TV digital: novas tendências e o design de interfaces

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TV digital: novas tendências e o design de interfaces"

Transcrição

1 João Paulo Amaral Schlittler TV digital: novas tendências e o design de interfaces As mídias digitais interativas criaram uma demanda pelo design de interfaces facilitadoras da interação entre máquinas, usuários e o acesso, a busca e a distribuição de conteúdo midiático. Designers gráficos antes dedicados a mídias específicas como TV, cinema e publicações impressas têm migrado para plataformas digitais, contribuindo para o design de mundos virtuais e para a interação homem-computador. Com a convergência da TV digital com outras mídias, designers de interfaces devem considerar a ubiquidade de dispositivos móveis inteligentes presentes no mesmo ambiente da TV, criando assim uma experiência em que os usuários podem interagir com múltiplas telas e plataformas. É cada vez mais comum celulares e outros aparelhos portáteis estarem conectados à internet e servirem, simultaneamente, como canal de retorno e tela secundária, expandindo a interface do usuário e facilitando a interação com a TV. Concomitantemente com a adoção do Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD) como padrão de TV digital no Brasil, trazendo consigo a alta resolução de imagens, mais canais, a transmissão para receptores móveis e a promessa de interatividade, vemos o crescimento da base de usuários do serviço móvel pessoal, assim como um aumento substancial dos usuários de redes sociais e da internet acessando mídias como TV, música, publicações e conteúdo gerado por usuários. Novo comportamento do telespectador Com o crescimento da internet, o telespectador de TV também tem sua atenção cada vez mais dividida entre outras fontes de informação e entretenimento. Principalmente as gerações mais jovens, que têm consumido diversas mídias simultaneamente, fenômeno conhecido como multitasking. Assistir a TV e realizar outra tarefa simultaneamente não é mais privilégio das gerações mais jovens; cada vez mais nossa sociedade tem realizado tarefas simultaneamente em diferentes mídias. A ubiquidade de dispositivos eletrônicos conectados à internet tem acelerado a possibilidade de realizar múltiplas tarefas. Aparelhos de TV que podem ser conectados à internet irão favorecer ainda mais a possibilidade de utilizar outros serviços ou de acessar conteúdo da internet diretamente deles. A disseminação de redes sociais como Facebook e Orkut, associada ao zapping e ao multitasking, está definindo um novo telespectador da TV digital, bastante diferente daquele do período em que se começaram a definir modelos de TV digital. A TV também deixa de ser o ponto central da sala de estar, competindo com outras mídias, como a internet e videogames, ao mesmo tempo que pode ser sintonizada em outros espaços e dispositivos: no celular, no automóvel, no transporte público. Não só as questões espaciais definidas por novos dispositivos têm transformado o comportamento do telespectador nos últimos anos, como também a temporalidade da TV tem passado por transformações. Com a introdução da TV sob demanda, utilizando serviços como TiVo, Apple TV ou Set Top Boxes (STBs) equipados com Personal Video Recorders (PVRs), é possível gravar um programa e assistir a ele em um horário diferente. Essas novas tecnologias têm facilitado o que se chama de time shifted TV, permitindo que o telespectador crie sua própria grade de programação, personalizando o horário de seus programas preferidos. A Copa do Mundo A Fifa como estudo de caso da TV digital interativa Em minha tese de doutorado, Design de interação para TV digital (Schlittler, 2011), realizo um levantamento da cobertura da Copa do Mundo na televisão e nas redes de comunicação digital de modo a subsidiar um projeto de design de interação do usuário com a TV Digital. A Copa da Fifa é um dos eventos de maior audiência da TV no Brasil e no mundo, atingindo

2 telespectadores de diversas faixas etárias. Um dos motivos da escolha desse estudo de caso é a possibilidade de, dentro dele, poder explorar vários gêneros televisivos: esporte, jornalismo, documentário, infantil. Outro motivo é o fato de que essa mesma diversidade de conteúdo requer uma gama de recursos técnicos: transmissão ao vivo, bancos de dados, gravação de programas. Essas ramificações e o fato de o gênero esportivo instigar a participação do público abrem diversas perspectivas para a interatividade na TV digital, trazendo consigo novos desafios no desenvolvimento de interfaces gráficas. A Copa do Mundo de 2010 não só serviu como vitrine, na qual as emissoras demonstraram o alto nível de detalhes das imagens na transmissão em HDTV, como também introduziu novidades na transmissão: câmeras posicionadas em ângulos diferentes enriqueceram a experiência do telespectador; testes de transmissão em 3D e TV digital interativa utilizando o middleware nacional Ginga. Uma série de outras novidades nas mídias também marcou a Copa de 2010: jogos puderam ser acompanhados por TVs digitais móveis em celulares e automóveis ou mesmo em pequenos aparelhos portáteis, ou ainda em websites que publicavam cada lance em tempo real. Um evento como a Copa do Mundo tem sua cobertura realizada por e em diversas mídias, que são consumidas em paralelo ou complementam umas às outras. Essa sobreposição de mídias traz consigo o conceito de re-mediação, termo cunhado por Richard Grusin como uma forma de compreender o reaproveitamento das mídias dentro da lógica de imidiação e hipermidiação. Essa lógica torna-se clara na re-medição quando apagamos uma mídia no ato de multiplicá-la (Bolter; Grusin, 2000). Ao assistir a um jogo de futebol na televisão, um dos objetivos é nos sentir o mais próximo possível do evento, idealmente eliminando as mídias, ou seja, reduzindo a mediação do evento. No caso do futebol, a mídia televisiva tem prevalecido por ser a mais apta a realizar essa mediação. Novas tendências para a Copa de 2014 Identifiquei três tendências da TV digital que podem se concretizar na Copa de 2014: TV social, integração com dispositivos portáteis e TV conectada. Pensadas conjuntamente, essas soluções tecnológicas condutoras dos conteúdos midiáticos podem definir um modelo de convergência da experiência televisiva norteadoras do design de interface do usuário de um sistema de TV Digital. TV social A introdução das TVs conectadas à internet com widgets (aplicativos de funcionalidade limitada que se sobrepõem ao programa de TV) como o do Facebook e o do Twitter pode alavancar o que Marie-José Montpetit denomina social TV. Segundo um artigo na revista Technology Review, do MIT, essa cientista tem desenvolvido sua pesquisa com o intuito de combinar redes sociais à experiência passiva da televisão. Seu objetivo é fazer com que a TV possa ser compartilhada por pessoas de diversos lugares, bem como facilitar o encontro de programas aos quais se quer assistir (Bulkeley, 2010). Segundo Gerd Leonhard, a TV está convergindo com a internet, e nesse processo de convergência as redes de comunicação digital passam a ter tanta importância quanto as redes de TV. Isso é de extrema importância para os times de futebol, pois as relações entre os times e os torcedores passam a ter de considerar os aspectos sociais das redes de comunicação, em que pode haver novos relacionamentos entre os fãs e os times e os jogadores, que não eram possíveis com o modelo de comunicação de massa das emissoras de TV (Leonhard, 2010). Multiplataforma Dispositivos portáteis O site IT Web publicou uma série de reportagens sobre as tendências de tecnologia da informação e telecomunicações para a Copa de Em uma das reportagens, intitulada A Copa multiplataforma, prevê-se o crescimento de torcedores assistindo à Copa em celulares e notebooks, o que irá transformar a forma como o público assiste ao jogo; por exemplo, um flagrante captado em baixa resolução por um celular de um torcedor pode ter mais

3 importância do que aquele captado por uma câmera de alta definição das emissoras de TV (Pavoni Junior, 2009). TV conectada No caso da TV conectada, uma TV equipada com um chip e conexões permite acessar dados e vídeos na internet. A conectividade de diversos dispositivos não só altera certos aspectos da funcionalidade dos aparelhos de TV mas também abre novas possibilidades de interação ao se utilizarem celulares, computadores e tablets para a recepção e o compartilhamento de conteúdo. TVs conectadas à internet podem abrir um canal de compartilhamento independente da transmissão das emissoras. O brasileiro de modo geral é bastante sociável, busca interações em grupo, sejam elas reais ou virtuais. A interatividade local com a TV aparentemente não desperta tanto o interesse como as redes sociais. No Brasil, ainda há uma dominância de programas com grande audiência que centralizam a família, como as novelas, os programas de domingo e os jogos de futebol. Recentemente, os mais jovens têm se isolado desse ambiente, preferindo o chat no MSN ou o Orkut. A integração destes com a socialização da TV na sala é um desafio a ser considerado. Design de interação em múltiplas telas Partindo do conteúdo audiovisual e digital da Copa do Mundo de 2010, propõe-se um modelo de interação com a TV para a Copa de 2014 que integre um smartphone com um receptor de TV digital que é acessado por meio de interfaces gráficas. A proposta teve como objetivo responder de forma prática as questões levantadas na pesquisa. Avanços recentes na tecnologia da TV digital e da internet levaram às seguintes constatações: 1. A TV digital está convergindo para outras mídias através de computadores conectados à internet. 2. Há uma ubiquidade de dispositivos digitais interconectados em nosso cotidiano. 3. Cresce o volume de vídeos e filmes acessados na internet. 4. Tornou-se viável a utilização de dispositivos inteligentes portáteis (smartphones, tablets controladores de videogame) como forma de comando e interação com a TV. 5. Serviços como Facebook, Skype, Flickr estão migrando da internet para outros dispositivos, como celulares, games e TVs. 6. É viável utilizar telefones celulares como canal de retorno na interatividade com a TV digital terrestre. Tendo esse cenário em mente, um projeto de design de interação entre o homem e a TV digital deve facilitar o acesso do usuário ao conteúdo midiático e permitir o controle de diversos dispositivos, contribuindo para a convergência de diversas mídias. Tomando como ponto de partida tendências identificadas anteriormente, a solução visa integrar diversas mídias dentro de um sistema, viabilizando o compartilhamento de mídias criadas originalmente em uma plataforma para outra plataforma diferente, de modo que não seja necessário produzir versões específicas para cada uma delas. Um dos motivos da escolha da Copa do Mundo como exemplo neste projeto é o fato de um único evento gerar conteúdos diversificados que, digitalizados, poderão ser distribuídos em diversas mídias. No paradigma atual, mesmo com a digitalização dos processos de produção, ainda é necessário gerar versões específicas para o formato de distribuição de cada mídia (Figura 1). Figura 1: conteúdos adaptados para diversos formatos. Já com a distribuição digital das mídias e a hibridização dos dispositivos de recepção, o mesmo conteúdo, quando arquivado em um formato digital compatível, poderá ser acessado em diversas plataformas. Nesse cenário, a interface tem a tarefa de interpretar o conteúdo e

4 representá-lo da forma mais adequada ao aparato receptor. Figura 2: distribuição de conteúdo digital em múltiplas plataformas. O diagrama acima (Figura 2) exemplifica como a digitalização dos conteúdos midiáticos possibilita sua distribuição em plataformas digitais híbridas, nas quais a interface representa a mídia associada ao conteúdo. As redes de computadores permitem a distribuição de conteúdo digital sem que sejam necessários o transporte e o manuseio de mídias físicas, como CDs, DVDs e cartões de memória. A interface tem a função de representar essa desmaterialização de uma forma compreensível ao usuário, permitindo-o acessar tanto arquivos de mídias físicas, como DVDs e cartões de memória, quanto conteúdo disponível nas redes de distribuição digital, como a internet e a TV digital. Esquematização do sistema No caso da Copa do Mundo, cada partida pode ser considerada um evento a ser transmitido (midiado). Na convergência digital, arquivos gerados na captação audiovisual podem ser distribuídos por diversos canais de comunicação (TV, internet, celular). Essa captação pode ser oficial, quando realizada pelas emissoras, ou gerada por usuários a partir de aparelhos portáteis conectados a redes (microtransmissão). Além da captação de sons e imagens, o evento gera outros conteúdos, como estatísticas, comentários etc. Estes podem ser originados nas emissoras ou por terceiros. Em ambos os casos pode haver apropriação de imagens, ou seja, um canal de TV pode transmitir imagens captadas por um torcedor ou um torcedor pode publicar um link referenciando um vídeo da emissora em uma rede social e promover uma discussão ou uma série de comentários a respeito. O esquema a seguir (Figura 3) demonstra como eventos representados por conteúdos podem ser distribuídos em diversas mídias, culminando em uma experiência virtual. Figura 3: convergência como representação virtual de um evento esportivo. Uma vez definido o universo de conteúdo, desenvolvi um esquema (Figura 4) ilustrando como as diversas plataformas e sistemas se inter-relacionam. Vemos que há várias conexões possíveis entre os dispositivos, o que promove o compartilhamento de conteúdo. Neste caso, a TV é uma tela central capaz de receber tanto o sinal das emissoras e de operadoras de TV por assinatura através de um receptor ou set-top box quanto o conteúdo da internet quando conectada diretamente à rede ou a dispositivos móveis inteligentes. Figura 4: conexões TV-controle O esquema representa as conexões entre controle remoto e fontes de conteúdo. O projeto propõe a utilização de múltiplas telas, sendo a principal um monitor conectado à TV digital, e a secundária, um dispositivo portátil como um celular ou um tablet, que teria diversas funções, entre elas: a) controle remoto com tela touchscreen que permite a manipulação direta da interface e tem a vantagem adicional de não poluir a tela principal. Essa tela também poderá servir como: b) tela secundária, permitindo visualizar outros ângulos de câmera, trechos de outros programas, vídeos e conteúdo digital relacionado ao programa que está sendo exibido na TV; c) canal de retorno, permitindo interatividade bidirecional na TV digital terrestre. Ao constatar que vivemos em um período no qual são usados dispositivos dedicados a cada escala, que ao se tornarem híbridos adquirem múltiplas funcionalidades e podem ser conectados entre si, cheguei à conclusão de que a experiência de interação do usuário com a TV digital deveria ser independente do dispositivo e de sua tela. Aparelhos de TV, celulares e tablets, quando conectados entre si, acessam o mesmo conteúdo. As telas podem ser categorizadas em pequenas (celulares), médias (tablets e laptops) e grandes (monitores LCD,

5 plasma) (Figura 5). Figura 5: escala relativa das telas de plataformas digitais. Para determinar a escala mais apropriada, considerei a atividade realizada e o número de pessoas interagindo. Uma família assiste a um jogo de futebol em uma TV de LCD enquanto um indivíduo busca informações sobre determinado jogador em um tablet. Caso ele queira compartilhar essa informação com o resto do grupo, ele poderá enviar a informação de seu aparelho para a TV principal. Algumas tecnologias da TV digital que oferecem opções de visualização de um programa, como a escolha do ângulo da câmera e a seleção de trilhas sonoras diferentes, criam novas decisões a ser tomadas em grupo. As interfaces para essas funções, se acessadas por um controle remoto individual, não contribuem para essa experiência em grupo; por isso, ao se desenvolverem aplicativos integrando diversas plataformas, é importante levantar quais aspectos têm uso individual e quais serão realizados em grupo. Por exemplo, a escolha do ângulo de câmera deve ter algum feedback para o grupo, e não ser pré-visualizado apenas pelo indivíduo que está com o controle remoto. Conclusão Ao unir três plataformas distintas, TV, internet e celular, com o objetivo de resolver questões operacionais, a interface proposta permite o encontro de atitudes distintas do usuário: assistir (TV), compartilhar (internet) e, ao mesmo tempo, conversar (celular). Essa versatilidade resulta em uma experiência inédita catalisadora de uma nova mídia. Redes sociais são um exemplo concreto disso; nelas temos essas três modalidades presentes na interface da tela do computador, porém apropriadas a uma utilização ainda predominantemente individual. Um dos desafios do projeto foi incorporar o aspecto coletivo da recepção da TV, as relações rizomáticas da internet e a mobilidade do celular. Ao realizar um levantamento do mesmo conteúdo em diversas mídias, no caso a Copa do Mundo, definimos os elementos a ser equacionados na interface de uma TV digital que converge com outras mídias. Não esqueçamos que, mesmo com a mudança do comportamento do telespectador, a TV ainda mantém as características de uma experiência passiva, ou seja, a do espectador que busca o entretenimento, resultando em uma atitude diferente de quando está trabalhando em um computador. A TV tem uma tradição de simplicidade em sua utilização; no entanto, as inovações advindas da introdução da TV digital podem ser bastante complexas, potencialmente intimidadoras os telespectadores. Referências BOLTER, Jay David; GRUSIN, Richard. Remediation: understanding new media. Cambridge: MIT Press, BULKELEY, William M. TR10: social TV Relying on relationships to rebuild TV audiences. 10 Emerging Technologies 2010 MIT Technology Review. maio-jun Disponível em: <http:// Acesso em: 14 jan LEONHARD, Gerd. Social media and the future of football. Media Futurist.com. 12 maio Disponível em: <http://www.mediafuturist.com/2010/03/social-media-and-thefuture-offootball-slideshow.html>. Acesso em: 15 jan PAVONI JUNIOR, Gilberto. 2014: a Copa multiplataforma. IT Web, 18 ago Disponível em: <http://www.itweb.com.br/noticias/index.asp?cod=60132>. Acesso em: 15 jan SCHLITTLER, João Paulo A. Design de interação para TV Digital: convergência das mídias e o Sistema Brasileiro de TV Digital. Tese (Doutorado Área de concentração: design e

6 arquitetura) FAU/USP. São Paulo, 2011 (Orientador: Carlos Roberto Zibel Costa). WALLIS. The multitasking generation. Revista Time, 19 mar Disponível em: <http:// Acesso em: 11 dez

TV Digital: Interatividade através da Segunda Tela 1. Mayra de Oliveira SÁ 2 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG

TV Digital: Interatividade através da Segunda Tela 1. Mayra de Oliveira SÁ 2 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG TV Digital: Interatividade através da Segunda Tela 1 Mayra de Oliveira SÁ 2 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG Resumo O presente trabalho tem o objetivo de analisar as novidades apresentadas

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A TV DIGITAL: UMA ABORDAGEM DO POTENCIAL DA INTERATIVIDADE

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A TV DIGITAL: UMA ABORDAGEM DO POTENCIAL DA INTERATIVIDADE 1 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A TV DIGITAL: UMA ABORDAGEM DO POTENCIAL DA INTERATIVIDADE Bauru, 05/2011 Valquiria Santos Segurado UNESP - valquiria.segurado@mstech.com.br Profª Drª Vânia Cristina Pires Nogueira

Leia mais

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos White Paper 24 de Setembro de 2014 Rede IPTV DX - Clubes Desportivos Alcançando e realizando o potencial do torcedor móvel IPTV Móvel para Clubes Desportivos - DX - 1 O negócio de mídia e venda para torcedores

Leia mais

Redes Sociais e TV Social nas TVs Públicas Universitárias

Redes Sociais e TV Social nas TVs Públicas Universitárias Redes Sociais e TV Social nas TVs Públicas Universitárias Karla Rossana Francelino Ribeiro Noronha 1 ; Olga Maria Tavares da Silva 2 Universidade de Federal da Paraíba, João Pessoa, PB. Resumo Este artigo

Leia mais

12 Aplicação do Modelo Delta

12 Aplicação do Modelo Delta 196 12 Aplicação do Modelo Delta Para Hax & Wilde (2001), a proposta do modelo delta é complementar às propostas de Porter e do modelo de visão baseada em recursos, e propõem a integração das diversas

Leia mais

Aula 8 Conversação e rede social na web

Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Meta Apresentar um programa de voz sobre IP (VoIP), o Skype, e fazer uma breve introdução ao mundo das redes sociais online,

Leia mais

Plataforma Interativa de Vídeo

Plataforma Interativa de Vídeo Plataforma Interativa de Vídeo Milonga DWM Soluções em Comunicação e Tecnologia Interativa, empresa do Grupo Ciclotron. Desenvolvemos soluções com foco na experiência do usuário, implantado um novo conceito

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

GUIA DE RECURSOS SMART

GUIA DE RECURSOS SMART GUIA DE RECURSOS SMART Características dos aplicativos da SMART TV 1.Android 4.2 dual-core smart TV 2.Conexão de rede (com fio/sem fio/pppoe/wlan HP) 3. Sync-View (opcional) 4. Multi-screen Interativa

Leia mais

Trilha TV Digital. Plataformas Interoperáveis de TV Interativa: o projeto Global ITV. Dr. Alan Angeluci

Trilha TV Digital. Plataformas Interoperáveis de TV Interativa: o projeto Global ITV. Dr. Alan Angeluci Trilha TV Digital Plataformas Interoperáveis de TV Interativa: o projeto Global ITV Dr. Alan Angeluci Centro Interdisciplinar em Tecnologias Interativas da USP CITI-USP São Paulo, SP, Brasil. 2014 Agenda

Leia mais

TV SOCIAL. Márcio Carneiro dos Santos mcszen@gmail.com

TV SOCIAL. Márcio Carneiro dos Santos mcszen@gmail.com TV SOCIAL Márcio Carneiro dos Santos mcszen@gmail.com TV SOCIAL Márcio Carneiro dos Santos mcszen@gmail.com TV SOCIAL Márcio Carneiro dos Santos mcszen@gmail.com DIGITAL DIGITAL TRANSCODIFICAÇAO Manovich,

Leia mais

Seja certificado pelo CENP e tenha acesso a análises de audiência de TV

Seja certificado pelo CENP e tenha acesso a análises de audiência de TV Consulta.net Seja certificado pelo CENP e tenha acesso a análises de audiência de TV Pequenas e médias agências de publicidade podem ter acesso a dados e relatórios de audiência de TV por meio do Consulta.net,

Leia mais

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO Em nenhum momento de toda a história dos meios de comunicação modernos houve tantas mudanças fundamentais na distribuição e mensuração da mídia. Com o surgimento da transmissão

Leia mais

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T ANEXO 5 NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T Uma das vantagens mais marcantes do ISDB-T é a sua flexibilidade para acomodar uma grande variedade de aplicações. Aproveitando esta característica única do ISDB-T, vários

Leia mais

EXPERIMENTO DIGITAL PARA TRANSMISÃO INTERATIVA DE JOGOS DE FUTEBOL

EXPERIMENTO DIGITAL PARA TRANSMISÃO INTERATIVA DE JOGOS DE FUTEBOL EXPERIMENTO DIGITAL PARA TRANSMISÃO INTERATIVA DE JOGOS DE FUTEBOL Ranieri Alves dos Santos 1 Vitor Freitas Santos 2 Marcos Paes Peters 3 Resumo: O presente trabalho apresenta uma abordagem interativa

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Processo de Comunicação Emissor Mensagem Receptor Canal / Meio Processo de Comunicação Interpretação da Mensagem pode sofrer distorção (ruídos) Após interpretação,

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC UNIDADE 03

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC UNIDADE 03 UNIDADE 03 / AULA 06 UNIDADE 03 Apostila Estácio Sociedade da Informação de Demerval L. Polizelli e Adalton M. Ozaki, 1ª Edição/2007 1 O CONHECIMENTO DIGITALIZADO 2 O que é informação? É um conjunto de

Leia mais

SÃO PAULO - 30 DE NOVEMBRO DE 2007

SÃO PAULO - 30 DE NOVEMBRO DE 2007 SÃO PAULO - 30 DE NOVEMBRO DE 2007 Juliana Baroni em Dance Dance Dance : Band e Globo já produzem novelas digitais Guia de compras Como escolher melhores TVs, conversores e antenas Tudo o que você precisa

Leia mais

TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD

TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD TDC 2011 AGENDA I. Cadeia de valor da TV Digital Interativa II. O Ginga e

Leia mais

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Congresso SUCESU-SP 2007 Integrando Tecnologia aos Negócios 29/11/07 Juliano Castilho Dall'Antonia Diretor de TV Digital w w w. c p q d. c o m. b r 1 Sumário

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television TV Digital : Convergência e Interatividade. A TELEVISÃO. A Televisão... o mais subversivo instrumento da comunicação deste século!" Assis Chateaubriand (1950). A Televisão Sem TV é duro de dizer quando

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL *

PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL * PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL * Wellington Garcia PEREIRA 1 ; Hudson Henrique de Sousa LOPES

Leia mais

BEM-VINDO à NET DIGITAL.

BEM-VINDO à NET DIGITAL. BEM-VINDO à NET DIGITAL. Prepare-se para ter muito mais TV pelo seu controle remoto. Parabéns! A partir de agora, você está em um mundo com muito mais programação com qualidade de imagem e som digital

Leia mais

Resumo dos resultados de pesquisa de mídia social

Resumo dos resultados de pesquisa de mídia social Resumo dos resultados de pesquisa de mídia social Introdução: Com a Web 2.0 e suas ferramentas interativas (blog, fórum, sites interativos, redes sociais, etc.) as pessoas criam conteúdo e informação de

Leia mais

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades João Batista Bottentuit Junior Universidade Federal do Maranhão UFMA jbbj@terra.com.br 29 de Outubro de 2013 Contexto

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA. TIPOS DE RECEPTORES DE TV e SISTEMAS

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA. TIPOS DE RECEPTORES DE TV e SISTEMAS PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA TIPOS DE RECEPTORES DE TV e SISTEMAS Como tudo em nossa vida e em nosso mundo evolui, com a tecnologia não é diferente, agora você pode contar com alta definição

Leia mais

TV Digital Interativa e Internet: O Caso Brasileiro. Prof. Dr. Marcos Tuca Américo UNESP Bauru, SP / Brasil tuca@faac.unesp.br

TV Digital Interativa e Internet: O Caso Brasileiro. Prof. Dr. Marcos Tuca Américo UNESP Bauru, SP / Brasil tuca@faac.unesp.br TV Digital Interativa e Internet: O Caso Brasileiro Prof. Dr. Marcos Tuca Américo UNESP Bauru, SP / Brasil tuca@faac.unesp.br Consumo global de mídias durante o lazer por faixas etárias. Fonte: ITU - Digital

Leia mais

O Modelo DX sumário executivo

O Modelo DX sumário executivo White Paper O Modelo DX sumário executivo INTRODUÇÃO 2 O MODELO BROADCAST 3 MODELO TRADICIONAL DE BROADCAST 3 O MODELO DX 4 NOVOS MODELOS DE RECEITA 5 O MODELO DX PARA TELAS COLETIVAS 6 1 www.dx.tv.br

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital

Proposta para Grupo de Trabalho. GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital Proposta para Grupo de Trabalho GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital Guido Lemos de Souza Filho 10/09/2005 1. Título GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital 2. Coordenador Guido Lemos de Souza Filho guido@lavid.ufpb.br

Leia mais

GUIA PRÁTICO NET DIGITAL HD MAX

GUIA PRÁTICO NET DIGITAL HD MAX ÍNDICE Bem-vindo à máxima experiência em TV 1 1. Assistindo à sua NET DIGITAL HD MAX 3 2. Gravando seus programas favoritos 6 2.1. Minha NET 6 2.2. Adicionar uma nova gravação 6 2.3. Agenda de gravações

Leia mais

NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO

NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO O QUE É MÍDIA DIGITAL? É conjunto de meios de comunicação baseados em tecnologia digital, permitindo a distribuição de informação na forma escrita, sonora

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS Trabalho final da disciplina Computadores, Redes, IP e Internet Professor: Walter Freire Aluno:

Leia mais

A escolha do padrão de TV digital no Brasil

A escolha do padrão de TV digital no Brasil OPINIÃO A escolha do padrão de TV digital no Brasil Wellington Pereira A televisão sempre foi objeto de cobiça e esteve presente, com destaque, nos lares dos brasileiros. Mais de 90% das residências no

Leia mais

A Tecnologia Digital na Radiodifusão

A Tecnologia Digital na Radiodifusão A Tecnologia Digital na Radiodifusão Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO/XERÉM-RJ 27 de outubro de 2006 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são s o aqueles que no passado, perderam

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 1 Introdução A adoção do Ginga-NCL como middleware declarativo do SBTVD (Sistema Brasileiro de Televisão Digital) estabeleceu um marco no desenvolvimento de aplicações interativas para TV Digital terrestre

Leia mais

Palavras-Chave Plataforma digital, internet, VOD Video On-demand, televisão

Palavras-Chave Plataforma digital, internet, VOD Video On-demand, televisão 1 BALAN, Willians Cerozzi. Plataformas digitais: uma nova forma de ver TV. in FERREIRA JUNIOR, José e SANTOS, Márcio Carneiro dos. Comunicação, tecnologia e inovação: estudos interdisciplinares de um campo

Leia mais

Educação televisiva: possibilidades do uso do SBTVD em EAD.

Educação televisiva: possibilidades do uso do SBTVD em EAD. Educação televisiva: possibilidades do uso do SBTVD em EAD. Moacyr VEZZANI NETO 1 Elias Estevão GOULART 2 Resumo A televisão tem sido o principal meio de comunicação em massa no Brasil e possui alta inserção

Leia mais

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira 1 of 6 23/6/2010 22:40 GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira Autor: Paulo Roberto Junior - WoLF Data: 13/04/2009 O que é GINGA Posso falar com minhas próprias indagações

Leia mais

2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital

2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital 2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital Neste capítulo, serão abordados os aspectos principais da tecnologia digital e suas conseqüências em termos de mercado consumidor (telespectadores).

Leia mais

A Tecnologia a Serviço sdas Ideias

A Tecnologia a Serviço sdas Ideias sua A Tecnologia a Serviço sdas Grandes Ideias 1 Entre os 10 maiores integradores do Brasil Destaques Operacionais Mais de 10,000 equipamentos gerenciados de LAN e WAN 9.000 sites em mais de 700 clientes

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA A TV digital O surgimento da TV digital se deu em função do desenvolvimento da TV de alta definição (HDTV) no Japão e na Europa, há mais de duas décadas,

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa. Diemesleno Souza Carvalho. Dourados -MS, 20 de Abril de 2011.

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa. Diemesleno Souza Carvalho. Dourados -MS, 20 de Abril de 2011. Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Diemesleno Souza Carvalho Dourados -MS, 20 de Abril de 2011. Sobre o Palestrante Tecnólogo em Sistemas para Internet. Pós-graduando MBA em Gestão de

Leia mais

DIGITAL. Ed. outubro de 2010 Wagner Moura Fotografada por Daniel Klajmic Para Rolling Stone Brasil

DIGITAL. Ed. outubro de 2010 Wagner Moura Fotografada por Daniel Klajmic Para Rolling Stone Brasil DIGITAL 2014 Ed. outubro de 2010 Wagner Moura Fotografada por Daniel Klajmic Para Rolling Stone Brasil 1 rollingstone.com.br Com a média de 4 milhões de páginas acessadas mensalmente, o site apresenta,

Leia mais

DICAS PARA PAGAMENTO MÓVEL NA 7SUA EMPRESA

DICAS PARA PAGAMENTO MÓVEL NA 7SUA EMPRESA DICAS PARA PAGAMENTO MÓVEL NA 7SUA EMPRESA ÍNDICE INTRODUÇÃO O QUE É PAGAMENTO MÓVEL CONCLUSÃO PG. 3 PG. 4 PG. 6 PG. 17 INTRODUÇÃO Os meios de pagamento eletrônico estão cada vez mais fortes no Brasil.

Leia mais

Áudio - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Design - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Áudio - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Design - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - LED LCD LM6200 (65 / 55 / 47 / 42 ) Diferenciais LG - - - - - - - - - - - - - - - - Smart TV: é o que há de mais avançado em Smart TV. Fácil de usar, possui a maior loja de aplicativos do mercado, com

Leia mais

1. StickerCenter... 3. 2. Menu Broadcast Stickers... 4. 3. Menu MyStickers... 9

1. StickerCenter... 3. 2. Menu Broadcast Stickers... 4. 3. Menu MyStickers... 9 1. StickerCenter... 3 1.1. O que é?... 3 1.2. O que são Stickers?... 3 1.3. Como acessar o StickerCenter?... 3 1.4. Como atualizar o StickerCenter?... 3 2. Menu Broadcast Stickers... 4 2.1. O que é?...

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

LED LCD LS5700 (47 /42 /32 )

LED LCD LS5700 (47 /42 /32 ) LED LCD LS5700 (47 /42 /32 ) Diferenciais LG - - - - - - - - - - - - - - - - - - Smart TV: é o que há de mais avançado em Smart TV. Fácil de usar, possui a maior loja de aplicativos do mercado, com inúmeros

Leia mais

TV Digital Interativa: Atalho seguro para a inclusão digital (?)

TV Digital Interativa: Atalho seguro para a inclusão digital (?) TV Digital Interativa: Atalho seguro para a inclusão digital (?) Arlindo Lopes - MultiChoice Painel 3. V FORUM LUSÓFONO DAS COMUNICACÕES Maputo, 24 de April de 2014 Plano da Apresentação: A experiência

Leia mais

Em 2009, a Fundação Padre Anchieta mais uma vez estará presente na Campus Party.

Em 2009, a Fundação Padre Anchieta mais uma vez estará presente na Campus Party. Mais uma vez, a cidade de São Paulo se prepara para receber a Campus Party entre os dias 19 e 25 de janeiro de 2009. Milhares de internautas vêm a cidade participar do evento, que é o maior encontro mundial

Leia mais

Fabio Golmia - CEO EnterPlay 11 8139-1100 11 7806-3061 ID 7*22748 fabiogolmia@enterplay.com.br www.enterplay.com.br. Apresentação da Empresa

Fabio Golmia - CEO EnterPlay 11 8139-1100 11 7806-3061 ID 7*22748 fabiogolmia@enterplay.com.br www.enterplay.com.br. Apresentação da Empresa Fabio Golmia - CEO EnterPlay 11 8139-1100 11 7806-3061 ID 7*22748 fabiogolmia@enterplay.com.br www.enterplay.com.br Apresentação da Empresa Estrutura desta Apresentação Tema: Posicionamento da EnterPlay

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura!

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura! APRESENTAÇÃO A Informatiza Soluções Empresariais está no mercado desde 2006 com atuação e especialização na criação de sites e lojas virtuais. A empresa conta com um sistema completo de administração de

Leia mais

NET revoluciona oferta de HD com novos produtos e conteúdos em alta definição

NET revoluciona oferta de HD com novos produtos e conteúdos em alta definição NET revoluciona oferta de HD com novos produtos e conteúdos em alta definição Pioneira em alta definição no Brasil, NET lança novo decodificador HD e novos pacotes de canais neste formato, disponíveis

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR

O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR Silmara Cristina Dela Silva 1 Este trabalho é parte de uma pesquisa

Leia mais

Admirável. 24 2006 diga lá nº 46

Admirável. 24 2006 diga lá nº 46 Admirável 24 2006 diga lá nº 46 TV nova Cena 1: O espectador, acomodado no sofá de casa, assiste ao filme Matrix, e se apaixona pelos óculos escuros usados por Neo, o protagonista da trama interpretado

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM Jornal Revista Televisão Rádio Internet - Relata o que já passou e o que vai acontecer; -Credibilidade; - Cobertura

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Dispõe sobre a outorga de canais de televisão no Sistema Brasileiro de Televisão Digital para as entidades que menciona. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Tradição, pioneirismo e credibilidade.

Tradição, pioneirismo e credibilidade. Tradição, pioneirismo e credibilidade. A Converge Comunicações desenvolve serviços convergentes com foco em novas tecnologias, soluções e tendências. Nosso portfólio inclui a organização de feiras, congressos

Leia mais

A solução INFOTRÂNSITO abrange sistemas web multiplataformas, podendo ser instalados em ambientes Linux, Windows e Apple.

A solução INFOTRÂNSITO abrange sistemas web multiplataformas, podendo ser instalados em ambientes Linux, Windows e Apple. INFOTRÂNSITO A plataforma INFOTRÂNSITO emprega tecnologias inovadoras para garantir ao poder público um gerenciamento eficaz da operação do trânsito nos grandes centros urbanos. A partir da coleta, em

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Tópicos Especiais Evolução da Convergência Digital

Leia mais

"TV digital não é panaceia" Valério Brittos deixa um vazio na Pesquisa da Comunicação

TV digital não é panaceia Valério Brittos deixa um vazio na Pesquisa da Comunicação "TV digital não é panaceia" Valério Brittos deixa um vazio na Pesquisa da Comunicação Carlos Alberto Moreira Tourinho* Valério Cruz Brittos nos deixou em 27 Julho de 2012, aos 48 anos. Jornalista, Professor

Leia mais

quarta-feira, 8 de outubro de 14

quarta-feira, 8 de outubro de 14 Internet 2G no Brasil Mais usada que 3G... Em julho, o 2G era usado em 48,5% dos celulares, nº menor que o registrado em janeiro (57,8%) 3G passou de 35,9% em janeiro para 44,3% em julho Tecnologia 4G

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Comunicação por meio de dispositivos móveis ainda tem muito para crescer no país

Comunicação por meio de dispositivos móveis ainda tem muito para crescer no país Comunicação por meio de dispositivos móveis ainda tem muito para crescer no país Atualmente, não dá para falar em mídias digitais sem considerar o mobile. Se por um lado os acessos móveis ganham força,

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS CHAVE: jornalismo audiovisual, mobilidade, cobertura de eventos. 1. INTRODUÇÃO

RESUMO. PALAVRAS CHAVE: jornalismo audiovisual, mobilidade, cobertura de eventos. 1. INTRODUÇÃO Mobilidade e Cobertura de Eventos: O Lançamento da Nona Bienal do Mercosul Produzido Por Um Tablet 1. Rafael SILVA 2 Natalia Silveira RECH 3 Paula PUHL 4 RESUMO O objetivo deste artigo é destacar o jornalismo

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS CENTRO ABERTO DE MÍDIA 1) O que é o Centro Aberto de Mídia (CAM)? É um espaço físico e virtual para atendimento aos jornalistas, credenciados ou não credenciados pela FIFA, que desejam

Leia mais

INDE X AÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS EM 2015 PEL A SIZMEK. Análises de formatos, adoção e desperdício em dispositivos móveis.

INDE X AÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS EM 2015 PEL A SIZMEK. Análises de formatos, adoção e desperdício em dispositivos móveis. INDE X AÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS EM 2015 PEL A SIZMEK Análises de formatos, adoção e desperdício em dispositivos móveis. CO N T EÚ D O S O RESUMO GERAL DO MARKETING PARA MÓVEIS Inventário Móvel CH A

Leia mais

Guia do Usuário Live TIM Blue Box

Guia do Usuário Live TIM Blue Box Guia do Usuário Live TIM Blue Box 1 Parabéns! Você acaba de adquirir a central de entretenimento da Live TIM! O Live TIM Blue Box vai transformar a sua experiência de assistir televisão. Com ele você poderá

Leia mais

Questão em foco: Mobilidade no PLM. Reduzindo as barreiras à inovação e à tomada de decisões de engenharia

Questão em foco: Mobilidade no PLM. Reduzindo as barreiras à inovação e à tomada de decisões de engenharia Questão em foco: Mobilidade no PLM Reduzindo as barreiras à inovação e à tomada de decisões de engenharia Tech-Clarity, Inc. 2011 Índice Introdução da questão... 3 O valor da mobilidade para a engenharia...

Leia mais

Guia Rápido TV Fibra

Guia Rápido TV Fibra Guia Rápido TV Fibra Sua nova Vivo TV Fibra chegou. Agora você terá mais diversão e entretenimento em sua casa. Além do melhor conteúdo da TV por assinatura, com sua Vivo TV Fibra você vai vivenciar novas

Leia mais

1 O Problema 1.1 Introdução

1 O Problema 1.1 Introdução 1 O Problema 1.1 Introdução As teorias de adoção e de difusão de novos produtos em tecnologia sustentam que, no lançamento, os produtos ainda são acessíveis a apenas poucos consumidores que estão dispostos

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Novas Toshiba Smart TV Lisboa, 21 de maio de 2014 A Toshiba apresenta a sua nova linha Smart TV, estreando as séries L5, L6 e L7 de TV LED de Alta Definição. A Cloud TV é a aposta da Toshiba na área do

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Título: ESTRATÉGIAS DE AMPLIAÇÃO DA PRESENÇA DO FLEURY MEDICINA E SAÚDE NAS REDES SOCIAIS

Título: ESTRATÉGIAS DE AMPLIAÇÃO DA PRESENÇA DO FLEURY MEDICINA E SAÚDE NAS REDES SOCIAIS Título: ESTRATÉGIAS DE AMPLIAÇÃO DA PRESENÇA DO FLEURY MEDICINA E SAÚDE NAS REDES SOCIAIS Autores: William Malfatti 1 ; Thaís Arruda 2 ; Sergio Auerbach 3 ; Kleber Soares Filho 4 ; Alex Fernandes 5 ; Melina

Leia mais

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho O vídeo O vídeo Interfaces de vídeo Sistemas de televisão: as características do sinal de vídeo são determinadas pelos padrões de televisão principais padrões existentes: televisão em preto-e-branco televisão

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Oferecemos ao mercado nossa experiência e metodologia amplamente desenvolvidas ao longo de 15 anos de experiência

Leia mais

13ª EDIÇÃO OUT 2013 F/RADAR PANORAMA DO BRASIL NA INTERNET

13ª EDIÇÃO OUT 2013 F/RADAR PANORAMA DO BRASIL NA INTERNET 13ª EDIÇÃO OUT 2013 F/RADAR PANORAMA DO BRASIL NA INTERNET AGENDA METODOLOGIA PANORAMA GERAL GRANDES APRENDIZADOS F/RADAR METODOLOGIA TÉCNICA Pesquisa quantitativa, com abordagem pessoal em pontos de fluxo

Leia mais

Tecnologia e Mobile. Vista Camisa. Copyright 1997-2013 MJV Tecnologia & Inovação. Todos os direitos reservados. 1

Tecnologia e Mobile. Vista Camisa. Copyright 1997-2013 MJV Tecnologia & Inovação. Todos os direitos reservados. 1 Tecnologia e Mobile Vista Camisa Copyright 1997-2013 MJV Tecnologia & Inovação. Todos os direitos reservados. 1 Todo torcedor fanático tem múltipla personalidade. Torcedor é um pouco técnico, juiz, comentarista,

Leia mais

MDD Mídias Interativas. A Evolução da TV no Brasil

MDD Mídias Interativas. A Evolução da TV no Brasil Pós-Graduação MDD Mídias Interativas A Evolução da TV no Brasil Apresentações Profª. Graciana Simoní Fischer de Gouvêa Email: graciana.fischer@prof.infnet.edu.br Evolução da TV Evolução do Homem x TV Evolução

Leia mais

Áudio - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Design - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Áudio - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Design - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - LED LCD LM6400 (55 / 47 / 42 ) Diferenciais LG - - - - - - - - - - - - - - - - - - Smart TV: é o que há de mais avançado em Smart TV. Fácil de usar, possui a maior loja de aplicativos do mercado, com inúmeros

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

Sistemas de comunicação e novas tecnologias

Sistemas de comunicação e novas tecnologias Sistemas de comunicação e novas tecnologias Módulo 3: Capitalismo informacional 3.3: Ascensão da TV paga Esta obra estálicenciada sob umalicença CreativeCommons. Prof. Dr. Marcos Dantas 1948 Pequenos empreendedores

Leia mais

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDO INTERATIVO NO MERCADO BRASILEIRO DE TELEVISÃO ABERTA EM 2011.

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDO INTERATIVO NO MERCADO BRASILEIRO DE TELEVISÃO ABERTA EM 2011. PANORAMA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDO INTERATIVO NO MERCADO BRASILEIRO DE TELEVISÃO ABERTA EM 2011. Matheus Colen Fundação Armando Alvares Penteado, São Paulo, Brasil, matheus.cln@gmail.com Resumo: A interatividade

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

Software de Imagem via Celular (SIC) baseado no sistema operacional Windows Mobile

Software de Imagem via Celular (SIC) baseado no sistema operacional Windows Mobile MANUAL DO USUÁRIO Software de Imagem via Celular (SIC) baseado no sistema operacional Windows Mobile Software de Imagem via Celular (SIC) baseado no sistema operacional Windows Mobile Esse software possui

Leia mais

Manual do usuário. isic 5 - Android

Manual do usuário. isic 5 - Android Manual do usuário isic 5 - Android isic 5 - Android Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O novo aplicativo Intelbras isic 5 possui tecnologia capaz de visualizar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO PARA TV DIGITAL U- TILIZANDO A PLATAFORMA GINGA J

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO PARA TV DIGITAL U- TILIZANDO A PLATAFORMA GINGA J DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO PARA TV DIGITAL U- TILIZANDO A PLATAFORMA GINGA J Angélica de Oliveira Faculdade de Engenharia de Computação CEATEC angelica.o@puccampinas.edu.br Prof. Dr. David Bianchini

Leia mais

11 Análise SWOT. 11.1 Análise SWOT - Globo

11 Análise SWOT. 11.1 Análise SWOT - Globo 191 11 Análise SWOT A análise SWOT (Strenghts, Weaknesses, Opportunities and Threats) é uma ferramenta que tem como objetivo mapear as forças e fraquezas (análise interna), e as oportunidades e ameaças

Leia mais