1.0 Introdução No presente trabalho discutimos as implicações sintácticas da co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa à luz do Mirror

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.0 Introdução No presente trabalho discutimos as implicações sintácticas da co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa à luz do Mirror"

Transcrição

1 CAPÍTULO I: INTRODUÇÃO 1.0 Introdução No presente trabalho discutimos as implicações sintácticas da co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa à luz do Mirror Principle ou Princípio de Espelho (doravante PE), um programa de pesquisa de muito sucesso iniciado por Baker (1988) no seu livro Incorporation (Incorporação). A sua proposta teórica é tomada mais a sério na teoria de Morfologia Distribucional, de acordo com a qual, na estrutura verbal, os morfemas são montados por operações sintáticas e não por operações lexicais. Deve ser por isso que Borba (1979) já defendia que os distribucionalista operam directamente com morfemas e analisam a sequência nos sintagmas. Por isso não distinguem entre Morfologia e Sintaxe. Destarte, não há divisão entre a construção de palavras e construção de frases. No entanto, segundo o autor, se se admite que há uma entidade mínima relacionável no enunciado, esta é a palavra, qualquer que seja sua complexidade mórfica. A palavra será então o constituinte último do enunciado. Essa posição leva a dizer que o enunciado consta de palavras e não de morfemas, da mesma forma que um trem consiste em vagões e não em rodas, bancos, portas e janelas. Critica-se, nessa orientação, a prioridade absoluta dada ao eixo sintagmático em detrimento do eixo paradigmático. Para Harley (s/d), o argumento forte da Morfologia Distribucional vem de fenómenos relacionados com o Princípio de Espelho visto que, nele, se defende que a ordem dos morfemas dentro de uma palavra complexa reflecte a hierarquia sintática. Um estudo sobre as implicações sintácticas da co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa em Nyungwe é um estudo de interface Morfologia e Sintaxe, pois estes morfemas fazem parte do grupo de morfemas derivacionais, geralmente chamados de extensões verbais justamente por causa do efeito que têm sobre a morfologia, a sintaxe e a semântica dos verbos em que ocorrem, (NGUNGA 2004). Nas línguas bantu, estes morfemas derivacionais desempenham um papel importante na marcação de relações de transitividade que em outras línguas, as isolantes e mesmo as 1

2 flexivas/flexionais, seriam marcadas sintaticamente. Parece ser por isso que Guthrie (1967) considera a presença das extensões verbais entre os principais critérios para se estabelecer se uma língua pertence ou não à família bantu. Porém, Coochi (2008) diz que o número e as formas das extensões verbais variam de língua para língua, e por isso não há necessidade de estudar as extensões verbais em todas as línguas para estabelecer o seu alcance. Por ser uma língua bantu, Nyungwe é um exemplo de uma língua aglutinante, isto é, pertence ao grupo de línguas em que numa palavra podemos encontrar vários morfemas que marcam aspectos tanto flexionais quanto dervacionais. Este conceito é colocado em oposição ao de línguas isolantes: que têm os seus morfemas ocorrendo como palavras de forma isolada e ao de línguas flexionais aquelas com uma tendência acentuada a recorrer à flexão, isto é, tendem a expressar relações gramaticais por meio de afixos, mas a correspondência entre os morfemas e os traços semânticos ou funções gramaticais não é tão clara quanto nas línguas aglutinantes. Elas associam vários significados a um afixo. A morfologia das línguas isolantes não é tão rica quanto a de línguas aglutinantes. Os verbos causativos e aplicativos são resultado de um processo de formação de palavras muito produtivo que faz a combinação de um verbo não-causativizado ou não-aplicado e um sufixo causativo ou aplicativo. Interessa-nos, neste trabalho, olhar para a valência dos verbos causativizados e aplicados em Nyungwe. Portanto, em termos sintácticos o nosso foco principal incidirá sobre o papel das extensões verbais na mudança das funções gramaticais da estrutura argumental do verbo em que ocorre. Defendemos que a aplicativização altera a estrutura argumental do verbo não-aplicado, adicionando um novo argumento, que desempenha a função gramatical de objecto ocorrendo adjacente ao verbo aplicado. A causativização adiciona um novo argumento, que assume a nova função gramatical de causador e, consequentemente torna-se sujeito dessa frase. Portanto, o agente-sujeito original é movido para a posição de objeto e de oblíquo. As extensões verbais em bantu têm sido destaque no estudo da sintaxe nos últimos anos (BAKER 1988a; BLISS 2009; COCCHI 2008; CHABATA 2007; DAMONTE s/d; ELWELL 2006; FERNANDO 2008; HARLEY s/d; KATUPHA 1991; KATUSHEMERERWE 2013; LAM 2007; LANGA 2007; LODHI 2002; MCHOMBO 1993; MATSINHE 1994; NGONYANI 1996; NGONYANI 1998; NGUNGA 2000, 2004; RIEDEL 2009; SIMANGO 1998; SITOE 2009; STEGEN 2002; WAWERU 2011; só para citar alguns). As razões para esse destaque são duas: em primeiro lugar, os seus efeitos sobre a estrutura argumental do verbo em que ocorrem e, em segundo 2

3 lugar, devido ao seu estatuto e lugar no estudo da Sintaxe e da gramática como um todo. Este pensamento é reafirmado por Hoffman (1991) e Mogara (2013), para quem as línguas bantu, através do seu rico sistema de ampliação de valência verbal oferecem várias perspectivas de análise sobre a variação da estrutura de objectos múltiplos e o número de sintagmas nominais (SNs) que o verbo pode selecionar. É dentro desta linha de pensamento que, nesta dissertação, descrevemos e analisamos as implicações sintáticas da co-ocorrência da extensão causativa e aplicativa em Nyungwe à luz do Princípio de Espelho visto que, tal como acontece noutras línguas, estas extensões alteram a valência do verbo em que ocorrem. Nyungwe é uma língua bantu que Greenberg (1963), escrevendo sobre a classificação das línguas bantu, afirma que pertence a família Congo-Kordofaniana. Ele estabelece uma classificação genética das línguas africanas que, apesar de algumas alterações sofridas ao longo dos tempo, continua sendo a mais citada actualmenente. Para Greenberg (http://en.wikipedia.org/org/wiki/the- Languages_of_Africa#Classification), as línguas africanas classificam-se em quatro grandes famílias e em cada uma delas identifica as sub-famílias: Afro-asiática (sub-famílias: Semítica, Egípcia, Cushítica, Berber, Chádica); Nilo-sahariana (sub-famílias: Songhai, Sahariana, Maban, Fur, Chari-Nilo, Koman); Congo-Kordofaniana (sub-famílias: Níger-Congo e Kordofaniana); Khoi e San (sub-famílias: Khoi, San, Sandawe, Iraqw, Hatsa ou Hadza). A subfamília Niger-Congo, por ocupar a maior área geográfica, por ter o maior número de falantes e o maior número de diferentes línguas, embora a diferença de línguas seja uma questão complicada pela ambiguidade sobre o que distingue uma língua da outra, constitui um das principais conjuntos de línguas do mundo e de África. As línguas mais faladas tendo em conta o número de falantes nativos são: Yoruba, Igbo, Fula, Shona e Zulu. A língua mais falada tendo em conta o número total de falantes é Swahili. Na classificação das línguas bantu, Doke (1945), citado por Cole (1961) a língua nyungwe pertence ao grupo linguístico Nyanja (52/3/1). A este grupo linguístico, o autor inclui as línguas: Nsenga (52/3/2), Sena (52/3/3) e Nyungwe (52/3/3a). Por conseguinte, olhando-se para a classificação de Doke (1945), Nyungwe é variante de Sena. 3

4 Todavia, para Guthrie ( ), Nyungwe é uma língua do grupo linguístico Nsenga-Sena (N40) ao qual pertencem outras línguas mutuamente inteligíveis, nomeadamente: Cinsenga (N41), Cikunda (N42) Cisena (N44), Ciruwe (N45) e Cipodzo (N46). Nesta classificação, de Guthrie ( ), Nyungwe apresenta duas variantes: Citonga e Cidema. Tendo em conta a reconstituição de Schadeberg (2003), esta língua pertence ao grupo bantu da família Niger-Kordofaniana, e ao subgrupo bantu, línguas que fazem parte da maior família de línguas Africanas: Niger-Congo. No entanto, os trabalhos recentes sobre a padronização da ortografia das línguas bantu faladas em Moçambique, Ngunga e Sitoe (2000) e, mais recentemente, Ngunga e Faquir (2011), afirmam que esta língua, não é variante de Sena como afirmara Doke (1945), mas também não tem uma variação dialectal de relevo por isso, a variante de referência deve ser a falada na cidade de Tete e nos distritos de Moatize, Changara e Cahora Bassa, por sinal, zonas onde a língua é falada na província. Para o presente trabalho, considerando-se as propostas de Ngunga e Sitoe (2000) e mais recentemente as de Ngunga e Faguir (2011), será usada a variante falada na Cidade de Tete. Portanto, variante também considerada de referência. Igualmente, tendo em conta estes estudos e o de Ngunga e Faquir (2011), Nyungwe, é uma língua bantu falada na província de Tete, concretamente, nos distritos de Moatize, Changara, Cahora Bassa e partes de Marávia por pessoas de cinco ou mais anos de idade (INE, 2010). 1.1 Apresentação do Problema de pesquisa No Princípio de Espelho defende-se que há uma relação muito estreita entre a Morfologia e a Sintaxe, dado que a derivação morfológica reflecte a derivação sintática (e vice-versa). É por isso que, a estrutura morfológica de uma palavra complexa é derivada através do movimento do núcleo da raiz lexical para os núcleos onde os morfemas são gerados, então a ordem dos morfemas irá reflectir a incorporação sintática dos núcleos que correspondem a esses morfemas, Baker (1988). Assim, a quantidade de movimento dos itens lexicais na estrutura sintáctica dependerá de quão rica ou fraca é a Morfologia dessa língua. As línguas com Morfologia rica vão licenciar mais movimentos e aquelas com uma Morfologia fraca permitirão menos movimento, o que sugere que esta teoria, mesmo tendo sido discutida por vários autores e se ter proposto inovações, é flexível e ainda pode responder à descrição de todas as línguas cuja estrutura morfológica estabelece uma relação entre a Morfologia e a Sintaxe. 4

5 Nestas línguas, o PE estabelece uma estreita relação entre a Morfologia e a Sintaxe, em virtude de esta defender que, nas línguas, o mapeamento sintáctico deve reflectir a derivação morfológica. Assim, no presente estudo, pretendemos contribuir para o debate sobre a interface Morfologia/Sintaxe através da descrição e análise das operações sintáticas espelhadas pela ordem de co-ocorrência dos morfemas causativo e aplicativo em Nyungwe. Esta língua faz parte do grupo de línguas que carecem de estudos teóricos descritivos, uma lacuna que nos propomos preencher ao discutir este tema à luz de uma das teorias usadas no estudo de fenómenos morfossintáticos como as extensões verbais. 1.2 Questões de Pesquisa A presente pesquisa é orientada pelas seguintes questões: 1. Quais são as propriedades morfológicas dos verbos em que as extensões causativa e aplicativa podem ocorrer? 2. Quais são as operações sintáticas espelhadas pela ordem dos morfemas causativo e aplicativo? 3. Até que ponto o PE responde à descrição das implicações sintácticas da co-ocorrência da extensão causativa e aplicativa nesta língua? 1.3 Hipóteses Esta pesquisa é orientada pelas seguintes hipóteses: 1. As extensões causativas e aplicativas podem ocorrer em todos os verbos transitivos e intransitivos; 2. O PE estabelece que, com a derivação morfológica, há um lugar previsto para os morfemas causativo e aplicativo e, em consequência, o agente causador passa a desempenhar a função de tema e o verbo aplicado selecciona um objecto aplicado que ocorre adjacente ao verbo e os argumentos seleccionados não podem co-ocorrer; 3. O PE satisfaz às exigências descritivas das implicações sintácticas da co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa em Nyungwe. 1.4 Objectivos da pesquisa O presente estudo tem os seguintes objetivos: 5

6 1. Descrever as operações sintáticas espelhadas pela ocorrência dos morfemas causativo e apliactivo nos verbos transitivos e intransitivos em Nyungwe. 2. Descrever as mudanças sintáticas decorrentes da co-ocorrência dos morfemas causativo e aplicativo em Nyungwe à luz do PE. 3. Analisar as mudanças sintáticas espelhadas pela co-ocorrência dos morfemas causativo e aplicativo em Nyungwe à luz do PE. 1.5 Justificação do estudo O objetivo deste estudo é fazer uma descrição e análise das implicações morfossintáticas da co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa em Nyungwe. Esperamos que os resultados da pesquisa contribuam, ainda que de forma singela, para preencher as lacunas decorrentes da falta de estudos descritivos desta língua e respondendo, assim a constatação de Stegen (2002) para quem Nyungwe carece de estudos descritivos. Igualmente, a relevância deste estudo reside no facto de, segundo Diercks (2010), apesar de representarem uma grande percentagem de diversidade linguística do mundo, as línguas Bantu ainda serem pouco pesquisadas se comparadas às línguas faladas em regiões do mundo economicamente desenvolvidas. O estudo espera reforçar uma adequação explicativa do PE em que apesar de ter sido construído com base em dados de várias línguas entre elas o Inglês e o Chichewa, o, achamos importante testá-lo em outras línguas bantu com uma estrutura verbal complexa (NGUNGA 2004). 1.6 Metodologia de investigação Para a realização deste trabalho combinamos três métodos a saber: (a) Introspectivo, baseando-se no conhecimento da autora como falante da língua; (b) Filológico, com recurso ao material escrito, pois alguns verbos analisados foram retirados de Martins (1991) e Ngunga e Faquir (2011) para a ortografia; e (c) Entrevista, usado na recolha de dados com recurso a falantes nativos desta língua para a confirmação dos verbos em que podem ocorrer as extensões causativa e aplicativa e as características do objecto selecionado pelo verbo aplicado. As entrevistas foram feitas de duas formas: individual e colectiva (grupos focais), da seguinte maneira: Escolhemos 20 informantes, falantes nativos de Nyungwe dos quais 17 são residentes na cidade de Maputo. Dos 17 falantes 10 são militares e ex-militares residentes na zona militar, 3 líderes de 6

7 igrejas e 4 estudantes universitários de Ensino de Línguas Bantu. Os outros 3 falantes são professores de Nyungwe residentes na província de Tete. Na entrevista dos 10 militares começámos por trabalhar individualmente com cada um deles e, em seguida, os dados recolhidos foram discutidos em grupo com os 10 falantes. Esta estratégia ajudou a maior variedade de dados em relação à ordem de co-ocorrência dos argumentos selecionados pelo verbo derivado. A mesma estratégia foi usada com os outros informantes 3 líderes de igrejas e 4 estudantes universitários de Ensino de Línguas Bantu. A entrevista com os professores de Nyungwe, por serem residentes da província de Tete, foi individual. Para não viciar os dados as entrevistas foram conduzidas sem despertar a atenção dos informantes sobre o assunto pretendido. As entrevistas foram conduzidas de tal forma que os informantes produziram e discutiram a ocorrência e a co-ocorrência das extensões causativa e aplicativa em verbos de todas as estruturas (- C-, -CVC- e -CVCVC-), transitivos e intransitivos. A faixa etária dos informantes variou de 16 a 70 anos de ambos os sexos. Com a escolha desta faixa etária pretendíamos contemplar maiores variações entre os falantes. No entanto, tal como se pode ver, no grupo de informantes não constam crianças. Esta exclusão foi intencional, pois achamos que elas, sendo residentes da cidade de Maputo, ainda estão na fase de aquisição, no seu ambiente familiar e nas comunidades em que vivem, das línguas (Nyungwe / Rhonga / Changana/ Português) e em alguns casos estão em maior contacto com a Língua Portuguesa. 1.7 Organização do Estudo O presente estudo está organizado em seis capítulos, a saber: Capítulo I, Introdução, na qual apresentamos o Problema de pesquisa, as Questões de Pesquisa, as hipóteses, apresentamos os objectivos da pesquisa, a Justificação do estudo e a Metodologia de investigação usada; Capítulo II, Revisão de Literatura onde, primeiro, falamos sobre o lugar da Morfologia na Linguística, em seguida sobre a Morfologia Verbal das línguas bantu, apresentamos estudos anteriores sobre a língua Nyungwe e, no fim, falamos da estrutura do verbo nas línguas bantu; Capítulo III, apresentamos o Quadro Teórico, nele, descrevemos dois referenciais teóricos usados na discussão de dados. Assim, no primeiro ponto, o 2.1, apresentamos o Princípio de Espelho e no último, o 2.2, apresentamos a proposta de SV complexo de Larson (1988) e de Hale e Keyser (1993). No Capítulo IV, descrevemos as extensões causativa e aplicativa em Nyungwe. No entanto, para uma melhor descrição dividimos o capítulo em subcapítulos. Assim, no subcapítulo sobre as construções 7

8 causativas em 3.1 falamos sobre as construções causativas nas línguas bantu. Em descrevemos as causativas em Nyungwe, onde em falamos sobre as causativas lexicais em Nyungwe, em sobre as causativas morfológicas e em das causativas analíticas. No subcapítulo falamos sobre a causativização a partir de verbos inacusativos e, para terminar, em descrevemos a causativização a partir de verbos inergativos. A extensão aplicativa é discutida no subcapítulo 3.2. Neste subcapítulo falamos, em primeiro lugar, sobre a origem do termo na literatura linguística, em seguida no ponto falamos sobre a extensão aplicativa em Nyungwe onde descrevemos as construções aplicativas na língua. Em descrevemos a extensão aplicativa em verbos transitivos e intransitivos em Nyungwe, e em descrevemos os papéis temáticos licenciados pelo objecto aplicado em Nyungwe; Capítulo V, A coocorrência das extensões causativa e aplicativa em Nyungwe, no qual descrevemos os contextos de co-ocorrência destas extensões e em seguida mapeamos as derivações sintácticas espelhadas por essa co-ocorrência; Para terminar apresentamos no Capítulo VI, a Conclusão, nele, consta as nossas constatações e as áreas para futuras pesquisas. 8

9 CAPÍTULO II: REVISÃO DE LITERATURA 2.0 Introdução Como foi dito na secção introdutória, neste capítulo, apresentamos a discussão já existente sobre a co-ocorrência das extensões verbais em Nyungwe. Com vista a alcançar os nossos objectivos, dividimos a revisão da literatura em três partes. Na primeira, identificamos o lugar da morfologia na linguística, pois o nosso tema é interface Morfologia-Sintaxe. Na segunda, apresentamos os estudos existentes sobre a Morfologia derivacional nas línguas bantu. Na terceira e última parte, apresentamos estudos anteriores de Nyungwe. 2.1 O lugar da Morfologia na Linguística Na literatura recente, a Morfologia é definida como sendo o estudo da estrutura interna das palavras e da sua formação, Lyons (1968). Igualmente, para Lieber (2010) e Dubois et al (2006) o termo Morfologia tem dois significados. Para além de estudar a formação das palavras, ele dedica-se à análise da forma como as novas palavras são intoduzidas numa determinada língua e descreve as regras de combinação dos sintagmas em frases. Portanto, o estudo morfológico de uma língua tem por objectivo mostrar a sua estrutura e os processos de formação e combinação de palavras, isto é, mostrar a função e a combinação dos morfemas derivacionais e flexionais (MBANGALE s/d). Segundo Katamba (1993), a Morfologia só surgiu como um dos sub-ramos da Linguística no século XIX quando esta desempenhou um papel fundamental na reconstrução do indo-europeu. Segundo o autor, em 1816, Franz Bopp publicou os resultados de um estudo que sustentavam o que Sir William Jones afirmara em 1786 dizendo que Sânscrito, Latim, Persa e as línguas germânicas eram descendentes de uma língua ancestral comum. Este estudo foi baseado na comparação entre as terminações gramaticais das palavras nestas línguas. Em Fiorin (2012), podemos encontrar este pensamento reforçado pois, segundo este autor, o conceito de Morfologia, na Linguística, começou a ser utilizado no século XIX, sob influência do seu uso no modelo evolucionista de Darwin. Nessa época, acreditava-se que o estudo da evolução das quatrocentas ou quinhentas raízes básicas do indo-europeu podia levar à solução do problema da época: a origem da linguagem. 9

10 O estudo comparativo das línguas daquele século permitiu que August Von Schegel (1818) formulasse uma tipologia morfológica, reorganizada por August Schleicher ( ), segundo a qual todas as línguas organizam-se morfologicamente em três tipos: isolantes, aglutinantes e flexionais. As línguas isolantes: em que as palavras não podem ser segmentadas em elementos menores, portadores de informação gramatical e/ou significado lexical. A língua que, citando Crystal (1987), o autor traz para servir de exemplo é o Chinês. As aglutinantes: em que as palavras combinam raízes e afixos distintos para expressar as diferentes relações gramaticais. A língua usada para exemplificação é o Turco. As línguas flexionais seriam aquelas em que as raízes se combinam a elementos gramaticais indicando a função das palavras e não podem ser segmentados na base de um som/ significado ou afixo para cada significado gramatical, como nas línguas aglutinantes. O exemplo de uma língua flexional, segundo o autor, é o Latim, pois a desinênsias casuais trazem informações de: caso, número e género. A esta classificação das línguas tendo em conta as suas organizações morfológicas, junta-se a de Humbolt (1836), para quem existiam também línguas polissintéticas (igualmente chamadas de incorporantes): de morfologia complexa, capazes de colocar numa única palavra muitos morfemas que seriam palavras independentes em línguas analíticas. Ainda sobre este assunto, Fiorin (2012) diz que apesar das críticas a esta classificação, no início do século XX, Whitney, Franz Boas e Sapir realizaram estudos sobre estas línguas, a maioria delas concentradas na América do Norte, nas famílias Esquimó-Aleúte, Algonquina, Iroquesa e Na-Dene. Carstairs (1992) diz que o renascimento da Morfologia como objecto de estudo por linguistas teóricos foi anunciado mais de uma vez, enquanto isso, a Fonologia e a Sintaxe continuavam como os dois módulos indispensáveis da gramática. Segundo Waweru (2011), o termo morfologia começou a entrar na gramática entre 1920 e Isso aconteceu porque os estruturalistas americanos desenvolveram e refinaram a teoria do fonema que mais tarde, com os trabalhos de (BLOOMFIELD 1933, HARRIS 1942, HOCKETT 1952 e 1954), resultou na mudança de foco e gradualmente transferido para a Morfologia e assim, muitos estruturalistas começaram a investigar questões relacionadas com a teoria da estrutura da palavra. Portanto, como se pode ver, uma das principais contribuições dos estruturalistas foi o reconhecimento de que as palavras podem ter uma estrutura interna complexa. Pois, na gramática 10

11 tradicional, a análise linguística tinha tratado a palavra como a unidade básica da estrutura da língua, mas os estruturalistas mostraram que as palavras são analisáveis em morfemas, introduzindo desta forma a Morfologia como um ramo separado da Linguística. No entanto, apesar deste avanço, se é que assim se pode considerar, a teoria gerativa transformacional, que seguiu ao estruturalismo, veio tirar da gramática a componente morfológica enquanto entidade autónima assemelhando-se, assim, aos modelos clássicos de análise gramatical. Esta retirada deveu-se ao facto de, segundo Katamba (1993), na gramática gerativa considerar-se que a formação das palavras poderia ser adequadamente discutida na Fonologia e na Sintaxe, achando-se desnecessário um nível morfológico, na gramática. Perante esta situação, encontraram-se formas para descrever a estrutura das palavras num modelo de gramática que tinha como componentes os níveis fonológicos, sintáticos e semânticos. Hoje, esta situação não persiste e já há bastante tempo que o léxico vem sendo estudado dentro da teoria gerativa transformacional. Um exemplo disto é o estudo de Baker (1988) o qual relaciona a Morfologia à Sintaxe e analisa os processos morfológicos em termos de funções sintáticas. Para ele, os processos de incorporação são mudanças de funções gramaticais tratadas como movimentos de núcleos lexicais para o verbo. Baker diz que é a Morfologia que determina se o resultado da incorporação numa língua é gramaticalmente aceitável ou não e avança com o Princípio do Espelho (Mirror Principle) que afirma que a ordem dos afixos tem implicações na ordem das operações sintáticas. Pensamento semelhante pode ser encontrado em Good (2005) para quem a existência das extensões verbais e as suas formas de ocorrência sempre foi considerado como muito significativo para a discussão da natureza de interacção entre a Morfologia e Sintaxe. Segundo o autor, o comportamento das extensões verbais tem sido usado para argumentar a favor de uma arquitetura gramatical na qual a Morfologia e a Sintaxe estão intrinsecamente relacionadas. Antes de Baker (1988), em Chomsky (1970) já se traçava uma dicotomia entre as abordagens lexicalistas e transformacionistas, dando assim destaque à Morfologia dentro da Gramática Gerativa Transformacional. A Teoria de Regência e de Ligação (TRL) de Chomsky surgiu como uma teoria derivacional. É por isso que Marantz (1984), citado por Waweru (2011), argumenta que a Morfologia deve ser considerada como sendo uma sub-teoria da TRL e acrescenta que os morfemas influenciam directamente na estrutura semântica de uma frase. Neste modelo, o léxico tem raízes, afixos e 11

12 informações sobre estruturas de argumento, transitividade e papéis semânticos. Os afixos como os causativos, aplicativos entre outros fundem-se com a raiz do verbo principal e constroem um novo radical verbal com novas relações sintáticas e lógico-semânticas. O estudo de Pollock (1989), citado por Waweru (2011), mostrou igualmente que a presença ou ausência de condições morfológicas pode trazer diferenças na estrutura das frases das línguas. Ele investigou a Morfologia do verbo em francês e mostrou evidências de que o movimento do verbo requer uma flexão da frase que cause ou force esse movimento. A concordância verbal é um complemento de tempo e negação. Estes conceitos foram incorporados no PM. Com a Morfologia readmitida na gramática interessa-nos, a seguir, falar sobre o seu objecto de estudo. Segundo Fiorin (2012), considerar o morfema ou a palavra como objecto de estudo da Morfologia reflecte os modos diferentes de abordar a Morfologia. A noção de morfema está relacionada com o estruturalismo, que tinha como problema central a identificação dos morfemas nas diferentes línguas do mundo. A de palavra está relacionada com a gramática tradicional, a que se dedicava aos estudos sobre a estrutura das palavras e a relação destas com outras palavras em construções maiores: sentenças, e com o vocabulário das línguas. A Linguística do século XX retirou a noção de palavra a favor da noção de morfema. O morfema tornou-se, assim, a unidade básica da gramática e da Morfologia, Rosa (2013). Ainda segundo a autora, a primeira definição de morfema foi feita por Bloomfield (1926). Para ele, o morfema era a forma recorrente (com significado) que não pode ser analisada em formas recorrentes (significativas) menores. Bloomfield (1933), voltou a definir o morfema como sendo uma forma linguística que não mantém semelhança fonéticosemântica com qualquer outra forma. Portanto, o morfema é visto sob duas perspectivas. A primeira, a de segmentação, na qual serão isoladas sequências fónicas mínimas que apresentam significados e a segunda, a de classificação onde serão considerados membros do mesmo morfema os morfes que apresentam distintividade fonético-semântica comum. Seguindo o pensamento estruturalista, em estudos recentes, e por extensão neste estudo, o morfema é tido como base de análise da Morfologia. Segundo Cunha e Cintra (1999) e Ngunga (2004), os morfemas são unidades mínimas significativas. Eles podem ser livres e presos, conforme possam constituir sozinhos uma palavra ou precisem de juntar-se a outro morfema. Portanto, os morfemas presos são aqueles que não podem ocorrer se não na condição de estarem ligados a outros, Ngunga (2004:99-100), isto é, são aqueles sem autonomia de ocorrência e os livres são 12

13 aqueles aos quais os presos são afixados. O autor afirma igualmente que por vezes, os morfemas livres são chamados de lexicais dado que reside neles a informação lexical da palavra e os presos gramaticais uma vez que são usados para marcar tempo, aspecto, sujeito, objecto, número, classe, etc. 2.2 Morfologia Verbal das línguas bantu Com o lugar e objecto de estudo da Morfologia discutidos, em seguida, passaremos a apresentar alguns estudos existentes sobre a derivação verbal nas línguas bantu. Nas línguas bantu, o estudo das extensões verbais enquadra-se no campo da morfologia do verbo que, segundo Mateus et al (2007) e Faria (1999), é defiinido como palavra de forma variável que exprime o que se passa, isto é, exprime um acontecimento representado no tempo e pode fazer a indicação de pessoa, número, tempo, modo e voz. Neste trabalho, interessa-nos uma análise teórico-descritiva das implicações sintácticas da co-ocorrência dos morfemas usados para derivar palavras que possam exprimir o que se passa, ou seja, palavras usadas para formar, em alguns casos, novos verbos. As extensões causativa e aplicativa, nosso objecto de análise neste trabalho, fazem parte da categoria de morfemas que podem derivar novos verbos. Segundo Cocchi (2008), as extensões verbais são sufixos colocados entre o radical e a parte final da flexão do verbo, por forma a estender o radical e formar verbos derivados. Para Sitoe (2009), as extensões verbais são elementos obtidos pela subtracção do radical simples ao extenso com ele relacionado. Estas duas definições complementam-se na medida em que, para estes autores, extensão verbal é material linguístico que se junta a um radical simples para formar um radical extenso, relacionado com o primeiro. Como se pode ver, para estes autores, a definição de extensões verbais é feita através do lugar que elas ocupam no processo de derivação. No entanto, apesar do consenso entre estes dois autores, a definição de Sitoe (2009) parece estar mais próxima da definição de Matsinhe (1994), segundo a qual as extensões verbais, para ele afixos verbais, são morfemas presos que se hospedam no radical verbal. Elas dividem-se em derivacionais (as que podem alterar a estrutura argumental do verbo em que ocorrem) e flexionais (não alteram a estrutura argumental do verbo em que ocorrem). Posição similar é defendida por Jefferies (2000), Ngunga (2004) e Sitoe (2009), pois para estes autores, as extensões verbais criam diferentes tipos de verbos a partir de palavras que já são 13

14 verbos, afectando desta maneira o significado de um verbo de radical simples. Elas originam novos verbos e, em alguns casos, podem originar a mudança de relações de transitividade. Este tema, tal como nos referimos anteriormente, já mereceu atenção por parte de linguistas que trabalham na área da Morfologia das línguas bantu. No entanto, segundo Fernando (2008), citando Voeltz (1977), Meinhof foi um dos primeiros estudiosos a analisar os afixos verbais nas línguas bantu. De entre os afixos reconstituídos por Meinhof constam: o causativo e o passivo. A este estudo, seguiu-se o de Meeussen (1967), considerado como um dos precursores da reconstrução do Proto-Bantu (PB). Ele distinguiu dois tipos de afixos: os expansionais e os deverbativos. Os expansionais são aqueles com a estrutura [V (N) C], onde V pode ser qualquer vogal e derivacionais os que têm a estrutura [-VC-]. O mérito deste trabalho é ter fornecido diretrizes sólidas do PB que são amplamente utilizadas até hoje (ver NGUNGA 2000, MITI 2006, entre outros).outro estudioso que contribuiu para o estudo das extensões verbais nas línguas bantu foi Guthrie ( ). Guthrie analisou um maior número de línguas bantu, baseando-se em exemplos nas línguas que analisou. Schadeberg (2003), baseando-se em estudos realizados em várias línguas bantu, reconstituiu onze extensões verbais do PB que, na sua óptica, ocorrem em todas as línguas e tem a mesma estrutura canónica -VC-. As extensões reconstituídas são: causativa *-i-/-ici-; dativa ou aplicativa *- il-; impositiva *-ik-; neutra -ik-; extensão posicional ou estativa *-am-; extensão associativa ou recíproca *-an-; extensão repetitiva * -ag-; -ang-; extensão extensiva *-al-; extensão contactiva *- at-; extensões separativas ou reversivas *-ul-; -uk- e a extensão passiva *-u/-ibu-. Estas extensões têm um sistema vocálico reduzido a cinco vogais, diferem na produtividade e algumas podem coocorrer no mesmo radical. As vogais médias (*e, *o) ocorrem apenas como resultado da harmonia vocálica com extensões possuindo uma vogal de segundo grau (*i *Ʋ), a ausência de *u pode ser uma coincidência, uma vez que ocorre nas expansões. A harmonia afecta igualmente, as consoantes *l e *k. As extensões verbais com a estrutura -VC- tem uma tonalidade neutra (ou alternativamente baixa) e há uma leve evidência de que o tom das duas extensões com a estrutura -V- *-i- e -*u- pode ter sido alta. Nesta reconstituição, acerca da extensão aplicativa, o autor diz que ela é também conhecida como sendo dativa *-il-. Segundo ele, os verbos dativos são transitivos e o seu objecto preenche os papéis semânticos de (i) beneficiário, (ii) lugar e, por extensão, tempo, causa e razão e (iii) instrumento. No entanto, o papel de beneficiário é o mais produtivo. Estes verbos podem ser 14

15 derivados de qualquer outro verbo. Contudo, quando o verbo básico é transitivo, o objeto deste normalmente perder suas propriedades de objecto na construção dativa. Igualmente, sobre as extensões causativas *-i-/-ici-, o autor citando Bastin (1986) diz que estas foram reconstituídas através de uma distribuição complementar, sendo que *-i- ocorre depois de uma consoante (C) e *-icil- depois de uma vogal (V). Elas podem ser usadas nos verbos transitivos e intransitivos de estrutura -CV- ou -CVC- para introduzir um novo argumento que tem como função sintática indicar o sujeito e semanticamente indicar o agente causador. A par de estudos reconstrutivos, realizaram-se igualmente estudos meramente descritivos sobre as propriedades morfossintácticas das extensões verbais. Em seguida apresentamos uma parte destes estudos. Mchombo (1993) estudou as extensões reflexiva e recíproca em Chichewa. Segundo ele, a distribuição assimétrica destes morfemas nos verbos deve ser explicada dentro de uma teoria adequada que não os vai tratar como anáforas presas. Para ele, as versões recentes da TRL não poderiam explicar essas assimetrias. Este estudo ajuda-nos a destacar as insuficiências da TRL na análise da extensão recíproca. Elwell (2006) também discute as extensões verbais em Chichewa. Ele usa o tema para discutir vários pontos importantes da teoria de Princípio da Integridade Lexical relacionando-os com a análise sintáctica. O autor afirma que esta teoria é desvantajosa. No entanto, para ele, o tratamento de extensões verbais na sintaxe permite a selecção de argumento adequado e mostrar a relação de dependência. Ngonyani (1996), no seu artigo sobre a tipologia do aplicativo em bantu afirma que há três tipos de aplicativos: benefactivo, instrumental e locativo. Para o autor, em construções aplicadas há dois SVs envolvidos: um em que ocorre o tema/paciente que é fundido num outro SV que contém o objecto aplicado. O autor conclui igualmente que o morfema aplicativo é um núcleo predicado que selecciona um SV menor e um objecto aplicado. Para ele, as diferenças de mapeamento dos argumentos na frase tem a ver com a diferença de significado dos vários tipos de aplicativos. O estudo de Simango (1998) mostra que em construções em que o afixo aplicativo aparece, o verbo passa a expressar afetação e por isso pertence à classe geral de construções benefactivas. Este estudo irá ajudar-nos a perceber a natureza dos argumentos selecionados pelo verbo aplicado. Um outro estudo foi realizado por Ngonyani (1998), nele, ele analisa os objetos que são selecionados pelo afixo aplicativo em Kindendeule e Kiswahili. Segundo o autor, os dados mostram 15

16 que o morfema aplicativo pode ocorrer em todos os verbos derivando verbos transitivos de verbos intransitivos, verbos bitransitivas de verbos transitivos. Os objectos aplicados podem ser interpretados como beneficiário, maleficiário, objectivo (goal), instrumento, razão (reason), motivo (motive), ingrediente (ingrediente), localização (location) ou tema. Portanto, apenas o agente não pode ser selecionado por este sufixo. Além disso, o autor, baseando-se na ordem e marcação de objecto, na passivização, reciprocidade e reflexividade, diz que os objectos são classificados em três tipos: os do tipo benefactivo, instrumental e locativo. Segundo Good (2005), nas línguas bantu, o morfema aplicativo torna os verbos intransitivos em transitivos e se transitivos supertransitivos, isto é, com dois objetos directos. Por outro lado, para o autor, o morfema causativo em bantu é semanticamente semelhante ao de outras línguas. O processo de causativização dá a semântica de causador ao verbo e pode incluir, entre outras coisas um argumento sujeito causador da acção descrita pelo verbo. Quando este for o caso, o tema do verbo não causativizado realiza-se como objecto. Chabata (2007), na sua investigação sobre a causativização em Nambya, uma língua bantu falada no Noroeste do Zimbabwe, afirma que o morfema causativo altera a estrutura argumental do verbo não-causal. Ele adiciona um novo argumento, que assume a nova função gramatical de causador e, consequentemente, torna-se sujeito dessa frase. O autor afirma igualmente que no processo, o agente-sujeito original é movido para a posição de objeto e de oblíquo. Este estudo é importante porque mostra a natureza e características das extensões verbais. Segundo Lam (2007), a aplicativização é um processo morfológico altamente produtivo em Chichewa, dado que o afixo aplicativo aumenta um argumento à estrutura verbal trazendo, consequentemente, um outro papel temático, frequentemente um benefactivo, instrumento ou locativo. No artigo, a autora mostra que a estrutura da palavra pode ser representada numa árvore, ou seja, interface Morfologia Sintaxe, pois torna possível referir-se não só as partes da palavra, mas também aos níveis de representação que estão associados a cada morfema. Esta conclusão assemelha-se a de Riedel (2009) para quem o morfema aplicativo pode, em verbos transitivos, adicionar um objeto benefactivo ou introduzir outros tipos de argumentos: locativos e, de forma muito limitada, instrumentais. O estudo de Bliss (2009) mostra que a extensão aplicativa em Shona aumenta a valência do verbo por introduzir um objecto aplicado. Segundo o autor, há diferenças no tipo de objectos aplicados introduzidos por esta extensão. Os objectos aplicados recebem o caso acusativo em v (no 16

17 núcleo verbal), mas os objetos aplicados locativos são ilegíveis para a verificação caso por lhes ser atribuídos o caso locativo lexical pelos prefixos locativos da classe do nome. Jeong (2006) diz que aplicativização é geralmente entendido como uma construção em que um verbo tem um morfema específico que licencia um argumento oblíquo que não seria argumento do verbo não derivado. Lodhi (2002) faz uma descrição introdutória sobre as extensões verbais em Swahili e Nyamwezi. Ele identifica dezasseis extensões verbais entre elas a causativa, a aplicativa, a passiva, a recíproca e a reversiva. Segundo ele, as extensões verbais são um fenômeno mais complexo do que o que parece ser, pois no sistema aparentemente regular de harmonia vocálica e assimilação, existem algumas modificações complexas. Igualmente, Cocchi (2008), falando das extensões verbais em Tshiluba, defende que elas, tendo em conta a influência que exercem no verbo, podem ser divididas em dois grupos: as sintácticas e lexicais. As sintácticas não só mudam a semântica do verbo, mas também acrescentam ou reduzem o argumento do verbo em que ocorrem. Neste grupo constam: causativa, aplicativa, passiva, reciproca e estativa. Estas extensões alteram as funções gramaticais. Por outro lado, as extensões lexicais são sufixos simples que apenas acrescentam um significado extra ao radical verbal. Pertencem a este grupo as seguintes extensões: contactiva, extensiva, reversiva e repetitiva. Stegen (2002) escreveu sobre os processos derivacionais em Rangi, uma língua bantu falada na zona Central de Tanzânia. Ele confirma que, apesar de muitos trabalhos linguísticos sobre as línguas bantu, ainda existem lacunas descritivas na morfologia destas línguas. O estudo descreve as extensões que ocorrem em Rangi. Para o autor, a derivação do verbo em Rangi é restrita para o compartimento/posição da extensão verbal na estrutura do verbo. Damonte (2007) analisa a ordem das extensões verbais em Pular à luz do Princípio de Espelho, para responder a seguinte questão: como é que a Sintaxe e a Morfologia interagem? Segundo ele, esta pergunta pode ser respondida em parte por se olhar para as características visíveis nos afixos e nas frases, pois mesmo em abordagens lexicalistas fortes como as de Di Sciullo e Williams (1987) admite-se que algumas características lexicais se tornam visíveis à Sintaxe. Para o autor, a Sintaxe tem acesso a informação lexical porque o léxico tem projecções funcionais próprias e todos os itens lexicais que transportam essa característica devem ser incorporados nessa projecção. Segundo o autor, esta hipótese já foi aplicada com êxito para as modificações de tempo, modo e aspecto (TMA) por Cinque (1999, 2006) e Schweikert (2005) e, para ele, uma análise similar 17

18 pode ser feita em relação aos afixos de mudança da estrutura argumental. Assim, os afixos de mudança da estrutura argumental em Pular são fundidos numa hierarquia fixa de núcleos funcionais theta relacionados e os complementos por eles introduzidos são fundidos nos especificadores dessas projecções funcionais. O estudo de Fernando (2008), à luz da GLF, explora a função e a ordem de seis afixos verbais em Kikongo. O estudo mostra que os afixos aplicativos e causativos aumentam a valência do verbo em Kikongo e os passivos, recíprocos, reflexivos e estativos decrescem a valência e, por isso, reduzem a valência do verbo por um objeto. Segundo o autor, a ordem e a co-ocorrência de afixos verbais podem ser explicadas sob três perspectivas amplas, a saber: sintática Baker (1985), semântica Bybee (1985) e Rice (2000) e morfológica Hyman (2002). O ponto de vista sintático é atribuído a Baker (1985), pois para ele a ordem dos afixos derivacionais reflecte a ordem correspondente das derivações sintácticas. A perspectiva semântica defende que a ordem dos afixos é determinada pela abrangência e função semântica de cada afixo, Bybee (1985) e Rice (2000). Segundo eles, os afixos com maior relevância para a acção da raiz do verbo aparecerão mais perto dele. No entanto, mesmo que sob mesma perspectiva, Bybee referia-se a afixos flexionais e Rice (op. cit.) afirma que, tendo em conta que o âmbito semântico é amplo, procura explicar os casos em que os afixos não são rigidamente ordenados. Para terminar, a perspectiva morfológica, Hyman (2002), defende que a ordenação dos afixos na estrutura verbal não tem motivações sintáticas nem semânticas. Portanto, para Hyman, a ordenação dos morfemas é determinada pela Morfologia e são as línguas que impõem restrições morfotácticas específicas para as quais não há uma explicação extra-morfológica sincrônica. As restrições morfotácticas podem representar uma relação entre pares de morfemas específicos ou podem definir um modelo através do qual vários afixos são automaticamente ordenados. Este estudo, apesar de usar uma perspectiva teórica diferente, irá ajudar-nos a melhor discutir a alteração da estrutura argumental dos verbos em que ocorrem as extensões causativas e aplicativas, nosso objecto de análise. Para além dos estudos acima apresentados, achamos necessário trazer ao debate o estudo de Mogara (2013) sobre a morfologia verbal das línguas do grupo Khoesan. Esta acção justifica-se pelo facto de, o autor, chamar de extensões verbais morfemas livres que ao ocorrem adjacentes ao verbo alteram a estrutura argumental deste. Segundo o autor, tal como o estudo da morfologia verbal das 18

19 línguas bantu, é importante por afetar o número de SNs na configuração sintática, o mesmo pode ser dito em relação à morfologia verbal das línguas Khoesan. Assim, para o autor, os sufixos podem ser divididos em dois grupos, aqueles que aumentam em um o número de SNs que podem aparecer na estrutura sintáctica e aqueles que podem reduzir em um a quantidade correspondente ao número de SNs que o verbo derivado pode suportar. Para o autor, a única diferença entre as línguas bantu e as línguas Khoesan é que naquelas as extensões são sufixos enquanto nestas línguas eles ocorrem como morfemas livres. À luz da teoria da Gramática Léxico-Funcional (GLF) Matsinhe (1994) analisou a valência dos verbos em que os afixos derivacionais ocorrem em Tsonga. No mesmo estudo, falou igualmente da concatenação de afixos verbais, bem como das restrições aplicáveis à sua co-ocorrência. Segundo ele, a língua Tsonga, também falada em Moçambique, tem os seguintes afixos derivacionais: aplicativa -el-, causativa -is-, passiva -iw-, reflexiva -ti-, reciproca -an- e a estativa -ek-. O afixo aplicativo aumenta a valência do radical verbal transitivo ou intransitivo por um argumento, por exemplo, kusweka cozinhar kuswekela cozinhar por, aqui temos (sujeito) <agente> (OBJ2) <beneficiente> OBJ1 <tema>. Quando ocorre num verbo transitivo, o resultado do causativo é um outro verbo que pede um segundo objecto. Para exemplificar, o autor traz o seguinte exemplo kurima tem (SUJ) <agente> (OBJ) <tema>; kurimisa (SUJ) <agente> (OBJ2) <exp> (OBJ1) <tema>. Sobre o afixo neutro-estativo e passivo o autor diz que quando adicionado à raiz verbal, introduz dois argumentos, o agente e o tema. Os afixos -ek- e -iw- têm um resultado idêntico na estrutura argumental do verbo. Todos afectam o sujeito (agente). Acerca dos afixos recíprocos e reflexivos o autor diz que o recíproco muda a estrutura argumental do predicado em que ocorre por ligar o objecto (tema), ao sujeito (agente) criando coreferência, o que faz com que produza um verbo formado por mais de um sujeito (agente). O afixo reflexo -ti- faz com que o verbo não tenha mais de um agente. O verbo recíproco pode ser representado assim, kubanana 'bater-se um ao outro' (SUJ) <agente/tema> (OBJ) <ø>; Verbo reflexivo kutiluma 'morder-se' (SUJ) <agente/tema> (OBJ) <ø>. Para o autor, o termo extensão é usado, em estudos das línguas bantu, para se referir aos afixos como causativos e aplicativos que estendem ou incrementam a valência do verbo. Além deste estudo, Ngunga (2004), Sitoe (2009) e Langa (2007), apesar de não adiantarem nenhuma teoria para a descrição que fazem das extensões verbais, apresentam a seguinte lista de extensões verbais existentes nas línguas bantu faladas em Moçambique e em Changana, respectivamente: aplicativa/benefativa -el-, causativa -is-, recíproca -an-, passiva -iw-, intensiva - 19

20 isis-, estativa/ pseudo-passiva -ek-, frequentativa -etel-, reversiva -ul- e impositiva -ik-. Destas, segundo os autores, as +O são: aplicativa, causativa e impositiva. As =O, isto é, as que mantém o número de argumentos são: frequentativa, perfectiva, intensiva e reversiva. As extensões que reduzem o número de argumentos são: estativa, passiva e recíproca. Sitoe (2009), na sua descrição apresenta mais duas extensões a classificação de Ngunga (2004): a perfectiva -elel- e a diminutiva -nyana. Por outro lado, Katupha (1991) discute as extensões verbais e suas implicações à luz do quadro teórico da Morfologia Lexical. Para o autor, as extensões verbais operam em níveis diferentes, por isso é que algumas não se ajuntam logo às raízes verbais porque não estão no mesmo nível. O autor apoia-se igualmente nos argumentos de Mchombo (1978) e Bresnan (1977, 78, 82), segundo os quais a derivação morfológica é uma derivação sintáctica, isto é, quando se afixa uma extensão verbal na estrutura verbal, o verbo derivado pode ter mais argumentos, pode ter menos argumentos, ou então manter os seus argumentos sintácticos. Segundo o autor, em Emakhuwa encontram-se duas subdivisões de extensões: temáticas e modais. As extensões temáticas são: -ana (reciproca); -ela (aplic.); -eya (estat.); -iha (caus.); -iya (passiv.). Estas interferem na estrutura temática da matriz do verbo e as extensões modais são aquelas que não afectam a estrutura argumental do verbo. Tais extensões são: -aca (interativa/dual); -akaca (interativa /frequentativa); - esa (intensiva /frequentativa). 2.3 Estudos anteriores sobre a língua Nyungwe Não obstante o facto de todos os séculos serem importantes na vida do ser humano porque cada um deles constitui uma base sobre a qual o século seguinte se desenvolveu, o século XIX ocupa um lugar muito particular na história da humanidade devido aos progressos alcançados no campo das ciências naturais (NGUNGA 2004:19). Segundo o autor, foi, igualmente, neste século em que se assistiu ao nascimento da Linguística como sendo o estudo da ciência da linguagem. Este ganho contribuiu para que cientistas europeus, através do método histórico-comparativo, identificassem algumas semelhanças, entre as línguas clássicas europeias e o Sânscrito. A partir deste estudo conclui-se que estas três línguas surgiram da mesma língua que provavelmente não exista mais. O estudo desta língua e de outras línguas bantu começou na segunda metade do século XIX quando estudiosos europeus aplicaram às línguas africanas o método histórico-comparativo, usando 20

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

(1) PALAVRA TEMA FLEXÃO MORFOLÓGICA RADICAL CONSTITUINTE TEMÁTICO

(1) PALAVRA TEMA FLEXÃO MORFOLÓGICA RADICAL CONSTITUINTE TEMÁTICO Alina Villalva 1 Radical, tema e palavra são termos familiares à análise morfológica, mas que, de um modo geral, têm sido mal aproveitados pelos diversos modelos que a praticam. Na verdade, estes conceitos

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905)

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Textos / Seminário de Orientação - 12 de Março de 2005 - Fernando Janeiro Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Assume-se que o objecto de uma teoria semântica é constituído

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS PEF 367 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS TIPO DE PROVA DURAÇÃO Teórico/prática 90 Minutos (escrita) +25 Minutos (oral) X Escrita Com tolerância de 30 minutos X Oral X Sem tolerância 11º ANO

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Prova Escrita + Oral de Inglês

Prova Escrita + Oral de Inglês Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita + Oral de Inglês Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos (sem tolerância); Oral: 25 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI)

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Professora Doutora Dulce do Carmo Franceschini - Coordenadora Universidade Federal de Uberlândia - UFU Instituto de Letras e Linguística

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA QUADROS, Emanuel Souza. Resenha de Manual de morfologia do português, de Maria Nazaré de Carvalho Laroca. ReVEL, vol. 7, n. 12, 2009. [www.revel.inf.br]. RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado Manual Avançado Menus v2011 - Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 4. Menus... 4 b) Novo Produto:... 5 i. Separador Geral.... 5 ii. Separador Preços e Impostos... 7 iii.

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Informação - Prova de Equivalência à Frequência Formação: Específica Inglês (cont.) 12º Ano Código 358 2015 1 - Introdução: O presente documento visa

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS Abril 2015 2ºCiclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova 06/2015 Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos + 15 minutos

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Base empírica da sintaxe. Luiz Arthur Pagani (UFPR)

Base empírica da sintaxe. Luiz Arthur Pagani (UFPR) Base empírica da sintaxe (UFPR) 1 1 Gramaticalidade vs. aceitabilidade aceitabilidade [2, ps. 143144]: Aceitável é um termo primitivo ou pré-cientíco, neutro em relação às diferentes distinções que precisaremos

Leia mais

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) Prova de equivalência à frequência de Inglês (Prova escrita e oral) 1.ª e 2.ª Fases 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) As informações

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 367 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS- continuação 10.º e 11.º Anos (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês (Geral Continuação) Código da Prova: 367 2014 10.º e 11.º Anos de Escolaridade

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês (Geral Continuação) Código da Prova: 367 2014 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Disciplina Inglês (Cont.) Código - 367 2013/2014 Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês (Geral Continuação) Código da Prova: 367 2014 10.º e 11.º Anos de Escolaridade 1. Introdução As informações

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita 2º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO: 2014/2015 1 ª /

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 25 HIISTOGRAMA Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt Emília Oliveira Escola

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão LETRAS 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B 62961 Língua Portuguesa A 68 Língua Portuguesa A 68 Ementa: Estuda os fundamentos Ementa: Estudo da base fonéticofonológica teóricos da análise lingüística,

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6-A/2015 de 5 de março Disciplina: INGLÊS Código: 06 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira I, Nível

Leia mais

Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1

Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1 Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1 Quesler Fagundes Camargos 2 (UFMG) Indra Marrime Manuel 3 (UEM) Domingas Machavele 4 (UEM) 1. Introdução A língua Citshwa pertence ao Grupo

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA [INGLÊS]

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA [INGLÊS] INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS ANO DE ESCOLARIDADE: 10º E 11º ANOS ANO LETIVO: 2012 2013 TIPO DE PROVA: DURAÇÃO: CÓDIGO DA PROVA: MATERIAL NECESSÁRIO/PERMITIDO: ESCRITA 90 MINUTOS

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) (Anexo à ata nº 4, da reunião de 07-03-2014) A. LEITURA GLOBAL DOS

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

Agência Europeia para a Segurança da Aviação

Agência Europeia para a Segurança da Aviação Apêndice ao Parecer n.º 05/2007 PreRIA 21.040 Agência Europeia para a Segurança da Aviação AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO IMPACTO REGULAMENTAR Documentação sobre ruído das aeronaves 1. Finalidade e efeito pretendido

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Versão em Português. Exame de. Proficiência. em Língua. Japonesa. Data da realização no ano de 2011. 04 de dezembro

Versão em Português. Exame de. Proficiência. em Língua. Japonesa. Data da realização no ano de 2011. 04 de dezembro Versão em Português Exame de em Língua Japonesa Proficiência Data da realização no ano de 2011 04 de dezembro O Que é Exame de Proficiência em Língua Japonesa? É o maior exame de língua japonesa realizado

Leia mais

3 Pressupostos Teóricos

3 Pressupostos Teóricos 3 Pressupostos Teóricos 3.1 Os princípios teóricos de Harris 3.1.1 A aceitabilidade como fonte do conhecimento sintático A sustentação metodológica de referência para o desenvolvimento desta pesquisa é

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro

DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO BAIRRO - 160568 Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês 10º/11º

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação A dimensão pessoal do ensinar PROFESSOR COMO PESSOA ATITUDES FACE AO ENSINO E APRENDIZAGEM ATITUDES FACE AOS ALUNOS ATITUDES FACE A SI PRÓPRIO Copyright, 2006 José Farinha, Prof.

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas.

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. 36 4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. Em inglês, diversos nominais são formados a partir do processo de adição de sufixos, como er, e ing às suas

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

Espanhol. Agrupamento de Escolas de Alvalade. Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional. Prova 847 2015

Espanhol. Agrupamento de Escolas de Alvalade. Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional. Prova 847 2015 Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional Espanhol Prova 847 2015 11º ano de escolaridade continuação (CCH) Tipo de prova Escrita Duração 120 min + 30 min Nº de páginas 7 1 Introdução Temas transversais:

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS Prof. Domingos Fernandes/Portugal* A avaliação é uma prática social cuja presença é cada vez mais indispensável para caracterizar, compreender, divulgar

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Uma reflexão sobre Desenvolvimento Económico Sustentado em Moçambique

Uma reflexão sobre Desenvolvimento Económico Sustentado em Moçambique Uma reflexão sobre Desenvolvimento Económico Sustentado em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco carlos.castel-branco@iese.ac.mz Associação dos Estudantes da Universidade Pedagógica Maputo, 21 de Outubro

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 358 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Formação Específica Anual 12.º Ano (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor 333 escolha do local para realizar teste local pode influenciar resultados localização amostragem percepção sensorial podem ocorrer diferenças para um mesmo produto, em diferentes locais, devido a: diferenças

Leia mais

EXCEL TABELAS DINÂMICAS

EXCEL TABELAS DINÂMICAS Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL TABELAS DINÂMICAS (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina Wanzeller

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Situar o tema dentro do contexto geral da sua área de trabalho

Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Situar o tema dentro do contexto geral da sua área de trabalho PROJETO DE PESQUISA INTRODUÇÃO (O QUE É O TEMA?) Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Desenvolver genericamente o tema Anunciar a idéia básica Delimitar o foco da pesquisa

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: Informação sobre Prova de Equivalência à Frequência de Inglês Data: 10 de abril de 2013 Prova nº 21 2013 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo n.º 24-A/2012 Agrupamento de Escolas de Vallis Longus-Valongo

Leia mais

Entrevista com BPN Imofundos. António Coutinho Rebelo. Presidente. www.bpnimofundos.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com BPN Imofundos. António Coutinho Rebelo. Presidente. www.bpnimofundos.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com BPN Imofundos António Coutinho Rebelo Presidente www.bpnimofundos.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Área Responsável Implantação Preparado por: Leonardo Moulin Franco 27 de maio de 2009 Revisão 00 TABELA DE REVISÃO DESTE MANUAL REVISÃO

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul Projeto educativo A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul A Ponte Entre a Escola e a Ciência Azul é um projeto educativo cujo principal objetivo é a integração ativa de estudantes do ensino secundário

Leia mais

O verbo O verbo. www.scipione.com.br/radix. Prof. Erik Anderson. Gramática

O verbo O verbo. www.scipione.com.br/radix. Prof. Erik Anderson. Gramática O verbo O verbo O que é? Palavra variável em pessoa, número, tempo, modo e voz que exprime um processo, isto é, aquilo que se passa no tempo. Pode exprimir: Ação Estado Mudança de estado Fenômeno natural

Leia mais

O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1

O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1 O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1 Jane aparecida Gonçalves de Souza 2 Universidade Católica de Petrópolis cidijane@gmail.com RESUMO Pensar

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares Folha de cálculo Excel Agrupamento de Escolas de Amares Índice 1. Funcionalidades básicas... 3 1.1. Iniciar o Excel... 3 1.2. Criar um livro novo... 3 1.3. Abrir um livro existente... 3 1.4. Inserir uma

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2015. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 367

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2015. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 367 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 367 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 11º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 3, pág. 2451

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 3, pág. 2451 O PLURAL DAS PALAVRAS TERMINADAS EM -ÃO: MUDANÇA OU VARIAÇÃO ESTÁVEL? Miriam Cristina Almeida Severino (UFRJ) cristinasmiriams@yahoo.com.br Christina Abreu Gomes (UFRJ) christina-gomes@uol.com.br 1. Introdução

Leia mais