Planificação - História A 11º ano Ano letivo 2014 /2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planificação - História A 11º ano Ano letivo 2014 /2015"

Transcrição

1 AGRUPAMENTO de ESCOLAS n.º 1 de GONDOMAR Planificação - História A 11º ano Ano letivo 2014 /2015 Módulo 4 CONTEÚDOS Nº DA AULAS 1. População da Europa nos séculos XVII e XVIII: crises e crescimento 1.1 A Evolução demográfica Economia e população O modelo demográfico antigo O século XVII Balanço demográfico. O século XVIII 2. A Europa dos Estados absolutos e a Europa dos parlamentos 2.1. Estratificação social e poder político nas sociedades de Antigo Regime A sociedade de ordens assente no privilégio e garantida pelo absolutismo régio de direito divino Pluralidade de estratos sociais, de comportamentos e de valores. Crise demográfica Economia préindustrial* Antigo Regime Estratificação social Ordem/Estado Monarquia absoluta Na sequência da actividade desenvolvida, relevam-se as seguintes aprendizagens: - reconhecer nas crises demográficas um factor de agravamento das condições do mundo rural e de perturbação da tendência de crescimento da economia europeia - Relacionar a economia pré industrial com o modelo demográfico antigo; - Caracterizar a demografia pré-industrial; - Reconhecer uma crise demográfica; - Avaliar a incidência destas crises nos séculos XVII e XVIII; - Explicar a alteração demográfica verificada na segunda metade do século XVIII; - * *compreender os fundamentos da organização político-social do Antigo Regime e as expressões que a mesma assumiu; - Caracterizar a sociedade do Antigo Regime diferenciar as ordens e o seu estatuto; Análise da gravura, do mapa e da cronologia - introdução - Observação de gravuras Análise da documentação relativa às unidades Exploração de acetatos Visionamento de filmes e comentários 46 aulas Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 1

2 2.1.3 O Absolutismo régio Os modelos estéticos de encenação do poder. Sociedade de corte - Reconhecer nos comportamentos os valores da sociedade de ordens - Referir as características do poder absoluto; - Sublinhar o papel desempenhado pela Corte no regime absoluto significado da expressão Encenação do poder : Realização de actividades de pesquisa bibliotecas e Internet Exploração de Dossiers temáticos Sociedade e poder em Portugal: preponderância da nobreza fundiária e mercantilizada. Criação do aparelho burocrático do Estado absoluto no século XVII. O absolutismo joanino. - Evidenciar a preponderância da nobreza fundiária em Portugal; - Caracterizar o cavaleiro mercador ; - Relacionar a eficiência do aparelho burocrático com a efectiva centralização do poder; Elaboração de dicionários de vocábulos específicos Elaboração de biografias Elaboração/análise de tabelas e mapas - Caracterizar o absolutismo Joanino; Organização de debates 2.2. A Europa dos parlamentos: sociedade e poder político Afirmação política da burguesia nas Províncias Unidas, no século XVII. Grotius e a legitimação do domínio dos mares Recusa do absolutismo na sociedade inglesa Locke e a justificação do parlamentarismo. Mobilidade social Parlamento* **Compreender a importância da afirmação de parlamentos numa Europa de Estados absolutos; - Mostrar a fusão do poder político com o poder económico nas Províncias Unidas; -Contextualizar a teoria do Mare Clausum ; - Expor os acontecimentos mais relevantes da história politica inglesa, no século XVII; - Evidenciar o carácter liberal do regime parlamentar; - Fundamentar o parlamentarismo inglês na filosofia politica de Locke; - Contrapor o modelo sócio-político absolutista ao modelo parlamentar; Visitas virtuais a museus Leituras complementares Recolha de dados quantitativos e elaboração de gráficos Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 2

3 3. Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII 3.1. Reforço das economias nacionais e tentativas de controlo do comércio O Mercantilismo O equilíbrio europeu e a disputa das áreas coloniais A hegemonia económica britânica Condições do sucesso inglês O arranque industrial Portugal dificuldades e crescimento económico Da crise comercial de finais do século XVII à apropriação do ouro brasileiro pelo mercado britânico A política económica e social pombalina. A prosperidade comercial de finais do século XVIII. Capitalismo comercial* Proteccionismo* Mercantilismo* Balança comercial* Exclusivo colonial Companhia monopolista Comércio triangular Tráfico negreiro Bandeirante Manufactura Bolsa de Valores Mercado nacional Revolução industrial* **compreender que o equilíbrio político dos Estados no sistema internacional dos séculos XVII e XVIII se articula com o domínio de espaços coloniais; - **reconhecer, nas práticas mercantilistas, modos de afirmação das economias nacionais; - Enunciar os princípios mercantilistas; - Enquadrar na teoria mercantilista as medidas de Cromwell e Colbert; - Distinguir o mercantilismo inglês (comércio) e francês ( manufacturas); - Relacionar o proteccionismo económico com o agudizar das tensões internacionais; - Identificar as áreas coloniais disputadas pelos Estados Atlânticos; ** relacionar a formação de um mercado nacional e o arranque industrial ocorridos em Inglaterra com a transformação irreversível das estruturas económicas: - inovações agrícolas - criação do mercado nacional -alargamento dos mercados - progressos do sistema financeiro - Arranque industrial - contextualização -**compreender a influência das relações internacionais nas políticas económicas portuguesas e na definição do papel de Portugal no espaço europeu e atlântico: - Medidas mercantilistas - modelo francês - Explicar o retrocesso da política industrializadora portuguesa - Avaliar a dependência da economia portuguesa face à Inglaterra. - Contextualizar a politica pombalina As mesmas sugestões Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 3

4 4. Construção da modernidade europeia 4.1. O método experimental e o progresso do conhecimento do homem e da natureza A filosofia das Luzes: apologia da razão, do progresso e do valor do indivíduo; defesa do direito natural, do contrato social e da separação dos poderes. - **valorizar o contributo dos progressos do conhecimento e da afirmação da filosofia das Luzes para a construção da modernidade europeia. - Avaliar o impacto do método experimental no progresso da ciência - Salientar os contributos dos principais cientistas dos séculos XVII e XVIII e fundamentar a expressão Revolução científica 4.3. Portugal : o projecto pombalino de inspiração iluminista: modernização do Estado e das instituições; ordenação do espaço urbano; a reforma do ensino. Iluminismo* - Explicar a designação de Iluminismo dada ao pensamento da segunda metade do século XVIII - Caracterizar o pensamento iluminista e avaliar o seu carácter revolucionário As mesmas sugestões - Distinguir os meios de difusão do pensamento das Luzes - Relacionar o iluminismo com a desagregação do Antigo Regime - Reconhecer, no Despotismo Iluminado, a fusão do pensamento iluminista com os princípios do absolutismo régio A negrito: Conteúdos de aprofundamento - Integrar as medidas do Marquês de Pombal no pensamento setecentista ** Aprendizagens estruturantes Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 4

5 Módulo 5 CONTEÚDOS 1. A revolução americana, uma revolução fundadora Nascimento de uma nação sob a égide dos ideais iluministas Antecedentes A reacção das colónias Da guerra da independência à criação dos E:U.A. 2. A revolução francesa paradigma das revoluções liberais e burguesas 2.1. A França nas vésperas da revolução Uma sociedade anacrónica A conjuntura económico financeira A inoperância do poder político e o agravamento das tensões sociais 2.2. Da Nação soberana ao triunfo da revolução burguesa: A Nação soberana; a desagregação da ordem social de Antigo Regime; a monarquia constitucional; A obra da Convenção; O triunfo da revolução burguesa; o directório e o regresso à paz civil e a nova ordem institucional e jurídica. Revolução liberal * Constituição * Monarquia constitucional * Soberania nacional* Sistema representativo* Estado laico Sufrágio censitário ** identificar revolução como momento de ruptura e de mudança irreversível de estruturas - **compreender o fenómeno revolucionário liberal como afirmação da igualdade de direitos e da supremacia do princípio da soberania nacional sobre o da legitimidade dinástica - Reconhecer a diversidade e a unidade das colónias inglesas da América - Explicar o conflito económico surgido entre a Inglaterra e as suas colónias - Mostrar como esse conflito se tornou político - Justificar o apoio da França - Relacionar os princípios contidos na Declaração de independência e na constituição americana com a aplicação dos ideias iluministas - Mostrar o anacronismo das estruturas sociais francesas nas vésperas da Revolução - analisar a crise económica e financeira - Explicar o fracasso das tentativas de reformas - Interpretar a transformação dos Estados Gerais em Assembleia Nacional Constituinte - Relacionar a abolição dos direitos feudais com a destruição da sociedade do Antigo Regime Análise da documentação relativa às unidades Exploração de acetatos Visionamento de filmes e comentários Realização de actividades de pesquisa bibliotecas e Internet Exploração de Dossiers temáticos Observação de gravuras 42 aulas Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 5

6 3. A geografia dos movimentos revolucionários na primeira metade do século XIX: as vagas revolucionárias liberais e nacionais. 3.1 A Europa e a Revolução Francesa 3.2 As revoluções em cadeia da época pós-napoleónica 4. A implantação do liberalismo em Portugal 4.1. Antecedentes e conjuntura (1807 a 1820). - As invasões francesas e a dominação inglesa em Portugal 4.2. A revolução de 1820 e as dificuldades de implantação da ordem liberal ( ); O vintismo - o triunfo da revolução - A Constituição de a precariedade da legislação vintista de carácter socioeconómico a desagregação do império atlântico a independência do Brasil A resistência ao liberalismo: - conjuntura externa e oposição absolutista - a Carta Constitucional de 1826 e a tentativa de apaziguamento políticosocial - A guerra civil Carta constitucional* Vintismo Cartismo Setembrismo Cabralismo -Sublinhar o significado da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão - caracterizar a monarquia constitucional - descrever a passagem da monarquia à república - Relacionar a obra da Convenção com a força do movimento sans-culotte e o triunfo dos ideais jacobinos - Explicar o terror e justificar o fim da república jacobina - avaliar a acção do Directório - Explicar a ascensão de Napoleão Bonaparte - Sublinhar a consolidação da Revolução burguesa - Reconhecer o papel da Revolução francesa na expansão dos ideais liberais - Mostrar a importância do Congresso de Viena -Distinguir as vagas revolucionárias na Europa e além atlântico **analisar a interacção dos factores que convergiram no processo revolucionário português; - Mostrar a coexistência em Portugal do Antigo regime e de forças liberais - explicar as invasões francesas - Relacionar a conjuntura política, económica e social resultante das invasões francesas com a Rev. Liberal de Analisar a acção do vintismo - Reconhecer na independência brasileira uma das razões do fracasso do vintsmo Comparar a Carta constitucional de 1926 com a Constituição de relacionar a guerra civil com a resistência Elaboração de dicionários de vocábulos específicos Elaboração de biografias Elaboração/análise de tabelas e mapas Organização de debates Visitas virtuais a museus Leituras complementares Recolha de dados quantitativos e elaboração de gráficos Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 6

7 4.3. O novo ordenamento político e socioeconómico ( ): A acção reformadora da regência de D. Pedro - importância da legislação de Mouzinho da Silveira e outras reformas Os projectos setembrista cabralista - A Revolução de Setembro de Acção do governo setembrista. - O cabralismo e o regresso à Carta Constitucional 5. O legado do liberalismo na primeira metade do século XIX O Estado como garante da ordem liberal: O liberalismo político; a secularização das instituições O liberalismo económico; o direito à propriedade e à livre iniciativa Os limites da universalidade dos direitos humanos: a problemática da abolição da escravatura O romantismo, expressão da ideologia liberal: revalorização das raízes históricas das nacionalidades; exaltação da liberdade; Liberalismo económico * Romantismo Época contemporânea ao liberalismo - Analisar o papel de Mousinho da Silveira e outros na destruição do Antigo Regime - Caracterizar o setembrismo - Mostrar que o cabralismo se identificava com o projecto cartista da alta burguesia -** relacionar a desarticulação do sistema colonial luso-brasileiro e a questão financeira com a dinâmica de transformação do regime em Portugal; - **distinguir na persistência das estruturas arcaicas da sociedade portuguesa um factor de resistência à implantação do liberalismo - reconhecer que a ideologia liberal, resultante de uma longa maturação, se consolida no período de estabilização posterior ao processo revolucionário; - identificar as alterações da mentalidade e dos comportamentos que acompanharam as revoluções liberais * - valorizar a consciencialização da universalidade dos direitos humanos. - Interpretar o conceito de liberalismo a defesa dos direitos individuais - sublinhar os fundamentos do liberalismo político: - constitucionalismo - separação de poderes - Soberania da Nação - caracterizar o liberalismo económico - Identificar as características do romantismo - Relacionar o nacionalismo romântico com As mesmas sugestões Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 7

8 a explosão do sentimento nas artes plásticas, na literatura e na música O romantismo em Portugal A negrito: conteúdos de aprofundamento o interesse pela Idade Média - Distinguir os princípios estéticos do romantismo nas artes plásticas, na literatura e na música - Exemplificar manifestações literárias e artísticas do romantismo em Portugal **Aprendizagens estruturantes Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 8

9 Módulo 6 CONTEÚDOS Nº DA AULAS 1. As transformações económicas na Europa e no Mundo 1.1. A expansão da revolução industrial a ligação ciência / técnica; Novos inventos e novas fontes de energia Concentração industrial e bancária A racionalização do trabalho A geografia da industrialização A hegemonia inglesa A afirmação de novas potências A permanência de formas de economia tradicional A agudização das diferenças A confiança nos mecanismos auto-reguladores do mercado: o livre cambismo As crises do capitalismo O mercado internacional e a divisão internacional do trabalho. 2. A sociedade industrial e urbana 2.1.A explosão populacional; a expansão urbana e o novo urbanismo; migrações internas e emigração A explosão populacional A expansão urbana Migrações internas e emigração Progressos Cumulativos Capitalismo industrial* Estandardização Livre cambismo Crise cíclica Explosão demográfica* - Relacionar a dinâmica do crescimento industrial com o carácter cumulativo dos progressos técnicos e a exigência de novas formas de organização do trabalho - Situar no tempo e no espaço a expansão da Revolução Industrial - Justificar a ligação entre ciência e técnica - Caracterizar a 2ª revolução Industrial. - Justificar a concentração monopolista - Distinguir concentrações verticais e horizontais - Explicar os métodos de racionalização do trabalho - Evidenciar a hegemonia britânica -** Relacionar os desfasamentos cronológicos da industrialização com as relações de domínio ou de dependência estabelecidas a nível mundial - Mostrar os particularismo da industrialização - Reconhecer a coexistência de formas de economia tradicional - Contrapor proteccionismo e livre cambismo -reconhecer as características das crises do capitalismo liberal - Explicar os fundamentos da divisão internacional do trabalho - Interpretar a explosão populacional do século XIX - Justificar a expansão urbana - Caracterizar o novo urbanismo oitocentista - Distinguir a origem e o destino das migrações internas - Explicar o fenómeno emigratório. Análise da documentação relativa às unidades Exploração de acetatos Visionamento de filmes e comentários Realização de actividades de pesquisa bibliotecas e Internet Exploração de Dossiers temáticos Observação de gravuras 34 aulas Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 9

10 2.2. Unidade e diversidade da sociedade oitocentista Uma sociedade de classes -** relacionar o papel da burguesia, como nova classe dirigente, com a expansão da indústria, do comércio e da banca Elaboração de dicionários de vocábulos específicos A condição burguesa: - proliferação do terciário e incremento das classes médias - valores e comportamentos A condição operária: salários e modos de vida; Associativismo e sindicalismo; as propostas socialistas de transformação revolucionária da sociedade - Condições de trabalho - Condições de vida - O movimento operário - As propostas socialistas - O socialismo utópico - o marxismo Profissão liberal Consciência de classe Sociedade de classes Proletariado Movimento operário * Socialismo * Marxismo * Internacional operária - Evidenciar a unidade e a diversidade da nova sociedade de classes - Distinguir as classes burguesas quanto ao estatuto económico e aos valores e comportamentos assumidos -** identificar as oportunidades oferecidas pelo capitalismo oitocentista à formação de uma nova classe média - Caracterizar a condição operária -** reconhecer, nas formas que o movimento operário assumiu, a resposta à questão social do capitalismo industrial - Relacionar a condição operária com as doutrinas socialistas Elaboração de biografias Elaboração/análise de tabelas e mapas Organização de debates Visitas virtuais a museus Leituras complementares - Expor os princípios do marxismo - Conhecer a evolução do movimento operário e do sindicalismo Recolha de dados quantitativos e elaboração de gráficos Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 10

11 3. Evolução democrática, nacionalismo e imperialismo 3.1. As transformações políticas A evolução democrática do sistema representativo; os excluídos da democracia representativa As aspirações de liberdade nos Estados autoritários Os movimentos de unificação nacional Os afrontamentos imperialistas: o domínio da Europa sobre o Mundo Imperialismo e colonialismo Rivalidades imperialistas 4. Portugal, uma sociedade capitalista dependente 4.1 A Regeneração entre o livrecambismo e o proteccionismo ( ): Uma nova etapa política O desenvolvimento de infraestruturas: transportes e meios de comunicação A dinamização da actividade produtiva A necessidade de capitais e os mecanismos da dependência. Sufrágio universal Demoliberalismo * Imperialismo * Colonialismo * Nacionalismo Regeneração* - Evidenciar o aperfeiçoamento do sistema político com o liberalismo - Caracterizar os estados autoritários da Europa Central e Oriental - Compreender a submissão das nacionalidades nos estados autoritários e a consequente aspiração de liberdade - descrever, sucintamente, o processo de unificação da Itália e da Alemanha na 2ª metade do século XIX - filiar a afirmação do movimento das nacionalidades no ideário das revoluções liberais; - relacionar as rivalidades e a partilha coloniais com a vontade de domínio político e com a necessidade de mercados de bens e de capitais por parte dos Estados - Relacionar as rivalidades com o clima de paz armada - Aplicar à expansão colonial os conceitos de imperialismo e colonialismo -** integrar o processo de industrialização portuguesa no contexto geral, identificando os factores que a limitaram - Interpretar o significado político de Regeneração - Caracterizar as linhas de força do fenómeno económico da Regeneração - Compreender o empenho do fontismo na política de obras públicas - Justificar o surto industrial As mesmas sugestões Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 11

12 4.2 - Entre a depressão e a expansão ( ): A crise financeira de O surto industrial de final de século. 4.3 Portugal, as transformações do regime político na viragem do século: Os problemas da sociedade portuguesa e a contestação da monarquia A solução republicana e parlamentar - a Primeira República. 5. Os caminhos da Cultura 5.1 A confiança no progresso científico O avanço das ciências exactas e emergência das ciências sociais A progressiva generalização do ensino público. 5.2 O interesse pela realidade social na literatura e nas artes as novas correntes estéticas na viragem do século: O realismo O impressionismo O simbolismo Uma arte Nova 5.3 Portugal: o dinamismo cultural do último terço do século O impulso da geração de O primado de pintura naturalista Positivismo Cientismo Impressionismo Realismo Simbolismo Arte Nova -** Integrar o processo de industrialização portuguesa no contexto geral, identificando os factores que a limitaram - Relacionar a crise financeira de com os mecanismos de dependência criados -** Compreender as condições em que ocorreu o esgotamento do liberalismo monárquico e o fortalecimento do projecto republicano de transformação social e política - Enunciar os princípios fundamentais do ideário republicano - Descrever a revolução do 5 de Outubro Caracterizar o regime político instaurado pela revolução de ** Caracterizar o movimento de renovação no pensamento e nas artes de finais de século - Relacionar o cientismo com os progressos da ciência e da técnica principais avanços - Explicar o investimento público na área do ensino - Evidenciar a modernidade das correntes estáticas do fim do século - Valorizar a afirmação dos regimes demoliberais, não obstante a permanência de formas de discriminação. - Enquadrar a cultura portuguesa no contexto da europeia - Realçar o papel da geração de 70 - Caracterizar a pintura portuguesa na viragem do século. - Referir os principais vultos da literatura e das artes As mesmas sugestões A negrito: conteúdos de aprofundamento ** Aprendizagens estruturante Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 12

13 Ano letivo 2014/2015 Planificação 11º ano 13

Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas. Grupo de Recrutamento: 400. Planificação Trimestral de História A. 3º Período.

Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas. Grupo de Recrutamento: 400. Planificação Trimestral de História A. 3º Período. Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento: 400 Coordenadora: Rosa Santos Subcoordenador: Armando Castro Planificação Trimestral de História A 3º Período 11º Ano Professor:

Leia mais

Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas. Grupo de Recrutamento: 400. Planificação Trimestral de História A. 1º Período.

Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas. Grupo de Recrutamento: 400. Planificação Trimestral de História A. 1º Período. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CARVALHOS Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento: 400 Coordenadora: Rosa Santos Subcoordenadora: Armando Castro Planificação Trimestral de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA Escola Sec/3 Dr.ª Maria Cândida Mira Ano Letivo 03/4 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA º Ano A professora: Ana Paula Ferreira TEMAS DE HISTÓRIA A - º C N.º Total de aulas previstas

Leia mais

Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas. Grupo de Recrutamento: 400. Planificação Trimestral de História A. 2º Período.

Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas. Grupo de Recrutamento: 400. Planificação Trimestral de História A. 2º Período. Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento: 400 Coordenadora: Rosa Santos Subcoordenador: Armando Castro Planificação Trimestral de História A 2º Período 11º Ano Professor:

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - 11.ª ANO - HISTÓRIA A. Ano Letivo 2017/2018. Conceitos/ Noções. Per Módulo Conteúdos Competências específicas

PLANIFICAÇÃO - 11.ª ANO - HISTÓRIA A. Ano Letivo 2017/2018. Conceitos/ Noções. Per Módulo Conteúdos Competências específicas PLANIFICAÇÃO - 11.ª ANO - HISTÓRIA A Ano Letivo 2017/2018 Per Módulo Conteúdos Competências específicas Conceitos/ Noções Situações de Aprendizagem Avaliação Tem pos (50 min. ) 1.º 4 A Europa nos Séculos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL / MÉDIO PRAZO HISTÓRIA A 11.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL / MÉDIO PRAZO HISTÓRIA A 11. PLANIFICAÇÃO ANUAL / MÉDIO PRAZO HISTÓRIA A 11.º ANO ANO LETIVO 2015/2016 Professora: Helena Branco 1 Módulo 4 A Europa nos Séculos XVII e XVIII Sociedade, Poder e Dinâmicas Coloniais COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS

Leia mais

2º Período 05/01/15 a 20/03/15

2º Período 05/01/15 a 20/03/15 1º Período 15/09/14 a 16/12/14 2º Período 05/01/15 a 20/03/15 3º Período 7/04/15 a 12/06/15 TOTAL Aulas Previstas 67 51 Aulas 46 Aulas 164 Aulas Apresentação 1 0 0 1 Diagnose e Avaliação 8 8 6 18 Gestão

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE TORRE DE MONCORVO PLANIFICAÇÃO A MÉDIO E A LONGO PRAZO Disciplina: HISTÓRIA Ano: 11º

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE TORRE DE MONCORVO PLANIFICAÇÃO A MÉDIO E A LONGO PRAZO Disciplina: HISTÓRIA Ano: 11º AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE TORRE DE MONCORVO PLANIFICAÇÃO A MÉDIO E A LONGO PRAZO Disciplina: HISTÓRIA Ano: 11º Ano Lectivo: 2012/2013 Turma: CHLH MÓDULO 4 A EUROPA NOS SÉCULOS XVII E XVIII SOCIEDADE, PODER

Leia mais

6.1 Planificação a médio prazo. 1. As transformações económicas na Europa e no Mundo. 34 aulas

6.1 Planificação a médio prazo. 1. As transformações económicas na Europa e no Mundo. 34 aulas 6.1 Planificação a médio prazo 34 aulas Conteúdos programáticos Segundo o Programa Oficial (março de 2001) 1. As transformações económicas na Europa e no Mundo 1.1. A expansão da Revolução Industrial 1.1.1

Leia mais

1º. PERÍODO. Situa e caracteriza aspetos relevantes da História de Portugal, europeia e mundial.

1º. PERÍODO. Situa e caracteriza aspetos relevantes da História de Portugal, europeia e mundial. MÓDULO 3 A ABERTURA EUROPEIA AO MUNDO MUTAÇÕES NOS CONHECIMENTOS, SENSIBILIDADES E VALORES NOS SÉCULOS XV E XVI 4. A RENOVAÇÃO DA ESPIRITUALIDADE E RELIGIOSIDADE 4.1. A Reforma protestante - Individualismo

Leia mais

4.1 Planificação a médio prazo. 1. A população da Europa nos séculos XVII e XVIII: crises e crescimento. 32 aulas

4.1 Planificação a médio prazo. 1. A população da Europa nos séculos XVII e XVIII: crises e crescimento. 32 aulas 4.1 Planificação a médio prazo 32 aulas Conteúdos programáticos Segundo o Programa Oficial (março de 2001) 1. A população da Europa nos séculos XVII e XVIII: crises e crescimento 1.1. Economia e população

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA A Módulos 4,5,6

Disciplina: HISTÓRIA A Módulos 4,5,6 Escola Secundária Cacilhas-Tejo ENSINO RECORRENTE MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS MATRIZ DE EXAME (AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Disciplina: HISTÓRIA A Módulos 4,5,6 Duração da Prova

Leia mais

HISTÓRIA A ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA. Planificação a Médio e Longo Prazo. Ano Letivo º Ano de Escolaridade

HISTÓRIA A ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA. Planificação a Médio e Longo Prazo. Ano Letivo º Ano de Escolaridade HISTÓRIA A ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA Planificação a Médio e Longo Prazo Ano Letivo 04-05 º Ano de Escolaridade I - AVALIAÇÃO: Planificação de História A - º ano /. Domínios de avaliação, parâmetros, indicadores

Leia mais

Ano Lectivo 2012/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Unidade Didáctica Conteúdos Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2012/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Unidade Didáctica Conteúdos Competências Específicas Avaliação. AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2012/2013 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período Panorâmica geral dos séculos XII e XIII. Observação directa Diálogo

Leia mais

TEMA G2: A Revolução Liberal Portuguesa - antecedentes

TEMA G2: A Revolução Liberal Portuguesa - antecedentes História 8º ano Guião de Trabalho de Grupo 3º Período Nome: Data: / / TEMA G2: A Revolução Liberal Portuguesa - antecedentes GRUPO 1 Consulta as páginas 156 à pág. 165 do teu manual Objetivo: 1. Conhecer

Leia mais

PANIFICAÇÃO HISTÓRIA 8ºANO. Metas/descritores de desempenho

PANIFICAÇÃO HISTÓRIA 8ºANO. Metas/descritores de desempenho PANIFICAÇÃO HISTÓRIA 8ºANO Domínio/subdomínio EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉC.XV E XVI -RUMOS DA EXPANSÃO QUATROCENTISTA Condições da prioridade portuguesa Interesses dos s sociais Descobrimentos e conquistas

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programada disciplina e Metas de aprendizagem 3º CICLO HISTÓRIA 8º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS

Leia mais

TEMA F1: O ANTIGO REGIME EUROPEU REGRA E EXCEÇÃO

TEMA F1: O ANTIGO REGIME EUROPEU REGRA E EXCEÇÃO História 8º ano Guião de Trabalho de Grupo 2º Período Nome: Data: / / TEMA F1: O ANTIGO REGIME EUROPEU REGRA E EXCEÇÃO GRUPO 1 O Antigo Regime Consulta as páginas 80-85; 94-97 do teu manual 1. Conhecer

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O H I S T Ó R I A

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O H I S T Ó R I A DISCIPLINA: História ANO: 8 TURMAS: A, B e C ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O H I S T Ó R I A - 1 - TEMA D PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII A XIV SUBTEMA

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa da Disciplina e Projeto Educativo 3º CICLO HISTÓRIA 9º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Informação aos Pais / Encarregados de Educação Programação do 5º ano Turma 1 1. Aulas previstas (Tempos letivos) 2. Conteúdos a leccionar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DA ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA História e Geografia de Portugal Informação aos Pais / Encarregados de Educação, turma 3 Programação do 5º ano 1. Aulas previstas (tempos letivos) 5º1 5º2 1º período

Leia mais

Curriculum Guide 11 th grade / História

Curriculum Guide 11 th grade / História Curriculum Guide 11 th grade / História Tema Conteúdo Habilidades Essential Questions 1) Era das Revoluções 1.1) Império Napoleônico 1.1a)Compreender o período napoleônico como uma época de consolidação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 11º ANO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 11º ANO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 11º ANO Ano Lectivo - 013/014 (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO MÓDULO 4 A EUROPA NOS SÉCULOS XVII E XVIII SOCIEDADE, PODER E DINÂMICAS COLONIAIS MÓDULO 5 - O

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa da Disciplina e Metas de Aprendizagem 3º CICLO HISTÓRIA 9º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

CALENDARIZAÇÃO COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES DE APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO. Observação e análise de mapas, cronologias, gráficos,

CALENDARIZAÇÃO COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES DE APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO. Observação e análise de mapas, cronologias, gráficos, HISTÓRIA 3º Ciclo E. B. 9º Ano 2014-2015 Planificação de Unidade TEMA I. A Europa e o Mundo no limiar do século XX SUBTEMA I.1. Hegemonia e declínio da influência europeia CONCEITOS: Imperialismo, Colonialismo,

Leia mais

EUROPA SÉCULO XIX. Revoluções Liberais e Nacionalismos

EUROPA SÉCULO XIX. Revoluções Liberais e Nacionalismos EUROPA SÉCULO XIX Revoluções Liberais e Nacionalismos Contexto Congresso de Viena (1815) Restauração do Absolutismo Princípio da Legitimidade Santa Aliança Equilíbrio Europeu -> Fim Sacro I. Romano Germânico

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Perfil de aprendizagem de História 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Das sociedades recolectoras às primeiras civilizações Das sociedades recolectoras às primeiras sociedades produtoras 1. Conhecer o processo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 6 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início: 15 setembro 2014 *Fim: 16 dezembro 2014 *Início: 5

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS ANO LETIVO 2015/2016 INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO DISCILINA DE HISTÓRIA 1. OBJETO

Leia mais

MATRIZ DA PROVA ESCRITA DE AVALIAÇÃO

MATRIZ DA PROVA ESCRITA DE AVALIAÇÃO Duração da Prova: 60 minutos HISTÓRIA - 9.º Ano 6 de março de 2017 OBJETIVOS / COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ESTRUTURA COTAÇÕES CRITÉRIOS GERAIS DE CORREÇÃO Interpretar documentos escritos. Analisar mapas e documentos

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos)

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos) HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 1º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos) Diagnóstico e atividades preparatórias (2 tempos) Rever a última matéria de 5ºano 3.3. A vida

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS 7 ºANO

PERFIL DE APRENDIZAGENS 7 ºANO 7 ºANO No final do 7º ano, o aluno deverá ser capaz de: DISCIPLINA DOMÍNIO DESCRITOR Das Sociedades Recoletoras às Primeiras Civilizações A Herança do Mediterrâneo Antigo 1. Conhecer o processo de hominização;

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLINAR: 400 DISCIPLINA: HISTÓRIA. ANO: 9º ANO LECTIVO: 2008/2009 p.

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLINAR: 400 DISCIPLINA: HISTÓRIA. ANO: 9º ANO LECTIVO: 2008/2009 p. ANO: 9º ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/7 OBJECTIVOS GERAIS 1. Compreensão da dinâmica evolutiva das sociedades 2. Compreensão da complexidade do campo histórico, pela distinção dos diversos planos estruturais

Leia mais

Ano Lectivo 2015 / ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2015 / ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais Competências Específicas Avaliação. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2015 / 2016 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período DOMÌNIO / TEMA D O contexto europeu dos séculos XII a XIV (recuperação

Leia mais

ROTA DE APRENDIZAGEM História 8º Ano

ROTA DE APRENDIZAGEM História 8º Ano ROTA DE APRENDIZAGEM 2016-17 História 8º Ano DOMÍNIO 5 EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI Projeto 1 Eles fizeram História Objetivo geral construir breves biografias de personalidades que marcaram

Leia mais

ROTA DE APRENDIZAGEM História 8º Ano Prof. Maria Zita

ROTA DE APRENDIZAGEM História 8º Ano Prof. Maria Zita ROTA DE APRENDIZAGEM 2015-16 História 8º Ano Prof. Maria Zita DOMÍNIO 5 EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI Projeto 1 Eles fizeram História Objetivo geral construir breves biografias de personalidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD - Coordenação de Processos Seletivos COPESE www.ufvjm.edu.br - copese@ufvjm.edu.br UNIVERSIDADE

Leia mais

Ano Lectivo 2016/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2016/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2016/2017 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais / Metas Competências Específicas

Leia mais

Revisão ª série. Roberson de Oliveira

Revisão ª série. Roberson de Oliveira Revisão 2011 3ª série Roberson de Oliveira Iluminismo - séc. XVIII 1. Definição 2. caracterização: valorização da razão oposição/superioridade em relação à fé promotora do bem-estar, do progresso e da

Leia mais

O ensino de Historia no Ensino Médio tem por finalidade o desenvolvimento e. a construção do saber histórico, procurando promover o resgate e o

O ensino de Historia no Ensino Médio tem por finalidade o desenvolvimento e. a construção do saber histórico, procurando promover o resgate e o DISCIPLINA: História A - EMENTA O ensino de Historia no Ensino Médio tem por finalidade o desenvolvimento e a construção do saber histórico, procurando promover o resgate e o conhecimento de saberes construídos

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) Prof. João Gabriel da Fonseca joaogabriel_fonseca@hotmail.com 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja

Leia mais

Departamento de Ciências Sociais e Humanas Ano

Departamento de Ciências Sociais e Humanas Ano Departamento de Ciências Sociais e Humanas Ano 2017-2018 Disciplina: História e Geografia de Portugal (5º e 6º Anos) Critérios de Avaliação ENSINO BÁSICO - 5º E 6º ANOS MATERIAL NECESSÁRIO Manual, caderno

Leia mais

5 O LIBERALISMO IDEOLOGIA E REVOLUÇÃO, MODELOS E PRÁTICAS NOS SÉCULOS XVIII E XIX 4. O LEGADO DO LIBERALISMO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XIX

5 O LIBERALISMO IDEOLOGIA E REVOLUÇÃO, MODELOS E PRÁTICAS NOS SÉCULOS XVIII E XIX 4. O LEGADO DO LIBERALISMO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XIX 1. O liberalismo, uma ideologia centrada na defesa dos direitos humanos Liberalismo - opõe-se ao absolutismo e às tiranias - defende liberdade de iniciativa económica - promove a burguesia - defende os

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2011 / 2012

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2011 / 2012 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2011 / 2012 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO DISCIPLINA: Docente Técnico de Turismo Ambiental e Rural/2011-2014 Área de Integração Pedro Bandeira Simões N.º TOTAL DE MÓDULOS DE 1º/2º/3º

Leia mais

DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES Direção de Serviços da Região Algarve

DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES Direção de Serviços da Região Algarve Escola Secundária de Albufeira Ano Letivo: 2014/2015 12ºAno Turma: E Disciplina: História A Período 1º Conteúdos Programados Módulo 7 CRISES, EMBATES IDEOLÓGICOS E MUTAÇÕES CULTURAIS NA PRIMEIRA METADE

Leia mais

Disciplina: História Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de:

Disciplina: História Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de: A herança do Mediterrâneo Antigo Das sociedades recoletoras às primeiras civilizações CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de: Ensino Básico

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM 2º CICLO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD CANOAS, JULHO DE 2015 DISCIPLINA PRÉ-HISTÓRIA Código: 103500 EMENTA: Estudo da trajetória e do comportamento do Homem desde a sua origem até o surgimento do Estado.

Leia mais

Utilizar a metodologia específica da História, nomeadamente: Interpretar documentos de índole diversa (textos, imagens, gráficos, mapas e diagramas);

Utilizar a metodologia específica da História, nomeadamente: Interpretar documentos de índole diversa (textos, imagens, gráficos, mapas e diagramas); INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA HISTÓRIA Fevereiro de 2016 Prova 19 2016 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL GR DISCIPLINA HISTÓRIA 9ºANO 3º período

PLANIFICAÇÃO ANUAL GR DISCIPLINA HISTÓRIA 9ºANO 3º período Total -10 tempos PLANIFICAÇÃO ANUAL GR 400 - DISCIPLINA HISTÓRIA 9ºANO 3º período Tratamento de informação/ utilização de fontes: Formular hipóteses de interpretação dos princípios que nortearam a criação

Leia mais

HISTÓRIA A 12º ANO CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE LÍNGUAS E HUMANIDADES

HISTÓRIA A 12º ANO CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE LÍNGUAS E HUMANIDADES HISTÓRIA A 1º ANO CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE LÍNGUAS E HUMANIDADES PLANIFICAÇÃO ANUAL 01-017 Américo Costa Maria da Graça Castro Escola Secundária de Caldas das Taipas Setembro de 01 ESCOLA SECUNDÁRIA

Leia mais

19 HISTÓRIA 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 2016 alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro

19 HISTÓRIA 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 2016 alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro informação-prova de equivalência à frequência data: 1 2. 0 5. 2 0 16 19 HISTÓRIA 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 2016 alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro 1.O B J E T O D E A V A L

Leia mais

PLANO DE CURSO ANO 2012

PLANO DE CURSO ANO 2012 I- IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO ANO 2012 ESCOLA ESTADUAL CONTEÚDO: TURMA: 8º ano N DE AULAS SEMANAIS: PROFESSOR (ES): II- OBJETIVOS GERAIS * Propiciar o desenvolvimento de atitudes de respeito e de compreensão

Leia mais

Guia de Exploração Pedagógico-Didático dos PowerPoint (amostra)

Guia de Exploração Pedagógico-Didático dos PowerPoint (amostra) ECRÂS INICIAIS / GERAIS Visualização do diapositivo inicial com o nome do Projeto Novo Viva a História! 9.º ano. Visualização do conteúdo programático título do Subdomínio com uma imagem alusiva. Guia

Leia mais

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. -Análise de uma planta para se visualizar o crescimento da cidade ao longo dos tempos;

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. -Análise de uma planta para se visualizar o crescimento da cidade ao longo dos tempos; ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS D. MIGUEL DE ALMEIDA DISCIPLINA: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL ANO: 5º ANO 2013/2014 METAS DE APRENDIZAGEM: 1.

Leia mais

Ano Letivo: 2014/2015 Manual adotado: História 8

Ano Letivo: 2014/2015 Manual adotado: História 8 1º Período 15/09/14 a 16/12/14 2º Período 05/01/15 a 20/03/15 3º Período 07/04/15 a 12/06/15 TOTAL Aulas Previstas 39 Aulas 30 Aulas 27 Aulas 96 Aulas Apresentação 1 Aula - - 1 Aula Diagnose e Avaliação

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA NÍVEL ENSINO MÉDIO

MATRIZ DE REFERÊNCIA NÍVEL ENSINO MÉDIO MATRIZ DE REFERÊNCIA NÍVEL ENSINO MÉDIO Conteúdo Programático de História Conteúdo Competências e Habilidades I. Antiguidade clássica: Grécia e Roma. 1. Conhecer as instituições políticas gregas e romanas,

Leia mais

Planificação Anual de História Ano letivo de 2012/2013. Unidade Didáctica/Conteúdos Competências/Objectivos a desenvolver Actividades

Planificação Anual de História Ano letivo de 2012/2013. Unidade Didáctica/Conteúdos Competências/Objectivos a desenvolver Actividades Planificação Anual de História Ano letivo de 2012/2013 9º Ano Unidade Didáctica/Conteúdos Competências/Objectivos a desenvolver Actividades A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO Capacidade de seleccionar informação

Leia mais

Revoluções, ideias e transformações econômicas do século XIX. Profª Ms. Ariane Pereira

Revoluções, ideias e transformações econômicas do século XIX. Profª Ms. Ariane Pereira Revoluções, ideias e transformações econômicas do século XIX Profª Ms. Ariane Pereira As transformações na Europa final do século XVIII Ideias Iluministas: liberdade e igualdade; Revolução Francesa estabeleceu

Leia mais

Potências marítimas: Novas (burguesia) Antigas (nobreza) Portugal Espanha Holanda Inglaterra França

Potências marítimas: Novas (burguesia) Antigas (nobreza) Portugal Espanha Holanda Inglaterra França 1. O tempo do grande comércio oceânico Criação/crescimento de grandes companhias de comércio europeias: - Companhia das Índias Ocidentais (1600 Londres) - Companhia Inglesa das Índias Orientais (Londres

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Carvalhos /Escola Secundária c/ 3.º Ciclo Planificação Anual História A 12º ano

Agrupamento de Escolas de Carvalhos /Escola Secundária c/ 3.º Ciclo Planificação Anual História A 12º ano Agrupamento de Escolas de Carvalhos /Escola Secundária c/ 3.º Ciclo Planificação Anual História A 12º ano Conteúdos Programáticos Módulo 7 Crises, embates ideológicos e mutações culturais na primeira metade

Leia mais

Revisão - I Certificação

Revisão - I Certificação Revisão - I Certificação PROF. CRISTIANO CAMPOS CPII - HUMAITÁ II 01) (MACK 2003)O absolutismo e a política mercantilista eram duas partes de um sistema mais amplo, denominado de Antigo Regime. O termo

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: História II Curso: Técnico do Nível Médio Integrado em Mineração Série/Período: 2ª série Carga Horária: 2 a/s - 80h/a 67h/r

Leia mais

MODOS DE PRODUÇÃO COMUNISMO PRIMITIVO

MODOS DE PRODUÇÃO COMUNISMO PRIMITIVO TEMAS DE SOCIOLOGIA Evolução biológica e cultural do homem. A sociedade pré-histórica. O Paleolítico Bandos e hordas de coletores e caçadores. Divisão natural do trabalho. Economia coletora e nomadismo.

Leia mais

Ciclo do ouro Material para acompanhamento de aulas, Professor Luiz Marcello de Almeida Pereira

Ciclo do ouro Material para acompanhamento de aulas, Professor Luiz Marcello de Almeida Pereira Ciclo do ouro Material para acompanhamento de aulas, Professor Luiz Marcello de Almeida Pereira Formato ABNT, para citação desta apostila em trabalhos acadêmicos: PEREIRA, L. M. A. Ciclo do ouro. Curso

Leia mais

Planificação a longo e a médio prazo da disciplina de História 8.º ano 2016/2017

Planificação a longo e a médio prazo da disciplina de História 8.º ano 2016/2017 Planificação a longo e a médio prazo da disciplina de História 8.º ano 2016/2017 Domínio 1. Conhecer e compreender o pioneirismo português no processo de expansão europeu Diagnóstica PRIMEIRO PERÍODO Domínio

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6.º ANO SEGUNDO CICLO DO ENSINO BÁSICO ANA FILIPA MESQUITA CLÁUDIA VILAS BOAS HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL DOMÍNIO D PORTUGAL DO SÉCULO XVIII AO SÉCULO XIX DOMÍNIO E PORTUGAL DO SÉCULO XX ÍNDICE 1

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação Disciplina: Geografia Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 1. Mundo contemporâneo: economia e geopolítica: - Processo de desenvolvimento do capitalismo - Geopolítica e economia do pós-segunda

Leia mais

Matriz de Referência de HISTÓRIA - SAERJINHO 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL

Matriz de Referência de HISTÓRIA - SAERJINHO 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL H01 Identificar diferentes tipos de modos de trabalho através de imagens. X H02 Identificar diferentes fontes históricas. X H03 Identificar as contribuições de diferentes grupos

Leia mais

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS DISCIPLINA: História ANO DE ESCOLARIDADE: 8º Ano 2016/2017 METAS CURRICULARES PROGRAMA DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS Tema E - Expansão e mudança nos séculos XV

Leia mais

ATIVIDADE COMPLEMENTAR

ATIVIDADE COMPLEMENTAR ATIVIDADE COMPLEMENTAR HISTÓRIA - 8º ANO Coleção Interativa Capítulos 1. Transformações na Inglaterra dos séculos XVII e XVIII Dois séculos de grandes mudanças Revolta contra o rei República de Oliver

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA 8.º ANO DE HISTÓRIA 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO 1. Conhecer e compreender o pioneirismo português no processo de expansão europeu 2. Conhecer os processos de expansão dos Impérios Peninsulares

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 8º ANO HISTÓRIA

PLANIFICAÇÃO ANUAL 8º ANO HISTÓRIA PLANIFICAÇÃO ANUAL 8º ANO HISTÓRIA Tratamento de informação e utilização de fontes Utilização de técnicas de investigação: - Observar e descrever aspectos da realidade física e social; - Recolher, registar

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS 5ºANO

PERFIL DE APRENDIZAGENS 5ºANO 5ºANO No final do 5.º ano, o aluno deverá ser capaz de: DISCIPLINA DOMÍNIO DESCRITOR A Península Ibérica: Localização e quadro -Conhecer e utilizar mapas em Geografia e em História -Conhecer a localização

Leia mais

DISCIPLINA DE HISTÓRIA OBJETIVOS: 1ª Série

DISCIPLINA DE HISTÓRIA OBJETIVOS: 1ª Série DISCIPLINA DE HISTÓRIA OBJETIVOS: 1ª Série Compreender o comportamento dos agentes históricos classes sociais, instituições políticas e religiosas, grupos econômicos e organizações representativas da sociedade

Leia mais

Revisão - I Certificação

Revisão - I Certificação Revisão - I Certificação PROF. CRISTIANO CAMPOS CPII - HUMAITÁ II 01) (MACK 2003)O absolutismo e a política mercantilista eram duas partes de um sistema mais amplo, denominado de Antigo Regime. O termo

Leia mais

8.º Ano Expansão e mudança nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Renascimento, Reforma e Contrarreforma

8.º Ano Expansão e mudança nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Renascimento, Reforma e Contrarreforma Escola Secundária Dr. José Afonso Informação-Prova de Equivalência à Frequência História Prova 19 2016 3.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência

Leia mais

ILUMINISMO. Prof.ª Maria Auxiliadora

ILUMINISMO. Prof.ª Maria Auxiliadora ILUMINISMO Prof.ª Maria Auxiliadora A CRISE DO ANTIGO REGIME O ILUMINISMO O Antigo Regime vigorou entre os séculos XVI a XVIII na maioria dos países europeus. Este período caracterizou-se pelo: poder absoluto

Leia mais

3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah

3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah PERÍODO JOANINO (1808-1821) Livro 3 / Módulo 12 (Extensivo Mega) 3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL O PROJETO BRAGANTINO (século XVII) de transmigração RAZÕES: - Proximidade com

Leia mais

DISCIPLINA DE HISTÓRIA

DISCIPLINA DE HISTÓRIA DISCIPLINA DE HISTÓRIA OBJETIVOS: 6º ano Estabelecer relações entre presente e passado permitindo que os estudantes percebam permanências e mudanças nessas temporalidades. Desenvolver o raciocínio crítico

Leia mais

Rev. Liberais do Século XIX e Período Regencial

Rev. Liberais do Século XIX e Período Regencial Rev. Liberais do Século XIX e Período 1. (PUC-RJ) O Congresso de Viena, concluído em 1815, após a derrota de Napoleão Bonaparte, baseou-se em três princípios políticos fundamentais. Assinale a opção que

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PRISE - 2ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS: I MUNDOS DO TRABALHO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PRISE - 2ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS: I MUNDOS DO TRABALHO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PRISE - 2ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS: I MUNDOS DO TRABALHO Competências - Identificar e analisar as relações de trabalho compulsório em organizações sociais, culturais

Leia mais

Evolução do capitalismo

Evolução do capitalismo Evolução do capitalismo EVOLUÇÃO DO CAPITALISMO Prof. JÚLIO CÉSAR GABRIEL http://br.groups.yahoo.com/group/atualidadesconcursos Modo de produção Maneira como o seres humanos se organizam para produzirem

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 11

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 11 7 ÍNDICE INTRODUÇÃO...... 11 1. MESSIANISMO REVOLUCIONÁRIO E EUROPEÍSMO FRANCOCÊNTRICO. A "GRANDE NAÇÃO" FRANCESA DOS ESTADOS GERAIS A SANTA HELENA........ 21 1. A Era da Revolução: dinâmica histórica

Leia mais

1-Crescimento e desenvolvimento.

1-Crescimento e desenvolvimento. ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA Curso : Científico -Humanístico de Ciências Socioeconómicas Matriz Economia c 12º ano CONTEÚDOS OBJECTIVOS / COMPETÊNCIAS TEMPO PREVISTO (TEMPOS 45 M)

Leia mais

Escola Básica 2,3 de Miragaia Informação Prova de Equivalência à Frequência

Escola Básica 2,3 de Miragaia Informação Prova de Equivalência à Frequência Escola Básica 2,3 de Miragaia Informação Prova de Equivalência à Frequência História 9º Ano Código 19 2016 1. Introdução: O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência

Leia mais

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas 5.1 Planificação a médio prazo 28 aulas Conteúdos programáticos Segundo o Programa Oficial (março de 2001) TH11 Parte 2 (pp.) Saberes/Aprendizagens 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora 1.1.

Leia mais

REDE EDUCACIONAL ADVENTISTA Ementa de Curso

REDE EDUCACIONAL ADVENTISTA Ementa de Curso REDE EDUCACIONAL ADVENTISTA Ementa de Curso DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE/ TURMA: 1º ANO MÉDIO ABC BIMESTRE: 4º NÚMERO 1. Módulo 16 - Política e economia no Antigo Introdução do módulo, com aula em slides

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Professor Marcelo Pitana

REVOLUÇÃO FRANCESA. Professor Marcelo Pitana REVOLUÇÃO FRANCESA Professor Marcelo Pitana REVOLUÇÃO FRANCESA (1789 Queda da Bastilha) Antecedentes: - Ideais iluministas (liberais); - Abuso de poder da nobreza; - Pompa das cortes; - Déficit orçamentário;

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS - HISTÓRIA 8º ANO

PLANO DE ESTUDOS - HISTÓRIA 8º ANO PLANO DE ESTUDOS - HISTÓRIA 8º ANO O aluno, no final do 8º ano, deve ser capaz de: Conhecer e compreender o pioneirismo português no processo de expansão europeu Conhecer os processos de expansão dos Impérios

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol 1 Os exercícios deverão ser feitos no livro. Predicado Verbal Leitura: págs. 91 e 92 do livro

Leia mais

MATRIZ DE PROVA DE AVALIAÇÃO - ENSINO SECUNDÁRIO RECORRENTE (Portaria 242/2013) ÉPOCA DE JANEIRO/2018 REGIME NÃO PRESENCIAL

MATRIZ DE PROVA DE AVALIAÇÃO - ENSINO SECUNDÁRIO RECORRENTE (Portaria 242/2013) ÉPOCA DE JANEIRO/2018 REGIME NÃO PRESENCIAL CONTEÚDOS OBJETIVOS ESTRUTURA DA PROVA 1. O MODELO ATENIENSE COTAÇÕES (Total 200 pontos) - A democracia antiga - A pólis - Os direitos dos cidadãos - Uma democracia direta - O exercício dos poderes - Os

Leia mais

Imperialismo. Estudo dos Capítulos 9 e 10 da obra Economia Política: uma introdução Crítica para o Curso de Economia Política

Imperialismo. Estudo dos Capítulos 9 e 10 da obra Economia Política: uma introdução Crítica para o Curso de Economia Política uma introdução Crítica para o Curso de Economia Política Rosa Luxemburgo Vladimir Lênin Nikolai Bukharin capitalismo mobilidade e transformação atividade econômica desenvolvimento das forças produtivas

Leia mais

PROGRAMA DE HISTÓRIA 11ª Classe

PROGRAMA DE HISTÓRIA 11ª Classe PROGRAMA DE HISTÓRIA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Opção História/Geografia Ficha Técnica Título Programa de História - 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA O ENEM 2009

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA O ENEM 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA O ENEM 2009 EIXOS COGNITIVOS (comuns a todas as áreas de conhecimento) I. Dominar

Leia mais

Informação n.º Data: Para: Inspeção-Geral de Educação. Direções Regionais de Educação. Escolas com ensino secundário CIREP FERLAP

Informação n.º Data: Para: Inspeção-Geral de Educação. Direções Regionais de Educação. Escolas com ensino secundário CIREP FERLAP Prova de Exame Nacional de História B Prova 723 2012 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Para: Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspeção-Geral

Leia mais

Aula 03 1B REVOLUÇÃO FRANCESA I

Aula 03 1B REVOLUÇÃO FRANCESA I APRESENTAÇÃO Aula 03 1B REVOLUÇÃO FRANCESA I Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD COD

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD COD CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012 ) No caso específico da disciplina de HISTÓRIA A, do 12º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO ANTROPOLOGIA CULTURAL E DESENVOLVIMENTO HUMANO

CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO ANTROPOLOGIA CULTURAL E DESENVOLVIMENTO HUMANO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 7

Leia mais