MAURO CORRÊA DE ALBUQUERQUE 1,4 ; FRANASSIS BARBOSA DE OLIVEIRA 2,4 ; ALANA PARREIRA COSTA 3,4. GOIÂNIA, UEG.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAURO CORRÊA DE ALBUQUERQUE 1,4 ; FRANASSIS BARBOSA DE OLIVEIRA 2,4 ; ALANA PARREIRA COSTA 3,4. GOIÂNIA, UEG."

Transcrição

1 RESULTADOS INICIAIS DA IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE MOBILIDADE OCULAR EXTRÍNSECA ORTÓPTICA PARA CAPACITAÇÃO E ATUAÇÃO NA ÁREA DE FISIOTERAPIA OCULAR NA CLÍNICA ESCOLA DA ESEFFEGO EM GOIÂNIA, GOIÁS, BRASIL. MAURO CORRÊA DE ALBUQUERQUE 1,4 ; FRANASSIS BARBOSA DE OLIVEIRA 2,4 ; ALANA PARREIRA COSTA,4. 1 DOCENTE DE ENSINO SUPERIOR MESTRE DA FUEG 2 DOCENTE DE ENSINO SUPERIOR ESPECIALISTA DA FUEG ALUNA DE GRADUAÇÃO DO º PERÍODO DE FISIOTERAPIA 4 CURSO DE FISIOTERAPIA, ESEFFEGO, UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE GOIÂNIA, UEG. RESUMO O ESTRABISMO É UMA CONDIÇÃO DE ALTERAÇÃO DA MOBILIDADE OCULAR EXTRÍNSECA COMUM NA POPULAÇÃO HUMANA. NO SEU TRATAMENTO DIFERENTES PROFISSIONAIS ESTÃO ENVOLVIDOS, TAIS COMO: MÉDICOS E FISIOTERAPEUTAS. NO SERVIÇO DE MOBILIDADE OCULAR EXTRÍNSECA DA CLÍNICA ESCOLA DA ESEFFEGO O DESVIO OCULAR MAIS COMUM FOI A ESOTROPIA E O TRATAMENTO PRECONIZADO FOI A CORREÇÃO CIRÚRGICA. OS AUTORES ATENTAM PARA O FATO DE QUE A AMBLIOPIA ESTRABÍSMICA FOI A FORMA DE AMBLIOPIA MAIS COMUM ENCONTRADA PODENDO SER TRATADA QUANDO PRECOCEMENTE DIAGNOSTICADA. ESTRABISMO, VESGUICE, VESGO. Introdução O estrabismo (vesguice) é o desvio ocular que ocorre na população humana com uma prevalência de 2-4%. A mobilidade ocular extrínseca estuda o desvio ocular, avaliando a função de cada músculo responsável pela movimentação ocular, inferindo a partir desta a função de seu respectivo nervo. A ortóptica é o ramo da ciência biológica que estuda a movimentação ocular de forma isolada em cada olho e conjugada entre os dois olhos. A fisioterapia ocular seria a atuação do profissional em fisioterapia na mobilidade ocular extrínseca, avaliando e identificando um desvio ocular, fazendo mensurações apropriadas, 1

2 identificando qual(is) músculo(s) ocular(es) extrínseco(s) de qual(is) olho(s) está(ão) doente(s), orientando e supervisionando o tratamento do estrabismo através de exercícios e tratamentos clínicos capazes de melhorar a função ocular e ainda realizando avaliações pré e pós operatórias capazes de auxiliar o médico oftalmologista no tratamento cirúrgico desta condição segundo Souza-Dias (1999). A população usuária do Sistema Único de Saúde em Goiás, tem como única opção de tratamento ortóptico o Centro de Referência em Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás (CEROF HC UFG) em Goiânia, Goiás. Assim todo o interior do estado está desassistido de profissionais capacitados. Em todo o estado de Goiás não há nenhum curso superior ou de pós-graduação em ortóptica capaz de capacitar profissionais para prestarem este tipo de atendimento. A falta de profissionais capacitados, aliada a dificuldade de acesso aos serviços de saúde tornam inexistentes estatísticas confiáveis a respeito da prevalência de estrabismo na população do estado de Goiás. A competência do profissional de fisioterapia em atuar nesta área do conhecimento foi discutida por Rezende (2004). Além de a presente pesquisa buscar a prevalência dos desvios oculares na população goiana, especificamente goianiense, é também o meio pelo qual buscamos a capacitação dos fisioterapeutas nesta área do conhecimento humano. Material e Métodos Fizemos o levantamento dos prontuários dos pacientes atendidos na Clínica Escola de Fisioterapia da ESEFFEGO, UnU Goiânia, GO. Ao serem inicialmente acompanhados os pacientes autorizavam que os dados produzidos nestes atendimentos fossem posteriormente utilizados através de um termo de consentimento informado. Os pacientes foram-nos encaminhados de diversos serviços de assistência médica em oftalmologia de Goiânia, tais como o CEROF HC UFG, Fundação Banco de Olhos de Goiás (FUBOG) e Hospital Geral de Goiânia (HGG). Após avaliação dos casos, estes foram reencaminhados aos serviços de origem quando havia necessidade de intervenção cirúrgica, ou adequadamente acompanhados por nossa equipe de profissionais. Os exames executados para diagnóstico e a fim de traçar a conduta dos casos. Primeiramente foi realizada a anamnese. Em seguida era medida a acuidade visual com e sem correção óptica numa tabela de optotipos de snellen colocada a 6,0m de distância do paciente. A fixação monocular era avaliada com auxílio de uma lanterna, bem como a fixação 2

3 binocular. Feita a avaliação das duções e versões oculares também com auxílio de uma lanterna. Finalmente era realizado o teste de cover e uncover, cover alternado, prisma e cover alternado e prisma e cover simutâneo. Para a realização dos testes de prisma eram utilizadas réguas de prismas verticais e horizontais e pá de cover. Estes últimos testes eram realizados não somente na posição primária do olhar, mas também nas outras oito posições diagnósticas conforme descrito por autores como Díaz & Dias (2002), Souza-Dias & Almeida (199), Barbosa (1997) e Almeida & Curi (1997). Rsultados e Discussão Oitenta e um pacientes foram atendidos no período de 4 de abril de 2004 a 28 de setembro de 200. A amostragem era, portanto de pacientes previamente selecionados por profissionais de saúde e que tinham disponibilidade de acesso ao serviço de saúde em questão. Sendo uma amostra de conveniência. Além disso, esta é uma pesquisa de revisão de prontuários, retrospectiva. A tabela 1 apresenta os principais diagnósticos quanto ao tipo de estrabismo encontrado. Tabela 1. Tipo de estrabismo ou disfunção muscular Número de casos ocular extrínseca encontrada Esotropia congênita 1 Exotropia 11 Ortotropia ou ortoforia 11 Esotropia consecutiva ou residual 8 Esotropia infantil 8 Esotropia secundária 6 Esotropia parcial ou totalmente acomodativa Insuficiência de convergência Nistagmo Exotropia consecutiva ou residual 4 Disfunção de Oblíquos Síndrome de Duane tipo I Desvio Vertical Dissociado Exotropia secundária 2 o total não perfaz 81 porque um mesmo indivíduo pode ter mais de um diagnóstico.

4 Podemos observar que nosso serviço foi procurado em maior número por indivíduos portadores de esotropia de todos os tipos (42 indivíduos), em seguida exotropia (17 indivíduos) e finalmente ortotrópicos (11 indivíduos). Dentro dos tipos de esotropia, a congênita foi a mais comum o quê pode implicar em fatores genéticos que levam a ocorrência desta patologia. Dentro das exotropias observamos que aquelas ditas essenciais foram mais comuns. E ainda foi significativo o número de indivíduos que devem ter acreditado possuírem algum desvio ocular para procurar nosso serviço. A tabela 2 apresenta os principais diagnósticos quanto ao tipo de ambliopia encontrada. Tabela 2. Tipo de ambliopia Número de casos Ambliopia estrabísmica 10 Ambliopia ex-anopsia Ambliopia anisometrópica 2 o total não perfaz 81 porque nem todos os indivíduos tinham alteração da acuidade visual e nem esta pode ser medida em alguns pacientes muito jovens. Aqui observamos que os indivíduos devem estar chegando ao serviço tardiamente encaminhados, pois já apresentam ambliopia estrabísmica na maioria das ambliopias detectadas. Esta forma de ambliopia é aquela que primeiramente procuramos com a atuação do serviço erradicar, pois se for detectada precocemente será passível de correção. A tabela apresenta as condutas tomadas nos casos avaliados. Tabela. Conduta Número de casos Cirurgia 4 Alta 1 Oclusão 9 Exercícios ortópticos 6 Adição de prismas à correção óptica 1 A maioria dos nossos pacientes foi encaminhada para a cirurgia. Isto indica que sua doença é passível de correção adequada, se for adequadamente avaliada para que o médico cirurgião oftalmologista possa realizar o planejamento cirúrgico adequado para cada caso. Observamos que o número de altas era superior ao de pacientes com ortotropia ou ortoforia o quê indica que alterações ligeiras ou pequenas na mobilidade ocular extrínseca mesmo sendo 4

5 classificadas como doença muitas vezes não precisavam de qualquer tratamento pela pouca repercussão de suas entidades nosológicas. Conclusões Nosso serviço de ortóptica presta um relevante papel assistencial à população goiana e em especial à goianiense. A procura do serviço tem crescido de forma exponencial desde sua implantação. Na amostra avaliada a maior parte dos desvios oculares era do tipo esotropia, em particular a forma congênita. É nosso papel e dever como profissionais de saúde atentar para a prevenção da cegueira em nosso meio através do tratamento precoce da ambliopia estrabísmica. Ainda houve necessidade de correção cirúrgica numa parcela significativa de casos. Um exemplo interessante de pré e pós operatórios bem sucedidos podem ser vistos abaixo.

6 Figura 1 Pré-operatório. Figura 2 Pós-operatório. Referências Bibliográficas Souza-Dias, C. R Estrabismo. Editora Cultura Médica. Rio de Janeiro. Rezende, L. A Fisioterapia ocular no estrabismo. Trabalho final de curso. ESEFFEGO. UEG, Goiânia. Almeida, H. C. & Curi, R Manual de Estrabismo. Rio de Janeiro. Barbosa, P. H Estrabismo. Editora Cultura Médica. Rio de Janeiro. 6

7 Díaz. J. P. & Dias, C. S Estrabismo. Editora Santos. São Paulo. Souza-Dias, C. R. & Almeida, H. C Estrabismo. Roca. São Paulo. 7

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica PREVALÊNCIA DE ESTRABISMO NO LABORATÓRIO DE MOTILIDADE OCULAR EXTRÍNSECA ORTÓPTICA PARA CAPACITAÇÃO E ATUAÇÃO NA ÁREA DE FISIOTERAPIA OCULAR NA CLÍNICA ESCOLA DA ESEFFEGO EM GOIÂNIA, GOIÁS, BRASIL. MAURO

Leia mais

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 24 de Janeiro de 2008

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 24 de Janeiro de 2008 Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 24 de Janeiro de 2008 Disciplina: Oftalmologia Prof.: Conceição Neves Tema do Seminário: Estrabismo na Criança e no Adulto Autor: Ana Maçãs e Rita Nair Diaz Equipa Revisora:

Leia mais

Exotropia Intermitente: Do sucesso cirúrgico à necessidade de reintervenção a longo prazo

Exotropia Intermitente: Do sucesso cirúrgico à necessidade de reintervenção a longo prazo Oftalmologia - Vol. 37: pp.259-263 Comunicações Curtas e Casos Clínicos Exotropia Intermitente: Do sucesso cirúrgico à necessidade de reintervenção a longo prazo Diana Cristóvão 1 ; Raquel Seldon 2 ; Maria

Leia mais

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS 10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS SOUZA-NETO, José Augusto; FREITAS-JUNIOR, Ruffo; CABERO, Flávia Vidal; FREITAS, Thaís Castanheira; TERRA,

Leia mais

Caracterização visual numa amostra infantil em idade pré-escolar e escolar - o estado da arte num rastreio

Caracterização visual numa amostra infantil em idade pré-escolar e escolar - o estado da arte num rastreio Caracterização visual numa amostra infantil em idade pré-escolar e escolar - o estado da arte num rastreio Hugo Quental, Ilda Maria Poças, Carina Esteves, Wilson Quintino, Carina Silva Fortes Escola Superior

Leia mais

A PREVENÇÃO faz a diferença

A PREVENÇÃO faz a diferença A Visão é um dos órgãos dos sentidos mais importantes Teve uma importância essencial no processo de desenvolvimento humano. A relação do homem com o mundo ganhou maior abrangência e segurança ao adquirir

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL PELA ENFERMAGEM: UTILIZAÇÃO DA TABELA DE SNELLEN EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL I

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL PELA ENFERMAGEM: UTILIZAÇÃO DA TABELA DE SNELLEN EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL I 16 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL PELA ENFERMAGEM: UTILIZAÇÃO DA TABELA DE SNELLEN EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL I CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

Leia mais

Dr. Elcio Roque Kleinpaul Médico Oftalmologista CPF CRM 92380/SP

Dr. Elcio Roque Kleinpaul Médico Oftalmologista CPF CRM 92380/SP Dr. Elcio Roque Kleinpaul Médico Oftalmologista CPF 389.496.440-53 CRM 92380/SP 11075-003, SP, Santos, Av. Senador Pinheiro Machado, 863 (13) 32255226 / (13) 991913524 elcioroq@yahoo.com.br OBJETIVO: Médico

Leia mais

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE PACIENTES COM ESCLEROSE MÚLTIPLA EM GOIÂNIA, GO, BRASIL.

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE PACIENTES COM ESCLEROSE MÚLTIPLA EM GOIÂNIA, GO, BRASIL. Introdução: A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença desmielinizante, progressiva, crônica que atinge o sistema nervoso central. Essa desmielinização afeta as fibras nervosas do cérebro e da medula espinhal

Leia mais

SABER MAIS SOBRE ESTRABISMO

SABER MAIS SOBRE ESTRABISMO SABER MAIS SOBRE ESTRABISMO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 ESTRABISMO O que é o estrabismo? O estrabismo, habitualmente

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais

1) Conhecimentos: Abordagem das afecções oftalmológicas na atenção secundária e na urgência.

1) Conhecimentos: Abordagem das afecções oftalmológicas na atenção secundária e na urgência. NOME: ESTÁGIO OPCIONAL EM OFTALMOLOGIA Código: OFT041 Carga horária: 300 HORAS Créditos: 20 Período do curso: 12º PERÍODO Pré-requisitos: CIR018, PED022, CLM029, GOB011 PLANO DE ENSINO EMENTA Princípios

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

GENÉTICA E OFTALMOLOGIA JAIME ROIZENBLATT

GENÉTICA E OFTALMOLOGIA JAIME ROIZENBLATT 17 GENÉTICA E OFTALMOLOGIA JAIME ROIZENBLATT 702 Capítulo 17 703 GENÉTICA E OFTALMOLOGIA JAIME ROIZENBLATT Nas últimas décadas tem havido uma grande mudança no padrão das doenças. Houve uma grande diminuição

Leia mais

O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº

O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: 2016-2020 O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº 8.246. As ações estratégicas serão monitoradas e

Leia mais

Correção cirúrgica monocular em exotropias de grande ângulo: estudo de casos

Correção cirúrgica monocular em exotropias de grande ângulo: estudo de casos RELATO DE CASO Correção cirúrgica monocular em exotropias de grande ângulo: estudo de casos Monocular surgical correction in wide-angle exotropias: case studies Mariana Fernandez Simão 1, James da Costa

Leia mais

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Conheça lesões e doenças que podem comprometer o sistema visual. São informações rápidas para melhor entendimento do que pode ser feito para preservar a sua visão.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO:

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: 2016-2020 O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº 8.246. As ações estratégicas serão monitoradas e

Leia mais

TEMA: Cirurgia de catarata em paciente de dois anos com catarata congênita

TEMA: Cirurgia de catarata em paciente de dois anos com catarata congênita NOTA TÉCNICA 148/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito - Comarca de Itamarandiba - MG. Processo número: 0325 14 001739-4 Data: 22/07/2014 Medicamento Material Procedimento x Cobertura

Leia mais

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade A importância da consulta oftalmológica De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade cheia de apelos visuais, em que o contato com o mundo se faz inicialmente por

Leia mais

Altura, Espaço Confinado e Máquinas Pesadas. Dr. Ricardo Z. Leyendecker

Altura, Espaço Confinado e Máquinas Pesadas. Dr. Ricardo Z. Leyendecker Altura, Espaço Confinado e Máquinas Pesadas Dr. Ricardo Z. Leyendecker Trabalho em Condições Especiais Trabalho em Altura Toda atividade executada acima de 2,00 m do nível inferior, onde haja risco de

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ÁREA DE CONHECIMENTO: CIRURGIA GERAL 4. Cuidados Pré, trans e pós operatório. 5. Resposta endócrina e metabólica ao trauma. 6. Infecção

Leia mais

Conheça o trabalho do Optometrista, profissional da saúde responsável pelos cuidados com a sua saúde visual.

Conheça o trabalho do Optometrista, profissional da saúde responsável pelos cuidados com a sua saúde visual. Conheça o trabalho do Optometrista, profissional da saúde responsável pelos cuidados com a sua saúde visual. O Optometrista é o profissional da área da saúde, não médica, responsável pela avaliação primária

Leia mais

Consciente de que para alcançar uma sociedade mais justa as empresas precisam contribuir socialmente, QUEM SOMOS O INSTITUTO DE OLHOS DR.

Consciente de que para alcançar uma sociedade mais justa as empresas precisam contribuir socialmente, QUEM SOMOS O INSTITUTO DE OLHOS DR. QUEM SOMOS A Clínica de Olhos Dr. João Eugenio é uma empresa tradicional em Brasília. Foi fundada em 1966 pelo renomado oftalmologista João Eugenio, especialista em Retina e Vítreo, Estrabismo e Neuro-oftamolmologia.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 168 Aprovado pela portaria Cetec nº 125 de 03/10/2012. ETEC Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Ambiente

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES E DORES OROFACIAIS PELA REDE PÚBLICA DE SAÚDE

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES E DORES OROFACIAIS PELA REDE PÚBLICA DE SAÚDE Comissão de Saúde Pública SBDOF PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES E DORES OROFACIAIS PELA REDE PÚBLICA DE SAÚDE BELO HORIZONTE 2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir?

Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir? Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir? Paula Souto Nogueira Renata Carolina Acri Miranda Monique Bueno Alves Introdução 15.000.0000

Leia mais

metas do plano de trabalho

metas do plano de trabalho Associação das Pioneiras Sociais Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 1º semestre 2016 Conforme

Leia mais

REMUNERAÇÃO MÉDICA E MODELO ASSISTENCIAL E GERENCIAL

REMUNERAÇÃO MÉDICA E MODELO ASSISTENCIAL E GERENCIAL REMUNERAÇÃO MÉDICA E MODELO ASSISTENCIAL E GERENCIAL ENCONTRO NACIONAL UNIMED DE RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS SÃO PAULO, 05 DE MAIO 2011 UNIMED SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PAULO CESAR PRADO JR. GERENTE EXECUTIVO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1, CAMPUS RIO VERDE ANEXO I REQUERIMENTO DE CONDIÇÕES ESPECIAIS

PROCESSO SELETIVO 2017/1, CAMPUS RIO VERDE ANEXO I REQUERIMENTO DE CONDIÇÕES ESPECIAIS PROCESSO SELETIVO 2017/1, CAMPUS RIO VERDE ANEXO I REQUERIMENTO DE CONDIÇÕES ESPECIAIS O candidato deverá enviar exclusivamente via SEDEX, o original deste requerimento devidamente preenchido, juntamente

Leia mais

Formação Contínua em Oftalmologia

Formação Contínua em Oftalmologia Fundamentação Um estudo recente revela que 85% das pessoas tem mais medo de perder a visão do que os outros quatro sentidos. 87% dos inquiridos acredita que os exames oftalmológicos regulares são importantes,

Leia mais

Elementos Constitutivos da Estrutura Curricular por Semestre

Elementos Constitutivos da Estrutura Curricular por Semestre Elementos Constitutivos da Estrutura Curricular por Semestre 1º SEMESTRE Competências e Habilidades Específicas para Atuação Profissional promover estilos de vida saudáveis, conciliando as necessidades

Leia mais

Determinação do grau de incapacidade em hansenianos não tratados *

Determinação do grau de incapacidade em hansenianos não tratados * * Trabalho realizado no setor de Hanseníase/FIOCRUZ auxílio Financeiro da CERPHA. * Fisioterapeuta/Terapeuta Ocupacional. * * Médica/Pesquisadora da FIOCRUZ. ***Assistente Social/Sanitarista. ****Técnica

Leia mais

REABILITAÇÃO VISUAL COM EXERCÍCIOS ÓCULO-MOTORES NO ESTRABISMO EM CRIANÇAS: ESTUDO DE CASOS

REABILITAÇÃO VISUAL COM EXERCÍCIOS ÓCULO-MOTORES NO ESTRABISMO EM CRIANÇAS: ESTUDO DE CASOS REABILITAÇÃO VISUAL COM EXERCÍCIOS ÓCULO-MOTORES NO ESTRABISMO EM CRIANÇAS: ESTUDO DE CASOS Naiara Kássia Macêdo da Silva Bezerra (1); Elis Fernanda Araújo Lima de Oliveira (2); Lílian Ramine Ramos de

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE OCULAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE OCULAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE OCULAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Luísa Salles de Moura Mendonça 1, Marcos Pereira de Ávila 2, Lais Leão

Leia mais

SINDROME DE GILLES DE LA TOURETTE

SINDROME DE GILLES DE LA TOURETTE SINDROME DE GILLES DE LA TOURETTE Ana Rebelo Email: acd.rebelo@gmail.com RESUMO Neste trabalho, procura-se explicar a Síndrome de Gilles de la Tourette sob o ponto de vista psicopatológico. Relativamente

Leia mais

1 - Visual 2 - Audição 3 - Saúde Mental 4 - Coordenação motora e atenção

1 - Visual 2 - Audição 3 - Saúde Mental 4 - Coordenação motora e atenção Sistema de Avaliação psicofísico computadorizado Avaliação psicofísica Unique, totalmente informatizado, desenvolvido por médicos e engenheiros de sistemas, utilizados para avaliar as condições de pessoas

Leia mais

RESULTADO TRABALHOS CIENTÍFICOS

RESULTADO TRABALHOS CIENTÍFICOS RESULTADO TRABALHOS CIENTÍFICOS Apresentação Titulo Modalidade Dia Horário INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE ACINETOBACTER BAUMANNII EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

Leia mais

FISIOTERAPIA NEUROMUSCULOESQUELÉTICA Código Interno: 100

FISIOTERAPIA NEUROMUSCULOESQUELÉTICA Código Interno: 100 RESIDÊNCIA SAÚDE 0 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FISIOTERAPIA NEUROMUSCULOESQUELÉTICA Código Interno: 00 Você recebeu o seguinte material: - Um CADERNO DE QUESTÕES constituído de cinco questões

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

CASE DE TELEMEDICINA NO SETOR PÚBLICO: A REDE DE NÚCLEOS DE TELESAÚDE DE PERNAMBUCO

CASE DE TELEMEDICINA NO SETOR PÚBLICO: A REDE DE NÚCLEOS DE TELESAÚDE DE PERNAMBUCO CASE DE TELEMEDICINA NO SETOR PÚBLICO: A REDE DE NÚCLEOS DE TELESAÚDE DE PERNAMBUCO Coordenadora do Grupo TIS e do Núcleo de Telesaúde da UFPE www.nutes.ufpe.br contato@nutes.ufpe.br +55 [81] 2126.3903

Leia mais

X assinale (X) X. assinale (X) assinale (X) assinale (X) assinale (X) assinale (X) X X X X X X X

X assinale (X) X. assinale (X) assinale (X) assinale (X) assinale (X) assinale (X) X X X X X X X I Modo de Inserção do Curso de Especialização 1- Curso de Especialização promovido por Fac. de Medicina assinale () 2-Inserção no SUS 3-Coexistência de Programa de Residência Médica em Oftalmologia credenciado

Leia mais

UNIRIO / PROPLAN DIRETORIA DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS - DAINF ORGANOGRAMA DAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS. Atualizado em

UNIRIO / PROPLAN DIRETORIA DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS - DAINF ORGANOGRAMA DAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS. Atualizado em Atualizado em 15.03.2016 Boletim Interno nº 05/2016 1 1. GERAL REITORIA Vice-Reitoria Pró-Reitoria de Graduação Pró-Reitoria de Extensão e Cultura Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Pró-Reitoria

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Acuidade visual. Crianças. Tabela de Snellen.

PALAVRAS-CHAVE Acuidade visual. Crianças. Tabela de Snellen. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A importância da visão

A importância da visão 1 A importância da visão A visão nos dá acesso à maioria das informações sobre o mundo a nossa volta. Por isso, preservar a saúde dos olhos é tão importante. Infelizmente, existem lesões e doenças que

Leia mais

Gilmara Noronha Guimarães 1 Rafaela Campos Emídio 2 Rogério Raulino Bernardino Introdução

Gilmara Noronha Guimarães 1 Rafaela Campos Emídio 2 Rogério Raulino Bernardino Introdução Comparação entre a média de permanência padronizada pelo Ministério da Saúde e a calculada em tempo real de um Hospital de Ensino da cidade de Manaus - AM. 1. Introdução Gilmara Noronha Guimarães 1 Rafaela

Leia mais

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE PSICOLOGIA POP nº 04 PSI/HU Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR

Leia mais

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE.

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. CARLA CARVALHO HORN IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. Dissertação de Mestrado em Gerontologia Biomédica Para a obtenção do

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA Avenida Loja Maçônica Renovadora 68, nº 100 - Aeroporto - Barretos - São Paulo Telefone: (17) 3321-3060 www.facisb.edu.br CURSO DE MEDICINA Introdução

Leia mais

GNT Saúde Suplementar. Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017

GNT Saúde Suplementar. Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 GNT Saúde Suplementar Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 DRG e sua aplicabilidade na Saúde Suplementar GOLDETE PRISZKULNIK Executiva Médica em Gestão

Leia mais

CURSOS DE TRANSFERÊNCIA E HABILIDADES SANTA CASA DE SÃO PAULO Período: 22/06 e 23/06

CURSOS DE TRANSFERÊNCIA E HABILIDADES SANTA CASA DE SÃO PAULO Período: 22/06 e 23/06 22/06 (quarta-feira) Programa Preliminar *Sujeito a alterações CURSOS DE TRANSFERÊNCIA E HABILIDADES SANTA CASA DE SÃO PAULO Período: 22/06 e 23/06 Atualizado em 08/04/2016 às 12h00 RETINA DAY 22/06 (quarta-feira)

Leia mais

Fellow em Cirurgia Bariátrica e Metabólica

Fellow em Cirurgia Bariátrica e Metabólica VOCÊ ESTÁ EM: HOME / NOTÍCIAS / VÍDEOS Fellow em Cirurgia Bariátrica e Metabólica Por Dr.Marchesini Publicado dia 18/07/2014 às 04h48 Programa de Especialização e Pesquisa em Cirurgia Bariátrica e Metabólica

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: telemedicina; cardiologia pediátrica; transposição das grandes artérias.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: telemedicina; cardiologia pediátrica; transposição das grandes artérias. USO DA TELEMEDICINA COMO INSTRUMENTO INOVADOR NOS CUIDADOS ÀS CARDIOPATIAS CONGÊNITAS NA CIDADE DE PATOS- PARAÍBA PELA REDE DE CARDIOLOGIA PEDIÁTRICA (RCP) BEZERRA DE FRETIAS 1, Talita DOS SANTOS 2, Maria

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE MEDICINA HIPERBÁRICA

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE MEDICINA HIPERBÁRICA MANUAL DE AVALIAÇÃO DE MEDICINA HIPERBÁRICA Versão 2014 Entidades Associadas Sumário Seção 1 Estrutura Organizacional 1.1. Liderança 1.2. Equipe Médica 1.3. Equipe de Enfermagem 1.4. Gestão de Pessoas

Leia mais

Foram verificados registros de enfermagem referentes ao período de três anos subseqüentes ao diagnóstico, portanto de 1986 a 1988.

Foram verificados registros de enfermagem referentes ao período de três anos subseqüentes ao diagnóstico, portanto de 1986 a 1988. METODOLOGIA 41 METODOLOGIA Trata-se de um estudo retrospectivo do qual fizeram parte 367 prontuários de portadores hanseníase diagnosticados e residentes no município de São Paulo, no ano de 1986. Estes

Leia mais

Aspectos biopsicosocioculturais do indivíduo com disfunção do sistema nervoso central e periférico. Profa Dra Carla da Silva Santana FMRP-USP

Aspectos biopsicosocioculturais do indivíduo com disfunção do sistema nervoso central e periférico. Profa Dra Carla da Silva Santana FMRP-USP Aspectos biopsicosocioculturais do indivíduo com disfunção do sistema nervoso central e periférico Profa Dra Carla da Silva Santana FMRP-USP Aspectos gerais envolvidos na reabilitação do paciente neurológico

Leia mais

Disciplina. 1 ano - 2 Semestre. Disciplina

Disciplina. 1 ano - 2 Semestre. Disciplina 1 ano - 1 Semestre Anatomia Humana I 60 4 Estudo da Genética e da Evolução 60 4 Necessidades Educacionais Especiais 60 4 História e Fundamentos da Fisioterapia 45 3 Antropologia 30 2 Fisiologia 60 4 Saúde

Leia mais

SABER MAIS SOBRE HIPERMETROPIA

SABER MAIS SOBRE HIPERMETROPIA SABER MAIS SOBRE HIPERMETROPIA FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 HIPERMETROPIA O que é a hipermetropia? É uma

Leia mais

Proposta de Estágio Opcional em. Anestesiologia Oftalmológica / Desenvolvimento da Componente da Anestesia Loco-regional

Proposta de Estágio Opcional em. Anestesiologia Oftalmológica / Desenvolvimento da Componente da Anestesia Loco-regional Serviço de Anestesiologia do Centro Hospitalar Lisboa Norte 1 Proposta de Estágio Opcional em Anestesiologia Oftalmológica / Desenvolvimento da Componente da Anestesia Loco-regional Preparado para: Colégio

Leia mais

O USO TERAPÊUTICO DA TOXINA BOTULÍNICA NO TRATAMENTO DE ESTRABISMO, HIPERIDROSE E DISTONIAS

O USO TERAPÊUTICO DA TOXINA BOTULÍNICA NO TRATAMENTO DE ESTRABISMO, HIPERIDROSE E DISTONIAS O USO TERAPÊUTICO DA TOXINA BOTULÍNICA NO TRATAMENTO DE ESTRABISMO, HIPERIDROSE E DISTONIAS Cícero Anthonyelson Teixeira Dunes- FSM cicero_anthonylson@hotmail.com Introdução Francisco Auber Pergentino

Leia mais

CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DA REDE CREDENCIADA

CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DA REDE CREDENCIADA CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DA REDE CREDENCIADA Regiões de Cobertura São consideradas regiões para atendimento aos beneficiários do Plano de Assistência e Saúde - PAS, no Sistema de Escolha Dirigida

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTILO PARENTAL DE PAIS DE CRIANÇAS PORTADORAS DE SÍNDROMES GENÉTICAS NA TRÍPLICE FRONTEIRA

AVALIAÇÃO DO ESTILO PARENTAL DE PAIS DE CRIANÇAS PORTADORAS DE SÍNDROMES GENÉTICAS NA TRÍPLICE FRONTEIRA CIÊNCIAS DA SAÚDE AVALIAÇÃO DO ESTILO PARENTAL DE PAIS DE CRIANÇAS PORTADORAS DE SÍNDROMES GENÉTICAS NA TRÍPLICE FRONTEIRA VOLPATO VIEIRA, Marília. Estudante do Curso de Medicina ILACVN UNILA; E-mail:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS - UFG INSTITUTO DE CIENCIAS BIOLOGICAS - ICB CENTRO INTEGRADO DE APRENDIZAGEM EM REDE Edital Nº 02/2008

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS - UFG INSTITUTO DE CIENCIAS BIOLOGICAS - ICB CENTRO INTEGRADO DE APRENDIZAGEM EM REDE Edital Nº 02/2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS - UFG INSTITUTO DE CIENCIAS BIOLOGICAS - ICB CENTRO INTEGRADO DE APRENDIZAGEM EM REDE Edital Nº 02/2008 Estabelece normas do Processo Seletivo de Tutores de Presenciais e

Leia mais

AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA E ANÁLISE DO RELATO VERBAL DE PAIS DE CRIANÇAS PORTADORAS DE SÍNDROMES GENÉTICAS NA REGIÃO DA TRÍPLICE FRONTEIRA

AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA E ANÁLISE DO RELATO VERBAL DE PAIS DE CRIANÇAS PORTADORAS DE SÍNDROMES GENÉTICAS NA REGIÃO DA TRÍPLICE FRONTEIRA CIÊNCIAS DA SAÚDE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA E ANÁLISE DO RELATO VERBAL DE PAIS DE CRIANÇAS PORTADORAS DE SÍNDROMES GENÉTICAS NA REGIÃO DA TRÍPLICE FRONTEIRA OLIVEIRA, Thais Millene. Estudante do Curso de

Leia mais

APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV

APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV TÍTULO E-PÔSTER SALA PRÉDIO IV HORÁRIO RESISTÊNCIA A MÚLTIPLAS DROGAS NA TERAPIA ANTICÂNCER E O POTENCIAL EFEITO DE FLAVONOIDES NA RECUPERAÇÃO

Leia mais

DIRETÓRIO MÉDICO APUCARANA

DIRETÓRIO MÉDICO APUCARANA DIRETÓRIO MÉDICO APUCARANA Atualizado em 14/05/2014 Rua Paes Leme, 1107 Londrina PR 86010-610 www.maximusassistencial.com.br info@maximusassistencial.com.br (43) 3379-9700 2 Guia Médico Maximus Assistencial

Leia mais

ANEXO II PLANO ANUAL 2016

ANEXO II PLANO ANUAL 2016 ANEXO II PLANO ANUAL Atualmente, a Rede SARAH conta com nove Unidades consolidadas no período de 24 anos de Contrato de Gestão: Brasília (2 Unidades), São Luís, Salvador, Belo Horizonte, Fortaleza, Macapá,

Leia mais

Departamento da Qualidade na Saúde Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de

Departamento da Qualidade na Saúde Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de NORMA NÚMERO: 008/2014 DATA: 21/07/2014 ATUALIZAÇÃO: 27/02/2017 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Cartão da Pessoa com Doença Rara (CPDR) Doença rara, cartão, requisição, emissão Médicos hospitalares

Leia mais

Programa de Aperfeiçoamento ONCOLOGIA ORTOPÉDICA. Comissão de Residência Médica COREME

Programa de Aperfeiçoamento ONCOLOGIA ORTOPÉDICA. Comissão de Residência Médica COREME Comissão de Residência Médica COREME A.C.CAMARGO CANCER CENTER O sonho do Prof. Dr. Antônio Prudente de oferecer assistência integrada a pacientes com câncer, formar profissionais especialistas e disseminar

Leia mais

DADOS GERAIS 1. EMENTA/SÚMULA

DADOS GERAIS 1. EMENTA/SÚMULA PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO CURSO: Medicina TURMAS: ATIVIDADE CURRICULAR: Habilidades Médicas III CÓDIGO: ANO LETIVO: 4º Período 2011 NATUREZA: Prática CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4horas CARGA HORÁRIA TOTAL:

Leia mais

ADITIVO CONTRATUAL EXTENSÃO PARA COBERTURAS AMBULATORIAIS CONTRATO N CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATANTES:

ADITIVO CONTRATUAL EXTENSÃO PARA COBERTURAS AMBULATORIAIS CONTRATO N CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATANTES: ADITIVO CONTRATUAL EXTENSÃO PARA COBERTURAS AMBULATORIAIS CONTRATO N CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATANTES: QUALIFICAÇÃO DA CONTRATADA: PROMED ASSISTÊNCIA MÉDICA LTDA., doravante denominada CONTRATADA,

Leia mais

Aplicações em tele-medicina em redes de alta velocidade

Aplicações em tele-medicina em redes de alta velocidade Aplicações em tele-medicina em redes de alta velocidade 17 de agosto de 1999 José Luiz Ribeiro Filho Sumário: RNP RNP2 Redes Metropolitanas de Alta Velocidade (ReMAVs) Iniciativas em Tele-medicina nas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL PROJETO DE ATENÇÃO INTERPROFISSIONAL À CRIANÇA COM MICROCEFALIA.

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL PROJETO DE ATENÇÃO INTERPROFISSIONAL À CRIANÇA COM MICROCEFALIA. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2017.1 CRIANÇA COM MICROCEFALIA. CAMPUS NATAL A Universidade Potiguar UnP, através da Direção da Escola da Saúde, torna público o presente

Leia mais

1º Congresso Goiano de Escolas Médicas

1º Congresso Goiano de Escolas Médicas 1º Congresso Goiano de Escolas Médicas 1 Workshop em Saúde e Espiritualidade de Goiás APRESENTAÇÕES ORAIS - 01/04/2016 1 A LEVANTAMENTO DE PRÉ-NATAL EM UMA UNIDADE ESCOLA DE SAÚDE DA FAMÍLIA 2 A A PERCEPÇÃO

Leia mais

PROJETO QUEDAS IPGG REDE DE ATENÇÃO AO IDOSO COM RISCO DE QUEDA

PROJETO QUEDAS IPGG REDE DE ATENÇÃO AO IDOSO COM RISCO DE QUEDA APS SAÚDE SANTA MARCELINA OSS MICROREGIÃO CIDADE TIRADENTES-GUAIANAZES NIR CIDADE TIRADENTES PROJETO QUEDAS IPGG REDE DE ATENÇÃO AO IDOSO COM RISCO DE QUEDA ANDRÉA C. FOLHE DÉBORA DUPAS G. NASCIMENTO FERNANDA

Leia mais

Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) PROJETO PRIMEIROS OLHARES Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: HOFTALON - Centro De Estudo E Pesquisa Da

Leia mais

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES A manutenção da saúde ocular está diretamente relacionada com os exames de rotina realizados por um médico oftalmologista, em

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág.

CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág. CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág. Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I Código: ENF 202 Pré-requisito:

Leia mais

DIRETÓRIO MÉDICO GUARAPUAVA

DIRETÓRIO MÉDICO GUARAPUAVA DIRETÓRIO MÉDICO GUARAPUAVA Atualizado em 16/06/2011 Rua Paes Leme, 1107 - Londrina PR 86010-610 www.maximusassistencial.com.br info@maximusassistencial.com.br (43) 3379-9700 Guia Médico Maximus Assistencial

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE TRATAMENTO DA DOR AGUDA PÓS-OPERATÓRIA

QUESTIONÁRIO SOBRE TRATAMENTO DA DOR AGUDA PÓS-OPERATÓRIA Comissão Nacional para o Controlo da Dor 1 Identificação da Unidade Hospitalar. 1.1 Designação da Unidade Hospitalar 1.2 Designação do Centro Hospitalar (se aplicável) 1.3 Localização da Unidade Hospitalar

Leia mais

Saúde para São Paulo

Saúde para São Paulo istock/getty Images Objetivos Ferramenta Integrada de Gestão e Governança Registro Eletrônico de Saúde RES Sistema para registro, recuperação e manipulação das informações de um Registro Eletrônico em

Leia mais

Saúde para São Paulo

Saúde para São Paulo istock/getty Images Objetivos Ferramenta Integrada de Gestão e Governança Registro Eletrônico de Saúde RES Sistema para registro, recuperação e manipulação das informações de um Registro Eletrônico em

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 3-CEPE/UNICENTRO, DE 28 DE JANEIRO DE 2013. REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 12/2015-CEPE/UNICENTRO. Aprova o Curso de Especialização em Fisioterapia Traumato-Ortopédica Funcional, modalidade modular,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de Fevereiro de 1808

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de Fevereiro de 1808 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de Fevereiro de 1808 Plano Individual de Trabalho (PIT) 1 e Relatório Individual de Trabalho (RIT) 2 1) DADOS GERAIS 1. Nome

Leia mais

Capacitação de profissionais da odontologia brasileira vinculados ao SUS para a atenção e cuidado da pessoa com deficiência

Capacitação de profissionais da odontologia brasileira vinculados ao SUS para a atenção e cuidado da pessoa com deficiência Capacitação de profissionais da odontologia brasileira vinculados ao SUS para a atenção e cuidado da pessoa com deficiência Público-alvo: Cirurgiões-dentistas (CDs) e Auxiliares de Saúde Bucal (ASBs) vinculados

Leia mais

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima identificado verificar suas condições de funcionamento.

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima identificado verificar suas condições de funcionamento. RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Pronto Clínica Oftalmológica do Nordeste Ltda (PCO) Rua Oswaldo Cruz, 341, Anexo I; Boa Vista Recife PE. Telefone: (81) 3423-4454 CNPJ 03.628.981/0001-04 Diretor Técnico: Dr.

Leia mais

Monitora: Isabela Barbuzano Gouvêa Aluna PAE: Ana Beatriz Campeiz

Monitora: Isabela Barbuzano Gouvêa Aluna PAE: Ana Beatriz Campeiz Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto 2200018 Promoção da Saúde na Educação Básica Docentes: Marlene, Marta, Luciane, Simoni e Karina Monitora: Isabela Barbuzano Gouvêa Aluna

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Estratégia de Saúde da Família, Câncer de colo uterino, Saúde da Família, Exame de prevenção e Colpocitologia.

PALAVRAS-CHAVE: Estratégia de Saúde da Família, Câncer de colo uterino, Saúde da Família, Exame de prevenção e Colpocitologia. Câncer de colo uterino: análise de exames colpocitopatológicos realizados no ano de 2009 em uma Unidade Básica de Atenção à Saúde da Família, em Goiânia, Goiás, Brasil. MARTINS, Ana Carolina Sulino¹; ARRAIS,

Leia mais

HOSPITAL REGIONAL DE DIVINOLÂNDIA CONDERG-CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA

HOSPITAL REGIONAL DE DIVINOLÂNDIA CONDERG-CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA 1. Apresentação O Serviço de Endoscopia Digestiva Alta é responsável pela realização de exames com finalidade diagnóstica aos pacientes encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde dos municípios consorciados

Leia mais

Pesquisa de Satisfação

Pesquisa de Satisfação 2015 Pesquisa de Satisfação Goiânia, GO Março 2016 OUVIDORIA DO HC-UFG/EBSERH Endereço: Primeira Avenida s/n, Setor Leste Universitário CEP.: 74605-020 Goiânia, Goiás Contatos Telefone: 62-3269-8264 e-mail:

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 3. COMPETÊNCIAS: 3.1 CONHECIMENTO: Conhecer o Ambiente Cirúrgico, suas divisões e regras de utilização

PLANO DE ENSINO. 3. COMPETÊNCIAS: 3.1 CONHECIMENTO: Conhecer o Ambiente Cirúrgico, suas divisões e regras de utilização PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO CURSO: Medicina TURMAS: ATIVIDADE CURRICULAR: Habilidades Médicas IV CÓDIGO: ANO LETIVO: 2º Período 2012 NATUREZA: Teoria e Prática CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4horas CARGA HORÁRIA

Leia mais

GEP - GRUPO DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE Criança de risco para atraso do desenvolvimento motor 30 vagas - 3 grupos de 10 crianças cada

GEP - GRUPO DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE Criança de risco para atraso do desenvolvimento motor 30 vagas - 3 grupos de 10 crianças cada Protocolo: Situação clínica: Número de vagas: Tempo: Objetivo geral: GEP - GRUPO DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE Criança de risco para atraso do desenvolvimento motor 30 vagas - 3 grupos de 10 crianças cada 8 encontros

Leia mais

EDITAL Nº 32/2015 SELEÇÃO DE EXTENSIONISTAS GRADUADOS PARA O PROGRAMA DE REABILITAÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - PREQUAVI

EDITAL Nº 32/2015 SELEÇÃO DE EXTENSIONISTAS GRADUADOS PARA O PROGRAMA DE REABILITAÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - PREQUAVI Universidade Federal do Ceará Departamento de Fisioterapia Curso de Fisioterapia Programa de Reabilitação e Qualidade de Vida - PREQUAVI Residência Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar à Saúde

Leia mais

Federação Portuguesa de Voleibol

Federação Portuguesa de Voleibol Federação Portuguesa de Voleibol Hospital de Santa Maria Porto Com o olhar no futuro, o Hospital de Santa Maria Porto tem um sólido passado, com mais de 125 anos de experiência na prestação de cuidados

Leia mais

TÍTULO: COLESTEATOMA DE CONDUTO AUDITIVO EXTERNO COMO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE PATOLOGIAS DA ORELHA EXTERNA

TÍTULO: COLESTEATOMA DE CONDUTO AUDITIVO EXTERNO COMO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE PATOLOGIAS DA ORELHA EXTERNA TÍTULO: COLESTEATOMA DE CONDUTO AUDITIVO EXTERNO COMO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE PATOLOGIAS DA ORELHA EXTERNA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO NAI ANO LETIVO DE 2009

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO NAI ANO LETIVO DE 2009 UNIVERSIDADE DANTA CECÍLIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL É preciso avaliar para mudar RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO ANO LETIVO DE 2009 PERÍODO FEVEREIRO

Leia mais

FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES CARDIOVASCULARES

FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES CARDIOVASCULARES FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES CARDIOVASCULARES 6º período 40 h/semestre 2 h/a semana 2ª feira 20h20 às 22h EMENTA A disciplina constitui-se em introduzir, fundamentar e desenvolver conhecimentos fisiopatológicos,

Leia mais

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1 361 DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1 Márcia Suelen Bento 2, Marcelo Oliveira Chamelete 3,

Leia mais