UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE DIREITO CURSO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE DIREITO CURSO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE DIREITO CURSO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL 1º ANO SÃO PAULO 2014

2 2 Sumário 1. Ponto nº Ponto nº Ponto nº Ponto nº Ponto nº Ponto nº Ponto nº Ponto nº Ponto nº Ponto nº Ponto nº Ponto nº Ponto nº A N E X O S...32

3 3 PONTO nº 1 Adalberto Calógeras e Beatriz Calógeras, casados entre si, domiciliados em São Paulo, onde residem na Rua Y, nº 100, subdistrito do Jardim América, prometeram vender a Casemiro Dantas, casado com Deolinda Dantas, igualmente domiciliados em São Paulo, onde residem na Rua Z, nº 1, subdistrito do Tatuapé, mediante contrato particular, um imóvel consistente em uma casa localizada em São Paulo na Rua X, nº 99, subdistrito do Jardim Paulista, do qual são proprietários. O preço ajustado foi de R$ ,00 (cento e trinta mil reais) a ser pago da seguinte forma: R$ ,00 (trinta mil reais) como sinal e princípio de pagamento e o restante em 10 (dez) parcelas mensais, iguais e sucessivas, cada qual no valor de R$ ,00 (dez mil reais), vencendo-se a primeira trinta dias após a celebração do contrato e as demais no dia 10 dos meses subsequentes. Quando da concretização do negócio jurídico, a posse direta do imóvel foi transferida aos promitentes compradores. Ficou avençado que o não pagamento de qualquer das parcelas do preço em seu vencimento implicaria a incidência de multa moratória de 10% (dez por cento) bem como de juros moratórios de 1% (um por cento) ao mês sobre as parcelas devidas. Avençou-se, ainda, que em caso de não pagamento os promitentes compradores seriam constituídos em mora pelos meios regulares e previstos na legislação que rege a matéria e, se não a purgassem, perderiam, em favor dos promitentes vendedores, todas as quantias até então pagas por conta do preço, sem prejuízo das perdas e danos que viessem a ser apurados Os promitentes compradores deixaram de pagar a terceira parcela vencida, tendo sido constituídos em mora por meio de carta simples, cujo prazo expirou-se faz cinco dias. Questões: 1. Elaborar o instrumento procuratório a ser outorgado pelos promitentes vendedores em favor de seu advogado para agir na defesa de seus interesses. 2. Elaborar a medida premonitória destinada a constituir em mora os promitentes compradores. Questionário: 1. Que modalidade de contrato a hipótese acima configura? 2. Esse contrato tem natureza real ou pessoal?

4 4 3. Essa modalidade de contrato está prevista em alguma legislação extravagante ou no Código Civil brasileiro? 4. Qual o foro competente para a medida premonitória e para ação a ser proposta? Se os contratantes elegerem um foro para nele demandar será ele o competente? 5. Quem tem legitimidade ativa e passiva para figurar na medida premonitória e no processo? 6. A medida premonitória pode ser efetivada extrajudicialmente ou somente por via judicial? 7. Que pode ser exigido pelos promitentes vendedores mediante essa medida tendose em vista o que fora estipulado no contrato? 8. A manutenção da eficácia dessa medida fica sujeita à propositura da ação dentro de 30 dias? 9. Qual deve ser o valor da causa? 10. Que procedimento deve seguir o processo? 11. Podem os promitentes compradores emendar a mora? 12. Qual a natureza do pedido ou dos pedidos a serem deduzidos na inicial? 13. Quantas cópias da inicial devem acompanhá-la? Por que? Como se denominam essas cópias? 14. Os promitentes compradores podem ser citados por via postal ou somente por oficial de justiça? 15. Quais as provas pertinentes que devem ser indicadas na petição inicial?

5 5 PONTO nº 2 Maria Eduarda, brasileira, solteira, domiciliada em Sorocaba, na Rua A, nº 100, centro, dirigia seu automóvel pela Avenida Paulista, em São Paulo, quando uma viatura da Polícia Militar, então dirigida pelo soldado Gregório, lotado no Batalhão sediado em Campinas, na Rua B, nº 200, sem a sirene ou as luzes de advertência ligadas, em alta velocidade, abalroou o seu veículo, atirando-o contra um poste. O veículo de Maria Eduarda, que era novo, um Ford Fusion, adquirido há poucos dias pela importância de R$ ,00, ficou completamente destruído, sem a menor possibilidade de ser consertado. Maria Eduarda, que não tinha seguro, foi ferida no acidente e acabou tendo de realizar um implante dentário que custou R$ 2.000,00. Questão: Na qualidade de advogado de Maria Eduarda prepare a petição cabível na espécie. Questionário: 1. Quais as pretensões deferidas pelo ordenamento jurídico na situação vertente? A cumulação, se possível, será de que tipo? 2. Quem tem legitimidade ativa para essas pretensões? 3. Em face de quem deve ser proposta a ação? 4. Que rito deve seguir a ação? 5. Qual o foro e juízo competentes para conhecimento da causa? 6. Qual a causa de pedir? 7. Qual a natureza do provimento objetivado na ação? 8. Será possível, no caso, formular pedido genérico? 9. Que se entende por pedido certo e determinado?

6 6 10. Em que oportunidade as testemunhas devem ser arroladas, no caso? 11. Qual deve ser o valor da causa? 12. Quais os documentos que devem instruir a inicial? 13. A sentença penal absolutória por falta de provas inviabiliza o direito à pretensão de reparação civil?

7 7 PONTO nº 3 Leão Tostes, domiciliado em São Paulo, residente na Rua X, nº 100, subdistrito da Liberdade, moveu ação de indenização em face de Benedito Argelim, domiciliado em Santos, onde reside na Rua Y, nº 999. A ação foi distribuída perante o Juízo da 5ª Vara Cível do Foro Central da Comarca de São Paulo e indicou como causa remota a ação de Homero Argelim, filho impúbere de Benedito, que teria provocado, a pauladas, diversos estragos no veículo de Leão, que estava estacionado próximo à praia, em Santos. Questão: Na qualidade de advogado de Benedito, prepare a petição inicial da defesa processual apropriada. Questionário: 1. Que pode ser alegado por meio de exceção? 2. No caso da exceção de incompetência, que tipo de matéria pode ser objeto de discussão? Justifique a resposta e indique o(s) dispositivo(s) legal(is) aplicável(is). 3. Qual o prazo para apresentar a exceção e como é feita a sua contagem? Justifique a resposta. 4. Qual requerimento deve ser feito pelo excipiente? 5. Quais os efeitos que a interposição da exceção produz? 6. Que se pode entender da expressão Recebida a exceção, que consta do artigo 306 do Código de Processo Civil? 7. Como é autuada a exceção? 8. A partir de que momento a ação retomará seu curso?

8 8 9. No caso da exceção de incompetência e uma vez que ela tenha sido julgada, em que juízo e a partir de que momento do réu deverá apresentar a resposta? Justifique o raciocínio considerando tanto a hipótese de acolhimento como a de não provimento. 10. A exceção de incompetência pode ser oferecida no foro do domicílio do réu? Se afirmativa a resposta, como esse juízo deve proceder? 11. Como é feito o processamento da exceção? Explicar passo a passo, inclusive em função das várias modalidades. 12. Qual a consequência da não apresentação da exceção de incompetência no prazo legal?

9 9 PONTO nº 4 Abigail Flores, domiciliada em São Paulo, onde reside na Rua X, nº 100 subdistrito da Mooca, moveu ação de indenização em face de André Sentinela, domiciliado em Santos, onde reside na Rua Y, nº 1, alegando que este último, em 24 de dezembro do ano passado, colidiu com o veículo de seu filho Dante Flores, modelo gol, ano 2000, que se encontrava estacionado na Rua da Glória, na região central. A ação foi distribuída perante o juízo da 13ª Vara Cível do Foro Central da Comarca de São Paulo, tendo sido pedido o pagamento de indenização no valor de cem mil reais, mais danos morais de cinquenta mil reais por conta do fato de seu filho ter ficado sem poder dirigir o automóvel. André é vigilante e permaneceu trabalhando em seu emprego nos dias 23, 24 e 25 de dezembro, cumprindo seu turno. Além disso, não possui veículo e sequer é habilitado. Questão: Na qualidade de advogado de André prepare a petição cabível na espécie. Questionário: 1. Quais os tipos de resposta que o réu pode apresentar? Justifique a resposta, indicando não só o dispositivo legal, mas também explicitando o objetivo de cada uma delas. 2. Qual o prazo para apresentar a contestação? É ele único? Justifique a resposta em função dos vários tipos de ação e de procedimento, bem como da existência de vários réus na mesma ação ou da sua pessoa. 3. É possível o réu fazer pedido na contestação? 4. Que se entende da expressão simultaneamente que consta do artigo 299 do Código de Processo Civil? 5. Que é preliminar e que tipo de matéria se pode invocar sob essa rubrica? 6. Em que consiste o princípio do ônus da impugnação especificada? Este princípio tem aplicação geral e irrestrita? Justifique as respostas.

10 10 7. A contestação pode ser aditada depois de protocolizada? Justifique a resposta e indique o dispositivo legal aplicável. 8. Que ocorre se o réu não apresentar a contestação? 9. Sempre estarão presentes os efeitos da revelia? Justifique a resposta. 10. Qual o foro competente para a propositura de ação de reparação de danos decorrentes de acidente de trânsito? 11. Em que prazo prescreve este tipo de ação?

11 11 PONTO nº 5 Hércules Vitorino, domiciliado em São Paulo, onde reside na Rua Y, nº 100, subdistrito da Liberdade, deu em locação a Inácio Moleiro, um imóvel de natureza residencial localizado em São Paulo na Rua Z, nº 99, subdistrito da Penha. A avença foi ajustada por escrito pelo prazo de 30 (trinta) meses e o aluguel atual é de setecentos reais, devendo ser pago até o dia dez de cada mês subsequente ao vencido na residência do locador. Figura no contrato, na qualidade de fiador do locatário e devedor solidário com este, Maurício Torres, viúvo, domiciliado em Bauru, onde reside na Rua W, n 1. Estipulou-se no contrato que, em caso de mora do locatário responderia pela multa de 10% (dez por cento) sobre o débito pendente, bem como por juros igualmente de caráter moratório de 1% (um por cento) ao mês e, em caso de ajuizamento de qualquer ação, o contraente faltoso ficaria sujeito ao encargo da verba honorária de 20% (vinte por cento). Ajustou-se, ainda, que o contraente que viesse a dar causa à resolução do contrato, responderia por multa equivalente a três aluguéis do valor vigente à época da infração. O locatário deixou de efetuar o pagamento do aluguel e respectivos encargos pertinentes aos últimos dois meses. Questão: Na qualidade de advogado de Hércules prepare a petição cabível na espécie. Questionário: 1. Quais as locações abrangidas pela Lei nº 8.245/91? 2. Qual o foro competente para a propositura de ação de despejo? 3. Pode o locador não ser proprietário do bem locado? Exemplifique. 4. Que documentos devem instruir a inicial de ação de despejo por falta de pagamento? 5. Que rito deve seguir essa ação? 6. Pode haver cumulação de pedidos em ação de despejo por falta de pagamento?

12 12 7. O fiador pode figurar como parte nessa ação? 8. O contrato escrito de locação é titulo executivo extrajudicial? 9. É possível em ação de despejo por falta de pagamento pleitear a condenação do locatário na multa compensatória? 10. Qual a natureza do pedido formulado na ação de despejo por falta de pagamento? 11. Decretado o despejo como se cumpre a sentença? Que prazo de desocupação do imóvel pode ser determinado pelo juiz? 12. Havendo mais de um locador pode qualquer deles agir isoladamente em Juízo em face do locatário? 13. Quando cabe a denúncia imotivada da locação? 14. Que se entende por denúncia motivada da locação e quando tem cabimento? 15. A alienação da "res locata" rompe a locação? 16. Em que hipótese é assegurado ao locatário o direito de preferência? Como se exerce esse direito? 17. Pode o locatário exercer direito de retenção por benfeitorias? 18. Que infrações cometidas pelo locatário ensejam a propositura de ação de despejo? 19. Em que efeito é recebido o recurso interposto em ações derivadas da lei do inquilinato? No julgamento do recurso de apelação interposto contra a sentença proferida em ação de despejo há a figura do revisor? 20. Como se deve proceder para a execução provisória da sentença que decretar o despejo se o locatário interpuser o recurso cabível?

13 Quais as garantias locatícias previstas na lei do inquilinato? Podem ser cumuladas? 22. É possível a exigência de pagamento antecipado do aluguel? 23. Como se opera a sucessão na locação em casos de morte ou separação do locador e do locatário? 24. Pode a locação ser contratada verbalmente? Qual a desvantagem para o locador nessa circunstância? 25. É possível a antecipação de tutela nas ações de despejo? Explique.

14 14 PONTO nº 6 Cassandra Rojas, domiciliada em Sorocaba, onde reside na Rua X, n 100, propôs ação de indenização em face de Emídio Marques, domiciliado em Susano, onde reside na Rua Y, n 99. A ação, que foi distribuída à 1ª V ara Cível de Sorocaba, tem por objeto um acidente de veículos ocorrido em São Paulo. Emídio tem contrato de seguro celebrado, com a Companhia Real S/A, que tem sede em São Caetano do Sul, na Rua Z, n 1, o qual estava vigente na época do embate, com cobertura de danos causados a terceiros. O mandado de citação foi juntado aos autos faz três dias. Questão: Na qualidade de advogado de Emídio prepare a petição cabível na defesa de seu interesse, tomando-se em conta a possibilidade derrota na contenda e a permissão de convocação de terceiro. Questionário: 1. Quando tem cabimento a denunciação da lide? Em que hipótese ela é obrigatória sob pena de se perder o direito de regresso? 2. De acordo com a interpretação restritiva do inciso III do artigo 70 do Código de Processo Civil, quando cabe a denunciação da lide? Dar exemplo. 3. Na denunciação da lide opera-se a solidariedade entre denunciante e denunciado? 4. Qual o procedimento a ser seguido para se promover a denunciação da lide a terceiro? Que requerimento deve ser deduzido? 5. A denunciação da lide serve para corrigir legitimidade de parte? Quem pode promover a denunciação da lide? 6. Cabe denunciação da lide no processo de execução? 7. Em ação reivindicatória de coisa imóvel pode o evicto demandado promover a denunciação da lide diretamente ao antecessor do alienante?

15 15 8. Cabe a denunciação da lide em ação reivindicatória de bem imóvel promovida por compromissário-comprador em relação ao prominente-vendedor? 9. A quem já figura como réu pode ainda assim lhe ser promovida a denunciação da lide por outro litisconsorte passivo? Dar exemplo. 10. O advogado pode patrocinar, ao mesmo tempo, os interesses do denunciante e do denunciado? 11. É possível ao denunciado promover a denunciação da lide de uma quarta pessoa? E quanto a esta, poderá promover, igualmente, nova denunciação?

16 16 PONTO nº 7 Nair Belisário, domiciliado em Guarujá, onde reside na Rua X, nº 100, deu em locação a Clóvis Sardinha um imóvel de natureza residencial localizado em Cubatão na Rua Y, nº 99, mediante contrato escrito com o prazo de dois anos, cujo termo final ocorreu há trinta e um meses atrás. O aluguel que está em vigor é de um mil reais, correspondendo ao dobro do que é pago em imóveis existentes no mesmo bairro e com as mesmas dimensões e padrão. Nada obstante Clóvis tenha mantido contato com Nair para expor a situação e rever amigavelmente o valor do aluguel, tal intento restou infrutífero. Questão: Como advogado de Clóvis prepare a petição cabível na espécie. Questionário: 1. Quais modalidades de locação admitem a revisão judicial do aluguel? 2. Que rito deve seguir a ação revisional de aluguel? 3. Qual o foro competente para a propositura da ação? 4. Quais os requisitos da petição inicial dessa ação? 5. Que documentos devem instrui-la? 6. Cabe requerimento de medida liminar para fixação de aluguel provisório? Qual elemento deve ser fornecido ao juiz para tanto? 7. Da decisão que fixar o aluguel provisório cabe algum recurso? A partir de que momento começa a fluir o prazo? Referido prazo pode sofrer interferência por conta de algum ato judicial do réu? 8. A partir de quando passará a vigorar o aluguel fixado na sentença? 9. Em que oportunidade o locatário deve apresentar sua resposta? Que deve conter, obrigatoriamente, a contestação no que tange ao valor do aluguel?

17 A cobrança das diferenças de aluguel exige a instauração de novo processo ou pode ser feita nos mesmos autos? Deve-se proceder à liquidação da sentença? 11. É possível a execução provisória da sentença em tendo o locatário interposto recurso de apelação? 12. O fiador responderá pelo novo aluguel fixado na sentença? 13. Qual deve ser o valor da causa? 14. Qual a natureza da sentença proferida na ação revisional de aluguel? 15. Pode a ação revisional de aluguel ser proposta no Juizado Especial Cível? 16. A decisão que arbitra o valor do aluguel provisório deve ser fundamentada? Qual a conseqüência da falta de fundamentação? 17. O inquilino é obrigado a pagar os aluguéis no valor fixado provisoriamente? Pode pagar somente o valor primitivo? Caso o locador se recuse a receber o aluguel no valor fixado provisoriamente, que deve fazer o locatário? 18. Quais são os métodos periciais utilizados para avaliação do valor locativo? 19. Podem tramitar simultaneamente ação de despejo e ação revisional de aluguel? 20. É valida cláusula contratual que estipule período distinto do legal para autorizar a revisão do aluguel?

18 18 PONTO nº 8 Tarciso Menezes, domiciliado em São Paulo, onde reside na rua X, nº 100, subdistrito do Jabaquara, deu em locação, mediante contrato escrito a Mauro Lopes, domiciliado em Mauá, onde reside na Rua Y, nº 1, um imóvel de natureza não residencial localizado em Barueri na Rua Z, nº 99. Constou do contrato que Mauro constituiria uma pessoa jurídica tendo por objeto a prestação de serviços de mecânica, a se instalar no imóvel locado. Incumbia a Mauro comunicar a Tarciso a constituição da empresa, após o que se operaria a cessão de posição contratual consequente. A avença foi ajustada pelo prazo de 60 meses. Dentre as diversas obrigações do locatário constava a de contratar, anualmente, seguro contra incêndio do prédio locado. Como fiadores do locatário e devedores solidários com este, compareceram à avença locatícia Ranulfo e sua mulher Isaura, ficando ajustado que suas obrigações perdurariam na ocorrência da mencionada cessão de posição contratual e até a restituição da res locata ao locador. Mauro constituiu juntamente com Dario Pessoa a empresa Oficina Mecânica Bom Reparo Limitada, disso dando ciência a Tarciso, passando os respectivos recibos de pagamento de aluguel a serem emitidos em nome da aludida sociedade. No decorrer do penúltimo semestre do contrato a Bom Reparo não logrou obter a renovação amigável do contrato apesar de cumpridas todas as obrigações que lhe tocavam. O aluguel que vem pagando é de R$ 2.200,00, com reajuste anual de acordo com a variação do IGP apurado pela FIPE, ao passo que o valor atual de mercado é R$ 2.600,00. Questão: Na qualidade de advogado da sociedade Bom Reparo prepare a petição cabível na espécie. Questionário: 1. Quais os pressupostos que devem estar atendidos para que o locatário tenha direito à renovação do contrato de locação? 2. O locador pode exigir "luvas" para renovar o contrato? 3. Até quando deve ser proposta a ação renovatória de locação? Esse prazo é decadencial ou prescricional? Como se evita sua ocorrência?

19 19 4. Quais os documentos que devem, necessariamente, instruir a inicial? 5. Quais os requisitos da petição inicial na hipótese? 6. Qual a natureza do pedido? 7. Qual valor deve ser atribuído à causa? 8. O sócio da pessoa jurídica em nome do qual foi celebrado o contrato tem legitimidade para propor a ação? E se houver sublocatário consentido, tem este legitimidade para tanto? 9. Havendo mais de um locador a ação deve ser proposta em face de todos? 10. Qual o foro e o juízo competentes para a propositura da ação? 11. Que significa a expressão acessio temporis? 12. Que tipo de atividade é necessário o locatário exercer no imóvel para a admissibilidade do pedido renovatório? 13. Qual o prazo máximo de renovação compulsória do contrato de locação? 14. Não decretada a renovação do contrato de locação deve ser decretado ipso facto o despejo? 15. Em sua contestação o locador pode se limitar apenas à impugnação do valor do aluguel ofertado pelo locatário? 16. Como se distribui o ônus da sucumbência em ação renovatória de locação? 17. Em sua contestação o locador pode formular pedido?

20 Quais as defesas processuais e de mérito que podem ser deduzidas em contestação pelo locador?

21 21 PONTO nº 9 Norberto e Joventino, casados, domiciliados, o primeiro em Avaré, onde reside na Rua X, n 100, e o segundo em Bauru, onde reside na Rua Z, n 1, são proprietários do Sítio Pedra Roxa, localizado em Campinas, o qual foi locado a Desidério Leite, domiciliado em São Paulo, onde reside na Rua Y, n 99, no subdi strito do Jardim Paulista, que realiza, periodicamente, atividades equestres com seus amigos. Entendendo que mencionadas atividades são incompatíveis com a imagem da propriedade, Norberto e Joventino, aproveitando-se do retorno de Desidério à sua residência para trabalhar, ingressaram no imóvel durante a semana e fizeram a troca das fechaduras, promovendo a contratação de Cássio Barros para cuidar da propriedade na qualidade de caseiro. Retornando do trabalho no final de semana seguinte, em companhia de vários amigos, Desidério é impedido de ingressar no sítio, recebendo das mãos de Cássio a via original do contrato de locação devidamente rasgado por Norberto e Joventino. Questão: Na qualidade de advogado de Desidério prepare a petição cabível na espécie. Questionário: 1. Quando a ação possessória deve seguir o procedimento preconizado nos artigos 920 e seguintes do Código de Processo Civil? 2. Cabe reconvenção em ação possessória? Justificar a resposta. 3. Em que difere a ação possessória da ação petitória? 4. Pode o possuidor indireto valer-se de ação possessória, inclusive em face do possuidor indireto? Dar exemplo? 5. Qual o foro competente para a propositura da ação possessória? 6. Qual a natureza da sentença proferida em ação possessória? 7. Qual o foro competente para a propositura de ação de reintegração de posse, cujo objeto seja um bem móvel?

22 22 8. Qual a natureza dessa competência? E no caso de bem imóvel 9. Como deve ser arguida a incompetência em ação possessória? 10. Que valor deve ser atribuído à causa nas ações possessórias? 11. Qual o prazo para contestar na ação de reintegração de posse? 12. Se o réu pretender impugnar o valor dado à causa, como deverá fazê-lo? 13. Como se conta o prazo de ano e dia, a fim de se estabelecer se a ação é de força nova? 14. Qual a natureza jurídica da liminar concedida em sede de reintegração de posse? 15. Sendo o réu citado para comparecer à audiência de justificação, poderá arrolar testemunhas? Poderá contraditar as testemunhas do autor e reinquiri-las? 16. Qual o recurso cabível contra a decisão que concede ou nega liminar em ação de reintegração de posse? Justificar a resposta. 17. Esse recurso pode ser recebido no efeito suspensivo? Pode ser concedida antecipação de tutela nesse recurso?

23 23 PONTO nº 10 Sofia e Walter Pirillo, domiciliados em Piracicaba, onde residem na Rua X, nº 100, tomam conhecimento que Jair Lourenço e Rosa Lourenço ocupam um imóvel consistente em um prédio e seu respectivo terreno que lhes pertence, localizado em São Paulo na Rua Z, nº 1, subdistrito da Mooca. Sofia e Walter adquiriram o bem de Epitácio e Lourdes mediante escritura pública devidamente registrada. Em consequência do ato praticado por Jair e Rosa, Sofia propõe ação reivindicatória pelo procedimento ordinário em face de Jair, instruindo a inicial com cópia da escritura pública de venda e compra atinente à aquisição do mencionado bem. Aduz na peça incoativa que Jair ocupa injustamente a coisa em testilha da qual se intitula proprietária, descrevendo-a, e termina formulando pedido objetivando a condenação de Jair na restituição do questionado bem, cumulando esse pedido com o de indenização por perdas e danos consistentes nos frutos civis que a coisa poderia lhe ter proporcionado durante o tempo de ocupação injusta por Jair. Dá à causa para "efeitos meramente fiscais" o valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) que é inferior ao do valor venal atribuído pela Municipalidade e protesta pela produção de todas as provas em direito admitidas. Requer, ainda, a concessão antecipação de tutela. Jair foi citado por via postal, tendo o respectivo aviso de recebimento sido juntado aos autos há dez dias. A inicial foi distribuída à 25ª Vara Cível do Foro Central da Comarca de São Paulo. Jair e Rosa residem no questionado bem desde os idos de 1975, tendo nele edificado uma construção modesta que lhes serve de moradia. Questão: Na qualidade de advogado de Jair e Rosa prepare a petição cabível na espécie. Questionário: 1. Quais os requisitos da inicial da ação reivindicatória? 2. Que documentos devem, obrigatoriamente, instrui-la? 3. Qual o foro competente para o ajuizamento de ação reivindicatória tendo por objeto bem imóvel? 4. Qual deve ser o valor da causa na espécie?

24 24 5. Como deve ser formulado o pedido na ação reivindicatória? Qual sua natureza? Qual a causa de pedir? 6. Qual o meio adequado para dar cumprimento à sentença de procedência em ação reivindicatória de bem imóvel e de bem móvel? 7. O demandado pode se defender por ocasião do cumprimento da sentença? Por que meio? 8. Quais as defesas processuais e de mérito cabíveis na hipótese vertente? 9. O demandado em ação reivindicatória necessita propor ação reconvencional para se ressarcir de acessões introduzidas na coisa? 10. Qual a natureza jurídica da ação reivindicatória? 11. Na ação reivindicatória, pode ser arguido usucapião como matéria de defesa? 12. Qual rito processual deve seguir a ação reivindicatória? 13. Quem tem legitimidade ativa para a propositura de ação reivindicatória? 14. Pode o herdeiro necessário, fundado em Formal de Partilha não registrado, deduzir pretensão reivindicatória? 15. Se o autor não instruir a petição com o título de domínio, que deverá fazer o juiz? 16. Em face de quem deve ser dirigida a pretensão reivindicatória? 17. Que é posse injusta para o fim de ajuizamento da ação reivindicatória? 18. A posse de má-fé é sempre injusta? 19. Pode o possuidor de boa-fé estar exercendo posse injusta?

25 Qual o meio processual adequado para que o réu pleiteie a declaração de nulidade do título de domínio apresentado pelo autor? 21. Se autor e réu apresentarem títulos de domínio emanados da mesma pessoa, a quem deverá ser deferida a tutela reivindicatória? 22. O contrato de locação firmado entre o possuidor e terceiro não proprietário afasta a injustiça da posse? 23. Julgando procedente o pedido reivindicatório, como o juiz deverá arbitrar os honorários advocatícios? E no caso de improcedência? 24. Quais os pressupostos para o exercício do direito de retenção? 25. O possuidor de má-fé pode exercer o direito de retenção? 26. Quais os requisitos da petição inicial dos embargos de retenção por benfeitorias? 27. É licito ao autor cumular pretensão reivindicatória com perdas e danos? Na espécie, como é classificada essa cumulação de pedidos? Por quê?

26 26 PONTO nº 11 Epaminondas Freitas, advogado, domiciliado em São Paulo, onde tem escritório na Rua X, nº 100, subdistrito da Liberdade, determinou ao seu estagiário, Roberto Caldas, domiciliado em São Paulo, onde reside na Rua Y, n 1, subdistrito de Vila Prudente, que figura no instrumento de mandato outorgado por Afrânio Pelotas, que comparecesse ao Cartório da 5ª Vara Cível do Foro Regional de Santo Amaro para retirar uma guia de levantamento, correspondente à indenização a que fora condenada a parte contrária. Lá chegando, o escrivão Rogério Leme impediu a retirada sob o argumento de que o estagiário não pode, por força de lei, praticar tal ato. Insatisfeito com a explicação dada, Roberto retornou ao escritório e relatou o fato ao advogado Epaminondas. Questão: Na qualidade de advogado de Roberto prepare a petição cabível na espécie. Questionário: 1. Qual a natureza processual do mandado de segurança? 2. Quem são os sujeitos ativo e passivo da ação? Há previsão de legitimação extraordinária? Explique. É possível o ingresso de litisconsorte ativo após o despacho da petição inicial? 3. Quando tem cabimento a impetração de mandado de segurança? 4. Em que prazo a impetração deve ser exercida? Qual a sua forma? É necessário pedir prioridade no processamento da ação de mandado de segurança? 5. O mandado de segurança é sucedâneo de recurso? Explique. 6. Em se cuidando de mandado de segurança contra ato de juiz praticado no processo, quem deve figurar necessariamente no pólo passivo? 7. É possível conceder liminar em mandado de segurança em qualquer hipótese? O autor da ação está obrigado a prestar caução? A liminar pode caducar? Poderá

27 27 ser cassada ou suspensa? Qual o recurso que desafia a decisão que conceder ou denegar a liminar? 8. Há fase probatória na ação de mandado de segurança? 9. O não acolhimento da pretensão mandamental constitui-se impedimento ao debate do tema em ação de conhecimento? Explique. 10. Qual o alcance da coisa julgada relativamente à sentença proferida em ação de mandado de segurança? 11. O duplo grau obrigatório aplica-se ao mandado de segurança? Há restrições recursais em tema de mandado de segurança? 12. Como se distribui o ônus da sucumbência em mandado de segurança? Obs: Justificar as respostas e indicar, quando for o caso, o dispositivo legal aplicável.

28 28 PONTO nº 12 Gilberto Moreira, domiciliado em São Vicente, onde reside na Rua X, n 100, celebrou, em 23/08/2008, um contrato de abertura de crédito em conta corrente com o Banco da Grande Esperança S/A, mediante o qual este último se obrigou a disponibilizar na conta corrente de Gilberto a quantia de R$ ,00. O banco não informou previamente acerca do conteúdo do contrato, limitando-se a lhe apresentar o instrumento contratual para assinatura. As cláusulas e condições gerais desse contrato foram previamente elaboradas pelo banco, sendo redigidas em letras minúsculas e sem nenhuma forma de destaque. A cláusula 16 dispõe que a não restituição do crédito no prazo de trinta dias contados de sua efetiva utilização, caracterizará, de pleno direito, o inadimplemento absoluto do contrato, ensejando a incidência de multa no valor de 20% sobre o saldo devedor, mais juros capitalizados compostos de 36% (trinta e seis por cento) ao mês ou fração. Por outro lado, a cláusula 22 preceitua que as partes declaram, para todos os fins e efeitos de direito, que tomaram conhecimento prévio de todas as cláusulas e condições do contrato, com elas concordando plenamente. Ao ler o contrato com atenção, Gilberto julgou ser abusiva a referida cláusula 16, haja vista que o valor da multa seria superior ao teto legal e, no seu entender, o ordenamento jurídico brasileiro, veda a prática de anatocismo, ou seja, a cobrança de juros sobre juros. Questão: Na qualidade de advogado de Gilberto prepare a petição cabível na espécie. Questionário: 1. Segundo a legislação consumerista, quem pode ser classificado como consumidor e fornecedor? 2. Que relações jurídicas são regradas pelo Código de Defesa do Consumidor? 3. Os contratos bancários são regidos pelo Código de Defesa do Consumidor? 4. Que se entende por cláusulas contratuais gerais ou condições gerais dos contratos? 5. Que se entende por contrato de adesão?

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira - São Paulo, Brasil - 13 de agosto de 2010 MULTA CONTRATUAL Lei nº. 8.245/91 O locatário poderia devolver

Leia mais

ÍNDICE. Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS...

ÍNDICE. Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS... ÍNDICE Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS... XXI XXV I PARTE II CO M EN TÁ RIO S À L E I N. 8.245, DE 18 DE OUTUBRO

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.245, de 18 de outubro de 1991, que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e os procedimentos pertinentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei introduz alteração na Lei

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO...., brasileiro, casado, médico, portador da Cédula de Identidade RG nº... - SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob nº... com

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Condomínio Ação de Anulação de Assembleia Geral- Ação Ordinária Petição Inicial...16

APRESENTAÇÃO... 13. Condomínio Ação de Anulação de Assembleia Geral- Ação Ordinária Petição Inicial...16 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO................ 13 PETIÇÕES EM MATÉRIA IMOBllIÁRIA...15 Condomínio Ação de Anulação de Assembleia Geral- Ação Ordinária Petição Inicial......16 Condomínio Ação de Anulação de Assembleio

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Ao alugar um imóvel é necessário documentar a negociação por meio de um contrato, de preferência, escrito. O inquilino deve ler atentamente todas

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2. 2 0 0 7 PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.164,95 2 - Recursos: A) interposição de qualquer recurso 1.042,37 3,8476 40,11 1.082,47 B)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO APELAÇÃO SEM REVISÃO N º 590.556-0/9 - SÃO VICENTE Apelante: Elisabetta Maiorano (ou Elisabetta Maiorano Errico) Apelada : Manayara de Azambuja Luz AÇÃO DE DESPEJO. NOTIFICAÇÃO. Art. 47, inc. V, da Lei

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Pedro, brasileiro, solteiro, jogador de futebol profissional, residente no Rio de Janeiro/RJ, legítimo proprietário de um imóvel situado em Juiz de Fora/MG, celebrou,

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39 SUMÁRIO Apresentação da Coleção...15 CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 1. Antecedentes históricos da função de advogado...19 2. O advogado na Constituição Federal...20 3. Lei de regência da

Leia mais

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO Ações Possessórias 131 INTRODUÇÃO Conceito: Grace Mussalem Calil 1 Há duas principais teorias sobre a posse: a Subjetiva de Savigny e a Objetiva de Ihering. Para Savigny, a posse é o poder físico sobre

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 180 SENTENÇA Processo Digital nº: 1021633-14.2014.8.26.0405 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Promessa de Compra e Venda Requerente: RAFAEL RODRIGUES e outro Requerido: IBÉRIA INCORPORADORA

Leia mais

1035597-82.2015.8.26.0100 - lauda 1

1035597-82.2015.8.26.0100 - lauda 1 fls. 294 SENTENÇA Processo Digital nº: 1035597-82.2015.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Pagamento Indevido Requerente: Debora Andrea de Cássia Carneiro da Cunha Requerido: Acapulco Investimentos

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais Espelho Civil Peça A peça cabível é PETIÇÃO INICIAL DE ALIMENTOS com pedido de fixação initio litis de ALIMENTOS PROVISÓRIOS. A fonte legal a ser utilizada é a Lei 5.478/68. A competência será o domicílio

Leia mais

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEL

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEL CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEL, que entre si fazem, GMI - Grupo Mineiro de Imóveis Ltda, inscrita no CNPJ sob o n.º 42.771.485/0001-67, CRECI PJ 2427, estabelecida nesta

Leia mais

1. Multa pela quebra do contrato. (Lei 8.245/91- art. 4º)

1. Multa pela quebra do contrato. (Lei 8.245/91- art. 4º) Efeitos e reflexos da Lei no. 12.112/09 ao introduzir alterações na Lei n o 8.245/91 que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos (por conseqüência não se aplica às locações regidas pelo código civil).

Leia mais

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS 1.1. Generalidades... 17 1.2. Conceito, requisitos e características... 37 1.3. Natureza jurídica do contrato de locação...

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 15 de janeiro de 2013, Marcelo, engenheiro, domiciliado no Rio de Janeiro, efetuou a compra de um aparelho de ar condicionado fabricado pela G S. A., empresa sediada

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.12.273016-1/001 Númeração 2730161- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Marcos Lincoln Des.(a) Marcos Lincoln 11/02/2015 23/02/2015 EMENTA: APELAÇÃO

Leia mais

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010 Apresentação: Leandro Ibagy Vitória, mar/2010 Ao proteger excessivamente o locatário, restringindo a reprise, ninguém mais se interessava adquirir imóveis para destiná-los a locação. Nível de aquisição

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO SENTENÇA MATÉRIA CÍVEL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO SENTENÇA MATÉRIA CÍVEL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO CONCURSO DE INGRESSO NA MAGISTRATURA PROVA ESCRITA RESOLUÇÃO SENTENÇA MATÉRIA CÍVEL 23.07.2006 SENTENÇA SOBRE MATÉRIA CÍVEL João e Maria, casados

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Voto nº 23951

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Voto nº 23951 10ª Câmara Seção de Direito Privado Apelação com Revisão n 4002213-20.2013.8.26.0562 Comarca: Santos Ação: Compromisso de Venda e Compra e Repetição de indébito Apte(s).: API Assessoria Consultoria e Intermediação

Leia mais

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3 DIREITO CIVIL PEÇA PROFISSIONAL Ponto 1 Sílvia, residente em São Paulo SP, foi citada, no foro de sua residência, em ação de separação judicial litigiosa proposta por seu marido, Hamilton, que, em sede

Leia mais

1. Ação de Despejo por Falta de Pagamento Autos do processo nº 29.195/00 Requerente: Carlos Batoco Requerido: Colégio Pioneiro S/C Ltda.

1. Ação de Despejo por Falta de Pagamento Autos do processo nº 29.195/00 Requerente: Carlos Batoco Requerido: Colégio Pioneiro S/C Ltda. APELAÇÃO COM REVISÃO N º 712.871-0/7 SÃO PAULO Apelante: Colégio Pioneiro S/C Ltda. Apelado: Carlos Batoco Referências: 1. Ação de Despejo por Falta de Pagamento Autos do processo nº 29.195/00 Requerente:

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÂO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÂO RESIDENCIAL CONTRATO DE LOCAÇÂO RESIDENCIAL LOCADOR(A): NOME PROPRIETÁRIO, brasileira(o), desquitada(o), comerciante, portador(a) da cédula de identidade nº SSP/SP., e do CIC nº 000.000.000-00, residente e domiciliado

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA ROSA

MUNICÍPIO DE SANTA ROSA CONTRATO Nº 099/2015 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE BEM IMÓVEL URBANO RESIDENCIAL QUE ENTRE SI CELEBRAM A FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA E CRISTIANE PREISSLER. LOCADOR (A): CRISTIANE PREISSLER, brasileira,

Leia mais

i iiiiii um mu um um um um mu mi mi

i iiiiii um mu um um um um mu mi mi PODER JUDICIÁRIO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii um mu um um um um mu mi mi Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves QUESTÃO 01 Partindo-se da premissa da instrumentalidade do processo, há diferença ontológica entre a jurisdição

Leia mais

O CONVÊNIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E A UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA: RESULTADOS ESTATÍSTICOS (ANO BASE 2007) DO CARTÓRIO DO

O CONVÊNIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E A UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA: RESULTADOS ESTATÍSTICOS (ANO BASE 2007) DO CARTÓRIO DO O CONVÊNIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E A UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA: RESULTADOS ESTATÍSTICOS (ANO BASE 2007) DO CARTÓRIO DO ANEXO II DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA UNOESTE... 969

Leia mais

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na 1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na qual este reivindicava a propriedade do veículo adquirido

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Moema, brasileira, solteira, natural e residente em Fortaleza, no Ceará, maior e capaz, conheceu Tomás, brasileiro, solteiro, natural do Rio de Janeiro, também maior

Leia mais

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS Diogo L. Machado de Melo Nathália Annette Vaz de Lima NORMA ANTERIOR (LEI 8245/91) ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI 12.112/09 (COM JUSTIFICATIVAS DE VETOS) (EM VIGOR

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO APELAÇÃO COM REVISÃO Nº 563.854-0/5 RIBEIRÃO PIRES Apelantes: LE Rouge Comércio e Importação Ltda. DJ Boys Comércio e Importação Ltda. Apelados : Agostinho Barreiros Dias Maria Ernestina Garcia Dias LOCAÇÃO.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000760XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0057XXX- 94.2009.8.26.0405, da Comarca de Osasco, em que é apelante COOPERATIVA HABITACIONAL PLANALTO, é apelado

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

Que fazem entre si, de um lado a empresa..., na..., aqui representada. por..., brasileiro,

Que fazem entre si, de um lado a empresa..., na..., aqui representada. por..., brasileiro, 34) INSTRUMENTO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA Que fazem entre si, de um lado a empresa..., inscrita no CNPJ/MF sob nº...., com sede na..., aqui representada por..., brasileiro, maior, casado, administrador

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM DISCIPLINA: DIREITO CIVIL CÓDIGO: C002 QUESTÃO PRÁTICO-PROFISSIONAL QUESTÃO C002041 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Lei de locações (58.2); tutela antecipada (40); agravo de instrumento (48.4); tutela específica

Leia mais

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real.

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. PRINCÍPIOS DA EXECUÇÃO - Princípio da Patrimonialidade A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. Art. 591. O devedor responde, para o cumprimento de suas obrigações, com

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Norberto da Silva, pessoa desprovida de qualquer bem material, adquiriu de terceiro, há nove anos e meio, posse de terreno medindo 240m² em área urbana, onde construiu

Leia mais

1O contrato escrito de CONTRATO DE LOCAÇÃO. Locação Comercial

1O contrato escrito de CONTRATO DE LOCAÇÃO. Locação Comercial 1 CONTRATO DE LOCAÇÃO Locação Comercial A locação comercial pode ser entendida como a cessão de um imóvel para terceiro, que ali pretende montar seu negócio e que, para isso, remunerará o proprietário

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da Comarca de. LIMEIRA, em que são apelantes e reciprocamente apelados RIO

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da Comarca de. LIMEIRA, em que são apelantes e reciprocamente apelados RIO f PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÒRDÃO/DECISAOMONOCRATICA ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da

Leia mais

AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO

AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO CAETANO ERNESTO DA FONSECA COSTA Desembargador do TJ/RJ 1. OBJETIVO O que modestamente se pretende com este trabalho é alcançar maior celeridade à pretensão jurisdicional

Leia mais

ANEXO 9 Condições Mínimas do BNDES para Aprovação do Plano

ANEXO 9 Condições Mínimas do BNDES para Aprovação do Plano ANEXO 9 Condições Mínimas do BNDES para Aprovação do Plano A - PRÉVIAS: 1. Apresentação de petição conjunta formulada pelos Interessados e pelo BNDES, com a anuência do Administrador Judicial, protocolizada

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

SENTENÇA. Juiz(a) de Direito: Dr(a). Edward Albert Lancelot D C Caterham Wickfield. Vistos.

SENTENÇA. Juiz(a) de Direito: Dr(a). Edward Albert Lancelot D C Caterham Wickfield. Vistos. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0228774-67.2011.8.26.0100 Classe - Assunto Revisional de Aluguel - Locação de Imóvel Requerente: Hospilal e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes S/A Requerido: Fundo de Investimento

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS É o ato de vontade que, por se conformar com os mandamentos da lei e a vocação do ordenamento jurídico, confere ao agente os efeitos por ele almejados. ELEMENTOS ESTRUTURAIS I -ESSENCIAIS

Leia mais

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o 5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS AVENÇAS PARTES CONTRATANTES COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o n.... e no RG sob o n...., residente

Leia mais

OAB/FGV 2ª Fase de Direito Civil

OAB/FGV 2ª Fase de Direito Civil OAB/FGV 2ª Fase de Direito Civil Professor Fabio Alves fabio@ferreiraecamposadv.com 1. Marlon, famoso jogador de futebol, é contratado para ser o garoto propaganda da Guaraluz, fabricante de guaraná natural.

Leia mais

Petição inicial de ação ordinária

Petição inicial de ação ordinária Capítulo I Petição inicial de ação ordinária SUMÀRIO: 1. Considerações gerais 2. Elementos da ação: 2.1. Partes; 2.2. Causa de pedir; 2.3. Pedido (terceiro elemento da ação) 3. Requisitos da petição inicial

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO PEÇA PROFISSIONAL A administração pública local desencadeou procedimento licitatório, na modalidade de tomada de preços, tendo por objeto a construção de uma ponte de 28 metros.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João utiliza todos os dias, para retornar do trabalho para sua casa, no Rio de Janeiro, o ônibus da linha A, operado por Ômega Transportes Rodoviários Ltda. Certo

Leia mais

Peça prático-profissional

Peça prático-profissional Peça prático-profissional Marilza assinou 5 notas promissórias, no valor de R$ 1.000,00 cada uma, para garantir o pagamento de um empréstimo tomado de uma factoring chamada GBO Ltda. Recebeu na data de

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO. (espaço aproximadamente 10 cm 4 )

MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO. (espaço aproximadamente 10 cm 4 ) Modelos práticos 1. Petição inicial rito ordinário MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO 1 DA VARA CÍVEL 2 DO FORO DA COMARCA DE CAMPINAS 3 NO ESTADO DE

Leia mais

Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO. Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi

Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO. Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi INTRODUÇÃO - TÍTULO EXECUTIVO - DINAMARCO: Título executivo

Leia mais

1. No que consiste a coisa julgada formal? Explique. Diz respeito a imputabilidade da decisão dentro do mesmo processo.

1. No que consiste a coisa julgada formal? Explique. Diz respeito a imputabilidade da decisão dentro do mesmo processo. Questões do tema 27 a 30 27. Coisa julgada. Conceito. Natureza jurídica. 28. Coisa julgada formal e material. (arts. 467 a 469) 29. Limites subjetivos e objetivos da coisa julgada. (arts. 470 a 472) 30.

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000166668 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0203107-50.2009.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante VERSAILLES INCORPORADORA SPE LTDA, são

Leia mais

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS 1 INTERVENÇÃO DE TERCEIROS Trata-se de roteiro de um importantíssimo capítulo da disciplina Direito Processual Civil Processo de Conhecimento de modo a auxiliar os discentes na compreensão da matéria.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000329XX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº XXXXXX-42.2014.8.26.0565, da Comarca de São Caetano do Sul, em que é apelante LIBERTY INCORPORADORA LTDA, são

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS CREDITÓRIOS E OUTRAS AVENÇAS

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS CREDITÓRIOS E OUTRAS AVENÇAS INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS CREDITÓRIOS E OUTRAS AVENÇAS As Partes: CEDENTE ITAÚ UNIBANCO S.A., com sede em São Paulo -SP, na Praça Alfredo Egydio de Souza Aranha, nº 100 Torre Olavo Setubal,

Leia mais

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL Poder Judiciário da Ufiilo TJDFT TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL EDOS TERRITÓRIOS SEGUNDA PROVA ESCRITA DISCURSIVA CADERNO DE RELATÓRIO E DOCUMENTOS REFERENTES À PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL ENUNCIADO João utiliza todos os dias, para retornar do trabalho para sua casa, no Rio de Janeiro, o ônibus da linha A, operado por Ômega Transportes Rodoviários Ltda.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis?

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis? Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Juizados Especias Perguntas mais freqüentes e suas respostas 1 - O que são os Juizados Especiais Cíveis? Os Juizados Especiais Cíveis são órgãos da Justiça (Poder

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015 Regula o procedimento a ser adotado nas medidas assecuratórias em matéria processual-penal e as providências a serem adotadas quando decretada a perda de bens móveis ou imóveis

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 4.1 Conceito - O que é a ação de prestação de contas? 4.2 Ação de dar e ação de exigir contas - A quem compete esta ação? - Trata-se de uma ação dúplice? - Ação de dar contas

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 904.124-0/9 São Paulo Agravante: Patrícia de Carvalho Izoldi Agravado: Paulo Penido Pinto Marques

AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 904.124-0/9 São Paulo Agravante: Patrícia de Carvalho Izoldi Agravado: Paulo Penido Pinto Marques AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 904.124-0/9 São Paulo Agravante: Patrícia de Carvalho Izoldi Agravado: Paulo Penido Pinto Marques AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO CUMULADA COM COBRANÇA DE ALUGUERES E ENCARGOS.

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO CIVIL

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL Trata-se da hipótese em que o(a) examinando(a) deverá se valer de medidas de urgência, sendo cabíveis cautelares preparatórias, com pedido de concessão de medida

Leia mais

DIREITO CIVIL SÚMULA Nº 49 A CLÁUSULA DE INALIENABILIDADE INCLUI A INCOMUNICABILIDADE DOS BENS.

DIREITO CIVIL SÚMULA Nº 49 A CLÁUSULA DE INALIENABILIDADE INCLUI A INCOMUNICABILIDADE DOS BENS. SÚMULAS SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL STF DIREITO CIVIL SÚMULA Nº 49 A CLÁUSULA DE INALIENABILIDADE INCLUI A INCOMUNICABILIDADE DOS BENS. SÚMULA Nº 80 PARA A RETOMADA DE PRÉDIO SITUADO FORA DO DOMICÍLIO DO

Leia mais

PROCESSO CAUTELAR. COMPETÊNCIA EFICÁCIA CITAÇÃO E PRAZO PARA DEFESA

PROCESSO CAUTELAR. COMPETÊNCIA EFICÁCIA CITAÇÃO E PRAZO PARA DEFESA PROCESSO CAUTELAR. JUSTIFICATIVA MOROSIDADE DO PROCESSO PROCESSO CAUTELAR CARACTERÍSTICAS ASSEGURAR A PRETENSÃO EXISTENCIA DE PROCESSO PRINCIPAL CARÁTER PROVISÓRIO PROCESSO CAUTELAR CARACTERÍSITCAS CITAÇÃO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

3ª aula: REFORMAS DO CPC E SEUS REFLEXOS NO PROCESSO DO TRABALHO

3ª aula: REFORMAS DO CPC E SEUS REFLEXOS NO PROCESSO DO TRABALHO Material disponibilizado pelo Professor: 3ª aula: REFORMAS DO CPC E SEUS REFLEXOS NO PROCESSO DO TRABALHO REMIÇÃO DA EXECUÇÃO CPC, 651. Antes de adjudicados ou alienados os bens, pode o executado, a todo

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO. fls. 300 Registro: 2015.0000529177 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1106882-72.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ANA LIGIA PAES NASCIMENTO, é apelado

Leia mais

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 ALTERA dispositivos da Lei Municipal nº 3.194, de 03 de janeiro de 2006, que dispõe sobre a política habitacional de interesse social do Município, voltada para a população

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento Básico. Fundação

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador MARCO MACIEL

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador MARCO MACIEL PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 94, de 2003, de autoria do Senador AELTON FREITAS, que altera dispositivos

Leia mais

SENTENÇA. Morais Donnangelo Toshiyuki e Gonçalves Advogados Associados Requerido: Ciclame Incorporadora Ltda. e outros

SENTENÇA. Morais Donnangelo Toshiyuki e Gonçalves Advogados Associados Requerido: Ciclame Incorporadora Ltda. e outros fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0128134-22.2012.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Compromisso Requerente: Morais Donnangelo Toshiyuki e Gonçalves Advogados Associados Requerido: Ciclame

Leia mais

*ESTE CONTRATO ESTÁ REGISTRADO NO 9O. OFICIAL DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE SÃO PAULO SOBRE O NÚMERO 793973.

*ESTE CONTRATO ESTÁ REGISTRADO NO 9O. OFICIAL DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE SÃO PAULO SOBRE O NÚMERO 793973. *ESTE CONTRATO ESTÁ REGISTRADO NO 9O. OFICIAL DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE SÃO PAULO SOBRE O NÚMERO 793973. CONTRATO DE LOCAÇÃO INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE LOCAÇÃO DE BEM MÓVEL Contrato

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 382 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N "03520294* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação

Leia mais

AÇÕES POSSESSÓRIAS E LOCATÍCIAS PROF. ANDRE ROQUE

AÇÕES POSSESSÓRIAS E LOCATÍCIAS PROF. ANDRE ROQUE AÇÕES POSSESSÓRIAS E LOCATÍCIAS PROF. ANDRE ROQUE VITÓRIA 4.9.2015 PARTE I AÇÕES POSSESSÓRIAS POSSE ASPECTOS DE DIREITO MATERIAL Conceito: Teoria subjetiva de Savigny (animus domini) Teoria objetiva de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000853162 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1012384-11.2014.8.26.0576, da Comarca de São José do Rio Preto, em que é apelante ALEX VOLTOLINI, é apelado MOLISE

Leia mais

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL PEÇA PROFISSIONAL José, brasileiro, por intermédio da Administradora de Imóveis Maranhão Ltda., sociedade civil, representada por Aluísio, contratou a locação da

Leia mais

caso; c) seja consolidada a propriedade do autor junto ao bem objeto do contrato; d) seja declarada a quitação do contrato em questão, bem como seja

caso; c) seja consolidada a propriedade do autor junto ao bem objeto do contrato; d) seja declarada a quitação do contrato em questão, bem como seja Estado do Rio de Janeiro Poder Judiciário Fls. Processo: 0047641-29.2012.8.19.0205 Processo Eletrônico Classe/Assunto: Procedimento Ordinário - Revisão Contratual / Obrigações / D. Civil Em 09/07/2014

Leia mais

SEGUNDA PROVA ESCRITA DISCURSIVA SENTENÇA CÍVEL

SEGUNDA PROVA ESCRITA DISCURSIVA SENTENÇA CÍVEL SEGUNDA PROVA ESCRITA DISCURSIVA SENTENÇA CÍVEL Nesta prova, faça o que se pede, usando os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva o texto para o CADERNO DE TEXTO DEFINITIVO

Leia mais

CONTRATO DE ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEIS N.º XXXX/XX

CONTRATO DE ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEIS N.º XXXX/XX Página 1 de 5 CONTRATO DE ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEIS N.º XXXX/XX Pelo presente Instrumento Particular, de um lado, como ADMINISTRADORA, a empresa VIVER NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS LTDA ME CRECI/RN sob o nº 2990

Leia mais

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO ALEX DA SILVA CALDEIRA propôs ação de cobrança de seguro por invalidez decorrente de doença em face de ITAÚ SEGUROS S/A, já qualificados, afirmando que foi

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

Ciclano da Silva Advogados Associados

Ciclano da Silva Advogados Associados Ciclano da Silva Advogados Associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE ALTA FLORESTA, COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BAIXA FLORESTA/PR. FULANO DE TAL, pessoa

Leia mais

APELAÇÃO SEM REVISÃO Nº 863.771-0/2 Mogi das Cruzes Apelante: Maurício Guina Pires Apelado: Arnaldo Rufino Lopes Parte: Wagner Alves da Silva

APELAÇÃO SEM REVISÃO Nº 863.771-0/2 Mogi das Cruzes Apelante: Maurício Guina Pires Apelado: Arnaldo Rufino Lopes Parte: Wagner Alves da Silva APELAÇÃO SEM REVISÃO Nº 863.771-0/2 Mogi das Cruzes Apelante: Maurício Guina Pires Apelado: Arnaldo Rufino Lopes Parte: Wagner Alves da Silva EMBARGOS À EXECUÇÃO. AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO

Leia mais

SÚMULAS E ENUNCIADOS PERTINENTES AO ESTUDO DA LEI DO INQUILINATO NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

SÚMULAS E ENUNCIADOS PERTINENTES AO ESTUDO DA LEI DO INQUILINATO NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO 1 SÚMULAS E ENUNCIADOS PERTINENTES AO ESTUDO DA LEI DO INQUILINATO NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Alencar Frederico Mestre em Direito pela Universidade Metodista de Piracicaba; Pós-graduado em Direito

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2014.0000487829 ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2014.0000487829 ACÓRDÃO fls. 2 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000487829 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0150136-83.2012.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante SAMPI INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Memorial Office

Fundo de Investimento Imobiliário Memorial Office São Paulo, 06 de maio de 2009. Fundo de Investimento Imobiliário Memorial Office Relatório da Administração Abril/2009 ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA Em 29 de abril de 2009 realizamos a Assembléia Geral Ordinária

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais