ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA"

Transcrição

1 DEPARTAMENTO DE TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA - THA DISCIPLINA ARQ&URB NO BRASIL CONTEMPORÂNEO PROFª DRª. ANA PAULA GURGEL ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA

2

3 1. Programa de necessidades Não há espaço arquitetônico sem algo que ali tenha lugar: não há espaço sem conteúdo. A maioria dos arquitetos começam com um programa, isto é, uma lista de requerimentos do usuário que descreve o propósito do edifício (Bernard Tschumi)

4 1. Programa de necessidades Para Silva (1984) o programa arquitetônico pode ser entendido como a decomposição de uma necessidade determinante no conjunto mais ou menos definido e explícitos de todos os requisitos e sub-requisitos que a integram

5 1 Programa de necessidades 3. os programas arquitetônicos modificam-se no tempo segundo as novas necessidades criadas pelo homem ARQ & URB BRASIL CONTEMPORÂNEO - PROF.DRª ANA PAULA GURGEL - ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA

6 2. Setorização funcional Como elaborar o programa? DEFINIÇÃO DE SETORES processo de setorização funcional: da escala da casa à da cidade, e mesmo do território, os estabelecimentos e os espaços que os compõe são agrupados segundo as funções ou usos e atividades aos quais se destinam

7 4. Organograma e Fluxograma FLUXOGRAMA ORGANOGRAMA O organograma deve relacionar os setores em grandes blocos de função. Listagem dos ambientes

8 4. Organograma e Fluxograma ARQ & URB BRASIL CONTEMPORÂNEO - PROF.DRª ANA PAULA GURGEL - ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA

9 4. Organograma e Fluxograma O fluxograma pode ser entendido como uma representação esquemática de um processo, muitas vezes feito através de gráficos que ilustram de forma descomplicada o acesso e o trânsito possíveis entre os diversos compartimentos de uma edificação. Ele pode ser feito a partir da planta ou ser concebido a partir de uma abstração projetual. Nele são destacadas as circulações. Quando produzido a cores, o fluxograma também poderá evidenciar a setorização.

10 3. Programa de necessidades FUNCIONOGRAMA DE UMA CASA SOCIAL SERVIÇO INTIMO

11 4. Organograma e Fluxograma ARQ & URB BRASIL CONTEMPORÂNEO - PROF.DRª ANA PAULA GURGEL - ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA

12 3. Programa de necessidades ARQ & URB BRASIL CONTEMPORÂNEO - PROF.DRª ANA PAULA GURGEL - ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA

13 4. Organograma e Fluxograma 1. Os diagramas podem, por exemplo, contribuir na organização do pensamento do arquiteto a respeito das relações funcionais de um projeto. Neles, há total liberdade estética. No entanto, devem ser comunicativos. Sempre que necessário, utilize legendas! 2. é importante lembrar que os diagramas não representam, nem são, planta baixa!!! 3. um Fluxograma, por exemplo, apenas contribui para a organização do pensamento do arquiteto, ou seja, pode mudar ao longo do projeto!

14

15 Exercícios FAZER UM FLUXOGRAMA: 1. Definir os unidades funcionais ou cômodos 2. Definir as relações de acessibilidade entre eles (entradas, corredores, portas) 3. Representar essas informações graficamente de maneira abstrata: os componentes identificados no item 1 são retângulos e os componentes identificados no item 2 serão linhas

16 Exercícios SALA JANTAR SALA ESTAR VARANDA QUARTO 01 QUARTO 02 COZINHA A. SERVIÇO BWC 01 BWC 02

17 Exercícios SETOR SOCIAL SETOR SERVIÇO SETOR ÍNTIMO SETOR SERVIÇO

18 Exercícios Setor social SALA JANTAR COZINHA SALA ESTAR VARANDA A. SERVIÇO Setor serviço Setor íntimo QUARTO 01 QUARTO 02 BWC 02 BWC 01

19

20 Reflexões ARQ & URB BRASIL CONTEMPORÂNEO - PROF.DRª ANA PAULA GURGEL - ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA

21 Reflexões 4 5 GRAFOS JUSTIFICADOS (JUSTIFIED GRAPHS) Os esquemas gráficos de limites não são muito mais informativos do que os desenhos das plantas dos edifícios. A técnica útil para clarificação visual da sua estrutura: o grafo justificado. Normalmente é feito diretamente, muitas vezes nem sequer passando pela versão não justificada seleciona-se a raiz do gráfico, e alinha-se todos os espaços diretamente ligados, um nível acima, garantindo que todas as ligações estão certas e mantendo o gráfico o mais raso possível Continua-se a alinhar o conjunto de divisões do próximo nível de profundidade, até se ter desenhado todas as ligações e espaços do gráfico de permeabilidade original 1 (FERREIRA, s/d)

22 Reflexões GRAFOS JUSTIFICADOS (JUSTIFIED GRAPHS) É muitas vezes desenhado a partir do espaço exterior. Como é tão intuitivo desenhá-lo desta forma, há uma tendência a esquecer de que não é a única raiz possível. (FERREIRA, s/d)

23 Reflexões GRAFOS JUSTIFICADOS (JUSTIFIED GRAPHS) Se desenhar o gráfico justificado a partir de raízes diferentes, verá que a forma do gráfico altera. Isto acontece porque os espaços são normalmente, relacionados de forma diferente dentro da configuração geral.

24 Reflexões ARQ & URB BRASIL CONTEMPORÂNEO - PROF.DRª ANA PAULA GURGEL - ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA

25 Reflexões ARQ & URB BRASIL CONTEMPORÂNEO - PROF.DRª ANA PAULA GURGEL - ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA

26 Reflexões

27 Reflexões ALDRIGUE, Maryá de Sousa. Aparências da forma e forma do espaço: análise da configuração espacial de residências unifamiliares dos anos 1970 em João Pessoa-PB f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.

28 Reflexões Justified permeability graphs (gamma analysis method) of mosque layouts (six case studies/categories).

29 Reflexões ARQ & URB BRASIL CONTEMPORÂNEO - PROF.DRª ANA PAULA GURGEL - ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS NA ARQUITETURA

Mapas Axiais, Espaços Convexos e Isovistas

Mapas Axiais, Espaços Convexos e Isovistas 1 Faculdade de Arquitectura da UTL Mapas Axiais, Espaços Convexos e Isovistas A Teoria da Sintaxe Espacial e o Uso de Aplicações Informáticas Victor Manuel Mota Ferreira Assistente - victor@fa.utl.pt 2

Leia mais

Metodologia de Elaboração de Projeto Arquitetônico

Metodologia de Elaboração de Projeto Arquitetônico Metodologia de Elaboração de Projeto Arquitetônico O processo de projetar na Arquitetura É representado por uma progressão, que parte de um ponto inicial O PROBLEMA e evolui em direção a uma proposta A

Leia mais

Workshop SINTAXE ESPACIAL NA SIMULAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E URBANISMO. Prof. Me. Alexandre Castro Setembro/ 2017

Workshop SINTAXE ESPACIAL NA SIMULAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E URBANISMO. Prof. Me. Alexandre Castro Setembro/ 2017 Workshop SINTAXE ESPACIAL NA SIMULAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Me. Alexandre Castro Setembro/ 2017 SINTAXE SPACIAL: CONCEITOS Método que analisa a eficiência da configuração espacial

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO / FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA ARQUITETURA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO / FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA ARQUITETURA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO / FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA ARQUITETURA AUT. 0583 ELEMENTOS COMPLEMENTARES AO PROJETO GRÁFICO DO EDIFÍCIO Prof. Dr. Khaled Ghoubar / Profa.

Leia mais

CASA DE RIBERÃO PRETO

CASA DE RIBERÃO PRETO CASA DE RIBERÃO PRETO Local Ribeirão Preto, São Paulo Ano 2000 Escritório SPBR Implantação e Partido Formal A Casa de Ribeirão Preto é uma residência de uso regulas unifamiliar, projetada pelo escritório

Leia mais

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO Existe uma bibliografia completa com dimensões médias das necessidades humanas. Um dos autores mais importantes é Ernst Neufert, que fez um estudo detalhado sobre estas dimensões

Leia mais

Figura 1: Implantação da Casa das Pérgolas Deslizantes FGMF Fonte: Revista Monolito, 21ª edição, ano 2014

Figura 1: Implantação da Casa das Pérgolas Deslizantes FGMF Fonte: Revista Monolito, 21ª edição, ano 2014 CASA DAS PÉRGOLAS DESLIZANTES Local Bauru Ano 2012-14 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e Partido Formal A casa das Pérgolas Deslizantes é uma residência unifamiliar

Leia mais

CASA LP. Implantação e Partido Formal. Local: São Paulo Ano: 2012 Escritório: METRO Arquitetos Associados Autoria: Mariana Samurio

CASA LP. Implantação e Partido Formal. Local: São Paulo Ano: 2012 Escritório: METRO Arquitetos Associados Autoria: Mariana Samurio CASA LP Local: São Paulo Ano: 2012 Escritório: METRO Arquitetos Associados Autoria: Mariana Samurio Implantação e Partido Formal A casa LP está localizada na cidade de São Paulo e possui um caráter urbano,

Leia mais

Implantação e Partido Formal

Implantação e Partido Formal RESIDÊNCIA AR Local Barueri, SP Ano 2002 Escritório Arquitetos Associados Autores Célia Gonsales e Gerônimo Genovese Dornelles Implantação e Partido Formal A Residência AR é uma edificação unifamiliar

Leia mais

PLANTA BAIXA E ELEVAÇÕES

PLANTA BAIXA E ELEVAÇÕES https://freestocktextures.com/texture/abstract-architectural-geometric-facade,940.html DESENHOS COMPONENTES PROJETO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA E ELEVAÇÕES Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Faculdade

Leia mais

CASA NB Local: Nova Lima, Minas Gerais Ano: 2007 Escritório Arquitetos Associados Autoras: Ana Elísia da Costa e Beatriz Dornelles Bastos

CASA NB Local: Nova Lima, Minas Gerais Ano: 2007 Escritório Arquitetos Associados Autoras: Ana Elísia da Costa e Beatriz Dornelles Bastos CASA NB Local: Nova Lima, Minas Gerais Ano: 2007 Escritório Arquitetos Associados Autoras: Ana Elísia da Costa e Beatriz Dornelles Bastos Implantação e Partido Formal A Casa NB é uma residência unifamiliar

Leia mais

AULA 3 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA. (Continuação) Parte II. Prof. João Santos

AULA 3 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA. (Continuação) Parte II. Prof. João Santos AULA 3 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA (Continuação) Parte II Prof. João Santos ESQUADRIAS/ABERTURAS PORTAS Representar a(s) folha(s) da esquadria procurando especificar o movimento da(s) folha(s) e o espaço ocupado.

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Atividade Curricular Créditos T E P EAD Estrutura Tipo pré-requisito Pré-requisito 2 DISCIPLINA OBRIGATÓRIA

CURRÍCULO DO CURSO. Atividade Curricular Créditos T E P EAD Estrutura Tipo pré-requisito Pré-requisito 2 DISCIPLINA OBRIGATÓRIA 1º Semestre 0120110 - TEORIA E HISTÓRIA I - ARQ. E URB. NA CONTEMPORANEIDADE 012014 - PROJETO DE ARQUITETURA I 12 2 10 012020 - EXTENSÃO, UNIVERSIDADE E SOCIEDADE 2 2 012020 - GEOMETRIA GRÁFICA E DIGITAL

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO PUC RIO. Sup. Prof. Alder Catunda

DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO PUC RIO. Sup. Prof. Alder Catunda DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO PUC RIO Sup. Prof. Alder Catunda TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 2016.2 PROPOSTA DE TRABALHO FINAL ARQ 1109 Antes de mais nada quero dizer-lhes que a arquitetura

Leia mais

AULA 3. (Continuação) Parte II EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

AULA 3. (Continuação) Parte II EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AULA 3 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA URBANISMO_ 2015 EDI 64 ARQUITETURA E U (Continuação) Parte II Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille ESQUADRIAS/ABERTURAS PORTAS Representar a(s) folha(s) da esquadria procurando

Leia mais

Trabalho Final de Graduação

Trabalho Final de Graduação Trabalho Final de Graduação : Casa de longa permanência em Paracatu- MG Acadêmica: Eliana Cruvinel de Melo Franco Fonseca Armada Orientador : Prof. M. Alexandro de Almeida Pereira Área de Concentração

Leia mais

Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1. G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra

Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1. G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1 G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra Introdução A partir da análise do Edifício E1, entende-se que é papel do

Leia mais

CASA NO PEIXE GORDO ANÁLISE: CASA NO PEIXE GORDO. Implantação e Partido Formal

CASA NO PEIXE GORDO ANÁLISE: CASA NO PEIXE GORDO. Implantação e Partido Formal CASA NO PEIXE GORDO Local: Peixe Gordo - CE Ano: 2012 Escritório Arquitetos Associados Autoras: Juliana Colombo e Ana Elísia da Costa ANÁLISE: CASA NO PEIXE GORDO Implantação e Partido Formal Localizada

Leia mais

CASA BIOVILLA PATIO. (b) (c)

CASA BIOVILLA PATIO. (b) (c) CASA BIOVILLA PATIO Local: Jaboticatubas - MG Ano: 2012 Escritório Arquitetos Associados Autoras: Brenda Wolffenbüttel e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal A Biovilla Patio é uma residência

Leia mais

FUNDAMENTOS DO DESENHO TÉCNICO NORMAS E CONVENÇÕES

FUNDAMENTOS DO DESENHO TÉCNICO NORMAS E CONVENÇÕES FUNDAMENTOS DO DESENHO TÉCNICO NORMAS E CONVENÇÕES 1. INTRODUÇÃO Importância: Para o projetista ou Engenheiro a arte de representar um objeto ou fazer sua leitura através do Desenho Técnico é muito importante,

Leia mais

CASA DE RIBERÃO PRETO

CASA DE RIBERÃO PRETO CASA DE RIBERÃO PRETO Local Ribeirão Preto, São Paulo Ano 2000 Escritório SPBR Autoras: Gabriela Costa e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal A Casa de Ribeirão Preto foi projetada pelo escritório

Leia mais

Figura 1: Implantação da casa no Derby O Norte Oficina de criação. Fonte: Jéssica Lucena, 2015.

Figura 1: Implantação da casa no Derby O Norte Oficina de criação. Fonte: Jéssica Lucena, 2015. CASA NO DERBY Local Recife - PE Ano 2007-08 Escritório O Norte Oficina de Criação Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e Partido Formal A Casa no Derby é uma residência unifamiliar de uso

Leia mais

Implantação e Partido Formal

Implantação e Partido Formal RESIDÊNCIA LF Local Nova Lima, MG Ano 2006 Escritório Arquitetos Associados Autores Célia Gonsales e Gerônimo Genovese Dornelles Implantação e Partido Formal A Residência LF é um projeto unifamiliar e

Leia mais

Partido arquitetônico Método de projetação

Partido arquitetônico Método de projetação Conceito geral PLANEJAMENTO ARQUITETÔNICO Projetar idealizar algo a ser feito Projeto Documento demonstrativo deste algo. Conceito (ótica da arquitetura) Projetar idealizar o edifício a ser construído

Leia mais

RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL

RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL DUNA: RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN Centro de Tecnologia CT Curso de Arquitetura e Urbanismo CAU Trabalho Final

Leia mais

CALENDÁRIO DE PROVAS PSO CURSO: ARQUITETURA NOTURNO: TURMAS / 82123

CALENDÁRIO DE PROVAS PSO CURSO: ARQUITETURA NOTURNO: TURMAS / 82123 CALENDÁRIO DE PROVAS PSO NOTURNO: TURMAS 82113 / 82123 SALA: E INFERIOR 31 16/06/2016 QUI INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO URBANO 16/06/2016 QUI TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA I 16/06/2016 QUI ESTÉTICA E TEORIA

Leia mais

EVOLUÇÃO SOCIAL E TRANSFORMAÇÃO DO ESPAÇO DOMÉSTICO NO BAIRRO SOCIAL DO ARCO DO CEGO EM LISBOA

EVOLUÇÃO SOCIAL E TRANSFORMAÇÃO DO ESPAÇO DOMÉSTICO NO BAIRRO SOCIAL DO ARCO DO CEGO EM LISBOA EVOLUÇÃO SOCIAL E TRANSFORMAÇÃO DO ESPAÇO DOMÉSTICO NO BAIRRO SOCIAL DO ARCO DO CEGO EM LISBOA UM ESTUDO DE UM QUARTEIRÃO DE HABITAÇÕES UNIFAMILIARES REABILITADAS INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. ARQUITECTURA.

Leia mais

1 - PROJEÇÕES ORTOGONAIS

1 - PROJEÇÕES ORTOGONAIS 1 - PROJEÇÕES ORTOGONAIS PROJEÇÕES ORTOGONAIS PROJEÇÕES ORTOGONAIS PROJEÇÕES ORTOGONAIS PROJEÇÕES ORTOGONAIS Exercício resolvido: Desenhar as 6 vistas da peça. PROJEÇÕES ORTOGONAIS Resposta: PROJEÇÕES

Leia mais

Prof. Arq. Altamir Fonseca

Prof. Arq. Altamir Fonseca Prof. Arq. Altamir Fonseca Introdução O que é um Projeto Arquitetônico? conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um edifício qualquer, regulamentado por um conjunto de normas

Leia mais

RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica

RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica Processo Seletivo UEG 2018/1 Sistema de Avaliação Seriado SAS/UEG 2015/3 Processo Seletivo Especial 2018 Domingo, 29 de outubro de 2017. RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Edifício São Marcos REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA

Edifício São Marcos REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA A cidade de João Pessoa, na Paraíba, possui bastantes obras modernas importantes e interessantes, mas que não foram levantadas devidamente, para fins acadêmicos.

Leia mais

OBJETIVOS. Geral Garantir ao aluno conhecimentos básicos sobre a utilização de softwares para auxiliar o desenvolvimento de projetos arquitetônicos.

OBJETIVOS. Geral Garantir ao aluno conhecimentos básicos sobre a utilização de softwares para auxiliar o desenvolvimento de projetos arquitetônicos. 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA - CAMPUS CATOLÉ DO ROCHA CURSO TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES (INTEGRADO) DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: DESENHO AUXILIADO POR COMPUTADOR

Leia mais

4. PISO E CONTRAPISO. 4.1 Contrapiso

4. PISO E CONTRAPISO. 4.1 Contrapiso 4. PISO E CONTRAPISO 4.1 Contrapiso O piso acabado é executado sobre um contrapiso, e esse sobre o terreno compactado. Caso, no lugar do contrapiso houvesse uma laje, as paredes superiores teriam sido

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS ATIVIDADES RECURSOS. Breve história da representação da perspetiva.

OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS ATIVIDADES RECURSOS. Breve história da representação da perspetiva. 1º.Período T9 TÉCNICA 9ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL EDUCAÇÃO VISUAL 2016/2017 Compreender diferentes tipos de projeção - Compreender a evolução histórica dos elementos de construção e representação da perspetiva.

Leia mais

CEUNSP - FEA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DESENHO ARQUITETÔNICO _ AULA 3 TURMAS 82111_82113 _ 82123

CEUNSP - FEA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DESENHO ARQUITETÔNICO _ AULA 3 TURMAS 82111_82113 _ 82123 CEUNSP - FEA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DESENHO ARQUITETÔNICO _ AULA 3 TURMAS 82111_82113 _ 82123 Professores Sumara Querino Elizabeth Correia Roberto D ALessandro Eduardo Balceiro ESCALA ESCALA

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO TRILHAS ARTICULADAS À AGILIDADE DAS MUDANÇAS GLOBAIS. O curso de Arquitetura e Urbanismo da maior universidade privada do Estado entra nessa linha de transformações do

Leia mais

DESENHOS COMPONENTES DO PROJETO DE ARQUITETURA FACHADAS

DESENHOS COMPONENTES DO PROJETO DE ARQUITETURA FACHADAS https://freestocktextures.com/texture/abstract-architectural-geometric-facade,940.html DESENHOS COMPONENTES DO PROJETO DE ARQUITETURA FACHADAS Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Faculdade de Arquitetura

Leia mais

PROJETO DE ARQUITETURA

PROJETO DE ARQUITETURA PROJETO DE ARQUITETURA 7 2017.2 DISCIPLINA: PROJETO 7 Projeto em Áreas Pré-existentes (cód. ARQ 1027) turno noturno Prof. Ruy Rocha _ turma C01 Prof. Lucas Jordano _ turma C02 Prof.ª Maria Eliana Jubé

Leia mais

NATAL, DEZEMBRO DE 2015.

NATAL, DEZEMBRO DE 2015. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO ORIENTADORA: PROFESSORA DRA.LUCIANA MEDEIROS GRADUANDO: PAULO RANIERY COSTA DA SILVA INTRODUÇÃO

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA ESSENCIALMENTE RETANGULAR E DELGADO.

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA ESSENCIALMENTE RETANGULAR E DELGADO. FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA RUA ALEMANHA

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes - NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência

Leia mais

Desenho de Esquemas Eletrónicos com Simbologia de Componentes

Desenho de Esquemas Eletrónicos com Simbologia de Componentes Instituto Superior de Transportes e Comunicações Desenho Esquemático Desenho de Esquemas Eletrónicos com Simbologia de Componentes Turmas: I13 e I14 DOCENTE: Emírcio Vieira Introdução (1/2) São considerados

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DAS FONTAINHAS

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DAS FONTAINHAS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DAS FONTAINHAS (NO ÂMBITO DO PROCEDIMENTO DE ALTERAÇÃO DETERMINADO POR DELIBERAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

CORTES DESENHOS COMPONENTES DO PROJETO DE ARQUITETURA.

CORTES DESENHOS COMPONENTES DO PROJETO DE ARQUITETURA. https://freestocktextures.com/texture/abstract-architectural-geometric-facade,940.html DESENHOS COMPONENTES DO PROJETO DE ARQUITETURA CORTES Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Faculdade de Arquitetura

Leia mais

Câmpus de Bauru. Plano de Ensino. Disciplina A - Laboratório de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo II: Composição e Forma

Câmpus de Bauru. Plano de Ensino. Disciplina A - Laboratório de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo II: Composição e Forma Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina 0003709A - Laboratório de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo II: Composição e Forma Docente(s) Norma Regina Truppel Constantino, Silvana Aparecida Alves,

Leia mais

DESENHO BÁSICO AULA 01. Desenho Técnico. Desenho. História do Desenho Técnico. Desenho Artístico Desenho Técnico

DESENHO BÁSICO AULA 01. Desenho Técnico. Desenho. História do Desenho Técnico. Desenho Artístico Desenho Técnico desenho de planta-baixa DESENHO BÁSICO AULA 01 Introdução ao Desenho Técnico Desenho Desenho Artístico Desenho Técnico Desenho Técnico Ramos do Desenho Técnico Mecânico Desenho Não-Projetivo: peças máquinas

Leia mais

RESIDENCIA KS. Implantação e Partido formal

RESIDENCIA KS. Implantação e Partido formal RESIDENCIA KS Local Natal Ano 2012 Escritório Arquitetos Associados Autoras: Ana Elísia da Costa e Luísa Medeiros dos Santos Implantação e Partido formal A Residência KS é uma residência urbana, desenvolvida

Leia mais

CASA BARRA DO UNA. Figura 2: Declividade do terreno e implantação da Casa Barra do Una SIAA Arquitetos Fonte: RODRIGUES, Web G. P., 2015.

CASA BARRA DO UNA. Figura 2: Declividade do terreno e implantação da Casa Barra do Una SIAA Arquitetos Fonte: RODRIGUES, Web G. P., 2015. CASA BARRA DO UNA Local: Barra do Una - São Sebastião, SP. Ano: 2004 Escritório: SIAA Autores: Web Gabner P. Rodrigues, Wilton Medeiros e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal Localizada na

Leia mais

ALGORITMO DE SERVIÇO Projeto Edifício Santa Catarina Responsáveis: Eng. Ênio / Eng. Stefan Data: 27/10/1997 (conclusão)

ALGORITMO DE SERVIÇO Projeto Edifício Santa Catarina Responsáveis: Eng. Ênio / Eng. Stefan Data: 27/10/1997 (conclusão) ALGORITMO DE SERVIÇO 97.123.476 Projeto Edifício Santa Catarina Responsáveis: Eng. Ênio / Eng. Stefan Data: 27/10/1997 (conclusão) PR = Providenciar / DF = Definir / DS = Desenhar / DT = Digitar / ED =

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA concepção em projeto arquitetônico

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA concepção em projeto arquitetônico FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA concepção em projeto arquitetônico UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA Curso: Engenharia Civil Profª. Raquel Portes CONCEPÇÃO ARQUITETONICA Em toda construção

Leia mais

ANEXO B PEÇAS DESENHADAS DO PROJECTO DA HABITAÇÃO UNIFAMILIAR APRESENTADO NO CAPÍTULO 6 1

ANEXO B PEÇAS DESENHADAS DO PROJECTO DA HABITAÇÃO UNIFAMILIAR APRESENTADO NO CAPÍTULO 6 1 ANEXO B PEÇAS DESENHADAS DO PROJECTO DA HABITAÇÃO UNIFAMILIAR APRESENTADO NO CAPÍTULO 6 1 1 As peças desenhadas que se apresentam em todo o anexo não estão à escala. 207 208 ANEXO B.1 PEÇAS DESENHADAS

Leia mais

CASA PARA UM CASAL SEM FILHOS

CASA PARA UM CASAL SEM FILHOS CASA PARA UM CASAL SEM FILHOS FUNCIONAL CIRCULAÇÃO E ACESSOS IDENTIFICAR COMO AS RELAÇÕES DE ACESSO E CIRCULAÇÃO OCORREM NO INTERIOR DO LOTE, IDENTIFICAR O(S) ACESSO(S) EXTERIOR - INTERIOR E A COMO SE

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA POR SE

Leia mais

ESPACIALIDADE ARQUITETÔNICA E DESEMPENHO TÉRMICO DE RESIDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS EM CLIMA TROPICAL QUENTE E ÚMIDO

ESPACIALIDADE ARQUITETÔNICA E DESEMPENHO TÉRMICO DE RESIDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS EM CLIMA TROPICAL QUENTE E ÚMIDO ESPACIALIDADE ARQUITETÔNICA E DESEMPENHO TÉRMICO DE RESIDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS EM CLIMA TROPICAL QUENTE E ÚMIDO Nathália Braga (1); Renato de Saboya (2); Martin Ordenes (3) (1) Arquiteta, Mestranda do

Leia mais

total 400 Estágio Supervisionado II º Periodo Disciplina Carga Horária Total por matéria Trabalho Final de Graduação (projeto) 240 total 240

total 400 Estágio Supervisionado II º Periodo Disciplina Carga Horária Total por matéria Trabalho Final de Graduação (projeto) 240 total 240 Introdução a Arquitetura e Urbanismo 40 40 Topografia e Cartografia Integrada Estética e História da Arte 40 40 Humanidades e Cidadania 40 40 Meios de Expressão Visual em Arq. e Urb. Matemática Aplicada

Leia mais

CONVENÇÕES DE PROJETO E DESENHO ARQUITETÔNICO

CONVENÇÕES DE PROJETO E DESENHO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO PARA ENGENHARIA CIVIL CONVENÇÕES DE PROJETO E DESENHO ARQUITETÔNICO UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ 2016/02 PLANTA A planta de edificação é uma representação plana de edificação gerada

Leia mais

CASA UBATUBA. Implantação e Partido Formal

CASA UBATUBA. Implantação e Partido Formal CASA UBATUBA Local: Ubatuba-SP Ano: 2005-06 Escritório SPBR Autoras: Stefânia Rossato Tonet, Cristina Piccoli e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal A casa Ubatuba se localiza na cidade litorânea

Leia mais

PROJETAMOS SEUS SONHOS!

PROJETAMOS SEUS SONHOS! PROJETAMOS SEUS SONHOS! INDICE APRESENTAÇÃO...02 LOJA VILA LEOPOLDINA...03 RESTAURANTE VILA OLIMPIA...05 AVA ARQUITETOS E ASSOCIADOS PROJETAMOS SEUS SONHOS! CASA DE CAMPO BUENO BRANDÃO...08 MOVÉL SOB ENCOMENDA

Leia mais

Arquitetura moderna residencial

Arquitetura moderna residencial UFPB Arquitetura e Urbanismo Estágio Supervisionado V Arquitetura moderna residencial Felipe Mazzaro Thaisa Oashi Orientadora: Roberta Xavier Julho/2009 * Acervo moderno em João Pessoa: descaso e destruição

Leia mais

SALA 1 HORÁRIO SEGUNDA-FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA SÁBADO HORÁRIO. CONCEPÇÃO PROJETUAL (ASL13115) Profª Agnaldo

SALA 1 HORÁRIO SEGUNDA-FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA SÁBADO HORÁRIO. CONCEPÇÃO PROJETUAL (ASL13115) Profª Agnaldo CONCEPÇÃO PROJETUAL (ASL13115) Profª Agnaldo DESENHO DE ARQUITETURA (ASL13217) Prof. Hermes Fonseca Mota (ASL13107) Profª Fabiana Aquino PROJETO URBANO PROJETO URBANO (ASL13425) Prof. Agnaldo (ASL13425)

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar I

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar I UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar I Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Março - 2014 I EMENTA 1 Plano de Ensino, Projeto de Arquitetura, Plantas, Cortes

Leia mais

IPA _ Introdução ao Projeto Arquitetônico _Aula 6 _ Prof Elizabeth Correia

IPA _ Introdução ao Projeto Arquitetônico _Aula 6 _ Prof Elizabeth Correia DEFINIÇÃO DE PROJETO ARQUITETÔNICO O pensamento arquitetônico convencional se caracteriza por examinar o fenômeno arquitetônico basicamente sob o ponto de vista: 1) morfológico (estudo da forma, da configuração);

Leia mais

Textos: Prancha com projeto de iluminação: Escala 1/50, marcação de pontos de luz, legenda com simbologia e especificação de luminárias.

Textos: Prancha com projeto de iluminação: Escala 1/50, marcação de pontos de luz, legenda com simbologia e especificação de luminárias. Textos: Perfil do Cliente: Definir o perfil psicológico, as necessidades finconais, gostos, estilos etc. Público Alvo do Ambiente Comercial: Compreender as sensações psicológicas a serem transmitidas a

Leia mais

Planejamento do Jardim. Estudos básicos para o Planejamento de um Jardim

Planejamento do Jardim. Estudos básicos para o Planejamento de um Jardim para o Planejamento de um Jardim O Jardim Residencial É um jardim particular, que podem pertencer a uma residência ou serem localizados em condomínios residenciais. Pode ter caracterizações diferentes:

Leia mais

ARQUITECTURAS DO HABITAR COLECTIVO FLEXIBILIDADE, TRANSFORMABILIDADE E ADAPTABILIDADE NO BAIRRO DE ALVALADE

ARQUITECTURAS DO HABITAR COLECTIVO FLEXIBILIDADE, TRANSFORMABILIDADE E ADAPTABILIDADE NO BAIRRO DE ALVALADE ARQUITECTURAS DO HABITAR COLECTIVO FLEXIBILIDADE, TRANSFORMABILIDADE E ADAPTABILIDADE NO BAIRRO DE ALVALADE Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura I Instituto Superior Técnico Tatiana

Leia mais

PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA

PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA PROCESSO SELETIVO UEG 2013/1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO SERIADO SAS/UEG 2010/3 Domingo, 30 de setembro de 2012. PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO CADERNO I Desenho à mão livre Instruções

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC - Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Estância Turística de Tupã - SP Eixo tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional : Técnica

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC - Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Estância Turística de Tupã - SP Eixo tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional : Técnica

Leia mais

ARQUITETURA. Permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial.

ARQUITETURA. Permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial. ARQUITETURA Francisco José d Almeida Diogo Professor da Seção de Engenharia de Fortificação e Construção Instituto Militar de Engenharia IME Praça General Tibúrcio, 80 - Praia Vermelha CEP. 22290-270 Tel:

Leia mais

AULA 2. Parte I EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

AULA 2. Parte I EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AULA 2 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA URBANISMO_ 2015 EDI 64 ARQUITETURA E U Parte I Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille Desenho Técnico Forma de expressão gráfica que tem por finalidade representação de forma,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA: CASAS GUAECÁ E ITATIBA. Implantação e Partido Formal. Local: Itatiba - SP Ano: Local: São Sebastião - SP

ANÁLISE COMPARATIVA: CASAS GUAECÁ E ITATIBA. Implantação e Partido Formal. Local: Itatiba - SP Ano: Local: São Sebastião - SP CASA GUAECÁ CASA ITATIBA Local: São Sebastião - SP Local: Itatiba - SP Ano: 2010 Ano: 2012 Escritório Nitsche Arquitetos Escritório Nitsche Arquitetos Autoras: Brenda Noele Wolffenbüttel e Ana Elísia da

Leia mais

2) BRUNO (ENADE 2011 Tec. Const. Edifícios Q.09) Uma escada deverá ser executada conforme mostra a figura abaixo.

2) BRUNO (ENADE 2011 Tec. Const. Edifícios Q.09) Uma escada deverá ser executada conforme mostra a figura abaixo. UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CCT DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO DE TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2º AULÃO ENADE: EDIFÍCIOS NOVEMBRO/2017 1) BRUNO (ENADE

Leia mais

As técnicas de concepção

As técnicas de concepção As técnicas de concepção Acadêmicos: Bruno Amaral de Sousa Claudivan Gottardi Guilherme Assufi Dallanol Marlon Victor de Paula Objetivo Demonstrar técnicas destinadas a implementar as especificações para

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA SUNRISE LN

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA SUNRISE LN FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA SUNRISE

Leia mais

A AGRADÁVEL SURPRESA DE BAUMGARTEN

A AGRADÁVEL SURPRESA DE BAUMGARTEN A AGRADÁVEL SURPRESA DE BAUMGARTEN Merece destaque o projeto do arquiteto berlinense Paul Baumgarten (figuras 77 a 80, pp.132 a 135) por reunir características claras do modernismo. Trata-se de um conjunto

Leia mais

RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica

RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica Processo Seletivo UEG 2018/2 Domingo, 20 de maio de 2018. RESPOSTA ESPERADA Prova de Habilidade Específica Arquitetura e Urbanismo CADERNO I - Desenho à Mão Livre Prova de Habilidade Específica - Caderno

Leia mais

RESIDÊNCIA WP RESIDÊNCIA ML2. CASA DO CUMBUCO Local: Sete Lagoas, Local: Brumadinho, Local: Praia do Cumbuco, Implantação e Partido Formal

RESIDÊNCIA WP RESIDÊNCIA ML2. CASA DO CUMBUCO Local: Sete Lagoas, Local: Brumadinho, Local: Praia do Cumbuco, Implantação e Partido Formal RESIDÊNCIA WP RESIDÊNCIA ML2 CASA DO CUMBUCO Local: Sete Lagoas, Local: Brumadinho, Local: Praia do Cumbuco, MG Ano: 2005 MG Ano: 2008 CE Ano: 2013 Escritório Arquitetos Associados Autoras: Ana Elísia

Leia mais

RESIDÊNCIA YAMADA. Implantação e Partido formal

RESIDÊNCIA YAMADA. Implantação e Partido formal RESIDÊNCIA YAMADA Local: BARUERI, SP Ano: 2002-2004 Escritório: SIAA Autora: Francielly Alves Gonçalves, Wilton Medeiros e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido formal A residência Yamada é uma residência

Leia mais

CASA UBATUBA CASA MAIA

CASA UBATUBA CASA MAIA ANÁLISE COMPARATIVA: VOLUMES ENCRAVADOS As casas Ubatuba e Maia são produções de cunho residencial que possuem arranjos tipológicos semelhantes, tratados aqui como volumes encravados. Essa tipologia categoriza,

Leia mais

SIGNIFICANDO CONCEITOS CIENTÍFICOS NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA NA DISCIPLINA DE FÍSICA 1

SIGNIFICANDO CONCEITOS CIENTÍFICOS NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA NA DISCIPLINA DE FÍSICA 1 SIGNIFICANDO CONCEITOS CIENTÍFICOS NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA NA DISCIPLINA DE FÍSICA 1 Sandro Roberto Cossetin 2, Juliana Aozane Da Rosa 3, Dra. Marli Dallagnol Frison 4 1 Relato de

Leia mais

PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Bruna Ramalho Sarmento¹ Aluizia Márcia Fonseca de Lima² Colaboradores³

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 1: INSOLAÇÃO MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL MÓDULO 3: ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Docente: Claudete Gebara J.

Leia mais

. Séc XIX Revolução Industrial: necessidade de normatização internacional do desenho técnico para projetar as máquinas

. Séc XIX Revolução Industrial: necessidade de normatização internacional do desenho técnico para projetar as máquinas 1 Curso: Engenharia Disciplina: Desenho Técnico Prof.ª Me. Aline Ribeiro INTRODUÇÃO AO DESENHO TÉCNICO 1. Tipos de desenho Desenho como forma de expressão artística É uma forma de manifestação onde se

Leia mais

S I N E S T É S I C A DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E REABILITAÇÃO DOS CEGOS DO R I O G R A N D E DO N O R T E

S I N E S T É S I C A DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E REABILITAÇÃO DOS CEGOS DO R I O G R A N D E DO N O R T E TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO Aline T. Teixeira Vechi UFRN CT - CAU R E Q U A L I F I C A Ç Ã O S I N E S T É S I C A DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E REABILITAÇÃO DOS CEGOS DO R I O G R A N D E DO N O R T E INTRODUÇÃO

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina A - Arquitetura II: Composição e Forma Arquitetônica

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina A - Arquitetura II: Composição e Forma Arquitetônica Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina 0003710A - Arquitetura II: Composição e Forma Arquitetônica Docente(s) Silvana Aparecida Alves Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ESTUDO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos

Leia mais

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS. MÓDULO 01 Leitura e Interpretação de Projetos. Módulo 01 Leitura e Interpretação de Projetos

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS. MÓDULO 01 Leitura e Interpretação de Projetos. Módulo 01 Leitura e Interpretação de Projetos 1 CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS MÓDULO 01 Leitura e Interpretação de Projetos CURSO COMPaLETO DE PROJETO DE MÓVEIS 2 MÓDULO 01 Aula 03 Assuntos a serem abordados 09. Escala Atenção: O material está

Leia mais

RESIDÊNCIA FB. Local: Bragança Paulista - SP Ano: 2011 Jacobsen Arquitetura Autores: Rafael Susin Baumann, Cristina Piccoli e Ana Elísia da Costa

RESIDÊNCIA FB. Local: Bragança Paulista - SP Ano: 2011 Jacobsen Arquitetura Autores: Rafael Susin Baumann, Cristina Piccoli e Ana Elísia da Costa RESIDÊNCIA FB Local: Bragança Paulista - SP Ano: 2011 Jacobsen Arquitetura Autores: Rafael Susin Baumann, Cristina Piccoli e Ana Elísia da Costa Implantação e partido formal A Residência FB, localizada

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETOS: CONSTRUÇÃO E APROPRIAÇÃO DA AÇÃO PROJETUAL DE DOCENTES E DISCENTES NO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO UGB

METODOLOGIA DE PROJETOS: CONSTRUÇÃO E APROPRIAÇÃO DA AÇÃO PROJETUAL DE DOCENTES E DISCENTES NO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO UGB METODOLOGIA DE PROJETOS: CONSTRUÇÃO E APROPRIAÇÃO DA AÇÃO PROJETUAL DE DOCENTES E DISCENTES NO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO UGB Andréia Auad Moreira Doutora em Urbanismo pela Universidade Federal

Leia mais

METODOLOGIA DE ANÁLISE DE PROJETO

METODOLOGIA DE ANÁLISE DE PROJETO METODOLOGIA DE ANÁLISE DE PROJETO construindo o discurso pela análise gráfica leitura de projeto REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SUJESTÃO DE CONSULTA: REIS, Antônio T. Repertório, Análise e síntese: Uma introdução

Leia mais

OS SISTEMAS PREDIAIS COMO UM DOS PRINCÍPIOS ESTRUTURADORES DO PROJETO ARQUITETÔNICO

OS SISTEMAS PREDIAIS COMO UM DOS PRINCÍPIOS ESTRUTURADORES DO PROJETO ARQUITETÔNICO Capítulo 3 A síntese, compactação e coerência entre projetos de estrutura, instalações e arquitetura, foi determinante no trabalho. (Revista Projeto nº 70) 84 Estudo de Caso Banco Itaú, Agência em Pinheiros,

Leia mais

DEFINIÇÃO HISTÓRIA HISTÓRIA 25/07/16. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Projetos de Arquitetura

DEFINIÇÃO HISTÓRIA HISTÓRIA 25/07/16. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Projetos de Arquitetura SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL TC060 INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E AO PROJETO ARQUITETÔNICO Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2017 2 A arquitetura significa

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHO TÉCNICO

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHO TÉCNICO LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHO TÉCNICO Definição de Desenho Técnico Expressão gráfica que tem por finalidade a representação de forma, dimensão e posição de objetos de acordo com as diferentes necessidades

Leia mais

CASA BERTOLINI CASA PORTO DO SOL

CASA BERTOLINI CASA PORTO DO SOL ANÁLISE COMPARATIVA: CASAS BERTOLINI E PORTO DO SOL Implantação e Partido Formal CASA BERTOLINI CASA PORTO DO SOL Local: Bento Gonçalves-RS Local: Porto Alegre- RS Ano: 2008 Ano: 2010 Escritório MAPA Escritório

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANDO EM SEU ENTORNO ELEMENTOS EXCLUSIVAMENTE

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PREDOMINANDO EM SEU ENTORNO ELEMENTOS EXCLUSIVAMENTE PARÂMETRO DESCRIÇÃO IMAGEM SÍNTESE FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO,

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA EM TODOS OS LADOS. OVERLAY ESCALA 1/1500

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA EM TODOS OS LADOS. OVERLAY ESCALA 1/1500 FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA RUA PRINCESA

Leia mais

UML (Unified Modelling Language)

UML (Unified Modelling Language) UML (Unified Modelling Language) Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide

Leia mais

ERIKA DINIZ VANESSA LIMA. João Pessoa, PB Janeiro/2010

ERIKA DINIZ VANESSA LIMA. João Pessoa, PB Janeiro/2010 BANCO DA LAVOURA DE MINAS GERAIS E ÁLVARO VITAL BRAZIL: UMA CONTRIBUIÇÃO PARAIBANA PARA A ARQUITETURA MODERNA ERIKA DINIZ VANESSA LIMA BANCO DA LAVOURA DE MINAS GERAIS E ÁLVARO VITAL BRAZIL: UMA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais