4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes"

Transcrição

1 4ª FASE Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes

2 Unidade IV A formação dos estados modernos 2

3 Aula 21.2 Conteúdo Escravismo colonial II 3

4 Habilidade Compreender as heranças africanas no Brasil e as religiões de matrizes africanas 4

5 Heranças africanas Moleque, quiabo, fubá, caçula e angu. Cachaça, dengoso, quitute, berimbau e maracatu. Todas essas palavras do vocabulário brasileiro têm origem africana ou referem-se a alguma prática desenvolvida pelos africanos escravizados que vieram para o Brasil durante o período colonial e imperial. Elas expressam a grande influência africana que há na cultura brasileira. 5

6 A existência da escravidão no Brasil durante quase quatrocentos anos, além de ter constituído a base da economia material da sociedade brasileira, influenciou também sua formação cultural. 6

7 Negro com um berimbau 7

8 História da capoeira 8

9 O fato de as escravas africanas terem sido responsáveis pela cozinha dos engenhos, fazendas e casas-grandes do campo e da cidade permitiu a difusão da influência africana na alimentação. São exemplos culinários da influência africana o vatapá, acarajé, pamonha, mugunzá, caruru, quiabo e chuchu. Temperos também foram trazidos da África, como pimentas, o leite de coco e o azeite de dendê e a feijoada. 9

10 Comidas Africanas Comidas Africanas Acarajé 10

11 O samba, afoxé, maracatu, congada, lundu e a capoeira são exemplos da influência africana na música brasileira que permanecem até os dias atuais. Instrumentos como o tambor, atabaque, cuíca, alguns tipos de flauta, marimba e o berimbau também são heranças africanas que constituem parte da cultura brasileira. Cantos, como o jongo, ou danças, como a umbigada, são também elementos culturais provenientes dos africanos. 11

12 Instrumentos musicais africanos 12

13 Quais as principais heranças culturais deixadas pelos africanos no Brasil? 13

14 No aspecto religioso os africanos buscaram sempre manter suas tradições de acordo com os locais de onde haviam saído do continente africano. Entretanto, a necessidade de aderirem ao catolicismo levou diversos grupos de africanos a misturarem as religiões do continente africano com o cristianismo europeu, processo conhecido como sincretismo religioso. São exemplos de participação religiosa africana o candomblé, a umbanda, a quimbanda e o catimbó. 14

15 Sincretismo religioso 15

16 As religiões de matriz africana, ao contrário do que se poderia imaginar, não são religiões politeístas. São monoteístas. Conforme a tradição Yorubá, Olodumaré (ou Olorum) é o nome do único Deus Supremo, o Senhor absoluto sobre o que há no céu e na terra. Olodumaré é Único, Criador, Rei, Onipotente, Transcendente, Juiz e Eterno. Não recebe cultos e oferendas diretamente. Mas sempre que um africanista invoca uma divindade, a oração inicia por Axé. 16

17 As divindades que recebem cultos e oferendas são os Orixás. Algumas destas, ao lado de Olodumaré, participaram da criação do mundo (Oxalá, Oxum e Iemanjá). Outros são ancestrais. São homens e mulheres que, por suas vidas exemplares, foram divinizados e agora personificam forças e fenômenos naturais. Cada Orixá representa uma força da natureza. Por isso muitos classificam estas religiões como animistas. Quando um devoto dessas religiões invoca seu Orixá, ele se refere às 17

18 forças da natureza pertencentes à criação do Pai Olodumaré. 18

19 Orixás africanos 19

20 Políticas educacionais para a história da África Lei /03 - Tornou obrigatório o ensino da história e cultura africana nas escolas públicas e particulares de todo o país. Lei /08 - Tornou obrigatório o ensino da temática afro-indígena nas escolas públicas e particulares de todo o país. Lei /10 - Estabelece o Estatuto da Igualdade Racial. 20

21 Curiosidade O dia 20 de novembro é o dia em que comemoramos o dia da consciência negra, em uma homenagem a morte do líder do quilombo dos Palmares (Zumbi), morto no dia 20 de novembro de

22 Qual o seu entendimento pelo termo Sincretismo Religioso? 22

AULA: 70 REVISÃO E AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS HUMANAS

AULA: 70 REVISÃO E AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS HUMANAS 2 AULA: 70 REVISÃO E AVALIAÇÃO DE 3 CORPOS CELESTES 4 Brasil: Características do Território e População. 5 População: Conforme dados do Censo Demográfico de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Aula 10.2 Conteúdo Arte e cultura africana.

Aula 10.2 Conteúdo Arte e cultura africana. Aula 10.2 Conteúdo Arte e cultura africana. 2 Habilidades: Refletir sobre as questões de dominação cultural, estereótipos e manutenção de identidade. 3 Vídeo Miscigenação. 4 Vídeo Aplicabilidade das Leis.

Leia mais

Atividades consciência negra colorir

Atividades consciência negra colorir Atividades consciência negra colorir Atividades infantil sobre zumbi dos palmares, são exercícios para imprimir colorir e pintar e o material pode ser aplicado em sala de aula, pois as atividades consciência

Leia mais

Consciência Negra: ontem, hoje e sempre. História e Cultura da África e dos Afro-brasileiros

Consciência Negra: ontem, hoje e sempre. História e Cultura da África e dos Afro-brasileiros Consciência Negra: ontem, hoje e sempre História e Cultura da África e dos Afro-brasileiros Justificativa O negro tem uma participação extremamente importante na formação da sociedade brasileira. Introduzido

Leia mais

ATIVIDADES SOBRE DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA

ATIVIDADES SOBRE DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA ATIVIDADES SOBRE DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA O dia 20 de novembro faz menção à consciência negra, a fim de ressaltar as dificuldades que os negros passam há séculos. A escolha da data foi em homenagem

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ANTÔNIO MAXIMILIANO CERETTA ENSINO FUNDUMENTAL E MÉDIO VIVENDO A CULTURA AFRO-BRASILEIRA

COLÉGIO ESTADUAL ANTÔNIO MAXIMILIANO CERETTA ENSINO FUNDUMENTAL E MÉDIO VIVENDO A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COLÉGIO ESTADUAL ANTÔNIO MAXIMILIANO CERETTA ENSINO FUNDUMENTAL E MÉDIO VIVENDO A CULTURA AFRO-BRASILEIRA Trabalho apresentado na Disciplina de geografia Como requisito parcial de Nota para o 2º bimestre.

Leia mais

27/10/2016. Professora Cíntia. 100 anos de samba. Professora Cíntia

27/10/2016. Professora Cíntia. 100 anos de samba. Professora Cíntia Professora Cíntia 100 anos de samba Professora Cíntia 1 Osamba é um gênero musical, o qual deriva de um tipo de dança, de raízes africanas, surgido no Brasil e considerado uma das principais manifestações

Leia mais

História. Herança Afro-descente em Pernambuco. Professor Cássio Albernaz.

História. Herança Afro-descente em Pernambuco. Professor Cássio Albernaz. História Herança Afro-descente em Pernambuco Professor Cássio Albernaz www.acasadoconcurseiro.com.br História HERANÇA AFRO-DESCENTE EM PERNAMBUCO O texto encontrado no site da Secretaria de Cultura de

Leia mais

CULTURA MUSICAL AFRO-BRASILEIRA

CULTURA MUSICAL AFRO-BRASILEIRA 23 Eixo: Práticas para Ensino Médio - Formação de Professores ZAGO, Ana Paula 1 CHUICO, Marlene 2 FERREIRA, Miriam R. Delarosa 3 DELAROSA Valdirene Ferreira 4 DAVID, Mônica Cristiane 5 A cultura afro-brasileira

Leia mais

Brasil e a afrodescendência

Brasil e a afrodescendência Brasil e a afrodescendência RESUMO Nesse texto vamos falar sobre a centralização da raça branca, as consequências da escravidão nos dias atuais e a importância da cultura africana no Brasil. Vamos mostrar

Leia mais

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma Cultura Negra Cultura Negra Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma enormidade de aspectos: dança, música, religião, culinária e idioma. Essa influência se faz notar em grande parte

Leia mais

RAÇA BRASIL REPORTAGENS: TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS (2.318 REPORTAGENS / 185 TEMAS & CÓDIGOS)

RAÇA BRASIL REPORTAGENS: TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS (2.318 REPORTAGENS / 185 TEMAS & CÓDIGOS) Personalidade Personalidade Perfil 322 Personalidade Personalidade Carreira 244 Estética Cabelos Femininos 157 Sociedade Eventos NULL 121 Estética Moda Feminina & Masculina 118 Estética Moda Feminina 107

Leia mais

PRECEDENTE HISTÓRICO. Castro Alves- Navio Negreiro. Negros vindos em navio negreiros.

PRECEDENTE HISTÓRICO. Castro Alves- Navio Negreiro. Negros vindos em navio negreiros. MOVIMENTO NEGRO PRECEDENTE HISTÓRICO Na origem das extremas desigualdades raciais observadas no Brasil está o fato óbvio de que os africanos e muitos dos seus descendentes foram incorporados à sociedade

Leia mais

#somostodosáfrica

#somostodosáfrica www.professoredley.com.br #somostodosáfrica O Reino de Gana A África pode ser dividida em duas grandes regiões: ao norte, onde se desenvolveu Cartago e as cidades Estados fenícias, conhecida como África

Leia mais

INFLUÊNCIA CULTURAL AFRICANA: DANÇAS, JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM PARINTINS/AM

INFLUÊNCIA CULTURAL AFRICANA: DANÇAS, JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM PARINTINS/AM INFLUÊNCIA CULTURAL AFRICANA: DANÇAS, JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM PARINTINS/AM Lenomar Nogueira Batalha Instituto de Ciências Sociais Educação e Zootecnia, ICSEZ/UFAM. Email: lenomano@yahoo.com.br

Leia mais

Na Nigéria, religiosos fazem campanha para combater o preconceito contra Exu

Na Nigéria, religiosos fazem campanha para combater o preconceito contra Exu Na Nigéria, religiosos fazem campanha para combater o preconceito contra Exu por Por Dentro da África - terça-feira, janeiro 12, 2016 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/22084 Natalia da Luz, Por

Leia mais

ANEXO B: NOTÍCIAS DE JORNAIS

ANEXO B: NOTÍCIAS DE JORNAIS 367 ANEXO B: NOTÍCIAS DE JORNAIS Fragmentos de notícias sobre o candomblé, pesquisadas em diversos periódicos brasileiros e internacionais, com destaque para as suas manchetes: Notícias de A Tarde, jornal

Leia mais

Brasil: Um País de Todos

Brasil: Um País de Todos Brasil: Um País de Todos RESUMO Trataremos da Afrodescendência no Brasil. Descreveremos como os negros eram tratados e como viviam no país. Focalizaremos a sua cultura, em específico, a culinária e as

Leia mais

ENSINO RELIGIOSO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ERIKA PATRÍCIA FONSECA PROF. LUIS CLÁUDIO BATISTA

ENSINO RELIGIOSO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ERIKA PATRÍCIA FONSECA PROF. LUIS CLÁUDIO BATISTA ENSINO RELIGIOSO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ERIKA PATRÍCIA FONSECA PROF. LUIS CLÁUDIO BATISTA Avaliação da unidade III Pontuação: 7,5 pontos 2 Questão 01 (1,0) As religiões orientais desenvolveram-se

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS. 50 anos a Serviço da Educação e da Vida CONTEÚDO PARA ESTUDO 2º BIMESTRE

COLÉGIO NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS. 50 anos a Serviço da Educação e da Vida CONTEÚDO PARA ESTUDO 2º BIMESTRE COLÉGIO NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS 50 anos a Serviço da Educação e da Vida CONTEÚDO PARA ESTUDO 2º BIMESTRE 4º ANO A Prof.ª DANIELA 4º ANO B Prof.ª ESTELA DISCIPLINA: PORTUGUÊS Reconhecer as características

Leia mais

ESSA FEIJOADA TEM AXÉ, ESSA FEIJOADA TEM MIRONGA: UMA FOTO-

ESSA FEIJOADA TEM AXÉ, ESSA FEIJOADA TEM MIRONGA: UMA FOTO- ESSA FEIJOADA TEM AXÉ, ESSA FEIJOADA TEM MIRONGA: UMA FOTO- ETNOGRAFIA DE UMA FESTA DE PRETO VELHO Larissa Fontes 1 Este ensaio mostra a festa da preta velha Vovó Maria Conga desde sua preparação. Vovó

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I DESAFIO DO DIA ARTES. Conteúdo: Danças Folclóricas brasileiras.

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I DESAFIO DO DIA ARTES. Conteúdo: Danças Folclóricas brasileiras. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA INTERATIVA I Conteúdo: Danças Folclóricas brasileiras. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA INTERATIVA I Habilidades:

Leia mais

Patrimônio Imaterial

Patrimônio Imaterial SAMBA DE RODA Patrimônio Imaterial O Samba de Roda, no recôncavo baiano, designa uma mistura de música, dança, poesia e festa. Presente em todo o estado da Bahia, o samba de roda é praticado principalmente,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SULAMITA DA SILVA BAZAGA. A influência africana na formação da cultura afro-brasileira.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SULAMITA DA SILVA BAZAGA. A influência africana na formação da cultura afro-brasileira. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SULAMITA DA SILVA BAZAGA A influência africana na formação da cultura afro-brasileira. Juiz de Fora 2017 SULAMITA DA SILVA BAZAGA A influência africana na formação

Leia mais

UBUNTU. "Humanidade para os outros" ou "Sou o que sou pelo que nós somos". COESO

UBUNTU. Humanidade para os outros ou Sou o que sou pelo que nós somos. COESO "Humanidade para os outros" ou "Sou o que sou pelo que nós somos". I CONFERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO - ÉTNICO RACIAL 20, 21 e 22 de Novembro de 2017 Idealizadora: Giselle da Hora A FILOSOFIA

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

Igbo Ifa Orisa Ogbe Meji. Babalawo Ifá Olaifa Alberto Junior. Culinária afro-brasileira

Igbo Ifa Orisa Ogbe Meji. Babalawo Ifá Olaifa Alberto Junior.  Culinária afro-brasileira Culinária afro-brasileira O negro introduziu na cozinha o leite de coco-da-baía, o azeite de dendê, confirmou a excelência da pimenta malagueta sobre a do reino, deu ao Brasil o feijão preto, o quiabo,

Leia mais

BRASIL COLÔNIA a 1822 Atividade I

BRASIL COLÔNIA a 1822 Atividade I BRASIL COLÔNIA 1 1500 a 1822 Atividade I 1. Período Pré-colonizador: 1500 a 1530 Os portugueses chegam ao Brasil em 1500, mas não encontram riqueza ou perspectiva de lucro imediato, como metais preciosos

Leia mais

Cultura corporal Afro-brasileira. Proª. Juliana da Silva 1ª aula

Cultura corporal Afro-brasileira. Proª. Juliana da Silva 1ª aula Cultura corporal Afro-brasileira Proª. Juliana da Silva 1ª aula Legislação Federal Lei nº 10639/2003 - estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de

Leia mais

Quem roubou Yemonjá?

Quem roubou Yemonjá? CADERNO N.1/2008 APCAB * Fevereiro 2008 Quem roubou Yemonjá? Culto de Yemonjá no limiar da globalização: desenraizado, sincrético e exportado. [APCAB] cadernos informativos. João Ferreira Dias Vice-Presidente

Leia mais

A escravidão brasileira

A escravidão brasileira A escravidão brasileira A África antes da chegada dos europeus no século 15 era um continente com várias culturas, povos, línguas e religiões diferentes. Deste modo, não existia uma unidade, mas pelo contrário,

Leia mais

Objetivos Específicos Conteúdos Históricos Procedimentos Didáticos

Objetivos Específicos Conteúdos Históricos Procedimentos Didáticos PLANO DE AULA 10 Disciplina: Quilombos Contemporâneos e Ensino de História. Docente: Daniela Yabeta Tipo de disciplina: Optativa Assunto: Plano de aula. Aluno: Carlos Eduardo Valdez da Silva Tema: Educação

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em História e Cultura Afro-Brasileira. OBJETIVO

Leia mais

Cultura Afro-Indígena Brasileira. Prof. Ms. Celso Ramos Figueiredo Filho

Cultura Afro-Indígena Brasileira. Prof. Ms. Celso Ramos Figueiredo Filho Cultura Afro-Indígena Brasileira Prof. Ms. Celso Ramos Figueiredo Filho Religiões Afro-Brasileiras Introdução - Escravidão miscigenação e sincretismo (Angola, Moçambique, Congo) - 3 a 5 milhões de africanos

Leia mais

Carlos de Assumpção. Textos selecionados MÃE

Carlos de Assumpção. Textos selecionados MÃE Textos selecionados Carlos de Assumpção MÃE Os anos já pintaram de luar os teus cabelos, No entanto, tudo parece estar acontecendo agora, Neste instante. Após tantos anos, Neste momento, Vejo tudo diante

Leia mais

23/08/2010. Miscigenação de povos, durante e após a colonização; Deixando marcas na sociedade, misturando seus hábitos aos praticado no país;

23/08/2010. Miscigenação de povos, durante e após a colonização; Deixando marcas na sociedade, misturando seus hábitos aos praticado no país; e no Mundo Agosto de 2010 Formação da cozinha brasileira Miscigenação de povos, durante e após a colonização; Deixando marcas na sociedade, misturando seus hábitos aos praticado no país; A cozinha brasileira

Leia mais

As Leis 10639/03 e 11645/08: O Ensino de História e Cultura dos Povos Indígenas e dos Afrodescendentes no Brasil UNIDADE 1

As Leis 10639/03 e 11645/08: O Ensino de História e Cultura dos Povos Indígenas e dos Afrodescendentes no Brasil UNIDADE 1 As Leis 10639/03 e 11645/08: O Ensino de História e Cultura dos Povos Indígenas e dos Afrodescendentes no Brasil As Leis 10639/03 e 11645/08: O Ensino de História e Cultura dos Povos Indígenas e dos Afrodescendentes

Leia mais

HISTÓRIA 8 ANO PROF. ARTÊMISON MONTANHO DA SILVA PROF.ª ISABEL SARAIVA SILVA ENSINO FUNDAMENTAL

HISTÓRIA 8 ANO PROF. ARTÊMISON MONTANHO DA SILVA PROF.ª ISABEL SARAIVA SILVA ENSINO FUNDAMENTAL HISTÓRIA 8 ANO PROF.ª ISABEL SARAIVA SILVA ENSINO FUNDAMENTAL PROF. ARTÊMISON MONTANHO DA SILVA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Produção, Circulação e Trabalho 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 2.2 Conteúdo

Leia mais

O Candomblé: Uma religião que os negros ensinaram aos brasileiros. Etapa I do ciclo II, referente a 3 série do Ensino Fundamental.

O Candomblé: Uma religião que os negros ensinaram aos brasileiros. Etapa I do ciclo II, referente a 3 série do Ensino Fundamental. 1. TEMA O Candomblé: Uma religião que os negros ensinaram aos brasileiros. 2. TURMA A QUE SE DESTINA Etapa I do ciclo II, referente a 3 série do Ensino Fundamental. 3. BLOCOS TEMÁTICOS PROPOSTOS Ensino

Leia mais

EJA 4ª FASE PROF. LUIS CLAÚDIO

EJA 4ª FASE PROF. LUIS CLAÚDIO EJA 4ª FASE PROF. LUIS CLAÚDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade II As tradições religiosas e os textos sagrados. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

Que força. traz o ritmo?

Que força. traz o ritmo? A P R E S E N T A Que força traz o ritmo? Gera Que movimento o giro? Q u e a r r e b a t a m e n t o TRANSFORMA Um em tantos? o encantamento dos vodunsis nos Tambores Maranhenses O movimento circular

Leia mais

Casas e terreiros de cultos africanos: território de identidade, resistência e de construção de linguagem

Casas e terreiros de cultos africanos: território de identidade, resistência e de construção de linguagem Casas e terreiros de cultos africanos: território de identidade, resistência e de construção de linguagem KARY JEAN FALCÃO * Resumo O artigo Casas e terreiros de cultos africanos: território de identidade,

Leia mais

REVISTA COMIDA DE SANTO. Marília Carvalheiro Timoteo dos Santos Docente-Especialista; Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

REVISTA COMIDA DE SANTO. Marília Carvalheiro Timoteo dos Santos Docente-Especialista; Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS COMIDA DE SANTO Jhon Lenon Amorim de Oliveira Graduando em Tecnologia em Gastronomia Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Marília Carvalheiro Timoteo dos Santos Docente-Especialista; Faculdades

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO NEGRO PARA A CULTURA BRASILEIRA CONTRIBUTIONS OF BLACK PEOPLETO BRAZILIAN CULTURE

CONTRIBUIÇÃO DO NEGRO PARA A CULTURA BRASILEIRA CONTRIBUTIONS OF BLACK PEOPLETO BRAZILIAN CULTURE CONTRIBUIÇÃO DO NEGRO PARA A CULTURA BRASILEIRA CONTRIBUTIONS OF BLACK PEOPLETO BRAZILIAN CULTURE Maria Arlete SANTOS 1 RESUMO: A proposta desse trabalho é apresentar uma revisão geral da influência dos

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CETEC UNIDADE DE ENSINO DE CAXIAS DO SUL PROVA DE SELEÇÃO

CENTRO TECNOLÓGICO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CETEC UNIDADE DE ENSINO DE CAXIAS DO SUL PROVA DE SELEÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CETEC UNIDADE DE ENSINO DE CAXIAS DO SUL PROVA DE SELEÇÃO Nome: Data: / / O CETEC é a escola da Universidade de Caxias do Sul. A convivência, desde cedo,

Leia mais

GRUPO I POPULAÇÃO E POVOAMENTO. Nome N. o Turma Avaliação. 1. Indica, para cada conceito, o número da definição que lhe corresponde.

GRUPO I POPULAÇÃO E POVOAMENTO. Nome N. o Turma Avaliação. 1. Indica, para cada conceito, o número da definição que lhe corresponde. Nome N. o Turma Avaliação GRUPO I 1. Indica, para cada conceito, o número da definição que lhe corresponde. Conceito Definição a. Cultura 1. Discriminação de povos ou pessoas, por certos grupos de indivíduos,

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 4 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 4 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 A AVENTURA DE NAVEGAR *Descobrir o motivo das grandes navegações *Reconhecer as especiarias e o comércio entre África e Europa. *A importância das navegações. *As viagens espanholas e portuguesas

Leia mais

2ª FASE Prof.ª JEANNE ARAÚJO E SILVA

2ª FASE Prof.ª JEANNE ARAÚJO E SILVA 2ª FASE Prof.ª JEANNE ARAÚJO E SILVA 4º BIMESTRE 2ª Avaliação - Área de Ciências Humanas. Aula 196 Revisão e avaliação de Ciências Humanas. 2 Hidrografia 3 A hidrografia é o ramo da geografia física que

Leia mais

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS ARTES CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO. Planejamento e Gestão do Plano de Ação Municipal Selo UNICEF Município Aprovado

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO. Planejamento e Gestão do Plano de Ação Municipal Selo UNICEF Município Aprovado CURSO DE APERFEIÇOAMENTO Planejamento e Gestão do Plano de Ação Municipal Selo UNICEF Município Aprovado São Luís MA 2016 Módulo 1- Garantia dos Direitos das Crianças e Adolescentes e o Selo UNICEF Leitura

Leia mais

Plano de Aula: Consciência Negra

Plano de Aula: Consciência Negra Plano de Aula: Consciência Negra Olá amigos e amigas do SOESCOLA. Hoje trago para vocês um plano de aula para ensino fundamental sobre a Consciência Negra Criado por Érica Alves da Silva. Plano de Aula:

Leia mais

Programação de novembro Mês da Consciência Negra

Programação de novembro Mês da Consciência Negra Programação de novembro Mês da Consciência Negra 1º de novembro sexta-feira Sessão Consciência: Amistad 4 de novembro segunda-feira Local: Associação Amukengue 8h30 Oficina de Percussão e Capoeira com

Leia mais

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da CAPOEIRA A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da escravatura no Brasil. No século XVI, Portugal tinha

Leia mais

Fernando Moura MÚSICO, COMPOSITOR, ARRANJADOR E PRODUTOR MUSICAL

Fernando Moura MÚSICO, COMPOSITOR, ARRANJADOR E PRODUTOR MUSICAL A música sempre foi a herança mais visível que os negros africanos escravizados trouxeram para o Brasil. Diversa, rica, rítmica, a tradição africana se misturou e se transformou aqui no Brasil. É sobre

Leia mais

Crislene Gois Santos 1 José Clécio Silva de Souza 2. GT 1 Educação de Crianças, Jovens e Adultos RESUMO

Crislene Gois Santos 1 José Clécio Silva de Souza 2. GT 1 Educação de Crianças, Jovens e Adultos RESUMO UMA EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR NO TRABALHO COM A HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA NA ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO EM INHAPI-ALAGOAS GT 1 Educação de Crianças, Jovens

Leia mais

Doutoranda em Antropologia Social na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Doutoranda em Antropologia Social na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. ORO, ARI PEDRO; ANJOS, JOSÉ CARLOS GOMES DOS. A FESTA DE NOSSA SENHORA DOS NAVEGANTES EM PORTO ALEGRE: SINCRETISMO ENTRE MARIA E IEMANJÁ. PORTO ALEGRE, SMC, 2009. 140 P. Stella Maris Nunes Pieve 1 O livro

Leia mais

A cara do Brasil. No início da colonização do Brasil, ainda no MÓDULO 4. Nesta aula. A integração e a miscigenação raciais

A cara do Brasil. No início da colonização do Brasil, ainda no MÓDULO 4. Nesta aula. A integração e a miscigenação raciais A UA UL LA MÓDULO 4 A cara do Brasil Nesta aula No início da colonização do Brasil, ainda no século XVI, quando começou o cultivo da cana-de-açúcar, a sociedade brasileira foi se formando de maneira muito

Leia mais

CULTURA AFRO-BRASILEIRA: UM ESTUDO COM ALUNOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE CAMPINA GRANDE/PB.

CULTURA AFRO-BRASILEIRA: UM ESTUDO COM ALUNOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE CAMPINA GRANDE/PB. CULTURA AFRO-BRASILEIRA: UM ESTUDO COM ALUNOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE CAMPINA GRANDE/PB. Autora: Edineuza Carlos de Lima ESCOLA MUNICIPAL APOLÔNIA AMORIM E-mail: neuza.lima2010@gmail.com GRUPO DE TRABALHO:

Leia mais

O Povo Brasileiro: Brasil Crioulo

O Povo Brasileiro: Brasil Crioulo O Povo Brasileiro: Brasil Crioulo de Isa Grispum Ferraz Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio Elaboração: Laura Duarte Sinopse: O Povo Brasileiro é um documentário baseado na obra de mesmo

Leia mais

O RENASCIMENTO AFRICANO NA SOCIEADE BRASILEIRA Gladys Saraiva*

O RENASCIMENTO AFRICANO NA SOCIEADE BRASILEIRA Gladys Saraiva* O RENASCIMENTO AFRICANO NA SOCIEADE BRASILEIRA Gladys Saraiva* Gladys Saraiva 12/02/2016 1 O RENASCIMENTO AFRICANO NA SOCIEADE BRASILEIRA Gladys Saraiva* RESUMO Este trabalho propõe uma breve reflexão

Leia mais

CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER

CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER UNIDADE 1 O TEMPO E AS ORIGENS DO BRASIL 1. Contando o tempo Instrumentos de medida do tempo Medidas de tempo: década, século, milênio Linha do tempo

Leia mais

Iemanjá (Yemanjá) Iansã

Iemanjá (Yemanjá) Iansã Iemanjá (Yemanjá) Iemanjá é a orixá dos grandes rios, mares e oceanos. Chegou ao Brasil com os escravos africanos, sendo que na África era a orixá do rio Ogun e aqui se tornou a orixá dos mares. Na umbanda,

Leia mais

RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS

RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS INTRODUÇÃO Já se tornaram comuns as aglomerações de pessoas nas praias para saudar o Ano-Novo. O branco é a cor usual. Até no culto da virada de ano há quem vá de branco. O que

Leia mais

II Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 18 e 19 de outubro de 2016

II Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 18 e 19 de outubro de 2016 II Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 18 e 19 de outubro de 2016 LEI 10.639/03: IDENTIDADE COM TEMPERO, AXÉ E RELIGIOSIDADE

Leia mais

Geografia. Movimentos Culturais em Pernambuco. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Movimentos Culturais em Pernambuco. Professor Luciano Teixeira. Geografia Movimentos Culturais em Pernambuco Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia MOVIMENTOS CULTURAIS EM PERNAMBUCO Não por acaso, o estado é conhecido no país como um dos

Leia mais

REQUERIMENTO Nº, DE (Da Sra. Alice Portugal e outros)

REQUERIMENTO Nº, DE (Da Sra. Alice Portugal e outros) REQUERIMENTO Nº, DE 2014. (Da Sra. Alice Portugal e outros) Requer a realização de Audiência Pública para debater o financiamento da política destinada ao incentivo à cultura e às artes negras em suas

Leia mais

alfabetização: Consciência Negra

alfabetização: Consciência Negra Atividades alfabetização: Consciência Negra Dia para da Atividade de interpretação do texto Um dia muito especial que fala sobre o Dia da Consciência Negra. Atividades para alfabetização: Dia da Consciência

Leia mais

Cultura. patrimônio. Materiale Imaterial; e diversidade cultural no Brasil

Cultura. patrimônio. Materiale Imaterial; e diversidade cultural no Brasil Cultura Materiale Imaterial; patrimônio e diversidade cultural no Brasil A diversidade cultural engloba as diferenças culturais que existem entre as pessoas, como a linguagem, danças, vestimenta, tradições

Leia mais

CURSO DE TEOLOGIA DA UMBANDA

CURSO DE TEOLOGIA DA UMBANDA CURSO DE TEOLOGIA DA UMBANDA Início: 03.09.2016 Tutor: Márcio Kain Sacerdote de Umbanda Duração: 12 meses Aulas: semanais, através de vídeo, com apoio de apostila (download), fórum, suporte de Whatsapp

Leia mais

COMIDA E RELIGIOSIDADE: DOS CULTOS AFRO-BRASILEIROS PARA A HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO BRASILEIRA.

COMIDA E RELIGIOSIDADE: DOS CULTOS AFRO-BRASILEIROS PARA A HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO BRASILEIRA. COMIDA E RELIGIOSIDADE: DOS CULTOS AFRO-BRASILEIROS PARA A HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO BRASILEIRA. Pedro Henrique Mendes Ribeiro Departamento de História UFRN Resumo: O trabalho trata de uma análise dos elementos

Leia mais

Thiago Moreira da Cunha 1 Maria Aparecida Teixeira Lamounier 2 Natália de Carvalho Teixeira 3

Thiago Moreira da Cunha 1 Maria Aparecida Teixeira Lamounier 2 Natália de Carvalho Teixeira 3 A Gastronomia Dos Orixás: A culinária Inspirada Nos Santos Do Candomblé Gastronomy Of Orishas, The Inspired cuisine In Santos From Candomblé Gastronomía de Orishas : La cocina de inspiración Santos En

Leia mais

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes 4ª FASE Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes A A Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2 A A Aula 5.2 Conteúdo As Civilizações da Mesopotâmia II 3 A A Habilidade Analisar

Leia mais

Time Code Vídeo Áudio Tema Comentário imperdível (interno ao material)

Time Code Vídeo Áudio Tema Comentário imperdível (interno ao material) Número da fita: 0036 Título: XI Encontro de Jongueiros apresentação de diversos grupos: Discursos, homenagens, Dona Ivone Lara e Xangô da Mangueira Mídia: Mini DV Time Code Vídeo Áudio Tema Comentário

Leia mais

religioso em sala de aula.

religioso em sala de aula. DOI: 10.4025/7CIH.PPHUEM.1537 DO ORIXÁ AO SANTO: uma abordagem do pré conceito e do sincretismo Resumo religioso em sala de aula. PALOSI, Emeline Calloi (UEM) 1 SILVA, Mariana Rodrigues da (UEM) 2 SIOFRE,

Leia mais

SOB OS OLHARES DE OXUM : MULHER NEGRA E RELAÇÕES DE GÊNERO NA FORMAÇÃO DO PRIMEIRO AFOXÉ DE ARACAJU

SOB OS OLHARES DE OXUM : MULHER NEGRA E RELAÇÕES DE GÊNERO NA FORMAÇÃO DO PRIMEIRO AFOXÉ DE ARACAJU SOB OS OLHARES DE OXUM : MULHER NEGRA E RELAÇÕES DE GÊNERO NA FORMAÇÃO DO PRIMEIRO AFOXÉ DE ARACAJU Janaina Couvo Teixeira Maia de Aguiar 1 Milton Moura 2 RESUMO: Este artigo apresenta uma análise sobre

Leia mais

RAÇA BRASIL COLUNAS: TEMAS & CÓDIGOS & SUBCÓDIGOS

RAÇA BRASIL COLUNAS: TEMAS & CÓDIGOS & SUBCÓDIGOS Negritude Discriminação Racial 40 Negritude Entidades, instituições em favor do negro 35 Negritude Discriminação Racial Denúncias 9 Negritude Discriminação Racial Denúncias condenações realizadas 7 Cultura

Leia mais

REVISA CAESP HUMANAS - HISTÓRIA

REVISA CAESP HUMANAS - HISTÓRIA REVISA CAESP HUMANAS - HISTÓRIA NOME: N ª. NOME: N ª. TURMA: 1º ANO A 4º BIMESTRE ENTREGAR: 04/10/2016 - PROF. ANDERSON W. 1. (Fuvest 2014) Observe estes mapas: a) Identifique duas diferenças significativas

Leia mais

Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais.

Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais. Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.639, DE 9 DE JANEIRO DE 2003. Mensagem de veto Altera a Lei n o 9.394,

Leia mais

6. o ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF. FRANCISCA AGUIAR PROF. SUZY PINTO

6. o ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF. FRANCISCA AGUIAR PROF. SUZY PINTO 6. o ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF. FRANCISCA AGUIAR PROF. SUZY PINTO Unidade II CULTURA: a pluralidade na expressão humana. Aula 5.1 Conteúdos O folclore brasileiro: as lendas, as danças e as brincadeiras.

Leia mais

Câmara Municipal de Fortaleza Vereador Evaldo Lima - PCdoB

Câmara Municipal de Fortaleza Vereador Evaldo Lima - PCdoB REQUERIMENTO N 0010/2015 Requer seja efetuáda a transcrição, nos Anais desta Casa Legislativa Municipal, do artigo "Caravana pelo rio Ceará lembra a história dos negros", assinado pela jornalista Thaís

Leia mais

NORDESTE. Jonathan Kreutzfeld

NORDESTE. Jonathan Kreutzfeld NORDESTE Jonathan Kreutzfeld Características básicas Área: 1,5 milhões de km2 População: 53 milhões Pib per capita: 8,4 mil SUB REGIÕES DO NORDESTE ASPECTOS FÍSICOS RELEVO CLIMA PARNAÍBA BORBOREMA SERTÃO

Leia mais

S VA OR CIDADE PARA VIVER E CONHECER

S VA OR CIDADE PARA VIVER E CONHECER S VA OR CIDADE PARA VIVER E CONHECER TEXTO: SAULO DOURADO SALVADOR VIVA, AME, CUIDE 2012 5M-EDITORA, EMPREENDIMENTOS, COMÉRCIO, SERVIÇOS, LICENCIAMENTOS E AGROPECUÁRIA LTDA. TODOS OS DIREITOS ESTÃO RESERVADOS

Leia mais

AS FESTAS NOS TERREIROS DE ARACAJU O SAGRADO, A SOCIABILIDADE E AS RELAÇÕES ENTRE HOMENS E DIVINDADES. Janaina Couvo Teixeira Maia de Aguiar 1

AS FESTAS NOS TERREIROS DE ARACAJU O SAGRADO, A SOCIABILIDADE E AS RELAÇÕES ENTRE HOMENS E DIVINDADES. Janaina Couvo Teixeira Maia de Aguiar 1 IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. AS FESTAS NOS TERREIROS DE ARACAJU O SAGRADO, A SOCIABILIDADE

Leia mais

UNIDADE 17 - PARTE 01 INTERMEDIÁRIO - AVANÇADO

UNIDADE 17 - PARTE 01 INTERMEDIÁRIO - AVANÇADO UNIDADE 17 - PARTE 01 INTERMEDIÁRIO - AVANÇADO A partir desta unidade começamos uma nova etapa em nosso Curso de Português. Já estamos no nível Intermediário-Avançado, portanto, você aluno, deverá estar

Leia mais

Estudos das Relações Étnico-raciais para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana e Indígena. Ementa. Aula 1

Estudos das Relações Étnico-raciais para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana e Indígena. Ementa. Aula 1 Estudos das Relações Étnico-raciais para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana e Indígena Aula 1 Prof. Me. Sergio Luis do Nascimento Ementa Conceitos básicos, como: escravo, escravizado,

Leia mais

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro)

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro) Planejamento das Aulas de História 2016 7º ano (Prof. Leandro) Fevereiro Aula Programada (As Monarquias Absolutistas) Páginas Tarefa 1 A Formação do Estado Moderno 10 e 11 Mapa Mental 3 Teorias em defesa

Leia mais

Semira Adler Vainsencher. Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco

Semira Adler Vainsencher. Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco Semira Adler Vainsencher Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco semiraadler@gmail.com Na Bahia, vestir roupa branca nas sextas-feiras representa um hábito muito antigo, sendo proveniente do candomblé.

Leia mais

ESTRATEGIA DIDÁTICA USANDO JOGO DE TRILHA NO ENSINO DE BIOLOGIA COM A INCLUSÃO DAS RELIGIÕES DE MATRIZES AFRICANAS NA SALA DE AULA.

ESTRATEGIA DIDÁTICA USANDO JOGO DE TRILHA NO ENSINO DE BIOLOGIA COM A INCLUSÃO DAS RELIGIÕES DE MATRIZES AFRICANAS NA SALA DE AULA. ESTRATEGIA DIDÁTICA USANDO JOGO DE TRILHA NO ENSINO DE BIOLOGIA COM A INCLUSÃO DAS RELIGIÕES DE MATRIZES AFRICANAS NA SALA DE AULA. Joellyton do Rozário Costa; Mariana Silva Lustosa; Laís da Silva Barros;

Leia mais

RESENHA. CARDOSO, Francilene do Carmo. O negro na biblioteca: mediação da informação para a construção da identidade negra. Curitiba: CRV, p.

RESENHA. CARDOSO, Francilene do Carmo. O negro na biblioteca: mediação da informação para a construção da identidade negra. Curitiba: CRV, p. RESENHA CARDOSO, Francilene do Carmo. O negro na biblioteca: mediação da informação para a construção da identidade negra. Curitiba: CRV, 2015. 114p. Franciéle Carneiro Garcês da Silva Instituto Brasileiro

Leia mais

A PRESENÇA AFRICANA NO NOSSO PAÍS E NO NOSSO FALAR COMO UM TESOURO ESCONDIDO

A PRESENÇA AFRICANA NO NOSSO PAÍS E NO NOSSO FALAR COMO UM TESOURO ESCONDIDO A PRESENÇA AFRICANA NO NOSSO PAÍS E NO NOSSO FALAR COMO UM TESOURO ESCONDIDO Anderson Marques de Carvalho Resumo: A cultura de um país é formada pela cultura de cada um dos seus habitantes. É desse ponto

Leia mais

Políticas Públicas Para os Remanescentes Quilombolas. Ms. Prof. Maria Aparecida da Silveira

Políticas Públicas Para os Remanescentes Quilombolas. Ms. Prof. Maria Aparecida da Silveira Políticas Públicas Para os Remanescentes Quilombolas 1 Ms. Prof. Maria Aparecida da Silveira É da terra e na terra que desenvolvem todas as atividades da vida, é onde plantam e colhem o fruto de seu trabalho

Leia mais

Orientação Técnica Educação para as Relações Étnico-Raciais Africanidades Anos Finais e Ensino Médio

Orientação Técnica Educação para as Relações Étnico-Raciais Africanidades Anos Finais e Ensino Médio Orientação Técnica Educação para as Relações Étnico-Raciais Africanidades Anos Finais e Ensino Médio Dirigente Regional de Ensino: Profª Liane Bayer Objetivos Gerais Implementar a lei 9.394/96, alterada

Leia mais

Revisões das efemérides negras nas memórias e História do Brasil. Por Maria Aparecida de Oliveira Lopes

Revisões das efemérides negras nas memórias e História do Brasil. Por Maria Aparecida de Oliveira Lopes Revisões das efemérides negras nas memórias e História do Brasil Por Maria Aparecida de Oliveira Lopes (Artigo originalmente publicado na edição número 15 da revista O Menelick 2o. Ato, disponível em http://issuu.com/omenelick2ato/docs/menelick_ed15_final_baixa)

Leia mais

O QUE É DA BOMBA É BOM!

O QUE É DA BOMBA É BOM! O QUE É DA BOMBA É BOM! Projeto de Roteirização Turística do Polo Cultural da Bomba do Hemetério Vivência turística e cultural de base comunitária Roteiro BOMBÁFRICA Este Roteiro oferece atividades e produtos

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Ementa EMENTA. Objetivos

PLANO DE ENSINO. Ementa EMENTA. Objetivos Graduação em Licenciatura em História Disciplina: História das Relações Étnico-Raciais no Brasil Carga horária: 60h Professora-autora: Ynaê Lopes Tutora: Olívia Von der Weid Semestre: 2 Ano: 2017 PLANO

Leia mais

Umbanda em Preto e Branco Valores da Cultura Afro-brasileira na Religião

Umbanda em Preto e Branco Valores da Cultura Afro-brasileira na Religião Umbanda em Preto e Branco Valores da Cultura Afro-brasileira na Religião Thales Valeriani Agradecimentos Agradeço a minha orientadora Eliza Casadei pela dedicação, atenção e profissionalismo ao longo de

Leia mais

Religiosidade Africana

Religiosidade Africana UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRPPG MECM CONHECIMENTO E DIVERSIDADE CULTURAL Religiosidade Africana Douglas Aires GOIÂNIA, 2012 Religião Africana O africano tem a religião como um modo de vida que é caracterizada,

Leia mais

Desenvolvimento Mediúnico Ministrado por Alexandre Ormonde. Modulo 12 Aulas 47.

Desenvolvimento Mediúnico Ministrado por Alexandre Ormonde. Modulo 12 Aulas 47. Desenvolvimento Mediúnico Ministrado por Alexandre Ormonde Modulo 12 Aulas 47. Oferendas Básicas Umbandistas (por Rubens Saraceni) Oferenda ao Orixá Oxalá Toalha ou pano de cor branca; velas brancas; frutas

Leia mais

Trabalho de Religião. Nome: Christian Marques n 3 Marcelo Victor n 20 Pedro Leite n 24

Trabalho de Religião. Nome: Christian Marques n 3 Marcelo Victor n 20 Pedro Leite n 24 Trabalho de Religião Nome: Christian Marques n 3 Marcelo Victor n 20 Pedro Leite n 24 Estados Unidos Martin Luther King Formação cristã, filosofia europeia e ensinamentos de Gandhi fizeram de Martin Luther

Leia mais

Alfabeto Quilombola MATERIAL DIDÁTICO

Alfabeto Quilombola MATERIAL DIDÁTICO Alfabeto Quilombola MATERIAL DIDÁTICO Educador Antonio Baú Uma criança pra aprender tem que ser de passo a passo. Igual uma planta de uma roça. Você cerca primeiro, volta roçando, depois põem fogo, espera

Leia mais