ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING PROGRAMA DE MESTRADO EM GESTÃO INTERNACIONAL VIVIANE EIKO ITO YAMASAKI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING PROGRAMA DE MESTRADO EM GESTÃO INTERNACIONAL VIVIANE EIKO ITO YAMASAKI"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING PROGRAMA DE MESTRADO EM GESTÃO INTERNACIONAL VIVIANE EIKO ITO YAMASAKI A INFLUÊNCIA DA AUTOESTIMA, DA AUTOESTIMA DO CORPO E DO MATERIALISMO NA ACEITAÇÃO DA CIRURGIA PLÁSTICA Estudo comparativo entre Brasil e Portugal SÃO PAULO 2013

2 Y19i Yamasaki, Viviane Eiko Ito A influência da autoestima, da autoestima do corpo e do materialismo na aceitação da cirurgia plástica / Viviane Eiko Ito Yamasaki. São Paulo, p. : il., color., tab. Dissertação (Programa de mestrado em administração com concentração em gestão internacional) Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, SP, Dissertação de Mestrado (DIS) Orientador: Mateus Canniatti Ponchio 1. Marketing 2. Self-Esteem 3. Materialism 4. Aesthetic plastic surgery I. Título. II. Ponchio, Mateus Canniatti. III. Escola Superior de Propaganda e Marketing. CDU 658

3 VIVIANE EIKO ITO YAMASAKI A INFLUÊNCIA DA AUTOESTIMA, DA AUTOESTIMA DO CORPO E DO MATERIALISMO NA ACEITAÇÃO DA CIRURGIA PLÁSTICA Estudo comparativo entre Brasil e Portugal Dissertação de Mestrado apresentada no Programa de Mestrado em Gestão Internacional da Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo como requisito para a obtenção do título de Mestre em Administração. Orientador: Prof. Dr. Mateus Canniatti Ponchio SÃO PAULO 2013

4 RESUMO O objetivo geral desse trabalho é testar a influência da autoestima, da autoestima do corpo, e do materialismo na aceitação da cirurgia plástica estética (CPE). Para isso, foi desenvolvida uma revisão da literatura dos construtos investigados relacionados ao tema. A partir do referencial teórico, foram desenvolvidos os seguintes objetivos específicos: (i) verificar a influência da autoestima, da autoestima do corpo, do materialismo e das variáveis de controle na aceitação da cirurgia plástica estética, e (ii) comparar a aceitação da CPE entre os indivíduos residentes no Brasil e em Portugal. Para cumprir os objetivos desse trabalho foi empregado o método survey, com aplicação de questionário via internet. O questionário foi formado a partir das seguintes escalas: escala da Autoestima de Rosenberg (1965), escala SDQIII Dimensão aparência física de Marsh (1984), escala de materialismo de Richins (2004), conforme adaptada e validada no contexto brasileiro por Ponchio e Aranha (2008), e escala da Aceitação da Cirurgia Plástica Estética (ACSS) de Henderson-king e Henderson- King (2005). Foram coletados 217 questionários válidos no Brasil, compostos principalmente por residentes da cidade de São Paulo, e 142 questionários válidos na amostra portuguesa, a qual é constituída principalmente por moradores da cidade do Porto. Os resultados obtidos indicaram: (i) o efeito de gênero - as mulheres aceitam mais a CPE do que os homens; (ii) o efeito país - os brasileiros aceitam mais a CPE do que os portugueses; (iii) suportou parcialmente H1 - as pessoas de maior autoestima aceitam mais a cirurgia plástica estética do que os indivíduos com menor autoestima; (iv) suportou parcialmente H2 - as pessoas de menor autoestima do corpo aceitam mais a cirurgia plástica estética do que os indivíduos com maior autoestima do corpo; e por fim (v) indicou fortes evidencias para suportar H3 - as pessoas mais materialistas aceitam mais a cirurgia plástica estética do que os indivíduos menos materialistas. Uma das limitações do estudo está no uso de amostra não probabilística. Por fim, entre as contribuições desse trabalho, está o aspecto cross-cultural, que evidenciou que os brasileiros aceitam mais a CPE do que os portugueses. Palavras-chave: Autoestima, Materialismo, Cirurgias Plásticas Estéticas.

5 ABSTRACT This study aims to verify the influence of self-esteem, body esteem, and materialism in the acceptance of aesthetic plastic surgery (CPE) and compare CPE acceptance in Brazil and Portugal. For this, developed a literature review of the constructs investigated. From the theoretical framework, two specific objectives were developed: (i) determine the influence of self-esteem, body esteem, and materialism of the control variables in the acceptance of plastic surgery, and (ii) to compare the acceptance of CPE between individuals resident in Brazil and Portugal. Through the survey method, a questionnaire was applied by internet. It was created from the following scales: the Rosenberg Self-Esteem scale (1965), scale SQDIII - Dimension physical appearance of Marsh (1984), scale of materialism Richins (2004), as adapted and validated for the Brazilian context by Ponchio and Aranha (2008), and the Acceptance of Aesthetic Plastic Surgery (ACSS) of Henderson-King and Henderson-King (2005). Data collection in Brazil includes 217 valid questionnaires, composed mainly of residents of the city of São Paulo. In Portugal142 valid questionnaires compose the sample, s primarily of residents of the city of Porto. The results indicated that : (i) the effect of gender - women accept more CPE than men (ii) the effect country - Brazilians accept more CPE than the Portuguese (iii) partially supported H1 - People with higher self-esteem accept more CPE than individuals with lower self-esteem; (iv) partially supported H2 - People with lower body esteem accept more plastic surgery than individuals with higher body esteem, and finally (v) results indicated that strong evidence to support H3 - People materialist people accept more plastic surgery than individuals less materialistic. One limitation of the study is the use of non-probability sample in both data collections. This work contributes to the cross-cultural aspect, showing that the Brazilians longer accept the CPE than the Portuguese and verifies the gender influence, showing that women accept plastic surgery better than men. Keywords: Self-Esteem, Materialism, Aesthetic Plastic Surgery.

6 A minha família. Em memória a minha mãe e especialmente ao meu pai.

7 AGRADECIMENTOS Neste momento de construir um novo perfil profissional para esta nova carreira, levo comigo um pouco de cada professor que foram meus exemplos: Meu orientador Mateus Canniatti Ponchio por toda orientação, auxilio e incentivo, que se iniciou praticamente um ano antes do curso. Sua dedicação, empenho e contribuições foram fundamentais para a realização deste trabalho. Professora Luciana Faria, que perante as minhas dúvidas sobre cursar o Programa, me recebeu em sua casa, e sempre me incentivando. Professor Fabiano Rodrigues que sempre gentilmente respondeu aos meus s com todas as minhas dúvidas sobre a decisão de cursar o mestrado. Professora Thelma Rocha e a professora Vivian Strehlau por todo aprendizado e pelo apoio antes mesmo do inicio do curso. Portugal. Professora Susana Costa pela colaboração e empenho na coleta de dados em Aos meus colegas de sala, que tornaram os nossos encontros ótimos momentos. Agradecimento especial a Maria Laura Ferranty Mac Lennan, que foi mais que uma amiga um anjo da guarda. E ao Gabriel Vouga Chueke. apoio e carinho. A minha família por todo apoio e incentivo. E a todos os meus amigos por todo

8 Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos. Fernando Pessoa

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Tradução da Escala da Autoestima de Rosenberg Figura 2 Histograma da variável autoestima respondentes brasileiros Figura 3 Histograma da variável autoestima respondentes portugueses Figura 4 - Tradução da Escala SDQIII Dimensão aparência física (MARSH, 1984) Figura 5 Tradução da Escala de Materialismo de Richins (2004) Figura 6 Escala de Aceitação da Cirurgia Plástica Figura 7 - Matriz de Amarração Figura 8 - As variáveis de controle Figura 9 - Respostas dos entrevistados Figura 10 - Gráfico com o percentual de respondentes por faixa etária Figura 11 - Gráfico com o percentual de respondentes por gênero Figura 12 Gráfico com o percentual de respondentes por renda mensal no Brasil Figura 13 - Gráfico com o percentual de respondentes por renda anual em Portugal Figura 14 - Gráfico com o percentual de respondente por local de residência no Brasil Figura 15 - Gráfico com o percentual de respondentes por local de residência em Portugal.. 60 Figura 16 - Gráfico com o percentual de respondentes por nível de escolaridade no Brasil Figura 17 Gráfico com o percentual de respondentes por nível de escolaridade em Portugal... 62

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Estatísticas descritivas dos itens da escala de autoestima respondentes brasileiros Tabela 2 Estatísticas descritivas dos itens da escala de autoestima respondentes portugueses Tabela 3 Estatísticas descritivas dos itens da escala de autoestima do corpo respondentes brasileiros Tabela 4 Estatísticas descritivas dos itens da escala de autoestima do corpo respondentes portugueses Tabela 5 Estatísticas descritivas dos itens da escala de materialismo respondentes brasileiros Tabela 6 Estatísticas descritivas dos itens da escala de materialismo respondentes portugueses Tabela 7 Estatísticas descritivas dos itens da escala de aceitação à CPE respondentes brasileiros Tabela 8 Estatísticas descritivas dos itens da escala de aceitação à CPE respondentes portugueses Tabela 9 Comparação dos resultados das análises fatoriais com extração de fatores por componentes principais dos itens da escala de aceitação à CPE Tabela 10 Saída do Modelo de Regressão Linear Múltipla para explicar a dimensão INTRA do construto aceitação da cirurgia plástica Tabela 11 Saída do Modelo de Regressão Linear Múltipla para explicar a dimensão CONSIDER do construto aceitação da cirurgia plástica Tabela 12 Saída do Modelo de Regressão Linear Múltipla para explicar a dimensão SOCIAL do construto aceitação da cirurgia plástica Tabela 13 Modelo de Análise Fatorial Exploratória itens da escala de aceitação à CPE respondentes brasileiros Tabela 14 Modelo de Análise Fatorial Exploratória itens da escala de aceitação à CPE respondentes portugueses... 84

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ACSS Aceitação da Cirurgia Plástica Estética CPE Cirurgia Plástica Estética IMC Índice de Massa Corporal

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVAS E CONTRIBUIÇÕES ESTRUTURA DO TRABALHO REVISÃO DA LITERATURA AUTOESTIMA AUTOESTIMA DO CORPO MATERIALISMO ACEITAÇÃO DA CIRURGIA PLÁSTICA ESTÉTICA RELAÇÃO ENTRE A AUTOESTIMA, A AUTOESTIMA DO CORPO, O MATERIALISMO E A ACEITAÇÃO DA CIRURGIA PLÁSTICA ESTÉTICA Relação entre a autoestima e a cirurgia plástica estética Relação entre a autoestima do corpo e a cirurgia plástica estética Relação entre o materialismo e a cirurgia plástica estética METODOLOGIA MÉTODO DE PESQUISA E COLETA DE DADOS POPULAÇÃO E AMOSTRA ESCALAS UTILIZADAS NA COLETA DE DADOS Escala da Autoestima Escala da Autoestima do corpo Escala do Materialismo Escala de aceitação à cirurgia plástica estética MATRIZ DE AMARRAÇÃO PRÉ TESTE DO QUESTIONÁRIO Coleta de dados Resultados ANÁLISES E RESULTADOS CARACTERIZAÇÃO DAS AMOSTRAS BRASILEIRA E PORTUGUESA Idade dos respondentes... 57

13 4.1.2 Gênero dos respondentes Renda dos respondentes Cidade dos respondentes Escolaridade dos respondentes TESTES DAS HIPÓTESES DE PESQUISA Modelo de Regressão Linear para explicar a dimensão INTRA Modelo de Regressão Linear para explicar a dimensão CONSIDER Modelo de Regressão Linear para explicar a dimensão SOCIAL SINTESE DOS RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS IMPLICAÇÕES ACADÊMICAS E GERENCIAIS LIMITAÇÕES DO ESTUDO SUGESTÕES PARA ESTUDOS FUTUROS REFERÊNCIA APÊNDICE A APÊNDICE B APÊNDICE C... 84

14 14 1 INTRODUÇÃO A cirurgia plástica estética (CPE) refere-se a uma especialidade que tem como objetivo principal a manutenção, restauração ou melhoria da aparência física de uma pessoa saudável, por meio de técnicas médicas e cirúrgicas (ASPS, 2011). A palavra plástica, em cirurgia plástica, não denota artificial, trata-se de uma derivação da palavra grega plastikos, que significa moldar, dar a forma. A CPE abrange duas subespecialidades, a saber: (i) reconstrutiva, realizada devido a deformidade congênita, anormalidades de desenvolvimento, trauma, infecção, tumores ou doenças; e (ii) estética, que remodela as estruturas normais do corpo com o objetivo de melhorar a aparência e a autoestima (ASPS, 2011). Os Estados Unidos da América (EUA) são o maior mercado mundial em número de CPE realizadas, com 1,1 milhão de cirurgias. Em segundo lugar no ranking mundial está o Brasil, com 905,1 mil procedimentos já realizados. Entretanto, proporcionalmente, em 2011, o número de CPE a cada 1000 habitantes foi maior no Brasil do que nos EUA, com uma média de 4,6, no primeiro, versus 3,5, no segundo (FOLHA DE SÃO PAULO, 2013). Sobre estas estatísticas, estudiosos como Sarwer e Crerand (2008) sugerem que elas subestimam o número real dos procedimentos realizados, uma vez que este total não engloba os tratamentos para a melhora da aparência que são feitos por outros profissionais que não os cirurgiões plásticos. Enquanto o Brasil figura como segundo maior mercado mundial de CPE, Portugal não aparece no ranking divulgado pela Folha de São Paulo (2013). De acordo com estimativas do estudo da Icon Group International (2009), em 2010, em Portugal, o número de CPE seria baixo, representando 1,8% das cirurgias realizadas na Europa, o que lhe confere o 18º lugar no ranking dos 25 países europeus responsáveis por 97% das CPEs no continente. O número de CPEs realizadas em Portugal compreende, portanto, apenas 0,36% do total de procedimentos realizados no mundo. Dentro do país, a cidade de Lisboa ocupa o 1º lugar no ranking em número de CPEs, seguida pela cidade do Porto. O mesmo estudo apontou como as cidades brasileiras com os maiores números de CPE a cidade de São Paulo, em 1º lugar, e a do Rio de Janeiro, em 2º lugar.

15 15 Em face desses dados, o presente trabalho se propõe a compreender a aceitação da CPE no Brasil e em Portugal, testando três construtos investigativos, quais sejam: a autoestima, a autoestima do corpo e o materialismo. A decisão por esses construtos deriva da ausência de estudos que investiguem a sua influência na aceitação da CPE e que comparem a aceitação da CPE entre brasileiros e portugueses. Para a realização deste trabalho será utilizada a abordagem quantitativa, com o método survey, aplicada por meio da internet. 1.1 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA Diante do panorama apresentado, formula-se o seguinte problema de pesquisa: qual a influência da autoestima, da autoestima do corpo, e do materialismo na aceitação da cirurgia plástica estética? 1.2 OBJETIVO GERAL O objetivo geral deste trabalho é testar a influência da autoestima, da autoestima do corpo, e do materialismo na aceitação da cirurgia plástica estética. 1.3 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Os objetivos específicos deste trabalho são: A) Verificar a influência da autoestima, da autoestima do corpo, do materialismo e das variáveis de controle na aceitação da cirurgia plástica estética. As variáveis de controle idade, renda, gênero, local de residência, nível de instrução e renda serão analisadas para entender possíveis comportamentos de grupos similares, que os levam a aceitar mais ou menos a CPE (Por exemplo, no perfil dos pacientes brasileiros divulgado na pesquisa do Datafolha (2009) sobre as cirurgias estéticas, quanto ao gênero, 88% eram mulheres e 12%, homens, e quanto à faixa etária, 38% possuíam

16 16 entre 19 e 35 anos e 34%, entre 36 e 50 anos.). Este objetivo específico também remete às três hipóteses deste trabalho, quais sejam: H1: As pessoas de maior autoestima aceitam mais a cirurgia plástica estética do que os indivíduos com menor autoestima; H2: As pessoas de menor autoestima do corpo aceitam mais a cirurgia plástica estética do que os indivíduos com maior autoestima do corpo; H3: As pessoas mais materialistas aceitam mais a cirurgia plástica estética do que os indivíduos menos materialistas; B) Comparar a aceitação da CPE entre os indivíduos residentes no Brasil e em Portugal: como visto, o Brasil é o segundo maior mercado mundial de CPE em números de procedimentos realizados e o maior mercado em números de CPE a cada habitantes (FOLHA DE SÃO PAULO, 2013), ao passo que Portugal possui baixo número de realização de CPE. Possuindo os dois países números de CPE diferentes, neste estudo busca-se entender se há diferença também na aceitação da CPE entre brasileiros e portugueses. 1.4 JUSTIFICATIVAS E CONTRIBUIÇÕES O mercado de CPE encontra-se em crescimento contínuo nos últimos anos, sendo o Brasil um importante player mundial (ISTOÉ, 2011). Diversos fatores podem ter contribuído para este aumento no mercado dos procedimentos e das cirurgias estéticas, entre eles: as atitudes positivas para aprimoramento da aparência (SARWER et al, 2005; SARWER; CASH; MAGEE, 2005); a maior disponibilidade de rendimentos entre os pacientes, menor custo dos procedimentos, avanços nos procedimentos cirúrgicos, avanços nos procedimentos cirúrgicos em termos de segurança (que contribuíram para reduzir a ansiedade do paciente quanto aos procedimentos cosméticos), cobertura da mídia, aumento de procedimentos cosméticos (EDMONDS, 2007; SARWER et al., 2003; SARWER, CRERAND, GIBBONS, 2007; SARWER, MAGEE; CRERAND, 2003); autoavaliação da atratividade (BROWN et al, 2007; SWAMI et al, 2009); aparência baseada em sensibilidade à rejeição (PARK et al, 2008); imagem negativa do corpo (CASH, GOLDENBERG-BIVENS; GRASSO, 2005;

17 17 HENDERSON-KING, HENDERSON-KING, 2005; VON SOEST et al, 2006); maior ênfase na aparência física (SARWER et al., 2003), crescente importância da aparência física na cultura ocidental contemporânea (SWAMI, 2007; SWAMI et al, 2008); exposição na mídia, exposição aos reality shows de cirurgia plástica (SPERRY et al 2009); valores materialistas, e atitudes paternas (HENDERSON-KING; BROOKS, 2009). De fato, vários fatores podem ter contribuído para este aumento na popularidade da cirurgia plástica. Na última década, observa-se aumento na cobertura da cirurgia estética pela mídia (SARWER et al., 2003; CROCKETT; PRUZINSKY, PERSING, 2007), incorporando na consciência pública tais procedimentos (TAIT, 2007). Segundo Sarwer et al. (2003), os indivíduos estão cada vez mais expostos, por meio de suas redes sociais, à possibilidade de fazer a cirurgia estética. As propagandas e revistas que prometem ajudar a aumentar a atratividade, apresentando os mais recentes procedimentos cirúrgicos, e os reality shows da televisão, que comemoraram a transformação da aparência física, são vistos, hoje, com naturalidade. Entretanto, apesar das tantas variáveis que auxiliam a mensurar o aumento do interesse pela CPE, há uma lacuna na literatura especializada sobre a influência da autoestima, da autoestima do corpo e do materialismo na aceitação da CPE, que ajudaria a testar as escalas construídas para estes constructos na mensuração da aceitação da CPE. Há também ausência de pesquisas que procurem entender a aceitação da CPE no Brasil e em Portugal em um estudo comparativo, a fim de verificar se o tamanho do mercado está relacionado com a aceitação ao procedimento ou não. 1.5 ESTRUTURA DO TRABALHO Este trabalho está dividido em cinco capítulos, sendo eles: a Introdução, a Revisão da Literatura, a Metodologia, a Análises de Resultados e as Considerações finais. Na Introdução, é apresentado o trabalho, seu objetivo, o problema de pesquisa a ser investigado e a justificativa do estudo. Em seguida, na Revisão da Literatura, são apresentados os referenciais teóricos utilizados para a fundamentação do

18 18 trabalho. Os construtos expostos referem-se à autoestima, à autoestima do corpo, ao materialismo e às influências sociais na aceitação da cirurgia plástica estética. O capitulo seguinte refere-se à metodologia, que demonstra como foi realizada a pesquisa desse trabalho, seu método de pesquisa, a coleta de dados, e as escalas que compuseram o questionário. Já no quarto capítulo são apresentadas as análises dos resultados da pesquisa. Finalmente, no quinto capítulo são oferecidas as considerações finais do estudo.

19 19 2. REVISÃO DA LITERATURA Neste capítulo são apresentados e discutidos os conceitos de: (i) autoestima, (ii) a autoestima do corpo, (iii) materialismo e (iv) aceitação de cirurgia plástica estética. Em seguida são apresentadas as relações entre a cirurgia plástica e a autoestima, a autoestima do corpo, e o materialismo. As hipóteses a serem testadas nesta monografia emergem desta discussão. 2.1 AUTOESTIMA Por autoestima entende-se a avaliação que o indivíduo faz de si mesmo. Segundo Coopersmith (1967), a autoestima é o julgamento que o indivíduo faz, e que rotineiramente alimenta, em relação a si mesmo. Ela significa uma atitude de aceitação ou não aceitação e indica em que grau o indivíduo se crê capaz, importante e fundamental. A autoestima constitui uma ponderação de valores, que se manifesta nas atitudes que o indivíduo costuma ter em relação a si mesmo. Trata-se, portanto, de uma experiência subjetiva que a pessoa demonstra aos outros, por meio de relatos verbais e expressões públicas de comportamentos observáveis. A totalidade de juízos de valor que uma pessoa tem sobre si mesma é chamada de autoestima global. Essa autoestima global permite uma avaliação, de caráter geral, dos vários componentes da autoestima, tais como valor pessoal, respeito por si mesmo, autoconfiança e amor próprio (ROSENBERG, 1986). Michener, Delamater e Myers (2005) apresentam três fontes principais de autoestima: (i) experiência familiar, (ii) feedback do desempenho e (iii) comparação social. A comparação social pode afetar a autoestima, pois quando o indivíduo se compara a pessoas que ocupam posições sociais inferiores, ele tende a se autovalorizar, mas, quando as comparações são realizadas com pessoas de posições sociais superiores, o indivíduo pode ter seu bem-estar e sua autoestima reduzidos. As alterações nos estados da autoestima são divididas por Rosenberg (1965) em três níveis, o baixo, o médio e o alto: a) a baixa autoestima é caracterizada pelo sentimento de incapacidade, de inadequação à vida e de incompetência para superar desafios;

20 20 b) a média autoestima consiste na flutuação entre os sentimentos de adequação e de inadequação à vida, representando uma inconsistência que reflete no comportamento do indivíduo; c) a alta autoestima representa um sentimento de confiança e competência; A autoestima também está relacionada a construtos psicológicos como o bem-estar (SANCHEZ; BARRON, 2003) e o autoconceito (MARTIN-ALBO et al, 2007). Solomon (2008) afirma que a autoestima está relacionada com a positividade do autoconceito de um indivíduo. O autoconceito, por sua vez, é o entendimento cognitivo e afetivo que uma pessoa tem a respeito de quem somos e do que somos (SCHOUTEN, 1991), um conjunto de crenças que um indivíduo possui sobre os seus atributos e sobre como se avaliar (SOLOMON, 2008). O autoconceito abrange elementos como as identidades de papéis, atributos pessoais, relacionamentos, fantasias, possessões e outros símbolos que os indivíduos usam para fins de autocriação e autocompreensão (BELK, 1988; SCHOUTEN, 1991). Dos muitos símbolos e expressões de si, o corpo ocupa um lugar de extrema importância psíquica (BELK; AUSTIN, 1986) e cultural (POLHEMUS, 1978; OBEYESEKERE, 1981). Um componente importante do autoconceito é a imagem, a percepção e a avaliação do próprio corpo, em termos de elementos como o tamanho e a capacidade de atração (FISHER, 1986). De acordo com Sirgy (1982), há três divisões do autoconceito: (i) o real, que se relaciona ao modo como as pessoas se enxergam na realidade, conforme os fatos e as experiências de cada um; (ii) o ideal, que corresponde ao ego ideal, ou seja, à forma como o indivíduo gostaria de ser, e não à forma como ele entende que realmente seja; e, por fim, o (iii) autoconceito social, que se refere ao modo como o indivíduo apresenta o seu eu para as pessoas que o cercam. Como visto, a definição de autoestima abrange diversas variáveis. Há autores que definem a autoestima como uma linha que reflete a estabilidade durante um período de tempo, ou como um estado que reflete uma réplica de situações ou eventos de vida (HARTER; WHITESELL, 2003). Cole et al. (2001), por outro lado, sugerem que o desenvolvimento deste atributo possua descontinuidades, ao invés de um curso estável ao longo da vida. Neste trabalho, optou-se por utilizar a Escala de Autoestima de Rosenberg EAR (ROSENBERG, 1965) para mensurar a autoestima. A Escala de Autoestima é

21 21 definida pelo autor como um instrumento unidimensional capaz de qualificar o nível da autoestima de um indivíduo em baixo, médio e alto. O instrumento possui dez itens fechados, sendo que cinco se referem à autoimagem, ou autovalor positivo, e os outros cinco à autoimagem negativa, ou autodepreciação. Esta escala foi traduzida, validada e aplicada no Brasil por Dini, Quaresma e Ferreira (2004), e será aplicada neste trabalho sem novas adaptações, já que no pré teste qualitativo realizado, a escala foi considerada apropriada aos propósitos deste trabalho. 2.2 AUTOESTIMA DO CORPO Após compreender a autoestima, o autoconceito e seus elementos, busca-se mensurar neste trabalho a autoestima do corpo por meio da ponderação que o individuo faz de seu autoconceito, na dimensão da aparência física. Para isso, é utilizada a escala Self Description Questionnaire (SDQIII) de Mash (1984) que avalia o autoconceito em jovens adultos. A escala possui dez itens, sendo metade de seus itens formulados na forma negativa. O constructo autoestima do corpo faz-se importante, pois de acordo com a revisão da literatura da seção 2.5.2, há diversos achados na literatura que relacionam a influencia da satisfação com a aparência física, com o corpo, com o autoconceito e a aceitação a CPE. 2.3 MATERIALISMO O termo materialismo denota a importância que um indivíduo atribui às suas posses mundanas (BELK, 1984). Segundo Belk (1984), os níveis mais altos de materialismo são assumidos quando as posses ocupam lugar central na vida de uma pessoa e se tornam a sua maior fonte de satisfação ou insatisfação. Na visão de um materialista as posses são centrais em sua vida, e o aumento do consumo eleva a sua satisfação pessoal. Para os materialistas, as posses materiais são utilizadas para caracterizar e comunicar seus valores (RICHINS, 2004). De acordo com a escala de Richins e

22 22 Dawson (1992), o materialismo possui três dimensões de valor: o sucesso (em que as posses são entendidas como fator de sucesso), a centralidade (em que a aquisição é vista como o ponto central da vida do indivíduo) e a felicidade (em que a aquisição corresponde à busca da felicidade). Na dimensão do sucesso, os materialistas tendem a julgar a si próprios e aos outros pelo número e qualidade de seus bens acumulados; na centralidade, os materialistas fazem das posses o foco central de suas vidas; e na dimensão da felicidade, as relações dos materialistas com os bens são essenciais para sua satisfação e seu bemestar. Assim, o valor dos bens, para os materialistas, reside na capacidade que eles têm de conferir determinado status e de projetar a autoimagem por eles desejada. Segundo Richins e Dawson (1992), as pessoas materialistas têm um sistema de crenças central e comportamentos que as distinguem das pessoas menos materialistas. Estes indivíduos mais materialistas dão mais valor às posses do que os menos materialistas. Richins (1994) sugere que os consumidores mais materialistas podem obter prazer ao adquirirem ou mostrarem um bem, e não ao usá-lo. Os mais materialistas são mais autocentrados e preferem utilizar seus recursos para si próprios, ao invés de compartilhá-los com os outros, mesmo que sejam amigos íntimos ou familiares (RICHINS; DAWSON, 1992). Quando Fournier e Richins (1991) entrevistaram diferentes consumidores para descobrirem como eles enxergavam os consumidores materialistas, os entrevistados caracterizaram os materialistas como indivíduos que querem possuir o que há de melhor, os bens mais caros e outras possessões que confiram status. Os mais materialistas, em comparação com os menos materialistas, se vêem como mais gastadores e favoráveis à aquisição de empréstimos em diversas situações, como para comprar artigos de decoração, carros, barcos, uma segunda casa ou, até mesmo, para viajar de férias. Deste modo, embora os mais materialistas não se diferenciem substancialmente dos menos materialistas nos seus comportamentos de poupança, eles se diferenciam significativamente na atitude de fazer um empréstimo para comprar itens não necessários (WATSON, 2003). Há outros pesquisadores que possuem uma visão diferente a respeito do materialismo, como, por exemplo, Micken e Roberts (1999). Eles afirmam que os materialistas estão à procura de segurança e sentem a necessidade de afastar os sentimentos de ambiguidade. Portanto, as pessoas mais materialistas poderiam ser

23 23 focadas não apenas pela aquisição de bens como sinais de status, mas também pela tentativa de fixarem sua identidade pessoal. Outros pesquisadores entendem que o materialismo é um mecanismo para os consumidores enfrentarem os sentimentos de incerteza em relação ao eu e às normas da sociedade (CHANG; ARKIN, 2002). O materialismo também pode ser analisado com base nas consequências sociais ou individuais que causa, as quais podem ser positivas ou negativas. Os argumentos dos efeitos sociais positivos do materialismo giram em torno dos critérios econômicos tradicionais, que estão relacionados ao padrão de vida da sociedade capitalista, em que o crescimento é o principal critério de sucesso. O crescimento econômico, em algumas sociedades, coincide com o progresso, e este é definido como progresso material (KILBOURNE; LAFORGE, 2010). Neste contexto, o materialismo seria caracterizado como um atributo positivo que beneficia a sociedade a longo prazo, promovendo um crescimento ainda maior. Bredemeier e Toby (1960) argumentam que o materialismo se tornou a nova religião secular na sociedade americana, como resultado deste processo. Em oposição aos argumentos que consideram o materialismo como algo positivo para a sociedade, as consequências sociais negativas foram centradas nas consequências ambientais do materialismo. Conforme afirma Dobson (2007), cada indivíduo é livre para perseguir o ganho material, embora nem todo desejo possa ser alcançado, pois o ambiente se tornará degradado. Shultz e Holbrook (1999) caracterizam este processo de busca do ganho material como uma armadilha social, decorrente de situações em que a ação de qualquer indivíduo não tem efeito imediato sobre o ambiente, mas as somas dessas ações individuais produzem consequências nefastas para todos. Ao se referirem às consequências individuais, Rindfleisch e Burroughs (2004) sugerem que o comportamento de consumo pode ser usado, por exemplo, no desenvolvimento da identidade individual (HOLT, 1997), na fixação da identidade (MICKEN; SCOTT, 1999), no desenvolvimento de experiências coletivas (FIRAT; VENKATESH, 1995), e também nas comunidades da marca (SHOUTEN; MCALEXANDER, 1995). Rose e Dejesus (2007) afirmam que o consumo pode ser usado como um meio para aumentar o sentimento de pertencer, e aqueles que possuem essa necessidade podem ter predisposição para o materialismo. Assim, o consumo pode proporcionar um sentido para se alcançar os objetivos de vida (RINDFLEISCH;

24 24 BURROUGHS, 2004). Segundo esta linha de pensamento, o materialismo pode ter efeitos positivos sobre a identidade individual, consistindo a definição do eu na soma total de tudo que pode ser chamado de seu (KILBOURNE; LAFORGE, 2010). Entretanto, no que diz respeito ao indivíduo, Arndt et al. (2004) ligam o materialismo ao seu oposto, sugerindo que as mais altas necessidades intrínsecas não podem ser satisfeitas com bens materiais, contrariamente à ideologia do consumo que sugere que a posse material pode gerar a satisfação (HETRICK, 1989). É importante salientar também que o materialismo pode se tornar um problema nas situações em que o objetivo físico de consumo ofusca todos os outros objetivos do eu e do desenvolvimento interativo (BELK, 1985; RICHINS, DAWSON, 1992). Richins e Dawson (1992) e Burroughs e Rindfleisch (2002) demonstram que há uma relação negativa entre o materialismo e o bem-estar. O fato de um indivíduo ser excessivamente focado na aquisição de bens materiais (isto é, ser muito materialista) tem sido associado com a baixa autoestima (RICHINS; DAWSON, 1992), com a insatisfação e com baixos níveis de bem-estar subjetivo (BURROUGHS; RINDFLEISCH, 2002). Lens, Pandelaere e Warlop (2010) investigaram as relações entre a exposição à publicidade, a autoestima e o materialismo. Participaram do experimento 189 pessoas. Parte destes participantes foi exposta a cinco anúncios de produtos de luxo e, para cada anúncio, eles indicaram em que medida se sentiam capazes de pagar pelo produto. Os demais participantes (grupo de controle) também indicaram em que grau se sentiam capazes de pagar por aqueles produtos, mas sem virem os anúncios. Em seguida, foram mensurados os níveis de autoestima (ROSENBERG, 1965), de materialismo (RICHINS; DAWSON, 1992) e da importância momentânea ligada aos objetivos relacionados com o materialismo, por exemplo, o sucesso financeiro ou o status social (KASSER, RYAN 1996). Os resultados demonstraram um aumento significativo de materialismo no grupo exposto à publicidade, em comparação com o grupo de controle. Além disso, a exposição à publicidade aumentou significativamente a autoestima dos consumidores que acreditavam que podiam pagar pelos luxos apresentados, em comparação aos consumidores que não podiam pagar. No entanto, é possível que a acessibilidade percebida seja uma consequência e não um antecedente da autoestima. Os consumidores com elevada autoestima podem ser mais otimistas quanto à possibilidade de comprar itens anunciados. Sugere-se que quanto mais o indivíduo se sente capaz de arcar com o preço dos produtos, maior será o

25 25 aumento do materialismo após a exposição. Do mesmo modo, quanto mais a pessoa se sente capaz de arcar com o valor dos produtos, maior será o aumento da autoestima após a exposição e vice-versa. Lens, Pandelaere e Warlop (2010) afirmam que a exposição à publicidade pode induzir ao materialismo, sendo mais provável que isso ocorra em consumidores que se sentem capazes de pagar pelos produtos anunciados. No experimento anteriormente citado, notou-se que os consumidores que afirmaram poder comprar os produtos de luxo anunciados tenderam a expressar níveis mais elevados de autoestima. Outra descoberta está relacionada com os efeitos da exposição ao anúncio, que desapareceram quando os consumidores se imaginaram proprietários dos produtos. Outro fator encontrado na revisão da literatura foi a relação entre o materialismo e as variáveis demográficas. Em relação ao gênero, os resultados dos estudos demonstram que, em alguns casos, os homens são mais materialistas do que as mulheres (BEUTEL; MARINI, 1995; LA BARBERA; GUHAN, 1997; RYAN; DZIURAWIEC, 2001). Browne e Kaldenberg (1997), utilizando a escala de valores materiais de Richins (2004), concluíram que os homens foram mais materialistas nos domínios do sucesso e da felicidade, enquanto as mulheres foram mais materialistas no domínio da centralidade. Roberts (2000) concluiu que as mulheres eram mais propensas a se envolver em compras compulsivas do que os homens. Roberts e Clemente (2007) concluíram que os homens foram mais materialistas do que as mulheres apenas no domínio da felicidade. Entretanto há evidências divergentes disso, por exemplo, Ponchio, Aranha e Todd (2007) não encontraram em seu estudo a associação entre materialismo e gênero. Foram encontradas diferenças também em outras variáveis demográficas, como idade, renda e educação. Para a idade, os resultados são novamente mistos. Roberts e Clemente (2007) encontraram uma relação negativa entre materialismo e idade. Já Roberts (2000) encontrou uma relação positiva, e Goldberg et al. (2003) e Ryan e Dziurawiec (2001) não encontraram nenhuma relação. Ponchio (2006) verificou que os indivíduos mais jovens tendem a ser mais materialistas que os mais velhos. Para a variável educação os resultados são novamente mistos. Roberts e Clemente (2007) não encontraram uma relação, La Barbera e Gürhan (1997) encontraram correlação negativa e Ponchio (2006) encontrou, como resultado, o fato de

26 26 que os adultos analfabetos tendem a ser menos materialistas do que os adultos alfabetizados tardiamente. Para a variável renda, os resultados são mistos também. Roberts e Clemente (2007) verificaram que a renda não estava relacionada com o materialismo, exceto para a dimensão de felicidade, para a qual a relação encontrada foi negativa. Ryan e Dziurawiec (2001) não encontraram nenhuma relação entre materialismo e renda, e Goldberg et al. (2003) encontraram relação negativa, entre os jovens. La Barbera e Gürhan (1997) verificaram que o materialismo estava relacionado com bem-estar subjetivo, através de interação com a renda. Entretanto, Ponchio (2006) não encontrou evidência de que materialismo se associe com renda, assim como com as variáveis de gênero e raça. A escala utilizada para se medir os níveis de materialismo neste trabalho será a escala de Richins (2004), traduzida e validada para o contexto brasileiro por Ponchio e Aranha (2008) ACEITAÇÃO DA CIRURGIA PLÁSTICA ESTÉTICA Segundo Henderson-King e Henderson-King (2005), uma forma para medir as atitudes em relação à cirurgia estética seria simplesmente perguntar a alguém se ele(a) consideraria a hipótese de fazer uma cirurgia plástica. Esse questionamento permitiria que se verificasse o grau de aceitação das pessoas quanto a fazer uma cirurgia estética. No entanto, é possível que um indivíduo afirme ter interesse em cirurgias plásticas, ao ser questionado, embora não tenha nenhum interesse em realizar de fato uma cirurgia. Por esse motivo, os autores desenvolveram a Escala de Aceitação de Cirurgia Plástica (ACSS), um instrumento de três dimensões que permite explorar a relação entre a aceitação da cirurgia estética e as experiências do corpo (por exemplo, a estima do corpo) e do eu (por exemplo, os possíveis eus, referentes a papéis sociais, adotados pelo indivíduo). Henderson-King e Henderson-King (2005) propuseram-se a desenvolver uma medida para o grau em que os indivíduos aceitam a cirurgia estética, com fundamentos na motivação para fazê-la. As duas fontes de motivação utilizadas para se medir a aceitação da cirurgia plástica são: as razões sociais e as razões intrapessoais.

27 27 Henderson-King e Henderson-King (2005) consideraram em sua base teórica os estudos de Cash (1985, 2002) e Cash e Fleming (2002), que afirmam a existência de duas perspectivas que podem ser adotadas na psicologia da aparência física: (i) a aparência da experiência subjetiva do indivíduo e (ii) a visão das pessoas como objetos sociais. Cash (1987, 1988) também descobriu que o uso de cosméticos e os cuidados com a aparência são utilizados na gestão da autoimagem e nas impressões sociais. Desde o inicio do século passado já se discutia os aspectos da influencia social na aparência, por exemplo, Mead (1934) afirmava que era praticamente inconcebível que uma pessoa possa desenvolver um senso do eu exterior fora do ambiente social. A respeito dos fatores intrapessoais, Haiken (1997) afirma que as pessoas consideram a possibilidade de fazer a cirurgia plástica devido a um profundo sentimento de inadequação pessoal em relação à sua aparência. Sendo assim, ao invés de resumir a vaidade dos indivíduos, a cirurgia plástica passou a ser vista como algo que possibilita ao indivíduo reparar um dano em seu autoconceito. Os dois principais motivos para se cogitar a realização de uma cirurgia estética, o intrapessoal e o social, são evidências de que as pessoas que procuram a cirurgia plástica apresentam preocupações intrapsíquicas (por exemplo, querem se sentir melhores em relação a si mesmas) e preocupações sociais (por exemplo, querem parecer mais jovens, por razões sociais ou de negócios). Desse modo, além de avaliar o grau de aceitação dos indivíduos quanto a realizar uma cirurgia plástica, a escala ACSS avalia também o quanto esse interesse decorre dos motivos intrapessoal e interpessoal (HENDERSON-KING; HENDERSON-KING, 2005). Os resultados da escala aplicada no Brasil mostraram que a ACSS em português reduziu a uma solução de três fatores, sendo eles: o fator intrapessoal, Social e Considerar, sendo os mesmos do trabalho original da ACSS. Todos os escores da ACSS mostraram elevada consistência interna, sugerindo que pode ser uma medida confiável para medir a aceitação a cirurgia plástica estética. Não foram encontradas diferenças significativas entre gênero, sobre a pontuação global da ACSS ou sobre os fatores intrapessoais e Sociais. Embora as mulheres fossem significativamente mais propensas a ter maior pontuação na sub-escala Considerar,o tamanho do efeito dessa diferença foi relativamente pequeno. Estes resultados contrastam com estudos anteriores que utilizaram a ACSS, que têm mostrado que as mulheres tendem a ter escores significativamente mais altos do que os homens nas sub-escalas: Interpessoal e

28 28 considerar. Entretanto a amostra brasileira de homens foi inferior à das mulheres (SWAMI, et al, 2011). 2.5 RELAÇÃO ENTRE A AUTOESTIMA, A AUTOESTIMA DO CORPO, O MATERIALISMO E A ACEITAÇÃO DA CIRURGIA PLÁSTICA ESTÉTICA A seguir será analisada a relação entre a aceitação à cirurgia plástica e os construtos estudados neste trabalho Relação entre a autoestima e a cirurgia plástica estética A cirurgia plástica tornou-se um procedimento que possibilita ao indivíduo reparar um dano do seu autoconceito. Com isso, ao longo do tempo, a cirurgia estética passou a ser vista como uma ferramenta a ser empregada na tentativa de manter ou aumentar a autoestima (HENDERSON-KING; HENDERSON-KING, 2005). De acordo com Gonçalves (2001), na clínica particular, os médicos podem considerar também a reparação psicológica do paciente, entendendo a cirurgia plástica como um conceito mais amplo, o de que toda cirurgia estética é reparadora, pois repara problemas psíquicos, como traumas, inibições, complexos, e não apenas os problemas fisiológicos. Um estudo feito por Delinsky (2005) demonstrou que quanto maior é a importância da aparência para a autoestima das mulheres, maior é a aprovação delas em relação à cirurgia plástica. Segundo o autor, foi constatado também que quanto maior a autoestima global da mulher, maior é a sua aprovação para com a cirurgia plástica estética. Entretanto, a relação entre uma maior autoestima e a maior aceitação a CPE pode estar associada com a noção de que a procura, a aprovação da cirurgia, não signifique necessariamente uma resposta a uma baixa autoestima, e sim um passo positivo tomado para preservá-la. É possível também que, para as pessoas de maior autoestima, a CPE seja algo positivo, sendo um meio pró-ativo de reforçar a autoimagem (GOIN; GOIN, 1987).

29 29 Outra descoberta de Delinsky (2005) é a forte relação inversa entre a aprovação da CPE e a importância da virtude para a autoestima. A virtude, neste caso, é um construto que representa um código moral e princípios éticos, sendo crucial para o sentimento de autoestima. A relação inversa entre a aprovação da CPE e a importância da virtude para a autoestima sugerem que, para alguns indivíduos, que enfatizam a virtude, a CPE pode ser irrelevante, pois o objetivo da cirurgia não é pertinente, segundo os valores morais. Ao contrário dos resultados encontrados na literatura sobre a correlação entre a autoestima e o interesse em realizar as CPEs, Swami et al (2008) verificaram que a baixa autoestima não se correlacionou com a maior probabilidade de se fazer uma cirurgia estética. Pelo contrário, a autoestima foi associada com a atração e a autoavaliação, que, por sua vez, foi negativamente associada com a maior probabilidade de se considerar uma cirurgia estética. Markey e Markey (2009) também evidenciam que não se confirma a hipótese de que a autoestima seja preditora do interesse pela cirurgia plástica, ou seja, a hipótese de que a baixa autoestima está relacionada a um maior interesse por cirurgias plásticas. Como visto, encontra-se na literatura resultados divergentes sobre a influência da autoestima na aceitação a CPE. Para esse trabalho, adota-se como hipótese de pesquisa a influência da autoestima na aceitação da CPE, conforme os resultados de Henderson-King e Henderson-King (2005), embora haja estudos que não encontraram tal influência. Assim, tem-se como primeira hipótese de pesquisa: H1: As pessoas de maior autoestima aceitam mais a cirurgia plástica estética do que os indivíduos com menor autoestima; Relação entre a autoestima do corpo e a cirurgia plástica estética A imagem corporal negativa, a baixa autoestima e a nostalgia por dias melhores combinam-se para produzir nos indivíduos um forte sentimento de insatisfação consigo mesmos (ROUNTREE; DAVIS, 2011). O sentimento de nostalgia consiste na emoção causada por um sentimento negativo quanto ao presente (GOULDING, 2001). A autoinsatisfação, combinada com falhas cometidas no passado,

30 30 pode levar as pessoas a adotarem medidas extremas para saírem desta situação, incluindo o consumo de produtos e a realização de procedimentos cirúrgicos para melhorarem o corpo, mesmo que estes procedimentos sejam de alto risco (ROUNTREE; DAVIS, 2011). A aparência física está ligada ao autoconceito e, consequentemente, à autoestima. De acordo com Solomon (2008), a aparência física de uma pessoa é uma parte considerável de seu autoconceito. Schouten (1991) realizou um estudo para obter insights sobre o papel de comportamentos do consumo simbólico na manutenção ou reconstrução do autoconceito. O autor estudou as formas de consumo analisando o consumo da CPE (cirurgia plástica estética), definida por ele como um meio para melhorar a atratividade física de cada um. Em seu estudo, o pesquisador considerou o fato de a CPE ser um processo irreversível, caro, doloroso, potencialmente perigoso, altamente visível e intimamente pessoal (SCHOUTEN, 1991). A autopercepção de atratividade e a satisfação com a aparência mostraramse preditores significativos do interesse pela CPE. Os indivíduos que se percebem (completa ou parcialmente) como pouco atraentes são mais propensos a considerar a realização de uma cirurgia plástica do que aqueles que se percebem como atraentes ou estão satisfeitos com seu aspecto físico (SARWER et al., 1998; DIDIE; SARWER, 2003; HENDERSON-KING, HENDERSON-KING, 2005; BROWN et al., 2007). Brown (2007) também verificou que as baixas autoavaliações de atratividade estão relacionadas a uma maior probabilidade de se fazer uma CPE. Aqueles que se sentiram fisicamente pouco atraentes eram mais abertos a uma cirurgia plástica, o que apóia a idéia de que não conseguir atingir os ideais sociais de atratividade provoca a insatisfação com o corpo e, possivelmente, leva o indivíduo a considerar a realização de uma cirurgia estética. Os indivíduos que se classificaram com uma atratividade física menor foram mais propensos a considerar a realização de uma cirurgia estética (BROWN et al., 2007; SWAMI et al., 2008) e os que apresentaram maior insatisfação com o corpo mostraram ser mais propensos a realizar a CPE do que os indivíduos satisfeitos (MARKEY; MARKEY, 2009). A CPE aparece como uma forma de afastar possíveis resultados negativos da baixa atratividade, em geral não como uma forma de atingir os níveis desejados de atratividade física (HENDERSON-KIN; HENDERSON-KING, 2005). Pesquisas sobre os efeitos de negatividade indicam que as pessoas tendem a ser mais influenciadas por

31 31 informações negativas do que positivas (FISKE, 1980). Esse viés também pode agir sobre a autoimagem, em que o medo do olhar reprovador pode ser um estímulo mais poderoso do que os sonhos de um olhar aprovador (HENDERSON-KING; HENDERSON-KING, 2005). Rountree e Davis (2011) sugerem que melhorar a autoestima com eliminação das questões negativas da imagem do corpo é um dos motivos frequentes que levam o indivíduo a realizar uma CPE. As emoções negativas da autoestima foram denotadas como esmagadoras ao indivíduo, junto com a sua dificuldade de lidar com o sentimento negativo decorrente da inadequação e insatisfação com o corpo. Horowitz (1983) verificou que, depois que os pacientes passaram pela cirurgia de rinoplastia, eles experimentaram melhoras significativas em relação às imagens do corpo em geral, até mesmo em partes que não foram afetadas pela cirurgia, como a pele, as coxas e as mãos. A conclusão foi a de que as melhorias localizadas na imagem corporal podem levar a melhorias gerais na autoestima. E é importante considerar não apenas as medidas objetivas da aparência, como IMC (Índice de Massa Corporal), mas também as percepções subjetivas do próprio corpo (SWAMI et al, 2009). Sarwer e Infiled (2008) identificaram nos pacientes que realizaram a CPE um alto índice de satisfação e melhorias na imagem corporal, nos primeiros três meses após a cirurgia. Estas melhorias foram bem conservadas durante os primeiros dois anos de pós-operatório. O desejo de evitar os resultados negativos da aparência também foi encontrado entre os indivíduos ansiosos, que podem usar a CPE como uma forma para atrair, manter ou evitar potenciais rejeições ou perdas interpessoais (DAVIS; VERNON, 2002). Há muitas razões para a preocupação com a aparência (HAIKEN, 1997). Alguns podem querer melhorar a aparência por razões puramente práticas, tais como a necessidade de manter atratividade física em uma profissão em que ela é fundamental para o sucesso ou em que a discriminação etária pode afetar as oportunidades de sucesso. Outros simplesmente podem encontrar na boa aparência um prazer estético (DAVIS; VERNON, 2002). Por outro lado, Swami et al. (2009) descobriram que as autoavaliações sobre a atratividade não foram significativamente correlacionadas com a probabilidade de se submeter à CPE. Frederick, Lever e Peplau (2006) também fornecem evidências de que os indivíduos interessados na CPE não relataram menos satisfação com o corpo ou com

32 32 o rosto do que os indivíduos não interessados em cirurgia, exceto os que possuem interesse na lipoaspiração. O interesse na lipoaspiração pode estar relacionado a uma insatisfação global com o corpo e não apenas a uma insatisfação com partes específicas dele, já que a gordura do corpo está distribuída em várias regiões (por exemplo, estômago, quadris, coxas e braços). Além disso, os indivíduos podem sofrer maior pressão para serem magros do que para terem um nariz ideal, um seio ideal, e assim por diante. Isso poderia explicar a pior percepção da imagem corporal entre as pessoas interessadas na lipoaspiração, pois este procedimento cirúrgico pode refletir a crença de que a lipoaspiração é uma forma de controlar o peso, ao invés de ser um procedimento de contorno corporal. Entretanto, constatou-se que indivíduos muito magros também manifestaram o interesse na lipoaspiração, o que sugere, talvez, uma preocupação com a magreza doentia (FREDERICK; LEVER; PEPLAU, 2006). Swami et al (2009) descobriu que, embora o IMC dos participantes de seu estudo tenha sido um preditor significativo para a realização de uma cirurgia estética, o resultado não correspondeu ao previsto, pois os participantes mais magros relataram maior consideração pela cirurgia plástica. Há evidências de que os pacientes de CPE têm como maior característica específica a insatisfação com a imagem do corpo, mas não necessariamente a insatisfação global com a imagem do corpo (SARWER et al 1998b; SARWER; NORDMANN; HEBERT, 2000; DIDIE; SARWER, 2003). Os indivíduos com transtorno dismórfico corporal (uma condição psiquiátrica caracterizada por extrema insatisfação e preocupação com um ligeiro defeito real ou imaginário na aparência) são especialmente propensos a considerar a cirurgia estética como forma de melhorar a percepção das falhas físicas (CRERAND et al, 2005; CRERAND; FRANKLIN; SAWER, 2006; SARWER; CRERAND, 2008). Um segundo aspecto da imagem corporal relacionado com o interesse pela cirurgia plástica é a orientação ou investimento da aparência, que representa o quanto os indivíduos valorizam a importância de sua aparência e o quanto eles prestam atenção a este aspecto (CASH, 2002). Sugere-se que as pessoas que investem mais tempo e esforço na monitoração da sua aparência física apresentam maior interesse em procedimentos estéticos (SARWER; CASH; MAGEE, 2005). Sendo mais propensas a reportar interesse nos procedimentos estéticos do que indivíduos que dão menos importância à aparência. Isto sugere que um forte investimento na aparência pode

33 33 motivar as pessoas a considerarem a utilização de técnicas de modificação corporal, incluindo a CPE (FREDERICK, LEVER, PEPLAU, 2006). Contrapondo-se à discussão sobre a influência da imagem corporal negativa no interesse em realizar uma cirurgia estética, Delinsky (2005) argumentou que a insatisfação com a imagem corporal não previu a aprovação da CPE, sugerindo que a intensidade da insatisfação corporal global pode não estar relacionada com as atitudes globais para com a cirurgia. Esta descoberta é condizente com pesquisas anteriores, que demonstram que a insatisfação específica pode influenciar na decisão de se submeter à cirurgia plástica, o que não ocorre com a insatisfação corporal global (SARWER; et a., 1998; DIDIE; SARWER, 2003). Conclusões quanto a este ponto, entretanto, são limitadas pela falta de estudo da avaliação do recurso específico de insatisfação (DELINSKY, 2005). Ainda no mesmo estudo, Delinsky (2005) constatou que os pacientes da cirurgia plástica em geral não se diferem dos que não são pacientes em relação à satisfação com o corpo, exceto quando são mais propensos a manifestar forte insatisfação com uma região do corpo específica, direcionada para cirurgia. Além da atratividade, a avaliação da imagem corporal (ou seja, o nível de insatisfação com o próprio corpo) e o investimento na imagem corporal (ou seja, o grau em que a autoestima depende da imagem do corpo) têm sido considerados como os principais fatores de busca por procedimentos estéticos (SARWER; CRERAND, 2004). Estudos em mulheres universitárias revelaram que a insatisfação corporal e o investimento psicológico na aparência estão relacionados a opiniões mais favoráveis à realização da cirurgia estética, já outro estudo demonstrou que as preocupações mais acentuadas com a imagem do corpo e a maior aceitação da cirurgia plástica no ambiente social foram os mais fortes preditores para a motivação das mulheres para se submeterem à cirurgia estética (CASH; GOLDENBERG-BIVENS; GRASSO, 2005; SARWER et al., 2005). Frederick, Lever e Peplau (2006) evidenciaram, a partir de estudo baseado em uma amostra de indivíduos adultos, entre 18 e 65 anos, que o interesse pela cirurgia plástica é generalizado. Tanto as mulheres quanto os homens (cada vez mais interessados neste tipo de procedimento) estão dispostos a considerar a realização da cirurgia estética como uma forma de melhorar ou resolver vários tipos de problemas com a aparência, que podem ser inatos ou gerados por acontecimentos vivenciados,

34 34 como o estilo de vida, o parto ou a passagem do tempo (ASKEGAARD; GERSTEN; LANGER, 2002). Frederick, Lever e Peplau (2006) indicaram que as mulheres estão sob maior pressão do que os homens para atingir os ideais atuais de beleza e magreza. Elas expressaram um maior interesse nos procedimentos estéticos e na lipoaspiração do que os homens. No entanto, uma minoria substancial dos homens também expressou pelo menos algum interesse nestes procedimentos de mudança no corpo. Por fim, como visto há diferentes achados na literatura a respeito da influência da autoestima do corpo e a aceitação da CPE. Mas para esse trabalho, adotase como hipótese de pesquisa que há a influência da autoestima do corpo na aceitação a CPE. Desta forma, tem-se como segunda hipótese de pesquisa deste trabalho: H2: As pessoas de menor autoestima do corpo aceitam mais a cirurgia plástica estética do que os indivíduos com maior autoestima do corpo; Relação entre o materialismo e a cirurgia plástica estética Kasser (2002) afirma que é provável que a satisfação de atingir as metas materialistas seja transitória. Nos indivíduos altamente materialistas é provável que se encontrem sentimentos de insatisfação e anseio, que podem ser melhorados com a compra de bens de consumo. As pessoas compram coisas que, segundo elas, as tornarão felizes, mas, quando se esgota a excitação pela compra e os bens ficam fora de uso, os indivíduos novamente começam a desejar outras coisas (HENDERSON-KING; BROOKS, 2009). De acordo com Kasser e Ryan (1996) e Kasser (2002), os valores materialistas são expressos pela aspiração ao sucesso financeiro, alto status social e aparência. Certos adjetivos, como materialista, autoconsciente e perfeccionista, foram eleitos por uma grande maioria dos participantes de uma pesquisa a este respeito para refletir um estereótipo generalizado sobre os pacientes de cirurgia plástica (DELINSKY, 2005). A associação do materialismo e a relação com o corpo foi abordada por Bartky (1982) em sua pesquisa sobre a experiência corporal das mulheres. O autor

35 35 afirma que o complexo de moda/beleza está enraizado no capitalismo. Ao promover uma visão do corpo feminino como um objeto ou um projeto, fomenta-se uma cultura de consumo em que o próprio corpo, somado aos produtos e serviços que podem aumentar o seu valor, tornam-se uma comodity. Os resultados de Henderson-King e Henderson-King (2005) também são condizentes com a análise de Bartky (1990) em relação ao patriarcado capitalista e com o estudo de Kasser (KASSER; RYAN, 1996; KASSER, 2002) sobre o materialismo. As mulheres motivadas por aspirações materialistas, ao invés de aspirações intrínsecas, foram mais propensas a experimentar o corpo como um projeto, indicando que são mais favoráveis a ver a cirurgia estética como uma forma útil para aumentar a atratividade (HENDERSON-KING; BROOKS, 2009). Henderson-King e Henderson-King (2005) descobriram que as mulheres que mais internalizaram as normas sociais de atratividade e as altamente materialistas foram as que mais aceitaram o uso da cirurgia plástica por razões psicológicas. E quanto mais as mulheres perseguem os objetivos materialistas, mais forte é a aceitação da cirurgia estética como forma de melhorar o convívio social e a carreira. As atitudes paternas também previram pontuações no campo social. Quanto mais os pais eram focados na aparência, mais as mulheres aceitavam a cirurgia plástica por razões sociais (HENDERSON-KING; BROOKS, 2009). Além disso, o materialismo se mostrou um preditor negativo, ou seja, as mulheres não materialistas foram menos propensas a querer fazer a CPE (HENDERSON-KING; BROOKS, 2009). Estes resultados são condizentes com a descoberta de Delinsky (2005), em que o termo materialista foi utilizado para descrever aqueles que se submeteram à CPE. Desta forma, tem-se como terceira hipótese de pesquisa deste trabalho: H3: As pessoas mais materialistas aceitam a cirurgia plástica estética mais do que os indivíduos menos materialistas. A cirurgia plástica, como técnica de modificação, tem potencial para aumentar a atratividade física e a probabilidade de adquirir os benefícios sociais e financeiros associados a ela, para aumentar a autoestima e para amenizar a aflição psicológica (HENDERSON-KING; BROOKS, 2009). A decisão de se submeter à cirurgia estética é uma decisão pessoal, uma decisão que cabe ao indivíduo. No entanto, em uma cultura que incentiva a aquisição de

36 36 bens de consumo material e a busca de aspirações extrínsecas, aqueles que se deixam influenciar diante dessas pressões podem ser mais propensos a ver o próprio corpo como uma mercadoria e ter atitudes mais positivas sobre a cirurgia estética, incluindo um forte desejo por tais procedimentos. Dessa forma, aqueles que são mais materialistas podem ser mais propensos a acumular as recompensas associadas à atratividade física, mas também podem estar sujeitos a arcar com os possíveis custos de cirurgia estética. Os procedimentos cirúrgicos podem envolver despesa monetária significativa e, embora os pacientes em potencial possam se concentrar na promessa de melhorias para a aparência, em muitos casos os resultados podem ser decepcionantes e irreversíveis. Além disso, para os indivíduos mais materialistas, o mesmo tipo de ciclo que pode resultar da busca por bens de consumo também pode ocorrer com as tentativas de aumentar a própria atratividade física. Tais tentativas não são suscetíveis de resultar em satisfação permanente, porque as alterações corporais tendem a ser transitórias, e não podem ser feitas sempre (HENDERSON-KING; BROOKS, 2009).

37 37 3. METODOLOGIA Neste capítulo são abordados, primeiramente, o tipo de pesquisa empregado no estudo, a população investigada e o método de coleta de dados. Em seguida, são apresentadas as escalas utilizadas e a matriz de amarração desta dissertação. Por fim, é apresentado o pré-teste do questionário aplicado no estudo, com seus resultados. 3.1 MÉTODO DE PESQUISA E COLETA DE DADOS Para alcançar os objetivos propostos neste trabalho utiliza-se o método survey de pesquisa quantitativa. Trata-se de uma metodologia de coleta sistemática dos dados feita por meio da aplicação de um questionário via internet. Os respondentes preenchem o questionário, e os dados obtidos são avaliados de forma a extrapolar as conclusões para toda a população de interesse. Esse instrumento de pesquisa permite que pesquisadores sejam capazes de avaliar, por meio de uma amostra reduzida, as atitudes de uma população específica, suas percepções e opiniões em relação a certas questões sociais assim como ao conhecimento baseado em fatos (SWIDORSKI, 1980). A coleta de dados desta pesquisa foi realizada no Brasil e em Portugal. Em ambos os países fez-se uso da ferramenta online Survey Monkey. No Brasil, o link da pesquisa foi enviado para uma lista de s de amigos da pesquisadora e divulgado em sua página na rede social Facebook. Em Portugal, houve a colaboração da professora Susana Costa, professora da Universidade Católica do Porto, do departamento de Marketing, que coletou os dados no país enviando o link para seus contatos. Além da captura de dados primários, foram recolhidos dados secundários em pesquisas documentais (documentos, fontes de dados, estatísticas, etc.) e bibliográficas (jornais, revistas, teses de mestrado e doutorado, etc.). Os principais periódicos científicos utilizados como fontes neste estudo foram o American Psychological Association, Aesthetic Surgery, Body Image (Eslsevier), e o Journal of Consumer Research.

38 38 As escalas utilizadas na coleta de campo foram encontradas na literatura estudada. Ao todo são utilizadas quatro escalas que medem, respectivamente, a autoestima, a autoestima do corpo, o materialismo e a aceitação à cirurgia plástica estética. 3.2 POPULAÇÃO E AMOSTRA A população brasileira foi composta principalmente por residentes da cidade de São Paulo, e o mesmo ocorreu com a amostra portuguesa que foi constituída principalmente por residentes da cidade do Porto. No capitulo 4 é descrito detalhadamente a amostra coletada em ambos os países. 3.3 ESCALAS UTILIZADAS NA COLETA DE DADOS Foram utilizadas quatro escalas no trabalho, sendo elas: (i) a escala da autoestima de Rosenberg (1965), (ii) Self-Description Questionnaire III (SDQIII) de Marsh (1984), (iii) a escala do materialismo de Richins (2004) e (iv) a escala da aceitação à cirurgia plástica e estética de Henderson-king et al. (2005). Todas essas escalas já foram traduzidas para o português e aplicadas em estudos brasileiros; mas como o questionário não foi aplicado apenas neste país, foi necessário que as escalas passassem por algumas adaptações para o português de Portugal Escala da Autoestima A escala utilizada para medir a autoestima dos respondentes foi a escala de Rosenberg (1965), a qual foi traduzida para o português e aplicada em estudos brasileiros pela UNIFESP-EPM, em proposta de Dini, Quaresma e Ferreira (2004). A escala de Likert foi utilizada na versão original e na traduzida em quatro níveis: concordo plenamente, concordo, discordo e discordo plenamente. Neste estudo

39 39 foram utilizados cinco níveis: (1) Discordo totalmente, (2) discordo, (3) neutro, (4) concordo e (5) concordo totalmente. Abaixo são apresentados os itens da escala utilizada na pesquisa de campo quanto ao constructo autoestima. Figura 1 - Tradução da Escala da Autoestima de Rosenberg Itens 1. De uma forma geral (apesar de tudo) estou satisfeito (a) comigo mesmo (a). 2. Às vezes, eu acho que eu não sirvo para nada (desqualificado (a) ou inferior em relação aos outros). 3. Eu sinto que tenho um número de boas qualidades. 4. Eu sou capaz de fazer coisas tão bem quanto a maioria das outras pessoas (desde que me ensinadas). 5. Não sinto satisfação nas coisas que realizei. Eu sinto que não tenho muito do que me orgulhar. 6. Às vezes, eu realmente me sinto inútil (incapaz de fazer coisas). 7. Eu sinto que sou uma pessoa de valor, pelo menos num plano igual (num mesmo nível) às outras pessoas. 8. Não me dou o devido valor. Gostaria de ter mais respeito por mim mesmo (a). 9. Quase sempre estou inclinado (a) a achar que sou um (a) fracassado (a). Eu tenho uma atitude positiva (pensamento, atos e sentimentos positivos) em relação a mim 10. mesmo (a). Fonte: Dini et al (2004) Esta escala foi adaptada para o português de Portugal (APÊNDICE B). Os dez itens da escala são apresentados nas tabelas 1 e 2 a seguir em conjunto com as estatísticas descritivas obtidas nos levantamentos de campo conduzidos no Brasil e em Portugal, respectivamente.

40 40 Tabela 1 Estatísticas descritivas dos itens da escala de autoestima respondentes brasileiros Item Redação n Mín. Máx. Média Desvio padrão AE1 De uma forma geral (apesar de tudo) estou satisfeito (a) comigo mesmo (a) ,70 0,99 AE2 Às vezes, eu acho que eu não sirvo para nada (desqualificado (a) ou inferior em relação aos outros) ,33 1,23 AE3 Eu sinto que tenho um número de boas qualidades ,22 0,80 AE4 AE5 AE6 AE7 AE8 AE9 AE10 Eu sou capaz de fazer coisas tão bem quanto a maioria das outras pessoas (desde que me ensinadas). Não sinto satisfação nas coisas que realizei. Eu sinto que não tenho muito do que me orgulhar. Às vezes, eu realmente me sinto inútil (incapaz de fazer coisas). Eu sinto que sou uma pessoa de valor, pelo menos num plano igual (num mesmo nível) às outras pessoas. Não me dou o devido valor. Gostaria de ter mais respeito por mim mesmo (a). Quase sempre estou inclinado (a) a achar que sou um (a) fracassado (a). Eu tenho uma atitude positiva (pensamento, atos e sentimentos positivos) em relação a mim mesmo (a). Fonte: elaboração própria ,29 0, ,11 1, ,49 1, ,12 0, ,62 1, ,98 1, ,86 1,01 Tabela 2 Estatísticas descritivas dos itens da escala de autoestima respondentes portugueses Item Redação n Mín. Máx. Média Desvio padrão AE1 De uma forma geral (e apesar de tudo) estou satisfeito (a) comigo mesmo (a) ,16 0,75 AE2 Por vezes, eu acho que não sirvo para nada ,03 1,19 AE3 Eu sinto que tenho um bom número de boas qualidades ,34 0,55 AE4 Eu sou capaz de fazer coisas tão bem quanto a maioria das outras pessoas (desde que me sejam ,31 0,77 ensinadas). AE5 Eu não sinto satisfação nas coisas que realizo e sinto que não tenho muito do que me orgulhar ,74 0,92 AE6 Por vezes, eu realmente sinto-me inútil (incapaz de fazer coisas) ,96 1,14 AE7 Eu sinto que sou uma pessoa de valor, pelo menos num plano igual (num mesmo nível) ao de outras ,39 0,69 pessoas. AE8 Não me dou o devido valor. Gostaria de ter mais respeito por mim mesmo (a) ,16 1,18 AE9 Quase sempre estou inclinado (a) a achar que sou um 148 (a) fracassado (a) ,70 0,95 AE10 Eu tenho uma atitude positiva (pensamento, atos e sentimentos positivos) em relação a mim mesmo (a). Fonte: elaboração própria ,94 0,91

41 Frequencia absoluta (n = 217) 41 Os itens AE1, AE3, AE4, AE7 e AE10 estão redigidos na forma direta, enquanto os itens AE2, AE5, AE6, AE8 e AE9 estão redigidos na forma inversa. Para obter a pontuação de autoestima dos participantes do estudo, adotou-se a metodologia proposta por Dini, Quaresma e Ferreira (2004, p. 50), que consiste em inverter a resposta dos itens redigidos na forma inversa e, então, somar as respostas dadas aos dez itens. A autoestima de um indivíduo pode, portanto, variar de 10 a 50, pontuação interpretada como quanto maior, maior a autoestima. Os histogramas das figuras 1 e 2 ilustram as distribuições dessa variável entre os respondentes brasileiros e portugueses, respectivamente. Figura 2 Histograma da variável autoestima respondentes brasileiros Autoestima Fonte: elaboração própria com auxílio do software MINITAB 16.0.

42 Frequencia absoluta (n = 148) 42 Figura 3 Histograma da variável autoestima respondentes portugueses Autoestima Fonte: elaboração própria com auxílio do software MINITAB Os dez itens que compõem essa escala possuem coeficiente alfa de Cronbach igual a 0,8435, entre os respondentes brasileiros, e 0,8643, entre os respondentes portugueses, valores considerados satisfatórios para a confiabilidade da escala, de acordo com critérios usualmente empregados (MAZZOCCHI, 2008) Escala da Autoestima do corpo Para mensurar a autoestima do corpo foi utilizada e escala de Marsh (1984), conhecida como Self Description Questionnaire (SDQ), que se aplica à avaliação do autoconceito em estudantes de diferentes idades, tais como: SDQI para pré adolescentes, SDQII para adolescentes e SDQIII para jovens adultos. O questionário completo possui 136 itens que avaliam treze dimensões, e dentre essas dimensões há a dimensão que avalia a aparência física, que possui dez itens. A escala original de 136 itens possui metade de seus itens formulados na negativa em uma escala likert de 8 pontos.

43 43 A escala a seguir utilizada na pesquisa de campo refere-se à dimensão da aparência física, com dez itens, sendo cinco itens apresentados na forma negativa. Figura 4 - Tradução da Escala SDQIII Dimensão aparência física (MARSH, 1984). Itens 1. Tenho um corpo fisicamente atraente 2. Sou feio (a) 3. Tenho um corpo bem feito 4. Existem montes de coisas que eu mudaria na minha aparência 5. Meu peso está bom, nem muito gordo (a), nem muito magro (a) 6. Eu não gosto da minha aparência 7. Tenho um rosto bonito 8. Eu gostaria de ser fisicamente mais atraente 9. A maioria dos meus amigos tem uma aparência melhor do que a minha 10. Tenho uma boa aparência Fonte: Trevisan, 2011 Esta escala foi adaptada para o português de Portugal (APÊNDICE B). No questionário foram utilizados cinco níveis: (1) discordo totalmente, (2) discordo, (3) neutro, (4) concordo e (5) concordo totalmente. Seus dez itens são apresentados nas tabelas 3 e 4 a seguir em conjunto com as estatísticas descritivas obtidas nos levantamentos de campo conduzidos no Brasil e em Portugal, respectivamente. Tabela 3 Estatísticas descritivas dos itens da escala de autoestima do corpo respondentes brasileiros Item Redação n Mín. Máx. Média Desvio padrão AEcorp01 Tenho um corpo fisicamente atraente ,15 1,00 AEcorp02 Sou feio (a) ,01 1,00 AEcorp03 Tenho um corpo bem feito ,22 1,06 AEcorp04 Existem montes de coisas que eu mudaria na minha aparência ,00 1,22 AEcorp05 Meu peso está bom, nem muito gordo (a), nem muito magro (a) ,09 1,32 AEcorp06 Eu não gosto da minha aparência ,21 1,05 AEcorp07 Tenho um rosto bonito ,81 0,89 AEcorp08 Eu gostaria de ser fisicamente mais atraente ,78 1,08 AEcorp09 A maioria dos meus amigos tem uma aparência melhor do que a minha ,50 1,00 AEcorp10 Tenho uma boa aparência ,03 0,76 Fonte: elaboração própria.

44 44 Tabela 4 Estatísticas descritivas dos itens da escala de autoestima do corpo respondentes portugueses Item Redação n Mín. Máx. Média Desvio padrão AEcorp01 Tenho um corpo fisicamente atraente ,28 0,97 AEcorp02 Sou feio (a) ,93 0,92 AEcorp03 Tenho um corpo bem feito ,26 0,94 AEcorp04 Há uma série de coisas que eu mudaria na minha aparência ,02 1,09 AEcorp05 Meu peso está bom, não sou nem muito gordo (a), nem muito magro (a) ,32 1,21 AEcorp06 Eu não gosto da minha aparência ,09 1,14 AEcorp07 Tenho um rosto bonito ,68 0,77 AEcorp08 Eu gostaria de ser fisicamente mais atraente ,36 1,04 AEcorp09 A maioria dos meus amigos tem uma aparência melhor do que a minha ,45 0,84 AEcorp10 Tenho uma boa aparência ,91 0,75 Fonte: elaboração própria. Os itens AECorp01, AECorp03, AECorp05, AECorp07 e AECorp10 estão redigidos na forma direta, enquanto os itens AECorp02, AECorp04, AECorp06, AECorp08 e AECorp09 estão redigidos na forma inversa. Para o restante das análises (apresentadas no capítulo 5), corrigiram-se as pontuações dos itens em ordem inversa utilizando-se ( 6 pontuação ) como procedimento. Os dez itens que compõem essa escala possuem coeficiente alfa de Cronbach igual a 0,8431, entre os respondentes brasileiros, e 0,8889, entre os respondentes portugueses, valores considerados satisfatórios de acordo com critérios usualmente empregados (MAZZOCCHI, 2008) Escala do Materialismo A escala utilizada para medir os níveis de materialismo dos respondentes neste trabalho foi a escala de Richins (2004). Adotou-se sua versão reduzida (de nove itens), a qual foi traduzida, adaptada e validada para o contexto brasileiro (em particular para o contexto paulistano) por Ponchio e Aranha (2008). Os itens da escala utilizada na pesquisa de campo são apresentados abaixo.

45 45 Figura 5 Tradução da Escala de Materialismo de Richins (2004) Itens 1. Eu admiro pessoas que possuem casa, carros e roupas caras. 2. Eu gosto de gastar dinheiro com coisas caras. 3. Minha vida seria melhor se eu tivesse coisas que eu não tenho. 4. Comprar coisas me dá muito prazer. 5. Eu ficaria muito mais feliz se eu pudesse comprar mais coisas. 6. Eu gosto de possuir coisas que impressionam as pessoas. 7. Eu gosto de muito luxo na minha vida. 8. Me incomoda quando não posso comprar tudo que quero. 9. Gastar muito dinheiro está entre as coisas mais importantes da vida. Fonte: Ponchio e Aranha (2007) Esta escala foi adaptada para o português de Portugal (APÊNDICE B) A escala de materialismo foi medida na escala Likert de 5 pontos: de 1 (discordo totalmente) a 5 (concordo totalmente). Segundo Ponchio (2008), algumas descobertas na fase exploratória levaram a fazer pequenos ajustes ao texto original de Richins (2004), por isso recomenda-se atenção ao fazer uma comparação direta entre a escala traduzida e os resultados obtidos pela aplicação da escala original em Inglês. A versão em Português mostrou propriedades estatísticas adequadas. Os itens da escala utilizada são apresentados nas tabelas 5 e 6 a seguir em conjunto com as estatísticas descritivas obtidas nos levantamentos de campo conduzidos no Brasil e em Portugal, respectivamente. Tabela 5 Estatísticas descritivas dos itens da escala de materialismo respondentes brasileiros Item Redação n Mín. Máx. Média Desvio padrão Mat01 Eu admiro pessoas que possuem casa, carros e roupas caras ,87 1,15 Mat02 Eu gosto de gastar dinheiro com coisas caras ,74 1,17 Mat03 Minha vida seria melhor se eu tivesse coisas que eu não tenho ,58 1,04 Mat04 Comprar coisas me dá muito prazer ,23 1,11 Mat05 Eu ficaria muito mais feliz se eu pudesse comprar mais coisas ,13 1,15 Mat06 Eu gosto de possuir coisas que impressionam as pessoas ,51 1,15 Mat07 Eu gosto de muito luxo na minha vida ,43 1,16 Mat08 Me incomoda quando não posso comprar tudo que quero ,86 1,12 Mat09 Gastar muito dinheiro está entre as coisas mais importantes da vida ,56 0,73 Fonte: elaboração própria.

46 46 Tabela 6 Estatísticas descritivas dos itens da escala de materialismo respondentes portugueses Item Redação n Mín. Máx. Média Desvio padrão Mat01 Eu admiro pessoas que possuem casa, carro e roupas caras ,34 1,02 Mat02 Eu gosto de gastar dinheiro com coisas caras ,37 1,02 Mat03 A minha vida seria melhor se eu tivesse coisas que não tenho ,64 1,07 Mat04 Comprar coisas dá-me muito prazer ,19 1,06 Mat05 Eu ficaria muito mais feliz se pudesse comprar mais coisas ,91 1,03 Mat06 Eu gosto de ter coisas que impressionam as pessoas ,19 1,06 Mat07 Eu aprecio o luxo ,87 1,18 Mat08 Incomoda-me quando não posso comprar tudo que desejo ,60 1,02 Mat09 Gastar muito dinheiro está entre as coisas mais importantes da vida ,47 0,74 Fonte: elaboração própria. Os nove itens que compõem essa escala possuem coeficiente alfa de Cronbach igual a 0,8501, entre os respondentes brasileiros, e 0,7796, entre os respondentes portugueses, valores considerados satisfatórios de acordo com critérios usualmente empregados (MAZZOCCHI, 2008) Escala de aceitação à cirurgia plástica estética Para mensurar a aceitação à realização de CPE, adotou-se a escala de Acceptance of cosmetic surgery de Henderson-King e Henderson-King (2005), a qual foi traduzida, adaptada e validada para o contexto brasileiro por Swami et al. (2011). A escala é composta pelos 15 itens abaixo apresentados, que, em teoria, refletem três dimensões: influência de fatores sociais sobre a aceitação à realização de CPE (SOCIAL), motivações intrapessoais para a CPE (INTRA) e a consideração de se submeter à CPE (CONSIDER).

47 47 Figura 6 Escala de Aceitação da Cirurgia Plástica Item 1. Faz sentido fazer pequena cirurgia plástica estética ao invés de passar anos se sentindo mal a respeito da sua aparência. (Intrapessoal) 2. A cirurgia plástica estética é uma coisa boa, pois pode ajudar as pessoas a se sentirem bem com elas mesmas. (Intrapessoal) 3. No futuro, eu posso vir a fazer algum tipo de cirurgia plástica estética. (Considerar). 4. As pessoas que são muito infelizes com a sua aparência deveriam considerar a cirurgia plástica estética como uma opção. (Intrapessoal) 5. Se a cirurgia plástica estética pode fazer alguém mais feliz com a própria aparência, então esta pessoa deveria experimentá-la (Intrapessoal). 6. Se eu pudesse fazer uma cirurgia gratuita, eu consideraria experimentar uma cirurgia plástica estética. (Considerar). 7. Se eu soubesse que não haveria efeitos colaterais dolorosos, eu gostaria de fazer uma cirurgia plástica estética. (Considerar). 8. Às vezes penso em fazer uma cirurgia plástica estética. (Considerar). 9. Eu pensaria seriamente em fazer uma cirurgia plástica estética se meu (minha) esposo (a)/noivo (a)/namorado (a) considerasse isso uma boa ideia. (Social) 10. Eu nunca faria nenhum tipo de cirurgia plástica estética. (Considerar). 11. Eu pensaria em fazer uma cirurgia plástica estética para manter a aparência jovem. (Social). 12. Se pudesse beneficiar minha carreira, eu pensaria em fazer uma cirurgia plástica estética. (Social). 13. Eu pensaria seriamente em fazer uma cirurgia plástica estética se houvesse a chance de meu (minha) esposo (a)/noivo (a)/namorado (a) me achar mais atraente. (Social) 14. A cirurgia plástica estética pode ser muito boa para a autoimagem das pessoas. (Intrapessoal) 15. Se uma cirurgia plástica estética simples pudesse me tornar mais atraente para os outros, eu pensaria em fazer uma. (Social). Fonte: Swami et al (2011) Esta escala foi adaptada para o português de Portugal (APÊNDICE B) No questionário foram utilizados cinco níveis: (1) discordo totalmente, (2) discordo, (3) neutro, (4) concordo e (5) concordo totalmente. As tabelas 7 e 8 a seguir apresentam os 15 itens expostos e suas estatísticas descritivas obtidas nos levantamentos de campo conduzidos no Brasil e em Portugal, respectivamente.

48 48 Tabela 7 Estatísticas descritivas dos itens da escala de aceitação à CPE respondentes brasileiros Item Redação n Mín. Máx. Média Desvio padrão Faz sentido fazer pequena cirurgia plástica estética ao Intra01 invés de passar anos se sentindo mal a respeito da sua ,62 1,22 aparência. (Intrapessoal) A cirurgia plástica estética é uma coisa boa, pois pode Intra02 ajudar as pessoas a se sentirem bem com elas mesmas ,74 1,04 (Intrapessoal) No futuro, eu posso vir a fazer algum tipo de cirurgia Consider01 plástica estética. (Considerar) ,23 1,31 As pessoas que são muito infelizes com a sua Intra03 aparência deveriam considerar a cirurgia plástica ,52 1,09 estética como uma opção. (Intrapessoal) Intra04 Se a cirurgia plástica estética pode fazer alguém mais feliz com a própria aparência, então esta pessoa ,73 0,93 deveria experimentá-la. (Intrapessoal) Consider02 Se eu pudesse fazer uma cirurgia gratuita, eu consideraria experimentar uma cirurgia plástica ,70 1,36 estética. (Considerar) Consider03 Se eu soubesse que não haveria efeitos colaterais dolorosos, eu gostaria de fazer uma cirurgia plástica ,10 1,38 estética. (Considerar) Às vezes penso em fazer uma cirurgia plástica Consider04 estética. (Considerar) ,86 1,45 Eu pensaria seriamente em fazer uma cirurgia plástica estética se meu (minha) esposo (a)/noivo Soc01 (a)/namorado (a) considerasse isso uma boa ideia ,42 1,25 (Social) Eu nunca faria nenhum tipo de cirurgia plástica Consider05 estética. (Considerar) ,41 1,31 Soc02 Eu pensaria em fazer uma cirurgia plástica estética para manter a aparência jovem. (Social) ,47 1,20 Soc03 Se pudesse beneficiar minha carreira, eu pensaria em fazer uma cirurgia plástica estética. (Social) ,62 1,30 Eu pensaria seriamente em fazer uma cirurgia plástica estética se houvesse a chance de meu (minha) esposo Soc04 (a)/noivo (a)/namorado (a) me achar mais atraente ,48 1,20 (Social) Intra05 A cirurgia plástica estética pode ser muito boa para a autoimagem das pessoas. (Intrapessoal) ,66 1,09 Soc05 Se uma cirurgia plástica estética simples pudesse me tornar mais atraente para os outros, eu pensaria em ,74 1,29 fazer uma. (Social) Fonte: elaboração própria.

49 49 Tabela 8 Estatísticas descritivas dos itens da escala de aceitação à CPE respondentes portugueses Item Redação n Mín. Máx. Média Desvio padrão Para mim faz todo o sentido recorrer à pequena Intra01 cirurgia plástica estética se a alternativa for sentir-se mal com a aparência ,04 1,25 Intra02 Consider01 Intra03 Intra04 Consider02 Consider03 Consider04 Soc01 A cirurgia plástica estética é uma coisa boa, pois pode ajudar as pessoas a sentirem-se bem consigo mesmas ,60 0,96 No futuro, eu admito vir a fazer algum tipo de cirurgia 141 plástica estética ,72 1,12 As pessoas que são muito infelizes com a sua aparência deveriam considerar a cirurgia plástica ,46 1,01 estética como uma opção. Se a cirurgia plástica estética pode fazer alguém mais feliz com a sua própria aparência, então esta pessoa ,67 0,84 deveria experimentá-la. Se eu pudesse fazer uma cirurgia gratuita, eu consideraria realizar uma cirurgia plástica estética ,51 1,15 Se eu soubesse que não haveria efeitos colaterais dolorosos, eu gostaria de fazer uma cirurgia plástica ,62 1,23 estética. Às vezes penso em fazer uma cirurgia plástica estética ,21 1,20 Eu pensaria seriamente em fazer uma cirurgia plástica estética se o meu marido/namorado/companheiro (a minha esposa/namorada/companheira) considerasse isso uma boa ideia ,18 1,05 Consider05 Eu nunca faria nenhum tipo de cirurgia plástica estética ,51 1,11 Soc02 Eu pensaria em fazer uma cirurgia plástica estética para manter a aparência jovem ,40 0,99 Soc03 Se isso pudesse beneficiar a minha carreira, eu pensaria em fazer uma cirurgia plástica estética ,45 1,05 Soc04 Eu pensaria seriamente em fazer uma cirurgia plástica estética se porventura o meu marido/namorado/companheiro (a minha ,35 1,09 esposa/namorada/companheira) pudesse achar-me mais atraente. Intra05 A cirurgia plástica estética pode ser muito boa para a autoimagem das pessoas ,57 0,84 Se uma cirurgia plástica estética simples pudesse Soc05 tornar-me mais atraente para os outros, eu pensaria em ,38 0,98 fazer uma. Fonte: elaboração própria. Com a finalidade de comparar os resultados da aplicação dessa escala no Brasil e em Portugal com os resultados obtidos por Henderson-King e Henderson-King (2005) e por Swami et al. (2011), a tabela 9 sintetiza as estatísticas de análises fatoriais utilizando-se componentes principais com os 15 itens.

50 50 Tabela 9 Comparação dos resultados das análises fatoriais com extração de fatores por componentes principais dos itens da escala de aceitação à CPE Item O presente estudo - respondentes brasileiros O presente estudo - respondentes portugueses Henderson-King e Henderson-King (2005) Swami et al. (2011) Fatores / cargas fatoriais Fatores / cargas fatoriais Fatores / cargas fatoriais Fatores / cargas fatoriais I a C a S a I a C a S a I C S I C S Intra01-0,63 0,62 0,79 0,56 Intra02-0,74 0,82 0,88 0,70 Intra03-0,81 0,76 0,82 0,80 Intra04-0,81 0,80 0,79 0,80 Intra05-0,62 0,76 0,72 0,61 Consider01 0,79 0,53-0,62 0,72 0,69 Consider02 0,72-0,86 0,84 0,47 Consider03 0,76-0,87 0,79 0,49 Consider04 0,81-0,80 0,89 0,68 Consider05 0,77 0,48 0,63 0,74 Soc01 0,70 0,73 0,72 0,62 Soc02 0,63 0,31 0,62 0,52 0,69 Soc03 0,67 0,67 0,84 0,68 Soc04 0,82 0,89 0,95 0,81 Soc05 0,68 0,75 0,66 0,68 a (I) dimensão intrapessoal; (C) dimensão considerar realizar CPE; (S) dimensão social. (*) Apenas as cargas fatoriais maiores que 0,45 são exibidas. (**) As respostas ao item aceit10, medido na redação inversa, foram também invertidas antes das análises. Fonte: elaboração própria; HENDERSON-KING; HENDERSON-KING (2005); SWAMI et al. (2011).

51 51 As saídas completas dos modelos de análise fatorial a que se referem a Tabela 9 estão apresentadas no Apêndice C. Na amostra brasileira, o único item que carrega em fator diferente em relação ao estudo de Henderson-King e Henderson-King (2005) é o Soc02, que tem factor loading elevado no fator CONSIDER (no estudo original, possui factor loading elevado apenas no fator SOCIAL). Por esse motivo, optou-se por descartá-lo das análises apresentadas no capítulo 5. Já na amostra portuguesa, o único item que carrega em fator diferente em relação ao estudo de Henderson-King e Henderson-King (2005) é o Consider05, que tem factor loading elevado no fator INTRA (no estudo original, possui factor loading elevado apenas no fator CONSIDER). Por esse motivo, optou-se por descartá-lo também das análises apresentadas no capítulo subsequente. Quando analisados separadamente (cinco itens ou uma dimensão por vez), em relação à confiabilidade interna, os valores do alfa de Cronbach foram: 0,8581 para a dimensão INTRA, 0,9166 para a dimensão CONSIDER e 0,8623 para a dimensão SOCIAL, entre os respondentes brasileiros; e 0,8608 para a dimensão INTRA, 0,8622 para a dimensão CONSIDER e 0,8500 para a dimensão SOCIAL, entre os respondentes portugueses. Esses valores são considerados satisfatórios, uma vez que são todos maiores que 0,70, critério comumente empregado em estudos nesse campo de conhecimento (CHURCHILL, 1979; PEDHAZUR; SCHMELKIN, 1991; MAZZOCCHI, 2008). 3.4 MATRIZ DE AMARRAÇÃO Conceitualmente, a ferramenta, denominada matriz de amarração, é formada por uma estrutura matricial, que compara as decisões e definições de pesquisa (TELLES, 2001). A seguir é apresentada a matriz de amarração deste trabalho. O questionário encontra-se no Apêndice A (questionário aplicado no Brasil) e B (questionário aplicado em Portugal).

52 52 Figura 7 - Matriz de Amarração Problema de Hipóteses Construtos e Operacionalização Questões pesquisa variáveis (referências) (*) H1: As pessoas de maior autoestima aceitam mais a cirurgia plástica estética do que os indivíduos com menor autoestima; Idade** Gênero** Escolaridade** Renda** Local** Autoestima Aceitação a CPE Escala de autoestima de Rosenberg (1965) conforme traduzida e adaptada ao contexto brasileiro por Dini, Quaresma e Ferreira (2004) Aceitação à CPE 1 a a 44 Qual é a influência da autoestima e do materialismo sobre a aceitação à cirurgia plástica estética? H2: As pessoas de menor autoestima do corpo aceitam mais a cirurgia plástica estética do que os indivíduos com maior autoestima do corpo; Idade** Gênero** Escolaridade** Renda** Local** Autoestima do corpo Escala SDQIII Dimensão aparência física (MARSH, 1984), conforme traduzida e adaptada ao contexto brasileiro por Trevisan (2011). 11 a a 44 Aceitação a CPE Aceitação à CPE H3: As pessoas mais materialistas aceitam mais a cirurgia plástica estética do que os indivíduos menos materialistas; Idade** Gênero** Escolaridade** Renda** Local** Materialismo Aceitação a CPE Escala de materialismo de Richins (2004) conforme traduzida e adaptada ao contexto brasileiro por Ponchio (2008). Aceitação à CPE 21 a a 44 Fonte: Elaboração própria (*) O questionário utilizado na pesquisa está disponível, na íntegra, no Apêndice (A e B). (**) A figura 7 contém as definições operacionais das variáveis de controle: idade, gênero, escolaridade, renda e local. As várias de controle são apresentadas na figura abaixo: Figura 8 - As variáveis de controle Variável Definição Idade Anos completo do respondente Gênero Caracterização do gênero do respondente: Feminino ou masculino Escolaridade Nível de Instrução do Respondente Renda Renda anual familiar. (No Brasil conforme IBGE 2011). Local Local de residência do respondente: Brasil ou Portugal Fonte: Elaboração própria

53 PRÉ TESTE DO QUESTIONÁRIO Foi efetuado um pré-teste de abordagem qualitativa do questionário, por meio de pesquisas realizadas em profundidade com 15 indivíduos, com o objetivo de validar as escalas vistas anteriormente, as quais são utilizadas neste trabalho. As etapas da pesquisa consistiram em: (i) uma conversa informal seguindo o roteiro de pesquisa (no anexo D), (ii) a aplicação do questionário (no anexo A) e (iii) a verificação das respostas das entrevistas com o preenchimento dos questionários Coleta de dados A entrevista consiste no desenvolvimento da assertividade, do foco, da confiabilidade e da legitimidade de certo ato social como a diálogo, sendo a entrevista é uma conversação face a face com a utilização de um método, o que propicia ao entrevistador o acesso às informações que busca (MARCONI, LAKATOS, 2002). O tipo de entrevista utilizado neste trabalho foi o estruturado ou padronizado, que se caracteriza pela presença de um roteiro previamente elaborado e conhecido pelos envolvidos (entrevistador e o entrevistado), que os orienta (LIMA, 2004). A decisão por entrevistas desse tipo deve-se à intenção de se padronizar as perguntas para se obter respostas derivadas dos mesmos questionamentos, permitindo que todas as informações obtidas sejam comparadas em grupos uniformes, de modo que as diferenças encontradas sejam estritamente de visão, não de assunto (LIMA, 2004). A amostra pesquisada foi selecionada segundo a conveniência da coleta para a pesquisadora, sendo composta por pessoas próximas do seu convívio Resultados Os resultados das entrevistas comparados às respostas preenchidas no questionário aplicado demonstraram que há coerência entre o que os respondentes relataram a respeito dos questionamentos qualitativos e suas respostas ao questionário (sugerindo que as escalas são adequadas para mensurar aquilo a que se propõem).

54 54 Figura 9 - Respostas dos entrevistados Fonte: Elaboração própria

55 55 As discussões sobre os pontos que abordavam a autoestima evidenciaram que alguns indivíduos que estavam com baixa autoestima sofreram algum transtorno afetivo recentemente, mas afirmaram que nunca ou nem sempre pensam de uma forma depreciativa a respeito de si mesmos, e talvez por isso a autoestima seja um fator transitório. Para autoestima do corpo, os relatos dos indivíduos que se achavam acima do peso, todos afirmaram que sofreram algum tipo de influência familiar e social. Seja pela cobrança dos pais em querer que o filho coma coisas saudáveis que faz bem e não engorda, ou pelos comentários e atitudes de colegas e parceiros e pela pressão social da mídia. Na discussão sobre a autoestima e a autoestima do corpo, notou-se a necessidade do individuo em querer se justificar quando a resposta era de uma pessoa com baixa autoestima, e foi consenso entre os entrevistados que a autoestima do indivíduo pode estar relacionada com a sua satisfação com sua aparência física. Nota-se que nas entrevistas realizadas em grupos (sendo estes de amigos em comum) os comentários dos indivíduos altamente materialistas sobre o materialismo eram utilizados na terceira pessoa para se referirem que dinheiro é importante, e tentavam se justificar aos demais. Os indivíduos que pontuaram como menos materialistas concordaram com a questão do uso do dinheiro para a sobrevivência e segurança (moradia, plano de saúde), mas discordavam da necessidade do uso do dinheiro para as compras de artigos de luxo, por exemplo. Para os menos materialistas as pessoas que sentem estas necessidades de compras artigos de luxo, roupas de marca caras entre outros produtos similares devem ser influenciadas pelo meio em que se vive, seja pela formação familiar, pela pressão social, para pertencer a um grupo/sociedade ou para aumentar a autoestima das pessoas que dão muita importância a esse tipo de produtos caros. As aquisições eram associadas para melhorar algo interior (uma válvula de escape) do individuo que não estava bom, assim as compras poderiam ser usadas para melhorar a autoestima, seja por meio de uma roupa nova, ou pela sensação de que o indivíduo possui poder aquisitivo de compra. E por fim, os resultados da escala da aceitação da cirurgia plástica demonstraram que tanto nas entrevistas em grupo como nas entrevistas individuais, é difícil para o individuo afirmar que fez ou faria uma cirurgia devido ao desejo do cônjuge ou de amigos. Nesta discussão sobre a influência de uma terceira pessoa na atitude do indivíduo em fazer uma cirurgia plástica é negada pelos participantes. O receio de afirmar que alguém pode alterar seu corpo para satisfazer outra pessoa foi a discussão que os participantes negam que fizeram ou poderiam fazer.

56 56 Por fim, o pré-teste qualitativo atingiu seu objetivo, validando o entendimento das escalas por parte dos participantes seus argumentos e suas respostas no questionário aplicado. Não houve diferença entre homens e mulheres sobre os construtos abordados. Ou seja, os construtos abordados não se relacionaram ao gênero, mas sim ao momento, às características pessoais do indivíduo. Entretanto, deve-se notar que os participantes mostraram-se com receio de tomar posições consideradas negativas como: muito materialistas, baixa autoestima independente de algum acontecimento negativo da vida e que fazem e fariam uma cirurgia plástica para agradar a uma terceira pessoa ou sociedade. Por isso, para a aplicação de uma pesquisa quantitativa é recomendável que os respondentes sejam anônimos.

57 57 4. ANÁLISES E RESULTADOS Neste capítulo são caracterizadas as amostras do Brasil e de Portugal para, em seguida, serem testadas as hipóteses de pesquisa CARACTERIZAÇÃO DAS AMOSTRAS BRASILEIRA E PORTUGUESA A caracterização das amostras apresentada na sequência refere-se aos seguintes aspectos demográficos: idade, gênero, renda, cidade e escolaridade Idade dos respondentes A faixa etária predominante dos respondentes no Brasil foi de jovens entre os 17 e os 24 anos, que correspondem a 47% da amostra, seguida por jovens adultos na faixa dos 25 aos 30 anos, que representam 24% do total. As demais faixas etárias correspondem a 29% da amostra. Figura 10 - Gráfico com o percentual de respondentes por faixa etária 47% Faixa etária dos respondentes 24% 9% 10% 16% 12% 9% 30% 21% 8% 3% 2% 3% 4% 1% 1% Acima de 60 Brasil (%) Portugal (%) Fonte: Elaboração própria (base de pesquisados no Brasil com n = 217 e Portugal com n=142).

58 58 Já em Portugal, a faixa etária predominante dos respondentes foi de 36 a 40 anos, que representa 30% da amostra, seguida pela faixa de 41 a 45 anos, que corresponde a 21% do total, e pela faixa dos 31 aos 35 anos, que compreende 16% da amostra. Ao contrário da amostra brasileira, a participação dos jovens foi pequena na amostra portuguesa: indivíduos na faixa dos 21 aos 24 anos representam apenas 9% do total. Como no Brasil, a participação de pessoas acima de 60 anos também foi baixa em Portugal Gênero dos respondentes Tanto na amostra brasileira quanto na portuguesa, a distribuição de respondentes quanto ao gênero foi equilibrada. No Brasil, 60% dos respondentes eram do sexo feminino, enquanto em Portugal esse número foi ainda mais bem distribuído, com 52% dos respondentes do sexo feminino e 48% do sexo masculino. Figura 11 - Gráfico com o percentual de respondentes por gênero Gênero dos respondentes 60% 40% 52% 48% Brasil (%) Portugal (%) Feminino Masculino Fonte: Elaboração própria (base de pesquisados no Brasil com n = 217 e Portugal com n=142) Renda dos respondentes De acordo com o IBGE (2011), a divisão das classes sociais no Brasil baseada na renda familiar mensal é feita da seguinte forma: classe A - famílias com renda acima de R$ 6.745; classe B - famílias com renda entre R$ e R$ 6.745; classe C - famílias com renda

59 59 entre R$ e R$ 5.174; classe D - famílias com renda entre R$ 751 e R$ 1.200; finalmente, classe E - famílias com renda de até R$ 751. Na amostra brasileira, 81% dos respondentes pertencem às chamadas classes A e B, sendo apenas 1% pertencente à classe E e os demais 18% pertencentes à classe C. Figura 12 Gráfico com o percentual de respondentes por renda mensal no Brasil Percentual de Respondentes por renda no Brasil 66% 66% 18% 18% 15% 15% 0% 0% Até R$ 750; Entre R$ e R$ Entre e R$ 6.745; Acima de R$ 7.000; Fonte: Elaboração própria (base de pesquisados no Brasil com n = 217). A amostra de Portugal também apresentou um maior número de respondentes pertencentes à classe considerada média a alta. No país, as faixas 1 e 2 são consideradas classes de baixa renda, enquanto as de 3 a 6 são consideradas classe média e acima da faixa 6, classe alta. Figura 13 - Gráfico com o percentual de respondentes por renda anual em Portugal Percentual de Respondentes por renda em Portugal 34% 10% 6% 18% 13% 6% 11% 2% 1 Faixa: Até euros 2 Faixa: De 3 Faixa: De até até euros euros 4 Faixa: De até euros 5 Faixa: De até euros 6 Faixa: De até euros 7 Faixa: De até euros 8 Faixa: Mais de euros Fonte: Elaboração própria (base de pesquisados em Portugal com n = 142).

60 Cidade dos respondentes A cidade de São Paulo é o principal local de origem dos respondentes brasileiros. Somando a metrópole à região da grande São Paulo, tem-se 60% da amostra. Dentre os 40% restantes 15% moram na cidade do Rio de Janeiro, 10% na cidade de Porto Alegre, e os demais 15% estão pulverizados em diversos municípios do interior do estado de São Paulo, interior de Minas Gerais e no interior do Rio de Janeiro. Figura 14 - Gráfico com o percentual de respondente por local de residência no Brasil Local de residência Grande São Paulo; 8% São Paulo; 53% Outro; 40% Fonte: Elaboração própria (base de pesquisados no Brasil com n = 217). Em Portugal, a concentração de respondentes está na cidade do Porto com 65% dos respondentes, seguida por Lisboa com 9% da amostra e os demais 26% estão distribuídos em outras cidades portuguesas, conforme nota-se no gráfico abaixo. Figura 15 - Gráfico com o percentual de respondentes por local de residência em Portugal Local de residência Lisboa; 9% Porto; 65% Outros; 26% Fonte: Elaboração própria (base de pesquisados em Portugal com n = 142)

XVI SEMEAD Seminários em Administração

XVI SEMEAD Seminários em Administração XVI SEMEAD Seminários em Administração outubro de 2013 ISSN 2177-3866 O Consumo de Cirurgia Estética: a Influência da Autoestima e do Materialismo VIVIANE YAMASAKI ESPM viviyamasaki@hotmail.com MATEUS

Leia mais

Os corpos da Cirurgia Plástica: os discursos de mulheres sobre corpo, aparência e atividade física

Os corpos da Cirurgia Plástica: os discursos de mulheres sobre corpo, aparência e atividade física Os corpos da Cirurgia Plástica: os discursos de mulheres sobre corpo, aparência e atividade física Ana Carolina Soares Amaral, Pedro Henrique Berbert de Carvalho, Leonardo de Sousa Fortes, Valter P. Neves

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

Fábio da Silva Abrate

Fábio da Silva Abrate Fábio da Silva Abrate Elaboração de um Questionário para Avaliar as Variáveis Determinantes do Endividamento de Estudantes Universitários no Cartão de Crédito: Um Estudo Piloto Adaptado para o Mercado

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA DIFERENÇAS NAS PONTUAÇÕES DE OTIMISMO CORRELATOS DE OTIMISMO PREDITORES DE QVRS DISCUSSÃO

Leia mais

Consumo de produtos de beleza

Consumo de produtos de beleza Consumo de produtos de beleza Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

Heloisa Iara Colchete Provenzano. Personalidade e Risco: Um estudo em Finanças Comportamentais. Dissertação de Mestrado

Heloisa Iara Colchete Provenzano. Personalidade e Risco: Um estudo em Finanças Comportamentais. Dissertação de Mestrado Heloisa Iara Colchete Provenzano Personalidade e Risco: Um estudo em Finanças Comportamentais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: INTERESSES, DESEJOS E INFLUÊNCIA NO MERCADO DE CONSUMO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: INTERESSES, DESEJOS E INFLUÊNCIA NO MERCADO DE CONSUMO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: INTERESSES, DESEJOS E INFLUÊNCIA NO MERCADO DE CONSUMO Fevereiro 2016 PERFIL DA MULHER BRASILEIRA 68,0% das entrevistadas dão nota igual ou maior que SETE para a própria felicidade

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

care XIII meeting Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná

care XIII meeting Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná XIII meeting care Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná Se o seu coração é absoluto e sincero, você naturalmente

Leia mais

Imagem Corporal em Cirurgia Plástica

Imagem Corporal em Cirurgia Plástica Imagem Corporal em Cirurgia Plástica Dr. Gabriel Zeitoune - gabrielzeitoune@hotmail.com Cirurgião Plástico Membro Especialista da SBCP Slide show da Aula do Curso de Extensão em Distúrbios Alimentares

Leia mais

NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN

NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN FERREIRA, Laura Raniere Borges dos Anjos (lauraraniere@hotmail.com)¹;

Leia mais

AS ATITUDES OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM

AS ATITUDES OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM AS ATITUDES OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM Definir atitude Definir e identificar os três componentes das atitudes Comparar e contrapor as teorias relativas às atitudes: aprendizagem, consistência cognitiva

Leia mais

2 Metodologia e Critérios Empregados no Brasil para Classificar os Estratos Sociais

2 Metodologia e Critérios Empregados no Brasil para Classificar os Estratos Sociais 2 Metodologia e Critérios Empregados no Brasil para Classificar os Estratos Sociais A concentração de renda no Brasil gerou cinco categorias de grupos sociais, segundo indicadores do desenvolvimento publicados

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Informações Gerais A Nielsen recentemente pesquisou mais de 25.000 consumidores online em

Leia mais

Pesquisa. Intenção de

Pesquisa. Intenção de Pesquisa SPC BRASIL: Intenção de Compras para o Natal Novembro/2013 Pesquisa do SPC Brasil revela que brasileiros pretendem gastar mais e comprar mais presentes neste Natal Se depender dos consumidores

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

Escolha do tema. Etapas da pesquisa. Como nascem as idéias? Como nascem as idéias?

Escolha do tema. Etapas da pesquisa. Como nascem as idéias? Como nascem as idéias? Escolha do tema Etapas da pesquisa O que pretendo abordar? O tema é um aspecto ou uma área de interesse de um assunto que se deseja provar ou desenvolver. Eleger uma parcela delimitada de um assunto, estabelecendo

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet TIC Domicílios 007 Habilidades com o Computador e a Internet DESTAQUES 007 O estudo sobre Habilidades com o Computador e a Internet da TIC Domicílios 007 apontou que: Praticamente metade da população brasileira

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

U N I V E R S A L APERFEIÇOADA. Vários avaliadores SOCIAL STYLE. Perfil. Preparado para: Por: Sessão: Isabella Ruiz. Sample Organization

U N I V E R S A L APERFEIÇOADA. Vários avaliadores SOCIAL STYLE. Perfil. Preparado para: Por: Sessão: Isabella Ruiz. Sample Organization Vários avaliadores SOCIAL STYLE Perfil Preparado para: Isabella Ruiz Por: Sample Organization Sessão: Improving Interpersonal Effectiveness U N I V E R S A L APERFEIÇOADA 09 Abr 2014 SOCIAL STYLE, A empresa

Leia mais

PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO

PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO Visando subsidiar a formulação de políticas e estratégias de ação que promovam, a médio e longo prazos, a redução das desigualdades

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL. Janeiro 2014

PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL. Janeiro 2014 PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL Janeiro 2014 PESQUISA DO SPC BRASIL REVELA QUE 81% DOS BRASILEIROS SABEM POUCO OU NADA SOBRE SUAS FINANÇAS PESSOAIS Os brasileiros ainda estão muito distantes

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Sumário Executivo. Objetivos

Sumário Executivo. Objetivos Brasil Sumário Executivo As mídias sociais estão se tornando uma parte central de como os consumidores descobrem e avaliam informações. Quando os Mass Affluent se relacionam com instituições financeiras

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VERSUS. Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Actividades de Academia

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VERSUS. Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Actividades de Academia UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO QUALIDADE DE SERVIÇO E AUTO-PERCEPÇÃO FÍSICA VERSUS RETENÇÃO E FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Actividades

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

IPA INSTITUTO DE PESQUISA AVANTIS Professor Coordenador Thiago Santos IPA@AVANTIS.EDU.BR

IPA INSTITUTO DE PESQUISA AVANTIS Professor Coordenador Thiago Santos IPA@AVANTIS.EDU.BR IPA INSTITUTO DE PESQUISA AVANTIS Professor Coordenador Thiago Santos IPA@AVANTIS.EDU.BR IPA Instituto de Pesquisa Avantis Objetivos: - Socializar os conhecimentos e informações originadas por pesquisas

Leia mais

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7.1 INTRODUÇÃO Considera-se que produtos e serviços são conjuntos de atributos, por exemplo, no caso de apartamentos, preço, localização, planta, serviços oferecidos

Leia mais

Teorias Contemporâneas

Teorias Contemporâneas Teorias Contemporâneas 1-Teoria ERG 2-Teoria das Necessidades, de McClelland 3-Teoria da Avaliação Cognitiva 4-Teoria da Fixação dos Objetivos 5-Teoria do Reforço 6-Teoria da Equidade 7-Teoria da Expectativa

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DESENVOLVIMENTO DE AGUARDENTE DE GOIABA: TESTE DE CONCEITO LUCAS SILVEIRA TAVARES 1, JOSÉ GUILHERME LEMBI FERREIRA ALVES 2 AMANDA OLIVERI SOARES 3, JOÃO DE DEUS SOUZA CARNEIRO 4, RENATO SILVA LEAL 5, DANIEL

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda

Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda TAVARES, AF;CAMPANA, ANNB; MORAES, MS Faculdade de medicina de São José do Rio Preto Tanto

Leia mais

Avaliação de IHC: objetivos

Avaliação de IHC: objetivos Avaliação de IHC: objetivos Decisões de design afetam usabilidade Conhecimento dos usuários e de suas necessidade Design: Design: diferentes diferentes soluções soluções possíveis possíveis Interação:

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas CONDUÇÃO: PROF. THIAGO CAVALCANTE NASCIMENTO Questões Introdutórias Como se mensurar fenômenos que, na maioria das vezes, não podem ser

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande Sul e Caxias do Sul

Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande Sul e Caxias do Sul Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande Sul e Caxias do Sul Adalberto Ayjara Dornelles Filho Ramone Mincato Paula Cervelin Grazzi Resumo: Uma breve revisão de estudos sobre

Leia mais

AUTOR(ES): SUELEN MAYARA DA SILVA, LAIS MATOS DE GODOI, MARINA LUZIA BRACCIO

AUTOR(ES): SUELEN MAYARA DA SILVA, LAIS MATOS DE GODOI, MARINA LUZIA BRACCIO TÍTULO: O CÓDIGO DE ÉTICA E A VALORIZAÇÃO DO CONTADOR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): SUELEN MAYARA

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

1 Introdução 2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing

1 Introdução  2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing Diferenciação Informada: um Estudo sobre os Efeitos da Informação sobre a Disposição a Pagar João Roberto Lo Turco Martinez joaoadm01@yahoo.com.br UFG Lorena Estrela Peixoto lorenapeixoto18@yahoo.com.br

Leia mais

a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução

a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução Segmentação de mercado é o processo de dividir mercados em grupos de consumidores potenciais com necessidades e/ou características semelhantes e que provavelmente exibirão

Leia mais

1 Introdução 1.1. Contextualização

1 Introdução 1.1. Contextualização 1 Introdução 1.1. Contextualização O mercado de cartões no Brasil ainda está em fase de amadurecimento. A maior estabilização da economia brasileira com o plano real após 1994 permitiu uma explosão da

Leia mais

Planejamento Multimídia. Prof. Bruno Moreno

Planejamento Multimídia. Prof. Bruno Moreno Planejamento Multimídia Prof. Bruno Moreno Sumário 03/03/2011 Ainda Novo Consumidor Vídeo da Não é uma Brastemp Público-alvo Concorrência Apresento-lhes Maria Luiza Vídeo sobre Novo Consumidor http://www.youtube.com/watch?v=riovee0wquq

Leia mais

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing André Luis Canedo Lauria Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas IMPACTO DA COMUNICAÇÃO TELEVISIVA NAS INTENÇÕES COMPORTAMENTAIS DE CONSUMIDORES: UM ESTUDO EMPÍRICO DO MERCADO

Leia mais

Vinicius Ribeiro Pereira. Métodos Alternativos no Critério Brasil para Construção de Indicadores Sócio-Econômico: Teoria da Resposta ao Item

Vinicius Ribeiro Pereira. Métodos Alternativos no Critério Brasil para Construção de Indicadores Sócio-Econômico: Teoria da Resposta ao Item Vinicius Ribeiro Pereira Métodos Alternativos no Critério Brasil para Construção de Indicadores Sócio-Econômico: Teoria da Resposta ao Item Dissertação de Mestrado Departamento de Engenharia Elétrica Programa

Leia mais

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Cristiana Elisa Aguiar Ribeiro (UFMG) Jaime Sadao Yamassaki Bastos (IBMEC-MG) Resumo: Este

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Augusto César Ferreira Lima A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Imagem de Tipos de Carnes do Ponto de Vista do Consumidor

Imagem de Tipos de Carnes do Ponto de Vista do Consumidor Imagem de Tipos de Carnes do Ponto de Vista do Consumidor O consumo de carne no Brasil vem apresentando crescimento em todos os segmentos: bovino, suíno e de frango. Dentre eles, o consumo de carne bovina

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA. Nome do(s) autor(es)

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA. Nome do(s) autor(es) 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA Nome do(s) autor(es) TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO (SE HOUVE) LOCAL Ano 2 Nome do(s) autor(es) TÍTULO DO TRABALHO:

Leia mais

O comportamento de compra do consumidor da classe C

O comportamento de compra do consumidor da classe C O comportamento de compra do consumidor da classe C Josiane Wengrzynek, analistas.faq@bol.com.br, Av. das Araucárias, s/n, fone: (46) 559-1142 Quedas do Iguaçu-PR, 85460-000 Eliane Rodrigues do Carmo (FAQ),

Leia mais

PREVENÇÃO DE RECAÍDA

PREVENÇÃO DE RECAÍDA PREVENÇÃO DE RECAÍDA Alessandro Alves Noventa por cento do sucesso se baseia simplesmente em insistir. Woody Allen A recaída tem sido descrita tanto como um resultado a visão dicotômica de que a pessoa

Leia mais

Rumo a novos patamares

Rumo a novos patamares 10Minutos Auditoria Estudo sobre a Situação da Profissão de Auditoria Interna Rumo a novos patamares Destaques Os stakeholders estão menos satisfeitos com a contribuição da auditoria interna em áreas de

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

Country equity: percepções do consumidor chileno sobre o Brasil e a China e seus produtos

Country equity: percepções do consumidor chileno sobre o Brasil e a China e seus produtos Anita Fernandes Koenigsdorf Country equity: percepções do consumidor chileno sobre o Brasil e a China e seus produtos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão.

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão. 28 3 Design e emoção Segundo Norman (2004), as emoções são valiosas para a vida cotidiana de todos os seres humanos. A utilidade e a usabilidade também o são, mas sem a diversão, o prazer, o orgulho e

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES

COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES Renata Tavares Beschizza Pini;Alessandra Costa Pereira

Leia mais

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA TÍTULO: O USO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DOS ALUNOS JÁ FORMADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito 9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Imagem Corporal no Envelhecimento Maria João Sousa e Brito Envelhecimento Envelhecer não é difícil difícil é ser-se velho Goethe O prolongamento da vida coloca novos cenários,

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Tecnologia Núcleo de Engenharia de Produção

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Tecnologia Núcleo de Engenharia de Produção UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Tecnologia Núcleo de Engenharia de Produção DIAGNÓSTICO DO PERFIL FINANCEIRO DOS MÉDICOS DE BRASÍLIA: Os principais motivos de seu endividamento. Bárbara barbara.magaldi@gmail.com

Leia mais

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões novembro 2012 apoio 2 do CEO Carta do CEO A pesquisa levanta questões interessantes relativas à sustentabilidade e à boa

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Alexandra Cardoso da Rosa Bittencourt 1 ; Rogério

Leia mais

CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA

CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA 1 CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA Samuel Rodrigues de Paula Introdução: No mundo inteiro o alcoolismo é considerado, um dos mais graves problemas de ordem social e

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais