De qualquer sorte, como já salientado, a jurisprudência sustenta a obrigatoriedade da formulação do referido quesito, sob pena de nulidade, reparese:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "De qualquer sorte, como já salientado, a jurisprudência sustenta a obrigatoriedade da formulação do referido quesito, sob pena de nulidade, reparese:"

Transcrição

1 Gostaria de saber se é obrigatória a quesitação genérica da absolvição quando se trata de tese única de negativa de autoria e os jurados respondem positivamente aos dois primeiros quesitos? Em se tratando de tese única de negativa de autoria, parece contraditória a formulação do quesito genérico da absolvição quando confirmados os dois primeiro referentes à materialidade e à autoria. Ora, se a fonte dos quesitos, nos termos do parágrafo único do art. 482 do Codex Processual, são os termos da pronúncia ou das decisões posteriores que julgaram admissível a acusação, do interrogatório e das alegações das partes, e se a regra do parágrafo único do art. 490 do mesmo caderno explica que se, pela resposta dada a um dos quesitos, o presidente verificar que ficam prejudicados os seguintes, assim o declarará, dando por finda a votação, parece que a lógica seria o encerramento da votação. No entanto, a jurisprudência vem afirmando a obrigatoriedade do quesito genérico da absolvição. Claro, na doutrina há quem sustente a inconstitucionalidade por afronta ao princípio do contraditório, pois o fundamento da absolvição seria desconhecido, senão vejamos: Já aqui vislumbramos a primeira inconstitucionalidade. Imaginemos que a tese pessoal e técnica do réu tenha sido somente a negativa de autoria. Respondendo ao segundo quesito, referente à autoria ou participação, os jurados o fazem afirmativamente. A rigor, o réu estará condenado. A lei, no entanto, obriga outra indagação: O jurado absolve o acusado?. Se o jurado disser SIM a essa indagação, absolveu-o por tese desconhecida, então não submetida ao crivo do contraditório. Com isso, ofendidos ficarão os princípios do contraditório (art. 5.º, inciso LV, da Constituição Federal) e do duplo grau de jurisdição, porque a acusação não terá como apelar dessa decisão sob a alegação de que é manifestamente contrária à prova dos autos (art. 593, inciso

2 III, alínea d, do CPP), porque ignora a razão pela qual o Conselho de Sentença absolveu o acusado. 1. De qualquer sorte, como já salientado, a jurisprudência sustenta a obrigatoriedade da formulação do referido quesito, sob pena de nulidade, reparese: HABEAS CORPUS. HOMICÍDIO QUALIFICADO. 1. CONTRADIÇÃO ENTRE AS RESPOSTAS DOS JURADOS. INEXISTÊNCIA. ABSOLVIÇÃO GENÉRICA. POSSIBILIDADE. SOBERANIA DOS VEREDICTOS. PLENITUDE DA DEFESA 2. TESE ÚNICA DE NEGATIVA DE AUTORIA. AUTORIA E MATERIALIDADE RECONHECIDAS DURANTE A VOTAÇÃO DOS DOIS PRIMEIROS QUESITOS. VOTAÇÃO DO QUESITO OBRIGATÓRIO RELATIVO À ABSOLVIÇÃO DO RÉU. INEXISTÊNCIA DE CONTRADIÇÃO ENTRE OS QUESITOS. 3. OFÍCIO AO ÓRGÃO DA CLASSE. INVESTIGAÇÃO DA CONDUTA ÉTICA DO DEFENSOR. AUSÊNCIA DE AMEAÇA AO DIREITO AMBULATORIAL. IMPROPRIEDADE DA VIA ELEITA. 4. HABEAS CORPUS PARCIALMENTE CONCEDIDO. 1. Segundo a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, o quesito previsto no art. 483, inciso III, do Código de Processo Penal, é obrigatório e, dessa forma, não pode ser atingido pela regra da prejudicialidade descrita no parágrafo único do art. 490 do mesmo diploma legal. Precedentes. 2. O fato de a decisão dos jurados se distanciar das provas coletadas durante a instrução criminal não justifica a renovação da votação ou caracteriza contrariedade entre as respostas. Eventual discordância da acusação deve ser ventilada por meio do recurso próprio, nos termos do art. 593, inciso III, alínea d, do Código de Processo Penal. 3. Os jurados são livres para absolver o acusado, ainda que reconhecida a autoria e a materialidade do crime, e tenha o defensor sustentado tese única de negativa de autoria. 4. Não cabe ao Juiz Presidente, a pretexto de evitar a contradição entre os quesitos, pela influência direta que exerceria na formação da convicção dos jurados, fazer considerações sobre a suficiência das provas, pois a matéria se insere na competência do órgão revisional, em recurso de apelação. 5. O habeas corpus é remédio constitucional voltado ao combate de constrangimento ilegal específico, de ato ou 1 RIBEIRO, Marcelo Roberto. Org. NUCCI, Guilherme de Souza. Reformas do Processo Penal. Porto Alegre: Verbo Jurídico, p. 59.

3 decisão que afete, potencial ou efetivamente, direito líquido e certo do cidadão, com reflexo direto em sua liberdade. Impropriedade da expedição de ofício ao órgão classista. 6. Habeas corpus concedido em parte para declarar a nulidade dos atos processuais praticados após a conclusão do primeiro julgamento e determinar ao Juiz Presidente do Tribunal do Júri que complete o julgamento, pronunciando a absolvição do paciente, desde logo, expedindo-se alvará de soltura em seu favor, reabrindo-se, após, os prazos recursais. (HC /SP, Rel. Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE, QUINTA TURMA, julgado em 15/03/2012, DJe 02/04/2012) E no Tribunal de Justiça do Estado a conclusão não é outra: Ementa: APELAÇÃO CRIMINAL. JÚRI. HOMICÍDIO QUALIFICADO E CRIME CONEXO DE DESTRUIÇÃO DE PARTE DO CADÁVER. ABSOLVIÇÃO. NULIDADE NA VOTAÇÃO DOS QUESITOS. INOCORRÊNCIA. DECISÃO MANIFESTAMENTE CONTRÁRIA À PROVA DOS AUTOS. SUBMISSÃO DO RÉU A NOVO JULGAMENTO. POSSIBILIDADE. Preliminar de nulidade: O quesito "O jurado absolve o acusado", de fundamental importância, engloba todas as teses apresentadas pela defesa e tem redação na lei, devendo, obrigatoriamente, ser questionados os jurados se absolvem o acusado. Isso depois de formulados os questionamentos a respeito da materialidade do fato e da autoria ou participação, com respostas positivas para os dois primeiros incisos do artigo 483 do Código de Processo Penal. Acaso negativa a resposta, por maioria de votos, a qualquer um desses dois incisos, estariam os jurados negando a existência do fato e/ou reconhecendo que o réu não foi o autor do crime. Mas, uma vez afirmada a materialidade e a autoria, é obrigatória a pergunta sobre a absolvição do réu, decidindo os jurados sobre o mérito da demanda. Rejeitada a prefacial. Decisão dos jurados, manifestamente contrária à prova dos autos. A decisão do júri pode ser atacada no mérito, quando for manifestamente contrária à prova dos autos, sendo esta a hipótese em apreço, uma vez que a tese do apelado não encontra amparo em nenhuma outra prova dos autos, além dos seus próprios depoimentos. Recurso de apelação provido, para anular o veredicto dos jurados. (Apelação Crime Nº , Segunda Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Jaime Piterman, Julgado em 16/02/2012)

4 Ementa: EMBARGOS INFRINGENTES. TRIBUNAL DO JÚRI. QUESITAÇÃO. MATERIALIDADE E AUTORIA CONFIRMADAS. ABSOLVIÇÃO PELO QUESITO GENÉRICO E OBRIGATÓRIO. TESE DE NEGATIVA DE AUTORIA DESDOBRADA EM INSUFICIÊNCIA PROBATÓRIA. INSURGÊNCIA MINISTERIAL COM BASE NAS ALÍNEAS "A" E "D" DO INCISO III DO ARTIGO 593 DO CPP. APELAÇÃO PROVIDA, POR MAIORIA. JÚRI ANULADO. IRRESIGNAÇÃO MINISTERIAL. Tratando-se de tese defensiva única de negativa de autoria ou participação, ainda que desdobrada em insuficiência probatória e, confirmadas pelos jurados a materialidade e a autoria, nula será a absolvição do acusado pelo quesito obrigatório (terceiro). É sabido que os jurados julgam por íntima convicção, sendo-lhes permitido constitucionalmente optar por qualquer versão trazida aos autos. Porém, a soberania do Conselho de Sentença não autoriza o veredicto arbitrário, não possuindo também o condão de lastrear absolvição por tese sequer submetida ao contraditório. Nesta senda, sendo flagrante a contradição, imperativa se mostra a desconstituição da decisão do Tribunal Popular, forte no art. 593, inciso III, alínea "d", do CPP, devendo o acusado ser submetido a novo julgamento, diante de decisão manifestamente contrária à prova dos autos. Prevalência do voto majoritário. EMBARGOS INFRINGENTES DESACOLHIDOS. (Embargos Infringentes e de Nulidade Nº , Primeiro Grupo de Câmaras Criminais, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Laís Rogéria Alves Barbosa, Julgado em 06/05/2011) Ementa: APELAÇÃO-CRIME. JÚRI. HOMICÍDIO TENTADO E OUTROS DELITOS CONEXOS. NÃO FORMULAÇÃO DO QUESITO OBRIGATÓRIO PREVISTO NO ART. 483, 2º, DO CPP: "O JURADO ABSOLVE O ACUSADO?". CONFIGURAÇÃO DE NULIDADE ABSOLUTA E INTRANSPONÍVEL, AINDA QUE OS JURADOS TENHAM ANTERIORMENTE RECONHECIDO A AUTORIA DELITIVA, E QUE A NEGATIVA DESTA SEJA A PRINCIPAL TESE DEFENSIVA. ANULAÇÃO DO JÚRI. NECESSIDADE DE SUBMISSÃO DOS RÉUS A NOVO JULGAMENTO. Apelo provido. Prejudicados os demais apelos. (Apelação Crime Nº , Primeira Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Manuel José Martinez Lucas, Julgado em 06/04/2011) Sabe-se que na prática, em caso de contradição, a solução adotada por alguns magistrados é, com base no art. 490 do CPP, parar a votação, explicar

5 aos jurados em que consiste a contradição e em seguida submeter novamente à votação. 2 Não obstante, persistindo a contradição, com consequente absolvição, a solução se dará por meio de recurso, art. 593, inciso III, alínea "d", anulando-se o julgamento e submetendo-se o acusado a novo julgamento. Por fim, encaminhamos material sobre o quesito genérico da absolvição, sobre a inconstitucionalidade do art. 483, III, do CPP, e alguns julgados sobre a impossibilidade de absolvição no caso de tese única de negativa de autoria, quando confirmado os dois primeiros quesitos. Permanecemos à sua disposição. 2 Art Se a resposta a qualquer dos quesitos estiver em contradição com outra ou outras já dadas, o presidente, explicando aos jurados em que consiste a contradição, submeterá novamente à votação os quesitos a que se referirem tais respostas.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº 25.662/CS HABEAS CORPUS N. 135.921 SANTA CATARINA IMPETRANTE: EUNICE ANISETE DE SOUZA TRAJANO E OUTRO(A/S) PACIENTE: PEDRO FERNANDES GUERREIRO JUNIOR COATOR: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA RELATORA: MINISTRA

Leia mais

Autoritarismo do Código de Processo Penal de 1941 vs. Constituição Federal de Processo Penal...8. Sistema Acusatório...

Autoritarismo do Código de Processo Penal de 1941 vs. Constituição Federal de Processo Penal...8. Sistema Acusatório... Sumário Autoritarismo do Código de Processo Penal de 1941 vs. Constituição Federal de 1988...2 Contexto Político e Histórico... 2 Características da Constituição de 1937... 4 Código de Processo Penal de

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO DE APELAÇÃO nº 2006.0003066-4/0, DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL DA COMARCA DE FAXINAL Recorrente...: VILSON RODRIGUES Recorrido...: MINISTÉRIO PÚBLICO Relator...: J. S. FAGUNDES CUNHA RECURSO DE

Leia mais

PORTE ILEGAL DE ARMA ( ABOLITIO CRIMINIS )

PORTE ILEGAL DE ARMA ( ABOLITIO CRIMINIS ) PORTE ILEGAL DE ARMA ( ABOLITIO CRIMINIS ) TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS APELAÇÃO CRIMINAL Nº 3296-6/213 (200701591964) LUZIÂNIA Apelante: OLEOCLIDES ANTÔNIO BONI APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

RECURSOS CRIMINAIS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RECURSOS RECURSOS RECURSOS RECURSOS RECURSOS

RECURSOS CRIMINAIS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RECURSOS RECURSOS RECURSOS RECURSOS RECURSOS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL CRIMINAIS Conceito Vem do latim recursos, é o oposto de processo (procedere caminhar para frente), significa caminho de volta, caminhar para trás. É o mecanismo processual destinado

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº 22.100/CS HABEAS CORPUS Nº 124.132 MINAS GERAIS IMPETRANTE: DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PACIENTE: DAVID ALVES RODRIGUES IMPETRADO: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA RELATOR: MINISTRO LUIZ FUX CRIMES DE ROUBO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2016.0000093580 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 9000021-22.2004.8.26.0052, da Comarca de São Paulo, em que é apelante MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO,

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal HABEAS CORPUS 117.180 RIO DE JANEIRO RELATORA PACTE.(S) IMPTE.(S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :WAGNER VITOR DE SOUZA :MARCELO DA SILVA TROVÃO :SUPERIOR TRIBUNAL MILITAR DECISÃO HABEAS CORPUS. CONSTITUCIONAL.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 831.699 DISTRITO FEDERAL RELATORA RECTE.(S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :EDVALDO BORGES DE ARAÚJO ADV.(A/S) :ANTONIO DANIEL CUNHA RODRIGUES DE SOUZA E OUTRO(A/S) RECDO.(A/S) :CELIO

Leia mais

ULISSES VIEIRA MOREIRA PEIXOTO

ULISSES VIEIRA MOREIRA PEIXOTO ULISSES VIEIRA MOREIRA PEIXOTO 2015 EDITORA S UMÁRIO Introdução... 13 CAPÍTULO 1 PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA NO CÓDIGO CIVIL 1.1. Da Prescrição... 17 1.2. Do Instituto da prescrição... 18 1.3. Dos Requisitos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATORA : MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA : ESDRAS DOS SANTOS CARVALHO - DEFENSOR PÚBLICO DA UNIÃO EMENTA PENAL E PROCESSO PENAL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. NEGATIVA DE VIGÊNCIA

Leia mais

OAB 2ª Fase Processo Penal Assunto: Marcação do CPP Estefânia Rocha

OAB 2ª Fase Processo Penal Assunto: Marcação do CPP Estefânia Rocha OAB 2ª Fase Processo Penal Assunto: Marcação do CPP Estefânia Rocha 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MARCAÇÃO DO CÓDIGO de PROCESSO PENAL conforme o EDITAL

Leia mais

conclusões do Acórdão sido publicadas no DJ de "Da sentença, negando ou concedendo o mandado, cabe apelação ".

conclusões do Acórdão sido publicadas no DJ de Da sentença, negando ou concedendo o mandado, cabe apelação . Súmula nº 09... Cancelada por força da decisão prolatada nos autos do Expediente nº 98.005112-8, julgado em 24.02.99, tendo as conclusões do Acórdão sido publicadas no DJ de 19.03.99. Referências: Art.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE CASTRO ALVES BA SENTENÇA

PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE CASTRO ALVES BA SENTENÇA PROCESSO Nº xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx PODER JUDICIÁRIO AUTOR(ES): MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA RÉU(S): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx SENTENÇA O Ministério Público do Estado da Bahia ofereceu

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal Direito Processual Penal Procedimento Comum e Ordinário Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Penal PROCEDIMENTO COMUM E ORDINÁRIO LIVRO II Dos Processos em Espécie

Leia mais

Em primeiro lugar, deverá o examinando requerer, em preliminar, o desentranhamento das provas ilícitas.

Em primeiro lugar, deverá o examinando requerer, em preliminar, o desentranhamento das provas ilícitas. OAB 2010.3 GABARITO COMENTADO SEGUNDA FASE PENAL PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL O recurso cabível é o recurso em sentido estrito, na forma do art. 581, IV, do Código de Processo Penal, dirigido ao Juiz da 1ª

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.318.596 - GO (2012/0082777-4) RELATOR : MINISTRO LEOPOLDO DE ARRUDA RAPOSO (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ/PE) RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS RECORRIDO : SINÉZIO

Leia mais

4 a. CÂMARA CRIMINAL APELAÇÃO Nº APELANTE 1 : MINISTÉRIO PÚBLICO APELANTE 2 : RONALDO PEREIRA DA SILVA

4 a. CÂMARA CRIMINAL APELAÇÃO Nº APELANTE 1 : MINISTÉRIO PÚBLICO APELANTE 2 : RONALDO PEREIRA DA SILVA 4 a. CÂMARA CRIMINAL APELAÇÃO Nº. 0026094-03.2009.8.19.0054 APELANTE 1 : MINISTÉRIO PÚBLICO APELANTE 2 : RONALDO PEREIRA DA SILVA APELADO : OS MESMOS CO-REPDO. 1 : F.B.S.de F. CO-REPDO 2 : J.F. de O. RELATOR

Leia mais

O PRAZO PARA O ASSISTENTE RECORRER NO RECURSO DE APELAÇÃO

O PRAZO PARA O ASSISTENTE RECORRER NO RECURSO DE APELAÇÃO O PRAZO PARA O ASSISTENTE RECORRER NO RECURSO DE APELAÇÃO ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República Fala-se na posição do assistente. Dir-se-á que ele tem caráter supletivo. Já se entendeu

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 125 Registro: 2016.0000104672 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1029695-32.2014.8.26.0053, da Comarca de, em que é apelante, é apelado FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO ALTO TAQUARI VARA ÚNICA

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO ALTO TAQUARI VARA ÚNICA Trata-se de pedido de prisão preventiva formulado pelo Ministério Público contra EVANDERLY DE OLIVEIRA LIMA, CPF n. 735.435.786-34, RG M5.000.332- SSP/MG,, brasileiro, natural de Contagem/MG, enfermeiro,

Leia mais

20/05/2014 SEGUNDA TURMA : MIN. TEORI ZAVASCKI

20/05/2014 SEGUNDA TURMA : MIN. TEORI ZAVASCKI Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 8 20/05/2014 SEGUNDA TURMA HABEAS CORPUS 101.021 SÃO PAULO RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. TEORI ZAVASCKI :ROOSEVELT DE SOUZA BORMANN

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0000.12.080688-0/000 Númeração 0806880- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Pedro Vergara Des.(a) Pedro Vergara 07/08/2012 13/08/2012 EMENTA OFICIAL:

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0000.11.029913-8/000 Númeração 0299138- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Domingos Coelho Des.(a) Domingos Coelho 05/10/2011 17/10/2011 EMENTA: CONFLITO

Leia mais

CONTEUDO PROGRAMÁTICO DIREITO PROCESSUAL PENAL I. 1. Introdução: 1.1 Conceito de Direito Processual; 1.2 Conteúdo; 1.3 Objeto;

CONTEUDO PROGRAMÁTICO DIREITO PROCESSUAL PENAL I. 1. Introdução: 1.1 Conceito de Direito Processual; 1.2 Conteúdo; 1.3 Objeto; CONTEUDO PROGRAMÁTICO DIREITO PROCESSUAL PENAL I 1. Introdução: 1.1 Conceito de Direito Processual; 1.2 Conteúdo; 1.3 Objeto; 2. Evolução História do Processo Penal 2.1 Processo penal no Brasil; 2.2 Sistemas

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Curso: Bacharelado em Direito Disciplina: Direito Processual Penal II Professor: João Batista Santos Filho Código: DIR36 Carga Horária: 80 H Créditos: 04 Pré-requisito(s):

Leia mais

RECURSO EXTRAORDINÁRIO Nº / DF

RECURSO EXTRAORDINÁRIO Nº / DF Procuradoria Geral da República Nº 6584 RJMB / pc RECURSO EXTRAORDINÁRIO Nº 639.566 / DF RELATOR : Ministro LUIZ FUX RECORRENTE: Companhia Vale do Rio Santo Antônio de Minérios VALERISA RECORRIDA : União

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0035.12.011240-0/001 Númeração 1041280- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Pedro Bernardes Des.(a) Pedro Bernardes 30/04/2013 06/05/2013 EMENTA: AGRAVO

Leia mais

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios.

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 08 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 753.503 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. LUIZ FUX :ANDREA DE ALMEIDA ANDRE : CRISTIANO DA COSTA DE MORAES E OUTRO(A/S) :FUNDO

Leia mais

D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A

D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A EXECUÇÃO FISCAL. DÉBITO DE PEQUENO VALOR. INTERESSE PROCESSUAL. RESERVA LEGAL. REMISSÃO. 1. A Fazenda Pública tem o poder-dever de cobrar seus créditos independentemente do seu valor. Somente a lei pode

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal MANDADO DE SEGURANÇA 33.121 SÃO PAULO RELATORA IMPTE.(S) ADV.(A/S) IMPDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :DONISETE GIMENES ANGELO :ELIANE MARTINS DE OLIVEIRA :PRESIDENTE DA 2ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS

Leia mais

ENERGIA E SERVICOS S A MUNICIPIO DE PETROPOLIS

ENERGIA E SERVICOS S A MUNICIPIO DE PETROPOLIS Tribunal de Justiça 12ª Câmara Cível Apelação Cível nº 0045893-97.2011.8.19.0042 Apelantes: AMPLA ENERGIA E SERVICOS S A MUNICIPIO DE PETROPOLIS Apelado: IZABEL DE AZEVEDO SILVA Relator: Desembargador

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº , DA 9ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA.

APELAÇÃO CÍVEL Nº , DA 9ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA. APELAÇÃO CÍVEL Nº 1.401.899-0, DA 9ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA. APELANTE: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL SCHOENSTATT. APELADO: LUIZ ADRIANO DE VEIGA BOABAID. RELATOR:

Leia mais

DECISÃO. (Fundamentação legal: artigo 557, caput, do CPC)

DECISÃO. (Fundamentação legal: artigo 557, caput, do CPC) TRIBUNAL DE JUSTIÇA DÉCIMA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0048175-69.2013.8.19.0000 Agravante: DIBENS LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL (autora) Agravado: JOSÉ LUIS DA SILVA (réu) Relatora: Desembargadora

Leia mais

PRINCIPAIS PEÇAS PENAIS

PRINCIPAIS PEÇAS PENAIS PRINCIPAIS PEÇAS PENAIS QUEIXA CRIME CABIMENTO FUNDAMENTO LEGAL ENDEREÇAMENTO PRAZO PEDIDOS AÇÃO PENAL PRIVADA AÇÃO PENAL PRIVADA SUBSIDIÁRIA DA PÚBLICA ART. 30 E 41, CPP SÓ PODE SER OFERECIDA A UM JUIZ

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA DO STJ

JURISPRUDÊNCIA DO STJ JURISPRUDÊNCIA DO STJ REsp 751782 / RS ; RECURSO ESPECIAL 2005/0082927-4 Ministra LAURITA VAZ (1120) 06/09/2005 DJ 03.10.2005 p. 328 RECURSO ESPECIAL. PENAL. ESTUPRO. ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR. CONCURSO

Leia mais

4ª CÂMARA CRIMINAL RECURSO DE AGRAVO EM EXECUÇÃO Nº DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DE FOZ DO IGUAÇU RECORRENTE: RECORRIDA:

4ª CÂMARA CRIMINAL RECURSO DE AGRAVO EM EXECUÇÃO Nº DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DE FOZ DO IGUAÇU RECORRENTE: RECORRIDA: 4ª CÂMARA CRIMINAL RECURSO DE AGRAVO EM EXECUÇÃO Nº 1.312.465-9 DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DE FOZ DO IGUAÇU RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ RECORRIDA: CRISTIANE SOUZA DIAS RELATOR:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.208.111 - MG (2010/0154531-7) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS RECORRIDO : G J DA S (MENOR) ADVOGADO : WILIAM RICCALDONE ABREU

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA. PROJETO DE LEI N o 4.727, DE 2004

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA. PROJETO DE LEI N o 4.727, DE 2004 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 4.727, DE 2004 Dá nova redação aos arts. 523 e 527 da Lei nº 5.869, de 11 de Janeiro de 1973 Código de Processo Civil, relativos ao

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº 1639/13 MJG MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS Nº 119930 RECTE: HUGO CANELLAS RODRIGUES FILHO ADV: PEDRO CORRÊA CANELLAS RECDO: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RELATOR: EXMO. SR.

Leia mais

30/09/2014 PRIMEIRA TURMA : MIN. ROBERTO BARROSO

30/09/2014 PRIMEIRA TURMA : MIN. ROBERTO BARROSO Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 9 30/09/2014 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO HABEAS CORPUS 123.822 PARAÍBA RELATOR AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :FERNANDO BEZERRA

Leia mais

Procedimento especial: crimes contra a propriedade imaterial

Procedimento especial: crimes contra a propriedade imaterial Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Procedimento especial: crimes contra a propriedade imaterial Gustavo Badaró aula de 15 de setembro de 2015 PLANO DA AULA 1. Noções gerais 2. Procedimento

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Paulo Roberto de Oliveira Lima

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Paulo Roberto de Oliveira Lima IMPTTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO IMPTDO : JUÍZO DA 8ª VARA FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE (MOSSORÓ) - COMPETENTE P/ EXEC. PENAIS PACTE : JOSÉ DE ANCHIETA FERNANDES RéU PRESO ORIGEM:8ª VARA FEDERAL

Leia mais

: MIN. CELSO DE MELLO

: MIN. CELSO DE MELLO MEDIDA CAUTELAR NO HABEAS CORPUS 119.920 DISTRITO FEDERAL RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. CELSO DE MELLO :MICHAEL JOHNATHAN THOMAS : REGINALDO JOSÉ DO PRADO E OUTRO(A/S) :MINISTRO DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 43.213 - MG (2013/0400356-8) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : SAMUEL JHON DE JESUS (PRESO) ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RECORRIDO : MINISTÉRIO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 19/08/2016 PLENÁRIO EMB.DECL. NO AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 936.384 SÃO PAULO RELATOR EMBTE.(S) EMBDO.(A/S) : MINISTRO PRESIDENTE

Leia mais

Conteúdo: Reparação dos danos no Processo Penal. Procedimentos. Reparação de Danos no Processo Penal:

Conteúdo: Reparação dos danos no Processo Penal. Procedimentos. Reparação de Danos no Processo Penal: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 13 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Reparação dos danos no Processo Penal. Procedimentos. Reparação de Danos no Processo Penal: Por conta

Leia mais

19/11/2013 SEGUNDA TURMA : MIN. GILMAR MENDES

19/11/2013 SEGUNDA TURMA : MIN. GILMAR MENDES Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 19/11/2013 SEGUNDA TURMA HABEAS CORPUS 112.472 MINAS GERAIS RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) PROC.(A/S)(ES) COATOR(A/S)(ES) : MIN. GILMAR MENDES :VALERIANO

Leia mais

Laís Maria Costa Silveira Promotora de Justiça de Belo Horizonte Titular da 22ª Promotoria de Justiça de Defesa da Pessoa com Deficiência e Idosos.

Laís Maria Costa Silveira Promotora de Justiça de Belo Horizonte Titular da 22ª Promotoria de Justiça de Defesa da Pessoa com Deficiência e Idosos. As medidas protetivas de urgência previstas pela Lei Maria da Penha e sua aplicação a outros segmentos de pessoas: idosos, crianças, enfermos e pessoas com deficiência Laís Maria Costa Silveira Promotora

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO. Porto Alegre, 15 de março de Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

EMENTA ACÓRDÃO. Porto Alegre, 15 de março de Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL Nº 5082843-37.2014.4.04.7100/RS RELATOR : RÔMULO PIZZOLATTI APELANTE : BANCO GMAC S.A. ADVOGADO : STEFANIE SANTOS DE OLIVEIRA APELADO : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

Súmula 18 STJ: A sentença concessiva do perdão judicial é declaratória da extinção da punibilidade, não subsistindo qualquer efeito condenatório.

Súmula 18 STJ: A sentença concessiva do perdão judicial é declaratória da extinção da punibilidade, não subsistindo qualquer efeito condenatório. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 18 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Revisão Criminal: Questões Polêmicas. Habeas Corpus: Conceito, Espécies, Condições da Ação, Questões

Leia mais

RECURSO EXTRAORDINÁRIO E RECURSO ESPECIAL I e II Nº

RECURSO EXTRAORDINÁRIO E RECURSO ESPECIAL I e II Nº RECURSO EXTRAORDINÁRIO N 0029634-19.2012.8.19.0001 Recorrente: ESTADO DO RIO DE JANEIRO Recorridos: FARID HABIB E OUTRO RECURSO ESPECIAL Nº 0029634-19.2012.8.19.0001 Recorrente: ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO 874.549 RIO GRANDE DO SUL RELATORA RECTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS :PROCURADOR-GERAL FEDERAL :JORGE

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N 001/2016-CGMP

RECOMENDAÇÃO N 001/2016-CGMP RECOMENDAÇÃO N 001/2016-CGMP O CORREGEDOR-GERAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, com fundamento nos artigo 17, inciso IV, da Lei Federal n 8.625/93 e no artigo 36, inciso IV, da Lei Complementar

Leia mais

ACÓ R D Ã O Nº (N CNJ: ) COMARCA DE GUARANI DAS MISSÕES

ACÓ R D Ã O Nº (N CNJ: ) COMARCA DE GUARANI DAS MISSÕES APELAÇÃO CRIME. CRIMES DOLOSOS CONTRA A VIDA. TENTATIVA DE HOMÍCIDIO. NULIDADE DA SESSÃO DE JULGAMENTO POR AFRONTA AO ART. 478, I, DO CPP. OCORRÊNCIA. O promotor de justiça, durante os debates em plenário,

Leia mais

: Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais Classe

<etiqueta de registro do Acórdão> : Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais Classe Órgão : Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais Classe : APJ Apelação Criminal no Juizado Especial N. Processo : 90/98 Apelante(s) : MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

ACÓRDÃO 3ª TURMA NULIDADE JULGAMENTO EXTRA PETITA É nula a sentença que julga pretensão diversa da formulada pelo Autor. Buffet Amanda Ltda.

ACÓRDÃO 3ª TURMA NULIDADE JULGAMENTO EXTRA PETITA É nula a sentença que julga pretensão diversa da formulada pelo Autor. Buffet Amanda Ltda. ACÓRDÃO 3ª TURMA NULIDADE JULGAMENTO EXTRA PETITA É nula a sentença que julga pretensão diversa da formulada pelo Autor. Recorrente: Buffet Amanda Ltda. Recorridos: Alex Sandro Farias de Oliveira Marina

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO. Recurso Ordinário

RECURSO ORDINÁRIO. Recurso Ordinário RECURSO ORDINÁRIO Conceito: Os recursos ordinários são os recursos cabíveis para impugnar decisões havidas nos casos previstos no art. 1.027 do CPC. Apesar de serem julgados pelo Supremo Tribunal Federal

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 775.872 PERNAMBUCO RELATORA : MIN. CÁRMEN LÚCIA RECTE.(S) :TATIANA IRLA TAVARES NUNES RÊGO PINHEIRO ADV.(A/S) :ALEXANDRE AUGUSTO SANTOS DE VASCONCELOS E OUTRO(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 8 03/06/2014 SEGUNDA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 808.142 DISTRITO FEDERAL RELATORA AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) ADV.(A/S)

Leia mais

GUILHERME DE SOUZA NUCCI Juiz de Direito em São Paulo. Professor da PUC-SP, da UNIP, da Escola Paulista da Magistratura e da UniToledo (Araçatuba).

GUILHERME DE SOUZA NUCCI Juiz de Direito em São Paulo. Professor da PUC-SP, da UNIP, da Escola Paulista da Magistratura e da UniToledo (Araçatuba). STJ00061439 GUILHERME DE SOUZA NUCCI Juiz de Direito em São Paulo. Professor da PUC-SP, da UNIP, da Escola Paulista da Magistratura e da UniToledo (Araçatuba). NÁILA CRISTINA FERREIRA NUCCI Advogada em

Leia mais

008/ (CNJ: ) Paulo Rogério Dutra de Souza

008/ (CNJ: ) Paulo Rogério Dutra de Souza COMARCA DE CANOAS 1ª VARA CRIMINAL Rua Lenine Nequete, 60 Processo nº: Natureza: Autor: Réu: Juiz Prolator: 008/2.06.0005760-2 (CNJ:.0057602-56.2006.8.21.0008) Homicídio Simples Justiça Pública Paulo Rogério

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº 22.914/CS HABEAS CORPUS Nº 134.975 RIO DE JANEIRO IMPETRANTE: MARCELO DA SILVA TROVÃO PACIENTE: ANDERSON DE CASTRO SCHIAVINI IMPETRADO: SUPERIOR TRIBUNAL MILITAR RELATOR: MINISTRA ROSA WEBER PENAL.

Leia mais

CONSELHO DE ÉTICA E DECORO PARLAMENTAR REPRESENTAÇÃO Nº 22, DE ( Processo Disciplinar nº 11, de 2013)

CONSELHO DE ÉTICA E DECORO PARLAMENTAR REPRESENTAÇÃO Nº 22, DE ( Processo Disciplinar nº 11, de 2013) 1 CONSELHO DE ÉTICA E DECORO PARLAMENTAR REPRESENTAÇÃO Nº 22, DE 2013 ( Processo Disciplinar nº 11, de 2013) Representa contra o Deputado Natan Donadon por quebra de decoro parlamentar. Representante:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 219.752 - SC (2011/0230278-6) RELATOR : MINISTRO ROGERIO SCHIETTI CRUZ IMPETRANTE : IVAN RICARDO GOMES DA SILVA E OUTRO ADVOGADO : IVAN RICARDO GOMES DA SILVA E OUTRO(S) IMPETRADO : TRIBUNAL

Leia mais

1.0035.08.127333-2/001

1.0035.08.127333-2/001 <CABBCBBCCACADBADAACBACABDDDAAACDAABAADDADAAAD> Acórdãos na Íntegra 146000101958 Tribunal: Tribunal De Justiça Do Estado De Minas Gerais Órgão Julgador: 7ª C.Crim. Tipo do Recurso: RSE Nº Processo: 1.0035.08.127333-2/001 Relator(a): Rel. Duarte de Paula

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.451.720 - SP (2014/0097833-1) RELATOR : MINISTRO SEBASTIÃO REIS JÚNIOR R.P/ACÓRDÃO : MINISTRO NEFI CORDEIRO RECORRENTE : EMERSON DIAS ROCHA ADVOGADOS : LUÍS HENRIQUE ALVES SOBREIRA

Leia mais

: MIN. DIAS TOFFOLI :VRG LINHAS AÉREAS S/A :JOSÉ MARIA ZILLI DA SILVA :GUSTAVO ANGELONI :GERALDO MACHADO COTA JUNIOR

: MIN. DIAS TOFFOLI :VRG LINHAS AÉREAS S/A :JOSÉ MARIA ZILLI DA SILVA :GUSTAVO ANGELONI :GERALDO MACHADO COTA JUNIOR RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 677.789 SANTA CATARINA RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. DIAS TOFFOLI :VRG LINHAS AÉREAS S/A :JOSÉ MARIA ZILLI DA SILVA :GUSTAVO ANGELONI :GERALDO

Leia mais

: MIN. DIAS TOFFOLI TRABALHO MEDICO

: MIN. DIAS TOFFOLI TRABALHO MEDICO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 714.204 MINAS GERAIS RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. DIAS TOFFOLI :UNIMED BELO HORIZONTE COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO : SABRINA DINIZ REZENDE VIEIRA E

Leia mais

n_( acima identificados;

n_( acima identificados; Em sede de razões recursais (fls. 181/185), árgumenta-se que as provas carreadas aos autos são concretas, apontando de forma estreme de dúvidas a autoria do delito em direção ao apelado, pelo que teria

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal Juízo de origem: 37ª Vara Criminal da Comarca da Capital Embargante: Pither Honorio Gomes Advogado: Defensoria Pública Embargado: Ministério Público Presidente: Marcus Henrique Pinto Basílio Relatora:

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO PROCESSUAL PENAL I Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA OFICINA DO NOVO CPC RECURSOS

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA OFICINA DO NOVO CPC RECURSOS OFICINA DO NOVO CPC RECURSOS RECURSO DE APELAÇÃO Artigos 1.009 a 1.014 do Código de Processo Civil 1. Recurso de Apelação Conceito Cabe recurso de apelação contra a sentença do juiz que põe fim à fase

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 238 Registro: 2014.0000492060 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1005329-60.2013.8.26.0053, da Comarca de, em que é apelante PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO, é apelado.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal HABEAS CORPUS 111.488 MINAS GERAIS RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) PROC.(A/S)(ES) COATOR(A/S)(ES) : MIN. LUIZ FUX :FERNANDO MATEUS DOS SANTOS :DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO :DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL :SUPERIOR

Leia mais

HABEAS CORPUS. FURTO (ARTIGO 155, DO CÓDIGO PENAL). REQUISITOS DO ARTIGO 312 DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL NÃO PRESENTES

HABEAS CORPUS. FURTO (ARTIGO 155, DO CÓDIGO PENAL). REQUISITOS DO ARTIGO 312 DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL NÃO PRESENTES HC 1151380-5 3ª CÂMARA CRIMINAL - HABEAS CORPUS Nº 1151380-5 - DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - VARA DE INQUÉRITOS POLICIAIS IMPETRANTE: DARCIELI BACHMANN DURO VIEIRA PACIENTE:

Leia mais

Parecer pelo conhecimento do conflito, para que seja declarada a competência da Justiça Federal.

Parecer pelo conhecimento do conflito, para que seja declarada a competência da Justiça Federal. Nº 5459/2014 ASJCIV/SAJ/PGR Relator: Ministro Marco Aurélio Suscitante: Juiz Federal da 3ª Vara Federal da Seção Judiciária do DF Suscitado: Tribunal Superior do Trabalho Interessados: Cristiano Gomes

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 178.623 - MS (2010/0125200-6) IMPETRANTE ADVOGADO IMPETRADO PACIENTE : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL : NANCY GOMES DE CARVALHO - DEFENSORA PÚBLICA E OUTRO : TRIBUNAL

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. Projeto de Lei da Câmara nº 3131/2008 (Projeto de Lei do Senado nº 88/2007)

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. Projeto de Lei da Câmara nº 3131/2008 (Projeto de Lei do Senado nº 88/2007) COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE COMBATE AO CRIME ORGANIZADO Projeto de Lei da Câmara nº 3131/2008 (Projeto de Lei do Senado nº 88/2007) (Apensos os Projetos de Lei nºs. 6132, de 2002; 3716, de 2004;

Leia mais

CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER. Período

CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER. Período CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER Direito Processual Penal Jurisdição e Competência Promotor de Justiça Período 2006 2016 1) CESPE - PJ (MPE TO)/MPE TO/2012 Assunto: Jurisdição e competência A respeito

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO 943.918 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. EDSON FACHIN :IVO JOSE DA SILVA :NEFERTITI REGINA WEIMER VIANINI :UNIÃO :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO DECISÃO:

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: Ag/Rg 117-46.2013.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: DEZESSEIS DE NOVEMBRO AGRAVANTES: ADEMIR JOSÉ ANDRIOLI GONZATTO, ADÃO ALMEIDA DE BARROS E OILSON DE MATOS ALBRING AGRAVADA: JUSTIÇA ELEITORAL -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

SUMÁRIO. Resumos p Conc v13 -Mendonca -Proc Penal-1ed.indd 9 25/04/ :35:43

SUMÁRIO. Resumos p Conc v13 -Mendonca -Proc Penal-1ed.indd 9 25/04/ :35:43 Capítulo 1 Da aplicação da Lei Processual Penal... 17 1. Lei processual penal no espaço... 17 2. Lei processual penal no tempo... 19 3. Imunidades (aplicação da lei processual quanto às pessoas)... 21

Leia mais

HC 5538-RN ( ). RELATÓRIO

HC 5538-RN ( ). RELATÓRIO HC 5538-RN (0006637-97.2014.4.05.0000). IMPTTE IMPTDO PACTE ORIGEM RELATOR : DIEGO TOBIAS DE CASTRO BEZERRA. : JUÍZO DA 2ª VARA FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE (NATAL). : MARCELO ROBERTO DA SILVEIRA (RéU

Leia mais

Parecer A.J nº 331/2014

Parecer A.J nº 331/2014 Processo nº: 2081/2013 Interessado: Departamento de Recursos Humanos Assunto: Incorporação de Gratificação de Representação Servidores Públicos. Incorporação da Gratificação de representação. Quesito acerca

Leia mais

sem necessidade de transcrição. quando for de sua preferência pessoal

sem necessidade de transcrição. quando for de sua preferência pessoal Solicito informações a respeito do posicionamento jurisprudencial atualizado a respeito da necessidade de degravação dos depoimentos prestados nas audiências gravadas por meio audiovisual. Explico: a Defesa

Leia mais

A COORDENADORIA DE RECURSOS JUDICIAIS NOS TRIBUNAIS SUPERIORES

A COORDENADORIA DE RECURSOS JUDICIAIS NOS TRIBUNAIS SUPERIORES MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO ACRE COORDENADORIA DE RECURSOS JUDICIAIS NOS TRIBUNAIS SUPERIORES JANEIRO/FEVEREIRO DE 2015 RECURSOS PROVIDOS NO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA A COORDENADORIA DE RECURSOS

Leia mais

28/10/2014 PRIMEIRA TURMA : MIN. DIAS TOFFOLI EMENTA

28/10/2014 PRIMEIRA TURMA : MIN. DIAS TOFFOLI EMENTA Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 8 28/10/2014 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 736.365 SÃO PAULO RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. DIAS

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Coisa julgada penal. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Coisa julgada penal. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Coisa julgada penal Gustavo Badaró aula de 18.08.2015 1. Noções Gerais PLANO DA AULA 2. Coisa julgada formal 3. Coisa julgada material 4. Limites objetivos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº /CS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº /CS Nº 23.909/CS HABEAS CORPUS Nº 131.160 MATO GROSSO DO SUL IMPETRANTE: DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PACIENTE: MÁRCIO ARAÚJO DE OLIVEIRA COATOR: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA RELATOR: MINISTRO TEORI ZAVASCKI

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA RECURSO EM SENTIDO ESTRITO Nº 995176-4, DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - 5ª VARA CRIMINAL RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ RECORRIDO : ALEX SANDRO MACIEL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.083.066 - RJ (2008/0180680-4) RELATORA RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO : MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA : WALTER ESCOBAR : DILSON FERREIRA DE ANAIDE E OUTRO(S) : UNIÃO RELATÓRIO

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL nº /PE ( )

APELAÇÃO CÍVEL nº /PE ( ) APTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL APDO : SIULLE DE SÁ ROSA DE CASTRO CUNHA ORIGEM : 17ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO (COMPETENTE P/ EXECUçõES PENAIS) RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO GADELHA - Segunda

Leia mais

Nº 4791/ ASJCRIM/SAJ/PGR. Execução Penal n. 1 Relator: Ministro Roberto Barroso Autor: Ministério Público Federal Sentenciado: José Genoíno Neto

Nº 4791/ ASJCRIM/SAJ/PGR. Execução Penal n. 1 Relator: Ministro Roberto Barroso Autor: Ministério Público Federal Sentenciado: José Genoíno Neto Nº 4791/2014 - ASJCRIM/SAJ/PGR Execução Penal n. 1 Relator: Ministro Roberto Barroso Autor: Ministério Público Federal Sentenciado: José Genoíno Neto PENAL. PROCESSO PENAL. EXECUÇÃO PENAL. PROGRES- SÃO

Leia mais

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 O candidato deverá discorrer sobre os conceitos dos elementos do tipo penal (objetivos, normativos e subjetivos), dando os exemplos constantes no Código

Leia mais

Ementa: MANDADO DE SEGURANÇA - Militar - Estabilidade - Exclusão - Ausência do devido processo legal - Violação a direito líquido e certo.

Ementa: MANDADO DE SEGURANÇA - Militar - Estabilidade - Exclusão - Ausência do devido processo legal - Violação a direito líquido e certo. SÚMULA Nº 15 "É nulo o ato administrativo que exclui militar, estável ou não, de sua corporação, sem que lhe tenha sido assegurado o exercício do direito ao devido processo legal e ao princípio da ampla

Leia mais

MEDIDA DE SEGURANÇA MACAPÁ 2011 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO MATERIAL DIDÁTICO

MEDIDA DE SEGURANÇA MACAPÁ 2011 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO MATERIAL DIDÁTICO MEDIDA DE SEGURANÇA DIREITO PENAL 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 1 MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução

Leia mais

23/09/2012 PROCESSO PENAL I. PROCESSO PENAL ii

23/09/2012 PROCESSO PENAL I. PROCESSO PENAL ii I 16ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 ii Acessem!!!!!! www.rubenscorreiajr.blogspot.com 2 1 CRIME CONTRA A HONRA. MENOR POTENCIAL OFENSIVO. COMPETENCIA. JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL. Conflito de

Leia mais