ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer"

Transcrição

1 NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

2 Objetivo da iluminação em atividades laborativas e produtivas: Obtenção de boas condições de visão associadas à visibilidade, segurança e orientação dentro de um determinado ambiente.

3 Objetivo da iluminação em atividades laborativas e produtivas: NBR 5413 Iluminância de interiores Estabelece níveis ideais de iluminação dependendo da atividade a ser realizada no local, da precisão e da idade dos ocupantes.

4 Objetivo da iluminação em atividades não laborativas e de lazer: Utilização da luz como principal instrumento de ambientação do espaço na criação de efeitos especiais com a própria luz ou no destaque de objetos e superfícies ou do próprio espaço.

5 GERAL Caracteriza-se pela distribuição aproximadamente regular das luminárias pelo teto; iluminação horizontal de um certo nível médio; uniformidade.

6 GERAL Vantagens: maior flexibilidade na disposição interna do Ambiente layout; integração com a luz natural. Desvantagens: não atende às necessidades específicas de locais que requerem níveis de iluminância mais elevados, grande consumo de energia e, em algumas situações muito específicas, podem desfavorecer o controle do ofuscamento pela visão direta da fonte.

7 GERAL Luminotécnica de sede administrativa, São Paulo. Carlos Rossi, Rodrigo Jardim e Rodrigo Salerno.

8 LOCALIZADA Caracteriza-se por concentrar a luz em locais de principal interesse, sendo que as luminárias ser instaladas suficientemente altas para cobrir as superfícies adjacentes, possibilitando altos níveis de iluminância sobre o plano de trabalho, ao mesmo tempo em que asseguram uma iluminação geral suficiente para eliminar fortes contrastes.

9 LOCALIZADA Vantagens: maior economia de energia, e podem ser posicionadas de tal forma a evitar ofuscamentos, sombras indesejáveis e reflexões veladoras, além de considerar as necessidades individuais.

10 LOCALIZADA Desvantagens: em caso de mudança de layout, as luminárias devem ser reposicionadas. Para atividades laborativas, necessitam de complementação através do sistema geral de controle de uniformidade de luz do local.

11 DE TAREFA Caracteriza-se pela localização das luminárias perto da tarefa visual e do plano de trabalho iluminando uma área muito pequena.

12 DE TAREFA Vantagens: maior economia de energia, maior controle dos efeitos luminotécnicos. Desvantagens: deve ser complementada por outro tipo de iluminação, e apresenta menor flexibilidade na alteração da disposição dos planos de trabalho. DE TAREFA

13 Integração: GERAL LOCALIZADA TAREFA

14 LUZ DE DESTAQUE Coloca-se ênfase em determinados aspectos do interior arquitetônico, como um objeto ou uma superfície, chamando a atenção do olhar. DE TAREFA

15 LUZ DE DESTAQUE DE TAREFA

16 LUZ DE EFEITO Enquanto na luz de destaque procuramos destacar algo, aqui o objeto de interesse é a própria luz: jogos de fachos de luz nas paredes, contrastes de luz e sombra, etc DE TAREFA

17 LUZ ARQUITETÔNICA Obtida quando posicionamos a luz dentro de elementos arquitetônicos do espaço, como cornijas, sancas, corrimãos, etc. DE TAREFA

18 LUZ ARQUITETÔNICA

19 SISTEMA DIRETO A iluminação mais utilizada é a instalada no forro, que incide diretamente de cima para baixo no plano de trabalho, e por isso não causa reflexão intermediária, tornando a superfície de trabalho mais destacada no ambiente. Fonte: PHILIPS, 2004.

20 SISTEMA DIRETO Vantagens: Eficiência (nenhuma luz é absorvida na reflexão), economia e conveniência (não necessita de grande altura de teto). Desvantagens: Possibilidade de ofuscamento, sombras e reflexões indesejáveis.

21 SISTEMA INDIRETO Reflete no teto (ou na parede) antes de chegar ao plano de trabalho (o teto se torna a superfície mais iluminada no ambiente). Para obter uma iluminação indireta, luminárias pendentes são normalmente utilizadas (requerendo uma maior altura de teto). Fonte: PHILIPS, 2004.

22 SISTEMA INDIRETO Vantagens: O ambiente fica mais iluminado e mais confortável, sombras são raras. Desvantagens: O ambiente pode se tornar cansativo e é um sistema mais caro.

23 SISTEMA DIRETO E INDIRETO Associando os dois tipos de iluminação com distribuição de luz descendente e superior, utilizando luminárias normalmente pendentes, podendo variar nas proporções de iluminação direta e indireta para mudar o efeito. Fonte: PHILIPS, 2004.

24 SISTEMA DIRETO E INDIRETO Vantagens: Os funcionários normalmente preferem esta combinação por oferecer brilho, conforto e alguns destaques. Desvantagens: Necessita de maior altura de teto e a instalação é mais cara.

25 SISTEMA DIRETO E INDIRETO Luminotécnica de sede administrativa, São Paulo. Carlos Rossi, Rodrigo Jardim e Rodrigo Salerno.

26 SISTEMA DIRETO E INDIRETO Salão de cabeleireiros, São Paulo FGMF Arquitetos

27 SISTEMA DIRETO E INDIRETO Luminotécnica de escritório, São Paulo Senzi Consultoria Luminotécnica

28 SISTEMA DIRETO E INDIRETO Luminotécnica de escritório, São Paulo Senzi Consultoria Luminotécnica

29 LUMINÁRIAS Luminária é toda aparelhagem que serve para modificar (controlar, distribuir e filtrar) o fluxo luminoso emitido pelas lâmpadas.

30 LUMINÁRIAS Tem a função de desviar o fluxo para certas direções (defletores) ou reduzir a quantidade de luz em certas direções para diminuir o ofuscamento (difusores). Além disso, protegem a lâmpada e todos os equipamentos necessários para a sua fixação e alimentação.

31 LUMINÁRIAS Os requisitos básicos de uma luminária são: proporcionar suporte e conexão elétrica às lâmpadas; controlar e distribuir a emissão de luz; manter a temperatura de operação das lâmpadas nos valores adequados; facilitar a instalação e manutenção; ser esteticamente agradável; ser economicamente viável.

32 LUMINÁRIAS Classificação quanto à distribuição do fluxo luminoso: DIRETA SEMI-DIRETA GERAL DIFUSA GERAL DIFUSA SEMI-INDIRETA INDIRETA

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL O primeiro objetivo da iluminação é a obtenção de boas condições de visão associadas à visibilidade, segurança e orientação dentro de um determinado ambiente. Este objetivo está intimamente

Leia mais

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL MÓDULO 1 CONCEITUAÇÃO, PARA QUE SERVE, MANEIRAS DE ILUMINAR

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL MÓDULO 1 CONCEITUAÇÃO, PARA QUE SERVE, MANEIRAS DE ILUMINAR MÓDULO 1 CONCEITUAÇÃO, PARA QUE SERVE, MANEIRAS DE ILUMINAR CONCEITUAÇÃO PRODUZIDA POR INTERVENÇÃO HUMANA Para atividades produtivas ou não Fogueiras, tochas, velas, lampiões, lâmpadas elétricas, leds

Leia mais

The art of handling. Energia

The art of handling. Energia The art of handling Energia A arte em eficiência energética através do manuseio do ar Devido ao aumento constante dos preços da energia e da necessidade de proteger o meio ambiente, está se tornando cada

Leia mais

Centro Médico. Iluminação proporciona conforto aos usuários e valoriza arquitetura de interiores. c a s e. Da Redação Fotos: Ricardo Braescher

Centro Médico. Iluminação proporciona conforto aos usuários e valoriza arquitetura de interiores. c a s e. Da Redação Fotos: Ricardo Braescher c a s e Centro Médico Da Redação Fotos: Ricardo Braescher Iluminação proporciona conforto aos usuários e valoriza arquitetura de interiores 34 Vista panorâmica da fachada da clínica (foto maior). Acima,

Leia mais

Residência. Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais. c a s e. Por Claudia Sá

Residência. Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais. c a s e. Por Claudia Sá c a s e Fotos: Rafael Leão Residência Por Claudia Sá Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais ATMOSFERA ACOLHEDORA PARA O DIA-A-DIA E FLEXIBILIDADE para criação de cenários para eventos distintos.

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer LÂMPADAS A VAPOR DE MERCÚRIO São lâmpadas de descarga à alta pressão. Há no interior da lâmpada um tubo de descarga de quartzo que suporta altas

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS INFORMAÇÕES TÉCNICAS Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães 1 de 9 01/11/2010 22:17 Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães O sistema mais utilizado atualmente para a iluminação de piscinas é composto por projetores submersíveis, portanto, instalados

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer FONTES DE LUZ ARTIFICIAL HISTÓRICO Antes da invenção da lâmpada fogo, velas, lampiões a gás; Primeira lâmpada elétrica Thomas Edson, em 1879;

Leia mais

EFEITOS DE LUZ em AMBIENTES de INTERIORES

EFEITOS DE LUZ em AMBIENTES de INTERIORES Palestra Simpolux 2006 EFEITOS DE LUZ em AMBIENTES de INTERIORES Arq. Ladislao Pedro Szabo Arq. Vivien Jaglbauer Abeling, Szabo Consultoria 1 Agradecimentos: Philips Lighting Isac Roizenblatt Luis Lancelle

Leia mais

Escritório. Iluminação contribui com identidade visual. c a s e. Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia

Escritório. Iluminação contribui com identidade visual. c a s e. Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia c a s e Escritório Iluminação contribui com identidade visual Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia INAUGURADA EM OUTUBRO DE 2007, A NOVA SEDE da CEAgro, localizada em Campinas, interior

Leia mais

Lâmpadas LED. Rua Joaquim Galvão, 198 CEP. 05627-010 - SP. Telefone: 55 (11) 3501-2886 Fax: 55 (11) 2338-1050

Lâmpadas LED. Rua Joaquim Galvão, 198 CEP. 05627-010 - SP. Telefone: 55 (11) 3501-2886 Fax: 55 (11) 2338-1050 Lâmpadas LED Lâmpadas LED da Technosol Modernidade e simplicidade numa infindável variedade Está à procura de cor e ambiente? Anseia acentuar os seus espaços favoritos e imagens? Deseja decorar a sua casa

Leia mais

Rodoviária de Jundiaí

Rodoviária de Jundiaí c a s e Rodoviária de Jundiaí Iluminação ressalta pilares e grelha espacial Por Rodrigo Casarin Fotos: Mario Sergio Esteves Visão noturna da Rodoviária, quando é possível observar os pilares externos iluminados

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO Iluminação de Lojas Destacar uma vitrine, a arquitetura da fachada, os produtos e a decoração dos espaços internos tornando as lojas atraentes aos olhos do público, já não é possível sem a elaboração de

Leia mais

Residência contemporânea

Residência contemporânea c a s e Residência contemporânea Por Erlei Gobi Fotos: Carlos Mancini Iluminação norteada pela eficiência energética proporciona conforto visual Localizada em um condomínio fechado em Embu das Artes, cidade

Leia mais

Condições de Trabalho

Condições de Trabalho NR-17 Ergonomia OBJETIVO Visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto,

Leia mais

Concessionária. Projeto luminotécnico visa instigar consumidor de automóvel. c a s e. Por Rodrigo Casarin Fotos: João Valério

Concessionária. Projeto luminotécnico visa instigar consumidor de automóvel. c a s e. Por Rodrigo Casarin Fotos: João Valério c a s e Concessionária Por Rodrigo Casarin Fotos: João Valério LOCALIZADA NO BAIRRO CIDADE NOVA, EM INDAIATUBA, cidade do interior do Estado de São Paulo, a concessionária Honda Caiuás Indaiatuba, inaugurada

Leia mais

Projeto luminotécnico reúne soluções que transformam sóbrio restaurante diurno em colorido bar noturno.

Projeto luminotécnico reúne soluções que transformam sóbrio restaurante diurno em colorido bar noturno. Do sério ao Projeto luminotécnico reúne soluções que transformam sóbrio restaurante diurno em colorido bar noturno. Reportagem: JOÃO CARLOS BALDAN 64 Potência Dez 05 Jan 06 despojado De dia, a luz é branca

Leia mais

Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento.

Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento. 4. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO 4.1. Definições Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento. Iluminância (E): relaciona a luz que

Leia mais

Foto: Rubens Campo A R Q U I T E T U R A

Foto: Rubens Campo A R Q U I T E T U R A Foto: Rubens Campo 14 L U M E A R Q U I T E T U R A c a p a A iluminação prima pela estética, tornando os ambientes e a construção em si um belo cenário no meio da paisagem. O tratamento é diferente do

Leia mais

módulos solares de tubos de vácuo

módulos solares de tubos de vácuo módulos solares de tubos de vácuo benefícios Instalação simples. Amigo do ambiente. Tubos de vácuo de alta eficiência que reduzem perdas de calor. Fácil substituição individual de tubos em caso de quebra.

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 Permite o uso noturno das edificações e da cidade. Um bom projeto de iluminação deve garantir a possibilidade de executar uma tarefa visual

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

Dicas para economizar energia

Dicas para economizar energia Dicas para economizar energia Vilões do Consumo Os vilões do consumo de energia elétrica são os aparelhos com alta potência ou grande tempo de funcionamento. Considerando uma residência de quatro pessoas,

Leia mais

Agência de propaganda

Agência de propaganda c a p a Agência de propaganda Luz cria ambientações quentes e aconchegantes, como a arquitetura Por Claudia Sá Fotos: Rubens Campo e Algeo Caerolli UM EDIFÍCIO INAUGURADO NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2007,

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Lâmpadas são fontes elementares de luz elétrica. Podemos proteger, refletir, refratar,filtrar, dimerizar, ou simplesmente expor as

Leia mais

Índice. Capítulo 05. Critérios de desempenho do ponto de vista do projeto de iluminação

Índice. Capítulo 05. Critérios de desempenho do ponto de vista do projeto de iluminação Iluminação: Conceitos e Projetos A história da OSRAM está intimamente ligada à história da humanidade, suas relações e descobertas quanto à iluminação, pois sempre teve como meta o novo... o futuro. Isso

Leia mais

Dicas de uso - Render Up (versão 3.6.7 ou superior)

Dicas de uso - Render Up (versão 3.6.7 ou superior) Dicas de uso - Render Up (versão 3.6.7 ou superior) Desenvolvido por: Procad Softwares para Layout Rua dos Cinamomos - 517 - Cinqüentenário CEP 95012-140 - Caxias do Sul - RS Brasil Fone/Fax: 54 3209 9200

Leia mais

Fotos: Arquivo Senzi Consultoria Luminotécnica A R Q U I T E T U R A

Fotos: Arquivo Senzi Consultoria Luminotécnica A R Q U I T E T U R A Fotos: Arquivo Senzi Consultoria Luminotécnica 14 c a s e O primeiro ítem a ser analisado é o estilo arquitetônico, respeitando-se detalhes, fornatos e volumes. Deve-se trabalhar pontualmente para que,

Leia mais

arquitetura bioclimática e desempenho térmico t edificações

arquitetura bioclimática e desempenho térmico t edificações PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Construção Metálica Escola de Minas Universidade Federal de Ouro Preto arquitetura bioclimática e desempenho térmico t de edificações Henor Artur de Souza

Leia mais

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO LEDS E OLEDS INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO MÓDULOS LED DAS MAIS ANTIGAS

Leia mais

halógenas dicróicas com dispositivo de filtro alargador de faixa, que banham particularmente os trechos da parede.

halógenas dicróicas com dispositivo de filtro alargador de faixa, que banham particularmente os trechos da parede. Biblioteca do escritório Pinheiro Neto Advogados, iluminado por Antônio Carlos Mingrone À LUZ DO DIREITO Por Flávia Lima Foto: Andrés Otero Se para alguns o direito é a luz que ilumina os caminhos, no

Leia mais

No Hiper Bergamini, a iluminação valoriza os produtos e dá vida à loja

No Hiper Bergamini, a iluminação valoriza os produtos e dá vida à loja Luz para as vendas A boa iluminação tem influência positiva nas vendas. O supermercadista pode tirar melhor proveito de um item que hoje oferece maior eficiência e menor gasto de energia POR MIRIAM NOVAES

Leia mais

ERGONOMIA. Introdução

ERGONOMIA. Introdução ERGONOMIA AULA 10: Iluminação no ambiente de trabalho Introdução Objetivo: uma boa iluminação do ambiente de trabalho contribui para aumentar a satisfação, melhorar a produtividade e reduzir a fadiga e

Leia mais

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir.

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Adendos e notas 1/11 Adendo I de 24/0713 ao Referencial técnico de certificação Edifícios

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 8

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 8 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 8 Índice 1. Cabeamento estruturado...3 2 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO Montar uma rede doméstica é bem diferente de montar uma rede local de 100 pontos em uma

Leia mais

A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia

A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia ILUMINAÇÃO A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia a luz vem de várias fontes; tem muitas qualidades; características que afetam todo o processo. A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia Medíocre X Fotografia Grandiosa Depende

Leia mais

FESTA DE LANÇAMENTO DO 8 ANUÁRIO DE AROlJITETURA CORPORATIVA DA FLEX EDITORA

FESTA DE LANÇAMENTO DO 8 ANUÁRIO DE AROlJITETURA CORPORATIVA DA FLEX EDITORA FESTA DE LANÇAMENTO DO 8 ANUÁRIO DE AROlJITETURA CORPORATIVA DA FLEX EDITORA Entrada da Festa do 8 a Anuário de Ricardo Aronovich, Nelson Dupré e Siegbert Arquitetura Corporativa. Zanettini. Arquiteto

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação.

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. Das normas NR 10 são citadas abaixo as normas voltadas para a iluminação: 10.2.3.3. Os postos

Leia mais

Chope na Ilha. Rústico aconchego. c a s e. Da Redação A CIDADE DE LIMEIRA, LOCALIZADA A 150 KM

Chope na Ilha. Rústico aconchego. c a s e. Da Redação A CIDADE DE LIMEIRA, LOCALIZADA A 150 KM c a s e Chope na Ilha Da Redação Rústico aconchego A CIDADE DE LIMEIRA, LOCALIZADA A 150 KM da capital paulista, acaba de ganhar uma casa que oferece serviços e ambientes de restaurante, choperia e estar.

Leia mais

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC)

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC) PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN Iluminação Cores Ventilação Temperatura AMBIÊNCIA Umidade Ruído Material de revestimento Profa. Flávia Milagres Campos Ambiente aconchegante e agradável para clientese funcionários:

Leia mais

Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso

Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso Mariana Fialho Bonates (UFPB) marianabonates@bol.com.br Elisa Lobo de Brito (UFPB) elisa_brito@ig.com.br

Leia mais

María Esmeralda Ballestero-Alvarez

María Esmeralda Ballestero-Alvarez 6.1.4 Distribuição física 6.1.4 Distribuição física Este capítulo trata o seguinte tema: Ferramentas usadas pelas técnicas de estruturação: Em especial contempla, descreve e detalha a distribuição física

Leia mais

Iluminação LED de nível alto

Iluminação LED de nível alto Iluminação LED de nível alto Sistemas de iluminação em linha com LED As séries E4, E5 e E7 da ETAP oferecem uma vasta gama de iluminação LED para espaços com pé direito elevado, como pavilhões industriais,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Lâmpadas de Multivapores Metálicos

Lâmpadas de Multivapores Metálicos a u l a p r á t i c a Lâmpadas de Multivapores Metálicos Por Adriana Felicíssimo Eficiente, durável, econômica e... de luz branca SURGIDA HÁ CERCA DE 40 ANOS, A LÂMPADA de multivapores metálicos vem sendo

Leia mais

Iluminação ponto a ponto

Iluminação ponto a ponto luminotécnico Iluminação ponto a ponto Atender aos diferentes usos de cada ambiente sem deixar de proporcionar muito conforto aos moradores: eis os objetivos da proposta luminotécnica dessa casa em Itu,

Leia mais

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski a r t i g o Iluminação comercial Por Rosana Kozlakowski Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? Exemplo de iluminação comercial com LEDs Restaurante Flinstering / Breda - Holanda Lighting Design: Wibeke

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA N. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO CBMGO CBMGO - CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS SUMÁRIO

Leia mais

Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers

Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers Por Neil Rasmussen Relatório interno N 125 Resumo Executivo Os servidores blade funcionam às densidades de potência mais altas que as capacidades

Leia mais

www.asbled.com.br EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED.

www.asbled.com.br EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED. EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED. Nossa missão é fornecer soluções em iluminação LED, aliando economia à sustentabilidade.

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Dicas para um projeto de iluminação

Dicas para um projeto de iluminação Dicas para um projeto de iluminação Um bom projeto luminotécnico deve levar em conta basicamente duas coisas: o uso do espaço e tudo o que queremos valorizar nele. Num living, por exemplo, uma iluminação

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula. Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009.

ERGONOMIA Notas de Aula. Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009. 1. INTRODUÇÃO ERGONOMIA Notas de Aula Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009. A Análise Ergonômica do Trabalho - AET é uma

Leia mais

Projetos de iluminação residencial

Projetos de iluminação residencial a r t i g o Projetos de iluminação residencial Por Marcela de Carvalho Fontes Como torná-los energeticamente eficientes Desde os tempos mais primórdios, o homem busca a luz como fonte de sobrevivência,

Leia mais

ENERGIA. Energias passivas

ENERGIA. Energias passivas Energias passivas ENERGIA Estes sistemas, quando bem dimensionados, são de longe mais económicos do que qualquer outro sistema que recorra a energia elétrica ou combustíveis convencionais. Com o aumento

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 2015. PROJETO: Instalação de Alarme Sonoro e Visual em Vaso de GLP CATEGORIA: Segurança

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 2015. PROJETO: Instalação de Alarme Sonoro e Visual em Vaso de GLP CATEGORIA: Segurança PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 2015 PROJETO: Instalação de Alarme Sonoro e Visual em Vaso de GLP CATEGORIA: Segurança AUTOR(ES): Comitê de Inovações da Fogás 1. Breve Histórico História A família

Leia mais

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS CLASSIFICAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS HUMANOS Classe 1 - ECOSSISTEMA NATURAL MADURO ( Floresta Amazônica ); Classe 2 - ECOSSISTEMA NATURAL CONTROLADO (SNUC); Classe 3 - ECOSSISTEMA

Leia mais

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação)

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) L 271/38 ANEXO IV Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) Representação esquemática do princípio do empréstimo

Leia mais

7 A Pesquisa de Campo

7 A Pesquisa de Campo Capítulo 7... A Pesquisa de Campo 7 A Pesquisa de Campo No capítulo anterior delineou-se os passos a serem seguidos nessa pesquisa, ou seja, definiram-se os métodos e as técnicas a serem aplicados no desenvolvimento

Leia mais

Planejamento de Data Centers Instalações de Climatização

Planejamento de Data Centers Instalações de Climatização Logo da Empresa Planejamento de Data Centers Instalações de Climatização Eng. Eduardo Grecco Evolução das Salas de Processamento CPD s Mainframes 500 W/m2 ambiente a 22 o C Data Center Corredores quentes

Leia mais

Fotos: Divulgação A R Q U I T E T U R A

Fotos: Divulgação A R Q U I T E T U R A Fotos: Divulgação 58 c a s e O padrão visual requintado da grife caracteriza o espaço que foi modificado e supervisionado pela matriz francesa. Num total de 700m2, a loja se divide em 4 andares. Louis

Leia mais

Introdução. Bem vindo, ao mundo dos automatizadores para portas de enrolar!!!

Introdução. Bem vindo, ao mundo dos automatizadores para portas de enrolar!!! D I S T R I B U I D O R Introdução Bem vindo, ao mundo dos automatizadores para portas de enrolar!!! A NEW AUTOMATIZADORES atua no mercado nacional há 1 ano, distribuindo para todo Brasil e America Latina.

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede FEAU/UNIVAP, Avenida Shisima Hifumi 2911, São José dos Campos - SP

Leia mais

DIAGNOSTICO DE DEMANDAS E NECESSIDADES Versão reduzida

DIAGNOSTICO DE DEMANDAS E NECESSIDADES Versão reduzida Ministério da Justiça CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA DIAGNOSTICO DE DEMANDAS E NECESSIDADES Versão reduzida 1. CONTEXTO E PROPÓSITO Em outubro de 2011, foi aprovado pelo Congresso Nacional

Leia mais

5 Equipamentos e materiais utilizados

5 Equipamentos e materiais utilizados Equipamentos e materiais utilizados 5 Equipamentos e materiais utilizados O presente capítulo descreve objetivamente os principais equipamentos e materiais utilizados bem como as suas características técnicas

Leia mais

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas Decreto Estadual nº 45.765, de 4 de maio de 2001 Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO,

Leia mais

Considerando-se as premissas básicas e critérios adotados determinam-se duas situações que estão representadas nos gráficos a seguir:

Considerando-se as premissas básicas e critérios adotados determinam-se duas situações que estão representadas nos gráficos a seguir: RT 2.001 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para adoção de tensões mecânicas de projeto quando da utilização de cabos singelos de alumínio

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático 1 Capítulo 2 - Seleção do local para a APU Os passos que devem ser dados desde a concepção de uma aeronave são: 1) No Planejamento: Admitir que a seleção e a instalação da APU são tão importantes quanto

Leia mais

Controlo de iluminação local multifuncional

Controlo de iluminação local multifuncional Controlo de iluminação local multifuncional I Controlo de iluminação local multifuncional A nível mundial, sensivelmente 20 % do consumo total de energia diz respeito à iluminação. Dependendo do tipo de

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

Antena omni vs. antena direcional

Antena omni vs. antena direcional Antena omni vs. antena direcional Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Definições básicas e conceitos da antena Efeitos internos Prós e contras da antena Omni Prós

Leia mais

Brascan Century Plaza

Brascan Century Plaza c a s e Brascan Century Plaza Da Redação Escritórios e hotel com área de cultura e lazer Fotos de Alain Brugier 20 O BRASCAN CENTURY PLAZA, PROJETADO pelo escritório de Arquitetura Königsberger Vannucchi

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Ecopaint Oven. www.durr.com

Ecopaint Oven. www.durr.com Ecopaint Oven Sistemas de ESTUFA de última geração www.durr.com Ecopaint Ecopaint Oven Oven Ecopaint Oven Sistemas de estufa para superfícies perfeitas A chave para a reticulação ideal da superfície A

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para determinado iluminamento: Pela carga mínima exigida por normas (aproximação de referência); Método dos Lúmens; Método

Leia mais

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5.1. Introdução O conforto higrotérmico tem motivado o desenvolvimento de tecnologias passivas com

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

RECOMENDAÇÃO TÉCNICA PARA ILUMINAÇÃO DO CAMPO DE JOGO Rev_0

RECOMENDAÇÃO TÉCNICA PARA ILUMINAÇÃO DO CAMPO DE JOGO Rev_0 Objetivo Este documento tem a intenção de orientar e recomendar o uso e o seguimento de alguns padrões de qualidade e de desempenho envolvidos no produto Iluminação do Gramado para os estádios de futebol

Leia mais

Difusores de painel plano

Difusores de painel plano Difusores de painel plano 2 ETAP Difusores de painel plano A iluminação com difusor tornou-se uma prioridade absoluta na iluminação geral de escritórios e edifícios públicos, algo que faz sentido pois

Leia mais

BARGOA. Conjunto de Emenda Aérea Selada Vertical - CEASV

BARGOA. Conjunto de Emenda Aérea Selada Vertical - CEASV O CEASV consiste de um conjunto para a acomodação e proteção de emendas de cabos de rede externa de telefonia, em montagem de topo, para instalações aéreas. Trata-se de um sistema versátil, de fácil instalação

Leia mais

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos 1 Prefácio Este é o primeiro manual de projeto de sistemas drywall publicado no Brasil um trabalho aguardado por arquitetos, engenheiros,

Leia mais

Iluminação de Monumentos e Fachadas. Autor: João Gabriel Pereira de Almeida

Iluminação de Monumentos e Fachadas. Autor: João Gabriel Pereira de Almeida Iluminação de Monumentos e Fachadas Autor: João Gabriel Pereira de Almeida 1 - Introdução A iluminação de monumentos ou fachadas tem a finalidade de chamar a atenção para a fachada de uma edificação ou

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

SISTEMA TUBULAR DE CAPTAÇÃO E APROVEITAMENTO DE ENERGIA SOLAR (ILUMINAÇÃO NATURAL SOLAR)

SISTEMA TUBULAR DE CAPTAÇÃO E APROVEITAMENTO DE ENERGIA SOLAR (ILUMINAÇÃO NATURAL SOLAR) LUZ NATURAL, SEM CALOR, EM TODO O EDIFÍCIO SISTEMA TUBULAR DE CAPTAÇÃO E APROVEITAMENTO DE ENERGIA SOLAR (ILUMINAÇÃO NATURAL SOLAR) SOLARSPOT O sistema de captação e aproveitamento de energia solar iluminação

Leia mais

m e u p r o j e t o Clínica Oriental Da Redação Fotos de Wilis Tomy Miyasaka Um convite ao relaxamento A R Q U I T E T U R A

m e u p r o j e t o Clínica Oriental Da Redação Fotos de Wilis Tomy Miyasaka Um convite ao relaxamento A R Q U I T E T U R A m e u p r o j e t o Clínica Oriental Da Redação Fotos de Wilis Tomy Miyasaka Um convite ao relaxamento 24 A CLÍNICA ORIENTAL É UM novo e moderno espaço especializado em tradicionais técnicas de massagem

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) Edilaine Cristina Duarte de Souza, Unisalesiano de Lins e-mail: edilaine.duarte@ig.com.br Érika Yuri Kotaki, Unisalesiano

Leia mais

Nanotech do Brasil. Rua Curupaiti, 199 Jd. Paraíso Santo André SP CEP 09190-040

Nanotech do Brasil. Rua Curupaiti, 199 Jd. Paraíso Santo André SP CEP 09190-040 1 Rev. 3 D.U.M. 28/08/2015 Produto Nanothermic 3 Isolante térmico Nanothermic 3 é um revestimento térmico, contendo as melhores matérias primas. É um revestimento de múltiplas aplicações que soluciona

Leia mais

Avaliação de Desempenho ABNT NBR 15575. Antonio Fernando Berto afberto@ipt.br

Avaliação de Desempenho ABNT NBR 15575. Antonio Fernando Berto afberto@ipt.br Avaliação de Desempenho Segurança ao Fogo ABNT NBR 15575 Antonio Fernando Berto afberto@ipt.br Ocorrências de incêndios em 2010 Número de incêndios no Brasil Número de incêndios no Estado de São Paulo

Leia mais

ESTRATÉGIAS A NÍVEL URBANO. Ilha de Calor

ESTRATÉGIAS A NÍVEL URBANO. Ilha de Calor ESTRATÉGIAS A NÍVEL URBANO Ilha de Calor Ilha de Calor Um projeto sustentável deve enfatizar 3 aspectos: Sombra protetora nos espaços abertos; Pavimentação que não contribua para o aumento da temperatura

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. Prof.

Leia mais