PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, POLÍTICAS PÚBLICAS E PRÁTICA DE ENSINO EM GEOGRAFIA NO BRASIL, UMA APROXIMAÇÃO NECESSÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, POLÍTICAS PÚBLICAS E PRÁTICA DE ENSINO EM GEOGRAFIA NO BRASIL, UMA APROXIMAÇÃO NECESSÁRIA"

Transcrição

1 Prof. Me. Rangel Lima Garcia PUC-SP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, POLÍTICAS PÚBLICAS E PRÁTICA DE ENSINO EM GEOGRAFIA NO BRASIL, UMA APROXIMAÇÃO NECESSÁRIA INTRODUÇÃO Este trabalho é um relato que tem origem nas nossas práticas como professor e pesquisador, em um esforço de dar forma escrita à combinação que tentamos materializar. É uma combinação exigente quando se pretende excelência nos resultados, tanto de retorno às nossas próprias metas, quanto na formação das crianças, jovens e famílias para os quais trabalhamos. E sabemos, tudo isso se melhora na medida em que nos lançamos às tentativas. Delas colhemos os frutos e criamos a chance de identificar o que é preciso mudar nas nossas práticas, sobretudo diante da possibilidade da desalienação, como alerta Ruy Moreira (2009), e do mundo como ele pode vir a ser, segundo Milton Santos (2001). Para tanto, é preciso relatar e contar aos pares o que temos feito nesse sentido, e se colocar de prontidão para receber e responder às críticas e sugestões, sobretudo na forma de reinventadas práticas. Dividimos o conteúdo deste relato em três partes, sendo a primeira dirigida à descrição do contexto brasileiro deste início de milênio a partir do PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E das POLÍTICAS PÚBLICAS NO BRASIL. Nela apresentamos um panorama da geopolítica do Brasil que vive(re)mos (GARCIA, 2012), onde se aplicam políticas pautadas no e sobre o território, as quais corroboram com o planejamento estatal contemporâneo e em consonância às estratégias e aos estratagemas antevistos em outros estudos (OLIVEIRA, 2008; e MOREIRA, 2013), fazendo delas políticas de terreno privado mas denominadas de políticas públicas. Daí partimos para a segunda parte, onde falamos sobre a PRÁTICA DE ENSINO EM GEOGRAFIA, sobretudo para indicar como ela pode e deve ganhar novos

2 significados diante da emergência do saber e do saber agir nos novos/velhos modos de se fazer política NO BRASIL. Depois vem a terceira, onde se trata a respeito de um Trabalho de Campo, na forma de um ESTUDO DE CASO, cujo intuito é atribuir os significados à prática realizada e assim contribuir aos objetivos deste trabalho. Sabemos que o caminho começa com a tomada de consciência à respeito dessa aproximação necessária. Tendo como referência as nossas próprias práticas, tecemos alguns apontamentos sobre as tentativas que fizemos nessa direção. Esses apontamentos estão distribuídos aleatoriamente e aparecem na forma de escolhas, sugestões, situações e exemplos, que no conjunto e de algum modo, fortalecem o sentido, o significado e a consciência tanto em relação às práticas quanto em relação à aproximação necessária. É a partir do trabalho dirigido a melhorar a cada nova tentativa, que nasce o que queremos ver se realizar em uma escala sempre crescente de abrangência e realização. A questão que nos lança para o desafio é: De que modo podemos aproximar a prática de ensino em geografia do conteúdo estratégico e ligado às políticas públicas no Brasil? É no esforço de responder e fomentar o debate sobre essa questão que acreditamos dar nossa contribuição à novas e reformuladas práxis em geografia. OBJETIVO Este trabalho é um relato que encampa o desafio de unir teoria e prática em geografia. O foco está em integrar e interagir o conhecimento desenvolvido na pesquisa de mestrado com a prática pedagógica no Ensino Médio, tecendo algumas possibilidades e apresentando o conteúdo de uma práxis dirigida à formação de jovens e à preparação de quem vive e viverá no Brasil. METODOLOGIA O trabalho se deu a partir da seleção, organização e sistematização de conteúdos e práticas as quais estivemos empenhados no período entre 2007 e Primeiro

3 cuidamos do conteúdo acerca do planejamento estratégico e das políticas públicas o qual nos auxilia a apresentar um contexto de Brasil. Depois, partimos para a prática de ensino em geografia que estamos falando. Por último, descrevemos alguns procedimentos e experiências do Trabalho de Campo que selecionamos como Estudo de Caso. No meio desses três movimentos da redação fomos apontando as ideias que corroboram com a afirmação apontada no título do texto. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E POLÍTICAS PÚBLICAS NO BRASIL Apesar do distinto conjunto de ideias, interpretações e projetos de Brasil, é comum encontrar como meta de trabalho, querer trazer alguma contribuição à vida das pessoas, direta ou indiretamente. Hoje, o Estado também os apresenta. Vimos que nada se compara ao poder e à força como seu projeto de país se coloca em, e na relação com a sociedade. É daí que surge o panorama geopolítico que forma o contexto brasileiro identificado na pesquisa do mestrado. Falamos da dissertação cujo título é O BRASIL QUE VIVE(RE)MOS (2012) e nela apresentamos uma interpretação do arranjo espacial do país, considerando duas referências principais: o discurso geográfico da obra de Ruy Moreira e o discurso oficial do Estado. Este último, fundamentado no Estudo da Dimensão Territorial para o Planejamento (BRASIL, 2008), elaborado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP), lançado no segundo mandato do presidente Lula, e que denominamos de ESTUDO. O ESTUDO é indicativo do que vai ou deve ser feito no Brasil até o ano de 2027, com o intuito de melhorar as condições de vida no país e de diminuir as desigualdades econômicas regionais. Este documento oficial de planejamento indica a lógica de desenvolvimento pautada no território, a qual está na montagem e na justificativa dos voluptuosos investimentos feitos pelo governo federal a partir de 2008, e pelo capital privado sobretudo a partir de Atualmente, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) é o representante maior dessa lógica de desenvolvimento na escala federal. É o PAC criando um Brasil de oportunidades,

4 como assina o comitê gestor no resumo do último balanço divulgado em fevereiro deste 2014 (na página eletrônica: O país passa por uma séria e próspera transformação, onde os investimentos certamente farão do Brasil um país melhor para se viver. No entanto, para uma parcela diminuta de brasileiros e estrangeiros, e na maioria dos lugares, apenas por certo e curto período de tempo. O que se tem é uma geopolítica ancorada na lógica da acumulação do capital, desprendida do retorno efetivo que se espera ao bem-estar de todas as pessoas que residem, trabalham e vivem no Brasil, mesmo agora nos quadros de um governo mais inclinado a tal direção. Vale o destaque da seguinte passagem do ESTUDO: Neste país de grandes contrastes, os avanços em termos de coesão social e econômica estão ligados aos processos que viabilizam a redução de desigualdades sociais e regionais. É imprescindível manter a visão de conjunto, em que as orientações emanadas para uma determinada fração territorial sejam pensadas em harmonia com as definidas para os outros territórios. Almeja-se construir um resultado para todo o território nacional e isso tem seu preço (BRASIL, 2008, Vol. II, p. 36). No segundo capítulo da dissertação apresentamos o conteúdo e as linhas de ação do planejamento estratégico brasileiro de modo mais completo. Aqui, vale destacar que a principal linha de ação prevista é a formulação de uma carteira de investimentos, estrategicamente dividida por setores e territórios. Dentre os setores, destaque para o de Ciência e Tecnologia, presente em todos os segmentos e localizações que se pretende investir. O investimento anual total previsto gira em torno dos R$ 270 bilhões de reais, e é público federal sobretudo na fase inicial (até 2015). Não entra nessa conta os investimentos dos governos estaduais e municipais. Tais investimentos referem-se à construção de infraestruturas de transporte, geração e transmissão de energia, entre outras grandes obras dirigidas à inserção e à consolidação dos novos polos e das atividades produtivas posicionadas nos territórios adjacentes à rede dos lugares citados nos mapas do ESTUDO. É o chamado investimento induzido, ou seja, investimentos feitos pelo governo e que fortalecem as ligações entre os polos e destes com os pontos estratégicos dos fluxos e das redes do mercado nacional e global que, posteriormente,

5 induzirão a realização de investimentos por parte do capital privado, revitalizando o todo da economia regional e local. Isso, na tese do planejamento. E é justamente a esta lógica que se alinham as 10 maiores obras do PAC2. Vale destacar que o território é fundamento, ou seja, base inicial e final dos desenhos do planejamento. Inicial, porque serve de referência e parâmetro para os desenhos do plano, bem como das políticas dirigidas à desconcentração dos investimentos e atividades econômicas, hoje concentradas na região sul-sudestina do país. E, final porque é sobre o território que se materializarão as proposições do Estado. O objetivo é construir um Brasil policêntrico, dotado de regiões mais dinâmicas economicamente falando, as quais se constituirão por influência e proximidade dos polos (cidades) selecionados que se espraiam estrategicamente pelo território nacional. Além disso, está no foco à interligação com as demais nações sul-americanas, fazendo aparecer alguns novos polos estratégicos e de fronteira. A cidade e seu aspecto nodal de estruturas, tanto produtivas quanto de circulação, é matéria importante dessa geopolítica. No ESTUDO, ela é denominada de polo quando possui relevância na dinâmica econômica do presente ou do futuro do país. Tal documento traz consigo um conjunto de mapas sobre tais polos e localizações, bem como a indicação dos setores estratégicos do investimento para cada nova região desenhada. Apesar disso, chega-se à conclusão de que não serão nem mesmo diminuídas as desigualdades sociais e regionais internas à cidade onde moramos, por exemplo. Aí entra o peso político das Unidades Federativas e de cada um dos Municípios, tanto na relação de proximidade e vínculo com o governo federal, quanto no jogo de forças travado internamente em cada Assembleia Legislativa e em cada Câmara Municipal. Os governos alinhados e informados desse planejamento farão suas políticas públicas de acordo com tal desenho de médio e longo prazo. Seguir politicamente um caminho autônomo e de desacordo ao plano federal é um caminho arriscado e temeroso à economia local e regional, pois grande parte da arrecadação dos Municípios e dos Estados provém da União. Isso tem a ver com o preço que se tem a pagar quando o foco do planejamento está na escala territorial nacional. Nessa ordem, promove-se as

6 investidas necessárias para um novo processo de concentração e centralização econômica, agora no entorno dos novos polos estratégicos selecionados, bem como nos seus eixos de ligação das regiões do centro-oeste, norte, nordeste interiorano e litorâneo. Tivemos a possibilidade de inferir quão contemporâneo e antigo é o planejamento territorial estatal que se projeta para o Brasil neste século XXI. É contemporâneo porque, principalmente, se faz a partir do avançado estágio alcançado pelo aparato estatal, munido de especialistas de diferentes áreas, de tecnologias e meios de informação capazes de produzir leituras e projeções sobre a territorialidade a serviço do planejamento. Quem sabe nesses ambientes não se fortaleça um movimento de mobilização em direção à possibilidade indicada por Milton Santos (2001), no sentido de se fazer a apropriação e o uso desses aparatos à serviço das classes urbanas e rurais (MOREIRA, 2013) mais desamparadas, distantes do foco das políticas públicas e das linhas de ação que se vê implementar. É também um planejamento antigo, pois nele se assiste a ampliação do raio territorial de alcance da acumulação do capital, a partir da manutenção da exploração do trabalho e da estrutura fundiária existentes no Brasil. Assistimos também a manutenção da baixa tributação sobre o lucro e sobre a renda obtida a partir da posse, seja de papéis no mercado financeiro, seja de terras, seja de estruturas produtivas, ou ainda da posse de todas as anteriores, pois é a isso que leva o desenvolvimento desigual e combinado que se vê implementar e aprofundar. Aí reside a ligação com o aspecto da alienação e da desalienação apontado no livro O QUE É GEOGRAFIA, pois: O fato é que o capital nasce na história subvertendo o modo de vida comunitário dos homens, à base da dissolução das suas relações para as construir dependentes do seu mundo mercantil. Assim, alienada, a existência humana reproduz-se ao ritmo da reprodução do capital. A mercantilização do verde, do lazer e do ar puro, obtida em diferentes escalas de pedaços de espaço e oferecida sob alardes propagandísticos como a

7 venda de qualidade de vida, ilustra o grau de separação do homem e da natureza a que levou (MOREIRA, 2009, p. 88). Para fazer com que nossa prática vá em direção à desalienação, devemos trabalhar para a mudança de nossa própria concepção de mundo, de vontades e de necessidades sobretudo materiais. E depois, também na conscientização de nossos pares, famílias, vizinhos, colegas de trabalho, alunos e alunas, categorias, associações da sociedade civil, no maior número de pessoas possível a fim de construirmos um movimento consciente e popular rumo às mudanças necessárias para a quebra de tal lógica capitalista, atuando no seio do Estado, principal garantidor do processo. Pois este, é: [...] a expressão jurídico-política das alianças de classes vitoriosas sobre os projetos não vingados das demais alianças de classes. [...] o bloco de poder que empolga o Estado Nacional é o agente da transfiguração do imperialismo em formação econômico-social, e da formação econômico-social em forma particular de realização do imperialismo (MOREIRA, 1985, p. 34). Justamente o que queremos e trabalhamos para mudar através da prática de ensino de geografia, reforçada pela aproximação de todo esse conteúdo geopolítico nacional. PRÁTICA DE ENSINO EM GEOGRAFIA NO BRASIL A prática de ensino no intuito de formar jovens no e para o mundo em que vivemos e viveremos, realiza-se dia após dia, ano após ano, na interação entre colegas, alunos, ações e conhecimento. Há um arcabouço teórico por trás e à frente dessa prática, sendo tanto o das pedagogias quanto o da geografia. Munido desse conteúdo que organiza, reconta e reinventa a experiência dos mais velhos, o trabalho do professor de hoje se dá em uma práxis que une teoria e prática na busca por melhorar e contribuir de alguma forma ao sucesso dessa união, a qual ganha aprimorada forma a cada nova

8 experiência. Nos apoiamos em algumas obras (MOREIRA, 2007 e 2012) para tecer tais afirmativas, bem como para formular os relatos e ponderações a seguir. Diante do contexto brasileiro, a partir dos fundamentos e das bases da visão estratégica do planejamento estatal e das políticas públicas adotadas a partir de 2008, perguntamos: De que modo podemos aproximar a prática de ensino em geografia desse conteúdo estratégico ligado às políticas públicas no Brasil? Primeiramente, acreditamos ser importante trabalhar o conteúdo do planejamento estratégico em sala de aula. Sugerimos a preparação do plano de aulas com procedimentos de leitura, interpretação e análise dos mapas do ESTUDO, os colocando frente a outras cartografias, como a das bacias hidrográficas, da densidade demográfica, da distribuição espacial da indústria, só para citar alguns exemplos, permitindo a apropriação de um significado geopolítico e mais contextualizado do Brasil que vivemos e iremos viver. Há uma vasta bibliografia sobre a diversidade de práticas pedagógicas nesse sentido (CASTROGIOVANNI, 1998; e, PONTUSCHKA, PAGANELLI, CACETE, 2007), e vale o trabalho de se debruçar à pesquisa e às tentativas de execução. O trabalho pontual de cada professor também se dá no esforço para inserir o que há de específico em sua escala de ação, que pode ser a do bairro-escola, a do Município e da Unidade Federativa onde atua, com o contexto brasileiro e a geopolítica estatal. É também importante frisar que quanto mais o professor reconhece as suas próprias características e necessidades pessoais, mais ele se torna capaz de reconhecer a dos seus alunos e alunas, se apropriando de um conhecimento absolutamente importante e necessário para preparar qualquer tipo de projeto e trabalho de formação rumo à desalienação. Pois, Se é do trabalho que nascem pão, garrafa, prato, facão, gamela, banco, enxerga, caldeirão, vidro, janela, casa, cidade, nação, nasce também a possibilidade do seu poder sobre o patrão. Mas a reunificação do saber e do poder espacial nas mãos de quem os produz é a condição necessária à retotalização orgânica de todos os homens, rumo à realização do problema da vida e da felicidade como proclamava Estrabão. [...] De uma geografia

9 de homens para o capital para a geografia dos homens para si mesmos (MOREIRA, 2009, p. 91). Além disso, a prática de ensino possibilita a criação de projetos e atividades que aproximam a comunidade escolar da criação de um projeto próprio de Brasil, através de situações pedagógicas onde professores, gestores, alunos e famílias possam atuar a partir de responsabilidades específicas e coletivas rumo à formação de crianças e jovens (VESENTINI, 2001). É o caso do que fizemos no Projeto VIDAS, resumidamente relatado a seguir. ESTUDO DE CASO: PROJETO VIDAS ( ) - EWRS O Projeto VIDAS (Viagem Interativa de Arquitetura Social) é fruto de um esforço coletivo iniciado no ano de 2007, por parte de professores, alunos e pais da EWRS (Escola Waldorf Rudolf Steiner), localizada na cidade de São Paulo. O principal do projeto está no Trabalho de Campo realizado anualmente em Brasília-DF e na Chapada dos Veadeiros-GO. Em Campo, o plano prático é realizar procedimentos de observação, análise e representação das paisagens, além de intervenções artísticas e sociais na interação com moradores e estudantes locais. Os conteúdos sobre a formação natural, social, econômica, política e cultural, tanto da região da capital federal quanto da região da Chapada, são estudados antes, durante e depois da viagem, principalmente nas disciplinas de Artes, Geografia, Sociologia, Literatura, História e Biologia, dando caldo interdisciplinar ao projeto. Por se tratar de um contexto específico de pedagogia, de escola e de alunos no último ano escolar (GUERRA e outros, 2006), a Estética é o principal eixo de articulação entre as disciplinas. Além disso, é também importante fazer com que os estudantes reconheçam a funcionalidade e a monumentalidade daquilo que está no foco da observação e da leitura. Isso aprendemos no contexto da pedagogia Waldorf e na montagem do primeiro projeto de pesquisa para o mestrado, quando reconsultamos os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) do Ensino Médio.

10 Ao se deparar com os diversos monumentos de Brasília e no desafio de reproduzir artisticamente tais paisagens no papel, o estudante traça as perspectivas de um tempo passado sobre um espaço presente, para assim aprimorar o traçado que virá a reproduzir no seu próprio futuro. A mesma prática pode se realizar em qualquer lugar, variando o poder e a força de como o projeto pedagógico se constrói e se realiza. Os inúmeros encontros necessários para se fazer um projeto como esse, colocam os diversos participantes diante da necessidade de superar as diferenças existentes entre si, nos mais variados planos. Esse exercício de encontrar pontos de convergência à realização de um bem-estar maior que é a formação, calibra e fortalece toda a comunidade no exercício de superar as diferenças para a montagem de um plano futuro comum. Assim, a geografia e a prática de ensino apresentam condições de colaborar efetivamente com o desenho de um projeto de país e de mundo, a começar pelo entorno do qual somos capazes de operar. Há ainda o ponto específico da localização do Trabalho de Campo, principalmente no que se refere à Brasília. Conhecer, observar, ler, interpretar e refletir a partir daquela geograficidade de cidade planejada, fruto de antigas estratégias, planos e decisões políticas, é algo bastante significativo no que se refere à aproximação indicada no título deste trabalho. Também o é, quando levamos nossos jovens para aprimorar os traços e perspectivas de seus próprios desenhos, tendo como base os monumentos, as cores e os odores da capital federal. Isso porque possibilita ao participante a interpretação e a representação da cidade polo de onde se desenha o país que se quer ter, bem como de onde se tomam as decisões políticas determinantes ao seu presente e futuro. Contudo, realçam-se de grandeza as descobertas e os desenhos produzidos pelos jovens, os fazendo perceber que conhecer a capital federal é por si só uma questão estratégica, caso consideremos um dia voltar para reivindicar por um projeto de país mais condizente com as necessidades de quem está distante do bloco histórico dono do poder do Estado. Pena não termos mais espaço para dividir o enorme conjunto de considerações que ficaram de fora deste relato, tanto no que se refere ao Projeto VIDAS em específico

11 quanto nas demais situações relacionadas à prática de ensino em geografia, às políticas públicas e ao planejamento estratégico, que no conjunto dos seus movimentos, julgamos ser necessário aproximar. Criaremos espaço para expor e dividir com o mundo o que mais temos feito. Pude perceber a lógica da alienação e também da desalienação (MOREIRA, 2009) em minha própria vida, no meu cotidiano como professor e pesquisador, atuando com o intuito de que cada trabalhador (o estudante também trabalha) se perceba como alienado, e assim crie em si próprio a possibilidade da desalienação. Mas só isso não basta, é preciso convencer quem detém o poder (sobre as relações e sobre os territórios) a reestruturar seus planos de desenvolvimento em favor de cada lugar e de todos os lugares e necessidades em rede. BIBLIOGRAFIA BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos - SPI. Estudo da Dimensão Territorial para o Planejamento Brasília: MP, CASTROGIOVANNI, Antônio Carlos et al (orgs.). Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. Porto Alegre: Associação dos Geógrafos Brasileiros Seção Porto Alegre, GARCIA, R. L. O BRASIL QUE VIVE(RE)MOS - Dissertação de mestrado defendida no Programa de Estudos Pós-Graduados em Geografia da PUC/SP, GUERRA, M. M., RHEINGANTZ, A. e outros [Coord.]. A PEDAGOGIA WALDORF: 50 ANOS NO BRASIL. São Paulo: Escola Waldorf Rudolf Steiner, 2006.

12 MOREIRA, Ruy. O MOVIMENTO OPERÁRIO E A QUESTÃO CIDADE-CAMPO NO BRASIL, Estudo sobre Sociedade e Espaço. 1ª Edição. Petrópolis: Vozes, E 2ª edição. Rio de Janeiro: Consequência, O QUE É GEOGRAFIA 2ª Ed.. São Paulo: Brasiliense Pensar e Ser em Geografia. Campinas: Contexto, Geografia e práxis: a presença do espaço na teoria e na prática geográficas Campinas: Contexto, PARÂMETROS Curriculares Nacionais. Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília: MEC, PONTUSCHKA, Nídia N; PAGANELLI, Tomoko I; CACETE, Núria H. Para Aprender e Ensinar Geografia. São Paulo, Cortez, SANTOS, M. Por uma outra globalização do pensamento único à consciência universal São Paulo: Record, VESENTINI, José William. Para uma geografia crítica na escola. São Paulo: Ática, 2001.

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV Mesa Técnica: Sustentabilidade do PMCMV da aprovação do projeto ao pós-ocupação, sob os aspectos da inserção urbana, trabalho

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA : GEOGRAFIA - PROFESSOR: GERSON HUCHAK SÉRIE: 7ª

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 01097 ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Luiza Rodrigues Flores (UFRGS) Simone Albuquerque (UFRGS) O artigo apresenta alguns

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS ALÍCIA FERNANDINO RODRIGUES aliciarodrigues@terra.com.br Título: Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS GRUPO 1 : Planos Diretores e Sustentabilidade urbano-ambiental Planejamento Urbano

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR 1 Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná 1. Introdução Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR Procedimento importante, dentre outros, para o acompanhamento do desenvolvimento

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Edificações FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Curso de especialização EM GESTÃO EDUCACIONAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Curso de especialização EM GESTÃO EDUCACIONAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Curso de especialização EM GESTÃO EDUCACIONAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação Gestão Educacional NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão Educacional

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 NOVO MODELO DE GESTÃO 1 ANO DE GOVERNO SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 DIAGNÓSTICO POSIÇÃO EM 31/12/2004 Dívidas de curto prazo 175,8 MILHÕES Disponibilidades

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS Informação como suporte à gestão: desenvolvimento de componente de avaliação de desempenho para sistemas de Esta atividade buscou desenvolver instrumentos e ferramentas gerenciais para subsidiar a qualificação

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Geografia Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Ementa: O

Leia mais

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Carla Juscélia de Oliveira Souza Departamento de Geociências, Curso de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657 TEMAS DE BIOLOGIA MAIS FREQUENTES NO PROCESSO SELETIVO SERIADO (PSS) DA UFPB E OS CONTEÚDOS DE ENSINO DE BIOLOGIA, SEGUNDO OS ORIENTADORES CURRICULARES Alessandro Tomaz Barbosa 1, Marsílvio Gonçalves Pereira

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO E DIVERSIDADE COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

Leia mais

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas ESTA OBRA FOI IMPRESSA EM PAPEL RECICLATO 75% PRÉ-CONSUMO, 25 % PÓS- CONSUMO, A PARTIR DE IMPRESSÕES E TIRAGENS SUSTENTÁVEIS. CUMPRIMOS

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

PROJETO FORMATURA SUSTENTÁVEL: UMA POSSIBILIDADE PARA DISCUTIR E CONSTRUIR O CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE NA ESCOLA

PROJETO FORMATURA SUSTENTÁVEL: UMA POSSIBILIDADE PARA DISCUTIR E CONSTRUIR O CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE NA ESCOLA PROJETO FORMATURA SUSTENTÁVEL: UMA POSSIBILIDADE PARA DISCUTIR E CONSTRUIR O CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE NA ESCOLA Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina; Gyslaynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues;

Leia mais

O PAPEL DAS FEIRAS DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL

O PAPEL DAS FEIRAS DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL ANAIS DA 67ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - SÃO CARLOS - SP - JULHO/2015 O PAPEL DAS FEIRAS DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL Antes de entender qual a diferença entre educação formal e não formal é preciso entender

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada 1º ano Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada A origem da Terra; A origem dos continentes; A teoria da deriva dos continentes; A teoria das placas tectônicas; Tempo geológico; A estrutura

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT

NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT O desenvolvimento do Vale do Ribeira: Dando continuidade aos trabalhos já realizados pelo Núcleo de Assessoria Técnica Psicossocial NAT e, em atendimento

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Transferência Jovem de Futuro: Estratégias de Comunicação

Transferência Jovem de Futuro: Estratégias de Comunicação Transferência Jovem de Futuro: Estratégias de Comunicação MISSÃO DO CSFX Transferência Jovem de Futuro: Formar, por meio de uma educação libertadora Estratégias e cristã, cidadãos críticos de Comunicação

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Painel: Inovação e Exploração de Fontes Locais de Conhecimento Bertha K. Becker Laget/UFRJ BNDES 30/11/2010 Problemática: Reconhecimento

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais