Impactos Ambientais causados em decorrência do rompimento da Barragem Camará no município de Alagoa Grande, PB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Impactos Ambientais causados em decorrência do rompimento da Barragem Camará no município de Alagoa Grande, PB"

Transcrição

1 REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN Volume 6- Número 1-1º Semestre 2006 Impactos Ambientais causados em decorrência do rompimento da Barragem Camará no município de Alagoa Grande, PB Marina Medeiros de Araújo Silva 1, Maria Jaislanny Lacerda e Medeiros 2, Pollyana Karla da Silva 3 Mônica Maria Pereira da Silva 4 RESUMO Os impactos ambientais negativos têm aumentado de maneira intensa, provocando a destruição dos ecossistemas. Impactos ambientais são alterações do meio ambiente, causados por atividades humanas, que afetam a saúde, segurança, bem estar da população, atividades socioeconômicas, condições estéticas e sanitárias do meio ambiente. Esta pesquisa teve como principal objetivo identificar os impactos ambientais causados em decorrência do rompimento da Barragem de Camará no município de Alagoa Grande / PB. Trata-se de uma pesquisa exploratória, realizada no período de setembro/2004 a junho/2005. Os dados foram coletados por meio de análise de fotografias, observação direta e entrevista semi-estruturada. Os dados foram analisados de forma quantitativa e qualitativa através da triangulação. O rompimento da Barragem de Camará, devido a falhas em sua construção, trouxe diversos impactos negativos, como: perda de bens materiais, de imóveis, do patrimônio público, da reserva hídrica, a morte de animais e de seres humanos, desequilíbrios emocionais, econômicos, ecológicos e agrícolas; e como impacto positivo, a solidariedade. Várias espécies animais e vegetais foram afetadas. Os setores mais atingidos pelo desequilíbrio econômico foram o comércio e a agricultura. Os impactos culturais foram a destruição da biblioteca e de algumas escolas municipais e prédios. Os impactos negativos causados requerem a urgência do pagamento das indenizações à população atingida, visando a reconstrução da cidade e amenização do trauma psicológico. É preciso motivar a realização de Educação Ambiental no município, no sentido de fomentar mudanças e resgate da auto-estima. Palavras-chave: Barragem Camará, destruição, impactos ambientais. ABSTRACT The negative ambient impacts have increased in intense way, provoking the destruction of ecosystems. Ambient impacts are alterations of the environment, caused for human activities, affecting health, security, well-being of the population, socioeconomics activities, health and sanitary conditions of the environment. This research had as main objective identify the ambient impacts result of the disruption of the Camará s Barrage in the city of Alagoa Grande / PB. An exploratory research was realized through the period of setembro/2004 junho/2005. The data had been collected by photograph analysis, direct observation and interviews. The data had been analyzed of quantitative and qualitative form through the triangulation. The disruption of the Camará s Barrage, by the constructions error, brought diverse negative impacts, as: loss of material goods, loss of properties, of the common wealth, of the hydro reserve, the death of animals and human beings, emotional, economic, ecological and agricultural disequilibrium; and as a positive impact, solidarity. Some animal and vegetal species had been affected. The sectors more reached by the economic disequilibrium had been the commercial and agriculture. The cultural impacts had been the destruction of the library and some municipal schools and building. The negative impacts 20

2 require the immediately payment of the indemnities to the reached population, aiming the reconstruction of the city and amortizing psychological trauma. It s necessary to motivate the Ambient Education in the city, in the direction to promote changes and rescue it s self-esteem. Keywords: Camará barrage, destruction, ambient impacts. 1. INTRODUÇÃO O modelo de desenvolvimento econômico vigente aliado ao crescimento exponencial da populacional e a falta de Educação Ambiental têm gerado rupturas ecológicas que ameaçam a capacidade de suporte do planeta. Dentre as rupturas ecológicas, destacam-se os impactos ambientais negativos decorrentes da construção de Barragens, as quais visam, em especial o fornecimento de água potável aos seres humanos. De acordo com Rocha (1999) o desequilíbrio ambiental torna-se evidente através dos recursos naturais renováveis, pois além de se tornarem poluídos, vão exaurindo-se a ponto de atingirem níveis críticos, como é o caso da ausência de fauna e flora em inúmeras regiões do Brasil, com destaque para certas áreas do Nordeste, onde o recurso água se torna cada vez mais problemático. Tundisi (2003) destaca que o desenvolvimento dos recursos hídricos não pode se dissociar da conservação ambiental, já que na essência envolve a sustentabilidade do ser humano no meio natural. Segundo Silva (1989), a situação de degradação e poluição vem cada vez mais perturbando e despertando a atenção das comunidades atingidas. Isto chama a atenção do mundo e exige que a sociedade como um todo tenha uma ação racional, planejada e enérgica para coibir as agressões e destruições causadas pelos seres humanos ao meio ambiente, e desperte para o desenvolvimento sustentável. Sachs (1994) afirma que embora reconhecendo a complexidade e gravidade dos desafios sociais e ambientais, com os quais a humanidade se depara, tanto o Relatório Founex como a Declaração de Estocolmo de 1972 e a Declaração de Cocoyoc de 1974 transmitiram uma mensagem de esperança sobre a necessidade e a possibilidade de se projetar e implementar estratégias ambientalmente adequadas, visando a promoção de uma forma de desenvolvimento sócio-econômico eqüitativo, ou ecodesenvolvimento, uma expressão que foi mais tarde rebatizada pelos pesquisadores anglo saxões como desenvolvimento sustentável. E seminários subseqüentes sobre estilos alternativos de desenvolvimento seguiram esta linha de raciocínio, encontrando eco no Relatório de Bruntland (WCED, 1987), o que motivou a convocação da Conferência das Nações Unidas Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, também denominada de Eco/92. De acordo com o Relatório Bruntland (WCED, 1987), o desenvolvimento sustentável é aquele que satisfaz as necessidades atuais sem sacrificar a habilidade do futuro de satisfazer as suas. O que fomenta a busca de integração sistêmica entre diferentes níveis de vida social, entre a exploração dos recursos ambientais, a tecnologia em mudança social. Por conseguinte, o novo modelo de desenvolvimento sugerido em debates internacionais impõe entre outros aspectos, a prevenção e/ou minimização de impactos ambientais. De acordo com o Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA (BRASIL, 1983) impacto ambiental é qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante de atividades humanas que direta ou indiretamente afetam: a saúde, a segurança e o bem estar da população; as atividades sociais e econômicas; as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente e a qualidade dos recursos ambientais. A fim de evitar os desequilíbrios ambientais foram criados o Estudo de Impacto Ambiental EIA e o Relatório de Impacto Ambiental - RIMA. Conforme a Central Única dos Trabalhadores - CUT (2000) existe a lei 3168/88 que obriga a realização do EIA e do RIMA para as atividades potencialmente lesivas 21

3 ao meio ambiente, faltam porém o compromisso e a responsabilidade para coloca-la em prática. Para Santos (1998) o EIA resulta geralmente numa avaliação que interpreta e analisa os efeitos resultantes das alterações causadas por um projeto ou sobre a saúde e bem estar do ser humano, prevenindo ou minimizando a deterioração da qualidade ambiental da região afetada. Essa avaliação é discutida a partir da relação entre ações do empreendimento e seus efeitos sobre o contexto físico, biológico, sócio-econômico, político, administrativo, ético e humano da região atingida. O RIMA por sua vez, consiste de um relatório que reflete todas as conclusões apresentadas no EIA. Ele deve ser apresentado de forma objetiva adequada a sua compreensão. As informações devem ser traduzidas em linguagem acessível, ilustradas por mapas, cartas e quadros, gráficos e demais técnicas de comunicação visual, de modo que, haja entendimento das vantagens e desvantagens do projeto, bem como as conseqüências ambientais de sua implementação. É imprescindível que o EIA seja feito por vários profissionais, de diferentes áreas, trabalhando em conjunto. Esta visão multidisciplinar é rica, para que o estudo seja feito de forma completa e de maneira competente, de forma a sanar todas possíveis dúvidas e problemas. Dependerá da elaboração do EIA e respectivo RIMA, a serem submetidos à aprovação do órgão estadual competente, e do IBAMA, em caráter supletivo, o licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente como: obras hidráulicas para a exploração de recursos hídricos, a exemplo da Barragem de Camará, construída no município de Alagoa Nova / PB. O projeto, juntamente com o EIA e RIMA, devem ser submetidos a amplo debate com a população do local do empreendimento, em audiências públicas. Todas as perguntas devem ser adequadamente respondidas. Após as audiências, a comunidade tem direito de exigir alterações, medidas compensatórias pelos impactos que irá causar ou, até mesmo, rejeitar o projeto (CUT, 2000). Segundo a resolução CONAMA nº 237 (BRASIL, 1997) o licenciamento ambiental compreende o procedimento administrativo, pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais, consideradas efetivas ou potencialmente poluidoras ou daquelas que de alguma forma, possam causar degradação ambiental, considerando as disposições legais e regulamentares e as normas técnicas aplicáveis ao caso. Entretanto, este trabalho não irá resolver todos os problemas de destruição e devastação da natureza, mas, quando bem utilizado, poderá ser um instrumento precioso na avaliação prévia daquilo que resultará o projeto sobre o ponto de vista ambiental. Diante desses fatos, tornou-se necessário a análise dos impactos ambientais provocados em decorrência do rompimento da Barragem de Camará no município de Alagoa Grande / PB. Em junho de 2000, iniciou-se a construção desta barragem no município de Alagoa Nova / PB, sendo inaugurada em março de 2002, com capacidade de armazenar mais de 26 mil metros cúbicos de água, numa área de aproximadamente 160 hectares, tendo por finalidade acumular água para abastecer os municípios vizinhos no período de seca. Todavia, falhas em sua construção, ocasionaram em junho de 2004 o rompimento da ombreira esquerda que comportava apenas 60% do seu total. (Jornal da Paraíba, 22 de outubro de 2004) O escoamento de grande volume de água provocou a inundação do município de Alagoa Grande / PB, sendo considerada uma verdadeira catástrofe. De acordo com Steiger, citado por Milaré e Benjamim (1994), catástrofe é um acontecimento extraordinário, incontrolado e extremo, que requer uma ação urgente para combatê-lo ou minimizar os seus efeitos desastrosos ou muito perigosos para a população, os bens e propriedades e/ou o ambiente natural ou construído, manifestando-se subitamente ou se desenvolvendo com certa velocidade. Esta pesquisa teve como escopo, identificar os impactos ambientais causados em decorrência do rompimento da Barragem de Camará no município de Alagoa Grande / PB; assim como: verificar de que ordem foram os impactos causados pelo rompimento desta barragem; observar os impactos sociais que 22

4 mais prejudicaram a população; averiguar os setores mais atingidos pelo desequilíbrio econômico e, analisar se ocorreram impactos de ordem cultural e religiosa. Diante dos problemas da destruição do meio ambiente, causados pelo rompimento da Barragem de Camará no município de Alagoa Grande / PB, tornou-se perceptível a necessidade de realizar um levantamento dos impactos causados e de que forma estes comprometeram a comunidade em relação aos fatores ambientais, sociais e econômicos. 2. METODOLOGIA: 2.1. CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA: De acordo com Gil (1991) a classificação da pesquisa, tem como base os objetivos gerais. No caso deste trabalho, tratase de uma pesquisa exploratória, que faz uso de levantamento bibliográfico, entrevistas e análise de exemplos que estimulem a compreensão, em busca de tornar o problema mais explícito ou visando a construção de hipóteses. Possibilitando assim, uma variação dos fatos estudados. O presente trabalho foi realizado no município de Alagoa Grande, situada no brejo paraibano, com 333,7 km 2 de área, a 111 km da capital, 60km de Campina Grande e a 143 metros do nível do mar. Possui clima quente e úmido (20 a 30 C) e uma população de habitantes (IBGE, 2000), sendo na zona rural e na zona urbana, com mulheres e homens. Alagoa Grande conseguiu sua emancipação política em 26 de julho de Em 1º de julho de 1901 foi inaugurada a Estrada de Ferro Grande Oeste, fator determinante de um novo tempo para a economia alagoagrandense. Segundo Freire (2002) o setor econômico alagoagrandense que tinha o algodão (responsável direto pela expansão ferroviária no Nordeste) como seu principal esteio, experimentou ainda na primeira metade do primeiro decênio do século XX, um rápido crescimento. As exportações para a indústria têxtil da Inglaterra eram uma realidade crescente. Além do algodão, outras fontes de importância na economia de Alagoa Grande foram o desenvolvimento do agave, o plantio da cana-de-açúcar e a pecuária. Atualmente, esse município tem por meio de subsistência a agricultura e o comércio. Esta cidade é uma ótima opção turística, possuindo um potencial para o ecoturismo e principalmente para o turismo histórico. Sua contribuição histórica cultural foi de grande importância por ter sido o berço de paraibanos ilustres, como a sindicalista Margarida Maria Alves, o cantor e compositor Jackson do pandeiro, Oswaldo Trigueiro, embaixador na Indonésia, governador, escritor e historiador, entre outros INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS: Os instrumentos utilizados na coleta de dados foram imagens fotográficas e história oral através de entrevistas semi-estruturada. O trabalho foi desenvolvido no período de setembro de 2004 a junho de As entrevistas foram realizadas junto à população dividida em três áreas, de acordo com a proximidade da Barragem de Câmara: área urbana, situada a aproximadamente 30 km da Barragem de Câmara; área intermediária, localizada a aproximadamente 27 km e área rural situada a aproximadamente 23 km da Barragem. Nas duas últimas áreas, o roteiro da entrevista precisou ser modificado, pois os entrevistados não tinham o domínio da lingüística. Foram entrevistadas dezoito pessoas, divididas igualmente entre as três áreas já citadas, sendo doze do sexo masculino e seis do sexo feminino, conforme mostra o Gráfico 1.0. Do total entrevistado, quatro eram jovens (10 19 anos), dez adultos (20 59 anos) e quatro idosos (mais de 60 anos). 23

5 Número de pessoas Jovem (0-19 anos) Adulto (20-59 anos) Idoso (> 60 anos) Faixa etária GRÁFICO Número de entrevistados por sexo e faixa etária Masculino Feminino 2.3. ANÁLISE DOS DADOS: Os dados foram analisados de forma qualitativa e quantitativa, por meio do método da triangulação. De acordo com Thiollent (1998) a triangulação consiste em quantificar e desenvolver os dados obtidos. 3. RESUTADOS E DISCUSSÃO: 3.1. IMPACTOS NEGATIVOS CAUSADOS EM DECORRÊNCIA DO ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ NO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE / PB: De acordo com os dados coletados, o rompimento da Barragem de Camará / PB significou a maior tragédia do município de Alagoa Grande / PB; e decorreu conforme o público pesquisado da negligência dos governantes. A tragédia é evidenciada através dos impactos negativos apontados pelo público estudado. Os dados expostos na Tabela 1.0 mostram que os impactos negativos provocaram prejuízos de diversas ordens. Tabela 1: IMPACTOS NEGATIVOS APONTADOS PELA POPULAÇÃO IMPACTOS PERCENTUAL (%) PERDA DE BENS MATERIAIS 22, 2 PERDA DE IMÓVEIS 14,8 AGRICULTURA 13,0 PSICOLÓGICO 13,0 ECONOMIA 13,0 ECOLÓGICO 11,1 PATRIMÔNIO PÚBLICO 7,4 MORTE DE SERES HUMANOS 3,7 PERDA DE RESERVA HÍDRICA 1,8 TOTAL 100 Analisando os dados enunciados na Tabela 1.0, verificamos que entre os impactos negativos citados, destacam-se a perda de bens materiais, perdas de culturas agrícolas, danos psicológicos e prejuízos econômicos. Os entrevistados relatam que a população em geral, sofreu um trauma psicológico, em decorrência da perda de parentes, amigos e de bens materiais importantes para a segurança e manutenção, tais como: veículos, móveis e utensílios domésticos, roupas, alimentos, medicamentos, recordações como fotos e fitas VHS, entre outros objetos. Destacaram ainda a perda de imóveis, deixando centenas de famílias desabrigadas. Estes dados 24

6 são ressaltados por meio das frases dos entrevistados. Foram atingidas cerca de 900 casas, onde 168 ficaram completamente destruídas, 345 parcialmente destruídas e, o restante foi apenas danificado. Outra perda de grande proporção foi a destruição, quase total (cerca de 80%), da metalúrgica GEKAKE (97,70 metros de comprimento). As conseqüências de ordem psicológica afetaram a saúde de muitos munícipes e até provocaram a morte de pessoas, as quais não suportaram a carga emocional. No que diz respeito à agricultura houve destruição de muitas plantações, inclusive de subsistência: milho, macaxeira, feijão, árvores frutíferas, hortas, maxixe, batata e capim; ocasionando prejuízos financeiros, ambientais e sociais, acelerando dessa forma, a problemática da fome no município. Ao que se refere aos impactos econômicos, estes estão relacionados principalmente à destruição total e parcial das casas comerciais, principalmente porque o rompimento da barragem aconteceu no segundo mês mais lucrativo do ano, junho de 2004, acarretando a queda nas vendas, perda de estoque e em alguns casos, a paralisação do comércio até 72 dias após o acidente. Ao que tange os impactos ecológicos, os pesquisados destacam o fenômeno do assoreamento devido à erosão, desencadeada também pela ausência de mata ciliar. Elas citam ainda o alargamento da margem do rio, aumentando, por conseguinte a área de destruição. Antes o curso do rio era uma reta, e agora se tornou em forma de Y, com a outra parte dentro da cidade. Desse modo, qualquer volume significativo de água (chuvas) será capaz de inundar a cidade. Outro aspecto citado foi que boa parte da fauna e da flora foi destruída, modificando totalmente a paisagem natural. As culturas agrícolas viraram bancos de areia e tornaram-se imprestáveis ao consumo. Muitos animais foram levados pela enxurrada, alguns conseguiram sobreviver, mas, a grande maioria não resistiu, tais como: vacas, cavalos, jumentos, galinhas, papagaios, gatos, cachorros e até mesmo algumas criações de peixes. Foi apontada perda relacionada ao patrimônio público, devido à acentuada destruição da infra-estrutura do município, atingindo galerias pluviais, esgotos, pavimentação, praças, postos de saúde, muros de contenção, pontes, prefeitura e ainda alguns impactos culturais, como a destruição da biblioteca e de algumas escolas municipais, prejuízos econômicos incalculáveis. A morte de cinco pessoas marcou ainda mais a tragédia, das quais quatro eram idosos, o que pode ter dificultado a locomoção e fuga. Outro impacto negativo mencionado foi a perda da reserva hídrica, pois a Barragem de Camará tinha por finalidade abastecer Alagoa Grande e municípios vizinhos no período de estiagem. Na realidade, a tragédia de Camará, violentamente interrompeu o lento processo de desenvolvimento do município, que nos últimos anos obteve avanços através da implantação de energia elétrica a toda zona rural, ampliação das redes municipal e estadual de ensino, oferta de água na zona urbana; pavimentação das ruas e, recuperação do comércio varejista, o qual teve um declínio nas décadas de 60 e 70. A população vivia uma rotina comum, típica das cidades do interior paraibano. Na economia, o comércio mantinha suas vendas equilibradas, com uma maior lucratividade nos meses de junho e dezembro. Atualmente, Alagoa Grande ainda está atônita pelos choques humano, econômico e social sofridos pelos efeitos da tragédia das águas de Camará. Como esta catástrofe ocorreu no segundo mês mais lucrativo do ano, junho/2004, houve uma abrupta queda nas vendas, além da perda dos estoques e de bens materiais. A cidade foi atingida tanto direta como indiretamente, gerando uma transformação da paisagem urbana e rural, do ponto de vista geográfico e humano. Os habitantes sofreram um grande abalo psicológico e, muitos perderam a auto-estima. É evidente que esse quadro já foi em parte amenizado, devido à solidariedade da população local e de boa parte da população paraibana e de outros estados, que ajudaram através de doações. No entanto, há um grande caminho a percorrer na recuperação econômica, tanto rural como urbana. Os estragos foram enormes nos 25

7 333,7 km 2 do município, sendo que a zona rural foi afetada em sua área mais fértil. Alguns destes impactos podem ser vistos através das Figuras de 01 a 06: FIGURA 01: Barragem de Camará rompida FIGURA 02: Destruição da Metalúrgica FIGURA 03: Alargamento da margem do rio FIGURA 04: Casa totalmente destruída FIGURA 05: Destruição do Comércio FIGURA 06: Perda de bens materiais 26

8 3.2. IMPACTOS POSITIVOS CAUSADOS EM DECORRÊNCIA DO ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ NO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE / PB: A solidariedade, laço ou vínculo recíproco de pessoas ou coisas independentes foi o único impacto positivo destacado pela grande maioria dos entrevistados. As ajudas que vieram não só da população local, como também de boa parte da população paraibana, de outros estados brasileiros e até mesmo de outros países, representados por meio de alimentos, roupas, colchões, medicamentos, cobertores, calçados, água potável, entre outros. Uma outra demonstração de solidariedade foi o fato de muitas pessoas ao saberem do rompimento, saírem às ruas avisando a população, no sentido de evitar maiores danos, através de vários meios de comunicação (carros de som, telefone, rádio). Proporcionalmente ao que foi perdido, o rompimento da Barragem de Camará não trouxe nada de positivo, principalmente em relação a alguma proporcionar impulso ao crescimento e desenvolvimento do município de Alagoa Grande / PB REALIDADE SOCIAL NO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE / PB, APÓS O ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ: Entre os 18 entrevistados, apenas quatro não foram atingidos diretamente pelo rompimento da Barragem de Camará, e quatorze tiveram diversas perdas, representadas através dos dados enunciados na Tabela 2.0: Tabela 2: PERCENTUAL DE PERDAS DOS ENTREVISTADOS ATINGIDOS DIRETAMENTE PELO ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ PERDAS PERCENTUAL (%) CASA 21,4 COMÉRCIO 28,5 PLANTACÃO 28,5 ANIMAL 35,7 BENS MATERIAIS 92,8 Observando os dados demonstrados na Tabela 2.0, averiguamos que as perdas materiais foram predominantes, tais como: veículos, móveis e utensílios domésticos, roupas, alimentos, medicamentos, recordações, além da morte de animais (vacas, cavalos, jumentos, galinhas, cachorros, papagaios, gatos e peixes); plantações (árvores frutíferas, milho, macaxeira, feijão, hortas, maxixe, batata e capim); perdas no comércio (total da farmácia e da livraria, e parcial do supermercado e da loja de confecções e calçados); e ainda perda total de suas casas. Estas perdas propiciaram diversas mudanças na realidade social do município. Inicialmente, a população contou com a ajuda dos governos municipal, estadual e federal. O Governo Municipal participou ativamente do alerta à população, policiamento, ações emergenciais, tais como: abrigo para a população, alimentos, colchões, assistência social, medicamentos e cadastramento das famílias. O Governo Estadual prestou grande assistência através das Secretarias de Infraestrutura, de Ação Social, da Agricultura e da Saúde, e também providenciou pela Secretaria de Finanças, o pagamento da primeira parcela das indenizações, recebida por todos os entrevistados. Houve também o envio do Corpo de Bombeiros, da polícia Militar, além da participação da população para a realização da limpeza da cidade e remoção das famílias para os abrigos. Quanto às indenizações, os comerciantes receberam apenas 40% do valor total, e segundo uma das entrevistadas, não houve por parte do governo estadual a isenção de impostos, apenas uma flexibilização no pagamento. Os entrevistados que perderam totalmente suas casas, foram de imediato levados para abrigos improvisados (escolas) e, posteriormente, foram para casas alugadas pelo governo. 27

9 A maioria recebeu apenas a primeira parcela das indenizações, que correspondeu à R$ 1.060,00, para reconstrução de suas casas; apenas um dos entrevistados recebeu totalmente o pagamento da indenização. O governo Federal prestou assistência através do envio de tropas do exército, no fornecimento de carros-pipa, cestas básicas e medicamentos, que não foram suficientes, em vista da dimensão da tragédia. Segundo o Jornal da Paraíba (19 de outubro de 2004) Todos os recursos aplicados até o momento por conta da tragédia de Camará são de responsabilidade exclusiva do governo da Paraíba, já que o governo federal ainda não liberou a verba prometida para os municípios atingidos pelas águas da barragem. Alagoa Grande tem que continuar reivindicando para que não seja esquecida, já que o impacto e a comoção social em níveis local, estadual e nacional passaram. Atualmente, as vítimas de Camará aguardam o pagamento do restante das indenizações prometidas. Inclusive, nem mesmo as cestas básicas estão sendo fornecidas, as quais tiveram seu envio suspenso desde o início de outubro de A este respeito, Freire (2000) afirma que o conhecimento e a recordação de tantos fatos, passagens e personagens havidos em Alagoa Grande/PB, sirvam para despertar nos que ainda estão adormecidas, as consciências de que a nossa pátria primeira é Alagoa Grande, e assim, juntarmos esforços, valorizando o que passou, o que de bom do passado restou e o que de positivo se construiu nos últimos tempos, para encontrarmos condições de recuperar a violenta queda sofrida no campo econômico, causadora de tantos prejuízos trazidos para a comunidade alagoagrandense e para o desenvolvimento do município. como esta, tinha por objetivo armazenar água para abastecer Alagoa Grande e outros municípios vizinhos, e não ser rompida num pequeno espaço de tempo (pouco mais de dois anos), trazendo diversos problemas para a população atingida. Este fato foi o segundo ocorrido em todo mundo, sendo o primeiro ocorrido no Japão, afirma um dos entrevistados. Segundo Tundisi (2003) a construção de reservatórios representa uma das grandes causas de modificações do ciclo hidrológico e de impactos ambientais no planeta, com efeitos positivos e negativos. O aumento e a diversificação dos usos múltiplos da água resultaram em uma multiplicidade de impactos, de diversas magnitudes, que exigem, evidentemente, diferentes tipos de avaliação quali e quantitativa e monitoramento adequado e de longo prazo. O que não ocorreu quando da construção da citada Barragem. Em relação às causas, a população apresenta opiniões divergentes, no entanto, a maior parte afirma que o governo atual e o anterior são co-responsáveis pelo rompimento da Barragem. Podemos constatar através do Gráfico CAUSAS APONTADAS PELA POPULAÇÃO PARA O ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ NO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE / PB: A construção da Barragem de Camará, que custou R$ ,50, depois de cinco termos aditivos ao contrato (jornal da Paraíba, 14 de novembro de 2004), foi inaugurada em março de 2002 e o seu rompimento aconteceu em junho de Uma obra de grande porte 28

10 Número de pessoas Governo Atual Governo Anterior Ambos os Governos Culpados Omissão GRÁFICO Culpados pelo rompimento da barragem de Camará, segundo uma amostra da população De acordo com o Gráfico 2.0, a maioria dos entrevistados culpa tanto o governo anterior quanto o atual, especialmente pela falta de providências diante do perigo de rompimento da barragem, uma vez que o fato já era previsto. Visando identificar os responsáveis pelo rompimento da Barragem de Camará foi instalada a CPI de Camará, presidida por um Deputado Estadual da Paraíba. No início da construção de Camará foi feito um estudo geológico, onde o geólogo responsável pela obra, após ter constatado graves falhas geológicas no local onde a obra foi construída, foi afastado pelo governo anterior. Segundo ele, as condições geológicas eram bastante comprometedoras e exigiriam um tratamento demorado. Além da ombreira esquerda ser bastante íngreme, verificou que existiam, na rocha da superfície, quatro sistemas principais de fraturas que exigiriam injeções profundas para garantir a estabilidade da rocha. No entanto, a execução de uma injeção de cimento foi incompleta, cuja ineficiência conduziu a ruptura da fundação. (Jornal da Paraíba, 22 de outubro de 2004) O relatório parcial da CPI apontou a CRE Engenharia Ltda, a Andrade Galvão Engenharia Ltda, a Holanda Engenharia Ltda, a quem cabia o controle de qualidade, e a Secretaria de Recursos Hídricos - SEMARH da época, como responsáveis pelo rompimento da obra. As empreiteiras foram responsabilizadas pelos erros no projeto de execução, já à SEMARH coube, de acordo com o relatório, a omissão pela não fiscalização adequada da construção. Os estudos geológicos para a construção da obra foram realizados para uma barragem de terra, não havendo novo estudo com a mudança no projeto inicial, de terra para CCR- Compactuação de Concreto Rolado (Jornal da Paraíba, 09 de novembro de 2004) Segundo o relatório final da CPI de Camará, a responsabilidade da tragédia foi do governo anterior e do consórcio das empresas, por falhas na execução do projeto. O Ministério Público Federal irá instaurar uma ação de investigação para apurar a suspeita de superfaturamento da obra, que recebeu cinco aditivos no projeto, cujo orçamento final aumentou em 105,29%. Também foram identificadas várias irregularidades durante a construção da barragem, como por exemplo, a falta de um Estudo de Impacto Ambiental. Outro problema é que o projeto executivo da obra somente foi apresentado cerca de um ano e meio após o início da obra. Atualmente, a execução de empreendimentos desse porte, sujeita-se a prévio estudo de impacto ambiental. Porém, tais estudos são feitos após a definição política de sua implantação e isso acarreta sérios problemas, pois o estudo de impacto freqüentemente revela problemas econômicos, sociais e de proteção dos recursos ambientais que a definição política não considerou. Por isso, entendemos que o estudo de impacto não se deve limitar a projeto de obras ou empreendimentos específicos e determinados, mas deve orientar a própria definição das 29

11 políticas públicas que possam causar alterações ambientais em sua execução, conforme sugerem Tauk-Tornisielo, et al, De acordo com um procurador geral da república, a licença de instalação da barragem foi fornecida apenas cinco meses antes da entrega da obra. E o pior, até hoje a barragem não tem licença para operação. Além disso, a licitação dizia que não poderia haver a união entre duas ou mais empresas na construção da barragem. Deveria ter sido feita uma nova licitação, somente com empresas com experiência em construção em concreto rolado (Jornal da Paraíba, 27 de novembro de 2004) Devem ser instauradas duas ou mais ações judiciais contra os responsáveis pela tragédia, uma que visa identificar os culpados pelas cinco mortes decorrentes do desabamento da barragem, e a outra é uma ação de responsabilidade civil contra o governo do estado e as empresas responsáveis pela obra. No relatório, foi registrada também a falta de monitoramento da barragem, por parte do atual governo do estado, quando o volume das águas na barragem aumentou. A CUT (2000) afirma que no parágrafo 3º, artigo 225 da Constituição Federal está escrito que: as condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, às sanções penais e administrativas, independente da obrigação de reparar o dano. Isto significa que quem polui pode ser responsabilizado civil, penal e administrativamente e ainda terá que recuperar o ambiente poluído ou degradado. De acordo com o artigo 22 da Lei de Crimes Ambientais, as empresas que poluem devem recuperar o meio ambiente. Ficam, ainda, sujeitas a suspensão parcial ou total da atividade; interdição temporária de estabelecimento, obra ou atividade; proibição de contratar com o poder público, bem como dele obter subsídios, subvenções ou doações. (CUT, 2000) 3.5. IMPACTOS ECOLÓGICOS NEGATIVOS DE ACORDO COM A PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO DE ALAGOA GRANDE / PB: Uma pequena parcela do grupo pesquisado citou como impactos ecológicos, enquanto negativos: a morte de animais, a perda das plantações e a infertilidade do solo, não havendo uma percepção da importância dos impactos ecológicos, sobressaindo-se a preocupação com a perda dos bens materiais. Fato natural, uma vez que estamos inseridos no modelo de desenvolvimento, no qual o consumismo e a acumulação de bens materiais são incentivados. No entanto, ressaltamos que grande parte do grupo pesquisado perdeu os bens necessários apenas ao seu sustento. O meio ambiente foi afetado na destruição de dezenas de hectares de terras férteis, de milhares de árvores e arbustos, de uma vegetação já muito destruída pela ação humana, e de muitos animais silvestres. Houve total modificação na paisagem mais afetada pelas águas. Segundo Ross (1991), no ambiente, como na questão da saúde, é preciso ter uma postura mais voltada para o preventivo do que para o curativo. Da mesma maneira que é mais fácil e mais econômico prevenir-se das doenças do que curá-las, na natureza certamente é bem menor o custo da prevenção de acidentes ecológicos e da degradação generalizada do ambiente, do que corrigir e recuperar o quadro ambiental deteriorado. Atualmente, na zona urbana os problemas apresentam-se em menor proporção. Todavia, na área rural os prejuízos são intensos e visíveis. O solo apresenta-se desgastado, dificultando, e até mesmo impossibilitando, as atividades de lavoura e a pecuária na região. O processo de assoreamento atingiu grandes dimensões. A enxurrada causou dois tipos de danos ao solo: a raspagem do terreno, eliminando nutrientes e o depósito de areia. Neste último caso, o terreno ficou submerso por cerca de dois metros, pelo material arenoso trazido pelas águas. Para recuperação do terreno será preciso a retirada do volume e a incorporação de matéria orgânica rica em nutrientes. (Jornal da Paraíba, 02 de outubro de 2004). Sem a recuperação do solo, nos casos das áreas com acúmulo de areia, não é possível plantar raízes de pouca profundidade, como milho, feijão, mandioca e hortaliças em geral. Conseqüentemente, as comunidades, que antes cultivavam este tipo de agricultura, não conseguirão continuar sobrevivendo da lavoura. 30

12 Com o assoreamento, houve o entupimento de algumas passagens de água (rio). Sendo assim, os esgotos estão se acumulando em uma lagoa que atravessa a cidade, intensificando um problema já existente, a poluição, inviabilizando o seu uso, e proporcionados problemas estéticos e rupturas ecológicas. Como se pôde perceber, a população não tem uma consciência ambiental, desconhecendo a importância das inter-relações e interdependência entre os seres humanos e o meio ambiente, pois ao afetar ou destruir o seu meio, as maiores conseqüências recairão sobre nós mesmos: seres humanos. O caso da Barragem de Câmara exemplifica o tipo de relação desarmônica que o ser humano mantém sob o meio ambiente. É fundamental a sociedade impor regras ao crescimento, à exploração e a distribuição dos recursos, de modo que seja garantida a qualidade de vida daqueles que deles dependam e dos que vivem no espaço do entorno em que são extraídos ou processados os recursos ambientais (BRASIL, 1998). Com o inevitável aumento das pressões sobre o patrimônio natural em geral, é necessário que o planejamento ambiental esteja atento e capacitado para o exercício das análises prospectivas, desenhando e operando instrumentos que lhe permitam, além do controle e a fiscalização, a definição e a aplicação de políticas preventivas e principalmente aquelas de natureza indutora, sempre na direção de um desenvolvimento socialmente justo e ecologicamente sustentável (BRASIL, 1995). Portanto, deve-se cuidar, para que o uso econômico dos bens da Terra pelos seres humanos tenha caráter de conservação, isto é, que gere menor impacto possível e respeite as condições de máxima renovabilidade dos recursos ambientais SOLUÇÕES SUGERIDAS PELA POPULAÇÃO DE ALAGOA GRANDE PARA AMENIZAR E/OU REVERTER A SITUAÇÃO ATUAL: Todos os entrevistados citaram como solução imediata, o pagamento total das indenizações. Deve haver uma disponibilização de recursos financeiros e humanos por parte do estado para a reconstrução do município, ou seja, grandes e racionais investimentos do governo estadual e principalmente federal, na recuperação do que foi destruído, e outros investimentos para as criações de outras fontes de desenvolvimento para a cidade. Deve-se fazer com que o rio volte ao seu curso normal, evitando a inundação da cidade por qualquer chuva significativa. Pode-se ainda aproveitar o fato como lição para desenvolver ações de preservação para o meio ambiente, como a implantação da Educação Ambiental nas instituições de ensino. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais - PCNs (BRASIL, 1998) a educação ambiental é indispensável para criar e aplicar formas cada vez mais sustentáveis de interação sociedade e meio ambiente e soluções para os problemas ambientais. A educação sozinha não é suficiente para mudar os rumos do planeta, mas certamente é condição necessária para isso. A questão ambiental impõe às sociedades a busca de novas formas de pensar e agir, individual e coletivamente, de novos caminhos e modelos de produção de bens, para suprir necessidades humanas, e relações sociais que não perpetuem tantas desigualdades e exclusão social, e, ao mesmo tempo, que garantam a sustentabilidade ambiental. Isso implica um novo universo de valores, no qual a educação tem um importante papel a desempenhar. O trabalho de Educação Ambiental deve ser desenvolvido a fim de ajudar os seres humanos a construírem uma consciência global das questões relativas ao meio para que possam assumir posições afinadas com os valores referentes à sua proteção e melhoria. (BRASIL, 1997). O CONAMA (BRASIL, 1996) compreende Educação Ambiental como um processo de formação e informação social orientado para o desenvolvimento da consciência crítica sobre a problemática ambiental, compreendendo-se como crítica a capacidade de captar a gênese e a evolução de problemas ambientais, tanto em relação aos aspectos biofísicos, quanto sociais, políticos, econômicos e culturais; o desenvolvimento de habilidades e instrumentos tecnológicos 31

13 necessários à solução dos problemas ambientais e o desenvolvimento de atitudes que levam à participação das comunidades na preservação do equilíbrio ambiental. Nesse contexto, fica evidente a importância de educar os seres humanos, visando ações responsáveis e com sensibilidade, conservando o ambiente saudável no presente e para o futuro; e buscando constantemente o exercício da cidadania. 4. CONCLUSÃO A Barragem de Camará tinha por finalidade acumular água para abastecer alguns municípios do brejo paraibano. Falhas em sua construção ocasionaram seu rompimento, trazendo para o município de Alagoa Grande / PB uma série de impactos ambientais. Dentre estes impactos, apenas um foi considerado positivo, o sentimento de solidariedade. Os demais foram negativos, como: a perda de bens materiais, de imóveis, do patrimônio público, de reserva hídrica; a morte de animais e de cinco seres humanos; desequilíbrios psicológicos, econômicos, ecológicos e agrícolas. Os animais e vegetais mais afetados foram: bovinos, eqüinos, algumas aves, peixes, plantações de macaxeira, feijão, batata, milho, hortas, capim e árvores frutíferas. Os impactos sociais que mais prejudicaram a população alagoagrandense foram a perda de seus imóveis e de seus bens materiais, deixando várias famílias desabrigadas e provocando um grande abalo psicológico. Os setores mais atingidos pelo desequilíbrio econômico foram o comércio e a agricultura. O comércio foi direta e indiretamente; e na agricultura houve perda nas plantações e os solos foram afetados de maneira a viabilizar as culturas agrícolas. Os impactos de ordem cultural foram representados pela destruição da biblioteca e de algumas escolas municipais. Já de ordem religiosa, não houve nenhum impacto causado pelo rompimento da barragem de Camará, pois as igrejas e templos religiosos localizam-se na parte da cidade não sendo atingida pelas águas da enxurrada. Grande parte da população afetada diretamente ainda não recebeu as indenizações em sua totalidade. Se serão realmente pagas e corresponderão aos prejuízos é um dúvida, que só o tempo e a mobilização social responderão. Assim como se a população superará o trauma psicológico e ambiental deixados como marcas desta tragédia. Logo, com todos os impactos negativos causados em decorrência do rompimento da Barragem de Camará, é indispensável à implantação da Educação Ambiental nas escolas do município e nos demais segmentos da sociedade, com o intuito de sensibilizar, mobilizar e conseqüemente provocar mudanças, principalmente no que se refere à recuperação das áreas degradadas, responsabilização daqueles que foram culpados pela tragédia e reorganização dos diversos setores que constituem a cidade. Encontramos na Educação Ambiental uma possibilidade de motivar as pessoas a transformar a realidade local em defesa da qualidade de vida com vistas à cidadania. Que esta tragédia seja um marco para o estado da Paraíba e para Brasil, no sentido de despertar nos seres humanos a necessidade de rever as ações frente ao meio ambiente e o modelo de desenvolvimento e de sociedade vigente. 5. REFERÊNCIAS BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA. Resoluções, BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA. Resoluções, BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Temas Transversais: Meio Ambiente e Saúde. v.9. Brasília: MEC/SEF, p. BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais / Secretaria de Educação Fundamental Brasília: MEC/SEF, BRASIL. Ministério do Meio ambiente. Secretaria de Coordenação dos Assuntos do Meio ambiente, Programa Nacional do Meio 32

14 ambiente PNMA. Os Ecossistemas Brasileiros e os Principais Macrovetores de Desenvolvimento: subsídios ao planejamento da gestão ambiental. Brasília: MMA, CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES: Comissão de Meio Ambiente. Meio Ambiente, Saúde e Trabalho: o movimento sindical pode ajudar a melhorar o ambiente. Rio de Janeiro: Donemil, p. ilust. DA REDAÇÃO. CPI de Camará culpa construtora e governo anterior pela tragédia. In jornal da Paraíba, 09 de Novembro de DA REDAÇÃO. MPF culpa construtores e governo passado por tragédia em Camará. In Jornal da Paraíba, 27 de Novembro de DA REDAÇÃO. CPI revela detalhes sombrios da obra. In Jornal da Paraíba, 14 de Novembro de FREIRE, José Avelar. Alagoa Grande: Sua história de 1625 a ªed. v.1. João Pessoa: União, FREIRE, José Avelar. Alagoa Grande: Sua História de 1625 a ªed. v.2. João Pessoa: União, 2002 MILARÉ, E. e BENJAMIM, H. Estudo prévio de Impacto Ambiental. Teoria, prática e legislação. Ed. Revista dos Tribunais. Coleção de Direito Ambiental. 1994, 1.v. PARAÍBA. Superintendência de Administração do Meio Ambiente. Manual do Controle Ambiental: licenciamento/ fiscalização/ automonitoramento. João Pessoa: SUDEMA, p. ROCHA, J. S. M. da. Educação Ambiental Técnica para os Ensinos Fundamental, Médio e Superior. Santa Maria: UFSM, p. il. ROSS, J. L. S. Gemiorfologia, ambiente e planejamento. 2ed. São Paulo: Contexto, SACHS, Ignacy. Estratégias de transição para o século XXI. In BURSZTYN, Marcel (org). Para pensar o desenvolvimento sustentável. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense,1994. SANTOS, Rozely Ferreira dos. Conservação e Gestão dos Recursos Naturais. Textos de Orientação. Campinas. UNICAMP, SILVA, Aécio Moura da. Estudo de Impacto Ambiental: Planejamento Ecológico.João Pessoa: SUDEMA, TAUK-TORNISIELO, S. M.; et al. Análise Ambiental: Estratégias e Ações. São Paulo: T.A. Queiroz/ Fundação Salim Farah Maluf; Rio Claro, SP: Centro de Estudos Ambientais UNESP, THIOLLENT, Michael. Metodologia de Pesquisa Ação. 8ed. São Paulo: Cortez, TORRES, Luis. Governo anterior afastou geólogo que detectou falhas em Camará. In Jornal da Paraíba, 22 de outubro de TORRES, Luis. Relatório final da CPI de Camará sugere devolução de 4 milhões. In jornal da Paraíba, 07 de Novembro de TUNDISI, José Galizia. Água no século XXI: Enfrentando a Escassez. 2ed. São Carlos: RiMa, VELOSO, Fabiana. Famílias ainda sentem os efeitos de Camará. In Jornal da Paraíba, 02 de Outubro de WCED- World Comission on Environment and Developmente. Our Commom Future. Oxford: oxford University Press, Curso de Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas UEPB Curso de Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas UEPB Curso de Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas UEPB 33

15 4 - Professora do Curso de Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas UEPB 34

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.334, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010. Estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Impactos Ambientais UFCG/UAEC/LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE PROFESSORA - MÁRCIA RIBEIRO

Impactos Ambientais UFCG/UAEC/LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE PROFESSORA - MÁRCIA RIBEIRO Impactos Ambientais UFCG/UAEC/LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE PROFESSORA - MÁRCIA RIBEIRO PAULO DA COSTA MEDEIROS Doutorando em Recursos Naturais INTRODUÇÃO CONSUMO/DEMANDAS MAU USO QUANTIDADE

Leia mais

CONFLITOS LEGAIS ASSOCIADOS À PROBLEMÁTICA SÓCIO AMBIENTAL ORIGINADA COM O EMPREENDIMENTO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TUCURUÍ

CONFLITOS LEGAIS ASSOCIADOS À PROBLEMÁTICA SÓCIO AMBIENTAL ORIGINADA COM O EMPREENDIMENTO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TUCURUÍ CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA DE DIREITO ARTIGO: CONFLITOS LEGAIS ASSOCIADOS À PROBLEMÁTICA SÓCIO AMBIENTAL ORIGINADA COM O EMPREENDIMENTO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TUCURUÍ Revisão:

Leia mais

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber

Leia mais

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei.

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 947/2010 Institui a Política Municipal de Meio Ambiente, cria o Conselho e Fundo Municipal de Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos G. J. Pellegrina 1, M. A. Oliveira 1 e A. S. Peixoto 2 1 Instituto de Pesquisas Meteorológicas (UNESP), Bauru S.P., Brasil 2 Departamento de Engenharia

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Texto Atualizado Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

VI- 064 BRINCANDO E APRENDENDO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

VI- 064 BRINCANDO E APRENDENDO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL VI 064 BRINCANDO E APRENDENDO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL Iara Amorim Leôncio Bióloga pela Universidade Estadual da Paraíba Monica Maria Pereira da Silva (1) Bióloga pela Universidade Estadual da Paraíba; Especialista

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Desenvolvimento regional

Desenvolvimento regional Desenvolvimento regional Água e terra irrigada para o Nordeste No Nordeste, onde a seca representa o grande obstáculo para o desenvolvimento, o Governo Federal está realizando o maior programa de construção

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Fabíola Santos Silva 1 Márcio Santos Godinho 1 Sara Floriano 1 Vivian Alves de Lima 1 Akira Yoshinaga 2 Helio Rubens Jacintho Pereira Junior 2 RESUMO Este trabalho

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ 1 EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Renise Bastos Farias Dias (UFAL) renisebastos@gmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa de campo, de análise quantitativa, realizada

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982

LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982 LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982 DISCIPLINA a Política Estadual da Prevenção e Controle da Poluição, Melhoria e Recuperação do Meio Ambiente e da Proteção aos Recursos Naturais, e da outras providencias.

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO.

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. OLIVEIRA, Mayara Cecile Nascimento¹-UEPB SILVA, Renata Lima Machado¹-UEPB CARLOS, Angélica Cardoso

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Educação Ambiental Reserva Escolas

PALAVRAS-CHAVES: Educação Ambiental Reserva Escolas A CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA CONSERVAÇÃO DA RESERVA R-3 ENVOLVENDO TRÊS ESCOLAS PÚBLICAS EM SINOP-MT Sinovia Cecília Rauber Curso de Especialização em Educação e Meio Ambiente FASIPE SINOP/MT

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Contrabando de animais

Contrabando de animais CONCEITOS A EXPLORAR S ociologia Globalização. Novas identidades sociais. Cidadania. B iologia Extinção de espécies. Degradação ambiental. Equilíbrio ecológico. G eografia Desenvolvimento sustentável.

Leia mais

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66;

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66; Página 1 de 5 Resoluções RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986 Publicado no D. O. U de 17 /2/86. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA

SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA Fernando Deodato de Sousa; José Dias Campos e José Rêgo Neto cepfs@uol.com.br Centro de Educação Popular e Formação Sindical

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO TURÍSTICA E HOTELEIRA NOS DISTRITOS SEDE E ITAIPAVA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS PÓS-CATÁSTROFE DE JANEIRO DE 2011

AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO TURÍSTICA E HOTELEIRA NOS DISTRITOS SEDE E ITAIPAVA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS PÓS-CATÁSTROFE DE JANEIRO DE 2011 AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO TURÍSTICA E HOTELEIRA NOS DISTRITOS SEDE E ITAIPAVA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS PÓS-CATÁSTROFE DE JANEIRO DE 2011 Leandro de Araújo Dias Lélio Galdino Rosa Sharon Fanny Nogueira

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS Cleci Teresinha Noara Assistente Social Fundação Agência

Leia mais

RESPEITAR O MEIO AMBIENTE É COISA DE GENTE INTELIGENTE DUARTE, Inaraline (FINAN/G) SILVA,Alves Sueli (FINAN/G) NUNES, JÉSSICA (FINAN/G)

RESPEITAR O MEIO AMBIENTE É COISA DE GENTE INTELIGENTE DUARTE, Inaraline (FINAN/G) SILVA,Alves Sueli (FINAN/G) NUNES, JÉSSICA (FINAN/G) RESPEITAR O MEIO AMBIENTE É COISA DE GENTE INTELIGENTE DUARTE, Inaraline (FINAN/G) SILVA,Alves Sueli (FINAN/G) NUNES, JÉSSICA (FINAN/G) Resumo: Este artigo aborda a proposta de trabalhar o meio ambiente

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

VI- 062 TRABALHANDO SAÚDE EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

VI- 062 TRABALHANDO SAÚDE EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL VI 062 TRABALHANDO SAÚDE EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL Alcicleide Porto Genuino Bióloga pela Universidade Estadual da Paraíba Monica Maria Pereira da Silva (1) Bióloga pela Universidade Estadual da Paraíba; Especialista

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 3106/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010.

LEI Nº 3106/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. LEI Nº 3106/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. CRIA A SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE, ABRE CRÉDITO ESPECIAL, REVOGA A LEI Nº 2689/2006, DE 23-05-2006, EXTINGUE O CARGO DE DIRETOR DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL

Leia mais

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia Considerações Sobre a Gestão de Áreas Verdes Com Foco na Arborização de Sertânia - PE Edmaylson Jóia Leandro 1 Maria Betânia Moreira Amador 2 RESUMO Face a necessidade de implantação de espécies vegetais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CCADCFSPEX01 Construindo novas relações: Projeto de Educação Ambiental com estudantes de ensino público na cidade de Areia - PB Jaciara Bomfim dos Santos (1); Thiago Bernardino de Sousa Castro (2); Josilene

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas Uma questão estratégica Ética Ambiental ÉTICA. Do grego ETHOS, que significa modo de ser, caráter. Forma de agir do Homem em seu meio social. O comportamento

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

PROBLEMÁTICA DO LIXO: PEQUENAS ATITUDES, UM BOM COMEÇO

PROBLEMÁTICA DO LIXO: PEQUENAS ATITUDES, UM BOM COMEÇO PROBLEMÁTICA DO LIXO: PEQUENAS ATITUDES, UM BOM COMEÇO Janelene Freire Diniz, Adeilton Padre de Paz, Hellen Regina Guimarães da Silva, Verônica Evangelista de Lima RESUMO Departamento de Química, Universidade

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011 Projeto: FORTALECIMENTO DO PARQUE ESTADUAL DA PEDRA BRANCA - PEPB: OBRAS DE RECUPERAÇÃO E AQUISIÇÃO DE MOBILIÁRIO E EQUIPAMENTOS Protocolo nº: 20110302174043107 Assunto:

Leia mais

Jovens cuidando do Brasil

Jovens cuidando do Brasil ação constitui uma parte da política dos três R reduzir, reutilizar e reciclar, depreende-se a necessidade de um trabalho com lixo que se inicie com uma revisão crítica dos hábitos e padrões de consumo.

Leia mais

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil Módulo 3 Gestão ambiental no Brasil 1. Introdução No encontro Rio +10, o Brasil, saiu fortalecido globalmente, assumindo definitivamente um papel de liderança regional dentro da ONU. No plano nacional,

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Capítulo III As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a Humanidade

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS USUÁRIOS DO CENTRO COMERCIAL CRISTIANO LAURITZEN DA CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS USUÁRIOS DO CENTRO COMERCIAL CRISTIANO LAURITZEN DA CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS USUÁRIOS DO CENTRO COMERCIAL CRISTIANO LAURITZEN DA CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB Cláudio Luis de ARAÚJO NETO 1, Amanda Paiva FARIAS 1, Ianina Gonzalez TOSCANO 1, Tássio Henrique

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ Governador do Estado do Piauí: Dr. Francisco de Assis de Moraes Souza Vice- Governador do Estado do Piauí: Dr. Osmar Ribeiro de Almeida Júnior Secretário

Leia mais

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise O forte período de estiagem que assola a região é o tema desta edição especial do

Leia mais