FONTES DE FINANCIAMENTO PARA A ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS NA MODALIDADE PROJECT FINANCE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FONTES DE FINANCIAMENTO PARA A ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS NA MODALIDADE PROJECT FINANCE"

Transcrição

1 FONTES DE FINANCIAMENTO PARA A ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS NA MODALIDADE PROJECT FINANCE JOSE LUIZ PEREIRA DUARTE SILVA (UFF) Luis Perez Zotes (UFF) Este artigo tem por objetivo tratar do financiamento de projetos na modalidade Project Finance, apresentando um breve histórico, suas principais características e exemplos de utilização. Sua abordagem predominante diz respeito às diversas ffontes de financiamento existentes para a consecução de empreendimentos neste formato. Desta forma, por intermédio da viabilização financeira de empreendimentos de infraestrutura de grande porte, espera-se que o Project Finance contribua para o crescimento econômico do Brasil e sua consolidação no cenário mundial. Palavras-chaves: Project Finance. Fontes de Financiamento. Empreendimentos. Infraestrutura.

2 1. Introdução O Project Finance é uma técnica de financiamento utilizada, geralmente, em projetos de infraestrutura de grande porte. Este tipo de financiamento pressupõe que as receitas geradas pelo empreendimento sejam capazes de fazer frente às despesas de pagamento dos recursos obtidos para sua consecução. Contudo, não se trata de uma ferramenta recente. A história relata que transações baseadas nas características deste tipo de instrumento já eram utilizadas pelos ingleses há mais de 700 anos. Um exemplo disso foi o empréstimo que a Coroa Britânica fez, em 1299, com o banco florentino Frescobaldi, um dos principais existentes no mundo na época, para exploração de minas de prata na região de Devon, na Inglaterra. Como forma de pagamento da dívida, os ingleses permitiram que os italianos extraíssem prata pelo período de um ano, sem limite de quantidade. O detalhe relevante nesta transação foi que a Inglaterra não deu qualquer garantia da qualidade da prata a ser extraída e os italianos assumiram o risco de performance da operação (FINNERTY, 1999). Apesar de ser uma ferramenta com um histórico bastante antigo, somente em tempos mais recentes, entre os anos de 1960 e 1990, se pode detectar sua utilização intensiva em projetos de grande porte ao redor do mundo. 2. Objetivo A partir de meados da década de 90, com a premissa de que o Estado Brasileiro não possuía recursos suficientes para alavancagem de vários projetos ao mesmo tempo, e de que a iniciativa privada poderia se beneficiar com retornos adequados aos níveis de investimento necessários para a implementação de projetos de interesse estratégico ou não, o Project Finance apresentou-se como ferramenta apropriada à construção deste tipo de negócio. O objetivo deste artigo, portanto, é identificar as fontes de financiamento existentes para projetos de grande porte, estruturados na modalidade Project Finance, com a utilização de recursos nacionais e internacionais, analisando as características dos principais intervenientes financeiros existentes no mercado. Para o atingimento da finalidade proposta, foi adotada a metodologia exploratória, no que diz respeito ao objetivo, e bibliográfica, no que tange ao procedimento técnico (GIL, 2009). 3. Financiamento via Project Finance Para o sucesso deste tipo de financiamento, é necessário que o empreendimento, enquanto projeto, mostre capacidade de geração de fluxos de caixa suficientemente consistentes para que os financiadores aportem seu capital em troca de uma remuneração adequada. As garantias envolvidas neste modelo de crédito são bastante complexas. É necessário um apoio jurídico constante, para que todas as amarrações contratuais possam dar o lastro garantidor ao crédito concedido. Segundo Finnerty (1999, p.2): O Project Finance pode ser definido como a captação de recursos para financiar um projeto de capital economicamente separável, no qual os provedores de recursos vêem o fluxo de caixa vindo do projeto como fonte primária de recursos para atender ao serviço de seus empréstimos e fornecer o retorno sobre seu capital investido no projeto. 2

3 A diversidade de aplicações da estruturação de financiamentos na modalidade Project Finance remete à necessidade de elaborar estruturas que possam, além de tornar os projetos uma realidade operacional, dar aos envolvidos, sejam eles patrocinadores (sponsors), financiadores (lenders) ou compradores (offtakers), as garantias necessárias de que os riscos incorridos são remuneráveis a taxas consideradas justas para as partes. O plano de negócios (business plan) inicial prevê o funcionamento do projeto de acordo com determinadas premissas de custos, prazos e recursos financiáveis. O suporte financeiro na fase préoperacional deve ser suprido parte com capital próprio e parte com capital de terceiros (bancos ou agências de financiamento). Esta relação é, normalmente, da ordem de 30% de recursos dos interessados na consecução do projeto e 70% de órgãos financiadores. A figura a seguir retrata a estrutura básica de uma operação de Project Finance. Figura 01 Elementos Básicos de um Project Finance Fonte: Finnerty, Formas de Financiamento Invariavelmente, os empreendimentos necessitam de aportes financeiros antes, durante e após seu planejamento. Na primeira fase, os patrocinadores do projeto criam e capitalizam uma Sociedade de Propósito Específico (SPE) para a elaboração do projeto-base, quando são feitos os estudos de viabilidade econômico-financeira do negócio. Na segunda etapa, depois da aferição de sua exequibilidade, inicia-se a busca pelas fontes de financiamento. Neste ponto, Borges (1998, p.5) elenca que as estruturas financeiras que servem de fontes ao projeto são o capital de risco (equity), os empréstimos (debt), os instrumentos híbridos (como debêntures conversíveis em ações) e o arrendamento (leasing). O capital de risco representa a parcela de capital próprio investida pelos acionistas do projeto. Pode ser representado por equity direto, quando os patrocinadores participam da 3

4 administração ou operação do negócio, ou indireto, caso em que delegam poderes a profissionais especializados para tal. Os empréstimos podem ser bancários, concedidos por bancos comerciais, de investimento ou de desenvolvimento, nacionais e internacionais, representados por empréstimos-pontes, bônus, créditos de médio e longo prazos, ou de mercado de capitais, por meio da emissão de debêntures simples e notas promissórias, abertura de capital ou oferta pública inicial (IPO Initial Public Offering). Normalmente, os emprestadores de recursos exigem que os tomadores aportem, em média, 30% do capital do capital total do projeto como forma de comprovar sua credibilidade no empreendimento. 5. Entidades Públicas e Privadas de Financiamento Este tópico abordará o estudo de algumas entidades públicas e privadas que ofertam financiamento e outros tipos de atividades assessórias ao ramo financeiro, a exemplo de garantias, para consecução de projetos em várias modalidades, incluindo, evidentemente, o Project Finance Banco Interamericano de Desenvolvimento O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), localizado em Washington - D.C., EUA, foi criado, em 1959, por intermédio de um acordo entre os países componentes da Organização dos Estados Americanos OEA. Um dos seus principais objetivos é apoiar o desenvolvimento dos países da América Latina e do Caribe, buscando melhorar os indicadores sociais da região. Atua conjuntamente com governos, organizações da sociedade civil e empresas privadas, concedendo empréstimos e realizando operações de cooperação técnica não reembolsáveis (subsídios). As políticas operacionais do Banco estão divididas em: gerais, que são aquelas comuns às atividades relacionadas aos financiamentos; e setoriais, que norteiam as atividades em áreas específicas. Além disso, há uma clara política de aquisições, a qual estabelece os critérios para compra de bens e serviços objeto de financiamentos e uma política de divulgação de informações, o que propicia um acompanhamento das atividades operacionais. O BID é composto por em sua totalidade por 48 países membros, divididos em mutuários e não mutuários. Os primeiros são todos da América Latina e Caribe e somam 26 nações. O restante é representado por países de diversos continentes que são membros avulsos. Os países membros não mutuários do BID são em número de 22 e sua associação se dá por meio de subscrição de capital. Os benefícios advindos desta parceria são representados pela preferência nos processos de aquisições e contratações provenientes dos projetos financiados pelo banco, pois somente países membros podem fornecer insumos (materiais, equipamentos e serviços) para o desenvolvimento de negócios dos países membros mutuários. Atualmente, o BID dispõe de recursos da ordem de US$170 bilhões. Os programas e projetos são financiados por empréstimos que, geralmente, obedecem a taxas de mercado. Contudo, alguns, dependendo de suas características e destinações, são subsidiados com recursos especiais. O BID tem uma capacidade anual de financiamento em torno de US$8 bilhões. Outra vantagem das linhas de financiamento são os prazos de repagamento, variando entre 8 e 15 anos, para o setor privado, e 15 e 25 anos, para o setor público. As taxas de juros cobradas 4

5 são compostas pelos custos incorridos pelo Banco para captação de recursos, acrescidos de encargos e spreads. Também são cobradas comissões de análise (para definição da aprovação do pleito), comissões de manutenção de linha de crédito (para recursos não desembolsados), comissões de estruturação de financiamento e comissões de administração de recursos. Existem dois tipos de empréstimos disponibilizados pelo BID: (i) em Moeda Única (normalmente, o dólar americano) com taxa de juros ajustável e revista a cada seis meses e (ii) em Moeda Única com taxa de juros vinculada à taxa de juros do mercado interfinanceiro de Londres (LIBOR), revisitada a cada três meses. Ressalte-se que os empréstimos do BID podem ser divididos em duas tranches: BID A Loan aporte direto de recursos e BID B Loan aporte de recursos por bancos comerciais com garantia do BID Banco Mundial O Banco Mundial, criado em 1944 para financiar a reconstrução das nações devastadas pela 2ª Guerra Mundial, tem, atualmente, como função principal, prestar financiamentos para o combate à pobreza nos países em desenvolvimento. Sua composição administrativa é a de uma cooperativa, onde os países membros, num total de 186, são acionistas e sua capitalização depende da representatividade de sua economia. Os recursos disponíveis são utilizados para construção de escolas, hospitais, estradas, fontes de energia e demais projetos que visem à melhoria da qualidade de vida dos povos dos países mutuários. O Grupo Banco Mundial é composto por cinco entidades distintas: Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento (BIRD) - fornece empréstimos e assistência técnica para países em desenvolvimento; Agência Internacional de Desenvolvimento (AID) - busca a redução da pobreza nos países mutuários mais pobres, através de financiamentos sem juros estes dois organismos (BIRD e AID) formam o que se chama efetivamente de Banco Mundial; Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (AMGI) - oferece garantias a investidores estrangeiros em empréstimos a países em desenvolvimento; Corporação Financeira Internacional (CFI) - objetiva o crescimento das nações em desenvolvimento através de empréstimos ao setor privado e da prestação de assessoria técnica a empresas e governos; e Centro Internacional para Arbitragem de Disputas sobre Investimentos (CIADI) - atua como mediador em embates jurídicos para resolução de disputas entre investidores estrangeiros e os países anfitriões, mediante decisão conciliatória ou arbitrada. O Banco Mundial aproveita-se de sua potencialidade creditícia para captar recursos no mercado financeiro internacional a taxas privilegiadas e repassá-los em condições similares a países em desenvolvimento que não teriam esta mesma possibilidade. Estes empréstimos financiam investimentos em bens, obras e serviços em infra-estrutura que gerem desenvolvimento social e econômico ao país mutuário, que, em determinadas circunstâncias, pode obter carência de até dez anos para iniciar o pagamento da dívida Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Fundado em 20 de junho de 1952, o BNDES é um órgão vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e seu objetivo principal é dar apoio a empreendimentos industriais e de infra-estrutura que visem ao desenvolvimento do Brasil. Trata-se do maior financiador de longo prazo do mercado brasileiro. 5

6 As operações de financiamento podem ser realizadas de três formas distintas: (i) direta feita diretamente pelo BNDES ou por intermédio de um mandatário, mediante apresentação de carta-consulta; (ii) indireta realizada através de uma instituição financeira credenciada; e (iii) mista feita de forma combinada, ou seja, pelo BNDES e por um agente credenciado. As operações dividem-se em: (i) operações de financiamento realizadas diretamente pelo BNDES; (ii) operações de financiamento realizadas através de instituições financeiras credenciadas; e (iii) operações de financiamento realizadas diretamente com o BNDES e/ou por meio de instituições financeiras credenciadas Empréstimo Ponte, Financiamento a Empreendimentos (FINEM) e Project Finance. As principais etapas da tramitação dos projetos são: (i) Consulta Prévia a empresa interessada envia a solicitação de apoio; (ii) Perspectiva neste nível são cadastrados como pendentes os projetos que não apresentaram todas as informações requeridas; (iii) Enquadramento fase de avaliação da viabilidade de execução do projeto e do comprometimento de aporte de recursos próprios; (iv) Apresentação do Projeto apresentação de todas as informações e documentações no prazo máximo de 60 dias a contar da data do enquadramento; (v) Análise do Projeto o BNDES tem um prazo de 60 dias para elaborar sua análise e decidir pela aprovação ou não; (vi) Contratação nesta fase, a área jurídica do Banco elabora o instrumento contratual, que deve ser firmado no prazo de até 60 dias após a data de aprovação do projeto; e, (vii) Desembolsos são as liberações de recursos de acordo com o cronograma estabelecido. O BNDES possui um programa próprio para financiamento de projetos na modalidade Project Finance. É necessário que a entidade beneficiária do programa seja uma SPE com a finalidade única de implementar o projeto a ser financiado, que os fluxos de caixa, riscos e patrimônio do projeto estejam apartados da empresa patrocinadora, que as receitas futuras projetadas sejam contratualmente cedidas em favor dos órgãos financiadores e que os fluxos de caixa futuros sejam suficientes para honrar o serviço da dívida contraída para execução do empreendimento. Uma série de garantias é requerida dos mutuários para obtenção dos recursos financiáveis pelo BNDES, a saber: (i) Garantias Pré-Operacionais na fase de implantação do projeto, o beneficiário deve comprometer-se a aportar recursos próprios, celebrar contratos que garantam a conclusão do projeto no cronograma previsto e contratar um seguro-garantia contra riscos diversos, tendo como beneficiários os financiadores do projeto (BNDES e/ou bancos credenciados); (ii) Garantias Operacionais o mutuário deve penhorar as ações da SPE em favor dos financiadores. Os financiadores ainda podem solicitar aval ou fiança do tomador do crédito; e (iii) Garantias Reais o Banco exige garantias reais de 130% do valor disponibilizado, podendo dispensá-las, caso haja o compromisso do beneficiário em não ofertar a terceiros as mesmas garantias e/ou recebíveis sem prévia consulta e expressa autorização dos financiadores. Os prazos de amortização da dívida contraída são analisados individualmente, de acordo com a capacidade de geração de caixa pela sociedade beneficiária. Realizada esta avaliação, o BNDES estipula seu nível de participação no empreendimento, que poderá alcançar até 75% do ativo total projetado Corporação Andina de Fomento 6

7 A Corporação Andina de Fomento (CAF), criada em 1970, é uma instituição financeira multilateral sediada em Caracas, na Venezuela, cujo objetivo é prestar assistência financeira a empresas públicas e privadas da América Latina, visando ao desenvolvimento sustentável e integração dos países da região. A CAF possui entre seus acionistas 16 países latino-americanos (Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Jamaica, México, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Trinidad e Tobago, Uruguai e Venezuela), Espanha e Portugal, por seus interesses de investimento nos países de mesma língua-pátria, além de catorze bancos privados da região andina. Por meio da captação de recursos nos mercados de capitais internacionais, a CAF promove investimentos e oportunidades de negócios para a região. Assim, oferece uma vasta gama de produtos e serviços para atender as mais variadas necessidades de seus clientes, a exemplo de: Assessoria Financeira; Cooperação Técnica; Empréstimos de curto, médio e longo prazos; Financiamento Estruturado; Garantias e Avais; Garantias Parciais; Linhas de Crédito; Participações Acionárias; e Serviços de Tesouraria. Como objeto principal de abordagem deste artigo, é importante destacar que a CAF também atua na área de financiamentos estruturados do tipo Project Finance. Deste modo, são estudados projetos dirigidos ao setor de infra-estrutura e que tenham, preferencialmente, contratos de concessão já outorgados pelos poderes concedentes locais como forma de minimizar os riscos regulatórios e políticos dos empreendimentos Compagnie Française d Assurance pour le Commerce Extérieur A Compagnie Française d Assurance pour le Commerce Extérieur (COFACE) é uma empresa francesa, sediada em Paris, e faz parte de um dos maiores conglomerados financeiros da França, o Grupo Natixis Banques Populaires. A empresa, há mais de 60 anos atuando no mercado mundial e presente em mais de 60 países, possui colaboradores e 135 mil clientes ao redor do globo. Sua linha de serviços compreende: seguro de crédito doméstico e de exportação (seu carro-chefe), gestão de cobrança nacional e internacional, informações comerciais estratégicas e financiamento de recebíveis. Sua estratégia de atuação está representada no modelo de negócios abaixo: 7

8 Figura 02 Modelo de Negócios da COFACE Fonte: COFACE, 2011 Presente no Brasil desde 1998, a COFACE adquiriu, em 2009, o controle da Sociedade Brasileira de Crédito à Exportação (SBCE), que possuía características de atuação semelhantes às de sua matriz. Dentro das linhas de serviços citadas anteriormente, seu Seguro de Crédito Doméstico possui coberturas para processos falimentares (falência e recuperação judicial) e mora simples; o Seguro de Crédito à Exportação cobre riscos comerciais e riscos políticos e extraordinários até o limite de 90% do limite de crédito segurado e não pago; gestão de cobrança nacional e internacional, através dos serviços de recuperação e gerenciamento de carteiras vencidas; informações comerciais estratégicas, amparadas por um banco de dados de mais de 56 milhões de empresas em todo o mundo, proporcionando um maior conhecimento dos potenciais clientes; e financiamento de recebíveis, mixando securitização, gestão e financiamento de recebíveis corporativos Japan Bank for International Cooperation É uma entidade internacional de cooperação criada em 1999 e constituída em sua totalidade por capital do governo japonês. Seu objetivo principal é fortalecer as relações econômicas entre o Japão e parceiros estrangeiros do setor privado, através de financiamento preferencial ao investimento externo e comercial de empresas japonesas. Por intermédio do mecanismo de International Financial Operations (IFO), o Japan Bank for International Cooperation (JBIC) apóia, direta e indiretamente, empresas japonesas na importação, exportação e investimento em diversos países em todos os continentes. Todas as operações apoiadas por financiamentos concedidos consideram o chamado Japan Interest, ou seja, o interesse japonês de investir em outros países. No caso brasileiro, o apoio pode se dar em conjunto com outros organismos financeiros, como Banco Mundial, BID ou BNDES e devem ser destinados, prioritariamente, aos segmentos de infraestrutura, energia e recursos naturais, além de projetos chamados de mecanismo de desenvolvimento limpo (MDL), voltados ao combate do efeito-estufa. O suporte financeiro a empresas japonesas, suas matrizes ou filiais localizadas em solo brasileiro, seja em processos de exportação ou importação de bens e serviços, é ponto-chave para o Banco. 8

9 Os passos para obtenção de um empréstimo na modalidade IFO são os seguintes: (i) contato direto com o JBIC; (ii) escolha do tipo de financiamento; (iii) análise de viabilidade do projeto; (iv) análise de risco de crédito do projeto; (v) negociação do contrato, das garantias e condições gerais de financiamento; (vi) submissão dos termos contratuais à Diretoria do JBIC; (vii) aprovação do financiamento pela Diretoria; (vii) assinatura do contrato de financiamento; e (ix) monitoramento do projeto. As operações de IFO podem ter seis modalidades distintas, tratadas a seguir: (1) Financiamento à exportação financia os exportadores japoneses, os importadores nos países de destino dos bens de capital/serviços tecnológicos ou os bancos estrangeiros responsáveis pelas transações; (2) Financiamento à importação efetua empréstimos ao importador japonês ou ao exportador estrangeiro; (3) Financiamento ao investimento externo apóia investimentos diretos de empresas ou investidores japoneses no exterior; (4) Financiamento não vinculado são recursos de longo prazo para projetos de desenvolvimento da infraestrutura sócio-econômica de países em desenvolvimento não vinculados à aquisição de bens e serviços de empresas japonesas; (5) Garantia destina-se a operações financeiras de bancos privados, lançamento de títulos de governos estrangeiros em mercado de capitais, fianças bancárias para exportações de equipamentos japoneses ou importações de recursos naturais essenciais ao Japão e empréstimos de empresas japonesas; (6) Participação acionária realiza injeção de recursos em subsidiárias de empresas japonesas com vistas à execução de projetos de interesse estratégico Banco do Brasil S.A. De acordo com Oliveira e Pacheco (2005), o Banco do Brasil (BB) é o banco mais antigo do país, criado por D. João VI, em Trata-se de uma sociedade de economia mista, controlada pelo Governo Federal. A participação deste, por intermédio do Tesouro Nacional, é de 59,1% das ações ordinárias, ficando a Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil (PREVI) com 10,4%, BNDES Participações (BNDESPAR) com 0,1%, 15,5% em poder de estrangeiros e o restante, 14,9%, com os demais acionistas em mercado (CVM, 2011). Dentre suas atividades, o Banco do Brasil tem as seguintes atribuições (OLIVEIRA e PACHECO, 2005): (i) Administrador da Câmara de Compensação de Cheques e Outros Papéis; (ii) Agente financeiro do Tesouro Nacional; (iii) Executor dos serviços bancários de interesse do governo federal e de suas autarquias; e (iv) Financiador da atividade agropecuária do País, com recursos advindos de depósitos em cadernetas de poupança. Por intermédio da atuação de suas diversas áreas, principalmente a Comercial e a de Mercado de Capitais, o Banco pode estruturar operações que propiciem recursos financeiros a empresas para desenvolvimento de projetos estruturados, inclusive na modalidade Project Finance. Este apoio pode se dar através de operações financeiras lastreadas em recursos próprios (financiamento direto de longo prazo), recursos provenientes de operações igualmente de longo prazo em mercado de capitais e de fundos governamentais administrados pelo Banco, com o objetivo de alavancar o desenvolvimento regional, como o Fundo Constitucional de Financiamento do Centro Oeste (FCO) Demais Bancos Comerciais 9

10 Os bancos comerciais privados têm como função principal o suprimento de fundos em quantidade adequada para financiar, a curto, médio e longo prazos, atividades comerciais, industriais, de prestação de serviços e pessoas físicas. Esses bancos nada mais são do que intermediários financeiros, ou seja, captam recursos de quem os tem de sobra, os chamados poupadores, remunerando seu capital a uma determinada taxa, e emprestando esses mesmos recursos a quem deles necessita, chamados de tomadores de recursos, cobrando uma taxa superior à paga aos aplicadores. Desta forma, fica estabelecido o spread bancário, que é a diferença entre as taxas de captação e de aplicação de recursos. Basicamente, é deste modo que os bancos auferem seu lucro. Segundo Fortuna (2002), para atender esses objetivos, os bancos podem: captar depósitos à vista e a prazo; descontar títulos comerciais; efetuar a prestação de serviços à sua clientela; obter recursos externos para repasse a clientes; obter recursos junto a instituições oficiais para repasse aos clientes; promover a abertura de limites de créditos; realizar a abertura de contascorrentes; e realizar operações financeiras especiais, incluindo crédito rural, de câmbio e de comércio exterior. Bancos comerciais nacionais ou estrangeiros, principalmente os de médio e grande porte, possuem em seu portfólio de serviços, como visto acima, a realização de operações específicas, as quais incluem o financiamento de projetos. Muitos deles suportam linhas creditícias próprias para Project Finance, operam em mercado de capitais para obtenção de recursos de terceiros, lançando títulos ou montando operações estruturadas, ou, simplesmente, atuam como intermediários em repasses de bancos de fomento. 6. Conclusão A estruturação de empreendimentos mediante a aplicação da técnica do Project Finance necessita de amplo apoio financeiro para sua execução. Organismos internos e externos encontram-se aptos a prover financiamentos nesta modalidade, sendo necessário um esforço de unicidade na consecução dos tratamentos individuais para obtenção de linhas de financiamento adequadas, em volumes, taxas e prazos, para empreitadas deste tipo. Com a experiência adquirida ao longo dos últimos 20 anos, o BNDES, como principal agente de fomento do governo federal, assim como outras entidades públicas e privadas, já assimilaram conceitualmente as características do Project Finance e podem dar o apoio financeiro necessário a estruturações do gênero. As agências externas de financiamento, como BID e JBIC, também têm muito a contribuir na alavancagem de projetos que se mostrem economicamente viáveis, vis-à-vis a larga experiência obtida ao longo de décadas de apoio a empreendimentos estruturados na modalidade Project Finance. O quadro a seguir resume as entidades abordadas neste artigo: 10

11 Quadro 01 Financiadores em Project Finance Por isso, crê-se que este modelo de financiamento possa ser utilizado de forma bastante intensa por investidores brasileiros e estrangeiros, de modo a proporcionar condições de desenvolvimento da infraestrutura nacional, viabilizando a construção de usinas de energia, estradas, portos, aeroportos e, assim, permitindo a continuidade do crescimento do País. Referências BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO - BID. Disponível em: <http://www.bid.org>. Acesso em: 20 dez BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. Disponível em: <http://www.bndes.gov.br>. Acessos em diversas datas. BORGES, LUIZ F. X. Project Finance e Infra-estrutura: Descrição e Críticas. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS CVM. Disponível em: <http://www.cvm.gov.br>. Acesso em 21 dez FINNERTY, JOHN D. Project Finance: Engenharia Financeira baseada em ativos. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed., FORTUNA, EDUARDO. Mercado Financeiro: produtos e serviços / 15ª ed. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed., GIL, ANTONIO C.; Como Elaborar Projetos de Pesquisa / 4ª ed. São Paulo: Atlas, JAPAN BANK FOR INTERNATIONAL COOPERATION - JBIC. Disponível em: <http://www.jbic.com.br>. Acesso em: 23 set OLIVEIRA, GILSON A. & PACHECO, MARCELO M.. Mercado Financeiro. São Paulo: Editora Fundamento Educacional,

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros 2015 Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros Sumário Introdução... 2 O Programa PROEX... 2 PROEX Financiamento... 3 Mais Alimentos Internacional... 4 PROEX Equalização...

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

como captar, gerenciar e reportar

como captar, gerenciar e reportar Guia para projetos com financiamento externo: como captar, gerenciar e reportar A solução para que uma boa ideia saia do papel ou ainda, para que um problema encontre solução, pode estar em um financiamento

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

Financiamento a Investimentos BNDES PROMINP/Angra dos Reis 7 a 8 de agosto de 2003 Nova Estrutura Organizacional Conselho de Administração Auditoria Presidente Carlos Lessa Vice-Presidente Darc Costa Gabinete

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas O que é o BID Organismo multilateral de desenvolvimento que tem como propósito financiar projetos viáveis de desenvolvimento econômico, social e

Leia mais

Garantias em Project Finance Visão do Financiador. Rubens Takashi de Melo Tsubone takashi@bndes.gov.br

Garantias em Project Finance Visão do Financiador. Rubens Takashi de Melo Tsubone takashi@bndes.gov.br Garantias em Project Finance Visão do Financiador Rubens Takashi de Melo Tsubone takashi@bndes.gov.br 1º de março 2012 Project Finance: Conceitos Básicos Project Finance x Financiamento Corporativo Características

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 BH COPA 2014 Agenda Resumo Institucional Os Projetos que Apoiamos Formas de Atuação Condições de Financiamento Fechamento Agenda Resumo

Leia mais

Financiamento da infraestrutura nacional de transportes

Financiamento da infraestrutura nacional de transportes Financiamento da infraestrutura nacional de transportes Outubro de 2015 Estruturas tradicionais de Project Finance com recursos do BNDES Tradicionalmente, os recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Foto: PCH Cotiporã

Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Foto: PCH Cotiporã Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Ludmila Carvalho Colucci 06/04/2009 Foto: PCH Cotiporã 1 Agenda BNDES Carteira do BNDES Políticas Operacionais Operações Estruturadas Foto:

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II AULA 03 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo II BNDES No subsistema operativo, existem instituições que não captam depósitos à vista, como o BNDES. O Banco Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

S B U SI S ST S E T M

S B U SI S ST S E T M 2.1 - Estrutura do SFN Análise de Mercado Financeiro Cap. II Sistema Financeiro Nacional Conjunto de instituições financeiras e instrumentos financeiros que visam transferir recursos dos agentes econômicos

Leia mais

CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS ATRIBUTOS

CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS ATRIBUTOS 1 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO UBDKIFJACTSWEROLMNHZ - - - 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES UBDKIFJACTSWEROLMNHZ - - - 1.1.1.00.00-9 Caixa UBDKIFJACTSWER-LMNHZ - - - 1.1.1.10.00-6 CAIXA

Leia mais

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Altera a Resolução 3.121, de 2003, que estabelece as diretrizes pertinentes à aplicação dos recursos dos

Leia mais

Indicadores do BNDES. Jun/2009 277,3 309,0. Ativos Totais 220,5 230,3. Carteira de Financiamentos 25,3. Patrimônio Líquido 24,7. Lucro Líquido 5,3 0,7

Indicadores do BNDES. Jun/2009 277,3 309,0. Ativos Totais 220,5 230,3. Carteira de Financiamentos 25,3. Patrimônio Líquido 24,7. Lucro Líquido 5,3 0,7 O BNDES Indicadores do BNDES R$ bilhões Ativos Totais Carteira de Financiamentos Patrimônio Líquido Lucro Líquido Impostos e Taxas 2008 277,3 220,5 25,3 5,3 2,0 Jun/2009 309,0 230,3 24,7 0,7 0,9 Evolução

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional I

Sistema Financeiro Nacional I Conceitos gerais Sistema Financeiro Nacional (SFN) é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilitam a transferência de recursos dos ofertantes finais (poupadores) para os tomadores

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

Banco do Brasil BNDES. BNDESPAR Objetivo: promover a capitalização da empresa nacional por meio de participações acionárias BNDES 03/10/2015

Banco do Brasil BNDES. BNDESPAR Objetivo: promover a capitalização da empresa nacional por meio de participações acionárias BNDES 03/10/2015 ECONOMIA Micro e Macro Mercado Financeiro ADM Mercado de Crédito Econ. Edilson Aguiais Powerpoint Templates Material Disponível em: www.puc.aguiais.com.br Banco do Brasil Sociedade Anônima de capital misto,

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 A.1.1.1.2. L100B - Financeiras 1.0.3.9.9.99.99 ATIVO GERAL 01012014 S 1 01 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO 01012014 S 1.0.0.0.0.00.00 2 01 1.1.1.0.0.00.00 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 01012014 S 1.1.0.0.0.00.00

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 2.05.01.01.05 Fundos Especiais de Domiciliados e Residentes no País 01012014 A 2.05.01.01 5 03 2.05.01.02 PATRIMÔNIO SOCIAL REALIZADO - DE RESIDENTE/DOMICILIADO NO EXTERIOR 01012014 S 2.05.01 4 03 2.05.01.02.01

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização 81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Rio de Janeiro,

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento Patrick Doyle Patrickd@iadb.org. Agosto 2015

Banco Interamericano de Desenvolvimento Patrick Doyle Patrickd@iadb.org. Agosto 2015 Banco Interamericano de Desenvolvimento Patrick Doyle Patrickd@iadb.org Agosto 2015 Desde 1959 A principal fonte de financiamento para o desenvolvimento da América Latina e Caribe 26 Países Conta com 26

Leia mais

SPE PROJECT FINANCE Etanol 2G

SPE PROJECT FINANCE Etanol 2G I Fórum Brasileiro de Economia e Finanças no Agronegócio SPE PROJECT FINANCE Etanol 2G JOSÉ AMÉRICO RUBIANO 13 e 14 de agosto de 2014 SPE SOCIEDADE DE PROPÓSITO ESPECÍFICO Definição Sociedades de Propósito

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003. Página 1 de 9 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003. Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde para aceitação como garantidores e altera

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre as operações no mercado de câmbio relativas às exportações brasileiras de mercadorias e de serviços. 2. O exportador de mercadorias ou de serviços

Leia mais

PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE Julho/2002 SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar a comercialização, no exterior, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES e/ou

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Copyright Pereira, F. I. Prof.

Leia mais

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELECTRICIDADE E GÁS NATURAL Faculdade do Porto- Universidade do Porto INVESTIMENTOS, RISCOS E REGULAÇÃO PADRÃO DE FINANCIAMENTO - ENERGIAS RENOVÁVEIS Thereza Cristina Nogueira

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP Outubro 2015 QUEM SOMOS E NOSSA EXPERIÊNCIA 9º maior escritório do Brasil Estamos entre os três melhores escritórios brasileiros na área de direito público,

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira

PARTE. 1. AC- 1 Prof. Odair Ferreira AC- 2. Prof. Odair Ferreira AC- 4. AC- 3 Prof. Odair Ferreira. Prof. Odair Ferreira Risco e Mercado de Capitais Risco E Mercado De Capitais PARTE 1 AC- 1 AC- 2 l EMENTA: Estudar a gestão de risco no mercado de capitais, financeiro e de derivativos, por meio dos principais ativos negociados,

Leia mais

Cidadão Perguntas e Respostas

Cidadão Perguntas e Respostas Cidadão Perguntas e Respostas 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 1.1 O QUE É O SCR?... 2 1.2 QUEM PODE CONSULTAR AS INFORMAÇÕES ARMAZENADAS?... 2 1.3 PARA QUE SERVEM OS DADOS?... 2 1.4 OUTROS PAÍSES TÊM SISTEMAS

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Doutrina

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Doutrina REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Doutrina Walter Douglas Stuber e Márcia Maria de Marino Torres WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado, Sócio-Fundador do Escritório Amaro, Stuber e Advogados Associados, Representante

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II

Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II 2014 Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II Nota Técnica 14 Nota Técnica nº 14 Operações de Recebíveis de Royalties de

Leia mais

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 -

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 - Parceria P ú blico-privada PPP Novembro/2003 - Definição de Contrato de PPP Execução Clique de para obras, editar serviços os estilos e do atividades texto de mestre interesse Segundo público, cuja nível

Leia mais

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO OS NOVOS INSTRUMENTOS C D C A L C A C R A MOTIVOS DA CRIAÇÃO Essencialmente 3: 1º Falta de recursos 2º Insuficiência de credibilidade

Leia mais

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 Sistema Financeiro Nacional Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista Bancos Múltiplos Bancos Comerciais

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

Linhas de Financiamento para a Construção Civil

Linhas de Financiamento para a Construção Civil Linhas de Financiamento para a Construção Civil Câmara Brasileira da Indústria de Construção 16 de dezembro de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada RESOLUÇÃO NORMATIVA-RN Nº 67, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2004 (*) Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos

Leia mais

Financiamentos à exportação 2003-2015

Financiamentos à exportação 2003-2015 Financiamentos à exportação 2003-2015 BNDES participa de política de Estado Sistema brasileiro de apoio às exportações Conselho de Ministros Comitê Operacional Seguro de crédito à exportação Financiamento

Leia mais

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983.

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. 1 RESOLUÇÃO Nº 519 Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis 05 de maio Agenda: A Área de Infraestrutura do BNDES Modalidades de Financiamento Linhas de financiamento a Projetos de Energia Elétrica Apoio ao setor

Leia mais

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública.

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública. Pág.1 de 11 1. O QUE SÃ O PPPs? São modalidades especiais de concessão por meio da qual a Administração Pública delega a um particular a prestação de um serviço público, com ou sem construção de obra,

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

3. BANCO BANORTE 266,6 285,0 17,4 569,0. CPI Proer Capítulo III-3 100

3. BANCO BANORTE 266,6 285,0 17,4 569,0. CPI Proer Capítulo III-3 100 3. BANCO BANORTE O Banco Banorte S/A foi constituído em 05/05/1942 sob a denominação de Banco Nacional do Norte S/A. Quando da intervenção, possuía uma rede de 81 agências e um quadro de pessoal de 2.612

Leia mais

CONSOLIDADOS DAS AGÊNCIAS EMPRÉSTIMOS/FINANCIAMENTOS EFETIVAMENTE CONCEDIDOS - 2009 POR REGIÃO E PORTE DO TOMADOR

CONSOLIDADOS DAS AGÊNCIAS EMPRÉSTIMOS/FINANCIAMENTOS EFETIVAMENTE CONCEDIDOS - 2009 POR REGIÃO E PORTE DO TOMADOR 4.6 POLÍTICA DE APLICAÇÃO DE RECURSOS DAS AGÊNCIAS FINANCEIRAS OFICIAIS DE FOMENTO As aplicações previstas pelas agências financeiras oficiais de fomento foram definidas em consonância com as prioridades

Leia mais

Perspectivas para o Setor Elétrico em 2014

Perspectivas para o Setor Elétrico em 2014 Perspectivas para o Setor Elétrico em 2014 BNDES - Escritórios Subsidiária BNDES PLC Londres (2009) Recife Brasília 2.857 empregados (Maio/14) São Paulo Rio de Janeiro Escritórios BNDES Uruguai Montevidéu

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você

O BNDES Mais Perto de Você O BNDES Mais Perto de Você Rio de Janeiro - RJ 11 de março de 2010 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Federal Principal fonte de crédito de longo

Leia mais

O mercado de PPPs na visão do Setor Privado. Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP

O mercado de PPPs na visão do Setor Privado. Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP O mercado de PPPs na visão do Setor Privado Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP OS AGENTES PRIVADOS DO MERCADO DE PPPS Principais Players do Setor

Leia mais

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão)

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão) CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROFESSOR RODRIGO O. BARBATI 1 ESTRUTURA DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto de um conjunto de instituições

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS PARTE 2

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS PARTE 2 SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS PARTE 2! Participantes do Mercado de Securitização! Anatomia de uma Securitização! O impacto de uma Securitização na Condição Financeira do Originador! Os Desenvolvimentos no

Leia mais

BNDES BNDES Financiando o. Rio de Janeiro, Maio / 2003 Cláudia Prates Chefe de Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Outras Fontes de Energia

BNDES BNDES Financiando o. Rio de Janeiro, Maio / 2003 Cláudia Prates Chefe de Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Outras Fontes de Energia BNDES BNDES Financiando o Setor Setor de de Gás Gás e Petróleo Petróleo Rio de Janeiro, Maio / 2003 Cláudia Prates Chefe de Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Outras Fontes de Energia BNDES Histórico

Leia mais

Regulatory Practice News

Regulatory Practice News kpmg SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice News Maio 2005 FINANCIAL SERVICES BACEN Depósitos de poupança Carta-Circ. 3188, de 10.05.05 Cumprimento da exigibilidade A Carta-Circular 3174/05

Leia mais

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I AULA 02 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo I Subsistema Operativo No Sistema Financeiro Nacional, o subsistema operativo trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

Leia mais

Financiamento Projetos de Infra-estrutura: Financiamento Corporativo, Project Finance e Parcerias Público-Privadas (PPP)

Financiamento Projetos de Infra-estrutura: Financiamento Corporativo, Project Finance e Parcerias Público-Privadas (PPP) Lei nº 11.079, de 30.12.2004 Decreto nº 5.385, de 04.03.2005 Financiamento Projetos de Infra-estrutura: Financiamento Corporativo, Project Finance e Parcerias Público-Privadas (PPP) Luiz Ferreira Xavier

Leia mais

Apresentação A Investe Rio é uma instituição financeira não bancária, sociedade de economia mista com personalidade jurídica de direito privado, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia,

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais