PROJETO DIDÁTICO INTERDISCPLINAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DIDÁTICO INTERDISCPLINAR"

Transcrição

1 PROJETO DIDÁTICO INTERDISCPLINAR APRENDENDO FAZER A PRÁTICA PEDAGÓGICA INTERDISCIPLINAR Imperatriz 2011

2 IDENTIFICAÇÃO Tema: A Prática Pedagógica Título: Aprendendo Fazer a Prática Pedagógica Interdisciplinar Professores Orientadores: Maria Zélia Bezerra Vale Valdenice Ribeiro Nunes Regina Célia Costa Lima Veríssima Dilma Nunes Clímaco Componentes Curriculares: Fundamentos Teóricos Metodológicos das Ciências Fundamentos Teóricos Metodológicos da História Fundamentos Teóricos Metodológicos da Geografia Fundamentos Teóricos Metodológicos da Matemática Período: Turma: IV Período Noturno de Pedagogia Instituição: Faculdade de Educação Santa Terezinha Finalidade: Aprimorar a relação teoria e prática na prática pedagógica a partir da interdisciplinaridade Local: Imperatriz

3 Data: 2011 APRESENTAÇÃO A interdisciplinaridade estudada e discutida no século XXI já é vista como uma nova postura diante do conhecimento buscando superar o estudo fragmentado e a falta de uma relação deste com a realidade do aluno. Visando esta superação criou-se este projeto didático interdisciplinar cujo título é Aprendendo Fazer a Prática Pedagógica Interdisciplinar, cujo objetivo é Aprender a fazer a prática pedagógica a partir da utilização de procedimentos metodológicos diferenciados fundamentando-se na interdisciplinaridade para construção dos saberes. Para tanto, traz como proposta metodológica a realização de diversificados procedimentos metodológicos que irão possibilitar a realização da prática pedagógica interdisciplinar e estão sendo comentados em cada subitem da fundamentação teórica deste projeto. Eles estão representados como: 1- Aprendendo fazer a prática pedagógica a partir da pesquisa, devido a pesquisa possibilitar uma relação entre o estudado e o vivido em várias áreas do conhecimento. 2 - Aprendendo fazer a prática pedagógica a partir de fóruns virtuais, por ser um procedimento metodológico que exige o uso das tecnologias de comunicação e de outros meios, na intermediação deste fazer pedagógico, e este é um saber necessário aos professores do século XXI. 3 - Aprendendo fazer a prática pedagógica a partir da confecção de recursos didáticos alternativos, porque ele permite vivenciar novas experiências e despertar habilidades manuais necessárias a esse processo, bem como ter novos olhares sobres o uso de material alternativo. 4 - Aprendendo fazer a prática pedagógica a partir dos PCNs por eles apresentarem orientações didáticas de como trabalhar cada disciplina, visualizando também os temas transversais e as possibilidades da interdisciplinaridade. 5 - Aprendendo fazer a prática pedagógica a partir da leitura dirigida, devido à possibilidade dos professores e alunos desenvolver competências e habilidades, que lhes permitam diversos olhares em diferentes contextos durante suas práticas pedagógicas. 6 - Aprender a fazer a prática pedagógica a partir do plano de aula interdisciplinar com o uso do livro paradidático, por acreditar que ele beneficia a integração das discussões em sala com assuntos do cotidiano a fim de ampliar o leque de conhecimento de mundo.

4 Após a fundamentação teórica da prática interdisciplinar apresenta-se a metodologia já estruturada em forma de ações interdisciplinares, em seguida o cronograma, considerações finais e referências. JUSTIFICATIVA Na academia urge a necessidade de realizar uma prática pedagógica que se fundamente na construção de saberes e não somente em obtenção de informação e acesso ao conhecimento. Desta feita, faz-se indispensável o estudo interdisciplinar para solidificar os conhecimentos e transmutálos em saberes práticos e úteis. No fazer pedagógico não se comporta mais as técnicas que priorizem o ensino, é real a importância da investigação para modificar a didática diariamente vista como deficitária na construção de saberes. Para tanto o estudo interdisciplinar se torna o mecanismo prioritário que possibilita construir o saber em diferentes dimensões. O projeto didático interdisciplinar oferece procedimentos metodológicos diferenciados. No projeto Aprendendo Fazer a Prática Pedagógica serão utilizados os seguintes procedimentos: Leitura, Pesquisa, Análise do Documentário Ilha das Flores, Montagem de Vídeo, Plano de Aula Interdisciplinar, Construção do Recurso Didático Alternativo e Postagem no Fórum Virtual, por acreditar que a teoria e o fazer são intrínsecos quando se propõe o desenvolvimento de competências e habilidades dos sujeitos que estão em busca do aperfeiçoamento dos seus saberes. Portanto, tendo em vista a necessidade de propiciar aos alunos a vivência real de uma prática pedagógica que os torne aptos a estarem em sala de aula exercendo sua real função de professor é que se realizará este projeto no IV Período do Curso de Pedagogia. OBJETIVOS

5 Aprender a fazer a prática pedagógica a partir da utilização de procedimentos metodológicos diferenciados fundamentando-se na interdisciplinaridade para construção dos saberes. Operacionalizar a análise de vídeos e documentários. Enfatizar a leitura coletiva como mecanismo de aprendizagem Orientar a elaboração de planos de aula interdisciplinar com uso de livros paradidáticos. Promover a confecção de recursos didáticos alternativos. REFERENCIAL TEÓRICO APRENDENDO FAZER A PRÁTICA PEDAGÓGICA INTERDISCIPLINAR NA FACULDADE 1.Aprendendo fazer a prática pedagógica a partir da pesquisa O ato de pesquisar vem ganhando espaço nos processos educativos, no fazer pedagógico não se visualiza uma aprendizagem que não comporta a indagação, como pressuposto de construção do saber. Aprender na atualidade não se condiciona pelo viés da aceitação, no qual o aluno recebe as idéias prontas, acabadas cabendo a ele só a execução das mesmas. No entanto ainda há resistência por parte de alguns professores em trabalhar com a pesquisa, devido à complexidade que há em trabalhar os conteúdos programáticos da disciplina e a pesquisa. Para esta realidade, concebe-se o trabalho interdisciplinar como possibilidade de uma prática pedagógica significativa, acreditando que a pesquisa não precisa ser um momento, um conteúdo, mas um fazer que possa acontecer durante todo o semestre letivo, haja vista que o ato de pesquisar exige tempo, leituras, pesquisa. Para tanto, faz-se necessário, indispensável que o professor queira, goste, sinta a necessidade de realizar uma prática pedagógica que se fundamente na construção de saberes e não somente em obtenção de informações e acesso ao conhecimento. Sobre esta temática cita-se Moura (2006, p. 215) que relata: Ser um professor experimentador ou pesquisador requereria

6 adotar uma postura reflexiva desenvolvendo a capacidade de analisar a própria prática com o objetivo de produzir melhorias nas atividades de sala de aula. Partindo deste pressuposto, pode-se perceber que o ato de pesquisar é envolvente, exigente e reflexivo, e o professor que se dispõe a vivenciar este processo deverá despojar-se do apego às aulas expositivas e tradicionais e perceber os conteúdos programáticos com um olhar interdisciplinar e não mais fragmentado. Fazer pesquisa significa numa perspectiva interdisciplinar a busca da construção coletiva de um novo conhecimento, onde este não é, em nenhuma hipótese, privilégio de alguns, ou seja, apenas dos doutores ou livre docentes na universidade. (FAZENDA, 1991, p. 18) Dessa forma, fazer pesquisa numa perspectiva interdisciplinar é real, possível desde que o professor deseje ser pesquisador. Parafraseando Fazenda (1991) é uma questão de atitude. Portanto, a pesquisa provoca mudanças na prática pedagógica mudando o comportamento dos sujeitos envolvidos neste processo e até da comunidade que observa este movimento, realmente é uma ação que extrapola as paredes da sala de aula, é um fazer educação que são muitos os beneficiados de forma automática. Neste processo o aluno não assiste aula ele lê, observa, faz pesquisa, ou seja, tem possibilidades de ir além do conteúdo programático. Parafraseando Demo (2005), o aluno se compreende como parceiro do professor e não um ouvinte domesticado. O professor também adota posturas diferentes das adotadas nas aulas tradicionais. Demo (2005, p. 38) aponta os desafios que se fazem presente na prática do professor pesquisador: 1.(Re)construir o projeto pedagógico próprio. 2. (Re) construir textos científicos próprios. 3. (Re) fazer material didático próprio. 4. Inovar a prática didática. 5.Recuperar constantemente a competência. É interessante perceber que por meio de atitudes as práticas são transformadas. O trabalho interdisciplinar é favorecido com a pesquisa, por ela se vestir como uma superação do modelo de Educação Bancária, tão criticada por Freire (1987) quando ele escreve em sua obra Pedagogia do Oprimido sobre a concepção de aluno neste tipo de educação, sendo os mesmos tidos como vasilhas nas qual o professor deposita os conteúdos para ai serem guardados e esquecidos, ou

7 utilizados somente quando se fizer necessário, como uma poupança bancária, e não como algo relacionado às vivências cotidiárias, que colabora para a compreensão da realidade e provoca mudanças. Dessa feita acredita-se que a pesquisa tem a possibilidade de produzir saberes, e num projeto interdisciplinar ela é um exercício permanente de pensar e construir a própria prática, num constante aprender a fazer fazendo. 2. Aprendendo fazer a prática pedagógica a partir de fóruns virtuais O conhecimento no mundo moderno vem sendo considerado relevante e fornecedor de oportunidades de desenvolvimento na medida em que pode ser tratado como capital intelectual. Neste sentido a formação de pedagogos se veste de relevante importância, considerando serem eles os profissionais que iram auxiliar os professores na reconstrução de saberes historicamente construído e disseminado na humanidade. Nessa reconstrução se faz necessário alguns suportes educativos como os recursos didáticos, sejam virtuais, estruturados ou alternativos e alternativas diversas para mediar à aquisição de habilidades. Nas diversas habilidades exigidas de um pedagogo está uma considerada pelos pensadores da educação como indispensável que é fazer a prática pedagógica. No fazer pedagógico, parte importante são as ofertas de possibilidades do uso de recursos educativos e de alternativas diferenciadas, para tanto se faz uso das tecnologias de comunicação e de outros meios, na intermediação deste fazer pedagógico. Nesta busca é visível a possibilidade de fazer a prática pedagógica em dois extremos utilizando-se de matérias/recursos os FORUNS VIRTUAIS e RECURSOS ALTERNATIVOS, considerando serem os primeiros, indispensáveis na globalização do conhecimento. O fórum é uma ferramenta de comunicação muito versátil. É um espaço onde todos podem ver o que todos fazem, mesmo que não seja ao mesmo tempo. Pode servir para discussão de temas relativos ao conteúdo, com mediação, estudo de caso, murais onde os alunos podem apresentar trabalhos, espaço de reflexão pessoal ou coletiva, etc. O fórum pode ser organizado de diversas formas, por tópico único, com perguntas e respostas. Permite a interação entre os participantes com

8 boa eficiência, exige expressão correta e clara facilitando o aprofundamento de idéias e conceitos melhorando o registro do processo de construção do conhecimento. Neste estudo a ferramenta terá organização por tópico escolhido pelos grupos de estudo, o que possibilitará a interação, facilitando ainda a compreensão das leituras realizadas, os textos originados dessas leituras serão postados e comentados por todos os participantes do fórum. A avaliação quantitativa e qualitativa das mensagens pode ser realizada sem muitas dificuldades. 3.Aprendendo fazer a prática pedagógica a partir da confecção de recursos didáticos A confecção de recursos didáticos é mais uma alternativa de aprender a fazer a prática pedagógica, considerando estes, componentes do ambiente de aprendizagem que estimulam o aluno de pedagogia e produzir material auxiliar de sua prática. Os recursos podem ser alternativos com material reciclável, que necessita da confecção, estruturados, adquiridos no comércio de artigos educativos ou virtuais, usando tecnologia de comunicação. Nesta atividade focaremos a confecção de recursos, por considerarmos as diversas facetas envolvida nesta ação como etapas indispensáveis na formação dos alunos de pedagogia. A confecção de recurso permite vivenciar novas experiências e despertar habilidades manuais necessárias a esse processo, bem como ter novos olhares sobres o uso de material alternativo. Contudo, não se pode esquecer que recursos didáticos são instrumentos complementares que ajudam a transformar ideias em fatos e em realidades. Eles auxiliam na transferência de situações, experiências, demonstrações, imagens e fatos para o campo da cognição, onde se transmutam em novas saberes. Entende-se que com toda a importância para o ensino aprendizagem o recurso didático não deve e nem pode ser usado com o fim em si mesmo, requerendo um planejamento adequado aos objetivos da aprendizagem. Por fim, defende-se a idéia que o professor não pode subjugar sua metodologia de ensino a algum tipo de material porque ele é atraente ou lúdico. Nenhum material é válido por si só. Os materiais e seu emprego sempre devem estar em segundo plano. A simples introdução de jogos ou atividades no ensino não garante uma melhor aprendizagem.

9 4. Aprender a fazer a prática pedagógica a partir dos PCNs Este documento elaborado pelo Ministério da Educação com a participação de educadores brasileiros, traz em seu bojo um debate educacional que propõe uma revisão do currículo e conseqüentemente uma prática voltada para a construção do saber, para que assim os professores e alunos possam se descobrir como sujeitos capazes de perceberem-se como cidadãos, construtores de sua história. Os Parâmetros Curriculares Nacionais foram elaborados procurando, de um lado, respeitar diversidades regionais, culturais, políticas existentes no país e, de outro, considerar a necessidade de construir referências nacionais comuns ao processo educativo em todas as regiões brasileiras. Com isso, pretende-se criar condições, nas escolas, que permitam aos nossos jovens ter acesso ao conjunto de conhecimentos socialmente elaborados e reconhecidos como necessários ao exercício da cidadania. (PCNs, 1998) Assim sendo, o documento serve de apoio, para a ações educativas e pedagógicas das escolas, por apresentar uma proposta detalhada sobre os objetivos, conteúdos, avaliação e orientações didáticas necessárias ao professor do ensino fundamental, que objetiva em sua prática pedagógica desenvolver a compreensão do mundo e suas transformações junto aos seus alunos e de certa forma corrigir as distorções em termos de fragmentação do conhecimento. Visualiza-se este documento como uma leitura indispensável ao professor do ensino fundamental, por contemplar direcionamentos indispensáveis para aqueles que querem incorporar à sua prática pedagógica reflexão e discussão de aspectos do cotidiano a serem transformados, como também os avanços da pesquisa nas diferentes áreas do conhecimento. Outra importância são as orientações didáticas de como trabalhar cada disciplina preparando um planejamento que possa de fato orientar o trabalho em sala de aula, identificando ou produzindo novos materiais que possibilitem contextos mais significativos de aprendizagem e visualizando também os temas transversais e as possibilidades da interdisciplinaridade. Os PCNs traz a visão do professor como mediador da aprendizagem e não expositor de conteúdos e o aluno um construtor do seu conhecimento e conhecedor das novas tecnologias bem como saber utilizá-las para sua prática.

10 5 Aprender fazer a prática pedagógica a partir da leitura dirigida. O ato da leitura é extremamente importante para o desenvolvimento do processo de aprendizagem, tal prática proporciona uma ampliação e organização das idéias, que permitem aos leitores uma viagem por vários mundos, antes impensados. Essa prática se faz necessária e indispensável na formação de qualquer profissional, principalmente na área educacional, mais especificamente na formação dos professores, pois os mesmos devem desenvolver competências e habilidades, que lhes permitam diversos olhares em diferentes contextos durante suas práticas pedagógicas. Nessa trajetória utilizam-se várias estratégias de leitura: individuais, coletivas e leitura dirigida, cada uma com sua necessidade, peculiaridade e significância. Vargas (2009) explicita que ler Significa perceber a realidade de forma mais palpável, por meio da impalpável trama da linguagem. Diante dessa realidade, destaca-se a prática pedagógica, a partir da leitura dirigida, ação que instiga o aluno a fazer uma leitura mais atenciosa e a refletir sobre o que está lendo, possibilitando-o a compreensão e a discussão dos textos, pela qual o mesmo analisa fatos e expõe seus entendimentos acerca das temáticas abordadas, resultando em uma aprendizagem significativa. Ao professor, cabe a responsabilidade de conduzir a dinâmica da leitura, de forma que os alunos consigam perceber a relevância dos conteúdos estudados, para a construção de saberes imprescindíveis à base da formação que eles se dispuseram a construir. A esse respeito, Vargas (2009) afirma que O papel do professor é sempre fundamental. Cabe-lhe levar quem lê a perceber as imensas possibilidades interpretativas de um texto e tudo o que nele está contido de conhecimento, sabedoria e informação. Percebe-se então, que o professor é mediador no processo de compreensão e interpretação da leitura feita. A leitura dirigida é, portanto, indispensável às ações interdisciplinares, pois ela é feita segundo Paulo Freire (1998) Primeiro de mundo, depois de símbolos, códigos e letras. Nesse sentido, possibilita olhares diferentes sobre as mesmas informações.

11 6. Aprender a fazer a prática pedagógica a partir do plano de aula interdisciplinar com o uso do livro paradidático Entre os temas atuais bastante discutidos por educadores e pesquisadores da área de Educação destaca-se a utilização de novas metodologias e estratégias de ensino que podem ser praticadas nas salas de aula, tendo em vista a necessidade de se aprimorar o processo de aprendizagem. Diversificar as fontes utilizadas em sala de aula tem sido o grande desafio de professores(...) na atualidade. Isso implica superar a relação de submissão e não ceder a sedução fácil e exclusiva do livro didático. Requer uma postura de crítica frente ao conteúdo veiculado. Felizmente, há, hoje, inúmeras possibilidades de se produzir trabalhos pedagógicos criativos e significativos. (FONSECA, p.43-44) A discussão acerca da utilização dos chamados paradidáticos na sala de aula tem permeado os debates entre os profissionais da docência, nas academias e instituições educacionais em todo mundo. Já é consenso a importância capital dos paradidáticos enquanto ferramenta educacional. O interesse por esse temática surgiu a partir da observação do uso desse material, muitas vezes de forma estanque e descontextualizada, em algumas escolas. Como o objetivo do livro paradidático (ou pelo menos deveria ser) é integrar as discussões em sala com assuntos do cotidiano a fim de ampliar o leque de conhecimento de mundo, não pode ser trabalhado apenas no dia da avaliação como algo frio e desconectado ao conteúdo que está atrelado ao planejamento. Com esse tipo de procedimento, o aluno perde o interesse pela leitura do material, uma vez que não vê aplicabilidade alguma com o conteúdo visto. A falta de interesse pela leitura cresce e o aluno não entende o nexo entre a matéria e a leitura de um livro que nem foi citado em sala, apenas consta na lista de material. Sem um planejamento adequado, o paradidático, em algumas escolas, não é trabalhado a contento. Muitas vezes, é esquecido nas prateleiras das escolas sem o tratamento devido, na maioria das vezes pela ausência de projetos para sua utilização.

12 Freire (1986) já afirmava que só se aprende ler, lendo, assim, como só se aprende escrever, escrevendo. É acreditando neste princípio e entendendo a leitura como imprescindível para preparar o educando para o exercício da cidadania, que se justificam as atividades interdisciplinares aqui propostas. Entende-se ainda que isto só é possível quando a escola dispõe de bons livros paradidáticos de apoio facilitando assim o processo de ensino e aprendizagem, aliado a isto um planejamento consistente de sua utilização Os textos paradidáticos se diferem dos textos didáticos, mecânicos, frios e muitas vezes descontextualizados, fragmentados por natureza, tradicionalmente utilizados pelos professores. Estabelecendo relações entre vários assuntos, os textos paradidáticos, articulam-se de modo a oferecer condições para que os mesmos sejam trabalhados de forma desfragmentada, viabilizando ainda a interdisciplinaridade, o que permeia o diálogo entre conteúdos de várias disciplinas, como afirma Bittencourt (2004): Essa relação é dialógica fornece as premissas para que se façam comentários. (...) tem o objetivo não apenas de desenvolver o gosto pela leitura entre os alunos, mas também fornecer condições de análises mais profundas para o estabelecimento de relações entre conteúdo e forma. Contudo, se por um lado o texto paradidático é uma ferramenta didática que pode contribuir sensivelmente para a ampliação conceitual do aluno, por outro lado, o processo envolvendo o trabalho didático em sala de aula requer uma adequação metodológica por parte do professor, na medida em que difere consideravelmente das aulas tradicionais. O professor, ao utilizar os textos alternativos no cotidiano escolar, deve entender que: (...) os conhecimentos produzidos pelo homem, ao longo da história, não podem ser fragmentados, sob pena de descaracterizar o próprio processo de produção. Orienta-nos, assim, o pressuposto de que embora cada uma das áreas (língua portuguesa,matemática, ciências naturais e ciências sociais) tenha uma especificidade, elas se articulam e se organizam no todo. ( KRAMER,1991 p. 30 ). Nesta perspectiva a ação pedagógica deve, então, reconhecer esse caráter de totalidade, percebendo que a fragmentação dos conteúdos é uma estratégia didática que não corresponde ao processo vivido pelas crianças (e pelos adultos) na construção de seus conhecimentos. Essa visão de

13 totalidade exige, portanto, um trabalho planejado, intencional envolvendo professores e os. É, portanto, no sentido de criar situações geradoras, espaços de superação e a possibilidade de realização de um novo fazer pedagógico, á partir da formação do futuro professor, que se constitui o objetivo maior deste projeto. METODOLOGIA Os caminhos pedagógicos a serem percorridos na realização deste projeto didático interdisciplinar serão os descritos abaixo: Leitura dirigida dos PCNs em sala de aula; Oficina de vídeo (sábado letivo) no laboratório de informática; Pesquisa na internet sobre figuras/músicas para montagem do vídeo no laboratório de informática; Estudo do texto: O Desafio de Educar pela Pesquisa na Educação básica (Fichamentos) Socialização da leitura do texto O Desafio... e entrega dos fichamentos do texto lido; Texto da disciplina; Oficina Projeto de pesquisa. Serão elaborados 12 projetos sendo 3 relacionados a cada disciplina em estudo (Tema Problema Perguntas Norteadoras ) Veríssima vídeo sala de vídeo; Regina discussão das temáticas apresentadas no vídeo relacionando as imagens do vídeo e a nossa realidade e Zélia e Valdenice iniciar a construção do projeto elaborando o problema; (sábado letivo) Oficina de projeto - (Objetivos Justificativa Fundamentação Teórica); Leitura da primeira parte dos 12 projetos em sala de aula (apresentação em power point); Plano de aula interdisciplinar (trabalhar tipologia de conteúdos) Oficina Pedagógica (Cida e Conceição roteiro para plano de aula igual ao do estágio); Plano de aula interdisciplinar (a partir da escolha de um paradidático); Elaboração/correção do plano de aula interdisciplinar; Socialização do plano de aula e planejamento do recurso didático Oficina Pedagógica (Cida e Conceição);

14 Leitura de a Obra Saber Cuidar... (cada grupo lê um capítulo ESCOLHER 4 CAPÍTULOS em sala de aula e sistematiza para postar no fórum); Cadastro e postagem no fórum (postar os 4 CAPÍTULOS, e comentar o trabalho de 3 grupos, porque não é necessário comentar o trabalho do seu grupo); Sábado letivo: Oficina de projetos (metodologia); Projeto de pesquisa socialização da metodologia em power point (12 PROJETOS); Projeto de pesquisa elaborar os instrumentos de pesquisa; Construção do recurso didático Oficina Pedagógica (Cida e Conceição e Josa); Texto da disciplina; Sábado letivo: Projeto de Pesquisa - orientação; JAFEST Texto da disciplina; Orientação do projeto de pesquisa; Apresentação dos resultados da Pesquisa de Campo (12 projetos três de cada disciplina); Auto avaliação do projeto didático interdisciplinar CRONOGRAMA AÇÕES fevereiro março abril maio junho Leitura dirigida dos PCNs em sala de aula Oficina de vídeo (sábado letivo) Pesquisa na internet sobre figuras/músicas para montagem do vídeo. Texto: O Desafio de Educar pela Pesquisa na Educação Básica. Socialização da leitura do texto O Desafio... e X

15 entrega dos fichamentos do texto lido Aula da disciplina Aula da disciplina Oficina Projeto de pesquisa. Oficina de projeto (sábado letivo) Leitura da primeira parte dos 12 projetos em sala de aula (apresentação em power point) Plano de aula interdisciplinar (trabalhar tipologia de conteúdos) na OFICINA PEDAGÓGICA (Cida e Conceição roteiro para plano de aula igual ao do estágio) Plano de aula interdisciplinar ( a partir da escolha de um paradidático) Elaboração/correção do plano de aula interdisciplinar Socialização do plano de aula e planejamento do recurso didático Leitura de a Obra Saber Cuidar Cadastro e postagem no fórum Oficina de projetos (metodologia) Projeto de pesquisa socialização da metodologia em power point Projeto de pesquisa elaborar os instrumentos de pesquisa X X Construção do recurso didático Aula da disciplina Projeto de Pesquisa - ORIENTAÇÃO JAFEST (Amostra de vídeos sobre os PCNs) Textos da disciplina Orientação do projeto de pesquisa Apresentação dos resultados da Pesquisa de Campo (12 projetos três de cada disciplina) Conteúdos de cada disciplina PROVÃO Reposição de nota Auto avaliação do projeto didático interdisciplinar X X RECURSOS RECURSO PARCERIA

16 Livros Data Show Som Material alternativo Cd/Dvd Computadores com internet Televisão Material escolar Xérox Biblioteca Sala dos recursos tecnológicos Sala dos recursos tecnológicos Oficina Pedagógica Aluno Laboratório de informática Sala de multimídia Aluno Aluno CONSIDERAÇÕES FINAIS As disciplinas Fundamentos Teóricos Metodológicos devem dar sustentação ao fazer pedagógico dos alunos do Curso de Pedagogia considerando que elas viabilizam conhecer teoricamente a disciplina em estudo como também a aplicabilidade dos saberes construídos no fazer cotidiário do professor quando no exercício de sua profissão. Neste contexto a interdisciplinaridade torna-se uma ação que possibilita a construção permanente de processos eficazes para aquisição dos saberes vista como necessária de antemão na prática do professor, possibilitando ao aluno perceber a viabilidade e relevância desta prática na academia para dessa forma ele atuar profissionalmente nas salas de aula ou em qualquer outro espaço profissional em que estiver atuando. Por fim é interessante conceber que a interdisciplinaridade não se aplica somente no campo da educação escolar, mas pode ser operacionalizada em qual quer ação, pois ela é um viver daquilo que quero que outras pessoas também vivam, é partilha, soma, escuta enfim resume-se em aprender a fazer o que já se sabe teoricamente.

17 REFERÊNCIAS BELLONI, Maria Luiza. Educação à distância. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, ( Coleção docência em formação. Série ensino fundamental) BOFF, Leonardo. Saber Cuidar: ética do humano compaixão pela terra. 10ª ed.petrópolis-rj: Vozes, BORIM, Julia. Jogos e Resolução de Problemas: Uma estratégia para as aulas de matemática. IME-USP, São Paulo, BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais Brasília:MEC/SEF,2001. CAMPOS, Maria Cristina da Cunha e NIGRO, Rogério Gonçalves (Org). Didática de ciências: o ensino aprendizagem como investigação. São Paulo. FTD, CARLINI, A. L. Procedimentos de ensino: escolher e decidir. In: Marta Scarpato. (Org.). Os procedimentos de ensino fazem a aula acontecer. São Paulo: Avercamp, 2004, v., p Decreto 5.622, de Disponível em acessado em 19/01/2011 DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. Campinas-SP: Autores Associados, Pesquisa: princípio científico e educativo. 12 ed. São Paulo: Cortez, DELIZOICOV, Demétrio et al.ensino de ciências: fundamentos e métodos. Docência em formação no ensino fundamental. 2 ed. São Paulo: Cortez, FAZENDA, Ivani (Org). Práticas interdisciplinares na escola. São Paulo: Cortez, FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1987.

18 . Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, (coleção Leitura) FONSECA, Selva Guimarães. Livro Didático de História e Geografia: abolir, complementar ou diversificar? Ensino em Revista, 7, jul.98\ jun.99 KRAMER, Sonia (coord.). Com a pré-escola nas mãos. Uma alternativa curricular para a educação infantil. São Paulo: Ática, LORENZATO, S. O Laboratório de Ensino de Matemática na formação de professores. 1. ed, Campinas-SP: Autores Associados, MOURA, D. G. de. BARBOSA, E. F. Trabalhando com projetos: planejamento e gestão de projetos educacionais. Petrópolis RJ: Vozes, NETO, Ernesto Rosa. Didática da Matemática. São Paulo: Ática, VARGAS, Suzana. Leitura: uma aprendizagem de prazer. 6ª Ed. Rio de Janeiro: José Olympio, WEISZ, T. O Diálogo entre o Ensino e a Aprendizagem. São Paulo: Ática, 1999.

19 APÊNDICES

20 APÊNDICE 01 - Ficha de Leitura para os PCNs ATIVIDADE AVALIATIVA INTERDISCIPLINAR - PCNs Fundamentos Teóricos Metodológicos das Ciências, Geografia, Matemática e História Acadêmico(a): Leia em grupo os PCNS - Parâmetros Curriculares Nacionais e responda o formulário abaixo: Obra: Data / / Historicidade da disciplina 2.Avaliação 3. Objetivo Geral da obra 4. Blocos Temáticos do 1º e 2º ciclo ( 1ª a 4ª série):,, 5. Conteúdos do 1º ciclo: 5.1. Ambiente 5.2. Ser Humano e Saúde 5.3. Recursos Tecnológicos _ 6. Conteúdos do 2º ciclo: 6.1. Ambiente 6.2. Ser Humano e Saúde 6.3. Recursos Tecnológicos _ 7. Orientações Didáticas:

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnologia em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador:

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: São Luis 2015 (TÍTULO DO PROJETO) (NOME DO ALUNO) Projeto de Pesquisa do Programa

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Colégio Cenecista Dr. José Ferreira QUADRINHOS NA CIÊNCIAS Área de Concentração: Ciências Naturais Disciplina de Concentração: Ciências Professores: Maria José Lima, Polyana Noronha e Thaianne Lopes Uberaba

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. A Universidade e a Comunidade de Mãos Dadas

Mostra de Projetos 2011. A Universidade e a Comunidade de Mãos Dadas Mostra de Projetos 2011 A Universidade e a Comunidade de Mãos Dadas Mostra Local de: Arapongas. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: (campo

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA Tema debatido na série Integração de tecnologias, linguagens e representações, apresentado no programa Salto para o Futuro/TV Escola, de 2 a 6 de maio de 2005 (Programa 1) INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Ensinar e aprender História - JP0038 PROFESSORA: Dra. Hilda Jaqueline de Fraga I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária 75h II EMENTA Concepções e temas recorrentes no

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

Universidade Estadual De Londrina

Universidade Estadual De Londrina Universidade Estadual De Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO PEDAGOGIA LONDRINA 2009 2 REITOR WILMAR SACHETIN MARÇAL

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Como desenvolver projetos

Como desenvolver projetos 1 Coletânea de Projetos Educação de Jovens e Adultos Como desenvolver projetos No 1º semestre de 2007, os calendários da Educação de Jovens e Adultos - Ensino Fundamental e Ensino Médio passaram a contemplar

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( X ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( X ) Presencial

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

Elaboração e Gestão de Projetos Educacionais

Elaboração e Gestão de Projetos Educacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB CURSO DE PEDAGOGIA Elaboração e Gestão de Projetos Educacionais Profa. Aline Sobrinho Fevereiro/2014 Por que trabalhar com projetos?

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE 1. APRESENTAÇÃO Este Projeto de Incentivo a Leitura "Minha Escola Lê", será desenvolvido nas unidades escolares que

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE ROLIM DE MOURA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE ROLIM DE MOURA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE ROLIM DE MOURA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA PROGRAMA GERAL DO CURSO 1 I IDENTIFICAÇÃO DO COMPONENTE CURRICULAR

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES Morilo Aquino Delevati 1 Vanessa Lopes da Silva 2 Leandro Marcon Frigo 3 Resumo: A elaboração de oficinas está incorporada à formação inicial e continuada

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 8º Semanal Mensal 9 36

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 8º Semanal Mensal 9 36 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 8º Semanal Mensal 9 36 Nome da Disciplina Estágio em Gestão Educacional II Curso Pedagogia Estágio em Gestão Educacional I Orientação individual e grupal

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA

PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA GUARUJÁ 2013 PROJETO INTERDISCIPLINAR/PEDAGOGIA 1 OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS Levando-se em consideração que: 1. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (n

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 VIERO, Lia Margot Dornelles 2 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Geografia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil E-mail:

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Facinor- Faculdade

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (937Q)

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (937Q) REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (937Q) ENGENHARIA CIVIL GOIÂNIA/GO 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES As Atividades Complementares são componentes curriculares enriquecedores e complementadores do

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ TEMA PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES Educação para a Paz Aplicadores:

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Vivência da docência em instituições de Educação Infantil. Articulação do conhecimento teórico à prática pedagógica. Vivência das rotinas de cuidado e educação na Educação Infantil. Planejamento

Leia mais