A LÍNGUA E CULTURA ALEMÃS NO SUL DO BRASIL ATRAVÉS DA MÚSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A LÍNGUA E CULTURA ALEMÃS NO SUL DO BRASIL ATRAVÉS DA MÚSICA"

Transcrição

1 A LÍNGUA E CULTURA ALEMÃS NO SUL DO BRASIL ATRAVÉS DA MÚSICA Ciro Damke, Doutor, Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Resumo: O Brasil é mundialmente conhecido, e reconhecido, como um país plurilíngüe e multicultural, alguns autores o chamam de grande mosaico nacional onde os vários brasis se encontram. Nestas últimas inclui-se a língua, junto com a cultura, aqui nesta análise as músicas alemãs. Com este trabalho pretendemos ampliar os estudos sobre a participação dos imigrantes alemães e de seus descendentes, portanto, em um dos brasis, no processo civilizatório, na formação sócio-cultural do povo brasileiro e, através de sua língua e cultura, na composição deste grande mosaico nacional. Para isso, utilizamos o gênero textual letras de músicas no tempo e no espaço sócio-histórico do falar da língua alemã no sul do país. 1 PALAVRAS-CHAVE: Língua; cultura, musicas alemãs. ABSTRACT: Brazil is world-wide known, and recognized, as a multicultural and multilingual country, some authors even call it the great national mosaic where the diverse Brazils meet each other. The latter one includes the German language and music as well as the culture. This work intends to extend the studies on the participation of the German immigrants and descendants, therefore, one of the Brazils, in the civilizing process, the Brazilian socio-cultural formation and, through its language and culture, the composition of its great national mosaic. It is used the text genre letters of music in the in the socialhistorical space and time of the German language speech in the south of Brazil. KEYWORDS: Language, culture, German musics. 1 Alguns destes aspectos foram abordados anteriormente por Damke em Políticas lingüísticas e a conservação da língua alemã no Brasil. Madri: Especulo, nº 40, 2008.

2 1 INTRODUÇÃO A diminuição e o aumento da utilização de uma variedade lingüística depende de vários fatores. Por isso, não é fácil comprovar se há conservação ou renascimento de uma língua, ou se a diminuição do uso de uma variedade já se aproxima mais da morte, de sua extinção. São três os fatores que têm importância fundamental nestes processos: a competência, o desempenho e as atitudes dos falantes com relação às variedades utilizadas. Na maioria dos casos, como afirma Schlieben-Lange (1991, p.108ss.), os três fatores agem juntos, assim, à uma maior utilização da língua corresponde, em geral uma maior competência e atitudes mais positivas com relação às variedades utilizadas. No caso de língua e cultura alemãs no sul do Brasil, esta afirmação nem sempre corresponde à realidade. Concordando com Fishman (1966), definimos o termo manutenção da língua (language maintenance) como o processo de conservação de uma determinada variedade lingüística de um indivíduo em si, ou de uma comunidade lingüística inteira, no transcorrer de várias gerações com base em sua consciência de grupo, lealidade lingüística, credo religioso etc. Como regressão do uso da língua (Sprachverfall/language shift), conforme o autor citado, definimos a diminuição do uso; enquanto renascimento lingüístico, como o aumento da utilização de uma variedade lingüística. No que se refere a utilização de uma ou mais variedades lingüísticas por uma comunidade, concordamos com o autor, (1975, p.109) que afirma, que em suma, nenhuma comunidade necessita de mais de um sistema lingüístico oficial para sua comunicação no mesmo contexto social. No entanto, assim como o autor, também nós enfatizamos a importância da existência do bilingüismo e até do multilingüismo, quando as necessidades comunicativas dos membros de uma comunidade lingüística assim o exigirem. A regressão e perda de uma língua têm implicações dos mais diversos aspectos na vida do falante e também na própria sociedade na qual este está inserido, no entanto, somente agora pesquisadores estão acordando para esta questão como afirma Woodbury (2003, p. 39): Sociolingüistas e lingüistas-antropólogos estão apenas agora começando a entender os efeitos da perda ou da mudança de línguas nas comunidades. O processo é complicado porque a perda pode ser voluntária ou involuntária, embora sempre haja algum tipo de pressão. Qualquer que seja o caso, percebe-se freqüentemente uma perda de identidade social, como um

3 símbolo de derrota pela força colonial, se não ainda por aqueles que abandonam a língua, então pelos da geração seguinte. Além disso, a perda não é somente uma questão de percepção da identidade. Muito da vida cultural, espiritual e intelectual de um povo é transmitido pela língua: rezas, mitos, cerimônias, poesia, oratória, vocabulário técnico, saudações, despedidas, registros conservacionais, humor, maneiras de falar com as crianças, e os termos para hábitos, comportamentos e emoções. Quando se perde uma língua tudo isso precisa ser refeito numa outra língua com diferentes categorias de palavras, sons e estruturas gramaticais. Pesquisas lingüísticas em comunidades onde a mudança está ocorrendo mostram que quase sempre este refazer implica numa perda abrupta de tradições mesmo quando é mantida a identidade social. Segundo o autor (idem, 2003, p. 39.), as causas, fatores da regressão de uma língua podem ser os mais diversos: a pressão sofrida pelas línguas pode ser econômica, social, cultural, religiosa, política ou militar, ou uma combinação destes fatores. Diversos destes fatores estão presentes no processo de conservação e regressão da língua alemã no sul do Brasil. O processo de perda lingüística (Sprachverfall) foi, também observado, por Borstel (2003, p. 144) em comunidades lingüísticas por ela pesquisadas: A cultura e a identidade de minorias lingüísticas surgem a partir das considerações da heterogeneidade lingüística que se dá em grupos restritos no país. Pois atualmente, as comunidades lingüísticas de imigrantes encontram-se em um processo de perda cultural e lingüística, pois os grupos étnicos estão limitados a pequenos grupos que falam a língua materna, restrita à rede familiar em determinadas comunidades de formação étnicas culturais. As revitalizações de redes culturais e lingüísticas regionais, só serão possíveis, se houver um programa nacional de educação bilíngüe, reconhecendo a necessidade do uso de duas variedades lingüísticas em contextos de línguas em contato no Brasil. O que se observou nestas duas comunidades interétnicas é que os jovens estão cada vez mais assimilando a cultura nacional e deixando de lado a língua e a cultura materna. Alguns dos aspectos da perda lingüística ou regressão de uma língua observados no contexto sob análise, que não chegam, porém, a morte lingüística, language death, já foram descritos por Crystal (2000). Ammon (1973, p. 570), já naquele ano, ligava a regressão lingüística, denominada por ele Sprachauflösung, à seqüência de gerações.

4 Se há forças que pressionam a Sprachverfall (regressão/perda lingüística), há também aspectos que são responsáveis pela Spracherhalt (conservação) da língua e cultura alemãs. No entanto, como não é possível, num único trabalho, abordar todos estes fatores, analisaremos aqui, mais especificamente, as chamadas músicas populares alemãs, ou melhor, as letras musicais como gênero textual, responsáveis, também, entre outros fatores, pela conservação da língua e cultura alemãs no sul do Brasil. Partimos do princípio, com base na sociolingüística, que a língua/linguagem, assim como a cultura, os usos e costumes, fazem parte da identidade do próprio ser humano. Assim, não é possível falar-se em construção do sujeito ou da identidade do indivíduo, sem se falar também da identidade étnica, do aspecto cultural e, portanto também da própria identidade lingüística. As músicas, no nosso caso, trazidas pelos imigrantes alemães e ainda hoje cantadas por seus descendentes, fazem parte da cultura destes imigrantes e, em termos gerais, dentro de um contexto de pluralismo lingüístico e cultural, fazem parte da própria cultura brasileira. Por isso, conhecer e estudar textos de músicas alemãs que ainda são cantadas em Clubes de Terceira Idade, conjuntos de músicas e pessoas em geral na região oeste do Paraná e no sul do Brasil, é uma forma, ao lado do resgate das próprias músicas, de se conhecer melhor o aspecto multifacetado da própria cultura da região. Também Certeau (2001, p.9) afirma que a cultura faz parte da vida social de qualquer pessoa, no entanto, se insurge constantemente contra o que ele chama de cultura no singular e prega, o que coincide com o nosso ponto de vista, a cultura no plural. Afirma também, que (ibid.): Para que haja verdadeiramente cultura, não basta ser autor das práticas sociais; é preciso que as práticas tenham significado para aquele que as realiza. O fato de os descendentes de imigrantes alemães ainda cantarem músicas populares alemãs com a intensidade que se conhece, depois de quase dois séculos de aculturação, mostra justamente que estas têm um profundo significado para eles, em outras palavras, estas fazem parte da própria identidade, a identidade, conforme Schneider in Damke (1997, p.277) de brasileiros descendentes de imigrantes alemães. Ao se reconhecer o aspecto multicultural do povo brasileiro, estudar a influência e participação dos imigrantes, no caso alemães, na formação da cultura brasileira, é também uma forma de se estudar e conhecer a própria cultura brasileira, por isso o motivo do presente estudo. Sob a visão da sociolingüística, a língua, assim também a cultura, não é estática, imutável, mas se altera constantemente, tanto no espaço temporal quanto geográfico pelo uso que os falantes fazem dela como meio de comunicação e interação com o grupo social do qual fazem

5 parte. O mesmo afirma Napolitano (2005, p ) quando diz que os conceitos de passado, herança cultural e tradição devem ser vistos com muito cuidado na definição de cultura/música: temos uma pluralidade de tempos e tradições, muitas vezes conflitiva, que transforma a criação e o consumo musical num labirinto histórico, em cujas galerias se encontram vários passados materializados em vários estilos, gêneros e temas poético-musicais. Ainda com relação à importância da música popular brasileira e a dificuldade em se definir o que é música popular diz (idem, p. 7): Não só a música brasileira, no sentido estrito, mas a partir de uma mirada local, é possível pensar e repensar o mapa mundi da música ocidental, sobretudo este objeto-não-identificado chamado de música popular. Quanto à formação da música popular brasileira e ao aspecto multicultural e multi-étnico desta, o autor (ibidem, p. 7) diz: A música, sobretudo a chamada música popular, ocupa no Brasil um lugar privilegiado na história sócio-cultural, lugar de mediações, fusões, encontros de diversas etnias, classes e regiões que formam o nosso grande mosaico nacional. Na visão da dinamicidade da língua e cultura, os vários brasis continuam a se modificar constantemente. Com relação às músicas populares alemãs, objeto de nosso estudo, pode-se afirmar o mesmo. Quando o autor fala em mosaico da cultura brasileira e nos vários brasis que a formam, vem justamente de encontro ao nosso ponto de vista quando defendemos o aspecto da diversidade lingüística e cultural do povo brasileiro, o que também coincide com a concepção de Certeau (2001, p. 192 ss), já citado, quando defende o que ele chama de cultura no plural: Mais do que um conjunto de valores que devem ser defendidos ou idéias que devem ser promovidas, a cultura tem hoje a conotação de um trabalho que deve ser realizado em toda a extensão da vida social. Estes aspectos, o da dinamicidade e a estreita relação entre cultura e contexto social estão fortemente presentes nas letras musicais que analisamos 2. 2 A IMPORTÂNCIA DAS MÚSICAS POPULARES ALEMÃS Antes de seguir, e continuando ainda as reflexões teóricas, consideramos necessário definir, o que entendemos, no presente contexto, por músicas populares alemãs. Já afirmamos que consideramos a língua e cultura, e no presente caso também a música, como fazendo parte da 2 Veja-se mais em DAMKE, Ciro; FRANCENER, Djeini Suelen e GUNDT, Miria. Como se canta em alemão na Terceira Idade. Marechal Cândido Rondon PR: EDUNIOESTE, 2007.

6 própria constituição ser humano. Assim, ser ser humano significa relacionar-se como indivíduo com outros seres humanos através da língua, cultura etc. Daí o aspecto individual e social da língua e cultura que defendemos. Sob esta ótica não é fácil definir e compreender a música, em especial a popular, como afirma Moraes (2000, p.212): (...) como parte constitutiva de uma trama repleta de contradições e tensões em que os sujeitos sociais, com suas relações e práticas coletivas e individuais e por meio dos sons, vão (re)construir partes da realidade social e cultural. Também Duarte (2002, p. 187) tenta fugir da uniformização, homogenização do significado de música dizendo que não deve ser visto como algo universal, mas que é criada e compartilhada pelos diferentes grupos e culturas. É justamente este aspecto, o do pluralismo lingüístico e cultural que nos levou a pesquisar com um pouco mais de profundidade o tema músicas populares alemãs, estas, na concepção de Napolitano (2005, p.110), fazendo parte do grande mosaico chamado cultura brasileira. A importância da música e da arte de cantar é vastamente conhecida pelo mundo afora, até sob seu aspecto moralista através do provérbio Quem canta, seus males espanta? Um verso em alemão segundo Munz (1962, p. IV) e Müller (1981, p. 112), também destaca esta importância: Onde se canta Pode-se estar tranqüilo, porque pessoas más não sabem cantar. 3 Um outro verso em alemão cuja autoria seria do poeta Eduard Mörike, mas cuja origem bibliográfica é desconhecida, tem significado idêntico: Quem aprende música, Um bem celestial tem, Pois na primeira origem Do próprio céu provém. Mesmo que muitas vezes As coisas como fumaça vão Fica na eternidade A música como viva canção, Porque os próprios anjos 3 As traduções do alemão para o português, quando não há destaque diferente, são da nossa autoria e nelas procuramos conservar, acima de tudo, o sentido do texto.

7 No céu músicos são. Da mesma forma Jaskulsky (1999, p. 14ss), em mais de 50 textos, destaca a importância da música dizendo Viva la música e céus e terra passarão, mas a música não passará. Fischer (s. r.) muito bem destaca o caráter universal, sem limites e fronteiras, da música: Melodias rompem fronteiras, são linguagens deste mundo, cantemos e façamos ressoar debaixo do imenso céu, participem do nosso cantar. Esta música foi apresentada em 2005 na região Oeste do Paraná por um coral de mais de 100 participantes da região Rhein-Hunsrück, Alemanha, como um chamado para a paz e harmonia entre os povos. Aliás, para este aspecto universal da música, também Jaskulsky (1999, p. 25) chama atenção Sine musica nulla disciplina (Sem música não há disciplina). Disciplina, ao lado da ordem, significa, como o restante do texto deixa claro, também paz e harmonia. Recentemente as Geschwister Hofmann (Irmãs Hofmann), duas cantoras de músicas populares alemãs, em seu novo CD sob o título Grenzenlos (sem fronteiras), reforçaram a idéia de que a música efetivamente não tem limites, não tem fronteiras, seja entre povos, etnias ou regiões. Estas considerações mostram bem a importância e o caráter universal da música, do canto, e se esta não tem fronteiras, deve ser considerada, como toda a cultura e língua, um dos direitos inalienáveis do indivíduo e dos indivíduos, como grupo social. O direito à manutenção e ao uso da própria língua e à prática da cultura por parte dos indivíduos pertencentes a minorias étnicas foi reconhecido na convenção da UNESCO em Barcelona em 1996 através da Declaração Universal dos Direitos Lingüísticos. Esta declaração diz:... são direitos pessoais inalienáveis exercíveis em qualquer situação: ser reconhecido como membro de uma comunidade lingüística, usar a língua privada e publicamente, manter e desenvolver a própria cultura, dispor de serviços culturais... Mais recentemente, em outubro de 2005, na Assembléia da UNESCO em Paris, foi aprovado por mais de 150 votos o Estatuto em defesa da diversidade cultural no mundo. 4 4 Veja-se mais na Revista Ciência e Cultura temas e tendências (2006, nº1, p.9)

8 Estes fatos mostram a preocupação, também dos organismos internacionais, na valorização da diversidade lingüística e cultural, ponto de vista que defendemos ao longo do trabalho. 3 O REPERTÓRIO DAS MÚSICAS Convém esclarecer que desenvolvemos dois projetos, um de pesquisa e outro de extensão sobre o assunto. No primeiro coletamos, junto a corais, principalmente da Terceira Idade, conjuntos musicais ou junto a famílias em torno de 150 letras de músicas das quais selecionamos 100 das mais cantadas. No projeto de extensão fizemos a reescrita (muitas em alemão gótico) deste repertório para deixá-lo, em forma de compêndio, à disposição de grupos, conjuntos e pessoas em geral que apreciam e ainda cantam músicas populares alemãs. Os temas que mais estão presentes no repertório são: a saudade da terra natal que ficou longe, o sentimento de amor, paixão, desejos de felicidade, o espírito aventureiro do povo alemão, a saudade da juventude, etc. Alguns destes temas serão analisados nos tópicos seguintes O TEMA HEIMAT O sentimento que mais se destaca é a saudade da Heimat, da pátria distante. Este é um fato totalmente compreensível, e até seria anormal se assim não fosse. Deixar a terra natal, amigos, a própria família ou parte dela, talvez alguma pessoa especial, deixar um país inteiro com seus aspectos culturais, históricos, geográficos, políticos etc, diferentes da nova terra para onde estavam migrando, quem não sentiria saudade? Mey in Signorini (1998, p. 70), já define Heimat como aquele intraduzível conceito germânico que engloba desde os quitutes maternos até as sepulturas dos ancestrais e a árvore sob a qual beijamos o nosso primeiro amor. Diversas músicas destacam este tema: 1) Lieb Heimatland, ade! Querida terra natal, adeus. 2) In der Heimat ist es schön. Na terra natal é belo. 3) Im schönsten Wiesengrunde ist meiner Heimathaus.

9 No mais belo vale está a minha casa paterna. 4) In der Heimat, in der Heimat, da gibt s ein Wiedersehn. Na terra natal, na terra natal, lá tem um novo encontro. 5) Kennst du das Land? Você conhece a terra? 6) Muss i denn, muss i den zum Städtele naus. Então, então eu tenho que deixar a minha vila. 7) Abschied. Adeus. 8) Heimatlos. Sem pátria. 9) Kein schöner Land. Não há terra mais bonita. 10) Das schönste auf der Welt ist mein Tirolerland. A terra mais bonita é o meu Tirol. 11) Tirol, Tirol, Tirol, du bist mein Heimatland Tirol, Tirol, Tirol, você é a minha terra natal. A lista poderia se estender bem mais ainda, porém o número já é suficiente para mostrar o quanto a saudade, a falta da pátria distante, as lembranças da terra natal com tudo o que faz parte dela devem ter doído na alma dos imigrantes e de seus descendentes. Por isso, é fácil de se entender porque estas músicas eram, e ainda são, as mais cantadas até hoje O TEMA JUGEND Ao lado deste tema, também outros como a temática Jugend (juventude) segundo Damke e Francener, (2005, p ) está amplamente presente nestas músicas. Tomamos como exemplo a música Schön ist die Jugend. O texto e a tradução são de Hübner-Flores (1983, P. 30). Die Jugend 1 - Schön ist die Jugend bei frohen Zeiten,

10 Schön ist die Jugend, sie kommt auch nicht mehr! Sie kommt nicht zurück, kommt auch nicht wieder, Schön ist die Jugend, sie kommt nicht mehr! 2 - Ich Hab ein Weinstock und der träg Reben Aus diesen fliesst der süsse Wein, Drum sag ich noch einmal, schön sind die Jugendjahre, Schön ist die Jugend, sie kommt nicht mehr! 3 - Und wer verheiratet ist, der muss zufrieden sein, Es stellt sich Kreuz und Trübnis ein, Drum sag ich noch eimal: schön ist die Jugendzeit, Schön ist die Jugend, sie kommt nicht mehr! A juventude 1 - Bela é a vida em alegres tempos, Alegre é a juventude, que não volta mais. Ela não regressa, não vem novamente, Alegre é a juventude que não volta mais! 2 - Tenho uma parreira que carrega frutos Do quais brota o doce vinho: Por isso digo mais uma vez, alegres são os anos da juventude, Alegre é a juventude que não volta mais! 3 Quem é casado deve estar satisfeito, Aparecem cruzes e obstáculos, Por isso digo mais uma vez: bela é a juventude, Bela é a juventude, ela não volta mais! Como já afirmamos, esta música foi assumida como verdadeiro hino oficial das pessoas da Terceira Idade O TEMA WANDERLUST Sobre o espírito de aventura do povo germânico, em outra oportunidade (Damke, 1997, p. 30ss) já escrevemos que a tendência ao sonho, à fantasia, às aventuras, o chamado Wanderlust

11 (amor à aventura, às conquistas) do povo alemão, descendente dos antigos germânicos era bem conhecida. Corre em suas veias o sangue irrequieto dos antigos bárbaros: germanos, alemanos, hunos, godos, visigodos, wikings, celtas, iberos, que invadiram a Europa no século V depois de Cristo. Também Hübner-Flores (1983, p.110ss) e Damke (1997, p.15ss) afirmam que a obsessão pelo desconhecido, pelo longínquo, que levava a querer conhecer novos mares e novas terras, a saudade dos habitantes do norte pelo ensolarado sul era um atributo dos europeus, aqui incluídos os alemães, mundialmente conhecido e que é amplamente cantado por poetas e cantores. Este espírito aventureiro, o Wanderlust, é comparado à vida nômade do povo cigano na música Zigeunerleben (vida de cigano) que faz parte do repertório de músicas populares alemãs em estudo. Lustig ist das Zigeunerleben 1 - Lustig ist das Zigeunerleben, faria, faria, ho! Brauch dem Kaiser kein Zins zu geben, faria,faria,ho! Lustig ist es im grünen Wald, faria, faria, ho! Wo des Zigeuners Aufenthalt, faria, faria, ho! 2 - Soll uns einmal der Hunger plagen, faria, faria, ho! Gehn wir uns ein Häschen jagen, faria, faria, ho! Häschen nimm dich wohl in Acht, faria, faria, ho! Wenn des Jägers Büchse kracht, faria, faria, ho! 3 - Sollt uns einmal der Durst sehr quälen, faria, faria, ho! Gehn wir hin zu Wasserquellen, faria, faria, ho! Trinken das Wasser wie Moselwein, faria, faria, ho! Wär es der schönste Champagnerwein, faria, faria, ho! 4 - Madel willst du Tabak rauchen, faria, faria, ho! Brauchst dir keine Pfeif kaufen, faria, faria, ho! Pfeif und Tabak hab ich hier, faria, faria, ho! Geb ich gerne, gerne dir, faria, faria, ho! 5 - Wenn uns tut der Beutel hexen, faria, faria, ho! Wir uns re Taler wechseln, faria, faria, ho! Wir treiben die Zigeunerkunst, faria, faria, ho! Da kommen die Taler all wieder zu uns, faria, faria, ho!

12 6 - Wenn wir auch kein Federbett haben, faria, faria, ho! Tun wir auch uns ein Loch ausgraben, faria, faria, ho! Legen Moss und Reisig nein, faria, faria, ho! Das soll uns ein Federbett sein, faria, faria, ho! Alegre é a vida de cigano 1 - Alegre é a vida de cigano, faria, faria, ho! Não se precisa pagar imposto para o imperador, faria, faria, ho! Alegre é no meio do mato verde, faria, faria, ho! Onde fica a casa dos ciganos, faria, faria, ho! 2 - E se a fome nos perseguir, faria, faria, ho! Caçamos um coelho, faria, faria, ho! Coelho, tome cuidado, faria, faria, ho! Quando a arma do caçador disparar, faria, faria, ho! 3 - E se alguma vez a sede nos atormentar, faria, faria, ho! Procuramos uma fonte de água, faria, faria, ho! Tomamos a água como o vinho do Mosela, faria, faria, ho! E pensamos ser champanha, faria, faria, ho! 4 - Menina, se você quer fumar tabaco, faria, faria, ho! Não precisa comprar cachimbo, faria, faria, ho! Ponha a mão no meu bolso, faria, faria, ho! Ali tem cachimbo e tabaco, faria, faria, ho! 5 - Quando a sacola estiver vazia, faria, faria, ho! Trocamos algumas moedas, faria, faria, ho! Exercemos a arte dos ciganos, faria, faria, ho! E já temos dinheiro nas mãos, faria, faria, ho! 6 - Mesmo que não tenhamos cama de penas, faria, faria, ho! Fazemos um buraco em algum lugar, faria,faria, ho! Colocamos feno e palha neles, faria, faria, ho! Isto será nossa cama de penas, faria, faria, ho!

13 A letra enaltece a vida alegre, feliz e despreocupada do povo cigano, idéia que é reforçada pela interjeição em forma de estribilho: Faria, faria, faria, faria, faria, ho. Segundo o texto, quando a fome e a sede apertar, busca-se os recursos da natureza: mata-se um coelho e tomase água de vertente como se fosse vinho da região do rio Mosela. E quando o dinheiro acabar, exerce-se a profissão característica do povo cigano: ler a sorte. 4 CONCLUSÕES Diversos outros temas abordados pelas músicas coletadas poderiam ser analisados, porém acreditamos que as abordagens feitas já provam que as músicas populares alemãs, mesmo em fase de regressão, são um dos fatores de conservação da língua e cultura alemãs. E quanto mais forte for a relação entre as músicas e a própria identidade das pessoas que apreciam e ainda cantam estas músicas, maior o poder de influenciar a conservação da própria língua e cultura alemãs, fato comprovado ao longo dos quase dois séculos da imigração alemã ao Brasil. Concluímos com as palavras de Sole (1975, p. 16) que defende o pluralismo lingüístico em oposição ao monolinguismo: Em tais circunstâncias nos encontramos diante do dilema de se o abandono da língua materna é coisa necessária e até desejável, já que é bom sintoma de assimilação e integração à sociedade dominante, ou se existe a possibilidade de alcançar os mesmos fins mediante uma visão mais ampla da pluralismo lingüístico que inclua também o aspecto lingüístico. No caso dos imigrantes alemães, deixamos a palavra aos próprios imigrantes, SCHNEIDER em GLOBUS (1984:3/10) resumindo os sentimentos dos descendentes dos imigrantes alemães com muita propriedade diz: Nós somos brasileiros, e sobre isto não deve haver dúvidas. Assim como os filhos e netos dos portugueses se tornaram brasileiros...nós amamos esta terra, pois ela é nossa pátria. Ano após ano nós ajudamos a construir o progresso desta terra, ajudamos de pequenas vilas fazer cidades e de cidades, grandes metrópoles. Nós nos sentimos em casa aqui, nós amamos esta terra...

14 A pergunta que sempre se faz, de novo, é: até quando este quadro continuará a existir? Quanto tempo a língua alemã, na forma de qualquer variedade, continuará a existir? Como já comentado, não há, para estas perguntas, respostas categóricas. Certo é, no entanto, que, devido aos modernos meios de comunicação, pressão social, modernização da agricultura etc, mostram-se tendências de assimilação cada vez mais fortes. Apesar disso, a forte conservação e utilização, faz prever que a língua e cultura alemãs continuarão a existir no Brasil ainda durante muitos anos. Somos da opinião (DAMKE, 1998, p. 20ss), que uma minoria, aqui o caso de imigrantes, tem o dever, tanto sob o aspecto político quanto lingüístico, de se adaptar ao novo contexto da vida, isto significa querer pertencer à nova pátria, o que exige um certo grau de assimilação. No entanto, este processo deveria ser levado a efeito dentro de uma política democrática o mais liberal possível, o que significa, que o processo de assumir a nova cidadania, da qual faz parte também, a nova língua, deve ser levado a termo com respeito à língua materna do falante e a toda sua cultura de origem. Com relação à cultura, da qual fazem parte as músicas populares alemãs, sua conservação e utilização transcorreu, como prova a história, de forma bastante democrática. O fato de os temas mais freqüentemente abordados pelas músicas fazerem parte da vivência e, portanto, da própria identidade de descendentes de imigrantes alemães, fez com que estas se tornassem um dos fatores mais importantes da conservação da língua e cultura alemãs no sul do Brasil. 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMMON, Ulrich. Dialekt und Einheitssprache in ihrer sozialen Verflechtung. Weinheim/Basel: s. e., BORSTEL, Clarice N. von. A interface língua e identidade alemã no Brasil. In: VANDRESEN, Paulino. (Org. ) Variação, Mudança e Contatos Lingüísticos no Português da Região Sul. Pelotas: EDUCAT, CERTEAU, Micchel de. A cultura no plural. 2 ed. Campinas: Papirus, CRYSTAL, David. Language death. s. l., DAMKE, Ciro e FRANCENER, Djeini Suelen. Variação em Músicas Populares Alemãs. In. Anais da 8ª Jornada de Estudos Lingüísticos e Literários. Marechal Cândido Rondon: Unioeste, DAMKE, Ciro. Políticas lingüísticas e a conservação da língua alemã no Brasil. Madri: Especulo, nº 40, 2009.

15 DAMKE, Ciro, FRANCENER, Djeini S. e GUNDT, Miria. Como se canta em alemão na Terceira Idade. In: SOARES, Alexandre S. F. (org.) Anais da 9ª Jornada de Estudos Lingüísticos e Literários. Marechal Cândido Rondon PR: EDUNIOESTE, DAMKE, Ciro. Sprachgebrauch und Sprachkontakt in der deutschen Sprachinseln in Südbrasilien. Frankfurt am Main/Berlin/Bern/New York/Paris/Wien: Lang, DAMKE, Ciro. Variação lingüística e a construção do sujeito. In: Revista da JELL Jornada de Estudos Lingüísticose Literários. Marechal Cândido Rondon: Escala, DUARTE, Geni Rosa. História e música. In: Cattelan, João C. e Von Borstel, Clarice Nadir (Orgs.). Anais da 5ª JELL Jornada de Estudos Lingüísticos e Literários Lingüística: linguagem e produção de sentidos. Marechal Cândido Rondon: UNIOESTE, FISCHER, Theo. Melodien sprengen Grenzen. St. Augustin: Chormusikverlag, s.d. FISHMAN, Joshua. Language loyality in the United States. Mouton: The Hauge, FISHMAN, Joshua. Soziologie der Sprache: eine interdisziplinäre sozialvissenschaftliche Betrachtung der Sprache in der Gesellschaft. München: Max Hueber, HOFMANN, Geschwister. Grenzenlos. CD ROOM. HÜBNER-FLORES, H. A. H. Canção dos Imigrantes. Porto Alegre/Caxias: EST/EDUCS, JASKULSKY, H. Das Kanon Buch: 400 Kanons aus 8 Jahrhunderten. Mainz/London/Madrid/ New York/Paris/Tokyo/Toronto: Schott, MEY, Jacob L. Etnia, identidade e língua. In: SIGNIRINI, Inês (Org) Língua(gem) e identidade. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: Fapesp MORAES, José Geraldo Vinci de. História e Música: canção popular e conhecimento histórico. In: Revista Brasileira de História, nº20/39, ANPUH/Humanistas/FAPESP, MÜLLER, Telmo Lauro. Colônia alemã: histórias e memórias, 2 ed. Porto Alegre: EST, MUNZ, E. Alle singen mit. Welzheim: s.e., NAPOLITANO, Marcos. História & Música: história cultural da música popular. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, SCHLIEBEN-LANGE, Brigitte. Soziolinguistik: eine Einführung. Stuttgart/Berlin/Köln: Kohlhammer, SCHNEIDER. In: GLOBUS, 1984, Nº 3. WOODBURY, Anthony. Línguas em extinção. In: HEYE, Jürgen (org.). Lingüísticas: panorama da Lingüística Contemporânea. Rio de Janeiro: PUC (Texto em CD), 2001.

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 21 Um tubarão em Hamburgo

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 21 Um tubarão em Hamburgo Capítulo 21 Um tubarão em Hamburgo Com temperaturas insuportáveis na redação da Rádio D, uma incumbência de pesquisa no litoral chega em boa hora. e devem ir a Hamburgo. Pelo que tudo indica, um tubarão

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 17 Círculos de cereais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 17 Círculos de cereais Capítulo 17 Círculos de cereais Círculos misteriosos em uma plantação de cereais motivam e Philipp a fazerem uma pesquisa no local. Trata-se de um campo de pouso para óvni ou alguém quer ganhar dinheiro

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 15 Fantasias de carnaval

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 15 Fantasias de carnaval Capítulo 15 Fantasias de carnaval Mais uma vez, os redatores e relatam da rua sobre o carnaval. Ao mesmo tempo, eles descobrem muitas fantasias diferentes e, além disso, aprendem diversos dialetos alemães.

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA Curso Reconhecido pela Resolução nº do Conselho Nacional de Educação/CNE

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA Curso Reconhecido pela Resolução nº do Conselho Nacional de Educação/CNE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA Curso Reconhecido pela Resolução nº do Conselho Nacional de Educação/CNE A implantação do curso é uma solicitação que vem sendo feita pelos próprios

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 25 Saudação dos navios

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 25 Saudação dos navios Capítulo 25 Saudação dos navios Os redatores tentam descobrir o sentido da expressão getürkt. Para isso, eles visitam um porto inusitado, onde cada navio é cumprimentado de maneira especial. No porto de

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 23 Um mergulhador com barbatana de tubarão

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 23 Um mergulhador com barbatana de tubarão Capítulo 23 Um mergulhador com barbatana de tubarão e resolvem o enigma sobre o suposto tubarão e elucidam mais uma vez uma fraude. No início, os motivos da encenação não ficam claros para eles. Eles recebem

Leia mais

Schuljahr. Herkunftssprache Portugiesisch

Schuljahr. Herkunftssprache Portugiesisch / Schule / Name Schuljahr Allgemeine Arbeitshinweise Trage bitte auf diesem Blatt und auf deinen Arbeitspapieren deine Schule und deinen Namen ein. Kennzeichne bitte deine Entwurfsblätter (Kladde) und

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 13 Segunda-feira de Carnaval

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 13 Segunda-feira de Carnaval Capítulo 13 Segunda-feira de Carnaval O entusiasmo pelo carnaval divide a redação da Rádio D. Um pedido de pesquisa de Compu, que conduz os dois redatores justamente à carnavalesca Floresta Negra, não

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 09 Música para Ludwig

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 09 Música para Ludwig Capítulo 09 Música para Ludwig também acha uma pista para desvendar o segredo do desconhecido: no jornal, ele encontra um anúncio para um musical sobre o rei Ludwig. A caminho do musical, ele entrevista

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 18 Observação noturna

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 18 Observação noturna Capítulo 18 Observação noturna e tentam descobrir o segredo dos círculos e observam a plantação. O que eles descobrem, porém, não leva a crer que tenha sido obra de extraterrestres. Enquanto, durante o

Leia mais

Descrição das Actividades. [O examinador cumprimenta os examinandos, confirma os seus nomes, e explicita os procedimentos do 1º momento da prova.

Descrição das Actividades. [O examinador cumprimenta os examinandos, confirma os seus nomes, e explicita os procedimentos do 1º momento da prova. Duração da Prova: 15 a 20 minutos Domínios de Referência: A Escola; o Lazer (Férias) 1.º Momento Avaliação da Expressão Oral no Ensino Secundário Disciplina: Alemão (Iniciação, Nível 3 12º ano) GUIÃO B

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Teste de Competência em Leitura em Língua Estrangeira ALEMÃO (Aplicação: 27/05/2012) LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique nos

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Paulo Gilberto Cogo Leivas Procurador Regional da República. Mestre e Doutor em Direito pela UFRGS. Coordenador

Leia mais

c) Há quanto tempo você aprendeu português e onde? Você se lembra ainda do nome do livro que usou? Sim? Não? Qual?

c) Há quanto tempo você aprendeu português e onde? Você se lembra ainda do nome do livro que usou? Sim? Não? Qual? Portugiesisch Einstufungstest PT Name Telefonnummer: E-Mail: Datum: 0 Beantworte bitte die Fragen. a) Onde você nasceu? b) Você trabalha ou estuda? Qual é a sua profissão (e se for estudante, estudante

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Terena: a preservação de uma cultura indígena Aquidauana MS Resumo A série Sua Escola, Nossa Escola trata do uso das novas tecnologias nos processos didático-pedagógicos, relatando

Leia mais

Criando projetos com o Glogster e a plataforma Glogster EDU

Criando projetos com o Glogster e a plataforma Glogster EDU Criando projetos com o Glogster e a plataforma Glogster EDU Prof.ª Dr.ª Jael Glauce da Fonseca Universidade Federal da Bahia Departamento de Letras Germânicas O acesso à internet nas salas de aula mudou

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO.

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES I PORTFÓLIO. Aluno:

ATIVIDADES COMPLEMENTARES I PORTFÓLIO. Aluno: ATIVIDADES COMPLEMENTARES I PORTFÓLIO Aluno: RA: Curso: Campus: Período: Turma: Semestre: Coordenador (a):...,.../.../... Observações: 1-) O aluno deverá utilizar ao longo do curso (2 anos) para a realização

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

LÍNGUA/CULTURA COMO FATOR DE PERTENCIMENTO IDENTITÁRIO 1

LÍNGUA/CULTURA COMO FATOR DE PERTENCIMENTO IDENTITÁRIO 1 LÍNGUA/CULTURA COMO FATOR DE PERTENCIMENTO IDENTITÁRIO 1 Por ELIANE Kreutz Rosa 2 ; CIRO Damke 3 e CLARICE Nadir von Borstel 4 INTRODUÇÃO Considerar o Brasil como um país monolíngue, onde [...] a ideologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

PROPOSTA DE GUIÃO PARA UMA PROVA

PROPOSTA DE GUIÃO PARA UMA PROVA PROPOSTA DE GUIÃO PARA UMA PROVA Alemão Iniciação (Nível 2) Domínio de Referência: Junge Leute Schule und Reisen 1.º MOMENTO Intervenientes e Tempos (1 minuto) (Introdução) Descrição das actividades Hallo!

Leia mais

bab.la Frases: Pessoal Cumprimentos Alemão-Português

bab.la Frases: Pessoal Cumprimentos Alemão-Português Cumprimentos : Casamento Herzlichen Glückwunsch! Für Euren gemeinsamen Lebensweg wünschen wir Euch alle Liebe und alles Glück dieser Welt. Desejando a vocês toda felicidade do mundo. Frase usada para felicitar

Leia mais

O USO DA MÚSICA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alessandra Ferreira Rosin, Bruno César Barbosa Tinoco Licenciandos de Letras Português-Alemão - UFRJ

O USO DA MÚSICA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alessandra Ferreira Rosin, Bruno César Barbosa Tinoco Licenciandos de Letras Português-Alemão - UFRJ O USO DA MÚSICA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alessandra Ferreira Rosin, Bruno César Barbosa Tinoco Licenciandos de Letras Português-Alemão - UFRJ Introdução Com o grande avanço no ensino de língua nos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV. Casa de Cultura Alemã. Semestre IV CADERNO-QUESTIONÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV. Casa de Cultura Alemã. Semestre IV CADERNO-QUESTIONÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Casa de Cultura Alemã Semestre IV CADERNO-QUESTIONÁRIO Data: 12 de Julho de 2015. Duração: das 9:00 às 12:00 horas. LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO MAIS EDUCAÇÃO CANTO CORAL JUSTIFICATIVA É conhecida a importância da música na vida das pessoas, seja no tocante à saúde, auto - estima conhecimento,

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA. Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações)

LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA. Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações) LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações) Este texto é produto das reflexões acerca da construção das identidades a partir

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 14 Bruxas na Floresta Negra

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 14 Bruxas na Floresta Negra Capítulo 14 Bruxas na Floresta Negra Contrariando as expectativas, relata são e salvo da Floresta Negra e deixase contagiar pelo ambiente animado do carnaval. Por outro lado, sua colega tem problemas com

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANIFICAÇÃO ANUAL DE ALEMÃO 10º ANO (INICIAÇÃO)

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANIFICAÇÃO ANUAL DE ALEMÃO 10º ANO (INICIAÇÃO) ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANIFICAÇÃO ANUAL DE ALEMÃO 10º ANO (INICIAÇÃO) Cursos Científico Humanísticos - Formação Específica (disciplina bienal) Objectivos gerais: adquirir e desenvolver

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade O Bem Pessoal e o Comunitário O que é o Bem? Bem é a qualidade de excelência ética que

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA Neste tópico, o monitor do PJ receberá informações básicas sobre a organização do Estado, o Poder e o Processo Legislativos, política e participação, necessárias ao desenvolvimento

Leia mais

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual SOCIOLINGUÍSTICA A LÍNGUA E SUAS VARIAÇÕES Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual Qualquer comunidade formada por indivíduos socialmente organizados dispõe de recursos e métodos

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO Profa. Dra. Luci Bonini Desde a assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, alguns órgãos da sociedade têm se manifestado no sentido de promover as garantias

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

Desenhar com a Natureza - desenho o que como Mit der Natur zeichnen - Ich zeichne, was ich esse

Desenhar com a Natureza - desenho o que como Mit der Natur zeichnen - Ich zeichne, was ich esse Desenhar com a Natureza - desenho o que como Mit der Natur zeichnen - Ich zeichne, was ich esse Simpósio internacional de arte no Feital-Trancoso-Portugal Internationales Kunstsymposium in Feital/Portugal

Leia mais

PROJETO SEMANA DA PÁTRIA

PROJETO SEMANA DA PÁTRIA ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES IPEZAL/ANGÉLICA MS PROJETO SEMANA DA PÁTRIA Ipezal/Angélica MS Maio/2012 ESCOLA ESTADUAL LUIS VAZ DE CAMÕES IPEZAL/ANGÉLICA MS PROJETO SEMANA DA PÁTRIA Professores Responsáveis

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 054/2015.

PROJETO DE LEI Nº 054/2015. PROJETO DE LEI Nº 054/2015. DECLARA o canto coral da SOCIEDADE DE CANTO APOLLO como patrimônio imaterial da cultura do Município de Marques de Souza. RICARDO KICH, Prefeito Municipal de Marques de Souza,

Leia mais

3º BIMESTRE Vícios e suas consequências Aula 130 Conteúdos: Concordância verbal Dependência química e limitações do corpo Ervas entorpecentes

3º BIMESTRE Vícios e suas consequências Aula 130 Conteúdos: Concordância verbal Dependência química e limitações do corpo Ervas entorpecentes CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º BIMESTRE Vícios e suas consequências Aula 130 Conteúdos: Concordância verbal Dependência química e limitações do

Leia mais

Faculdade de Letras UFRJ Rio de Janeiro - Brasil

Faculdade de Letras UFRJ Rio de Janeiro - Brasil 02 a 05 setembro 2013 Faculdade de Letras UFRJ Rio de Janeiro - Brasil SIMPÓSIO - O ensino de Alemão como Segunda Língua (AL2) ou Língua Estrangeira (ALE) e o uso de novas tecnologias INDÍCE DE TRABALHOS

Leia mais

Avaliação na sala de aula de língua estrangeira: tipologia de exercícios e questões

Avaliação na sala de aula de língua estrangeira: tipologia de exercícios e questões Avaliação na sala de aula de língua estrangeira: tipologia de exercícios e questões Ralph Ferreira da Silva (Mestrando UFRJ/ICG) Roberta Cristina Sol Fernandes Stanke (Mestranda UFRJ) Introdução Testes

Leia mais

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO 2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO NOME: Jaguarari, outubro de 2010. CADERNO DO 6º E 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2010 Numa carta de Papai Noel destinada às crianças, ele comunica que não será

Leia mais

Notas sobre a escolarização indígena no Brasil 1. Clarice Cohn DCSo/UFSCar

Notas sobre a escolarização indígena no Brasil 1. Clarice Cohn DCSo/UFSCar Notas sobre a escolarização indígena no Brasil 1 Clarice Cohn DCSo/UFSCar A educação escolar indígena tem uma longa história, tão longa quanto é o contato entre índios e europeus. Desde sempre, a alfabetização

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Exposição de motivos

Exposição de motivos Exposição de motivos Hoje, Portugal é uma sociedade onde vivem e convivem muitas culturas e etnias diferentes. Muitos são os imigrantes que aqui vivem, de diversas nacionalidades, e com um papel fundamental

Leia mais

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA Claudiane Lorini claudianelorini@hotmail.com Silvana Rodrigues da Silva madonalongati@hotmail.com Tânia Marli Peçanha de Brito taniam.brito@hotmail.com RESUMO: O ambiente

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ESTRATÉRIAS DE LEITURA RUMO AO LETRAMENTO

ESTRATÉRIAS DE LEITURA RUMO AO LETRAMENTO ESTRATÉRIAS DE LEITURA RUMO AO LETRAMENTO Marivete Souta (marivete.souta@gmail.com) Sirley De Jesus Oliveira Hey De Jesus Oliveira Hey (sirleyhey@yahoo.com.br) Sandra do Rocio Ferreira Leal RESUMO: Pesquisas

Leia mais

Festas de Outubro em Santa Catarina!!

Festas de Outubro em Santa Catarina!! ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS Festas de

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

Módulo 5 - Vida Profissional: Expetativas e Projetos (48 aulas)

Módulo 5 - Vida Profissional: Expetativas e Projetos (48 aulas) ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS 2014-2015 PLANIFICAÇÃO DE ALEMÃO - CURSOS PROFISSIONAIS Módulo 5 - Vida Profissional: Expetativas e Projetos (48 aulas) Competências Gerais/ Domínios de Referência Língua

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética Ibrantina Guedes Lopes Licenciada em Letras e Música. Pós-graduanda do Curso de Especialização em Cultura Pernambucana da FAFIRE Membro da Associação Brasileira

Leia mais

MUSICALIZAÇÃO DA UFPB: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL

MUSICALIZAÇÃO DA UFPB: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL MUSICALIZAÇÃO DA UFPB: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL Centro de Comunicações Turismo e Artes / PROBEX BEZERRA 1, Igor de Tarso Maracajá Resumo: O atual trabalho apresenta um estudo preliminar

Leia mais

Palavras-chave: bilinguismo; identidade cultural; cenário de imigração; língua italiana.

Palavras-chave: bilinguismo; identidade cultural; cenário de imigração; língua italiana. POSSO APRENDER SOBRE A CULTURA ITALIANA E GOSTO DE CONHECER MINHAS ORIGENS : A LÍNGUA ITALIANA EM CONTEXTO PLURILÍNGUE Deise Stolf Krieser (PPGE/FURB) deise.st@ibest.com.br Maristela Pereira Fritzen (PPGE/FURB)

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR

AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR Gisele Kava 1 Natália Raquel Niedermayer 2 RESUMO: O trabalho

Leia mais

A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless.

A aproximação intercultural entre os romances de formação Doidinho e Die Verwirrung des Zöglings Törless. Cristiane Maria Bindewald Universidade Federal do Paraná A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless. Este trabalho é resultado do nosso

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 02 Chamada da Rádio D

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 02 Chamada da Rádio D Capítulo 02 Chamada da Rádio D ainda não conseguiu descansar. Depois dos insetos importunos, é agora o barulho dos vizinhos que o incomoda. Uma chamada inesperada de Berlim faz com que ele parta precipitadamente.

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

Diversidade cultural. Projetos temáticos

Diversidade cultural. Projetos temáticos Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Educação infantil Publicado em 2012 Projetos temáticos Educação Infantil Data: / / Nível: Escola: Nome: Diversidade cultural Monkey Business Images/Shutterstock

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS NO CURSO DE ALEMÃO

PRIMEIROS PASSOS NO CURSO DE ALEMÃO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PROFESSORES DE ALEMÃO (PDPA) Curso de Aperfeiçoamento em Ensino de Alemão como Língua Estrangeira Alemão para uma escola em transformação: Brasil global 2015 Deutsch für

Leia mais

O IMAGINÁRIO DE ALUNOS (AS) DA REGIÃO SUL SOBRE A REGIÃO NORTE BRASILEIRA ATRAVÉS DA GEOGRAFIA ESCOLAR

O IMAGINÁRIO DE ALUNOS (AS) DA REGIÃO SUL SOBRE A REGIÃO NORTE BRASILEIRA ATRAVÉS DA GEOGRAFIA ESCOLAR O IMAGINÁRIO DE ALUNOS (AS) DA REGIÃO SUL SOBRE A REGIÃO NORTE BRASILEIRA ATRAVÉS DA GEOGRAFIA ESCOLAR Andressa Ramos Teixeira Edimara Gonçalves Soares Eduardo Schiavone Cardoso O Brasil é um país de grande

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é OS SURDOS : SUJEITOS DE UMA CULTURA PRÓPRIA NUM ESPAÇO MULTICULTURAL? Valéria Simplício 1 (Faculdade São Luís de França) RESUMO O presente trabalho procura fazer uma reflexão acerca da relação entre a

Leia mais

COSTUMES INDÍGENAS 7

COSTUMES INDÍGENAS 7 COSTUMES INDÍGENAS 7 Silva, Wanderlúcia Araújo. Aluna da Universidade Federal do Pará Curso de História Bacharelado/Licenciatura RESUMO - Este artigo implica na reflexão a cerca dos costumes indígenas,

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Aula 6.1 Conteúdo: Derivação: prefixal, sufixal, prefixal e sufixal, parassintética, regressiva. Composição: justaposição, aglutinação

Aula 6.1 Conteúdo: Derivação: prefixal, sufixal, prefixal e sufixal, parassintética, regressiva. Composição: justaposição, aglutinação 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 6.1 Conteúdo: Derivação: prefixal, sufixal, prefixal e sufixal, parassintética, regressiva. Composição: justaposição, aglutinação 3 CONTEÚDO

Leia mais

organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação

organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA EM MATO GROSSO: organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação Cancionila Janzkovski Cardoso UFMT (Coordenadora Geral do PNAIC/MT) Objetivo Apresentar

Leia mais

Disciplina:francês Aulas por semana: 4. 7.º anos

Disciplina:francês Aulas por semana: 4. 7.º anos Disciplina:francês Aulas por semana: 4 7.º anos Competências: competências comunicativas da receção e produção adequadas ao ano de escolaridade (Falar, Escrever, Ler, Ouvir) domínio das ferramentas linguísticas

Leia mais

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS.

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. AMES, Maria Madalena INTRODUÇÃO A educação é um direito previsto na Constituição, no entanto, até bem pouco tempo

Leia mais

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria Eduardo José Gomes No ano de 2004 nasceu entre mim e o valoroso Irmão Gilmar Fernandes da Silva, da Loja Mensageiros da Liberdade, a idéia da criação de um trabalho

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado.

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Projeto: Música na Escola O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Justificativa De acordo com as diretrizes curriculares, o som é a matériaprima da música;

Leia mais