Principais termos e condições dos empréstimos do BIRD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Principais termos e condições dos empréstimos do BIRD"

Transcrição

1 BANCO INTERNACIONAL DE RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO B I R D Principais termos e condições dos empréstimos do BIRD D EPARTAMENTO DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS (FPS) TELEFONE: (202) FAX: (202) ; SITE DA INTERNET: B I R D Maio de 2001

2 Notas BANCO INTERNACIONAL PARA RECONSTRUÇãO E DESENVOLVIMENTO Principais termos e condições dos empréstimos do BIRD INTRODUÇÃO O Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) oferece atualmente duas modalidades de productos financeiros para seus novos empréstimos: os empréstimos com margem fixa baseados na LIBOR (EMV) e os empréstimos com margem variável baseados na LIBOR (EMV) (anteriormente chamados empréstimos em moeda única com taxa variável EMUV). Essa oferta de produtos visa a proporcionar aos mutuários a flexibilidade de escolher condições financeiras que sejam coerentes com a sua estratégia para gestão de sua dívida e adequadas à sua capacidade de pagar essa dívida. As principais características e diferenças entre os EMF e os EMV são destacadas abaixo. Os principais termos e condições desses produtos figuram na tabela que aparece mais abaixo. EMPRÉSTIMOS COM MARGEM FIXA (EMF) 1/ MOEDA: Os EMF estão disponíveis em euros, ienes japoneses, dólares dos EUA e outras moedas que o BIRD puder intermediar de forma eficiente. TAXA DE JUROS: A taxa de juros para os EMF está vinculada à LIBOR de seis meses, aplicável a cada moeda do empréstimo. A margem acima da LIBOR permanece fixa durante a vigência do empréstimo. CONDIÇÕES DE PAGAMENTO: Na fase de preparação do projeto, os mutuários têm flexibilidade para escolher as condições de pagamento mais apropriadas às suas necessidades (isto é, o período de carência, o prazo de amortização e a estrutura da amortização) observadas, entretanto, as limitações previstas 1/ Para maiores informações sobre os FSL, ver Produtos Financeiros do BIRD: Empréstimos com margem fixa (Setembro de 1999).

3 PÁGINA 2 PÁGINA 3 nas políticas financeiras do BIRD. Os mutuários têm Ambos se beneficiam das reduções de encargos duas opções de cronograma de amortização para os financeiros (comissão de compromisso e taxa de juros) EMF: (i) cronogramas de amortização vinculados à que possam ser concedidas anualmente pela Diretoria aprovação do empréstimo, nos quais o cronograma é Executiva do BIRD; e estabelecido com base no início do período de juros Em caso de amortização antecipada total ou parcial seguinte à aprovação do empréstimo, e (ii) cronogramas do empréstimo, o encargo por pagamento antecipado, de amortização vinculados aos desembolsos do se houver, será baseado no custo de reinvestimento empréstimo, nos quais os montantes desembolsados do montante do empréstimo que tiver sido pago têm cronogramas separados de amortização antecipadamente. estabelecidos com base no início do período de juros seguinte ao respectivo desembolso. As principais diferenças são: OPÇÕES DE CONVERSÃO INCLUÍDAS: Durante a vigência do empréstimo haverá flexibilidade para: Mudar a moeda do empréstimo tanto em relação a montantes desembolsados como por desembolsar; Transformar a taxa de juros sobre montantes desembolsados em taxa fixa, e logo de fixa a variável; e Estabelecer um teto ou uma banda para a taxa de juros sobre montantes desembolsados. EMPRÉSTIMOS COM MARGENS VARIÁVEIS (EMV) MOEDA: os EMV estão disponíveis em euros, ienes japoneses, dólares dos EUA e outras moedas que o BIRD puder intermediar de forma eficiente. TAXA DE JUROS: A taxa de juros para os EMV está vinculada à LIBOR de seis meses, aplicável à moeda do empréstimo, sendo recalculada a cada semestre. A margem consiste do custo médio ponderado da margem relativa à LIBOR de seis meses paga pelo BIRD na captação de fundos destinados a financiar EMV, sendo recalculada a cada semestre. TERMOS DE PAGAMENTO: Os pagamentos dos EMV baseiam-se nos critérios do país. COMPARAÇÃO ENTRE OS EMF E OS EMV As principais semelhanças entre os EMF e os EMV são: Ambos têm uma taxa variável de juros baseada na LIBOR de seis meses; Ambos estão disponíveis em euros, ienes japoneses, dólares dos EUA e em qualquer outra moeda que o BIRD possa intermediar eficientemente; Os EMV não oferecem as opções de conversão de moeda e de taxa de juros aplicáveis aos EMF; Nos EMF, a margem acima da LIBOR é fixa para todo o período do empréstimo, enquanto nos EMV a margem acima da LIBOR é reajustada a cada semestre; As condições de amortização dos EMV são regidas pelos termos padrões do BIRD aplicáveis ao país mutuario e têm pouca flexibilidade, enquanto as condições de amortização dos EMF podem ser moldadas na fase de preparação do projeto de acordo com as necessidades dos mutuários; Os encargos sobre os EMF são um pouco maiores do que os aplicáveis aos EMV. A comissão de compromisso dos EMF incorpora um ágio de risco de financiamento para os primeiros quatro anos de vigência do empréstimo e a margem acima da LIBOR dos EMF inclui um ágio de risco de refinanciamento; 2/ e Se houver atrasos nos desembolsos que ultrapassem o período de carência do empréstimo, as parcelas de amortização dos EMV não variam porque são montantes fixos baseados no montante total do empréstimo aprovado, enquanto no caso dos EMF as parcelas de amortização são calculadas como percentagem do montante desembolsado e pendente de pagamento do empréstimo. 2/ Para obter informações sobre os encargos aplicáveis atualmente aos empréstimos, vide

4 Moedas Taxa de juros Conversão de moedas PÁGINA 4 PRINCIPAIS TERMOS E CONDICÕES FINANCEIRAS DOS EMPRÉSTIMOS DO BIRD PÁGINA 5 Os empréstimos são oferecidos em euros, ienes japoneses, dólares dos EUA e em outras moedas que o BIRD puder intermediar eficientemente. Os mutuários podem contratar empréstimos divididos em parcelas denominadas em moedas diferentes. No caso improvável de não poder obter a moeda do empréstimo, o BIRD terá o direito de substituir a moeda do empréstimo por uma moeda substituta até que o seu acesso à moeda do empréstimo seja restabelecido. A taxa de juros consiste de uma taxa básica variável e de uma margem. A taxa de juros é reajustada semestralmente, em cada data de pagamento de juros, e aplica-se aos períodos de juros que começam naquelas datas. TAXA BÁSICA: a LIBOR de 6 meses vigente no início de um período de juros para à maioria das moedas ou uma taxa bancária variável de referência conhecida para outras moedas. MARGEM: Fixa durante a vigência do empréstimo. Consiste da projeção do custo de captação de recursos pelo BIRD, expressado como uma margem relativa à LIBOR em USD, de um ágio de risco, de um ajustamento de swap básico (para empréstimos que não forem em USD) e da margem padrão dos empréstimos do BIRD. MONTANTES NÃO DESEMBOLSADOS: Todo ou parte do saldo não desembolsado pode ser convertido em outra moeda que o BIRD possa intermediar eficientemente (vide Moedas dos Empréstimos ). MONTANTES DESEMBOLSADOS: Todo ou parte do saldo desembolsado pode ser convertido em outra moeda que o BIRD possa intermediar eficientemente (vide Moedas dos empréstimos ). Os saldos desembolsados referentes a despesas locais também podem ser convertidos para a moeda local do mutuário, sujeito à disponibilidade de um mercado de swap líquido na moeda local. MARGEM: Consiste do custo médio ponderado da margem relativa à LIBOR de seis meses paga pelo BIRD na captação de fundos destinados a financiar EMV (reajustada em 30 de junho e 31 de dezembro de cada ano) e da margem padrão dos empréstimos do BIRD. Os EMV não contemplam opções de conversão de moeda. Os mutuários podem transformar a moeda de denominação das suas obrigações líquidas através de um swap de moedas com o BIRD. Os mutuários devem assinar um Acordo Mestre de Derivativos (AMD) com o BIRD antes de solicitar ao BIRD uma operação separada de cobertura de riscos cambiais. 3/ Moedas Taxa de juros Conversão de moedas Conversão da base da taxa de juros A taxa variável de juros sobre o saldo desembolsado poderá ser convertida para uma taxa fixa e vice-versa. Esta opção pode ser exercida pelo mutuário em qualquer momento durante a vigência do empréstimo, relativamente a todo ou a parte do saldo desembolsado e pendente de pagamento. OS EMV não contemplam opções de conversão de taxas de juros. Os mutuários podem transformar a base da taxa de juros das suas obrigações líquidas através de um swap da taxa de juros com o BIRD. Os mutuários devem assinar um Acordo Mestre de Derivativos (AMD) com o BIRD antes de solicitar ao BIRD uma operação separada de cobertura de risco de taxa de juros. 3/ Conversão da base da taxa de juros 3/ Ao assinar um AMD com o BIRD, os mutuários podem solicitar coberturas de riscos cambiais e de taxas de juros em relacão aos EMF e aos EMV. Entretanto, os mutuários que desejarem cobertura para o risco de câmbio ou de taxa de juros em relacão aos EMF poderão cobrir esses riscos usando as opções de conversão previstas nos EMF, sem necessidade de assinar um AMD. A margem dos EMV não é replicável usando os instrumentos do mercado porque a margem dos EMV é baseada no custo médio da margem relativa à LIBOR de seis meses aplicável aos fundos captados pelo BIRD para financiar os EMV. Por causa disso, só é possível uma cobertura de risco aproximada. Conseqüentemente, só o componente LIBOR da taxa de juros do EMV terá cobertura de risco e a margem dos EMV continuará a ser devida na moeda original e irá variar na medida em que mudar o custo dos fundos para o BIRD. Para obter mais informações sobre as coberturas de risco do BIRD, vide o panfleto Produtos de Cobertura de Risco do BIRD - Introducão.

5 PÁGINA 6 PRINCIPAIS TERMOS E CONDICÕES FINANCEIRAS DOS EMPRÉSTIMOS DO BIRD PÁGINA 7 Conversão da base da taxa de juros Os mutuários também poderão instruir ao BIRD que converta automaticamente a taxa de juros em uma taxa fixa, a intervalos regulares ou quando tenha sido alcançado um determinado volume de desembolsos. Esta opção poderá ser exercida com relação a todos ou a parte dos montantes a serem desembolsados. Os mutuários poderão cancelar a qualquer momento essa instrução para fixação automática da taxa de juros. Conversão da base da taxa de juros Tetos e bandas para as taxas de juros Pode-se estabelecer um teto ou uma banda sobre a taxa variável de juros até o total do montante desembolsado. Os EMV não contemplam a opção de se estabelecerem tetos ou bandas nas taxas de juros. Os mutuários que desejarem estabelecer um limite máximo para suas obrigações de juros sobre os EMV podem comprar do BIRD um teto ou banda para a taxa de juros. Esses mutuários deverão assinar um Acordo Mestre sobre Derivativos com o BIRD antes de solicitar ao BIRD uma operação de cobertura de risco de taxa de juros. Tetos e bandas para as taxas de juros Taxas das transações dos produtos de cobertura COMISSÕES DAS OPERAÇÕES DE CONVERSÃO DE MOEDAS E DE TAXAS DE JUROS, E DE AQUISIÇÃO DE TETOS E BANDAS (expressadas como percentagem do montante principal coberto) Tipo de Operação Conversão da taxa de juros Conversão para taxa fixa, até o vencimento final do empréstimo, da taxa aplicável a montantes que não excedam o montante do empréstimo pendente de pagamento a/ Conversões adicionais da taxa de juros Tetos e bandas para a taxa de juros Conversão de moedas De montantes não desembolsados do empréstimo De montantes desembolsados do empréstimo Comissão de transação Nenhum encargo 1/4% a/ Os mutuários têm a oportunidade de obter uma taxa fixa de juros para todo o montante original do empréstimo e duranto todo o período de amortização do empréstimo sem pagar qualquer comissão. Se o BIRD não puder obter um swap com um prazo que cubra todo o prazo de amortização do empréstimo e tiver que executar dois swaps da taxa de juros para mantê-la como uma taxa fixa durante o período prazo do empréstimo, não será cobrada comissãoções de fixação da taxa. COMISSÕES DAS OPERAÇÕES SEPARADAS DE COBERTURA DE RISCOS (expressadas como percentagem do montante principal coberto) Tipo de Operação Swaps de taxas de juros Tetos e bandas para a taxa de juros Swaps de moedas Swaps de preços de produtos básicos Comissão de transação 1/4% 3/8% Taxas das transações dos produtos de cobertura

6 Comissão inicial PÁGINA 8 PRINCIPAIS TERMOS E CONDICÕES FINANCEIRAS DOS EMPRÉSTIMOS DO BIRD PÁGINA 9 1% do montante do empréstimo, pagável na data de entrada em vigor do Contrato de Empréstimo. Essa comissão pode ser financiada com os recursos do empréstimo. Comissão inicial Taxa de compromisso Datas de pagamento Pagamento antecipado 0,85% a.a. sobre os montantes não desembolsados do empréstimo durante os primeiros quatro anos, começando 60 dias depois da assinatura do Contrato de Empréstimo, e 0,75% a.a. a partir de então. As datas de pagamento dos encargos do empréstimo devem ser nos dias 1 ou 15 de um mês e, a seguir, semestralmente, tal como especificado no Contrato de Empréstimo. 0,75% a.a. sobre os montantes não desembolsados do empréstimo, começando 60 dias depois da assinatura do Contrato de Empréstimo. As datas de pagamento dos encargos do empréstimo devem ser no dia 15 de um mês e, a seguir, semestralmente, tal como especificado no Contrato de Empréstimo. Em qualquer momento, os mutuários podem pagar antecipadamente todo ou qualquer parte do saldo desembolsado e ainda não pago do empréstimo. Taxa de compromisso Datas de pagamento Pagamento antecipado Encargos por pagamento antecipado O encargo por pagamento antecipado consistirá do custo para o BIRD de reinvestimento do montante do empréstimo que tiver sido pago antecipadamente, como for determinado razoavelmente pelo BIRD. O cálculo do custo de reinvestimento é feito levando em consideração a diferença entre a base de custo do empréstimo pago antecipadamente e a base de custo do novo empréstimo para o qual forem destinados os fundos. No caso de substituição de moeda, não haverá cobrança de encargo por pagamento antecipado enquanto estiver pendente uma moeda de substituição. No caso de pagamento antecipado de montantes que foram convertidos, o mutuário: (i) pagará uma comissão e (ii) pagará ou receberá, conforme seja o caso, o montante que resultar do desfazimento de qualquer operação de conversão efetuada pelo mutuário. Em caso de pagamento antecipado de montantes que foram objeto de swap, o swap será terminado automaticamente e o mutuário (i) pagará uma comissão e (ii) pagará ou receberá, conforme seja o caso, o montante que resultar do desfazimento de qualquer operacão de swap em vigor com o mutuário. Encargos por pagamento antecipado Reduções de encargos do empréstimo Determinadas anualmente pela Diretoria Executiva do BIRD. Reduções de encargos do empréstimo

7 PÁGINA 10 PRINCIPAIS TERMOS E CONDICÕES FINANCEIRAS DOS EMPRÉSTIMOS DO BIRD PÁGINA 11 Termos da Amortização Os mutuários têm flexibilidade para moldar os termos da amortização às necessidades do projeto e de gestão dos seus ativos e passivos. A flexibilidade está sujeita aos limites da política do BIRD aplicáveis ao prazo médio máximo de pagamento e ao vencimento final do empréstimo. CRONOGRAMAS COM PRAZOS DE AMORTIZAÇÃO FIXADOS NO MOMENTO DA APROVAÇÃO (EMPRÉSTIMOS DE AMORTIZAÇÃO PARCELADA OU DE AMORTIZAÇÃO ÚNICA) Os empréstimos podem ser pagos em parcelas ou de uma só vez. Os prazos de pagamento e os correspondentes períodos de carência serão especificados no momento da aprovação do empréstimo, de tal forma que o prazo médio e o vencimento final estejam dentro dos limites estabelecidos na tabela seguinte. No caso de empréstimos pagos em parcelas, estas serão especificadas como uma porcentagem do montante do empréstimo, com cada desembolso a ser distribuído por todas as parcelas de pagamento restantes, proporcionalmente a essas parcelas. Limites dos EMF com cronogramas de amortização fixados no momento da aprovação do empréstimo (anos) Categoria do país Limites de política Prazo médio de pagamento a Vencimento final Termos padrões do país Período de carência Categoria do país Padrão de amortização O período de carência e o vencimento final dos EMV são baseados nos critérios internos do BIRD aplicáveis aos seus países membros. Na tabela abaixo, as categorias dos países representam os países membros mutuários de rendas inferiores (I-II), médias (III) e superiores (IV-V). O período de carência do empréstimo pode ser ampliado, desde que cada aumento de seis meses no período de carência seja acompanhado por uma redução de um ano no vencimento final do empréstimo. Termos padrões do país para os EMV (anos) Categoria Período de Vencimento Padrão de do país carência final amortização I - II 5 20 Anuidade III 4 17 Anuidade 5 17 PIP a/ IV - V 3 15 Anuidade a/ Pagamentos iguais do principal PIP a/ Termos da Amortização I - II Anuidade ou 8 20 PIP b/ III Anuidade ou 5 17 PIP b/ IV - V Anuidade ou 5 15 PIP b/ NOTA: os mutuários podem selecionar qualquer tipo de cronograma de amortização do principal, observados os limites previstos nas normas internas do Banco aplicáveis sobre o prazo médio de pagamento e o vencimento final, o que inclui mas não está limitado aos termos padrões do país. a/ O prazo médio de amortização para esse tipo de empréstimo é definido como o período médio ponderado entre a aprovação prevista do empréstimo e os pagamentos programados. b/pagamentos iguais do principal.

8 PÁGINA 12 PRINCIPAIS TERMOS E CONDICÕES FINANCEIRAS DOS EMPRÉSTIMOS DO BIRD PÁGINA 13 CRONOGRAMAS DE AMORTIZAÇÃO VINCULADOS AOS DESEMBOLSOS EFETIVOS Os montantes globais desembolsados em cada semestre (chamados de montante desembolsado ) são amortizáveis de acordo com um cronograma estabelecido com base no início do período de juros após o desembolso. O período de carência, o vencimento final e o tipo de amortização são iguais para todos os montantes desembolsados. Os limites dos cronogramas de amortização vinculados aos desembolsos são estabelecidos em termos da soma máxima do período médio previsto de desembolso e do prazo médio de pagamento de cada montante desembolsado, tal como indicado na tabela seguinte: Termos da Amortização LIMITES PARA OS EMF COM CRONOGRAMAS DE AMORTIZAÇÃO VINCULADOS AOS DESEMBOLSOS EFETIVOS (ANOS) Soma do período médio de Categoria desembolso a/ e do prazo Vencimento do país médio de pagamento b/ final I - II 14,25 25 III 11,25 25 IV - V 10,25 25 a/ Definido como o período médio ponderado entre a aprovação do empréstimo e os desembolsos previstos. Por exemplo, um empréstimo que deva ser desembolsado em quotas iguais durante 6 anos terá um período médio previsto de desembolso de 3 anos. b/o prazo médio de amortização para esse tipo de empréstimo é definido como o período médio ponderado entre a data prevista de desembolso e a do pagamento. Este limite aplica-se ao cronograma de amortização de cada montante desembolsado. Por exemplo, se cada montante desembolsado deve ser pago com um período de carência de 4 anos e um vencimento final em 12 anos mediante um pagamento nivelado do principal, o prazo médio de pagamento será de oito anos. Termos da Amortização

9 PÁGINA 14 PÁGINA 15 Notas Para obter mais informações, consulte o: B I R D Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento Departamento de Produtos e Serviços Financeiros (FPS) 1818 H Street, N.W. Washington, DC U.S.A. Telefone: (202) Fax: (202) or Informações sobre as taxas de empréstimo do BIRD podem ser obtidas no seguinte site da Internet:

Instruções para Preenchimento do Formulário de Seleção dos Termos Financeiros (30/Junho/2014)

Instruções para Preenchimento do Formulário de Seleção dos Termos Financeiros (30/Junho/2014) 1. Informações sobre o empréstimo 1a Nome do país: É o nome oficial do país no qual está localizado o projeto ou programa. 1b Nome do projeto ou do programa: É o nome completo do projeto ou programa, conforme

Leia mais

Termos Financeiros do Empréstimo Flexível do BIRD (IFL) Instruções para preencher o Formulário para Seleção dos Termos Financeiros

Termos Financeiros do Empréstimo Flexível do BIRD (IFL) Instruções para preencher o Formulário para Seleção dos Termos Financeiros Termos Financeiros do Empréstimo Flexível do BIRD (IFL) Instruções para preencher o Formulário para Seleção dos Termos Financeiros. Informações sobre o empréstimo a Nome do país: É o nome oficial do país

Leia mais

Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento

Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento Condições Gerais aplicáveis aos convênios de empréstimo e de garantia para os empréstimos de margem fixa 1 de setembro de 1999 Índice Número do artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I PROFESSOR JORGE JUNIOR E.MAIL: JJUNIORSAN@CEUNES.UFES.BR Apostila integralmente

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

EMPRÉSTIMOS. Nos financiamentos a longo prazo o devedor ou mutuário tem também três modalidades para resgatar sua dívida:

EMPRÉSTIMOS. Nos financiamentos a longo prazo o devedor ou mutuário tem também três modalidades para resgatar sua dívida: EMPRÉSTIMOS Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando o prazo total não ultrapassa 1 ano ou 3 anos, respectivamente.

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

Manual do serviço da dívida do Banco Mundial

Manual do serviço da dívida do Banco Mundial Manual do serviço da dívida do Banco Mundial Grupo de Serviços de Empréstimo Departamento de Contabilidade Banco Mundial Março de 2005 Sumário Introdução Página iv I. Instrumentos de empréstimo do Banco

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à:

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à: Capítulo II CONDIÇÕES GERAIS 1. SISTEMÁTICA DE CÁLCULO DOS JUROS. Os juros, aí considerados o Custo Financeiro, a Remuneração do BNDES e a Remuneração do Agente Financeiro, serão calculados sobre o saldo

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

GUIA PARA A PREPARAÇÃO DE PEDIDOS DE DESEMBOLSO

GUIA PARA A PREPARAÇÃO DE PEDIDOS DE DESEMBOLSO Banco Interamericano de Desenvolvimento GUIA PARA A PREPARAÇÃO DE PEDIDOS DE DESEMBOLSO Empréstimos, Cooperações Técnicas e Pequenos Projetos Representação no Brasil Setor Fiduciário Rev.: Abril / 2009

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

BANCO MUNDIAL DIRETRIZES DE DESEMBOLSO PARA PROJETOS

BANCO MUNDIAL DIRETRIZES DE DESEMBOLSO PARA PROJETOS BANCO MUNDIAL DIRETRIZES DE DESEMBOLSO PARA PROJETOS DEPARTAMENTO DE EMPRÉSTIMOS 10 de maio de 2006 Direitos autorais 2006 Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento / BANCO MUNDIAL 1818 H

Leia mais

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS UNIDADE. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Empréstimo - Recurso financeiro que não necessita ser justificado quanto a sua finalidade; por exemplo: cheque especial e CDC(Crédito Direto

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Anexo II Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Preçário pode ser consultado nas Agências e locais de atendimento ao público do Banco Keve

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS 110 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS CAPITAL ORDINÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO 2006 2005 Caixa e investimentos Caixa................................................. $ 276 $ 223 Investimentos Carteira

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

Linhas de Crédito PME INVESTE IV

Linhas de Crédito PME INVESTE IV Linhas de Crédito PME INVESTE IV SECTORES EXPORTADORES MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Gestão Marketing

Leia mais

Regulamento de Empréstimo

Regulamento de Empréstimo Regulamento $ de Empréstimo Para participantes do Plano Complementar de Benefícios Previdenciais - Plano BD $ Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração Objetivo 1 O objetivo desta Norma é estabelecer princípios para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns

Leia mais

Simulação de Crédito Imobiliário

Simulação de Crédito Imobiliário Simulação de Crédito Imobiliário Data de Impressão: 16-02-2015 19:40 Número de Simulação: 14616112 / x944719 Gestor de Projeto: MIGUEL VELEZ (211126702) Resumo Prestação inicial Prestação Comissão manutenção

Leia mais

MANUAL DE DESEMBOLSO para CLIENTES DO BANCO MUNDIAL

MANUAL DE DESEMBOLSO para CLIENTES DO BANCO MUNDIAL MANUAL DE DESEMBOLSO para CLIENTES DO BANCO MUNDIAL Maio de 2006 Direitos autorais 2006 Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento / BANCO MUNDIAL 1818 H Street, N.W. Washington D.C. 20433,

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO Índice Componentes do custo do crédito Taxa de juro Comissões Despesas Seguros Medidas agregadas do custo do crédito: TAE e TAEG Taxas máximas no crédito

Leia mais

Mercado de Derivativos $

Mercado de Derivativos $ Mercado de Derivativos SWAPS Prof. Bertolo O que são SWAPS? São acordos estabelecidos entre duas partes visando a uma troca de fluxos de caixa futuros (sem trocar o principal) por um certo período de tempo.

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em www.bni.

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em www.bni. Instituição Financeira Bancária Preçário das Operações ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01 de Outubro de 2015 O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

Simulação de Crédito Imobiliário

Simulação de Crédito Imobiliário Simulação de Crédito Imobiliário Data de Impressão: 16-02-2015 19:45 Número de Simulação: 14616115 / x944719 Gestor de Projeto: MIGUEL VELEZ (211126702) Resumo Prestação inicial Prestação Comissão manutenção

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Quilelli 1 ) Uma dívida contraída à taxa de juros simples de 10% ao mês, deverá ser paga em duas parcelas, respectivamente iguais a R$ 126,00, daqui a

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais e mensais de $ 1.000,00 cada uma, dentro do conceito de termos vencidos, sabendo-se que

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS ÍNDICE 1.0 - DOS EMPRÉSTIMOS...Página 2 2.0 - DA MODALIDADE... 2 3.0 - DOS LIMITES... 2 4.0 - DA CONCESSÃO... 3 5.0 - DOS PRAZOS... 4 6.0 - DA AMORTIZAÇÃO... 4

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Gestão de Atendimento AFAF D.GA.03 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 002/2015, de 30 de janeiro de 2015.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 002/2015, de 30 de janeiro de 2015. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 002/2015, de 30 de janeiro de 2015. Altera e consolida as Normas Operacionais da Linha de Financiamento BNDES Exim Pré-embarque

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos São desenvolvidos basicamente para operações de empréstimos e financiamentos de longo prazo, envolvendo

Leia mais

FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA

FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E OBSERVAÇÕES 1. Identificação da Instituição Denominação Caixa Geral de Depósitos,

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Conteúdo Condições para crédito a descoberto... 3 Artigo 1. Definições... 3 Artigo 2. Relação contratual... 3 2.1 Aceitação... 3 2.2 Bureau krediet registratie

Leia mais

MENSAGEM DE ABERTURA

MENSAGEM DE ABERTURA MENSAGEM DE ABERTURA Sabedores das necessidades de controle e agilidade no atendimento aos clientes, o departamento do SPC Santa Catarina desenvolveu e coloca à disposição do associado da CDL, uma ferramenta

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS Aprovado pela REDIR Nº. 257ª de 30/11/2010 e na 178ª Reunião do CD n 166ª de 03/12/2010. 1 REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS ÍNDICE 1.0 - DOS EMPRÉSTIMOS...Página

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

Cálculo Financeiro Fixa nº2

Cálculo Financeiro Fixa nº2 Cálculo Financeiro Fixa nº2 2. Regimes de Capitalização 2.1. O Regime de Juro Simples 2.2. O Regime de Juro Composto 8 Considere um empréstimo de 300 000 Euros, pelo prazo de 4 anos, à taxa anual de juro

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL Índice Finalidades do crédito pessoal Ficha de Informação Normalizada (FIN) Montante e prazo Modalidades de reembolso Garantias Custos do crédito Taxa

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Swaps. Que é um Swap? Natureza dos Swaps. Prf. José Fajardo FGV-EBAPE

Swaps. Que é um Swap? Natureza dos Swaps. Prf. José Fajardo FGV-EBAPE Swaps Prf. José Fajardo FGV-EBAPE Que é um Swap? Um swap é um acordo para trocar fluxos de caixa num futuro determinado, na mesma ou em moedas diferentes, com certas regras establecidas, Os contratos de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para contratação das operações de crédito fundiário ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, de que trata a Seção 1 do Capítulo 12

Leia mais

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS REGULAMENTO 1.1 - O presente regulamento objetiva a concessão de Crédito Educativo para estudantes devidamente Matriculados nos cursos

Leia mais

Acordo Quadro para Transacções Financeiras

Acordo Quadro para Transacções Financeiras Acordo Quadro para Transacções Financeiras Anexo de Manutenção de Margem para Transacções de Reporte e Empréstimos de Valores Mobiliários Edição de Janeiro de 2001 Este Anexo complementa as Condições Gerais

Leia mais

SEGUNDA PARTE NORMAS GERAIS CAPÍTULO I. Aplicação das Normas Gerais

SEGUNDA PARTE NORMAS GERAIS CAPÍTULO I. Aplicação das Normas Gerais LEG/OPR1/IDBDOCS: 547243 SEGUNDA PARTE NORMAS GERAIS CAPÍTULO I Aplicação das Normas Gerais ARTIGO 1.01. Aplicação das Normas Gerais. Estas Normas Gerais aplicam-se aos Contratos de Empréstimo que o Banco

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

sobre Instrumentos Financeiros

sobre Instrumentos Financeiros A Informação que deve ser Prestada pelos Intermediários Financeiros sobre Instrumentos Financeiros CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 A Informação que deve ser prestada pelos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-07-2014

Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-07-2014 Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01-07-2014 O Preçário completo da Orey Financial, Instituição Financeira

Leia mais

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. 1 LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1) Certo banco concede um financiamento de 80.000

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

CARTÃO BRADESCO VISA NACIONAL

CARTÃO BRADESCO VISA NACIONAL CARTÃO BRADESCO VISA NACIONAL Bem-vindo ao grupo de Associados do Cartão de Crédito Bradesco Visa Ele foi criado para lhe oferecer um conjunto de benefícios e facilitar seu dia-a-dia. Especialmente nos

Leia mais

Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM PORTUGAL

Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM PORTUGAL Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO COM SEDE EM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I I JURO SIMPLES Exercícios de Aplicação 01. O juro simples da aplicação de $ 1.200,00, durante 5 meses à taxa de 4% ao mês vale: a) $ 300,00. b) $ 240,00. d) $ 220,00. c) $ 280,00. e) $ 320,00. 02. O juro

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que a Empresa Associada e o

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03-08-2015 O Preçário

Leia mais

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008 CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Instrumento Financeiro: Derivativo DEFINIÇÃO (com base no CPC 14)

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Professor conteudista: Dalton Millan Marsola Sumário Matemática Financeira Unidade I 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS...1 1.1 Taxa de juros...2 1.2 Taxa percentual...4 1.3 Taxa unitária...4

Leia mais

CIRCULAR Nº 110 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO

CIRCULAR Nº 110 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO CIRCULAR Nº 110 Regulamenta a Concessão e Manutenção de Empréstimos a Participantes e Assistidos da Fundação Banestes de Seguridade Social BANESES. 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Acordo Quadro para Transacções Financeiras. Anexo de Produto para Empréstimos de Valores Mobiliários Edição de Janeiro de 2001

Acordo Quadro para Transacções Financeiras. Anexo de Produto para Empréstimos de Valores Mobiliários Edição de Janeiro de 2001 Acordo Quadro para Transacções Financeiras Anexo de Produto para Empréstimos de Valores Mobiliários Edição de Janeiro de 2001 Este Anexo complementa as Condições Gerais que fazem parte de qualquer Acordo

Leia mais

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato Matemática Financeira Leandra Anversa Fioreze Rendas Imediatas: Primeiro pagamento efetuado no final do primeiro período. Ex: Comprei uma calculadora HP-12c Platinum em três parcelas de R$95,00, sendo

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto das Comissões

Leia mais

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA TARGET 2040

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA TARGET 2040 Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA TARGET 2040 ALERTA GRÁFICO Entidade Gestora: T-Vida, Companhia de Seguros,

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais