Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães"

Transcrição

1 1 de 9 01/11/ :17 Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães O sistema mais utilizado atualmente para a iluminação de piscinas é composto por projetores submersíveis, portanto, instalados abaixo do nível da água. Até a década de 1970, uma tecnologia muito empregada na iluminação era com lâmpadas de automóvel do tipo Sealed Beam, adaptadas em grandes nichos normalmente feitos de cobre e introduzidos durante a construção das paredes da piscina. Essas peças grandes e relativamente desproporcionais interferiam muito na arquitetura e na construção da piscina. Além disso, em curto espaço de tempo ocorria deterioração do revestimento de cromo, expondo o cobre e, por conseqüência, aparecendo o zinabre esverdeado. A NBR Instalações elétricas em baixa tensão, em seu capítulo 9.2 prescreve condições particulares às áreas envolvidas por uma piscina. O texto da norma determina as características dos volumes a serem protegidos, a forma de proteção contra choques elétricos, seleção e instalação de componentes, linhas elétricas, dispositivos de proteção e comandos e componentes adicionais à instalação. Em favor da segurança, a norma impõe aos sistemas de iluminação de piscinas restrições construtivas, especificando refletores com lâmpadas de baixa tensão e alta potência, com vida útil inferior às lâmpadas tradicionais. Esse tipo de iluminação, quando comparado com a anterior, é muito mais caro tanto em termos de custos iniciais quanto de manutenção. Uma boa iluminação de piscinas é baseada na distribuição uniforme da luz, evitando-se, quando possível, focos concentrados de iluminação. Essa uniformidade é difícil de ser obtida no sistema de refletores, com fachos concentrados de luz. Um sistema alternativo, com possibilidades de contornar as limitações dos refletores, é a iluminação de piscinas por fibra óptica. Esse sistema, quando comparado aos anteriores, é o mais seguro, pois a fibra óptica é um meio dielétrico.

2 2 de 9 01/11/ :17 Figura 1 - Transmissão de luz em fibra óptica Justificativa do sistema As fibras ópticas são filamentos cilíndricos de sílica, vidro ou plástico, de altíssima pureza e dimensões bem reduzidas, constituídas de uma casca e um núcleo óptico concêntrico, cuja estrutura permite o direcionamento e a propagação da luz no núcleo. O princípio de funcionamento da fibra óptica baseia-se no efeito da reflexão total da luz, que ocorre devido à diferença entre o índice de refração do núcleo e da casca. Dessa forma pode-se dizer que a fibra óptica se comporta como um condutor de luz, capaz de transportá-la de uma origem conhecida a um destino conhecido. Baseando-se nessa propriedade, foi desenvolvido um sistema de iluminação de piscinas, na qual a fonte de luz é montada em uma edificação periférica à piscina. Por exemplo: na própria casa de bombas. A fibra óptica transporta essa luz até o interior da piscina, refletindo em pontos pré-determinados pelo projeto de arquitetura ou decoração. As principais vantagens do sistema são: Não há risco de choque elétrico Maior versatilidade Maior qualidade de iluminação, que pode ser traduzida na homogeneidade da distribuição luminosa e na quantidade de luz Possibilidade do uso de cores e efeitos de iluminação Menor consumo de energia Menor custo de manutenção Maior facilidade de manutenção Como desvantagens pode-se citar: Maior custo de implantação Relativa falta de capacitação técnica no mercado (tecnologia restrita a poucos distribuidores) Com o avanço da produção de fibras ópticas existe uma tendência natural para a diminuição de custos e otimização da qualidade das fibras, proporcionando maior rendimento ao sistema e tornando-o mais competitivo em relação aos sistemas convencionais. Descrição funcional do sistema Fontes de luz

3 3 de 9 01/11/ :17 O sistema para iluminação de piscinas com uso de fibra óptica utiliza uma fonte de luz localizada em uma das extremidades da fibra, projetada de maneira que exerça as seguintes funções: Enviar a maior quantidade de luz possível na entrada da fibra óptica, mediante o emprego de conjunto refletor de luz. Esse dispositivo possui lentes para concentrar o foco de luz sobre a entrada da fibra Possibilitar o emprego de filtros coloridos, em alguns casos com comutação automática ou remota Dependendo do projeto, a fonte de luz pode ser aproveitada para a iluminação periférica São inúmeros os modelos de fonte de luz, porém o sistema construtivo é em geral o mesmo, com pequenas variações. Como exemplo, será adotado um sistema formado por um poste instalado no espaço lateral da piscina, que serve para iluminar a fibra óptica e ao mesmo tempo como iluminação balizadora. O chassi consiste em um cilindro de alumínio fundido soldado a uma base quadrada. A parte superior acaba em um difusor de cristal e uma tampa cônica. A fixação dos componentes internos é feita com suportes específicos. Fonte: Catálogo KOMLux Fibras Ópticas, Figura 2 - Componentes do sistema de iluminação de piscinas A fonte de luz sustenta-se numa base quadrada, com quatro pernas que se ancoram sobre uma base de concreto. A carcaça possui janelas de ventilação em pelo menos dois níveis. A função desse equipamento é concentrar ao máximo a luz gerada pela lâmpada, concentrando-as na entrada da fibra óptica. O conjunto é formado por um refletor elíptico em alumínio polido e lâmpada de vapor metálico. Normalmente esses refletores possuem geometria elipsoidal, que concentram os raios de luz quando a lâmpada se encontra no foco do refletor. Dependendo da aplicação e tipo de lâmpada, pode ser adotado refletor parabólico com lente

4 4 de 9 01/11/ :17 concentradora ou refletor esférico com um conjunto de lentes de foco. O sistema elipsoidal é o que utiliza menor número de componentes, sendo mais simples, robusto, de mais fácil manutenção e menor sensibilidade às variações do tipo de lâmpada. Porém, é o que apresenta menor rendimento e maior aberração de cor. O tipo de lâmpada mais utilizado para essa aplicação é o multivapor metálico, com as seguintes características operacionais: Fluxo luminoso lm Temperatura de cor K a K (dependendo do tipo da composição do vapor) Vida útil h Luz extremamente brilhante Alta intensidade de iluminação Baixa carga térmica Necessitam de reatores/ignitores Devem ser utilizadas em luminárias fechadas (com vidro) Fonte: Luces CEI, Figura 3 - Fonte de luz decorativa O sistema de fixação e proteção da entrada da fibra é constituído de uma base parafusada, na qual se fixa a extremidade da fibra. Os parafusos de fixação da base permitem ajustes de altura e centralização, garantindo que o centro da fibra fique no foco do refletor. A extremidade da fibra é protegida por um filtro anticalórico. O filtro anticalórico é um componente que realiza a função de proteção da entrada da fibra contra o aquecimento e o envelhecimento. É composto por um vidro temperado, pirex, resistente a uma temperatura de 350oC. As

5 5 de 9 01/11/ :17 características do filtro são: Comprimento de onda filtrado nm a nm Rendimento do filtro - 85% Rendimento na banda de passagem - 90% A maioria dos sistemas utiliza uma fonte de luz fechada, instalada na casa de bombas ou em algum outro ambiente fechado. Um outro sistema, com finalidade decorativa e também destinada à iluminação periférica da piscina, possui na parte superior um difusor de cristal e um soquete para lâmpadas de rosca padrão E27, para uso de lâmpadas incandescentes de até 40 W, ou fluorescentes compactas. Normalmente esse sistema é montado na entrada principal da piscina ou nos jardins ao redor. A recomendação é que esses dispositivos sejam instalados a uma distância superior a 2,5 m da borda da piscina, caracterizando o volume 2, descrito no capítulo 9 da NBR Dessa forma, a fonte de luz pode possuir grau de proteção IPX4, classe I ou classe II, conforme seu método construtivo. Seja qual for o grau de proteção, recomenda-se que a fonte de luz seja aterrada, adotando-se também dispositivo de proteção diferencial residual (DR) para a proteção dos circuitos próximos à piscina (tomadas, casa de bombas e iluminação). Um outro limitador de posicionamento da fonte é o comprimento da fibra. Não existe uma distância máxima de limite. Porém, quanto maior for o comprimento da fibra, maior será a perda de luz e, portanto, menor será o rendimento do sistema. Em sistemas de baixa potência essas perdas deverão ser seriamente consideradas, uma vez que interferem diretamente na quantidade de luz transmitida e posteriormente emitida pela fibra. Fibra óptica No caso específico de iluminação de piscinas, a fibra óptica é composta por um feixe de cabos ópticos. Esses cabos têm a finalidade de transporte e distribuição de luz em todo o volume da água.

6 6 de 9 01/11/ :17 Fonte: Catálogo Fasa, Figura 5 - Fonte de luz Esses feixes são compostos por vários cabos de fibra, que podem ter diâmetros e comprimentos diferenciados, adequados aos locais de término no interior da piscina. Na outra extremidade, quando os cabos estão no feixe, é instalado um conector de latão. Cada cabo possui uma capa flexível e estanque que protege mecanicamente as fibras. A tubulação que interliga o sistema é composta por eletrodutos de PVC flexível. Não se recomenda o uso de bitolas inferiores a 20 mm. Um outro cuidado é que a soma das seções transversais das fibras não superem 40% da seção interna da tubulação. A seleção da fibra óptica é influenciada por três fatores: Número de pontos para obter a iluminação desejada na piscina Rendimento global do sistema para cobrir a quantidade de lumens necessários (esse item afeta diretamente o número, o comprimento dos cabos e seus diâmetros) A padronização de fabricação das fibras disponíveis no mercado (diâmetros e arranjos) Os terminais (projetores) de fibra óptica são normalmente fabricados com aço inox, com frente de metacrilato (em alguns casos lentes de vidro), e impermeabilização. Esses dispositivos são instalados nas paredes internas das piscinas e têm como finalidade a proteção e o acabamento da fibra. Alguns modelos de terminais são orientáveis, permitindo a modificação da direção do feixe de luz dentro da piscina, flexibilizando, portanto, a distribuição de luz.

7 7 de 9 01/11/ :17 Fonte: Catálogo Fasa, 2005 Figura 7 - Terminal de fibra Instalações elétricas O sistema deverá obedecer às prescrições do capítulo 9.2 da NBR-5410, que leva em consideração os riscos de choque elétrico devido à diminuição da resistência elétrica do corpo humano. E também ao capítulo 5.1 da referida norma, que prescreve quanto às medidas de proteção para garantir a segurança, principalmente aquelas que utilizam a "extrabaixa tensão". A norma classifica três volumes a serem protegidos, conforme mostra a figura 8. A tabela 1 discrimina essa classificação e resume as soluções apontadas, porém a norma é bem mais completa. Para um projeto específico essa norma deverá ser obrigatoriamente consultada, e as suas prescrições deverão ser respeitadas de forma a garantir segurança aos usuários da piscina. Mesmo atendendo todas as condições de segurança estipuladas pela norma, recomenda-se para os circuitos pertencentes ao entorno da piscina (inclusive a piscina) o uso de DR's de alta sensibilidade. Recomendações para o projeto de iluminação A escolha dos componentes deve seguir uma série de critérios específicos para uma boa solução no projeto de iluminação da piscina. Esses critérios podem ser resumidos em: Rendimento da fibra óptica: a fibra óptica tem um certo rendimento em função de sua qualidade, expresso em db/km. Quanto maior for a distância a ser percorrida pela fibra, maiores são os custos de instalação e maiores são as perdas de rendimento do sistema Ângulo de abertura: a luz concentrada tem que incidir sobre a fibra óptica com um certo ângulo máximo, caso contrário a fibra irá rejeitar a luz. Esse ângulo depende da fibra utilizada Rendimento do conjunto refletor (concentração de luz): existem diferentes sistemas eficazes para a concentração de luz artificial. Em função do sistema e dos componentes chega-se a certas relações entre rendimento, dimensões do ponto de luz e complexidade do refletor. Todos os sistemas estão fortemente

8 8 de 9 01/11/ :17 condicionados ao tipo de lâmpada utilizada Temperatura na zona de concentração: a radiação infravermelha emitida pela lâmpada deverá ser convenientemente tratada, em função das altas temperaturas produzidas na zona de concentração de luz. Esse aquecimento é diretamente condicionado ao tipo de lâmpada utilizada. A observação desses critérios resulta em uma maior eficiência na iluminação, com o uso de equipamentos mais simples e de menor custo. Conclusão O sistema de iluminação de piscinas com fibra óptica apresenta grande flexibilidade na distribuição de luz, com rendimento energético superior ao sistema convencional para um mesmo fluxo luminoso no interior da piscina, significando economia de energia elétrica. O sistema pode ser aplicado em outros ambientes, inclusive locais mais agressivos tais como saunas e ambientes com riscos de explosões e etc. O efeito decorativo é muito valorizado, uma vez que a iluminação se torna homogênea, sem zona de sombras, com possibilidade de uso de cores, inclusive com variação e movimento.

9 9 de 9 01/11/ :17 Figura 8 - Volumes de proteção Leia Mais NBR Instalações elétricas de baixa tensão. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Rio de Janeiro, Iluminación de piscinas mediante la tecnología de fibra óptica. E.R. Elias, e R.O. Romero. Luces CEI, pp , setembro Sites consultados Fábio Magalhães, engenheiro da Tecnofutura Planejamento e Consultoria Técnica

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer FONTES DE LUZ ARTIFICIAL HISTÓRICO Antes da invenção da lâmpada fogo, velas, lampiões a gás; Primeira lâmpada elétrica Thomas Edson, em 1879;

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Lâmpadas são fontes elementares de luz elétrica. Podemos proteger, refletir, refratar,filtrar, dimerizar, ou simplesmente expor as

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer LÂMPADAS A VAPOR DE MERCÚRIO São lâmpadas de descarga à alta pressão. Há no interior da lâmpada um tubo de descarga de quartzo que suporta altas

Leia mais

Introdução...2. Acessórios para instalação...2. Vedação elétrica...2. Instalação em piscinas de vinil...3. Instalação em piscinas de alvenaria...

Introdução...2. Acessórios para instalação...2. Vedação elétrica...2. Instalação em piscinas de vinil...3. Instalação em piscinas de alvenaria... Introdução...2 Acessórios para instalação...2 Vedação elétrica...2 Instalação em piscinas de vinil...3 Instalação em piscinas de alvenaria...4 Instalação em piscinas de fibra...5 Encaixe do conjunto refletor...6

Leia mais

ERGONOMIA. Introdução

ERGONOMIA. Introdução ERGONOMIA AULA 10: Iluminação no ambiente de trabalho Introdução Objetivo: uma boa iluminação do ambiente de trabalho contribui para aumentar a satisfação, melhorar a produtividade e reduzir a fadiga e

Leia mais

Manual De Instalação PURILED. Índice. 1- Apresentação 2- Identificação do produto 3- Acessórios para instalação 4- Vedação elétrica

Manual De Instalação PURILED. Índice. 1- Apresentação 2- Identificação do produto 3- Acessórios para instalação 4- Vedação elétrica Índice 1- Apresentação 2- Identificação do produto 3- Acessórios para instalação 4- Vedação elétrica Manual De Instalação 5- Instalação em piscinas de Vinil 6- Instalação em piscinas de Alvenaria 7- Instalação

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer Objetivo da iluminação em atividades laborativas e produtivas: Obtenção de boas condições de visão associadas à visibilidade, segurança e orientação dentro

Leia mais

5 Equipamentos e materiais utilizados

5 Equipamentos e materiais utilizados Equipamentos e materiais utilizados 5 Equipamentos e materiais utilizados O presente capítulo descreve objetivamente os principais equipamentos e materiais utilizados bem como as suas características técnicas

Leia mais

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons Elétrica Quem compõe a instalação elétrica - quadro de luz - centro nervoso das instalações elétricas. Deve ser metálico ou de material incombustível, e nunca de madeira (na sua parte interna ou externa).

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO Prof. Marcos Fergütz Março/2014 O CHOQUE ELÉTRICO OCORRE POR Fonte: www.google.com.br/imagem Fonte: SIEMENS Efeitos do Choque Elétrico

Leia mais

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima.

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima. TOMADA NO PISO PONTO DE FORÇA 2 3 3w 4w INTERRUPTOR DE 1 SEÇÃO INTERRUPTOR DE 2 SEÇÕES INTERRUPTOR DE 3 SEÇÕES INTERRUPTOR THREE-WAY PARALELO INTERRUPTOR FR-WAY INTERMEDIÁRIO ACIONADOR DE CIGARRA CIGARRA

Leia mais

Aplicação de Leds e fotometria

Aplicação de Leds e fotometria 40 Capítulo VII Aplicação de Leds e fotometria Por José Gil Oliveira* A iluminação artificial tem sido objeto de evolução tecnológica ao longo dos anos. Atualmente, em face da necessidade do aumento da

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA MONTAGEM DA ESTRUTURA DE FIXAÇÃO PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA MONTAGEM DA ESTRUTURA DE FIXAÇÃO PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA MONTAGEM DA ESTRUTURA DE FIXAÇÃO PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Silver 00TO WWW.SOLARFIX.COM.BR Silver 00TO MATERIAL INCLUSO Cód Peças de alumínio Comprimento Quantidade Pilar BR0

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA. Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas

SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA. Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas Memorial Descritivo Revisão - 1 Outubro / 2010 página 1 S U M Á R I O : 1

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 Permite o uso noturno das edificações e da cidade. Um bom projeto de iluminação deve garantir a possibilidade de executar uma tarefa visual

Leia mais

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES z CNCEITS BÁSICS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

Luminária de LED Ágata Cód. 09591

Luminária de LED Ágata Cód. 09591 Luminária de LED Ágata Cód. 09591 1 Luminária de LED Ágata Cód. 09591 Características A LUMINÁRIA ÁGATA reúne desempenho, segurança e confiabilidade para atender as especificações dos sistemas de iluminação

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS Instalação do sistema de geração de ozônio na piscina coberta do Centro de Atividades do SESC Ceilândia. Brasília-DF COMAP/DIAD Página 1 BASES TÉCNICAS PARA

Leia mais

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário e) Órgãos acessórios: Dispositivos fixos e não mecanizados destinados a facilitar a inspeção e limpeza dos coletores, construídos em pontos

Leia mais

ETME 01. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 14/09/2010

ETME 01. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 14/09/2010 ETME 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 14/09/2010 SUMÁRIO 1.1 OBJETIVO...4 1.2 NORMAS RECOMENDADAS...4 1.3 UNIDADES DE MEDIDA...4 1.4 IDIOMA...4 1.5 GARANTIAS QUANTO AO

Leia mais

Jato suave e concentrado; Chuveiro com chave seletora para ajuste da temperatura (4 temperaturas); Inovação tecnológica;

Jato suave e concentrado; Chuveiro com chave seletora para ajuste da temperatura (4 temperaturas); Inovação tecnológica; 1 1. INFORMAÇÕES GERAIS Função O Chuveiro tem como função principal fornecer água com vazão adequada à higiene pessoal. Aplicação Utilizado para higiene pessoal em banheiros ou áreas externas como piscinas.

Leia mais

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO LEDS E OLEDS INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO MÓDULOS LED DAS MAIS ANTIGAS

Leia mais

Introdução...2. Acessórios para instalação...2. Vedação elétrica...2. Identificação do produto...2. Instalação em piscinas de vinil...

Introdução...2. Acessórios para instalação...2. Vedação elétrica...2. Identificação do produto...2. Instalação em piscinas de vinil... Introdução...2 Acessórios para instalação...2 Vedação elétrica...2 Identificação do produto...2 Instalação em piscinas de vinil...5 Instalação em piscinas de alvenaria...6 Instalação em piscinas de fibra...7

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

ILUMINAÇÃO A LED. c o n h e ç a a U n il e d. já foi o tempo que lâmpada apagada era sinal de economia.

ILUMINAÇÃO A LED. c o n h e ç a a U n il e d. já foi o tempo que lâmpada apagada era sinal de economia. ILUMINAÇÃO A LED c o n h e ç a a U n il e d já foi o tempo que lâmpada apagada era sinal de economia. Quem Somos A 6 anos atuando na importação e distribuição de produtos com tecnologia a LED, trazendo

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5 Manual Técnico Transformadores de Potência Versão: 5 Índice 2 8 Página 1 1 INTRODUÇÃO Este manual fornece instruções referentes ao recebimento, instalação e manutenção dos transformadores de potência a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL! Construção Civil II 1 0 Semestre de 2015 Professoras Heloisa Campos e Elaine Souza

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL! Construção Civil II 1 0 Semestre de 2015 Professoras Heloisa Campos e Elaine Souza UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Construção Civil II 1 0 Semestre de 2015 Professoras Heloisa Campos e Elaine Souza EXERCÍCIO IMPERMEABILIZAÇÃO A seguir está modificado um

Leia mais

Apresentação. Conceito

Apresentação. Conceito Apresentação Apresentamos um novo conceito de Mercado para a Distribuição e Venda Direta de Produtos e Serviços para o Setor da Construção Civil; Com Ênfase em atender principalmente, construtoras, lojas

Leia mais

Iluminação LED de nível alto

Iluminação LED de nível alto Iluminação LED de nível alto Sistemas de iluminação em linha com LED As séries E4, E5 e E7 da ETAP oferecem uma vasta gama de iluminação LED para espaços com pé direito elevado, como pavilhões industriais,

Leia mais

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO Requisitos de mistura. Em geral, a ótima razão ar/combustível com determinada velocidade do motor consiste naquela em que

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. Prof.

Leia mais

LUMINÁRIA A PROVA DE EXPLOSÃO (com alojamento)

LUMINÁRIA A PROVA DE EXPLOSÃO (com alojamento) ILUMINÇÃO LUMINÁRI PROV DE EXPLOSÃO (com alojamento) tmosferas explosivas Zonas 1 e 2 - Grupos II e II Grau de proteção: IP65W CONSTRUÇÃO Fabricada em liga de alumínio fundido copper-free de alta resistência

Leia mais

solução modular led para aplicações de elevada potência

solução modular led para aplicações de elevada potência road + urban solução modular led para aplicações de elevada potência até 120,000lm várias opções de montagem design térmico sem manutenção máxima FLEXIBILIdade para a sua SOLUção CUSTOMIzada o nosso sistema

Leia mais

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos.

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. 1 Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. Somos um dos maiores fabricantes mundiais de fios e cabos, com mais de 170 anos de história de progresso contínuo em nível global e mais de 40 anos no Brasil.

Leia mais

Residência contemporânea

Residência contemporânea c a s e Residência contemporânea Por Erlei Gobi Fotos: Carlos Mancini Iluminação norteada pela eficiência energética proporciona conforto visual Localizada em um condomínio fechado em Embu das Artes, cidade

Leia mais

Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria.

Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria. Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria. Publicação de domínio público reproduzida na íntegra por Andraplan Administração Empresarial Ltda. Caso tenha necessidade de orientações

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS INFORMAÇÕES TÉCNICAS Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS Uma empresa que tem orgulho de iluminar! CATÁLOGO DE PRODUTOS 1 PROJETORES ESTAMPADOS - LANÇAMENTO A Tec & Luz está com novidades em sua linha de produtos. Conheça a nova linha de Projetores Estampados

Leia mais

PISCINAS PÚBLICAS R.P. INDUSTRIES

PISCINAS PÚBLICAS R.P. INDUSTRIES PISCINAS PÚBLICAS R.P. INDUSTRIES Piscina Pública Esta tecnologia nasceu da ideia e da necessidade de obter uma piscina funcional, fácil de instalar, económica, capaz de dar o máximo de conforto, que respondesse

Leia mais

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL O primeiro objetivo da iluminação é a obtenção de boas condições de visão associadas à visibilidade, segurança e orientação dentro de um determinado ambiente. Este objetivo está intimamente

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso

Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso Mariana Fialho Bonates (UFPB) marianabonates@bol.com.br Elisa Lobo de Brito (UFPB) elisa_brito@ig.com.br

Leia mais

SISTEMA TUBULAR DE CAPTAÇÃO E APROVEITAMENTO DE ENERGIA SOLAR (ILUMINAÇÃO NATURAL SOLAR)

SISTEMA TUBULAR DE CAPTAÇÃO E APROVEITAMENTO DE ENERGIA SOLAR (ILUMINAÇÃO NATURAL SOLAR) LUZ NATURAL, SEM CALOR, EM TODO O EDIFÍCIO SISTEMA TUBULAR DE CAPTAÇÃO E APROVEITAMENTO DE ENERGIA SOLAR (ILUMINAÇÃO NATURAL SOLAR) SOLARSPOT O sistema de captação e aproveitamento de energia solar iluminação

Leia mais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais Guia técnico Métodos de marcação direta de peças Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais A prática da Marcação Direta de Peças (DPM) é utilizada em muitas indústrias

Leia mais

Fontes Artificiais de Luz: Características e Novas Tecnologias

Fontes Artificiais de Luz: Características e Novas Tecnologias 1 Encontro Nacional de Iluminação de Monumentos e Conjuntos Urbanos Protegidos Fonte Schréder Mercado Municipal de São Paulo Projeto: Franco & Fortes Lighting Design Senzi Consultoria Luminotécnica Fontes

Leia mais

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO.

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO. Fornecimento de Energia Elétrica Nos banheiros deverão ser instalados um disjuntor bifásico no quadro de energia existente de cada quadrante conforme projeto. Deste quadro sairá a alimentação para os banheiros.

Leia mais

Schweizer Qualität - Swiss quality

Schweizer Qualität - Swiss quality sobre a STOBAG A STOBAG é uma marca Suíça líder absoluta no segmento de proteção solar e referência mundial quando o assunto é qualidade e versatilidade de produtos. A marca está presente no Brasil desde

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS Anexo 3 do PRO-3209-74-24-03 Pág.: 1 de 5 RECOMENDAÇÕES GERAIS: - Não serão permitidos eletricistas da contratada intervirem nas instalações da contratante,

Leia mais

Capítulo 1 As origens da iluminação pública no Brasil Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo 1 As origens da iluminação pública no Brasil Por Luciano Haas Rosito* 30 O Setor Elétrico / Janeiro de 2009 Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil Capítulo 1 As origens da iluminação pública no Brasil Por Luciano Haas Rosito* Fundamental para a vida moderna, a iluminação

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Coberturas Inclinadas de Telhado 1 de 10 1.Objectivos 1.1 A presente especificação estabelece as condições técnicas a satisfazer em coberturas inclinadas de telhado LightCob

Leia mais

A iluminação além da imaginação

A iluminação além da imaginação A iluminação além da imaginação 2014 Índice Introdução... 4 Aplicações...5 Conhecendo o Iluminador... 6 Instalação e Uso... 7 Recomendações Elétricas... 8 Solucionando problemas... 13 Especificações técnicas...

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts.

As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts. As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts. Incandescente E27 E14 LED Lúmens 100W 1400 1300 1350lm 16W 1200 1100 1000

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

SPOTS SUPERLED DE EMBUTIR

SPOTS SUPERLED DE EMBUTIR www.alumbra.com.br SAC 0800-193130 SPOTS SUPERLED DE EMBUTIR SOLUÇÕES FEITAS PARA VOCÊ SOLUÇÕES FEITAS PARA VOCÊ VERSATILIDADE AO SEU DISPOR SPOT E SUPERLED AGORA EM UM PRODUTO ÚNICO E DE MUITO BOM GOSTO

Leia mais

FOTO = luz GRAFIA = escrever

FOTO = luz GRAFIA = escrever Iluminação FOTO = luz GRAFIA = escrever Joseph Nicéphore Niépce - 1826 Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. GENERALIDADES Este documento tem por objetivo fornecer aos interessados no Chamamento em pauta as Especificações Básicas a serem seguidas para o atendimento deste Objeto. Estas

Leia mais

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski a r t i g o Iluminação comercial Por Rosana Kozlakowski Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? Exemplo de iluminação comercial com LEDs Restaurante Flinstering / Breda - Holanda Lighting Design: Wibeke

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014 EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO EDITAL N.º 1- UFPA de 13/01/2014 30 de março de 2014 Nome: N.º de Inscrição: BOLETIM DE QUESTÕES

Leia mais

Residência. Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais. c a s e. Por Claudia Sá

Residência. Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais. c a s e. Por Claudia Sá c a s e Fotos: Rafael Leão Residência Por Claudia Sá Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais ATMOSFERA ACOLHEDORA PARA O DIA-A-DIA E FLEXIBILIDADE para criação de cenários para eventos distintos.

Leia mais

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos Página 1 de 5 3 - estética e a técnica na ambientação 3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos iluminação de três pontos é composta por três refletores, cada qual com função

Leia mais

www.asbled.com.br EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED.

www.asbled.com.br EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED. EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED. Nossa missão é fornecer soluções em iluminação LED, aliando economia à sustentabilidade.

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Fotos: Divulgação A R Q U I T E T U R A

Fotos: Divulgação A R Q U I T E T U R A Fotos: Divulgação 58 c a s e O padrão visual requintado da grife caracteriza o espaço que foi modificado e supervisionado pela matriz francesa. Num total de 700m2, a loja se divide em 4 andares. Louis

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede FEAU/UNIVAP, Avenida Shisima Hifumi 2911, São José dos Campos - SP

Leia mais

A figura abaixo mostra o esquema básico de uma máquina de solda a ponto por resistência

A figura abaixo mostra o esquema básico de uma máquina de solda a ponto por resistência 132 7. Processo de soldagem por resistência elétrica 7.1 Introdução As soldas a ponto, por costura, por projeção e topo a topo formam um grupo de soldas nas quais o calor necessário para a soldagem é gerado

Leia mais

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli*

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* 46 Capítulo VI em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* Tendência irreversível no mercado da construção civil, as redes subterrâneas a cada dia ganham mais terreno em obras em

Leia mais

BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção

BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção G Sistema de Detecção/Extinção de Faíscas Segurança para a sua produção Sistemas de Detecção e Extinção de Faíscas são capazes

Leia mais

Fábrica de Nordborg - Dinamarca

Fábrica de Nordborg - Dinamarca Fábrica de Nordborg - Dinamarca Termostatos Visão Geral Nome do Aplicação Faixa de Temperatura Tipo de Invólucro Página Produto regulagem máx. sensor RT Uso Geral 25 a 300ºC 350ºC Remoto, de IP66 75-76

Leia mais

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar:

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar: Manutenção Elétrica Elementos de Processamento de Sinais Os componentes de processamento de sinais elétricos são aqueles que analisam as informações emitidas ao circuito pelos elementos de entrada, combinando-as

Leia mais

Câmera com Iluminador Infravermelho

Câmera com Iluminador Infravermelho Câmera com Iluminador Infravermelho Manual de Instruções 051118, VER.: 2.0, NO.: 040115 Obrigado por adquirir o nosso produto. Antes de operar esta unidade, por favor, leia este manual de instruções cuidadosamente

Leia mais

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net COR: -Instalação rápida e fácil, fixação com resina, ondulação de 2 a 4 mm para passagem dos cabos de energia. - Pode ser instalada em piscinas ou hidromassagens onde não tenha sido previsto sistema de

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação.

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. Das normas NR 10 são citadas abaixo as normas voltadas para a iluminação: 10.2.3.3. Os postos

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO Instalação Nobreak 60 KVA - 380 V PROPRIETÁRIO: Procuradoria Geral de Justiça. 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DO PROPRIETÁRIO

Leia mais

Painel Setorial do Padrão Brasileiro de Plugues e Tomadas

Painel Setorial do Padrão Brasileiro de Plugues e Tomadas do Padrão Brasileiro de Plugues e Tomadas Módulo I: O impacto do padrão brasileiro de plugues e tomadas na segurança do cidadão. Palestra 2: As normas NBR 6147 e NBR 14136 e os aspectos de segurança associados.

Leia mais

Filtros Plissados F7-001 TROX DO BRASIL LTDA. Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br www.troxbrasil.com.

Filtros Plissados F7-001 TROX DO BRASIL LTDA. Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br www.troxbrasil.com. F7-001 Filtros Plissados TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br www.troxbrasil.com.br Índice - Descrição

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC)

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC) PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN Iluminação Cores Ventilação Temperatura AMBIÊNCIA Umidade Ruído Material de revestimento Profa. Flávia Milagres Campos Ambiente aconchegante e agradável para clientese funcionários:

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

Aspectos para eficiência energética em sistemas de iluminação em indústrias

Aspectos para eficiência energética em sistemas de iluminação em indústrias 58 Capítulo IV Aspectos para eficiência energética em sistemas de iluminação em indústrias Por Juliana Iwashita Kawasaki e Vanderson Oliveira* Os temas ligados a eficiência energética, adequação do uso

Leia mais

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS Item essencial para qualquer tipo de piscina. É nela que ficam acondicionados o Sistema Filtrante (Filtro e Bomba) registros, válvulas, fios e acionadores.

Leia mais

A EMPRESA. Criando um futuro com a iluminação OSRAM

A EMPRESA. Criando um futuro com a iluminação OSRAM A EMPRESA Criando um futuro com a iluminação OSRAM A EMPRESA O mercado de iluminação está passando por um período de transformações tecnológicas, com os LEDs e os OLEDs, apresentando novas possibilidades

Leia mais

piano a luz sustentável

piano a luz sustentável piano a luz sustentável piano CARATERÍSTICAS LUMINÁRIA Design: Michel Tortel Estanquicidade bloco ótico: IP 66 LEDSafe Estanquicidade bloco eletrónico: IP 66 (*) Resistência ao choque (vidro): IK 08 (**)

Leia mais

Barramento Elétrico Blindado KSL70

Barramento Elétrico Blindado KSL70 Barramento Elétrico Blindado KSL70 PG: 2 / 19 ÍNDICE PÁG. 1.0 DADOS TÉCNICOS 03 2.0 - MÓDULO 04 3.0 SUSPENSÃO DESLIZANTE 05 4.0 TRAVESSA DE SUSTENTAÇÃO 06 5.0 EMENDA DOS CONDUTORES E DOS MÓDULOS 07 6.0

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 11 Esquemas de Instalações Elétricas Porto Alegre - 2012 Tópicos Esquemas de instalações elétricas de: Lâmpadas incandescentes

Leia mais

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-211 CONTROLE REMOTO

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-211 CONTROLE REMOTO CENTRAL DE ALARME COM FIO AW2 CONTROLE REMOTO CARACTERÍSTICAS DO APARELHO Central de alarme de setor com fio; Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; Carregador de bateria incorporado;

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 8 Previsão de Cargas Porto Alegre - 2012 Tópicos Cargas dos pontos de utilização Previsão de cargas conforme a norma Exemplo

Leia mais

Inovação e Qualidade. Gama de produtos. Prémios:

Inovação e Qualidade. Gama de produtos. Prémios: Inovação e Qualidade Válvulas, controlos + sistemas Unibox e limitação da temperatura de retorno de sistemas de piso radiante Floorbox Instalação de sistemas de piso radiante sem distribuidor / colector

Leia mais

Instrumentação Industrial Autor: Perez. Instrumentação - Nível 1

Instrumentação Industrial Autor: Perez. Instrumentação - Nível 1 Instrumentação Industrial Autor: Perez Instrumentação - Nível 1 AULA V - Instrumentos de Nível Instrumentação - Nível 2 Objetivos Estudar Elementos e Transmissores de Nível Mais Utilizados Precisar Inventários

Leia mais