GLOBALIZAÇÃO, CULTURA E ENSINO DE LÍNGUAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GLOBALIZAÇÃO, CULTURA E ENSINO DE LÍNGUAS"

Transcrição

1 1 GLOBALIZAÇÃO, CULTURA E ENSINO DE LÍNGUAS Carlos Alberto Gonçalves PAVAN Luciano Alan OGER Universidade Estadual Paulista - UNESP ABSTRACT Many researches have surrounded cultural aspects in language teaching, what evidences an increasing preoccupation on linguistic education in Brazil and other countries. This leads to a clearer understanding of globalization phenomena as well as more effective knowledge of Brazilian scenery. Thus, this study may provide an overview of these topics. Key words: globalization, language teaching, culture. Introdução Muitos estudos (LIMA, 2009; SIQUEIRA, 2008; KUMARAVADIVELU, 2008, 2006a, 2006b; MORAN, 2001) têm abordado a questão cultural no ensino de línguas, e isso denota uma crescente preocupação em relação à educação lingüística tanto no Brasil quanto no exterior. Notoriamente, a maioria, senão todas as nações vivenciam esse rápido e constante processo de globalização que, gradualmente, estabelece e fortalece as conexões entre seus respectivos povos, promovendo a interdependência entre as respectivas culturas e sociedades. Devido à globalização e modernização de diversos meios de comunicação como o Rádio, a TV Digital, a Internet 3G, os Celulares, o VOIP, dentre outros, faz-se necessário que todos os cidadãos sejam crianças, adolescentes, adultos ou idosos tenham conhecimento em uma segunda língua (L2) ou em uma língua estrangeira (LE). O nível de conhecimento de tal língua pode variar de acordo com os objetivos e propósitos destes cidadãos, como por exemplo, manusear equipamentos, comunicar-se com indivíduos de outros países ou simplesmente obter crescimento na sua área profissional e pessoal. Tal fato também é evidenciado por Moita Lopes (2005 apud Rocha, 2007:72) ao afirmar que em meio às mudanças sócio-econômicas, os avanços tecnológicos fizeram mais presente o multiculturalismo que constitui o mundo, tornando visões monoculturais insustentáveis em nossa sociedade atual. Lamentavelmente, em se tratando de acesso à tecnologia, o cenário brasileiro não é o mesmo para todas as classes sociais.

2 Neste contexto, diante de um mundo marcado por desigualdades entre as várias sociedades e camadas sociais, é que a educação lingüística busca se equilibrar, na tentativa de estabilizar esse mundo plural de uma forma multicultural, e tentando atingir todos os povos, independentemente de suas classes sociais. Assim, este artigo está organizado em quatro partes. Na primeira, examinaremos e dissertaremos sobre o cenário atual da globalização mundial. Logo após, discorreremos sobre o papel da Língua Inglesa (LI) e o seu ensino no cenário atual, de uma maneira geral. Na terceira etapa, abordaremos o ensino de LI no contexto brasileiro e o caráter multicultural desempenhado pela LI. Em seguida, teceremos nossas considerações finais. A globalização Holisticamente, o processo de globalização se faz tão veloz quanto um feixe de luz contido em uma minúscula fibra óptica que atravessa por debaixo dos oceanos milhões de gigabytes de informações em milésimos de segundos acelerando, assim, ainda mais as conexões virtuais entre os continentes, conectando diferentes culturas e sociedades e gerando, gradativamente, uma interdependência entre as nações, seus falares, suas línguas e seus povos. Diante desta sociedade marcada pelas profundas desigualdades sociais e forças opressoras, em num movimento centrípeto (BAKHTIN, 1981 apud ROCHA, 2007:72), convergente e divergente ao mesmo tempo, busca-se equilibrar e a estabilizar sociedades singulares em um mundo verdadeiramente plural. Assim, partindo-se do pressuposto de que é na e pela linguagem, em movimentos centrífugos, que essas diferenças são mantidas, reforçadas ou refutadas (ROCHA, 2007:72), a língua(gem) passa a ser vista como um instrumento de comunicação e poder (ROCHA, 2007:72). Nessa perspectiva, torna-se impraticável abordar o inglês sem refletir sobre o papel hegemônico que ele assume na sociedade contemporânea, devido à soberania das grandes potências mundiais. A globalização, que atinge os diversos povos e nações, tem sido profundamente analisada por diversos estudiosos (RITZER, 1993; GIDDENS, 2000; ROBERTSON, 2003 apud KUMARAVADIVELU, 2006a, dentre outros), que a retrataram de acordo com seus pensamentos e valores. A seguir, esboçaremos resumidamente as análises mais marcantes difundidas pelos estudiosos, segundo a visão de cada um dos autores que compõem nosso aporte teórico. 2

3 3 O cenário atual da globalização Corroboramos com a visão do sociólogo norte-americano Steger (2003:13), também corroborado por Kumaravadivelu (2006a), quando define globalização como sendo: uma série multidimensional de processos sociais que criam, multiplicam, alargam e intensificam interdependências e trocas sociais no nível mundial, ao passo que, ao mesmo tempo, desenvolve nas pessoas uma consciência crescente das conexões profundas entre o local e o distante. (STEGER, 2003:13) Não pretendemos, necessariamente, afirmar que a definição acima seja única, irrefutável ou irretratável; contudo, nosso objetivo inicial é tomar um ponto de partida para podermos, mais tarde, contemplar outras definições que porventura aparecerem. Segundo Kumaravadivelu (2006b:4), enquanto Steger postula que a globalização é tão antiga quanto a humanidade, o historiador Robbie Robertson detalha-nos três ondas (fases) da globalização; todas, segundo ele, ocorridas nos últimos quinhentos anos, como mostrado abaixo: ROBERTSON (2003) Três ondas da Globalização (em aproximadamente 500 anos) 1. Espanha e Portugal exploram comércio regional. 2. Industrialização da Inglaterra 3. Pós-Guerra liderado pelo EUA...após 1945, uma nova era de cooperação/disputa internacional. EUA versus URSS, dividem o mundo em duas partes, capitalismo e comunismo. O desenvolvimento e modernização (imperialismo dos EUA), Ocidentalização Tabela 1: As fases da Globalização segundo Robertson (2003). Para Robertson (2003 apud KUMARAVADIVELU, 2006b), a terceira onda da globalização foi marcada pela disputa entre as duas grandes potências EUA e URSS que buscavam o desenvolvimento político e econômico, ao mesmo tempo em que os países colonizados da África e Ásia, tornavam-se independentes.

4 Coadunando com Robertson, Kumaravadivelu (2006b) nos relata que logo após o término da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos criaram o FMI (Fundo Monetário Internacional), o Banco Mundial (World Bank) e a OMC (Organização Mundial do Comércio), com o objetivo de incentivar o livre comércio americano, a busca pela segurança econômica, e a promoção de seu estilo de vida (American style), acelerando assim o colapso das URSS na década de 80. Nessa mesma perspectiva, a fase atual da globalização se nos mostra diferente dos períodos anteriores em sua intensidade, graças às novas tecnologias e ao advento da internet, que adquiriu seu papel de fonte propulsora para o encurtamento das distâncias entre as nações e suas fronteiras. Com a Internet, diversas nações tiveram seu crescimento econômico acelerado, e houve uma rápida mudança cultural em seus respectivos territórios, ao mesmo tempo em que, em outras, a estagnação pode ser observada. De acordo com Kumaravadivelu (2006a:131), na fase atual, as vidas econômicas e culturais das pessoas do mundo todo estão mais intensa e imediatamente interligadas, de um modo que nunca ocorreu antes, isto é, as fronteiras nacionais estão se dissolvendo e se fortalecendo concomitantemente, através de um movimento, dialógico e sincrônico, que fortalece as culturas locais ao mesmo tempo em que promove os movimentos pluriculturais e/ou multiculturais. Além da Internet, outra ferramenta que colaborou para uma rápida interconexão entre tais povos, suas culturas, economias, etc, foi a LI como a principal língua utilizada nos meios de comunicação agrupados pela Internet. A globalização cultural tornou-se um tema recorrente e também o palco de importantes discussões entre os estudiosos da área da LA, bem como entre estudiosos de outras áreas como a antropologia e a sociologia, dentre outras. Destacam-se os estudos da área da sociologia, que apontaram três escolas de pensamento, sendo que a primeira postula sobre a homogeneização cultural caracterizada pelo consumismo baseado na cultura americana pré-moldada, destacando com principais pensadores, Ritzer, Fukuyama e Barber. Na segunda escola, destacam-se Giddens, Huntigton e Tomlinsom, que defendem o fortalecimento da cultura e da religião locais através da heterogeneização cultural. A terceira escola, composta pelos pensadores Appadurai e Robertson, dentre outros, que afirmam que há uma tensão caótica entre o local e o global, resultando no fenômeno conhecido como glocalização (KUMARAVADIVELU, 2006a:134). No tocante à disseminação da cultura norte-americana, alguns críticos e estudiosos apontam que a homogeneização cultural está 4

5 intimamente representada pelo consumismo norte-americano espalhado pelo globo. Tal fato fica evidente nas palavras de Kumaravadivelu (2006a, 2006b), que relata que a rede americana de fast-food McDonald s, serve comida kosher em Israel, comida halal em países islâmicos e comida vegetariana na Índia. Para exemplificarmos melhor, a empresa McDonald s está presente em 118 países espalhados por cinco continentes, e gera 1,6 milhões de empregos. Diariamente, cerca de 48 milhões de pessoas fazem suas refeições em algum restaurante desta rede. Preocupado com os rumos desta globalização desenfreada e desgovernada 1, Robertson (2003 apud KUMARAVADIVELU, 2006a) relata sua preocupação sobre a busca por identidades globais e locais, e sugere a criação de estratégias efetivas que deem conta do desafio da globalização cultural, ele estimula os educadores a buscarem todas as alternativas possíveis para preparar nossas disciplinas acadêmicas, assim como nossos alunos, a enfrentarem o mundo globalizado. (KUMARAVADIVELU, 2006a: ) Assim, alguns autores advogam que existem grandes interesses comerciais na indústria do ensino global da LI, uma vez que é considerada a língua comercial global. Neste sentido, temos que nos precaver com o monopólio cultural pretendido pelos países falantes de LI, que ainda buscam evidenciar traços do colonialismo, promovendo os produtos expostos em LI, em detrimento de outros produtos, de igual valor, trazidos ao mundo em outras línguas, como o controle de tráfego aéreo, regulamentos de segurança, livros, revistas, filmes, meios de comunicação de massa, pesquisas científicas e a Internet. Dentro do universo da Lingüística Aplicada (LA), relacionamos a colonialidade da língua inglesa à sua história, que está intimamente ligada e representada em quatro dimensões 2 que se interconectam acadêmica, lingüística, cultural e econômica (KUMARAVADIVELU, 2006b:12); e que ajudam a melhorar as condições de saúde e emprego nos países falantes de LI. Desta forma, a fase atual da globalização, aliada a entidades transnacionais e regimes dominantes, afeta a vida econômica, social e cultural de muitas pessoas em diversos países. A LI no cenário internacional Geopolítica pode ser definida, segundo Le Breton (2005:12) como a análise das rivalidades de poder sobre um determinado território. Segundo Lacoste (2005), a difusão de uma LE em determinados territórios em detrimento das línguas nativas exibe essa rivalidade de 5

6 poderes nesses territórios. Assim, podemos afirmar, corroborando com Le Breton (2005:12), que as línguas são o reflexo das relações de força. Outra característica desta batalha pelo poder se reflete na imposição de línguas nacionais em detrimento dos dialetos locais, que são, hoje, intitulados como línguas regionais. Tal fato também está evidenciado pela história e relacionado aos três períodos que Robertson chamou de as três ondas da globalização, que se iniciou pelas conquistas territoriais portuguesas e espanholas, como abordado anteriormente. Hoje, não mais existe a necessidade da conquista de um território para exercer sua dominação econômica e cultural (LACOSTE, 2005:7-8). A imposição de valores culturais pelas superpotências é uma configuração característica desta nova forma de colonização. Neste sentido, Siqueira (2008) aborda a crescente e emergente difusão do inglês em potências econômicas como o Japão e a China. O autor exemplifica que, de acordo com Yajun, os chineses estão abraçando o inglês com tanto entusiasmo que a sua internacionalização está transformando o chinês num dialeto (YAJUN, 2003 apud SIQUEIRA, 2008:174). Além disso, dados da União Européia mostram que 4% da população chinesa já é fluente em inglês, e não para de crescer o número de novas escolas de inglês por todo o país (VEJA, 2005:61). O interessante é que no Japão a língua inglesa faz parte do currículo oficial em todos os segmentos educacionais e o crescimento de escolas privadas acontece em ritmo acelerado. Vale salientar que, neste sentido, alguns pesquisadores ocidentais difundem e promovem o conhecimento ocidental em detrimento dos conhecimentos locais, ou ainda ao desprestígio de tais conhecimentos, visando apenas, e de forma inescrupulosa, a promoção de seus interesses (KUMARAVADIVELU, 2006a). Ainda segundo o autor, as dimensões coloniais do inglês se acentuam por causa de sua ameaça às identidades lingüísticas e culturais (KUMARAVADIVELU, 2006a:144). Segundo Rajagopalan (2005), ainda hoje, no início do terceiro milênio, há muitas políticas vexatórias e excludentes, principalmente em se tratando da cultura de países periféricos do chamado terceiro mundo (RAJAGOPALAN, 2005:136), quanto à (des)valorização dos trabalhos produzidos em suas línguas nativas por parte de revistas científicas publicadas, na sua maioria, em LI. Há ainda que se considerar o preconceito lingüístico presente quando da contratação de professores nativos e não nativos. Os vencimentos de falantes nativos sempre foram superiores ao dos não-nativos. Mas, segundo Le Breton (2005:12) não existe nenhum precedente verdadeiro do êxito da LI, da forma que podemos observar nos dias de hoje. 6

7 Devido a sua propagação pelo mundo como a língua da globalização e da União Européia (Lacoste, 2005:8) e do comércio internacional; e, principalmente, devido a sua associação com a economia mundial, a LI adquiriu o status de língua franca (CRYSTAL, 1997 apud KUMARAVADIVELU, 2006b:13). Ainda segundo Crystal, uma língua atinge o status global genuinamente, quando atinge um papel especial que é reconhecido por todos os países. Siqueira (2008:169), baseando-se em Leffa (2002), postula que para que uma língua seja considerada de alcance internacional precisa preencher três critérios básicos: [1] a língua deve ser desprovida de falantes-nativos, isto é, todas as pessoas devem falá-la como língua estrangeira; [2] essa língua não deve estar atrelada a nenhuma cultura dominante; e, finalmente, [3] deveria ser usada somente para fins específicos, ou seja, não deveria nunca competir com os propósitos para os quais se usa uma língua nativa, por exemplo. Assim, na visão de muitas pessoas e guardadas as divergências naturais, é exatamente nesse sentido que a LI, hoje, assume o papel de língua mundial dos tempos atuais. Há, entretanto, uma perspectiva de tornar a linguagem apenas um veículo para a afirmação de valores e crenças similares (KUMARAVADIVELU, 2006a:144). Assim, a linguagem se torna um produto global em diferentes sabores locais (Cameron, 2002 apud KUMARAVADIVELU, 2006a:144), quebrando o paradigma do falante nativo e o preconceito do falante não-nativo. Além disso, segundo Rajagopalan (2007) 3, quando uma língua atinge o status de internacional, perde características próprias dos países que a utilizam como língua nativa, transformando-se apenas em um instrumento comunicacional. Luoma (2004:10), citando Leather & James (1996) e Pennington & Richards (1986), postula que há muitas razões sociais e psicológicas que levam o falante não-nativo a não querer ser confundido com um falante nativo. Ainda segundo a autora, um sotaque característico pode fazer parte da identidade deste falante não-nativo, o que lhe proporciona a manutenção de traços culturais característicos. Além disso, segundo Brown & Yule (1983 apud LUOMA, 2004) e Morley (1991 apud LUOMA, 2004), outro aspecto questionável em relação ao padrão nativo é a existência de muitas variantes nativas e, ainda, muitas variantes regionais, tornando muito difícil a escolha de uma única variante como padrão. Decorrente à sua ascensão e consolidação como língua franca nos dias atuais, o inglês, como a língua mais utilizada nas comunicações internacionais, seja qual for o meio de transmissão ou comunicação, necessita de uma nova postura diante às novas práticas pedagógicas e 7

8 estratégias de ensino-aprendizagem, pois ambos, professores e alunos, ainda estão por descobrir novas fronteiras e novos povos que utilizam essa língua mestiça, também de forma não nativa, possibilitando assim novos rumos e olhares para a referência do ensino cultural atrelado fortemente a essa aprendizagem. A fim de exemplificar o poderio da língua inglesa, Graddol (1997 apud Siqueira, 2008:167), afirma que atualmente o inglês é considerado o mais novo ouro negro do mar do Norte, pois devido a sua expansão de maneira exacerbada, sustenta em sua retaguarda uma indústria multibilionária que atua em diversas áreas do globo, com destaque maior para seus principais acionistas, os Estados Unidos e Inglaterra. A LI no cenário brasileiro No contexto nacional, onde o inglês é falado como língua estrangeira, percebe-se uma tímida e crescente preocupação na possível obrigatoriedade de se aprender a falar e/ou escrever essa língua franca, que nos anos 80, levou milhares de brasileiros às escolas de idiomas, movidos, principalmente, pelo mito de que o aprendizado de uma LE, em especial a LI, poderia levá-los ao mercado de trabalho e, conseqüentemente, à ascensão social. Segundo Siqueira (2008, p.174), dados de uma reportagem na Revista VEJA, de 19 de janeiro de 2005, mostrava que éramos cerca de 20 milhões de brasileiros estudando inglês. Essa estimativa aproximava-se de quase 12% do total da população na época. Entretanto, diante desses dados se compararmos os resultados com outros países do chamado expanding circle, podemos concluir que o acesso ao inglês está longe de ser uma democracia verdadeira e libertadora. Voltando-se para um olhar em âmbito macro-econômico, o Brasil e a América Latina são considerados mercados verdadeiramente promissores e cobiçados pela indústria do ensino-aprendizagem do inglês. Pois, mesmo diante da dificuldade em precisarmos o número exato de escolas de inglês existentes, podemos especular que são vários milhares. Também devemos levar em consideração que a língua inglesa, como disciplina escolar, consta nos currículos de todos os níveis escolares, inclusive na sua modalidade instrumental em quase todo o ensino superior. (SIQUEIRA, 2008). Um exemplo do crescente mercado do ensino de inglês é o sistema de franquias de cursos de línguas do país, onde apenas duas das maiores redes são detentoras de mais de franqueados, que englobam subseqüentemente algo em torno de 700 mil alunos. Ainda que, localmente e regionalmente, sabe-se que existem diversas outras franquias que também 8

9 são expressivas e de renome, podendo-se então, emparelhar e somar alguns milhares de alunos para elevar esses números. Preconiza-se também a grande importância do ensino de inglês em escolas públicas, que não prepara o aluno para atuar em negócios específicos, mas o direciona para um objetivo maior que é o impulso motivacional de aprender a língua para seu próprio desenvolvimento. Devido à supremacia e hegemonia que a Língua Inglesa (LI) assume na contemporaneidade, assume também o posto de a língua estrangeira mais falada no território nacional (Pagel, 1992). Ainda, segundo Pagel (1992), embora seja a LE mais ensinada em todo o território brasileiro, as políticas educacionais não a trataram com a consideração que se deveria, atribuindo ao seu ensino um notório desprestígio. Mas, fora da educação regular, os jovens, adolescentes e adultos em geral, precisam e necessitam de falar inglês, mas até que nível então? Atrelado a esse pensamento, Siqueira (2008, p.177) reflete o pensamento de Jiang (2000), metaforizando que a língua é o espelho da cultura, ou se formassem um corpo, a língua seriam os músculos e a cultura seria o sangue. Nesse sentido, para o autor, aprofundar os conhecimentos sobre a cultura ou culturas de língua inglesa parece não fazer parte da agenda nem do interesse da maioria dos alunos que lotam as nossas salas de aulas diariamente. Nem de professores, que seguem com sua prática voltada, no máximo, para o ensino de cultura como um elemento à parte. Assim, diante do exposto termo cultura, evocaremos a próxima etapa deste, no intuito de refletir e refratar alguns olhares sobre a questão da sua definição e sua participação nos diversos cenários da educação. A questão da cultura no ensino de inglês Hall (1961 apud LIMA, 2009), afirma que apesar de tentarem uma definição no século retrasado, permanece ainda um grande enigma sobre o seu significado, e ele mesmo, entende o termo cultura como sendo uma forma de autoconhecimento. Outros estudiosos, como Banks, Banks & McGee (1989 apud LIMA, 2009), nos afirmam que muitos cientistas entendem cultura como algo formado por aspectos simbólicos e intocáveis das sociedades humanas, o que vale dizer que a essência da cultura não são apenas os seus elementos, mas sim, como esses elementos são entendidos e interpretados pelos membros dessa cultura. Ao aprofundar-nos no mérito da interação entre língua e cultura, consideraremos inicialmente que o termo cultura com c minúsculo, nos permite diferenciar do seu oposto, pois engloba a nós a definição de crenças 9

10 e percepções culturais expressas por meio da língua e que interferem na maneira com que as pessoas são aceitas ou não em determinada sociedade (Lima, 2009). Não distante disto, ainda no aspecto da definição de cultura, tomaremos por base igualitariamente que os padrões compartilhados de comportamentos e interações, construtos cognitivos, e compreensão afetiva que são adquiridos por meio de um processo de socialização. Relacionar língua e cultura, afirmar que ambos estão intrinsecamente conectados revela-nos que o sujeito aprendiz (educando), também é constituído pela linguagem, como também o seu educador (professor). Neste contexto, concordamos com Lima (2009:182) que, em contrapartida, no que diz respeito ao ensino da língua atrelada à cultura, há, naturalmente, controvérsias e divergências sobre o assunto no meio lingüístico e no campo do ensino e da aprendizagem de língua estrangeira (Appel & Muysken, 1987; Hyde, 1994; Scovel & Scovel, 1980 apud LIMA, 2009:182). É evidente que a relação entre língua e cultura não é tão fidedigna como parece, pois muitos países baseiam seu ensino de línguas em técnicas gramaticais, de forma arbitraria, deixando de lado o aspecto cultural para não prover uma evolução no sonhado aspecto intercultural. Podemos citar, como exemplo, a China e a Coréia, que em contrapartida ao avanço nos estudos culturais, estafam-se no ensino de língua inglesa basicamente gramatical. Considerações Finais É veemente o crescimento exacerbado e o avanço do campo tecnológico global, haja vista as inúmeras descobertas científicas em muitas áreas distintas; e o que é mais importante, o acesso cada vez mais (ir)restrito destas tecnologias em favor da melhoria da qualidade de vida dos seres humanos ao redor de todo o mundo. A globalização, além de levar o progresso para as regiões mais longínquas do planeta, em tempo real, também minimiza as distâncias e derruba fronteiras tecnológicas. Em contrapartida, essa mesma globalização, na esfera cultural, está dizimando culturas menos favorecidas, impondolhes traços culturais bem distintos dos seus. Ainda na esfera cultural, no ensino e aprendizagem de LE, muitas das línguas e/ou dialetos falados ao redor do mundo estima-se em línguas diferentes ao redor do mundo (RAJAGOPALAN, 2005) estão ameaçadas pela imposição da LI. Ainda segundo o autor (2005:136), muitos estudiosos não-anglófonos tiveram suas pesquisas rejeitadas para publicação simplesmente por não terem sido escritos em inglês digno de um nativo. 10

11 Vale salientar que a LI já se encontra estabelecida como a língua global ou língua-padrão do mundo (Rajagopalan, 2005:135). No contexto brasileiro, concomitantemente com a imposição da LI como a língua comercial e econômica mundial, há certo (des)preparo das entidades educacionais no sentido de (trans)formar o cidadão de modo a subsistir no mundo globalizado. Sob o aspecto cultural, há que se tomarem precauções no sentido de difundir mais a cultura local do que a cultura global. Um exemplo clássico, por exemplo, é que a maioria das crianças brasileiras, em idade escolar, conhece as festas de Halloween, desconhecendo, porém, personagens de nossa riquíssima cultura brasileira, tais como curupira, boi-tatá, Saci- Pererê, dentre inúmeros outros. Assim, se faz necessário que, nas esferas mais altas, comecem a pensar em meios sólidos a fim de considerar e preservar também nossa cultura na sala de aula e, paralelamente, apresentar traços significativos de outras culturas. Referências bibliográficas KUMARAVADIVELU, B. Cultural globalization and language education. Yale: Yale University, A lingüística aplicada na era da globalização. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma lingüística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006a.. Dangerous Liaison: globalization, empire and TESOL. In: Edge, J. (Ed.). (Re)Locating TESOL in an age of empire. New York: Palgrave Macmillan, 2006b. LACOSTE, Y. Por uma abordagem geopolítica da difusão do inglês. In: LACOSTE, Y.; RAJAGOPALAN, K. (org.) A geopolítica do inglês. São Paulo: Parábola Editorial, LE BRETON, J.M. Reflexões anglófilas sobre a geopolítica do inglês. In: LACOSTE, Y.; RAJAGOPALAN, K. (org.) A geopolítica do inglês. São Paulo: Parábola Editorial, LIMA, D. C. O ensino de língua inglesa e a questão cultural. In: LIMA, D. C. (Org.) Ensino e aprendizagem de língua inglesa: conversas com especialistas. São Paulo, Parábola Editorial, LUOMA, S. Assessing Speaking. Cambridge: Cambridge University Press, p. 9-28, MORAN, P. R. Teaching culture Perspectives in practice. Canada: Thomson Heinle,

12 RAJAGOPALAN, K. A geopolítica da língua inglesa e seus reflexos no Brasil. In: LACOSTE, Y.; RAJAGOPALAN, K. (org.) A geopolítica do inglês. São Paulo: Parábola Editorial, ROCHA, C. H. Reflexões e proposições sobre o ensino de LE para crianças no contexto educacional brasileiro. In: ALVAREZ, M. L. O.; SILVA, K. A. (Orgs.) Lingüística Aplicada: Múltiplos Olhares Estudos em homenagem ao Professor Dr. José Carlos Paes de Almeida Filho, Campinas, SP: Pontes, p , SIQUEIRA, S. O ensino de inglês como língua internacional no Brasil e o lugar da cultura. In. Assis-Peterson, A. A. (Org.) Línguas estrangeiras: para além do método, São Carlos, Pedro & João Editores, Steger, M. Globalization: A Very Short Introduction. Oxford: Oxford University Press, O termo de forma desenfreada e desgovernada não se refere a algo ruim ou prejudicial, exaltando, contudo, que a forma com que se deu o fenômeno da globalização excedeu os limites previamente almejados. 2 Para uma visão mais detalhada destas perspectivas, veja: Kumaravadivelu, B. A postmethod perspective on English language teaching, World Englishes, n. 22, , Palestra proferida pelo Professor Dr. Kanavilil Rajagopalan, intitulada O lugar do inglês no mundo globalizado, durante o I Seminário do IADE (Instituto Acadêmico de Desenvolvimento Educacional) O ensino e aprendizagem de línguas no novo milênio, na cidade de Barretos-SP, no dia 01/09/2007.

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL Ferreira, Aparecida de Jesus Unioeste/Cascavel A língua Inglesa sem dúvida é, hoje, a língua mais falada e utilizada no mundo como língua

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Profa. Me. Michele Costa CONVERSAREMOS SOBRE Formação de Professores Continuação do diálogo sobre o professor de educação infantil.

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

Comunidades de prática

Comunidades de prática Comunidades de prática Objetivos (Henrique Bizzarria para o site Ebah) Comunidades de praticas! O que são?! Para que servem?! Porquê falar delas? Comunidades de prática! O termo "comunidade de prática"

Leia mais

scrita ISSN 2177-6288

scrita ISSN 2177-6288 e-scrita scrita ISSN 2177-6288 192 LÍNGUA E CULTURA NO CONTEXTO DE PORTUGUÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SANTOS, Percilia & ALVAREZ, Maria Luisa Ortíz. Língua e Cultura no Contexto de Português Língua Estrangeira.

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO?

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Cristiane Vieira Falcão Maria Glayce Kelly Oliveira

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Introdução às relações internacionais

Introdução às relações internacionais Robert Jackson Georg Sørensen Introdução às relações internacionais Teorias e abordagens Tradução: BÁRBARA DUARTE Revisão técnica: ARTHUR ITUASSU, prof. de relações internacionais na PUC-Rio Rio de Janeiro

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Gráfico 2 Distribuição dos países que apresentaram trabalhos sobre Educação de Professores no Congresso Mundial de Istambul 2010

Gráfico 2 Distribuição dos países que apresentaram trabalhos sobre Educação de Professores no Congresso Mundial de Istambul 2010 Perspectivas críticas na formação e desenvolvimento de professores: trabalhos apresentados no Congresso Mundial das Sociedades de Educação Comparada WCCES Istambul 2010 Marta Luz Sisson de Castro msisson@pucrs.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande jliedja@hotmail.com Introdução A Educação de

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1 CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1 FABRI, Ana Sophia 2 ; RANGEL, Eliane 3 ; BARIN, Nilsa Reichert 4 1 Artigo final produzido no PROBIC- Projeto de bolsisita

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

Pesquisa em ecácia escolar: origem e trajetória

Pesquisa em ecácia escolar: origem e trajetória Pesquisa em ecácia escolar: origem e trajetória Nigel Brooke; José Francisco Soares (Org.). Belo Horizonte, MG: UFMG, 2008, 552 p. Já nas primeiras linhas do livro Pesquisa em eficácia escolar: origem

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UM BREVE ESTUDO

GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UM BREVE ESTUDO GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UM BREVE ESTUDO Analine Bueno Scarcela Cuva Faculdade da Alta Paulista, Tupã/SP e-mail: analine.bueno@gmail.com Pôster Pesquisa Concluída Introdução Toda disciplina

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Dia Nacional da Consciência Negra

Dia Nacional da Consciência Negra Dia Nacional da Consciência Negra Sobre a EBC Criada em 007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil,

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA: UM OLHAR SOBRE SUAS PRÁTICAS DOCENTES

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB 01. RESUMO Karla Rodrigues de Almeida Graduada em Letras pela UFCG e-mail: karlaalmeida.1@hotmail.com Izanete

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO Eva Karolina Pereira Santos Isabela Almeida Valadares Marina Santos Silva Pedro Henrique Branco de Oliveira

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Vitor Cleton Viegas de Lima 1 Cristiane Camargo Aita 2 Daniele Pinto Andres 3 Resumo: este artigo tem por objetivo levantar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Formação de líderes para a gestão e universidades de classe mundial

Formação de líderes para a gestão e universidades de classe mundial Formação de líderes para a gestão e universidades de classe mundial Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010 Philip G. Altbach organizou o livro Leadership for world-class universities. Challenges for

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS. Prof. Walfredo Ferreira

GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS. Prof. Walfredo Ferreira GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Prof. Walfredo Ferreira Estrutura do estudo: (Onde estamos no programa?) O Ambiente dos Negócios Internacionais o Aspectos culturais dos negócios internacionais o Aspectos

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

VII Semana de Relações Internacionais

VII Semana de Relações Internacionais VII Semana de Relações Internacionais Sociologia da Globalização Um olhar local sobre um fenômeno global Introdução A Semana de Relações Internacionais é um evento promovido por estudantes, através do

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS *

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * Joserlene Lima Pinheiro Universidade Estadual do Ceará Marcilia Chagas

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012 EP107 Introdução à Pedagogia Organização do Trabalho Pedagógico Ementa: O objetivo das ciências da educação. O problema da unidade, especificidade e autonomia das ciências da educação. A educação como

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO

TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO Raquel Monteiro Alberto Moraes - Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) Renata Oliveira de Sousa- Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) A sociedade atual se encontra imersa

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

A QUESTÃO CULTURAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA

A QUESTÃO CULTURAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A QUESTÃO CULTURAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA Angleice Sousa Silva angleicesousa@hotmail.com Frederico Loiola Viana fredyloy@hotmail.com Samara Oliveira Silva mara_oliveira_09@hotmail.com Tatiana G. N.

Leia mais