017 INST. ENSINO: DATA: 01. Com relação ao AutoCAD, assinale a alternativa que apresenta a função correspondente ao ícone da imagem abaixo em português

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio Dormitórios Neste ambiente a peça principal é a cama, e a sua colocação irá determinar a distribuição de outros

Leia mais