1.0 Introdução No presente trabalho discutimos as implicações sintácticas da co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa à luz do Mirror

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.0 Introdução No presente trabalho discutimos as implicações sintácticas da co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa à luz do Mirror"

Transcrição

1 CAPÍTULO I: INTRODUÇÃO 1.0 Introdução No presente trabalho discutimos as implicações sintácticas da co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa à luz do Mirror Principle ou Princípio de Espelho (doravante PE), um programa de pesquisa de muito sucesso iniciado por Baker (1988) no seu livro Incorporation (Incorporação). A sua proposta teórica é tomada mais a sério na teoria de Morfologia Distribucional, de acordo com a qual, na estrutura verbal, os morfemas são montados por operações sintáticas e não por operações lexicais. Deve ser por isso que Borba (1979) já defendia que os distribucionalista operam directamente com morfemas e analisam a sequência nos sintagmas. Por isso não distinguem entre Morfologia e Sintaxe. Destarte, não há divisão entre a construção de palavras e construção de frases. No entanto, segundo o autor, se se admite que há uma entidade mínima relacionável no enunciado, esta é a palavra, qualquer que seja sua complexidade mórfica. A palavra será então o constituinte último do enunciado. Essa posição leva a dizer que o enunciado consta de palavras e não de morfemas, da mesma forma que um trem consiste em vagões e não em rodas, bancos, portas e janelas. Critica-se, nessa orientação, a prioridade absoluta dada ao eixo sintagmático em detrimento do eixo paradigmático. Para Harley (s/d), o argumento forte da Morfologia Distribucional vem de fenómenos relacionados com o Princípio de Espelho visto que, nele, se defende que a ordem dos morfemas dentro de uma palavra complexa reflecte a hierarquia sintática. Um estudo sobre as implicações sintácticas da co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa em Nyungwe é um estudo de interface Morfologia e Sintaxe, pois estes morfemas fazem parte do grupo de morfemas derivacionais, geralmente chamados de extensões verbais justamente por causa do efeito que têm sobre a morfologia, a sintaxe e a semântica dos verbos em que ocorrem, (NGUNGA 2004). Nas línguas bantu, estes morfemas derivacionais desempenham um papel importante na marcação de relações de transitividade que em outras línguas, as isolantes e mesmo as 1

2 flexivas/flexionais, seriam marcadas sintaticamente. Parece ser por isso que Guthrie (1967) considera a presença das extensões verbais entre os principais critérios para se estabelecer se uma língua pertence ou não à família bantu. Porém, Coochi (2008) diz que o número e as formas das extensões verbais variam de língua para língua, e por isso não há necessidade de estudar as extensões verbais em todas as línguas para estabelecer o seu alcance. Por ser uma língua bantu, Nyungwe é um exemplo de uma língua aglutinante, isto é, pertence ao grupo de línguas em que numa palavra podemos encontrar vários morfemas que marcam aspectos tanto flexionais quanto dervacionais. Este conceito é colocado em oposição ao de línguas isolantes: que têm os seus morfemas ocorrendo como palavras de forma isolada e ao de línguas flexionais aquelas com uma tendência acentuada a recorrer à flexão, isto é, tendem a expressar relações gramaticais por meio de afixos, mas a correspondência entre os morfemas e os traços semânticos ou funções gramaticais não é tão clara quanto nas línguas aglutinantes. Elas associam vários significados a um afixo. A morfologia das línguas isolantes não é tão rica quanto a de línguas aglutinantes. Os verbos causativos e aplicativos são resultado de um processo de formação de palavras muito produtivo que faz a combinação de um verbo não-causativizado ou não-aplicado e um sufixo causativo ou aplicativo. Interessa-nos, neste trabalho, olhar para a valência dos verbos causativizados e aplicados em Nyungwe. Portanto, em termos sintácticos o nosso foco principal incidirá sobre o papel das extensões verbais na mudança das funções gramaticais da estrutura argumental do verbo em que ocorre. Defendemos que a aplicativização altera a estrutura argumental do verbo não-aplicado, adicionando um novo argumento, que desempenha a função gramatical de objecto ocorrendo adjacente ao verbo aplicado. A causativização adiciona um novo argumento, que assume a nova função gramatical de causador e, consequentemente torna-se sujeito dessa frase. Portanto, o agente-sujeito original é movido para a posição de objeto e de oblíquo. As extensões verbais em bantu têm sido destaque no estudo da sintaxe nos últimos anos (BAKER 1988a; BLISS 2009; COCCHI 2008; CHABATA 2007; DAMONTE s/d; ELWELL 2006; FERNANDO 2008; HARLEY s/d; KATUPHA 1991; KATUSHEMERERWE 2013; LAM 2007; LANGA 2007; LODHI 2002; MCHOMBO 1993; MATSINHE 1994; NGONYANI 1996; NGONYANI 1998; NGUNGA 2000, 2004; RIEDEL 2009; SIMANGO 1998; SITOE 2009; STEGEN 2002; WAWERU 2011; só para citar alguns). As razões para esse destaque são duas: em primeiro lugar, os seus efeitos sobre a estrutura argumental do verbo em que ocorrem e, em segundo 2

3 lugar, devido ao seu estatuto e lugar no estudo da Sintaxe e da gramática como um todo. Este pensamento é reafirmado por Hoffman (1991) e Mogara (2013), para quem as línguas bantu, através do seu rico sistema de ampliação de valência verbal oferecem várias perspectivas de análise sobre a variação da estrutura de objectos múltiplos e o número de sintagmas nominais (SNs) que o verbo pode selecionar. É dentro desta linha de pensamento que, nesta dissertação, descrevemos e analisamos as implicações sintáticas da co-ocorrência da extensão causativa e aplicativa em Nyungwe à luz do Princípio de Espelho visto que, tal como acontece noutras línguas, estas extensões alteram a valência do verbo em que ocorrem. Nyungwe é uma língua bantu que Greenberg (1963), escrevendo sobre a classificação das línguas bantu, afirma que pertence a família Congo-Kordofaniana. Ele estabelece uma classificação genética das línguas africanas que, apesar de algumas alterações sofridas ao longo dos tempo, continua sendo a mais citada actualmenente. Para Greenberg (http://en.wikipedia.org/org/wiki/the- Languages_of_Africa#Classification), as línguas africanas classificam-se em quatro grandes famílias e em cada uma delas identifica as sub-famílias: Afro-asiática (sub-famílias: Semítica, Egípcia, Cushítica, Berber, Chádica); Nilo-sahariana (sub-famílias: Songhai, Sahariana, Maban, Fur, Chari-Nilo, Koman); Congo-Kordofaniana (sub-famílias: Níger-Congo e Kordofaniana); Khoi e San (sub-famílias: Khoi, San, Sandawe, Iraqw, Hatsa ou Hadza). A subfamília Niger-Congo, por ocupar a maior área geográfica, por ter o maior número de falantes e o maior número de diferentes línguas, embora a diferença de línguas seja uma questão complicada pela ambiguidade sobre o que distingue uma língua da outra, constitui um das principais conjuntos de línguas do mundo e de África. As línguas mais faladas tendo em conta o número de falantes nativos são: Yoruba, Igbo, Fula, Shona e Zulu. A língua mais falada tendo em conta o número total de falantes é Swahili. Na classificação das línguas bantu, Doke (1945), citado por Cole (1961) a língua nyungwe pertence ao grupo linguístico Nyanja (52/3/1). A este grupo linguístico, o autor inclui as línguas: Nsenga (52/3/2), Sena (52/3/3) e Nyungwe (52/3/3a). Por conseguinte, olhando-se para a classificação de Doke (1945), Nyungwe é variante de Sena. 3

4 Todavia, para Guthrie ( ), Nyungwe é uma língua do grupo linguístico Nsenga-Sena (N40) ao qual pertencem outras línguas mutuamente inteligíveis, nomeadamente: Cinsenga (N41), Cikunda (N42) Cisena (N44), Ciruwe (N45) e Cipodzo (N46). Nesta classificação, de Guthrie ( ), Nyungwe apresenta duas variantes: Citonga e Cidema. Tendo em conta a reconstituição de Schadeberg (2003), esta língua pertence ao grupo bantu da família Niger-Kordofaniana, e ao subgrupo bantu, línguas que fazem parte da maior família de línguas Africanas: Niger-Congo. No entanto, os trabalhos recentes sobre a padronização da ortografia das línguas bantu faladas em Moçambique, Ngunga e Sitoe (2000) e, mais recentemente, Ngunga e Faquir (2011), afirmam que esta língua, não é variante de Sena como afirmara Doke (1945), mas também não tem uma variação dialectal de relevo por isso, a variante de referência deve ser a falada na cidade de Tete e nos distritos de Moatize, Changara e Cahora Bassa, por sinal, zonas onde a língua é falada na província. Para o presente trabalho, considerando-se as propostas de Ngunga e Sitoe (2000) e mais recentemente as de Ngunga e Faguir (2011), será usada a variante falada na Cidade de Tete. Portanto, variante também considerada de referência. Igualmente, tendo em conta estes estudos e o de Ngunga e Faquir (2011), Nyungwe, é uma língua bantu falada na província de Tete, concretamente, nos distritos de Moatize, Changara, Cahora Bassa e partes de Marávia por pessoas de cinco ou mais anos de idade (INE, 2010). 1.1 Apresentação do Problema de pesquisa No Princípio de Espelho defende-se que há uma relação muito estreita entre a Morfologia e a Sintaxe, dado que a derivação morfológica reflecte a derivação sintática (e vice-versa). É por isso que, a estrutura morfológica de uma palavra complexa é derivada através do movimento do núcleo da raiz lexical para os núcleos onde os morfemas são gerados, então a ordem dos morfemas irá reflectir a incorporação sintática dos núcleos que correspondem a esses morfemas, Baker (1988). Assim, a quantidade de movimento dos itens lexicais na estrutura sintáctica dependerá de quão rica ou fraca é a Morfologia dessa língua. As línguas com Morfologia rica vão licenciar mais movimentos e aquelas com uma Morfologia fraca permitirão menos movimento, o que sugere que esta teoria, mesmo tendo sido discutida por vários autores e se ter proposto inovações, é flexível e ainda pode responder à descrição de todas as línguas cuja estrutura morfológica estabelece uma relação entre a Morfologia e a Sintaxe. 4

5 Nestas línguas, o PE estabelece uma estreita relação entre a Morfologia e a Sintaxe, em virtude de esta defender que, nas línguas, o mapeamento sintáctico deve reflectir a derivação morfológica. Assim, no presente estudo, pretendemos contribuir para o debate sobre a interface Morfologia/Sintaxe através da descrição e análise das operações sintáticas espelhadas pela ordem de co-ocorrência dos morfemas causativo e aplicativo em Nyungwe. Esta língua faz parte do grupo de línguas que carecem de estudos teóricos descritivos, uma lacuna que nos propomos preencher ao discutir este tema à luz de uma das teorias usadas no estudo de fenómenos morfossintáticos como as extensões verbais. 1.2 Questões de Pesquisa A presente pesquisa é orientada pelas seguintes questões: 1. Quais são as propriedades morfológicas dos verbos em que as extensões causativa e aplicativa podem ocorrer? 2. Quais são as operações sintáticas espelhadas pela ordem dos morfemas causativo e aplicativo? 3. Até que ponto o PE responde à descrição das implicações sintácticas da co-ocorrência da extensão causativa e aplicativa nesta língua? 1.3 Hipóteses Esta pesquisa é orientada pelas seguintes hipóteses: 1. As extensões causativas e aplicativas podem ocorrer em todos os verbos transitivos e intransitivos; 2. O PE estabelece que, com a derivação morfológica, há um lugar previsto para os morfemas causativo e aplicativo e, em consequência, o agente causador passa a desempenhar a função de tema e o verbo aplicado selecciona um objecto aplicado que ocorre adjacente ao verbo e os argumentos seleccionados não podem co-ocorrer; 3. O PE satisfaz às exigências descritivas das implicações sintácticas da co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa em Nyungwe. 1.4 Objectivos da pesquisa O presente estudo tem os seguintes objetivos: 5

6 1. Descrever as operações sintáticas espelhadas pela ocorrência dos morfemas causativo e apliactivo nos verbos transitivos e intransitivos em Nyungwe. 2. Descrever as mudanças sintáticas decorrentes da co-ocorrência dos morfemas causativo e aplicativo em Nyungwe à luz do PE. 3. Analisar as mudanças sintáticas espelhadas pela co-ocorrência dos morfemas causativo e aplicativo em Nyungwe à luz do PE. 1.5 Justificação do estudo O objetivo deste estudo é fazer uma descrição e análise das implicações morfossintáticas da co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa em Nyungwe. Esperamos que os resultados da pesquisa contribuam, ainda que de forma singela, para preencher as lacunas decorrentes da falta de estudos descritivos desta língua e respondendo, assim a constatação de Stegen (2002) para quem Nyungwe carece de estudos descritivos. Igualmente, a relevância deste estudo reside no facto de, segundo Diercks (2010), apesar de representarem uma grande percentagem de diversidade linguística do mundo, as línguas Bantu ainda serem pouco pesquisadas se comparadas às línguas faladas em regiões do mundo economicamente desenvolvidas. O estudo espera reforçar uma adequação explicativa do PE em que apesar de ter sido construído com base em dados de várias línguas entre elas o Inglês e o Chichewa, o, achamos importante testá-lo em outras línguas bantu com uma estrutura verbal complexa (NGUNGA 2004). 1.6 Metodologia de investigação Para a realização deste trabalho combinamos três métodos a saber: (a) Introspectivo, baseando-se no conhecimento da autora como falante da língua; (b) Filológico, com recurso ao material escrito, pois alguns verbos analisados foram retirados de Martins (1991) e Ngunga e Faquir (2011) para a ortografia; e (c) Entrevista, usado na recolha de dados com recurso a falantes nativos desta língua para a confirmação dos verbos em que podem ocorrer as extensões causativa e aplicativa e as características do objecto selecionado pelo verbo aplicado. As entrevistas foram feitas de duas formas: individual e colectiva (grupos focais), da seguinte maneira: Escolhemos 20 informantes, falantes nativos de Nyungwe dos quais 17 são residentes na cidade de Maputo. Dos 17 falantes 10 são militares e ex-militares residentes na zona militar, 3 líderes de 6

7 igrejas e 4 estudantes universitários de Ensino de Línguas Bantu. Os outros 3 falantes são professores de Nyungwe residentes na província de Tete. Na entrevista dos 10 militares começámos por trabalhar individualmente com cada um deles e, em seguida, os dados recolhidos foram discutidos em grupo com os 10 falantes. Esta estratégia ajudou a maior variedade de dados em relação à ordem de co-ocorrência dos argumentos selecionados pelo verbo derivado. A mesma estratégia foi usada com os outros informantes 3 líderes de igrejas e 4 estudantes universitários de Ensino de Línguas Bantu. A entrevista com os professores de Nyungwe, por serem residentes da província de Tete, foi individual. Para não viciar os dados as entrevistas foram conduzidas sem despertar a atenção dos informantes sobre o assunto pretendido. As entrevistas foram conduzidas de tal forma que os informantes produziram e discutiram a ocorrência e a co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa em verbos de todas as estruturas (- C-, -CVC- e -CVCVC-), transitivos e intransitivos. A faixa etária dos informantes variou de 16 a 70 anos de ambos os sexos. Com a escolha desta faixa etária pretendíamos contemplar maiores variações entre os falantes. No entanto, tal como se pode ver, no grupo de informantes não constam crianças. Esta exclusão foi intencional, pois achamos que elas, sendo residentes da cidade de Maputo, ainda estão na fase de aquisição, no seu ambiente familiar e nas comunidades em que vivem, das línguas (Nyungwe / Rhonga / Changana/ Português) e em alguns casos estão em maior contacto com a Língua Portuguesa. 1.7 Organização do Estudo O presente estudo está organizado em seis capítulos, a saber: Capítulo I, Introdução, na qual apresentamos o Problema de pesquisa, as Questões de Pesquisa, as hipóteses, apresentamos os objectivos da pesquisa, a Justificação do estudo e a Metodologia de investigação usada; Capítulo II, Revisão de Literatura onde, primeiro, falamos sobre o lugar da Morfologia na Linguística, em seguida sobre a Morfologia Verbal das línguas bantu, apresentamos estudos anteriores sobre a língua Nyungwe e, no fim, falamos da estrutura do verbo nas línguas bantu; Capítulo III, apresentamos o Quadro Teórico, nele, descrevemos dois referenciais teóricos usados na discussão de dados. Assim, no primeiro ponto, o 2.1, apresentamos o Princípio de Espelho e no último, o 2.2, apresentamos a proposta de SV complexo de Larson (1988) e de Hale e Keyser (1993). No Capítulo IV, descrevemos as extensões causativa e aplicativa em Nyungwe. No entanto, para uma melhor descrição dividimos o capítulo em subcapítulos. Assim, no subcapítulo sobre as construções 7

8 causativas em 3.1 falamos sobre as construções causativas nas línguas bantu. Em descrevemos as causativas em Nyungwe, onde em falamos sobre as causativas lexicais em Nyungwe, em sobre as causativas morfológicas e em das causativas analíticas. No subcapítulo falamos sobre a causativização a partir de verbos inacusativos e, para terminar, em descrevemos a causativização a partir de verbos inergativos. A extensão aplicativa é discutida no subcapítulo 3.2. Neste subcapítulo falamos, em primeiro lugar, sobre a origem do termo na literatura linguística, em seguida no ponto falamos sobre a extensão aplicativa em Nyungwe onde descrevemos as construções aplicativas na língua. Em descrevemos a extensão aplicativa em verbos transitivos e intransitivos em Nyungwe, e em descrevemos os papéis temáticos licenciados pelo objecto aplicado em Nyungwe; Capítulo V, A coocorrência das extensões causativa e aplicativa em Nyungwe, no qual descrevemos os contextos de co-ocorrência destas extensões e em seguida mapeamos as derivações sintácticas espelhadas por essa co-ocorrência; Para terminar apresentamos no Capítulo VI, a Conclusão, nele, consta as nossas constatações e as áreas para futuras pesquisas. 8

9 CAPÍTULO II: REVISÃO DE LITERATURA 2.0 Introdução Como foi dito na secção introdutória, neste capítulo, apresentamos a discussão já existente sobre a co-ocorrência das extensões verbais em Nyungwe. Com vista a alcançar os nossos objectivos, dividimos a revisão da literatura em três partes. Na primeira, identificamos o lugar da morfologia na linguística, pois o nosso tema é interface Morfologia-Sintaxe. Na segunda, apresentamos os estudos existentes sobre a Morfologia derivacional nas línguas bantu. Na terceira e última parte, apresentamos estudos anteriores de Nyungwe. 2.1 O lugar da Morfologia na Linguística Na literatura recente, a Morfologia é definida como sendo o estudo da estrutura interna das palavras e da sua formação, Lyons (1968). Igualmente, para Lieber (2010) e Dubois et al (2006) o termo Morfologia tem dois significados. Para além de estudar a formação das palavras, ele dedica-se à análise da forma como as novas palavras são intoduzidas numa determinada língua e descreve as regras de combinação dos sintagmas em frases. Portanto, o estudo morfológico de uma língua tem por objectivo mostrar a sua estrutura e os processos de formação e combinação de palavras, isto é, mostrar a função e a combinação dos morfemas derivacionais e flexionais (MBANGALE s/d). Segundo Katamba (1993), a Morfologia só surgiu como um dos sub-ramos da Linguística no século XIX quando esta desempenhou um papel fundamental na reconstrução do indo-europeu. Segundo o autor, em 1816, Franz Bopp publicou os resultados de um estudo que sustentavam o que Sir William Jones afirmara em 1786 dizendo que Sânscrito, Latim, Persa e as línguas germânicas eram descendentes de uma língua ancestral comum. Este estudo foi baseado na comparação entre as terminações gramaticais das palavras nestas línguas. Em Fiorin (2012), podemos encontrar este pensamento reforçado pois, segundo este autor, o conceito de Morfologia, na Linguística, começou a ser utilizado no século XIX, sob influência do seu uso no modelo evolucionista de Darwin. Nessa época, acreditava-se que o estudo da evolução das quatrocentas ou quinhentas raízes básicas do indo-europeu podia levar à solução do problema da época: a origem da linguagem. 9

10 O estudo comparativo das línguas daquele século permitiu que August Von Schegel (1818) formulasse uma tipologia morfológica, reorganizada por August Schleicher ( ), segundo a qual todas as línguas organizam-se morfologicamente em três tipos: isolantes, aglutinantes e flexionais. As línguas isolantes: em que as palavras não podem ser segmentadas em elementos menores, portadores de informação gramatical e/ou significado lexical. A língua que, citando Crystal (1987), o autor traz para servir de exemplo é o Chinês. As aglutinantes: em que as palavras combinam raízes e afixos distintos para expressar as diferentes relações gramaticais. A língua usada para exemplificação é o Turco. As línguas flexionais seriam aquelas em que as raízes se combinam a elementos gramaticais indicando a função das palavras e não podem ser segmentados na base de um som/ significado ou afixo para cada significado gramatical, como nas línguas aglutinantes. O exemplo de uma língua flexional, segundo o autor, é o Latim, pois a desinênsias casuais trazem informações de: caso, número e género. A esta classificação das línguas tendo em conta as suas organizações morfológicas, junta-se a de Humbolt (1836), para quem existiam também línguas polissintéticas (igualmente chamadas de incorporantes): de morfologia complexa, capazes de colocar numa única palavra muitos morfemas que seriam palavras independentes em línguas analíticas. Ainda sobre este assunto, Fiorin (2012) diz que apesar das críticas a esta classificação, no início do século XX, Whitney, Franz Boas e Sapir realizaram estudos sobre estas línguas, a maioria delas concentradas na América do Norte, nas famílias Esquimó-Aleúte, Algonquina, Iroquesa e Na-Dene. Carstairs (1992) diz que o renascimento da Morfologia como objecto de estudo por linguistas teóricos foi anunciado mais de uma vez, enquanto isso, a Fonologia e a Sintaxe continuavam como os dois módulos indispensáveis da gramática. Segundo Waweru (2011), o termo morfologia começou a entrar na gramática entre 1920 e Isso aconteceu porque os estruturalistas americanos desenvolveram e refinaram a teoria do fonema que mais tarde, com os trabalhos de (BLOOMFIELD 1933, HARRIS 1942, HOCKETT 1952 e 1954), resultou na mudança de foco e gradualmente transferido para a Morfologia e assim, muitos estruturalistas começaram a investigar questões relacionadas com a teoria da estrutura da palavra. Portanto, como se pode ver, uma das principais contribuições dos estruturalistas foi o reconhecimento de que as palavras podem ter uma estrutura interna complexa. Pois, na gramática 10

11 tradicional, a análise linguística tinha tratado a palavra como a unidade básica da estrutura da língua, mas os estruturalistas mostraram que as palavras são analisáveis em morfemas, introduzindo desta forma a Morfologia como um ramo separado da Linguística. No entanto, apesar deste avanço, se é que assim se pode considerar, a teoria gerativa transformacional, que seguiu ao estruturalismo, veio tirar da gramática a componente morfológica enquanto entidade autónima assemelhando-se, assim, aos modelos clássicos de análise gramatical. Esta retirada deveu-se ao facto de, segundo Katamba (1993), na gramática gerativa considerar-se que a formação das palavras poderia ser adequadamente discutida na Fonologia e na Sintaxe, achando-se desnecessário um nível morfológico, na gramática. Perante esta situação, encontraram-se formas para descrever a estrutura das palavras num modelo de gramática que tinha como componentes os níveis fonológicos, sintáticos e semânticos. Hoje, esta situação não persiste e já há bastante tempo que o léxico vem sendo estudado dentro da teoria gerativa transformacional. Um exemplo disto é o estudo de Baker (1988) o qual relaciona a Morfologia à Sintaxe e analisa os processos morfológicos em termos de funções sintáticas. Para ele, os processos de incorporação são mudanças de funções gramaticais tratadas como movimentos de núcleos lexicais para o verbo. Baker diz que é a Morfologia que determina se o resultado da incorporação numa língua é gramaticalmente aceitável ou não e avança com o Princípio do Espelho (Mirror Principle) que afirma que a ordem dos afixos tem implicações na ordem das operações sintáticas. Pensamento semelhante pode ser encontrado em Good (2005) para quem a existência das extensões verbais e as suas formas de ocorrência sempre foi considerado como muito significativo para a discussão da natureza de interacção entre a Morfologia e Sintaxe. Segundo o autor, o comportamento das extensões verbais tem sido usado para argumentar a favor de uma arquitetura gramatical na qual a Morfologia e a Sintaxe estão intrinsecamente relacionadas. Antes de Baker (1988), em Chomsky (1970) já se traçava uma dicotomia entre as abordagens lexicalistas e transformacionistas, dando assim destaque à Morfologia dentro da Gramática Gerativa Transformacional. A Teoria de Regência e de Ligação (TRL) de Chomsky surgiu como uma teoria derivacional. É por isso que Marantz (1984), citado por Waweru (2011), argumenta que a Morfologia deve ser considerada como sendo uma sub-teoria da TRL e acrescenta que os morfemas influenciam directamente na estrutura semântica de uma frase. Neste modelo, o léxico tem raízes, afixos e 11

12 informações sobre estruturas de argumento, transitividade e papéis semânticos. Os afixos como os causativos, aplicativos entre outros fundem-se com a raiz do verbo principal e constroem um novo radical verbal com novas relações sintáticas e lógico-semânticas. O estudo de Pollock (1989), citado por Waweru (2011), mostrou igualmente que a presença ou ausência de condições morfológicas pode trazer diferenças na estrutura das frases das línguas. Ele investigou a Morfologia do verbo em francês e mostrou evidências de que o movimento do verbo requer uma flexão da frase que cause ou force esse movimento. A concordância verbal é um complemento de tempo e negação. Estes conceitos foram incorporados no PM. Com a Morfologia readmitida na gramática interessa-nos, a seguir, falar sobre o seu objecto de estudo. Segundo Fiorin (2012), considerar o morfema ou a palavra como objecto de estudo da Morfologia reflecte os modos diferentes de abordar a Morfologia. A noção de morfema está relacionada com o estruturalismo, que tinha como problema central a identificação dos morfemas nas diferentes línguas do mundo. A de palavra está relacionada com a gramática tradicional, a que se dedicava aos estudos sobre a estrutura das palavras e a relação destas com outras palavras em construções maiores: sentenças, e com o vocabulário das línguas. A Linguística do século XX retirou a noção de palavra a favor da noção de morfema. O morfema tornou-se, assim, a unidade básica da gramática e da Morfologia, Rosa (2013). Ainda segundo a autora, a primeira definição de morfema foi feita por Bloomfield (1926). Para ele, o morfema era a forma recorrente (com significado) que não pode ser analisada em formas recorrentes (significativas) menores. Bloomfield (1933), voltou a definir o morfema como sendo uma forma linguística que não mantém semelhança fonéticosemântica com qualquer outra forma. Portanto, o morfema é visto sob duas perspectivas. A primeira, a de segmentação, na qual serão isoladas sequências fónicas mínimas que apresentam significados e a segunda, a de classificação onde serão considerados membros do mesmo morfema os morfes que apresentam distintividade fonético-semântica comum. Seguindo o pensamento estruturalista, em estudos recentes, e por extensão neste estudo, o morfema é tido como base de análise da Morfologia. Segundo Cunha e Cintra (1999) e Ngunga (2004), os morfemas são unidades mínimas significativas. Eles podem ser livres e presos, conforme possam constituir sozinhos uma palavra ou precisem de juntar-se a outro morfema. Portanto, os morfemas presos são aqueles que não podem ocorrer se não na condição de estarem ligados a outros, Ngunga (2004:99-100), isto é, são aqueles sem autonomia de ocorrência e os livres são 12

13 aqueles aos quais os presos são afixados. O autor afirma igualmente que por vezes, os morfemas livres são chamados de lexicais dado que reside neles a informação lexical da palavra e os presos gramaticais uma vez que são usados para marcar tempo, aspecto, sujeito, objecto, número, classe, etc. 2.2 Morfologia Verbal das línguas bantu Com o lugar e objecto de estudo da Morfologia discutidos, em seguida, passaremos a apresentar alguns estudos existentes sobre a derivação verbal nas línguas bantu. Nas línguas bantu, o estudo das extensões verbais enquadra-se no campo da morfologia do verbo que, segundo Mateus et al (2007) e Faria (1999), é defiinido como palavra de forma variável que exprime o que se passa, isto é, exprime um acontecimento representado no tempo e pode fazer a indicação de pessoa, número, tempo, modo e voz. Neste trabalho, interessa-nos uma análise teórico-descritiva das implicações sintácticas da co-ocorrência dos morfemas usados para derivar palavras que possam exprimir o que se passa, ou seja, palavras usadas para formar, em alguns casos, novos verbos. As extensões causativa e aplicativa, nosso objecto de análise neste trabalho, fazem parte da categoria de morfemas que podem derivar novos verbos. Segundo Cocchi (2008), as extensões verbais são sufixos colocados entre o radical e a parte final da flexão do verbo, por forma a estender o radical e formar verbos derivados. Para Sitoe (2009), as extensões verbais são elementos obtidos pela subtracção do radical simples ao extenso com ele relacionado. Estas duas definições complementam-se na medida em que, para estes autores, extensão verbal é material linguístico que se junta a um radical simples para formar um radical extenso, relacionado com o primeiro. Como se pode ver, para estes autores, a definição de extensões verbais é feita através do lugar que elas ocupam no processo de derivação. No entanto, apesar do consenso entre estes dois autores, a definição de Sitoe (2009) parece estar mais próxima da definição de Matsinhe (1994), segundo a qual as extensões verbais, para ele afixos verbais, são morfemas presos que se hospedam no radical verbal. Elas dividem-se em derivacionais (as que podem alterar a estrutura argumental do verbo em que ocorrem) e flexionais (não alteram a estrutura argumental do verbo em que ocorrem). Posição similar é defendida por Jefferies (2000), Ngunga (2004) e Sitoe (2009), pois para estes autores, as extensões verbais criam diferentes tipos de verbos a partir de palavras que já são 13

14 verbos, afectando desta maneira o significado de um verbo de radical simples. Elas originam novos verbos e, em alguns casos, podem originar a mudança de relações de transitividade. Este tema, tal como nos referimos anteriormente, já mereceu atenção por parte de linguistas que trabalham na área da Morfologia das línguas bantu. No entanto, segundo Fernando (2008), citando Voeltz (1977), Meinhof foi um dos primeiros estudiosos a analisar os afixos verbais nas línguas bantu. De entre os afixos reconstituídos por Meinhof constam: o causativo e o passivo. A este estudo, seguiu-se o de Meeussen (1967), considerado como um dos precursores da reconstrução do Proto-Bantu (PB). Ele distinguiu dois tipos de afixos: os expansionais e os deverbativos. Os expansionais são aqueles com a estrutura [V (N) C], onde V pode ser qualquer vogal e derivacionais os que têm a estrutura [-VC-]. O mérito deste trabalho é ter fornecido diretrizes sólidas do PB que são amplamente utilizadas até hoje (ver NGUNGA 2000, MITI 2006, entre outros).outro estudioso que contribuiu para o estudo das extensões verbais nas línguas bantu foi Guthrie ( ). Guthrie analisou um maior número de línguas bantu, baseando-se em exemplos nas línguas que analisou. Schadeberg (2003), baseando-se em estudos realizados em várias línguas bantu, reconstituiu onze extensões verbais do PB que, na sua óptica, ocorrem em todas as línguas e tem a mesma estrutura canónica -VC-. As extensões reconstituídas são: causativa *-i-/-ici-; dativa ou aplicativa *- il-; impositiva *-ik-; neutra -ik-; extensão posicional ou estativa *-am-; extensão associativa ou recíproca *-an-; extensão repetitiva * -ag-; -ang-; extensão extensiva *-al-; extensão contactiva *- at-; extensões separativas ou reversivas *-ul-; -uk- e a extensão passiva *-u/-ibu-. Estas extensões têm um sistema vocálico reduzido a cinco vogais, diferem na produtividade e algumas podem coocorrer no mesmo radical. As vogais médias (*e, *o) ocorrem apenas como resultado da harmonia vocálica com extensões possuindo uma vogal de segundo grau (*i *Ʋ), a ausência de *u pode ser uma coincidência, uma vez que ocorre nas expansões. A harmonia afecta igualmente, as consoantes *l e *k. As extensões verbais com a estrutura -VC- tem uma tonalidade neutra (ou alternativamente baixa) e há uma leve evidência de que o tom das duas extensões com a estrutura -V- *-i- e -*u- pode ter sido alta. Nesta reconstituição, acerca da extensão aplicativa, o autor diz que ela é também conhecida como sendo dativa *-il-. Segundo ele, os verbos dativos são transitivos e o seu objecto preenche os papéis semânticos de (i) beneficiário, (ii) lugar e, por extensão, tempo, causa e razão e (iii) instrumento. No entanto, o papel de beneficiário é o mais produtivo. Estes verbos podem ser 14

15 derivados de qualquer outro verbo. Contudo, quando o verbo básico é transitivo, o objeto deste normalmente perder suas propriedades de objecto na construção dativa. Igualmente, sobre as extensões causativas *-i-/-ici-, o autor citando Bastin (1986) diz que estas foram reconstituídas através de uma distribuição complementar, sendo que *-i- ocorre depois de uma consoante (C) e *-icil- depois de uma vogal (V). Elas podem ser usadas nos verbos transitivos e intransitivos de estrutura -CV- ou -CVC- para introduzir um novo argumento que tem como função sintática indicar o sujeito e semanticamente indicar o agente causador. A par de estudos reconstrutivos, realizaram-se igualmente estudos meramente descritivos sobre as propriedades morfossintácticas das extensões verbais. Em seguida apresentamos uma parte destes estudos. Mchombo (1993) estudou as extensões reflexiva e recíproca em Chichewa. Segundo ele, a distribuição assimétrica destes morfemas nos verbos deve ser explicada dentro de uma teoria adequada que não os vai tratar como anáforas presas. Para ele, as versões recentes da TRL não poderiam explicar essas assimetrias. Este estudo ajuda-nos a destacar as insuficiências da TRL na análise da extensão recíproca. Elwell (2006) também discute as extensões verbais em Chichewa. Ele usa o tema para discutir vários pontos importantes da teoria de Princípio da Integridade Lexical relacionando-os com a análise sintáctica. O autor afirma que esta teoria é desvantajosa. No entanto, para ele, o tratamento de extensões verbais na sintaxe permite a selecção de argumento adequado e mostrar a relação de dependência. Ngonyani (1996), no seu artigo sobre a tipologia do aplicativo em bantu afirma que há três tipos de aplicativos: benefactivo, instrumental e locativo. Para o autor, em construções aplicadas há dois SVs envolvidos: um em que ocorre o tema/paciente que é fundido num outro SV que contém o objecto aplicado. O autor conclui igualmente que o morfema aplicativo é um núcleo predicado que selecciona um SV menor e um objecto aplicado. Para ele, as diferenças de mapeamento dos argumentos na frase tem a ver com a diferença de significado dos vários tipos de aplicativos. O estudo de Simango (1998) mostra que em construções em que o afixo aplicativo aparece, o verbo passa a expressar afetação e por isso pertence à classe geral de construções benefactivas. Este estudo irá ajudar-nos a perceber a natureza dos argumentos selecionados pelo verbo aplicado. Um outro estudo foi realizado por Ngonyani (1998), nele, ele analisa os objetos que são selecionados pelo afixo aplicativo em Kindendeule e Kiswahili. Segundo o autor, os dados mostram 15

16 que o morfema aplicativo pode ocorrer em todos os verbos derivando verbos transitivos de verbos intransitivos, verbos bitransitivas de verbos transitivos. Os objectos aplicados podem ser interpretados como beneficiário, maleficiário, objectivo (goal), instrumento, razão (reason), motivo (motive), ingrediente (ingrediente), localização (location) ou tema. Portanto, apenas o agente não pode ser selecionado por este sufixo. Além disso, o autor, baseando-se na ordem e marcação de objecto, na passivização, reciprocidade e reflexividade, diz que os objectos são classificados em três tipos: os do tipo benefactivo, instrumental e locativo. Segundo Good (2005), nas línguas bantu, o morfema aplicativo torna os verbos intransitivos em transitivos e se transitivos supertransitivos, isto é, com dois objetos directos. Por outro lado, para o autor, o morfema causativo em bantu é semanticamente semelhante ao de outras línguas. O processo de causativização dá a semântica de causador ao verbo e pode incluir, entre outras coisas um argumento sujeito causador da acção descrita pelo verbo. Quando este for o caso, o tema do verbo não causativizado realiza-se como objecto. Chabata (2007), na sua investigação sobre a causativização em Nambya, uma língua bantu falada no Noroeste do Zimbabwe, afirma que o morfema causativo altera a estrutura argumental do verbo não-causal. Ele adiciona um novo argumento, que assume a nova função gramatical de causador e, consequentemente, torna-se sujeito dessa frase. O autor afirma igualmente que no processo, o agente-sujeito original é movido para a posição de objeto e de oblíquo. Este estudo é importante porque mostra a natureza e características das extensões verbais. Segundo Lam (2007), a aplicativização é um processo morfológico altamente produtivo em Chichewa, dado que o afixo aplicativo aumenta um argumento à estrutura verbal trazendo, consequentemente, um outro papel temático, frequentemente um benefactivo, instrumento ou locativo. No artigo, a autora mostra que a estrutura da palavra pode ser representada numa árvore, ou seja, interface Morfologia Sintaxe, pois torna possível referir-se não só as partes da palavra, mas também aos níveis de representação que estão associados a cada morfema. Esta conclusão assemelha-se a de Riedel (2009) para quem o morfema aplicativo pode, em verbos transitivos, adicionar um objeto benefactivo ou introduzir outros tipos de argumentos: locativos e, de forma muito limitada, instrumentais. O estudo de Bliss (2009) mostra que a extensão aplicativa em Shona aumenta a valência do verbo por introduzir um objecto aplicado. Segundo o autor, há diferenças no tipo de objectos aplicados introduzidos por esta extensão. Os objectos aplicados recebem o caso acusativo em v (no 16

17 núcleo verbal), mas os objetos aplicados locativos são ilegíveis para a verificação caso por lhes ser atribuídos o caso locativo lexical pelos prefixos locativos da classe do nome. Jeong (2006) diz que aplicativização é geralmente entendido como uma construção em que um verbo tem um morfema específico que licencia um argumento oblíquo que não seria argumento do verbo não derivado. Lodhi (2002) faz uma descrição introdutória sobre as extensões verbais em Swahili e Nyamwezi. Ele identifica dezasseis extensões verbais entre elas a causativa, a aplicativa, a passiva, a recíproca e a reversiva. Segundo ele, as extensões verbais são um fenômeno mais complexo do que o que parece ser, pois no sistema aparentemente regular de harmonia vocálica e assimilação, existem algumas modificações complexas. Igualmente, Cocchi (2008), falando das extensões verbais em Tshiluba, defende que elas, tendo em conta a influência que exercem no verbo, podem ser divididas em dois grupos: as sintácticas e lexicais. As sintácticas não só mudam a semântica do verbo, mas também acrescentam ou reduzem o argumento do verbo em que ocorrem. Neste grupo constam: causativa, aplicativa, passiva, reciproca e estativa. Estas extensões alteram as funções gramaticais. Por outro lado, as extensões lexicais são sufixos simples que apenas acrescentam um significado extra ao radical verbal. Pertencem a este grupo as seguintes extensões: contactiva, extensiva, reversiva e repetitiva. Stegen (2002) escreveu sobre os processos derivacionais em Rangi, uma língua bantu falada na zona Central de Tanzânia. Ele confirma que, apesar de muitos trabalhos linguísticos sobre as línguas bantu, ainda existem lacunas descritivas na morfologia destas línguas. O estudo descreve as extensões que ocorrem em Rangi. Para o autor, a derivação do verbo em Rangi é restrita para o compartimento/posição da extensão verbal na estrutura do verbo. Damonte (2007) analisa a ordem das extensões verbais em Pular à luz do Princípio de Espelho, para responder a seguinte questão: como é que a Sintaxe e a Morfologia interagem? Segundo ele, esta pergunta pode ser respondida em parte por se olhar para as características visíveis nos afixos e nas frases, pois mesmo em abordagens lexicalistas fortes como as de Di Sciullo e Williams (1987) admite-se que algumas características lexicais se tornam visíveis à Sintaxe. Para o autor, a Sintaxe tem acesso a informação lexical porque o léxico tem projecções funcionais próprias e todos os itens lexicais que transportam essa característica devem ser incorporados nessa projecção. Segundo o autor, esta hipótese já foi aplicada com êxito para as modificações de tempo, modo e aspecto (TMA) por Cinque (1999, 2006) e Schweikert (2005) e, para ele, uma análise similar 17

18 pode ser feita em relação aos afixos de mudança da estrutura argumental. Assim, os afixos de mudança da estrutura argumental em Pular são fundidos numa hierarquia fixa de núcleos funcionais theta relacionados e os complementos por eles introduzidos são fundidos nos especificadores dessas projecções funcionais. O estudo de Fernando (2008), à luz da GLF, explora a função e a ordem de seis afixos verbais em Kikongo. O estudo mostra que os afixos aplicativos e causativos aumentam a valência do verbo em Kikongo e os passivos, recíprocos, reflexivos e estativos decrescem a valência e, por isso, reduzem a valência do verbo por um objeto. Segundo o autor, a ordem e a co-ocorrência de afixos verbais podem ser explicadas sob três perspectivas amplas, a saber: sintática Baker (1985), semântica Bybee (1985) e Rice (2000) e morfológica Hyman (2002). O ponto de vista sintático é atribuído a Baker (1985), pois para ele a ordem dos afixos derivacionais reflecte a ordem correspondente das derivações sintácticas. A perspectiva semântica defende que a ordem dos afixos é determinada pela abrangência e função semântica de cada afixo, Bybee (1985) e Rice (2000). Segundo eles, os afixos com maior relevância para a acção da raiz do verbo aparecerão mais perto dele. No entanto, mesmo que sob mesma perspectiva, Bybee referia-se a afixos flexionais e Rice (op. cit.) afirma que, tendo em conta que o âmbito semântico é amplo, procura explicar os casos em que os afixos não são rigidamente ordenados. Para terminar, a perspectiva morfológica, Hyman (2002), defende que a ordenação dos afixos na estrutura verbal não tem motivações sintáticas nem semânticas. Portanto, para Hyman, a ordenação dos morfemas é determinada pela Morfologia e são as línguas que impõem restrições morfotácticas específicas para as quais não há uma explicação extra-morfológica sincrônica. As restrições morfotácticas podem representar uma relação entre pares de morfemas específicos ou podem definir um modelo através do qual vários afixos são automaticamente ordenados. Este estudo, apesar de usar uma perspectiva teórica diferente, irá ajudar-nos a melhor discutir a alteração da estrutura argumental dos verbos em que ocorrem as extensões causativas e aplicativas, nosso objecto de análise. Para além dos estudos acima apresentados, achamos necessário trazer ao debate o estudo de Mogara (2013) sobre a morfologia verbal das línguas do grupo Khoesan. Esta acção justifica-se pelo facto de, o autor, chamar de extensões verbais morfemas livres que ao ocorrem adjacentes ao verbo alteram a estrutura argumental deste. Segundo o autor, tal como o estudo da morfologia verbal das 18

19 línguas bantu, é importante por afetar o número de SNs na configuração sintática, o mesmo pode ser dito em relação à morfologia verbal das línguas Khoesan. Assim, para o autor, os sufixos podem ser divididos em dois grupos, aqueles que aumentam em um o número de SNs que podem aparecer na estrutura sintáctica e aqueles que podem reduzir em um a quantidade correspondente ao número de SNs que o verbo derivado pode suportar. Para o autor, a única diferença entre as línguas bantu e as línguas Khoesan é que naquelas as extensões são sufixos enquanto nestas línguas eles ocorrem como morfemas livres. À luz da teoria da Gramática Léxico-Funcional (GLF) Matsinhe (1994) analisou a valência dos verbos em que os afixos derivacionais ocorrem em Tsonga. No mesmo estudo, falou igualmente da concatenação de afixos verbais, bem como das restrições aplicáveis à sua co-ocorrência. Segundo ele, a língua Tsonga, também falada em Moçambique, tem os seguintes afixos derivacionais: aplicativa -el-, causativa -is-, passiva -iw-, reflexiva -ti-, reciproca -an- e a estativa -ek-. O afixo aplicativo aumenta a valência do radical verbal transitivo ou intransitivo por um argumento, por exemplo, kusweka cozinhar kuswekela cozinhar por, aqui temos (sujeito) <agente> (OBJ2) <beneficiente> OBJ1 <tema>. Quando ocorre num verbo transitivo, o resultado do causativo é um outro verbo que pede um segundo objecto. Para exemplificar, o autor traz o seguinte exemplo kurima tem (SUJ) <agente> (OBJ) <tema>; kurimisa (SUJ) <agente> (OBJ2) <exp> (OBJ1) <tema>. Sobre o afixo neutro-estativo e passivo o autor diz que quando adicionado à raiz verbal, introduz dois argumentos, o agente e o tema. Os afixos -ek- e -iw- têm um resultado idêntico na estrutura argumental do verbo. Todos afectam o sujeito (agente). Acerca dos afixos recíprocos e reflexivos o autor diz que o recíproco muda a estrutura argumental do predicado em que ocorre por ligar o objecto (tema), ao sujeito (agente) criando coreferência, o que faz com que produza um verbo formado por mais de um sujeito (agente). O afixo reflexo -ti- faz com que o verbo não tenha mais de um agente. O verbo recíproco pode ser representado assim, kubanana 'bater-se um ao outro' (SUJ) <agente/tema> (OBJ) <ø>; Verbo reflexivo kutiluma 'morder-se' (SUJ) <agente/tema> (OBJ) <ø>. Para o autor, o termo extensão é usado, em estudos das línguas bantu, para se referir aos afixos como causativos e aplicativos que estendem ou incrementam a valência do verbo. Além deste estudo, Ngunga (2004), Sitoe (2009) e Langa (2007), apesar de não adiantarem nenhuma teoria para a descrição que fazem das extensões verbais, apresentam a seguinte lista de extensões verbais existentes nas línguas bantu faladas em Moçambique e em Changana, respectivamente: aplicativa/benefativa -el-, causativa -is-, recíproca -an-, passiva -iw-, intensiva - 19

20 isis-, estativa/ pseudo-passiva -ek-, frequentativa -etel-, reversiva -ul- e impositiva -ik-. Destas, segundo os autores, as +O são: aplicativa, causativa e impositiva. As =O, isto é, as que mantém o número de argumentos são: frequentativa, perfectiva, intensiva e reversiva. As extensões que reduzem o número de argumentos são: estativa, passiva e recíproca. Sitoe (2009), na sua descrição apresenta mais duas extensões a classificação de Ngunga (2004): a perfectiva -elel- e a diminutiva -nyana. Por outro lado, Katupha (1991) discute as extensões verbais e suas implicações à luz do quadro teórico da Morfologia Lexical. Para o autor, as extensões verbais operam em níveis diferentes, por isso é que algumas não se ajuntam logo às raízes verbais porque não estão no mesmo nível. O autor apoia-se igualmente nos argumentos de Mchombo (1978) e Bresnan (1977, 78, 82), segundo os quais a derivação morfológica é uma derivação sintáctica, isto é, quando se afixa uma extensão verbal na estrutura verbal, o verbo derivado pode ter mais argumentos, pode ter menos argumentos, ou então manter os seus argumentos sintácticos. Segundo o autor, em Emakhuwa encontram-se duas subdivisões de extensões: temáticas e modais. As extensões temáticas são: -ana (reciproca); -ela (aplic.); -eya (estat.); -iha (caus.); -iya (passiv.). Estas interferem na estrutura temática da matriz do verbo e as extensões modais são aquelas que não afectam a estrutura argumental do verbo. Tais extensões são: -aca (interativa/dual); -akaca (interativa /frequentativa); - esa (intensiva /frequentativa). 2.3 Estudos anteriores sobre a língua Nyungwe Não obstante o facto de todos os séculos serem importantes na vida do ser humano porque cada um deles constitui uma base sobre a qual o século seguinte se desenvolveu, o século XIX ocupa um lugar muito particular na história da humanidade devido aos progressos alcançados no campo das ciências naturais (NGUNGA 2004:19). Segundo o autor, foi, igualmente, neste século em que se assistiu ao nascimento da Linguística como sendo o estudo da ciência da linguagem. Este ganho contribuiu para que cientistas europeus, através do método histórico-comparativo, identificassem algumas semelhanças, entre as línguas clássicas europeias e o Sânscrito. A partir deste estudo conclui-se que estas três línguas surgiram da mesma língua que provavelmente não exista mais. O estudo desta língua e de outras línguas bantu começou na segunda metade do século XIX quando estudiosos europeus aplicaram às línguas africanas o método histórico-comparativo, usando 20

(1) PALAVRA TEMA FLEXÃO MORFOLÓGICA RADICAL CONSTITUINTE TEMÁTICO

(1) PALAVRA TEMA FLEXÃO MORFOLÓGICA RADICAL CONSTITUINTE TEMÁTICO Alina Villalva 1 Radical, tema e palavra são termos familiares à análise morfológica, mas que, de um modo geral, têm sido mal aproveitados pelos diversos modelos que a praticam. Na verdade, estes conceitos

Leia mais

Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1

Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1 Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1 Quesler Fagundes Camargos 2 (UFMG) Indra Marrime Manuel 3 (UEM) Domingas Machavele 4 (UEM) 1. Introdução A língua Citshwa pertence ao Grupo

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA QUADROS, Emanuel Souza. Resenha de Manual de morfologia do português, de Maria Nazaré de Carvalho Laroca. ReVEL, vol. 7, n. 12, 2009. [www.revel.inf.br]. RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI)

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Professora Doutora Dulce do Carmo Franceschini - Coordenadora Universidade Federal de Uberlândia - UFU Instituto de Letras e Linguística

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas.

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. 36 4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. Em inglês, diversos nominais são formados a partir do processo de adição de sufixos, como er, e ing às suas

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

português língua não materna (a2) Dezembro de 2013

português língua não materna (a2) Dezembro de 2013 Informação prova final / Exame Final Nacional português língua não materna (a2) Dezembro de 2013 Prova 63/93/739 2014 6.º Ano, 9.º Ano ou 12.º Ano de Escolaridade O presente documento divulga as características

Leia mais

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar os processos

Leia mais

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão LETRAS 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B 62961 Língua Portuguesa A 68 Língua Portuguesa A 68 Ementa: Estuda os fundamentos Ementa: Estudo da base fonéticofonológica teóricos da análise lingüística,

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA SCHER, Ana Paula. ReVEL na escola: Morfologia Distribuída. ReVEL, v. 13, n. 24, 2015. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA Ana Paula Scher 1 Universidade de São Paulo Os processos

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS 1º Ano do Ensino Fundamental (Alunos concluintes do 2º Período da Educação Infantil) Escrita do nome completo; Identificar e reconhecer as letras do alfabeto; Identificar e diferenciar

Leia mais

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque EU GOSTO DE DOCE E EU VI A ELE NA PERSPECTIVA DA TEORIA DO CASO Daniel Mateus O Connell 1 INTRODUÇÃO O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque diferente. Até então, as pesquisas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO: 2014/2015 1 ª /

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

Edital Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos 2008/2009

Edital Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos 2008/2009 Edital Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos 2008/2009 1. Curso Encontram-se abertas inscrições para a realização das provas especiais de acesso e ingresso nos

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

Colégio Liceal de Sta. Mª de Lamas - Ano Letivo de 2013/2014 Matrizes de INGLÊS Módulo 9 - A Comunicação no Mundo Profissional PROVA ESCRITA Duração - 90 minutos 1. Objeto de avaliação A prova tem por

Leia mais

Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos

Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos 11 1 Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos Grupo de Morfologia Histórica do Português (GMHP) Sobre a língua portuguesa não se desenvolveu, para além das listagens existentes

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012

INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano

A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano Abstract: With this short paper I intend to contrast two of the main morphological analysis models, i.e. the structuralist model (cf. Bloomfield

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE Fátima Helena Azevedo de Oliveira 35 fatimavernaculas@yahoo.com.br CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL A República de Moçambique

Leia mais

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS PORTUGUÊS PARA CONCURSOS Sumário Capítulo 1 - Noções de fonética Fonema Letra Sílaba Número de sílabas Tonicidade Posição da sílaba tônica Dígrafos Encontros consonantais Encontros vocálicos Capítulo 2

Leia mais

Aquisição da linguagem oral e escrita

Aquisição da linguagem oral e escrita Aquisição da linguagem oral e escrita Castilho Francisco Schneider INTRODUÇÃO Behavioristicamente, o termo aquisição de linguagem pode ser aceito sem questionamentos. Já sob o enfoque chomskiano, parece-nos

Leia mais

Os verbos bitransitivos do Português brasileiro e a assimetria sintático-semântica entre o objeto direto e o objeto indireto

Os verbos bitransitivos do Português brasileiro e a assimetria sintático-semântica entre o objeto direto e o objeto indireto Os verbos bitransitivos do Português brasileiro e a assimetria sintático-semântica entre o objeto direto e o objeto indireto (The Brazilian Portuguese ditransitive verbs and the syntactic-semantic asymmetry

Leia mais

Maria Carlota ROSA. Introdução à Morfologia. São Paulo SP: Contexto. 2006. 157 pp. ISBN: 85-7244-145-X (*)

Maria Carlota ROSA. Introdução à Morfologia. São Paulo SP: Contexto. 2006. 157 pp. ISBN: 85-7244-145-X (*) João Veloso 127 Maria Carlota ROSA. Introdução à Morfologia. São Paulo SP: Contexto. 2006. 157 pp. ISBN: 85-7244-145-X (*) João Veloso Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Centro de Linguística

Leia mais

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Luiz Arthur Pagani Programa resumido Analisadores gramaticais são procedimentos para se executar

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS PEF 367 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS TIPO DE PROVA DURAÇÃO Teórico/prática 90 Minutos (escrita) +25 Minutos (oral) X Escrita Com tolerância de 30 minutos X Oral X Sem tolerância 11º ANO

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE BLOOMFIELD SOBRE A LINGUÍSTICA MODERNA Hely D. Cabral da Fonseca*

INFLUÊNCIAS DE BLOOMFIELD SOBRE A LINGUÍSTICA MODERNA Hely D. Cabral da Fonseca* 131 INFLUÊNCIAS DE BLOOMFIELD SOBRE A LINGUÍSTICA MODERNA Hely D. Cabral da Fonseca* RESUMO Este artigo tem como objetivo principal mostrar a influência de Bloomfield sobre a Lingüística Moderna. Procedemos

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

O verbo O verbo. www.scipione.com.br/radix. Prof. Erik Anderson. Gramática

O verbo O verbo. www.scipione.com.br/radix. Prof. Erik Anderson. Gramática O verbo O verbo O que é? Palavra variável em pessoa, número, tempo, modo e voz que exprime um processo, isto é, aquilo que se passa no tempo. Pode exprimir: Ação Estado Mudança de estado Fenômeno natural

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

Fonologia Aula # 04 (27/04/09)

Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Capítulo 5. Processos Fonológicos Iniciamos, aqui, o estudo da fonologia dinâmica: processos fonológicos e sua representação através de regras. Assim sendo, ficamos restritos,

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Base empírica da sintaxe. Luiz Arthur Pagani (UFPR)

Base empírica da sintaxe. Luiz Arthur Pagani (UFPR) Base empírica da sintaxe (UFPR) 1 1 Gramaticalidade vs. aceitabilidade aceitabilidade [2, ps. 143144]: Aceitável é um termo primitivo ou pré-cientíco, neutro em relação às diferentes distinções que precisaremos

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA HISTÓRIA E VARIEDADE DO PORTUGUÊS 2 José António Souto Cabo Márlio Barcellos Pereira da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

3 Pressupostos Teóricos

3 Pressupostos Teóricos 3 Pressupostos Teóricos 3.1 Os princípios teóricos de Harris 3.1.1 A aceitabilidade como fonte do conhecimento sintático A sustentação metodológica de referência para o desenvolvimento desta pesquisa é

Leia mais

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35 SUMÁRIO Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25 Prefácio de Rodolfo Ilari Introdução...31 Como consultar esta gramática...35 1. O que se entende por língua e por gramática...41

Leia mais

Sintaxe e Semântica do Verbo em Línguas

Sintaxe e Semântica do Verbo em Línguas Sintaxe e Semântica do Verbo em Línguas Indígenas do Brasil Luciana Storto Bruna Franchetto Suzi Lima (Organizadoras) Sintaxe e Semântica do Verbo em Línguas Indígenas do Brasil Dados Internacionais de

Leia mais

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905)

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Textos / Seminário de Orientação - 12 de Março de 2005 - Fernando Janeiro Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Assume-se que o objecto de uma teoria semântica é constituído

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

RESENHA DE PRINCÍPIOS DE LINGÜÍSTICA DESCRITIVA: INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO GRAMATICAL, DE MÁRIO A. PERINI

RESENHA DE PRINCÍPIOS DE LINGÜÍSTICA DESCRITIVA: INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO GRAMATICAL, DE MÁRIO A. PERINI ARAGÃO NETO, Magdiel Medeiros; CAMBRUSSI, Morgana Fabiola.. Resenha de Princípios de lingüística descritiva: introdução ao pensamento gramatical, de Mário A. Perini. Revista Virtual de Estudos da Linguagem

Leia mais

EVIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP NA LÍNGUA TENETEHÁRA

EVIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP NA LÍNGUA TENETEHÁRA EIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO P NA LÍNGUA TENETEHÁRA Introdução Quesler Fagundes Camargos / FALE - UFMG Fábio Bonfim Duarte / FALE - UFMG Neste trabalho, temos por objetivo investigar o estatuto

Leia mais

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/proletr/fasciculo_port.pdf Antônio Augusto Gomes Batista Ceris S. Ribas Silva Maria das Graças de Castro Bregunci Maria

Leia mais

Outlook 2003. Nivel 1. Rui Camacho

Outlook 2003. Nivel 1. Rui Camacho Outlook 2003 Nivel 1 Objectivos gerais Enviar e Responder a mensagens de correio electrónico, e gestão de contactos, marcação de compromissos e trabalhar com notas. Objectivos específicos Começar a trabalhar

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês Código da Prova: 21 2013 9.º Ano de Escolaridade/3º ciclo do Ensino Básico

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês Código da Prova: 21 2013 9.º Ano de Escolaridade/3º ciclo do Ensino Básico Disciplina INGLÊS - LE I Código - 21 2012/2013 Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês Código da Prova: 21 2013 9.º Ano de Escolaridade/3º ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

3.2.1 A variação na sintaxe: a questão do significado

3.2.1 A variação na sintaxe: a questão do significado 156 De acordo com o modelo variacionista, as variantes lingüísticas são totalmente controladas por princípios da estrutura lingüística e da estrutura social e daí podermos afirmar que este modelo é uma

Leia mais

GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA

GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA Camila Nunes de Souza 1 Grande parte das gramáticas apresenta os verbos modais como unidades, fragmentando, definindo

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE Aula INTRODUÇÃO À SINTAXE META Expor informações básicas sobre sintaxe. OBJETIVOS Ao final desta aula o aluno deverá: levar o aluno a compreender o que seja sintaxe de regência, de colocação e de concordância.

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado Manual Avançado Menus v2011 - Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 4. Menus... 4 b) Novo Produto:... 5 i. Separador Geral.... 5 ii. Separador Preços e Impostos... 7 iii.

Leia mais

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual SOCIOLINGUÍSTICA A LÍNGUA E SUAS VARIAÇÕES Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual Qualquer comunidade formada por indivíduos socialmente organizados dispõe de recursos e métodos

Leia mais

Prova Escrita + Oral de Inglês

Prova Escrita + Oral de Inglês Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita + Oral de Inglês Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos (sem tolerância); Oral: 25 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. Informação Agrupamento de Escolas de Samora Correia Data: Maio 2012 Escola E. B. 2,3 Prof. João Fernandes Pratas Exame de Equivalência à Frequência de Inglês 2º Ciclo - 6.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

VALÊNCIA DO VERBO GANHAR EM PORTUGUÊS

VALÊNCIA DO VERBO GANHAR EM PORTUGUÊS VALÊNCIA DO VERBO GANHAR EM PORTUGUÊS 2 Bruno de Assis Freire de Lima 1 RESUMO: O presente trabalho é um estudo da natureza semântica e sintática do verbo ganhar. Partimos do estudo de Lima (2007), que

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS Abril 2015 2ºCiclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova 06/2015 Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos + 15 minutos

Leia mais

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: Informação sobre Prova de Equivalência à Frequência de Inglês Data: 10 de abril de 2013 Prova nº 21 2013 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo n.º 24-A/2012 Agrupamento de Escolas de Vallis Longus-Valongo

Leia mais

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 321-328, 2009 321 ANALYSING SOCIOLINGUISTIC VARIATION, SALI TAGLIAMONTE (2006) Por Humberto Soares da Silva Analysing sociolinguistic

Leia mais

Informações sobre Filmes de Cinema em Cartaz em Linguagem Natural Relatório Final

Informações sobre Filmes de Cinema em Cartaz em Linguagem Natural Relatório Final Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Inteligência Artificial 3 o Ano Informações sobre Filmes de Cinema em Cartaz em Linguagem Natural Relatório Final Autores: Carlos Tiago da Rocha

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina Francês Tipo de Prova Escrita e oral Ano letivo 2014/2015 3.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2015 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)» INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova

Leia mais

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 358 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Formação Específica Anual 12.º Ano (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, na redação atual. Regulamento de Exames.

Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, na redação atual. Regulamento de Exames. Disciplina Inglês (cont.) Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês Código 21 2014/2015 Código da Prova: 21 2015 9.º Ano de Escolaridade/3º ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas Reflexões sobre a metalinguagem de aquisição, aprendizagem e ensino do português para falantes de outras línguas Maria Francisca XAVIER 1 Maria José GROSSO 2 Katia de Abreu CHULATA 3 RESUMO O estudo da

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Aula 1: Traços morfossintáticos

Aula 1: Traços morfossintáticos Aula 1: Traços morfossintáticos Quando pensamos nos elementos formativos da sintaxe, ou seja, com que tipos de elementos a sintaxe trabalha, pensamos automaticamente em palavras. Entretanto, essa não parece

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Otavio Pereira Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Orientador: Ricardo Pereira e Silva Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Informática e Estatística - INE Florianópolis

Leia mais