- Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo"

Transcrição

1 - Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo PRINCIPAIS ÁREAS P/ DIMENSIONAMENTO DA FÁBRICA 1. Centros de produção 2. Movimentação de materiais 3. Armazenagens 4. Utilidades 5. Serviços de apoio da produção e processos 6. Serviços de apoio de pessoal 7. Administração 8. Circulação externa PRINCIPAIS FATORES DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUES E ARMAZENAGENS -periodicidade de reposição do estoque - quantidades mínimas e máximas - forma dos materiais de acondicionamento - requisitos de armazenagem (cuidados, proteções, contaminações) - controles (no recebimento, no armazenamento, na expedição) - movimentação interna - logística de armazenagem (fifo, lifo, por classes) Centro de Produção Estocagem Formas de acondicionamento dos materiais unitizadores. Considerar: 1) materiais em processo, matérias-primas, produtos finais. 2) Estoques em processo, estoque da matérias-primas, produtos e componentes. Figura 3.2: Pallet contentor Figura 3.3. e 3.4: Rack auto-portante Fonte: Ishikawa, Consultar: publicações de

2 Movimentadores ÁREA DO DEPARTAMENTO Para o dimensionamento da área dos departamentos, deve-se proceder: 1 - Determinar os CPs que compõem cada departamento considerando a forma geral de cada CP e as composições. 2 Determinar as áreas de supervisão, administração e controle L Onde: E = Largura do corredor mínimo. do departamento; 3 - Definição da forma geométrica do departamento. C/2 W TR A E P CR C/2 P = Centro de giro (catálogo). TR = Raio de giro. L = Comprimento do garfo ou da carga. A = Distância braço/eixo da roda. W = Largura da carga. Considerar a área disponível, os outros departamentos, a forma geral da fábrica e a disposição dos conjuntos de fluxos entre os departamentos. 4 Definir as áreas comuns de Qualidade, controle da produção, 2 2 E = TR (A+L) + (W/2 - CR) + C CR = Distância P/linha de centro Fonte: Olivério, supervisão, armazenagem, etc...

3 ÁREA DO DEPARTAMENTO (continuação) 5 Áreas de serviços auxiliares como: ferramentaria, prototipagem, manutenção, etc. 6 - Relação de áreas conflito de fluxo 7 - Dimensionamento e localização de corredoras e passagens Áreas de movimentação e acesso, com corredores principais e secundários para: - pessoal e materiais - equipamentos de transporte - movimentação de sobras, cavacos e sujeiras. - remoção de equipamentos para manutenção e serviços - acesso para segurança e para proteção contra incêndios. UNIDADES TÍPICAS DE UMA FÁBRICA 1. UNIDADES DIRETAS DE PRODUÇÃO: Almoxarifado - armazenamento de materiais diretos ou indiretos. Os principais são: matérias-primas, partes em processo, produtos acabados. Preparação de matérias-primas - adequação dos materiais diretos para serem processados. Compreende: controle de qualidade de matérias-primas e materiais comprados, sistema de movimentação, disposição dos materiais para processamento. Fabricação (ou Processamento principal) - processamento dos materiais, transformando matérias-primas em partes intermediárias ou produtos finais. Pode ser dividida em: processamento de materiais brutos, processos intermediários/tratamentos superficiais, processamento de componentes finais, montagem. Esta unidade pode ainda ser separada em departamentos, conforme já discutido no item anterior deste capítulo. Acabamento/Embalagem - conferir aos produtos finais a forma de apresentação para venda (ou expedição). Compreende: controle de qualidade/produção, embalamento e movimentação para armazenamento. 2. UNIDADES DE APOIO À PRODUÇÃO E PROCESSOS: Manutenção - conservação e adequação de equipamentos e instalações visando sua disponibilidade de uso no processo. Utilidades - sistemas de provimento de energia e de materiais secundários para o processamento. Compreende: reservatório de água, casa de força, gás, óleo, etc. Ferramentaria/oficina de máquinas - confecção de ferramentas de máquinas, reparos de partes de máquinas. 3. UNIDADES DE APOIO DE PESSOAL: Apoio de pessoal - serviços de higiene, conforto e saúde para a mão-de-obra. Compreende: ambulatório, vestiários, sanitários, refeitórios, creche, bebedouros, salas de descanso. 4. ADMINISTRAÇÃO E CONTROLE DA FÁBRICA: Recepção - controle de entrada de materiais ou pessoas na fábrica. Compreende: recebimento de materiais, controle de entrada de veículos e pessoas, controle de ponto. Circulação Externa - vias de acesso, estacionamentos. Expedição - controle de saída de pessoas, materiais ou produtos da fábrica. Compreende: movimentação de produtos finais, carregamento e vias de circulação externa. Administração - controle funcional, fiscal e financeiro das atividades da fábrica. Compreende: contabilidade, compras, vendas, recrutamento/seleção, pagamentos, gerência e direção.

4 AMBULATÓRIOS E POSTOS DE SOCORRO A ACIDENTADOS (É Obrigatório para empresas com mais de 100 empregados). -OIT/OMS recomendam: 100 a 300 empregados 35 m2 301 a 500 empregados 60 m2 acima 501 empregados 60 m2 -Código de Edificações de São Paulo: - Área > 500 m2ambulatório > 16 m2 -Simples: - Sala com Lavabo < 16 m2 -Completos: - Sala de Consulta (2 ou 3) 09 a 12 m2 - Sala para pequenas cirugias 20 a 25 m2 - Raio x 10 a 12 m2 - Consultório odontológico 10 a 12 m2 AUDITÓRIOS - Aproximadamente 1 m2 por pessoa sentada - Copa/wc. CRECHE (Obrigatório para empresas com mais de 30 mulheres com idade superior à 16 anos). - 3 m2 por criança. - Considerar uma vaga para mulher na faixa etária entre 16 e 40 anos. ESCRITÓRIOS Considerar: -Todas as atividades administrativas a serem realizadas em escritórios. (Faturamento, contabilidade, vendas, marketing, gerências,...) -Todas as áreas relacionadas com a administração da produção. (PCP, recebimento, expedição...) REFEITÓRIOS (Obrigatório para empresas com mais de 300 funcionários). VESTIÁRIOS - Cozinha, dispensa, câmaras frigoríficas, salão de refeições e bebedouros. - Lavatórios: 1 torneira para 20 usuários. - Área mínima: 1,2 m2 por pessoa. - Abrigar 1/3 dos funcionários do turno. - Área mínima de 1,5 m2 por usuário simultâneo. - 1 chuveiro para cada 20 empregados (1/l0 quando insalubre). - Portas com no mínimo 1,20 m. SANITÁRIOS (Devem ser separados por sexo) - 1 m2 para cada 20 funcionários em atividade. - 1 torneira para cada 20 funcionários em atividade. Consultar: VALLE, C. E. Implantação de Industrias. Rio de Janeiro. 5 a. edição. LTC, 1977 Consultar

5 ÁREAS EXTERNAS PORTARIAS - Considerar uma área mínima de 5 m2. ESTACIONAMENTOS Considerar: - Veículos de visitantes. - Veículos da empresa. - Veículos dos Funcionários. - Veículos de carga. - Áreas de Manobra. Carros: - 5,20 x 2,5 m por veículos. - Soluções: ver fig.4.4 pag.126 Valle. Caminhões: - 2 eixos: 6 a 7 m de comprimento. - 3 eixos: 16 metros de comprimento. Consultar: VALLE, C. E. Implantação de Industrias. Rio de Janeiro. 5 a. edição. LTC, 1977 FLUXO DO PROCESSO fluxo interno aos departamentos fluxo entre os departamentos de produção fluxo geral da fábrica. Fluxos Internos - Técnicas mais comuns: Carta de processo simples (FFM) Carta de processos múltiplos Carta DE-PARA. Fluxo interno aos departamentos(fip) movimentação dos materiais em processo. Entre os CPs (estoque em processo, lotes, freqüência, requisitos, etc.). Fluxo entre departamentos FIP + os sistemas de estoques intermediários e os sistemas de emissão de ordem (ou de expedição). Fluxo geral da unidade produtiva baseado em relações quantitativas (materiais e produtos) e qualitativas (pessoas, serviços, informações).

6 CARTA DE PROCESSO SIMPLES A representação mais comum da carta de processo simples é o fluxograma de fabricação e montagem (ou carta de fluxo do processo, ou flow chart). Carta de Processos Múltiplos Vários produtos e grandes volumes interessa a qualidade do fluxo. Passos do processo de fluxo (processos múltiplos) - EXEMPLO Fase 1: Estabelecimento dos grupos de trabalho: Procura-se estabelecer grupos de equipamentos que processam as mesmas peças e que estejam no mesmo nível de etapas de processamento Duas regras comandam o método: - Regra Horizontal: colocar os mesmos equipamentos na mesma linha. - Regra Vertical: respeitar a seqüência de processamento. 1 o.) Percorre-se a carta com uma peça até que esta não obedeça às regras (Horizontal ou Vertical). 2 o.) Segue o mesmo procedimento para a próxima peça que, em seqüência, obedeça às regras.

7 Fase 2: Destacar os grupos de trabalho e as relações entre eles. Agrupar os equipamentos e os processos em blocos funcionais, na seqüência dos processamentos, independente das peças. Fase 3: Obter as Relações das Atividades. Pegar as áreas dos centros de produção e relaciona-las com as demais, mantendo relação de escala entre os centros de produção (forma geométrica simples e de tamanho aproximado) e estabelecer os fluxos entre elas. Fase 4: Obter Relações das Áreas, ou seja, retirar os espaços vazios entre os blocos. Carta DE - PARA Muitos produtos com baixo volumes interessa quantificar fluxo

8 Passos do processo de fluxo (Carta De-Para) 1ª Etapa: Representação gráfica 2ª Etapa: Racionalizar o fluxo da 1ª etapa, ou seja, rearranjar os blocos de áreas de forma a eliminar cruzamentos. Esta fase pode ser feita graficamente (processo visual) ou matematicamente, através de reordenação de matriz anulando os valores (fluxos) abaixo da diagonal principal (resolução de sistema de equações lineares). 1) Aproximar atividade de maior intensidade de fluxos 2) Evitar cruzamentos (Ligações Diagonais) 3) Dar uma tendência geral do fluxo 3ª etapa: aproximação para o fluxo geral do layout - Linearizar o fluxo primário (que liga as atividades de maior intensidade de fluxo) - Estabelecer as relações de áreas Fluxo entre setores relações Qualitativas Matriz de Ligações Preferenciais

9 Uso da Carta de Ligações Preferenciais tipo de ligação entre duas atividades Código Código Essencial (Adjacente) 2 A Desejável (próximo) 1 P Não é importante (livre) (branco ou zero) L Indesejável (distante) X X Sobreposto (juntos) 3 S Outras relações de atividades: Preferenciais (1), Desejadas (2), Sem relações (3), Indesejadas (X). Adjacentes (1), Sobrepostas (2), Próximas (3), Distantes (4), Livres(X). Absolutamente necessário (A), Muito Importante (E), Importante (I), Pouco Importante (O), Desprezível (U), Indesejável(X).

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO INTRODUÇÃO Grupo: DESENVOLVIMENTO DO PROJETO Empresa: Setor da empresa: Produtos: I.Objetivos e metas do projeto: a) quais as razões para a elaboração do projeto (aumento de demanda, segurança, novos equipamentos,

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS O canteiro de obras Introdução Sistema de produção Em muitos casos de obras de construção e montagem o canteiro de obras pode ser comparado a uma fábrica

Leia mais

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira Interligação das Unidades O estudo do arranjo físico das edi cações de uma indústria gera a Planta de Locação, relacionando as várias unidades de produção entre si e vinculandoas demais unidades auxiliares,

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 21º Encontro - 07/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - LAYOUTS DE EMPRESAS INDIVIDUAIS 02 ABERTURA

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

GESTÃO NO CANTEIRO DE OBRAS

GESTÃO NO CANTEIRO DE OBRAS 25/09/2012 GESTÃO NO CANTEIRO DE OBRAS ENG O. LEONARDO MENDES LEAL DA PAIXÃO AGENDA Definição. Fase de Planejamento. FasesOperacionais. a) Fase de Implantação; b) Fase Funcional; c) Fase de Desmontagems

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

Descrição: Atendimento ao publico e telefone. Segunda a sexta-feira das 17:30 as 22:30 e nos sábados das 11:30 as 15:30

Descrição: Atendimento ao publico e telefone. Segunda a sexta-feira das 17:30 as 22:30 e nos sábados das 11:30 as 15:30 SELECIONA Recepcionista - Chapecó/SC Remuneração: R$ 600.00 Benefícios: VT, cartão de compras, plano odontológico Descrição: Atendimento ao publico e telefone. Segunda a sexta-feira das 17:30 as 22:30

Leia mais

Condomínio Master Business Park

Condomínio Master Business Park Condomínio Master Business Park Av. Marginal da Rodovia dos Bandeirantes, km 61,5 (sentido capital) Esquina com Av. Eng. Luiz Latorre Distrito Industrial de Jundiaí SP Saída km 59 da Rodovia dos Bandeirantes

Leia mais

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos CHECK SEU LAYOUT Com a quantidade a produzir, o planejamento do fluxo geral dos materiais, os métodos de trabalho planejados, mais o trabalho padrão especificado, nós podemos determinar e dimensionar os

Leia mais

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS Este roteiro só se aplica aos estabelecimentos não obrigados a aprovação de projeto arquitetônico na Vigilância Sanitária

Leia mais

O que é Canteiro de Obras?

O que é Canteiro de Obras? O que é Canteiro de Obras? Sistema complexo, com muitos riscos associados Análise prévia e criteriosa de sua implantação Qualidade Produtividade Segurança Cartão de visita da obra!!! O que é Canteiro

Leia mais

Condomínio Ory Business Park

Condomínio Ory Business Park Condomínio Ory Business Park Marginal Norte da Rodovia dos Bandeirantes, km 61,5 Distrito Industrial Jundiaí/SP Saída km 59 da Rodovia dos Bandeirantes Saída km 61 da Rodovia Anhanguera www.orypark.com.br

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

TESTE RÁPIDO (ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS)

TESTE RÁPIDO (ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS) TESTE RÁPIDO (ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS) ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS A respeito da administração de recursos materiais, julgue os itens que se seguem. 1 - ( CESPE / ANS / 2013 / TÉCNICO

Leia mais

Este manual tem como principal finalidade, ajudar os usuários nos cadastros e movimentações do WMS.

Este manual tem como principal finalidade, ajudar os usuários nos cadastros e movimentações do WMS. Página 1 de 40 Descrição Este manual tem como principal finalidade, ajudar os usuários nos cadastros e movimentações do WMS. Relação dos Tópicos a serem vistos neste manual - Faturamento - Cadastro o Contrato

Leia mais

Layout - Arranjo Físico

Layout - Arranjo Físico ???????????????? 2 Layout - Arranjo Físico É a disposição física dos equipamentos incluindo o espaço necessário para movimentação de material, armazenamento, mão de obra e todas as outras atividades e

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

TABELA I CASAS POPULARES OU DE INTERESSE SOCIAL UNIFAMILIAR

TABELA I CASAS POPULARES OU DE INTERESSE SOCIAL UNIFAMILIAR -fl.44- TABELA I CASAS POPULARES OU DE INTERESSE SOCIAL UNIFAMILIAR PÉ DIREITO REVESTIMENTO PAREDES 01 SALA DE ESTAR 2.00 8.00 1/8 1/16 2.50 3 x P.D. - - 02 DORMITÓRIO ÚNICO 2.00 8.00 1/8 1/16 2.50 3 x

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Introdução A Secretaria de Estado da Saúde estabeleceu como ação estruturante para a implantação das redes de atenção no Paraná,

Leia mais

COPASA Águas Minerais de Minas S/A

COPASA Águas Minerais de Minas S/A ANEXO I EDITAL 001/2009 CÓDIGOS/DETALHES DE ESPECIALIDADE DO CARGO DE AGENTE INDUSTRIAL Código: 01 Detalhe de Especialidade: Ajudante de Serviços Faixa Salarial: 1 Salário Base (R$): 465,00 Requisitos

Leia mais

Processos e Layouts Produtivos

Processos e Layouts Produtivos Processos e Layouts Produtivos Produção Segurança Tecnologia de processos Layout Projeto de organização do trabalho Fernando Gonçalves Amaral Estudos de ou Layout Aplicação: Em todos os setores produtivos

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 1. Contextualização. Importância da Área de Materiais. Estoque. Objetivos da Armazenagem

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 1. Contextualização. Importância da Área de Materiais. Estoque. Objetivos da Armazenagem Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 1 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Entrada Estoque Nível de estoque Importância da Área de Materiais Comércio: 70 a 85% do orçamento Saída Indústria:

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares O cina de Manutenção A localização deve obedecer os seguintes princípios: - Proximidade das unidades de maior concentração de equipamentos e das instalações sujeitas a manutenção mais freqüente; - Proximidade

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA Como obter mais resultados com menos despesas Thomas Burger - Arquiteto Burger Arquitetos Arquitetura e Gerenciamento de Projetos Porto Alegre

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Indústria da Construção: Canteiro de obras

Indústria da Construção: Canteiro de obras Indústria da Construção: Canteiro de obras Grupo de Materiais de Construção 1 INTRODUÇÃO: Definição: O Canteiro de obras é o conjunto de "áreas destinadas à execução e apoio dos trabalhos da indústria

Leia mais

Elevador para Cabinas Elevador para Cabinas / Montacarga Elevador para Paletes Elevador Contínuo / Elevador para Pequenos Volumes

Elevador para Cabinas Elevador para Cabinas / Montacarga Elevador para Paletes Elevador Contínuo / Elevador para Pequenos Volumes Forma Construtiva dos Transelevadores Modo de Funcionamento dos Transelevadores Sistemas de Transferência Transelevadores para Armazém Autoportante Transelevadores para Armazém Autoportante Climatizado

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RESÍDUO DE PVC

GERENCIAMENTO DO RESÍDUO DE PVC GERENCIAMENTO DO RESÍDUO DE PVC 4.1 - O Que é Gerenciamento de Resíduo? Gerenciamento de Resíduo é um conjunto integrado de ações operacionais e de planejamento que envolvem custo. Gerenciar um resíduo

Leia mais

- Especificações; - Notas de entrega de produção; - Pedidos de Compra.

- Especificações; - Notas de entrega de produção; - Pedidos de Compra. PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. CAPÍTULO 6 Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP) é uma função técnica e administrativa que tem por objetivo fazer os planos que orientarão

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Unioeste Diretoria de Concursos

Unioeste Diretoria de Concursos Unioeste Diretoria de Concursos 9º Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico Administrativo Instruções

Leia mais

AJUDANTE DE DEPÓSITO 02 Sem experiência, masculino AA15

AJUDANTE DE DEPÓSITO 02 Sem experiência, masculino AA15 VAGAS QUA PRE-REQUISITOS COD AÇOUGUEIRO 30 Com experiência comprovada em carteira e ser AA15 do sexo masculino. AJUDANTE DE CAMINHÃO 06 Ensino médio completo e residir próximo a AA26 marca ambiental do

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE OURO PRETO SEMAE-OP CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 01/2007 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE OURO PRETO SEMAE-OP CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 01/2007 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO: 100 ADMINISTRADOR ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Reportar-se ao Diretor de Gestão, de quem recebe orientação e supervisão; Redigir documentos e ter domínio de ferramentas de informática; Efetuar

Leia mais

Manual de Logística ISGH

Manual de Logística ISGH Manual de Logística ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Juniana Torres Costa Gerente do Núcleo de Logística ISGH FORMATAÇÃO Comunicação Visual ISGH DATA Novembro de 2014 Manual de Logística ISGH Página 2 SUMÁRIO

Leia mais

CENAIC Centro Nacional Integrado de Cursos 5 ª Prova de Avaliação de Logística Teórica Alternativa Dissertativa

CENAIC Centro Nacional Integrado de Cursos 5 ª Prova de Avaliação de Logística Teórica Alternativa Dissertativa Nome: Data: / /. Dia da Semana: Horário de Aula das : ás :. Nome do Professor: Carlos Roberto Mettitier Esta avaliação teórica tem o peso de 10 pontos. Instruções para realização da avaliação: 1. A avaliação

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI A) Área de Administração Geral ÁREAS E ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estagiário desta área de interesse deverá participar de atividades essenciais de uma empresa, tais como: marketing, produção,

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

INTERESSADOS DEVERÃO CADASTRAR CURRICULO GRATUITAMENTE EM NOSSO SITE WWW.MDRH.COM.BR

INTERESSADOS DEVERÃO CADASTRAR CURRICULO GRATUITAMENTE EM NOSSO SITE WWW.MDRH.COM.BR INTERESSADOS DEVERÃO CADASTRAR CURRICULO GRATUITAMENTE EM NOSSO SITE WWW.MDRH.COM.BR TELEFONE 49-3323 5804 Assistente Administrativo - Chapecó/SC Remuneração: R$ 1400.00 Benefícios: VT Descrição: Atividades:

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão, para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística da Pilkington (OE-Operação Marcopolo) e Pilkington AGR de recebimento, armazenagem

Leia mais

1.3.2 Um ponto de água e esgoto e uma tomada 110V para instalação de purificador

1.3.2 Um ponto de água e esgoto e uma tomada 110V para instalação de purificador Anexo I Chamamento Público 01/2014 1 Espaço A. Destinação Almoxarifado: armazenamento útil mínimo de 1.000m², divididos da seguinte forma: 1.1 Área de armazenagem 87% (mínimo de 870m²) 1.1.1 Sala administrativa

Leia mais

GLP Campinas. Apresentação do Empreendimento

GLP Campinas. Apresentação do Empreendimento GLP Campinas Apresentação do Empreendimento GLP Campinas O empreendimento foi desenvolvido para atender empresas de logística e indústrias, de todos os portes e diferentes necessidades, afim de facilitar

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

SELECIONA para atuar em Chapecó e região:

SELECIONA para atuar em Chapecó e região: SELECIONA para atuar em Chapecó e região: Analista de Projetos Irá interpretar pedido, efetuar o planilhamento, conferir e liberar romaneios de projetos, a fim de viabilizar a adequada execução dos serviços

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

PRIVILEGIADO E CONFIDENCIAL - NÃO COPIAR

PRIVILEGIADO E CONFIDENCIAL - NÃO COPIAR BRASIL LOGÍSTICA MUNDO SOLUÇÕES PRIVILEGIADO E CONFIDENCIAL - NÃO COPIAR FedEx Movimenta 10,5 milhões de Pacotes (vol. médio diário) Via > 100.000 Veículos terrestres > 36.300 Drop boxes > 325.000 Colaboradores

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

1) LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DE UMA FÁBRICA

1) LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DE UMA FÁBRICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - Éolo

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Faculdade de Tecnologia de Pompéia LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Concepção de logística Agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva.

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE PARA A ÁREA DE EXPEDIÇÃO EM UMA EMPRESA DO RAMO AUTOMOTIVO

DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE PARA A ÁREA DE EXPEDIÇÃO EM UMA EMPRESA DO RAMO AUTOMOTIVO DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE PARA A ÁREA DE EXPEDIÇÃO EM UMA EMPRESA DO RAMO AUTOMOTIVO Paula de Moraes Rodrigues (UFSCar) pa_mrodrigues@hotmail.com Mauricio Bissi Pires (UFSCar) mauriciobissi@yahoo.com.br

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

1ª MARATONA DE PROJETOS ATELIÊ VERTICAL PROF. LUCIANO ARRUSSUL

1ª MARATONA DE PROJETOS ATELIÊ VERTICAL PROF. LUCIANO ARRUSSUL Programa de necessidades e pré-dimensionamento SETORES: -Administrativo - Artístico - Técnico - Público e de Convivência Programa de necessidades e pré-dimensionamento Setor Administrativo Ambiente Descrição

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA PROJETO DE NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and the urban environment Palavras-chave: Descriptors:

Leia mais

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Sumário Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Capítulo 2 - A Integração do Marketing com a Logística 21 2.1. O Departamento de Vendas 21 2.2. Plano de

Leia mais

Dimensionamento de espaço

Dimensionamento de espaço Dimensionamento de espaço Definindo os volumes de produtos e os tipos de produtos que serão tratados no projeto, teremos condições, a partir de agora, de dimensionar o tamanho do armazém, suas características

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente 151 Com a intenção de mostrar ao empresariado opções simples de adaptação do ambiente de trabalho para o deficiente físico, sugerimos em seguida

Leia mais

Galpão em condomínio fechado Sorocaba SOROCABA

Galpão em condomínio fechado Sorocaba SOROCABA Galpão em condomínio fechado Sorocaba Módulos 3.568,00 m² SOROCABA Sorocaba tornou-se um interessante polo para empresas de logística, atraídas pela fácil circulação de mercadorias devido a sua excelente

Leia mais

INTHEGRA TALENTOS HUMANOS CONTRATA-SE URGENTE!!!

INTHEGRA TALENTOS HUMANOS CONTRATA-SE URGENTE!!! INTHEGRA TALENTOS HUMANOS CONTRATA-SE URGENTE!!! Acesse e Cadastre-se: www.inthegrath.com.br OPERADORA DE CAIXA (Loja) - ITH 3390: Ensino Médio Completo Informática: Word e Excel Atividades: Operar caixa,

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS soluções definitivas paralogística Identificação Placas de Rua O início da sinalização e o endereçamento de um armazém começam pelas placas de rua. Elas devem ser instaladas

Leia mais

PORTARIA Nº 321 DE 26 DE MAIO DE 1988

PORTARIA Nº 321 DE 26 DE MAIO DE 1988 PORTARIA Nº 321 DE 26 DE MAIO DE 1988 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto nos artigos 72 e 73 do Código Nacional de Saúde aprovado pelo Decreto nº 49.974-A,

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A EFICÁCIA DO LAYOUT PARA ARMAZENAGEM Por: Vanessa da Silva Floriano Orientador Prof. Ana Cláuida Morrissy Rio de Janeiro, Fevereiro

Leia mais