ETC: UMA PROPOSTA DE EDITOR DE TEXTO COLETIVO NA WEB 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETC: UMA PROPOSTA DE EDITOR DE TEXTO COLETIVO NA WEB 1"

Transcrição

1 ETC: UMA PROPOSTA DE EDITOR DE TEXTO COLETIVO NA WEB 1 Profª. Dra. Patricia Alejandra Behar Msc. Silvia Meirelles Leite Daisy Schneider Maria Carolina Colombo Maira Bernardi Núcleo de Tecnologia Digital aplicada à Educação - NUTED Faculdade de Educação - FACED Pós-Graduação em Informática na Educação PGIE Pós-Graduação em Educação - PPGEDU Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS RESUMO A idéia de desenvolver o Editor de Texto Coletivo surgiu a partir da necessidade de criar e construir textos coletivos com alunos de graduação e de pós-graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil. A opção para esse desenvolvimento foi baseada em GNU/LINUX, refletindo o interesse do grupo em utilizar uma plataforma como produto de software livre. A implementação deste Editor foi apoiada no ROODA_DEVEL, que é um Framework para Construção de Plataformas de Educação à Distância. O presente estudo traz os princípios educacionais e técnicos que fundamentam o ETC (versão atual 1.0), suas funcionalidades e uma breve descrição das experiências realizadas - que transcenderam as paredes da Universidade e se estenderam em escolas de Ensino Fundamental e Médio. Finalizando, apresentam-se as considerações em relação ao desenvolvimento e aplicação da ferramenta. Palavras-chave: editor coletivo, ambiente virtual de aprendizagem, software livre. 1. Introdução O ETC é um editor de texto coletivo desenvolvido no final de 2001 pelo NUTED - Núcleo de Tecnologia Digital aplicada à Educação, da Faculdade de Educação, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Este se encontra na sua segunda versão (disponível em e tem como objetivo propiciar a escrita coletiva/cooperativa através da Web. A necessidade da construção desta ferramenta surgiu das dificuldades observadas na elaboração de trabalhos coletivos, mais precisamente nos cursos à distância, por meio da rede. O desenvolvimento desta ferramenta teve como base o software EQUITEXT, editor para escrita colaborativa via Web construído por uma equipe do Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação (PGIE/UFRGS) (Rizzi et al., 2000; Seixas et al., 2000). Entretanto, a partir de escolhas de caráter técnico, optou-se pela construção de uma nova ferramenta construída sobre o ROODA_DEVEL. Trata-se de um framework para Construção de Plataformas de Educação à Distância que teve sua origem na construção do ROODA Rede cooperativa De Aprendizagem 1 Este trabalho conta com o apoio financeiro da FAPERGS (Projeto de Pesquisa: ROODA), CNPq e DA UFRGS (Projeto de Pesquisa: Desenvolvimento de Ambientes Virtuais de Aprendizagem e metodologia didático-pedagógica para Educação à Distância da UFRGS-Brasil), disponível em VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa 363

2 (disponível em O ETC é desenvolvido dentro da filosofia do Software Livre, propiciando que qualquer pessoa possa utilizá-lo, bem como contribuir com o código fonte ou adaptá-lo às suas necessidades. Como se trata de um editor de texto coletivo, é preciso definir neste estudo o que se entende por este conceito. O chamado coletivo depende do tipo de interação que é mantido. Neste caso, trata-se da interação interindividual ocorrida entre os participantes de uma atividade, qual seja, a elaboração conjunta de um texto dentro dos pressupostos piagetianos (Piaget, 1973). Cabe enfatizar que a fundamentação teórica do presente artigo foi baseada na teoria piagetiana, conforme a definição dos tipos de interação ocorridos entre os sujeitos. Já os conceitos que envolvem a produção de textos coletivos e a polifonia, usam como base a teoria bakhtiniana (Bakhtin, 2000). A metodologia utilizada para a construção deste estudo consistiu na busca dos autores que fariam o embasamento teórico da ferramenta, bem como a sua aplicação/avaliação nos Cursos de Pós-Graduação em Educação e em Informática na Educação, mais especificamente, na disciplina Ambientes de Aprendizagem Computacionais e no Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação, na disciplina EDU O Computador na Educação, durante os anos letivos 2002 e A partir destas experiências, iniciou-se a coleta de dados, tendo como finalidade realizar um levantamento em relação à interface do ETC e a possível necessidade de adaptar e/ou construir novas funcionalidades para a ferramenta. Portanto, nesta abordagem são apresentados os conceitos-chave que fundamentam o ETC, os recursos utilizados para sua implementação, as suas funcionalidades e algumas experiências desenvolvidas até então. Ao final, são descritos os trabalhos atuais e apontadas algumas questões norteadoras para futuros estudos em relação à estrutura do próprio software e propostas teórico-metodológicas de sua concepção. 2. Construindo textos coletivos Neste estudo define-se texto coletivo como uma rede de saberes em movimento, visto que está em constante alteração. Ele produz e é produzido por meio dos múltiplos saberes em construção, das múltiplas culturas entrelaçadas nessa rede. Logo, é bordado pelos vários autores que o constituem, manifestando-se de maneira aberta e dinâmica na coletividade. Também pode ser atravessado por diferentes linguagens, dependendo dos recursos usados e do meio de propagação. VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa 364

3 De acordo com Lévy (1999), o texto, dentro de um sentido mais amplo, pode incluir sons e imagens. Neste artigo, refere-se à palavra texto enquanto processo, sendo enfatizada a utilização das tecnologias digitais, especificamente o ETC. O texto acessado caracteriza-se por sua mobilidade, possibilitando, a cada leitura, a construção de diferentes caminhos. No texto coletivo, podem participar vários autores contribuindo a partir de uma postura ativa 2 sobre os temas trabalhados. Quando essa premissa é acompanhada pela utilização das tecnologias digitais, tem-se o encontro entre os participantes caracterizado por uma dinâmica própria, podendo fazer parte dessa dinâmica a coordenação das ações na estruturação do texto. A partir disso, o debate em torno do que está sendo construído e das reformulações decorrentes compõem o processo de construção coletiva. O ETC propõe aos participantes uma relação lingüística aberta pela reconstrução constante da palavra do outro, sendo possível a interferência entre os sujeitos envolvidos na escrita e na interpretação desta. Essa postura ilustra o caráter criativo da palavra, de maneira que as contribuições trazidas para o texto são construções individuais/coletivas (Bakhtin, 2000). Esta rede de contribuições permite o acontecimento de uma reconstrução e, até mesmo, de uma reavaliação contínua do processo de escrita de cada um dos sujeitos envolvidos. Assim, o texto caracteriza-se por ser passível de mudanças e transformações, ganhando novos encaminhamentos conforme as contribuições vão sendo inseridas. O processo de construção de textos coletivos traz como fator relevante a polifonia, sendo caracterizada pela multiplicidade de vozes presentes no processo de comunicação verbal (Bakhtin, 2000). Por essa razão, a ação do sujeito, colocando-se como proprietário da escrita, não condiz com a concepção de texto coletivo proposta, na qual o objetivo é a efetivação das trocas entre os participantes e a construção conjunta. A parceria com os outros sujeitos na escrita pode permitir uma valorização do processo coletivo de construção, favorecendo a crítica e a autonomia nas (re)criações. As prováveis mudanças no processo de construção coletiva do texto têm como finalidade a produção a partir de diferentes pontos de vista, admitindo aos sujeitos novas perspectivas diante de suas contribuições, o que ocorre por meio da auto-organização de idéias promovidas nessa construção conjunta. O texto coletivo emerge da interação entre os participantes, sendo construídos novos conhecimentos. O espaço criado pelo ETC para construção de textos coletivos possibilita condições de ação e reflexão entre os sujeitos, promovendo a transformação de cada um e destes em 2 A postura ativa remete a apropriação da palavra do outro, emprestando um novo sentido dentro de outros contextos (Bakhtin, 2000). VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa 365

4 relação ao grupo. As múltiplas trocas favorecem a escrita dinâmica e não pré-idealizada (soma de parágrafos construídos isoladamente) pelos interagentes e, por essa razão, prevêem uma diferenciada organização da estrutura coletiva. Esta organização não significa impor ordens de contribuição como um após o outro, mas uma intervenção aberta, adaptada à estrutura criada pelos participantes, possibilitando formas pertinentes de se fazer uso das contribuições. Para tanto, enfoca-se a necessidade de oportunizar condições à interação entre os participantes através do próprio Editor. Nesta abordagem, a interação é vista como um processo complexo de trocas e significações, por meio do qual o sujeito modifica-se, constituindo uma nova realidade. É através das interações que o sujeito desencadeia um processo interno de construção, possibilitando às pessoas compartilhar idéias e gerar novas interações. Quando este processo ocorre entre duas ou mais pessoas, pode-se chegar a constituir situações de cooperação. Esta pressupõe a coordenação das operações de dois ou mais sujeitos, isto é, operações efetuadas em comum ou em correspondência recíproca com um mesmo objetivo, não podendo ser resumida a um acontecimento estático (Piaget, 1973). Entende-se que a construção coletiva de um texto calcada na cooperação é regida pelo equilíbrio e pela coordenação dos pontos de vista. No entanto, a condição necessária para esse equilíbrio é a presença de uma escala comum de valores, através da qual os sujeitos podem compreender os signos utilizados pelo grupo. Não se pode considerar o resultado de um texto coletivo como um aglomerado de informações, mas como um todo correspondente, recíproco e complementar, produto de inúmeras trocas e transformações. Tais interações interindividuais compreendem uma relação entre os sujeitos envolvidos e com o objeto de estudo, além do contato com a ferramenta virtual. Dentro deste quadro, as concepções apresentadas até o presente momento fundamentam a construção do ETC, contribuindo também para entendimento das experiências citadas brevemente na seção Aspectos técnicos do ETC 3 O ETC utilizou como base para seu desenvolvimento, conforme dito anteriormente, o editor de texto coletivo EQUITEXT (http://www.equitext.pgie.ufrgs.br), implementado na linguagem PERL. Um dos objetivos do NUTED é desenvolver uma ferramenta que possa utilizar os recursos síncronos e assíncronos de uma plataforma de EAD, neste caso o ROODA. Conclui-se, que seria muito trabalhoso manter o código fonte do EQUITEXT de forma a compatibilizá-lo com o ROODA, construindo um novo sistema. 3 Agradecemos as contribuições feitas pelo pesquisador do NUTED Alexandre Lessa Azevedo. VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa 366

5 A escolha do ambiente de programação deve-se também ao interesse do grupo em trabalhar dentro da filosofia do Software Livre, mais especificamente, com a linguagem PHP. Também se utiliza o sistema de gerenciamento de banco de dados relacional (SGBD) MySQL e o servidor Web Apache. Estes, por terem o código fonte aberto, não possuem custo de licença, são estáveis e independentes de plataforma. A linguagem PHP possui ainda outras vantagens como: simplicidade, velocidade, segurança (provê vários níveis de segurança facilmente configuráveis) e estabilidade (utiliza seu próprio sistema de administração e possui um método sofisticado para lidar com variáveis). O ETC foi programado utilizando-se o framework ROODA_DEVEL (Behar, 2002), que auxilia o processo de construção de plataformas que apóiam a Educação à Distância. Em outras palavras, é uma biblioteca de classes em PHP, pronta para uso, reunidas para estabelecer um padrão de desenvolvimento, acopladas a um wrapper objeto-relacional. Assim, são reunidas diversas funcionalidades comuns à maioria dos ambientes virtuais de aprendizagem, dentre elas: classes para autenticação de usuários, gerenciamento de grupos, diferenciação de papéis dentro de um grupo e ferramentas básicas de comunicação. Esta ferramenta tem como objetivo reduzir o tempo de programação deste tipo de software agregando, ainda, flexibilidade e robustez. Existe uma camada de abstração entre a plataforma educacional e o ETC, por meio das classes do ROODA_DEVEL. Desta forma, se houver necessidade de se acoplar a ferramenta dentro de uma outra plataforma, basta apenas alterar a interface do ETC, para que o mesmo mantenha uma identidade estética com a nova plataforma. Sendo assim, pode-se definir o ETC como sendo dividido em duas partes: uma ferramenta, constituída por classes que implementam as regras de negócios e, uma plataforma, que lhe possibilita rodar como um sistema independente. 4. Funcionalidades do ETC A unidade central de trabalho utilizada no ETC é o parágrafo, sendo que este pode ser constituído de texto verbal ou imagem. Cada texto apresenta as identificações cadastradas anteriormente pelos autores e um link, o qual possibilita a inserção de um parágrafo. A partir disso, os participantes podem inserir novos parágrafos, criando um documento seqüencial. No entanto, a interação deles com o texto não segue uma linearidade, pois, a qualquer momento, os sujeitos podem inserir novos parágrafos, editar ou mesmo excluí-los. VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa 367

6 Para acessar o ETC, o sujeito realiza um cadastro via Web, que lhe possibilita o uso do ambiente. O ETC é organizado através de comunidades de aprendizagem, o que permite ao sistema suportar vários grupos de trabalho distintos sem a necessidade de replicação da plataforma, como mostra a Figura 1. Cada comunidade possui seus próprios textos que podem ser acessados somente pelos participantes dessa comunidade. Quando o sujeito se cadastra, ele faz parte de uma comunidade denominada Geral, juntamente com todos os outros participantes da plataforma (Figura 2). Outra característica da versão atual do ETC, é que ao inserir uma comunidade, o sujeito escolhe se vai ser necessário que outros usuários peçam sua autorização para acessá-la ou se a inscrição será automática. Ao entrar em uma comunidade, o sujeito tem acesso à lista de textos criados dentro dela, podendo inserir o seu próprio texto ou pedir para participar de um já existente. Ao optar por inserir um texto, ele se torna responsável pelo mesmo e, conseqüentemente, será dele a decisão de aceitar ou não a inclusão de pedidos de outros sujeitos. Este é o único privilégio que o criador do texto possui, pois todos os participantes podem inserir novos parágrafos, editá-los e excluí-los. Figura 1: Escolha/criação da Comunidade. Figura 2: Lista dos textos da comunidade geral Ao acessar a produção, encontra-se o texto dividido em parágrafos por diferentes caixas de texto de acordo com a última contribuição. No menu superior estão as opções: versão final (a apresentação da produção em uma única caixa de texto, com a possibilidade de download no formato HTML, PDF ou RTF como forma de manter uma cópia off-line do documento), histórico (visualização de todas as inserções, edições e inclusões feitas até o momento), atualizar (para visualizar as novas alterações caso o texto esteja sendo construído de forma síncrona), mostrar/esconder comentários (estes podendo ser visualizados abaixo do conteúdo do parágrafo) e voltar (acesso à tela com a lista dos textos publicados pela comunidade em questão). VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa 368

7 Um dos recursos presentes no ETC é a inserção de comentários aos parágrafos construídos, mostrado na Figura 3. O ETC oferece o sistema de comentários, com objetivo de que os autores possam expressar suas opiniões em relação aos encaminhamentos do texto e o processo de construção coletiva do mesmo, sem que essas estejam registradas no próprio texto. Assim, os autores podem inserir comentários vinculados aos parágrafos e, nesse sentido, as discussões são sempre orientadas a estas unidades de trabalho. Como não existe propriedade sobre esta, oportuniza-se, dessa forma, um espaço para o conflito e a negociação entre os participantes. As alterações realizadas no documento são registradas pelo software, que mantém um histórico sobre as mesmas. Logo, qualquer alteração faz parte da história da produção, na medida em que pode ser revisitada pelos participantes, como é apresentado na Figura 4. Logo, ao entender o texto enquanto processo, este não é constituído apenas pelos parágrafos que se encontram no ar naquele momento, mas também por todos aqueles que, em algum momento, fizeram parte do mesmo. Esses constituem a totalidade do documento, modificando sua organização e possibilitando essas (re)construções. Nessa perspectiva, entende-se que o texto-processo é constituído pelos diferentes enlaces registrados na teia de sua produção. O NUTED manteve em foco o aspecto dinâmico que o documento digital possui, implementando na plataforma as ferramentas necessárias para manter essa sensação de movimentos na produção que, efetivamente, ocorrem. Nessa linha, é possível interferir na seqüencialidade do texto a cada edição ou exclusão de parágrafo, assim como na criação de novos parágrafos entre aqueles já existentes. Tem-se a possibilidade de qualquer participante realizar essas operações, mesmo não sendo seu autor. Como já foi destacado, todo o processo de construção do texto fica arquivado no sistema, podendo ser acessado pelos sujeitos através da ferramenta Histórico, o que é demonstrado na Figura 4. Figura 3: Inserção de comentário no parágrafo do texto. Figura 4: Histórico do texto coletivo. VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa 369

8 Em resumo, o ETC possibilita na sua versão atual: (1) organização dos participantes em comunidades; (2) criação de textos por qualquer sujeito cadastrado; (3) cadastro direto através da Web; (4) inserção, edição e exclusão de textos verbais e imagens; (5) inclusão de comentários aos parágrafos escritos em um texto; (6) verificação do histórico do texto; (7) visualização da versão final a qualquer momento; (8) visualização da descrição dos textos da comunidade que participa. 5. Experiências realizadas Na busca por responder a demanda de uma formação comprometida com a qualidade da aprendizagem, enfoca-se atividades que contemplem trabalhos coletivos, discussão em grupo, cooperação e parcerias. Dentro desta perspectiva, foi desenvolvido o ETC que procura oportunizar este tipo de construção coletiva de forma simples e prática. A partir do uso corrente desta ferramenta, idealiza-se uma postura de respeito às reflexões entre/dos sujeitos envolvidos, o que remete ao questionamento e à construção de novos saberes. Essas questões servem como referência à aplicação do ETC com sujeitos de diferentes faixas etárias. Assim, segue uma breve descrição das experiências realizadas até então, tendo como objetivo situar o leitor neste contexto. No Ensino Médio, o ETC foi usado por alunos durante aulas de Física realizadas através do ROODA TEKTON (Moresco, 2003). Nessa experiência, pôde-se acompanhar o processo reflexivo dos sujeitos participantes, provocando uma discussão interior e uma aplicação sobre si mesmo do que aprenderam, segundo a escrita do outro. Especificamente, nesta experiência, os alunos desenvolveram textos coletivos sobre os conceitos físicos assimilados durante as aulas sobre as leis de Newton. No Ensino Fundamental, foram realizadas duas experiências distintas de forma síncrona e assíncrona com crianças durante o ano de A primeira, na 4ª série do Colégio de Aplicação da UFRGS, na qual buscou-se um espaço em que os alunos pudessem expor suas dúvidas e curiosidades através de uma história coletiva. A segunda experiência foi realizada com oito crianças, alunos do 1º ano do Segundo Ciclo de uma escola municipal de Porto Alegre/RS (Leite, 2003). Nesta, os participantes construíram uma história sobre uma casa, colocaram as figuras dos moradores e da própria casa e descreveram-nos. No decorrer destas experiências, procurou-se mostrar aos alunos que eles poderiam escolher o local onde inserir suas contribuições, interferindo, assim, de forma decisiva na seqüência do texto. VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa 370

9 Outra experiência interessante deu-se com os alunos das disciplinas EDU3375 O Computador na Educação 4 (2002/2), Ambientes de Aprendizagem Computacionais 5 (2002/1) e Tecnologias da Informação e Comunicação aplicadas à Educação 6 (2003/1), assim como no Projeto de Extensão Tecnologias da Informação e da Comunicação: uma proposta didático-pedagógica (2003/1). Os dados coletados nessas disciplinas oportunizaram levantamento dos erros e problemas de interface da ferramenta, levando em conta os relatos dos alunos/professores. A proposta de trabalho dentro destes grupos teve como temas iniciais: aprendizagem cooperativa, cooperação/colaboração, comunicação, interação e novas formas de convívio e trabalho. Através das mesmas, o ETC foi um potencializador na escrita coletiva assíncrona, possibilitando aos alunos/professores administrar seu próprio tempo de escrita. Com base nessas experiências, o ETC vem sofrendo alterações e ajustes buscando sanar as dificuldades encontradas, bem como implementar sugestões baseadas na prática dos alunos e professores. 6. Considerações não finais Atualmente, está se iniciando o processo de integração do ETC à plataforma ROODA/UFRGS7, de modo que ele seja acessado através do ambiente, utilizando os recursos síncronos e assíncronos do mesmo e restrito aos sujeitos cadastrados no sistema. Além disso, sentiu-se a necessidade de implementar um Controle de edição de parágrafos para não permitir edição simultânea de um mesmo parágrafo, o que causaria cópias inválidas (ou adulteradas). Para isso, faz-se uso de uma fila de edição, onde o primeiro da fila é o usuário que está efetivamente editando o parágrafo e o restante aguarda por sua vez. Com o decorrer do tempo (ou de um tempo pré-estabelecido), o primeiro passa a oportunidade de editar o parágrafo para o próximo na fila. O procedimento é repetido até que não haja mais fila (ou até a extinção da fila). Também, é preciso desenvolver um recurso de notificações automatizadas de alterações do texto e de listas de pendências; uma ferramenta de hierarquização dos tópicos principais (constituindo-se também em links para facilitar a navegação através do texto) e, por fim, um quadro de avisos para 4 Disciplina, de caráter optativo, oferecida no curso de Pedagogia da UFRGS. 5 Disciplina oferecida pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e pelo Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação da UFRGS. 6 Disciplina do Curso de Especialização em Informática na Educação - ESPIE (2003/1) promovida pelo PGIE/UFRGS. Esse curso é realizado à distância, contando com alunos dos diferentes estados brasileiros. 7 Esta plataforma está sendo construída dentro do projeto Desenvolvimento de Ambientes Virtuais de aprendizagem e metodologia didático-pedagógica para educação à distância da UFRGS, que ganhou financiamento do CNPq e do Edital EAD UFRGS 03/2003 para desenvolvimento da plataforma institucional de EAD/UFRGS. VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa 371

10 organização/coordenação das ações dentro do grupo. Outro aspecto que faz parte das atenções da equipe de desenvolvimento do NUTED está voltado para o design de uma nova interface do ETC. Por último, cabe destacar uma ferramenta a ser incorporada à nova versão, que é o sistema de co-links, que favorece a escrita coletiva de hipertextos permitindo que qualquer usuário possa criar novos links associativos em um texto préexistente ou ainda acrescentar novos destinos a um link já criado, a ser desenvolvido em parceria com o prof. Dr. Alex Primo, da Faculdade de Comunicação/UFRGS, e autor do Projeto CO-LINKS (PRIMO, 2004). Logo, acredita-se que o mais interessante é trazer para este debate o resultado das experiências realizadas até então com esta ferramenta. Por conseqüência destas, vislumbrou-se a possibilidade de realizar uma avaliação real e contínua de sua efetividade, tendo como base o retorno dos sujeitos que vêm utilizando o ETC. Desse modo, foi possível constatar a necessidade de implementação da série de funcionalidades citadas anteriormente, que permitam, especialmente, facilitar o trabalho coletivo dos grupos ao coordenarem de forma mais organizada suas ações e abrindo diversas possibilidades de interação entre eles. Este é o primeiro passo de um longo caminho a percorrer, aperfeiçoar, investigar e crescer, unindo a construção/criação de uma ferramenta e a sua validação em campo. 7. Referências Bibliográficas Bakhtin, M. (2000). A Estética da Criação Verbal. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes. Behar, P. et al (2003). ETC - Editor de Texto Coletivo - Um software livre para auxiliar a escrita coletiva através da Web. In: VI Workshop de Software Livre WSL2003 Fórum Internacional de Software Livre.. (2002) ROODA DEVEL: Uma Proposta de Framework para a Construção de Plataformas de Educação à Distância. III Workshop de Software Livre WSL Fórum Internacional Software Livre. Disponível em: <http://www.cpad.pucrs.br/wsl2002>.. (2001) ROODA Rede cooperativa De Aprendizagem Uma plataforma de suporte para aprendizagem à distância. Revista Informática na Educação: Teoria & Prática, Porto Alegre, 3 (2), Lévy, P. (1999). Cibercultura. São Paulo: Editora 34. Leite, S. (2003) Criança na Internet: constituindo a coletividade em ambientes virtuais. Porto Alegre: UFRGS, Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Moresco, S. F. (2003) A tomada de consciência dentro de uma proposta pedagógica de aprendizagem de Física. Porto Alegre: UFRGS, Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Piaget, J. (1973) Estudos Sociológicos. Rio de Janeiro: Forense. Primo, Alex Fernando Teixeira et al. Co -Links: Proposta de uma nova tecnologia para a escrita coletiva de links multidirecionais. In: Compós Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, 2004, SP, VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa 372

11 Rizzi, C. B. et alli. (2000). Equitext: escrita colaborativa via Web. Disponível em: <http://equitext.pgie.ufrgs.br> Seixas, L. et al. (2000). Equitext: a helping tool for colaborative writing. In: Site 2000, San Diego. VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa 373

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA Débora Dalmolin Universidade Federal de Santa Maria debydalmolin@gmail.com Lauren Bonaldo Universidade Federal de Santa Maria laurenmbonaldo@hotmail.com

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Alfabetização Digital

Alfabetização Digital Ferramentas de interação e sua utilização pedagógica nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem evidenciando o papel do professor e do estudante Prof. Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura Prof. Antônio

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Maio 2007 na Lúcia Tinoco - UNICSUL ana.cabral@unicsul.br Carlos Fernando

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

ROODA: uma plataforma de EAD para a UFRGS

ROODA: uma plataforma de EAD para a UFRGS ROODA: uma plataforma de EAD para a UFRGS Profª. Dra Patricia Alejandra Behar (pbehar@terra.com.br) Prof. Dr. Alex Primo (alex.primo@terra.com.br) Msc. Sílvia Meirelles Leite (silvia@vetorialnet.com.br)

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA V SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE Patric da Silva Ribeiro patricribeiro@unipampa.edu.br Maicon Isoton maiconisoton@gmail.com Potencialidades Tecnológicas

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Informática Educativa no Brasil Professor: Fernando Zaidan 1 Referências: SANTINELLO, J. Informática educativa no Brasil e ambientes

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense

Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense Gerência da tutoria - o diferencial em uma plataforma on-line Luiz Valter Brand Gomes* Rosângela Lopes Lima* Filipe Ancelmo Saramago* Rodrigo Telles Costa* Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem...

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 08 Edição do Perfil... 10 Ambiente Colaborar... 11 Iniciando

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: ELABORAÇÃO DE MATERIAL, TUTORIA E AMBIENTES VIRTUAIS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento

Leia mais

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Manual do Aluno Março 2009 Mensagem de boas-vindas! Caro cursista! Seja bem-vindo ao curso de Formação de Tutores.

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil...

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil... Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4 2. Ferramentas e Configurações... 5 2.1 Ver Perfil... 5 2.2 Modificar Perfil... 6 2.3 Alterar Senha... 11 2.4 Mensagens... 11 2.4.1 Mandando

Leia mais

Ambientes Virtuais de Aprendizagem

Ambientes Virtuais de Aprendizagem SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS Modelagem Computacional de Ambientes de Apredizagem Profa. Silvia

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como:

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como: Manual do Aluno É com muita satisfação que apresentamos o Reunir Unopar. Ambiente Virtual de Aprendizagem Colaborativa que tem por objetivo principal ser um espaço colaborativo de construção do conhecimento

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Maio 2008 Conteúdo 1 Primeiros passos...4 1.1 Tornando-se um usuário...4 1.2 Acessando o ambiente Moodle...4 1.3 O ambiente Moodle...4 1.4 Cadastrando-se

Leia mais

Manual e Normas Sistema Disciplina Online

Manual e Normas Sistema Disciplina Online Manual e Normas Sistema Disciplina Online 2011-2 1 SUMÁRIO Pág. 1. Sistema Disciplina Online - Aluno (UNIP). 05 1.1. Acesso ao sistema Disciplina Online - Aluno (UNIP). 05 1.2. Observações. 05 2. Sistema

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO Análise do professor: Parâmetros para avaliação Ao navegar por Web sites é importante observar alguns tópicos para determinar se um site é bom ou não. Navegação, design, conteúdo, velocidade de acesso,

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

TUTORIAL DO ALUNO. Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!!

TUTORIAL DO ALUNO. Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!! TUTORIAL DO ALUNO Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!! O Moodle é a plataforma de ensino a distância utilizada pela Uniapae sendo a unidade de ensino para rápida capacitação

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS Débora Laurino Maçada FURG Sheyla Costa Rodrigues FURG RESUMO - Este projeto visa estabelecer a parceria

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação do Paraná

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Secretaria de Estado da Educação do Paraná ORIENTAÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DO PROFESSOR PARTICIPANTE DO GTR TUTORIAL Curitiba 2011 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 1. AVALIAÇÃO 04 1.1 Critérios de Análise das Interações

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 RESUMO Os hábitos e costumes humanos tem alterado intensamente os ecossistemas

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte...

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte... ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3 Acervo... 3 Meus Livros... 4 Livros em destaque... 7 Fórum... 7 Notícias... 8 Ajuda... 9 Suporte... 9 POR QUE USAR... 10 EQUIPE RESPONSÁVEL... 12 CONTATO... 13 O

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

A caminho de um Ambiente para Educação à Distância ROODA Rede cooperativa De Aprendizagem

A caminho de um Ambiente para Educação à Distância ROODA Rede cooperativa De Aprendizagem A caminho de um Ambiente para Educação à Distância ROODA Rede cooperativa De Aprendizagem Prof. Dra. Patricia Alejandra Behar pbehar@terra.com.br Faculdade de Educação / Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS ALUNO VERSÃO 1.0

MELHORES PRÁTICAS ALUNO VERSÃO 1.0 MELHORES PRÁTICAS ALUNO VERSÃO 1.0 APRESENTANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Um ambiente virtual de aprendizagem é um sistema para gerenciar cursos a distância que utilizam a Internet, ou para complementar

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais Brasília Empreendimentos Educacionais 3 Apresentação 4 A BEE 5 A Educação a Distância EaD 6 O curso 7 O Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA 10 Como estudar na modalidade a distância 2 Apresentação Este

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Índice. Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4

Índice. Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4 Página 1 Índice Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4 O QUE É EDUCAÇÃO A DISTANCIA (EAD)?... 4 O que é necessário para estudar em ead?... 4 Quais são as vantagens de estudar a distância?...

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) 2- FÓRUM O fórum serve para avaliar os alunos através da participação na discussão sobre um ou mais assuntos, inserção de textos ou arquivos. Os fóruns de discussão compõem uma

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Manual de Utilização Moodle

Manual de Utilização Moodle Manual de Utilização Moodle Perfil Professor Apresentação Esse manual, baseado na documentação oficial do Moodle foi elaborado pela Coordenação de Tecnologia de Informação CTI do câmpus e tem como objetivo

Leia mais

Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio

Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio MARISTELA MIDLEJ SILVA DE ARAÚJO Santos SP Set/2008 Objetivo Geral

Leia mais

PROJETO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA DE CAMPO LIMPO PAULISTA-SP

PROJETO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA DE CAMPO LIMPO PAULISTA-SP PROJETO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA DE CAMPO LIMPO PAULISTA-SP ADRIANA DE CÁSSIA GALLANI XAVIER RODRIGUES Coordenadora do Ensino Fundamental I Secretaria Municipal de Educação adriana.rodrigues@campolimpopaulista.sp.gov.br

Leia mais

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual)

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual) 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 04 Geração de Login e Senha... 05 Guia de Percurso... 07 Manual Acadêmico... 09 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 11 Edição do Perfil... 13 Ambiente Colaborar e

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

O PLANEJAMENTO EM TEMPOS DIGITAIS: UM PROCESSO A FAVOR DA EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA NA EAD SEBRAE

O PLANEJAMENTO EM TEMPOS DIGITAIS: UM PROCESSO A FAVOR DA EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA NA EAD SEBRAE O PLANEJAMENTO EM TEMPOS DIGITAIS: UM PROCESSO A FAVOR DA EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA NA EAD SEBRAE Florianópolis - SC - Maio 2014 Andréia S. Sudoski IEA e-learning - andreia.sudoski@iea.com.br Cláudio dos

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

Tema 3 Ferramentas e Funcionalidades do Moodle

Tema 3 Ferramentas e Funcionalidades do Moodle Tema 3 Ferramentas e Funcionalidades do Moodle O Moodle dispõe de uma variedade de ferramentas que podem aumentar a eficácia de um curso online. É possível facilmente compartilhar materiais de estudo,

Leia mais

Manual do Professor versão 2.0. FTD Sistema de Ensino

Manual do Professor versão 2.0. FTD Sistema de Ensino Manual do Professor versão 2.0 FTD Sistema de Ensino Plataforma Digital do FTD Sistema de Ensino Concepção Fernando Moraes Fonseca Jr Arquitetura e coordenação de desenvolvimento Rodrigo Orellana Arquitetura,

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta

Aprovação do curso e Autorização da oferta MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião BVS Site Aplicativo para geração de portais BVS Cláudia Guzzo Patrícia Gaião Gerência de Produção de Fontes de Informação / Projetos e Instâncias da BVS BIREME/OPAS/OMS Biblioteca Virtual em Saúde (BVS)

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE MATEMÁTICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

Central Cliente Questor (CCQ) UTILIZANDO A CCQ - CENTRAL CLIENTE QUESTOR

Central Cliente Questor (CCQ) UTILIZANDO A CCQ - CENTRAL CLIENTE QUESTOR Central Cliente Questor (CCQ) O que é a Central Cliente Questor? Já é de seu conhecimento que os Usuários do sistema Questor contam com uma grande ferramenta de capacitação e treinamento no pós-venda.

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional dinâmica do meio educacional 1 :: marilú fontoura de medeiros professora doutora em Educação/UFRGS Um modo de ser em educação a distância Percorrer o atual contexto da Educação a Distância é trilhar um

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

FCT Faculdade de Ciências e Tecnologia Serviço Técnico de Informática STI SGCD Sistema Gerenciador de Conteúdos Dinâmicos

FCT Faculdade de Ciências e Tecnologia Serviço Técnico de Informática STI SGCD Sistema Gerenciador de Conteúdos Dinâmicos FCT Faculdade de Ciências e Tecnologia Serviço Técnico de Informática STI SGCD Sistema Gerenciador de Conteúdos Dinâmicos Manual do Usuário Presidente Prudente, outubro de 2010 Índice 1. Introdução e Instruções

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação

Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação - Modalidade a Distância Coordenação FACULDADE DE INFORMÁTICA - FACIN Profa. Dr. Adriana Beiler FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Profa. Msc. Sônia

Leia mais

MANUAL. Perfil de Professor

MANUAL. Perfil de Professor MANUAL Perfil de Professor Índice 1. Acesso 1.1. Acessando o Canal do Norte... 03 2. Disciplinas 2.1. Acessando Disciplinas... 07 3. Recursos 3.1. Adicionando Recursos... 10 3.2. Página de texto simples...

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

Manual do Moodle. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1

Manual do Moodle. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 Manual do Moodle para alunos (Versão 1.0) 29/Junho/2009 Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 O que é?... 3 Acesso... 4 Atualizando suas informações... 4 Enviando Mensagens... 5 Acessando os seus cursos...

Leia mais