Universidade Federal da Bahia Faculdade de Farmácia Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos Mestrado em Ciência de Alimentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal da Bahia Faculdade de Farmácia Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos Mestrado em Ciência de Alimentos"

Transcrição

1 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Farmácia Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos Mestrado em Ciência de Alimentos FORMULAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E EFICÁCIA ANTIOXIDANTE DE FILMES BIODEGRADÁVEIS ATIVOS A BASE DE QUITOSANA, GLICEROL E ADITIVOS NATURAIS MARIA CECÍLIA CASTELO BRANCO DE SANTANA Salvador

2 MARIA CECÍLIA CASTELO BRANCO DE SANTANA FORMULAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E EFICÁCIA ANTIOXIDANTE DE FILMES BIODEGRADÁVEIS ATIVOS A BASE DE QUITOSANA, GLICEROL E ADITIVOS NATURAIS Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Ciência de Alimentos, Faculdade de Farmácia, Universidade Federal da Bahia, como requisito para a obtenção do grau de Mestre em Ciência de Alimentos. Orientadora: Professora Dra. Janice Izabel Druzian Co-orientação: Professor Dr. Renato Souza Cruz Salvador

3 TERMO DE APROVAÇÃO MARIA CECÍLIA CASTELO BRANCO DE SANTANA FORMULAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E EFICÁCIA ANTIOXIDANTE DE FILMES BIODEGRADÁVEIS ATIVOS A BASE DE QUITOSANA, GLICEROL E ADITIVOS NATURAIS DISSERTAÇÃO APROVADA COMO REQUISITO PARCIAL PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIA DE ALIMENTOS, UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA, PELA SEGUINTE BANCA EXAMINADORA: Prof.ª Dr.ª Itaciara Larroza Nunes Doutora em Ciência de Alimentos (UNICAMP) Universidade Federal da Bahia (UFBA) Prof. Dr. Giovani Brandão Mafra de Carvalho Pós-Doutorado (UNICAMP), Doutor em Biotecnologia Industrial (USP Lorena) Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) Prof.ª Dr.ª. Janice Izabel Druzian Orientadora Doutora em Ciências de Alimentos (UNICAMP) Universidade Federal da Bahia (UFBA) Salvador, 26 de abril de

4 Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; todavia eu me alegrarei no SENHOR; exultarei no Deus da minha salvação. Habacuque, 3:17-18 O rio chega ao mar porque sabe contornar os obstáculos. Lao Tse 4

5 DEDICATÓRIA Este trabalho é dedicado aos meus preciosos pais Rosalvo (in memorian) e Margarida, cujos exemplos de vida são o lastro da minha existência. Meu pai pela garra e honestidade. Minha mãe, pela sabedoria e amor incondicional. Ao meu avô materno, Admir Castelo Branco, por sempre incentivar os meus estudos. Às minhas irmãs Fabiana, Fernanda e Rosana pelo eterno elo de amor e alegria. Aos meus sobrinhos, Mateus e Gabriel, por me fazerem sentir algo inexplicável toda vez que me lembro de suas existências. 5

6 AGRADECIMENTOS Agradecer... Talvez este seja um dos maiores desafios deste trabalho! Como é importante reconhecer o apoio das pessoas para se alcançar qualquer que seja o objetivo. Acima de tudo, agradecer a Deus. A Ele, toda Honra, todo Louvor, toda Glória. Obrigada Senhor, por me guiar em todas as etapas deste Mestrado, me enchendo de forças quando achava que não ia conseguir; abrindo as portas, quando elas pareciam estar fechadas colocando pessoas tão especiais em meu caminho, me protegendo tantas vezes nesta BR contra adversidades... Te amo, Meu Senhor. À minha orientadora, Professora Drª. Janice Druzian, exemplo de profissional dedicada e competente. Verdadeiro exemplo de batalha e superação, dia a dia, levando o nome da Universidade Federal da Bahia a lugares de destaque e louvor. Obrigada, porque além de ensinamentos científicos, a senhora demonstrou que acreditando nas pessoas comprometidas é possível se realizar sonhos. Ao meu co-orientador Dr. Renato Cruz, que além de profissional excepcional (todas as homenagens e prêmios que recebe já destacam isso) é uma pessoa maravilhosa (todos os alunos e colegas da nossa estimada Universidade Estadual de Feira de Santana e de outras universidades também, inclusive a UFBA, concordam comigo). Aos meus pais, por todo esforço que fizeram para me dar educação de qualidade. Obrigada principalmente a minha mãe, por nunca deixar de se sacrificar para me ajudar. Meu amor por ti mainha, é eterno. Às minhas irmãs por todo carinho e atenção; Rosana obrigada pela força com a empresa, enquanto estava escrevendo este trabalho, jamais esquecerei. Aos meus cunhados, Evandro, Wilson e Luciano, principalmente a Lu, pelo apoio científico concedido. À minha querida amiga Bruna Machado. Não tenho palavras para agradecer todo o seu apoio. Jamais esquecerei que você me acolheu em sua casa no momento decisivo deste Mestrado. 6

7 Disso, nasceu uma grande amizade e da minha parte também eterna, conte comigo para o que você precisar. Estendo o agradecimento a João, seu esposo. Letícia Reis, minha amiga, você compartilhou todas as suas dificuldades e facilitou meu caminhar com a sua própria experiência. Muito Obrigada Leti, por ser assim tão humilde e ter um coração tão bom. Aos meus colegas e amigos da UEFS que toparam este desafio comigo, Antônia, Priscilla e Andson. A companhia de vocês tornou as minhas viagens diárias menos cansativas. Como excelentes profissionais que são, sei que um futuro brilhante os espera. Às professoras Cristina Silva e Elisa Teshima, minhas eternas mestras. A todos os colegas e amigos da UFBA, pessoas que só acrescentaram a minha existência. Agradeço a Carolina Souza, que não negou seu tempo, nem conhecimentos para me auxiliar. À Ingrid Ramos pelas análises termogravimétricas realizadas. E a toda equipe do LAPESCA por terem me acolhido tão bem, pelos momentos de amizade e conhecimentos compartilhados. Às estagiárias Tamara, pois sem vocês com certeza não seria possível. E também pela amizade que desenvolvemos e que quero levar para o resto da vida, viu? À UFBA por abrir suas portas para realização do mestrado e ao Departamento de Análises Bromatológicas da Faculdade de Farmácia por disponibilizar tudo o necessário para a realização desta pesquisa. À professora Drª. Alaíse Gil Guimarães por sempre dar o seu melhor pelo desenvolvimento de nossas atividades. À Prof.ª Dr.ª Itaciara Larroza pela competência, simpatia e disponibilidade. À CAPES pelo apoio financeiro tão fundamental. Muito obrigada! 7

8 ÍNDICE Introdução Geral...17 Referências...19 Objetivos...21 Objetivo geral...21 Objetivos específicos...21 Capítulo I...22 Revisão Bibliográfica Embalagens Embalagens Ativas Embalagens Biodegradáveis Quitosana Antioxidantes Azeite de dendê Urucum Plastificantes Caracterização de filmes biodegradáveis: análises colorimétricas e termogravimetria Espessura, Atividade de água e Propriedades de barreira Propriedades Mecânicas...48 Referências Bibliográficas CapítuloII Tendências Tecnológicas do biopolímero Quitosana e de filmes elaborados a partir desta matriz através da prospecção em base de patentes Introdução Aspectos metodológicos Resultados e Discussão Pesquisa dos documentos de patentes Objetos das patentes depositadas Instituições de depósitos Países detentores da tecnologia Patentes depositadas ao longo dos anos

9 4.0 Conclusões...71 Referências...72 Capítulo III Desenvolvimento e caracterização dos filmes biodegradáveis a base de quitosana plastificados com glicerol e incorporados de urucum e azeite de dendê Introdução Material e Métodos Material Elaboração de Filmes Biodegradáveis Técnicas de Caracterização dos Filmes Propriedades ópticas: análise colorimétrica Espessura Teores de Sólidos Totais Atividade de água (aw) Umidade Taxa de Permeabilidade ao vapor de água Ensaios de Tração Propriedade térmica: Análise termogravimétrica Solubilidade dos filmes Avaliação da biodegradabilidade Preparo do solo Teste de Biodegradabilidade Análise Estatística Resultados e Discussão Caracterização dos filmes de quitosana plastificados com glicerol incorporados com urucum e azeite de dendê Propriedades ópticas: análise colorimétrica Propriedades de barreira dos filmes Propriedades mecânicas dos filmes Análise termogravimétrica (TGA) Solubilidade dos filmes Avaliação da biodegradabilidade dos filmes Conclusões Referências Bibliográficas

10 Capítulo IV Desenvolvimento e avaliação da eficácia de filmes biodegradáveis a base de quitosana plastificados com glicerol e incorporados com urucum e azeite de dendê como aditivos antioxidantes Introdução Material e Métodos Material Resultados e Discussão Conclusões Referencias Considerações Finais Anexo I

11 LISTA DE FIGURAS Capítulo I Figura 1. Participação de cada segmento na indústria de embalagem. Figura 2. Distribuição em Aplicações de PEBD Figura 3. Representação esquemática da estrutura primária da quitosana, sendo n o grau de polimerização. Figura 4. Ciclo de vida da quitosana Figura 5. Uso da quitosana no ramo alimentício. Figura 6. Estrutura da bixina e norbixina Capítulo II Figura 1: Distribuição de patentes de acordo com critério processo x produto. Figura 2: Distribuição de patentes conforme área de aplicação destas. Figura 3: Distribuição das patentes de acordo com as instituições de depósitos. Figura 4: Distribuição de patentes de acordo com países detentores da tecnologia Figura 5 - Número de patentes ao longo dos anos. Capítulo II Figura 1. Ilustração das 27 formulações elaboradas dos filmes de quitosana incorporados com glicerol e incorporados de azeite de dendê Figura 2. Gráfico de Pareto para o parâmetro L* dos filmes. Figura 3. Superfícies de resposta evidenciando as interações das variáveis (a) quitosana x glicerol; (b) quitosana x urucum e (c) urucum x azeite de dendê Figura 4. Gráfico de Pareto para parâmetro a* dos filmes de quitosana. Figura 5. Interações da variável urucum com as variáveis (a) glicerol; (b) quitosana e (c) dendê. Figura 6. Gráfico de Pareto referente ao parâmetro b*. 11

12 Figura 7. Interações da variável azeite de dendê co as variáveis (a) quitosana; (b) glicerol; (c) urucum Figura 8. Gráfico de Pareto das análises de espessura dos filmes. Figura 9. Gráfico de Pareto das análises de sólidos totais dos filmes. Figura 10. Gráficos de Pareto para as variáveis dependentes umidade (U) e atividade de água (aw). Figura 11. Gráfico de Pareto para análise de permeabilidade ao vapor d água. Figura 12. Superfícies de resposta geradas para as interações das variáveis independentes sobre as variáveis dependentes: sólidos totais (ST), umidade (U), atividade de água (aw) e permeabilidade ao vapor de água (PVDA) para as 27 formulações de filmes. Figura 13. Comportamento do módulo de Young (E - MPa) e deformação (ε - %) das diferentes formulações dos filmes de quitosana. Figura 14. Gráfico de Pareto para o parâmetro Módulo de Young (E) dos filmes Figura 15. Gráfico de Pareto avaliando o parâmetro Deformação (em %) para os filmes de quitosana Figura 16. Tensão de ruptura das 27 formulações dos filmes de quitosana avaliada no teste de tração. Figura 17. Gráfico de Pareto do parâmetro Tensão para filmes de quitosana Figura 18. Comparação dos gráficos do Módulo de Young (E) e da tensão de ruptura dos filmes de quitosana gerados pelo teste de tração (valores em MPA). Figura 19: (a)- Curvas de TGA das formulações F17, F18 e F19. (b)- Curvas de DTG das formulações F17, F18 e F19. Figura 20. Amostras em solo preparado para análise da Biodegradabilidade 12

13 LISTA DE TABELAS Capítulo III Tabela 1. Valores codificados e reais do delineamento estatístico das variáveis independentes: Quitosana (% m/m; X 1 ), glicerol (% m/m; X 2 ), urucum (% m/m; X 3 ), azeite de dendê (% m/m; X 4 ). Tabela 2. Parâmetros de cor dos filmes de quitosana plastificados com glicerol e incorporados de urucum e azeite de dendê. Tabela 3. Médias (± desvio padrão) das análises de caracterização das formulações dos filmes. E (espessura - mm); aw (atividade de água); ST (sólidos totais - %); Umidade (%) e PVDA, (permeabilidade ao vapor de água - gh 2 O.µm/m 2.h.mmHg). Tabela 4. Equações do modelo e R 2 (coeficiente de determinação) para Sólidos Totais (ST, %), Umidade (U, %), Atividade de Água (AW), Permeabilidade ao vapor de água (PVDA, gh 2 O.µm/m 2.h.mmHg) dos filmes, X 1 = Quitosana, X 2 = Glicerol, X 3 = Urucum e X 4 = Azeite de dendê. Tabela 5. Médias (± desvio padrão) das análises de propriedades mecânicas das diferentes formulações. E (Módulo de Young); σ (tensão máxima); ε (Deformação). Tabela 6. Equações do modelo e R 2 (coeficiente de determinação) para Moúdulo de Young (E, MPa), Tensão(σ, MPa) e Deformação (ε, %) dos filmes, X 1 = Quitosana, X 2 = Glicerol, X 3 = Urucum e X 4 = Azeite de dendê. Tabela 7. Comportamento termogravimétrico dos filmes de quitosana plastificados com glicerol e incorporados de urucum e azeite de dendê. Tabela 8: Solubilidade das amostras selecionadas dos filmes de quitosana plastificados com glicerol e incorporados de urucum e azeite de dendê. Tabela 9. Valores de perda de massa das formulações de filmes selecionados durante o teste de biodegradabilidade de 17 semanas. 13

14 Resumo Cada vez mais pesquisas apontam no sentido da substituição dos plásticos convencionais por polímeros biodegradáveis para uso como embalagens e que podem ser também ativas, interagindo com o alimento e aumentando a sua vida de prateleira. Entre os diversos tipos de embalagens ativas, as antioxidantes, que retardam a oxidação lipídica dos produtos embalados, são de grande importância para a indústria, principalmente do ramo alimentício e farmacêutico. O objetivo deste trabalho foi desenvolver, caracterizar e avaliar a biodegradabilidade dos filmes ativos utilizando a quitosana como matriz, glicerol como plastificante e corante urucum e azeite de dendê como aditivos ativos, assim como comprovar sua eficácia antioxidante como embalagem. Os filmes foram elaborados pelo processo de casting, tendo como formulação base uma solução filmogênica contendo solução de ácido acético (1%), quitosana (0,5% a 2,5%) e aditivos antioxidantes: urucum (0 a 1,0%) e azeite de dendê (0 a 0,5%), seguindo delineamento estatístico de superfície de resposta, com um modelo de ordem (2 4 ) contendo 4 pontos axiais, 4 pontos ortogonais e 3 pontos centrais, totalizando 27 formulações. A análise da cor dos filmes biodegradáveis foi feita por absorbância em espectrofotômetro UV/VIS. O parâmetro Luminosidade (L*) e a* variaram de 23,48 a 83,30 e -0,63 a 40,51 respectivamente e a concentração de urucum foi a variável que mais exerceu influência significativa (p<0,01). Para o parâmetro b* (variação de 31,33 a 94,22) a maior influência foi exercida pela concentração de azeite de dendê. A espessura dos filmes variou de 0,0364 a 0,0858 mm, sendo o teor de quitosana a variável que mais afeta esta propriedade.o glicerol foi a variável que mais influenciou nos Sólidos Totais (69,58% a 83,97%) como também na Umidade (16,03 a 30,42%) e na Atividade de água (0,565 a 0,661), aumentando a hidrofilicidade dos filmes ativos biodegradáveis. A permeabilidade ao vapor d'água (1,25x10-6 a 8,41x10-6 gh 2 O.µm/m 2.h.mmHg) melhorou devido ao filme ser emulsionado com composto hidrofóbico (presença de lipídio em sua formulação) o que diminuiu a afinidade pela água levando a modificação da estrutura filmogênica. Em relação às propriedades mecânicas, o módulo de Young (E) (157,86±0,15 a 704,0 MPa) foi influenciado pelo teor de quitosana. Quanto maior a percentagem da matriz, mais resistente se apresenta o filme sendo necessária maior força para rompê-los. A deformação (16,1 a 39%.) foi aumentando com a inserção de plastificante aos filmes. Em nível de tensão (3,69 a 28,90 MPa) gerada nos filmes a variação o teor de glicerol influencia negativamente neste parâmetro. Através da análise termogravimétrica das 3 formulações escolhidas (F17, F18 e F19) constata-se a presença de 5 eventos distintos para formulação F17, 4 eventos para F18 e 3 para formulação F19, cada estágio apresenta degradação de determinado componente a depender da temperatura em que ocorre. A avaliação da biodegradabilidade mostrou uma degradação de até 80% de perda de massa em 17 semanas de análise. A atividade antioxidante do aditivo urucum foi comprovada através das análises de fenóis totais das embalagens biodegradáveis e dos índices de peróxido do azeite de dendê embalado pelas formulações selecionadas no decorrer de 45 dias. Conclui-se que foi obtido um filme biodegradável de quitosana que teve as propriedades de barreira e mecânicas melhoradas pela adição do plastificante glicerol, urucum e emulsionado com azeite de dendê com propriedades antioxidantes que visam aumentar a vida de prateleira do produto embalado, de forma sustentável. Palavras-chave: filmes biodegradáveis, embalagens ativas, quitosana, glicerol, antioxidante, urucum, azeite de dendê. 14

15 Abstract Increasingly search point to the replacement of conventional plastics biodegradable polymers for use as packaging, but can also be active, interacting with the food and increasing shelf life. Among the various types of active packaging, the antioxidants, which slow down lipid oxidation of the packed products are of great importance to the industry, especially of food and pharmaceutical industry. The objective of this study was to develop, characterize and evaluate the biodegradability of active films using chitosan as matrix, glycerol as a plasticizer and dye annatto and palm oil as active additives, and confirm its effectiveness as an antioxidant package. The films were prepared by casting process, with the formulation based on a film solution containing acetic acid (1%), chitosan (0.5% to 2.5%) and antioxidant additives, annatto (0 to 1.0% ) and palm oil (0 to 0.5%), followed by statistical design of response surface, with a model of order (24) containing four axial points, four points and three orthogonal central points, totaling 27 formulations. The color analysis of the biodegradable films was made by UV absorbance in a spectrophotometer / VIS. Parameter Luminosity (L*) and a* ranged from to and respectively to and the concentration of annatto was the variable that most significantly influence (p <0.01). For the parameter b* (range to 94.22) was the major influence exerted by the concentration of palm oil. The thickness of the films ranged from to mm, and the content of chitosan the variable that most affects this propriedade. O glycerol was the variable that most influenced the Total Solids (69.58% to 83.97%) as well as the humidity (16.03 to 30.42%) and water activity (0.565 to 0.661), increasing the hydrophilicity of active biodegradable films. The water vapor permeability ( to gh2o.μm/m2.h.mmhg) improved due to the film to be emulsified hydrophobic compound (presence of lipid in their formulation) that decreased affinity for water leading to changes in the structure filmogenic. Regarding the mechanical properties, the Young's modulus (E) ( ± 0.15 to MPa) was influenced by the content of chitosan. The higher the percentage of the matrix is more resistant film introduced requiring more force to break them. The deformation (16.1 to 39%.) Was increased with the inclusion of plasticizer to the movies. In voltage level (3.69 to MPa) generated in the films the variation of glycerol content negatively influences this parameter. Through the thermogravimetric analysis of the three formulations selected (F17, F18 and F19) there is the presence of 5 different events to formulate F17, F18 four events to 3 for formulation and F19, each stage has the particular component degradation depend on temperature in occurring. The evaluation of the biodegradability showed a degradation of up to 80% weight loss at 17 weeks of analysis. The antioxidant activity of the additive annatto was confirmed by analysis of total phenols of biodegradable packaging and peroxide value of palm oil packed by selected formulations over 45 days. It was obtained that a biodegradable film of chitosan had barrier properties and mechanical properties improved by the addition of the plasticizer glycerol, annatto and emulsified with palm oil with antioxidant properties that aim to increase the shelf life of packaged product, sustainably. Keywords: biodegradable films, active packaging, chitosan, glycerol, antioxidant, annatto, palm oil. 15

16 INTRODUÇÃO GERAL 16

17 Introdução Geral Nos últimos anos, em virtude do impacto ambiental, tem crescido o interesse em substituir os polímeros sintéticos, que hoje são muito utilizados como material de embalagem, por materiais biodegradáveis. O crescente interesse em melhorar a qualidade do meio ambiente, aliado ao acúmulo de lixo não biodegradável, tem incentivado pesquisas em todo o mundo no sentido de incrementar e desenvolver embalagens biodegradáveis provindas de fontes renováveis. As macromoléculas biológicas mais estudadas para este fim são as proteínas e os polissacarídeos, polímeros capazes de formar matrizes contínuas e, que através de diversas técnicas de produção, podem ser transformados em filmes e revestimentos comestíveis e/ou biodegradáveis (MALI; GROSSMANN, 2003). As embalagens são utilizadas para estender o armazenamento dos produtos embalados conferindo proteção mecânica, química e biológica. No entanto, na tentativa de satisfazer consumidores cada vez mais exigentes, têm sido desenvolvidos materiais inovadores, como as embalagens ativas, que além de proteger, como as embalagens convencionais, interagem com o produto embalado, (ROONEY, 1995; HOTCHKISS, 1997; VERMEIREN et al., 1999), trazendo benefícios extras. A quitosana caracteriza-se por ser de origem renovável, biodegradável e ter a capacidade de formar filmes resistentes, flexíveis, de difícil rompimento, além de promover barreira efetiva a oxigênio (JOHN; THOMAS, 2008). Em comparação com filmes poliméricos comerciais, o filme de quitosana apresenta uma eficiente barreira de permeação de gases (PINOTTI et al., 2007). A oxidação lipídica é a principal causa do aparecimento de sabores e odores estranhos em alimentos. Além de promover a redução dos níveis de ácidos graxos essenciais e nutrientes, reduzindo a qualidade do produto e conseqüentemente a sua estabilidade. A oxidação lipídica é uma das reações de degradação mais importantes visto que esta pode ocorrer em alimentos que contenham apenas 1% de gordura. (ORDÓÑEZ et al., 2005). Entre os diversos tipos de embalagens ativas, as antioxidantes, que retardam a oxidação lipídica dos produtos embalados, são de grande importância para a indústria, principalmente do ramo alimentício (BRODY, 2001). Frequentemente são adicionadas, no produto ou na embalagem, substâncias antioxidantes, que são capazes de remover o 17

18 oxigênio do meio ou impedir a reação em cadeia produzida pelos radicais livres formados durante o processo de oxidação. Comumente são utilizados antioxidantes sintéticos dentre os quais, os mais utilizados são o BHA (Butil-hidroxianisol) e BHT (Butil-hidroxitolueno). Atualmente a utilização dos antioxidantes sintéticos tem sido bastante questionada, devido ao aparecimento de diversos estudos que alegam que estes antioxidantes podem promover efeitos tóxicos e carcinogênicos no organismo. Devido a esta grande preocupação com a segurança alimentar da população, tem crescido a busca de produtos naturais que possam servir como fontes de antioxidantes, para substituir os antioxidantes sintéticos (MARTINEZ-TOME et al., 2001; BERNARDO- GIL et al, 2002; RIBEIRO et al., 2001). Os compostos antioxidantes naturais podem ser obtidos de diversas fontes, como flores, folhas, frutos, raízes etc. e incluem flavonóides, carotenóides, ácidos fenólicos e vitaminas (BROINIZI et al., 2007; RIBEIRO et al., 2001). Considerando alguns compostos naturais e comestíveis com atividade antioxidante comprovada, destacam-se os compostos fenólicos, carotenóides e vitamina C (PASSOTO et al., 1998; SUN et al., 2002; MAJO et al., 2005). Os carotenóides possuem mais de 600 variantes estruturais e são encontrados em bactérias, algas, fungos e plantas superiores, em alguns crustáceos e em plumagem de aves. Os carotenóides possuem ligações duplas conjugadas em suas estruturas, atuam como antioxidantes (FILHO et al., 2000; FONTANA et al., 2000). O corante responsável pela coloração do urucum apresenta-se convencionalmente de duas formas: a bixina lipossolúvel e a norbixina, que é hidrossolúvel (YABIKU et al., 1986). Apesar de o urucum ser uma rica fonte de carotenóides, ainda não foi utilizada como aditivo de embalagens biodegradáveis à base de quitosana. A incorporação do azeite de dendê em filmes biodegradáveis a base de amido já foi estudado e obteve-se uma excelente atividade antioxidante devido à presença de carotenóides (GRISI, 2008). A utilização dos filmes como embalagens em alimentos exige que os mesmos possuam adequada barreira a umidade e gases, propriedades mecânicas que garantam a proteção e integridade do produto durante o manuseio, transporte e consumo. A utilização de aditivos na confecção de um filme que além de possuir a característica de biodegradabilidade, e também possuir ação antioxidante, poderia viabilizar a utilização industrial de embalagens que, além do caráter biodegradável e obtidas de fontes renováveis, também são de baixo custo. 18

19 Referências BERNARDO-GIL, M. G.; RIBEIRO, M. A.; ESQUÍVEL, M. M. Produção de extractos para a indústria alimentar: uso de fluidos supercríticos. Boletim de Biotecnologia, v. 73, n. [s/n], p , BRODY, A. L. What s active in Active Packaging. Food Technology, v. 55, n. 9, BROINIZI, P. R. B.; ANDRADE-WARTHA, E. R. S.; SILVA, A. M. O.; NOVOA, A. J. V.; TORRES, R. P.; AZEREDO, H. M. C.; ALVES, R. E.; MANCINI-FILHO, J. Avaliação da atividade antioxidante dos compostos fenólicos naturalmente presentes em subprodutos do pseudofruto de caju (Anacardium occidentale L.). Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.27, n. 4, p , FILHO, A. B. C.; SOUZA, R. J.; BRAZ, L. T.; TAVARES, M. Cúrcuma: planta medicinal, condimentar e de outros usos potenciais. Ciência Rural, v.30, n.1, p , GRISI, C. Utilização de derivados do dendê (elais guineesis jaquim) em embalagens ativas à base de fécula de mandioca com função antioxidante. 2008, 156 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Química) Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia, Salvador BA. FONTANA, J. D.; MENDES, S. V.; PERSIKE, D. S.; PERACETTA, L. F.; PASSOS, M. Carotenóides. Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento, n. 13, p , HOTCHKISS, J. Food packaging interactions influencing quality and safety. Food Additives and Contaminants, v. 14, p , JOHN, M.J., THOMAS, S. Biofibres and biocomposites. Carbohydrate Polymer, v. 71, p , MALI, S.; GROSSMANN, M. V. E. Effects of yam starch films on storability and quality of fresh strawberries. Journal of Agricultural and Food Chemistry,v. 51, n.24, p , MARTINEZ-TOME, M. et al. Antioxidant properties of Mediterranean spices compared with common food additives. Journal of Food Protection, v. 64, n. 9, p , ORDONEZ, J. A. Tecnologia de alimentos: componentes dos alimentos e processos. Porto Alegre: Artmed, p , PASSOTO, J.A.; PENTEADO, M.V.C.; MANCINI-FILHO, J. Activity of β-carotene and vitamin A. A comparative study with synthetic antioxidant. Food Science Technology, v. 18, n. 3, p ,

20 PINOTTI, A., GARCIA, M.A., MARTINO, M.N., ZARITZKY, N.E. Study on microstructure and physical properties of composite films based on chitosan and methylcellulose. Food Hydrocolloids, v.21, n.1, p , ROONEY, M. L. Overview of active food packaging. Active Food Packaging. London: Blackie Academic & Professional. London, UK. p. 1-37, RIBEIRO, M. A.; BERNARDO-GIL, M. G.; ESQUÍVEL, M. M. Melissa officinalis, L.: study of antioxidant activity in supercritical residues. Journal of Supercritical Fluids, v. 21, n. 1, p , VERMEIREN, L.; DEVLIEGHERE, F.; VAN BEEST, M.; KRUIJF, N.; DEBEVERE, J. Development in the active packaging of food. Trends in Food Science & Tecnology, v. 10, n. 3, p , YABIKU, H. Y.; TKAHASHI, Y. M.; CARUSO, F. S. M. Subsídios para o estabelecimento de metodologia para o controle de corantes naturais nos alimentos. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 46, p ,

21 Objetivos Objetivo Geral: Preparar, caracterizar e avaliar a eficácia antioxidante de filmes ativos flexíveis formulados com utilização da quitosana como matriz polimérica biodegradável, com a glicerol como plastificante e urucum e azeite de dendê como aditivos naturais. Objetivos específicos: - Avaliar o panorama mundial da utilização da quitosana, em filmes biodegradáveis na indústria alimentícia através de prospecção tecnológica em documentos de patentes; - Definir metodologia para elaboração dos filmes flexíveis e com propriedades melhoradas, garantindo a produção de um material homogêneo e ativo; - Otimizar a utilização de glicerina purificada como aditivo na formulação de embalagens ativas como plastificante e avaliar seu uso como reforço mecânico quando incorporado ao filme, através das análises mecânicas, como ensaios de tração, elongação, módulo e espessura; - Avaliar a capacidade dos filmes biodegradáveis de quitosana de serem utilizados como embalagens para alimentos, através do monitoramento da espessura, permeabilidade ao vapor d água, colorimetria, atividade de água, umidade, sólidos totais; - Escolher as formulações dos filmes que apresentarem composição de interesse para análise da influência de variáveis independentes e caracterizá-los quanto à: Análise termogravimétrica; Solubilidade; Biodegradabilidade; Atividade antioxidante do urucum, através de análises de vida de prateleira do produto embalado (azeite de dendê), através das análises de Índice de Peróxidos do azeite e Polifenóis Totais da embalagem, em 45 dias de estocagem. 21

22 CAPÍTULO I Revisão Bibliográfica 22

23 1.0 Embalagens O uso de embalagens começou a ser feito pelo homem tão logo este percebeu o valor ou a necessidade da preservação de seus bens. Os primeiros materiais utilizados para este fim foram chifres ocos, conchas grandes e crânios de animais. Por volta de 4000 a.c. com o advento do comércio entre Egito e Mesopotâmia, a embalagem começou a ser utilizada de forma a conter para transportar e armazenar mercadorias. Os materiais mais utilizados eram argila e fibras naturais. A partir de 3000 a.c, o vidro foi introduzido para acondicionar óleos e perfumes (CARR, 2007). Em 1310 d.c. o papel começou a ser fabricado na Europa após difusão da técnica chinesa pelos árabes e só após a Revolução Francesa desenvolveu-se recipientes fechados para se evitar contaminações ou perdas. Em 1809, Nicolas Appert inventou o processo de conservação de alimentos por aquecimento e selagem em recipientes com pouco ar. Logo em 1810, na Inglaterra, August de Heine e Peter Durand patentearam a utilização de latas para conservação de alimentos e, em 1960 o alumínio e plástico começaram a ser industrializados. O objetivo do uso de embalagens na indústria de alimentos é prolongar a vida de prateleira de um produto e garantir que o mesmo chegue até o consumidor livre de contaminações, seja química, física e biológica. É, portanto a última etapa industrial no processo de preservação dos alimentos (ZACTITI, 2004). As embalagens têm inúmeras funções, dentre as quais, a de proteger o alimento contra danos físicos e mecânicos durante o transporte e distribuição e, também, contra ação de fatores ambientais como gases, luz, vapor de água e odores. As propriedades de barreira necessárias a uma embalagem devem ser definidas para cada produto, considerando-se a composição do mesmo, a forma de apresentação, o sistema de acondicionamento e a durabilidade desejada (SARANTOPÓULOS et al., 2002). 1.1 Embalagens ativas Atualmente as embalagens têm um papel significativo não apenas em relação ao produto em si, mas em relação às funções de mercado que ela desempenha, como atrativo de venda por apresentar designers cada vez mais inovadores, utilidades extras e por ser principal veículo de informações ao consumidor. 23

24 Embora as embalagens tradicionais tenham contribuído grandemente com os primeiros desenvolvimentos do sistema de distribuição de alimentos, elas não são suficientes para atender às novas exigências dos consumidores por produtos mais próximos ao natural, contendo menos conservantes e que sejam seguros (SOARES et al, 2009). Nesse sentido, atualmente novas tecnologias de embalagens vêm sendo desenvolvidas em resposta a essa demanda, trazendo benefícios extras em relação às embalagens convencionais. São as embalagens ativas, que interagem de maneira intencional com o alimento, visando melhorar algumas de suas características (HAN et al., 2005). Em alguns casos as embalagens ativas podem responder às mudanças do ambiente. Para que um sistema seja considerado de embalagem ativa devem acumular funções adicionais, entre as quais podem ser destacadas: (a) absorção de compostos que favorecem a deterioração, (b) liberação de compostos que aumentam a vida-deprateleira, e (c) monitoramento da vida-de-prateleira (AZEREDO et al., 2000). O sistema ativo pode ser parte integral da embalagem ou ser um componente separado, posicionado no interior da embalagem (HONG; PARK, 2000). Entre as várias funções dos componentes na produção de embalagens ativas destacamse as: Antioxidantes, que liberam compostos antioxidantes para o produto embalado ou absorve compostos que aceleram a oxidação do alimento (BRODY, 2001); além de alterar o gosto (rancificação) e a qualidade nutritiva (perda de vitaminas e ácidos graxos essenciais) dos alimentos, a oxidação resulta em compostos reativos e tóxicos que representam um perigo para os consumidores (LAGUERRE et al., 2007); Aromáticas, que são produzidas pela incorporação de aromas voláteis na matriz polimérica (HUBER et al., 2002) adicionando ou conservando o aroma do produto e ainda pode minimizar um fenômeno denominado scalping, ou seja, sorção de aromas dos alimentos pelos materiais poliméricos das embalagens que resultam na mudança do perfil sensorial (VEIMERAN et al., 1999); Seqüestrantes de gases, que podem previr reações de oxidação, desaceleração de maturação de frutas e vegetais, evitar a deterioração da embalagem por acúmulo de CO 2 (MALOBA et al., 1996; VERMEIREN et al., 1999; SHIN et al., 2002); 24

25 Reguladoras de umidade, que controlam a umidade no interior da embalagem, preservando a atividade de água inicial do produto, reduzindo o risco de contaminação microbiológica (VERMEIREN et al., 1999) e prejuízos às propriedades de barreira a gases de filmes hidrofílicos ou acúmulo de água condensada na superfície de hortaliças (ROONEY, 1995); Anti-embaçantes (anti-fogs), que têm a finalidade de impedir ou diminuir a formação de vapor no interior da embalagem, sendo que o vapor dificulta a visualização do produto (VERMEIREN et al., 1999); Absorvedoras de luz ultravioleta (UV), que vêm sendo desenvolvidas para evitar a degradação da cor, flavor e aspectos nutricionais de alguns produtos (VERMEIREN et al., 1999); Antimicrobianas, que agem reduzindo, inibindo ou retardando o crescimento microbiano que pode estar presente no produto embalado ou no próprio material da embalagem (APPENDINI; HOTCHKISS, 2002); Indicadoras de ph, que reportam a correlação entre o produto embalado e seu ph durante a estocagem (HONG; PARK, 2000). Embalagens ativas têm sido usadas para uma variedade de alimentos tais como pães, bolos, biscoitos, massa de pizza, doce, queijo, carnes, frutas, hortaliças, entre outros. Cada um destes produtos tem um mecanismo de deterioração diferente, que deve ser compreendido para ter as embalagens ativas adaptadas a eles (VERMEIREN et al., 1999;. SOARES, 1998). A liberação de aditivos por embalagens ativas aumenta a segurança do consumidor, já que esses compostos, ao invés de diretamente adicionados ao alimento, são liberados controladamente; com isso, estão presentes em menores quantidades, e apenas onde sua presença é requerida, a saber, na superfície do produto, onde a maior parte das reações de deterioração ocorre (MORAES, 2007). 1.2 Embalagens biodegradáveis Nos últimos anos houve um grande aumento do consumo de produtos industrializados em decorrência do crescimento da urbanização em nível mundial. Disso 25

26 resulta um aumento da quantidade de resíduos gerados, acumulando grandes quantidades de lixo todos os dias em aterros sanitários. Dentre os produtos mais utilizados como matrizes para embalagens destacam-se papel, papelão e os polímeros sintéticos ou plásticos (Figura 1). Estes últimos são amplamente utilizados por apresentar boas propriedades mecânicas (resistência, deformação, tensão) e boas propriedades de barreira (permeabilidade ao vapor de água), baixo custo e fácil processabilidade. Tradicionalmente, são muito estáveis e não se degradam facilmente, ocasionando sérios problemas ambientais (AVELLA et al, 2005). Figura 1- Participação de cada segmento na indústria de embalagem. Fonte: IBGE, Os polietilenos são a resina termoplástica mais utilizada no mundo, com cerca de 40% do total do mercado. Existem três tipos de polietilenos: polietileno de alta densidade (PEAD), polietileno de baixa densidade (PEBD) e polietileno de baixa densidade linear (PEBDL). A classificação nessas três categorias se dá de acordo com a densidade e o índice de fluidez do polímero. A principal aplicação do PEBD é em filmes flexíveis, utilizados por máquinas de empacotamento automático, com destaque para os filmes destinados ao empacotamento de alimentos. Com a entrada do PET em substituição às garrafas de vidro, o PEBD, cujas aplicações estão expressas na figura 2, encontrou um novo nicho de mercado os filmes shrink, que são os filmes que envolvem conjuntos de garrafas (GOMES, 2005). 26

27 Figura 2: Distribuição em Aplicações de PEBD Fonte: Anuário da Indústria Química Brasileira, 2004, ABIQUIM. A indústria de embalagens plásticas situou-se entre as de maior crescimento no Brasil nos últimos anos, segundo a Associação Brasileira de Embalagens Flexíveis. O consumo anual per capita de plástico no Brasil, de acordo com dados em 2001 do Centro de Produção Industrial Sustentável (CEPIS, 2010), gira em torno de 10 kg, sendo relativamente baixo quando comparado com o índice de 72 kg, verificado nos EUA, e de 53 kg, no Japão. Todavia se comparada a do papel, papelão e metais, a contribuição dos plásticos nos resíduos sólidos municipais é menor, porém o aspecto negativo deste material é o seu volume aparente e o tempo que este resíduo requer para se decompor no meio ambiente (YOSHIGA, 2004). Nos últimos anos tem havido um grande interesse na pesquisa e desenvolvimento de materiais de embalagem biodegradáveis no sentido de diminuir o acúmulo de resíduos plásticos no meio ambiente. O Brasil produz cerca de 240 mil toneladas de lixo por dia, número inferior ao produzido nos EUA ( t./dia), porém muito superior a países como Alemanha ( t./dia) e a Suécia ( t./dia) e, no Brasil, a maior parte destes resíduos vai para lixões a céu aberto (VILPOUX; AVEROUS, 2003). No Brasil, apenas 8% dos resíduos sólidos descartados são reciclados (PIVA; WIEBECK, 2004). A reciclagem das embalagens plásticas é dificultada pelo fato das embalagens serem feitas de diferentes tipos de polímeros, com diferentes aditivos como cargas, colorantes e plastificantes. Toda essa diversidade dos componentes das 27

28 embalagens dificulta o processo de seleção para o re-processamento, tornando a reciclagem um processo de alto custo (DAVIS; SONG, 2006). Com intuito de substituir os polímeros sintéticos por matérias-primas que possam ser menos prejudiciais ao meio ambiente, muitas pesquisas vêm sendo realizadas, principalmente na utilização de polímeros biodegradáveis na elaboração de embalagens. Estes polímeros são degradados por microrganismos pela biodegradação. A biodegradação é a decomposição de um material em componentes mais simples por organismos vivos, em que este processo biológico envolve dois fatores essenciais, que é a nutrição e a respiração (LIMA et al, 2001). O processo de biodegradação depende de diversos fatores, como a atividade microbiana no ambiente, temperatura, ph, peso molecular e cristalinidade do polímero (AVELLA et al, 2005; DAVIS e SONG, 2006). A biodegradação ou degradação microbiana ocorre através de enzimas, produzidas por microrganismos, que degradam o polímero em meio aeróbio ou anaeróbio. Se a remoção do polímero do ambiente for completa, sem gerar resíduos tóxicos, ele será considerado 100% biodegradável. A estratégia a ser adotada no desenvolvimento dos materiais biodegradáveis, as características específicas desejadas, incluindo disponibilidade e preço final do material, depende da aplicação (MOTA, 2009). Filme biodegradável é um filme fino preparado de polímeros biodegradáveis, que agem como barreira a elementos externos protegendo assim o produto e aumentando a sua vida de prateleira. Pela sua composição é facilmente degradado biologicamente, fato que contribui para o desenvolvimento sustentável. Os filmes geralmente são elaborados a partir de proteínas, polissacarídeos, lipídios ou da combinação destes compostos. A formação dos filmes ocorre na presença de macromoléculas, para formar uma rede polimérica, solvente e plastificante. A formação dos filmes geralmente envolve associações inter e intramoleculares ou ligações cruzadas de cadeias de polímeros formando uma rede tridimensional semirígida que retém o solvente (RINDLAV-WESTLING et al., 2002, THARAHATHAN, 2003). Filmes desenvolvidos a partir de polissacarídeos possuem alta permeabilidade ao vapor de água, entretanto são eficientes barreiras contra migração de óleos e gorduras (GUILBERT et al., 1997). Filmes a base de proteínas apresentam efetiva barreira a gases (CO 2 e O 2 ), porém possuem alta permeabilidade ao vapor de água em função do 28

29 seu caráter hidrofílico (KROCHTA, 2002, TANADA-PALMU et al., 2005). Filmes desenvolvidos a partir de lipídios são usados pela excelente propriedade de barreira contra umidade, mas podem oxidar, alterando as características sensoriais (GUILBERT et al., 1997). Entre as proteínas que podem formar filmes estão o glúten do trigo, as proteínas do leite, da soja e do milho, o colágeno e as gelatinas de origem animal. Entre os polissacarídeos estão os derivados de celulose, amido, alginatos, quitosanas, pectinas e diferentes gomas e entre os lipídios, estão as ceras e os ácidos graxos (KROCHTA, 2002; THARANATHAN, 2003). A elaboração do biofilme envolve a utilização de pelo menos um agente formador de filme (macromoléculas), solvente (água, etanol, entre outros), plastificante (glicerol, sorbitol,etc) e agente ajustador de ph (ácido acético, NH 4 OH, etc). A formação de filmes biodegradáveis envolve associações inter e intramoleculares ou ligações cruzadas de cadeias de polímeros formando uma rede tridimensional semirígida que retém o solvente (CARVALHO, 2002). A transformação da solução filmogênica em filmes biodegradáveis é conseqüência destas interações intermoleculares. Um dos processos de preparação de filmes recorrente na literatura é o casting, que consiste no espalhamento de uma solução filmogênica (macromoléculas, solvente e plastificante) em um suporte, seguido de desidratação lenta a baixa temperatura (LOURDIN et al., 1995; VICENTINI, 2003; DOLE et al., 2004). Quanto à sua aplicação, os filmes biodegradáveis podem ser de dois tipos: coberturas, quando são aplicadas diretamente nas superfícies dos alimentos e são comestíveis, e filmes, que possuem a capacidade de formar estruturas mecanicamente auto-sustentáveis, podendo ser comestíveis ou somente biodegradáveis (KROCHTA, 2002; TANADA-PALMU, 2003). 1.3 Quitosana A indústria pesqueira, em especial a de processamento de camarão, pela sua expansão tem gerado uma problemática ambiental devido aos resíduos gerados deste produto, principalmente as cascas, que não são aproveitadas para ração animal. Muitas vezes estas cascas são jogadas ao mar ou em rios clandestinamente o que gera grande 29

30 Demanda Bioquímica (DBO) nestes locais, contribuindo para altos níveis de poluição ambiental. Tais resíduos são constituídos por quitina, proteínas, carbonato de cálcio, pigmentos, e tem havido grande interesse em seu reaproveitamento, buscando alternativa à sua disposição final, com vistas ao desenvolvimento de produtos de valor agregado (CRAVEIRO et al., 1999). A quitina é encontrada no exoesqueleto dos crustáceos, insetos e na parede celular de fungos. O camarão possui de 5 a 7% de quitina, e o siri, de 15 a 20% (MOURA, 2004). A quitina é um polímero natural, álcali-ácido insolúvel, linear que apresenta o mesmo tipo de unidade monomérica ß-1, quatro N-acetilglucosamina e com exceção da celulose é o polissacarídeo mais abundante e largamente distribuído na natureza (THARANATHAN, 2003). O termo quitina deriva da palavra grega chiton, significando um revestimento protetor para invertebrados (FURLAN, 1993). Esse biopolímero, devido a sua versatilidade, pode ser utilizado como agente floculante no tratamento de efluentes, como adsorvente na clarificação de óleos, e principalmente na produção de quitosana (MOURA et al., 2006). A estrutura da celulose se assemelha muito à da quitina, a diferença entre essas duas fibras se deve ao grupo hidroxila localizado na posição 2, que na quitina está substituído por grupos acetoamino (CRAVEIRO et al, 1999). Figura 3. Estrutura química da quitina As propriedades físicas e químicas da quitina e de seus derivados N- desacetilados (quitosana) são muito diferentes (CANELLA; GARCIA, 2001). A quitina é insolúvel em água, solventes orgânicos, ácidos diluídos e álcalis, e apresenta uma 30

31 forma de sólido cristalino ou amorfo. Apresenta também três diferentes formas polimórficas, descritas como α-quitina, β-quitina e γ-quitina, dependendo de sua estrutura cristalina, da disposição de suas cadeias e da presença de moléculas de água (MOURA 2006). A quitosana é um heteropolimero natural, amino catiônico, composto por unidades β-1,4 D-glucosamina ligadas a resíduos de N-acetilglucosamina (Figura 4). A fórmula molecular genérica pode ser expressa como (C 6 H 11 O 4 N) n, sendo encontrada na parede celular de fungos (CANER; CANSIZ, 2007; FERNÁNDEZ SAIZ; LAGARON; OCIO, 2009). Também pode ser obtida pelo processo de desacetilação alcalina da quitina; e é mais atrativa que esta por conter um grupo amino, que propicia a modificação química da estrutura polimérica original (AIROLDI, 2008). O processo de desacetilação da quitina ocorre utilizando NaOH 50% e temperatura em torno de 110ºC (SYNOWIECKI, 2003). Figura 4: Representação esquemática da estrutura primária da quitosana, sendo n o grau de polimerização. Fonte: ASSIS, Os grupamentos amino disponíveis podem adquirir uma carga positiva em presença de soluções ácidas. Daí sua capacidade de solubilizar-se em ácidos orgânicos, o que constitui uma das principais características que diferencia a quitosana em relação à quitina (FURLAN, 1993). A quitosana é produzida seguindo uma seqüência de processos tais como: desproteinização, demineralização e desacetilação (Figura 5); sua massa molar depende das condições do processo de desacetilação (PETER, 2002). 31

32 Figura 5 Ciclo de vida da quitosana Fonte: BARBOSA ( 2003). Do ponto de vista químico, a quitosana é uma macromolécula com predominância de grupos amino caracterizados por ligações covalentes (N-H), onde a eletronegatividade dessas ligações gera sítios de alta polaridade, tornando favorável o rearranjo de moléculas de águas em seu entorno. Essa característica associada aos grupos acetamido, que também são polares, caracteriza assim um material com alto grau de hidrofilicidade (ASSIS, 2003). Essa elevada afinidade por água traz conseqüências indesejáveis como a redução da estabilidade estrutural do polímero, ou seja, a presença constante de umidade na estrutura do polissacarídeo provoca o intumescimento da matriz com conseqüente desagregação das fibras além do favorecimento ao ataque por microorganismos (BEPPU et al., 1999). A quitosana caracteriza-se por ser de origem renovável, biodegradável e ter a capacidade de formar filmes resistentes, flexíveis, de difícil rompimento, além de promover barreira efetiva a oxigênio. Pertence à primeira família dos compostos verdes podendo competir com polímeros não biodegradáveis em diferentes campos industriais, como por exemplo, na área de embalagens (JOHN; THOMAS, 2008) A quitosana é solúvel somente em ph próximos ao seu pka (~6,3), formando um polímero catiônico pela protonação dos grupos amino (ASSIS, 2010). Na presença de soluções diluídas de ácidos, a quitosana comporta-se como um polieletrólito catiônico, constituído de um copolímero de 2-amino-2-deoxi-D-glicopiranose e 2-acetamido-2- deoxi-d-glicopiranose de composição variável em função do grau médio de acetilação, 32

33 GA, que representa a fração de unidades 2-acetamido-2-glicopiranose e 2-amino-2- deoxi-d- glicopiranose e é um dos principais parâmetros para sua caracterização. A proporção relativa dessas unidades nas cadeias macromoleculares de quitosana tem efeito marcante na sua solubilidade (SANTOS et al., 2003). A quitosana é insolúvel em água, mas dissolve-se em soluções aquosas de ácidos orgânicos, como acético, fórmico, cítrico, além de ácidos inorgânicos, como ácido clorídrico diluído resultando em soluções viscosas. Sua solubilidade está relacionada com a quantidade de grupos amino protonados (-NH 3 +) na cadeia polimérica. Quanto maior a quantidade destes grupos, maior a repulsão eletrostática entre as cadeias e também maior a solvatação em água. O grau de protonação pode ser determinado pela variação da concentração de quitosana. Para uma dada concentração de ácido, o grau de protonação depende do pk do ácido usado para solubilizar a quitosana (RINAUDO, 1999). As principais propriedades deste polissacarídeo são: bioatividade, biodegradabilidade, biocompatibilidade, reatividade do grupo amino deacetilado, permeabilidade seletiva, ação polieletrolítica, habilidade em formar gel e filme, habilidade de quelação e capacidade adsortiva (THARANATHAN, 2003; SYNOWIECKI; AL-KHATEEB, 2003). Devido à sua capacidade de quelar íons metálicos, tais como o ferro, ligado às moléculas de hemoglobina e mioglobina,catalisadores das reações de peroxidação lipídica em carnes, atribui-se ação antioxidante à quitosana nestes produtos (BARRETEAU, 2006; KAMIL, 2002). Também um é promissor agente de controle do escurecimento enzimático em frutos e vegetais pela habilidade de se complexar a íons metálicos visto que a polifenoloxidase, enzima responsável por este fenômeno, possui cobre no seu centro ativo e funciona como oxidase de função mista, atuando na hidroxilação de monofenóis para diidroxifenóis e em seguida oxidando estes últimos para o-quinonas (ARAÚJO, 1999; ASSIS, 2003.) De acordo com suas características atóxicas e fácil formação de géis, a quitosana é considerada um composto de grande interesse industrial. São exemplos de aplicações industriais da quitosana: No tratamento de águas e efluentes, tratamento de queimaduras e como pele artificial (uso na biomedicina), revestimento de comprimidos (medicamentos), como coadjuvante da higiene oral (HAYASHI et al., 2007), como elemento básico para a confecção de matrizes de liberação controlada de drogas (ATCHE et al., 2000) fartamente divulgado, embora ainda que controverso (PITTLER 33

34 et al., 1999), como um agente ativo no emagrecimento humano por sua interação com gorduras e estruturas afins- fatter trapper (KANAUCH, 1995); na fabricação de lentes de contato, na redução da obesidade (fibras dietéticas). Na indústria de alimentos pode ser utilizada como aditivos alimentares, sendo agente texturizante, estabilizante, emulsificante, etc. Vale ressaltar nesta pesquisa seu uso na fabricação de filmes biodegradáveis, pela sua alta capacidade em formar gel na presença de ácidos fracos, sua atividade antimicrobiana e pelo controle de trocas gasosas o que tem proporcionado aumento da vida de prateleira dos produtos submetidos a armazenamento por estes filmes, sem alteração das características organolépticas dos mesmos. A Figura 6 representa algumas das aplicações da quitosana na indústria de alimentos. Figura 6. Uso da quitosana no ramo alimentício. Fonte: FAI et al.,

35 Os filmes de quitosana têm sido normalmente obtidos de maneira bem simples e rudimentar: o polímero é dissolvido em meio apropriado e vertido sobre uma superfície plana. Após a evaporação do solvente, o filme é removido por destacamento. A maioria dos filmes processados dessa forma são irregulares quanto a espessura e caracterizados por uma estrutura fibrosa bastante heterogênea (RATHKE; HUDSON,1994). A formação dos filmes é influenciada pelo ph, força iônica, tipo de solvente (ácido), adição de plastificante, sendo variáveis controladas de acordo com as propriedades mecânicas e porosidade da membrana desejada (ARVANITOYANNIS et al., 1998). A presença de água neste polímero hidrofílico influencia a maneira em como gás será permeado ou difundido através da estrutura, destacando sua relativamente baixa resistência à barreira de vapor d água (DESPOND et al., 2001). Essa elevada taxa de absorção de água traz conseqüências indesejáveis como a redução da estabilidade estrutural do polímero, ou seja, a presença constante de umidade na estrutura polissacarídeo provoca o intumescimento da matriz com conseqüente desagregação das fibras e destacamento do filme, além da aceleração da degradação por ataque de microorganismos (ASSIS, 2002). A incorporação de um composto hidrofóbico (lipídio) na formulação pode reduzir a hidrofilicidade, formando um filme emulsionado e reduzindo a afinidade da matriz com moléculas de água (WONG et al., 1992). Em comparação com filmes poliméricos comerciais, o filme de quitosana apresenta uma eficiente barreira de permeação de gases (PINOTTI et al., 2007), inferiores aos medidos para PET (Politereftalato de etileno ) ou PVC (Cloreto de polivinila) e a demais filmes de base biológica como glúten e celulose e, adicionalmente, tem sido mostrado que a permeação de CO 2 é superior à de O 2 o que pode vir a ser de interesse na confecção de embalagens com atmosferas controladas (OLABARRIETA, 2005). Em se tratando de atividade antimicrobiana, esse polímero provoca a inibição do crescimento de microrganismos, como E. coli, Fusarium, S. epidermidis, P. ruginosa, S. pyogenes, K. pneumoniae, S. aureus, Shigella dysenteriae,aeromonas hydrophila, Salmonella typhimurium, Bacillus cereus, dentre outros. Alguns pesquisadores explicam a atividade antimicrobiana da quitosana por seus grupos amínicos que, uma vez em contato com os fluidos fisiológicos, provavelmente são protonados e se ligam a grupos aniônicos desses microrganismos,resultando na aglutinação das células microbianas e inibição do crescimento (RAVI, 2000). Outros estudos sugerem que os efeitos da quitosana são distintos nos dois tipos de bactérias: no caso das gram-positivas, a 35

36 hipótese é que quitosana de alta massa molecular forma películas ao redor da célula que acabam por inibir a absorção de nutrientes, enquanto que quitosana de baixa massa molecular penetra mais facilmente em bactérias gram-negativas, alterando o metabolismo desses microorganismos. No entanto, as funções e propriedades antimicrobianas de soluções de quitosana e filmes dependem das características da molécula de quitosana em si (grau de acetilação, peso molecular), outros compostos no sistema (tipo e concentração do ácido, presença de proteínas, lipídios, íons e outras ingredientes alimentares), e as condições ambientais (temperatura e umidade relativa) (BEGIN; VAN CALSTEREN, 1999; KURITA, 2001; SYNOWIECKI; AL-KHATEEB, 2003; ZHENG; ZHU, 2003). A quitosana comercial possui, geralmente, grau de desacetilação (G.D.) variando de 70 a 95%, com massa molar na faixa de g/mol (CANELLA; GARCIA, 2001). As diferentes características da quitosana comercial é um fator que dificulta seu uso na indústria alimentícia. As quitosanas disponíveis para venda no Brasil são de procedências, graus de pureza e densidade diversos, além de não seguirem padrão de processo de desacetilação, o que os torna muito diferentes entre si. Fator este que tem dificultado o estabelecimento de um modelo de gel e filme a ser obtido com características reprodutíveis. O ideal é utilizar uma matriz de marca única e grau de pureza para todos os testes. 1.4 Antioxidantes De acordo com o Decreto nº , de 24 de janeiro de 1961 da ANVISA antioxidante é a substância que retarda o aparecimento de alteração oxidativa nos alimentos. Um dos principais problemas na conservação dos alimentos lipídicos é o desencadeamento do processo oxidativo, que resulta na produção de odores e sabores desagradáveis, tornando os alimentos inadequados para o consumo. Como resultado da reação entre o oxigênio e os ácidos graxos insaturados ocorre a formação de compostos de baixo peso molecular, que são os principais responsáveis pelo desenvolvimento de odores indesejáveis, (PASSOTO et al.,1998). Quando adicionados à alimentos, os antioxidantes minimizam a rancidez, retardam a formação de produtos de oxidação tóxicos, mantendo a qualidade nutricional, e aumentam a vida de prateleira (FUKUMOTO; MAZZA, 2000 ). Os 36

37 antioxidantes podem ser classificados em primários, sinergistas, removedores de oxigênio, biológicos, agentes quelantes e antioxidantes mistos. Os antioxidantes primários são compostos fenólicos que promovem a remoção ou inativação dos radicais livres formados durante a iniciação ou propagação da reação oxidativa. Os antioxidantes sintéticos principais e mais conhecidos deste grupo são os polifenóis, como butilhidroxi-anisol (BHA), butil-hidroxitolueno (BHT), terc-butil-hidroquinona (TBHQ) e propil galato (PG).. Os antioxidantes biológicos incluem várias enzimas, como glucose oxidase, superóxido dismurtase e catalases. Estas substâncias podem remover oxigênio ou compostos altamente reativos de um sistema alimentício. Os agentes quelantes/seqüestrantes complexam íons metálicos, principalmente cobre e ferro, que catalisam a oxidação lipídica. Os antioxidantes mistos incluem compostos de plantas e animais que têm sido amplamente estudados como antioxidantes em alimentos. Entre eles estão várias proteínas hidrolisadas, flavonóides, carotenóides e derivados de ácido cinâmico (ácido caféico) (RAMALHO; JORGE, 2006). Para evitar o desenvolvimento da reação oxidativa, os antioxidantes são empregados como aditivos alimentares. Os antioxidantes sintéticos butil-hidróxitolueno (BHT), o butilhidróxi- anisol (BHA) e o terc-butil-hidroquinona (TBHQ) são amplamente utilizados pela indústria alimentícia. Porém, estudos em animais evidenciaram que a exposição aguda e prolongada a estes compostos levam ao desenvolvimento de tumores de fígado, pâncreas e fígado. Frente a estas evidências, surgem os antioxidantes de origem natural, com a perspectiva de utilização como aditivos alimentares (JARDINI; MANCINI-FILHO, 2007). Em associação com a crescente preocupação dos consumidores quanto à segurança alimentar relacionada aos aditivos, tem crescido o interesse em se identificar fontes naturais de compostos antioxidantes para a preservação de alimentos (PESCHEL et al., 2006). Os compostos antioxidantes naturais têm sido isolados de diferentes partes de plantas tais como sementes, frutas, folhas e raízes. Esses compostos incluem carotenóides, flavonóides, ácidos fenólicos, terpenos, tocoferóis mixados, fosfolipídios, ácidos orgânicos polifuncionais e também extratos de plantas, (KAUR; KAPOOR, 2001; RIBEIRO et al., 2001). 1.5 Azeite de dendê 37

38 O óleo da palmeira Elaeis quineensis, é conhecido no Brasil como óleo ou azeite de dendê, o qual é extraído da polpa do fruto do dendezeiro e se caracteriza por uma coloração que vai do amarelo ao vermelho, devido à presença de grandes quantidades de carotenóides. As variedades mais cultivadas no Brasil são a dura, a tenera e psífera, as quais são diferenciadas pela espessura da casca da semente. A variedade mais utilizada comercialmente é a tenera, produto do cruzamento das variedades dura x psífera (RODRIGUES, 1986). Do fruto são retirados o óleo de palma da polpa e o óleo de palmiste da amêndoa que são utilizados em produtos alimentícios, cosméticos, lubrificantes de máquinas, etc. As fibras das folhas e os cachos vazios são utilizados como tampas de lareiras, o troco da palmeira na confecção de móveis, a torta de palmiste resultante da extração do óleo é aproveitada como adubo orgânico e ração para animais. A fibra seca e a casca do fruto são usadas como combustível na caldeira sendo as cascas aproveitadas também como matéria para carvão ativado (SANTOS, 2005). Os países com maior produção do óleo de palma são: a Malásia e a Indonésia, sendo o primeiro responsável por quase 54% da produção mundial. Na América Latina o maior produtor é a Colômbia, seguida por equador e pelo Brasil. A produção brasileira representa apenas 1% da produção da Malásia, apesar de haver no Brasil uma grande área geográfica com condições climáticas favoráveis ao cultivo do dendezeiro (NUNES, 2005). O dendezeiro está entre as oleaginosas tropicais de maior rendimento em óleo existente, com produção entre 3500 e 6000 kg/há. O óleo obtido é utilizado de duas formas básicas: puro, o conhecido "azeite-de-dendê", que é extraído da polpa do fruto do dendezeiro, com sabor de sabor doce, cheiro forte e alta consistência, bastante utilizado na culinária. O óleo industrializado, que após refino e desodorização, é utilizado como matéria prima para a industrialização de maioneses e margarinas. No Brasil, atualmente, as maiores plantações de dendê estão concentradas no Pará, no Amazonas, no Amapá e na Bahia. (EMBRAPA RONDÔNIA, 2006). O dendê é uma das fontes mais ricas em β-caroteno, com concentrações na ordem de µg/g no azeite de dendê e µg/g no fruto de dendê, dependendo da espécie do fruto e das condições climáticas no qual foi cultivado (TRIGUEIRO 1991). A utilização de derivados do dendê como fontes de antioxidantes também possibilita agregar valor a essa matéria-prima, importante para a agricultura brasileira, com uma produção em 2006, 580 mil toneladas de dendê (FAOSTAT, 2008). 38

39 1.6 Urucum O urucueiro Bixa orellana L. é uma planta nativa da América Tropical (PIVA; WIEBECK, 1980). O urucum é um corante amarelo-vermelho obtido do pericarpo seco da semente madura desta planta (BAUTISTA et al., 2004). O urucum é um corante natural muito usado em vários setores industriais. Os principais pigmentos presentes nas sementes de urucum pertencem à classe dos carotenóides, que são pigmentos com propriedades antioxidantes. Os carotenóides são uma classe de compostos que apresentam poder corante e estes pigmentos têm sido largamente utilizados nas indústrias de alimentos que vêm buscando substituir os corantes sintéticos por naturais (RIOS, 2004). Os corantes são encontrados recobrindo a superfície externa das sementes de urucum e apresentam-se convencionalmente de duas formas: a bixina, lipossolúvel, e a norbixina, que é hidrossolúvel, cujas estruturas se encontram na Figura 7 (LIMA et al., 2001). Figura 7. Estrutura da bixina e norbixina (TOCCHINI, 2001) A bixina é única entre os carotenóides que ocorrem na natureza, não apenas devido à sua configuração cis, mas também devido à sua molécula ter dois grupos carboxílicos, um deles sendo um éster metílico. Isto dá à molécula certa lipossolubilidade. Pela hidrólise alcalina do seu grupamento éster metílico, pode-se preparar o sal hidrossolúvel do ácido dicarboxílico norbixina (C 24 H 28 O 4 ). Ou seja, da 39

40 bixina são obtidos os demais pigmentos do urucum, como a norbixina (lipossolúvel), o sal da norbixina (hidrossolúvel) e os produtos de degradação térmica, que têm como características a lipossolubilidade e uma coloração amarela mais estável. Deve-se ressaltar que o corante hidrossolúvel do urucum é o sal da norbixina, que pode ser convertido em norbixina pela precipitação ácida e, nesta forma, o pigmento não é solúvel em água (SILVA, 2007). As preparações de urucum são usadas para colorir manteiga, queijos, produtos de panificação, óleos, sorvetes, cereais e embutidos. Do total de sementes de urucum produzido no Brasil, cerca de 25% são utilizados na preparação de extratos lipo- e hidrossolúveis e o restante é usado na fabricação do colorífico, totalmente consumido no mercado interno (GHIRALDINI,1989). Segundo a Resolução CNNPA 12/78 do Ministério da Saúde (BRASIL, 1978), o colorífico é definido como um produto constituído pela mistura de fubá ou farinha de mandioca, com urucum em pó ou extrato oleoso de urucum adicionado ou não de sal e de óleos comestíveis. Este produto, quase que exclusivamente de uso doméstico, proporciona cor avermelhada ao arroz, risotos, bifes, frangos, farofas, molhos e queijos. Seu principal mercado é a região Nordeste do país (TOCCHINI, 2001). Existem alguns estudos que avaliaram as propriedades antioxidantes da bixina, como seqüestradora de oxigênio singlete (DI MASCIO et al., 1989). HAILA et al (1996) mostraram que o extrato da semente de urucum, contendo bixina como o componente corante preveniu a auto oxidação dos triacilgliceróis in vitro. Este resultado indicou que tal efeito antioxidante pode ser alcançado pela adição deste extrato aos alimentos. Por outro lado os autores verificaram que o extrato contém vários outros produtos fluorescentes não identificados que co-eluem na análise de tocoferóis, o que sugere que a bixina pode não ser o único componente responsável pelo efeito antioxidante do extrato. 1.7 Plastificantes Os plastificantes são definidos como substâncias com alto ponto de fusão e baixa volatilidade. Quando adicionados a outro material provocam mudanças nas propriedades físicas, químicas e mecânicas dos mesmos (McHUGH; KROCHTA, 1994). O plastificante é uma molécula pequena, de baixa volatilidade e de natureza química similar a do polímero usado na constituição do filme. Segundo CUQ, 1998, a adição de plastificante aos biopolímeros modifica a organização tridimensional da rede 40

41 polimérica, diminuindo as forças de atração intermolecular, aumentando o volume livre do sistema e deixando menos densa a matriz dos filmes, com isto ocorre um aumento da sua flexibilidade e extensibilidade. O plastificante pode atuar também como agente de gelificação, bloqueando os centros de atração moleculares polímero-polímero que, geralmente, são de grupos polares. Nesse caso, é necessária a presença de grupos polares na molécula do plastificante (MOTA, 2009). A adição de um agente plastificante é necessária para superar a fragilidade dos filmes biodegradáveis, que ficam quebradiços devido às extensivas forças intermoleculares. Os plastificantes reduzem essas forças, suavizam a rigidez da estrutura do filme e aumentam a mobilidade entre as cadeias biopoliméricas, melhorando as propriedades mecânicas do filme (GUILBERT et al., 1997). Isso resulta em maior permeabilidade aos gases e ao vapor d água. (FAIRLEY et al., 1996). Vários plastificantes são utilizados na elaboração de filmes biodegradáveis e coberturas. Entre eles, os mono, di e oligossacarídeos (glicose, sacarose); polióis (glicerol, sorbitol, derivados da glicerina e gliceróis); lipídios (ácidos graxos saturados, monoglicerídeos e derivados de éster, fosfolipídios e surfactantes) (GUILBERT, 1986). Destes, o glicerol (ou glicerina) têm sido bastante citado em pesquisas pelo seu bom desempenho, boa oferta e forte apelo ambiental.. Plastificantes como o glicerol são capazes de garantir boa qualidade no plástico biodegradável a ser produzido (RABELLO, 2000). MACHADO (2011), PERAZZO (2011), BASTOS (2010), MOTA (2009), RIGO (2006) utilizaram glicerol como platificantes em seus filmes biodegradáveis e comprovaram os efeitos deste sbre diversas propriedades dos seus filmes. Depois de fortes oscilações na década de 90, desde 2000 o mercado da glicerina voltou a crescer. Uma grande fonte agora é a glicerina proveniente do biodiesel (BIODIESEL, 2007). A implantação da recente lei federal no Brasil obriga em 2008, o acréscimo de 2% de biodiesel no diesel comum (B2), e posteriormente, esta proporção aumentará para 5% (LDB, 2006; PINTO et al., 2005). Conseqüentemente isto acarretará um aumento na oferta nacional de glicerina, que é cerca de 10% dos produtos formados na reação de obtenção deste biocombustível. A previsão é que a mistura de 2% de biodiesel (B2), resultará na disponibilidade de ton. de glicerina bruta por ano. Da mesma forma, o crescimento da produção do Biodiesel na Europa resultará num aumento de 10% ( ton/ano) na oferta global de glicerina bruta (BRASIL, 2004). 41

42 Portanto, grande parte do sucesso do projeto Biodiesel está condicionada a glicerina deixar de ser um resíduo para tornar-se fonte de renda real. A dificuldade de acomodação de uma oferta de glicerina quase três vezes maior que a demanda, ocorre principalmente porque a glicerina resultante da produção de biodiesel tem características diferentes da que é utilizada na indústria de higiene. Outra questão a ser considerada, é que ela não pode ser descartada no meio ambiente, e não pode ser queimada porque libera para a atmosfera a cloreína, composto com atividade carcinogênica. Portanto, o Brasil está diante de um passivo ambiental gerado a partir do biodiesel. Atualmente, o investimento em Pesquisa e Desenvolvimento no segmento de biodiesel está voltado para o desenvolvimento de rotas de transformação da glicerina em produtos largamente empregados na indústria. Desta forma, o excedente de produção pode ser deslocado para outros setores, evitando o colapso da cadeia nacional de produção de glicerina animal, além de possibilitar a criação de uma nova cadeia de produção rentável, a cadeia da glicerina vegetal. 1.8 Caracterizações dos Filmes: análise colorimétrica, termogravimetria e solubilidade A aplicação de filmes bioativos depende fortemente de suas propriedades mecânicas e de barreira. A incorporação de aditivos tende a alterar as características dos filmes em geral, portanto torna-se importante a caracterização físico-química, térmica e mecânica dos novos compostos. As características físicas mais estudadas em embalagens são: espessura, sólidos totais, porcentagem de alongamento, resistência à tração, permeabilidade ao vapor de água, dentre outras (SOUZA, 2010). Dentre as propriedades óticas de filmes para aplicação em embalagem, destacam-se a cor e a transparência (opacidade). A cor pode ser considerada um importante parâmetro na caracterização dos filmes, pois está relacionada com a matéria-prima utilizada na elaboração dos mesmos (ORTIZ,2009). A cor pode ser representada tridimensionalmente por um sólido de cor, através de um atributo de luminosidade, chamado de Valor (Value) e dois atributos de cromaticidade, chamados de Tom e Croma (Hue e Chroma). Tom é o nome da cor, ou seja, é a qualidade pela qual se distingue uma família de outra família de cores cromáticas, como o vermelho do amarelo. Croma é a intensidade de um tom distinto ou a intensidade da cor, isto é, a 42

43 posição da cor entre o cinza e o tom puro. Valor é a luminosidade da cor, é a qualidade pela qual se distingue uma cor clara de outra escura (FERREIRA, 1981). Como importante parâmetro na caracterização dos filmes, a cor está relacionada com a matéria-prima utilizada na elaboração dos mesmos. Os filmes de glúten de trigo, por exemplo, apresentam coloração amarelada (GONTARD, 1991), ao contrário dos filmes à base de gelatina ou amido de mandioca, que são praticamente incolores (SOBRAL, 1999). A cor é um atributo de fundamental importância para um produto. Poucos são os trabalhos que relatam a determinação da cor para filmes biodegradáveis. De acordo com FERREIRA (1981), a cor pode ser representada tridimensionalmente por um sólido de cor, através de um atributo de luminosidade, chamado de Valor (Value), e dois atributos de cromaticidade, chamados de Tom e Croma (Hue e Chroma). Tom é a cor, ou seja, é a qualidade pela qual se distingüe uma família de outra família de cores cromáticas, como o vermelho do amarelo. Croma é a intensidade de um tom distinto ou a intensidade da cor, isto é, a posição da cor entre o cinza e o tom puro. Valor é a luminosidade da cor, é a qualidade pela qual se distingue uma cor clara de outra escura (ver Figura 2). 1997). Figura 2: Representação tridimensional do sistema de cores (Fonte: HunterLab, 43

44 Para a determinação da cor de um material, podem-se utilizar cartas ou atlas de cores, onde um dos mais conhecidos é o Livro de Cor da Munsell (Munsell Book of Color), ou ainda pelo uso de colorímetros os quais baseiam-se nas escalas de cor CIE Lab ou HunterLab. Tanto as cartas de cor quanto os colorímetros descrevem os três atributos da cor (Tom, Croma e Valor). O Lab, que é um sistema subtrativo de cor proposto pela Commision Internationale L'Eclairage CIE, estabelece coordenadas uniformes no espaço tridimensional de cor (Figura 3). No Sistema CIE Lab, os valores para claro e escuro são representados pelo L (neste trabalho representado por L*), o vermelho é representado +a*, o verde por a*, amarelo por +b* e azul por b*, em um plano cartesiano (GIESE, 2000; HUTCHINGS, 1999). Figura 3: Representação gráfica do sistema CIE Lab. Fonte: A transição vítrea é uma transição de fase que ocorre em materiais amorfos ao serem submetidos a uma determinada temperatura, denominada de temperatura de transição vítrea (PEREZ, 1994); quando submetidos a temperaturas abaixo da Tg, os materiais se encontram no estado vítreo e são caracterizados por uma baixa mobilidade molecular que lhes confere certa rigidez; acima da Tg, os mesmos se encontram no 44

45 estado borrachento, de maior mobilidade molecular e, consequentemente, maior flexibilidade. A temperatura de transição vítrea é o parâmetro mais importante na definição das propriedades mecânicas de polímeros amorfos, em função da sua importância nos processos de recristalização e armazenamento destes materiais (FORSSELL et al., 1997). A termogravimetria (TGA) é uma técnica da análise térmica na qual a variação da massa da amostra (perda ou ganho) é determinada em função da temperatura e/ou tempo, enquanto a amostra é submetida a uma programação controlada de temperatura. Esta técnica possibilita conhecer as alterações que o aquecimento pode provocar na massa das substâncias, permitindo estabelecer a faixa de temperatura em que começam a se decompor, acompanhar o andamento da desidratação e de reações de oxidação, combustão, decomposição, etc. (CANEVAROLO, 2003). No método termogravimétrico convencional ou dinâmico, são registradas curvas de massa da amostra em função da temperatura ou do tempo. Essas curvas são denominadas curvas termogravimétrica ou simplesmente, curvas de TGA. Na termogravimetria derivada (DTG), as curvas são registradas a partir das curvas de TGA e correspondem às derivadas primeiras da variação de massa em relação ao tempo. A TGA tem sido largamente utilizada para avaliação da estabilidade térmica, determinação de conteúdo de umidade e de aditivos, estudos de cinética de degradação, análise de sistemas de copolímeros, estabilidade a oxidação e temperaturas de degradação em materiais poliméricos. Nos casos de filmes biodegradáveis e também ativos é possível estabelecer a temperatura de degradação dos compostos, o efeito da adição de antioxidantes e a estabilidade térmica destes (PELISSARI, 2009). A solubilidade em água é uma propriedade importante dos filmes biodegradáveis no que se refere ao seu emprego, pois algumas aplicações requerem insolubilidade e água para manter a integridade do produto (PEREZ-GAGO e KROCHTA, 1999). Filmes com alta solubilidade podem ser interessantes para embalagens de alimentos desidratados que devam sofrer uma hidratação prévia ao consumo. Por outro lado muitas aplicações demandam embalagens resistentes à água, como no caso de alimentos com alta atividade de água, ou mesmo para se evitar a transpiração de produtos frescos (MONTERREY-QUINTERO, 1998). De acordo com Fakhouri et al.(2007), a solubilidade influencia a propriedade de barreira ao vapor de água dos filmes biodegradáveis. Para se obter uma baixa permeabilidade ao vapor de água (dentro de uma grande faixa de umidade relativa), torna-se ne- 45

46 cessário a utilização de material insolúvel ou pouco solúvel em água. Filmes formados a partir de hidrocolóides hidrofílicos, com plastificantes hidrofílicos tendem a ser, obviamente, mais solúveis do que aqueles em que se utilizam componentes hidrofóbicos. Contudo, em filmes onde são incorporados compósitos, mesmo eles sendo hidrofílicos, a solubilidade tende a diminuir devido ao tamanho das partículas que esses compósitos apresentam (WOLF, 2007). 1.9 Espessura, Atividade de água e Propriedades de Barreira A espessura é definida como a distância entre duas superfícies principais do material, é um parâmetro importante para filmes plásticos mono ou multicamadas. Conhecendo-se a espessura é possível obter informações sobre resistência mecânica e as propriedades de barreira a gases e ao vapor de água do material, bem como fazer estimativas sobre a vida útil de alimentos acondicionados nestes materiais. Por meio da determinação da espessura é possível avaliar a homogeneidade de um filme quanto a este parâmetro. Variações na espessura de um material acarretam problemas no seu desempenho mecânico e flutuações nas propriedades de barreiras (CETEA, 1996). A espessura deve ser estabelecida levando-se em conta a utilização final do filme, que dependerá do alimento a ser embalado (SARMENTO, 1999). Esse controle é difícil, sobretudo nos processos de produção do tipo casting, pois a solução formadora de filme pode se tornar muito viscosa, dificultando seu espalhamento e, conseqüentemente, o controle da espessura, além de possibilitar a formação de bolhas na solução (SOBRAL, 1999). Para a análise de espessura, recomenda-se que as medidas sejam realizadas em corpos de prova sem irregularidade, a pelo menos 6 mm da borda. As amostras devem ser previamente acondicionadas em ambiente com umidade e temperatura controladas. Além disso, as superfícies de medição do micrômetro devem ser limpas com óleo anticorrosivo, como éter de petróleo e anteriormente à análise, o micrômetro deve ser sempre zerado. A espessura é mais comumente expressa em milímetros (mm) (SARANTÓPOULOS et al., 2002). Dentre os fatores de estabilidade dos produtos, a umidade e a atividade de água são parâmetros que podem ser medidos facilmente e com precisão (RÖDEL et al., 1990). A vida útil de um alimento não está ligada somente a quantidade de água total que está presente no mesmo, que é a umidade, e sim como a água está interagindo com 46

47 os componentes sólidos deste; sendo essa interação expressa pela atividade de água (A w ). Assim, a atividade de água e a umidade são fatores que influenciam diretamente nas características dos alimentos e na sua estabilidade, sendo muitos métodos de conservação baseados no controle ou redução do teor de água dos alimentos, procurando associá-los a manutenção da qualidade de uma forma global (KIRCHHOF et al., 2008). Em filmes hidrofílicos, a atividade de água (Aa) e a temperatura a que são submetidos influenciam grandemente as propriedades de barreira. Ao se aumentar a Aa, produz-se um inchamento excessivo da matriz polimérica, que leva a um incremento na difusão das moléculas de água e, consequentemente, diminui as propriedades de barreira destes materiais (BIQUET; LABUZA, 1988). A migração de vapor de água é um dos principais fatores de alteração da qualidade sensorial e da estabilidade da estocagem (GONTARD et al., 1994). A Norma ASTM E96-95 (American Society for Testing and Materials) define a permeabilidade ao vapor de água como a taxa de transmissão de vapor de água por unidade de área através do filme, de espessura conhecida, induzida por um gradiente de pressão entre duas superfícies específicas, de temperatura e umidade relativa especificada (ASTM, 1990). A permeabilidade é definida como uma propriedade do par filme/permeado, em condições bem definidas de temperatura, umidade relativa, espessura e diferença de pressão parcial (LAI; PADUA, 1998). O método utilizado para avaliar essa propriedade é o método gravimétrico, que consiste em pesagens sucessivas de uma cápsula hermeticamente fechada, contendo o filme na sua superfície e substância dessecante (cloreto de cálcio ou sílica gel) no seu interior; colocadas em ambientes com umidade controlada. Caso o filme tenha grande afinidade pela água, é necessária a utilização de corpos de prova adicionais, preparados sem dessecante (branco) para que possa ser descontada ou acrescida a variação de peso do material. Alternativamente, a solução com umidade controlada também pode ser colocada no interior da cápsula, e no seu exterior, o material dessecante (SARANTÓPOULOS et al., 2000). KESTER; FENNEMA, 1986, citam diversos fatores que podem afetar a permeabilidade ao vapor de água em filmes biodegradáveis, incluindo-se a concentração de plastificante, a morfologia dos filmes, as características das moléculas permeantes, as interações entre cadeias poliméricas e o grau de 47

48 reticulação. Fatores relacionados à composição química e estrutura do polímero, tal como grau de saturação, presença de cadeias laterais e ligações cruzadas; e fatores que envolvem heterogeneidades nos polímeros tais como orientação, cristalinidade e a presença de plastificante determinam as propriedades de transporte (LAI; PADUA, 1998) Propriedades Mecânicas As propriedades mecânicas dos filmes biodegradáveis são características importantes para sua utilização como embalagem, devido ao manuseio a que estão sujeitos os produtos durante a distribuição e comercialização. Filmes biodegradáveis devem ser resistentes à ruptura e abrasão, para que possam reforçar a estrutura do produto e facilitar o seu manejo e devem ser flexíveis, para que possam se adaptar às possíveis deformações sem se romper (SARANTÓPOULOS et al., 2002). As principais propriedades mecânicas dos filmes são a resistência à tração, porcentagem de elongação e módulo de Young (E, dado em MPa/%). A primeira é expressa pela tração máxima desenvolvida pelo filme no teste. A segunda é a habilidade do filme em se estender. Os filmes obtidos devem ser resistentes à ruptura e à abrasão, fazendo com que o alimento não perca sua integridade e proteção por manuseio e transporte. Além disso, ele deve possuir flexibilidade suficiente para adaptar-se a eventuais deformações no alimento sem dano mecânico (GONTARD et al., 1994).O módulo de Young é uma característica de cada material, que representa a constante de proporcionalidade entre a tensão e a deformação de um corpo (VAN DE VELDE; KIEKENS, 2002). A natureza do material filmogênico e sua coesão estrutural determina as propriedades mecânicas dos filmes. Espessura, processo de obtenção e umidade de armazenagem são fatores que também influenciam nas propriedades. Em baixas umidades relativas, os filmes biodegradáveis tornam-se quebradiços, enquanto que em umidades relativas elevadas os mesmos são flexíveis, porém frágeis (LAWTON, 1996). A metodologia padrão para os ensaios de resistência mecânica segue as especificações ASTM D (ASTM, 2001), onde corpos de prova retangulares (8 x 2,5 cm) obtidos de filmes pré-condicionados (75% UR, 30ºC) são fixados entre as garras de tensão do equipamento. A espessura de cada amostra deve ser medida em quatro pontos, em posições aleatórias. A posição inicial e a velocidade de separação das 48

49 garras devem ser fixadas a 50 mm e 12,5 mm/min, respectivamente e devem ser realizadas pelo menos cinco medidas para cada amostra (SOUZA, 2010). As propriedades mecânicas dependem fortemente da formulação (macromolécula, solvente, plastificante, ajustador de ph) e do processo de obtenção. Dentro da formulação, o teor de plastificante é um importante fator capaz de alterar o perfil de propriedades mecânicas de um filme (MALI et al., 2010). 2.0 Referências AIROLDI, C. A relevante potencialidade dos centros básicos nitrogenados disponíveis em polímeros inorgânicos e biopolímeros na remoção catiônica. Quimica Nova, v. 31, n. 1, p , APPENDINI, P.; HOTCHKISS, J. H. Review of antimicrobial food packaging. Innotivative. Food Science and Emerging Technologies. v. 3, p , ARAÚJO J.M.A. Química de Alimentos: Teoria e prática. 2ª edição, cap. 14. Viçosa Brasil UFV, ARVANITOYANNIS, I.; NAKAYAMA, A. E AIBA, S. Chitosan and gelatin based edible films: state diagrams, mechanical and permeation properties. Carbohydrate Polymers, v. 37, p , ATCHE, J.; LARANJEIRA, M. C. M.; FÁVERE, V. T.; KIMURA, I. Y.; PEDROSA, R. C. - Polímeros: Ciência. e Tecnologia, v.10, p.116, ASSIS, O.B.G. Alteração do caráter hidrofílico de filmes de quitosana por tratamento de plasma de HMDS. Química nova, v. 33, n. 3, , ASSIS, O. B. G.; SILVA, V. L. Caracterização estrutural e da capacidade de absorção e água em filmes finos de quitosana processados em diversas concentrações. Polímeros, v. 13, p. 223, AVELLA, M.; VLIEGER, J.J.; ERRICO, M.E.; FISCHER, S.; VACCA, P.; VOLPE, M.G. Biodegradable starch/clay nanocomposite films for food packaging applications. Food Chemistry, v. 93, p , AZEREDO, H.; FARIA, J.; AZEREDO, A. Embalagens Ativas para alimentos. Ciência e. Tecnologia, v. 20, n. 30, p , 2000 BARRETEAU H., DELATTRE C., MICHAUD P. Production of oligosaccharides as promising new food additive generation. Food Technology and Biotechnology, v. 44, p , BAUTISTA, A.R.; MOREIRA E.L.; BATISTA M.S.; MIRANDA M.S.; GOMES, I.C. Subacute toxicity assessment of annatto in rat. Food and Chemical Toxicology, v. 42, p ,

50 BEGIN A.; VAN CALSTEREN M.R. Antimicrobial films produced from chitosan. Biology. Macromolecular,. p. 26:63, BEPPU, M. M.; ARRUDA E. J.; SANTANA, C. C.. Síntese e Caracterização de Estruturas Densas e Porosas de Quitosana. Polímeros: Ciência e Tecnologia, p , BIODIESEL.Disponível m:<//www.biodieselbr.com/biodiesel/glicerina/biodiesel -glicerina.htm>. Acesso: 08 fev BIQUET, B.; LABUZA, T. P. Evaluation of the moisture permeability characteristics of chocolate films as an edible moisture barrier. Journal of Food Science, Chicago, v. 53, n. 4, p , BRASIL. Decreto nº , de 24 de janeiro de BRASIL. Leis, decretos, etc. Resolução nº 12/78 da Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos. Diário Oficial da União, Brasília, 24 jul BRASIL, Plano Decenal de Expansão de Energia 2008/2017. Ministério de Minas e Energia. Empresa de Pesquisa Energética. Rio de Janeiro: EPE, 2009 BRODY, A.L. What s active about intelligent pakaging. Food technology, Chicago, v.55, n.5, p , CANELLA, K. M. N. C.; GARCIA, R.B. Caracterização de quitosana por Cromatografia de Permeação em Gel - Influência do método de preparação e do solvente. Química Nova, v. 24, n. 1, CANER, C.; CANSIZ, O. Effectiveness of chitosan-based coating in improving shelf-life of eggs. Journal of the Science of Food and Agriculture, v 87, p , CARR, L.G. Desenvolvimento de embalagens biodegradáveis tipo espuma a partir de fécula de mandioca. Julho de p. [Tese]. USP, São Paulo, CARVALHO, R.A. Elaboração e caracterização de filmes à base de gelatina modificada enzimática e quimicamente p. [Tese- Doutorado em Alimentos e Nutrição] Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, CRAVEIRO, A. A.; CRAVEIRO, A. C.; QUEIROZ, D. C. Quitosana: a fibra do futuro. Parque de Desenvolvimento Tecnológico PADETEC, Fortaleza, CENTRO DE TECNOLOGIA DE EMBALAGENS-CETEA. Ensaios para avaliação de embalagens plásticas flexíveis. Campinas - São Paulo, p. 219, CEPIS. Disponível em < >. Acesso em: 12 mar. de

51 CUQ, B., GONTARD, N., GUILBERT, S. Protein as agricultural polymers for packaging production. Cereal Chemistry, v.75, n.1, p.1-9, DAVIS, G.; SONG, J.H. Biodegradable packaging based on raw materials from crops and their impacto n waste management. Industrial Crops and Products, v. 23, p , DESPOND, S.; DOMARD, A.; ESPUCHE, E. Water sorption and permeation in chitosan films: relation between gas permeability and reactive humidity. Journal of Polymer Science: Part B: Polymer Physics, v. 39, p , DI MASCIO, P.; KAISER, S.; SIES, H. Lycopene as the most efficient biological carotenoid singlet oxygen quencher. Arch. Biochem. Biophys, v. 274, p , DOLE, P.; JOLY, C.; ESPUCHE, E.; ALRIC, I.; GONTARD, N. Gas transport properties of starch based films. Carbohydrate Polymers, v. 58, p , EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA RONDÔNIA. Rondônia discute biodisel com uso de dendê. Disponível em: <http://www.procitropicos.org.br/userfiles/file/release_1310biodisel20_2.pdf>acesso em abril de FAKHOURI, F.M.; FONTES, L.C.B.; GONÇALVES, P.V. de M.; MILANEZ, C.R.; STEEL, C.J.; COLLARES-QUEIROZ, F.P. Filmes e coberturas comestíveis compostas à base de amidos nativos e gelatina na conservação e aceitação sensorial de uvas Crimson. Ciência e Tecnologia de Alimentos, s.i., v. 27, n. 2, p , FAI, A. E., STAMFORD, T. C., STAMFORD, T. L. Potencial biotecnológico de quitosana em sistemas de conservação de alimentos. Revista Iberoamericana de Polímeros, v. 9, n. 5, FAIRLEY, P.; MONAHAN, F.J.; GERMAN, J.B; KROCHTA, J.M. Mechanical properties and water vapor permeability of edible films. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 44, n. 2, p , FAOSTAT AGRICULTURAL DATA. Food and agriculture organization of the United States Nations Statistical databases. Disponível em: faostat.fao.org/faostat/. Acessado em 10 de junho de FERNANDEZ-SAIZ, P.; LAGARON, J. M.; OCIO, M. J. Optimization of the biocide properties of chitosan for its application in the design of active films of interest in the food area. Food Hydrocolloids, v 23, p , FERREIRA, V.L.P. Princípios e aplicações da colorimetria em alimentos. Campinas: Ital, (Instruções Técnicas, n.19). 85p

52 FORSSELL, P ; KUUTTI, L.; PELTONEN, J.; MYLLÄRINEN, P.; TELEMAN, O. AFM in studies of thermoplastic starches during ageing. Carbohydrate polymers, Barking, v. 37, n. 1, p. 7-12, FURLAN. L. Copolímeros grafitizados de quitina e quitosana com monômeros acrílicos: estudos de adsorção de Ca (II) e aplicações na tecnologia do papel. Florianópolis, Dissertação [Mestrado] Universidade Federal de Santa Catarina, FUKUMOTO, L. R.; MAZZA, G. Assessing antioxidant and prooxidant activities of phenolic compounds. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 48, n. 8, p , GHIRALDINI, J.E. Produção e comercialização interna de corantes naturais para alimentos. In: Seminário de Corantes Naturais para Alimentos, p , GIESE, J. Color measurement in foods as a quality parameter. Food Technology, v. 54, n. 2, p , GOMES, G.; DVORSAK, P.; HEIL, T. Indústria Petroquímica Brasileira: situação atua e perspectivas. BNDES Setorial, n. 21, p , GONTARD, N.; DUCHEZ, C.; CUQ, J-L.; GUILBERT, S. Edible composite films of wheat and lipids: water vapor permeability and other physical properties. International Journal of Food Science and Technology, v. 29, p , GONTARD, N. Films et enrobages comestibles: étude et amélioration des propriétés filmogènes du gluten p. Tese (Doctorat Biochime, Biologie Cellulaire et Moleculaire/Sciences des Aliments), Université des Sciences et Techniques du Languedoc, Montpellier, GUILBERT, S. Tecnology and application of edible protective films. Elsevier Applied Science Publishers, p , GUILBERT, S.; CUQ, B.; GONTARD, N. Recent innovations in edible and/or biodegradable packaging materials. Food Additives and Contaminants, v. 14, p , HAILA, K.M.; LIEVONEN, S.M.; HEINONEN, M.I. Effect of Lutein, Licopeno, Annatto and α-tocopherol on Autoxidation od Triglycerides. Journal of Agricultural e Food Chemistry, v. 44 p ,1996. HAN J.H.; HO C.H.L.; RODRIGUES E.T. Intelligent packaging. Innovations in food packaging. Baltimore, Elsevier Science & Technology Books, p , HAYASHI Y.; OHARA N.; GANNO T.; YAMAGUCHI K.; ISHIZAKI T.; NAKAMURA, T.; SATO, M. Chewing chitosan-containing gum effectively inhibits the growth of cariogenic bacteria. Archive Biology, v 52, p. 290,

53 HONG, S. I.; PARK, W-S. Use of color indicators as an active packaging system for evaluating kimchi fermentation. Journal of Food Engineering. v. 46, p HUBER M.; RUIZ J.; CHASTELLAIN F. Off-flavour release from packaging ma terals and its prevention: a foods company s approach. Food Additives and Contaminants, v. 19, p , HUTCHINGS, J B. Food color and appearance. Gaithersburg, Aspen Publishers, Inc., JARDINI, F. A.; MANCINI-FILHO, J. Avaliação da atividade antioxidante em diferentes extratos da polpa e sementes da romã (Punica granatum, L.). Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 43, p , JOHN, M.J., THOMAS, S. Biofibres and biocomposites. Carbohydrate and Polymers, v. 71, p , KAMIL J.Y.V.A.; JEON Y.J., SHAHIDI F. Antioxidative activity of chitosans of different viscosity in cooked comminuted flesh of herring (Clupea harengus). Food Chemical, v. 79, p , KANAUCHI, O.; DEUCHI, K..; IMASATO, Y. Mechanisms for the Fat Digestion by Chitosan. Biotechnology Biochemical, v. 59, p.786, KAUR, C.; KAPOOR, H. C. Antioxidants in fruits and vegetables - the millennium s health. International. Journal of Food Science and Technology, v. 36, n. 7, p , KIRCHHOF, SIMONI C.; CRIZEL, GISELI R.; MENDONÇA, CARLA R. B. A influência da água na conservação dos alimentos, in:xvii CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, KESTER, R. FENNEMA, O. R. Edible films and coatings: a review. Food Technology, v. 40, p KROCHTA, J. M. Proteins as raw materials for films and coatings: definitions, current status and opportunities. In: GENNADIOS, A. Protein-Based Films and Coatings. 1ª. ed. Boca Raton: CRC Press, 672p, KURITA, K. Controlled functionalization of the polysaccharide chitin. Polymers Science, v. 26, p , LAGUERRE M,; LECOMTE J.; VILLENEUVE P. Evaluation of the ability of antioxidants to counteract lipid oxidation: existing methods, new trends and challenges. Progress in Lipid Research, v 46, p , LAI, H-M.; PADUA, G.W. Water vapor barrier properties of zein films plasticized with oleic acid. Cereal Chemistry, v.75, n.2, p , LAWTON, J.W. Effect of starch type on the properties of starch containing films. Carbohydrate Polymers, v.29, p ,

54 LDB. Legislação e Decretos sobre o Biodiesel. Resolução ANP n 42, de 24 de novembro de Disponível em: <http://www.biodieselbr.com /biodiesel/legislacao/legislacaobiodiesel. htm>. Acesso em 18 mai LIMA, U. de A., AQUARONE, E., BORZANI, W., SCHMIDELL, W., Biotecnologia Industrial, v 3, 1ª. Edição. Editora Edgar Blucher Ltda. São Paulo, LOURDIN, D.; VALLE, G. D.; COLONNA, P. Influence of amylose content on starch films and foams. Carbohydrate Polymers, v. 27, p , MACHADO, B. A. S. Desenvolvimento e caracterização de filmes biodegradáveis a base de amido de mandioca e reforçados pela incorporação de nanowhiskers de celulose de coco. Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos). Universidade Federal da Bahia- BA, MALOBA, F. W.; ROONEY, M. L.; WORMELL, P.; NGUYEN, M. Improved oxidative stability of sunflower oil in the presence of an oxygen-scavenging film. Journal of the American Oil Chemists Society, v. 73, n. 2, p , MCHUGH, T.H.; KROCHTA, J.M. Sorbitol vs glycerol plasticized whey protein edible films: integrated oxygen permeability and tensile property evaluation. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v.42, p , MOURA, J. M.; FERREIRA, A. F. C.; SILVA, F. M. M.; RIZZI, J.; PINTO, L. A. A. Obtenção de quitina a partir de carapaças de siri: uso de um planejamento experimental na etapa de desmineralização. EQAMA Encontro de Qualidade dos Alimentos e Meio Ambiente, Rio Grande, 2004 MORAES, A. F., GOUVEIA, L. E., SOARES, N. F., SANTOS, M. M., GONÇALVES, M. P.Desenvolvimento e avaliação de filme antimicrobiano na conservação de manteiga. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 27, p , ago MOTA, R.D.P. Elaboração e caracterização de filmes biodegradáveis através de blenda polimérica de amido de lírio-do-brejo (Hedychium coronarium) e de Amido de Fruto-do-lobo (Solanum lycocarpum St. Hill). 2009,100p. Dissertação (Mestrado em Cências Moleculares) Universidade Estadual de Goiás. Anápolis-GO. MOURA, C.; MUSZINSKI, P.; SCHMIDT, C.; ALMEIDA, J.; PINTO,L. Quitina e Quitosana produzidas a partir de resíduos de camarão e siri:avaliação do processo em escala piloto. Vetor, Rio Grande, v.16, n. 2, p , NUNES, E. C. B. Propriedades ópticas de óleos derivados do fruto da palma. TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) Departamento de Física - Universidade Federal do Pará UFPA, Belém-PA, 35 p., OLABARRIETA, I. Strategies to improve the aging, barrier and mechanical properties os chitosan, whey and wheat gluetn proteins films. (Tesis de 54

55 Doutorado. Department o os Fibre and Polymer Technology, Stockholm, Sweden, ORTIZ, J.A R. Caracterização físico-química de filmes biodegradáveis de farinha de mandioca e proteína de soja por extrusão p. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, RJ. PASSOTO, J. A., PENTEADO, M. V. C., MANCINI-FILHO, J. Atividade antioxidante do beta-caroteno e da vitamina A. Estudo comparativo com antioxidante sintético. Ciência e Tecnologia de Alimentos v. 18, n. 1, p , PELISSARI, F. M. Produção e caracterização de filmes de amido de mandioca, quitosana e glicerol com incorporação de óleo essencial de orégano. 123p Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos) - Universidade Estadual de Londrina. Londrina-PR, PERAZZO, K.K.N.C.L. Filme biodegradável à base de fécula de mandioca incorporado de compostos naturais para a conservação de manteiga: desenvolvimento, caracterização e avaliação da ação antioxidante p. Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos) Universidade Federal da Bahia. Salvador- BA, PEREZ, J. Theories of liquid-glass transition. Journal of Food Engineering, Essex, v. 22, n. 1, p , PESCHEL, W., SANCHEZ-RABANEDA, F., DIEKMANN, W., PLESCHER, A., GARTZIA, I., JIME NEZ, D. An industrial approach in the search of natural antioxidants from vegetable and fruit wastes. Food Chemistry, v. 97, n.1, p , PETER, M. G. Chitin and chitosan from animal sources. Biopolymers, Polyssaccharides II: Polissaccarides from Eukaryotes, v. 6, p , PINOTTI, A., GARCIA, M.A., MARTINO, M.N., ZARITZKY, N.E. Study on microstructure and physical properties of composite films based on chitosan and methylcellulose. Food Hydrocolloids, v.21, n.1, p , PINTO, A.C.; GUARIEIRO, L.L.N.; REZENDE, M.J.C. Biodiesel: An overview. Journal Brazil Chemistry Society,v. 16, n. 6, p , PITTLER, M.H.; ABBOT, N.C.; HARKNESS, E.F.; ERNST E. Randomized, doubleblind trial of chitosan for body weight reduction. Jornal Clínica e Nutrição,. v. 53, p. 379, PIVA, A. M.; WIEBECK, H. Reciclagem do plástico: como fazer da reciclagem um negócio lucrativo. Artiliber Editora. São Paulo,

56 PRESTON, H.D.; RICKARD, M.D. Extraction and chemistry of annatto. Food Chemistry., v. 5, p , RABELLO, M. Aditivação de polímeros. São Paulo, Artliber Editora LTDA, 242 p., RAMALHO, V. C.; JORGE, N. Antioxidantes utilizados em óleos, gorduras e alimentos gordurosos. Química Nova, v. 29, n. 4, p , RATHKE, T. D.; HUDSON, S. M. Review of Chitin and Chitosan as Fiber and Film Formers. Reviews Journal. of Macromolecules, v. 34, p , RAVI KUMAR, M. N. V. A review of chitin and chitosan applications. Reactive & Functional Polymers, v. 46, p. 1 27, RIBEIRO, M. A.; BERNARDO-GIL, M. G.; ESQUÍVEL, M. M. Melissa officinalis, L.: study of antioxidant activity in supercritical residues. Journal of Supercritical Fluids, v. 21, n. 1, p , RIGO, L.N. Desenvolvimento e caracterização de filmes comestíveis p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Alimentos). Universidade Regional Integrada de Alto Uruguai e das Missões- Erechin, RS RINAUDO, M.; PAVLOV, G.; DESBRIÉRES, J. Solubilization of chitosan in strong acid medium. International Journal of Polymer: Analysis and Characterization. Polymers, v. 40, p , RINDLAV-WESTLING, A.; STADING, M.; GATENHOLM, P. Crystallinity and morphology in films of starch, amylose and amylopectin blends. Biomacromolecules, v. 3, p , RIOS A.O.; MERCADANTE, A.Z. Otimização das Condições para Obtenção De Padrão De Bixina E Das Etapas De Extração E Saponificação Para Quantificação De Bixina Em Snacks Extrusados Por CLAE. Alim. Nutr., Araraquara, v. 15, n. 3, p , RODRIGUES, E. Informações gerais sobre o dendezeiro. Alimentos e Tecnologia, v. 1, n. 10, p. 46, RÖDEL, W.; SCHEUER, R.; WAGNER, H. Nuevo Metodo para la Determinacion de la Actividad Agua en Produtos Cárnios. Fleischwirtschaft,v.2,p.36-41, ROONEY, M.L. Active packaging in polymer films. In: ROONEY, M.L. Active food packaging. Glasgow: Chapman & Hall, p , SANTOS, J. E., SOARES, J.P., DOCKAL, E. R., FILHO, S., CAVALHEIRO, E. T. Caracterização de quitosanas comerciais de diferentes origens. Polímeros: Ciência e Tecnologia, v. 13, n. 4, p ,

57 SANTOS, N. R. Dendeicultura no Estado do Amazonas: Viabilidade econômica, social e ambiental, utilização do óleo de dendê como fonte alternativa de energia e considerações sobre incentivos governamentais e a pesquisas. Universidade Federal de Uberlândia, Instituto de Economia, 22p SARANTÓPOULOS, C.I.G.L.; OLIVEIRA, L.M.; PADULA,M.; COLTRO, L.; ALVES, R.M.V; GARCIA, E.E.C. Embalagens plásticas flexíveis: principais polímeros e avaliação das propriedades. 1.ed. Campinas: CETEA/ITAL, p.267, SARMENTO, A.L.S.C. Elaboração e caracterização de filmes biodegradáveis a partir de gelatina reticulada. [Dissertação de Mestrado], Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia de Alimentos, Campinas, SILVA, P. I. Métodos de extração e caracterização de bixina e norbixina em sementes de urucum (bixa orellana l.). Fevereiro de [Dissertação]. Universidade Federal de Viçosa. Minas Gerais, SHIN, D. H.; CHEIGH, H. S. & LEE, D. S. The use of Na 2 CO 3 -based CO 2 absorbent systems to alleviate pressure buildup and volume expansion of kimchi packages. Journal of Food Engineering, v. 53, p , SOARES, N. F.; SILVA, W. A.; PIRES, A. C.; CAMILLOTO, G. P.; SILVA, P.S. Novos desenvolvimentos e aplicações em embalagens de alimentos. Revista Ceres, v.56, p , SOARES, N. F. F. Bitterness reduction in citrus juice through naringinase immobilized into polymer film. [Tese- Universidade de Cornell]. 130p SOBRAL, P.J.A. Influência da espessura de filmes biodegradáveis feitos à base de proteínas miofibrilares sobre suas propriedades funcionais. Pesquisa Agropecuária. Brasileira, Brasília, v.35, n.6, p , jun SOBRAL, P. J. A. Propriedades funcionais de filmes biodegradáveis de gelatina em função da espessura. Ciência e Engenharia, v. 8, n. 1, p , SOUZA, C.O. Preparação, caracterização e avaliação da eficácia de filmes biodegradáveis a base de fécula de mandioca e incorporados com polpas de manda e de acerola com aditivos antioxidantes. [Dissertação- Universidade Federal da Bahia). 159p. Salvador, SYNOWIECKI J.; AL-KHATEEB N., Production, properties, and some new applications of chitin and its derivatives. Food Science. Nutrition. v 43, p , TANADA-PALMU, P.S; PROENÇA, P. S. TRANI, P. E., PASSOS, F. A.; GROSSO, C. R. F. Recobrimento de sementes de brócolos e salsa com coberturas e filmes biodegradáveis. Bragantia, v. 64, n. 2, p ,

58 THARANATHAN, R.N. Biodegradable films and composite coatings: past, present and future. Trends in Food Science & Technology, v. 14, p , TRIGUEIRO, I.N.S. Características físicas e químicas dos carotenóides precursores de vitamina A em óleo de dendê. Valor de vitamina A e influência do armazenamento. PHd theses, State University of São Paulo, p (in portuguese), TOCCHINI, L.; MERCADANTE, A.Z. Extração e determinação, por CLAE, de bixina e norbixina em coloríficos. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 21, n. 3, p , VAN DE VELDE, K.; KIEKENS, P. Development of a flax/polypropylene composite with optimal mechanical characteristics by fiber and matrix modification. Journal of Thermoplastic Composite Materials, v. 15, n. 4, p , VERMEIREN, L.; DEVLIEGHERE, F.; BEEST, M.; KRUIJF, N. DEBEVERE, J. Developments in the active packaging of foods. Trends in Food Science & Technology. v. 10, p , VICENTINI, N. M. Elaboração e caracterização de filmes comestíveis à base de fécula de mandioca para uso em pós-colheita f. [Tese (Doutorado em Agronomia] Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, VILPOUX, O.; AVEROUS, L. Culturas de tuberoses amiláceas latino americanas. Cargill, v.3, p , WONG, D.W.S.; GASTINEAU, F.A.; GASTINEAU, F.A.; GREGORSKI, K.S.; TILLIN, S.J. & PAULATH, A.E. Chitosan lipid films: microstructure and surface energy. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 40, n. 4, p , WOLF,K.L Propriedades físico-químicas e mecânicas de biofilmes elaborados a partir de fibra e pó de colágeno p. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Ciência de Alimentos). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho- São José de Rio Preto- SP, YOSHIGA, A. Estudo do composto PVC reciclado/caco3 em pastas vinílicas. [Tese de doutorado em Engenharia] 211p. Universidade de São Paulo, São Paulo, ZACTITI, E. M. Desenvolvimento e caracterização de filmes biodegradáveis de alginato de cálcio sem e com sorbato de potássio. Dezembro de [Dissertação]. UNICAMP- Campinas, São Paulo, ZHENG L.Y.; ZHU Y.F. Study on antimicrobial activity of chitosan with different molecular weights. Carb Polym v. 54, p ,

59 . Capítulo II Tendências tecnológicas do biopolímero quitosana e de filmes elaborados desta matriz através da prospecção em documentos de patentes 59

60 CAPITULO II Tendências tecnológicas do biopolímero quitosana e de filmes elaborados desta matriz através da prospecção em documentos de patentes. RESUMO - A quitosana é um biopolímero, derivado hidrolisado da quitina insolúvel em solução aquosa neutra ou alcalina e é solúvel em soluções ácidas. Portanto, um composto que possibilita a fabricação de filmes biodegradáveis, devido a sua alta capacidade em formar gel na presença de ácidos fracos, sua atividade antimicrobiana e pelo controle de trocas gasosas. Mediante a importância atual em se implementar alternativas ambientalmente sustentáveis, o objetivo deste trabalho foi realizar um estudo de prospecção para avaliar o panorama mundial da utilização da quitosana, principalmente em filmes biodegradáveis na indústria alimentícia. Foram realizadas consultas nos bancos de dados de patentes do escritório europeu Espacenet (EP), utilizando palavras-chave em inglês para a pesquisa avançada (Advanced Search).O baixo número de patentes encontrados evidencia a necessidade de incentivo à pesquisa e à proteção dessa tecnologia pesquisada, tanto no setor público quanto privado e implementação de políticas governamentais que possibilitem maior interação entre universidades e indústria, a fim de se estimular a transferência de conhecimentos tecnológicos da universidade para o setor produtivo. PALAVRAS-CHAVE: Tendências tecnológicas; quitosana; filmes biodegradáveis; prospecção. ABSTRACT Chitosan is a biopolymer derived from chitin hydrolyzed insoluble in neutral or alkaline aqueous solution and is soluble in acidic solutions. Therefore, a compound that enables the manufacture of biodegradable films, due to its high capacity to form gels in the presence of weak acids, antimicrobial activity and control of gas exchange. Through the current importance of environmentally sustainable alternatives to implement the objective of this study was a prospective study to assess the global picture of the use of chitosan, especially in biodegradable films in the food industry. Consultations were held in databases Espacenet European Patent Office (EP) using key words in English to the Advanced Search (Advanced Search). The low number of patents found highlights the need to encourage research and the protection of the technology researched in both the public and private sectors and implementation of government policies that allow greater interaction between universities and industry in order to stimulate the transfer of technological knowledge from universities to the productive sector. KEYWORDS: Technology trends; chitosan; biodegradable films; prospecting. 60

61 1. Introdução Um filme biodegradável é um filme fino preparado de materiais biológicos, que a- gem como barreira a elementos externos protegendo assim o produto e aumentando a sua vida de prateleira. Pela sua composição é facilmente degradado biologicamente, fato que contribui para o desenvolvimento sustentável (HENRIQUE et al.., 2008). Os materiais biodegradáveis são geralmente produzidos com materiais biológicos, como polissacarídeos (derivados de celulose, amido, alginato, quitosana, pectina e diferentes gomas), proteínas (glúten do trigo, as proteínas do leite, da soja e do milho, o colágeno e as gelatinas de origem animal), lipídios e derivados (KROCHTA, 2002). Os filmes possuem potencial para controlar a perda de umidade e a troca de oxigênio, e etileno e dióxido de carbono do tecido das frutas; dessa forma funciona como alternativa ao tratamento por atmosfera controlada, alternativa que está sendo empregada na preservação de frutas e hortaliças apesar dos custos do processo (AVENA-BUSTILLOS e KROCHTA, 1993). A quitosana é um derivado hidrolisado da quitina. É a forma desacetilada desta, composta principalmente de glucosamina (2-amino-2-desoxi-D-glucose), possuindo diferentes classes de desacetilações. São produzidas, a partir do polissacarídeo inicial (quitina) por uma reação de desacetilação. Uma de suas principais características é a insolubilidade em água e também em outros solventes orgânicos (THANOO et al., 1991). A quitosana é insolúvel em solução aquosa neutra ou alcalina e é solúvel em soluções ácidas. Presumivelmente o grande número de sítios catiônicos ao longo da cadeia permite a solubilidade em água por aumentar tanto a polaridade do composto quanto o grau de repulsão eletrostática entre unidades do polímero. Evidentemente a quitina possui uma porcentagem insuficiente de unidades de glucosamina para permitir solubilidade em água, até mesmo em condições ácidas. Esta característica de solubilidade é talvez a principal diferença entre estas duas estruturas (WINTEROWD e SANDFORD, 1995). Devido a suas características atóxicas e fácil formação de géis, a quitosana é considerada um composto de grande interesse industrial. São exemplos de aplicações industriais da quitosana: no tratamento de águas e efluentes, tratamento de queimaduras e como pele artificial (uso na biomedicina), revestimento de comprimidos (medicamentos), fabricação de lentes de contato, na redução da obesidade (fibras dietéticas). Na in- 61

62 dústria de alimentos pode ser utilizada como aditivos alimentares, sendo agente texturizante, estabilizante, emulsificante, etc. (FAI et al., 2008). A quitosana é, portanto, um composto que possibilita a fabricação de filmes biodegradáveis, devido a sua alta capacidade em formar gel na presença de ácidos fracos, sua atividade antimicrobiana e pelo controle de trocas gasosas. Essas propriedades têm proporcionado aumento da vida de prateleira dos produtos submetidos a armazenamento por estes filmes, sem alteração das características organolépticas dos mesmos (CAM- PANA-FILHO, et al., 2007). Em se tratando de atividade antimicrobiana, alguns estudos apresentam inibição do crescimento de alguns microrganismos por conta da atividade deste biopolímero. São eles: Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Salmonella. typhimurium, Streptococcus faecali, Salmonella entérica, S. paratyphi, Pseudomonas aeruginosa, Listeria monocytogenes, Bacillus. cereus, Shigella dysenteriae, entre outros (FAI et al., 2008). Alguns pesquisadores explicam a atividade antimicrobiana da quitosana por seus grupos amínicos que, uma vez em contato com os fluidos fisiológicos, provavelmente são protonados e se ligam a grupos aniônicos desses microrganismos, resultando na a- glutinação das células microbianas e inibição do crescimento (RAVI KUMAR, 2000). Outros estudos sugerem que os efeitos da quitosana são distintos nos dois tipos de bactérias: no caso das gram-positivas, a hipótese é que quitosana de alta massa molecular forma películas ao redor da célula que acabam por inibir a absorção de nutrientes, enquanto que quitosana de baixa massa molecular penetra mais facilmente em bactérias gram-negativas, alterando o metabolismo desses microorganismos (ZHENG e ZHU, 2003). A elaboração do filme envolve a utilização de pelo menos um agente formador de filme (macromoléculas), solvente (água, etanol, entre outros), plastificante (glicerol, sorbitol,etc) e agente ajustador de ph (ácido acético, NH4OH, etc) (THARAHATHAN, 2003). A formação de filmes bioativos envolve associações inter e intramoleculares ou ligações cruzadas de cadeias de polímeros formando uma rede tridimensional semirígida que retém o solvente. A transformação da solução filmogênica em filmes é conseqüência destas interações intermoleculares. (CARVALHO, 2002). Os plastificantes são definidos como substâncias com alto ponto de fusão e baixa volatilidade, que devem ser compatíveis com o biopolímero para garantir sua eficiência. Interagem com a interface do polímero, enfraquecendo as forças intermoleculares, dan- 62

63 do maior mobilidade às cadeias formadoras da matriz polimérica e consequentemente, aumentando a flexibilidade dos filmes (AZEREDO et al., 2010). A adição de um agente plastificante é necessária para superar a fragilidade dos filmes, que ficam quebradiços devido às extensivas forças intermoleculares. Os plastificantes reduzem essas forças, suavizam a rigidez da estrutura do filme e aumentam a mobilidade entre as cadeias biopoliméricas, melhorando as propriedades mecânicas do filme (GUILBERT e BIQUET, et al., 1995). Isso resulta em maior permeabilidade aos gases e ao vapor d água. (FAIRLEY et al., 1996). As propriedades protetoras desses filmes podem ser reforçadas mediante a incorporação de aditivos que agem liberando compostos que aumentam a vida-de-prateleira dos produtos tais como agentes antimicrobianos, bactericidas, fungicidas, antioxidantes ou o uso de enzimas. Cabe salientar que, como o consumidor tem aumentado a demanda por alimentos seguros e estão, especialmente, preocupados com os efeitos colaterais de vários aditivos artificiais, é de grande importância o estudo de novos aditivos naturais e não tóxicos no intuito de substituir os aditivos artificiais na manutenção da qualidade dos alimentos (GUILBERT e BIQUET, 1995). Portanto, o objetivo deste trabalho foi realizar um estudo de prospecção para avaliar o panorama mundial da utilização da quitosana, principalmente em filmes biodegradáveis na indústria alimentícia, relacionando os documentos de patentes depositados sobre a utilização do polímero, conhecer os países detentores desta tecnologia, incluindo as principais áreas que utilizam essa matriz como ferramenta de inovação tecnológica. 2. Aspectos Metodológicos Para obtenção de dados atualizados referentes aos documentos de patentes e propriedade intelectual relacionados à quitosana e filmes biodegradáveis a partir dessa matriz, foram realizadas consultas nos bancos de dados de patentes. A busca foi realizada utilizando palavras-chave sobre a matriz quitosana e processo de produção dos polímeros biodegradáveis (filmes) e seu emprego em diversos setores industriais. Foram empregados os termos em inglês para a pesquisa avançada (Advanced Search) no escritório europeu Espacenet (EP). Ressalta-se que foram utilizadas as seguintes palavras-chaves e suas combinações: chitosan, films and chitosan, packing and chitosan e biodegradable films and chitosan. 63

64 Foi escolhida a pesquisa avançada (Advanced Search) da base de dados européia, pois esta compreende a coleção completa de pedidos de patentes em mais de 80 países, incluindo, por exemplo, os pedidos de patentes nacionais, Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), norte americanos, United States Patent and Trademark Office (USPTO) e via Patent Cooperation Treaty (PCT). Os dados coletados nos documentos de patentes foram tratados e discutidos pela análise de informações relevantes extraídas nestes documentos, o que permitiu se traçar um perfil superficial dos depositantes, ressaltando os principais países detentores destas tecnologias, a evolução do número de depósitos nos últimos anos, as principais áreas de aplicação destas tecnologias, etc. Vale ressaltar que o termo documento de patente abrange pedidos de patente publicados ou patentes concedidas. 3. Resultados e Discussão 3.1 Pesquisa dos documentos de patentes Tabela 1: Número de patentes encontradas de acordo com as palavras-chave Palavras-chave Quantidade chitosan 500 films* chitosan 11 packing* chitosan 3 biodegradable films*chitosan 1 TOTAL Objetos das patentes depositadas Das 515 patentes obtidas nas pesquisas com as 4 palavras-chave, 311 são patentes de aplicação em produtos e 204 são de metodologia de processo de produção (Figura 1). 64

65 Figura 1: Distribuição de patentes de acordo com critério processo x produto. Dentre as diversas áreas de aplicação que as patentes depositadas abrangem, a maior parte refere-se ao uso de quitosana na área farmacêutica e química (Figura 2). Entretanto, a utilização desse polímero como constituinte de embalagens ainda é restrita, já que apenas 12 patentes são destinadas ao tema, as quais possuem aplicação voltada para a área farmacêutica, de alimentos, química e agroindustrial. Figura 2: Distribuição de patentes conforme área de aplicação destas. 65

66 A quitosana vem sendo extensivamente estudada devido às suas propriedades peculiares que lhe conferem um aproveitamento bastante versátil, tais como: carreador de fármacos de liberação controlada e DNA, regeneração de tecidos epiteliais, confecção de membranas artificiais, promotor de osteogênese, antibacteriano, coadjuvante da higiene oral, absorção de gordura e redução do colesterol sérico, componente de cosméticos, remoção e recuperação de diferentes resíduos, biotransformação e detecção de pesticidas, recobrimento de sementes na agricultura, remoção de corantes, aminoácidos e proteínas e como agente floculante no tratamento de efluentes aquosos (FAI, 2008). Este polímero insolúvel em água é um excelente ligante, propriedade importante para aplicação nas áreas farmacêutica, alimentícia e de saúde (MATTEUS, 1997). A modificação da estrutura química de biopolímeros, com o intuito de conferir-lhes propriedades funcionais adicionais ou simplesmente melhorar atributos já característicos dos mesmos é uma atividade de pesquisa muito explorada, haja vista o número expressivo de publicações científicas e de patentes disponíveis. A quitosana é um biopolímero que apresenta sítios reativos versáteis para modificações químicas, o que a insere em um conjunto de biomoléculas de grande interesse para pesquisadores de diversos ramos da ciência, uma vez que derivados de quitosana obtidos por meio dessas transformações demonstram diversas aplicações biotecnológicas, biomédicas e farmacêuticas (LARANJEIRA e FÁVERE, 2009.) A busca por alternativas que minimizem os danos ambientais é uma tendência cada vez mais estudada. O uso do biopolímero quitosana na confecção de embalagens biodegradáveis para uso em indústria alimentícia é muito indicado, uma vez que além de se aproveitar as propriedades favoráveis desta matriz para este fim (apresentadas anteriormente), também poderá se contribuir para o desenvolvimento sustentável de um setor cuja demanda mundial e a geração de resíduos é intensa. Nas patentes recuperadas através da busca por associação de palavras chaves fora encontradas onze patentes para filme*quitosana ; três patentes para embalagens*quitosana e uma patente para filmes biodegradáveis*quitosana, tendo esta última o título: Biodegradable laminated films fabricated from pectin and chitosan, que tem como objeto da invenção um processo na área agroindustrial, com publicação em O país detentor desta patente privada são os Estados Unidos. Diante dos dados observados em relação ao baixo número de patentes que se referem ao uso de quitosana como matriz para embalagens biodegradáveis, das boas propriedades desta matriz para este fim e de sua grande disponibilidade no meio ambiente para 66

67 sua utilização faz-se necessário o incentivo à pesquisa e à proteção de tecnologias na confecção de filmes e outros artigos com este biopolímero. 3.3 Instituições de depósitos Das patentes encontradas nesta pesquisa, o título da maioria pertence à universidades (ver Figura 3), com prevalência de universidades e centros e institutos de pesquisa da China, sendo a Universidade de Shanghai a principal universidade que publica patentes sobre quitosana. Na China, 16 por cento das patentes provêm do mundo acadêmico. Isso se compara a quatro por cento nos Estados Unidos e um por cento no Japão. A tendência existe porque o governo chinês exerce forte direção quanto às áreas técnicas que devem ser pesquisadas (AÇÃO MAGISTRAL, 2011). Figura 3: Distribuição das patentes de acordo com as instituições de depósitos. Durante a pesquisa contatou-se que apenas 1 patente que tratava do uso de quitosana em embalagens biodegradáveis das 3 patentes encontradas foi depositada pela Universidade de Shanghai, sendo as demais de iniciativa privada. Entre 1979 e 2004, 41 universidades registraram depósitos de patentes no INPI. A Universidade de Campinas (UNICAMP) aparece como titular em 31,6% dos depósitos. Em segundo lugar está a Universidade de São Paulo (USP) com 16,5% e em seguida a 67

68 Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com 9,9% e 9,2% dos depósitos, respectivamente. Esses números estão subestimados, pois em 2000, a FAPESP criou o Núcleo de Patentes e Licenciamento de Tecnologia (NUPLITEC) com o objetivo de gerenciar os pedidos financiados pela FA- PESP, ficando desde então, com a titularidade dos pedidos. Embora as universidades tenham realizado apenas uma média de 1% dos depósitos de patentes de residentes no Brasil entre 1998 e 2001, elas foram responsáveis por 34,5% dos depósitos de biotecnologia e 28,6% de química orgânica neste período, o que demonstra uma significativa contribuição das universidades para setores baseados na ciência. A Universidade Federal da Bahia (UFBA) está na 36ª. posição dentre as universidades brasileiras que mais patenteiam. (PÓVOA, 2010). 3.4 Países detentores da tecnologia Observando os documentos de patentes depositados, em relação aos países detentores das tecnologias patenteadas, destaca-se a China com 63% seguida da Coréia do Sul com 10% (Figura 4). Isso pode estar associado ao fato de que a China está utilizando melhor o sistema de patentes internacionais, com um forte aumento de pedidos de patentes, segundo a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). Em 2006, a China pediu o registro de patentes internacionais, um aumento de 56,8% em comparação com o ano anterior (CCIBC, 2011). O espantoso aumento desses índices neste ano se deu pelo incentivo à inovação e à tecnologia nacional como prioridades no 11º plano qüinqüenal, que vigorou a partir do segundo semestre de 2006, na China. O investimento em pesquisa e desenvolvimento tem crescido. Atualmente representa 1,23% e o plano é chegar a 2,5% em Os Estados Unidos, que são referência em pesquisa e desenvolvimento, dedicam 2,76% de seu PIB para esses fins. Graças a uma política pública de longo prazo na área do ensino para formar técnicos e profissionais altamente capacitados, a China deu um salto e deixou de ser um país subdesenvolvido para se tornar uma potência. Hoje é uma das potências tecnológicas do mundo que cada vez mais conquista mercados e cresce. A prova deste resultado não está só na evolução do PIB, mas também na evolução do número de depósito de patentes (REVISTA MACAU, 2011). 68

69 Figura 4: Distribuição de patentes de acordo com países detentores da tecnologia O Japão registrou o maior total anual de patentes a cada período, entre 2001 e 2007, mas os EUA vêm reduzindo a distância. No período, o Japão teve 37 por cento dos novos pedidos de patente, ou 3,5 milhões, ante 27 por cento para os EUA e 12 por cento cada para China, Coréia do Sul e Europa (AÇÃO MAGISTRAL, 2011). No entanto, em relação às patentes que abordam o uso de quitosana em embalagens ou filmes, os EUA possuem maior número de patentes, enquanto a China ocupa o segundo lugar nessa área. Os EUA continuam sendo o país que mais solicita patentes internacionais, com quase 50 mil pedidos em 2006, 34,1% do total mundial. Depois dos EUA, os países que mais solicitam patentes são o Japão, Alemanha, República da Coréia, França, Reino Unido, Holanda e China. Através da análise dos documentos de patentes verifica-se que o Brasil não é detentor de nenhuma patente relacionada ao uso de quitosana em embalagens poliméricas, o que reforça a idéia de que as pesquisas nessa área devem ser incentivadas e que a política de incentivo à inovação no país e proteção intelectual deve ser implementada cada vez mais, tanto no setor público quanto privado. O Brasil ainda se mantém muito abaixo no ranking de depósito de patentes, estando muito abaixo dos países formadores do BRIC (sigla que se refere aos países Brasil, Rússia, Índia e China, que se destacaram no cenário mundial pelo rápido crescimento das suas economias em desenvolvimento). Atualmente os artigos publicados superam em 80 69

70 vezes o número de pedidos de patentes no Brasil, sendo a produção científica mais evidente do que a proteção dessas pesquisas nos escritórios de patentes por todo o mundo.alguns fatores podem contribuir para o déficit do desempenho do Brasil em relação aos outros países: a falta de incentivo em se proteger a propriedade intelectual e a falta de conhecimento de pesquisadores de todo o processo de depósito; a desarticulação entre governo, empresas e universidades, que vinculem as pesquisas à engrenagem de produção científica-publicação e proteção desta. Outro ponto a se considerar é o tempo de concessão da patente, que difere de país para país. Enquanto o tempo de publicação de um artigo leva em média um ano, a concessão da patente leva de seis a sete anos; cinco anos nos EUA, dois anos e meio no Japão e na Coréia do Sul (FEDERMAN, 2009). 3.5 Distribuição anual dos depósitos de patentes A quitina, precursora da quitosana, foi descoberta em 1811 por Henri Braconnot a partir de cogumelos, recebendo então o nome de fungina. Em 1823, Odier isolou-a de insetos e a denominou de quitina, porém, apenas em 1843 Payen descobriu que havia nitrogênio na sua estrutura (BERGER, 2008). Como quitosana entende-se o biopolímero obtido da desacetilação da quitina, que é o maior constituinte de exoesqueletos de crustáceos e outros animais marinhos. A quitosana foi descoberta por volta de 1859, pelo professor C. Rouget em seus experimentos. A quitosana adere facilmente a polímeros naturais como pele e cabelo, constituídos por proteínas. (MATTEUS, 1997). Os depósitos de patentes relacionadas ao polímero quitosana, incluindo sua aplicação em embalagens biodegradáveis, tiverem início a partir do ano de 1988, sendo que o número de depósitos passou a crescer a partir de 2009 (ver Figura 5). Desse modo, pode-se observar que o uso de quitosana engloba uma tecnologia moderna e atual, que tende a impulsionar estudos na área e, conseqüentemente, gerar mais depósitos de patentes, o que é observado através do crescente depósito de patentes entre os anos de 2009 e 2011 (até o momento, 50 patentes já foram depositadas em 2011 e um número de 319 depósitos foi alcançado em 2010). 70

71 Figura 5 - Número de patentes ao longo dos anos. A primeira patente que foi depositada relacionando o uso de quitosana na confecção de filmes foi em 1988, a EP (A1), Novel derivative its preparation and polymer produced therefrom, de posse do Canadá, depositada por instituição privada. 4. Conclusões A China e a Coréia do Sul possuem o maior número de patentes depositadas relacionadas ao uso de quitosana em áreas diversas, porém no que se refere à utilização desta matriz em filmes biodegradáveis, os Estados Unidos possuem a maioria dos pedidos concedidos, ficando a China em segundo lugar. Através da análise dos documentos de patentes verifica-se que o Brasil não é detentor de nenhuma patente relacionada ao uso de quitosana em embalagens poliméricas. As áreas de aplicação que mais abrangem as patentes depositadas relacionadas ao uso de quitosana são a área farmacêutica, química, de alimentos e agroindustrial. A utilização desse polímero como constituinte de embalagens ainda é irrelevante devido ao baixo número de patentes destinadas ao tema. O título da maioria das patentes pertence à universidades, com prevalência de universidades e centros e institutos de pesquisa da China. O baixo número de patentes referentes ao uso de quitosana como matriz para embalagens biodegradáveis sendo que esta possui boas propriedades para este fim e grande disponibilidade no meio ambiente evidencia a 71

72 necessidade de incentivo à pesquisa e à proteção dessa tecnologia pesquisada, tanto no setor público quanto privado e implementação de políticas governamentais que possibilitem maior interação entre universidades e indústria, a fim de se estimular a transferência de conhecimentos tecnológicos da universidade para o setor produtivo. 5. REFERÊNCIAS AÇÃO MAGISTRAL. (2011). China caminha para liderar mundo em patentes. Disponível em: Acesso em 05 de julho de AVENA-BUSTILLOS, R. J; KROCHTA, J. M. (1993). Water vapor permeability of caseinatebased edible films as affected by ph, calcium crosslinking ligand and lipid content. Journal of Food Science, v. 58, n. 4, p AZEREDO, H. M. C.; MATTOSO, L. H. C.; AVEN-BUSTILLOS, R. J.; FILHO, G. C.; MUNFORD, M. L., WOOD, D.; MCHUGH, T. H.(2010). Nanocellulose Reinforced Chitosan Composite Films as Affected by Nanofiller Loading and Plasticizer Content. Journal of Food Science, v. 75, n. 1, p. N1-N7. BERGER, G. Quitosana: a fibra do futuro. (2008). Disponível em: <http://www.polymar.com.br/produtos/lv_quitosana/cap3.pdf >. Acesso em: 19 abr CAMPANA-FILHO S.P.; BRITTO D.; CURTI E.; ABREU F.R.; CARDOSO M.B.; BATTISTI M.V.; SIM P.C.; GOY R.C.; SIGNINI R.; LAVALL R.L.(2007). Extração, estruturas e propriedades de quitina. Química Nova, v. 30, p CARVALHO, R.A.(2002). Elaboração e caracterização de filmes à base de gelatina modificada enzimática e quimicamente. 227p. Tese (Doutorado em Alimentos e Nutrição) Universidade Estadual de Campinas, Campinas. CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA BRASIL-CHINA (CCIBC). Pedidos de patentes internacionais da China aumentam muito em Disponível em: Acesso em: 22 de junho de FAI, A.E.C.; STANFORD, T. C.M.; STANFORD, T. L.M. (2008). Potencial biotecnológico de quitosana em sistemas de conservação de alimentos. Revista Iberoamericana de Polímeros, Volume 9, p FAIRLEY, P.; MONAHAN, F.J.; GERMAN, J.B; KROCHTA, J.M. (1996). Mechanical properties and water vapor permeability of edible films. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 44, n. 2, p FEDERMAN, S.R.(2009). Publicar ou depositar a patente? Fonte: Jornal da Ciência 15 de outubro de

73 GONTARD, N.; GUILBERT, S.; CUQ, J. L. (1992). Water and glycerol as plasticers affect mechanical and water vapor barrier properties of an edible wheat gluten film. J. of Food Sci., Chicago, v. 53, n. 1, p GUILBERT, S.; BIQUET, B. (1995). Películas y envolturas comestibles. In: BURE- AU, G.; MULTON, J. L. Embalaje de los alimentos de gran consumo. Zaragoza: Editora Acríbia S.A. Cap.22, p HENRIQUE, C.M.; CEREDA, M.P.; SARMENTO,S.B.S. (2008). Características físicas de filmes biodegradáveis produzidos a partir de amidos modificados de mandioca. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.28, n.1, p KROCHTA, J. M. (2002). Proteins as raw materials for films and coatings: definitions, current status and opportunities. In: GENNADIOS, A. Protein-Based Films and Coatings. 1. ed. Boca Raton: CRC Press, 672p. LARANJEIRA, M. C. M.; FÁVERE, V. T. (2009). Quitosana: biopolímero funcional com potencial industrial biomédico. Química Nova, Vol. 32, No. 3, MATTEUS, F.A.G. (1997) Application of chitin and chitosan. Switzerland: Technomic Publishing AG. PÓVOA, L. (2010). A universidade deve patentear as suas invenções? Revista Brasileira de Inovação, Vol.9, n. 2, Julho-Dezembro. RAVI KUMAR, M. N. V.(2000). React. Funct. Polymers, 46, 1. REVISTA MACAU. (2011). O plano das prioridades sociais. Disponível em: Acesso em 20 de junho de THANOO, B. C., SUNNY, M. C., JAYAKRISHNAN, A. (1991). Cross-linked chitosan microspheres preparation and evoluation as a matrix for the controlled release of pharmaceutics. J. Pharm. Pharmacol., v.44, p THARANATHAN, R.N. (2003). Biodegradable films and composite coatings: past, present and future. Trends in Food Science & Technology, v. 14, p WINTEROWD, I. G.; SANDFORD, P. A. (1995). Chitin and Chitosan. In: Food Polysaccharides and their application. New York: Elsevier Applied Science, p ZHENG L.Y.; ZHU J.F. (2003). Carbohydrate Polymers. 54,

74 Capítulo III Desenvolvimento, caracterização e eficácia antioxidante de filmes biodegradáveis a base de quitosana incorporados com glicerol e aditivos naturais 74

75 CAPITULO III Desenvolvimento e caracterização de filmes biodegradáveis a base de quitosana incorporados com glicerol e aditivos naturais. Resumo A embalagem é utilizada para prolongar a vida de prateleira do produto embalado protegendo-o mecanicamente e contra contaminações biológicas e químicas. Atualmente, a maioria destas embalagens é produzida com materiais sintéticos que estão envolvidos em problemas ambientais devido a sua não biodegradabilidade. A indústria de alimentos tem investido desenvolvimento de embalagens que substituam com vantagens ambientais e de custo os materiais já existentes. Entre os diversos tipos de embalagens ativas, as antioxidantes, que retardam a oxidação lipídica dos produtos embalados, são de grande importância para a indústria, principalmente do ramo alimentício e farmacêutico. O objetivo deste trabalho foi desenvolver, caracterizar e avaliar a biodegradabilidade dos filmes ativos utilizando a quitosana como matriz, glicerol como plastificante e corante urucum e azeite de dendê como aditivos ativos, assim como comprovar sua eficácia antioxidante como embalagem. Os filmes foram elaborados pelo processo de casting, tendo como formulação base uma solução filmogênica contendo solução de ácido acético (1%), quitosana (0,5% a 2,5%) e aditivos antioxidantes: urucum (0 a 1,0%) e azeite de dendê (0 a 0,5%), seguindo delineamento estatístico de superfície de resposta, com um modelo de ordem (24) contendo 4 pontos axiais, 4 pontos ortogonais e 3 pontos centrais, totalizando 27 formulações. A análise da cor dos filmes biodegradáveis foi feita por absorbância em espectrofotômetro UV/VIS. O parâmetro Luminosidade (L) e a* variaram de 23,48 a 83,30 e -0,63 a 40,51 respectivamente e a concentração de urucum foi a variável que mais exerceu influência significativa (p<0,01). Para o parâmetro b* (variação de 31,33 a 94,22) a maior influência foi exercida pela concentração de azeite de dendê. A espessura dos filmes variou de 0,0364 a 0,0858 mm, sendo o teor de quitosana a variável que mais afeta esta propriedade.o glicerol foi a variável que mais influenciou nos Sólidos Totais (69,58% a 83,97%) como também na Umidade (16,03 a 30,42%) e na Atividade de água (0,565 a 0,661), aumentando a hidrofilicidade dos filmes ativos biodegradáveis. A permeabilidade ao vapor d'água (1,25x10-6 a 8,41x10-6 gh2o.µm/m2.h.mmhg) melhorou devido ao filme ser emulsionado com composto hidrofóbico (presença de lipídio em sua formulação) o que diminuiu a afinidade pela água levando a modificação da estrutura filmogênica. Em relação às propriedades mecânicas, o módulo de Young (E) (157,86±0,15 a 704,0 MPa) foi influenciado pelo teor de quitosana. Quanto maior a percentagem da matriz, mais resistente se apresenta o filme sendo necessária maior força para rompê-los. A deformação (16,1 a 39%.) foi aumentando com a inserção de plastificante aos filmes. Em nível de tensão (3,69 a 28,90 MPa) gerada nos filmes a variação o teor de glicerol influencia negativamente neste parâmetro. Através da análise termogravimétrica das 3 formulações escolhidas (F17, F18 e F19) constata-se a presença de 5 eventos distintos para formulação F17, 4 eventos para F18 e 3 para formulação F19, cada estágio apresenta degradação de determinado componente a depender da temperatura em que ocorre. A avaliação da biodegradabilidade mostrou uma degradação de até 80% de perda de massa em 17 semanas de análise. Palavras chaves: filmes biodegradáveis, embalagens ativas, quitosana, glicerol, antioxidante, urucum, azeite de dendê. 75

76 Development and characterization of the biodegradable films based on chitosan incorporated with glycerol and additives natural Abstract Packing is used to extend the shelf life of the packaged product and protecting it against contamination mechanically biological and chemical. Currently, most of these packages is made from synthetic materials that are involved in environmental problems due to their non-biodegradability. The food industry has invested to replace packaging development with environmental benefits and cost of materials already. Among the various types of active packaging, the antioxidants, which slow down lipid oxidation of the packed products are of great importance to the industry, especially of food and pharmaceutical industry. Chitosan is a linear polyamine characterized by its source renewable, biodegradable and its ability to form resistant films, flexible, difficult to break, and promote effective barrier to oxygen. The objective of this study was to develop a biomaterial that can be used as packaging, using chitosan as the matrix polymer, glycerol as a plasticizer and incorporating natural additives with antioxidant properties, which is annatto and palm oil, evaluating their physicochemical properties, barrier and mechanical properties and their biodegradability. The biodegradable films were prepared by casting process, with the formulation based on a film solution containing acetic acid (1% v / v), chitosan (0.5% - 2.5%) and antioxidant additives, annatto (0-1.0%) and palm oil (0-0.5%), followed by statistical design of response surface, with a model of order (24) containing four axial points, four points and three orthogonal central points, totaling 27 formulations. The analysis of the color of biodegradable films was done by absorbance in a spectrophotometer UV / VIS and the results evaluated by the software Color version 3.0. Parameter Luminosity (L *) ranged from to 83.30, and annatto the variable that most influenced positively. The parameter a * ranged from to 40.51, having the greatest influence of annatto. For the parameter b * major influence was due to palm oil and the value ranged from to The thickness of the films ranged from to mm, and the content of chitosan variable that affects this property. The total solids present limits of 69.58% to 83.97% and a higher content of glycerol contributes to the reduction of total solids. The moisture content varied from to 30.42% and a higher content of glycerol also increases the hydrophilicity of the film. The water activity of the films was to 0.661, values that agree with the literature for active biodegradable films. The water vapor permeability of the films ranged from 1.25 x10-6 gh2o.μm/m2.h.mmhg for formulation F19 to 8.41 x10-6 gh2o.μm/m2.h.mmhg for formulation F20. The fact that this film is emulsified with hydrophobic compound (presence of lipid in their formulation) improved the water vapor permeability by decreasing the affinity for water and changes in the structure FFS. Regarding the mechanical properties, the formulations of the Young's modulus (E) exhibited a range of ± 0.15 to MPa. Formulations with higher content of chitosan have larger values of E. The higher the percentage of the matrix is more resistant film introduced requiring more force to break them. The values were related to deformation increases with the inclusion of additives to the movies, such as a plasticizer. The variation for this parameter was 16.1 to 39%. In voltage level variation of the films shown was from 3.69 to MPa and the content of glycerol has a negative influence on this parameter. Through the thermogravimetric analysis of the three formulations selected (F17, F18 and F19) there is the presence of 5 76

77 different events to formulate F17, F18 four events to 3 for formulation and F19, each stage has the particular component degradation depend on temperature in occurring. The evaluation of the biodegradability showed a degradation of up to 80% weight loss at 17 weeks of analysis. Keywords: biodegradable films, active packaging, chitosan, glycerol, antioxidant norbixin palm oil. 77

78 1.0 Introdução A demanda por materiais biodegradáveis e de baixa complexidade tecnológica tem aumentado consideravelmente nas últimas décadas, principalmente por materiais plásticos que atendam a expectativa econômica e de mercado, bem como a questão de preservação do meio ambiente (BASTOS, 2010). Os plásticos sintéticos, por serem macromoléculas poliméricas que têm uma degradação natural muito lenta, geram uma grande preocupação com o meio ambiente. Outros fatores observados foram em relação a sua origem não-renovável, a quantidade de resíduos que são gerados pelo descarte destes plásticos, além da reciclagem consumir grandes quantidades de energia térmica (PARRA et al., 2004). Um material deixa de ser resíduo pela sua valorização como matéria-prima para a produção de novos produtos; neste caso, o resíduo passa a ser tratado como subproduto do processo produtivo (BASTOS, 2010). Polímeros de origem agrícola como as proteínas e os amidos, podem ser usados para formular embalagens biodegradáveis, mas os filmes apresentam propriedades mecânicas e de barreira a gases inferiores às convencionais. No entanto, essas características não são limitantes para sua utilização, pois esta dependerá da sua aplicação (GONTARD; GUILBERT, 1996). O interesse de manter ou melhorar a qualidade dos alimentos, e ao mesmo tempo reduzir desperdício de embalagens, tem encorajado a exploração de novos materiais de embalagens, como os filmes biodegradáveis à base de recursos renováveis (OLABARRIETA, 2005). Muitas pesquisas têm sido desenvolvidas na elaboração de materiais plásticos baseados em biopolímeros. Biopolímeros são materiais poliméricos classificados estruturalmente como polissacarídeos, poliésteres ou poliamidas. A matéria-prima principal para sua obtenção é uma fonte de carbono renovável, geralmente um carboidrato que pode ser derivado de plantios comerciais de larga escala como cana-de-açúcar, milho, batata, trigo e beterraba ou de outra fonte; um óleo vegetal, extraído de soja, girassol, palma ou outra planta oleaginosa e até de origem protéica (BASTOS, 2010). Filmes são estruturas utilizadas para envolver produtos e quando são completamente degradados por microorganismos são considerados biodegradáveis. Os filmes biodegradáveis são materiais de fina espessura, preparados a partir de macromoléculas biológicas, que agem como barreira a elementos externos (umidade, gases e óleos) e conseqüentemente, protegem o produto e aumentam sua vida de 78

79 prateleira. Eles podem também carregar compostos antimicrobianos e antioxidantes. (KROCHTA; MULDER-JOHNSTON, 1997). São denominados filmes ativos, quando possuem funções adicionais que levam a prolongação da vida-de-prateleira do produto embalado. Os filmes elaborados a partir de polissacarídeos (celulose e derivados, carboidratos e derivados, gomas, entre outros) ou proteínas (gelatina, caseína, farinha de glúten, entre outras) possuem excelentes propriedades mecânicas e ópticas, porém são sensíveis à umidade e apresentam alto coeficiente de permeabilidade ao vapor d água. Ao contrário, os filmes compostos de lipídios (ceras, lipídios e derivados, entre outros) apresentam boas propriedades de barreiras ao vapor d água, mas são opacos e pouco flexíveis (GUILBERT et al., 1989; GALLO et. al., 2000). A elaboração de filmes envolve a utilização de diversos componentes, cada qual com sua finalidade específica. Tais formulações são constituídas de pelo menos uma matriz polimérica (macromoléculas: polissacarídeos: amido, quitosana, pectina, entre outros; proteínas: caseína, glúten, entre outros; lipídios: ceras, ácidos graxos, entre outros), solvente (água, etanol, água/etanol, entre outros), plastificante (glicerol, sorbitol, etc.), agente ajustador de ph (ácido acético, NH4OH, etc.) (BERTAN, 2003). A desnaturação ou a incorporação de aditivos que promovam a formação de ligações cruzadas resultam em maior ordenação molecular, e conseqüentemente, maior coesão e rigidez dos filmes (GUILBERT et al., 1997). Um dos processos para obtenção de filmes é baseado na técnica denominada de casting, na qual é realizada dispersão da matriz biodegradável em um solvente, com adição ou não de outros compostos, havendo então a formação de uma solução filmogênica. Os filmes se formam depois que a solução é aplicada sobre um suporte e é levada para evaporação do solvente. As moléculas se reorganizam, formando uma matriz contínua que dá origem aos filmes (MALI, 2004). Filmes obtidos a partir da quitosana foram desenvolvidos com sucesso por PELISSARI (2009), ASSIS (2010). O uso de plastificantes nestes filmes permite maior percentual de alongamento e adaptação da matriz na estrutura (VEIGA-SANTOS et al., 2005). O glicerol é atualmente um dos plastificantes mais utilizados no desenvolvimento de filmes biodegradáveis, o que tem causado impacto científico uma vez que este poliálcool é um subproduto gerado a partir da cadeia do biodiesel, que se encontra em expansão em todo mundo (MACHADO, 2011), portanto uma matériaprima de baixo custo e alta disponibilidade. 79

80 O que faz da quitosana um material de interesse é seu amplo espectro antimicrobiano (RABEA, 2003), que, associado à biocompatibilidade e à biodegradabilidade, a torna particularmente interessante para aplicações na agricultura, medicina, meio ambiente e alimentos (ASSIS, 2010). A quitosana é solúvel somente em ph próximos ao seu pka (~6,3), formando um polímero catiônico pela protonação dos grupos amino. Se vertido sobre superfície plana apolar, após a evaporação do solvente, resulta em filmes com razoáveis propriedades mecânicas (PARK, 1999), que têm sido avaliados como potenciais materiais para uso na indústria alimentícia (BRITO et al., 2005) e farmacêutica (MITRA et al., 2001), na medicina (KARIMAN, 2007) e tratamento de águas residuais (HUANG et al, 2000; VIVEK ; TORRES, 2000). Os filmes de quitosana apresentam, na condição seca, baixa permeação a gases, inferiores aos medidos para PET (Politereftalato de etileno) ou PVC (cloreto de polivinila) e a demais filmes de base biológica como glúten e celulose e, adicionalmente, tem sido mostrado que a permeação de CO 2 é superior à de O 2 o que pode vir a ser de interesse na confecção de embalagens com atmosferas controladas. A eletronegatividade das ligações covalentes (N-H), presentes nos grupamentos amino gera sítios de alta polaridade, tornando favorável o rearranjo de moléculas de água em seu entorno. Essa característica associada aos grupos acetamido, que também são polares, resulta assim em um alto grau de hidrofilicidade, o que pode gerar a redução da estabilidade estrutural do polímero. Segundo ASSIS (2010), a presença constante de umidade na estrutura do polissacarídeo provoca o intumescimento da matriz com conseqüente desagregação das fibras além do favorecimento ao ataque por microorganismos. Para reduzir o grau de hidrofilicidade faz-se uso de agentes entrecruzantes hidrofóbicos, como o glutaraldeído, que adicionado à cadeia da quitosana eleva sua estabilidade e reduz sua afinidade por moléculas polares (BEPPU, 1999). Além disto, existem várias estratégias para melhorar as propriedades, principalmente mecânicas e de barreira dos filmes biodegradáveis, entre elas, o uso de blendas e a adição de plastificantes (OLABARRIETA, 2005). O objetivo deste trabalho foi obter filmes de quitosana, plastificados com glicerol, incorporando o azeite de dendê e o urucum como aditivos ativos, e caracterizálos através da avaliação das propriedades físico-químicas, mecânicas e de barreira, além de avaliar a biodegradabilidade dos mesmos. 80

81 2.0 Material e Métodos 2.1 Material Foram utilizados como materiais para a elaboração dos filmes biodegradáveis: Quitosana PA (Sigma-Aldrich ), Glicerol (Synth ), solução de Ácido Acético glacial 1% v/v (Vetec) e aditivos antioxidantes naturais (Extrato de urucum doado pela empresa Chr Hansen- SC e azeite de dendê doado pela ODELSA S/A). 2.2 Elaboração dos Filmes Biodegradáveis Os filmes biodegradáveis foram elaborados de acordo com a técnica casting, que consistiu no preparo de uma solução filmogênica, onde inicialmente, dissolveu-se em ácido acético glacial 1% a quitosana (0,5 a 2,5%, g/100g), o glicerol, utilizado como agente plastificante (0 a 0,3%, g/100g) e os aditivos naturais antioxidantes, o urucum (0 a 1,0%, g/100g) e o azeite de dendê (0 a 0,5%, g/100g). A solução foi mantida sob agitação constante (180 rpm), por um período de 24 horas para a completa dissolução do polissacarídeo e dos aditivos no meio aquoso. Posteriormente foram pesadas 50g da solução filmogênica em Placas de Petri de poliestireno e desidratada em estufa com circulação de ar (35 ±2 C) por 18 a 24 horas. Os filmes de quitosana obtidos foram acondicionados dessecadores por 10 dias, antes de serem caracterizados, conforme adaptação da metodologia proposta por ASSIS e SILVA (2003). Foram preparados 27 formulações por um delineamento estatístico de superfície de resposta, com um modelo de ordem (2 4 ) contendo 4 pontos axiais, 4 pontos ortogonais e 3 pontos centrais. Os valores reais e codificados para a quitosana (% m/m; X 1 ), glicerol (% m/m; X 2 ), urucum (% m/m; X 3 ) e azeite de dendê (% m/m; X 4 ), encontram-se na Tabela 1. 81

82 Tabela 1. Valores codificados e reais do delineamento estatístico das variáveis independentes: Quitosana (% m/m; X 1 ), glicerol (% m/m; X 2 ), urucum (% m/m; X 3 ), azeite de dendê (% m/m; X 4 ). Valores codificados Valores reais (% m/m) Formulações Quitosana (X 1 ) Glicerol (X 2 ) Urucum (X 3 ) Azeite de dendê (X 4 ) Quitosana (X 1 ) Glicerol (X 2 ) Urucum (X 3 ) Azeite de dendê (X 4 ) F1-1,000-1,000-1,000-1,000 1,000 0,075 0,250 0,125 F2-1,000-1,000-1,000 1,000 1,000 0,075 0,250 0,375 F3-1,000-1,000 1,000-1,000 1,000 0,075 0,750 0,125 F4-1,000-1,000 1,000 1,000 1,000 0,075 0,750 0,375 F5-1,000 1,000-1,000-1,000 1,000 0,225 0,250 0,125 F6-1,000 1,000-1,000 1,000 1,000 0,225 0,250 0,375 F7-1,000 1,000 1,000-1,000 1,000 0,225 0,750 0,125 F8-1,000 1,000 1,000 1,000 1,000 0,225 0,750 0,375 F9 1,000-1,000-1,000-1,000 2,000 0,075 0,250 0,125 F10 1,000-1,000-1,000 1,000 2,000 0,075 0,250 0,375 F11 1,000-1,000 1,000-1,000 2,000 0,075 0,750 0,125 F12 1,000-1,000 1,000 1,000 2,000 0,075 0,750 0,375 F13 1,000 1,000-1,000-1,000 2,000 0,225 0,250 0,125 F14 1,000 1,000-1,000 1,000 2,000 0,225 0,250 0,375 F15 1,000 1,000 1,000-1,000 2,000 0,225 0,750 0,125 F16 1,000 1,000 1,000 1,000 2,000 0,225 0,750 0,375 F17-2,000 0,000 0,000 0,000 0,500 0,150 0,500 0,250 F18 2,000 0,000 0,000 0,000 2,500 0,150 0,500 0,250 F19 0,000-2,000 0,000 0,000 1,500 0,000 0,500 0,250 F20 0,000 2,000 0,000 0,000 1,500 0,300 0,500 0,250 F21 0,000 0,000-2,000 0,000 1,500 0,150 0,000 0,250 F22 0,000 0,000 2,000 0,000 1,500 0,150 1,000 0,250 F23 0,000 0,000 0,000-2,000 1,500 0,150 0,500 0,000 F24 0,000 0,000 0,000 2,000 1,500 0,150 0,500 0,500 F25* 0,000 0,000 0,000 0,000 1,500 0,150 0,500 0,250 F26* 0,000 0,000 0,000 0,000 1,500 0,150 0,500 0,250 F27* 0,000 0,000 0,000 0,000 1,500 0,150 0,500 0,250 * Pontos Centrais 82

83 2.3 Caracterização dos filmes Propriedades ópticas: análise colorimétrica Devido à diferença de coloração apresentada pelas formulações, para avaliação de cor foi utilizada a Espectrofotometria na Região do Visível baseado nas normas ASTM E313 (2005), ASTM D2244 (1993) e de acordo com o sistema CIELab. O CIELab é o espaço de cores comum na medição da refletância e transmitância dos objetos no qual o sistema de cores L, a e b é plotado em ângulos retos um em relação ao outro para formar um sistema tridimensional de coordenadas. O ensaio foi realizado com um Espectrofotômetro UV/VIS Lambda 35 - Perkin Elmer, em triplicata e os resultados computados e tratados através do software Color, Versão Perkin Elmer. As amostras das 27 formulações de filmes foram preparadas em triplicata, recortando-se os filmes em pedaços com dimensões 2 x 2 cm, de cada amostra. No equipamento, após calibração, as amostras de filmes foram colocadas no disco de abertura e analisadas após a incidência de luz visível (iluminante luz do dia D65), resultando nos parâmetros L*, a*e b* Espessura A espessura dos filmes foi avaliada através da espessura média, de 6 medições em posições aleatórias, por meio de micrômetro digital Mitutoyo de ponta plana (com resolução de 1µm), em triplicata Teores de Sólidos Totais Os teores de sólidos totais das amostras pré-condicionadas (60% UR, 23 C) foram determinados após 24 h de secagem em estufa a 105 C, conforme metodologia citada por POUPLIN et al., (2009). As análises foram realizadas em triplicata Atividade de água As medidas de atividade de água foram realizadas com um decágono, AQUALAB LITE. Como padrões para a calibração do equipamento foram utilizados a 83

84 água pura (aw 1,000% ± 0,001) e LiCl (aw 0,500% ± 0,015). As amostras foram retiradas do centro dos filmes e avaliadas em triplicata (VEIGA-SANTOS et al., 2005; OLIVATO et al., 2006) Umidade O percentual de umidade dos filmes foi obtida por secagem no infravermelho, em equipamento Unidade de secagem Mettler LTJ ajustando-se a intensidade da radiação emitida de modo que a amostra atingisse 110ºC. Todas as análises foram realizadas em triplicata Taxa de Permeabilidade ao vapor d água A taxa de permeabilidade ao vapor d água foi realizada através do método gravimétrico recomendado pela norma ASTM E Tal método consiste em pesagens sucessivas de uma cápsula hermeticamente fechada, contendo o filme na sua superfície e substância dessecante (sílica gel) no seu interior; colocadas em ambientes com umidade controlada (23 C e 75% UR, utilizando cloreto de sódio). A permeabilidade ao vapor d água foi calculada de acordo com a equação 1 (SOUZA, 2011). Equação 1 Permeabilidade ao vapor d água = TVPA.e/ps(UR1 UR2) Onde: e = espessura média do corpo de prova (mm) ps = pressão de saturação do vapor à temperatura do ensaio (mmhg) R = Constante de gases (82,1x10-6 m3 atm/g mol K) UR1 = umidade relativa no interior da câmara (%) UR2 = umidade relativa no interior da cápsula (%) Ensaios de Tração 84

85 Os ensaios de tração foram realizados em uma máquina universal de ensaios da marca EMIC, modelo DL2000/700, com carga máxima de 20KN, seguindo a norma ASTM D-882, com velocidade de 12,5 mm. min -1 e temperatura ambiente 25ºC. Foram realizados ensaios de tração em 7 corpos de prova para cada formulação. Para os corpos de provas com dimensões de 50 mm de comprimento e 25 mm de largura. Os valores das espessuras de cada formulação de filme necessários para a realização das análises foram medidos em 6 pontos, em posições aleatórias, com um micrômetro digital Mitutoyo de ponta plana. A posição inicial das garras foi fixada em 50 mm. Sete medidas foram feitas para cada amostra. (GRISI, 2008; SOUZA, 2010) Análise termogravimétrica As análises termogravimétricas dos filmes foram realizadas em um analisador térmico Pyris 1 Perkin Elmer. Nos ensaios foram usadas massas de aproximadamente 3mg, em cadinho de alumínio, submetidas a atmosfera dinâmica de nitrogênio de 50 ml min -1, com taxa de aquecimento de 10 ºC min -1, no intervalo de temperatura de 10 ºC até 600 ºC. Para esta análise foram escolhidas as amostras de filmes das formulações F17 (0,5% quitosana; 0,15% glicerol; 0,5% urucum e 0,25% azeite de dendê), F18 (2,5% quitosana; 0,15 % glicerol; 0,5% urucum e 0,5% azeite de dendê) e F19 (1,5% quitosana; 0% glicerol; 0,5% de urucum e 0,25% azeite de dendê), de acordo com os seguintes critérios: formulação contendo menor teor de quitosana, formulação contendo maior teor de quitosana e formulação sem glicerol, respectivamente, para análise da influência destes componentes na Temperatura de degradação dos filmes Solubilidade dos Filmes Inicialmente, a massa seca inicial (m inicial) de uma amostra de filme de 2,5 cm de diâmetro foi determinada em função de sua umidade em estufa com circulação de ar à 105 C durante 24 horas. As amostras foram imersas em 50 ml de água destilada e o sistema foi mantido sob agitação (100 rpm) a temperatura de 25 C durante 24 h, utilizando-se um shaker. Para determinação de massa seca final, as amostras foram submetidas a secagem em estufa sob as mesmas condições descritas para obtenção de massa seca inicial (m f inal ). A matéria solúvel (MS) foi expressa em função da massa dissolvida pela Equação 2. As análises foram realizadas em triplicata. 85

86 MS = (m inicial m f inal ). 100 (Equação 2) m inicial Avaliação da Biodegradabilidade dos filmes O teste de biodegradabilidade dos filmes a base de quitosana foi realizado com base na metodologia proposta por Leite et al. (2010) Preparo do solo O solo simulado utilizado no ensaio de biodegradabilidade foi preparado misturando-se partes iguais de solo fértil com baixo teor de argila, areia de praia seca e peneirada com peneira 40 mesh, e esterco de cavalo seco ao sol por dois dias, seguindo a norma ASTM G Teste de Biodegradabilidade Os filmes foram acondicionados em sistemas diferentes para serem retirados nos períodos de 2, 4, 12, 15 e 17 semanas, sendo que cada sistema continha uma amostra de cada composição. O sistema foi formado por Placas de Petri, onde foi adicionado o solo preparado e os filmes. As placas contendo os filmes foram colocados em uma estufa (para cultura bacteriológica com circulação de ar e refrigeração) mantida a uma temperatura de 30 C (±2 C) e os sistemas foram retirados após duas, quatro, doze, quinze e dezessete semanas, quando foram limpos e pesados. Os sistemas foram retirados após duas, quatro, doze, quinze e dezessete semanas, quando foram limpos e pesados. As amostras selecionadas para esta análise foram as formulações F17 (0,5% quitosana; 0,15% glicerol; 0,5% urucum e 0,25% azeite de dendê), F18 (2,5% quitosana; 0,15 % glicerol; 0,5% urucum e 0,5% azeite de dendê) e F19 (1,5% quitosana; 0% glicerol; 0,5% de urucum e 0,25% azeite de dendê), de acordo com os seguintes critérios: formulação contendo menor teor de quitosana, formulação contendo maior teor de quitosana e formulação sem glicerol, respectivamente, a fim de se observar a influência da matriz e do plastificante no processo de biodegradação. 86

87 2.0 Análise Estatística Os filmes foram desenvolvidos por um delineamento estatístico de superfície de resposta, com um modelo de ordem (2 4 ) contendo 4 pontos axiais, 4 pontos ortogonais e 3 pontos centrais, totalizando 27 formulações. Os valores reais e codificados para a quitosana (% m/m; X 1 ) que variou de 0,5 a 2,5%, g/100g; glicerol (% m/m; X 2 ) que variou de 0 a 0,3%, g/100g; urucum (% m/m; X 3 ) que variou de 0 a 1,0%, g/100g e azeite de dendê (% m/m; X 4 ) que variou de 0 a 0,5%, g/100g, encontram-se na Tabela 1. Os dados gerados foram tratados pela ANOVA para identificar se as alterações nos parâmetros avaliados (variáveis independentes) foram significativas ao nível de 99% de significância sobre as variáveis dependentes. 3.0 Resultados e Discussão 3.1 Caracterização de filmes de quitosana plastificados com glicerol e incorporados com urucum e azeite de dendê As 27 formulações dos filmes elaborados com diferentes teores de quitosana, glicerol, urucum e azeite de dendê (Figura 2). Foi avaliado se os efeitos das variáveis independentes (quitosana, glicerol, urucum, azeite de dendê) exerceram influência significativa sobre as variáveis dependentes (colorimetria, espessura, umidade, atividade de água, teor de sólidos, permeabilidade ao vapor d água). Também foram avaliadas as propriedades mecânicas de resistência a tração, módulo, porcentagem de alongamento e a espessura das formulações. Nas formulações F17 (0,5% quitosana; 0,15% glicerol; 0,5% urucum e 0,25% azeite de dendê), F18 (2,5% quitosana; 0,15 % glicerol; 0,5% urucum e 0,5% azeite de dendê e F19 (1,5% quitosana; 0% glicerol; 0,5% de urucum e 0,25% azeite de dendê) foram realizadas também as análises de biodegradabilidade, a fim de se verificar se as variáveis quitosana e glicerol alteram o comportamento do filme durante a degradação, assim como as análises termogravimétricas e a solubilidades destas formulações. Durante os procedimentos foi possível atestar a viabilidade de incorporação dos aditivos naturais antioxidantes, azeite de dendê e urucum, nos filmes de quitosana plastificados com glicerol. Ainda foram avaliadas as características próprias de cada formulação quando se variou a concentração de cada componente da solução filmogênica (matriz quitosana, plastificante glicerol e de cada aditivo antioxidante- 87

88 azeite de dendê e urucum), verificando a influência de cada constituinte nestas propriedades em relação aos parâmetros propostos. Muitos estudos encontrados na literatura relatam sucesso na incorporação de aditivos de diversas origens, descrevendo as mais variadas ações que levaram ao melhoramento das propriedades de barreira e mecânicas dos filmes (ASSIS, 2010; VARGAS et al.,2009; T. BOURTOOM ; M.S. CHINNAN et al.,2009; KHALID et al., 2008; SRINIVASA et al., 2007; LAMIN, 2006). A maioria (80%) dos filmes de quitosana plastificados com glicerol e aditivados com urucum e azeite de dendê se mostraram contínuos, sem fraturas ou rupturas após a secagem; entretanto os filmes com menor teor de plastificante mostraram-se mais rígidos, menos flexíveis. O aspecto visual dos filmes foi afetado pelos diferentes teores de plastificante e de outros constituintes da solução filmogênica, principalmente no que se refere a cor e à textura. De uma maneira geral, os filmes apresentaram-se com bom aspecto e sua manuseabilidade foi excelente ou boa na maioria das formulações, com exceção dos filmes com menor teor de glicerol devido à alguma dificuldade em serem retirados das placas sem danificar, porém, após retirados das placas, todos os filmes puderam ser manipulados sem qualquer dificuldade. Já os filmes que se mostraram menos aderidos às placas, tinham em sua formulação maior porcentagem de glicerol, que conferiu uma maior flexibilidade. Mali et al. (2005) relatam resultados similares para filmes de amido de mandioca plastificados com glicerol. A Figura 2 apresenta as 27 formulações elaboradas. 88

89 Figura 1. Ilustração das 27 formulações elaboradas dos filmes de quitosana incorporados com glicerol e incorporados de azeite de dendê. 89

90 3.1.1 Caracterização dos Filmes Propriedade Óptica: Análise da cor dos filmes biodegradáveis As 27 formulações foram analisadas por absorbância em espectrofotômetro UV/VIS e os valores dos principais parâmetros (L*, a* e b*) constam na Tabela 2. O parâmetro L* pode variar de 0 a 100, sendo que 0 significa total ausência de reflexão (negro perfeito) e 100 é a luminosidade total (branco perfeito). Para os filmes de quitosana plastificados com glicerol e incorporados com urucum e azeite de dendê, os valores de L* variaram de 23,48 para formulação F22 (1,5% quitosana; 0,15% glicerol; 1,0% urucum e 0,25% azeite de dendê) e 83,30 para F21 (1,5%quitosana; 0,15% glicerol; 0% urucum e 0,25% de azeite de dendê), indicando a forte influência da variável urucum no parâmetro L*, visto que a formulação com ausência deste apresentou maior brilho em relação às outras 26 amostras. Já a formulação com maior teor de urucum foi a que apresentou menor brilho, o que está em concordância com o resultado anterior. 90

91 Tabela 2. Parâmetros de cor dos filmes de quitosana plastificados com glicerol e incorporados de urucum e azeite de dendê. Formulações Quitosana (X 1 ) Glicerol (X 2 ) Urucum (X 3 ) Azeite de dendê (X 4 ) Parâmetros de cor L* a* b* F1 1,000 0,075 0,250 0,125 66,59±0,01 4,22±0,02 55,43±0,12 F2 1,000 0,075 0,250 0,375 56,54±0,01 a 12,53±0,06 82,50±0,34 F3 1,000 0,075 0,750 0,125 55,22±0,02 19,79±0,25 34,72±0,63 a F4 1,000 0,075 0,750 0,375 63,16±0,01 31,30±0,07 81,84±0,54 F5 1,000 0,225 0,250 0,125 44,08±0,06 1,55±0,05 34,85±0,14 a F6 1,000 0,225 0,250 0,375 59,32±0,08 22,59±0,15 86,47±0,71 F7 1,000 0,225 0,750 0,125 52,95±0,01 27,93±0,03 40,39±0,85 F8 1,000 0,225 0,750 0,375 45,08±0,03 40,51±0,04 83,66±0,62 F9 2,000 0,075 0,250 0,125 70,04±0,12-0,63±0,15 63,32±1,12 b F10 2,000 0,075 0,250 0,375 72,86±0,04 1,23±0,03 85,58±1,14 c F11 2,000 0,075 0,750 0,125 69,08±0,06 9,61±0,15 a 47,61±1,69 F12 2,000 0,075 0,750 0,375 52,09±0,08 11,62±1,02 84,86±1,85 F13 2,000 0,225 0,250 0,125 75,21±0,18 19,10±0,03 63,90±1,74 b F14 2,000 0,225 0,250 0,375 56,49±0,25 a 9,59±0,14 a 85,35±1,05 c F15 2,000 0,225 0,750 0,125 50,68±0,02 33,15±0,18 51,48±0,06 F16 2,000 0,225 0,750 0,375 48,80±0,01 23,29±1,14 79,49±0,07 F17 0,500 0,150 0,500 0,250 41,56±0,03 31,27±1,23 72,67±0,74 F18 2,500 0,150 0,500 0,250 74,12±0,04 6,69±0,04 66,37±0,18 d F19 1,500 0,000 0,500 0,250 62,48±0,01 8,81±0,55 66,39±0,71 d F20 1,500 0,300 0,500 0,250 71,68±0,05 13,72±0,96 68,92±1,15 e F21 1,500 0,150 0,000 0,250 83,30±0,17-0,04±0,41 74,56±1,13 F22 1,500 0,150 1,000 0,250 23,48±0,12 38,11±0,58 65,76±0,58 F23 1,500 0,150 0,500 0,000 76,08±0,02 11,42±0,085 31,33±0,41 F24 1,500 0,150 0,500 0,500 48,02±0,05 16,62±0,47 94,22±0,36 F25 1,500 0,150 0,500 0,250 67,59±0,06 10,21±0,74 b 67,65±0,74 F26 1,500 0,150 0,500 0,250 59,02±0,05 10,48±0,89 b,c 76,87±1,15 F27 1,500 0,150 0,500 0,250 68,16±0,14 10,89±0,14 c 68,45±1,74 e Formulações (F); * Pontos Centrais; Valores que apresentam a mesma letra, numa mesma coluna, não apresentam diferenças significativas (p>0,01) pelo Teste de Tukey a 95% de confiança. O gráfico de Pareto (Figura 2) demonstra que todas as variáveis independentes e algumas interações entre estas influenciam a variável dependente L*, sendo o urucum a variável que exerce efeito negativo mais pronunciado e por sua vez a quitosana, que e- xerce o efeito positivo neste parâmetro (Figura 3). Uma boa dispersão da matriz quitosana contribui para o aumento do brilho do filme; zonas dos filmes de algumas formulações na qual a quitosana não está homogeneamente distribuída na solução filmogênica apresentaram valores de L* mais baixos em relação a outras com a mesma concentração 91

92 de urucum e azeite de dendê, como foi o caso da formulação F5 (1,0 % quitosana; 0,225% glicerol; 0,25% urucum e 0,125% de azeite de dendê) por exemplo, quando comparada à formulação F1 (1,0% quitosana; 0,075% de glicerol; 0,25% de urucum e 0,125% de azeite de dendê), com valores de 44,08 e 66,59, respectivamente. Esta comparação foi feita através de análise visual dos filmes comparando-os com os valores de L*. Pareto Chart of Standardized Effects; Variable: Luminosidade 4 factors, 1 Blocks, 27 Runs; MS Pure Error=, DV: Luminosidade (3)urucum(L) (1)quitosana(L) (4)dendê(L) (2)glicerol(L) urucum(q) quitosana(q) dendê(q) 1Lby2L 1Lby3L 1Lby4L 2Lby4L glicerol(q) 2Lby3L 3Lby4L -35, , , , , ,2339 5, ,2601-4, , , , , ,0943 p=,01 Standardized Effect Estimate (Absolute Value) Figura 2. Gráfico de Pareto para o parâmetro L* dos filmes. (a) (b) (c) Figura 3. Superfícies de resposta evidenciando as interações das variáveis (a) quitosana x glicerol; (b) quitosana x urucum e (c) urucum x azeite de dendê para o parâmero Luminosidade. 92

93 Com relação ao do parâmetro a*, os valores variam de -60 a +60, que são referências para o verde perfeito ao vermelho perfeito respectivamente. Os filmes de quitosana apresentaram para este parâmetro valores que variaram de -0,63 para a formulação F9 (2,0% quitosana; 0,075% glicerol, 0,25% urucum e 0,125% azeite de dendê) a 40,51 para formulação F8 (1,0% quitosana; 0,225% glicerol; 0,75% de urucum e 0,375% azeite de dendê). A cor amarela avermelhada é devido a presença de carotenoides oriundos dos aditivos incorporados a estes filmes (bixina e norbixina provenientes do urucum e α e β-carotenos oriundos do azeite de dendê). Através do estudo do gráfico de Pareto para este parâmetro (Figura 4), novamente percebe-se que o urucum é a variável independente que exerce efeito positivo mais significativo e sua presença na formulação faz com que a cor do filme tenda para o vermelho alaranjado, que é a cor do pigmento original, diferentemente do azeite de dendê cuja cor é amarela alaranjada, a depender da concentração. As interações do urucum são evidenciadas na Figura 5. Pareto Chart of Standardized Effects; Variable: a* 4 factors, 1 Blocks, 27 Runs; MS Pure Error=,0036 DV: a* (3)Urucum(L) (1)Quitosana(L) (2)Glicerol(L) 1Lby4L Urucum(Q) Quitosana(Q) (4)Dendê(L) 1Lby2L 1Lby3L Dendê(Q) 2Lby3L 2Lby4L Glicerol(Q) 3Lby4L -349,12 332, ,25 182, , , , ,083 85, , , , ,75 p=,01 691,7087 Standardized Effect Estimate (Absolute Value) Figura 4. Gráfico de Pareto para parâmetro a* dos filmes de quitosana. 93

94 (a) (b) (c) Figura 5. Interações da variável urucum com as variáveis (a) glicerol; (b) quitosana e (c) dendê para o parâmetro a*. Quando se analisa o parâmetro b*, que contempla valores de -60 a +60, representando as tonalidades que vão do azul perfeito ao amarelo perfeito respectivamente, e comparando-se com os valores descritos na Tabela 1 destacam-se as variações de 31,33 para F23 (1,5% quitosana; 0,15% glicerol; 0,50% urucum e 0% azeite de dendê) e 94,22 para F24 (1,5%quitosana; 0,15% glicerol; 0,50% urucum e 0,50% de azeite de dendê). Percebe-se que a presença do azeite de dendê na formulação é a única variável com significância estatística com efeito positivo (p<0,01) na variável dependente b*, ao contrário dos parâmetros L* e a*. Esta influencia faz com que a cor do filme tenda para amarelo. Isso pode ser conferido estatisticamente através da observação do efeito positivo desta variável independente no parâmetro b*, através da análise do gráfico de Pareto abaixo (Figura 6) e da Figura 7, que ilustra as interações desta variável com as demais. Pareto Chart of Standardized Effects; Variable: b 4 factors, 1 Blocks, 27 Runs; MS Pure Error=26,0908 DV: b (4)Dendê(L) 16, Lby4L (3)Urucum(L) Dendê(Q) (1)Quitosana(L) 3Lby4L 2Lby3L Glicerol(Q) 1Lby3L 2Lby4L Quitosana(Q) 1Lby2L Urucum(Q) (2)Glicerol(L) -2,942-2, , , , , , ,786524, ,51118, , , p=,01 Standardized Effect Estimate (Absolute Value) Figura 6. Gráfico de Pareto referente ao parâmetro b*. 94

95 (a) (b) (c) Figura 7. Interações da variável azeite de dendê co as variáveis (a) quitosana; (b) glicerol; (c) urucum para o parâmetro b*. Rocha et al. (2011) para filmes biodegradáveis de isolado protéico de Anchoita (engraulis anchoita) com sorbitol para comparar p efeito plastificante do glicerol e do sorbitol e avaliou a cor destes filmes. Os filmes com sorbitol apresentaram aumento linear da diferença de cor (E*) e opacidade e relação aos que continham glicerol. No presente estudo, o efeito do glicerol foi apresentado através dos gráficos de Pareto para os parâmetros L* e a*. Perazzo (2011) avaliou a coloração de filmes biodegradáveis a base de amido de mandioca plastificados com glicerol e incorporados de aditivos antioxidantes (extrato de chá verde e corante carotenóico natural). O parâmetro L* do filme-controle, composto de fécula de mandioca e glicerol sem outros aditivos, foi de 92,0, apresentando assim um alto brilho. As amostras com a incorporação de aditivos apresentou um valor L* que variou de 14,97 a 37,29; o que demonstra diminuição do brilho das formulações. Em relação à coordenada a* houve um incremento representado por um aumento da coloração verde, devido à presença de clorofila oriunda do extrato de chá verde, a variação deste parâmetro foi de -0,35 a +14,16, o que indica uma coloração verde de muita fraca intensidade até vermelho de intensidade fraca (cor laranja forte). O eixo b* apresentou valores entre +37,61 a +53,11 o que significa presença de tonalidades de diferentes intensidades entre média e forte de amarelo nas formulações. Zactiti (2004) avaliou a cor dos filmes biodegradáveis de alginato de cálcio sem e com sorbato de potássio e a relação desta com o a eficiência do processo de reticulação nos filmes. Após apresentar os dados referentes aos parâmetros L*, a* e b*, observou que o processo de reticulação exerceu influência significativa nos parâmetros de 95

96 cor, embora não tenha apresentado nenhuma tendência com o aumento da concentração de cálcio utilizada no tratamento. Em relação aos filmes padrão verificou que os filmes de alginato apresentam alta transparência, mas analisando o parâmetro b*, conclui que os filmes de alginato tendem para o amarelo. Sobral (2000) avaliou a influência da espessura de filmes biodegradáveis a base de proteínas miofibrilares sobre suas propriedades funcionais e no estudo abordou as propriedades ópticas Observa-se que os filmes à base de proteínas miofibrilares de tilápia-do-nilo foram mais claros que os filmes biodegradáveis à base de proteínas miofibrilares de carne bovina. Esse resultado é conseqüência da presença de resíduos de mioglobina nas proteínas de carne bovina, que conferiam uma coloração amarelada aos filmes biodegradáveis que foram menos claros que os filmes biodegradáveis à base de o- voalbumina (GENNADIOS et al.,1996), porém mais claros que os filmes biodegradáveis feitos com proteínas de soja (KUNTE et al.,1997). Atualmente, as propriedades ópticas dos filmes são parâmetros fundamentais para o devido acondicionamento dos produtos. Segundo Sakanaka (2007), uma embalagem plástica com elevado brilho e transparência torna-se uma ferramenta valiosa para o setor de marketing, que cada vez mais busca uma boa apresentação visual dos produtos. Por outro lado, muitas vezes, a proteção contra a incidência de luz se faz necessária, quando se trata de acondicionamento de produtos sensíveis a reações de deterioração catalisadas pela luz Propriedades de barreiras dos filmes A elaboração dos filmes seguiu a tabela resultante do planejamento experimental que forneceu os valores estabelecidos pelo delineamento estatístico. Foram pesadas 50 gramas de solução filmogênica em placas de Petri de acrílico com 15 cm de diâmetro para todas as formulações e levadas para secagem de solvente em estufa de ventilação forçada, gerando filmes com espessuras variadas. Analisando a medida deste parâmetro verificou-se uma variação de 0,0364mm (formulação F1: quitosana 1%; glicerol 0,075%; urucum 0,25% e azeite de dendê) a 0,0858 (formulação F11: quitosana 2%; glicerol 0,075%; urucum 0,75% e azeite de dendê 0,125%), havendo dessa forma diferenças significativas entre as amostras avaliadas (p<0,01) (Tabela 3). Uma possível justificativa para isso seria a dificuldade em dispersar a quitosana nos outros componentes da formulação de maneira uniforme, sendo que as possíveis ligações que 96

97 foram sendo formadas entre a matriz, o plastificante de modo diferenciado, dependendo da composição de cada formulação. Cuenca et al. (2010) caracterizando filmes de quitosana (1%) contendo diferentes concentrações de glutaraldeído (0 a 4,6%), pelo processo de casting, obteve espessura variando de 0,030 a 0,041 mm. Pires et al. (2009) relata medidas de espessuras de biomembranas constituídas dos polímeros quitosana e xantana tiveram como resultados variações de 0,022 a 0,041mm para espessura. Valores de 0,062 ± 6.31mm foi a média da espessura de filmes de quitosana incorporados com chá verde e plastificados com glicerol desenvolvidos por Siripatrawan e Harte, (2010). Comparando os valores de espessuras dos filmes de quitosana com outros filmes biodegradáveis temos, por exemplo, os nanobiocompósitos de amido de mandioca incorporados com nanowhiskers de celulose do coco, resultados da pesquisa de Machado (2011), quando se obteve variação de 0,093mm a 0,146mm, sendo estas das formulações F9 e F10 respectivamente, que continham 3,00% de amido de mandioca, 1,50% de glicerol e 0,30% de solução de nanowhiskers e 6,00% de amido de mandioca, 1,50% de glicerol e 0,30% de solução de nanowhiskers, respectivamente. Souza (2011) avaliando filmes elaborados com fécula de mandioca, sacarose e açúcar invertido como plastificante, e incorporados com polpa de manga e de acerola, em diferentes concentrações, encontrou espessuras que variaram de 0,123mm a 0,141mm, valores estes que concordaram com os valores descritos nos trabalhos realizados por Silva (2009), que trabalhando com a mesma matriz (fécula de mandioca, sacarose e açúcar invertido) porém incorporando cacau e extrato de café, com a espessura variando de 0,113 a 0,143 mm, respectivamente, sem diferenças significativas entre as diferentes formulações (p>0,05). Para os filmes elaborados com amido de mandioca, utilizando o glicerol como plastificante, incorporados com extrato de erva-mate e polpa de manga de Reis (2011), os valores de espessura variaram entre 0,111mm a 0,125mm. Shimazu et al. (2007) avaliaram filmes produzidos por casting formulados com amido de mandioca (3 g/ 100 g de solução filmogênica) e diferentes concentrações de glicerol (0, 5, 10, 15, 30 e 40 g/100 g de amido). Foi verificado que a espessura dos filmes variou de 0,07 a 0,10 mm; e que filmes sem plastificante apresentaram espessura de limites inferiores a medida que o teor de plastificante aumentou, as espessuras dos filmes chegaram ao limite superior. 97

98 Tabela 3. Médias (± desvio padrão) das análises de caracterização das formulações dos filmes. E (espessura - mm); aw (atividade de água); ST (sólidos totais - %); Umidade (%) e PVDA, (permeabilidade ao vapor de água - gh 2 O.µm/m 2.h.mmHg). F Quitosana(%) Glicerol(%) Urucum(%) Dendê(%) E ± dp(mm) aw ± dp ST ± dp(%) U ± dp(%) PVDA ± dp F1 1 0,075 0,25 0,125 0,036±0,04 g 0,573±0,01 a,b 81,35±0,13 a,b 18,65±0,14 1,57 x 10-6 a a,b F2 1 0,075 0,25 0,375 0,080±0,01 e,i,j 0,570±0,22 a 81,24±0,07 a,b 18,76±0,36 1,39 x 10-6 F3 1 0,075 0,75 0,125 0,084±0,01 e,j,l 0,571±0,01 a,b 81,10±0,24 a,b a,b 18,9±0,63 a,b 1,48 x 10-6 F4 1 0,075 0,75 0,375 0,043±0,01 h 0,568±0,01 a 80,84±0,42 a,b 19,16±0,25 1,43 x 10-6 F5 1 0,225 0,25 0,125 0,036±0,01 g 0,617±0,13 d,h,i 74,88±0,01 a,b a,b 25,12±0,01 2,86 x 10-6 b F6 1 0,225 0,25 0,375 0,038±0,01 g,h 0,625±0,01 g,h 73,99±0,02 a,b,c a,b 26,01±0,15 2,71 x 10-6 F7 1 0,225 0,75 0,125 0,054±0,01 c 0,621±0,10 g,h 71,42±0,01 c a,b,c 28,58±0,01 c 2,90 x 10-6 F8 1 0,225 0,75 0,375 0,041±0,01 g,h 0,632±0,01 f,g 72,65±0,01 c 27,35±0,18 c 2,85x 10-6 b F9 2 0,075 0,25 0,125 0,063±0,01 b 0,577±0,36 a,b 82,99±0,14 a,b 17,01±0,01 1,87 x 10-6 c F10 2 0,075 0,25 0,375 0,076±0,01 d,i 0,574±0,01 a,b 82,50±0,35 a,b a,b 17,5±0,41 a,b 1,58 x 10-6 a F11 2 0,075 0,75 0,125 0,086±0,01 f,l 0,579±0,76 a 82,42±0,01 a,b 17,58±0,01 1,85 x 10-6 c F12 2 0,075 0,75 0,375 0,085±0,01 f,j 0,582±0,01 b 81,40±0,36 a,b a,b 18,60±0,36 1,63 x 10-6 F13 2 0,225 0,25 0,125 0,075±0,01 a 0,643±0,01 e 78,01±0,01 a,b a,b 21,99±0,01 4,71 x 10-6 F14 2 0,225 0,25 0,375 0,085±0,01 f 0,638±0,12 f 77,93±0,02 a,b a,b 22,07±0,01 3,89 x 10-6 F15 2 0,225 0,75 0,125 0,075±0,01 a,i 0,654±0,01 e 78,47±0,01 a,b a,b 21,53±0,02 5,51 x 10-6 F16 2 0,225 0,75 0,375 0,094±0,01 0,635±0,19 f,g 77,61±0,12 a,b a,b 22,39±0,01 3,95 x 10-6 F17 0,5 0,15 0,5 0,25 0,036±0,01 g 0,579±0,01 a,b 79,04±0,01 b,c a,b 20,96±0,15 1,93 x 10-6 d F18 2,5 0,15 0,5 0,25 0,079±0,01 e 0,608±0,05 c,i 79,66±0,05 a,b b,c 20,34±0,18 3,03 x 10-6 F19 1,5 0 0,5 0,25 0,063±0,01 b 0,565±0,21 a 83,97±0,01 a,b a,b 16,03±0,15 1,26 x 10-6 F20 1,5 0,3 0,5 0,25 0,055±0,01 c 0,661±0,01 f 69,58±0,01 c a,b 30,42±0,36 c 8,42 x 10-6 F21 1,5 0,15 0 0,25 0,039±0,01 g,h 0,601±0,08 c 79,63±0,01 a 20,37±0,01 a 2,23 x 10-6 F22 1,5 0,15 1 0,25 0,070±0,01 a 0,583±0,01 b 79,36±0,0 a,b 20,64±0,18 a,b 1,94 x 10-6 d F23 1,5 0,15 0,5 0 0,082±0,01 e,f 0,584±014 b 79,53±0,01 a,b 20,47±0,01 a,b 2,57 x 10-6 F24 1,5 0,15 0,5 0,5 0,073±0,01 a,d 0,581±0,09 a,b 79,24±0,0 a,b 20,76±0,02 a,b 2,01 x 10-6 F25 1,5 0,15 0,5 0,25 0,063±0,01 b 0,607±0,01 c,d 79,10±0,01 a,b 20,90±0,01 a,b 2,31 x 10-6 e F26 1,5 0,15 0,5 0,25 0,058±0,01 b,c 0,606±0,06 c,d 79,09±0,01 a,b 20,91±0,15 2,31 x 10-6 e F27 1,5 0,15 5 0,25 0,070±0,01 a 0,605±0,11 c 79,11±0,01 a,b a,b 20,89±0,17 2,31 x 10-6 e a,b Formulações (F); * Pontos Centrais. Valores que apresentam a mesma letra, numa mesma coluna, não apresentam diferenças significativas (p>0,01) pelo Teste de Tukey a 99% de confiança. 98

99 Em virtude dos valores da espessura entre as amostras apresentarem grande discrepância entre si e pela falta de ajuste do modelo não foi possível gerar a ANOVA para este parâmetro. O gráfico de Pareto mostra que a variável independente quitosana apresenta efeito significativo positivo (p <0,01) sobre a variável dependente espessura de filme (Figura8). A partir deste tratamento estatístico, percebe-se que o percentual de quitosana presente na formulação é a principal variável pela espessura dos filmes, como já era esperado. Pareto Chart of Standardized Effects; Variable: ESPESSURA 4 factors, 1 Blocks, 27 Runs; MS Residual=, DV: ESPESSURA (1)QUITOSANA(L) (3)URUCUM(L) 3Lby4L 1Lby2L DENDÊ(Q) (2)GLICEROL(L) 1Lby4L URUCUM(Q) QUITOSANA(Q) 2Lby3L GLICEROL(Q) (4)DENDÊ(L) 1Lby3L 2Lby4L 2, , , , , , , , , ,238604, ,217267, p=,01 Standardized Effect Estimate (Absolute Value) 5, Figura 8. Gráfico de Pareto das análises de espessura dos filmes. Sólidos totais dos filmes são o resíduo que permanece na placa após a evaporação da amostra. As variações nos teores de sólidos totais dos filmes deste trabalho apresentaram valores limites de 69,58% a 83,97%, sendo essas variações significativas entre as amostras (p<0,01) (Tabela 2). Para os filmes biodegradáveis de amido incorporados com nanowhiskers de celulose de côco, (MACHADO, 2011), os valores limites variaram de 68,99% a 84,50%, sendo essas variações significativas entre as amostras (p<0,05), e entre as formulações e o controle, sendo os resultados encontrados para todas as formulações superiores ao do filme-controle, que teve um percentual de 55,56% (filme sem a adição de nanowhiskers). Souza et al. (2011) trabalhando com filmes formulados com fécula 99

100 de mandioca, sacarose e açúcar invertido, incorporando diferentes quantidades de polpa de manga e acerola relata que as variações nos teores de sólidos totais foram significativas entre as diferentes formulações dos filmes, e entre as formulações e o controle (p < 0,05), com limites de 80,24 e 84,97%. Moore et al. (2005) obteve filmes biodegradáveis a partir da queratina extraída das penas de frangos com valores médios de sólidos totais de 82,32±6%, atribuindo ao aumento de plastificante glicerol a causa da queda do teor de sólidos totais, relatada nas isotermas de sorção dos filmes. Rigo (2006) desenvolveu filmes comestíveis a base de polissacarídeos (amidos e alginato) sendo duas das quatro formulações constituídas de: 50% de amido modificado + 50% de alginato de sódio e 50% amido modificado+25% de amido nativo + 25% de alginato de sódio, variando-se a concentração de glicerol (0,9 a 1,6%) e o peso da solução filmogênica (34 a 38 gramas por placa). Para estes filmes, o teor de sólidos totais variou de 25,68 a 85,70% para a primeira formulação descrita e para a segunda a variação foi de 80,30 a 89,30%. Em ambos os casos, todas as variáveis e as interações entre elas foram significativas ao nível de 5% e quando se aumenta a concentração de polissacarídeo, também se aumenta o teor de sólidos totais. GRISI (2008) desenvolvendo e caracterizando filmes biodegradáveis a base de fécula de mandioca (4%, m/m) plastificada com sacarose (0,7%, m/m) e açúcar invertido (1,4%, m/m) e incorporados com derivados de dendê com fins antioxidantes conclui que o teor de sólidos totais não apresentou diferenças significativas (p<0,05) entre as amostras, porque os filmes foram formulados considerando o mesmo teor de sólidos totais para todas as amostras de filme, de maneira ponderada. Os filmes de amido de mandioca plastificados com glicerol e aditivados com extrato de erva-mate e polpa de manga, elaborados por Reis (2011) apresentou variações de 85,14% a 88,51%. Analisando o gráfico de Pareto (Figura 9), as variáveis independentes envolvidas que apresentaram maiores efeitos significativos (p<0,01) sobre o teor de sólidos totais foram o glicerol e a quitosana, entretanto, o glicerol exerce um efeito linear negativo mais pronunciado do que o efeito positivo da matriz quitosana. 100

101 (2)glicerol(L) (1)quitosana(L) 1Lby2L glicerol(q) (3)urucum(L) 1Lby3L (4)Dende(L) 1Lby4L 2Lby3L urucum(q) 2Lby4L Dende(Q) quitosana(q) 3Lby4L Pareto Chart of Standardized Effects; Variable: solidos totais 4 factors, 1 Blocks, 27 Runs; MS Pure Error=,0001 DV: solidos totais 512, ,5-274, ,501 98, -62,462-60,5-58,5 39, , 27, , ,5 p=,01 Standardized Effect Estimate (Absolute Value) -1585,23 Figura 9. Gráfico de Pareto das análises de sólidos totais dos filmes. A presença da água no produto pode ser medida de diferentes formas, mas nem todos os métodos indicam a disponibilidade da água para os microrganismos, uma vez que nem toda a água presente na estrutura está igualmente disponível. A disponibilidade de água em materiais higroscópicos, tais como filmes a base de polissacarídeos, é melhor indicada pela atividade de água (aw) ou pela umidade de equilíbrio com a umidade relativa do ar ambiente. A atividade de água e a umidade relativa quando atingido o e- quilíbrio são numericamente iguais (BROOKER et al., 1992). Quanto maior for esse valor, mais suscetível estará o filme ao ataque de microorganismos e à ocorrência de reações químicas indesejadas, que podem colocar a garantia da integridade da embalagem em questão. Os filmes de quitosana plastificados com glicerol e aditivados com urucum e a- zeite de dendê apresentaram atividade de água variando entre 0,565±0,01 a 0,661±0,01 para as formulações F19 (1,50% quitosana; 0 % glicerol; 0,5% urucum e 0,25% azeite de dendê) e F20 (1,50% quitosana; 0,30 % glicerol; 0,50% urucum e 0,25% azeite de dendê), respectivamente. Esses valores são compatíveis aos valores descritos por Garcia et al. (2000), para filmes biodegradáveis de diferentes fontes de amido gelatinizados com NaOH e usando como plastificante glicerol ou sorbitol. Os valores de atividade de água (aw) para filmes de amido puro ou amido com glicerol, ficaram em torno de 0,

102 Shimazu et al. (2007) produziram filmes por espalhamento empregando amido de mandioca e diferentes concentrações de glicerol ou sorbitol constataram que os mesmos apresentaram efeito antiplastificante quando empregados em baixas concentrações ( 15 g/100 g amido) resultando em baixos valores de atividade de água ( 0,58). O efeito antiplastificante pode ser demonstrado pelo decréscimo da hidrofilicidade e da flexibilidade dos filmes nestas condições. Em concentrações mais elevadas de plastificante e sob maiores atividades de água, os plastificantes empregados exerceram o efeito esperado de plastificação. Comparando-se glicerol e sorbitol, pode-se observar que o glicerol exerceu plastificação mais efetiva, tornando os filmes mais hidrofílicos (por aumentar a sua capacidade de interação com a água) e mais flexíveis. No presente trabalho, o efeito anti-plastificante do glicerol não foi observado. Os valores de atividade de água apresentados pelos filmes de quitosana, glicerol, urucum e azeite de dendê são menores do que os valores obtidos por Machado (2011) para filmes de amido plastificados com glicerol e incorporados com nanowhiskers de celulose de coco que variaram de 0,638 a 0,710 entre as 17 formulações, e menores do que o controle (0,830), mostrando o efeito de adição da nanocelulose, uma vez que todos os filmes contendo nanocelulose de coco apresentaram uma diminuição significativa no teor de umidade e na aw, quando comparadas com o filme controle. Os filmes de amido de mandioca plastificados com glicerol elaborados por Veiga-Santos (2004) apresentaram uma faixa maior para a aw com variações de 0,530 a 0,890. A utilização de sacarose, açúcar invertido e fosfato de sódio, resultaram em aumento da aw quando comparadas as formulações entre si e com o controle. Para o parâmetro umidade, os resultados encontrados no presente trabalho apresentaram variação de 16,03 à 30,42% também para as formulações F19 (1,50% quitosana; 0 % glicerol; 0,5% urucum e 0,25% azeite de dendê) e F20 (1,50% quitosana; 0,3% glicerol; 0,50% urucum e 0,25% azeite de dendê). Interessante notar que a formulação com ausência de plastificante (F19) resultou no menor teor de umidade, o que reforça a função do plastificante na matriz, que seria conferir e/ou aumentar a hidrofilicidade do filme. Prates (2010) estudou o processo de secagem das soluções filmogênicas que dão origem às coberturas comestíveis e aos filmes biodegradáveis, através de avaliação de algumas propriedades físicas dos filmes formados. Para tanto elaborou e caracterizou filmes biodegradáveis de amido de fruta-de-lobo plastificados com sorbitol para aplicação da cobertura em frutos de morango. As soluções filmogênicas foram 102

103 preparadas com 2% de amido e variações nas concentrações do plastificante de 0,1; 0,2 e 0,3%, e secas em estufa com circulação de ar nas temperaturas de 33, 38 e 43ºC. Os tratamentos com 0,2% de sorbitol apresentaram o maior teor de água médio (76,06%), seguidos por aqueles com 0,1% e 0,3% de sorbitol (61,96 e 54,69%, respectivamente). Galdeano (2007) afirma que a transformação da solução em filme após sua secagem é conseqüência da ocorrência de interações moleculares. Dessa forma, as moléculas de água se tornam mais sujeitas à ação do calor durante a elaboração das soluções filmogênicas, evaporando e reduzindo a umidade final dos filmes formados. Rigo (2006) em seu trabalho para filmes comestíveis a base de polissacarídeos (amidos e alginato) onde duas das quatro formulações foram constituídas de: 100% amido modificado e a outra de 50% amido nativo e 50% amido modificado, variando-se a concentração de glicerol (0,9 a 1,6%) e o peso da solução filmogênica (34 a 38 gramas por placa). As variações de 12,52 a 86,62% foram obtidas o filme de amido modificado e 13,64 a 146,27% para a segunda formulação com mínimo e máximo teor de glicerol, respectivamente. Em ambos os experimentos os efeitos mostraram que a variável mais significativa a 95% de significância, foi o glicerol. Também foi observado que quando a concentração de polissacarídeo e o peso da solução filmogênica aumentam, a umidade tende a diminuir. No entanto, se a concentração de plastificante glicerol aumenta, a umidade tende a aumentar, fato este justificado pelo seu caráter higroscópico. A umidade de filmes biodegradáveis obtidos a partir da queratina extraída das penas de frangos elaborados por Moore et al. (2005) foi avaliada através da análise dos valores das constantes da equação de GAB, determinados por regressão não linear. As isotermas mostraram claramente que o glicerol aumentou a sorção de água dos filmes. Quanto maior a concentração de glicerol utilizada na dispersão filmogênica, maior a quantidade de água adsorvida por estes filmes no equilíbrio, em comparação aos filmes obtidos sem plastificante. A umidade dos filmes de amido reforçados com nanowhiskers de celulose de coco e plastificados com glicerol variaram de 16,00±1,22 para F1(3,60% amido de mandioca; 0,90% glicerol e 0,18% solução de nanowhiskers) a 31,01±2,07 para F3(3,60% amido de mandioca; 2,10% glicerol e 0,18% solução de nanowhiskers) (MACHADO, 2011). Monterrey e Sobral (1999) estudando as propriedades de filmes a base de proteínas miofibrilares de Tilápia do Nilo encontraram valores de umidade entre 20 e 52% e Park e Zhao (2004) trabalhando com filmes de quitosana obtiveram valores de umidade entre 14 e 21%. Petersson e Stading (2005) obtiveram valores mais baixos 103

104 de umidade, entre 11 e 15%, avaliando filmes de amido combinados com monoglicerídeos. Tápia-Blácido (2006), no estudo da secagem de filmes de amaranto plastificados com sorbitol e glicerol, também relata o efeito do plastificante na umidade final dos filmes. O glicerol, plastificante mais sensível à umidade, contribuiu para a formação de filmes com maior umidade final. Costa et al. (2010) estudando os efeitos do ph na extração de proteínas da torta de mamona sobre as propriedades mecânicas, solubilidade e umidade de filmes biodegradáveis produzidos com essas proteínas, reticuladas com glutaraldeído não detectaram diferenças significativas (p>0,05) entre os valores de umidade dos filmes, que variou de 12,5 a 13,7%. A ANOVA (ANEXO I) e os gráficos de Pareto (Figura 10) mostram que umidade e atividade de água sofrem efeitos significativos (p<0,01) de todas as variáveis independentes no intervalo de confiança de 99%, com o glicerol e a quitosana como as variáveis independentes que exerceram maior efeito nestas variáveis dependentes, sendo o efeito do glicerol positivo em ambos os casos. Já é bem descrito na literatura que a presença de glicerol e da matriz polimérica influenciam na atividade de água, resultado da ação do caráter altamente hidrofílico do filme, que muitas vezes, independente da concentração do polissacarídeo na matriz, possui uma taxa de absorção de água elevada. Isto pode ser balanceado quando se emulsiona a solução filmogênica com um agente hidrofóbico (azeite de dendê, por exemplo) na constituição do filme. Em relação ao parâmetro umidade, o plastificante glicerol também foi o que exerceu maior efeito, visto que aumenta a hidrofilicidade da estrutura na qual está inserido. Monterrey e Sobral (1999) afirmam que as diferenças nas umidades dos filmes ocorrem, principalmente, em função da sua composição, devido ao caráter higroscópico do glicerol, contribuindo para a variação da espessura dos filmes, e influenciando também as propriedades mecânicas associado ao efeito plastificante da água, como solvente de materiais higroscópicos. O glicerol é um plastificante que possui 03 hidroxilas, ligando-se a quitosana, dando menor mobilidade às cadeias formadoras da matriz dos filmes e, conseqüentemente, diminuindo a sua capacidade de ligação com a água. As diferenças entre os plastificantes podem ser relacionadas, também, com os seus pesos moleculares (PM). Plastificantes com menor peso molecular, como o glicerol, exercem plastificação mais efetiva que os de maior peso molecular (SOTHORNVIT, 2009). Já o efeito negativo exercido pela variável quitosana em ambos os parâmetros (atividade de água e umidade) também é evi- 104

105 denciado no gráfico de Pareto devido a absorção de água por esta matriz na solução filmogênica. Pareto Chart of Standardized Effects; Variable: atividade de água 4 factors, 1 Blocks, 27 Runs; MS Pure Error=, DV: atividade de água (2)glicerol(L) (1)quitosana(L) dendê(q) glicerol(q) 1Lby2L urucum(q) 1Lby4L quitosana(q) (4)dendê(L) 2Lby3L 1Lby3L (3)urucum(L) 3Lby4L 2Lby4L 33, , , ,25-9, ,25-7, , ,25 2,75-2, ,25,25 a w 135,3343 p=,01 Standardized Effect Estimate (Absolute Value) (2)Glicerol(L) (1)quitosana(L) 1Lby2L Glicerol(Q) (3)Urucum(L) 1Lby3L (4)Dendê(L) 1Lby4L 2Lby3L Urucum(Q) 2Lby4L Dendê(Q) quitosana(q) 3Lby4L Pareto Chart of Standardized Effects; Variable: Umidade 4 factors, 1 Blocks, 27 Runs; MS Pure Error=,0001 DV: Umidade 512, ,5 274, , , 62, ,5 58,5-39, , -27, , ,5 p=,01 Standardized Effect Estimate (Absolute Value) U 1585,228 Figura 10. Gráficos de Pareto para as variáveis dependentes atividade de água (aw) e umidade (U). A permeabilidade ao vapor d água é considerada uma das propriedades de barreira de materiais. Um material muito permeável ao vapor d água poderá ser indicado 105

106 para embalagens de vegetais frescos, enquanto um filme pouco permeável poderá ser indicado para produtos desidratados (SOBRAL, 1999). Os valores da permeabilidade ao vapor d água dos filmes de quitosana adicionados de urucum e azeite de dendê e plastificados com glicerol variaram de 1,25x10-6 gh 2 O.µm/m 2.h.mmHg para formulação F19 (1,5% quitosana; 0% glicerol; 0,5% de urucum e 0,25% azeite de dendê) a 8,41x10-6 gh 2 O.µm/m 2.h.mmHg para formulação F20 (1,50% quitosana; 0,30 % glicerol; 0,50% urucum e 0,25% azeite de dendê). ANOVA (ANEXO I) e o gráfico de Pareto (Figura 11) mostram que todas as variáveis independentes: glicerol, quitosana, azeite de dendê e urucum e algumas interações lineares entre elas, exercem efeito significativo (p<0,01) sobre a permeabilidade ao vapor d água, sendo mais significativo o efeito positivo do glicerol. Segundo Thomazine (2005), o aumento do teor de plastificante causa um aumento na permeabilidade ao vapor de água de filmes higroscópicos, devido à reorganização da matriz proteica e consequente aumento de volume livre. Prondpran et al. (2007) produziram filmes emulsionados de quitosana com óleo de palma em substituição ao glicerol resultando no aumento da resistência à tração e redução na permeabilidade ao vapor d água. Pareto Chart of Standardized Effects; Variable: Permeabilidade 4 factors, 1 Blocks, 27 Runs; MS Pure Error=0 DV: Permeabilidade (2)Glicerol(L) Glicerol(Q) (1)Quitosana(L) 1Lby2L (4)Dendê(L) 1Lby4L Urucum(Q) 2Lby4L 2Lby3L Dendê(Q) 1Lby3L 3Lby4L (3)Urucum(L) Quitosana(Q) 1259, , , , , , , , ,568 92, , , ,0338 p=,05 Standardized Effect Estimate (Absolute Value) 2944,007 Figura 11. Gráfico de Pareto para análise de permeabilidade ao vapor d água. Lorevice et al. (2011) para filmes contendo HPMC (Hidroxipropil metilcelulose), polpa de goiaba e nanopartículas de quitosana com o intuito de diminuir a permea- 106

107 bilidade ao vapor de água (PVDA), constatou que com a adição de polpa de goiaba, o valor da permeabilidade aumentou para 2,09 ± 0,10 g mm/kpa h m 2. Os filmes controle de HPMC apresentaram valores de PVDA de 0,80 ± 0,06 g mm/kpa h m 2. Com a adição de nanopartículas de quitosana, o valor da permeabilidade passou para 1,58 ± 0,12 g mm/kpa h m 2. A adição de polpa de goiaba aumentou a permeabilidade devido ao aumento da mobilidade das cadeias do HPMC. Esse aumento é provocado pelo efeito plastificante dos açúcares da polpa, que resultam em acréscimo no tamanho dos poros diminuindo as propriedades de barreira. A diminuição da permeabilidade com a adição de nanopartículas se deve pelo preenchimento dos poros. No presente estudo, o glicerol agiu como plastificante, gerando os efeitos acima relatados e a observa-se efeito negativo significativo gerado pela variável independente quitosana. Uma das possíveis causas atribuídas a este efeito seria um maior preenchimento dos poros existentes no filme pela matriz. Yamashita et al. (2005) avaliou a permeabilidade a vapor d água de filmes biodegradáveis a base de amido de mandioca, contendo como conservante propionato de cálcio e permanganato de potássio como absorvedor de etileno, para aplicação como embalagem ativa para frutas e hortaliças ou minimamente processadas. Os filmes de amido de mandioca apresentaram altas taxas de permeabilidade ao vapor de água variando de 0,58 a 0,92 x g/m.s.pa ( 494 a 795 g/m /dia), quando comparados com filmes convencionais (polietileno de baixa densidade), que de acordo com Salame, (1986) é 35 a 57 vezes menos permeável em torno de 14 g/m /dia para espessura de 100 µm. Filmes de misturas poliméricas de amido com metilcelulose também apresentaram resultados similares, variando de 0, a 20, g/m.s.pa com variação proporcional ao aumento do glicerol na formulação (ARVANITOYANNIS; BILIADERIS, 1999). Moore (2005) determinou a PVDA de filmes de queratina de frango, plastificados por polietileno glicol (30 g/ 100 g de queratina) de massa molecular 400, resultando em filmes com aproximadamente 21% de umidade e 0,175 mm de espessura, encontrando valores iguais a 2,358 x g/ s.m.pa. Passando esse resultado para as mesmas unidades que o presente trabalho utilizou, chega-se numa PVDA igual a 8,48 x 10-4 g.mm/h.m 2.Pa. O filme de queratina apresentou o dobro de PVDA quando se compara aos filmes de colágeno. Ortiz (2009) determinou a permeabilidade ao vapor da água com o objetivo de caracterizar o filme biodegradável extrusado de amido de mandioca e proteína de soja, 107

108 para classificação de sua aplicação. O maior valor apresentado de permeabilidade foi de 2,53 g.mm/m 2 h KPa para as condições de 4 % de glicerol com 21,6 % de umidade e 4% de proteína de soja. Em contrapartida, o menor valor (1,52 g.mm/m 2 h KPa) foi para o tratamento que apresentou 4% de glicerol, 30% de umidade e 4% de proteína de soja. Henrique et al. (2008) avaliaram alguns amidos modificados de mandioca visando a obtenção de filmes comestíveis pelo processo de casting. Os filmes de amidos modificados de mandioca não apresentaram diferenças significativas para permeabilidade ao vapor d água, diferindo apenas do filme de PVC. Os filmes com concentração de 5% de amido apresentaram permeabilidade média numericamente maior que os filmes com 3% de amido. Pelissari (2009) incorporou óleo de orégano a filmes de amido de mandioca, quitosana e glicerol e avaliou suas propriedades de barreira, mecânicas e antimicrobiana. Para permeabilidade ao vapor d água percebeu-se que esta diminuiu significativamente (p 0,05) com adição de quitosana. O filme de amido de mandioca (controle) exibiu o maior valor de PVDA (1,39x10-10 g/pa.m.s,) o que pode ser atribuído ao maior número de grupos de hidroxilas livres e conseqüente aumento na interação com a água, favorecendo a permeabilidade. A adição de quitosana também pode causar aumento nas interações entre quitosana e amido, devido à formação de ligações de hidrogênio entre os grupos -NH 2 presente na quitosana e o OH do amido de mandioca, reduzindo a disponibilidade dos grupos hidrofílicos e diminuindo a PVDA para 1.0x10-10 g/pa.m.s. A permeabilidade ao vapor d água dos filmes também foi diminuída em relação ao controle no estudo de Machado (2011) pelo reforço dos que filmes de amido de mandioca e glicerol com nanowhiskers de celulose de coco, (5,89x10-8 a 6,40x10-8 gh2o.µm/m2.h.mmhg), sendo muito menores do que o do controle (9,7x10-8 gh2o.µm/m2.h.mmhg). A diminuição deste parâmetro foi atribuída à presença dos nanocristais, que associados ao glicerol, agem como uma barreira e diminuem os espaços livres na matriz polimérica dificultando a passagem do vapor (MÜLLER et al., 2008). Souza (2010) e Reis (2011) incorporaram fibras de manga (polpa) em filmes contendo uma matriz de amido de mandioca, avaliando também as propriedades de barreira destes filmes constataram variação da permeabilidade de 6,62x10-8 a 10,55x10-8 H 2 O.µm/m 2.h.mmHg a 6,74x10-8 a 9,55 x10-8 H 2 O.µm/m 2.h.mmHg, respectivamente. O tratamento dos dados experimentais para as diferentes formulações resultam em uma equação polinomial de segunda ordem para cada superfície de resposta gerada, para a colorimetria, espessura (E), sólidos totais (ST), umidade (U), atividade de água 108

109 (aw) e permeabilidade ao vapor de água (PVDA) (Tabela 4, ANEXO I) dos filmes, em função das variáveis independentes, quitosana (%, X 1 ), glicerol (%, X 2 ), urucum (X 3 ), azeite de dendê (X 4 ) e a interação entre elas (X 1, X 2, X 3 e X 4 ). Na Figura 12 são apresentados os gráficos de superfície de resposta gerados entre as interações Quitosana x Glicerol, Quitosana x Urucum e Quitosana x Azeite de dendê e os parâmetros de colorimetria, sólidos totais (ST), umidade (U), atividade de água (aw) e permeabilidade ao vapor de água (PVDA) para as 27 formulações. 109

110 Tabela 4. Equações do modelo e R 2 (coeficiente de determinação) para Sólidos Totais (ST, %), Umidade (U, %), Atividade de Água (AW), Permeabilidade ao vapor de água (PVDA, gh 2 O.µm/m 2.h.mmHg) dos filmes, X 1 = Quitosana, X 2 = Glicerol, X 3 = Urucum e X 4 = Azeite de dendê. Parâmetros Equação 2 Parâmetros Equação R2 R ST: X 1xX 2 79,1+1,045X 1+,050X 2 1-3,23Y 1-0,60Y ,90 X 1Y 1 0,97 U: X 1xX 3 20,9-1,05 X 1-0,050 X ,31 Y 1-0,08 Y X 1Y 1 0,97 ST: X 1xX 3 79,1+1,05X 1+0,050X 1 2-0,31Y 1+0,08Y 1 2 0,97 U: X 1xX 4 20,9-1,04 X 1-0,05 X ,13 Y 1-0,058 Y X 1Y 1 0,97 ST: X 1xX 4 79,1+1,05 X 1+,050 X 2 1-0,12 Y 1+0,058 Y ,15X 1Y 1 0,97 U: X 2xX 3 20,9+3,23 X 1+0,60 X ,31 Y 1-0,08 Y X 1Y 1 0,98 ST: X 2xX 3 79,1-3,23 X 1-0,60 X 2 1-0,31 Y 1+0,08 Y 2 1-0,14625 X 1Y 1 0,97 U: X 2xX 4 20,9+3,23 X 1+0,60 X 1 2 +,1275 Y 1-0,05 Y 1 2-0,08 X 1Y 1 0,97 ST: X 2xX 4 79,1-3,23 X 1-0,60 X 1 2-0,12 Y 1 + 0,05 Y ,80 X 1Y 1 0,97 U: X 3xX 4 20,9+0,31 X 1-0,08 X ,1275 Y 1-0,05 Y ,04125 X 1Y 1 0,97 ST: X 3xX 4 79,1-0,31 X 1+0,08 X 2 1-0,12 Y 1 +0,05 2 Y 1 +0,042 X 1Y 1 0,97 AW: X 1xX 2 0,606+,006 X 1-0,0017X , Y 1+0,003 Y 1 2 +,0025 X 1Y 1 0,97 AW: X 1xX 3 0,606+,006 X 1-0,001 X 1 2-0,0004 Y 1-0,002 Y ,0006 X 1Y 1 0,97 PVDA: X 1xX 3 0, , X 1-, X 1 2 +, Y 1 -, Y 1 2 +, +, X 1Y 1 0,98 AW: X 1xX 4 0,606+0,006 X 1-0,001 X 1 2-0,0007 Y 1-0,004 Y 1 2-0,002 X 1Y 1 0,97 PVDA: X 1xX 4 0, , X 1-0, X 1 2-0, Y 1-0, Y 1 2-0, X 1Y 1 0,98 AW: X 2xX 3 0,606+,027 X 1+0,0031-0,00045 Y 1-0,002 Y ,0008 X 1Y 1 0,98 PVDA: X 2xX 3 0, , X 1+0, X 2 1-0, Y 1-0, Y 2 1-0, X 1Y 1 0,97 AW: X 2xX 4 0,606+0,02 X 1 +,0031 X 2 1-0,0007 Y 1-0,04 Y ,0006 X 1Y 1 0,98 PVDA: X 2xX 4 0, , X 1+, X , Y 1-0, Y 1 0, X 1Y 1 0,97 AW: X 3xX 4 0,606-0,0004 X 1-0,002 X 2 1-0,0007 Y 1-0,004 Y 2 1-0,0003 X 1Y 1 0,97 PVDA: X 3xX 4 0, , X 1-0, X 2 1-0, Y 1-0, Y , X 1Y 1 0,97 110

111 Figura 12. Superfícies de resposta geradas para as interações das variáveis independentes sobre as variáveis dependentes: sólidos totais (ST), umidade (U), atividade de água (aw) e permeabilidade ao vapor de água (PVDA) para as 27 formulações de filmes. 111

112 Propriedades mecânicas dos filmes A utilização de filmes biodegradáveis como embalagens exige que estes materiais sejam resistentes à ruptura e à abrasão, de forma a permitir que o alimento mantenha sua integridade e proteção durante o manuseio e transporte e, ao mesmo tempo, mantenha sua flexibilidade, para se adaptar a eventuais deformações do produto sem que ocorra dano mecânico (MALI et al, 2004). As propriedades mecânicas dos filmes de quitosana plastificados com glicerol e aditivados com urucum e azeite de dendê foram avaliadas, nos testes de tração, com relação ao módulo de Young (E em Megapascal, MPa), tensão (σ em Megapascal, MPa) e deformação (ε em porcentagem, %). Para o parâmetro Módulo de Young, os filmes apresentam variação de 157,86±0,15 MPa para formulação F2 (1,0% quitosana; 0,075% de glicerol; 0,25% urucum e 0,375% azeite de dendê) a 704,0 MPa para formulação F18 (2,5% quitosana; 0,15% de glicerol; 0,50% urucum e 0,25% de azeite de dendê), conforme observado na Tabela 5. Quanto ao Módulo de Young (E) ou módulo de elasticidade, que é um parâmetro mecânico que proporciona uma medida da rigidez de um material sólido, que é um valor intrínseco a cada matéria prima. Os valores variaram de 157,86±0,15MPa para a formulação F2 (2,5% quitosana; 0,15% de glicerol; 0,50% urucum e 0,25% de azeite de dendê) a 704,00±0,17 para a formulação F18 (2,5% quitosana; 0,15% de glicerol; 0,50% urucum e 0,25% de azeite de dendê). 112

113 Tabela 5. Médias (± desvio padrão) das análises de propriedades mecânicas das diferentes formulações. E (Módulo de Young); σ (tensão máxima); ε (Deformação). F Quitosana (%) Glicerol (%) Urucum (%) Dendê Formulações (F); * Pontos Centrais Valores que apresentam a mesma letra, numa mesma coluna, não apresentam diferenças significativas (p>0,05) pelo Teste de Tukey a 95% de confiança. (%) E (MPa) σ (MPa) ε (%) F1 1 0,075 0,25 0, ,26±0,03 15,31±0,12 a 18,52±0,56 a F2 1 0,075 0,25 0, ,86±0,15 15,29±0,25 a 20,26±0,36 F3 1 0,075 0,75 0, ,50±0,01 16,44±0,77 18,70±0,44 a F4 1 0,075 0,75 0, ,84±0,52 14,19±1,15 20,92±0,17 F5 1 0,225 0,25 0, ,50±089 6,45±0,33 31,60±0,55 F6 1 0,225 0,25 0, ,90±0,15 4,63±0,08 35,94±0,99 F7 1 0,225 0,75 0, ,60±0,25 8,10±0,99 32,40±0,46 F8 1 0,225 0,75 0, ,70±0,33 7,74±0,66 33,56±0,35 F9 2 0,075 0,25 0, ,00±0,05 20,04±0,54 15,49±0,14 F10 2 0,075 0,25 0, ,00±0,12 17,25±0,15 16,50±0,25 c F11 2 0,075 0,75 0, ,80±0,44 24,78±0,89 20,40±0,33 F12 2 0,075 0,75 0, ,33±0,76 19,54±2,05 28,40±0,41 F13 2 0,225 0,25 0, ,40±0,13 9,30±1,13 27,60±0,92 e F14 2 0,225 0,25 0, ,30±0,28 9,05±0,46 29,40±0,65 b F15 2 0,225 0,75 0, ,30±0,54 10,13±0,85 b 29,00±1,14 b F16 2 0,225 0,75 0, ,30±0,14 9,27±1,16 29,20±0,85 b F17 0,5 0,15 0,5 0,25 172,83±0,44 11,11±0,25 22,70±0,29 F18 2,5 0,15 0,5 0,25 704,00±0,17 12,49±0,96 21,68±0,52 F19 1,5 0 0,5 0,25 524,00±0,25 28,90±0,74 16,10±0,36 c F20 1,5 0,3 0,5 0,25 370,60±0,14 3,69±0,55 39,00±0,74 F21 1,5 0,15 0 0,25 389,50±0,05 12,12±0,46 c 22,84±0,64 F22 1,5 0,15 1 0,25 299,60±0,09 10,21±1,45 b 23,70±1,25 d F23 1,5 0,15 0, ,83±0,24 14,13±1,12 23,20±1,10 d F24 1,5 0,15 0,5 0,5 358,50±0,55 12,82±0,87 c 27,60±0,89 e F25* 1,5 0,15 0,5 0,25 292,25±0,21 13,50±0,17 d 26,80±0,64 F26* 1,5 0,15 0,5 0,25 310,33±0,64 13,86±0,36 d 24,80±1,02 F27* 1,5 0,15 0,5 0,25 299,66±0,71 13,73±0,75 d 25,60±1,44 113

114 As formulações F18 (2,5% quitosana; 0,15% de glicerol; 0,50% urucum e 0,25% de azeite de dendê), F9 (2% quitosana; 0,075% de glicerol; 0,250%;urucum e 0,125% de azeite de dendê) e F10 (2% quitosana; 0,075% de glicerol; 0,250% urucum e 0,375% de azeite de dendê ) apresentaram os maiores valores de E sendo estes 704, 689 e 660 MPa respectivamente (Figura 13). Figura 13. Comportamento do módulo de Young (E - MPa) e deformação (ε - %) das diferentes formulações dos filmes de quitosana. Analisando o gráfico de Pareto (Figura 14) verifica-se que o módulo de Young foi influenciado positivamente pelos efeitos lineares da variável independente quitosana e ainda pode se observar o efeito negativo do glicerol mas não tão significativo. Quanto maior a concentração de quitosana na formulação, maior será o valor do Módulo de Young, ao contrário do comportamento do glicerol, que ao ter sua concentração aumentada, confere ao filme um valor menor neste parâmetro. Os maiores valores de Módulo de Young foram obtidos pelas formulações com maior teor de quitosana; havendo uma tendência à formação de filmes mais rígidos. Em contrapartida, esta tendência era aplacada pela presença do plastificante glicerol em cada formulação. Comparando as formu- 114

115 lações F9 e F13, por exemplo, ambas com concentração de 2% de quitosana, 0,250% urucum e 0,125% de azeite de dendê, mas com a concentração de glicerol sendo 0,075% e 0,225%, respectivamente, percebe-se que o maior valor do Módulo de Young foi para F9; o que demonstra o efeito negativo do plastificante neste parâmetro, reduzindo o valor deste parâmetro de 689,0 para 506,40 MPa. O plastificante reduz as interações moleculares entre as cadeias adjacentes de amido, aumentando a mobilidade do sistema (GONTARD et al., 1993). Pareto Chart of Standardized Effects; Variable: E 4 factors, 1 Blocks, 27 Runs; MS Pure Error=415,2072 DV: E (1)Quitosana(L) Glicerol(Q) Quitosana(Q) (3)Urucum(L) 2Lby3L 1Lby3L (2)Glicerol(L) 1Lby2L Urucum(Q) 3Lby4L 2Lby4L Dendê(Q) (4)Dendê(L) 1Lby4L -8, , , , , , , , , , ,703839, , p=,01 Standardized Effect Estimate (Absolute Value) 35,79885 Figura 14. Gráfico de Pareto para o parâmetro Módulo de Young (E) dos filmes Diversos trabalhos abordam esta propriedade do plastificante glicerol de diminuir o Módulo de Young em filmes. Alguns estudos relatam que a adição de plastificante torna a matriz dos filmes menos densa, facilitando a movimentação das cadeias do polímero, melhorando a flexibilidade dos filmes (MALI et al, 2004, SOBRAL et al., 2001). Estes resultados estão de acordo com os resultados obtidos neste trabalho. A formulação F20 (1,50% quitosana; 0,30 % glicerol; 0,50% urucum e 0,25% azeite de dendê) foi a que mais sofreu deformação (39%) e a F19 (1,50% quitosana; 0 % 115

116 glicerol; 0,5% urucum e 0,25% azeite de dendê) a que menos se deformou (16,1%). Também pode-se atribuir à concentração de glicerol estes efeitos, visivelmente demonstrados através do Gráfico de Pareto (Figura 15) e análise da concentração de cada variável nas formulações. Os resultados são conseqüência da capacidade do glicerol em reduzir as interações entre cadeias poliméricas, diminuindo assim a resistência do filme e aumentando a flexibilidade (MCHUGH; OLSEN, 2004). Romero-Bastida et al. (2005), para filmes de amido de banana e manga adicionados de 50% de glicerol, houve 40 e 30% de deformação na tração, respectivamente, e também encontraram valores maiores para os filmes adicionados com plastificante. Alguns estudos também relataram efeitos de outros fatores na elongação de filmes como, por exemplo, a influência da atividade de água na elongação dos filmes plásticos biodegradáveis de amido de mandioca elaborados por SHIMAZU et al (2007). O aumento da elongação (flexibilidade) foi dependente da atividade de água (Aw) dos filmes. Filmes que apresentaram Aw de 0,11 e 0,33 sofreram deformação de 40% e filmes com Aw 0,58 com glicerol acima de 30% apresentaram aumentos significativos de deformação, a partir de concentrações de glicerol de 30%. Pareto Chart of Standardized Effects; Variable: def in% 4 factors, 1 Blocks, 27 Runs; MS Residual=3, DV: def in% (2)glicerol(L) (4)dendê(L) 1Lby2L 1Lby3L 2Lby3L (3)urucum(L) (1)quitosana(L) quitosana(q) glicerol(q) urucum(q) 2Lby4L 3Lby4L 1Lby4L dendê(q) 3, ,7061 2, ,3577 2, , , , , ,715105,35206, , p=,01 Standardized Effect Estimate (Absolute Value) 14,44839 Figura 15. Gráfico de Pareto para o parâmetro Deformação (em %) dos filmes de quitosana. 116

117 Para filmes de amido de mandioca com diferentes teores de polpas de manga e de acerola desenvolvidos por Souza et al, (2011) com plastificante sacarose e açúcar invertido, os valores dos percentuais de alongamento variou com a concentração das polpas em cada filme, sendo que a formulação com a menor incorporação de polpas de manga e de acerola apresentou a menor porcentagem de alongamento (68,67%), e a formulação com o maior teor de ambas as polpas (F4) apresentou o maior percentual (72,45%), ou seja, quanto maior a adição de polpas de manga e de acerola maior o percentual de alongamento. Farias et al. (2011) analisou o percentual de deformação de filmes de amido de mandioca adicionados de polpa de acerola e plastificados com glicerol. Os autores observaram que a deformação na tração dos filmes variou de 23,11 a 44,63%; o aumento da concentração de polpa e glicerol favoreceu o aumento da deformação na tração dos filmes. Wang et al. (2010), para filmes compostos de purê de cenoura, carboximetilcelulose (CMC), amido de milho, gelatina e glicerol e constataram que as concentrações de carboximetilcelulose (CMC), amido de milho e gelatina não apresentaram efeito significativo sobre a deformação na tração, mas a elevação da concentração de glicerol provocou o aumento. A tensão na ruptura é a resistência oferecida pelo material no ponto da ruptura durante o teste de tração. Geralmente é requerida alta tensão na ruptura, mas esta exigência depende da finalidade a que a embalagem se destina (CUQ, 1992). Para os filmes de quitosana plastificados com glicerol e aditivados com urucum e azeite de dendê, os resultados variaram de 3,69 MPa para formulação F20 (1,50% quitosana; 0,30 % glicerol; 0,50% urucum e 0,25% azeite de dendê) a 28,90 MPa para formulação F19 (1,50% quitosana; 0 % glicerol; 0,5% urucum e 0,25% azeite de dendê). Mais uma vez constata-se a influência negativa da concentração de glicerol neste parâmetro uma vez que está se tratando das formulações com menor concentração e maior concentração de glicerol respectivamente (Figura 16). Pelo gráfico de Pareto, todas as variáveis independentes e algumas interações lineares causaram efeitos significativos (p<0,01) neste parâmetro, sejam eles positivos (como é caso da quitosana) ou negativos (como é o caso do glicerol), em um intervalo de confiança de 99% (Figura 17). Estes resultados estão de acordo com outros estudos como é o caso de Wang et al.(2010), que em filmes de purê de cenoura, carboximetilcelulose (CMC), amido de milho, gelatina e glicerol, obtiveram resultados que variaram de 5,06 a 11,73 MPa, a concentração de amido de milho melhora a tensão na tração dos filmes e a elevação da concentração de glicerol 117

118 reduz a tensão na tração. Comparando-se os valores da tensão causada nos filmes durante a tração e o módulo de Young (E), ambos em MPa, pode-se perceber a diferença entre as forças resultantes no material analisado (Figura 18). Figura 16. Tensão de ruptura das 27 formulações dos filmes de quitosana avaliada no teste de tração. Pareto Chart of Standardized Effects; Variable: Tensão 4 factors, 1 Blocks, 27 Runs; MS Pure Error=, DV: Tensão (2)Glicerol(L) (1)Quitosana(L) (4)Dendê(L) Urucum(Q) Glicerol(Q) 1Lby2L Quitosana(Q) (3)Urucum(L) 2Lby4L 1Lby4L 3Lby4L 1Lby3L Dendê(Q) 2Lby3L 38, , ,941 15, , , ,1267 9, , , , , ,72243 p=,05 Standardized Effect Estimate (Absolute Value) -143,989 Figura 17. Gráfico de Pareto do parâmetro Tensão para filmes de quitosana 118

119 σ (MPa) Figura 18. Comparação dos gráficos do Módulo de Young (E) e da tensão de ruptura dos filmes de quitosana gerados pelo teste de tração (valores em MPA). Muitos estudos abordam as influências das variáveis independentes diversas (matriz, plastificantes ou aditivos) nas propriedades mecânicas de filmes biodegradáveis. Cuenca et al. (2001), caracterizando filmes de quitosana (a 1%) contendo diferentes concentrações de glutaraldeído (0 a 4,6%), processado por casting, obteve valores de tensão variando de 2,5 a 5,0 (±1) Kgf, sendo o maior valor para filmes sem glutaraldeído. Os valores de porcentagem de deformação variaram de 6,9 a 12,3 % e os maiores valores também foram para a formulação com ausência de glutaraldeído, onde a adição de 1% de glutaraldeído não alterou a tensão máxima para a quebra do filme, mas diminuiu sua deformação. Um aumento de cinco vezes na concentração de glutaraldeído não acarretou mudanças significativas em suas propriedades mecânicas. Para filmes de quitosana incorporados com chá verde e plastificados com glicerol desenvolvidos por Siripatrawan e Harte (2010) foram avaliados quanto às propriedades mecânicas observando os efeitos da adição de extrato de chá verde nestas propriedades. Foi constatado que de 0 a 5% de incorporação do extrato de chá verde, não houve alteração nos valores de tensão e deformação dos filmes aditivados em relação ao filmecontrole, mas com um teor de 5 a 20% do extrato à matriz polimérica, identificou-se significante aumento de ± 1.91 para ± 3.46 MPa e de ± 3.14 para ± 3.37, respectivamente, que pode ser explicado pela interação entre a quitosana e os compostos fenólicos presentes no extrato de chá verde. Yamashita, et al. (2005) elaborou filmes biodegradáveis a base de amido de mandioca, contendo propionato de cálcio e permanganato de potássio como conservante absorvedor de etileno e avaliou as propriedades mecânicas dos filmes. A resistência à 119

120 tração na ruptura variou de 4,3 a 23,4 MPa e com efeito negativo do teor de amido e positivo dos teores de permanganato e propionato, além de uma interação negativa do permanganato com o propionato. Desta forma o filme com maior resistência foi obtido quando foram empregados os menores teores de amido e de propionato e os maiores de permanganato, pois apesar do efeito do propionato ter sido positivo, existe uma forte interação negativa entre o propionato e o permanganato, superior ao efeito apenas do propionato. O amido teve efeito negativo, ou seja, menores teores de amido elevaram a resistência à tração provavelmente devido a oxidação do amido catalisada pela presença de permanganato, que permitiu a formação de uma matriz mais coesa, enquanto que os filmes com maiores teores de amido mostraram-se mais rígidos e menos resistentes. Bastos (2010) obteve filmes de amido termoplástico por vazamento e posterior tratamento por plasma de hexafluoreto de enxofre (SF6). Analisando os filmes quanto às propriedades mecânicas concluiu que o módulo de elasticidade aumentou após o tratamento por plasma de SF6 (a superfície dos filmes tornou-se mais rígida), o que pode ser atribuído à reticulação que ocorre devido à formação de ligações cruzadas entre as unidades de D-glicose do amido e também à incorporação de átomos de flúor durante o tratamento por plasma de SF6. Shimazu et al. (2007) avaliando os efeitos do plastificante e antiplastificante do glicerol e do sorbitol em filmes biodegradáveis de amido de mandioca realizou análises de tração e deformação nestes, relata que os filmes dfe amido de mandioca plastificados com glicerol apresentam menor resistência que os com sorbitol, existindo uma tendência de queda na resistência à medida que o plastificante é adicionado. Filmes plastificados com sorbitol nas concentrações de 5, 10 e 15 g sorbitol/100g de amido foram mais resistentes que os filmes não plastificado. O efeito do sorbitol em baixas concentrações e baixas atividades de água é mais um indicativo do seu efeito antiplastificante, isto é, ao invés de aumentar a mobilidade molecular entre as cadeias de amido, se liga fortemente ás cadeias de amido, aumentando o grau de interação, e conseqüentemente, a resistência mecânica e rigidez destes materiais. Nos filmes plastificados com glicerol, o aumento da elongação (flexibilidade), em relação aos filmes não plastificados foi dependente da atividade de água dos filmes. De uma forma geral, os filmes plastificados com glicerol se mostraram mais flexíveis que os com sorbitol, apresentando, em todos os valores de atividade de água, maiores valores de elongação. Handa et al. (1999), determinaram as propriedades mecânicas, dos filmes de proteínas da clara do ovo e verificaram que a deformação na ruptura no teste de tração va- 120

121 riou de 26,4 a 55,1%, sendo que os filmes de soluções aquecidas tiveram uma deformação maior do que filmes de soluções não aquecidas no intervalo de ph estudado (10,5-11,5). Os autores verificaram aumento da deformação com a elevação do valor do ph. O tratamento dos dados experimentais para as diferentes formulações resultam em uma equação polinomial de segunda ordem para cada superfície de resposta gerada, para o Módulo de Young (E), Tensão (σ) e Deformação (ε) (Tabela 6, ANEXO I) dos filmes, em função das variáveis independentes, quitosana (%, X1), glicerol (%, X2), urucum (X3), azeite de dendê (X4) e a interação entre elas (X1, X2, X3 e X4). Na Figura 14 são apresentados os gráficos de superfície de resposta gerados entre as interações Quitosana x Glicerol, Quitosana x Urucum e Quitosana x Azeite de dendê e os parâmetros o Módulo de Young (E), Tensão (σ) e Deformação(ε) para as 27 formulações. 121

122 Tabela 6. Equações do modelo e R 2 (coeficiente de determinação) para Moúdulo de Young (E, MPa), Tensão(σ, MPa) e Deformação (ε, %) dos filmes, X 1 = Quitosana, X 2 = Glicerol, X 3 = Urucum e X 4 = Azeite de dendê. Parâmetros Equação R 2 Parâmetros Equação R 2 E: X 1 xx 2 290,7+148,9 X 1 +35,4 X ,4 Y 1 +37,6 Y ,5 X 1 Y 1 0,97 σ: X 2 xx 3 13,7-5,3 X 1 +0,6 X ,37 Y 1-0,7 Y 1 2-0,07 X 1 Y 1 0,97 E: X 1 xx 3 290,7+148,9 X 1 +35,4 X ,1 Y 1 +11,9 Y ,6 X 1 Y 1 0,97 σ: X 2 xx 4 13,7-5,3 X 1 +0,6 X 1 2-0,6 Y 1-0,09 Y 1 2-0,438 X 1 Y 1 0,97 E: X 1 xx 4 290,7+148,9 X 1 +35,4 X ,09 Y 1-3,1 Y 1 2-0,375 X 1 Y 1 0,97 σ: X 3 xx 4 13,7+0,4 X 1-0,7 X 1 2-0,6 Y 1-0,09 Y 1 2-0,2 X 1 Y 1 0,98 E: X 2 xx 3 290,7-22,4 X 1 +37,6 X ,1 Y 1 +11,9 Y ,7 X 1 Y 1 0,97 ε: X 1 xx 2 25,7-0,74 X 1-0,7 X ,6 Y 1 +0,6 Y 1 2-1,3 X 1 Y 1 0,97 E: X 2 xx 4 290,7-22,4 X 1 +37,6 X Y 1-3,1 Y ,15 X 1 Y 1 0,97 ε: X 1 xx 3 25,7-0,7 X 1-0,7 X ,7 Y 1-0,5 Y 1 2-1,2 X 1 Y 1 0,97 E: X 3 xx 4 290,7-32,1 X 1 +11,9 X ,09 Y 1-3,1 Y ,5 X 1 Y 1 0,97 ε: X1 xx 4 25,7-0,7 X 1-0,7 X ,2 Y 1 +0,06 Y 1 2-0,09 X 1 Y 1 0,97 σ: X 1 xx 2 13,7+1,4 X 1-0,5 X 1 2-5,3 Y 1 +0,6 Y 1 2-0,6 X 1 Y 1 0,97 ε: X 2 xx 3 25,7+5,6 X 1 +0,6 X ,8 Y 1-0,4 Y 1 2-1,12 X 1 Y 1 0,98 σ: X 1 xx 3 13,7+1,4 X 1-0,5 X ,4 Y 1-0,7 Y 1 2-0,2 X 1 Y 1 0,97 ε: X 2 xx 4 25,7+5,6 X 1 +0,6 X ,8 Y 1-0,4 Y ,12 X 1 Y 1 0,98 σ: X 1 xx 4 13,7+1,4 X 1-0,5 X 1 2-0,7 Y 1-0,09 Y 1 2-0,3 X 1 Y 1 0,98 ε: X 3 xx 4 25,7+0,8 X 1-0,4 X ,2 Y 1 +0,06 Y ,16 X 1 Y 1 0,97 122

123 Perda de massa (%) Derivada primeira da perda de massa (erda/ o C) Propriedade Térmica: Análise termogravimétrica Foram selecionadas as formulações F17, F18 e F19 para análise termogravimétrica devido a possuírem em sua formulação menor teor de quitosana, maior teor de quitosana e ausência de glicerol, respectivamente. Os gráficos de TGA e DTG das formulações F17 (0,5% quitosana; 0,15% glicerol; 0,5% urucum e 0,25% azeite de dendê), F18 (2,5% quitosana; 0,15 % glicerol; 0,5% urucum e 0,5% azeite de dendê) e F19 (1,5% quitosana; 0% glicerol; 0,5% de urucum e 0,25% azeite de dendê) estão apresentados na Figura 19. As curvas de TGA e DTG revelam a perda de massa do material quando aquecido a uma temperatura e atmosfera controlada ,0 80 (b) -0,1-0, F17 F18C F19A Temperatura ( o C) (a) -0,3-0,4-0,5-0,6-0,7 Figura 19: (a)- Curvas de TGA das formulações F17, F18 e F19. (b)- Curvas de DTG das formulações F17, F18 e F19. Analisando as curvas TGA e DTG das amostras analisadas, verifica-se a presença de 5 eventos distintos para formulação F17, 4 eventos para F18 e 3 para formulação F19, conforme Tabela 6. O primeiro evento de perda de massa que é o primeiro estágio, abaixo de C, está relacionado à volatilização de água, com a evaporação também de compostos de baixa massa molar. A faixa de temperatura de degradação desta etapa foi de 47,40 a 55,19 C. Este evento poderia ter sido evitado ou amenizado se as amostras fossem secas em estufa, antes da análise. Através da observação dos dados apresentados 123

124 na Tabela 7, verifica-se que a temperatura de desidratação aumenta a medida que aumenta o teor de quitosana na solução filmogênica. O segundo estágio ocorreu na faixa de temperatura em torno de 166,05 a 189,43 C; associando esta etapa à decomposição do glicerol, indicando uma possível separação de fases. Este evento ocorreu apenas para as formulações F17 e F18 uma vez que a motra F19, cuja formulação não contém glicerol, não apresentou evento nesta faixa de temperatura. Na faixa de temperatura de 278,07 e 293,02 C observa-se evento para as formulações F17, F18 e F19, evento este associado à decomposição da matriz quitosana (PELISSARI, 2009). Tabela 7. Comportamento termogravimétrico dos filmes de quitosana plastificados com glicerol e incorporados de urucum e azeite de dendê. Formulações Quitosana (%) Glicerol (%) Evento1(desidratação) Evento 2 Evento 3 Evento 4 Evento F17 0,50 0,15 47,40 166,05 278,07 395,58 444,37 F18 2,50 0,15 55,19 189,43 293,02 437,75 F19 1, ,18 292,50 424,45 Valores que apresentam a mesma letra, numa mesma coluna, não apresentam diferenças significativas (p>0,05) pelo Teste de Tukey a 99% de confiança. 5 Pelissari (2009) incorporou óleo de orégano a filmes de amido de mandioca, quitosana e glicerol e analisou termogravimetricamente a estabilidade térmica destes filmes, observando que o filme de amido-quitosana com 1% de óleo essencial de orégano sofreu 03 estágios de perda de massa enquanto outras formulações que variavam a composição dos filmes sofreram 2 estágios apenas. O primeiro estágio (Temperatura de degradação máxima de 72 a 99º C representa a evaporação da água absorvida pelo amido, quitosana e glicerol, juntamente com a evaporação dos compostos de baixa massa molar. Em torno de 250 a 350º C, observou-se a decomposição do amido e da quitosana.apenas a formulação com maior teor de óleo essencial de orégano (1,0%) apresentou o terceiro estágio, por volta de 380º C, quando provavelmente ocorre a degradação térmica das estruturas aromáticas presentes no óleo essencial, bastante estáveis quimicamente devido a ressonância do anel benzênico. Bastos (2010) para filmes de amido termoplástico por vazamento e posterior tratamento por plasma de hexafluoreto de enxofre (SF6), relata uma temperatura de degradação dos compósitos de aproximadamente C e com o aumento da quantidade de fibra, houve uma maior perda de massa para 124

125 temperaturas baixas. Resultados similares para faixas de temperatura de degradação de matrizes poliméricas (filmes de quitosana) foram reportados por outros autores (CHEN etal 2008, ZHANG et al, 2007). Os estágios subseqüentes referem-se à degradação térmica de outros componentes da formulação. Santos et al (2010) realizaram a síntese, caracterização e estudo cinético do óleo de dendê e seu biodiesel e em relação à análise termogravimétrica verificaram que o óleo de dendê possui dois estágios de perdas de massa, ocorrendo na faixa de C. O óleo de dendê apresentou duas etapas térmicas, a maior perda consiste na decomposição dos ácidos graxos, já para a menor perda pode-se atribuir às impurezas presentes no óleo, tais como os ácidos graxos livres Solubilidade dos filmes Os filmes selecionados para esta análise apresentaram um percentual de solubilidade entre 7,84%±1,01 para formulação F19 (1,5% quitosana; 0% glicerol; 0,5% de urucum e 0,25% azeite de dendê); 9,16% ±0,05 para F18 (2,5% quitosana; 0,15 % glicerol; 0,5% urucum e 0,5% azeite de dendê) e 11,62%±0,02 para F17 (0,5% quitosana; 0,15% glicerol; 0,5% urucum e 0,25% azeite de dendê), conforme dados apresentados na Tabela 8. Tabela 8: Solubilidade das amostras selecionadas dos filmes de quitosana plastificados com glicerol e incorporados de urucum e azeite de dendê. Formulações Quitosana Glicerol Urucum Dendê M inicial M final Solubilidade (%) (%) (%) (%) (%) F17 0,50 0,15 0,50 0,25 0,0086 0, ,62±0,02 F18 2,50 0,15 0,50 0,25 0,0240 0,0218 9,16±0,05 F19 1,50 0,00 0,50 0,25 0,0344 0,0317 7,84±1,01 Valores que apresentam a mesma letra, numa mesma coluna, não apresentam diferenças significativas (p>0,05) pelo Teste de Tukey a 95% de confiança. A formulação que não contém glicerol (F19) apresentou o menor percentual de solubilidade. De acordo com Wolf (2007), filmes com plastificantes hidrofílicos tendem a apresentar altos valores de solubilidade. Para as demais formulações, cuja diferença básica entre elas é o teor de quitosana presente na formulação, a amostra com menor teor da matriz (que foi a F17), apresentou um percentual de solubilidade maior, provavelmente pela maior facilidade de dispersar esta amostra em solução ou por esta não 125

126 ser composta de ligações tão fortemente formadas entre os outros componentes da formulação devido à sua menor quantidade presente. Os valores encontrados neste trabalho são compatíveis com outros trabalhos que tratam especificamente de filmes de quitosana, como é o caso de Carvalho (2006), que produziu esferas, membranas, filmes e hidrogéis de quitosana, sem e com a bactéria imobilizada e avaliou os produtos quanto à resistência mecânica, uniformidade, solubilidade, dentre outros. Os testes de solubilidade de filmes e membranas em ph 6 tiveram por finalidade avaliar perdas de massa devido à possível solubilização nesse ph. Os resultados mostraram que a perda de massa foi insignificante para os filmes e membranas testados, com um percentual de perda de 3,5% ± 0,057. Em relação aos filmes que possuem outros polissacarídeos ou componentes como matrizes, os valores da solubilidade de filmes biodegradáveis de quitosana são inferiores. Zactiti (2004) avaliou a solubilidade dos filmes biodegradáveis de alginato de cálcio sem e com sorbato de potássio. Os filmes preparados com solução filmogênica a 1,5% de alginato de sódio e glicerol (0,6g glicerol/g de alginato) apresentaram-se totalmente solubilizados após 24h de imersão em água. Esta é uma característica encontrada em filmes compostos de hidrocolóides, especialmente polissacarídeos e proteínas, por serem substâncias altamente hidrofílicas. Yamashita et al (2005) desenvolvendo filmes biodegradáveis a base de amido de mandioca, contendo como conservante propionato de cálcio e permanganato de potássio como absorvedor de etileno, verificaram que estes apresentaram alta solubilidade, que variou de 78 a 86%, característica desejável para filmes biodegradáveis. Quanto maior a concentração de amido, mais solúvel o filme. O aumento da solubilidade foi associado com a concentração de amido devido ao aumento da quantidade de grupamentos hidroxila na matriz dos filmes. Filmes a base de gelatina, com sorbitol nas concentrações de 55 a 65%%, com espessura média de 170 µm, apresentaram solubilidades variando de 40,4 a 44,5% de matéria seca, valores também menores que os obtidos neste trabalho (SAKANAKA, 2002). Vicentino et al (2011) para filmes a partir de amido de mandioca, gelatina e sorbitol para cobertura em uvas Benitaka (Vitis vinifera L.) avaliaram as propriedades a fim de se verificar a eficácia do filme como barreira contra a perda de massa nas uvas. No quesito solubilidade observaram que este parâmetro variou de 28% para filmes com amido oxidado-acetilado a 100% para filmes com amido eterificado. O menor valor para os filmes estudados foi superior aos encontrados na literatura para o filme de gelatina 126

127 e amido de trigo (24,38%), como também para o filme composto por gelatina em um ph de 5,5 (19,77%). Prates (2009) elaborou filmes biodegradáveis utilizando o amido do fruta-delobo e como plastificantes como o glicerol e sorbitol e posteriormente analisou a solubilidade dos filmes biodegradáveis em função da concentração de sorbitol e da temperatura de secagem durante a elaboração de filmes. A temperatura do processo apresentou efeito linear negativo na solubilidade dos filmes biodegradáveis. O aumento da temperatura de 33 para 43ºC produziu-se uma diminuição na solubilidade média de 26,59% para 26,11%. Foi observado efeito linear positivo da concentração de sorbitol na solubilidade dos filmes elaborados, sendo que o aumento de 0,1 para 0,3% na concentração de sorbitol provocou incremento na solubilidade de 26,81 para 29,02%. Santos (2009), que encontrou solubilidade entre de 28,65 a 42,67% em filmes biodegradáveis elaborados com amido de fruta-de-lobo e glicerol e observou que as maiores concentrações do plastificante resultaram em um incremento na solubilidade dos filmes biodegradáveis Avaliação da Biodegradabilidade dos filmes Atualmente, além de propriedades mecânicas, a avaliação da biodegradabilidade das de embalagens também tem recebido atenção especial, já que a preocupação com a conservação do meio ambiente é cada vez maior. Um plástico é considerado de uma forma geral, degradável quando possui em sua estrutura ou formulação, componentes que aceleram ou não impedem as taxas de degradação do polímero. Portanto, o plástico biodegradável sofre ações de um ou mais mecanismos na sua decomposição, associadas à composição química do plástico, morfologia, pelas condições do meio, pela presença de aditivos na sua formulação e outros fatores que afetam a sua biodegradabilidade. As macromoléculas naturais como proteínas, polissacarídeos e lipídios são geralmente degradadas em sistemas biológicos pela hidrólise seguida de oxidação (HUANG, 1985). No entanto, o plástico só é considerado biodegradável se a degradação resultar da ação enzimática de microrganismos naturais tais como fungos, bactérias e algas, sendo o material capaz de se decompor em dióxido de carbono (CO2), metano, água, compostos inorgânicos ou biomassa (RUTIAGA et al., 2005). Todos os componentes dos filmes deste trabalho (quitosana, glicerol, urucum e azeite de dendê) são considerados biodegradáveis. O processo de 127

128 biodegradação neste estudo foi acompanhado por 17 semanas, em solo mantido a 32ºC, conforme as normas da ASTM G Foi monitorada a biodegradabilidade para as formulações F17, F18 e F19, que continham maior teor de quitosana (F17), menor teor de quitosana (F18) e ausência de glicerol (F19), a fim de se verificar a influência da concentração da matriz e da presença de plastificante na biodegradabilidade dos filmes. A viabilidade do solo preparado foi testada conforme a Norma NBR (1991). O resultado do teste mostra boa degradabilidade do material. A perda de massa percentual nas formulações F17, F18 e F19 encontram-se descritos na Tabela 9. Na Figura 19 são apresentadas as fotografias obtidas das formulações F17, F18 e F19 durante as análises de biodegradabilidade. Tabela 9. Valores de perda de massa das formulações de filmes selecionados durante o teste de biodegradabilidade de 17 semanas. Amostras Tempo em semanas % de perda de massa zero ,61±0, ,81±0,36 F ,69±0, ,43±0,42 b 17 83,68±1,15 a zero ,40±0, ,29±0,89 F ,27±1, ,50±0, ,62±0,98 a zero ,82±0, ,07±0,34 F ,42±1, ,98±1,25 b 17 83,37±1,47 a Valores que apresentam a mesma letra, numa mesma coluna, não apresentam diferenças significativas (p>0,05) pelo Teste de Tukey a 95% de confiança. 128

129 Figura 20. Amostras em solo preparado para análise da Biodegradabilidade. Analisando ao percentual de perda de massa com o passar do tempo, verifica-se que a biodegradação aumentou com o passar do tempo, uma vez que a perda de massa é um dos critérios que atesta biodegradação. Além disso, o percentual da perda de massa foi praticamente o mesmo para todas as formulações (F17, F18 e F19), ao longo das 17 semanas, sendo em média 83%, independentemente da concentração de quitosana ou glicerol presente nas formulações, o que nos permite inferir que a concentração destes componentes não alterara nem interferem na biodegradabilidade dos filmes que os contém. Bucci et al. (2007), estudando a biodegradação de embalagens de PHB (polihidroxibutirato) em diferentes meios, observaram que a biodegradação deste material ocorre em até 90 dias em meios em que há uma atividade microbiana própria, como a compostagem de lixo orgânico e fossa séptica. Nos testes de biodegradação dos de filmes de blendas de amido e poli (butileno adipato co-tereftalato) produzidos por por SCAPIN (2009), a perda de massa foi dependente da quantidade de amido termoplástico (ATp) presente na matriz polimérica. Filmes com 20% de amido apresentaram a menor perda de massa durante todo o período de análise (29,4%), enquanto que os filmes com 30 e 40 % de amido, ao final dos 150 dias, apresentaram perda de massa de 65,9 e 70,0%, respectivamente. Machado (2011), também avaliou a biodegradabilidade dos filmes de amido de mandioca incorporados com nanocelulose de côco e glicerol e observou ao 129

130 longo de 17 semanas que todas as formulações estudadas (F10, F11 e F14), sofreram perda de massa próximas as obtidas para filmes de quitosana, glicerol, urucum e azeite de dendê, independentemente do percentual de nanocelulose adicionada na matriz de amido plastificada com glicerol. Todas as formulações e o controle apresentaram uma perda de massa de aproximadamente 80%, também com massa residual de 20% após 119 dias. Beltrão et al. (2010), avaliaram filmes biodegradáveis de amido vazados com adição de argila nas concentrações 1, 3 e 5% em massa. Os filmes de amidos foram submetidos a estudo de biodegradação em solo enriquecido com humos. Os filmes apresentaram boa degradabilidade mesmo com a adição de argila (5%), apresentando massa residual de 29% após 30 dias. 3.2 Conclusões Os resultados apresentados neste trabalho indicam a viabilidade da elaboração de filmes de quitosana, utilizando o plastificante glicerol e urucum e azeite de dendê incorporados. Os filmes obtidos apresentaram boa aparência e facilidade de manuseio e foram caracterizados pelas suas propriedades colorimétricas que dependem exclusivamente da sua formulação. A baixa atividade de água e umidade torna viável a aplicação deste filme para embalar alimentos com estas mesmas propriedades. O fato de o filme ser emulsionado com composto hidrofóbico (presença de lipídio em sua formulação) contribuiu para melhorar a permeabilidade ao vapor d'água pela diminuição da afinidade pela água e modificação na estrutura filmogênica. Os filmes apresentaram boas propriedades mecânicas e os valores de Módulo de Young, tensão e deformação influenciados pelas concentrações de quitosana e glicerol, sendo a quitosana responsável pela rigidez do filme e o glicerol relacionado ao melhoramento da elasticidade e diminuição da tensão à tração. A incorporação de aditivos urucum e azeite de dendê não influenciou nas propriedades mecânicas dos filmes de quitosana plastificados com glicerol em nenhuma das concentrações testadas. As análises de termogravimetria descreveram as etapas de degradação sofridas durante o aquecimento das amostras e a cada estágio detectado i- dentifica-se o composto degradado, sendo que foram odentificados até 5 estágios distintos, a depender da amostra avaliada. Os filmes apresentaram baixa solubilidade em água (máximo de 11,62%) e um alto grau de biodegradabilidade, ultrapassando 80% de degradação em 17 semanas. 130

131 4.0 Referências Bibliográficas ARVANITOYANNIS, I.; BILIADERIS, C.G. Physical properties of polyol plasticeized edible blends made of methyl cellulose and soluble starch. Carbohydrate Polymers, v.38, p.47-58, ASSIS, O.B.G. Alteração do caráter hidrofílico de filmes de quitosana por tratamento de plasma del HMDS. Quimíca Nova, v. 33, n. 3, p , BASTOS, D. C. Estudo da Redução da Hidrofilicidade de Filmes Biodegradáveis de Amido de Milho Termoplástico com e sem Reforço de Fibra de Bananeira Através do Tratamento por Plasma de SF6, 2010, 97 p. Tese (Doutorado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais) UFRJ, Rio de Janeiro BELTRÃO, I. B. et al. Estudo da biodegradação de filmes vazados de compósitos amido-argilas. In: Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciências dos Materiais, Campos do Jordão, BEPPU, M.M.; ARRUDA, E.J.; SANTANA, C.C. Síntese e caracterização de estruturas densas e porosas de quitosana. Polímeros: Ciência e Tecnologia, v. 9, n.4, p BIQUET, B.; LABUZA, T.P. Evaluation of the moisture permeability characteristics of chocolate films as an edible moisture barrier. Journal of Food Science, Chicago, v. 53, n. 4, p , BRITTO, D.; CAMPANA FILHO, S. P.; ASSIS, O. B. G..Mechanical Properties of N,N,N-trimethylchitosan Chloride Films. Polímeros: Ciência & Tecnologia, v.15, p , BROOKER, D.B.; BAKKER-ARKEMA, F.W.; HALL, C.W. Drying and storage of grains and oilseeds. Westport: The AVI Publishing Company, 450 p,

132 BUCCI, D.Z., TAVARES, L.B.B., SELL, I. Biodegradation and physical evaluation of PHB packaging. Polymer Testing, v. 26, p , COSTA, P.A. et al. Filmes biodegradáveis à base de proteína de torta de mamona extraída em diferentes ph. Disponível em: Acessado em: 17 de novembro de CRAVEIRO, A.A.; CRAVEIRO, A.C.; QUEIROZ, D.C. Quitosana: a fibra do futuro. Parque de Desenvolvimento Tecnológico. PADETEC, Fortaleza, CUENCA, C.C.; SANTANA, D.C.A.S.; SILVA, R.S.; LOPEZ, R. F.V. Obtenção e caracterização de filmes de quitosana para a liberação tópica de complexos doadores de NO. In: XV Simpósio de Iniciação Científica da USP, 2010 FURLAN. L. Copolímeros grafitizados de quitina e quitosana com monômeros acrílicos: estudos de adsorção de Ca (II) e aplicações na tecnologia do papel. Florianópolis, Dissertação (Mestrado Universidade Federal de Santa Catarina), SC. GALDEANO, M.C. Filmes e laminados biodegradáveis de amido de aveia com diferentes plastificantes, produzidos por casting e extrusão p. (Doutorado em Ciência dos Alimentos) Universidade Estadual de Londrina, Londrina. GALLO, J.A.Q. Lipid hydrophobicity, physucal state and distribuition effects om the properties os emulsion-based edible films. Journal of Membrane Science, v. 180, n. 8, p , GARCIA, M. A.; MARTINO, M. N.; ZARITZKI, N. E. Microstructural characterization of plasticized starch-based films. Starch/Stärke, Weinheim, v. 52, n. 4, p , GONTARD, N. et al. Edible composite films of wheat gluten and lipids: water vapor permeability and other physical properties. International Journal of Food Science and Technology, Oxford, v. 29, n. 1, p ,

133 GONTARD, N.; GUILBERT, S. Bio-Packaging: Technology and Properties of Edible and/or Biodegradable Material of Agricultural Origin. Boletim SBCTA, v. 30, n. 1, p. 3-15, GONTARD, N.; GUILBERT, S. Bio-Packaging: Technology and Properties of Edible and/or Biodegradable Material of Agricultural Origin. Boletim SBCTA, v.30, n.1, p.3-15, GONTARD, N.; GUILBERT, S.; CUQ, J.L. Water and glycerol as plasticers affect mechanical and water vapor barrier properties of an edible wheat gluten film. Journal of Food Science, Chicago, v. 53, n. 1, p , GUILBERT, S.; BIQUET, B. Les films et enrobage comestibles. In: BUREAU, G.; MILTON, J.L. L'emballage des denrées alimentaires de grande consommation. Technique et documntation. France, Lavoisier, Apria, p. 320, GUILBERT, S.; GONTARD, N.; GOSSIS, I.G.M. Prolongation of the shelf-life os perishable food products using biodegradable films and coatings. Food Science & Technology- Lebasmitel Wissenschaft & technologia, v. 29, n. 1-2, p , HUANG, C.; CHEN, S.; PAN, J. R. Optimal condition for modification of chitosan: a biopolymer for coagulation of colloidal particles. Water Research, v. 34, n. 3, p , HUANG, S.J. Biodegradable Polymers. In: Encyclopedia of Polymer Science and Engineering. V.2. Stockholm, SUED, p. 7-32, KARIMAN, M.E.S. J. Macromolecular Science, v. 44, n. 5, p , KROCHTA, J.M.; MULDER-JOHNSTON, C. Edible and biodegradable polymer films: challenges and opportunities. Food Technology, v. 51, n. 2, p , LOREVICE, M.V.; MOURA, M.R. DE; MATTOSO, L.H.C. Permeabilidade ao vapor de água de filmes comestíveis de polpa de goiaba com a adição de nanopartículas de quitosana. In: 34ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química. Sociedade Brasileira de Química (SBQ) Disponível em: < Acesso em: 09 jan

134 MACHADO, B. A. S. Desenvolvimento e caracterização de filmes biodegradáveis a base de amido de mandioca e reforçados pela incorporação de nanowhiskers de celulose de coco. Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos). Universidade Federal da Bahia- BA, MALI, S. et al. Barrier, mechanical and optical properties of plasticized yam starch films. Carbohydrate Polymers, v.56, p , MALI, S. et al.. Water sorption and mechanical properties of cassava starch films and their relation to plasticizing effect. Carbohydrate Polymers, Barking, v.60, p , MCHUGH, T. H.; OLSEN, C. W.; COOPER. Program Nat. Res. U.S. Jpn. v 104, MITRA, S. et al. Tumor targeted delivery of encapsulated dextran-doxorubicin conjugate using chitosan nanoparticles as carrier. Journal Controled Release.v. 74: , MONTERREY, E. S.; SOBRAL, P. J. Caracterização de propriedades mecânicas e óticas de filmes biodegradáveis a base de proteínas miofibrilares de tilápia do nilo usando uma metodologia de superfície-resposta. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas. v. 19, n. 2, p Mai/Ago MOORE, G.R.P. et al. Obtenção de Filmes biodegradáveis a partir de Queratina de Penas de Frango. Revista Matéria, v. 10, n. 1, p. 8 13, mar Disponível em: < Acesso em: 21 jan MOTA, R.D.P. Elaboração e caracterização de filmes biodegradaveis através de blenda polimérica de amido de lírio-do-brejo (hedychium coronarium) e de amido de fruto-do-lobo (solanum lycocarpum st. hill) p. Dissertação (Mestrado em Ciências Moleculares. Universidade Estadual de Goiás, MÜLLER, C. M. O.; YAMASHITA, F.; LAURINDO, J. B. Evaluation of the effects of glycerol and sorbitol concentration and water activity on the water barrier 134

135 properties of cassava starch films through a solubility approach. Carbohydrate Polymers, v. 72, p , OLABARRIETA, I. Strategies to improve the aging, barrier and mechanical properties os chitosan, whey and wheat gluetn proteins films. Tesis de Doutorado. Department o os Fibre and Polymer Technology, Stockholm, Sweden, OLIVEIRA, L. M. et al. Ensaios para avaliação de embalagens plásticas flexíveis. Campinas: Centro de Tecnologia de Embalagem, CETEA, p. PARK, H.J. Development of advanced edible coating for fruits. Trends food Sci. Technol., v.10, n.8, p , PARK, S.;ZHAO, Y. Incorporation of a high concentration of mineral or vitamin into chitosan-based films. Journal of Agricultural and Food Chemistry. Oregon, v. 52, p PARRA, D.F. et al. Mechanical properties and water vapor transmission in some blends of cassava starch edible fims. Carbohydrate Polymers, v. 58, p , PELISSARI, F. M. Produção e caracterização de filmes de amido de mandioca, quitosana e glicerol com incorporação de óleo essencial de orégano. 123p Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos) - Universidade Estadual de Londrina. Londrina-PR, PERAZZO, K.K.N.C.L. Filme biodegradável à base de fécula de mandioca incorporado de compostos naturais para a conservação de manteiga: desenvolvimento, caracterização e avaliação da ação antioxidante p. Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos) Universidade Federal da Bahia. Salvador- BA, PEREZ-GAGO, M.P.; KROCHTA, J.M. Water vapor permeability of whey protein emulsion films as affected by ph. Journal of Food Science, Chicago, v. 64, n. 4, p. 695,

136 PETERSSON, M.; STADING, M. Water vapour permeability and mechanical properties of mixed starch-monoglyceride films and effect of film forming conditions.food Hydrocolloids. Oxford. v. 19, n. 2, p , PIRES, A. L. R. Padronização da elaboração de membranas coacervadas de Xantana e quitosana para uso em curativos de lesões de pele. In: XXI CIC UNESP I- BILCE/UNESP Campus de São José do Rio Preto, POUPLIN, M.; REDL, A.; GONTARD, N. Glass transition of wheat gluten plasticized with water, glycerol, or sorbitol. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 47, p , PRATES, M.F.O. Elaboração e caracterização de filmes biodegradáveis de amido de fruta-de-lobo e sorbitol e aplicação da cobertura em frutos de morango p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) - Universidade Estadual de Goiás UEG, Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas de Anápolis. Anápolis RABEA, E. I. et al. Chitosan as antimicrobial agent: Applications and mode of action. Biomacromolecules, v. 4, n. 6, p , RIGO, L.N. Desenvolvimento e caracterização de filmes comestíveis p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Alimentos). Universidade Regional Integrada de Alto Uruguai e das Missões- Erechin, RS ROCHA, G.O. Obtenção e Caracterização de Filmes Biodegradáveis a partir de misturas de Amido de Mandioca e Extrato Protéico de Soja p. Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Seropédica RJ, ROCHA, M.; EL HALAL, S. L. M.; GAUTÉRIO, G.V.; VITICOSKI, R. L.; PRENTICE, C. Efeito plastificante do glicerol e do sorbitol em filmes biodegradáveis de isolado protéico de anchoita (engraulis Anchoita). In: XIII Encontro de Pós-Graduação, Universidade Federal de Pelotas- RS,

137 ROMERO-BASTIDA, C.A. et al. Mechanical and microstructural characterization of films prepared by thermal or cold gelatinization of non-conventional starches. Carbohydr. Polym., v. 60, n. 2, p , ROSA, D.S.; FRANCO, B.L.M.; CALIL, M.R. Biodegradabilidade e propriedades Mecânicas de Novas Misturas Poliméricas. Polímeros: Ciência e Tecnologia, v.11, n.2, p.82-88, RUTIAGA, M. O. et al. Mechanical property and biodegradability of cast films prepared from blends of oppositely charged biopolymers. Journal of Polymers and the Environment, v. 13, n. 2, p , SAKANAKA L. S. Estudo das condições de armazenamento sobre as propriedades mecânicas e de barreira de filmes de gelatina reticulada. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Alimentos). Faculdade de Engenharia de Alimentos, UNICAMP, SAKANAKA, L. S. Confecção de filmes biodegradáveis por extrusão de blendas de amido termoplástico e polibutileno succinato co-adipato (PBSA) Tese (Doutorado em Ciência de Alimentos) Universidade Estadual de Londrina. Londrina, SANTOS, A. G. D.; CALDEIRA, V. P. da S.; FARIAS, M. F.; SILVA, E. F. B.; ARAUJO, A. S.; FERNANDES, V. J.; SOUZA, L. Di. In: IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB SANTOS, A.P. Extração e caracterização do amido do fruto-de-lobo (Solanum lycocarpum St. Hil) e elaboração de filmes biodegradáveis p. (Mestrado em Ciências Moleculares) Universidade Estadual de Goiás, Anápolis. SCAPIM, M.R.S. Produção, caracterização, aplicação e biodegradabilidade de filmes de blendas de amido e poli(butileno adipato co-tereftalato) produzidos por extrusão p. Tese (Doutorado em Ciência de Alimentos) - Universidade Estadual de Londrina. Londrina PR,

138 SOBRAL, P.J.A. Propriedades funcionais de filmes biodegradáveis de gelatina em função da espessura. Ciência e Engenharia, v. 8, n. 1, p , SOTHORNVIT, R. Effect of hydroxypropyl methylcellulose and lipid on mechanical properties and water vapor permeability of coated paper. Food Research International, v. 42, n.2, p , SOUZA, C.O. Preparação, caracterização e avaliação da eficácia de filmes biodegradáveis a base de fécula de mandioca e incorporados com polpas de manda e de acerola com aditivos antioxidantes p Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos)- Universidade Federal da Bahia. Salvador, SOUZA, C.O.; SILVA, L.T.; DRUZIAN, J.I. Estudo comparativo da caracterização de filmes biodegradáveis de amido de mandioca contendo polpas de manga e de acerola. Quim. Nova, Vol. XY, n. 00, p. 1-6, Disponível em: < Acesso em: 01 fev TÁPIA-BLÁCIDO, D.R. Filmes a base de derivados do amaranto para uso em alimentos p. (Doutorado em Engenharia de Alimentos) Universidade Estadual de Campinas, Campinas. THOMAZINE, M.; CARVALHO, R.A.; SOBRAL, P.J.A. Physical properties of gelatin films plasticized by blends of glycerol and sorbitol. Journal of Food Science, v. 70, p , VEIGA-SANTOS, P. et al. Mechanical properties, hydrophilicity and water activity of starch-gum films: Effect of additives and deacetylated xanthan gum. Food Hydrocolloids, v. 19, p , VICENTINO, S.L.; FLORIANO, P.A.; DRAGUNSK, D.C. Filmes de amidos de mandioca modificados para recobrimento e conservação de uvas. Quimica Nova, v. 34, n. 8, p , VIVEK D.S., TORRES J.A. Chitosan-Based Coagulating Agents for Treatment of Cheddar Cheese Whey. Biotechnological Program, v. 16, p ,

139 WOLF,K.L Propriedades físico-químicas e mecânicas de biofilmes elaborados a partir de fibra e pó de colágeno p. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Ciência de Alimentos). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho- São José de Rio Preto- SP, YAMASHITA, f.; NAGAKAWA, A.; VEIGA, G.F.; MALI, S.; GROSSMANN, M.V.E. Filmes Biodegradáveis para Aplicação em Frutas e Hortaliças Minimamente Processadas. Brazilian. Journal Food Technology., v.8, n.4, p , out./dez ZACTITI, E. M. Desenvolvimento e caracterização de filmes biodegradáveis de alginato de cálcio sem e com sorbato de potássio Dissertação (Mestrado em Engenharia Química) - UNICAMP- Campinas, São Paulo,

140 Capítulo IV Avaliação da eficácia da incorporação de urucum como aditivo antioxidante em embalagens biodegradáveis à base de quitosana 140

141 1.0 Introdução Geralmente, os materiais para a elaboração de embalagens têm sido selecionados com o objetivo de possuir a menor interação com o produto que acondicionam. Diante disso, as embalagens atuam como barreiras inertes, com a função principal de proteger o produto embalado, sem interagir com o mesmo (VEIGA-SANTOS et al., 2005a). Entretanto, novas linhas de pesquisa têm surgido nas últimas décadas com o objetivo de desenvolver embalagens que interajam com o produto embalado, trazendo, portanto uma vantagem adicional para estas. Outra vantagem apresentada por essas novas embalagens, chamadas de embalagens ativas, é o seu caráter biodegradável, visto que são constituídas de matrizes poliméricas obtidas de fontes renováveis e incorporadas com aditivos naturais, como por exemplo, extrato de erva-mate (MACHADO, 2011), polpa de manga e acerola (SOUZA et al., 2011), dendê (GRISI et al., 2008), café e cacau (SIL- VA, 2009) entre outros, sendo assim planejadas para corrigir deficiências das embalagens passivas. Destaca-se ainda que estas embalagens ativamente funcionais contribuem para uma maior preservação do alimento e do meio ambiente, devido seu caráter biodegradável (VEIGA-SANTOS et al., 2005b; VEIGA & DRUZIAN, 2007; MALI et al., 2010). A quitosana é uma poliamina linear caracterizada por sua origem renovável, biodegradável e pela sua capacidade de formar filmes resistentes, flexíveis, de difícil rompimento (JOHN & THOMAS, 2008). Além disso, é um composto de grande interesse industrial por apresentar caráter bioativo, permeabilidade seletiva, ação polieletrônica, habilidade de quelação e capacidade adsortiva (THARANATHAN, 2003; SY- NOWIECKI & AL-KHATEEB, 2003). Os filmes de quitosana apresentam, na condição seca, baixa permeação a gases, inferiores aos medidos para PET (Politereftalato de etileno) ou PVC (cloreto de polivinila) (ASSIS, 2010), sendo apropriados para embalar alimentos lipídicos. Outra possibilidade de aplicação em embalagens é através da incorporação de aditivos antioxidantes naturais, ampliando seu campo de utilização. As reações de degradação por oxidação são consideradas como as mais importantes que ocorrem nos alimentos, já que são responsáveis pela deterioração dos produtos (FUKUMOTO & MAZZA, 2000; LOULI et al., 2004; ALBU et al., 2004), limitando assim a conservação dos mesmos. Freqüentemente são adicionados, no produto ou na embalagem, substâncias antioxidantes, que são capazes de remover o oxigênio do 141

142 meio ou impedir a reação em cadeia produzida pelos radicais livres formados durante o processo de oxidação. Comumente são utilizados antioxidantes sintéticos dentre os quais, os mais utilizados são o BHA (Butil-hidroxianisol) e BHT (Butil-hidroxitolueno). Atualmente a utilização dos antioxidantes sintéticos tem sido bastante questionada, devido ao aparecimento de diversos estudos que alegam que estes antioxidantes podem promover efeitos tóxicos e carcinogênicos no organismo. Devido a esta grande preocupação com a segurança alimentar da população, tem crescido a busca de produtos naturais que possam servir como fontes de antioxidantes, para substituir os antioxidantes sintéticos (MARTINEZ-TOME et al., 2001; BERNARDO-GIL et al., 2002; RIBEIRO et al., 2001). O urucum é considerado uma fonte natural rica em antioxidantes, como os compostos fenólicos (ALMEIDA et al., 1996; COSTA et al., 2008), chegando a apresentar até 1498,48 mg/g destes compostos em sua composição (LEMOS, 2008). O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficácia da incorporação de diferentes concentrações do urucum como aditivo antioxidante em filmes biodegradáveis à base de quitosana. A ação antioxidante destas embalagens ativas foi realizada através do monitoramento das alterações químicas da embalagem e do produto embalado. Destaca-se que nenhum outro estudo foi encontrado na literatura utilizando urucum incorporado numa matriz polimérica de quitosana e agindo como uma embalagem ativa. 2.0 Material e Métodos Os filmes biodegradáveis foram preparados por casting, que consistiu no preparo de uma solução filmogênica, onde inicialmente, dissolveu-se em ácido acético glacial 1% (Vetec, Brasil), a quitosana (Sigma-Aldrich, Alemanha), o glicerol (Vetec, Brasil), utilizado como agente plastificante e o aditivo natural antioxidante, o urucum (AM 200- WS-P da CHR HANSEN). A solução foi mantida sob agitação constante por 24h para total dissolução do polissacarídeo (ASSIS & SILVA, 2003). As formulações A (1,5% de quitosana; 0,15% de glicerol e 0,25% de urucum), B (1,5% de quitosana; 0,15% de glicerol; 0,5% de urucum) e C (1,5% de quitosana; 0,15% de glicerol; 1% de urucum) foram usadas para embalar azeite de dendê, com intuito de investigar o comportamento do aditivo antioxidante contido na embalagem durante armazenamento por 45 dias, em oxidação acelerada (63% UR, 30 C). Como controle foi utilizado o azeite de dendê embalado em filme de quitosana e plastificante sem adição de antioxidante (C1), embalado em PEBD (polietileno de baixa densidade) (C2) e sem embalagem, ou seja, exposto em 142

143 placa de Petri (C3). As embalagens foram confeccionadas como sacos retangulares possuindo dimensões 5x2 cm e em cada uma foi adicionada 8mL de azeite de dendê. As embalagens foram seladas com uma seladora de bancada Sulpack, modelo SM 300 Light, de temperatura contínua. A estabilidade oxidativa do azeite de dendê em resposta a ação antioxidante das embalagens ativas foi monitorada por um período de 45 dias, através da determinação do índice de peróxido (IP). O IP do azeite de dendê embalado e exposto foi determinado pelo método titulométrico de acordo com a AOAC Cd 8b-90 (2000), enquanto que a estabilidade dos antioxidantes nas embalagens ativas foi feita através do teor de Fenóis Totais (FT) por espectrofotometria (SWAIN & HILLIS, 1959), sendo todas as análises realizadas em triplicata. Os resultados encontrados foram tratados pelo Teste de Tukey (ANOVA) através do programa Statistica 7.0 para identificar se as alterações nos parâmetros avaliados foram significativas ao nível de 95% de significância 3.0 Resultados e Discussão O efeito da incorporação de 0,25, 0,5 e 1,0% do aditivo antioxidante natural nas embalagens A, B e C, respectivamente, durante o armazenamento de azeite de dendê por um período de 45 dias estão apresentados na Tabela 1. Os teores de polifenóis totais (PT) da embalagem variaram de 30,72 a 67,70 mg/g para a formulação A, de 62,24 a 103,92 mg/g para a formulação B e de 89,41 a 199,91 mg/g para a formulação C, indicando que ocorrem perdas significativas nestes compostos após 45 dias de armazenamento. Entretanto, vale salientar que, mesmo após o período avaliado, os compostos fenólicos do aditivo permanecem viáveis nos filmes (44,72 a 59,89% de redução). O mesmo produto (azeite de dendê) foi embalado por SOUZA et al. (2011) em filmes de amido de mandioca incorporados com aditivos naturais antioxidantes (polpa de manga e acerola) em diferentes concentrações. Também foi verificado pelos autores que após 45 dias de armazenamento, as formulações de filmes apresentaram perdas nos PT, variando de 17,80 a 36,12%. MACHADO (2011) avaliou a ação antioxidante de filmes de amido contendo nanocelulose como reforço e extrato de erva-mate como aditivo, ao embalar azeite de dendê. Foi relatado que houve uma diminuição no valor de FT dos filmes de 102,70 para 60,72 mg/g, resultando numa redução de 59,12% após 40 dias de armazenamento. 143

144 Tabela 1. Teores de fenóis totais (mg/g) apresentados pelas embalagens durante 45 dias de armazenamento. Armazenamento (dias) Formulações A 67,70±1,45 a 54,76±1,32 a 48,78±1,09 a 41,73±1,76 a 30,72±1,23 a B 103,92±1,38 b 94,71±1,43 b 82,45±1,71 b 73,65±1,78 b 62,24±1,79 b C 199,91±1,27 c 161,49±1,43 c 121,09±1,71 c 98,67±1,23 c 89,41±1,21 c Valores que apresentam a mesma letra, numa mesma coluna, não apresentam diferenças significativas (p>0,05) pelo Teste de Tukey a 95% de confiança. A (1,5% de quitosana; 0,15% de glicerol e 0,25% de urucum); B (1,5% de quitosana; 0,15% de glicerol; 0,5% de urucum); e C (1,5% de quitosana; 0,15% de glicerol; 1% de urucum); O índice de peróxido (IP) do azeite de dendê embalado com as formulações A, B e C contendo diferentes concentrações de aditivo natural (urucum), foi monitorado aos 0, 7, 15, 30 e 45 dias. Foi observado um aumento gradual no teor inicial de IP do azeite de dendê embalado nos três filmes ativos (A, B e C) e nos controles (C1, C2 e C3) (Tabela 1 e Figura 1), ao longo do armazenamento. O azeite de dendê embalado nos filmes ativos A, B e C apresentou menores valores de IP ao longo dos 45 dias de armazenamento, com diferenças significativas entre as amostras (p>0,05) (Figura 1 e Tabela 2). O IP do azeite de dendê embalado no filme A (0,25% de urucum) apresentou um aumento de 1,75 meq/kg no dia zero, para 48,33 meq/kg após 45 dias. ; enquanto o B (0,5% de urucum) passou de 1,75 meq/kg para 37,95 meq/kg; e o C, de 1,75 meq/kg para 22,40 meq/kg. Portanto, foi possível constatar um efeito protetor da embalagem sobre o produto embalado de forma proporcional a quantidade de aditivo incorporado ao filme (y = -34,077x + 56,105, R² = 0,9943). 144

145 Figura 1. Comportamento do aumento do Índice de Peróxidos (meq/kg) do azeite de dendê embalados nos filmes ativos de quitosana A (0,25% de urucum), B (0,5% de urucum) e C (1,0% de urucum) e nos controles C1 (filme de quitosana sem urucum), C2 (PEBD) e C3 (produto sem embalagem), após 45 dias de armazenamento. O azeite de dendê embalado em todos os filmes ativos (A, B e C) apresentou um menor aumento no IP (p<0,05) quando comparados aos apresentados pelo produto embalado com os três controles, indicando a eficácia do urucum como aditivo antioxidante. Os resultados encontrados neste trabalho também mostram que mesmo sem o aditivo antioxidante, a embalagem de quitosana (C1) têm um efeito protetor maior da oxidação do azeite (p<0,05) quando comparado à embalagem de PEBD (C2). Portanto, o efeito antioxidante protetor dos filmes ativos advém da ação simultânea do aditivo incorporado e da matriz polimérica. O efeito antioxidante da quitosana é relatado também por ASSIS & SILVA, (2003); COSTA-JR, (2008); e ASSIS, (2010). 145

146 Tabela 2. Determinação dos teores de índice de peróxidos (meq/kg) apresentados pelo azeite de dendê nos dias 0, 7, 15, 30 e 45 e percentual de aumento durante armazenamento nas embalagens ativas e nos controles. Armazenamento (dias) Formulações Aumento do dia 0 ao 45 (%) A 1,75±0,08 a 9,87±0,23 a 14,09±0,36 a 34,01±0,80 a 48,33±0,53 a 2761,71 a B 1,75±0,05 a 6,19±0,08 b 9,28±0,11 b 19,80±0,67 b 37,95±0,87 b 2168,57 b C 1,75±0,04 a 3,25±0,07 c 7,14±0,31 c 12,05±0,78 c 22,40±0,85 c 1280,00 c C1 1,75±0,07 a 13,96±0,37 d 33,95±0,73 d 46,93±0,89 d 63,02±0,68 d 3601,14 d C2 1,75±0,05 a 24,93±0,79 e 58,38±0,98 e 82,91±0,97 e 98,08±0,93 e 5604,57 e C3 1,75±0,03 a 32,58±0,59 f 70,39±0,23 f 107,49±1,25 f 144,56±0,73 f 8260,57 f Formulações A (1,5% de quitosana; 0,15% de glicerol e 0,25% de urucum), B (1,5% de quitosana; 0,15% de glicerol; 0,5% de urucum) e C (1,5% de quitosana; 0,15% de glicerol; 1% de urucum); C1: 1,5% de quitosana e 0,15% de glicerol; C2: embalagem de PEBD; C3: sem embalagem. Valores que apresentam a mesma letra, numa mesma coluna, não apresentam diferenças significativas (p>0,05) pelo Teste de Tukey a 95% de confiança. Como esperado, dentre os controles avaliados, o azeite exposto (C3), ou seja, sem nenhuma barreira de proteção, apresentou o maior aumento do IP ao longo de 45 dias. Os resultados obtidos neste estudo sobre a ação antioxidante de aditivos naturais quando incorporados em filmes contendo uma matriz polimérica biodegradável, pode ser confirmado através de outros trabalhos encontrados na literatura (GRISI et al., 2008; JUNQUEIRA et al., 2009; SOUZA et al., 2011; MACHADO, 2011). 4.0 Conclusão A partir dos resultados obtidos nesta pesquisa, é possível concluir que o desenvolvimento de embalagens ativas, utilizando o urucum como fonte de compostos antioxidantes incorporados a matriz de quitosana é bastante viável. Essa embalagem pode ser 146

147 aplicada para embalar alimentos lipídicos, como óleos e gorduras, para evitar a oxidação destes produtos. Vale ressaltar ainda que, a incorporação deste aditivo natural não altera as propriedades mecânicas e de barreira das embalagens, permitindo assim o seu desenvolvimento e comercialização como uma embalagem ativa antioxidante. 5.0 Referências ALBU, S., et al. Potential for the use of ultrasound in the extraction of antioxidants from Rosmarinus officinalis for the food and pharmaceutical industry. Ultrasonics Sonochemistry, v. 11, p , ALMEIDA, J. L., et al. Indução de brotações em explantes de segmentos de folhas de plântulas de urucueiro em diferentes citocininas. Ciência Rural, v. 26, n. 1, p , AOAC. Association of Official Analytical Chemists. Official Methods of Analysis Cd 8b-90, ASSIS, O. B. G.; SILVA, V. Caracterização estrutural e da capacidade de absorção de água em filmes finos de quitosana processados em diversas concentrações. Polímeros, v. 13, n. 4, p , ASSIS, O. B. G. Alteração do caráter hidrofílico de filmes de quitosana por tratamento de plasma de HMDS. Química Nova, v. 33, n.3, p , ASTM. American Society for Testing and Materials. Standard Test Method for tensile properties of thin plastic sheeting ASTM D882-00, v. 1, BERNARDO-GIL, M. G., et al. Produção de extractos para a indústria alimentar: uso de fluidos supercríticos. Boletim de Biotecnologia, v. 73, p , COSTA, A. J. C., et al. Abelhas (Hymenoptera: Apoidea) visitantes das flores de urucum em Vitória da Conquista, BA. Ciência Rural, v. 38, n.2, p ,

148 COSTA JR., et al. Preparação e caracterização de blendas de quitosana/poli(álcool vinílico) reticuladas quimicamente com glutaraldeído para aplicação em engenharia de tecido. Química Nova, v. 31, n. 6, p , FUKUMOTO, L.R.; MAZZA, G. Assessing antioxidant and prooxidant activities of phenolic compounds. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 48, n. 8, p , GRISI, C.V.B., et al. Evaluation of the viability of incorporating natural antioxidants in bio-based packagings. Nova Science Publishers - Food Chemistry Research Developments, v. 1, p. 1-11, JUNQUEIRA, M. S. Efeito de embalagens ativas no escurecimento enzimático de batatas (Solanum tuberosum) fatiadas e minimamente processadas. Ciências Agrárias, v. 30, n. 3, p , LEMOS, A. R. Caracterização Físico-Química, Bioquímica e Avaliação da Atividade Antioxidante em Genótipos de Urucueiros (Bixa Orellana L.) f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Alimentos) Faculdade de Engenharia de Processos de Alimentos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. LOULI, V., et al. Recovery of phenolic antioxidants from wine industry by-products. Bioresource Technology, v. 92, p , MACHADO, B.A.S. Desenvolvimento e caracterização de filmes flexíveis de amido de mandioca com nanocelulose de coco f. Dissertação (Mestrado em Ciências de Alimentos) Faculdade de Farmácia, Universidade Federal da Bahia. MALI, S., et al. Filmes de amido: produção, propriedades e potencial de utilização. Ciências Agrárias, v. 31, n. 1, p ,

149 MARTINEZ-TOME, M. et al. Antioxidant properties of Mediterranean spices compared with common food additives. Journal of Food Protection, v. 64, n. 9, p , RIBEIRO, M. A. et al. Melissa officinalis, L.: study of antioxidant activity in supercritical residues. Journal of Supercritical Fluids, v. 21, n. 1, p , SILVA, L.T. Desenvolvimento e avaliação de embalagens biodegradáveis com ação antioxidante contendo café e cacau f. Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimento) Faculdade de Farmácia, Universidade Federal da Bahia. SOUZA, C.O., et al. Mango and Acerola Pulps as Antioxidant Additives in Cassava Starch Bio-based Film. Journal of Agricultural and Food Chemistry, n. 1, SWAIN, T.; HILLIS, W.E. The phenolic constituents of Prunus doméstica: The quantitative analysis of phenolic constituents. Journal of the Science of Food and Agriculture, v. 10, p , VEIGA-SANTOS, P., et al. Mechanical properties, hydrophilicity and water activity of starch-gum films: Effect of additives and deacetylated xanthan gum. Food Hydrocolloids, v. 19, p , 2005a. VEIGA-SANTOS, P., et al. Microstructure and color of starch-gum films: Effect of additives and deacetylated xanthan gum. Part 2. Food Hydrocolloids, v. 19, n. 6, p , 2005b. VEIGA-SANTOS, P.; SCAMPARINI, A.R.P. Indicador irreversível de temperatura utilizando carboidratos. PI A2, patente protocolizada no INPI, VEIGA, P.S.; DRUZIAN, J.I. Absorvedores de umidade/antiembaçantes biodegradáveis à base de amido/fécula para serem aplicados em produtos de higiene pessoal, alimentícios ou farmacêuticos. Patente protocolizada no INPI,

150 Considerações Finais A quitosana, o glicerol, o corante urucum e o azeite de dendê se estabelecem como matérias-primas viáveis para a elaboração de filmes biodegradáveis e ativos. As características evidenciadas como baixa atividade de água e umidade, baixa permeabilidade ao vapor d águia, boas propriedades mecânicas, baixa solubilidade em água e e alta biodegradabilidade indicam amplas possibilidades de aplicação como embalagens de alimentos secos ou lipídicos. A incorporação de aditivos naturais não alterou negativamente as propriedades dos filmes, sejam elas mecânicas ou de barreira, tendo maior influência sobre propriedades colorimétricas, devido a presença de pigmentos carotenoides nos aditivos urucum e azeite de dendê. Analisando o filme e suas características, uma das maiores variações ocorreu na espessura, decorrente do processo de elaboração, casting, e da dificuldade em dispersar totalmente a quitosana. Verificou-se que a concentração de glicerol (plastificante) e de quitosana foram os responsáveis por alterar as propriedades de atividade de água e permeabilidade ao vapor de água. As formulações que apresentaram à menor permeabilidade a água foram as que continham menor teor de glicerol, evidenciando assim que o aumento do teor de plastificante causa um aumento na permeabilidade ao vapor de água de filmes higroscópicos devido à reorganização da matriz filmogênica pela diminuição da tensão entre as moléculas e consequente aumento de volume livre. Além disso, as propriedades mecânicas dos filmes foram bastante influenciadas pela a interação destes dois constituintes aumentando o módulo de Young com o aumento da concentração de quitosana e diminuindo este parâmetro e a tensão máxima com o aumento do glicerol. Foi verificada também que a biodegradação dos filmes em solo preparado foi alta, e que a presença dos aditivos naturais não interferem na decomposição. A avaliação da estabilidade oxidativa do azeite de dendê embalado pelos filmes dequitosana plastificados com glicerol e incorporados de urucum indicam a viabilidade da aplicação dos filmes como embalagens para alimentos lipídicos, sendo estes portanto embalagens biodegradáveis ativas, sem alteração significativa das propriedades físico-químicas e mecânicas dos filmes quando comparados aos que não continham o aditivo ativo. De maneira geral, a pesquisa permitiu a elaboração, avaliação e caracterização de filmes biodegradáveis à base de quitosana, glicerol e incorporados com urucum e azeite de dendê. A incorporação desses aditivos nos filmes permitiu o desenvolvimento 150

151 de um novo material com propriedades mecânicas e de barreira melhoradas e também a sua utilização como embalagens para alimentos lipídicos após a incorporação do urucum como aditivo natural antioxidante. A continuação deste trabalho deverá abordar análises microbiológicas dos alimentos embalados por estes filmes, uma vez que a quitosana apresenta ação antimicrobiana relatada na literatura. Análises sensoriais dos filmes e dos produtos embalados por estes são indicadas para avaliação da qualidade e de possível migração dos componentes da formulação (plastificantes e aditivos) para os alimentos embalados por eles. A- lém disso, seria interessante testar a sua produção com o uso de extrusora de duplarosca, outros plastificantes e possivelmente novos aditivos. 151

152 PERMEABILIDADE ANEXO 1 ST UMIDADE Aw Ajnf,kfhirhrih Figura 1. Superfícies de resposta para interação das variáveis independentes nos parâmetros atividade de água Aw, Umidade, Sólidos totais e Permeabilidade ao vapor d água. 152

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida);

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida); Enzimas Enzimas Enzimas - são proteínas de alta massa molecular (MM > 15000 Da) produzidas por células vivas e que têm a capacidade de aumentar a velocidade das reações biológicas por ativação específica

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

Biodegradação de plásticos com Eco-One. Este documento fornecerá uma visão geral sobre os seguintes tópicos:

Biodegradação de plásticos com Eco-One. Este documento fornecerá uma visão geral sobre os seguintes tópicos: Biodegradação de plásticos com Eco-One Este documento fornecerá uma visão geral sobre os seguintes tópicos: Biodegradação Biodegradação em Aterros Sanitários Os plásticos biodegradáveis Mecanismo de Biodegradação

Leia mais

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais.

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Tópicos : -Estrutura, composição, características.

Leia mais

ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL

ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL Carlos A. R. Brito Júnior 1*, Luiz C. Pardini 2, Nilton P. Alves 3, Robson R. Fleming 1 1 Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum)

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) OPQ0001 Questões ENADE 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) Materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicações estão diretamente relacionadas

Leia mais

31/01/2015. Programa. Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org

31/01/2015. Programa. Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org Programa 1. Processos de alteração dos alimentos: físicos, químicos e biológicos. 2. Processos de conservação de alimentos: métodos fermentativos, conservantes alimentares,

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil ESTUDO TERMOANALÍTICO DE COMPÓSITOS DE POLI(ETILENO-CO-ACETATO DE VINILA) COM BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR Carla R. de Araujo, Igor B. de O. Lima, Cheila G. Mothé Departamento de Processos Orgânicos - Escola

Leia mais

16/04/2015. Aldeídos, cetonas, ácidos, alcoóis e peróxidos.

16/04/2015. Aldeídos, cetonas, ácidos, alcoóis e peróxidos. Causas da degradação de lipídeos: oxidação, hidrólise, pirólise e absorção de sabores e odores estranhos. Profa: Nádia Fátima Gibrim A oxidação é a principal causa de deterioração e altera diversas propriedades:

Leia mais

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno UNESP- 2013- Vestibular de Inverno 1-Compostos de crômio têm aplicação em muitos processos industriais, como, por exemplo, o tratamento de couro em curtumes e a fabricação de tintas e pigmentos. Os resíduos

Leia mais

Eduardo da Costa Ramos

Eduardo da Costa Ramos Eduardo da Costa Ramos Parte I Definição e visão Atual Embalagem e a cadeia produtiva de alimentos Interação alimento / embalagem / ambiente externo Fatores que afetam o fenômeno de migração Ensaios de

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE. Recife/2013 Accacio Rodrigues

CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE. Recife/2013 Accacio Rodrigues CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE Recife/2013 Accacio Rodrigues Formado em Direito, pós graduado em Tributos e Gestão comercial pela Escola de ensino superior Esamc. Há 6 anos trabalha na Empresa

Leia mais

TA 824 Processos Tecnológicos IV. Textos de apoio

TA 824 Processos Tecnológicos IV. Textos de apoio TA 824 Processos Tecnológicos IV Textos de apoio Profa. Marise A. R. Pollonio BRANEN, A. L. et al. Food Phosphates. In: Food Additives. 2.ed. New York: Marcel Dekker, 2002. P 809-886 1. Química dos fosfatos

Leia mais

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS

CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS CATÁLOGO DOS PRODUTOS QUIMICOS COMERCIALIZADOS PELA: Polímeros Catiônicos (Polieletrólitos) Funções e Benefícios Os Polímeros catiônicos comercializados pela AUTON têm alto poder de floculação, sendo utilizados

Leia mais

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino Função orgânica nossa de cada dia Profa. Kátia Aquino Vamos analisar! Funções Carboidratros (ou Glicídios) Energética: eles são os maiores fornecedores de energia para os seres vivos, principalmente a

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS Dentre as várias contribuições das pesquisas na área psicologia, está a de promover e assegurar o desenvolvimento de pessoas e grupos sociais, visando sempre a melhoria

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

12/11/2012. Matriz Transdérmica à Base de Biopolímeros e Potenciadores Naturais de Permeação para Incorporação de Fármacos.

12/11/2012. Matriz Transdérmica à Base de Biopolímeros e Potenciadores Naturais de Permeação para Incorporação de Fármacos. Matriz Transdérmica à Base de Biopolímeros e Potenciadores Naturais de Permeação para Incorporação de Fármacos. Mestranda - Rosana Mírian Barros Mendes Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas/UFPI

Leia mais

Formulações de Adjuvantes Agrícolas

Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES: - Substância inerte adicionados à formulação ou à calda para melhorar a eficiência da aplicação. Podem ser divididos em 2 grupos: a) Surfatantes:

Leia mais

Efeito da embalagem na conservação de produtos minimamente processados Nilda de Fátima Ferreira Soares*

Efeito da embalagem na conservação de produtos minimamente processados Nilda de Fátima Ferreira Soares* Efeito da embalagem na conservação de produtos minimamente processados Nilda de Fátima Ferreira Soares* Os produtos minimamente processados são geralmente reconhecidos como alimentos submetidos a pequenas

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS 1 CONSUMO DE OVOS Dados da FAO (2010) para a América Latina apontam que o Brasil se encontra na oitava posição em

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Características dos Ovos

Características dos Ovos Características dos Ovos Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D Questão 61 A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação

Leia mais

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 01 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 01 PVC Introdução Os produtos de PVC são divididos em duas grandes classes: rígidos e flexíveis. Os plastificantes vêm sendo utilizados há muitos anos na produção de PVC flexível para uma grande variedade de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES

CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES ANEXO : COMPLEMENTAÇÃO TEORIA CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES 1 Antioxidantes para sistemas medicamentosos lipófilos: 1.1 NATURAIS: a) Tocoferóis: São líquidos viscosos de cor amarelada,

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Degradação de Polímeros

Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Degradação é qualquer reação química destrutiva dos polímeros. Pode ser causada

Leia mais

Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes

Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes Sinopse Descrição de descarte dos resíduos originados dos ensaios por líquidos penetrantes por meio de processo físico

Leia mais

Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais;

Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais; Lipídios Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais; Eles compartilham a característica de apresentarem baixa solubilidade em água sendo solúveis em

Leia mais

OPERAÇÕES E PROCESSOS DA T.A.

OPERAÇÕES E PROCESSOS DA T.A. Temperatura ambiental A temperatura no armazenamento do produto alimentício está condicionada à exposição deste a diferentes graus de calor ou de frio. Modificações indesejáveis à qualidade do produto:

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação . Novas Técnicas de Avaliação Elsa Gonçalves Ano 2003 Objectivos Revisão crítica do estado de conhecimento sobre: A influência do processo de congelação na qualidade dos produtos vegetais; Novas técnicas

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES SUSPENSÕES E SOLUÇÕES Definições SUSPENSÃO Mistura heterogênea de substâncias Ex.: sangue (suspensão de plasma e células) água e óleo; água e areia, água e açúcar SOLUÇÃO Mistura homogênea de substâncias

Leia mais

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Quimgax 2030 Quimgax 2004 Quimgax 2017 Quimgax 2043 Quimgax 2044 Quimgax 2777 Quimgax 2019 Quimgax 2143 Quimgax 2153 Quimgax 2061 e 2062 As gaxetas de fibras sintéticas

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

REZYMOM INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE CREMES LTDA. NOME COMERCIAL: Creme Protetor para Mãos REZYMOM 3 x 1

REZYMOM INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE CREMES LTDA. NOME COMERCIAL: Creme Protetor para Mãos REZYMOM 3 x 1 FABRICANTE: REZYMOM INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE CREMES LTDA. NOME COMERCIAL: Creme Protetor para Mãos REZYMOM 3 x 1 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/COMPANHIA RESPONSÁVEL Descrição química: Creme preparado Responsável

Leia mais

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características Tintas Um problema Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características e tipos de tintas. Introdução Na aula anterior, vimos

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Factores de selecção da embalagem Produtos alimentares. Margarida Alves Segurança Alimentar - Uma visão global Porto Salvo, 31 de Maio 2011

Factores de selecção da embalagem Produtos alimentares. Margarida Alves Segurança Alimentar - Uma visão global Porto Salvo, 31 de Maio 2011 Factores de selecção da embalagem Produtos alimentares Margarida Alves Segurança Alimentar - Uma visão global Porto Salvo, 31 de Maio 2011 PERFIL CNE Data de constituição 1972 Forma jurídica Associação

Leia mais

2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS

2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS 2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS FALANDO DOS SOLOS (8) No bloco anterior aludi à componente mineral do solo. Neste abordo a componente orgânica e as fracções líquida e gasosa que lhes estão associadas.

Leia mais

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil DEFINIÇÃO: TINTAS

Leia mais

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998 Fitas VHB Dupla-Face de Espuma Acrílica para Construção Civil Fita Dupla-Face de Espuma Acrílica Cinza - 4972 Dados Técnicos Julho/2011 AgoAg Junho / 1998 Substitui: Novembro/2005 Descrição do Adesivo

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

Políticas Públicas & Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos

Políticas Públicas & Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos Políticas Públicas & Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos Embora seja legítima a preocupação legislativa em relação à gestão do resíduo sólido no Brasil, é muito preocupante o aparecimento de propostas

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

HYDROPOM Licopeno Bioliquefeito

HYDROPOM Licopeno Bioliquefeito HYDROPOM Licopeno Bioliquefeito INCI: hydrolyzed Tomato Skin Contém: Polifenóis Açúcares Naturais Licopeno Aquoso Microdispersível 1. Introdução HYDROPOM é o primeiro produto aquoso que contém licopeno

Leia mais

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS Aminoácidos ligam-se por ligações peptídicas = reação de condensação entre: OH do grupo carboxila de um aminoácido H do grupo amina do outro aminoácido ( liberação de uma molécula

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Zentrifix KMH - Código interno do produto: 051 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO Accu-Lube LB-4500 CÓDIGO FISPQ-0505 REVISÃO 3 EMISSÃO 27/12/2010 APROVAÇÃO 27/12/2010 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO ALCOOL FREE ECO Revisão: 00 / Data da Revisão: 21/09/2015

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO ALCOOL FREE ECO Revisão: 00 / Data da Revisão: 21/09/2015 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa: NOW QUIMICA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Petúnia, 155 Bairro Chácaras Boa Vista Contagem MG CEP: 32150-200 Telefone

Leia mais

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO,

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO, JohnsonDiversey SAFE BIO C 520 Remediador para Estação de Tratamento de Efluentes em geral e com a Presença de Contaminantes Tóxicos. Indicado para indústrias em geral. Descrição: Benefícios: Este produto

Leia mais

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Biocomposto BLF - Código interno de identificação do produto: 020 - Nome da empresa: Biotecma Biotecnologia

Leia mais

Aligal. Uma gama de atmosferas de conservação dedicada aos produtos agroalimentares. www.airliquide.pt

Aligal. Uma gama de atmosferas de conservação dedicada aos produtos agroalimentares. www.airliquide.pt Aligal Uma gama de atmosferas de conservação dedicada aos produtos agroalimentares www.airliquide.pt Preservar a qualidade e a frescura dos seus produtos alimentares Como resposta aos consumidores que

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Ortolan Sep 791 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

Professor Carlos - Proteinas

Professor Carlos - Proteinas 14085. (Fuvest 2001) Os três compostos abaixo têm uso farmacológico Considere as afirmações: I Nas moléculas dos três compostos, há ligações peptídicas. II A porcentagem em massa de oxigênio na dropropizina

Leia mais

Nome do Produto: Hardthane SMP 340 Ficha nº. 385 Data de emissão: 22/05/2014 Data de revisão: - Emitido por: Dpto. Técnico Página: (1 de 5)

Nome do Produto: Hardthane SMP 340 Ficha nº. 385 Data de emissão: 22/05/2014 Data de revisão: - Emitido por: Dpto. Técnico Página: (1 de 5) Data de emissão: 22/05/2014 Data de revisão: - Emitido por: Dpto. Técnico Página: (1 de 5) 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do Produto: HARDTHANE SMP 340 Aplicação: Selante híbrido monocomponente para variadas aplicações.

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

Conceitos e aplicações dos adjuvantes

Conceitos e aplicações dos adjuvantes ISSN 1518-6512 Agosto, 2006 56 Conceitos e aplicações dos adjuvantes Leandro Vargas 1, Erivelton Scherer Roman 1 Introdução Os herbicidas, até mesmo aqueles com ação de contato como paraquat, necessitam

Leia mais

Produção Processamento de Alimentos Consumo

Produção Processamento de Alimentos Consumo Departamento de Alimentos ALM 024: PROCESSAMENTO DE Quem sou eu? INTRODUÇÃO ACCÁCIA JÚLIA GUIMARÃES PEREIRA MESSANO Primeiro Semestre 2011 Quem são vocês? O que é processamento de alimentos? Processamento

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Códigos internos de identificação do produto: 111690, 111691, 121714 e 111689 Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO AMACIANTE DE ROUPAS 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO AMACIANTE DE ROUPAS 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO AMACIANTE DE ROUPAS 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA a) Nome do Produto: AMACIANTE DE ROUPAS. b) Código do Produto: c) Nome da Empresa: ICARAÍ

Leia mais

ANÁLISE DA BIODEGRADABILIDADE DE TINTA FLEXOGRÁFICA

ANÁLISE DA BIODEGRADABILIDADE DE TINTA FLEXOGRÁFICA ANÁLISE DA BIODEGRADABILIDADE DE TINTA FLEXOGRÁFICA R. DIAS 1, L. A. DA COSTA 1, R.A.F. MACHADO 1, J. WILMSEN 1, T. CZIZEWESKI 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia Química

Leia mais

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Paulo Henrique Saraiva Câmara SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Frederico

Leia mais

Workshop Embalagem & Sustentabilidade

Workshop Embalagem & Sustentabilidade Workshop Embalagem & Sustentabilidade São Paulo/2013 Eduardo Lima Agenda Alumínio e Sustentabilidade - Conceito Embalagens de alumínio Diferenciais das embalagens de alumínio PNRS Reciclagem de alumínio

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPA INOX MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPA INOX MALTEX Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) 01/05 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Limpa inox Maltex. Aplicação: O remove manchas e amarelados de utensílios de

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda.

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda. Formado em Engenharia Química pela FEI Faculdade de Engenharia Industrial e com cursos de Especialização em Embalagens nos U.S.A. e Alemanha, vem atuando no mercado de embalagens desde 1976 em empresas

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA

SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA Gilsimeire Rodrigues MORAIS* 1 ; Maria Raquel Hidalgo CAMPOS** 2 ; Thaísa Anders Carvalho SOUZA* 3 ; Tiago DIAS** 4 ; Luciana de Oliveira

Leia mais

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão Tensoativos Tensoativos 1 Forças Tensões - Força de coesão: força que tende a reunir as moléculas. - Força de repulsão: força que tende a separar as moléculas. SÓLIDO F. coesão > F. repulsão LÍQUIDO F.

Leia mais

01/04/2015. Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE. Cromatografia. Parte 2 CROMATOGRAFIA E ELETROFORESE CROMATOGRAFIA

01/04/2015. Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE. Cromatografia. Parte 2 CROMATOGRAFIA E ELETROFORESE CROMATOGRAFIA Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE Cromatografia CROMATOGRAFIA Plano de Aula -Princípios da separação de moléculas -Cromatografia: Classificação e mecanismos de separação -Cromatografia

Leia mais

5 Resultados e Discussões

5 Resultados e Discussões 5 Resultados e Discussões O mercado para reciclagem existe e encontra-se em crescimento, principalmente pelo apelo exercido pela sociedade por produtos e atitudes que não causem agressão ao meio ambiente,

Leia mais

Degradação Fotoquímica

Degradação Fotoquímica Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Os efeitos da radiação em polímeros de engenharia, tornaram-se objeto de consideração de importância

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BICARBONATO DE SÓDIO 1/5 1. IDENTIFICACÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Empresa: Endereço: Telefone de emergência: e-mail: BICARBONATO DE SÓDIO Sasil Comercial e Industrial de Petroquímicos

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 A classificação de resíduos sólidos envolve a identificação do processo ou atividade que lhes deu origem, de seus constituintes e características, e a comparação

Leia mais

Contêineres rígidos para esterilização

Contêineres rígidos para esterilização Por Silvia Baffi 1. Introdução Contêineres rígidos para esterilização Contêineres são recipientes rígidos e reutilizáveis para a esterilização. São compostos por diferentes dispositivos que podem ser denominados

Leia mais

AVALIAÇÃO TÉRMICA E MECÂNICA DA DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS POLIMÉRICOS NA PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE

AVALIAÇÃO TÉRMICA E MECÂNICA DA DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS POLIMÉRICOS NA PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE AVALIAÇÃO TÉRMICA E MECÂNICA DA DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS POLIMÉRICOS NA PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE Cheila G. Mothé 1*, Fernanda T. G. Dias 2, Michelle G. Mothé 1 1* Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA REVISÃO QUÍMICA Profº JURANDIR QUÍMICA DADOS 01. (ENEM 2004) Em setembro de 1998, cerca de 10.000 toneladas de ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ) foram derramadas pelo navio Bahamas no litoral do Rio Grande

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais