Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo"

Transcrição

1 1) Introdução Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo Eduardo Neto Érica Amorim Mauricio Blanco O desenvolvimento humano, como conceito, tem-se mostrado polêmico e, muitas vezes, provisório. Portanto, o conceito de desenvolvimento humano e a sua forma de operacionalização requer uma tarefa permanente de construção. No entanto, no presente relatório, adota-se o conceito amplamente divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) através do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Esse índice foi construído com base nos argumentos teóricos desenvolvidos por Amartya Sen, que entende por desenvolvimento humano aquele processo que permite uma expansão das diversas liberdades. A ênfase na liberdade como elemento central no desenvolvimento humano supera visões restritivas que até este momento continuam em voga, tais como crescimento do Produto Interno Bruto, o grau de industrialização ou o avanço tecnológico. Falar da liberdade como fim do desenvolvimento possibilita a inclusão de outras dimensões dentro de um conceito mais amplo de desenvolvimento. A visão restrita mais largamente difundida nos dias de hoje, é a visão de que o fim primordial do desenvolvimento humano é o aumento da renda das pessoas, independente da noção operativa de renda, ou seja, Produto Interno Bruto, renda familiar per capita, entre outros. Na próxima subseção do presente sumário executivo realiza-se uma descrição metodológica do IDH. 1.1) Componentes do Desenvolvimento Humano e o IDH O Índice de Desenvolvimento Humano tem como objetivo mensurar as condições de vida de uma população a partir de três dimensões ou também denominados IDH temáticos: Educação (IDH-Educação), Renda (IDH-Renda) e Saúde (IDH-Longevidade). No caso do IDH- Educação, se incorporam dois indicadores: a taxa de alfabetização e a taxa bruta de freqüência à escola. O IDH-Renda inclui apenas um indicador: a renda per capita. Finalmente, o IDH- Longevidade inclui a esperança de vida ao nascer. A agregação destes índices temáticos responde a critérios arbitrários no que diz respeito à definição do peso de cada uma destas dimensões. 1

2 Conforme mencionado no parágrafo anterior, o IDH inclui três dimensões para o seu cálculo, são elas: Educação, Renda e Saúde. Nesta proposta se consideram a educação e a renda como instrumentos, enquanto que a Saúde se constitui em um fim. Empiricamente está demonstrado que o nível de educação dos indivíduos influenciam na renda dos mesmos. De acordo com o Fluxograma 1, a relação entre as três dimensões consideradas pelo IDH, são expressas pelas setas de cor azul. Porque algumas dimensões são consideradas meios e outras são consideradas fins em relação ao IDH? As dimensões meio são aquelas em que os indivíduos utilizam para alcançar determinados fins em suas vidas. O conhecimento (1) é considerado o meio mais básico de todos os meios, é o nível de educação de um indivíduo que irá determinar a sua disponibilidade de seus recursos monetários (2).Os meios são os instrumentos para alcançar determinados fins. Através dos meios, o indivíduo poderá melhorar as suas condições de saúde (3). Fluxograma 1: Inter- relação entre as dimensões do Índice de Desenvolvimento Humano - IDH Conhecimento 1 Recursos Monetários 2 Saúde e Sobrevivência 3 1.2) Vantagens e Desvantagens do IDH A simplificação expressa no fluxograma 1 deve-se a um fato de extrema relevância. O IDH foi elaborado para que fosse possível uma comparação com todos os países do mundo. Devido a este fato, ou seja, a compatibilização de diversos dados, de diversas fontes e em diversas localidades, este índice se tornaria inviável se fossem introduzidas outras dimensões pois, a compatibilização metodológica seria praticamente impossível. 2

3 A grande vantagem do IDH consiste na possibilidade de realizar comparações entre todos os países do planeta. Nesta virtude reside a grande popularidade do Relatório de Desenvolvimento Humano editado anualmente pelo PNUD. A principal desvantagem reside na extrema simplificação e no recorte drástico do conceito de desenvolvimento humano como liberdade proposto por Amartya Sen. Uma segunda desvantagem raramente citada consiste em que muitos índices que pretendem mensurar o desenvolvimento humano nos países com maior grau de desenvolvimento, hoje se concentram no âmbito familiar. Pesquisas tais como a qualidade de vida das mulheres no âmbito do trabalho doméstico e a qualidade de vida em relação à segurança das crianças no lar são temas que possuem um universo com uma base completamente diferente: A Família. No Brasil, praticamente todos os indicadores e índices de desenvolvimento humano ou de qualidade de vida tomam como unidade de análise critérios geográficos e não a família. A descrição metodológica destas diferenças encontra-se amplamente discutida em Barros et al, Os autores mostram, por exemplo, a diferença entre o IDH convencional e o IDH- Família proposto por eles, mostrando claramente que o IDH mensura o desenvolvimento humano de forma geográfica, mas não mensura o desenvolvimento da família. A única exceção dentro do IDH seria o indicador que mensura a renda familiar per capita, mas nada dizem em relação a serviços, bens produzidos e consumidos no âmbito familiar e que estariam dando uma noção fidedigna e acurada do desenvolvimento humano ao interior da família. 1.3) Objetivos e Metodologia O objetivo central deste sumário executivo consiste em descrever e analisar a evolução do IDH durante a década de 90 para o Estado do Espírito Santo, desagregando a análise apenas a um nível: os IDHs temáticos. Para atingir este objetivo realizamos comparações sob cinco óticas utilizando três parâmetros. Em primeiro lugar, no que diz respeito às comparações, adota-se a perspectiva de comparar o IDH do Estado do Espírito Santo com o IDH das Unidades da Federação. Em segundo lugar, dada a relevância das regiões metropolitanas brasileiras 2, se faz necessário à comparação destas com a Grande Vitória. 1 BARROS, Ricardo; Carvalho, Mirela e Franco, Samuel: O Índice de Desenvolvimento da Família. Texto para Discussão nº 986, IPEA, Out/ A Regiões Metropolitanas sob análise são aquelas que possuem população superior a Habitantes são elas: Baixada Santista, Belém, Belo Horizonte, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, Grande São Luís, Maceió, Natal, Núcleo Metropolitano da RM de Florianópolis, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo 3

4 Em terceiro lugar, comparam-se as 12 microrregiões (Metropolitana, Pólo Linhares, Metrópole expandida Sul, Central Serrana, Sudoeste Serrana, Litoral Norte, Extremo Norte, Pólo Colatina, Noroeste I, Noroeste II, Pólo Cachoeiro e Caparão) do Estado que, por sua vez, foram agrupadas em 4 mesorregiões (Metropolitana, Norte, Noroeste e Sul). Em quarto lugar, comparam-se os municípios que integram a Região Metropolitana da Grande Vitória: Cariacica, Fundão, Guarapari, Serra, Viana, Vila Velha e Vitória. Finalmente, analisam-se os 77 municípios que compõem o Estado do Espírito Santo, particularmente, aqueles que se encontram na parte superior (10 melhores) e na parte inferior (10 piores) do ranking. Em relação aos parâmetros utilizados procuramos, no primeiro caso, um parâmetro que estará indicando simplesmente o valor do IDH que varia entre 0 e 1 com o objetivo de determinar o grau de desenvolvimento atingido pelo Espírito Santo. O segundo parâmetro consiste em encontrar uma forma de situar, por exemplo, o Espírito Santo em relação às outras Unidades da Federação, para que isso seja possível, elabora-se uma ordenação da classificação que nos permita uma comparação de caráter ordinal. Finalmente, o terceiro parâmetro nos revela a velocidade da evolução do IDH, utilizando um indicador básico que a taxa de crescimento dos diversos IDHs. Com base nestas considerações, os três parâmetros utilizados são: os próprios valores do IDH (para 1991 e 2000); a elaboração de uma classificação tomando como base os valores do IDH, e; finalmente, as taxas de crescimento dos IDHs. Cabe ressaltar que uma análise isolada de um dos três parâmetros poderia induzir a erros de interpretação sobre a avaliação do desempenho do Estado. É por essa razão que é necessário levar em consideração os três parâmetros valor dos índices, a ordenação e a velocidade da evolução dos índices em conjunto. As próximas páginas do presente sumário executivo são dedicadas as principais conclusões extraídas da análise e da comparação do dados sobre o desenvolvimento humano do Espírito Santo. 4

5 2) Situando o Estado de Espírito Santo no contexto nacional O IDH do Espírito Santo passou de 0,690 em 1991 para 0,765 em 2000, passando da 12º posição para a 11º posição em relação aos 25 estados do Brasil e o Distrito Federal (Ver Tabelas 1 e 2); Em 2000, o Estado do Espírito Santo ocupa uma posição mediana em relação ao país, apresenta a pior colocação em relação aos estados localizados nas regiões sul, centro-oeste e sudeste e o melhor entre os estados das regiões norte e nordeste em relação ao IDH (Ver Tabela 2); A posição expressa em relação ao IDH também foi verificada em relação ao IDH-Educação com exceção dos Estados de Roraima e Amapá que superaram o Espírito Santo no período , passando da 9º para 12º posição. No que diz respeito à evolução do IDH-Educação, tem-se que o Estado passou de 0,763 (1991) para 0,855 (2000). O IDH-Educação é o único IDH temático do Estado considerado segundo o PNUD elevado (Ver Tabelas 1 e 2); Por outro lado, o IDH Renda é o único componente que experimentou uma elevação no ranking nacional, passando da 11º posição para a 7º posição. Em termos absolutos, isto significou que o valor do IDH-Renda passou de 0,653 (1991) para 0,719 (2000) (Ver Tabelas 1 e 2); Finalmente, o IDH-Longevidade no que diz respeito a sua posição no período analisado, se manteve constante em comparação com as Unidades da Federação, permanecendo na 12º posição. Em 1991, o IDH-Longevidade verificado no Estado foi de 0,653 em 1991, passando para 0,721 em 2000 (Ver Tabelas 1 e 2); As taxas de crescimento encontradas no período de 1991 e 2000 para o Estado do Espírito Santo foram superiores ao Brasil em relação ao IDH e aos IDHs temáticos, com exceção do IDH-Educação. Os valores verificados são: 10,87% (IDH), 12,06% (IDH-Educação), 10,11% (IDH-Renda) e 10,41% (IDH- Longevidade) (Ver Gráficos 1 4); O Estado do Espírito Santo apresentou uma taxa de crescimento em relação ao IDH superior aos Estados do Amazonas, Roraima, Amapá, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal (Ver Gráfico 1); 5

6 Ao analisar-se as taxas de crescimento do IDH-Educação, tem-se que o Estado do Espírito Santo apresenta taxa de crescimento apenas superior aos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal (Ver Gráfico 2); O Espírito Santo apresentou uma taxa de crescimento em relação ao IDH- Renda superior aos outros estados brasileiros, com exceção do Maranhão, Piauí e Paraíba, apresentando assim a 4ª maior taxa de crescimento dentre as Unidades da Federação analisadas. Em relação à taxa de crescimento do IDH-Renda, dois estados apresentaram taxas de crescimento negativa, são eles: Amazonas e Roraima. (Ver Gráfico 3), e; No que diz respeito ao IDH-Longevidade, o Espírito Santo apresentou uma taxa de crescimento inferior a 12 estados brasileiros e superior ao Brasil como um todo (Ver Gráfico 4). Desempenho Relativo do Estado do Espírito Santo Em síntese, o Estado do Espírito Santo tem experimentado um aumento expressivo tanto no IDH sintético quanto nos IDHs temáticos, confirmando assim o progresso já verificado no Brasil como um todo. No entanto, existem duas questões que merecem ser ressaltadas, são elas: a) As taxas de crescimento dos três índices superaram dois dígitos (entre 10 e 12% no período ). Apesar de o IDH-Educação ter apresentado a maior taxa de crescimento em comparação tanto ao IDH sintético quanto aos outros IDHs temáticos, este índice temático foi o único que apresentou taxa de crescimento inferior à taxa de crescimento verificada tanto para o Brasil quanto para a maior parte das Unidades da Federação, e; b) Em termos relativos, IDH-Renda foi o único que experimentou um aumento significativo no que diz respeito à ordenação da classificação. A partir das duas conclusões anteriores (a e b), a Tabela 3 revela a convergência (em anos) dos estados brasileiros e do Distrito Federal em relação ao Espírito Santo no que diz respeito ao IDH, mantendo as taxas de crescimento verificadas historicamente. Na parte superior desta tabela (cor verde), encontram-se as Unidades da Federação que ocupam uma posição inferior ao Estado do Espírito Santo, ao passo que a cor vermelha ilustra as Unidades da Federação que ocupam uma posição superior ao Estado. No primeiro caso (cor verde), todos os Estados com exceção de Amazonas, Roraima e Amapá irão alcançar o IDH do Espírito Santo em algum momento do tempo, ao passo que o Espírito Santo não atingirá apenas os Estado de Minas Gerais e Mato Grosso, alcançando todos os outros estados das regiões sul, sudeste e centro-oeste. 6

7 3) A Região Metropolitana (RM) da Grande Vitória comparada com as Regiões Metropolitanas (RM) selecionadas do Brasil 3 O IDH da RM da Grande Vitória passou de 0,730 em 1991 para 0,798 em 2000, passando da 12º posição para a 10º posição em relação às 16 RMs analisadas (Ver Tabelas 4 e 5); Em relação ao IDH-Educação, tem-se que o desempenho da RM da Grande Vitória é significativamente importante, passando de 0,828 em 1991 para 0,907 em Isto significou que esta RM escalou 4 posições no ranking, passando da 13º para 9º posição, superando regiões metropolitanas como Campinas, Baixada Santista, Belo Horizonte e a Grande São Luís (Ver Tabelas 4 e 6); Em relação ao IDH-Renda, tem-se que a RM da Grande Vitória apresentou um valor de 0,702 em 1991 para 0,759 em Isto significou que esta RM escalou 1 posição no ranking, passando da 11º para 10º posição, superando a RM de Salvador (Ver Tabelas 4 e 7); Finalmente, o IDH-Longevidade experimentou um aumento, passando de 0,659 em 1991 para 0,728 em Apesar deste aumento, a RM da Grande Vitória não experimentou mudança na posição do ranking, permanecendo no 14º lugar na classificação, ficando a frente somente das RMs de Grande São Luís, Natal e Maceió (Ver Tabelas 4 e 8); De acordo com a Tabela 9, que expressa as taxas de crescimento, tem-se que a RM da Grande Vitória teve um desempenho superior à grande maioria das RMs do país. Com efeito, RM da Grande Vitória obteve a 4º maior taxa de crescimento (9,4%) do IDH, sendo apenas inferior a RM de Fortaleza, Natal e Maceió; A Taxa de crescimento do IDH-Educação da RM da Grande Vitória ocupou o sétimo lugar (9,5%) (Ver Tabela 9); 3 As Cores apresentadas na série de tabelas 5-8 representam: a) Cor Vermelha: É utilizada quando a RM analisada sofreu perda de posições na ordenação da classificação; b) Cor Amarela: É utilizada quando a RM analisada permaneceu na mesma posição na ordenação da classificação, e; c) Cor Verde: É utilizada quando a RM analisada escalou posições na ordenação da classificação. 7

8 O melhor desempenho comparativo da RM da Grande Vitória é no IDH- Renda, onde obteve uma taxa de crescimento de 8,1%, ocupando a 2ª colocação em relação a esta taxa, ficando atrás somente do Núcleo Metropolitano da RM de Florianópolis (8,34%) (Ver Tabela 9); Finalmente, a maior taxa de crescimento quando comparada com as taxas verificadas nos outros índices foi a do IDH-Longevidade (10,6%), ocupando a sexta posição entre as 17 RMs analisadas (Ver Tabela 9); 4) Comparando as Microrregiões do Estado do Espírito Santo As 12 microrregiões experimentaram um aumento tanto em relação ao IDH sintético quanto dos IDHs temáticos no período analisado. Em 2000, a microrregião metropolitana era a única com IDH considerado elevado segundo o PNUD (0,8) (Ver Tabela 10); A microrregião metropolitana ocupa o primeiro lugar em todos os IDHs temáticos com exceção do IDH-Longevidade, sendo este último, possivelmente, um reflexo da violência (Ver Tabela 10); Em 2000, o IDH-Educação alcança o maior valor para a microrregião metropolitana (0,91), seguida pelo Pólo Linhares (0,85), Pólo Cachoeira e Metrópole Expandida Sul (ambos com 0,84) (Ver Tabela 10); A Microrregião Central Serrana alcança o maior valor no que diz respeito ao IDH-Longevidade (0,77) (Ver Tabela 10); Na série de Gráficos 5-8, se expressam as taxas de crescimento das microrregiões do Estado. No que diz respeito ao IDH, Caparaó possui a maior taxa de crescimento (16,25%), seguido por Noroeste I (15,25%). No último lugar, encontra-se a microrregião metropolitana, com uma taxa de crescimento de 9,3% (Ver Gráfico 5); Em relação ao IDH - Educação, Noroeste I possui a maior taxa de crescimento (19,34%), seguido por Extremo Norte (18,38%). Mais uma vez, o último lugar é ocupado pela microrregião metropolitana, com uma taxa de crescimento de 9,5% (Ver Gráfico 6); Em relação ao IDH - Renda, Caparaó possui a maior taxa de crescimento (16,9%), seguido de bem perto por Noroeste II (16,88%). O último lugar é 8

9 ocupado pela microrregião Litoral Norte, com uma taxa de crescimento de 6,37% (Ver Gráfico 7); No que diz respeito ao IDH-Longevidade, o Litoral Norte ocupa o primeiro lugar, com uma taxa de crescimento de 17,46%, seguido por Caparaó (15,12%). Por outro lado, Pólo Colatina ocupa a última posição, com uma taxa de crescimento de 6,97% (Ver Gráfico 8). Identificando o dinamismo dentro Espírito Santo Em síntese, as taxas de crescimento do IDH sintético e dos IDHs temáticos revelam que os maiores avanços foram realizados pelas mesorregiões: Noroeste e Sul, mais especificamente a microrregião de Caparaó. O menor dinamismo encontra-se na microrregião metropolitana, Pólo Colatina e Litoral Norte, ambas localizadas na mesorregião Norte. 5) A Região Metropolitana da Grande Vitória O Gráfico 9 apresenta a evolução do IDH dos municípios que compõem a RM da Grande Vitória no período Em 2000, apenas dois municípios apresentavam um IDH considerado elevado, são eles: Vitória (0,856) e Vila Velha (0,817), ao passo que Viana possui um IDH de apenas 0,737; Em 1991, cinco municípios possuíam um IDH inferior a 0,7, são eles: Guarapari (0,692), Serra (0,693), Fundão (0,679), Cariacica (0,673) e Viana (0,658) (Ver Gráfico 9); No que diz respeito ao IDH-Educação, tem-se que todos os municípios que integram a RM da Grande Vitória possuem IDH considerado elevado superior a 0,8, ao passo que os municípios de Vila Velha e Vitória possuem este IDH temático superior a 0,9 (0,928 e 0,948, respectivamente) (Ver Gráfico 10); Em 1991, quatro dos sete municípios que integram a RM da Grande Vitória possuíam um IDH inferior a 0,8: Cariacica (0,783), Viana (0,771), Guarapari (0,761) e Fundão (0,749). Em 2000, estes quatro municípios possuem um IDH- Educação superior a 0,8 (Ver Gráfico 10); 9

10 Em 2000, o IDH-Renda é o índice que mostra as maiores disparidades, variando de 0,635 (Viana) para 0,858 (Vitória). Esta grande variação indica a grande desigualdade de renda entre os municípios da RM da Grande Vitória (Ver Gráfico 11); A desigualdade entre os municípios que ocupavam o primeiro e o último lugar em relação aos valores do IDH-Renda aumentou, já que a diferença verificada no ano de 1991 era de 0,220, ao passo que em 2000 está diferença elevou-se para 0,223 (Ver Gráfico 11); Em relação ao IDH-Longevidade, deve-se ressaltar que a liderança ocupada em 1991 pelo município de Vitória (0,762) em relação ao IDH sintético e aos outros IDHs temáticos, foi perdida, em 2000, para o município de Guarapari (0,784) (Ver Gráfico 12); Nenhum dos municípios que compõem a RM da Grande Vitória possuem um IDH - Longevidade considerado elevado, ou seja superior a 0,8, ao mesmo tempo em que nenhum deles não apresenta o valor para este IDH temático inferior a 0,7 (Ver Gráfico 12); De acordo com a Tabela 11 4, é possível verificar o ranking dos municípios que integram a RM da Grande Vitória, assim como os ganhos e as perdas de posição durante o período analisado. Em 1991, o Município de Vitória lidera os municípios em relação aos valores do IDH e dos IDHs temáticos, ao passo que em 2000 Vitória perde sua posição de liderança em relação ao IDH Longevidade; Através das cores ilustradas na Tabela 11, é possível observar que os únicos índices que apresentaram mudanças em relação às posições na classificação foram o IDH e o IDH-Longevidade. Em relação ao IDH, os municípios de Serra e Guarapari trocaram de posição, sendo que o primeiro perdeu uma posição passando de 3º para 4º posição e o segundo escalou uma posição passando da 4º para 3º posição; 4 As Cores apresentadas na tabela 11 representam: a) Cor Vermelha: É utilizada quando o município analisado sofreu perda de posições na ordenação da classificação; b) Cor Amarela: É utilizada quando o município analisado permaneceu na mesma posição na ordenação da classificação, e; c) Cor Verde: É utilizada quando o município analisado escalou posições na ordenação da classificação. 10

11 No que diz respeito ao IDH-Longevidade verifica-se duas mudanças significativas. A primeira delas corresponde ao Município de Guarapari que escalou duas posições. A segunda delas diz respeito à queda na classificação do município de Viana que perdeu duas posições, passando da 5º para a 7º posição (Ver Tabela 11); Heterogeneidade entre os municípios da RM da Grande Vitória O Gráfico 13 revela as heterogeneidades entre o último e o primeiro município da RM da Grande Vitória no que diz respeitos aos valores do IDH e dos IDHs temáticos verificados no ano de Estas heterogeneidades são medidas em anos, isto significa dizer quanto tempo demoraria o último município para alcançar o valor de um dos índices do primeiro município. A barra azul revela que Viana município que possui o menor valor de IDH demorará cerca de 18 anos para atingir o desenvolvimento humano de Vitória. Em segundo lugar, o município de Fundão levará cerca de 14 anos para alcançar o valor do IDH-Educação verificado em Vitória. A maior diferença em anos é verificada em relação ao IDH-Renda, Viana demorará cerca de 3 décadas (aproximadamente de 31 anos) para alcançar o IDH-Renda de Vitória. Finalmente, no que diz respeito ao IDH-Longevidade tem-se que este índice é o que apresenta a menor heterogeneidade entre os municípios pois, Viana levará menos de uma década para alcançar Guarapari. 6) Os Municípios do Espírito Santo A série de mapas 1-4 expressam por intervalos os valores do IDH sintético e dos IDHs temáticos em relação a todos os municípios do Estado do Espírito Santo. Em todos os IDHs com exceção do IDH Longevidade Vitória e Vila Velha pertencem ao grupo de municípios que lideram o Estado; Em relação ao IDH, existe uma pronunciada uniformidade (cor verde) de municípios com valores para este índice variando de 0,7 a 0,8 (56 municípios), os 11

12 municípios com menor IDH encontram-se localizados na região norte do Estado e apenas 4 municípios estão situados na região sul do Estado (Ver Mapa 1); No que diz respeito ao IDH-Educação existe um significativo avanço, já que 44 municípios possuem o valor deste índice superior a 0,8, dos quais 2 possuem um IDH-Educação superior a 0,9 (Vila Velha e Vitória). Apenas um município (Brejetuba) apresenta o valor deste índice inferior a 0,7 (cor vermelha) (Ver Mapa 2); Em relação ao IDH-Renda pode-se observar uma grande área cor laranja. Vitória é o único município com valor superior a 0,8, ao passo que 4 municípios possuem um IDH-Renda inferior a 0,6, são eles: Pedro Canário, Mucurici, Água Doce do Norte e Divino de São Lourenço. Os três primeiros municípios encontram-se situados na região norte, ao passo que o último está localizado na região sul (Ver Mapa 3); No que diz respeito ao IDH-Longevidade tem-se que 24 municípios possuem o valor deste índice inferior a 0,7. A maior parte destes 24 municípios encontra-se localizados acima da região central do Estado. Três municípios merecem destaque, são eles: Santa Teresa, Iconha e Rio Novo do Sul pois, os mesmos apresentam o valor deste índice superior a 0,8 (Ver Mapa 4); A série de Tabelas apresenta o ranking dos 10 melhores e dos piores municípios do Estado para os anos de 1991 e Mais uma vez, as cores representam a perda (cor vermelha), o ganho (cor verde) e a permanência (cor amarela) de posição. No que diz respeito ao IDH, tem-se que Vitória e Vila Velha permaneceram nos primeiros dois lugares. Os municípios que, em 2000, ingressaram ao grupos dos dez melhores do Estado são: Anchieta, Ibiraçu, Venda Nova do Imigrante e Piúma. No outro extremo, ou seja, no grupo dos 10 piores municípios do Estado, 3 municípios passaram a fazer parte deste grupo em 2000, são eles: Itapemirim, Mantenópolis e Mucurici (Ver Tabela 13); Em relação ao IDH-Educação, apenas os Municípios de Guarapari e Anchieta entraram no grupo de elite do Estado (Ver Tabela 14). Ao analisar-se esta classificação em relação ao IDH Renda, tem-se que Iconha, Ibiraçu, Santa Teresa e Castelo passaram a integrar o grupo dos dez melhores municípios do Estado (Ver Tabela 15). No que diz respeito ao IDH-Longevidade, o grupo dos 10 melhores foi o que mais se renovou em relação aos outros índices analisados. Seis novos membros 12

13 passaram a pertencer este grupo em 2000, são eles: Anchieta, Guarapari, Piúma, Itaguaçu, São Roque do Canaã e Bom Jesus do Norte (Ver Tabela 16); Na Tabela 21 apresenta-se um exercício cujo objetivo é o cálculo do tempo necessário para os municípios atingirem o valor de IDH considerado elevado (0,8). Os primeiros dez municípios levaram menos de 4 anos para atingir o valor deste índice superior a 0,8, ao passo que Jerônimo Monteiro demorará cerca de 13 anos para alcançar o valor deste índice superior a 0,8. A Tabela 22 apresenta o mesmo exercício da tabela anterior porém estabelecendo uma meta de alcançar um IDH superior a 0,7. Esta tabela está dividida em três cores. A primeira delas (cor azul), representa os municípios que levariam menos de 1 ano, a segunda cor (cor verde) expressa os municípios que demorarão mais de 1 ano e menos de 2 anos e a cor amarela revela os municípios que levarão mais de 2 anos para alcançar um IDH superior a 0,7. Dois casos merecem ser ressaltados. Em primeiro lugar, o município de Brejetuba que possui a maior taxa de crescimento entre os municípios selecionados. Com efeito, com uma taxa de crescimento de 22,5%, possivelmente, este município já tenha atingido um IDH superior a 0,7 em Em segundo lugar, o município com a pior taxa de crescimento (10,8%) é Mucurici, que demorará 3 anos para atingir o valor do IDH superior a 0,7. 13

ORIGEM: AFONSO CLAUDIO

ORIGEM: AFONSO CLAUDIO ORIGEM: AFONSO CLAUDIO AFONSO CLÁUDIO 0 ÁGUA DOCE NORTE 453 ÁGUIA BRANCA 379 ALEGRE 157 ALFREDO CHAVES 116 ALTO RIO NOVO 389 ANCHIETA 148 APIACÁ 218 ARACRUZ 227 ATÍLIO VIVACQUA 137 BAIXO GUANDU 304 BARRA

Leia mais

Ensino Médio TEMPO INTEGRAL (3)

Ensino Médio TEMPO INTEGRAL (3) MATRÍCULAS DA EDUCAÇÃO DA BÁSICA DE 2006, CONSIDERADAS NO FUNDEB EM, COEFICIENTES DE DISTRIBUIÇÃO DOS RECURSOS E ESTIMATIVA DA RECEITA ANUAL DO FUNDO, POR ENTE GOVERNAMENTAL - - ESPÍRITO SANTO Integral

Leia mais

ÓBITOS 10 49 ANOS MULHER (SIM)

ÓBITOS 10 49 ANOS MULHER (SIM) MUNICIPPIOSS I I I AVALIAÇÃO I DO INDICADOR I I DE IINVESSTIGAÇÂO I DE ÒBIITOSS 22000088 (**)( ) ÓBITOS EM MENOR 1 ANO ÓBITOS 10 49 ANOS MULHER OBITOS MATERNOS ÓBBITTOSS I INVEESSTTIGADOSS I I (Reelatóri(

Leia mais

Hierarquia Urbana no Espírito Santo

Hierarquia Urbana no Espírito Santo Hierarquia Urbana no Espírito Santo Matheus Albergaria de Magalhães Victor Nunes Toscano Rede de Estudos Macroeconômicos (MACRO) Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) 03 de Setembro de 2010 Motivação

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

CICLOS DE NEGÓCIOS E ASPECTOS CONJUNTURAIS DA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

CICLOS DE NEGÓCIOS E ASPECTOS CONJUNTURAIS DA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CICLOS DE NEGÓCIOS E ASPECTOS CONJUNTURAIS DA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Matheus Albergaria de Magalhães Fevereiro de 2011 Objetivos Traçar breve panorama conjuntural da economia do estado do

Leia mais

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia IBEU da Região Metropolitana de Goiânia Marina Lemes Landeiro 1 Recentemente as 15 principais regiões metropolitanas brasileiras foram contempladas com o livro e também e-book Índice de Bem-estar Urbano

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada

O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada Eduardo Neto Érica Amorim Mauricio Blanco Rudi Rocha 1. Introdução Ao longo da última década, o Brasil vêem experimentando

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 2 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 3 Variáveis de conteúdo... 3 %Pessoas

Leia mais

O estado do Espírito Santo no Censo 2010

O estado do Espírito Santo no Censo 2010 1 O estado do Espírito Santo no Censo 2010 Instituto Jones dos Santos Neves IJSN Núcleo do Observatório das Metrópoles CNPq/INCT Pablo Lira 1 Caroline Cavatti 2 1. Introdução De acordo com os resultados

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Governo do Estado lança o projeto Espírito Santo sem Lixão

Governo do Estado lança o projeto Espírito Santo sem Lixão Governo do Estado lança o projeto Espírito Santo sem Lixão Com o objetivo de destinar corretamente 100% do lixo gerado e exterminar do território capixaba todos os lixões existentes, o Governo do Estado,

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Estudo Comparativo 1991-2000

Estudo Comparativo 1991-2000 Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Estratégica - SEMPLA Departamento de Estudos e Pesquisas Setor de Estatística e Informações DESENVOLVIMENTO HUMANO EM NATAL Estudo

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE Valéria D.Sartori Bassani 1 Introdução Este artigo tem por objetivo apresentar uma descrição sintética socioeconômica da cidade de Porto Alegre,

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Sentiram discriminação...

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4

Leia mais

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO BRASILIENSE DE ESTUDOS DA ECONOMIA REGIONAL IBRASE EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA distribuição da população e do pib

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

Vitória (ES), Quarta-feira, 06 de Agosto de 2014.

Vitória (ES), Quarta-feira, 06 de Agosto de 2014. SOCIAL Edital de Intimação SUBSER nº 003/2014, de 03/07/2014. Afonso Claudio Agua Doce do Norte Águia Branca Alegre Alfredo Chaves Alto Rio Novo Anchieta RESORT Apiaca Aracruz COSTA 11 DE SA CHAGAS 12

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

Sistema de informações sobre. o mercado de trabalho no setor turismo O EMPREGO NO TURISMO NAS REGIÕES METROPOLITANAS

Sistema de informações sobre. o mercado de trabalho no setor turismo O EMPREGO NO TURISMO NAS REGIÕES METROPOLITANAS Sistema de informações sobre o mercado de trabalho no setor turismo O EMPREGO NO TURISMO NAS REGIÕES METROPOLITANAS Outubro 2010 1 SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO SETOR TURISMO NO

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Pessoas c/alguma

Leia mais

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização Política de Desenvolvimento Econômico Aula 2 Prof. Nivaldo Vieira Lourenço Organização da Aula Aspectos conceituais do desenvolvimento regional Mudanças no conceito de região Regionalização brasileira

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Escova dentes 2x ou + p/dia...

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Uma Parceria do Governo do Estado do ES com o Governo Federal e Municípios Capixabas

Uma Parceria do Governo do Estado do ES com o Governo Federal e Municípios Capixabas Uma Parceria do Governo do Estado do ES com o Governo Federal e Municípios Capixabas O maior Programa Habitacional da História do Espírito Santo Mais de R$ 800 Milhões de Investimentos em Habitação Os

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

Cursos de Graduação a Distância

Cursos de Graduação a Distância de Graduação a Distância 427 428 7 - de Graduação a Distância 7.1 -,,, por Vestibular e Outros Processos Seletivos (*), e nos de Graduação a Distância, segundo as Instituições Brasil 2004 (continua) Instituições

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS A população brasileira foi estimada em 184,4 milhões de habitantes, em 2005, segundo a PNAD, sendo que 91 milhões de pessoas se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se

Leia mais

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES Nº 72 Fevereiro 2014 Análise da Distribuição Espacial das Instituições de Ensino Superior Brasileiras a partir dos Dados do Censo da Educação Superior de 2011 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 P á g i n a 1 As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 Os primeiros resultados do Censo 2010 já permitem algumas reflexões sobre mudanças e permanências da posição das metrópoles na rede urbana

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 Média moradores/domicílios...

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo...

Leia mais

BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA

BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA ISSN 2319-0205 Edição: 01/14 COMÉRCIO VAREJISTA PARAENSE EM JANEIRO DE 2014 O Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (IDESP), com base nas informações

Leia mais

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população.

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população. RESULTADOS O Espírito Santo que se deseja em 2015 é um Estado referência para o País, na geração de emprego e renda na sua indústria, com conseqüente eliminação das desigualdades entre os municípios capixabas.

Leia mais

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas.

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas. UNESCO INTRODUÇÃO O presente documento sintetiza os resultados da análise dos dados de mortalidade por armas de fogo divulgados no Ministério da Saúde em 2 de setembro de 2005. A análise foi realizada

Leia mais

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO Teresina (PI), Setembro 2014 1 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH-m) As informações deste estudo são extraídas do site do Programa das Nações Unidas - PNUD,

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DO ES ASPECTOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DO ESTADO

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Percepção do estado de saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Percepção do estado de saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Percepção do estado de saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Autoavaliação

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 1 ªReunião do GT de Indicadores de SADT 19/07/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Categorias

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO 1986-1991

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO 1986-1991 GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO COORDENAÇÃO ESTADUAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA COECT INSTITUTO DE APOIO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO JONES DOS SANTOS NEVES IPES MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS NO ESTADO DO

Leia mais

A venda do conceito Outer. está acima da venda de nossos produtos. Breno Bulus - sócio e designer

A venda do conceito Outer. está acima da venda de nossos produtos. Breno Bulus - sócio e designer Tudo começou a partir do sonho de desenvolver uma marca sólida e de personalidade única no cenário carioca, com o objetivo de fornecer lazer e bem estar. E foi com essa ideia na cabeça que em 2004 foi

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira CRÉDITO ESPECIAL NA FUNASA/MS (SANEAMENTO EM RM E RIDE) - PLN Nº 13, DE 2005-CN - Sidney A. Bittencourt e Mário Luis G. de Souza Núcleo da Saúde Julho/2005 Endereço na Internet: http://www.camara.gov.br

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÃO E PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROGRAMA BOLSA ESTÁGIO FORMAÇÃO DOCENTE EDITAL SEDU Nº 016/2015

EDITAL DE INSCRIÇÃO E PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROGRAMA BOLSA ESTÁGIO FORMAÇÃO DOCENTE EDITAL SEDU Nº 016/2015 EDITAL DE INSCRIÇÃO E PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROGRAMA BOLSA ESTÁGIO FORMAÇÃO DOCENTE EDITAL SEDU Nº 016/2015 A SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CONVIDA OS ESTUDANTES DOS CURSOS DE LICENCIATURA

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 Isaac A. Coimbra Lou SEI/BA Lis Helena Borges Bolsista/IPEA Roberta Pimenta Bolsista/IPEA Brasília, Março de 2013 SUMÁRIO

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia

1. Introdução. 2. Metodologia Mapeando a Mestre em Estatística Prefeitura Municipal do Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Departamento de Estudos e Pesquisas. Introdução O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI. Palavras-Chave: Fronteira, Desenvolvimento Humano, Indicadores.

DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI. Palavras-Chave: Fronteira, Desenvolvimento Humano, Indicadores. DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI Jeniffer Fonseca da Silva Jean Carlos da Silva Américo Tito Carlos Machado de Oliveira 1 Aluna do curso de ciências econômicas da UFMS,

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL Eixo temático: Indicadores Sociais 1 Variável: IDESE O Idese (Índice de Desenvolvimento Sócio-Econômico) é um índice sintético, inspirado

Leia mais

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA

Leia mais

Classificação dos Países

Classificação dos Países Indicadores Sociais: Os indicadores sociais são meios utilizados para designar os países como sendo: Ricos (desenvolvidos), Em Desenvolvimento (economia emergente) ou Pobres (subdesenvolvidos). Com isso,

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Outubro de 2012. Proposta para:

Outubro de 2012. Proposta para: Outubro de 2012 - Proposta para: Desafios da Primeira Infância: Proposta na Agenda Municipal_2 _Argumento Existe consenso entre especialistas de que os primeiros anos de vida são um período crucial nas

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL GEOGRAFIA CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL 1. ASPECTOS GERAIS O Brasil atualmente apresenta-se como o quinto país mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

Leia mais

A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL

A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL A RONALDO GUIMARÃES GOUVEA A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL FGV EDITORA Sumário Apresentação 11 Edésio Fernandes Introdução 17 1. Urbanização e planejamento no Brasil 27 O processo brasileiro de urbanização

Leia mais

Tamiris Cristine Teodoro de Souza. Rua General Jardim, 36-5º andar- Vila Buarque CEP: 01223-906 - São Paulo- SP. Email: sinasc@prefeitura.sp.gov.

Tamiris Cristine Teodoro de Souza. Rua General Jardim, 36-5º andar- Vila Buarque CEP: 01223-906 - São Paulo- SP. Email: sinasc@prefeitura.sp.gov. 2ªE di ç a or e v i s t aea mpl i a da F e v e r e i r o/2013 2013, Prefeitura do Município de São Paulo É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010 ATLAS de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil 1991 a 2010 Organização Pan-Americana da Saúde Organização Mundial da Saúde Representação no Brasil Atlas de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas 2012Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 Sumário Prova ABC

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL

DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL ESTUDO DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL Luciana da Silva Teixeira Consultora Legislativa da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional ESTUDO NOVEMBRO/2004

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Avaliação dos planos de saúde Brasil. Dezembro de 2010

Avaliação dos planos de saúde Brasil. Dezembro de 2010 Avaliação dos planos de saúde Brasil Dezembro de 2010 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil da amostra Avaliação dos planos ou seguros saúde Avaliação geral dos planos de saúde Desempenho dos planos de

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais