Falta Grave. Prescrição: por ausência legal se utiliza o menor prazo: 3 anos (no caso de fuga conta-se da captura do preso).

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Falta Grave. Prescrição: por ausência legal se utiliza o menor prazo: 3 anos (no caso de fuga conta-se da captura do preso)."

Transcrição

1 Falta Grave Prescrição: por ausência legal se utiliza o menor prazo: 3 anos (no caso de fuga conta-se da captura do preso).

2 Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) Art. 52. A prática de fato previsto como crime doloso constitui falta grave e, quando ocasione subversão da ordem ou disciplina internas, sujeita o preso provisório, ou condenado, sem prejuízo da sanção penal, ao regime disciplinar diferenciado, com as seguintes características: (Redação dada pela Lei nº , de 2003) I - duração máxima de trezentos e sessenta dias, sem prejuízo de repetição da sanção por nova falta grave de mesma espécie, até o limite de um sexto da pena aplicada; (Incluído pela Lei nº , de 2003) II - recolhimento em cela individual; (Incluído pela Lei nº , de 2003)

3 III - visitas semanais de duas pessoas, sem contar as crianças, com duração de duas horas; (Incluído pela Lei nº , de 2003) IV - o preso terá direito à saída da cela por 2 horas diárias para banho de sol. (Incluído pela Lei nº , de 2003) 1 o O regime disciplinar diferenciado também poderá abrigar presos provisórios ou condenados, nacionais ou estrangeiros, que apresentem alto risco para a ordem e a segurança do estabelecimento penal ou da sociedade. (Incluído pela Lei nº , de 2003) 2 o Estará igualmente sujeito ao regime disciplinar diferenciado o preso provisório ou o condenado sob o qual recaiam fundadas suspeitas de envolvimento ou participação, a qualquer título, em organizações criminosas, quadrilha ou bando

4 Execução das penas privativas de liberdade Sistema FILADÈLFIA O sentenciado cumpre a pena integralmente na cela, sem dela nunca sair. É o sistema que inaugura as solitárias. Sistema ALBURN ou ALBURNIANO (ou SILENT SISTEM) Neste sistema, o sentenciado, durante o dia, trabalha com os outros presos (em silêncio), vedada a comunicação oral entre eles, recolhendo-se no período noturno para sua cela.

5 Sistema INGLÊS ou PROGRESSIVO (ou IRLANDÊS) No Sistema Inglês, há um período inicial de isolamento. Após esse estágio, passa-se a trabalhar durante o dia com os outros presos. O último estágio da execução é cumprir a pena em liberdade. O Sistema Inglês cumpre a pena de forma progressiva. Por isso é também chamado de progressivo. Foi o sistema que o Brasil adotou.

6 Art A pena privativa de liberdade será executada em forma progressiva com a transferência para regime menos rigoroso, a ser determinada pelo juiz, quando o preso tiver cumprido ao menos um sexto da pena no regime anterior e ostentar bom comportamento carcerário, comprovado pelo diretor do estabelecimento, respeitadas as normas que vedam a progressão. (Redação dada pela L

7 REGIMES DE CUMPRIMENTO DE PENA Se o crime é punido com reclusão, os regimes iniciais são: fechado, semiaberto e aberto. Se o crime é punido com detenção, os regimes iniciais são: semiaberto e aberto (ainda que a pena ultrapasse 8 anos).

8 Art Quando houver condenação por mais de um crime, no mesmo processo ou em processos distintos, a determinação do regime de cumprimento será feita pelo resultado da soma ou unificação das penas, observada, quando for o caso, a detração ou remição.

9 PROGRESSÃO DE REGIME Legitimidade para pedir o incidente: MP, reeducando/, Advogado/defensor Juiz

10 Progressão de regime Fechado - Requisitos: semiaberto Não é necessário que a pena tenha transitado em julgado; STF Súmula nº DJ de 13/10/ Admitese a progressão de regime de cumprimento da pena ou a aplicação imediata de regime menos severo nela determinada, antes do trânsito em julgado da sentença condenatória.(desde QUE TENHA TRANSITADO EM JULGADO PARA O MP)

11 Requisitos: 1. trânsito em julgado para o MP 2. temporal: cumprimento de 1/6 da pena. (regra) Se hediondos: 2/5, 3/5 (reincidente)

12 STF Súmula nº 715 DJ de 13/10/ A pena unificada para atender ao limite de trinta anos de cumprimento, determinado pelo art. 75 do Código Penal, não é considerada para a concessão de outros benefícios, como o livramento condicional ou regime mais favorável de execução

13 3. requisito: comportamento do preso Antes da Lei /03 O terceiro requisito dizia respeito ao mérito do reeducando. Essa expressão mérito foi abolida. Depois da Lei /03 Agora, a expressão legal é bom comportamento carcerário.

14 Art A pena privativa de liberdade será executada em forma progressiva com a transferência para regime menos rigoroso, a ser determinada pelo juiz, quando o preso tiver cumprido ao menos um sexto da pena no regime anterior e ostentar bom comportamento carcerário, comprovado pelo diretor do estabelecimento, respeitadas as normas que vedam a progressão. (Redação dada pela L )

15 4. Requisito: oitiva do MP 5. exame criminológico: Antes da Lei /03 O art. 112, da LEP, determinava o exame criminológico. Depois da Lei /03 O art. 112, da LEP, silencia quanto ao exame criminológico

16 Exame criminológico não foi abolido, mas passou a ser FACULTATIVO: Art. 8º O condenado ao cumprimento de pena privativa de liberdade, em regime fechado, será submetido a exame criminológico para a obtenção dos elementos necessários a uma adequada classificação e com vistas à individualização da execução. Parágrafo único. Ao exame de que trata este artigo poderá ser submetido o condenado ao cumprimento da pena privativa de liberdade em regime semi-aberto.

17 6. Requisito só para os crimes contra a administração pública: art. 33, 4º O condenado por crime contra a administração pública terá a progressão de regime do cumprimento da pena condicionada à reparação do dano que causou, ou à devolução do produto do ilícito praticado, com os acréscimos legais. (Acrescentado pela L )

18 Progressão do semiaberto para o aberto Os mesmos do fechado para o semiaberto, com as seguintes observações: Pena cumprida é pena extinta, logo considerase 1/6 da pena que resta a cumprir para progredir de regime (não se considera a pena inicial)

19 Art O ingresso do condenado em regime aberto supõe a aceitação de seu programa e das condições impostas pelo juiz. Art Somente poderá ingressar no regime aberto o condenado que: I - estiver trabalhando ou comprovar a possibilidade de fazê-lo imediatamente; II - apresentar, pelos seus antecedentes ou pelo resultado dos exames a que foi submetido, fundados indícios de que irá ajustar-se, com autodisciplina e senso de responsabilidade, ao novo regime. Parágrafo único - Poderão ser dispensadas do trabalho as pessoas referidas no Art. 117 desta Lei.

20 Regra do trabalho externo deve ser interpretada com temperamentos, pois a realidade mostra que, estando a pessoa presa, raramente ela possui condições de, desde logo, comprovar a existência de proposta de emprego (STJ, 5 turma, HC RJ).

21 Art O juiz poderá estabelecer condições especiais para a concessão de regime aberto, sem prejuízo das seguintes condições gerais e obrigatórias: I - permanecer no local que for designado, durante o repouso e nos dias de folga; II - sair para o trabalho e retornar, nos horários fixados; III - não se ausentar da cidade onde reside, sem autorização judicial; IV - comparecer a juízo, para informar e justificar as suas atividades, quando for determinado.

22 Observações Gerais 1. pratica de falta grave: condenado terá que iniciar a contagem. Prática de falta grave: não influência no livramento condicional; perda dos dias remidos até 1/3. 2. progressão per saltum: o Tribunais Superiores não admitem. Alguns Tribunais tem reconhecido a progressão ficta, que é quando o apenado pede a progressão e diante da inércia do judiciário ele cumpre mais 1/6 da pena. Nestes casos, seria como se ele tivesse cumprido 1/6 em cada regime.

23 PRISÃO DOMICILIAR Art Somente se admitirá o recolhimento do beneficiário de regime aberto em residência particular quando se tratar de: I - condenado maior de 70 (setenta) anos; II - condenado acometido de doença grave; III - condenada com filho menor ou deficiente físico ou mental; IV - condenada gestante.

24 REGRESSÃO DE REGIME Art. 118 A execução da pena privativa de liberdade ficará sujeita à forma regressiva, com a transferência para qualquer dos regimes mais rigorosos, quando o condenado: I praticar fato definido como crime doloso ou falta grave; II - sofrer condenação, por crime anterior, cuja pena, somada ao restante da pena em execução, torne incabível o regime (Art. 111). 1º - O condenado será transferido do regime aberto se, além das hipóteses referidas nos incisos anteriores, frustrar os fins da execução ou não pagar, podendo, a multa cumulativamente imposta. 2º - Nas hipóteses do inciso I e do parágrafo anterior, deverá ser ouvido, previamente, o condenado.

25 1. enquanto a progressão em saltos não é permitida a REGRESSÃO possui previsão legal. 2. contraditório e a ampla defesa na regressão: 2º - Nas hipóteses do inciso I e do parágrafo anterior, deverá ser ouvido, previamente, o condenado. Não contraditório para os casos de condenação penal.

26 AUTORIZAÇÃO DE SAÍDA Autorização de saída gênero Espécies: permissão de saída; saída temporária

27 Subseção I - Da Permissão de Saída Art Os condenados que cumprem pena em regime fechado ou semi-aberto e os presos provisórios poderão obter permissão para sair do estabelecimento, mediante escolta, quando ocorrer um dos seguintes fatos: I - falecimento ou doença grave do cônjuge, companheira, ascendente, descendente ou irmão; II - necessidade de tratamento médico (parágrafo único do Art. 14). Parágrafo único - A permissão de saída será concedida pelo diretor do estabelecimento onde se encontra o preso. Art A permanência do preso fora do estabelecimento terá duração necessária à finalidade da saída.

28 do STF que permite a execução provisópreso provisório: não tem direito a permissão de saída, porém não tem direito a saída temporária. Obs: decisão ria do preso.

29 SAÍDA TEMPORÁRIA Art Os condenados que cumprem pena em regime semi-aberto poderão obter autorização para saída temporária do estabelecimento, sem vigilância direta, nos seguintes casos: I - visita à família; II - freqüência a curso supletivo profissionalizante, bem como de instrução do segundo grau ou superior, na comarca do Juízo da Execução; III - participação em atividades que concorram para o retorno ao convívio social.

30 Art A autorização será concedida por ato motivado do juiz da execução, ouvidos o Ministério Público e a administração penitenciária, e dependerá da satisfação dos seguintes requisitos: I - comportamento adequado; II - cumprimento mínimo de um sexto da pena, se o condenado for primário, e um quarto, se reincidente; III - compatibilidade do benefício com os objetivos da pena. Art A autorização será concedida por prazo não superior a 7 (sete) dias, podendo ser renovada por mais quatro vezes durante o ano. Parágrafo único Quando se tratar de freqüência a curso profissionalizante, de instrução de segundo grau ou superior, o tempo de saída será o necessário para o cumprimento das atividades discentes.

31 STJ Súmula nº 40 - DJ Para obtenção dos benefícios de saída temporária e trabalho externo, considera-se o tempo de cumprimento da pena no regime fechado. PRAZO da saída temporária: art. 124 LEP, até 7 dias, renovada por mais 4 vezes durante o ano (logo são 5 saídas temporárias).

32 REVOGAÇÃO DA SAÍDA TEMPORÁRIA Art O benefício será automaticamente revogado quando o condenado praticar fato definido como crime doloso, for punido por falta grave, desatender as condições impostas na autorização ou revelar baixo grau de aproveitamento do curso. Parágrafo único - A recuperação do direito à saída temporária dependerá da absolvição no processo penal, do cancelamento da punição disciplinar ou da demonstração do merecimento do condenado.

33 PERMISSÃO DE SAÍDA Previsão legal: Arts. 120 e 121 da LEP Beneficiários: Preso definitivo em regime fechado ou semiaberto Preso provisório Característica marcante: Ocorre mediante escolta Hipóteses de cabimento: Falecimento ou doença grave (CADI Cônjuge, companheiro, ascendente, descendente, irmão) Necessidade de tratamento médico Autoridade competente para analisar o pedido: Diretor do estabelecimento Prazo da permissão de saída: Prazo indeterminado (duração necessária à finalidade da saída) Art. 121.

34 SAÍDA TEMPORÁRIA Previsão legal: Arts. 122 e 125 da LEP Beneficiários: Somente preso no semiaberto (preso no fechado e preso provisório não têm direito) que: Tenha comportamento adequado Cumpriu 1/6 da pena se primário Cumpriu ¼ da pena se reincidente Comprove o nexo com a ressocialização (seja importante para a ressocialização Característica marcante: Sem vigilância direta (não tem escolta)

35 Hipóteses de cabimento: Visita à família Frequência a cursos Atividades de convívio social, de ressocialização Autoridade competente para analisar o pedido: Juiz da execução (ouvidos o MP e a administração penitenciária) Art Prazo da saída temporária: Art. 124 da LEP Vide obs. supra

36 Possibilidade do calendário de saídas temporárias Súmula 520-STJ: O benefício de saída temporária no âmbito da execução penal é ato jurisdicional insuscetível de delegação à autoridade administrativa do estabelecimento prisional. NÃO SERIA CABÍVEL O CALENDÁRIO.

37 Para o STF, um único ato judicial que analisa o histórico do sentenciado e estabelece um calendário de saídas temporárias, com a expressa ressalva de que as autorizações poderão ser revistas em caso de cometimento de infração disciplinar, mostra-se suficiente para fundamentar a autorização de saída temporária A exigência feita pelo STJ no sentido de que haja uma decisão motivada para cada saída temporária coloca em risco o direito do sentenciado ao benefício, em razão do grande volume de processos nas varas de execuções penais. ADIMITE O CALENDÁRIO. STF. 1ª Turma. HC 98067, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 06/04/2010. STF. 2ª Turma. HC , Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 04/08/2015.

38 REMIÇÃO Arts. 126 a 130 LEP Art O condenado que cumpre a pena em regime fechado ou semi-aberto poderá remir, pelo trabalho ou pelo estudo, parte do tempo de execução da pena.

39 REMIÇÃO PELO ESTUDO Obs: não há remição pelo trabalho para quem cumpre a pena em regime aberto ou desfruta de livramento condicional. Obs2. prevalece o entendimento de que não cabe remição pelo trabalho ao preso em regime aberto, por ser condição do regime. Contudo, parte da doutrina discorda, isto porque o art. 126, p.6 LEP permite a remição para este regime mediante o estudo tal vedação fere a razoabilidade (analogia in bonan partem).

40 Remição pelo estudo: aplicável ao regime fechado, semi aberto, aberto, livramento condicional. Contagem: 1 dia a cada 12 horas de frequencia escolar (art. 126, p.1, I, LEP). 12 horas divididas em no mínimo 3 dias. Conclusão do ensino fundamental, médio, superior + 1/3 dos dias remidos.

41 Acidente durante o estudo ou trabalho: preso continuará a se beneficiar-se da remição. Cumulação da remição do trabalho + estudo: possível. Instituto alcança o preso cautelar.

42 Perda dos dias remidos Art. 127: em caso de falta grave o juiz poderá revogar até 1/3 (um terço) do tempo remido, observado o disposto no art. 57, recomeçando a contagem a partir da data da infração disciplinar. Perda máxima: 1/3. Art. 128 O tempo remido será computado como pena cumprida, para todos os efeitos.

43 DO LIVRAMENTO CONDICIONAL a) Requisitos OBJETIVOS para fazer jus ao livramento: 1º Requisito: A pena imposta deve ser privativa de liberdade Não existe livramento condicional para restritiva de direitos. 2º Requisito: A pena imposta deve ser igual ou superior a 2 anos. Considera-se o concurso de delitos

44 3º Requisito: Requisito temporal Se o condenado é primário e de bons antecedentes, ele tem que cumprir mais de 1/3 da pena. Não basta cumprir 1/3. Ele tem que cumprir mais de 1/3! Se ele for reincidente, ele tem que cumprir mais de metade! No caso de crime hediondo ou equiparado, ele tem que cumprir mais de 2/3. 4º Requisito: Reparação do dano

45 REQUISITOS SUBJETIVOS 1 Requisito: Comportamento carcerário satisfatório 2º Requisito: Bom desempenho no trabalho que lhe foi atribuído 3º Requisito: Aptidão para prover a própria subsistência mediante trabalho honesto : No caso de crime praticado com violência ou grave ameaça à pessoa, constatação de que o condenado não voltará a delinquir

46 CONDIÇOES OBRIGATÓRIAS 1ª Condição Obrigatória: Obter ocupação lícita dentro de prazo razoável. Por ocupação lícita a doutrina admite estudos técnicos. Não pressupõe obrigatoriamente trabalho. 2ª Condição Obrigatória: Comunicar periodicamente ao juiz sua ocupação. Fica a critério do juiz da execução: pode ser semanalmente, mensalmente, trimestralmente. 3ª Condição Obrigatória: Não mudar da comarca sem autorização. É o que mais cai. Cuidado com isso. Não mudar da comarca é condição obrigatória. Não mudar da residência é condição facultativa. Cuidado para não confundir

47 1ª Condição Facultativa: Não mudar de residência sem autorização. 2ª Condição Facultativa: Recolher-se à habitação em hora fixada. 3ª Condição Facultativa: Não frequentar determinados lugares.. 4ª Condição Facultativa: Outras condições compatíveis com os fins da pena.

48 CAUSA DE REVOGAÇÃO OBRIGATÓRIAS Revogação do Livramento Art Revoga-se o livramento, se o liberado vem a ser condenado a pena privativa de liberdade, em sentença irrecorrível: I - por crime cometido durante a vigência do benefício; II - por crime anterior, observado o disposto no Art. 84 deste Código.

49 Revogação Facultativa Art O juiz poderá, também, revogar o livramento, se o liberado deixar de cumprir qualquer das obrigações constantes da sentença, ou for irrecorrivelmente condenado, por crime ou contravenção, a pena que não seja privativa de liberdade.

Ponto 12 do plano de ensino

Ponto 12 do plano de ensino Ponto 12 do plano de ensino Livramento condicional: conceito e natureza jurídica, requisitos (objetivos e subjetivos), concessão, condições, revogação obrigatória e revogação facultativa, prorrogação,

Leia mais

Direito Penal. Regimes penitenciários. Fixação do regime inicial da pena privativa de liberdade. Professor Adriano Kot

Direito Penal. Regimes penitenciários. Fixação do regime inicial da pena privativa de liberdade.  Professor Adriano Kot Direito Penal Regimes penitenciários. Fixação do regime inicial da pena privativa de liberdade Professor Adriano Kot www.acasadoconcurseiro.com.br www.estudaquepassa.com.br DIREITO PENAL PENAS PRIVATIVAS

Leia mais

Direito Penal. Livramento Condicional. Professor Joerberth Nunes.

Direito Penal. Livramento Condicional. Professor Joerberth Nunes. Direito Penal Livramento Condicional Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Penal LIVRAMENTO CONDICIONAL CÓDIGO PENAL TÍTULO V DAS PENAS CAPÍTULO V DO LIVRAMENTO CONDICIONAL Requisitos

Leia mais

Execução Penal. Prof. Pietro Chidichimo LEI DE EXECUÇÃO PENAL LEI N /84 CONTINUAÇÃO DA AULA DE EXECUÇÃO PENAL

Execução Penal. Prof. Pietro Chidichimo LEI DE EXECUÇÃO PENAL LEI N /84 CONTINUAÇÃO DA AULA DE EXECUÇÃO PENAL LEI DE EXECUÇÃO PENAL LEI N. 7.210/84 CONTINUAÇÃO DA AULA DE EXECUÇÃO PENAL Progressão de Regime Carcerário (art.112da LEP): Obs.: matéria iniciada na aula 1. Quanto à necessidade da realização do exame

Leia mais

Direito Penal. Progressão de Regime Penitenciário. Professor Adriano Kot.

Direito Penal. Progressão de Regime Penitenciário.  Professor Adriano Kot. Direito Penal Progressão de Regime Penitenciário Professor Adriano Kot www.acasadoconcurseiro.com.br www.estudaquepassa.com.br DIREITO PENAL PROGRESSÃO E REGRESSÃO DE REGIME PROGRESSÃO DE REGIME Visa

Leia mais

O maior site de concursos do Brasil. apresenta...

O maior site de concursos do Brasil. apresenta... O maior site de concursos do Brasil apresenta... Art. 49. As faltas disciplinares classificam-se em leves, médias e graves. A legislação local especificará as leves e médias, bem assim as respectivas

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA VIII DIREITO PENAL II TEMA: LIVRAMENTO CONDICIONAL PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS Conceito: consiste em uma antecipação provisória da liberdade do condenado, satisfeitos certos requisitos e mediante

Leia mais

FIXAÇÃO DE REGIME INICIAL

FIXAÇÃO DE REGIME INICIAL FIXAÇÃO DE REGIME INICIAL Regime Inicial de Cumprimento de Pena É estabelecido pelo conjunto do artigo 33, 2º, a, b, c (levam em conta o tempo de pena e a primariedade e a reincidência) e o artigo 59,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2012 (Do Senhor João Campos)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2012 (Do Senhor João Campos) PROJETO DE LEI Nº., DE 2012 (Do Senhor João Campos) Altera o caput e o 1º do art. 75 e os incisos I, II e V do art. 83, do Código Penal; altera o caput e o 1º do art. 112, da Lei nº 7.210, de 11 de julho

Leia mais

Direito Penal. Suspensão Condicional da Pena. Professor Joerberth Nunes.

Direito Penal. Suspensão Condicional da Pena. Professor Joerberth Nunes. Direito Penal Suspensão Condicional da Pena Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Penal SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA CÓDIGO PENAL TÍTULO V DAS PENAS CAPÍTULO IV DA SUSPENSÃO

Leia mais

Professora Simone Schroeder Home Page:

Professora Simone Schroeder Home Page: LEMBRETES DE EXECUÇÃO PENAL: ALGUNS ASPECTOS RELEVANTES. Instituto Legislação Requisitos Observações Progressão de Regime é um direito adquirido pelo preso, no sentido de ser transferido de um regime mais

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DO DISTRITO FEDERAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DO DISTRITO FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DO DISTRITO FEDERAL PROCESSO: 0034032-34.2011.807.0015 IZAQUIEL VERAS SANTOS, já devidamente qualificado nos autos, vem perante Vossa Excelência,

Leia mais

EXECUÇÃO PENAL. 2º do art. 126 da LEP para fins de contabilidade para o estudo é preciso que a instituição de ensino tenha reconhecimento pelo MEC.

EXECUÇÃO PENAL. 2º do art. 126 da LEP para fins de contabilidade para o estudo é preciso que a instituição de ensino tenha reconhecimento pelo MEC. EXECUÇÃO PENAL PONTO 1: REMIÇÃO DA PENA; COMPETÊNCIA; REGRESSÃO DE REGIME PONTO 2: FALTAS DISCIPLINARES PONTO 3: RDD; APLICAÇÃO DE SANÇÕES DA REMIÇÃO DA PENA Art. 126 1 LEP o preso condenado, que cumpre

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO n. 6: Estudo da Teoria da pena no Direito Penal Brasileiro. Produzido por Gisele Alves e Vânia Camacho.

MATERIAL DIDÁTICO n. 6: Estudo da Teoria da pena no Direito Penal Brasileiro. Produzido por Gisele Alves e Vânia Camacho. MATERIAL DIDÁTICO n. 6: Estudo da Teoria da pena no Direito Penal Brasileiro. Produzido por Gisele Alves e Vânia Camacho. 2014 SUMÁRIO 1. ESPÉCIES DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE 1.1 Reclusão 1.2 Detenção

Leia mais

S U R S I S SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA

S U R S I S SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA S U R S I S SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA arts. 77 a 82 do CP e 156 e s. da LEP. Deriva do verbo surseoir (suspender). Quer dizer suspensão. Expressão já utilizada pelo CP/1940. Conceitos: É o ato pelo

Leia mais

Nº 4791/ ASJCRIM/SAJ/PGR. Execução Penal n. 1 Relator: Ministro Roberto Barroso Autor: Ministério Público Federal Sentenciado: José Genoíno Neto

Nº 4791/ ASJCRIM/SAJ/PGR. Execução Penal n. 1 Relator: Ministro Roberto Barroso Autor: Ministério Público Federal Sentenciado: José Genoíno Neto Nº 4791/2014 - ASJCRIM/SAJ/PGR Execução Penal n. 1 Relator: Ministro Roberto Barroso Autor: Ministério Público Federal Sentenciado: José Genoíno Neto PENAL. PROCESSO PENAL. EXECUÇÃO PENAL. PROGRES- SÃO

Leia mais

Interpretação e integração da lei penal Interpretação...11

Interpretação e integração da lei penal Interpretação...11 Sumário Notas Preliminares Finalidade do Direito Penal...2 Bens que podem ser protegidos pelo Direito Penal...2 Códigos do Brasil...3 Código Penal atual...3 Direito Penal...3 Garantismo...3 Garantias...4

Leia mais

Profª. Ms Simone Schroeder

Profª. Ms Simone Schroeder Profª. Ms Simone Schroeder Base legal: Artigos 109 ao 119 do Código Penal Conceito: É a perda do poder de punir ou de executar a sanção imposta pelo Estado, causada pelo decurso de tempo fixado em Lei

Leia mais

DA expedição da guia de recolhimento

DA expedição da guia de recolhimento PROVIMENTO Nº. 02/2007 Dispõe sobre a execução de penas privativas de liberdade na Região Metropolitana de Belém. A Excelentíssima Senhora Desembargadora Luzia Nadja Guimarães Nascimento Corregedora Geral

Leia mais

Execução Penal. Prof. Pietro Chidichimo LEI DE EXECUÇÃO PENAL LEI N /84

Execução Penal. Prof. Pietro Chidichimo LEI DE EXECUÇÃO PENAL LEI N /84 LEI DE EXECUÇÃO PENAL LEI N. 7.210/84 Natureza Jurídica da Execução Penal: 3 correntes: Meramente administrativa: a atividade do juiz é meramente fiscalizatória, acarretando consequências importantes ao

Leia mais

CEM. Magistratura Federal. Direito Penal. Das Penas

CEM. Magistratura Federal. Direito Penal. Das Penas CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER Direito Penal Período 2010 2016 1) CESPE - JF TRF2/TRF 2/2013 A respeito de aspectos diversos relacionados às penas, assinale a opção correta. a) No concurso formal perfeito,

Leia mais

SAÍDA TEMPORÁRIA: INSTITUTO DA EXECUÇÃO PENAL DESACREDITADO PELA SOCIEDADE

SAÍDA TEMPORÁRIA: INSTITUTO DA EXECUÇÃO PENAL DESACREDITADO PELA SOCIEDADE SAÍDA TEMPORÁRIA: INSTITUTO DA EXECUÇÃO PENAL DESACREDITADO PELA SOCIEDADE * GUSTAVO LANA Graduado em Direito pela Universidade Federal de Viçosa (2003) e mestre em Direito pela Universidade Gama Filho

Leia mais

JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. UNIFORMIZAÇÃO DE DECISÕES OS DOUTORES CARLOS AUGUSTO BORGES, CARLOS EDUARDO CARVALHO DE FIGUEIREDO, SANDRO PITTHAN ESPÍNDOLA, TULA

Leia mais

<CABBCBBCCADACABAADBCAADCBAACDBBAACDAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O

<CABBCBBCCADACABAADBCAADCBAACDBBAACDAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O EMENTA: AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL CONDENAÇÃO SUPERVENIENTE HOMOLOGAÇÃO DO ATESTADO DE PENA REGIME ABERTO INCONFORMISMO MINISTERIAL IMPOSIÇÃO DO REGIME SEMIABERTO

Leia mais

Sumário PRINCÍPIOS DO DIREITO PENAL NORMA PENAL... 33

Sumário PRINCÍPIOS DO DIREITO PENAL NORMA PENAL... 33 CAPÍTULO 1 PRINCÍPIOS DO DIREITO PENAL... 13 1. Noções preliminares...13 2. Peculiaridades dos princípios do Direito Penal...13 3. Princípio da legalidade ou da reserva legal...14 3.1 Abrangência do princípio

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Quinta Câmara Criminal

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Quinta Câmara Criminal Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Quinta Câmara Criminal Agravo em Execução nº 0060927-73.2013.8.19.0000 Relator: Desembargador Paulo de Oliveira Lanzellotti Baldez Agravante:

Leia mais

Profª Ms. Simone Schroeder SANÇÕES PENAIS

Profª Ms. Simone Schroeder SANÇÕES PENAIS Profª Ms. Simone Schroeder SANÇÕES PENAIS PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE DO CP Pena privativa de liberdade Art. 33 CP Reclusão CP Detenção CP Prisão Simples Dec. Lei 3688/41 Sanções penais Penas Art. 32

Leia mais

TORRES PARECER Nº, DE

TORRES PARECER Nº, DE SENADO FEDERAL Gabinete do Senador DEMÓSTENES TORRES PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre os Projetos de Lei do Senado n os 30, de 2008, que

Leia mais

ESTUDO SOBRE A PROGRESSÃO DE REGIME DOS CRIMES HEDIONDOS RESUMO. Palavras-chave: Crimes Hediondos. Progressão de Regime. Inconstitucionalidade.

ESTUDO SOBRE A PROGRESSÃO DE REGIME DOS CRIMES HEDIONDOS RESUMO. Palavras-chave: Crimes Hediondos. Progressão de Regime. Inconstitucionalidade. ESTUDO SOBRE A PROGRESSÃO DE REGIME DOS CRIMES HEDIONDOS Tiago Ribeiro 1 RESUMO O objetivo principal deste trabalho é explicitar como se efetiva a progressão de regime nos crimes hediondos. E, consequentemente,

Leia mais

VISTOS, RELATADOS e DISCUTIDOS estes autos, em que são

VISTOS, RELATADOS e DISCUTIDOS estes autos, em que são XSTITle Fui PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR Luiz SILVIO RAMALHO JÚNIOR ACÓRDÃO AGRAVO EM EXECUÇÃO (PROCESSO N 010.1993.000005-31002). RELATOR: Dr. Marcos William

Leia mais

4ª CÂMARA CRIMINAL RECURSO DE AGRAVO EM EXECUÇÃO Nº DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DE FOZ DO IGUAÇU RECORRENTE: RECORRIDA:

4ª CÂMARA CRIMINAL RECURSO DE AGRAVO EM EXECUÇÃO Nº DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DE FOZ DO IGUAÇU RECORRENTE: RECORRIDA: 4ª CÂMARA CRIMINAL RECURSO DE AGRAVO EM EXECUÇÃO Nº 1.312.465-9 DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DE FOZ DO IGUAÇU RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ RECORRIDA: CRISTIANE SOUZA DIAS RELATOR:

Leia mais

MEDIDA DE SEGURANÇA MACAPÁ 2011 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO MATERIAL DIDÁTICO

MEDIDA DE SEGURANÇA MACAPÁ 2011 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO MATERIAL DIDÁTICO MEDIDA DE SEGURANÇA DIREITO PENAL 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 1 MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução

Leia mais

PRISÕES PRISÃO PREVENTIVA. Vídeo: Prisão Parte 2 do início até 17:28

PRISÕES PRISÃO PREVENTIVA. Vídeo: Prisão Parte 2 do início até 17:28 AULA AO VIVO PRISÕES PRISÃO PREVENTIVA Vídeo: Prisão Parte 2 do início até 17:28 Vimos o esquema da prisão em flagrante: - lavratura do flagrante; - em 24 horas, audiência de custódia: I - relaxar a prisão

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0694.10.004212-6/001 Númeração 1034476- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Júlio César Lorens Des.(a) Júlio César Lorens 24/05/2016 02/06/2016 EMENTA:

Leia mais

II lllllllllliiiiijijij 'I'JP'"" ""'"'

II lllllllllliiiiijijij 'I'JP' '' TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIRUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO AC0^SÍSTRTD4) 0 SOB C N" ACÓRDÃO II lllllllllliiiiijijij 'I'JP'"" ""'"' Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Execução

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Civil Legislação Penal Especial Crimes de Trânsito Liana Ximenes

Tropa de Elite - Polícia Civil Legislação Penal Especial Crimes de Trânsito Liana Ximenes Tropa de Elite - Polícia Civil Legislação Penal Especial Crimes de Trânsito Liana Ximenes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Arts. 291-301 do CTB - Parte Geral

Leia mais

1. REGIMES DE CUMPRIMENTO DE PENA E SEUS RESPECTIVOS ESTABELECIMENTOS PENAIS

1. REGIMES DE CUMPRIMENTO DE PENA E SEUS RESPECTIVOS ESTABELECIMENTOS PENAIS REGIME DE CUMPRIMENTO, PROGRESSÃO E REGRESSÃO DA PENA. SINOSINI, Giovanni Carvalho¹ INTRODUÇÃO Desde o início dos tempos, foi necessário criar meios, para regular o bom convívio em sociedade, onde se pode

Leia mais

LEI DE CRIMES AMBIENTAIS -LCA

LEI DE CRIMES AMBIENTAIS -LCA LEI DE CRIMES AMBIENTAIS -LCA PARTE II A Desconsideração da P.J É o enfoque dado à figura do sócio para a ineficácia ou a regulamentação de um ato condenável praticado em nome da sociedade, ignorando-lhe

Leia mais

DICAS E EXERCÍCIOS LEI 9.503/97 - CRIMES DE TRÂNSITO (ART. 291 AO 312 DO CTB) PCGO-2016 PROF: PAULO SÉRGIO

DICAS E EXERCÍCIOS LEI 9.503/97 - CRIMES DE TRÂNSITO (ART. 291 AO 312 DO CTB) PCGO-2016 PROF: PAULO SÉRGIO DICAS E EXERCÍCIOS LEI 9.503/97 - CRIMES DE TRÂNSITO (ART. 291 AO 312 DO CTB) PCGO-2016 PROF: PAULO SÉRGIO QUESTÃO 01 (PROVA PRF 2008 CESPE/UNB) De acordo com o CTB e acerca das ações penais por crimes

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DO EXAME CRIMINOLÓGICO NA PROGRESSÃO DE REGIME Carina Machado OCCHIENA 1 Luís Henrique de Moraes AFONSO 2

A OBRIGATORIEDADE DO EXAME CRIMINOLÓGICO NA PROGRESSÃO DE REGIME Carina Machado OCCHIENA 1 Luís Henrique de Moraes AFONSO 2 A OBRIGATORIEDADE DO EXAME CRIMINOLÓGICO NA PROGRESSÃO DE REGIME Carina Machado OCCHIENA 1 Luís Henrique de Moraes AFONSO 2 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo demonstrar a discussão acerca da

Leia mais

ESPÉCIES DE PENAS. Direito Penal II Professora Paola Santos

ESPÉCIES DE PENAS. Direito Penal II Professora Paola Santos ESPÉCIES DE PENAS Direito Penal II Professora Paola Santos Espécies de penas (art.32 do CP) Privativas de Liberdade Alternativas DAS PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE Reclusão: Pode começar a ser cumprida

Leia mais

EXECUÇÃO PENAL. 1. Natureza jurídica da LEP:

EXECUÇÃO PENAL. 1. Natureza jurídica da LEP: 1 LEI 7210/84 PONTO 1: Natureza jurídica da LEP PONTO 2: Objeto da execução penal PONTO 3: Aplicação da LEP PONTO 4: Finalidades da Pena PONTO 5: Princípios da LEP PONTO 6: Competência do juiz da execução

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA São Paulo fls. 1 Registro: 2013.0000071982 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Habeas Corpus nº 0243217-95.2012.8.26.0000, da Comarca de São José dos Campos, em que

Leia mais

PARECER. Instituto dos Advogados Brasileiros (lab)

PARECER. Instituto dos Advogados Brasileiros (lab) PARECER Instituto dos Advogados Brasileiros (lab) Ref. Indicação n", 002/2012 Autor: Dr. Femando Fragoso (Presidente) Matéria: Instituição de recolhimento domiciliar, extinção do regime de albergamento,

Leia mais

Assessor de Estabelecimento Penal DAS-5

Assessor de Estabelecimento Penal DAS-5 DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS Concurso Público Edital n 006/2011 Prova Objetiva 28/08/2011 Anos Assessor de Estabelecimento Penal

Leia mais

Direito Penal. Causas de Extinc a o da Punibilidade. Professor Adriano Kot.

Direito Penal. Causas de Extinc a o da Punibilidade.  Professor Adriano Kot. Direito Penal Causas de Extinc a o da Punibilidade Professor Adriano Kot www.acasadoconcurseiro.com.br www.estudaquepassa.com.br DIREITO PENAL CAUSAS DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE ROL CAUSAS DE EXTINÇÃO

Leia mais

AP A L P I L CA C Ç A Ã Ç O Ã O DA D A LE L I E P E P N E A N L A Art. 1º ao 12 do CP

AP A L P I L CA C Ç A Ã Ç O Ã O DA D A LE L I E P E P N E A N L A Art. 1º ao 12 do CP APLICAÇÃO DA LEI PENAL Art. 1º ao 12 do CP LEI PENAL NO TEMPO Princípio da Legalidade ou Reserva Legal Art. 5º, inciso XXXIX da CR/88: XXXIX - não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia

Leia mais

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO TRABALHO VOLTA AO CRIME CARTILHA DO REEDUCANDO CARTILHA DO REEDUCANDO ÍNDICE Introdução...5 Deveres...6 Direitos...7 Disciplina...10 Sanções...11 Formulário para Habeas Corpus...12 Petição Simplificada...13

Leia mais

TEMA: Aumento das Penas e Crime Hediondo para Corrupção de Altos Valores (arts. 5º, 3º e 7º do PL) MEDIDA 3 (Versão 05/11/16 às 10:40)

TEMA: Aumento das Penas e Crime Hediondo para Corrupção de Altos Valores (arts. 5º, 3º e 7º do PL) MEDIDA 3 (Versão 05/11/16 às 10:40) CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSULTORIA LEGISLATIVA ÁREA XXII - DIREITO PENAL, PROCESSUAL PENAL E PROCEDIMENTOS INVESTIGATÓRIOS PARLAMENTARES COMISSÃO ESPECIAL PL 4.850/16 10 MEDIDAS CONTRA A CORRUPÇÃO MEDIDA

Leia mais

SUMÁRIO I TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL

SUMÁRIO I TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL SUMÁRIO I TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL CAPÍTULO 1 DIREITO PENAL: NOÇÕES INTRODUTÓRIAS PARTE 1 Noções introdutórias 1 PARTE 2 Noções introdutórias 2 PARTE 3 Noções introdutórias 3 CAPÍTULO 2 PRINCÍPIOS

Leia mais

Lei das Execuções Penais

Lei das Execuções Penais Lei das Execuções Penais LEI Nº 7.210, DE 11 DE JULHO DE 1984. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I Do Objeto e da Aplicação da

Leia mais

Capítulo 1 Noções Preliminares... 1 Capítulo 2 Aplicação da Lei Penal... 29

Capítulo 1 Noções Preliminares... 1 Capítulo 2 Aplicação da Lei Penal... 29 Sumário Capítulo 1 Noções Preliminares... 1 1. Introdução... 1 2. Princípios... 4 2.1. Princípio da legalidade... 5 2.2. Princípio da anterioridade da lei penal... 5 2.3. Princípio da irretroatividade

Leia mais

"É possível julgar o grau de civilização de uma sociedade visitando suas prisões" Dostoievski, em Crime e Castigo

É possível julgar o grau de civilização de uma sociedade visitando suas prisões Dostoievski, em Crime e Castigo "É possível julgar o grau de civilização de uma sociedade visitando suas prisões" Dostoievski, em Crime e Castigo Direito - Execução Penal Penas 1) Qual a função da pena? A pena tem um caráter de retribuição

Leia mais

Lei de Execução Penal. Emerson Castelo Branco

Lei de Execução Penal. Emerson Castelo Branco Lei de Execução Penal Emerson Castelo Branco Lei das Execuções Penais LEI Nº 7.210, DE 11 DE JULHO DE 1984. TÍTULO I Do Objeto e da Aplicação da Lei de Execução Penal Art. 1º A execução penal tem por objetivo

Leia mais

LIBERDADE PROVISÓRIA SEM A NECESSIDADE DE RECOLHIMENTO DE FIANÇA

LIBERDADE PROVISÓRIA SEM A NECESSIDADE DE RECOLHIMENTO DE FIANÇA LIBERDADE PROVISÓRIA Instituto processual que garante ao acusado o direito de aguardar em liberdade o transcorrer do processo até o trânsito em julgado, vinculado ou não a certas obrigações, podendo ser

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO HABEAS CORPUS N /MT

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO HABEAS CORPUS N /MT PODER JUDICIÁRIO Processo na Origem: 11209320084013602 RELATOR(A) : DESEMBARGADOR FEDERAL MÁRIO CÉSAR RIBEIRO IMPETRANTE : ELSON REZENDE DE OLIVEIRA IMPETRADO : JUIZO FEDERAL DA SUBSECAO JUDICIARIA DE

Leia mais

Pensão por Morte. Prof. Danilo Ripoli

Pensão por Morte. Prof. Danilo Ripoli Pensão por Morte Prof. Danilo Ripoli Definição: A pensão por morte é o benefício da previdência social devido aos dependentes do segurado em função da morte deste. Será devido ao conjunto de dependentes

Leia mais

Noções de Direito Penal e Processual Penal A1-AT544 19/2/2013

Noções de Direito Penal e Processual Penal A1-AT544 19/2/2013 Noções de Direito Penal e Processual Penal A1-AT544 19/2/2013 2013 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos pela Lei nº 9.610, de 19/2/1998. Proibida a reprodução

Leia mais

Agravante: MINISTÉRIO PÚBLICO Agravado: FLÁVIO RODRIGUES SILVA Relator: DES. ANTONIO JOSÉ FERREIRA CARVALHO

Agravante: MINISTÉRIO PÚBLICO Agravado: FLÁVIO RODRIGUES SILVA Relator: DES. ANTONIO JOSÉ FERREIRA CARVALHO TRIBUNAL DE JUSTIÇA 2ª CÂMARA CRIMINAL Agravante: MINISTÉRIO PÚBLICO Agravado: FLÁVIO RODRIGUES SILVA Relator: DES. ANTONIO JOSÉ FERREIRA CARVALHO EMENTA: AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL IRRESIGNAÇÃO DO PARQUET

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2014/01 DISCIPLINA: DIREITO PENAL II PROFESSOR: CARLOS EDUARDO RIBEIRO LEMOS TURMA: 4º EM / FN

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Direito Penal II Código da Disciplina: JUR 213 Curso: Direito Faculdade responsável: Direito Programa em vigência a partir de: Número de créditos: 04 Carga Horária total:

Leia mais

A Lei /12 que deu nova redação ao art. 387, do Código de Processo Penal, criando o 2º, que diz:

A Lei /12 que deu nova redação ao art. 387, do Código de Processo Penal, criando o 2º, que diz: Breves apontamentos sobre a alteração trazida pela Lei 12.736/12, que obriga a levar em consideração o tempo de prisão cautelar para a fixação do regime inicial de cumprimento de pena: A Lei 12.736/12

Leia mais

ESQUEMA II Professor Raphael (Rá)

ESQUEMA II Professor Raphael (Rá) ESQUEMA II Professor Raphael (Rá) 1 Progressão de Regime Em regra, o condenado tem direito a passar do regime inicial para um regime mais brando após o cumprimento de 1/6 da pena, desde que o seu mérito

Leia mais

SIMULADO DE DIREITO ADMINISTRATIVO

SIMULADO DE DIREITO ADMINISTRATIVO SIMULADO DE DIREITO ADMINISTRATIVO 1) João da Silva foi aprovado no último concurso para Auxiliar Judiciário do TRE, em janeiro de 2002. Sabendo-se que seu cargo foi extinto em setembro de 2003, podemos

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BASEADO NO ÚLTIMO EDITAL

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BASEADO NO ÚLTIMO EDITAL ROTEIRO DE AULAS DE DIREITO PENAL (DIAS 05/07 e 09/07/11) Professora- Márcia Margarete (mmargarete2009@gmail.com) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BASEADO NO ÚLTIMO EDITAL 5 Das penas: espécies; cominação; aplicação;

Leia mais

<<Direito Previdenciário>> - <<INSS>> Professor: Melissa Folmann Aulas: 11-13

<<Direito Previdenciário>> - <<INSS>> Professor: Melissa Folmann Aulas: 11-13 Aulas 11 13 - Professor: Melissa Folmann Aulas: 11-13 Prof > wwwaprovaconcursoscombr Página 1 de 15 Aulas 11 13 4 Benefícios previdenciários dos dependentes

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO CURSO DE DIREITO ROBERTO FREIRE CURSO DE DIREITO FLORIANO PEIXOTO

ESCOLA DE DIREITO CURSO DE DIREITO ROBERTO FREIRE CURSO DE DIREITO FLORIANO PEIXOTO 3ª. Série 06 09 21 22 25 38 CONHECIMENTOS GERAIS DIR. ADMINISTRATIVO DIR. PENAL DIR. PENAL DIR. PENAL DIR. (conteúdo cumulado) A questão trata da temática do Êxodo, decorrente de infortúnios provisórios,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.440.324 - GO (2014/0044892-1) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS : LEANDRO ROSA PENA : LUIZ FERNANDO

Leia mais

ANEXO 1 A - Fluxograma do Processo de Execução

ANEXO 1 A - Fluxograma do Processo de Execução ANEXO 1 A - Fluxograma do Processo de Execução Página 1 de 19 ANEXO 1 B Fluxograma do Incidente de Ofício Página 2 de 19 ANEXO 1 C Fluxograma do Incidente por Iniciativa da Defesa Página 3 de 19 ANEXO

Leia mais

SIMULADO RESPONSABILIDADE SERVIDOR PROFESSOR IVAN LUCAS

SIMULADO RESPONSABILIDADE SERVIDOR PROFESSOR IVAN LUCAS SIMULADO RESPONSABILIDADE SERVIDOR PROFESSOR IVAN LUCAS 1. (CESPE- 2016- DPU- Agente Administrativo) Caso o servidor público tenha causado danos ao poder público, a obrigação de reparar tais danos estende-se

Leia mais

Prof. Luis Fernando Alves

Prof. Luis Fernando Alves 1 Prof. Luis Fernando Alves www.professorluisfernando.jur.adv.br 2 PARTE I - TEORIA 1º PASSO - COMPREENDENDO O PROBLEMA 1. DICAS INICIAIS 3 Compreensão do problema: é a partir dos dados nele contidos que

Leia mais

PENAS PRINCIPAIS E ACESSÓRIAS

PENAS PRINCIPAIS E ACESSÓRIAS DIREITO PENAL MILITAR Prof. Rogério PENAS PRINCIPAIS E ACESSÓRIAS PENAS PRINCIPAIS (art. 55) QUADRO ESQUEMÁTICO PENAS ACESSÓRIAS (art. 98) Morte Perda do posto e da patente Multa PENAS PREVISTAS CPM NÃO

Leia mais

PONTO 1: Prisão 1. PRISÃO. Quanto às espécies de prisão, podemos falar em:

PONTO 1: Prisão 1. PRISÃO. Quanto às espécies de prisão, podemos falar em: 1 DIREITO PROCESSUAL PENAL PONTO 1: Prisão 1. PRISÃO Segundo o art. 5º, LXI, da CF/88, é possível a prisão mediante flagrante delito ou ordem escrita e fundamentada da autoridade competente, salvo transgressão

Leia mais

1

1 TRF 2ª Região Analista Judiciário Área Judiciária (01/ julho/ 2007) 42. Réu não reincidente condenado à pena de 05 anos e 04 meses por crime de moeda falsa poderá cumpri la desde o início em (A) regime

Leia mais

EXERCÍCIOS. I - anistia, graça e indulto; II - fiança.

EXERCÍCIOS. I - anistia, graça e indulto; II - fiança. Legislação Especial Wallace França EXERCÍCIOS Lei dos Crimes hediondos Art. 1 o São considerados hediondos os seguintes crimes, todos tipificados no Decreto-Lei n o 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código

Leia mais

26/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II

26/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II II 5ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 II Acessem!!!!!! www.rubenscorreiajr.blogspot.com 2 1 RASCUNHAO DO PROFESSOR RUBENS 2 Lei 9.099 de setembro de 1995; Todas as contravenções penais; Os crimes

Leia mais

: MIN. MARCO AURÉLIO DECISÃO

: MIN. MARCO AURÉLIO DECISÃO ARGÜIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL 321 DISTRITO FEDERAL RELATOR REQTE.(S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) INTDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. MARCO AURÉLIO :PARTIDO DOS TRABALHADORES

Leia mais

PONTO 1: Distinção entre Concessão e Permissão PONTO 2: Formas de Extinção da Concessão e Permissão 1. DISTINÇÃO ENTRE CONCESSÃO E PERMISSÃO

PONTO 1: Distinção entre Concessão e Permissão PONTO 2: Formas de Extinção da Concessão e Permissão 1. DISTINÇÃO ENTRE CONCESSÃO E PERMISSÃO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Distinção entre Concessão e Permissão PONTO 2: Formas de Extinção da Concessão e Permissão 1. DISTINÇÃO ENTRE CONCESSÃO E PERMISSÃO 1.1 CONCESSÃO A concessão é um contrato

Leia mais

Jurisprudência em Teses - Nº 45 LEI DE DROGAS

Jurisprudência em Teses - Nº 45 LEI DE DROGAS Edição n. 45 Brasília, 11 de novembro de 2015 As teses aqui resumidas foram elaboradas pela Secretaria de Jurisprudência, mediante exaustiva pesquisa na base de jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

PONTO 1: Procedimentos

PONTO 1: Procedimentos 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Procedimentos PROCEDIMENTOS Procedimento/rito é a forma pela qual se desenvolve o processo. Indicações bibliográficas: Nucci e Avena, ambos edição de 2009. Art. 394 do CPP. Hoje,

Leia mais

PRINCIPAIS PEÇAS PENAIS

PRINCIPAIS PEÇAS PENAIS PRINCIPAIS PEÇAS PENAIS QUEIXA CRIME CABIMENTO FUNDAMENTO LEGAL ENDEREÇAMENTO PRAZO PEDIDOS AÇÃO PENAL PRIVADA AÇÃO PENAL PRIVADA SUBSIDIÁRIA DA PÚBLICA ART. 30 E 41, CPP SÓ PODE SER OFERECIDA A UM JUIZ

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Crimes hediondos anteriores à Lei 11.464/2007: progressão de regime após cumprimento de um sexto da pena - parte I Luiz Flávio Gomes * No nosso livro Direito penal-pg, v. 2 (L.F.

Leia mais

COMISSÃO ESPECIALIZADA EM EXECUÇÃO PENAL DO COLÉGIO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS GERAIS CEEP-CONDEGE

COMISSÃO ESPECIALIZADA EM EXECUÇÃO PENAL DO COLÉGIO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS GERAIS CEEP-CONDEGE COMISSÃO ESPECIALIZADA EM EXECUÇÃO PENAL DO COLÉGIO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS GERAIS CEEP-CONDEGE NOTA TÉCNICA 12 ASSUNTO: Direito a fruição de saídas temporárias por presos condenados em regime

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.242/2016 DE 15 DE JUNHO DE 2016

LEI MUNICIPAL Nº 2.242/2016 DE 15 DE JUNHO DE 2016 LEI MUNICIPAL Nº 2.242/2016 DE 15 DE JUNHO DE 2016 Altera a Lei Municipal n. 1.554, de 04 de julho de 2005 que Reestrutura o Regime Próprio de Previdência Social do Município de Barra do Bugres/MT e, dá

Leia mais

Legislação Penal Especial Lei de Tortura Liana Ximenes

Legislação Penal Especial Lei de Tortura Liana Ximenes Lei de Tortura Liana Ximenes 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Lei de Tortura -A Lei não define o que é Tortura, mas explicita o que constitui tortura. -Equiparação

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Paulo César Silva, Prefeito Municipal, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Paulo César Silva, Prefeito Municipal, sanciono e promulgo a seguinte lei: Institui o Programa Temporário de Pagamento Incentivado de Débitos para com a Fazenda Pública do Município de Poços de Caldas- POÇOS EM DIA II e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Parte Geral ALEXANDRE ARARIPE MARINHO ANDRÉ GUILHERME TAVARES DE FREITAS. 3. a edição revista, atualizada e ampliada STJ

Parte Geral ALEXANDRE ARARIPE MARINHO ANDRÉ GUILHERME TAVARES DE FREITAS. 3. a edição revista, atualizada e ampliada STJ ALEXANDRE ARARIPE MARINHO ANDRÉ GUILHERME TAVARES DE FREITAS I Parte Geral 3. a edição revista, atualizada e ampliada THOMSON REUTERS REVISTADOS TRIBUNAIS'" MANUAL DE DIREITO PENAL PARTE GERAL 3. a edição

Leia mais

Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar

Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº 593/X Alteração ao Código Penal Exposição de motivos 1- Através do presente projecto de lei, o CDS/PP pretende alterar alguns aspectos respeitantes

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa

Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 6) DAS PENALIDADES:

Leia mais

É o recurso cabível das decisões proferidas pelo Juiz no processo de execução que prejudique direito das partes envolvidas no processo.

É o recurso cabível das decisões proferidas pelo Juiz no processo de execução que prejudique direito das partes envolvidas no processo. AGRAVO EM EXECUÇÃO É o recurso cabível das decisões proferidas pelo Juiz no processo de execução que prejudique direito das partes envolvidas no processo. Uma vez que a Lei de Execução Penal não faz nenhuma

Leia mais

SUMÁRIO DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL

SUMÁRIO DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL SUMÁRIO DIREITO ADMINISTRATIVO 1. Administração pública e terceiro setor... 15 2. Administração direta e indireta... 31 3. Regulação, concessões e parcerias... 53 4. Intervenção do estado na propriedade...

Leia mais

EMENTA EXECUÇÃO PENAL

EMENTA EXECUÇÃO PENAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO DE JANEIRO 1ª CÂMARA CRIMINAL AGRAVO DE EXECUÇÃO PENAL nº. 0006220-24.2014.8.19.0000 AGRAVANTE: MINISTÉIRO PÚBLICO AGRAVADO: PETERSON VIEIRA GURGEL RELATOR: DESEMBARGADOR MARCUS

Leia mais

DECRETO N.º DE 15 DE MAIO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas disposições legais, e

DECRETO N.º DE 15 DE MAIO DE O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas disposições legais, e DECRETO N.º 35610 DE 15 DE MAIO DE 2012 Institui o regime FICHA LIMPA como requisito para o ingresso em cargo ou emprego público no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Município do Rio

Leia mais

A INDIVIDUALIZAÇÃO DA PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE NA EXECUÇÃO PENAL

A INDIVIDUALIZAÇÃO DA PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE NA EXECUÇÃO PENAL A INDIVIDUALIZAÇÃO DA PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE NA EXECUÇÃO PENAL Bruna Fernandes PINATTO 1 Marcos Vinícius Veltrim AQUOTTI 2 RESUMO: a aplicação da pena privativa de liberdade visa à reeducação do condenado

Leia mais

TEORIA GERAL DA PENA PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

TEORIA GERAL DA PENA PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES TEORIA GERAL DA PENA PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 - Conceito de Pena: Uma das espécies de sanção penal, ao lado da medida de segurança. É a resposta estatal consistente na privação ou restrição de um

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 3.392, DE 2012 Altera a Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984, para permitir que empresas e instituições não governamentais

Leia mais

Segue quadro comparativo sobre as alterações trazidas pela MP nº 664/2014, no tocante à pensão deixada pelo servidor público federal Lei 8.

Segue quadro comparativo sobre as alterações trazidas pela MP nº 664/2014, no tocante à pensão deixada pelo servidor público federal Lei 8. Segue quadro comparativo sobre as alterações trazidas pela MP nº 664/2014, no tocante à pensão deixada pelo servidor público federal Lei 8.112/90: Lei nº 8.112/90 redação anterior à Medida Provisória nº

Leia mais

: MIN. MARCO AURÉLIO JANEIRO RIO DE JANEIRO DECISÃO. 1. O assessor Dr. Vinicius de Andrade Prado prestou as seguintes informações:

: MIN. MARCO AURÉLIO JANEIRO RIO DE JANEIRO DECISÃO. 1. O assessor Dr. Vinicius de Andrade Prado prestou as seguintes informações: MEDIDA CAUTELAR NA RECLAMAÇÃO 18.845 RIO DE JANEIRO RELATOR RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. MARCO AURÉLIO :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

DO RIO DE JANEIRO 2ª CÂMARA CRIMINAL

DO RIO DE JANEIRO 2ª CÂMARA CRIMINAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO DE JANEIRO 2ª CÂMARA CRIMINAL AGRAVO Nº 0040224-87.2014.8.19.0000 AGRAVANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO AGRAVADO: MAURO MONTELLO VIANA OUTRO NOME: MAURO MONTELLO VIANNA RELATORA: DES.

Leia mais

Errado, pois não abrange o menor infrator.

Errado, pois não abrange o menor infrator. Exercícios LEP 1. (SEJUS-ES/09) O objetivo da execução penal é efetivar as disposições de decisão criminal condenatória, ainda que não definitiva, de forma a proporcionar condições para a integração social

Leia mais