III FÓRUM DE PESQUISA FAU.MACKENZIE I 2007 A VEGETAÇÃO NA PAISAGEM DO BAIRRO DE HIGIENOPOLIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III FÓRUM DE PESQUISA FAU.MACKENZIE I 2007 A VEGETAÇÃO NA PAISAGEM DO BAIRRO DE HIGIENOPOLIS"

Transcrição

1 1 A VEGETAÇÃO NA PAISAGEM DO BAIRRO DE HIGIENOPOLIS Pérola Felipette Brocaneli Θ Monica Machado Stuermer Θ maciços vegetais nas trilhas urbanas? A vegetação é realmente percebida pelo pedestre? Qual sua influência sobre o micro clima local? Em um percurso rápido dentro do bairro e próximo ao Mackenzie, algumas vegetações são identificadas em maciços ou isoladas. Medições de temperatura e umidade em vários pontos do bairro serão realizadas e as questões acima são discutidas. Palavras-Chave: Mackenzie, Higienópolis, São Paulo, Vegetação, temperatura, umidade relativa, Qualidade de Vida. Foto 1. Fonte: da autora, 2007 Resumo Este artigo é um aprofundamento da leitura exposta no artigo: Qualidade Ambiental no Bairro de Higienópolis, pois embora o bairro apresente visível qualidade ambiental é interessante investigar qual a parcela de responsabilidade que a vegetação assume neste contexto. A vegetação na paisagem admite diversas leituras desde técnicas até românticas, mas como realmente são percebidas, pelo pedestre, as espécies vegetais e/ou Introdução A vegetação existente nas ruas do bairro de Higienópolis não apresenta requinte. As arvores são, em sua maioria, espécies resistentes à poluição, portentosas e antigas. Apesar da sombra que proporcionam, também apresentam alguns inconvenientes devido à falta de manutenção e podas indelicadas, muitos exemplares apresentam copas deformadas, caules tortos e algumas pragas. Θ Arquiteta e Urbanista graduada em 1993, pela FAU Mackenzie. Doutora em Paisagem e Ambiente pela FAU-USP. Leciona na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie desde Θ Engenheira civil, Doutora em Geotecnia Ambiental pela Escola Politécnica da USP. Leciona na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie desde Materiais e Métodos O método utilizado para a identificação da vegetação é o da observação cotidiana, mostrado através das fotos, as quais são analisadas com base na metodologia da visão seriada desenvolvida e conceituada por Gordon Cullen e Yoshinobu Ashihara

2 2 que abrange, de maneira muito eficaz, a observação e análise da paisagem. A identificação das espécies e dos maciços vegetais é feita com base em livros de botânica, através da comparação de folhas, caule, frutos e flores. O estudo se reflete nas fotografias de maneira a permitir que estas paisagens urbanas sejam reconhecidas e valorizadas devido a infinidade de benesses que atribuem ao bairro de Higienópolis. Para a medição de temperatura e umidade relativa será utilizado equipamento adequado e metodologia de medição de campo, descrita ao longo deste trabalho. Foto 2. Fonte: da autora, 2007 O ponto de partida deste percurso é o cruzamento das Ruas Itambé, Dona Veridiana, Major Sertório e Maria Antonia com a Avenida Higienópolis. A VEGETAÇÃO NA PAISAGEM DO BAIRRO DE HIGIENOPOLIS A vegetação no bairro de Higienópolis colabora na formação de um micro clima agradável, muito explorado pelo mercado imobiliário na região. Foto 3. Fonte: da autora, 2007 A fim de conduzir uma leitura perceptiva da vegetação na paisagem do bairro de Higienópolis, um pequeno percurso foi traçado, abrangendo diversas e recorrentes leituras da vegetação no bairro. A vegetação da Avenida Higienópolis é bastante densa e composta, basicamente, de Fícus sp. A temperatura torna-se bastante agradável sob o céu de árvores frondosas. Tal arvoredo se estende na propriedade privada do Clube São Paulo, demonstrando paisagisticamente a importância da continuidade dos maciços vegetais na formação da paisagem, no controle térmico e na formação do micro clima de uma região.

3 3 Foto 6. Fonte: da autora, 2007 Foto 4. Fonte: da autora, 2007 Subindo a rua Itambé, a vegetação frondosa percebida na paisagem pertence ao Campus do Mackenzie, sendo que os exemplares de arvores existentes na calçada, do outro lado da rua estão em crescimento. Observando o mesmo trecho da Rua Itambé, em uma perspectiva superior, tendo em primeiro plano uma árvore de porte adulto, constata-se que a vegetação parece formar um único maciço verde, que devido às diversas espécies apresenta diferentes tons de verde e alguma floração. Nota-se rapidamente que uma das características da vegetação, devido principalmente a textura das folhas, é a capacidade de fundir-se na paisagem, sendo a ostentação individual algo que ocorre nas fases de floração e/ou frutificação, ou também devido a folhagens ou cores que se sobre-saem do conjunto. Foto 5. Fonte: da autora, 2007 Um indicador do conforto ambiental proporcionado pela vegetação, e sentido com grande ênfase no cruzamento que leva a Avenida Higienópolis, pode ser constatado com a presença do trailer de cachorro quente, que se instalou sobre a sombra da árvore na esquina das ruas Itambé com Maranhão. Foto 7. Fonte: da autora, 2007 Na foto acima, na qual a portaria do Campus está centralizada, fica evidente que a vegetação significativa deste trecho da paisagem está instalada apenas no espaço semi-público do Campus da

4 4 Universidade Presbiteriana Mackenzie, não havendo uma continuidade no espaço público. Esta descontinuidade da vegetação proporciona a leitura da paisagem devido ao afastamento do objeto de estudo. As espécies vegetais formam um maciço verde composto por diversas árvores, sendo que, dentre elas, há uma Goiabeira - Psidium guajava, uma Mangueira - Mangifera indica, um pinho americano - Pinus elliottii além de outras espécies, demonstrando o caráter eclético da composição do maciço verde neste trecho. Foto 8 e 9. Fonte: da autora, 2007 Esta variedade pode ser mal interpretada quando observada com o rigor da composição vegetal, aliada à percepção da paisagem e do direcionamento do olhar. No entanto, pode também apresentar um caráter acolhedor já que em sua diversidade abriga a percepção do tempo de goiaba ou do tempo de manga devido à queda de alguns frutos no piso, colaborando na identidade do homem com a natureza e a melhoria desta relação em áreas densamente urbanizadas, proporcionando inclusive a identificação de algumas espécies neste trecho do percurso. Foto 10. Fonte: da autora, 2007 Ao entrar na rua Maranhão, percebe-se um fechamento na percepção da paisagem devido à grande quantidade de Ligustrum lucidum, plantados nas duas laterais. Este fechamento conduz o olhar até a esquina e entorpece a percepção da Vila Penteado, pois as arvores desenvolvem-se em um ritmo que promove, de certa forma, uma letargia dos sentidos. A vegetação neste caso não colabora na leitura da arquitetura apesar da qualidade ambiental que confere ao percurso. Foto 11. Fonte: da autora, 2007 Ao visualizar a Vila Penteado, a percepção é parcial e face ao porte que apresenta, a leitura torna-se facetada, e a fragmentação do olhar neste caso não facilita a percepção do conjunto arquitetônico apresentado. Na continuidade do trecho, após a esquina da rua Maranhão com a rua Sabará, o

5 5 Edifício Brasil Colônia diante da mesma situação é beneficiado. valorizadas, o que nos faz refletir: A vegetação deve necessariamente estar vinculada à percepção da paisagem ou apenas lhe basta cumprir as funções de refrigeração do espaço urbano? Será uma necessidade a estética na composição da vegetação urbana? Será uma necessidade a substituição da vegetação, nas cidades, a fim da valorização da paisagem antropisada? Foto 12. Fonte: da autora, 2007 A vegetação neste quarteirão composta por fícus - Fícus sp, ligustrun - Ligustrum lucidum, pau ferro - Caesalpinea férrea e palmáceas dentre outras espécies, proporciona a valorização do detalhe, em uma arquitetura modular, selecionando perspectivas que tomam a parte pelo todo e onde se percebe o todo pela parte. A vegetação, quando focada, apresenta características marcantes, mas, devido à tonalidade e à textura de suas folhas, perde a identidade individual e torna-se coletiva, algo que colabora na difícil relação entre espécie e localização. Foto 14. Fonte: da autora, 2007 Seguindo o percurso da rua Maranhão, destaca-se na paisagem um Pau ferro - Caesalpinia ferrea devido ao seu caule tipicamente claro e porte altivo, pontuando o espaço com sua sombra tênue, pequeninas folhas e flores são motivo pelo qual muitas vezes estas e outras arvores são cortadas. Do outro lado da rua, pode-se observar uma Espatódea - Spathodea campanulata, uma espécie africana que devido a suas flores de coloração laranja é reconhecida facilmente. Foto 13. Fonte: da autora, 2007 Algumas perspectivas do conjunto arquitetônico não se apresentam tão

6 6 ano na tentativa de perpetuar suas espécies. Esta Sibipiruna, plantada em cota elevada, torna-se ainda mais portentosa e chama toda atenção para si, praticamente inibindo a percepção do Hotel Melia, um gigante de concreto, com estilo de arquitetura questionável, instalado no lote vizinho. Foto 15. Fonte: da autora, 2007 Ao atravessar o olhar em direção a calçada do lado oposto, pode-se observar uma fícus sp que apresenta uma copa escultural, recortando a paisagem e valorizando o segmento do percurso, de forma que as interferência existentes, tais como enfiação e os postes de iluminação, praticamente perdem sua força na leitura da paisagem, algo difícil de acontecer. Foto 17. Fonte: da autora, 2007 Foto 16. Fonte: da autora, 2007 Na próxima esquina, onde a rua Maranhão cruza com a rua Itacolomi, a magnífica Sibipiruna ou Sibipuruna - Caesalpinia peltophoroides uma árvore muito utilizada no paisagismo urbano, por sua beleza e rápido desenvolvimento, apresenta muitas características similares ao Pau Brasil, pois floresce com grande beleza e suas flores perduram por mais de um mês, entre Setembro e Outubro, no entanto sabe-se que devido as alterações climáticas as arvores tem florescido mais de uma vez ao A diferente palmácea popularmente chamada de palmeira rabo de peixe, é uma vegetação exótica, comum na Índia, Bruma, Sri Lanka e Malásia. A Caryota urens L. é uma planta solitária com 12-20m de altura; estipe anelado; folhas bipinadas, concentradas na porção apical do estipe, pinas em forma de cunha com ápice denteado; inflorescência longa e muito ramificada; frutos globosos verdes, depois avermelhados e pretos, esta localizada no cruzamento da rua Maranhão com a rua Itacolomi e faz contraponto a exuberante sibipiruna exemplares que se comportam como vedetes na paisagem desta esquina, onde também encontramos uma palmeira leque de saia ou falsa latânia, comum na Austrália que aparentemente pretende juntar-se futuramente as magníficas e diversas arvores observadas neste trecho.

7 7 Foto 18. Fonte: da autora, 2007 Subindo pela rua Itacolomi, uma seqüência de quaresmeiras, Tibouchina granulosa árvores de pequeno a médio porte, de grande beleza com floração roxa, e por isso muito utilizadas no paisagismo urbano, pois sombreiam e rebaixam delicadamente a abóbada celeste e apesar de não haver um violento fechamento na perspectiva do pedestre, o olhar é conduzido em um percurso retilíneo e levemente ascendente, que permite ignorar momentaneamente a escala dos edifícios adjacentes. Do outro lado da rua há algumas árvores da espécie, Pata de vaca - Bauhinea variegata. É uma árvore exótica também muito usada no paisagismo urbano, pois pode ter flores brancas ou roxas, com floração a partir de Julho, que continua até três meses depois. Estas árvores colaboram com as quaresmeiras para a produção das sensações de fechamento, condução do olhar e delicado rebaixamento do teto celeste. Foto 19. Fonte: da autora, 2007 Ao chegar na esquina seguinte, a sensação de ar seco e quente é inevitável. Há também um desamparo promovido pela clareira que se observa no passeio, embora a paisagem assegurada pelas áreas particulares remontem ao jardim do Éden, relembrando a idéia do espaço proibido e inacessível. Foto 20. Fonte: da autora, 2007 A vegetação nesta esquina, não é tão portentosa, sendo que a conífera no centro da imagem ofusca a(s) palmácea(s) espremida(s) entre a parede e a banca de jornal, instalada(s) em um refugio de terra no jardim do edifício, se apresentando

8 8 perdida(s) em meio à seqüência de coníferas. A vegetação na rua Piauí, apresenta diversidade de porte, idade e manutenção. Foto 21. Fonte: da autora, 2007 Foto 23. Fonte: da autora, 2007 A identificação da palmácea está comprometida devido à distância e porque as folhas parecem ter sido vitima de praga (lagartas) mas aparentemente, trata-se de uma seafórtia ou palmeira-real - Archontophoenix cunninghamii, que apresenta-se em evidência e está mantida em espaço institucional, porém, inacessível, sobressaindo-se do maciço de tipuanas -Tipuana tipu; que segue calçada acima, na rua Itacolomi. Algumas vegetações são mantidas em condições precárias de insolação, irrigação e poda, o que proporciona às mesmas, um desenvolvimento inadequado. A vegetação, quando disposta através de um projeto de paisagismo que considere tanto as questões visíveis quanto as sensíveis, colabora para o enobrecimento da edificação e também para a concepção da paisagem de forma única, como pode ser percebido na imagem a seguir, onde o posicionamento das floreiras foi valorizado através do porte da vegetação escolhida. Foto 22. Fonte: da autora, 2007

9 9 atinge de 8 a 10m de altura, apresenta estipe cilíndrico, não dilatado na base e levemente anelado; suas folhas pinadas que apresentam de 2 a 3m de comprimento, com pinas dísticas; inflorescências grandes e muito ramificadas, pendentes abaixo do palmito; apresenta ainda frutos esféricos e vermelhos. Foto 24. Fonte: da autora, 2007 Seguindo o percurso, a esquina da rua Piauí com a rua Sabará apresenta um exemplo da integração visual das espécies vegetais, onde, novamente, as interferências na paisagem atrapalham, mas não eliminam a poesia da composição vegetal. Nas esquinas, a temperatura eleva-se devido à clareira formada, destinada ao cruzamento. O calor que emana do asfalto é compensado pela vegetação, mas variação térmica pode ser sentida pelos pedestres. A diferença poderia ser mais agressiva sem o auxilio refrescante da vegetação. Foto 25. Fonte: da autora, 2007 A aparente seafórtia ou palmeira-real, Archontophoenix cunninghamii, comum na Austrália, foi identificada muito próxima à edificação, de forma que não pode demonstrar a leveza de suas folhas e a maleabilidade de seu caule ao balançar com a brisa. Esta palmeira é solitária e Foto 26. Fonte: da autora, 2007 Quando as árvores se rarefazem no percurso, a qualidade do passeio do pedestre diminui sensivelmente, sendo possível prejudicar a percepção da explosão da floração das quaresmeiras - Tibouchina granulosa mais adiante, pois o aquecimento colabora na exaustão da percepção estética da vegetação.

10 10 Com o intuito de estudar a influência da vegetação neste micro clima urbano, decidiu-se realizar medições de temperatura e umidade em diversos pontos do percurso estudado, de forma a observar a existência de variações em função da vegetação que se apresenta. Foto 27. Fonte: da autora, 2007 Observa-se aqui que as medições se estenderão para além do percurso acima apresentado, fazendo parte de uma ampliação desta pesquisa, que será incorporada ao projeto do Mackpesquisa em andamento: Trilhas urbanas: roteiro cultural e arquitetônico Mackenzie, como apresentado no mapa de localização dos pontos de medição, a seguir: Foto 28. Fonte: da autora, 2007 O próximo cruzamento é o ultimo e o micro clima esta sensivelmente mais quente e seco, mas a vegetação B 13 A preservada no Campus Mackenzie, mais uma vez chama a atenção e torna o ponto final do trajeto um momento de percepção maravilhoso. A RELAÇÃO DA VEGETAÇÃO NO MIICRO CLIMA DO PERCURSO A vegetação do bairro de Higienópolis, principalmente nas proximidades do Campus Mackenzie, colabora no controle da umidade e da temperatura do ar. No entanto, este micro clima também sofre alterações que são sentidas no percurso do pedestre. Fonte: GEGRAN 1/2000 Foto 29. Fonte: da autora, 2007 As medições serão realizadas no período de setembro a dezembro de 2007, em horário de temperatura mais amena e mais elevada, ou seja, pela manhã e no meio do dia, analisando as variações em função da vegetação presente. Neste artigo será apresentada a metodologia de medição e uma medição realizada como exemplificação.

11 11 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS PONTO Temperatura ( 0 C) Umidade Relativa (%) A metodologia desenvolvida consiste na medição da temperatura e da umidade, através de um termo-higrômetro, modelo POLI PM 500, fabricado pela Thermometer, de propriedade do Laboratório de Conforto Ambiental. A faixa de medição do mesmo, para temperatura varia entre 10 0 C e 70 0 C e de leitura de umidade relativa (UR) varia entre 25% UR e 98% UR. O aparelho apresenta precisão de 0,1 0 C para temperatura e 1% para umidade relativa. A princípio, o circuito será percorrido no período de setembro a dezembro de 2007, às segundas e quartas feiras, às 8:00 e às 12:30, sendo que o aparelho permanecerá ligado durante todo o percurso e em cada ponto locado, para a realização da leitura, deverá se aguardar um minuto para a estabilização da mesma. Com o intuito de aferir a escolha dos pontos locados em planta, realizou-se uma primeira medição, no dia 17 de setembro de 2007, entre 9:30 e 10:00, obtendo-se os seguintes resultados: 1 21, , , , , , , , , , , , ,7 59 Tabela 1. Fonte: da autora. Os valores de umidade relativa variaram entre 59% e 65%. Para efeito de comparação, o mapa a seguir mostra que a umidade relativa da cidade de São Paulo, apresentou, no mesmo dia 17, variação entre 55% e 85%. Imagem 30. Mapa de umidade relativa em :00h. Fonte:

12 12 Dados da estação meteorológica da Consolação mostram, neste dia, a umidade relativa do bairro entre 56% e 88%. Os valores de temperatura variaram entre 21,7 0 C e 22,7 0 C. Os dados da estação meteorológica da Consolação indicaram variações entre 16,0 0 C e 20,0 0 C. Para uma análise comparativa, no entanto, é necessária uma seqüência de dados, o que será obtida ao longo do semestre. posteriormente transferindo-o para o solo. Maiores informações sobre a influência da vegetação no micro clima serão obtidas com as medições de umidade relativa e temperatura que serão obtidas ao longo deste semestre. REFERÊNCIAS CONCLUSÃO Na macro escala de medição, a temperatura da região é classificada de uma forma generalizada e o bairro de Higienópolis é considerado de boa qualidade. Também é considerado belo, devido à presença da vegetação que é mais ostensiva que na maioria dos bairros da cidade. Esta qualidade também se deve à maneira como foram orientadas as ruas e ao parcelamento do solo, que inclusive desenhou a largura das calçadas, algo que promoveu o plantio da vegetação e a mantém viva e atuante. As discussões sobre a valorização da paisagem através da vegetação são importantes, no entanto a qualidade climática promovida pelos maciços vegetais talvez possa assumir um caráter maior em um momento em que as concentrações de CO 2 devem ser diminuídas e a vegetação além de refrigerar e umidificar o ar, também participa do resgate de CO 2 concentrando-o em sua estrutura e Lorenzi, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. V.1. 3.ed. Ed. Plantarun, São Paulo, Nova Odessa: Lorenzi, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Ed. Plantarun, São Paulo, Nova Odessa: Lorenzi, H. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. Ed. Plantarun, São Paulo, Nova Odessa:

ARBORIZAÇÃO URBANA EM PAINS-MG

ARBORIZAÇÃO URBANA EM PAINS-MG ARBORIZAÇÃO URBANA EM PAINS-MG Amanda Pereira do Carmo 1 ; Kátia Daniela Ribeiro 2 1 Bacharel em Engenharia Ambiental, amandambiental@yahoo.com.br 2 Professora Titular I, UNIFOR-MG, katiadr@bol.com.br

Leia mais

Guia Prático para Construção de Calçadas

Guia Prático para Construção de Calçadas Guia Prático para Construção de Calçadas Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano 19 3851.7021/ 3851.7022 E-mail: : spdu-contato@mogiguacu.sp.gov.br Introdução A acessibilidade é um direito

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS EM PAISAGISMO

PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS EM PAISAGISMO PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS EM PAISAGISMO Fernanda Cristiane Simões 1 Patrícia Duarte de Oliveira Paiva 2 Manuel Losada Gavilanes 3 Guilherme José Oliveira Neri 4 Renato Paiva 5 1. INTRODUÇÃO Para a

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Figura 01 Vista lateral do tronco,mostrando a presença de cupins, gameleira parasita crescendo no centro e ramos epicórmicos oriundos

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012 Análise dos Microclimas do Parque Farroupilha, Porto Alegre/RS Pedro Hasstenteufel 1, Izadora Flores Rech 2, Bruna Prades Bitencourt 3, Fernanda Saretta 4, Renata Dias Silveira 5 1 Porto Alegre (pedro_hass@hotmail.com)

Leia mais

CONFLITOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA EM VIAS PÚBLICAS DE INCONFIDENTES, MG

CONFLITOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA EM VIAS PÚBLICAS DE INCONFIDENTES, MG CONFLITOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA EM VIAS PÚBLICAS DE INCONFIDENTES, MG Lilian Vilela Andrade Pinto (1) Professora DSc. em Manejo Ambiental do IFSULDEMINAS Campus Inconfidentes. Leciona as disciplinas de

Leia mais

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAISAGISMO PARQUES E JARDINS Prof. Eliseu Figueiredo Neto 1 CONCEITOS PAISAGEM Refere-se ao espaço de terreno abrangido em um lance de vista, ou extensão territorial a partir de um ponto determinado. 2

Leia mais

ESTUDO DE CASO. São Paulo, novembro de 2009

ESTUDO DE CASO. São Paulo, novembro de 2009 ESTUDO DE CASO São Paulo, novembro de 2009 O PROJETO PATRIMÔNIO DO CARMO Local: residência em condomínio fechado em São Roque / SP Área: 2.700 m² (que se unem às áreas de reserva, comuns a todos os condôminos)

Leia mais

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO Programa Calçada Segura Manual de Execução GUIA PRÁTICO Editorial Manual de Execução de Calçadas O Programa Calçada Segura interessa diretamente a todos. A Assessoria de Políticas para as Pessoas com

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

INFLUÊNCIA DA VEGETAÇÃO NO CONFORTO TÉRMICO URBANO: Estudo de caso na cidade de Maringá - Paraná. Andréia Gonçalves 1. Larissa Siqueira Camargo 2

INFLUÊNCIA DA VEGETAÇÃO NO CONFORTO TÉRMICO URBANO: Estudo de caso na cidade de Maringá - Paraná. Andréia Gonçalves 1. Larissa Siqueira Camargo 2 7 e 8 Novembro 2012 INFLUÊNCIA DA VEGETAÇÃO NO CONFORTO TÉRMICO URBANO: Estudo de caso na cidade de Maringá - Paraná Andréia Gonçalves 1 Larissa Siqueira Camargo 2 Paulo Fernando Soares 3 RESUMO É fato

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO CAMPUS SÃO JOÃO DEL-REI

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO CAMPUS SÃO JOÃO DEL-REI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS - CAMPUS SÃO JOÃO DEL-REI PROJETO DE REVITALIZAÇÃO

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE GURUPI: IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE ÁRVORES OCORRENTES NA MALHA URBANA

ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE GURUPI: IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE ÁRVORES OCORRENTES NA MALHA URBANA ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE GURUPI: IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE ÁRVORES OCORRENTES NA MALHA URBANA SILVA, S. M. O. 1 ; SANTOS, A.F. 2 1 Aluna do Curso de Engenharia Florestal; Campus de

Leia mais

Arroio do Tigre/RS, iniciando na Rua Getulio Vargas, sentido oeste/leste, como término na RSC 481.

Arroio do Tigre/RS, iniciando na Rua Getulio Vargas, sentido oeste/leste, como término na RSC 481. PROJETO DE LEI LEGISLATIVO N 006/2015 de 10 de setembro de 2015. DÁ DENOMINAÇÃO AS SEGUINTES RUAS LOCALIZADAS NO BAIRRO MOHR, LOTEAMENTO TELÖKEN, CIDADE DE ARROIO DO TIGRE/RS. Art. 1º Fica denominada de

Leia mais

a das Canoas, Rio de Janeiro Oscar Niemeyer: .

a das Canoas, Rio de Janeiro Oscar Niemeyer: <http://casasbrasileiras.wordpress.com/2010/09/20/casadas-canoas-oscar-niemeyer/>. 1 2 Nosso campo visual normalmente consiste em elementos heterogêneos que diferem em FORMATO, TAMANHO, COR, ou ORIENTAÇÃO. Para compreendermos melhor a estrutura de um campo visual, tendemos a organizar

Leia mais

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia Considerações Sobre a Gestão de Áreas Verdes Com Foco na Arborização de Sertânia - PE Edmaylson Jóia Leandro 1 Maria Betânia Moreira Amador 2 RESUMO Face a necessidade de implantação de espécies vegetais

Leia mais

Eritrina-candelabro. Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro.

Eritrina-candelabro. Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro. Eritrina-candelabro (Erythrina speciosa Andrews) Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro. Característica de floresta

Leia mais

PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL

PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL Autores: Leila Bueno de Oliveira¹; Eliete de Pinho Araujo¹ Afiliações: 1 - UniCEUB - Centro Universitário de Brasília 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

P&E Estilos do Brasil. Por: Tatiana Izquierdo ÁREAS. Externas. 34 CASA Projeto&Estilo

P&E Estilos do Brasil. Por: Tatiana Izquierdo ÁREAS. Externas. 34 CASA Projeto&Estilo P&E Estilos do Brasil Por: Tatiana Izquierdo ÁREAS Externas 34 CASA Projeto&Estilo pe_17.indb 34 09/12/11 15:55 Local apropriado para quem pretende unir bem-estar e natureza, as áreas externas estão se

Leia mais

Estalo Desenvolvimento e Tecnologia Rua Ismael Carlos Correia, 107 CEP 89221-520 - Joinville - SC estalo@estalo.com.br

Estalo Desenvolvimento e Tecnologia Rua Ismael Carlos Correia, 107 CEP 89221-520 - Joinville - SC estalo@estalo.com.br Estalo Thermal Design Conteúdo Apresentação...4 1.1 O QUE É O ESTALO THERMAL DESIGN?...4 1.2 ONDE ELE SE APLICA?...4 1.3 COMO SE REALIZA A ENTRADA DE DADOS?...4 Ajuda para utilização do programa...5 2.1

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Registro fotográfico da Ficus elastica com diagnóstico de declínio ocasionado por Ganoderma applanatum Figura 01 Ficus elastica, vista parcial do tronco e raízes tabulares. Foto: Sandra Graciele Pereira

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA CONSCIENTE NO MUNICIPIO DE JATAÍ, GO

IMPLANTAÇÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA CONSCIENTE NO MUNICIPIO DE JATAÍ, GO Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 IMPLANTAÇÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA CONSCIENTE NO MUNICIPIO DE JATAÍ, GO Estela da Silva Lemes Secretaria do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia; coordenadora do Jardim Botânico;

Leia mais

Planta do pavimento térreo

Planta do pavimento térreo Planta do pavimento térreo Cortes e elevações típicos Acesso principal e praça de eventos Permeabildade do projeto com seu entorno Ecosistema interno com bosque de mata nativa Telhados verdes e praça de

Leia mais

O PORTE DAS ÁRVORES E O EFEITO MICROCLIMÁTICO - UMA CONTRIBUIÇÃO AO PLANEJAMENTO DA ARBORIZAÇÃO DE RUAS

O PORTE DAS ÁRVORES E O EFEITO MICROCLIMÁTICO - UMA CONTRIBUIÇÃO AO PLANEJAMENTO DA ARBORIZAÇÃO DE RUAS O PORTE DAS ÁRVORES E O EFEITO MICROCLIMÁTICO - UMA CONTRIBUIÇÃO AO PLANEJAMENTO DA ARBORIZAÇÃO DE RUAS Angeline Martini (*), Daniela Biondi, Antonio Carlos Batista * Universidade Federal do Paraná, martini.angeline@gmail.com

Leia mais

USO DE ÁRVORES E ARBUSTOS EM CIDADES BRASILEIRAS

USO DE ÁRVORES E ARBUSTOS EM CIDADES BRASILEIRAS USO DE ÁRVORES E ARBUSTOS EM CIDADES BRASILEIRAS José Hamilton de Aguirre Junior 1, Ana Maria Liner Pereira Lima 2 O objetivo deste trabalho é demonstrar através de imagens e discussões que a substituição

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

SUGESTÕES PARA MELHORAR A DIFÍCIL CONVIVÊNCIA DAS ÁRVORES DO GRAJAÚ COM AS REDES AÉREAS E CALÇADAS DO BAIRRO NELSON ARAUJO LIMA

SUGESTÕES PARA MELHORAR A DIFÍCIL CONVIVÊNCIA DAS ÁRVORES DO GRAJAÚ COM AS REDES AÉREAS E CALÇADAS DO BAIRRO NELSON ARAUJO LIMA SUGESTÕES PARA MELHORAR A DIFÍCIL CONVIVÊNCIA DAS ÁRVORES DO GRAJAÚ COM AS REDES AÉREAS E CALÇADAS DO BAIRRO NELSON ARAUJO LIMA 1 SUMÁRIO página Apresentação... 3 A urbanização das ruas do Grajaú... 4

Leia mais

PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS EM PAISAGISMO

PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS EM PAISAGISMO PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS EM PAISAGISMO Fernanda Cristiane Simões 1 Patrícia Duarte de Oliveira Paiva 2 Manuel Losada Gavilanes 3 Paulo Correa Landgraf 1 Guilherme José Oliveira Neri 4 Renato Paiva

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO DE PESQUISA Plantar é preservar! Plante hoje, respire amanhã. Alegrete, de Janeiro de 2011 Plantar é preservar a vida. Plante hoje, respire amanhã. Professor

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

Flavia Pacheco Alves de Souza

Flavia Pacheco Alves de Souza Oficina de extensão Conhecendo as árvores da cidade! Flavia Pacheco Alves de Souza Feedback das visitações Parque natural nascentes de Paranapiacaba. Árvores exóticas Árvores exóticas são aquelas oriundas

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO E O CONFORTO AMBIENTAL NO LOTEAMENTO HBB EM TERESINA. TERESINA PI BRASIL. (Apoio CNPq) L. M. E. Kallas

PLANEJAMENTO URBANO E O CONFORTO AMBIENTAL NO LOTEAMENTO HBB EM TERESINA. TERESINA PI BRASIL. (Apoio CNPq) L. M. E. Kallas PLANEJAMENTO URBANO E O CONFORTO AMBIENTAL NO LOTEAMENTO HBB EM TERESINA. TERESINA PI BRASIL. (Apoio CNPq) L. M. E. Kallas RESUMO No desenho urbano, a adequação bioclimática aproveita variáveis do clima

Leia mais

CONSULTORIA TÉCNICA EM ÁREAS VERDES DOMÉSTICAS URBANAS

CONSULTORIA TÉCNICA EM ÁREAS VERDES DOMÉSTICAS URBANAS CONSULTORIA TÉCNICA EM ÁREAS VERDES DOMÉSTICAS URBANAS NUNES, Marcelo; Nunes, Bárbara Faria; BERNARDES, Laryssa Moreira; COELHO, Tamylla Rodrigues; FERRARI, Juliana Marques; AGUIAR, Lorrana Campos de Oliveira;

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: IMOBILIÁRIA PARQUE BRASIL LTDA DENOMINAÇÃO: LOTEAMENTO RESIDENCIAL VILA REAL FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE 04/05/2007

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS Marieli Azoia Lukiantchuki (1); Monica Faria de Almeida Prado (2); Rosana Maria Caram (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

Recuperação dos Espaços e Equipamentos Públicos

Recuperação dos Espaços e Equipamentos Públicos Recuperação dos Espaços e Equipamentos Públicos Os espaços públicos são compreendidos como lugares concretos que atuam como espaços de sociabilidade. Na história de Assaí observa-se, através da análise

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL PROJETO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Autores: Claudio Libeskind, Sandra Llovet, Mario Lotfi, David Ruscalleda Nesta cidade, feita de sucessivas adições, de fragmentos, o projeto sobrepõe outros, criando

Leia mais

III FÓRUM DE PESQUISA FAU.MACKENZIE I 2007. Introdução A PRESENÇA DO MACKENZIE NO BAIRRO DE HIGIENÓPOLIS

III FÓRUM DE PESQUISA FAU.MACKENZIE I 2007. Introdução A PRESENÇA DO MACKENZIE NO BAIRRO DE HIGIENÓPOLIS 1 A PRESENÇA DO MACKENZIE NO BAIRRO DE HIGIENÓPOLIS Maria Elena Merege Vieira Θ Resumo Este trabalho apresenta as alterações da paisagem do espaço urbano do Bairro de Higienópolis, com ênfase na importância

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DO BAIRRO PARQUE CASTELO BRANCO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

AVALIAÇÃO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DO BAIRRO PARQUE CASTELO BRANCO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 46 AVALIAÇÃO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DO BAIRRO PARQUE CASTELO BRANCO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. Plínio

Leia mais

LEVANTAMENTO E SISTEMATIZAÇÃO DAS FORRAÇÕES DISPONÍVEIS EM VIVEIROS DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS - GO RESUMO

LEVANTAMENTO E SISTEMATIZAÇÃO DAS FORRAÇÕES DISPONÍVEIS EM VIVEIROS DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS - GO RESUMO LEVANTAMENTO E SISTEMATIZAÇÃO DAS FORRAÇÕES DISPONÍVEIS EM VIVEIROS DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS - GO Patrícia Corrêa de França 1 ; Marcus Vinícius Vieitas Ramos 2 1 Mestranda em Engenharia de Sistemas Agroindustriais,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS RESUMO

DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS RESUMO DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS Elinalva Silva de Lira 1 ; Joelson Gonçalves Pereira 2 ; Ana Paula Vieira da Silva 1 1 Bolsistas do Programa de Extensão Oficinas comunitárias

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação INSOLAÇÃO EM EDIFICAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) ISABELA SABOYA PINTO LIMA Orientador(es) SUELI MANÇANARES LEME 1. Introdução O conforto térmico é um atributo necessário em edificações

Leia mais

Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF

Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF Alexandre Chan - arquiteto e urbanista A Cidade e a Circulação Trinta e oito anos depois de sua inauguração, Brasília ultrapassou todas as expectativas para seu desenvolvimento.

Leia mais

Arborização urbana em um bairro popular de Amparo/SP

Arborização urbana em um bairro popular de Amparo/SP Resumo: Realizou-se levantamento quantitativo e qualitativo da arborização em um bairro popular de Amparo/SP. Foram encontrados 141 espécimes vegetais, distribuídos em 18 gêneros e 15 famílias, sendo a

Leia mais

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG ROCHA, Jozielle Marques da 1 GOMES, Adriano P. 2 INTRODUÇÃO Um projeto arquitetônico deve se adaptar às características do meio

Leia mais

Manual e Especificação Técnica

Manual e Especificação Técnica Telhados verdes e jardins elevados Manual e Especificação Técnica Sistema Telhado Verde SkyGarden Paisagismo O sistema de telhado verde da SkyGarden é o resultado de décadas de pesquisas no Japão, em um

Leia mais

Eliseu Figueiredo Neto

Eliseu Figueiredo Neto Eliseu Figueiredo Neto 1 O QUE É UM JARDIM Tirado do dicionário on line: http://www.dicio.com.br/jardim/ s.m. Espaço ordinariamente fechado, onde se cultivam árvores, flores, plantas de ornato. Jardim

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS Luis Fernando Malluf Sanchez Faculdade de Engenharia Civil CEATEC luis.fms1@puccampinas.edu.br Claudia Cotrim Pezzuto Faculdade

Leia mais

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes SEBRAE Memorial Descritivo 1. Diretrizes A identidade do edifício institucional deve se dar pelo caráter da obra singular ou por um conjunto edificado que reconstitua o lugar como uma referência para a

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental

Laudo Técnico Ambiental E-MAIL: tnm_1984@hotmail.com Laudo Técnico Ambiental Atendimento a Notificação Nº 104/2013 Laudo Anual para Atender as exigências da Lei nº 4.123 de 04 de maio de 2007. Ano de referência: 2012 Valinhos

Leia mais

JARDIM COM PLANTAS MEDICINAIS

JARDIM COM PLANTAS MEDICINAIS 20 a 24 de outubro de 2008 JARDIM COM PLANTAS MEDICINAIS Bruna Barbosa Barroca 1 ; Igor Grecco de Lima¹; Pérsio Sandir D Oliveira 2 RESUMO: Este trabalho foi executado para avaliar o uso de plantas medicinais

Leia mais

Coberturas. Prof. Marcos Valin Jr

Coberturas. Prof. Marcos Valin Jr Prof. Marcos Valin Jr A cobertura é a parte superior da construção que serve de proteção contra osol, achuva, os ventos, o calor, o frio, poeiras egases do meio ambiente. www.mvalin.com.br 1 Exigências

Leia mais

Seminário Internacional Portugal - Brasil: Smart City & Smart Grid no Setor Elétrico O NOVO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DOS CAMPI DA USP

Seminário Internacional Portugal - Brasil: Smart City & Smart Grid no Setor Elétrico O NOVO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DOS CAMPI DA USP Seminário Internacional Portugal - Brasil: Smart City & Smart Grid no Setor Elétrico O NOVO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DOS CAMPI DA USP Sidnei Martini Prefeitura do Campus USP da Capital Escola Politécnica

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

Redescobrindo as árvores do ambiente escolar

Redescobrindo as árvores do ambiente escolar Redescobrindo as árvores do ambiente escolar Autor: Vinicius Freitas Klain Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul vinicius.klain@acad.pucrs.br Coautor : Mônica dos Santos Matos Pontifícia

Leia mais

institucional do projeto, além de permitir uma inserção urbana mais democrática e inusitada no entorno imediato ao prédio.

institucional do projeto, além de permitir uma inserção urbana mais democrática e inusitada no entorno imediato ao prédio. MEMORIAL DESCRITIVO O anteprojeto em questão, referente à instalação da Inspetoria do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia da Paraíba em Campina Grande, surge no contexto atual das

Leia mais

Inspirações. Alguns lugares no mundo são inspiradores. A verdade, é que depois de olhar uma vez. aquilo fica marcado em nossa memória.

Inspirações. Alguns lugares no mundo são inspiradores. A verdade, é que depois de olhar uma vez. aquilo fica marcado em nossa memória. Inspirações Alguns lugares no mundo são inspiradores. E a gente nem sabe direito por quê. Se pela arquitetura de seus prédios. Se pela energia que pulsa de suas ruas. A verdade, é que depois de olhar uma

Leia mais

VISUALIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS DE ARQUITETURA NO CONTEXTO URBANO

VISUALIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS DE ARQUITETURA NO CONTEXTO URBANO VISUALIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS DE ARQUITETURA NO CONTEXTO URBANO Wilson Flório Universidade Presbiteriana Mackenzie Departamento de Projetos de Arquitetura Rua Itambé, 45 Prédio 9 wflorio@uol.com.br

Leia mais

Centro de Educação Ambiental Jardim Zoológico de São Paulo

Centro de Educação Ambiental Jardim Zoológico de São Paulo Centro de Educação Ambiental Jardim Zoológico de São Paulo DIRETRIZES AMBIENTAIS CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL JARDIM ZOOLÓGICO DE SÃO PAULO IMPACTO AMBIENTAL DA OBRA Racionalizar acessos, transporte e

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Escalas de Análise Urbana e seus Diferentes Efeitos Térmicos. Camila M. Nakata 3

Escalas de Análise Urbana e seus Diferentes Efeitos Térmicos. Camila M. Nakata 3 Escalas de Análise Urbana e seus Diferentes Efeitos Térmicos Léa C. L. Souza 1,, Luciana M. Marques 2 Universidade Federal de São Carlos, Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Rodovia Washington Luís,

Leia mais

Residência. Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais. c a s e. Por Claudia Sá

Residência. Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais. c a s e. Por Claudia Sá c a s e Fotos: Rafael Leão Residência Por Claudia Sá Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais ATMOSFERA ACOLHEDORA PARA O DIA-A-DIA E FLEXIBILIDADE para criação de cenários para eventos distintos.

Leia mais

Elementos e Fatores de Diferenciação

Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO E ZONEAMENTO CLIMÁTICO A interferência climática sobre a cobertura vegetal é um dos principais fatores que possibilitam uma pluralidade paisagística.

Leia mais

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1);

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1); 4 Estudo de casos Este capítulo apresenta estudo de casos para averiguar a eficácia do modelo definido no capítulo 3. Para provar que os conceitos funcionam e que o método é viável, decidiu-se otimizar

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS Matheus Paiva Brasil (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

Chope na Ilha. Rústico aconchego. c a s e. Da Redação A CIDADE DE LIMEIRA, LOCALIZADA A 150 KM

Chope na Ilha. Rústico aconchego. c a s e. Da Redação A CIDADE DE LIMEIRA, LOCALIZADA A 150 KM c a s e Chope na Ilha Da Redação Rústico aconchego A CIDADE DE LIMEIRA, LOCALIZADA A 150 KM da capital paulista, acaba de ganhar uma casa que oferece serviços e ambientes de restaurante, choperia e estar.

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL CABO FRIO: TERRAS DAS ÁGUAS Autor: Edvan Isac Santos Filho Cabo Frio e a Concepção Paisagens naturais praianas em tons pastéis que passeiam do branco, bege, ocre e terra das areias, do verde oliva das

Leia mais

ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP

ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 196 ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP Elaine Cristina Barboza, Larissa

Leia mais

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar Alexandre Brasil André Prado Carlos A. Maciel Danilo Matoso projeto: 2000 concurso 1o lugar O conjunto objeto desta proposta se constitui de três partes de caráter notadamente diferenciadas: a primeira,

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA DENOMINAÇÃO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Ramon Paiva Nunes (*), Marcos Antonio de Castro Marques Teireixa * IFPI, e-mail: nnunesramon@hotmail.com.

Ramon Paiva Nunes (*), Marcos Antonio de Castro Marques Teireixa * IFPI, e-mail: nnunesramon@hotmail.com. INFLUÊNCIA DA ARQUITETURA URBANA NO CONFORTO TÉRMICO NA ZONA NORTE DE TERESINA: ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO URBANO DAS AVENIDAS FREITAS NETO E JOANA D ARC EM FACE A COMPOSIÇÃO ARQUITETONICA E ARBÓREA DA

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

AMBIENTE TÉRMICO DO PEDESTRE

AMBIENTE TÉRMICO DO PEDESTRE AMBIENTE TÉRMICO DO PEDESTRE 121 AMBIENTE TÉRMICO DO PEDESTRE Léa Cristina Lucas de Souza Camila Pereira Postigo Departamento de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo,Universidade Estadual Paulista, Faculdade

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

LEI ORDINÁRIA Nº 1.068/03, de 5 de junho de 2003

LEI ORDINÁRIA Nº 1.068/03, de 5 de junho de 2003 LEI ORDINÁRIA Nº 1.068/03, de 5 de junho de 2003 Disciplina a arborização urbana no Município de Imperatriz e dá outras providências. JOMAR FERNANDES PEREIRA FILHO, PREFEITO MUNICIPAL DE IMPERATRIZ, ESTADO

Leia mais

TESTE DA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA

TESTE DA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA TESTE DA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA Porto Alegre Junho/2012 1 TESTE DE PONTOS CRÍTICOS PARA IMPLANTAÇÃO DA FUTURA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA, EM PORTO ALEGRE O Laboratório de Políticas Públicas e Sociais (Lappus),

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

REPORTAGENS. de 9 15/02/2011 06:12. Comin. Texto: Débora Borges Fotos: Ale Asbun

REPORTAGENS. de 9 15/02/2011 06:12. Comin. Texto: Débora Borges Fotos: Ale Asbun REPORTAGENS Terreno em declive Mar e floresta ao alcance dos olhos O lote íngreme abriga uma casa "flutuante" com três níveis, cercada pelo verde e com vista para a praia Texto: Débora Borges Fotos: Ale

Leia mais

Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA

Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA Missão: Através da pesquisa, tecnologia e educação, a Sociedade Internacional de Arboricultura promove a prática

Leia mais

Diagnóstico Participativo e Proposta para melhoria da qualidade ambiental.

Diagnóstico Participativo e Proposta para melhoria da qualidade ambiental. Diagnóstico Participativo e Proposta para melhoria da qualidade ambiental. Bairro do Glicério Tecnologia em Gestão Ambiental Trabalho Integrado Manhã/Noite 2º semestre - 2007 Apresentação Nesse projeto

Leia mais

ANTEPROJECTOS - Oportunidades de negócio na Construção

ANTEPROJECTOS - Oportunidades de negócio na Construção ANTEPROJECTOS - Oportunidades de negócio na Construção CENTRO DE SAÚDE DA MADALENA Publicado em 23-12-2011, por Carlos Diniz Arquitectura Reportagens 1/6 A presente proposta nasceu da manifesta ambição

Leia mais

PERCEPÇÃO VISUAL DA PAISAGEM DA ORLA DE CAMBURI, VITÓRIA - ES

PERCEPÇÃO VISUAL DA PAISAGEM DA ORLA DE CAMBURI, VITÓRIA - ES PERCEPÇÃO VISUAL DA PAISAGEM DA ORLA DE CAMBURI, VITÓRIA - ES SILVA, FABIANA T. (1); ALVAREZ, CRISTINA E. (2) 1; 2. Universidade Federal do Espírito Santo. Laboratório de Planejamento e Projetos (LPP)

Leia mais

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS Ministério da Cultura IPHAN INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL Escritório Técnico II - São João del Rei Rua Hermíllo Alves n.º 52 Centro São João del-rei Minas Gerais CEP 36.307-328

Leia mais

Curta. metragem. escritório vencedor. Por deborah apsan (visual) e lara muniz (texto) Projeto superlimão studio Fotos maíra acayaba

Curta. metragem. escritório vencedor. Por deborah apsan (visual) e lara muniz (texto) Projeto superlimão studio Fotos maíra acayaba escritório vencedor 2012 Curta metragem Andando de bicicleta rumo ao trabalho, Alexandre viu a casa de vila, hoje com 120 m 2, onde moraria com a mulher. No meio do projeto, a surpresa: Thomaz estava a

Leia mais

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Douglas Vaciliev Vacilikio 1 ; Luciano Fleischfresser 2 1 Aluno de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Tecnológica

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

FÍSICA I LISTA 5 DIVERSOS EXERCÍCIOS GABARITO Orientação para V2 e VS 1. Um ônibus passa pelo km 30 de uma rodovia às 6 h, e às 9 h 30 min passa

FÍSICA I LISTA 5 DIVERSOS EXERCÍCIOS GABARITO Orientação para V2 e VS 1. Um ônibus passa pelo km 30 de uma rodovia às 6 h, e às 9 h 30 min passa FÍSICA I LISTA 5 DIVERSOS EXERCÍCIOS GABARITO Orientação para V2 e VS. Um ônibus passa pelo km 30 de uma rodovia às 6 h, e às 9 h 30 min passa pelo km 240. Determine: a) a velocidade escalar média desenvolvida

Leia mais