INCLUSÃO A PARTIR DA PRÁTICA EQUOTERÁPICA: A EXPERIÊNCIA DO IFSEMG-CAMPUS BARBACENA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INCLUSÃO A PARTIR DA PRÁTICA EQUOTERÁPICA: A EXPERIÊNCIA DO IFSEMG-CAMPUS BARBACENA"

Transcrição

1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC SETEC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO VALÉRIA BERGAMINI LEITE INCLUSÃO A PARTIR DA PRÁTICA EQUOTERÁPICA: A EXPERIÊNCIA DO IFSEMG-CAMPUS BARBACENA Cuiabá - MT Outubro 2009

2 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INCLUSIVA VALÉRIA BERGAMINI LEITE INCLUSÃO A PARTIR DA PRÁTICA EQUOTERÁPICA: A EXPERIÊNCIA DO IFSEMG-CAMPUS BARBACENA Cuiabá - MT Outubro 2009

3 Ficha Catalográfica LEITE, Valéria Bergamini INCLUSÃO A PARTIR DA PRÁTICA EQUOTERÁPICA: A EXPERIENCIA DO IFSEMG-CAMPUS BARBACENA Cuiabá -MT, 2009 Total de folhas: 64 páginas BORGES, Eduardo Sales Machado Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso Campus Cuiabá Trabalho de Conclusão Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

4 VALÉRIA BERGAMINI LEITE INCLUSÃO A PARTIR DA PRÁTICA EQUOTERÁPICA: A EXPERIÊNCIA DO IFSEMG-CAMPUS BARBACENA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento de Pesquisa e Pós-Graduação do Curso de Especialização em Educação Tecnológica Inclusiva, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso Campus Cuiabá, como exigência para a obtenção do título de Especialista. Orientador(a): Prof. Dr. Eduardo Sales Machado Borges Cuiabá - MT Outubro 2009

5 VALÉRIA BERGAMINI LEITE INCLUSÃO A PARTIR DA PRÁTICA EQUOTERÁPICA: A EXPERIÊNCIA DO IFSEMG-CAMPUS BARBACENA Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva, submetido à Banca Examinadora, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Especialista. Aprovado em: Prof. Dr. Eduardo Sales Machado Borges (Orientador) Prof. Dr. Michel Cardoso de Angelis Pereira (Co-orientador e Membro da Banca) Prof. Jorge Luiz Baumgratz (Membro da Banca) Cuiabá - MT Outubro 2009

6 DEDICATÓRIA Dedico a Deus, aos meus familiares, em especial a minha mãe (in memorian), aos meus amigos, aos praticantes e a equipe do Centro Equoterápico do IFSEMG Campus Barbacena e, principalmente a todos que contribuíram para a conclusão deste trabalho.

7 AGRADECIMENTOS Ao orientador, Prof. Dr. Eduardo Sales Machado Borges e, ao coorientador, Prof. Dr. Michel Cardoso de Angelis Pereira, pela ajuda, dedicação e, sobretudo, pelo incentivo. À minha mãe Maria Luiza Grissi Bergamini (in memorian), que me ensinou que as pessoas simples são as mais importantes. Aos meus familiares e amigos pelo carinho e apoio. Ao Diretor do IFSEMG- Campus Barbacena, José Roberto Ribeiro Lima, que me incumbiu desta função. Ao Gestor do Programa TECNEP/MEC, Prof. Franclin da Costa Nascimento, que incentiva o processo de Inclusão no Brasil, promovendo investimentos e divulgando projetos como este. Aos praticantes de equoterapia e seus familiares, por toda alegria que nos tem proporcionado, contribuindo, a cada dia, para a consecução deste sonho. À equipe multidisciplinar, em especial, ao idealizador e coordenador do Projeto de Equoterapia o IFSEMG- Campus Barbacena, Professor Jorge Luiz Baumgratz, pela dedicação e profissionalismo. Ao progenitor da Equoterapia no Brasil, Coronel Lélio de Castro Cirilo, presidente da ANDE/BRASIL. Ao Professor Fábio Ferreira da Silva e aos estagiários do Núcleo de Informática Ronie Miranda Martins e Augusto Henrique Teixeira, que contribuíram imensamente para a apresentação e divulgação deste. Aos integrantes e voluntários que compõe o NAPNE. Aos professores da banca, pela disponibilidade e paciência. Aos coordenadores do Curso de Especialização, pela oportunidade. A todos que indiretamente contribuíram para a conclusão desta pesquisa.

8 É preciso que as escolas ensinem as crianças a tomar consciência dos seus sonhos! A segunda tarefa da educação é ensinar a conviver. A vida é convivência com uma fantástica variedade de seres, seres humanos, velhos, adultos, crianças, das mais variadas raças, das mais variadas culturas, das mais variadas línguas, animais, plantas, estrelas... Conviver é viver bem em meio a essa diversidade. E parte dessa diversidade são as pessoas portadoras de alguma deficiência ou diferença. Elas fazem parte do nosso mundo. Elas têm o direito de estar aqui. Elas têm direito à felicidade. (Rubem Alves)

9 RESUMO A nova concepção de políticas públicas direcionadas pelo Governo Federal, que enfatiza a inclusão de todos no contexto educacional, tem promovido meios que contribuem para este fim. No entanto, a quantidade de matrículas na Rede Regular de Ensino ainda é relativamente baixa. Assim, referendando a necessidade de implementar estratégias que revertam este quadro, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Campus Barbacena (IFSEMG- Campus Barbacena), com o apoio do MEC/SETEC/TECNEP, implantou o Núcleo de Equoterápia. Neste contexto esta pesquisa, tem o objetivo de analisar a Equoterapia como uma prática que fomenta a inclusão social de pessoas com necessidades especiais, considerando que este método educacional, em que se utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar, busca o desenvolvimento biológico, psicológico e social do praticante. Neste sentido, realiza-se uma discussão teórica sobre a vinculação entre a Equoterapia e o processo de socialização, com base nos dados coletados entre os praticantes. Assim, o presente trabalho referenda, inicialmente, a inclusão social, como referencial histórico ao contexto educacional inclusivo. Posteriormente, relata-se a experiência do IFSEMG- Campus Barbacena, no que diz respeito à extensão educacional refletida no Projeto de Equoterapia. Por fim, com base nos estudos realizados, a partir de levantamentos bibliográficos, acrescido dos dados coletados, menciona-se as considerações sobre a Equoterapia como uma prática que efetivamente contribui para o processo de inclusão em seu aspecto geral. Constitui, assim, de uma técnica extra-curricular coadjuvante, que colabora para o aperfeiçoamento do processo pedagógico inclusivo, oportunizando o acesso ao contexto social. Palavras-chaves: Equoterapia, inclusão, educação

10 ABSTRACT The new concept of public politics directed by the Federal Government emphasises the inclusion of all people in the educational context and it has promote means to this end. Notwithstanding the amount of enrolment in the Rede Regular de Ensino is still relatively very low. Thus, the Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Campus Barbacena (IFSEMG- Campus Barbacena) has strategies to improve this situation. This institute along with the MEC/SETEC/TECNEP implanted the Therapeutic Riding nucleus.in this context the research has the main goal of analyze the Therapeutic Riding as a practice that promote the social inclusion of handicaped people, regarding this method with horses in an wellrounded aspect,and it promotes the biological,psicological and social development of the handicaped people.the goal of this research is to talk about the link between the Therapeutic Riding and the process of socialization,regarding the data gather with the practicing people of this study.in this manner this work talks about the social inclusion regarding the historical referential to the context of educational inclusion.later, it recites the experience of IFSEMG- Campus Barbacena,regarding the educational extension pondered in this project.eventually in keep with the data and the bibliography there is a mention to the Therapeutic Riding as a practice that effectively contributes to the inclusion process as a whole.it is constitute of an extra curriculum tecnique that helps the improvement of inclusive pedagogic process and optimizing the access to the social context. Keywords: Therapeutic Riding /Equitherapy, inclusion, education

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Complexo Biopsicosocial: Áreas de Aplicação da Equoterapia Figura 2: Análise da evolução biopsicosocial dos praticantes de Equoterapia, como fator motivacional para a Inclusão Figura 3: Distribuição Biopsicosocial por área de Aplicação, provenientes da prática Equoterápica Figura 4: Percentual de evolução dos praticantes que apresentaram limitação, frente aos aspectos psicológicos, e iniciaram as atividades equoterápicas em Figura 5: Percentual de evolução dos praticantes que apresentaram limitação, frente aos aspectos psicológicos, e iniciaram as atividades equoterápicas em Figura 6: Percentual de evolução, dos praticantes, que apresentaram limitação, frente aos aspectos sociais, e iniciaram as atividades equoterápicas em Figura 7: Percentual de evoluçãodos praticantes que apresentaram limitação, frente aos aspectos sociais, e iniciaram as atividades equoterápicas em Figura 8: Percentual de evolução dos praticantes que apresentam limitação, frente aos aspectos pedagógicos, e iniciaram as atividades equoterápicas em Figura 9: Percentual de evolução dos praticantes que apresentam limitação, frente aos aspectos Pedagógicos, e iniciaram as atividades equoterápicas em Figura 10: Percentual de evolução dos praticantes que apresentam limitação, frente aos aspectos Fisioterápicos e iniciaram as atividades equoterápicas em Figura 11: Percentual de evolução dos praticantes que apresentam limitação,frente aos aspectos Fisioterápicos e iniciaram as atividades equoterápicas em

12 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Aplicações do Método Equoterápico por Área Tabela 2: Avaliação dos Aspectos Psicológicos dos praticantes de Equoterapia que ingressaram em Tabela 3: Avaliação dos aspectos Psicológicos dos praticantes de Equoterapia que ingressaram em Tabela 4: Avaliação do Aspecto Social dos praticantes de Equoterapia que ingressaram em Tabela 5: Avaliação do Aspecto Social dos praticantes de Equoterapia que ingressaram em Tabela 6: Avaliação do Aspecto Pedagógico dos praticantes de Equoterapia que ingressaram em Tabela 7: Avaliação do Aspecto Pedagógico dos praticantes de Equoterapia que ingressaram em Tabela 8: Avaliação do Aspecto Fisioterápico dos praticantes de Equoterapia que ingressaram em Tabela 9: Avaliação do Aspecto Fisioterápico dos praticantes de Equoterapia que ingressaram em

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO/OBJETIVO REFERENCIAIS TEÓRICOS Definições sobre Inclusão Fundamentação histórica da Inclusão População e demanda de pessoas com necessidades especiais nas escolas A Equoterapia como ferramenta para a Inclusão MATERIAL E MÉTODOS Instalações Físicas Atividade Equoterápica Coleta e análise de dados RESULTADOS E DISCUSSÃO Aspecto Psicológico Aspecto Social Aspecto Pedagógico Aspecto Fisioterápico Dimensão Psicopedagógica CONCLUSÃO RECOMENDAÇÕES BIBLIOGRAFIA APÊNDICE ANEXO... 58

14 14 1 INTRODUÇÃO/OBJETIVO O processo de inclusão social, ainda incipiente em âmbito mundial, dissemina a igualdade de direito a todas as pessoas, independente de raça, etnia e religião, visando propiciar a aquisição de melhor qualidade de vida ao cidadão. Neste sentido, inúmeros movimentos tem sido implementados almejando propagar a prática inclusiva. Sabe-se que, nesta esfera, a Rede Regular de Ensino é considerada um ambiente democrático, que visa, sobretudo, propiciar a promoção pessoal e o ingresso em atividades consideradas socialmente produtivas, promovendo, assim, a acessibilidade em seu aspecto global, nos mais diferentes meios. Assim, ao propor-se a viabilização de métodos que favoreçam a progressão no que tange à perspectiva da ascensão humana, com o intuito de oferecer condições que fomentem a inclusão social, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Campus Barbacena (IFSEMG - Campus Barbacena), ciente de sua responsabilidade e conivente com a tendência educacional centenária, como a primeira Escola Agrícola do País, investiu, com o apoio do MEC/SETEC/TECNEP, em um método multidisciplinar, denominado equoterapia. A adoção deste mecanismo pretende contribuir para promover o acesso e minimizar as dificuldades do aluno com necessidades especiais, à rede regular de ensino e, conseqüentemente, no mercado de trabalho, consolidando assim o compromisso de efetivamente cumprir a missão com a sociedade. Partindo-se do principio de que a Equoterapia é um viés norteador no processo de socialização, este projeto pretende, intrinsecamente, contribuir para a inclusão de pessoas com necessidades especiais, no contexto social. Nesta perspectiva, o presente trabalho objetiva analisar a atividade equoterápica desenvolvida no Núcleo de Equideocultura do IFSEMG - Campus Barbacena, como uma prática que fomenta a inclusão social de pessoas com necessidades especiais, principalmente no que tange à Rede Regular de Ensino.

15 15 2 REFERENCIAIS TEÓRICOS 2.1 Definições sobre Inclusão A denominação de inclusão social adquiriu conceituação evolucionista, onde a dimensão histórica da palavra está relacionada a um movimento internacional de conquistas, para alcançar um lugar em uma sociedade extremamente eivada de mitos, preconceitos e discriminações (AZEVEDO, s/d). À luz da atual legislação, quanto ao conceito de Inclusão, o Parecer do Conselho Nacional de Educação (CEB), número 17, regulamentado em 3 de julho de 2001, exprime bem: Entende-se por inclusão, a garantia a todos, do acesso contínuo ao espaço comum da vida em sociedade, sociedade essa que deve estar orientada por relações de acolhimento à diversidade humana, de aceitação das diferenças individuais, de esforço coletivo na equiparação de oportunidades de desenvolvimento, com qualidade, em todas as dimensões da vida (BRASIL, 2001, grifo nosso). Enfatiza-se, anteriormente, a palavra todos, considerando que o referido Parecer faz alusão ao Principio Constitucional da Igualdade, conforme prescreve o caput do Artigo 5º da Constituição Federal de 1988: "Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito a vida, a igualdade, a segurança e a propriedade" (BRASIL, 1988). Assim, a concepção de Inclusão referenda a todos os segmentos sociais, e não somente às pessoas com deficiência. Ou seja, não faz acepção de pessoas, considerando origens étnicas, sociais e/ou religiosas, dentre outras. Em outras palavras, segundo Gallie e Paugam (2002), inclusão é o processo que viabiliza o acesso às oportunidades e à participação plena na vida econômica, social e cultural, permitindo usufruir de um nível social considerado aceitável.

16 Fundamentação histórica da Inclusão A organização da sociedade humana é sinalizada por um processo contínuo de evolução, considerando fatores econômicos e, principalmente, sócioculturais. Nesta esfera, a Inclusão Social, se estruturou, simultaneamente, contra práticas de segregação, exclusão e diversidade. Baseado na perspectiva mencionada, a inclusão enuncia diversas correntes de pensamentos e idéias, sendo o hegemônico considerado como seu marco referencial. Progressivamente, de acordo com Mendes (2004) apud Santos (2009): Os movimentos sociais pelos direitos humanos se intensificaram e, basicamente, na década de 1960, conscientizaram e sensibilizaram a sociedade sobre os prejuízos da segregação e da marginalização de indivíduos de grupos com status minoritários. Desta forma, a sociedade inclusiva nasce do somatório de pequenas, porém inúmeras, práticas sociais de inclusão, em uma gigantesca rede que se expande em âmbito mundial, onde fatores culturais colaboram para o emergir de uma nova consciência social (PUC, 2001). A partir da referendada sensibilização, a sociedade evoca a dimensão estrutural desta prática como uma necessidade emergencial, numa tentativa de garantir a qualidade de vida a todos os cidadãos. Fundamentalmente, a Declaração Universal Dos Direitos Humanos, adotada e proclamada pela resolução 217A(III), da Assembléia Geral das Nações Unidas, em 10 de dezembro de 1948, em seu Artigo 2º rege: Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição (ONU, 1948). Em síntese, a Declaração determina que todos têm direito a vida, liberdade, educação, alimentação, saúde, habitação, propriedade, participação política e lazer.

17 17 Nesta perspectiva, a inclusão social trouxe um novo paradigma para a sociedade, capaz de impulsionar este processo crescente de conquistas dos direitos fundamentais por aqueles que sofreram alguma forma ou algum nível de exclusão, criando assim indivíduos e/ou comunidades vítimas de marginalização, alienação ou inacessibilidade aos bens comuns da sociedade (DIST, s/d). Desta forma, grupos vulneráveis, como pequenas etnias, pessoas com algum tipo de deficiência, pobres, analfabetos, idosos, comunidades rurais e indígenas, passaram a ser alvo de políticas públicas, numa tentativa de minimizar as drásticas conseqüências da exclusão. Para difundir estes movimentos em prol da inclusão, foram impulsionados, com a promulgação da Declaração de Salamanca (1994), resultante da Conferência Mundial sobre Necessidades Educacionais Especiais, que referenda escolas regulares como os meios mais eficazes de combater atitudes discriminatórias criando-se comunidades acolhedoras, construindo uma sociedade inclusiva e alcançando educação para todos. (UNESCO, 1994). Ações como esta emergiram na década de 90, a partir de um movimento denominado Inclusion International, compreendido como uma organização cujo regimento se fundamenta nos aspectos humanitários, baseado em valores comuns de respeito à diversidade humana, compreendendo o tripé: direito, solidariedade e inclusão. Complementando, como referenda o portal Educación inclusiva (2009), proveniente dos países da América Latina e Caribe, a educação inclusiva tem sido reconhecida internacionalmente como a melhor maneira de oferecer educação aos filhos de um país, e conseguir educação para todos, porém juntos. Alavanca-se, então, uma das dimensões do processo de inclusão social, que é o processo de Educação sob uma perspectiva Inclusiva. Neste contexto, conforme mencionado, sabe-se que a escola é uma das Instituições mais democráticas, onde se difunde meios para o individuo vincular-se à sociedade. Nesta esfera, Brito (2009) salienta que a escola regular, dentro de uma visão inclusiva, ainda incipiente no país, proporciona à pessoa especial o meio de desenvolver-se na diversidade: o princípio da inclusão passa então a ser defendido como uma proposta da aplicação prática ao campo da educação de um movimento mundial, denominado inclusão social, que implicaria a construção de um processo bilateral no qual as pessoas excluídas e a sociedade buscam, em parceria, efetivar a equiparação de oportunidades para todos (MENDES, 2006).

18 18 Em síntese o movimento mundial pela educação inclusiva é uma ação política, cultural, social e pedagógica, desencadeada em defesa do direito de todos os alunos de estarem juntos, aprendendo e participando, sem nenhum tipo de discriminação (MEC/SEESP, 2008). Nesta perspectiva, o Governo Brasileiro tem adotado programas para fomentar a inclusão social, a partir dos direitos básicos da população, como o acesso à alimentação, educação, saúde, habitação e cultura. Além disso, conforme o Ministério da Ciência e Tecnologia, tem incentivado e deliberado recursos para fomento e apoio à pesquisa, à inovação e à extensão tecnológica para o desenvolvimento social (MCT, s/d). No que diz respeito às pessoas com necessidades especiais, a Resolução CNE/CEB nº 2, de 11 de setembro de 2001, no artigo 2º, determina que: Os sistemas de ensino devem matricular todos os alunos, cabendo às escolas organizarem-se para o atendimento aos educandos com necessidades educacionais especiais, assegurando as condições necessárias para uma educação de qualidade para todos (MEC, 2001). No entanto, para se garantir a qualidade exigida, conforme rege a legislação vigente, é necessário adequar o contexto educacional, com o intuito de proporcionar o atendimento à diversidade humana, como reporta a Organização Internacional sobre Inclusão: Todas as crianças e jovens do mundo, com suas potencialidades e limitações, com suas esperanças e expectativas, tem direito a educação. Não são os sistemas educativos que tem direito a certo tipo de alunos. É por isso que o sistema educacional de um pais deve-se ajustar para satisfazer as necessidades de todos (LINDQVIST,1994, tradução nossa). Em conformidade com estas considerações, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9.394/96, no artigo 59, preconiza que os sistemas de ensino devem assegurar aos alunos currículo, métodos, recursos e organização específicos para atender às suas necessidades (MEC/SEESP, 2008). Neste sentido, o MEC/SEESP (2008) caracteriza a educação inclusiva como um paradigma educacional fundamentado na concepção de direitos humanos, que conjuga igualdade e diferença como valores indissociáveis. Especificamente, o Governo brasileiro tem promovido programas de inclusão social, no que diz respeito ao acesso à Modalidade de Ensino

19 19 profissionalizante, proporcionando, assim, a qualificação para o mercado de trabalho, baseando-se na seguinte prerrogativa: Jovens com necessidades educacionais especiais deveriam ser auxiliados no sentido de realizarem uma transição efetiva da escola para o trabalho. Escolas deveriam auxiliá-los a se tornarem economicamente ativos e provêlos com as habilidades necessárias ao cotidiano da vida, oferecendo treinamento em habilidades que correspondam às demandas sociais e de comunicação e às expectativas da vida adulta. Isto implica em tecnologias adequadas de treinamento, incluindo experiências diretas em situações da vida real (UNESCO, 1994). Nesta esfera, cabe mencionar o Programa Educação, Tecnologia e Profissionalização para Alunos com Necessidades Educacionais Especificas (TECNEP), fomentador do presente objeto de pesquisa, que, segundo sua denominação, consiste em: (Um) programa que visa à inserção das Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas nos cursos de formação inicial e continuada, de nível técnico e tecnológico nas Instituições Federais de Educação Tecnológica, em parceria com os sistemas estaduais e municipais, bem como o segmento comunitário (MEC, s/d). 2.3 População e demanda de pessoas com necessidades especiais nas escolas Entretanto, O Censo Escolar 2006 (MEC/INEP, 2007) relata que, de cada 100 matriculas na Modalidade de Ensino Profissionalizante nível básico, oferecido pela Rede Regular de Ensino, aquelas relacionadas a Pessoas com Necessidades Especiais não ultrapassa 1%, enquanto que, para o mesmo público, na Modalidade de Ensino Especial, este percentual é, portanto, superior a 99%. Mendes, E., (2006), em conformidade com o Censo Escolar 2006, reitera que a demanda pela Rede Regular de Ensino ainda é insuficiente: A grande maioria dos alunos com necessidades educacionais especiais encontra-se hoje fora de qualquer tipo de escola, o que configura muito mais uma exclusão generalizada da escola, a despeito da anterior retórica da integração e/ou da recente proposta de inclusão escolar (MENDES, 2006). Referendando a necessidade de implementar estratégias que revertam este quadro, no que tange principalmente à agregação da Rede Regular

20 20 de Ensino, o TECNEP deliberou recursos e implementou, nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFET s), o Núcleo de Atendimento a Portadores de Necessidades Especiais (NAPNE), cujo objetivo visa disseminar na instituição a cultura da "educação para a convivência", aceitação da diversidade, e principalmente, buscar a quebra às barreiras arquitetônica, educacionais e atitudinais (MEC, s/d). Considerando que ainda não há demanda de Pessoas com Necessidades Especiais (PNE) para os Cursos Profissionalizantes, como viés norteador à inclusão social, o NAPNE, contando com o apoio do TECNEP, tem investido em projetos de extensão como, Capacitação de Servidores, Natação Inclusiva, Basquete sobre Rodas, Inclusão Digital para os discentes do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) e a Equoterapia Os referidos projetos foram fundamentados nos princípios básicos do Método SIVUS (siglas de palavras suecas, que significam indivíduo social desenvolvido da cooperação mútua ), que prega o desenvolvimento de padrões de convivência por meio de estratégias graduais de inclusão das pessoas com deficiência, em espaços de uso geral, baseado em interesses comuns (WALUJO, 1993). 2.4 A Equoterapia como ferramenta para a Inclusão No que tange à prática inclusiva, a Equoterapia é considerada como um recurso que promove a socialização, o lazer e a interação, estimulando, assim, a inclusão no contexto escolar. Esta proposição está em conformidade com os objetivos da prática Equoterápica, definida pela Associação Nacional de Equoterapia (ANDE): Um método terapêutico e educacional que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar, nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiência e/ou com necessidades especiais. (ANDE, s/d) Ampliando este conceito, Franco (2003) apud Medeiros e Dias (2002) complementa que a Equoterapia é indicada para casos de dependência química, stress, bem como a todos que procuram novas oportunidades de

21 21 crescimento, melhoria na qualidade de vida e ainda um melhor equilíbrio, tanto físico como mental. A referida definição permite vislumbrar o alcance pedagógico que a prática proporciona, uma vez que esta ultrapassa os limites filosóficos para, então, suplementar uma desenvoltura interdisciplinar. Em outras palavras, explica Haddad et al (s/d) que, em âmbito educacional, o uso do cavalo admite diferentes gradações e metodologias, abrangendo desde a mais simples equitação, como esporte e entretenimento, até o trabalho de déficits nas habilidades sociais dos jovens com dificuldades escolares e em situação de risco. Neste sentido, a possibilidade de interagir com os cavalos permite aos praticantes se sentirem úteis e mais confiantes. A interação com o cavalo, incluindo os primeiros contatos, o ato de montar e o manuseio final, desenvolve novas formas de socialização, autoconfiança e auto-estima (ANDE, 1998). Nesta esfera, quando o praticante é capaz de conduzir o cavalo de forma autônoma, conforme explica Ramos (2007), o cavalo desafia o cavaleiro a ser seu líder, o que só é possível através de atitudes firmes e centradas na realidade, considerando que, obviamente, o cavalo não pode ser controlado somente através da imaginação. Sabe-se que estas condições são adquiridas graças à junção de fatores que a prática da Equoterapia permite. São eles o ambiente natural, a proposta pedagógica interdisciplinar e a interação entre equipe, familiares e, principalmente, com o cavalo. Intrinsecamente, pode-se experimentar no contexto equoterápico, a contribuição contínua do praticante, orientando a equipe, mesmo que indiretamente, para a condução do trabalho. Esta estratégia compõe a tendência pedagógica construtivista, uma vez que o discente atua como parceiro no processo de ensinoaprendizagem, redefinindo, assim, caminhos concretos a partir de suas peculiaridades. Sabe-se que são diversas as dificuldades enfrentadas pelas pessoas com Necessidades Especiais (PNE) e seus familiares, de se relacionarem socialmente, pois além das barreiras físicas (tais como rampas de acesso), as barreiras do preconceito (ditas atitudinais), dentre outros, dificultam sua integração em sociedade.

22 22 Assim, a metodologia empregada na prática equoterápica é significativa para a superação da dicotomia educação x saúde, pois desenvolve estratégias para uma proposta pedagógica que considera o sujeito na sua complexidade. Neste sentido, conforme o Centro de Equoterapia Canadense -ACEI (s/d), o método oferece, além da reabilitação, oportunidades de emprego e competências pragmáticas a respeito da vida para as pessoas com necessidades especiais. Em conformidade com este princípio e com as determinações da ANDE, definiu-se os objetivos da prática Equoterápica, considerando sua aplicação nas áreas da saúde, educação e sociedade: Proporcionar a pessoas com necessidades especiais o desenvolvimento de suas potencialidades, respeitando seus limites. Em âmbito sócio-educacional, reintegrar o praticante à sociedade, quando usuário de drogas e violência, contribuindo para construir os alicerces de cidadania. Incentivar a pesquisa, promovendo a divulgação de novas técnicas em ação interdisciplinar com diferentes profissões. Além destas finalidades, a intenção também é oportunizar uma transição amena da sociedade para a escola, vislumbrando o conseqüente ingresso no mercado de trabalho. Nesta esfera, é importante salientar que a Equoterapia reúne quatro diferentes modalidades estruturais, denominadas: Hipoterapia - Programa essencialmente da área de saúde, onde o praticante depende de um condutor. Educação/Reeducação - Programa que utiliza o cavalo como instrumento pedagógico, considerando que o praticante tem condições de conduzi-lo. Pré-esportivo - Programa que utiliza o cavalo como instrumento de inserção social, desenvolvendo atividades de hipismo.

23 23 Prática Esportiva Paraeqüestre Programa que fomenta competições paraeqüestres tais como nas paraolimpíadas.

24 24 3 MATERIAL E MÉTODOS 3.1 Instalações Físicas Investindo neste método, o IFSEMG - Campus Barbacena, implantou, nas dependências do Núcleo de Equideocultura, as instalações do projeto, compostas por uma unidade contendo recepção, sala de fisioterapia e reabilitação, sala destinada ao atendimento Psicológico e Coordenadoria, e, principalmente, por duas pistas destinadas ao volteio, sendo uma coberta e dotada com rampa de acesso e equipamentos lúdicos. O núcleo possui, ainda, dez cavalos, arreios especiais, equipamentos próprios à equitação e depósito de ração e feno. O ambiente supracitado localiza-se em uma área extremamente agradável, florida e esverdeada, onde, além do cavalo, conta-se com a presença de outros animais, tais como cachorros, coelhos, pássaros, entre outros, o que contribui, incontestavelmente, para a socialização do praticante, uma vez que contrasta com os tradicionais centros terapêuticos e hospitais. 3.2 Atividade Equoterápica Ainda incipiente no IFSEMG - Campus Barbacena, atualmente temse desenvolvido o Programa de Educação/Reeducação, com vistas a ampliá-lo para a área esportiva. De acordo com Gavarini (1995) apud Freire (1999), este programa favorece a integração social, pois estimula o contato com outros praticantes, com seus familiares, com a equipe e com o animal, aproximando-os da sociedade a qual fazem parte. Em caráter experimental, as atividades equoterápicas tiveram seu início, no IFSEMG - Campus Barbacena, em meados de novembro de 2008, sendo que as sessões ocorrem três vezes por semana, no período matutino, com duração de cinqüenta minutos, incluindo o tempo de aproximação, monta e encerramento. Cada aluno, denominado praticante, comparece às sessões após um intervalo de sete dias entre cada uma destas sessões. Para o desenvolvimento das atividades, foram firmadas parcerias com a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Barbacena (APAE

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado

Atendimento Educacional Especializado Atendimento Educacional Especializado Do preferencial ao necessário Meire Cavalcante Insira aqui o seu nome Deficiência... EXCLUSÃO NÃO HUMANIDADE SEGREGAÇÃO INTEGRAÇÃO INCLUSÃO Concepções... Segregação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE ESTUDOS E NORMAS PEDAGÓGICAS CENP SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO BPC NA ESCOLA AÇÃO DA

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR E O ATENDIMENTO A ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS

BIBLIOTECA ESCOLAR E O ATENDIMENTO A ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS BIBLIOTECA ESCOLAR E O ATENDIMENTO A ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS Ilane Coutinho Duarte Lima 1 Rosany Azeredo 2 RESUMO Objetivando ampliar as possibilidades de inclusão dos alunos deficientes visuais no

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais. Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais. Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013 O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS Secretaria Nacional de Promoção

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas REGULAMENTO DA POLÍTICA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CEFET-MG Aprovado pela Resolução CD-083/04, de 13/12/2004 Capítulo I Dos Princípios Art. 1º - A

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER Autores RESUMO LIMA 1, Matheus OCCHIUZZO 2, Anna Rosa Centro de Ciências da Saúde Departamento de Enfermagem Psiquiatria

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 13/09/2013-17:59:14 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL ANTUNES, Clarice Filipin de Castro (UNIOESTE) 1 ROSSETTO, Elisabeth (Orientadora/UNIOESTE)

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO AO DISCENTE

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO AO DISCENTE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO AO DISCENTE SÃO

Leia mais

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS Mônica Abranches 1 No Brasil, no final da década de 70, a reflexão e o debate sobre a Assistência Social reaparecem e surge

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade?

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Perguntaram à teóloga alemã Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Não explicaria, Daria uma bola para que ele jogasse... ESPORTE EDUCAÇÃO CULTURA QUALIFICAÇÃO PLACAR

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES.

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. TÍTULO: INSERÇÃO DO LÚDICO (BRINCAR) AO PROCESSO DA INCLUSÃO PRODUTIVA. INTRODUÇÃO Verifiquei a importância

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação: Professora e Pesquisadora da FSS/ graduação e pós-graduação

Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação: Professora e Pesquisadora da FSS/ graduação e pós-graduação PROJETO DE PESQUISA: Condições de Acesso das Pessoas com Deficiência às Universidades do RS Responsável: Profa Dra Idília Fernandes Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO A III Conferência Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência acontece em um momento histórico dos Movimentos Sociais, uma vez que atingiu o quarto ano de ratificação

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte. 3 Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro de Estado da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária de Educação Especial Marilene Ribeiro dos Santos

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais