MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Departamento de Promoção Comercial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Departamento de Promoção Comercial"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Departamento de Promoção Comercial Gustavo Mendonça Departamento de Promoção Comercial Outubro/2009

2 Sumário Missão; Estrutura organizacional; BrazilTradeNet.

3 Missão do Departamento de Promoção Comercial Promover o comércio exterior brasileiro, a atração de IDE e a internacionalização das empresas brasileiras com base na política externa

4 Público-alvo e ações do DPR Público-alvo: 1) Externo 2) Interno

5 Interno: empresas não-exportadoras Segundo o IPEA, há empresas no Brasil com potencial para exportar, mas que ainda não o fazem. Motivos: - Gargalos de infra-estrutura; - Carência de mecanismos de crédito; - Falta de informação.

6 Interno: empresas exportadoras O trabalho do DPR é orientado para atender empresas de diferentes perfis e necessidades.

7 Departamento de Promoção Comercial: estrutura DPR Departamento de Promoção Comercial DPG DIC DOC DFT Divisão de Programas de Promoção Comercial Divisão de Informação Comercial Divisão de Operações de Promoção Comercial Divisão de Feiras e Turismo SECOMs Setores de Promoção Comercial

8 Ministério das Relações Exteriores Divisão de Programas de Promoção Comercial (DPG) Atrair investimentos diretos estrangeiros e apoiar à internacionalização de empresas brasileiras; SIPRI: coordenar a rede de Pontos Focais; Divulgar as atividades e programas desenvolvidos pelo DPR; Coordenar aspectos técnicos da BrazilTradeNet; Cooperar com outros agentes para a promoção do comércio exterior.

9 SIPRI Sistema de Promoção de Investimentos e Transferência de Tecnologia para Empresas

10 Ministério das Relações Exteriores Divisão de Informação Comercial (DIC) Coletar e disseminar informações de comércio exterior; Atender a consultas e reclamações comerciais; Desenvolver atividades de inteligência comercial; Elaborar publicações e estudos sobre comércio exterior; Implementar programas, como PSCI e PPE-ONU.

11 Ministério das Relações Exteriores Divisão de Operações de Promoção Comercial (DOC) Promover eventos, como seminários e rodadas de negócios; Organizar missões empresariais ao exterior; Apoiar missões empresariais estrangeiras em visita ao Brasil; Controle das exportações de material de defesa (PNEMEM).

12 Missões Empresariais

13 Ministério das Relações Exteriores Divisão de Feiras e Turismo (DFT) Organizar e coordenar a participação brasileira em feiras, exposições e demais eventos promocionais no exterior; Elaborar o Calendário de Feiras e Exposições no Exterior e o Calendário Brasileiro de Feiras; Promover o turismo no Brasil junto em cooperação como outros agentes; Representar o Brasil junto a foros internacionais de turismo; Participar da elaboração de acordos de cooperação sobre turismo.

14 Apoio às Feiras no exterior

15 Ministério das Relações Exteriores Setores de Promoção Comercial (SECOMs) Oferecer apoio às empresas brasileiras no exterior; Produzir relatórios e estudos de inteligência comercial; Identificar parceiros e oportunidades de negócios; Pesquisar projetos, obras e concorrências públicas; Atrair investimentos; Organizar seminários e missões empresariais; Atender a consultas comerciais.

16 Secoms no mundo Nova York Washington Miami Los Angeles Toronto Cidade do México Panamá Caracas Bogotá Quito Lima La Paz Santiago Buenos Aires Montevidéu Assunção São Domingos Lisboa Madri Paris Londres Dublin Milão Atenas Bruxelas Haia Berna Berlim Viena Copenhague Oslo Estocolmo Helsinki Varsóvia Moscou Kiev Pretória Argel Âncara Tel Aviv Riade Teerã Nova Delhi Pequim Hong Kong Escrit. Com. em Taipé Tóquio Seul Kuala Lumpur Cingapura Bangkok Jacarta Dubai Sidney Xangai Cairo Barcelona

17 Secoms no mundo: 65 Secoms em 54 países Nova York Atlanta Washington Miami Houston Los Angeles São Francisco Toronto Cidade do México Panamá Caracas Bogotá Quito La Paz Lima Santiago Buenos Aires Montevidéu Assunção São Domingos Lisboa Madri Barcelona Paris Londres Dublin Milão Atenas Bruxelas Haia Berna Berlim Viena Cairo Copenhague Oslo Estocolmo Helsinki Varsóvia Moscou Kiev Pretória Luanda Hanoi Argel Âncara Tel Aviv Riade Nairobi Havana Teerã Nova Delhi Pequim Hong Kong Escrit. Com. em Taipé Tóquio Seul Kuala Lumpur Cingapura Bangkok Jacarta Abu Dhabi Sidney Xangai Chicago

18

19 BrazilTradeNet A BrazilTradeNet é o portal de promoção comercial do Ministério das Relações Exteriores, um serviço gratuito e de livre cadastramento. Rede ampla e completa de informações comerciais, criada para estimular as exportações brasileiras e atrair investimento direto estrangeiro para o País.

20 BrazilTradeNet dois acessos

21 BrazilTradeNet BrazilTradeNet Áreas temáticas: - Oportunidades de negócios; - Inteligência comercial; - Serviços; - Investimentos.

22 BrazilTradeNet - Oportunidades de negócios: - Pesquisas: - Empresas brasileiras - informações sobre empresas efetiva ou potencialmente exportadoras; - Empresas não-brasileiras - o maior banco de dados de empresas importadoras disponível no Brasil; - Potenciais importadores. - Ofertas de exportação e demandas de importação de/por produtos brasileiros; - BTN Showroom; - Obras e concorrências públicas internacionais.

23 Empresas brasileiras e não-brasileiras

24 BTNshowroom

25 BTNshowroom

26 BrazilTradeNet - Inteligência Comercial: - Pesquisas de mercado; - Informação sobre tratamento tarifário e não-tarifário; - Acesso a ferramentas de análise de mercado: a) Market Access Map; b) Product Map; c) Trade Map.

27 Pesquisa de mercado Pesquisas de mercado Estudos aprofundados sobre a comercialização de produtos brasileiros em mercados estrangeiros, considerando diversos fatores competitivos, como barreiras tarifárias e nãotarifárias, legislação comercial, canais de distribuição, concorrência de empresas locais e estrangeiras, logística de transportes, entre outros.

28 BrazilTradeNet - Serviços: - Pesquisas de feiras no Brasil e no exterior; - Permite a consulta da NCM; - Acesso a links diversos de comércio exterior; - Consulta a termos de comércio exterior; - Publicações.

29 Publicações

30 Resumo dos produtos e serviços

31

32 Ministério das Relações Exteriores Muito obrigado!

Apoio a fornecedores Palmela 14 de Abril de 2011

Apoio a fornecedores Palmela 14 de Abril de 2011 Apoio a fornecedores Palmela 14 de Abril de 2011 1.A aicep Portugal Global 2.Portfolio de Produtos e Serviços 3.Programa Qualificar para Exportar 4.Estudo de caso Agência de Desenvolvimento de Negócios

Leia mais

EXPANSÃO DAS OPERAÇÕES INTERNACIONAIS

EXPANSÃO DAS OPERAÇÕES INTERNACIONAIS EXPANSÃO DAS OPERAÇÕES INTERNACIONAIS A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos

Leia mais

Preço de imóveis no Brasil: presente, passado e futuro

Preço de imóveis no Brasil: presente, passado e futuro Preço de imóveis no Brasil: presente, passado e futuro Bruno Oliva boliva@fipe.org.br 18º CONAMI Florianópolis 01/10/2015 Estrutura 1 Evolução Recente dos Preços a Fundamentos Econômicos 2 Perspectivas

Leia mais

A APEX-BRASIL EIXOS DE ATUAÇÃO

A APEX-BRASIL EIXOS DE ATUAÇÃO A APEX-BRASIL A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos é um Serviço Social Autônomo vinculado ao Ministério das Relações Exteriores PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS

Leia mais

A presente apresentação contém informação reservada e preparada internamente pela AICEP Capital Global Sociedade de Capital de Risco, SA..

A presente apresentação contém informação reservada e preparada internamente pela AICEP Capital Global Sociedade de Capital de Risco, SA.. A presente apresentação contém informação reservada e preparada internamente pela AICEP Capital Global Sociedade de Capital de Risco, SA.. O conteúdo da presente apresentação destina-se unicamente a servir

Leia mais

Índice. 1. Entidades promotoras 2. Âmbito de atuação 3. Objetivo geral 4. Objetivos específicos 5. Planos de ação 6. Carácter transfronteiriço

Índice. 1. Entidades promotoras 2. Âmbito de atuação 3. Objetivo geral 4. Objetivos específicos 5. Planos de ação 6. Carácter transfronteiriço Índice 1. Entidades promotoras 2. Âmbito de atuação 3. Objetivo geral 4. Objetivos específicos 5. Planos de ação 6. Carácter transfronteiriço 2 Entidades promotoras Chefe de Fila: Instituto Galego de Promoção

Leia mais

A Apex-Brasil. Como funciona a Agência?

A Apex-Brasil. Como funciona a Agência? A Apex-Brasil Como funciona a Agência? Fundação e Missão A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) é um Serviço Social Autônomo que atua para: Promover os produtos e

Leia mais

Campanha salarial 2015/2016 BALANÇO GERAL DA GREVE 25/08/2016

Campanha salarial 2015/2016 BALANÇO GERAL DA GREVE 25/08/2016 Campanha salarial 2015/2016 BALANÇO GERAL DA GREVE 25/08/2016 BALANÇO GERAL DA GREVE Unidades na SERE DAC + Ouvidoria DPAG COF CAT SARQ SG CISET G SGASP (ex-sgap II) DP DIM BALANÇO GERAL DA GREVE Unidades

Leia mais

Top 30 Líderes Mundiais em Importações de Produtos Farmacêuticos (valores de 2014)

Top 30 Líderes Mundiais em Importações de Produtos Farmacêuticos (valores de 2014) Top 30 Líderes Mundiais em Importações de Produtos Farmacêuticos (valores de 2014) No ranking dos principais importadores de produtos farmacêuticos do mundo, o Brasil se manteve na 16ª posição em 2013

Leia mais

O Associativismo Desportivo em Portugal Fernando Tenreiro (Prof. Dr.)

O Associativismo Desportivo em Portugal Fernando Tenreiro (Prof. Dr.) O Associativismo Desportivo em Portugal Fernando Tenreiro (Prof. Dr.) Universidade Lusíada de Lisboa Seminário de Gestão do Desporto Câmara Municipal de Loulé 9 de Novembro de 2012 Dados do Desporto da

Leia mais

APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL

APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL BPM Congress Brasília, 27 de novembro de 2012. Carlos Padilla, CBPP, Assessor da Gerência de Negócios. PANORAMA DA APEX-BRASIL

Leia mais

Cidades de Oportunidades 7

Cidades de Oportunidades 7 Neste artigo: Apresentação p1 / Lições e desafios p2 / Resultados da pesquisa p4 / Desempenho das cidades p6 Aprendendo com as melhores p7 / A nossa realidade p8 / Contatos p11 Cidades de Oportunidades

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL Considerando: Que o NERGA é uma Pessoa Coletiva de Utilidade Pública que, tem como objetivo

Leia mais

Sonhar sozinho poder ser apenas um sonho; quando sonhamos juntos é mais fácil tornar uma realidade." Dom Helder

Sonhar sozinho poder ser apenas um sonho; quando sonhamos juntos é mais fácil tornar uma realidade. Dom Helder Turismo Rural e Natural Sonhar sozinho poder ser apenas um sonho; quando sonhamos juntos é mais fácil tornar uma realidade." Dom Helder O Associativismo como Indutor do Crescimento Empresarial Caso ACETER

Leia mais

Exportação de Farinhas e Gorduras de Origem Animal

Exportação de Farinhas e Gorduras de Origem Animal 14:58 Exportação de Farinhas e Gorduras de Origem Animal Projeto Programa Brasileiro para a Expansão das Exportações das Farinhas e gorduras de origem animal Objetivo Identificar a situação encontrada

Leia mais

Missão empresarial prospectiva a feiras internacionais

Missão empresarial prospectiva a feiras internacionais A agenda internacional da CNI tem por objetivo o desenvolvimento da cultura exportadora e a conquista de mercados empresas industriais; articulação público-privada para negociações internacionais, e cooperação

Leia mais

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO Castelo Branco 19 de Fevereiro de 2015 DO S AND DONT S DA INTERNACIONALIZAÇÃO DONT S Aventureiro Internacionalização para salvar a minha empresa Follow up 1 mês depois Mercados

Leia mais

ACADEMIA EMPRESARIAL

ACADEMIA EMPRESARIAL 1 As missões empresariais têm como principal objetivo auxiliar as empresas nos seus projetos de internacionalização. Organizadas por diversas associações, estas ações potenciam negócios entre empresas

Leia mais

AEDB Gestão de Negócios Internacionais

AEDB Gestão de Negócios Internacionais AEDB Gestão de Negócios Internacionais Tema: Marketing Internacional SUMÁRIO Marketing na Empresa Global Prof. Walfredo Ferreira o Estratégia de marketing global o Padronização e adaptação do programa

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO

VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO Viagens do Secretário-Geral Visita oficial à Espanha e participação no ciclo de conferências Iberoamérica: discursos claves, auspiciado pela

Leia mais

Pesquisa Perfil Importador PARAGUAI

Pesquisa Perfil Importador PARAGUAI Pesquisa Perfil Importador PARAGUAI 1 INTRODUÇÃO A pesquisa realizada pela Promoex para o Programa Think Plastic Brazil tem como objetivo adquirir substancial informação sobre importadores para os produtos

Leia mais

CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS

CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS Premissas Importantes Os eventos têm importância significativa na área do turismo, além de ser a atividade que mais crescem nesse segmento. Segundo Zanella (2003),

Leia mais

Projeto Setorial Integrado: Eletroeletrônicos Brasil

Projeto Setorial Integrado: Eletroeletrônicos Brasil Projeto Setorial Integrado: Eletroeletrônicos Brasil Parceria Apex / Sindvel O Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica SINDVEL foi constituído em

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo A Federação Espírita do Espírito Santo, fundada em 1921, é constituída pelo Conselho Estadual e

Leia mais

Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Brasilia, Novembro/2013 Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Alterações do padrão de mobilidade urbana no Brasil Milhões de viagens/ano

Leia mais

SEMINARIO - BACCF. 104 Crandon Blvd. #412 Key Biscayne, FL U.S.A. - P: F:

SEMINARIO - BACCF. 104 Crandon Blvd. #412 Key Biscayne, FL U.S.A. - P: F: SEMINARIO - BACCF Estratégias de Entrada Preparação o da Companhia e Adaptação o do Produto para Participar do Mercado Americano Apresentação: Paul Rocha Criação: HRM INTL INC. Marketing - Consultoria

Leia mais

MÓDULO VI. A União Europeia. e os Desafios do Século XXI. União Europeia. Fundo Social Europeu

MÓDULO VI. A União Europeia. e os Desafios do Século XXI. União Europeia. Fundo Social Europeu MÓDULO VI A e os Desafios do Século XXI O papel da no Mundo Ajuda ao Desenvolvimento PESC Processo de integração Manutenção da Paz Democracia uro Direitos Humanos Globalização Criminalidade Justiça Mercado

Leia mais

GRADE CURRICULAR CURRÍCULO PLENO SEMESTRALIZADO: 9 SEMESTRES (NOTURNO) Horas

GRADE CURRICULAR CURRÍCULO PLENO SEMESTRALIZADO: 9 SEMESTRES (NOTURNO) Horas GRADE CURRICULAR CURRÍCULO PLENO SEMESTRALIZADO: 9 SEMESTRES (NOTURNO) MÓDULO 1 67-102 Teoria Geral da Administração I 81-101 Língua Portuguesa 10-105 Matemática Básica 73.227 Sociologia 30 0 30 2 60.582

Leia mais

Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital

Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital 12º Encontro da Cadeia de Ferramentas, Moldes e Matrizes - MOLDES ABM Agosto de 2014 Importância do investimento na

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Tabela 1 Valor exportado do agronegócio brasileiro

1 INTRODUÇÃO. Tabela 1 Valor exportado do agronegócio brasileiro 1 INTRODUÇÃO O Brasil encontra-se num ambiente favorável de crescimento econômico nos últimos anos. A economia brasileira tem como principais forças o comércio, o setor industrial e o agronegócio. O agronegócio,

Leia mais

Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação. Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011

Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação. Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011 Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011 OBJETIVOS Consolidar o entendimento de que a internacionalização das empresas brasileiras,

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Prof. Braga de Macedo

GRUPO DE TRABALHO DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Prof. Braga de Macedo GRUPO DE TRABALHO DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Prof. Braga de Macedo ALGUMAS NOTAS SOBRE ARQUITECTURA INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ALGUNS ORGANISMOS DE APOIO ÀS EMPRESAS E À INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Convergência Regulatória Brasil Estados Unidos. Mauro Laviola Vice-Presidente da AEB

Convergência Regulatória Brasil Estados Unidos. Mauro Laviola Vice-Presidente da AEB Mauro Laviola Vice-Presidente da AEB Definições É uma forma de fazer com que requisitos regulatórios ou padrões privados de diferentes países convirjam e sejam considerados harmonizados, equivalentes ou

Leia mais

O QUE É UM CONVENTION & VISITORS BUREAU?

O QUE É UM CONVENTION & VISITORS BUREAU? O QUE É UM CONVENTION & VISITORS BUREAU? CONVENTION BUREAUX NO MUNDO CONVENTION BUREAUX NO MUNDO Os mais de 600 Convention Bureaux no mundo têm como objetivo principal a promoção da imagem da cidade ou

Leia mais

Workshop De+inição de produtos, serviços e comunicação

Workshop De+inição de produtos, serviços e comunicação Workshop De+inição de produtos, serviços e comunicação 07 março 2015 São Paulo, Brasil Cristiana Lobo Joanna Skrzypczak Agenda! Nossa Razão de Ser! Canvas Business Model I. Clientes II. Produtos e Ofertas

Leia mais

II ENCONTRO LUSO-BRASILEIRO DE DEGRADAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO

II ENCONTRO LUSO-BRASILEIRO DE DEGRADAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO II ENCONTRO LUSO-BRASILEIRO DE DEGRADAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO Lisboa LNEC 27 a 29 de setembro de 2016 GUIA PARA PATROCÍNIOS 1 de 5 INTRODUÇÃO O Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) vai organizar

Leia mais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais Comité Nacional de EITI Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais -2020 OBJETIVO GERAL De acordo com as Normas de EITI de 2016, requisito 2.5 referente a "Beneficial Ownership" (Beneficiários Reais),

Leia mais

2.5 Desenvolvimento de Mercados

2.5 Desenvolvimento de Mercados 2.5 Desenvolvimento de Mercados Por que Desenvolvimento de Mercados? O mercado influencia a competitividade das empresas. A dimensão do mercado doméstico gera escala, permite a existência de uma base industrial

Leia mais

JOUBERT FORTES FLORES FILHO

JOUBERT FORTES FLORES FILHO PAINEL 3 DESAFIOS DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS METROFERROVIÁRIOS EM GRANDES EVENTOS JOUBERT FORTES FLORES FILHO DIRETOR DE OPERAÇÕES METRÔ - SP DESAFIOS DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS METROFERROVIÁRIOS EM UM CENÁRIO

Leia mais

Convite & Programa Emirados Árabes Unidos Food Event by TFIB

Convite & Programa Emirados Árabes Unidos Food Event by TFIB Convite & Programa Emirados Árabes Unidos Food Event by TFIB Organizado por: www.tfibuae.com EAU CONVITE FOOD EVENT BY TFIB Este evento tem como objetivo dar a oportunidade a empresas portuguesas de apresentar

Leia mais

Manual Básico: As Contrapartidas do BGD

Manual Básico: As Contrapartidas do BGD Manual Básico: As Contrapartidas do BGD Sobre os Projetos Setoriais Os Projetos Setoriais fazem parte das ações da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) que visam

Leia mais

As PME s em Moçambique

As PME s em Moçambique MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Seminário Económico Moçambique Portugal As em Moçambique Por Claire Zimba Existimos para Auditório da Culturgest, 10:40Hrs 11:00Hrs, 17 de Julho de 2015, Lisboa - Portugal

Leia mais

O Encontro de gestão integrada de resíduos Da Geração ao Descarte acontece em 2016 e tem por objetivo levantar questões a respeito de todo o

O Encontro de gestão integrada de resíduos Da Geração ao Descarte acontece em 2016 e tem por objetivo levantar questões a respeito de todo o APRESENTAÇÃO O PROJETO O Encontro de gestão integrada de resíduos Da Geração ao Descarte acontece em 2016 e tem por objetivo levantar questões a respeito de todo o desenvolvimento da cadeia logística do

Leia mais

MELHOR HOTELARIA Maria João Martins Gestora de Projetos & Research

MELHOR HOTELARIA Maria João Martins Gestora de Projetos & Research MELHOR HOTELARIA 2020 Maria João Martins Gestora de Projetos & Research Évora 21 de março de 2016 AGENDA 1. Desempenho do Sector Turístico Nacional 2. Balanço 2015 3. Evolução da Oferta Hoteleira 4. Programa

Leia mais

GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL

GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL CAPITAL INTELECTUAL Valor agregado aos produtos da organização por meio de informação e conhecimento. Composto: Habilidades e conhecimentos das pessoas Tecnologia Processos

Leia mais

Uma grande oportunidade

Uma grande oportunidade OBJETIVOS Uma grande oportunidade Números da Indústria Esportiva Brasileira PIB Brasil X PIB Esporte Variação 2008-2012 Números da Indústria Esportiva Brasileira Esporte no PIB - 2010 Esporte no PIB 2016

Leia mais

APOIOS À INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA

APOIOS À INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA APOIOS À INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Viana do Castelo, 11

Leia mais

Blocos Econômicos e a Globalização, a Competitividade da Agroindústria no Brasil.

Blocos Econômicos e a Globalização, a Competitividade da Agroindústria no Brasil. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia Blocos Econômicos e a, a da Agroindústria no Brasil. Núria Rosa Gagliardi Quintana Engenheira

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude.

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA PROGRAMA EMPREENDE JOVEM Objetivos Para quem Iniciativas PLATAFORMA EMPREENDEJOVEM MOVE YOUR WAY @ PORTO

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Destinatários Todos Profissionais do CHL Elaboração Centro de Investigação do CHL Aprovação Conselho de Administração Assinatura (s) Responsável (eis) pela Aprovação

Leia mais

Principais atividades do Deconcic em 2015

Principais atividades do Deconcic em 2015 Principais atividades do Deconcic em 2015 18 de janeiro de 2016 Participações em reuniões de trabalho; Representações institucionais em eventos do setor; Encontros específicos para tratar do Sistema Integrado

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

O Seu Lar Aqui é mais novo e moderno portal do setor imobiliário, decoração e construção.

O Seu Lar Aqui é mais novo e moderno portal do setor imobiliário, decoração e construção. Mídia Kit 2012 O Seu Lar Aqui é mais novo e moderno portal do setor imobiliário, decoração e construção. Ele chega ao mercado com um conceito totalmente novo: proporcionar um conteúdo relevante, atualizado

Leia mais

Sergio Clemente. Vice-Presidente Executivo

Sergio Clemente. Vice-Presidente Executivo Sergio lemente Vice-Presidente Executivo 2 Agenda Visão Geral das Áreas de Atacado Proposta de Valor Desafios 2015 3 Visão geral das Áreas de Atacado Gestão de 1.300 grupos econômicos com faturamento acima

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER DE DISTRIBUIÇÃO / LOGÍSTICA / TRANSPORTES PLANO DE AÇÃO DO CLUSTER CONTATOS PARCEIROS

Leia mais

O papel da AICEP nas Feiras Internacionais. 20 de fevereiro de 2013

O papel da AICEP nas Feiras Internacionais. 20 de fevereiro de 2013 O papel da AICEP nas Feiras Internacionais 20 de fevereiro de 2013 Tópicos da apresentação 1. Feiras Internacionais no contexto da globalização 2. Papel da AICEP nas feiras internacionais 2.1 Organização

Leia mais

CURSO 2014 SP GOVERNANÇA CORPORATIVA PARA ACIONISTAS E HERDEIROS DE EMPRESA FAMILIAR

CURSO 2014 SP GOVERNANÇA CORPORATIVA PARA ACIONISTAS E HERDEIROS DE EMPRESA FAMILIAR Apoio: CURSO 2014 SP GOVERNANÇA CORPORATIVA PARA ACIONISTAS E HERDEIROS DE EMPRESA FAMILIAR Com a criação de mecanismos que permitem aos acionistas uma visão panorâmica sobre as empresas, as boas práticas

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

SSC570 Empreendedores em Informática. Plano de Negócios. Profa. Ellen Francine ICMC/USP

SSC570 Empreendedores em Informática. Plano de Negócios. Profa. Ellen Francine ICMC/USP SSC570 Empreendedores em Informática Plano de Negócios Profa. Ellen Francine ICMC/USP 1 Motivação Por que preparar um plano de negócios? 2 Processo Empreendedor Identificar e avaliar a oportunidade Desenvolver

Leia mais

REDE METROLÓGICA DE ALAGOAS

REDE METROLÓGICA DE ALAGOAS ASSEMBLÉIA DE CONSTITUIÇÃO 22 de Março de 2005 LANÇAMENTO DA RMAL 29 de Março de 2005 MISSÃO Promover a cultura e a credibilidade dos serviços metrológicos, de forma a estimular a competitividade dos setores

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 1,5%

EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 1,5% Informação à Imprensa 10 de Março de 2015 EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 1,5% apcor.pt Exportações de cortiça crescem 1,5% As exportações portuguesas de cortiça registaram, em 2014, um aumento de 1,5%

Leia mais

Seminário Gvcev Marcas Próprias: DO MERCADO LOCAL AO MERCADO GLOBAL. Exportação Marca Própria Ana Lúcia Franqueira

Seminário Gvcev Marcas Próprias: DO MERCADO LOCAL AO MERCADO GLOBAL. Exportação Marca Própria Ana Lúcia Franqueira Seminário Gvcev Marcas Próprias: DO MERCADO LOCAL AO MERCADO GLOBAL Exportação Marca Própria Ana Lúcia Franqueira Dez/2005 Apresentação 1. Objetivos da exportação MP; 2. Estratégias para exportação MP

Leia mais

A EM FOCO comemora 20 anos de atuação prestando serviços para CLIENTES CORPORATIVOS (INDÚSTRIA, COMÉRCIO, INFRAESTRUTURA, AGRICULTURA), ENTIDADES

A EM FOCO comemora 20 anos de atuação prestando serviços para CLIENTES CORPORATIVOS (INDÚSTRIA, COMÉRCIO, INFRAESTRUTURA, AGRICULTURA), ENTIDADES A EM FOCO comemora 20 anos de atuação prestando serviços para CLIENTES CORPORATIVOS (INDÚSTRIA, COMÉRCIO, INFRAESTRUTURA, AGRICULTURA), ENTIDADES GOVERNAMENTAIS E NÃO GOVERNAMENTAIS, PRODUTOS E DESTINOS

Leia mais

REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS. Artigo 1º. Missão

REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS. Artigo 1º. Missão REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS Artigo 1º Missão Os grupos de investigação têm como objetivo a promoção e desenvolvimento de atividades de investigação & desenvolvimento no âmbito das áreas científicas

Leia mais

REUNIÓN DEL COMITÉ TÉCNICO DE ALIDE PARA EL FINANCIAMIENTO DE LA MIPYME RURAL Y URBANA

REUNIÓN DEL COMITÉ TÉCNICO DE ALIDE PARA EL FINANCIAMIENTO DE LA MIPYME RURAL Y URBANA REUNIÓN DEL COMITÉ TÉCNICO DE ALIDE PARA EL FINANCIAMIENTO DE LA MIPYME RURAL Y URBANA ENCADENAMIENTO PRODUCTIVO Estrategia de Actuación para el sistema SEBRAE Paulo Alvim Gerente, Unidad de Acceso a Mercados

Leia mais

Unidade 3: Lição 5 Nota: Existem textos e slides a apoiar esta apresentação em:

Unidade 3: Lição 5 Nota: Existem textos e slides a apoiar esta apresentação em: Exemplo de problema PBL e exercício Unidade 3: Lição 5 Nota: Existem textos e slides a apoiar esta apresentação em: www.archimedes2014.eu Nesta lição vamos ver: Exemplo de problema PBL no local de trabalho.

Leia mais

ATA Carnet. Passaporte seguro para suas mercadorias

ATA Carnet. Passaporte seguro para suas mercadorias Passaporte seguro para suas mercadorias O que vamos abordar? CNI e Rede CIN Entendendo o ATA Carnet Benefícios e importância para o Brasil Como emitir o seu ATA Carnet CNI e Rede CIN Soluções para Internacionalização

Leia mais

PROJETO START EXPORT/PAIIPME. Florianópolis, 28/11/2008

PROJETO START EXPORT/PAIIPME. Florianópolis, 28/11/2008 PROJETO START EXPORT/PAIIPME Florianópolis, 28/11/2008 Estrutura da Apresentação ü Histórico ü Fundamentos ü Público-alvo ü Descrição do produto ü Etapas de desenvolvimento na empresa ü Principais benefícios

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL POLÓNIA VARSÓVIA

MISSÃO EMPRESARIAL POLÓNIA VARSÓVIA VARSÓVIA SEMINÁRIO LOGIN>PT & ENCONTROS EMPRESARIAIS 4 A 10 DE DEZEMBRO UM PROJECTO MISSÃO EMPRESARIAL DO SETOR TICE SUMÁRIO DA MISSÃO A QUEM SE DIRIGE ESTA MISSÃO? Esta Missão Empresarial é destinada

Leia mais

TTIP Impacto para Portugal

TTIP Impacto para Portugal TTIP Impacto para Portugal Seminário Estratégias de Internacionalização da Economia Portuguesa O que podemos esperar do Tratado Transatlântico (TTIP) Lisboa, 20 de maio de 2015 Sumário 1. IMPORTÂNCIA DO

Leia mais

proposta de serviços

proposta de serviços proposta de serviços comunicação marketing político mídia digital www.empirecomunicacao.com.br Apresentação A EMPIRE COMUNICAÇÃO nasceu da junção de parceiros, atuando no mercado de forma socialmente responsável,

Leia mais

Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009

Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009 Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das

Leia mais

PANAMÁ. Aprovações 232 1,000 Risco soberano Risco privado Desembolsos 6 84 Risco soberano 6 83 Risco privado 0 1

PANAMÁ. Aprovações 232 1,000 Risco soberano Risco privado Desembolsos 6 84 Risco soberano 6 83 Risco privado 0 1 PANAMÁ A CAF financia a análise da construção de um túnel no Canal do Panamá para o estudo aerodinâmico das estruturas sujeitas à interação de diversos fluídos. Com esta operação, promove-se a investigação

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK Fevereiro de 2016 Bruno Plattek bruno.plattek@bndes.gov.br Como apoiamos Tx. de Interm. Fin. Organização Interna Área

Leia mais

A gestão do ambiente sonoro para um desenvolvimento urbano sustentável os mapas de ruído J. L. Bento Coelho

A gestão do ambiente sonoro para um desenvolvimento urbano sustentável os mapas de ruído J. L. Bento Coelho A gestão do ambiente sonoro para Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa Lisboa, Portugal bcoelho@ist.utl.pt Desenvolvimento urbano sustentável? Porquê? (United Nations Population Division,

Leia mais

Como escrever um business plan

Como escrever um business plan Como escrever um business plan Prof. Fábio Campos O processo empreendedor Identificar e avaliar a oportunidade criação e abrangência da oportunidade valores percebidos e reais da oportunidade riscos e

Leia mais

Conceição Carvalho Diretora Adjunta

Conceição Carvalho Diretora Adjunta Conceição Carvalho Diretora Adjunta NERCAB - Associação Empresarial da Região de Castelo Branco QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? QUEM PODEMOS AJUDAR? A NOSSA MISSÃO Promover o desenvolvimento das atividades

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO

PROGRAMA DE DISCIPLINA INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CÂMPUS DE ARAGUAÍNA CURSO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA Avenida Paraguai esq. com a rua Uxiramas, S/N, Setor CIMBA 77.824-838 Araguaína/TO (63)

Leia mais

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Título do Projeto: A utilização de Trading Companies e Comerciais Exportadoras como mecanismo de exportação indireta por empresas de Tubarão-SC e Braço do

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020

SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020 SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020 Qualificação PME Esta candidatura consiste num plano de apoio financeiro a projetos que visam ações de qualificação de PME em domínios imateriais com o objetivo de

Leia mais

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços da Petrobras Plano Estratégico PETROBRAS Missão Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nos mercados nacional e internacional,

Leia mais

PRANA SIGNIFICA ENERGIA VITAL. FOCADOS NISSO, NOS EMPENHAMOS PARA SER A ENERGIA PROPULSORA DA SUA RELAÇÃO COM O COMÉRCIO INTERNACIONAL CONECTANDO

PRANA SIGNIFICA ENERGIA VITAL. FOCADOS NISSO, NOS EMPENHAMOS PARA SER A ENERGIA PROPULSORA DA SUA RELAÇÃO COM O COMÉRCIO INTERNACIONAL CONECTANDO PRANA SIGNIFICA ENERGIA VITAL. FOCADOS NISSO, NOS EMPENHAMOS PARA SER A ENERGIA PROPULSORA DA SUA RELAÇÃO COM O COMÉRCIO INTERNACIONAL CONECTANDO SEUS NEGÓCIOS COM O MUNDO. QUEM SOMOS SOMOS UMA EMPRESA

Leia mais

CASO DE APLICAÇÃO CAPÍTULO

CASO DE APLICAÇÃO CAPÍTULO Kaminski, Paulo Carlos; Vizioli, Renato; "Casos de aplicação", p. 39-44. In: In Kaminski, Paulo Carlos; Vizioli, Renato. Uso de Portais de Informação Pública na Prospecção de Oportunidades de Negócio e

Leia mais

R. Gen, Aristides Athayde Junior, Bigorrilho. Curitiba. Paraná Telefone:

R. Gen, Aristides Athayde Junior, Bigorrilho. Curitiba. Paraná Telefone: 1 1. INTRODUÇÃO A análise denominada Copa do Mundo da Tributação, Economia e Retorno à População é uma publicação extraordinária do IBPT Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação, que evidencia

Leia mais

AEDB Gestão de Negócios Internacionais

AEDB Gestão de Negócios Internacionais AEDB Gestão de Negócios Internacionais Tema: Marketing Internacional SUMÁRIO Marketing na Empresa Global Prof. Walfredo Ferreira o Estratégia de marketing global o Padronização e adaptação do programa

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

CAPÍTULO 5 A EXPORTAÇÃO

CAPÍTULO 5 A EXPORTAÇÃO CAPÍTULO 5 A EXPORTAÇÃO 5.1 PORQUÊ EXPORTAR? EXPORTAÇÃO: A FORMA MAIS COMUM DE INTERNACIONALIZAÇÃO PORQUÊ? FACTORES CONDUCENTES À EXPORTAÇÃO ASPECTOS INTERNOS Características do Produto/Serviço Características

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011

PLANO DE TRABALHO 2011 Unidade Temática do Turismo Apresentada pela cidade Porto Alegre 1) Introdução PLANO DE TRABALHO 2011 Fortalecer o turismo internacional é um trabalho prioritário que deve ser cada vez mais consolidado

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso n.º 206 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10/09/2015 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e

Leia mais

Lisboa acima de Madrid ou Nova Iorque no ranking da qualidade de vida

Lisboa acima de Madrid ou Nova Iorque no ranking da qualidade de vida Lisboa acima de Madrid ou Nova Iorque no ranking da qualidade de vida Apesar do aumento da volatilidade política e financeira na Europa, muitas das cidades deste continente oferecem o maior nível de qualidade

Leia mais

SUMÁRIO AULA. Empreendedorismo. Curso de Empreendedorismo USP Escola de Engenharia de Lorena. Aula 04 Planejamento Mercadológico

SUMÁRIO AULA. Empreendedorismo. Curso de Empreendedorismo USP Escola de Engenharia de Lorena. Aula 04 Planejamento Mercadológico Empreendedorismo Aula 04 Planejamento Mercadológico SUMÁRIO AULA Pesquisa e análise de mercado Estratégias e ações para atingir o mercado Análise Concorrência Como criar negócios de alto crescimento Habitats

Leia mais

Regeneração Urbana Um novo Impulso

Regeneração Urbana Um novo Impulso Regeneração Urbana Um novo Impulso O ENQUADRAMENTO Portugal tem 1,5 milhões de fogos que precisam de ser reabilitados dos quais 126 mil edifícios têm necessidade de intervenções urgentes e podem colocar

Leia mais

INTERNACIONALIZANDO EMPRESAS INOVADORAS

INTERNACIONALIZANDO EMPRESAS INOVADORAS INTERNACIONALIZANDO EMPRESAS INOVADORAS O RedEmprendia Landing é um programa de apoio à internacionalização para startups e profissionais do empreendedorismo, destinado a explorar conhecimento e novos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Anfavea vem internacionalizando. vez mais suas ações, com a participação em negociações bilaterais,

Anfavea vem internacionalizando. vez mais suas ações, com a participação em negociações bilaterais, Globalização "Por enquanto estamos discutindo questões tarifárias, mas achamos importante levar em conta também as barreiras não-tarifárias". 66 Indústria Automobilística Brasiliera - 50 anos Anfavea vem

Leia mais