Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes"

Transcrição

1 Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia Química, Faculdade Satc - Rua Pascoal Meller, 73. CEP: , Criciúma, SC, Brasil. a b c Resumo: Com o desenvolvimento de uma nova tecnologia para a flexografia, a indústria de impressão revoluciona seu conceito com o meio ambiente. Isso se deve as tintas e vernizes curáveis por UV. Estas são compostas de monômeros, oligômeros, aditivos e os fotoiniciadores, sendo os últimos os principais responsáveis pela reação de polimerização e consequente cura do produto. A cura acontece através de radicais livres dos fotoiniciadores, formados com a exposição à luz ultravioleta, que possibilitam a reação de polimerização com os monômeros e oligômeros. A principal característica desta cura é não haver a necessidade de eliminação de solventes no ar, o que favorece ao meio ambiente. Porém, foram encontradas também outras vantagens que se sobrepuseram às comumente utilizadas, à base de solventes. Palavras-Chave: Flexografia; Curáveis por UV; VOC. 1. Introdução Com a intenção de cessar a emissão de gases de compostos orgânicos voláteis (VOC) na atmosfera, a indústria flexográfica desenvolveu uma tecnologia que atende a este requisito e que surpreendeu com a gama de outros benefícios que pode oferecer. Esta promete garantir as características necessárias para a qualidade de impressão, bem como equiparar os custos com o que atualmente é usado. Com este contexto foi feito um estudo comparativo com as tintas flexográficas a base de solvente que são utilizadas pela maioria das indústrias no setor de embalagens. 2. Revisão Bibliográfica Com a eminente preocupação de alguns países em diminuir a emissão de compostos orgânicos voláteis (VOC), os fabricantes de tintas para impressão buscaram soluções em uma nova tecnologia. A mesma vem ganhando mercado por substituir as convencionais tintas à

2 base de solventes por um sistema considerado ambientalmente correto. A tecnologia mencionada é a de cura por radiação ultravioleta (UV) [1] Flexografia Segundo Ávila [2], a flexografia consiste na impressão direta no substrato e para que essa impressão seja possível são necessários clichês adequados, cilindro porta clichê, cilindro de anilox, um raspador e um suporte de tinta. A tinta depositada no suporte é transferida para o anilox que, juntamente com o raspador, possibilita a passagem necessária de tinta para o cilindro com o clichê. Este, por sua vez, imprime no substrato o que foi confeccionado no clichê. O esquema explicado é ilustrado na Fig. 1 [2]. Figura 1 Esquema de impressão flexográfica. Fonte: LOYOLA, (2013). Disponível em: <http://repositorio.roca.utfpr.edu.br>. Acesso em: 29 jul [3] Conforme Loyola [3], clichê é uma matriz que permite imprimir sempre a mesma imagem. Este é colocado sobre o porta clichê. O anilox é o responsável por transportar a tinta na quantidade certa para os clichês, portanto possui grande importância no processo e no seu resultado final [3].

3 Para desenvolver a formulação dessas tintas são estudadas as principais áreas de atuação da mesma, bem como a sua gama de aplicações, tudo levando em consideração a relação custo-benefício. Segundo Bardi [4] e Medeiros [5], para que o produto final seja curável por UV, a formulação do mesmo deve conter os componentes citados a seguir. O fotoiniciador é o responsável pelo início da cura, para a escolha devem ser considerados fatores como altura da camada, teor de pigmentação, lâmpada utilizada, etc. A compatibilidade da lâmpada com o fotoiniciador tem um papel fundamental nesse momento, pois somente com o comprimento de onda compatível é que o produto irá curar totalmente, também é relevante que a intensidade de luz seja suficiente para a cisão e consequente formação de radicais livres. O oligômero é o responsável por características fundamentais e específicas de tintas e vernizes UV, são essas: resistência física e química, flexibilidade, dureza, além de ser o determinante da velocidade de cura necessária. Os monômeros têm como principal função o ajuste de viscosidade, porém também possui propriedades parecidas com o oligômero, ajudando na aderência, flexibilidade, velocidade de cura e resistência. Os aditivos promovem ao produto características específicas, determinadas conforme a necessidade a que será destinada Cura Entende-se por cura UV a reação de fotoiniciadores que fazem um verniz/tinta líquido, instantaneamente, se tornar um filme sólido através da exposição em luz ultravioleta [4]. Esta reação acontece devido à insaturações presentes nos fotoiniciadores. A exposição a esta luz faz com que as ligações duplas se quebrem formando, assim, radicais livres, que por sua vez iniciam as reações de polimerização juntamente com os monômeros e oligômeros, tornando-se sólido em segundos [4]. Figura 2 Reação de cura provocada por fotoiniciador.

4 Fonte: 3. Procedimentos Experimentais Neste artigo foi feito um estudo comparativo entre as já utilizadas tintas à base de solvente, consumida pela maioria da indústria de impressão flexográfica, com uma nova tecnologia livre desses compostos. Alguns aspectos principais foram analisados a partir de coletas de informações e comparações entre as mesmas Quanto a emissão de gases Conforme relatório apresentado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia [6] foi realizada uma estimativa de emissões médias por ano no Brasil através de um valor já conhecido. Este valor é de 0,7 kg/capita/ano e representa a média dessas emissões dos gases nos principais países, principalmente da Europa, podendo ser aplicado no Brasil como base de estimativa, aponta. Segundo o censo de 2010 a população era composta por habitantes, portanto, estimou-se a partir de cálculos a emissão no Brasil, em 2010, em torno de , 8 kg [6]. Este estudo foi feito com tintas que possuem solventes em sua formulação e, consequentemente emitem VOCs no ar. Portanto, uma solução cabível, para a eliminação deste problema na área de impressão, seria a substituição por um sistema livre de solventes. A tecnologia UV, portanto, atende a estas expectativas não necessitando ter quaisquer solventes voláteis entre seus componentes pois sua cura acontece através da polimerização com raios ultravioleta e não com a evaporação dos compostos orgânicos voláteis.

5 3.2. Quanto ao brilho As tintas estudadas foram comparadas quanto ao brilho que apresentam, estas são características importantes para caracterizar a variabilidade de utilidade das mesmas. Conforme análises feitas em laboratório com uma amostra de verniz UV e uma tinta à base de solvente, sendo estas aplicadas sobre o substrato, a comparação de brilho é feita com análise visual e observou-se que o verniz UV apresentou maior brilho que a tinta a base de solvente Quanto à cura em temperatura ambiente Segundo Fazenda [7] a cura em temperatura ambiente apresenta vantagens singulares. Afirma que, além de economizar energia calorífica, a gama de aplicabilidade nos substratos aumenta, isso porque abrange não só os substratos comuns, mas também os termossensíveis. Como não é necessária a evaporação do solvente para a cura, não há necessidade de elevação da temperatura, esta que chegaria na faixa de 50ºC a 250ºC, salienta. 4. Resultados e Discussões As tintas e vernizes UV obtiveram resultados mais satisfatórios em comparação com as a base de solventes. Isso se deve por essa tecnologia garantir uma série de vantagens em relação ao meio ambiente, à economia de produto, à produtividade, além de possibilitar melhores resultados na qualidade de impressão. Como resultado em relação as emissões de VOCs foi observado que os produtos a base de solvente apresentaram, segundo estimativa, toneladas em Quantidade que poderia ser evitada se essas tintas não emitissem tais componentes no ar. Portanto, a importância que esta tecnologia UV possui para o meio ambiente já é comprovada através desses valores. Para qualidade de impressão a tinta curável por radiação ganha mais resultados positivos. Como descrito no artigo, os experimentos de comparação com as compostas por solventes orgânicos voláteis, ilustraram, através de análise visual, maior brilho para as UV. Comprovando, com isso, que a qualidade não foi igualada, mas elevada. Essas tintas apresentaram não só as especificações que já eram atendidas pelas já usadas a base de solventes, mas qualificaram ainda mais o mercado de impressão.

6 Todavia, para a comparação feita com o tempo de cura, as UV se sobressaíram prometendo cura em baixa temperatura. Pois, enquanto os produtos dependem da volatização do solvente para a cura completa, o que pode levar a temperatura de até 250ºC, a tecnologia UV promove uma cura completa em temperatura ambiente. Essa vantagem possibilita uma economia de energia calorífica, diminuindo assim os custos em processo, e também permite a utilização de mais tipos de substratos, não deixando a tecnologia tão limitada. 5. Conclusões Com base nos resultados obtidos as tintas UV possuem vantagens que, este estudo mostrou serem maiores que as tintas já convencionalmente usadas, a base de solventes. As emissões seriam reduzidas em mais de 133 mil toneladas, quantidade que era eliminada na atmosfera com o sistema a base de solvente e que seria diminuído ou até mesmo nulo com a utilização desta nova tecnologia. Outro fator a ser considerado é o brilho elevado por parte das curáveis por UV, um fator que veio para contribuir com os benefícios que esta já trazia. E como consequência da cura por radiação é não haver mais necessidade de se elevar a temperatura para que esta possa acontecer. Com as reações de polimerização que acontecem pela exposição da luz, todo o processo pode acontecer à temperatura ambiente, garantindo menor consumo de energia elétrica e variada possibilidade no uso dos substratos. Portanto, analisou-se, por comparação, que as tintas e vernizes UV apresentaram mais vantagens que as a base de solventes em todos os aspectos analisados. Entretanto, existem outros fatores que poderiam ser considerados para trabalhos futuros como a análise geral do custo desse processo e até as desvantagens que podem ser encontradas em processos como este. Referências Bibliográficas [1] MUNHOZ, M. M. L. BARDI, M. A. G. MACHADO, L. D. B. CONGRESSO BRASILEIRO DE POLÍMEROS, 11., 2011, Campos do Jordão. Avaliação De Formulações De Revestimentos Poliméricos Curáveis Por Radiação Ultravioleta/Feixe De Elétrons e Seus Componentes Por Análise Térmica. Campos do Jordão, Sp, p. Disponível em: <https://www.ipen.br/biblioteca/2011/eventos/18010.pdf>. Acesso em: 14-jul-2015.

7 [2] ÁVILA, A. S. Desenvolvimento técnico do processo flexográfico Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/68815?show=full>. Acesso em: 29 jul [3] LOYOLA, R. O. Processo de impressão flexografica aplicada ao papel ondulado f. Monografia (Especialização) - Curso de Curso de Especialização em Embalagem, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, Disponível em: <http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/3623/1/ct_ceemb_2012_1_11.pdf>. Acesso em: 29 jul [4] BARDI, M. A. G. Avaliação do ambiental gerado por tintas gráficas curadas por radiação ultravioleta ou feixe de elétrons em materiais para embalagens plásticas convencionais ou biodegradáveis pós-consumo. 338 f. Tese (Doutorado) - Curso de Tecnologia Nuclear, Universidade de São Paulo, São Paulo, Disponível em: <http://www.researchgate.net/profile/marcelo_bardi/publication/ _assessment _OF_ENVIRONMENTAL_IMPACT_OF_ULTRAVIOLET_RADIATION_OR_ELECTRO N_BEAM_CURED_PRINT_INKS_ON_PLASTIC_PACKAGING_MATERIALS/links/ cf23ff pdf>. Acesso em: 14-jul [5] MEDEIROS, S. Tintas e vernizes uv: conceitos e controle de processo. Disponível em: <http://www.graunagroup.com/q_apostila_curauv_conceitos_controle_processo.pdf>. Acesso em: 20 jul [6] BRASIL. MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Emissões de gases de efeito estufa nos processos industriais e por uso de solventes. Brasília, [7] FAZENDA, J. M. R. (Org.). Tintas e vernizes: Ciência e Tecnologia. 3. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2005.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Autor: Sérgio Medeiros Graúna Química E-mail: Site: www.graunagroup.com

Leia mais

12:00 Lunch 13:00 Agregando valor através da escolha correta Thomas Linkenheil, Trelleborg

12:00 Lunch 13:00 Agregando valor através da escolha correta Thomas Linkenheil, Trelleborg 0 Agenda 8:30 Registration Coffee 9:00 Value Added Packaging Rainer Kuhn, PrintCity 9:30 Desafios na Indústria de embalagem de Dr. Bernhard Fritz, SunChemical papelão 10:10 Agregando Valor através de tecnologias

Leia mais

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Página 1 de 8 IMACOAT VERNIZ UV IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda Vendas : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Mairinque SP Brasil CEP 18120-000 Telefone : (55+11) 4718 1745 Fax : (55+11)

Leia mais

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Maria Cecília Evora, Delmo Nishitsuji, Dr.Gerson Marinucci Dr. Leonardo Gondim de Andrade e Silva Objetivo Pesquisar e desenvolver

Leia mais

A influência das. lâmpadas na gravação

A influência das. lâmpadas na gravação A influência das lâmpadas na gravação Uma boa gravação garante a qualidade da impressão e a durabilidade da matriz. Veja como as lâmpadas influenciam esse processo Por Márcio Moraes dos Santos, da Vision-Cure

Leia mais

Apresentação na FIEPAG em 17/04/2001 pag. 1

Apresentação na FIEPAG em 17/04/2001 pag. 1 Apresentação na FIEPAG em 17/04/2001 pag. 1 CURA UV NAS ARTES GRÁFICAS Vantagens da Tecnologia - TEC SCREEN Esta apresentação visa mostrar as vantagens que a tecnologia e cura por radiação UV apresenta

Leia mais

Degradação de Polímeros

Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Degradação é qualquer reação química destrutiva dos polímeros. Pode ser causada

Leia mais

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno A Saturno é uma empresa com mais de 60 anos de experiência na fabricação de tintas e vernizes para diversos segmentos da comunicação visual e decoração

Leia mais

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE POLÍMEROS Os polímeros são macromoléculas formada pela união de pequenas unidades que se repetem, os monômeros. Existem basicamente dois tipos de polimerização: adição e condensação. Na polimeirzação por

Leia mais

Processo Fotolitográfico Direto com o AZ1350J

Processo Fotolitográfico Direto com o AZ1350J UNIVESIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CENTRO DE COMPONENTES SEMICONDUTORES Campinas-SP- 13083-970 Caixa Postal 6061 Telefone (19) 3788-7282, Fax: (19)3788-7282 diniz@led.unicamp.br Processo Fotolitográfico

Leia mais

Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica

Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica Freddy Baruch 16 Setembro 2015 Page 1 SAUDAÇÃO BOM DIA! Page 2 APRESENTAÇÃO Page 3 APRESENTAÇÃO Quem somos - Apresentação Pessoal Freddy

Leia mais

Espectro Eletromagnético. Espectro Eletromagnético. Onda Curta - Radio. Vermelho. Laranja Amarelo. Luz Visível. Luz Visível. Verde. Azul.

Espectro Eletromagnético. Espectro Eletromagnético. Onda Curta - Radio. Vermelho. Laranja Amarelo. Luz Visível. Luz Visível. Verde. Azul. Aplliicações Ulltraviiolleta p. 1/12 Utiilliizando Tecnollogiia de Ponta UV na Indústtrri I ia Grráffi ica e Moveleirra Sumárri io 1. INTRODUÇÃO Nesta Palestra: - O que são raios ultravioleta e infravermelho

Leia mais

Dentre os cilindros gravados este é o PRODUTO PRINCIPAL DA EMPRESA, é o coração da impressão flexográfica, estando disponível em três versões :

Dentre os cilindros gravados este é o PRODUTO PRINCIPAL DA EMPRESA, é o coração da impressão flexográfica, estando disponível em três versões : 4 - CILINDRO NICRONILOX Dentre os cilindros gravados este é o PRODUTO PRINCIPL D EMPRES, é o coração da impressão flexográfica, estando disponível em três versões : - cilindro NICRONILOX cerâmico gravado

Leia mais

PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012

PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012 PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012 1. APRESENTAÇÃO Com o objetivo de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 01 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 01 PVC Introdução Os produtos de PVC são divididos em duas grandes classes: rígidos e flexíveis. Os plastificantes vêm sendo utilizados há muitos anos na produção de PVC flexível para uma grande variedade de

Leia mais

Desenvolvida para aplicações industriais a BLUEMARK LED tem uma aparência amigável, limpa e silenciosa para o uso em escritórios.

Desenvolvida para aplicações industriais a BLUEMARK LED tem uma aparência amigável, limpa e silenciosa para o uso em escritórios. INDUSTRIAL CONNECTION TECHNOLOGY FAQ 1. O que é a BLUEMARK LED? É uma impressora com tecnologia Ultra-Violeta (UV) desenvolvida pela Phoenix Contact que realizam gravações em cartelas plásticas para a

Leia mais

FAÇA mais com tintas CURA UV

FAÇA mais com tintas CURA UV FAÇA mais com tintas CURA UV Como as tintas com cura UV funcionam; o que você pode fazer com elas As tintas com cura UV oferecem muitos benefícios para a impressão em grandes formatos: elas são ideais

Leia mais

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características Tintas Um problema Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características e tipos de tintas. Introdução Na aula anterior, vimos

Leia mais

mais solventes, ou sem solvente numa reação chamada de pré-polimerização. Quando a reação envolve os componentes acrílicos puros, o grau de

mais solventes, ou sem solvente numa reação chamada de pré-polimerização. Quando a reação envolve os componentes acrílicos puros, o grau de 11 1 Introdução A produção e venda de fitas adesivas é um negócio que movimenta imensas quantias de capital mundialmente. 3M, Avery Dennison, Tesa, Norton e Loma são empresas de grande reputação que estão

Leia mais

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos 12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ2013-340 DETECÇÃO E CONTROLE DE POLUIÇÃO EM ISOLADORES DE ALTA TENSÃO ATRAVÉS DE TERMOGRAFIA Laerte dos Santos 1, Marcelo O. Morais Filho 2, Rodolfo

Leia mais

RESINA POLIÉSTER INSATURADO, ISOFTÁLICA, MÉDIA REATIVIDADE

RESINA POLIÉSTER INSATURADO, ISOFTÁLICA, MÉDIA REATIVIDADE BOLETIM TÉCNICO COMMODITIES ARAZYN 11.0 - BOLETIM TECNICO DA FAMILIA ARA QUÍMICA S/A. RUA ARTHUR CÉSAR, 200 18147-000 ARAÇARIGUAMA SP BRASIL TEL: 0 (XX) 11 4136 1900 BTE DOCUMENTO 000136 RESINA POLIÉSTER

Leia mais

Manual Técnico de Coberturas Metálicas

Manual Técnico de Coberturas Metálicas Manual Técnico de Coberturas Metálicas Coberturas Metálicas Nas últimas décadas, as telhas produzidas a partir de bobinas de aço zincado, revolucionaram de maneira fundamental, a construção civil no Brasil,

Leia mais

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing?

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing? Informações Gerais Provedora de soluções para o processo de Water Transfer Printing a PROJFIX está no mercado com o objetivo de trazer qualidade para o segmento no Brasil, comercializando produtos de alto

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 1. APRESENTAÇÃO Com o intuito de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira de

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

NANOTECNOLOGIA NA PINTURA DE SEU PREDIO

NANOTECNOLOGIA NA PINTURA DE SEU PREDIO NANOTECNOLOGIA NA PINTURA DE SEU PREDIO saiba como reduzir os custos de condomínio com a pintura predial mantenha a cor original da pintura, com garantia de 8 conheça as vantagens do revestimento microcerâmico

Leia mais

A maneira mais inteligente de aquecer água.

A maneira mais inteligente de aquecer água. A maneira mais inteligente de aquecer água. A JAMP O uso consciente de energia é um dos princípios que rege as atividades da JAMP, responsável pela introdução no País de soluções inovadoras no campo de

Leia mais

TINTAS EM PÓ 12/09/2012 HISTÓRICO RESUMIDO. No final da década de 1950, surgiu a hoje chamada tinta em pó. TERMOCONVERSIVEIS USA

TINTAS EM PÓ 12/09/2012 HISTÓRICO RESUMIDO. No final da década de 1950, surgiu a hoje chamada tinta em pó. TERMOCONVERSIVEIS USA TINTAS EM PÓ V.A.B HISTÓRICO RESUMIDO No final da década de 1950, surgiu a hoje chamada tinta em pó. TERMOCONVERSIVEIS USA Entre 1960 e 1964, Houve desenvolvimento e introdução dos métodos de EXTRUSÂO,

Leia mais

É"ca do Brasil Empresa de P&D em nanotecnologia, detentora da patente e da marca

Éca do Brasil Empresa de P&D em nanotecnologia, detentora da patente e da marca É"ca do Brasil Empresa de P&D em nanotecnologia, detentora da patente e da marca * Patentes nas áreas de 7ntas de impressão, cosmé7cos e farmacêu7cos * Em 2014 lançou a primeira Nano7nta à base d água

Leia mais

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda.

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda. Formado em Engenharia Química pela FEI Faculdade de Engenharia Industrial e com cursos de Especialização em Embalagens nos U.S.A. e Alemanha, vem atuando no mercado de embalagens desde 1976 em empresas

Leia mais

Métodos de aplicação. Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES

Métodos de aplicação. Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES Métodos de aplicação 2014 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES Uma pequena diferença Nesse ponto, é importante ter em mente a diferença entre Pintor e Técnico de

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais Guia técnico Métodos de marcação direta de peças Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais A prática da Marcação Direta de Peças (DPM) é utilizada em muitas indústrias

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

Revestimentos Monolíticos

Revestimentos Monolíticos Revestimentos Monolíticos Catálogo Geral Alta performance com estética elevada A RM Revestimentos Monoliticos é uma indústria que, em parceria com a Miaki Revestimentos, desenvolve e comercializa revestimentos

Leia mais

VEDAÇÃO PERFEITA: RESINAS ORGANOLÉPTICAS PARA TAMPAS DE BEBIDAS

VEDAÇÃO PERFEITA: RESINAS ORGANOLÉPTICAS PARA TAMPAS DE BEBIDAS VEDAÇÃO PERFEITA: RESINAS ORGANOLÉPTICAS PARA TAMPAS DE BEBIDAS 1 2 vedação perfeita Resinas organolépticas para tampas de bebidas Água natural com e sem gás, refrigerantes, isotônicos... O mercado de

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP

Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP 1 Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP Pré-requisitos Ter estudado e compeendido o conteúdo das páginas 5 até 23 do e-book Radiologia Industrial

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes agressivos. São produtos com maior retenção de cor e brilho,

Leia mais

Técnico em Artes Gráficas pelo SENAI-SP, graduado em Administração e pós-graduado em Administração. Atualmente é gestor e consultor de empresas do

Técnico em Artes Gráficas pelo SENAI-SP, graduado em Administração e pós-graduado em Administração. Atualmente é gestor e consultor de empresas do Técnico em Artes Gráficas pelo SENAI-SP, graduado em Administração e pós-graduado em Administração. Atualmente é gestor e consultor de empresas do segmento gráfico de conversão e ministra cursos e palestras

Leia mais

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR Faculdade de Farmácia da UFMG ESTERILIZAÇÃO NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ESTERILIZAÇAO PELO CALOR CALOR SECO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano ABRIL 2010 Mecanismo de destruição de microrganismos pelo

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIPPG Coordenadoria de Pesquisa e Estudos Tecnológicos COPET RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Printronix T5000r apoia Iniciativas de Sustentabilidade em conformidade com a ENER GY STAR ENERGY STAR ENERGY STAR e Equipamentos de Imagem

Printronix T5000r apoia Iniciativas de Sustentabilidade em conformidade com a ENER GY STAR ENERGY STAR ENERGY STAR e Equipamentos de Imagem Printronix T5000r apoia Iniciativas de Sustentabilidade em conformidade com a Por Andy Edwards, diretor de desenvolvimento de impressoras Térmicas/RFID, Printronix Sustentabilidade é a palavra da moda

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO.

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 2.863, DE 2011 Acresce parágrafos ao art. 32 da Lei nº 12.305, de 2010, que institui a Política de Resíduos Sólidos. Autor:

Leia mais

ANTISAGTEST Norma ASTM Aparelho determina a tendência de escorrimento vertical de tinta com aplicação de 10 faixas com espessura de 75 a 300 micros.

ANTISAGTEST Norma ASTM Aparelho determina a tendência de escorrimento vertical de tinta com aplicação de 10 faixas com espessura de 75 a 300 micros. ANTISAGTEST Aparelho determina a tendência de escorrimento vertical de tinta com aplicação de 10 faixas com espessura de 75 a 300 micros. APARELHO TIPO PENTE Medidor de camada úmida escalas de medição:

Leia mais

Caldeiras Manoel O. A. Méndez

Caldeiras Manoel O. A. Méndez Caldeiras Manoel O. A. Méndez FEAU - Faculdade de Engenharia Arquitetura e Urbanismo 12 de agosto de 2015 Manoel Méndez Caldeiras 1/24 Sumário Introdução 1 Introdução 2 Descoberta do vapor Uso do vapor

Leia mais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Tatiane Goulart OLIVEIRA ¹; Estefânia Paula da SILVA²; Rodrigo Herman

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS EXPERIMENTAIS PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS EXPERIMENTAIS PARA O ENSINO DE QUÍMICA A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS EXPERIMENTAIS PARA O ENSINO DE QUÍMICA Juciery Samara Campos de OLIVEIRA 1 ; João Lopes da SILVA NETO 2 ; Thayana Santiago MENDES 3 ; Raquel de Lima PEREIRA 4 ; Luciene Maria

Leia mais

Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas.

Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas. Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas. SOMA DE VALORES A JR Tecnologia em Superfícies (nome fantasia) iniciou suas atividades em 1991 com o nome JR Gonçalves

Leia mais

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA Processos de pintura Existem diferentes processos de pintura, mas o segredo para o sucesso e durabilidade do acabamento final, depende invariavelmente da habilidade do profissional e da preparação da superfície.

Leia mais

Interacção da Radiação com a Matéria

Interacção da Radiação com a Matéria Interacção da Radiação com a Matéria Já sabemos que: As radiações eletromagnéticas têm comportamento ondulatório e corpuscular. Cada radiação apresenta as suas características individuais; Os corpúsculos

Leia mais

Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC

Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC UMA MARCA AXALTA COATING SYSTEMS Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC Soluções inovadoras para demandas de E-Coat Um início brilhante de classe mundial com proteção anticorrosiva. O mercado altamente

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

46º Congresso da SBPC/ML terá ações de sustentabilidade

46º Congresso da SBPC/ML terá ações de sustentabilidade 46º Congresso da SBPC/ML terá ações de sustentabilidade Durante o 46º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial serão desenvolvidas ações com o objetivo de conscientizar os participantes

Leia mais

EMENTA PROGRAMA DETALHADO. O que são Técnicas de Inspeção e Controle de Qualidade?

EMENTA PROGRAMA DETALHADO. O que são Técnicas de Inspeção e Controle de Qualidade? CURSO: ENGENHEIRO DE CAMPO - CONSTRUÇÃO E MONTAGEM DISCIPLINA: TÉCNICAS DE INSPEÇÃO E CONTROLE DA QUALIDADE CARGA HORÁRIA TOTAL: 30 horas TEÓRICAS: 22 PRÁTICAS: _08 EMENTA Introdução. O que são as técnicas

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE ALVENARIA ESTRUTURAL: BLOCOS DE CONCRETO DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE O uso de alvenaria como sistema estrutural já vem sendo usado a centenas de anos, desde as grandes

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

Metodologia Científica e Tecnológica

Metodologia Científica e Tecnológica Metodologia Científica e Tecnológica Módulo 3 Variáveis e Constantes Prof. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com http://lattes.cnpq.br/9620345505433832 Edição 2009 Material para Fins Didáticos

Leia mais

DESDE 1995. Lab. Seminário 2014 - Campinas Cor, Aparência e Intemperismo. Eng. Sergio Roberto Marigonda sergio@mastcom.com.br

DESDE 1995. Lab. Seminário 2014 - Campinas Cor, Aparência e Intemperismo. Eng. Sergio Roberto Marigonda sergio@mastcom.com.br DESDE 1995 Seminário 2014 - Campinas Cor, Aparência e Intemperismo Eng. Sergio Roberto Marigonda sergio@mastcom.com.br Serviços: Principais serviços: Corrosão Contínuo e Cíclico, Intemperismo acelerado

Leia mais

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação?

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Nota técnica Principais fatores a se considerar ao selecionar uma codificadora a laser A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Equipamento Fluidos Treinamento

Leia mais

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO.

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. Flávia Previatto Baldini; Anderson Mendes de Oliveira; José Leonel Alves dos Santos. Sika Química Ltda. Rodovia Marechal Rondon,

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Um sistema de elevadores funciona com dois elevadores iguais conectados por duas polias sem atrito, conforme mostra a figura. Cada elevador tem a lotação

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Multiciclone

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Multiciclone Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2000 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua Cinco, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo CEP: 13.347.395

Leia mais

Revestimento em chapa 100% alumínio; Liga 3105 Têmpera H 46; Pintura Polyester; Cores sólidas ou metalizadas; Peso (1,5 mm): 4,06 Kg/m 2.

Revestimento em chapa 100% alumínio; Liga 3105 Têmpera H 46; Pintura Polyester; Cores sólidas ou metalizadas; Peso (1,5 mm): 4,06 Kg/m 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS Revestimento em chapa 100% alumínio; Liga 3105 Têmpera H 46; Pintura Polyester; Cores sólidas ou metalizadas; Peso (1,5 mm): 4,06 Kg/m 2. APLICAÇÕES Construções novas ou reformas;

Leia mais

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil DEFINIÇÃO: TINTAS

Leia mais

Simplicidade e versatilidade de substratos. Jato de tinta térmico. Videojet 8610

Simplicidade e versatilidade de substratos. Jato de tinta térmico. Videojet 8610 Simplicidade e versatilidade de substratos Jato de tinta térmico Videojet 8610 2 Revolucionando a tecnologia de jato de tinta térmico, a Videojet 8610 combina a simplicidade de um sistema de impressão

Leia mais

FLASH Jornal do Ano Internacional da Luz (2015)

FLASH Jornal do Ano Internacional da Luz (2015) Ano letivo 2014 / 2015 Nº 5 FLASH Jornal do Ano Internacional da Luz (2015) uma colaboração BECRE/LCV Nota editorial: Luz e energia são dois conceitos intrinsecamente ligados e que se impõem como naturais

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

Sistemas de codificação a laser de fibra

Sistemas de codificação a laser de fibra Contraste de marcação superior a uma alta velocidade em matéria plástica e metais robustos Guia de amostra de codificação e marcação Sistemas de codificação a laser de fibra Realizar marcações a laser

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA Questões associadas à aplicação dos lasers na Medicina Princípios Físicos e aspectos técnicos do equipamento Interacção da luz laser com os tecidos: fotocoagulação, fotovaporização,

Leia mais

Regulagem do grupo impressor

Regulagem do grupo impressor Regulagem do grupo impressor Descrição do grupo impressor flexográfico típico e sua regulagem básica Robson Yuri 2 REGULAGEM DO GRUPO IMPRESSOR Regulagem do grupo impressor. Por Robson Yuri* Os grupos

Leia mais

Gaxetas e Anéis Raspadores de Molythane. Catálogo PPD 3800 BR Outubro 2001

Gaxetas e Anéis Raspadores de Molythane. Catálogo PPD 3800 BR Outubro 2001 Gaxetas e Anéis Raspadores de Molythane Catálogo PPD 3800 BR Outubro 2001 Pense em Qualidade, Pense Parker Para nós da Parker, a qualidade é alcançada quando suas expectativas são atendidas, tanto em relação

Leia mais

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Leia mais

Introdução. Aditivação de Polímeros. Prof. Dr. Hamilton Viana

Introdução. Aditivação de Polímeros. Prof. Dr. Hamilton Viana Introdução Aditivação de Polímeros Prof. Dr. Hamilton Viana Importância e requisitos A II Guerra Mundial provocou um grande avanço da indústria de Polímeros; Os polímeos vêm substituindo com sucesso metais

Leia mais

A origem da rotogravura

A origem da rotogravura A origem da rotogravura Início Iniciada pelos artistas da renascença italiano nos anos 1300 A primeira impressão foi feita a partir de uma chapa metálica em 1446 na Alemanha As chapas metálicas eram entalhadas

Leia mais

Special Effects for Print. Design em uma nova dimensão com o Process Metallic Color System por Color-Logic

Special Effects for Print. Design em uma nova dimensão com o Process Metallic Color System por Color-Logic Special Effects for Print Design em uma nova dimensão com o Process Metallic Color System por Color-Logic Process Metallic Color System O sistema Process Metallic Color System (Sistema de Cores Metálicas

Leia mais

O OZONO NA ATMOSFERA. Maria do Anjo Albuquerque

O OZONO NA ATMOSFERA. Maria do Anjo Albuquerque O OZONO NA ATMOSFERA O buraco na camada de ozono é a região sobre Antárctica com um total de 220 ou menos unidades de Dobson A imagem mostra o buraco em outubro de 2004. Imagem obtida pelo satélite Aura

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS Thiago de Carvalho Sousa (UVV) thiagocs01@hotmail.com Lucca de Carvalho De Biase

Leia mais

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica Trocadores de calor a placas A otimização da troca térmica Um amplo conhecimento para otimizar seus processos As atividades da Alfa Laval têm um único objetivo: oferecer a você cliente tecnologias que

Leia mais

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN)

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN) Reforço Estrutural com FIBRA DE CARBONO MFC (MADE IN JAPAN) AN) Fax: (21) 3254-3259 A ROGERTEC é uma empresa nacional voltada para o fornecimento de produtos, equipamentos e tecnologia no setor das recuperações.

Leia mais

THE SWEDISH DOCTOR BLADE

THE SWEDISH DOCTOR BLADE THE SWEDISH DOCTOR BLADE SOBRE A PRIMEBLADE A PrimeBlade Sweden AB é uma empresa fabricante e fornecedora global de lâminas doctorblade para impressoras flexográfica, rotogravura e offset. Juntamente com

Leia mais

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados.

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. ECOTELHADO Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. TRANSMISSÃO DE CALOR por condução térmica através de materiais

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Contribuição do Projeto Melhoria do processo de eficiência energética através da substituição do processo de pintura automotiva para o desenvolvimento sustentável Introdução:

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais