PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL"

Transcrição

1 PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL 1. INTRODUÇÃO O Projecto de Intervenção Precoce do Centro de Apoio Psicopedagógico do Funchal pretende dar resposta a um grupo de crianças em risco biológico, ambiental ou estabelecido, bem como às suas famílias. Subjacente à nossa actuação, estão as perspectivas actuais em Intervenção Precoce, baseadas no modelo ecossistémico e no modelo transaccional que realçam o papel dos diferentes contextos de vida das crianças e o seu impacto no desenvolvimento. Estes são modelos conceptuais importantes para a teoria e prática da Intervenção Precoce (IP), nomeadamente, para a compreensão da ecologia da família e a promoção de oportunidades de aprendizagem em contextos naturais (Bairrão & Almeida, 2003). Consideram-se contextos naturais ou normais, aqueles que são natural ou normalmente frequentados por crianças sem problemas de desenvolvimento. As crianças com necessidades educativas especiais, com idades compreendidas entre os 0 e os 6 anos, têm como contextos naturais de desenvolvimento, a família e a creche ou jardim-de infância. Assim, a intervenção precoce e este programa em particular, prevê uma actuação centrada na família e de natureza comunitária, assente em programas individualizados, desenvolvidos nos ambientes em que a criança habitualmente se encontra (Despacho Conjunto nº 891/99). 2. OBJECTIVOS 1- Criar condições facilitadoras do desenvolvimento global da criança, minimizando os problemas das deficiências ou o risco de atraso de desenvolvimento e prevenir eventuais sequelas.

2 Avaliação Elaboração do PIAF Apoio Pedagógico Especializado Apoio Terapêutico 2- Responder às necessidades da família e incrementar o reforço das suas capacidades e competências. Apresentação do Projecto aos Pais; Avaliação das Necessidades da Família; Acções de Formação/Sensibilização; Avaliação do projecto pelos Pais. 3- Promover o envolvimento da comunidade no processo de intervenção, fomentando a resposta integrada dos Serviços de educação, saúde, acção social e de outros parceiros comunitários. Contactos com os serviços da comunidade em intervenção com as crianças / famílias apoiadas pelo projecto. 4- Promover o desenvolvimento de práticas e ambientes educativos inclusivos. Apresentação do Projecto; Reuniões de equipa; Acções de formação às equipas do regular; Supervisão; Avaliação do Projecto. 5- Promover a formação técnica da equipa. Modelo Interdisciplinar / Transdisciplinar; Frequência de formações. 6- Apoiar o processo de transição das crianças/famílias para outros contextos educativos. Discutir com a Família questões relacionadas com a transição; Promover visitas ao novo contexto;

3 Contactos com a nova equipa. 3. COMO TRABALHAMOS Em conjunto com as famílias Em conjunto com os educadores Em conjunto com outros serviços da comunidade Directamente com a criança O esquema seguinte sintetiza a dinâmica do processo de atendimento à população elegível ao presente Programa. Sinalização Não precisa de Serviços especializados Encaminhamento Vigilância Primeiros contactos Avaliação Criança/família/Escola Planificação da avaliação Definição de objectivos Identificação de Recursos e Necessidades da Família Implementação Avaliação Quadro nº 3: Démarche do atendimento IP CAP Funchal

4 4- A EQUIPA A equipa procura trabalhar com base no modelo interdisciplinar, sendo constituída pelos seguintes técnicos: Educadoras Especializadas Terapeuta da Fala Terapeuta Ocupacional Fisioterapeuta Técnico Superior de Educação Especial e Reabilitação Técnica Superior de Serviço Social Psicóloga Genericamente, as funções de cada um destes técnicos são descritas de seguida: DISCIPLINA/ EQUIPA OBJECTIVO FUNCIONAL FUNÇÕES Apoio Pedagógico Especializado Assegurar um ambiente facilitador do desenvolvimento das competências sociais, motoras, de comunicação, de autonomia, cognitivas, comportamentais da criança e promover o auto- conceito, sentimentos de competência e de controlo e independência das crianças. 1. Avaliar o desenvolvimento da criança 2. Planear intervenções educativas 3. Fornecer serviços educativos 4. Coordenar apoios interdisciplinares 5. Implementar recomendações/orientações de outros técnicos 6. Avaliar as necessidades das famílias 7. Planear e implementar serviços de apoio à família 8. Avaliar a eficácia do programa

5 Psicólogo Obter um quadro compreensivo da criança e funcionamento familiar e identificar, implementar e/ou avaliar intervenções psicológicas 1.Avaliar as características psicológicas/comportamentais das crianças e/ou suas famílias 2. Identificar necessidades e recursos 3.Planear e desenvolver intervenções psicológicas/desenvolvimentais 4.Coordenar esforços interdisciplinares 5.Consultadoria com famílias e/ou outros profissionais 6.Delinear e implementar avaliações da eficácia dos programas Terapeuta da Fala Promover as competências de comunicação das crianças no contexto das interacções sociais com os pares, membros da família, na escola e na comunidade 1.Avaliar as competências de comunicação das crianças 2.Despistar crianças com problemas de comunicação 3.Recomendar, planear e/ou implementar intervenções 4.Reavaliar as crianças periodicamente 5.Consultadoria à família e/ou outros profissionais 6.Avaliar a eficácia da intervenção Terapeuta Ocupacional Promover o desenvolvimento emocional, físico e social das crianças através de actividades tais como o jogo e actividades da vida diária. 1.Avaliar o desempenho da criança no jogo, na autonomia pessoal, e na interacção com o ambiente físico e social 2.Desenvolver e implementar intervenções com o objectivo de promover competências sensório-motoras, físicas, emocionais, cognitivas e adaptativas. 3.Conceber e desenvolver equipamentos e ambientes adaptativos de modo a promover as capacidades funcionais e a interacção com o ambiente. 4.Consultadoria Fisioterapeuta Maximizar o desenvolvimento sensório motor e a organização neuro- comportamental das crianças com deficiência ou em risco 1.Avaliar e diagnosticar as competências motoras e o estado neuromuscular das crianças 2.Planear e implementar intervenções terapêuticas 3. Avaliar a eficácia da intervenção 4.Despistar disfunções neuromusculares e cardio-pulmonares 5.Desenvolver e monitorizar recomendações à família 6.Participar no planeamento interdisciplinar 7.Consultadoria a outros profissionais e membros da família 8.Recomendar equipamentos adaptados 9.Recomendar/implementar modificações ambientais

6 Técnico de Serviço Social Apoiar a família no seu contexto social de forma a que esta possa proporcionar à criança um ambiente adequado ao seu desenvolvimento 1. Avaliar a capacidade da família para gerir necessidades básicas (alimentação, cuidados de saúde, emprego, etc.) 2. Mobilizar as famílias para redes de apoio disponíveis (família alargada, grupos da comunidade, amigos, serviços) incluindo a avaliação e fortalecimento dos recursos da família 3. Despistar eventuais situações de abuso e negligência 4. Avaliar e disponibilizar serviços relacionados com problemas no funcionamento familiar 5. Defender os direitos da família e o acesso a serviços da comunidade 6. Servir como gestores de caso 7. Consultadoria a outros profissionais relativamente a questões familiares 8. Planear e implementar serviços para a família tais como grupos de pais. Técnico Psicomotricidade Identificar problemas de desenvolvimento e de maturação psicomotora, de comportamento, de aprendizagem e de âmbito afectivo, com vista a promover a expressão motora adequada. 1. Avaliar o desenvolvimento psicomotor da criança, com base numa visão holística do ser humano 2. Planear e intervir no âmbito da motricidade humana 3. Prestar consultadoria a outros profissionais 4.Promover adaptações envolvimentais com vista a maximizar respostas terapêuticas decorrentes da intervenção. 5. Planear e implementar em equipa a avaliação da eficácia da intervenção. Quadro nº 2: Âmbito funcional dos técnicos do Programa 5- ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS Entre as actividades desenvolvidas no âmbito do Projecto de Intervenção Precoce seleccionamos as seguintes: Acções de Formação/Sensibilização dinamizados: Reunião mensal de carácter formativo com as educadoras do JI D. Livia Nosolini (iniciadas no último trimestre de 2006). Temáticas Abordadas: Trissomia 21 Autismo Maus-tratos a crianças/institucionalização Alterações alimentares

7 Alterações Comportamentais Acção de Sensibilização Medos na Infância que decorreu no Infantário O Girassol, no dia 16 de Maio de 2007 com a duração de uma hora e trinta minutos, dirigida a toda a comunidade educativa (pessoal docente, não docente e pais). Seminário Intervenção Precoce que decorreu nos dias 23 e 24 de Maio de 2007 num total de 4 horas dirigido a uma turma do 3º ano do curso de Licenciatura em Psicologia da Universidade da Madeira. Temáticas Abordadas: Modelos Teóricos de Referencia em Intervenção Precoce Implicações para a Prática (Práticas recomendadas): o Trabalho de Equipa o Abordagem Centrada na Família o A avaliação numa perspectiva ecológica o A Inclusão O Projecto de Intervenção Precoce do Centro de Apoio Psicopedagógico do Funchal Acção de Formação Perturbações Desenvolvimentais da Infância dirigida a educadores de infância dos Infantários apoiados pelo PIP do CAP Funchal, que decorreu no dia 19 de Junho de 2007 Acção de Sensibilização Jogo e Imaginação: Contributos para o desenvolvimento das crianças que decorreu no Infantário D. Livia Nosolini, no dia 28 de Junho de 2007 com a duração de uma hora e trinta minutos, dirigida a toda a comunidade educativa (pessoal docente, não docente e pais). Fotos que podem ser usadas

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

O Perfil do Psicólogo na Administração Local

O Perfil do Psicólogo na Administração Local CATEGORIA AUTORIA JANEIRO 15 Perfis do Psicólogo Gabinete de Estudos Técnicos O Perfil do Psicólogo na Administração Local Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O Perfil do Psicólogo

Leia mais

Serviço Técnico de Educação de Deficientes Intelectuais Quinta do Leme

Serviço Técnico de Educação de Deficientes Intelectuais Quinta do Leme Serviço Técnico de Educação de Deficientes Intelectuais Quinta do Leme Índice I NOTA INTRODUTÓRIA...3 Missão do STEDI Quinta do Leme...3 Ambiente Interno...5 Ambiente Externo...5 Identificação dos Cliente...5

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURA REGIMENTO INTERNO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURA REGIMENTO INTERNO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURA REGIMENTO INTERNO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL SETEMBRO DE 2014 1 Regimento Interno do Grupo de Educação Especial 1.1. DEFINIÇÃO O grupo de Educação Especial (GEE) é uma estrutura

Leia mais

Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção

Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção pág. 1/18 Índice 1 - Enquadramento do SNIPI 1.1 - Objectivos do SNIPI 1.2 Competências dos 3 Ministérios 1.3 Organização do Sistema 2 - Legislação 3 - Regulamento

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas. Regulamento da Equipa de Educação Especial e Apoio Educativo

Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas. Regulamento da Equipa de Educação Especial e Apoio Educativo Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas Regulamento da Equipa de Educação Especial e Apoio Educativo Regulamento da Equipa de Educação Especial e Apoio Educativo 1.Educação Especial e Apoio Educativo 1.1.

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2015/2016

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2015/2016 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2015/2016 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARACTERIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 3 FUNCIONAMENTO DA VALÊNCIA CENTRO DE RECURSOS PARA A INCLUSÃO 3 ESPAÇO FÍSICO 4 EQUIPA 4 FUNÇÕES DA

Leia mais

DECRETO LEI Nº 281/2009, de 6 de Outubro

DECRETO LEI Nº 281/2009, de 6 de Outubro Miranda do Corvo, 24 de outubro de 2015 DECRETO LEI Nº 281/2009, de 6 de Outubro O SNIPI consiste num conjunto organizado de entidades institucionais e de natureza familiar com a missão de garantir de

Leia mais

Promover condições de empregabilidade das pessoas com deficiências e incapacidades, visando a consagração do direito de exercício pleno da cidadania.

Promover condições de empregabilidade das pessoas com deficiências e incapacidades, visando a consagração do direito de exercício pleno da cidadania. Formação Profissional para Pessoas ou Grupos com Necessidades Especiais Práticas do Centro de Reabilitação Profissional da CERCIPENICHE Cooperativa de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de

Leia mais

Despacho Conjunto n.º 198/99, de 3 de Março

Despacho Conjunto n.º 198/99, de 3 de Março Despacho Conjunto n.º 198/99, de 3 de Março O regime jurídico da formação especializada de educadores de infância e de professores dos ensinos básico e secundário foi aprovado pelo Decreto Lei n.º 95/97,

Leia mais

1 de :27

1 de :27 1 de 3 01-12-2015 09:27 Acções de Formação c/despacho > Imprimir (id #87056) Ficha da Acção Designação A Dislexia e a Escola: da Avaliação à Intervenção em Todos os Níveis de Ensino Região de Educação

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia Ano Lectivo 2010/2011

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia Ano Lectivo 2010/2011 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia Ano Lectivo 2010/2011 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos e Representante

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO [DREER] A tem por missão assegurar a inclusão familiar, educacional e social de crianças, jovens e adultos com deficiência ou outras necessidades especiais.

Leia mais

Desenvolvimento, Contextos Familiares e Educativos: Resumo de Projectos

Desenvolvimento, Contextos Familiares e Educativos: Resumo de Projectos Desenvolvimento, Contextos Familiares e Educativos: Resumo de Projectos 3- Projecto de Intervenção Socioeducativa para Crianças e Famílias da Cruz de Pau (1995-2002) [ Cruz de Pau Social and Educational

Leia mais

(a) Metropolitana Garanhuns TOTAIS QUANTITATIVO DE VAGAS FUNÇÃO. Metropolitana Garanhuns TOTAIS

(a) Metropolitana Garanhuns TOTAIS QUANTITATIVO DE VAGAS FUNÇÃO. Metropolitana Garanhuns TOTAIS ANEXO I QUADRO DE VAGAS, REQUISITOS, REMUNERAÇÃO MENSAL, JORNADA DE TRABALHO E ATRIBUIÇÕES. I VAGAS POR LOTAÇÃO, COM RESERVA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. 1.1 Nível Superior Advogado Região 02 01 03 (a)

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017 Psicólogas do Externato Pré-Escolar Vera Almeida 1º Ciclo Vera Almeida 2º Ciclo Manuela Pires 3º Ciclo Irene Cardoso Ensino Secundário

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE APOIO EDUCATIVO

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE APOIO EDUCATIVO PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE APOIO EDUCATIVO Lado a lado na Solução OBJETIVOS ESTRATÉGICOS E SUA OPERACIONALIZAÇÃO POSSUIR UMA OFERTA EDUCATIVA DIVERSIFICADA E DE ACORDO COM OS VÁRIOS

Leia mais

Departamento de Educação Especial

Departamento de Educação Especial Índice Artigo 1º (Objeto)...2 Artigo 2º (Âmbito)...2 Artigo 3º (Composição)...3 Artigo 4º (Competências)...3 Artigo 5º (Organização)...5 Artigo 6º (Equipas pluridisciplinares)...5 Artigo 7º (Pedido de

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

DECRETO-LEI 3/ de Janeiro

DECRETO-LEI 3/ de Janeiro DECRETO-LEI 3/2008 7 de Janeiro ÂMBITO Define os apoios especializados a prestar na Educação Pré-Escolar e nos ensinos básico b e secundário dos sectores públicos, p particular e cooperativo. Princípios

Leia mais

Plano de Atividades Intervenção Precoce Plano de Atividades Intervenção Precoce

Plano de Atividades Intervenção Precoce Plano de Atividades Intervenção Precoce Mod46/V01.Org (09.02.2015) Página 1 de 8 2015 Elaborado: Ângela Madureira Data: 20.02.2015 Aprovado: Direção Data: 26.02.2015 1 Mod46/V01. Org (09.02.2015) Página 2 de 9 ÍNDICE Introdução... 3 Objetivos

Leia mais

4- Projecto de Intervenção Precoce de Matosinhos (1996-em curso) [Matosinhos Early Childhood Intervention (1996-ongoing)]

4- Projecto de Intervenção Precoce de Matosinhos (1996-em curso) [Matosinhos Early Childhood Intervention (1996-ongoing)] 4- Projecto de Intervenção Precoce de Matosinhos (1996-em curso) [Matosinhos Early Childhood Intervention (1996-ongoing)] OBJECTIVOS [GOALS OF THE STUDY] Objectivo Geral [General Goal] Este Projecto resulta

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2017

Programa BIP/ZIP 2017 Programa BIP/ZIP 217 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 1 Novas GerAções Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 11-6 Lisboa Telefone: 21 322

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo / Estabelecimento de Ensino: Agrupamento de Escolas: Nome: Data de Nascimento: Morada: Telefone: Nível de Educação ou Ensino: Pré-Escolar 1ºCEB 2º CEB 3ºCEB E.

Leia mais

OS/AS PSICÓLOGOS/AS VALORIZAM A EXCELÊNCIA E O BEM-ESTAR

OS/AS PSICÓLOGOS/AS VALORIZAM A EXCELÊNCIA E O BEM-ESTAR OS/AS PSICÓLOGOS/AS VALORIZAM A EXCELÊNCIA E O BEM-ESTAR 2017 PERFIL DOS/AS PSICÓLOGOS/AS DO DESPORTO, EXERCÍCIO E PERFORMANCE ÍNDICE P. 04 1. Intervenção e Importância dos/as Psicólogos/as do Desporto,

Leia mais

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Psicóloga Ana Rita Antunes (2º e 3º Ciclos e Coordenadora do Serviço de Psicologia e Orientação) Psicóloga Filipa

Leia mais

Europass curriculum vitae

Europass curriculum vitae Europass curriculum vitae Informação pessoal Apelido(s) - Nome(s) Morada(s) Correio(s) eletrónico(s) Carvalho, Rute Alexandra Tomás Rua António Pinheiro Lacerda, N.º 7, 2630-370 Arruda dos Vinhos Telefone(s)

Leia mais

Relatório da visita do Grupo de Trabalho de Educação Especial ao Agrupamento de Escolas Quinta de Marrocos

Relatório da visita do Grupo de Trabalho de Educação Especial ao Agrupamento de Escolas Quinta de Marrocos Relatório da visita do Grupo de Trabalho de Educação Especial ao Agrupamento de Escolas Quinta de Marrocos 17 de maio de 2016 1 Objetivo da visita O Grupo de Trabalho de Educação Especial efetuou, no passado

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Modelo Curricular High/Scope

Modelo Curricular High/Scope Modelo Curricular High/Scope Origem e Evolução Década de 60: David Weikart inicia Perry Preschool Project Combate ao Insucesso Escolar Intervenção precoce Escolha do modelo curricular Investigação Década

Leia mais

PROJETO EUROPEU HEALTHY DS

PROJETO EUROPEU HEALTHY DS PROJETO EUROPEU HEALTHY DS O projeto Europeu HEALTHY DS é financiado pelo PROGRAMA ERASMUS+ 2015, com uma duração de 24 meses, e liderado pela fundação ASINDOWN Valência (Espanha) que prevê o desenvolvimento

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 010 Espaço de (Re) Encontro Familiar Pais-Filhos

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 010 Espaço de (Re) Encontro Familiar Pais-Filhos Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 010 Espaço de (Re) Encontro Familiar Pais-Filhos Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos

ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos. - individual - em grupo - consultoria a professores, encarregados de educação e pais B - Participação

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Correio(s) electrónico(s) Maria Neves Rua do Passal, Nº 46, 1º D, 9500-096 Ponta Delgada Telemóvel 936602762 / 926592751

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Arquiteto Fernando Távora 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Implementação do PAPES (Programa de Apoio à promoção e Educação para a Saúde) Horário das docentes da Equipa da Promoção e Educação para a Saúde

Implementação do PAPES (Programa de Apoio à promoção e Educação para a Saúde) Horário das docentes da Equipa da Promoção e Educação para a Saúde INTRODUÇÃO Saúde é a capacidade de cada Homem, Mulher ou Criança para criar e lutar pelo seu projeto de vida, pessoal e original, em direção ao bem-estar. (C. Déjours) O projeto de Promoção e Educação

Leia mais

Encontro Equidade, Efectividade e Eficiência em Saúde. 3ª Edição Prémio de Boas Práticas NOVARTIS ONCOLOGY/ APDH

Encontro Equidade, Efectividade e Eficiência em Saúde. 3ª Edição Prémio de Boas Práticas NOVARTIS ONCOLOGY/ APDH Encontro Equidade, Efectividade e Eficiência em Saúde 3ª Edição Prémio de Boas Práticas NOVARTIS ONCOLOGY/ APDH Beja, 22 e 23 de Outubro de 2009 Encontro Equidade, Efectividade e Eficiência em Saúde Beja,

Leia mais

FNE Proposta de Intervenção Escola Inclusiva Alteração ao Decreto -Lei n.º 3/ Recomendações (a montante do Decreto-lei nº 3/2008):

FNE Proposta de Intervenção Escola Inclusiva Alteração ao Decreto -Lei n.º 3/ Recomendações (a montante do Decreto-lei nº 3/2008): FNE Proposta de Intervenção Escola Inclusiva Alteração ao Decreto -Lei n.º 3/2008 1. Recomendações (a montante do Decreto-lei nº 3/2008): 1.1 Implementar políticas educativas de inclusão que favoreçam

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

CENTRO PSICOPEDAGÓGICO DA LINHA. Programa Formativo. Atenção! Este Programa Formativo pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado!

CENTRO PSICOPEDAGÓGICO DA LINHA. Programa Formativo. Atenção! Este Programa Formativo pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado! Atenção! Este pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado! Treino de Competências Sociais em Crianças e Jovens: Uma Abordagem Prática Contribuir para o enriquecimento teo rico-pra tico

Leia mais

GABINETE DE APOIO AO ALUNO E À FAMÍLIA

GABINETE DE APOIO AO ALUNO E À FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DE APOIO AO ALUNO E À FAMÍLIA Relatório de Actividades do 1º Período Técnica Superior de Educação: Catarina Miranda Oliveira 2010/2011 E S C O L A S E C U N D Á R I A D

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 070 Gabinete de Apoio Jovem Futuro + Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60

Leia mais

Caracterização da comunidade escolar

Caracterização da comunidade escolar 1. Corpo discente Caracterização da comunidade escolar O Agrupamento de Escolas de Amareleja é frequentado por um total de 709 alunos, assim distribuídos: Quadro 1: Número de alunos por ciclo/ estabelecimento

Leia mais

Mestrado Integrado em Psicologia. Ano Letivo 2013/2014. Calendário de Avaliações - Época Especial

Mestrado Integrado em Psicologia. Ano Letivo 2013/2014. Calendário de Avaliações - Época Especial Mestrado Integrado em Psicologia Ano Letivo 2013/2014 Calendário de Avaliações - 1º Ano Bases Biológicas do Comportamento 9 julho11.00h Estatística I 7 julho 11.00h História, Epistemologia da Psicologia

Leia mais

Serviço de Psicologia Externato da Luz

Serviço de Psicologia Externato da Luz Serviço de Psicologia Externato da Luz Índice Apresentação do Programa 3 Estrutura do Programa 4 Portefólio e Blogue Interactivo 5 Implementação do Programa 7 Grupos, horários e respectivos orientadores

Leia mais

Prof. Coordenador - Escola Sup. de Enfermagem do Porto. Presidente da Sociedade Port. de Enf. de Saúde Mental

Prof. Coordenador - Escola Sup. de Enfermagem do Porto. Presidente da Sociedade Port. de Enf. de Saúde Mental Estado da Arte em de Saúde Mental Prática Clínica em de Saúde Mental e Psiquiátrica Carlos Sequeira, PhD. Prof. Coordenador - Escola Sup. de do Porto Presidente da Sociedade Port. de Enf. de Saúde Mental

Leia mais

7 de julho de 2016 Número 118

7 de julho de 2016 Número 118 7 de julho de 2016 7 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 282/2016 O calendário de atividades educativas e escolares constitui um elemento indispensável à organização e planificação do ano escolar,

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

ANEXO I INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA

ANEXO I INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA ANEXO I INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA IN T E R V E N Ç Ã O PR E C O C E: em 1997 para dar lugar ao actual sistema de Apoios Educativos. Estas eram constituídas por docentes de todos os níveis de ensino

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fragoso 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fragoso

Leia mais

O Sal do Ninho 06 J U N H O Certificação EQUASS ASSURANCE. Nesta Edição. Contactos

O Sal do Ninho 06 J U N H O Certificação EQUASS ASSURANCE. Nesta Edição. Contactos Newsletter ED IÇÃO 06 J U N H O 2 0 1 3 O Sal do Ninho Nesta Edição Certificação EQUASS ASSURANCE Certificação EQUASS ASSURANCE P. 1 Acreditação a Centro de Recursos para a Inclusão P. 2 Aconteceu no NINHO

Leia mais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais Competências gerais Princípios e valores orientadores do currículo A clarificação das competências a alcançar no final da educação básica toma

Leia mais

O Perfil dos Psicólogos do Trabalho

O Perfil dos Psicólogos do Trabalho CATEGORIA AUTORIA JULHO 15 Perfis do Psicólogo Gabinete de Estudos Técnicos O Perfil dos Psicólogos do Trabalho Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O Perfil dos Psicólogos do Trabalho.

Leia mais

APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso

APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso Plano Plurianual de Melhoria APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso 1 18 de setembro de 2015 26 de abril de 2013 Organização do Agrupamento de Escolas da Caparica - AEC Secundária do

Leia mais

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 I Nota Introdutória e II Objectivos e Estratégias Com a elaboração do presente plano de actividades do Serviço Técnico Sócio Educativo de Deficientes Profundos

Leia mais

A Realidade dos Serviços de Psicologia da Educação Públicos e Privados

A Realidade dos Serviços de Psicologia da Educação Públicos e Privados CATEGORIA AUTORIA AGOSTO 15 Comentários Técnicos Gabinete de Estudos e Contributos OPP Técnicos A Realidade dos Serviços de Psicologia da Educação Públicos e Privados Tomada de Posição OPP Sugestão de

Leia mais

Currículo Específico Individual (CEI) 20 /20

Currículo Específico Individual (CEI) 20 /20 Programa Educativo Individualizado Cap. III, Art.º 8.º do Decreto-Lei 3/2008 de 7 de janeiro Currículo Específico Individual (CEI) Cap. IV, art.º. 21º, decreto-lei 3/2008, de 7 de janeiro 20 /20 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Como Comunicar Projectos de Prevenção

Como Comunicar Projectos de Prevenção A Prevenção [redução] na Produção de Resíduos Como Comunicar Projectos de Prevenção Porto, 28 de Novembro de 2008 A Sair da Casca Quem somos Criada em 1994, a Sair da Casca é a primeira empresa de consultoria

Leia mais

Diferenças entre os dois Diplomas

Diferenças entre os dois Diplomas Diferenças entre os dois Diplomas Regime jurídico em vigor (Decreto-lei 319/91) Novo Regime jurídico (Decreto-lei 3/08) Quanto ao âmbito da aplicação O diploma aplica-se aos alunos com necessidades educativas

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

Avaliação de Desempenho Docente

Avaliação de Desempenho Docente Dicas para a elaboração de um Portefólio Avaliação de Desempenho Docente O PORTEFÓLIO deve conter um registo das reflexões e das práticas e deve estar devidamente documentado. 13-04-2008 1 Deve conter:

Leia mais

APOIO TUTORIAL ESPECÍFICO

APOIO TUTORIAL ESPECÍFICO APOIO TUTORIAL ESPECÍFICO Artigo 12º, Despacho Normativo nº 4-A/2016 Jornadas Trabalho com Diretores Maio e junho de 2016 O Apoio Tutorial Específico Visa... Levar os alunos a definir ativamente objetivos,

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas

PLANO DE ACÇÃO Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Aderentes à Comissão Social de Freguesia de Odivelas Um Plano de Acção consiste num instrumento componente do Plano de Desenvolvimento Social, que define sistematicamente, as acções a desenvolver, o cronograma, os parceiros responsáveis e os recursos. 1

Leia mais

Projecto de Experiências Pré- Profissionais

Projecto de Experiências Pré- Profissionais Projecto de Experiências Pré- Profissionais Introdução 3 1. Suporte Legal.3 2. Conceito de Experiências Pré-Profissionais.4 3. Objectivos...4 a) Gerais...4 b) Específicos.. 4 4. Proposta de realização

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular.

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. O MODELO DE AUTO-AVALIA AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. ESRDL/CREM CREM/Carlos Carlos Carvalho 1 Interacção Sociedade-Escola Escola-NTI Vivemos

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE o Processo de Construção de Boas Práticas Resultados do Projecto apoiado pela Fundação Gulbenkian

INTERVENÇÃO PRECOCE o Processo de Construção de Boas Práticas Resultados do Projecto apoiado pela Fundação Gulbenkian INTERVENÇÃO PRECOCE o Processo de Construção de Boas Práticas Resultados do Projecto apoiado pela Fundação Gulbenkian Joaquim Gronita Universidade Aberta INTERVENÇÃO PRECOCE O Processo de Construção de

Leia mais

Plano Anual Documento Orientador

Plano Anual Documento Orientador Insignare Associação de Ensino e Formação Plano Anual Documento Orientador Actividades de Enriquecimento Curricular 1ºCiclo Animação Cultural É só dos sentidos que procede toda a autenticidade, toda a

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1.1. IMPLEMENTAR A ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR - Aprimorar ação educativa. Otimizar o desempenho de funções de coordenação. Valorizar a centralidade da escola e do

Leia mais

Designação do Projeto: Divida Zero

Designação do Projeto: Divida Zero Designação do Projeto: Divida Zero Objetivo Geral C5 (PDS) Objetivos Prevenir e apoiar situações de sobre endividamento pessoal e social. Reduzir o peso percentual de utentes com processos em anos anteriores.

Leia mais

Relatório Circunstanciado

Relatório Circunstanciado Ano Letivo 2015/2016 Relatório Circunstanciado Artigo 13.º do Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de Janeiro Artigo 31.º-A da Lei n.º 21/2008, de 12 de maio 1. IDENTIFICAÇÃO DO/A ALUNO/A Nome: Data de Nascimento:

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

(Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro)

(Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro) (Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro) (...) SECÇÃO IV RECURSOS EDUCATIVOS Artigo 102.º Centros de Recursos Educativos 1. O Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO. Educador Ambiental. Mariana Cruz; Raquel Lopes 2012

ACÇÃO DE FORMAÇÃO. Educador Ambiental. Mariana Cruz; Raquel Lopes 2012 ACÇÃO DE FORMAÇÃO Educador Ambiental Mariana Cruz; Raquel Lopes educadoramb@gmail.com 2012 Acção de Formação: Educador Ambiental Índice 1. Apresentação dos Formadores 2. Integração no tema a Educação Ambiental

Leia mais

Perturbação do Espectro Autista (PEA)

Perturbação do Espectro Autista (PEA) CENTRO DE FORMAÇÃO DO SINDICATO DOS PROFESSORES DA MADEIRA Registo Escrito de Avaliação Processos atípicos de desenvolvimento: conhecer, compreender, avaliar e intervir Perturbação do Espectro Autista

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Nome(s) próprio(s) / Apelido(s) Endereço(s) de correio electrónico Ana Cristina Gouveia Freitas Morada(s) Caminho do Estreito nº 11 9100-117 Santa Cruz Telefone(s)

Leia mais

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Programa Operacional Norte 2020 Estrutura da Apresentação I. Eixo Prioritário/ Prioridade de Investimento/ Objetivo Específico

Leia mais

Transição para a vida pós-escolar: Portaria n.º 201-C/2015

Transição para a vida pós-escolar: Portaria n.º 201-C/2015 João Adelino Matias Lopes dos Santos Transição para a vida pós-escolar: Portaria n.º 201-C/2015 Ciclos de Sábados Porto, 16 de abril de 2016 Índice Enquadramento normativo Fases do processo de transição

Leia mais

Equipa Local de Intervenção Precoce na Infância. ELI Porto Ocidental. Fátima Pinto. Assistente Graduada de Pediatria ACeS Porto Ocidental

Equipa Local de Intervenção Precoce na Infância. ELI Porto Ocidental. Fátima Pinto. Assistente Graduada de Pediatria ACeS Porto Ocidental Equipa Local de Intervenção Precoce na Infância ELI Porto Ocidental Fátima Pinto Assistente Graduada de Pediatria ACeS Porto Ocidental Coordenadora da ELI Constituição Equipa Local de Intervenção do SNIPI

Leia mais

AS/OS PSICÓLOGAS/OS VALORIZAM A EDUCAÇÃO E OS CONTEXTOS ESCOLARES

AS/OS PSICÓLOGAS/OS VALORIZAM A EDUCAÇÃO E OS CONTEXTOS ESCOLARES AS/OS PSICÓLOGAS/OS VALORIZAM A EDUCAÇÃO E OS CONTEXTOS ESCOLARES 20201717 PERFIL DAS/OS PSICÓLOGAS/OS DA EDUCAÇÃO ÍNDICE P. 04 P. 06 P. 17 P. 17 1. A importância das/os Psicólogas/os da Educação 2. FFunções

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

PLANO DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Plano de Articulação / 2013

PLANO DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Plano de Articulação / 2013 Agrupamento de Escolas Rio Arade PLANO DE ARTICULAÇÃO Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] 1 / 9 Índice Nota introdutória... 3 Objetivos Gerais... 4 Estratégias de intervenção... 5 Organização... 6 Procedimentos

Leia mais

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL Código e Designação da Qualificação 761174 - Acompanhante de Crianças Nível de qualificação do QNQ: 2 Nível de qualificação do QEQ: 2 Unidades de Competencia (UC) Designação

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Odemira

Agrupamento de Escolas de Odemira Agrupamento de Escolas de Odemira Os (SPO) são integrados em contexto escolar como unidades especializadas de apoio educativo com autonomia técnica e científica, os quais fazem parte da rede escolar, e

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII)

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada Nota justificativa O Modelo de Intervenção Integrada surge no âmbito da Rede Social,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DE RIO MAIOR

REGULAMENTO INTERNO DO PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DE RIO MAIOR PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE PARA O CONCELHO DE RIO MAIOR REGULAMENTO INTERNO DO PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DE RIO MAIOR ENTIDADE PROMOTORA: Santa Casa da Misericórdia de Rio Maior ENTIDADES PARCEIRAS:

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

Programa Despiste e orientação Vocacional UNECA - TVA

Programa Despiste e orientação Vocacional UNECA - TVA Governo dos Açores NÚCLEO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Programa Despiste e orientação Vocacional UNECA - TVA I Caracterização da UNECA-TVA II Identificação e caracterização dos Alunos III Matriz Curricular para

Leia mais

1.º Relatório de Progresso 2011

1.º Relatório de Progresso 2011 1.º Relatório de Progresso 2011 Programa Mais Sucesso Escolar - TurmaMais Isabel Fialho António Borralho Hélio Salgueiro Évora 2011 dgidc Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Equipa

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

Técnico Superior de Educação Especial e Reabilitação do Centro de Apoio Psicopedagógico da Ribeira Brava

Técnico Superior de Educação Especial e Reabilitação do Centro de Apoio Psicopedagógico da Ribeira Brava Este plano de actividades divide-se em 2 partes, sendo a primeira de âmbito generalista, onde se descrevem as competências do Técnico Superior de Educação Especial e Reabilitação na Direcção Regional de

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais