Ana Maria Barbosa Pinto Xavier Forte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ana Maria Barbosa Pinto Xavier Forte"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO MINHO Instituto de Educação e Psicologia Ana Maria Barbosa Pinto Xavier Forte Formação Contínua: contributos para o desenvolvimento profissional e para a (re)construção da(s) identidade(s) dos professores do 1.º CEB Dissertação de Mestrado em Educação Área de Especialização em Desenvolvimento Curricular Julho de 2005

2 UNIVERSIDADE DO MINHO Instituto de Educação e Psicologia Ana Maria Barbosa Pinto Xavier Forte Formação Contínua: contributos para o desenvolvimento profissional e para a (re)construção da(s) identidade(s) dos professores do 1.º CEB Dissertação apresentada no Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, para obtenção do grau de Mestre em Educação, Área de especialização em Desenvolvimento Curricular Trabalho efectuado sob a orientação da Professora Doutora Maria Assunção Flores Julho de 2005

3 Aos meus pais Francisco e Rosinha Aos meus quatro irmãos Isabel, Helena, Rui e Nuno

4 AGRADECIMENTOS À Prof.ª Doutora Maria Assunção Flores pela sua dedicação e apoio prestado na orientação deste trabalho, pelo estímulo constante e pela amizade. Ao Prof. Doutor José Augusto Pacheco, coordenador do Mestrado em Desenvolvimento Curricular, pela simpatia e por ter proporcionado as condições necessárias para a realização deste trabalho. Gostaria também de agradecer a todos os professores deste curso de Mestrado pelos contributos científicos e pelas oportunidades de reflexão. A todos os colegas das várias escolas por onde passei que gentilmente disponibilizaram o seu tempo e que tornaram possível realizar este estudo. Aos meus colegas de Mestrado que me acompanharam nesta etapa e a todas as amigas pelo interesse demonstrado e pelas palavras de apoio. À minha família pelo carinho, paciência e compreensão disponibilizada e pelo seu encorajamento constante. Ao meu tio, Juiz Conselheiro António Forte, pelo incentivo, pela bibliografia e legislação facultada. À Tita por todo o acompanhamento prestado desde os meus primeiros anos de escolaridade. À memória da tia Mariazinha que acompanhou parte deste trabalho.

5 RESUMO Esta dissertação situa-se no âmbito da formação contínua, numa perspectiva mais ampla, não se limitando à análise das acções de formação formais (creditadas e não acreditadas). Partimos de uma concepção de formação abrangente, que compreende todas as experiências pessoais em que o professor se envolve, que trazem benefício directo ou indirecto para o professor e contribuem para a qualidade do seu desempenho com os alunos. Trata-se de uma abordagem mais globalizante do percurso formativo dos professores, alargando o nosso estudo a outros contextos da experiência de vida dos professores, que foram consideradas como significativos do ponto de vista da aquisição de competências e de desenvolvimento profissional. Assim, neste trabalho, propomo-nos analisar até que ponto, e de que modo, a formação contínua frequentada tem contribuído para o desenvolvimento profissional e para a (re)construção da(s) identidade(s) dos professores do 1.º CEB. Tendo em atenção os objectivos propostos para este estudo, optámos por realizar uma investigação que combinou as abordagens quantitativa (questionário, n=184) e qualitativa (entrevistas, n=12), junto dos professores do 1.º CEB a leccionar em escolas pertencentes ao concelho de Braga. Os resultados deste estudo apontam para um reconhecimento crescente por parte dos participantes relativamente à importância da formação contínua, associada aos novos desafios colocados pelas mudanças sociais e culturais da sociedade, em geral, e à mudança curricular com que as escolas têm sido confrontadas, conduzindo a uma alteração no entendimento do papel do professor e da escola. Manifestam, assim, alguma evolução nas suas concepções e práticas de formação contínua, afastando-se de uma perspectiva burocrática, tecnicista e instrumental que associa a formação contínua à obtenção de créditos e à progressão na carreira. No entanto, dos seus discursos não transparece uma visão clara sobre formação, verificando-se alguma ambivalência na forma como abordam a formação em geral. Os resultados parecem indiciar, corroborando resultados de outras investigações, a necessidade de garantir que todos os professores tenham oportunidades de participar num conjunto diversificado de actividades de modo a melhorarem o seu conhecimento e as suas destrezas, considerando as suas necessidades pessoais e profissionais bem como as suas condições de trabalho com vista à promoção do seu desenvolvimento e do desenvolvimento organizacional das escolas. iv

6 ABSTRACT This dissertation focuses upon in-service education and training of teachers (INSET) within a broad perspective, including the more formal and credited activities and the more informal ones. The emphasis is placed, therefore, on a holistic view of INSET encompassing all personal experiences in which teachers engage, for their direct or indirect benefit, leading to enhancing the quality of their performance with the pupils. This approach takes into account an ongoing and broad understanding of teachers development including all kinds of activities which are considered to be meaningful for the acquisition of competencies and for their continuing professional development. Thus, the aim of this investigation is to analyse the ways in which INSET has contributed to teachers professional development and the (re)construction of their professional identities. It included mixed methods combining the quantitative approach, through the administration of a questionnaire (n=184) and the qualitative one, conducting semi-structured interviews (n=12) with primary teachers in Braga municipality. Findings point to a growing recognition amongst teachers in regard to the importance of INSET, which appears to be associated with new challenges related to social and cultural changes and with curriculum changes which schools, and therefore teachers, are now facing. This has led to changes in the understanding of the teacher and the school role. Teachers participating in this research reveal, therefore, a certain development in their INSET perspectives and practices, which go beyond a more technical, bureaucratic and instrumental logic related to credits and career advancement. Findings also suggest the need to provide all teachers with a wide range of professional development opportunities in order to improve their knowledge and skills. For this both their personal and professional needs must be taken into account as well as the educational contexts in which they work in order to foster their professional development as well as the organisational development of schools. v

7 RÉSUMÉ Cette dissertation s occupe de la formation continue des enseignants en ayant une perspective très ample. Elle ne se limite pas à faire l analyse de la formation organisée (avec ou sans projection sur la carrière professionnelle). Elle contemple aussi toute l expérience individuelle qui rend plus efficace le travail du professeur auprès de ses élèves. Dans ce travail nous nous proposons d analyser jusqu à quel point et comment la formation fréquentée contribue au développement professionnel et à la (re)construction de l identité des professeurs du 1 er CEB. Selon les objectifs de cette étude, nous avons décidé de faire une recherche qui combine les abordages quantitatifs (questionnaire n=184) et qualitatifs (interviews n=12) auprès des professeurs du 1 er CEB qui enseignent dans des écoles du «concelho» de Braga. Les résultats indiquent que les participants reconnaissent de plus en plus l importance de la formation continue face aux défis posés par les transformations sociales et culturelles de la société en générale et par le changement des curricula imposés aux écoles, menant à une autre perception du rôle de l enseignant et de l école. Ils manifestent une certaine évolution dans leurs conceptions et pratiques de formation au niveau de leurs conceptions et pratiques de formation continue, en s éloignant d une perspective bureaucratique, techniciste et instrumentale qui associe la formation continue à la progression professionnelle. Toutefois, leurs discours ne démontrent pas une vision claire de la formation. On vérifie, par contre, une certaine ambivalence quand ils abordent la formation en général. Les résultats semblent confirmer, comme d autres recherches le démontrent, le besoin de garantir à tous les enseignants l opportunité de participer à un ensemble diversifié d activités qui améliorent leurs connaissances et leur savoir-faire en tenant compte non seulement de leurs besoins personnels et professionnels, mais aussi de leurs conditions de travail en vue de la promotion de leur développement et du développement organisationnel des écoles. vi

8 Índice Geral ÍNDICE GERAL Resumo...iv Abstract...v Résumé...vi Índice de figuras...x Índice de quadros...xi Índice de gráficos...xii Índice de anexos...xiii Siglas utilizadas...xiv INTRODUÇÃO...16 CAPÍTULO I: FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Formação e Educação numa Sociedade em Mudança Os Professores enquanto Aprendentes Adultos Formação Contínua: concepções e práticas Formação Contínua enquanto processo formal Modelos de Formação Formação e Desenvolvimento Profissional Perspectivas de Desenvolvimento Profissional Desenvolvimento Profissional e Mudança Para uma Formação Centrada na Escola...65 CAPÍTULO II: BREVE ENQUADRAMENTO LEGAL DA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES A Formação Contínua de Professores em Portugal: evolução e perspectivas A Institucionalização da Formação Contínua ( ) As Modalidades de Formação Contínua A Formação Contínua de Professores no Contexto Internacional...85 CAPÍTULO III: FORMAÇÃO E IDENTIDADE DOS PROFESSORES DO 1.º CEB O Conceito de Identidade Identidade, Profissionalização e Profissionalismo Formação e Identidade CAPÍTULO IV: METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO Natureza do estudo e Problemática da Investigação Objectivos Plano de Investigação: breves considerações gerais População: selecção e caracterização Técnicas e Instrumentos de Recolha de Dados vii

9 Índice Geral O Questionário A Entrevista Procedimentos utilizados na Recolha de Dados Limitações do Estudo Técnicas de Análise de Dados Dados Quantitativos Dados Qualitativos CAPÍTULO V: APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS QUANTITATIVOS A Formação Contínua Frequentada Natureza e Tipo de Formação Frequentada Escolha da Instituição e Motivações para a Formação Contínua Incidência da Formação Contínua Creditada Representações sobre a Formação Contínua em Geral CAPÍTULO VI: APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS QUALITATIVOS Percurso Formativo e Profissional Escolha da Profissão Aprender a ser Professor: um processo complexo, longo e idiossincrático Momentos mais marcantes do Percurso Profissional Momentos de Desenvolvimento Profissional A Formação Formação Frequentada Entendimento da Formação Contínua no Actual Modelo Expectativas em relação à Formação Contínua no Futuro Contexto de Trabalho Actual Percepção das mudanças requeridas pela Reorganização Curricular no Trabalho Docente Cultura Escolar Dilemas e Constrangimentos Profissionalismo Docente e Identidade Profissional Entendimento da Profissão Docente No passado e no presente Dimensões associadas à profissão Factores que contribuem para maior e menor satisfação profissional Entendimento do que significa ser Professor Imagem de si próprio enquanto Professor Ser Professor do 1.º CEB viii

10 Índice Geral CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS REFERÊNCIAS LEGISLATIVAS. 251 ANEXOS ix

11 Índice Figuras ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 Modelos de Formação Contínua (cf. Pacheco & Flores, 1999:134)...42 Figura 2 Factores que contribuem para a qualidade da aprendizagem profissional (Day, 2001)...51 Figura 3 Etapas, fases e anos da carreira docente (Huberman, 1992)...56 Figura 4 Níveis de responsabilidade na elaboração dos programas da Formação Contínua...87 x

12 Índice Quadros ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1 Modalidades de Formação Contínua...82 Quadro 2 Estatuto da Formação Contínua...86 Quadro 3 Oferta da Formação Contínua...87 Quadro 4 Instituições que organizam a Formação Contínua...88 Quadro 5 Temas abordados...89 Quadro 6 Fases da recolha de dados, objectivos e instrumentos utilizados Quadro 7 Agrupamentos, escolas e professores considerados no estudo Quadro 8 População e amostra produtora de dados Quadro 9 Áreas de Especialização Quadro 10 Caracterização dos entrevistados Quadro 11 N.º de professores que validaram o questionário Quadro 12 Dimensões I: Percurso Profissional Quadro 13 Dimensão II: Formação Quadro 14 Dimensão III: Contexto de Trabalho Actual Quadro 15 Dimensão IV: Profissionalismo Docente e Identidade Profissional Quadro 16 Modalidades de formação frequentadas Quadro 17 Distribuição Percentual de Acções por Modalidade de Formação Quadro 18 Frequência das temáticas de formação contínua creditada Quadro 19 Instituições organizadoras das acções de formação creditada Quadro 20 Local onde decorreram as Acções de Formação frequentadas Quadro 21 Razões de escolha da instituição (%) Quadro 22 Motivos que o/a levaram a frequentar a formação contínua (%) Quadro 23 Natureza das acções de formação não creditadas Quadro 24 Interesses pessoais/ profissionais e Prática (%) Quadro 25 Expectativas e necessidades profissionais (%) Quadro 26 Interacção entre professores (%) Quadro 27 Interacção entre professores, alunos e outros agentes educativos (%) Quadro 28 Modo de pensar a formação (%) Quadro 29 Finalidades da formação (%) Quadro 30 Lógica da formação (%) Quadro 31 Motivações da escolha da profissão Quadro 32 Colocar a profissão em questão Quadro 33 Formação Académica Quadro 34 Temática das acções de formação contínua frequentadas Quadro 35 Das expectativas à realidade Quadro 36 Factores que contribuíram para uma percepção negativa da profissão xi

13 Índice Gráficos ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1 Habilitações Académicas Gráfico 2 Experiência Profissional Gráfico 3 Tempo de Serviço na Escola (em Agosto de 2003) Gráfico 4 Acções de Formação Contínua Frequentadas (nos últimos 5 anos) xii

14 Índice Anexos ÍNDICE DE ANEXOS Anexo 1 Agrupamentos de Escolas do concelho de Braga. 254 Anexo 2 Características dos Professores respondentes ao questionário..256 Anexo 3 Questionário..259 Anexo 4 Organização da estrutura do questionário.267 Anexo 5 Quadro de distribuição de itens por dimensão Anexo 6 Guião da Entrevista Anexo 7 Carta enviada aos Presidentes dos Conselhos Executivos 277 Anexo 8 Carta enviada aos Professores Anexo 9 Protocolo de investigação Anexo 10 Transcrição de uma entrevista. 283 xiii

15 SIGLAS UTILIZADAS DESE s Diploma de Estudos Superiores Especializados CESE s Curso de Estudos Superiores Especializados CFAE s Centro de Formação de Associações de Escolas CCPFCP Conselho Científico Pedagógico da Formação Contínua de Professores 1.º CEB Primeiro Ciclo do Ensino Básico CAE Coordenação Educativa de Braga LBSE Lei de Bases do Sistema Educativo RJFCP Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores ECD Estatuto da Carreira Docente CCPFC Conselho Científico Pedagógico da Formação Contínua PQDV Professores do Quadro Distrital de Vinculação, actualmente designado por PQZP (Professor do Quadro de Zona Pedagógica) PQG Professor do quadro Geral, actualmente designado por PQE (Professor do Quadro de Escola) PEE Projecto Educativo de Escola PCE Projecto Curricular de Escola PCT Projecto Curricular de Turma TIC Tecnologia da Informação e Comunicação NEE Necessidades Educativas Especiais xiv

16 INTRODUÇÃO

17 Introdução INTRODUÇÃO A formação de professores constitui uma temática que tem sido abordada por vários investigadores cativando o seu interesse e atenção a par de uma importância crescente no campo da investigação educacional 1. Como salientam Pacheco & Flores (1999:10), os professores são actores indispensáveis no processo curricular e porque deles depende, em grande medida, qualquer propósito de inovação educativa, a sua formação constitui uma vertente que não se pode escamotear. No entanto, situada numa escola que se quer em permanente transformação, numa sociedade envolta num complexo processo de transformação e de uma profissão que se vê necessitada de permanentemente se (re)construir, a formação de professores (nomeadamente a contínua), longe de ser consensual, tem sido alvo de discussão, de problematização e de críticas. Como defende Chantraine-D ly (1992), a formação contínua de professores não é um campo homogéneo. A investigação sobre a formação de professores em Portugal, a partir sobretudo da década de 80, foi marcada por um interesse crescente pela dimensão contextual e pelos processos de desenvolvimento profissional como eixos norteadores da formação e da profissionalidade (Nóvoa, 1989,1991,1992; Alarcão, 1994,1998; Amiguinho, 1992,1998), corporizando-se em alguns projectos de investigação (cit in Roldão, 2001). Outra linha de produção de conhecimento que vem, mais recentemente, adquirindo destaque relaciona-se com a investigação sobre a educação de adultos e a permeabilidade desta vertente face à investigação ligada à formação e desenvolvimento profissional, como é o exemplo de Marcelo (1999) e Canário (1999). Partindo do pressuposto de que o professor é um adulto em desenvolvimento e a sua formação uma formação de adultos, torna-se necessário conceber um quadro teórico abrangente. Neste sentido, está em causa uma formação orientada para o desenvolvimento profissional numa perspectiva de evolução e continuidade afastando-se de uma mera reciclagem, ou superando a tradicional justaposição entre formação inicial e aperfeiçoamento de professores, na linha de Marcelo (1999). 1 A formação de professores constitui um dos aspectos essenciais de qualquer sistema educacional ou reforma educativa (Villa, 1988; Zeichner, 1988; Marcelo, 1992,1994). Para M.T.Estrela & Estrela (1977), por exemplo, ela é, ao mesmo tempo, o alfa e o omega de um sistema de ensino. Por seu turno, Gimeno (1992:77) considerando-a una de las pedras angulares imprescindibles de cualquier intento de renovación del sistema educativo (Flores, 2000:23). 16

18 Introdução Assim, numa abordagem mais alargada, a formação contínua deve abranger não só a actualização permanente dos professores, mas também integrar múltiplas dimensões, ou seja, falar de formação implica falar de um processo de mudança que leva a um crescimento pessoal e profissional dos professores e ao desenvolvimento organizacional dos contextos de trabalho. Nesta perspectiva, a formação tende a ser olhada como um processo que articula um percurso pessoal e uma trajectória profissional, que não se confunde com uma simples acumulação de conhecimentos, cursos ou técnicas. Assim, situações educativas organizadas são apenas momentos possíveis de um processo mais globalizante, de natureza apropriativa e reflexiva, por parte dos sujeitos que se formam (Dominicé, 1990, apud Amiguinho, 1993:37). Também os princípios defendidos por Day (2001) incluem esta visão alargada da aprendizagem profissional, na qual se incluem diferentes tipos de aprendizagem, ou seja, o crescimento implica aprendizagem que, umas vezes, é natural e evolutiva, outras vezes, esporádica, outras ainda, o resultado de uma planificação (Day, 2001:16). Foi com base nesta perspectiva que procurámos estruturar o nosso estudo. Por outro lado, o desenvolvimento profissional do professor pode ser enquadrado em diversas perspectivas, entre as quais o modelo de desenvolvimento pessoal, o modelo de profissionalização do professor e o modelo de socialização (Vonk & Schras, 1987), a perspectiva de identidade profissional (Lessard, 1986) e a perspectiva dos ciclos de vida, que pode ser considerada como uma perspectiva que engloba as outras (cit. in Loureiro, 1997). Nesta última perspectiva, destaca-se o modelo de Huberman (1992) e, em Portugal, os estudos realizados por Gonçalves (1990, 2000). Embora não nos enquadrássemos em nenhuma destas perspectivas, tivemos em atenção o seu enquadramento conceptual e as suas especificidades. Justificação do interesse pela temática O interesse em realizar um estudo sobre a temática da formação de professores inscreve-se em factores de ordem pessoal particular motivação pela problemática decorrente da frequência da Licenciatura em Ciências da Educação, na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto que contribuiu para o interesse pessoal e profissional, na medida em que foi um espaço de reflexão, de interesse e de investigação sobre diversos saberes. O Estágio realizado no 4.º ano no âmbito da formação contínua de professores Viver a cultura, (Re)pensar a formação foi, sem dúvida, relevante para aumentar o interesse pela investigação com enfoque na teoria da formação de professores. 17

19 Introdução Um outro factor é de ordem profissional trabalhamos no 1.º ciclo do ensino básico (CEB), há catorze anos. Por outro lado, destacamos ainda alguma experiência na área da formação contínua de professores, na modalidade de projecto, como formadora acreditada pelo Conselho Científico- Pedagógico da Formação Contínua (CCPFC). Além destes dois factores, está também presente a dimensão científica. De facto, existem já vários estudos sobre formação e, como salienta Estrela (1997:9), é surpreendente o volume de literatura que na segunda metade deste século se tem publicado sobre os professores, a sua formação e a sua profissão. Relativamente à formação, são de destacar os estudos realizados por Ruela (1999); Correia, Caramelo & Vaz, (1997); Roldão et al, (2000); Barroso & Canário, (1999); Silva, J.N. (2000); Silva, M. (2001), entre outros. No entanto, após uma revisão bibliográfica dos estudos mais significativos realizados em Portugal, embora com algumas limitações, consideramos que grande parte dos estudos tinha por objecto os Centros de Formação, com incidência nos Centros de Formação das Associações de Escolas (CFAE s), bem como em diferentes níveis de ensino. Assim, com este estudo pretende-se reequacionar a problemática, articulando as questões da formação com o desenvolvimento e a identidade profissional dos professores, de modo a poder contribuir para «desocultar» uma profissão que todos conhecem do exterior, mas cuja interioridade só muito dificilmente se vem abrindo a olhares a ela alheios. (Estrela, 1997:9) Os estudos realizados por Gonçalves (1990, 2000) constituíram, em parte, uma das nossas referências pelo facto de incidirem no mesmo nível de ensino, assim como o estudo de Rodrigues & Esteves (1993:20), pela abordagem das necessidades de formação, no sentido de conhecer os interesses, as expectativas, os problemas da população a formar, para garantir o ajustamento óptimo entre programa formador-formando. Por outro lado, mobilizámos alguns conceitos preconizados por Day (2001), nomeadamente, o de desenvolvimento profissional que Envolve todas as experiências espontâneas de aprendizagem e as actividades conscientemente planificadas, realizadas para benefício, directo ou indirecto, do grupo ou da escola e que contribuem, através destes, para a qualidade da educação na sala de aula. É o processo através do qual os professores, enquanto agentes de mudança, revêem, renovam e ampliam, individual ou colectivamente, o seu compromisso com os propósitos morais do ensino, adquirem e desenvolvem, de forma crítica, juntamente com as crianças, jovens e colegas, o conhecimento, as destrezas e a inteligência emocional 2, essenciais para uma reflexão, planificação e prática profissionais eficazes, em cada uma das fases das suas vidas profissionais (Day, 2001:20-21). 2 Segundo Daniel Goleman (2000:323), a «inteligência emocional define-se como a capacidade de reconhecer os nossos sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e de gerirmos bem as emoções em nós e nas nossas relações.» 18

20 Introdução Foram, portanto, as motivações pessoais e profissionais que nos moveram para aprofundar esta temática no âmbito da dissertação de Mestrado em Educação, na área de especialização em Desenvolvimento Curricular. Apresentação do estudo A noção de formação contínua está, actualmente, associada à ideia de aprendizagem permanente, ou seja, há uma valorização de todos os processos formativos como potenciadores de desenvolvimento profissional e pessoal, sejam eles iniciais ou contínuos, formais ou informais em que os professores se envolvem ao longo das suas vidas (Fullan & Hargreaves, 1992; Canário, 1994; Marcelo, 1999; Pacheco & Flores, 1999; Day, 2001; Flores, 2000, Gonçalves, 1992, 2000). Neste sentido, para além do significado técnico ou instrumental, o termo formação encerra também uma componente pessoal de desenvolvimento com um sentido contínuo (Flores, 2000:23). Assim, como indicam Pacheco e Flores (1999), o propósito global subjacente à expressão formação contínua é o de promover o desenvolvimento profissional do professor, pressupondo um leque variado de situações de aprendizagem. É nesse sentido que é criticada a forma como, muitas vezes, se encara a aprendizagem dos professores, nomeadamente quando ela é olhada apenas como uma aquisição fragmentária de informação e de competências dirigidas para a prática, minimizando uma orientação intelectual (Popkewitz, 1992:41), reduzindo-se ao ensino de competências específicas. No entanto, como destaca Popkewitz (1992), não basta afirmar que os professores devem ser reflexivos e que devem dispor de maior autonomia. Torna-se necessário criar uma tradição de pensamento e de reflexão que possa apoiar o desenvolvimento profissional dos professores, perspectivada como um processo contínuo ao longo de toda a carreira e equacionada como um desenvolvimento progressivo. Neste quadro, é importante salientar no conceito de formação a acção de construção de si próprio, por meio de experiências vivenciadas, e de situações envolvendo interacções sociais que contribuem decisivamente para o processo de formação do indivíduo, numa vivência inerente à globalidade da própria vida em constante mutação. Daí que formar-se tem que ser um trabalho sobre si próprio, livremente imaginado, assumido e realizado graças à mobilização dos mais diversos meios e recursos (Ferry, 1987:29). 19

21 Introdução A formação de professores em Portugal não tem, na maior parte das vezes, valorizado as dimensões de desenvolvimento pessoal e profissional dos professores (Nóvoa, 1991). Por isso, segundo o mesmo autor, é fundamental "(re)encontrar espaços de interacção entre as dimensões pessoais e profissionais, permitindo aos professores apropriar-se dos seus processos de formação e dar-lhes um sentido no quadro das suas histórias de vida" (Nóvoa, 1991:23). Nesta perspectiva, a formação contínua não deve ser concebida como algo que se obtém por acumulação (de cursos, de conhecimento ou de técnicas), mas sim através de um trabalho de reflexividade crítica sobre as práticas e de (re)construção permanente de uma identidade pessoal (Nóvoa,1991:23). No entanto, como salienta Day (2003:168), a formação contínua é ainda a forma mais utilizada de desenvolvimento organizada no sentido de proporcionar uma aprendizagem intensiva durante um curto espaço de tempo e, apesar de poder ser pensada de forma colaborativa, é usualmente decidida por alguém cujo papel consiste não só em facilitar, mas também em estimular de forma activa a aprendizagem. Ainda na perspectiva de Day (2003), a formação: é concebida, na maior parte das vezes para «encaixar» nas necessidades dos professores, em relação à sua experiência, à etapa de desenvolvimento da carreira, às exigências do sistema e às necessidades de aprendizagem ao longo da vida ou do sistema, daí que seja provável que a formação contínua resulte num crescimento acelerado, quer se trate de um crescimento aditivo (aquisição de conhecimentos, destrezas e compreensão mais profunda de determinados aspectos), quer se trate de um crescimento transformativo (resultante em mudanças significativas nas crenças, no conhecimento, nas destrezas e modos de compreensão) (Day, 2003:168). Neste trabalho, que tem como enfoque a formação contínua (entendida como um acontecimento planeado, um conjunto de eventos ou um programa amplo de aprendizagens acreditadas e não acreditadas), propomo-nos analisar até que ponto e de que modo a formação contínua frequentada tem contribuído para o desenvolvimento profissional e para a (re)construção da(s) identidade(s) dos professores do 1.º CEB. Neste estudo tivemos em atenção o facto de, como refere Alonso (1998:206), o estudo do desenvolvimento [ser] um estudo de influências combinadas e não de influências únicas ou dominantes. Como esclarece Moita (2000:114), compreender como cada pessoa se formou é encontrar as relações entre as pluralidades que atravessam a vida. Assim, e como salienta Nias (cit. in Nóvoa 2000:15), o professor é pessoa; e uma parte importante da pessoa é o professor. Do mesmo modo Fullan & Hargreaves (1992) exprimem a importância da globalidade da pessoa e do professor através da expressão «professor total», salientando a importância de factores como a idade, o sexo, o estádio da 20

22 Introdução carreira e as experiências de vida no seu desempenho profissional. Nóvoa (2000) destaca ainda as opções que cada um de nós tem de fazer como professor, as quais cruzam a nossa maneira de ser com a nossa maneira de ensinar e desvendam na nossa maneira de ensinar a nossa maneira de ser. É impossível separar o eu profissional do eu pessoal (Nóvoa, 2000:17). Neste sentido, ao consideramos o desenvolvimento profissional tivemos em atenção que este inclui obrigatoriamente um desenvolvimento pessoal e, neste sentido, quando abordamos o problema da formação, consideramos que é um processo realizado pela pessoa, na pessoa, pois são as suas competências pessoais que são desenvolvidas e que são postas em acção no campo profissional. Podemos considerar, secundando Moita (2000:115), que um percurso de vida é um percurso de formação, no sentido em que é um processo de formação. Neste contexto, falar de desenvolvimento profissional do professor implica considerar uma teoria evolutiva de desenvolvimento de carácter contínuo. Como salienta Day (2001), o conceito de desenvolvimento profissional inclui quer a aprendizagem eminentemente pessoal, sem qualquer tipo de orientação, a partir da experiência (através da qual a maioria dos professores aprende a sobreviver, a desenvolver competências e a crescer profissionalmente nas salas e nas escolas), quer as oportunidades informais de desenvolvimento profissional vividas na escola, quer ainda as mais formais oportunidades de aprendizagem acelerada, disponíveis através de actividades de treino e de formação contínua, interna e externamente organizadas (Day, 2001:18). Trata-se, por isso, de uma concepção de formação abrangente, que compreende todas as experiências pessoais em que o professor se envolve, que trazem benefício directo ou indirecto para o professor e contribuem para a qualidade do seu desempenho com os alunos. Como recorda Estrela (2001b:45), não devemos perder nunca de vista que a função docente e a formação de professores só tem sentido em relação à formação dos alunos. Para isso, optámos por realizar uma investigação que combinou as abordagens quantitativa e qualitativa (questionários e entrevistas), junto dos professores do 1.º CEB a leccionar em escolas pertencentes ao concelho de Braga, em que se pretendeu analisar a formação frequentada pelos professores nos últimos cinco anos (1999 a 2003), nomeadamente no que diz respeito às modalidades e temáticas; às instituições promotoras da formação e às razões da escolha; aos motivos para a frequência da formação; bem como às repercussões da formação contínua frequentada ao nível das suas representações e práticas. Procurámos ainda indagar as representações dos professores sobre a formação contínua em geral. As entrevistas visavam, por um lado, a recolha de dados para o aprofundamento das questões que foram objecto de análise no questionário e, por outro lado, permitiu-nos abordar, de uma forma mais globalizante, o percurso formativo dos professores, não se limitando às 21

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem sustentar esta aspiração. 2. COMO CONCRETIZAR A MUDANÇA O Projecto Educativo de Escola (PEE) pode constituir um instrumento

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

O papel da prática pedagógica na formação inicial do docente

O papel da prática pedagógica na formação inicial do docente Perspectivas e expectativas em relação à formação inicial e à profissão de educadora de Infância Ana Rita Graciano, Isabel Fialho IPSS Obra de S. José Operário, Évora Universidade de Évora Palavras-chave:

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa . INÁCIO, Maria Joana SALEMA, Maria Helena Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa RESUMO Aprender a aprender constitui-se como uma das competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche Maria Teresa de Matos Projecto Pedagógico de Sala Creche Princípios Orientadores Projecto Pedagógico de Sala * Projecto Curricular

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO APRENDER CIDADANIA COM A DISCIPINA DE HISTÓRIA: 3 PERCURSOS NO CONCELHO DE ODEMIRA Rita Santos Agudo do Amaral Rêgo MESTRADO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática.

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática. ANEXO III 217 QUADRO N. º 4 - Formação recebida no domínio da intervenção educativa com crianças portadoras de NEE SUB-CATEGORIA INDICADORES UNIDADES DE REGISTO SUJEITOS F.U.R. % Disciplinas do Curso Uma

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho CENTRO DE COMPETÊNCIAS DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM ESTUDO DE CASO NUMA UNIVERSIDADE

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS - CHAVE

GLOSSÁRIO DE TERMOS - CHAVE QUADRO EUROPEU DE REFERÊNCIA DAS QUALIFICAÇÕES PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA Processo de Consulta Nacional GLOSSÁRIO DE TERMOS - CHAVE Este glossário de termos-chave tem como base o trabalho relativo

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO

ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO OBJETIVOS, METODOLOGIA E ETAPAS DO PROJETO EDUCATIVO MUNICIPAL Concebendo a Educação como

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem?

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem? Rui Trindade Universidade do Porto Portugal trindade@fpce.up.pt I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA UNDIME/MG Belo Horizonte 11 de Abril de 2012 O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 3

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 3 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULOS DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações CENFIC 13 de Novembro de 2009 Elsa Caramujo Agência Nacional para a Qualificação 1 Quadro Europeu de Qualificações

Leia mais

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta A Escola portuguesa no séc. XXI (1/5) Falar de Escola é falar de educação. Compreender a escola é, também, compreender a evolução das ideias sobre educação ao longo dos tempos. Nesta linha de evolução,

Leia mais

43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção

43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção 43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção Ana Macedo 1*, Rafaela Rosário 1, Flávia Vieira 2, Maria Silva 1, Fátima Braga 1, Cláudia Augusto 1, Cristins Araújo Martins

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

Universidade Aberta. Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009. Projecto de Dissertação de Mestrado

Universidade Aberta. Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009. Projecto de Dissertação de Mestrado Universidade Aberta Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009 Projecto de Dissertação de Mestrado Aprender a «viver juntos»: Que significado curricular no 1º. Ano? 30 de Setembro de 2008 Projecto de

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I)

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Prof. Júlio Wilson Ribeiro, Dr. (DC/UFC) Prof. Gilson Pereira do Carmo Filho, MSc. (DC/UFC) Prof. Hermínio

Leia mais

(In)disciplina na aula Uma revisão bibliográfica de autores portugueses

(In)disciplina na aula Uma revisão bibliográfica de autores portugueses Recensão Temática 193 (In)disciplina na aula Uma revisão bibliográfica de autores portugueses Estrela, M. T. (1992). Relação Pedagógica, Disciplina e Indisciplina na Sala de Aula. Porto: Porto Editora.

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA QUINTA DAS FLORES

ESCOLA SECUNDÁRIA DA QUINTA DAS FLORES ESCOLA SECUNDÁRIA DA QUINTA DAS FLORES Projecto Educativo - 2004/2007 INTRODUÇÃO O que importa é que a escola pense e para pensar são precisas muitas cabeças. Uma cabeça sozinha pode pensar, pode chegar

Leia mais

I Serviço Público de Educação

I Serviço Público de Educação PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO E AUTONOMIA DAS ESCOLAS GRUPO DE TRABALHO Documentos Serviço Público de Educação Níveis de Autonomia na Gestão das Escolas Introdução Nesta fase do desenvolvimento o Grupo de

Leia mais

um trabalho em desenvolvimento

um trabalho em desenvolvimento Departamento de Didáctica e Tecnologia Educativa O portfolio e a construção do currículo para uma educação em línguas: potencialidades e constrangimentos em contexto escolar português um trabalho em desenvolvimento

Leia mais

Workshop Trabalhar e Avaliar Competências

Workshop Trabalhar e Avaliar Competências Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2º e 3º Ciclos Dr. João de Barros 12 e 17 de Maio 2006 Workshop Trabalhar e Avaliar Competências Maria de Lurdes Santos Gonçalves mgoncalves@dte.ua.pt

Leia mais