Instruções para a Oferta do Curso de Especialização em Sistemas Complexos: Segurança na Aviação e Saúde, no. 5/

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instruções para a Oferta do Curso de Especialização em Sistemas Complexos: Segurança na Aviação e Saúde, no. 5/2012-2013"

Transcrição

1 Instruções para a Oferta d Curs de Especializaçã em Sistemas Cmplexs: Segurança na Aviaçã e Saúde, n. 5/ Turma 1, Sã Jsé ds Camps O Institut Tecnlógic de Aernáutica (ITA), criad pel Decret Nº , de 16 de janeir de 1950 e definid pela Lei 2.165, de 5 de janeir de 1954, é uma Instituiçã Universitária especializada n Camp d Saber Aerespacial, sb a jurisdiçã d Cmand da Aernáutica (COMAER), a qual tem pr finalidade prmver, pr mei da educaçã, d ensin, da pesquisa e da extensã, prgress das ciências e das tecnlgias relacinadas cm Camp Aerespacial e a frmaçã de prfissinais de nível superir nas especializações de interesse da Aernáutica e d Setr Aerespacial em geral. A Universidade Federal de Sã Paul (Unifesp), criada pela Lei Nº 8.957, de 15 de dezembr de 1994, cm atuaçã multicampi, é uma instituiçã federal de ensin superir e decrre da transfrmaçã da Escla Paulista de Medicina, fundada em 1º de junh de 1933, federalizada pela Lei nº 2.712, de 21 de janeir de 1956, e transfrmada em estabeleciment islad de ensin superir de natureza autárquica pela Lei nº de 29 de setembr de Tem pr finalidade desempenhar cm excelência, atividades indissciáveis de ensin, pesquisa e extensã, ferecend cndições de excelência para a frmaçã de prfissinais qualificads para atuarem na sciedade de maneira crítica e reflexiva. Na área de extensã ferece a prestaçã de serviçs à cmunidade pr mei d desenvlviment de prgramas e prjets sciais e da realizaçã de curss, events e campanhas públicas que envlvam, sempre que pssível, parcerias cm utras instituições, públicas u privadas, e u mviments sciais rganizads. 1. HISTÓRICO E PROPÓSITO Os curss de Extensã e Especializaçã ferecids pel ITA têm características peculiares e alguns cntêm disciplinas nã existentes na grade curricular ds curss de Graduaçã e de Pós- Graduaçã strict sensu d Institut, requerend especialistas nã presentes em seu crp dcente efetiv. A ferta ds curss lat sensu na área da Aviaçã acnteceu cm curs de Especializaçã em Segurança de Aviaçã e Aernavegabilidade Cntinuada (PE-Safety) d ITA que ferece disciplinas cm ênfase em (1) Engenharia Aernáutica e Segurança de Sistemas Aernáutics e (2) Sistemas de Gestã de Segurança de Aviaçã, send únic n Brasil cm estas características. Dentr dessas áreas de pesquisa dedicadas, algumas de suas disciplinas sã ministradas pr prfessres estrangeirs em temas de imprtância internacinal, cm é cas d Human Factrs in Aviatin Safety, Aviatin Safety /14

2 Management Systems e Human Factrs in Aviatin Systems Engineering, difundids e incentivads internacinalmente pela Organizaçã da Aviaçã Civil Internacinal (ICAO). Pr esses mtivs, ITA tem a necessidade de cntratar parte d curs. O Centr de Investigaçã e Prevençã de Acidentes Aernáutics (CENIPA), órgã n País respnsável pela implementaçã d que cnsta n Anex 13 da Cnvençã de Chicag de 1 a 7 de dezembr de 1944 que deu rigem à Organizaçã da Aviaçã Civil Internacinal (ICAO/OACI), trabalha em parceria cm ITA para a ferta e implementaçã de curss na área de Segurança de Aviaçã e Aernavegabilidade Cntinuada. Ademais, sb a óptica d SIPAER (Sistema de Investigaçã e Prevençã de Acidentes Aernáutics), a criaçã deste curs ferece uma capacitaçã imprtante para s seus els e demais prfissinais ligads às entidades e rganizações da cmunidade aernáutica, aumentand a percepçã para a necessidade de atitudes pró-ativas na cnduçã das atividades d setr aére, cntribuind para a cnsequente rbustez da Segurança de Vô n País. O estabeleciment d Curs de Especializaçã em Segurança de Aviaçã e Aernavegabilidade Cntinuada (PE-Safety), Pós-graduaçã Lat Sensu iniciu-se em 2002, cm s primeirs encntrs para estabeleciments de parcerias para a primeira ferta, crrida em N períd de 2004 a 2011 fram certificads 306 especialistas (39 em 2004, 45 em 2005, 30 em 2006, 29 em 2007, 43 em 2008, 50 em 2009, e 40 em 2010 e 30 em 2011), 58 ds quais militares, ficiais e graduads d Cmand da Aernáutica, d Cmand d Exércit e da Plícia Militar d Estad de Sã Paul. Em 2010 curs fi ferecid pela primeira vez na cidade d Ri de Janeir, nas instalações d Institut Militar de Engenharia (IME). 19 especialistas graduaram- se a partir dessa ferta na cidade d Ri de Janeir. Em utubr de 2011 curs passu a ser ferecid em Bel Hriznte, em parceria cm Departament de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Minas Gerais. Em 2012, existem fertas cncmitantes d curs em Sã Jsé ds Camps (nna turma) e in-cmpany na TAM Linhas Aéreas, na cidade de Sã Paul. Cm s cnheciments adquirids n PE-Safety, as entidades e rganizações que investiram em seus prfissinais recnhecem, de maneira prática, efetiv retrn na cnduçã das atividades aernáuticas, cm ênfase a gerenciament e atitudes próativas desenvlvidas em seu mei. A partir das publicações d Harward Medical Practice Study (1991), T Err is Human (Institute f Medicine, 1999) e An Organizatin with a Memry (the United Kingdm Gvernment s Chief Medical Officer, 2000), a Organizaçã Mundial de Saúde (WHO/OMS) passu a cnsiderar a Segurança d Paciente um prblema de saúde pública. Em mai de 2002, na 55a Assembléia Mundial de Saúde, a WHO estabelece priridades para s esfrçs n desenvlviment de metdlgias, embasadas cientificamente, para melhria da qualidade e segurança n sistema de /14

3 saúde. Na UNIFESP, mais especificamente na Escla Paulista de Enfermagem (EPE), a disciplina intitulada Segurança d Paciente fi ferecida pela primeira vez em 2007, para aluns vinculads a Pós- Graduaçã strict sensu. A ferta da disciplina acntece a cada dis ans, cm média de 20 aluns pr turma. N an de 2011 fi substituída pela Disciplina Segurança na Saúde Estuds e Pesquisas sbre Err Human, Pensament Sistêmic e Invaçã. O interrelacinament entre as duas instituições para a ferta d Curs de Especializaçã Sistemas Cmplexs: Segurança na Aviaçã e na Saúde iniciu-se em 2007, tend, desde entã, sid prmvidas diversas reuniões para a cncepçã e implementaçã d curs a que se referem essas Instruções de Oferta. O ITA e a UNIFESP têm experiências marcantes nas áreas de Segurança de Aviaçã e Aernavegabilidade Cntinuada e Segurança d Paciente e Qualidade em Saúde, respectivamente, cm capital human de qualidade em nível de pós-graduaçã lat e strict sensu send cntinuamente frmad para cntribuir ns dis setres, que habilita essas institituições a, cnjuntamente, unirem esfrçs para a ferta d presente curs. 1.1 OBJETIVOS A Aviaçã e a Saúde sã setres altamente cmplexs, ns quais s avançs e dinâmicas trazem desafis cada vez maires para a sciedade mderna. Tant a Organizaçã da Aviaçã Civil Internacinal (ICAO) quant a Organizaçã Mundial de Saúde (WHO), diretamente ligadas à Organizaçã das Nações Unidas (ONU), têm metas explícitas referentes à Segurança, principalmente direcinadas à reduçã d númer de acidentes, incidentes e events adverss evitáveis ns dis setres. Os aprendizads cnseguids na Aviaçã a partir da criaçã da ICAO permitiram que esse setr se trnasse rganizad, send que, s países signatáris da Cnvençã de Chicag (de 1 a 7 de dezembr de 1944 que criu a Organizaçã) assumiram prerrgativas e respnsabilidades cmuns, pnt de partida para que Aviaçã se trnasse um ds mdais de transprte mais segurs a serviç da sciedade pr mais de seis décadas. Na área da saúde, s estuds prpriamente vltads para a temática da Segurança sã mais recentes, mas já evidenciam que este é um prblema de saúde de relevância glbal, que afeta milhões de usuáris ds sistemas de saúde, send estimad que um em cada dez usuáris d sistema pde ser vítima de um event advers evitável. Dessa frma, Curs tem cm bjetiv frmar, em nível de especializaçã, capital human para melhr entender e clcar em prática s pressupsts e gestã efetivs de Segurança ns setres /14

4 da Aviaçã e da Saúde. 1.2 PÚBLICO-ALVO Prfissinais e gestres ds setres da Aviaçã e da Saúde que tenham cncluíd seu curs de graduaçã em áreas afins e que atuem u venham a atuar em um ds dis setres. 1.3 INSTITUIÇÃO PARCEIRA PARA A GESTÃO FINANCEIRA A gestã financeira d presente curs é de respnsabilidade da FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA (FUNDEP), CNPJ /04, Avenida Antni Carls, 6627, Unidade II, Campus UFMG, , Bel Hriznte MG. A FUNDEP está devidamente credenciada cm Fundaçã de Api d ITA cnfrme certificad MEC/MCT/GAT 001/2010 publicad n DOU 13/05/2010, sessã 1 flha 17, tend sid autrizada a cntinuar cm essa tarefa através d prcess nº / , cm base nas recmendações d Grup de Api Técnic MEC/MCTI apresentadas na reuniã rdinária de 12 de julh de 2012 e pels fundaments da Infrmaçã nº 30/2012-CGLNES/GAB/SESu/MEC. 2. CONCEPÇÃO DO CURSO Para cumprir bjetiv anterirmente mencinads, ITA e UNIFESP cntam cm prfessres atuantes nesta área d cnheciment aernáutic e de saúde, parte deles de seu Crp Permanente de Pós-Graduaçã, parte de Prfessres Clabradres cm cmprvada experiência prfissinal e atuaçã direta seja num mercad, seja n utr. Seguem as principais características relativas à presente ferta d curs. 2.1 LOCAL: Institut Tecnlógic de Engenharia (ITA) d Departament de Ciência e Tecnlgia Aerespacial (DCTA), Praça Marechal d Ar Eduard Gmes, n. 50 Vila das Acácias, Sã Jsé ds Camps. As aulas vã ser ministradas na sala 1403 d prédi da Divisã de Engenharia Aernáutica d ITA. 2.2 CERTIFICADO A QUEM CONCLUIR COM ÊXITO O CURSO: Certificad de Especialista em Sistemas Cmplexs: Segurança na Aviaçã e Saúde, utrgad cnjuntamente pel ITA e pela UNIFESP. Esse certificad tem validade nacinal, pis bedece à Resluçã CNE/CES n. 1, de 8 de junh de EXAME DE SELEÇÃO: Inclui análise curricular, prva escrita e entrevista, send esses últims realizads cnjuntamente ns dias 1 de dezembr de 2012 e 19 de janeir de 2013, na cidade de Sã Jsé ds Camps, instalações d ITA (sala 1406 d prédi da Divisã de Engenharia Aernáutica). 2.4 DURAÇÃO: 9 meses. /14

5 2.5 DIAS DE AULA: A cada duas semanas, às sextas-feiras, das 14 às 22h e as ábads das 8h30 às 13h e das 14 às 18h MATRÍCULAS: O candidat aprvad n Exame de Seleçã, após ser cmunicad diss pela Crdenaçã d Curs, deverá cnfirmar seu interesse em matricular-se, devend frmalizar sua intençã de matrícula através de mensagem eletrônica enviada para s Crdenadres e cm cópia para a Secretaria ds Curss de Safety d ITA e até dia 26 de janeir de Tds s dcuments que fram entregues cm cópias nã autenticadas para a Inscriçã deverã ser apresentads para a referida taria em sua frma riginal para autenticaçã. 3. DISCIPLINAS Seguem as disciplinas, respectivas cargas-hrárias e respnsáveis, a serem ferecidas n Curs de Especializaçã em Sistemas Cmplexs: Segurança na Aviaçã e Sáude. NOTA: A lad da carga-hrária, encntra-se a natureza da ferta das disciplinas tal qual deve cnstar n Certificad (se OBRIGATÓRIA u OPCIONAL). 3.1 Crdenaçã: Prf. Dnizeti de Andrade, e Prf. Mavilde da Luz Gnçalves Pedreira, 3.2 Disciplinas, cargas-hrárias e natureza HS-800 Trabalh de Cnclusã de Curs (45 h-a), OBRIGATÓRIA (Crdenaçã) Prf. Dnizeti de Andrade, e Prf. Mavilde da Luz Gnçalves Pedreira, HS-801 Sistemas Cmplexs e Engenharia de Sistemas, OBRIGATÓRIA Prf. Geilsn Lureir, Prf. Ana Cláudia Cláudia de Paula Silva, Prf. André Luiz Mayral, Prf. Eder Henriqsn, HS-807 Sistemas da Aviaçã e da Saúde (40 h-a), OBRIGATÓRIA Prf. Dnizeti de Andrade, Prf. Marcel Sares Leã, Prf. Maria de Jesus Castr Susa Harada, HS-813 Sistema de Gestã de Segurança na Aviaçã e na Saúde (40 h-a), OBRIGATÓRIA Prf. Dnizeti de Andrade, Prf. Marcel Sares Leã, Prf. Elena Bhml,

6 HS-819 Gerenciament de Crises e Planejament de Cntingências ns Sistemas da Aviaçã e da Saúde (40 h-a), OBRIGATÓRIA Prf. Tatiana de Miranda Jrdã, HS-825 Certificaçã, Cnfiabilidade e Segurança ns Sistemas da Aviaçã e da Saúde (40 h-a), OBRIGATÓRIA Prf. André Luiz Chissi Frni, HS-831 Gestã de Cmpetências Multiprfissinais para a Segurança na Saúde (40 h-a), OBRIGATÓRIA Respnsável, Prf. Cláudia Garcia de Barrs, HS-837 Estratégias e Evidências na Prevençã de Events Adverss em Saúde (40 h-a), OBRIGATÓRIA Prf. Elena Bhml, Prf. Mavilde da Luz Gnçalves Pedreira, HS-843 Aspects Étics, Respnsabilidade Civil e Criminal na Saúde (40 h-a), OBRIGATÓRIA Prf. Maria Angélica Srgini Peterlini, Prf. Maria de Jesus Castr Susa Harada, HS-879 The Human Factr in Achieving Safety Perfrmance (32 h-a), OPCIONAL (ministrad na Língua Inglesa) Prf. Katherine A. Lems, HS-899 Metdlgia d Trabalh Científic (40 h-a), OBRIGATÓRIA Prf. Denis Lima Balaguer, 3.3 OBSERVAÇÃO Sbre as Disciplina Opcinal, HS-879, The Human Factr in Achieving Safety Perfrmance, assim que a dispnibilidade da Dr. Katherine Andrea Lems, Clabradra d ITA e prfissinal d FAA ficar definida para 2013, s dias de sua ferta serã fixads em 3.4 Cnteúds Prgramátics HS-801 Sistemas Cmplexs e Engenharia de Sistemas Sistemas cmplexs e pensament sistêmic: definições e cnceits básics d Pensament Sistêmic; prpriedades de sistemas em geral; generalizações sbre sistemas; que é um sistema cmplex; características de sistemas cmplexs; sistemas adaptativs cmplexs; principais áreas de pesquisa para aplicaçã. Sft Systems methdlgy: visã geral; sistemas hard versus sistemas sft; análise cultural; análise rientada à lógica; exempls de aplicaçã. Prcess de engenharia de sistemas: declaraçã da necessidade; análise da missã; análise d cicl de vida d sistema; análise de stakehlder; análise de requisits; análise funcinal; arquitetura d sistema; nções de verificaçã e validaçã. Engenharia de Sistemas aplicada à aviaçã e utras questões sft; acidentes e segurança em sistemas cmplexs; teria ds acidentes nrmais; interações lineares e nã-lineares, acplament, classificaçã e análise de

7 sistemas de saúde e aviaçã; cmplexidade, lcalidade e racinalidade; deriva prática de um sistema rganizacinal; dependência de caminh e deriva para falhas; mecanisms da deriva para falhas; cnflit de metas e nrmalizaçã de desvis; gerenciand cmplexidade e derivas para falhas em sistemas de saúde e aviaçã; implicações para a cultura de segurança. Bibligraphy: Jacksn, M.C. (2002). Systems appraches t management. Kluwer: Lndn; Checkland, P., Pulter, J. (2006). Learning fr Actin. Jhn Wiley & Sns Ltd: Chichester; Dekker, S. (2011). Drift int Failure: frm hunting brken cmpnents t understanding cmplex systems. Ashgate: Aldersht. HS-807 Sistemas da Aviaçã e da Saúde Sistema da aviaçã: história e a criaçã da ICAO. Os Anexs da Cnvençã de Chicag. Caracterizaçã cm rganizaçã de alta cnfiabilidade. Pilares da segurança: integridade d prdut, integridade das perações, aernavegabilidade cntinuada. O Sistema Únic de Saúde n Brasil: princípis, redes de atençã e integralidade; financiament e cntrle de saúde; plíticas de saúde em utrs países; parcerias públic-privadas; mdalidades de gestã: administraçã direta, fundaçã pública de direit privad, rganizaçã scial de saúde, autarquia. Plan Nacinal de Segurança d Paciente e qualidade n sistema de saúde. Sistema de saúde suplementar. sistema da aviaçã: históric e criaçã da ICAO. Bibligrafia: ICAO. Cnventin n Internatinal Civil Aviatin Dc7300/9. Annexes ICAO: Mntreal, 2006; Amalberti R., Aury Y., Berwick D., Barach P. Five system barriers t achieving ultrasafe health care. Ann Intern Med, 2005, 142: ; Camps, G.W.S. O SUS entre a tradiçã ds Sistemas Nacinais e md liberalprivad para rganizar cuidad à saúde. Ciência & Saúde Cletiva. Ciência & Saúde Cletiva, 12(Sup): , HS-813 Sistemas de Gestã da Segurança ns Sistemas da Aviaçã e da Saúde Gestã da segurança na aviaçã. Organizaçã da Aviaçã Civil Internacinal. Cnceituaçã e avaliaçã de riscs e perigs. Plíticas e bjetivs. Garantia e prmçã da segurança peracinal. Cultura rganizacinal. Cultura de segurança (sistema de ntificações). Gestã de risc. Fundaments de gestã da qualidade. ferramentas de gestã da qualidade: benchmarking, PDCA, Ishikawa, Tracer, Wrkarund, Beside Care. Bibligrafia: Carpinetti, L. C. R. Gestã da qualidade cnceits e técnicas. Atlas, 2a ed., 2012; Stlzer, A. J., Halfrd, C. D, and Gglia, J. J. Sistemas de Gerenciament da Segurança Operacinal na Aviaçã. DCA-BR; T Err Is Human: building a safer health system. Linda T. Khn, Janet M. Crrigan, and Mlla S. Dnaldsn, Editrs. Cmmittee n Quality f Health Care in America, Institute f Medicine (2000), 312 p. HS-819 Gerenciament de Crises e Planejament de Cntingências ns Sistemas da Aviaçã e da Saúde Cnceits de gerenciament de crise. Cmunicaçã em crise. Resiliência peracinal. Cmunicaçã d risc. Gerenciament de risc. Respsta a emergências, defesa civil. Metdlgia de planejament para situações de emergência e para respsta a crises. Equipes de respsta:

8 papéis e respnsabilidades. Estud de cass brasileirs. Exercícis de simulaçã em cmunicaçã em crise: entrevista cletiva e atendiment a vítimas de desastres e seus familiares. Técnicas e ferramentas para a implementaçã e manutençã de prgramas de planejament e respsta a situações de crise. Bibligrafia: Crisis Management in a Cmplex Wrld, Dawn R. Gilpin and Priscilla J. Murphy, Oxfrd Press University, 2008; What Were They Thinking? Crisis cmmunicatin: the gd, the bad, and the ttally clueless, Steve Adubat, Rutgers University Press, 2008; The Plitics f Crisis Management: Public Leadership under Pressure Arjen Bin, Paul t Hart, Eric Stern, Bengt Sundelius. Cambridge University Press, HS-825 Certificaçã, Cnfiabilidade e Segurança ns Sistemas da Aviaçã e da Saúde Nções de Certificaçã (ANVISA, FDA, EFSA). Princípis de Acreditaçã: Prgramas de Acreditaçã. Instituições de acreditaçã (Accreditatin Canada, Organizaçã Nacinal de Acreditaçã (ONA), The Jint Cmmissin, e utras), Lógica d Prcess de Acreditaçã. Sistema de gestã para saúde e segurança peracinal (OHSAS). Ferramentas da qualidade: Lean Six Sigma, Psitive Deviance. Nções de Metrlgia. Mdels de sistemas de segurança e sistemas de gestã da segurança em saúde. Avaliaçã de risc ns sistemas de saúde: prcess de avaliaçã de riscs. Cnceits fundamentais: perig, risc e fatres de Risc. Cnfiabilidade e err human. Falhas de equipaments. Avaliaçã de perigs e principais metdlgias: Rt CauseAnalysis (RCA), Health Failure Mdes and Effects Criticality Analysis (HFMECA); Fault Tree Analysis (FTA) e utras. Cmparaçã cm a metdlgia da aviaçã cmercial e militar. Fundaments de Prbabilidade e Estatística para Avaliaçã de Riscs. Intrduçã à avaliaçã quantitativa de riscs à saúde: aliments, mei-ambiente e denças. Bibligrafia: ICAO. Safety Management System Manual (SMM). Dc d editin. 2009; Cut, R. C. e Pedrsa, T. M. G. Hspital Acreditaçã e Gestã em Saúde. Ed. Guanabara. 2ª ed., 2007; Runciman, B., Merry, A. e Merrilyn, W. Safety And Ethics In Healthcare: A Guide T Getting It Right. Ashgate Publishing Cmpany, HS-831 Gestã de Cmpetências Multiprfissinais para a Segurança na Saúde Definiçã e prcess de gestã de pessas baseada em cmpetências. Cicl de desenvlviment e avaliaçã de cmpetências. Currícul de treinament e desenvlviment de cmpetências cm fc em sistemas de segurança. Bases teóricas para desenvlviment de habilidades técnicas e nã-técnicas. Estruturas nrmativas, de infrmaçã e de qualificaçã de prfissinais que cmpõem prgrama de desenvlviment de pessas para a prática segura. Cnjunt de princípis, métds e recurss utilizads em prcesss crítics para a segurança na prduçã de serviçs médics hspitalares. Percepçã de risc e disseminaçã da cultura de segurança. Trabalh em equipe e frmaçã de times. Métds de auxíli a melhria da cmunicaçã cm vistas à melhria da segurança. Us de Simulaçã Realística e de utras metdlgias para ensin e habilitaçã em segurança n cntext da saúde. Metas de segurança alinhadas à estratégia da rganizaçã. Bibligrafia: PatientSafety Curriculum Guide Multi-prfessinal Editin; Wrld Health Organizatin Khn, L. T., Crrigan J. M., Dnaldsn M. S. T err is human: building

9 a safer health system. Institute f Medicine, Natinal Academy Press, p.; Dutra J. S., Fleury M. T. L., Ruas R. L. Organizadres. Cmpetências Cnceits, Métds e Experiências. Sã Paul: Atlas, HS-837 Estratégias e Evidências na Prevençã de Events Adverss em Saúde Taxnmia em segurança d paciente. Epidemilgia ds errs e events adverss em saúde. Fundaments teórics e exempls de estratégias para reduçã da crrência de events adverss em saúde. Análise sistêmica e desempenh segur em saúde. Análise crítica de evidências científicas para reduçã de events adverss em saúde. Bibligrafia: Khn LT, Crrigan JM, Dnaldsn MS (Eds.). T err is human: building a safer health system. Institute f Medicine, Natinal Academy Press, p. Gawande, Atul. The Checklist Manifest: Hw t get things right. Metrplitan Bks, Vincent, C. Segurança d Paciente: rientações para evitar events adverss. Sã Caetan d Sul, Ed. Yendis, p. HS-843 Aspects Étics, Respnsabilidade Civil e Criminal na Saúde Aspects filsófics, étics e jurídics na reflexã, interpretaçã e repercussã d err em saúde. Mdels teórics de abrdagens em saúde. Princípis da biética e a análise de errs e events adverss em saúde. Justiça cm cmpnente da cultura de segurança e análise d err. Análise jurídica, respnsabilidade civil e criminal em saúde. Revelaçã da crrência de errs em saúde. Bibligrafia: Pessini, L. (traduçã). Biética, medicina e tecnlgía: desafis étics na frnteira d cnheciment human. Edições Lila. 2005; Pedreira M.L.G., Harada M.J.C.S. Enfermería a diari: La seguridad del paciente. Sã Caetan d Sul, Sã Paul Yendis Editra. 2011; Gallagher A., Li S., Wainwright P., Jnes I.R., Lee D. Dignity in the care f lder peple - a review f the theretical and empirical literature. BMC Nurs. 2008; 11: HS-879 The Human Factr in Achieving Safety Perfrmance A systems perspective t the rle f the human in achieving ptimal safety perfrmance, as applied t the dmains f aviatin and health. Life-cycle spectrum including: Scial Influence and Grup Dynamics; Reductin f Risky Behavirs and Sustainable Behavir Change; and Human Perfrmance and Design. Theretical principles and practical examples. Demystifying the human element. Experiencing the range f diverse and pwerful pathways t affect safety perfrmance. Bibligraphy: Hpkins, A. (2005). Safety, Culture and Risk. CCH Australia Limited: Sydney; Kanki, B.G., Helmreich, R.L. & Anca, J. (Editrs), (2010). Crew Resurce Management, Secnd Editin. Academic Press: Bstn, MA; Krause, T.R., Hidley, J., & Pinakiewicz (2009). Taking the Lead in Patient Safety: Hw Healthcare Leaders Influence Behavir and Create Culture. Jhn Wiley & Sns: Hbken, NJ.

10 HS-899 Metdlgia d Trabalh Científic A Filsfia da ciência: cnceits básics e relaçã cm Métd Científic. Scilgia da ciência e da tecnlgia. A natureza d empreendiment científic e tecnlógic. Impacts ecnômics e sciais da ciência e da tecnlgia. Ciência básica e ciência aplicada: mdel linear de P&D e visã mderna de invaçã tecnlógica. As bases históricas da ciência. A universidade e a vida acadêmica: rigens, evluçã, mdel atual. A ética na vida e na pesquisa científica: interface cm a ética na pesquisa cm ser human e Resluçã 196 d Ministéri da Saúde - Declaraçã de Helsinki. Genma: respnsabilidade ética e ambiental, Platafrma Brasil. Métd científic: visã frmal, visã prática. Tips de publicações científicas. Métds de análise e resluçã de prblemas. Cm preparar e escrever um prjet de pesquisa. Pesquisa bibligráfica. Técnicas de leitura de artigs científics. Bancs de dads científics: Prtal da CAPES. O artig científic: históric, estruturaçã, prcess editrial, publicar u perecer. Vancuver style: sistemas de citaçã em publicações na saúde. Bibligrafia: The Handbk f Science and Technlgy Studies. Editres: Edward J. Hacket et al. The MIT Press (2007) p.; Philsphy f Science: A Very Shrt Intrductin. Autr: Samir Okasha. Oxfrd University Press (2002). 160 p.; Bases Teóricas para Redaçã Científica. Autr: Gilsn Vlpat. Cultura Acadêmica; Scripta (2010). 126 p. HS-800 Trabalh de Cnclusã de Curs O Trabalh de Cnclusã de Curs (TCC) cnsiste na apresentaçã escrita de pesquisa acadêmica que evidencie a capacidade de sistematizaçã da literatura e delimitaçã d estad da arte existente sbre tema de estud, bem cm, a habilidade de utilizaçã de métds e técnicas de investigaçã científica. O TCC pderá ser cnfeccinad na frma de mngrafia u artig científic. Cabe a pós-graduand e a rientadr, em cmum acrd, e cnsiderand bjet e métd d estud, determinar a frma de entrega d trabalh. O trabalh será realizad sb a supervisã de um rientadr, que tem a funçã de desenvlver cm pós-graduand planejament das atividades e acmpanhar a realizaçã das mesmas. Pderá haver designaçã de um c-rientadr d estud, de acrd cm a temática prpsta para pesquisa. O trabalh será realizad em grup de 3 a 5 aluns. Os crdenadres da disciplina têm a atribuiçã de prmver encntrs cm s aluns e dcentes para definiçã de temáticas e grups de trabalh, designaçã de pssíveis rientadres, acmpanhament d plan de atividades e rganizaçã da defesa pública ds TCC. A final d curs, em data previamente anunciada através de edital, será realizada defesa pública d TCC. Para a defesa pública será cnstituída uma banca de três avaliadres, send rientadr d trabalh presidente da banca de avaliaçã. Os avaliadres deverã receber a melhr versã d TCC para análise 15 dias antes da data agendada para a apresentaçã. A defesa cnsiste na apresentaçã ral d TCC, seguida de arguiçã realizada pels membrs da banca de avaliaçã. Cada avaliadr deverá emitir um parecer e uma nta a trabalh. Serã cnsiderads aprvads s TCC cm nta mair u igual a 7,0. Os aluns terã praz definid pela Crdenaçã d Curs, após a defesa, para entrega d trabalh final, a fim de

11 que as cnsiderações da banca pssam ser incrpradas a crp d trabalh. O TCC deverá ser entregue n frmat impress e digital para s crdenadres da disciplina acmpanhads pr um Term de Entrega para as biblitecas d ITA e da UNIFESP. Quand da publicaçã d TCC deverá ser atribuída a descriçã: Trabalh de Cnclusã de Curs apresentad a Cmplex Systems: Health Care and Aviatin Safety Specializatin Curse d Institut Tecnlógic de Aernáutica (ITA) e Universidade Federal de Sã Paul (Unifesp) para btençã d títul de Especialista. BIBLIOGRAFIA: Nrmas emanadas da Bibliteca d ITA, dispníveis em PARRA, D.; SANTOS, J.A. Metdlgia Científica. 3. ed. Sã Paul: Futura, 2000; Regras de utilizaçã ds serviçs e recurss infrmacinais da Divisã de Infrmaçã e Dcumentaçã d ITA. 4. INSCRIÇÕES 4.1 PERÍODO: de 22 de utubr de 2012 a 14 de janeir de CONDIÇÕES PARA INSCRIÇÃO Seguem as cndições exigidas para a inscriçã n Exame de Seleçã PREENCHIMENTO DE CADASTRO E DIGITALIZAÇÃO DA FICHA DE INSCRIÇÃO É mandatóri que candidat preencha seu cadastr n website Após preechiment, a Ficha de Inscriçã deve ser enviada para e, pr mensagem eletrônica, assinada e digitalizada, para e ENVIO VIA CORREIO OU ENTREGA PESSOAL NA SECRETARIA DOS CURSOS DE Safety DO ITA DOS SEGUINTES DOCUMENTOS (vide endereç n item 7). Ficha de Inscriçã (cmpletamente) preenchida e assinada. Currícul Vitae DETALHADO (incluind dads pessais, frmaçã acadêmica e experiência prfissinal). Carta de apresentaçã pessal, dirigida a Crdenadr d Curs. Cópia d diplma d curs de graduaçã. Cópia d históric esclar d curs de graduaçã. Cópia d RG. Cópia d CIC. 2 fts 3X4 RECENTES.

12 4.2.3 Taxa de Inscriçã. Após preencher cadastr, será gerad um blet bancári para pagament da taxa de inscriçã, cnfrme rientaçã presente n website O valr da taxa de inscriçã é de R$ 120,00 (cent e vinte reais). Nã é aceit pagament via cheque. 4.3 Valr d Investiment O valr d investiment (a praz) para as Disciplinas Obrigatórias relativas à presente ferta d PE-Safety é de R$ ,00 (vinte e dis mil e itcents e sessenta reais) pr alun. Os pagaments devem ser feits via blets gerads n website Maires detalhes sbre valr d investiment n curs encntram-se ns itens 4.3.1, e destas Instruções. A matrícula para Disciplina Opcinal HS-879 The Human Factr in Achieving Safety Perfrmance já está incluída n valr d investiment d curs. Mais detalhes sbre a frma de pagament das disciplinas brigatórias d curs se seguem Pagament Através de Pessa Jurídica Ü Parcela para Matrícula: 1 (uma) de R$ 1.905,00 (um mil, nvecents e cinc reais) a ser paga até dia 15/02/2013. Ü Restante: R$ ,00 (vinte mil, nvecents e cinquenta e cinc reais) através de fatura cm venciment para dia 12/03/2013. Pagament à vista: cm descnt, n valr ttal de R$ ,00 (vinte e um mil, setecents e dezessete reais) cm venciment da fatura em 15/02/ Pagament Através de Pessa Física Ü Parcela para Matrícula: 1 (uma) de R$ 1.905,00 (um mil, nvecents e cinc reais) a ser paga até dia 15/02/2013. Ü Demais parcelas: 11, de R$ 1.905,00 (um mil, nvecents e cinc reais) devem pagas até dia 12 de cada mês, de març a dezembr de Nta: para dia 10 de març estarã previstas 2 (duas) parcelas n valr de R$ 1.905,00 (um mil, nvecents e cinc reais) cada uma. Pagament à vista: cm descnt, n valr ttal de R$ ,00 (vinte e um mil,

13 setecents e dezessete reais) cm venciment da fatura em 15/02/ Cm Relaçã à Quitaçã d Investiment: apenas pderã participar da Frmatura d Curs (prevista para dezembr de 2013) e/u receberem seus Certificads s aluns que tiverem TODO O VALOR DO INVESTIMENTO (estabelecids ns itens dessas Instruções de Oferta) QUITADO JUNTO À FUNDEP. 5. EXAME DE SELEÇÃO A seleçã ds candidats será realizada pr uma banca de prfessres indicads pela crdenaçã d Curs de Especializaçã Sistemas Cmplexs: Segurança na Aviaçã e Saúde. O Exame de Seleçã pderá ser realizad u n dia 1 de dezembr de 2012 u n dia 19 de janeir de O Exame cnstará de três etapas: (1) avaliaçã de currícul e da carta de apresentaçã pessal, (2) prva escrita de inglês e redaçã em prtuguês, e (3) entrevista. 5.1 Primeira Etapa - avaliaçã curricular e da carta de apresentaçã pessal. Serã avaliads rendiment esclar d candidat n seu curs de graduaçã, seus eventuais curss de especializaçã u utrs curss de pós-graduaçã, suas eventuais publicações na área de Segurança ds Sistemas da Aviaçã e/u Saúde, sua eventual participaçã cm estagiári e/u blsista em prjets institucinais e sua experiência prfissinal. A carta de apresentaçã pessal, endereçada as Crdenadres d Curs, cm as razões da candidatura deverá expr s interesses d candidat em participar d mesm, descrevend, se pssível, as interações d desse cm suas atividades e/u interesses prfissinais. 5.2 Segunda Etapa prva escrita, dividida em dis segments: Prva de inglês: destina-se a avaliar a capacidade d candidat de leitura e cmpreensã de bibligrafia acadêmica na área de Segurança ds Sistemas da Aviaçã e da Saúde na Língua Inglesa. Para tant s candidats deverã traduzir para prtuguês um text na Língua Inglesa, que verse sbre este assunt, sem auxíli de dicinári Redaçã em prtuguês: versa sbre uma das áreas de cnheciment assciadas à Segurança ds Sistemas da Aviaçã e/u Saúde, de acrd cm cnteúd das disciplinas (fixadas n item 3 d presente edital) e cm base na experiência prfessinal d candidat nessa area d cnheciment. Serã levads em cnta grau de cnheciment na área e a capacidade

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2º semestre / 2012 O Prgrama de Educaçã Cntinuada da trna públic, para cnheciment

Leia mais

Instruções para a Oferta do PE-Safety no. 1/2015-2016

Instruções para a Oferta do PE-Safety no. 1/2015-2016 1/13 Instruções para a Oferta d PE-Safety n. 1/2015-2016 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA DE AVIAÇÃO E AERONAVEGABILIDADE CONTINUADA, PE-Safety Turma 2, Bel Hriznte O Institut Tecnlógic de Aernáutica

Leia mais

Instruções para a Oferta do PE-Safety no. 4/2014-2015

Instruções para a Oferta do PE-Safety no. 4/2014-2015 1/14 MINISTÉRIO DA Instruções para a Oferta d PE-Safety n. 4/2014-2015 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA DE AVIAÇÃO E AERONAVEGABILIDADE CONTINUADA, PE-Safety Turma 2, Ri de Janeir, RJ (públic-alv em

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Instruções para a Oferta do PE-Safety no. 1/2014-2015

Instruções para a Oferta do PE-Safety no. 1/2014-2015 Instruções para a Oferta d PE-Safety n. 1/2014-2015 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA DE AVIAÇÃO E AERONAVEGABILIDADE CONTINUADA, PE-Safety Turma 2, Brasília, DF (Específica para prfissinais d CENIPA)

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seçã 1. Pág. 20 Cmpnente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Códig: ENF-219 Pré-requisit: Nenhum

Leia mais

Instruções para a Oferta do PE-Safety no. 2/2013-2014

Instruções para a Oferta do PE-Safety no. 2/2013-2014 Instruções para a Oferta d PE-Safety n. 2/2013-2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA DE AVIAÇÃO E AERONAVEGABILIDADE CONTINUADA, PE-Safety Turma 10, Sã Jsé ds Camps, SP O Institut Tecnlógic de Aernáutica

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

Instruções para a Oferta do PE-Safety no. 3/2012-2013

Instruções para a Oferta do PE-Safety no. 3/2012-2013 Instruções para a Oferta d PE-Safety n. 3/2012-2013 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA DE AVIAÇÃO E AERONAVEGABILIDADE CONTINUADA, PE-Safety Turma 1, Brasília, DF (Específica para prfissinais d CENIPA)

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

INSTITUTO PROFESSOR KALAZANS

INSTITUTO PROFESSOR KALAZANS INSTITUTO PROFESSOR KALAZANS CURSO DE PERITO JUDICIAL AERONÁUTICO - EMENTA EDITORA BIANCH COORDENADOR MENTOR PROFESSOR PROFESSOR KALAZANS 1 1 Bacharel em Direit; Pós-graduad em nível de Especializaçã em

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2007 De 8 de novembro de 2007 Reedita as Normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação, revogando a

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2007 De 8 de novembro de 2007 Reedita as Normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação, revogando a RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N 01/2007 De 8 de nvembr de 2007 Reedita as Nrmas para Recnheciment de Títuls de Pós-Graduaçã, revgand a Resluçã Cmplementar n 02/93, de 25 de junh de 1993. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO FGV LAW PROGRAM

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO FGV LAW PROGRAM ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO FGV LAW PROGRAM EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 1º semestre / 2015 O FGV Law Prgram da Escla

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana de Parnaíba Cmpnente Curricular: Cntabilidade Cmercial Eix Tecnlógic: Gestã e Negócis Módul: II C.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O Prgrama Ciência sem Frnteiras, lançad n dia 26 de julh de 2011, é um prgrama d Gvern Federal que busca prmver a cnslidaçã, a expansã e a internacinalizaçã

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO)

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) O relatóri de Estági Supervisinad (ESO) deverá ser elabrad pel alun matriculad n 10º semestre, em cmum acrd cm seu rientadr,

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 005/2014 DE 07 DE ABRIL DE 2014 PROCESSO SELETIVO O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP.: 64.073-505,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

SELEÇÃO PARA ESPECIALIZANDO EM ORL DA CLINICA SOS OTORRINO. (Credenciada pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial)

SELEÇÃO PARA ESPECIALIZANDO EM ORL DA CLINICA SOS OTORRINO. (Credenciada pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial) SELEÇÃO PARA ESPECIALIZANDO EM ORL DA CLINICA SOS OTORRINO (Credenciada pela Assciaçã Brasileira de Otrrinlaringlgia e Cirurgia Cérvic-Facial) MANUAL DO CANDIDATO 2013 2 SOS OTORRINO Crdenadr da Residencia

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO Prezad(a) Alun(a) A mbilidade acadêmica internacinal é uma prtunidade valisa para seu cresciment individual, acadêmic e prfissinal. Nã permita que a falta de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL PARA O SEGUNDO PERÍODO LETIVO DE 2014. 1. PREÂMBULO 1.1. O Crdenadr d Prgrama de

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

REGULAMENTO 2015 BOLSA DE ESTUDO PARA COREIA DO SUL DENTRO DO MARCO DE COOPERAÇÃO ENTRE AS CIDADES DE SÃO PAULO E SEUL

REGULAMENTO 2015 BOLSA DE ESTUDO PARA COREIA DO SUL DENTRO DO MARCO DE COOPERAÇÃO ENTRE AS CIDADES DE SÃO PAULO E SEUL REGULAMENTO 2015 BOLSA DE ESTUDO PARA COREIA DO SUL DENTRO DO MARCO DE COOPERAÇÃO ENTRE AS CIDADES DE SÃO PAULO E SEUL SECRETARIA MUNICIPAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS E FEDERATIVAS DA PREFEITURA DE SÃO

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE Institut Instituiçã fcada na geraçã de sluções para a implementaçã e gestã pedagógica de Núcles de Treinament e Capacitaçã de prfissinais e acadêmics

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Competências Clínicas para a Prática de Profissionais com Certificado Internacional de Consultor em Amamentação

Competências Clínicas para a Prática de Profissionais com Certificado Internacional de Consultor em Amamentação Cmpetências Clínicas para a Prática de Prfissinais cm Certificad Internacinal de Cnsultr em Amamentaçã Prfissinais cm Certificad Internacinal de Cnsultr em Amamentaçã (Cnsultres em Amamentaçã) demnstram

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais