A economia do conhecimento. A importância do ambiente institucional, organizacional e regulatório

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A economia do conhecimento. A importância do ambiente institucional, organizacional e regulatório"

Transcrição

1 registo de patentes em Espanha, Portugal e Grécia foi de % da média da UE em 1998, contra 1% em 1989 (Mapa 13). Em suma, os sectores científico e tecnológico nos países da coesão caracterizam-se por uma baixa intensidade de IDT, uma sobrerepresentação do sector público, um baixo nível de envolvimento do sector privado, baixos níveis de ligação com as empresas, e ainda por baixos níveis de transferência de tecnologia. Tais diferenças dão origem a problemas relativamente à disponibilidade de apoios, uma vez que as injecções de capital serviriam apenas para promover o sistema vigente, perpetuando assim, ou mesmo reforçando, os problemas estruturais do próprio sistema. Consequentemente as políticas de desenvolvimento regional dever-se-ão centrar no reforço do ambiente no qual as empresas operam e, particularmente, na ligação entre os sectores científico e empresarial. Capacidade tecnológica muito concentrada a nivel regional... A distribuição regional da capacidade de inovação na UE reflecte a estrutura dos sistemas científico e tecnológico nacionais, mas as diferenças regionais dentro dos Estados-Membros fazem aumentar ainda mais as disparidades. Há uma forte concentração de IDT e de inovação nas regiões mais desenvolvidas da UE, sendo as dez primeiras regiões (na Alemanha, Reino Unido, França e Finlândia) responsáveis por cerca de um terço de toda a despesa na União. Por outro lado, 17 das 25 regiões com a mais baixa intensidade de IDT (menos que 25% da média da UE) são regiões Objectivo 1. Verificam-se disparidades semelhantes nas despesas das empresas, nos recursos humanos e nos pedidos de registo de patentes. As diferenças regionais são particularmente vincadas nos países da coesão. Na Grécia, por exemplo, mais de metade da despesa em IDT é feita em Attiki (a região de Atenas), que é também responsável por dois terços dos pedidos de registo de patentes. Em Espanha, mais de três quartos da IDT das empresas está localizada em apenas três regiões (3% só em Madrid). o que afecta a capacidade inovadora da actividade económica A elevada intensidade de IDT no sector privado e as ligações eficazes entre os sectores científico e empresarial são elementos-chave para a inovação e, consequentemente, para o crescimento económico. A intensidade de IDT é também relativamente elevada em quase todas as primeiras 25 regiões em termos de número de empregados nos sectores da alta tecnologia (mais de 12% do total). Ao invés, nas 25 regiões com menor intensidade de IDT, o número de empregados nos sectores da alta tecnologia é muito baixo (4% ou menos do total). De acordo com os resultados preliminares do segundo Inquerito Comunitário à Inovação, o primeiro grupo de regiões são aquelas que registam mais elevada intensidade de inovação na indústria transformadora, maior número de empresas com actividades inovadoras e maior volume de negócios em produtos inovadores. Por outro lado, a maior parte das regiões da Grécia, Espanha e Portugal situam-se no extremo oposto (ver Mapa A.14). A importância do ambiente institucional, organizacional e regulatório Estas diferenças estruturais nas áreas da ciência e tecnologia não explicam, por si só, a debilidade da estrutura da actividade económica nas regiões menos desenvolvidas. É cada vez mais consensual que, nas regiões em apreço, a incapacidade de inovação das empresas não se fica apenas a dever a problemas científicos ou tecnológicos, mas também a limitações de ordem regulatória, organizacional e institucional do ambiente em que as empresas operam. Nas regiões menos favorecidas, este ambiente é muitas vezes caracterizado por uma combinação de debilidades estruturais, tais como a falta de dinamismo do sector dos serviços às empresas; sistemas financeiros deficientemente desenvolvidos; fracas ligações entre os sectores público e privado; especialização sectorial em indústrias tradicionais com pouca tendência para a inovação; baixos níveis de apoio público à inovação; e esquemas de apoio mal adaptados às necessidades das PME locais. Assim sendo, um objectivo primeiro da política regional deverá ser o de ajudar a desenvolver novas formas de organização e cooperação institucional, melhorar a competitividade estrutural das empresas sediadas em regiões menos desenvolvidas e promover a reorientação dos recursos para áreas inovadoras e mais dinâmicas da actividade económica. A economia do conhecimento A tecnologia da informação e comunicação (TIC) está na base da economia do conhecimento. É ela que permite armazenar, processar, e fazer circular, rapidamente e a baixo custo, um número de dados cada vez maior, sendo uma fonte cada vez mais importante de ganhos de produtividade.

2 Canarias (E) Guadeloupe Martinique Réunion (F) (F) Guyane (F) (F) Açores (P) Madeira (P) SIG16 13 Pedido de registo de patentes na Europa, média 1997 a 1999 Número por milhão de habitantes < sem dados UE15 = 119,4 Desvio-padrão = 116,3 D (Sachsen): NUTS1 Fonte: Eurostat 1 5 km EuroGeographics Association para as fronteiras administrativas 61

3 A transição para a sociedade da informação, contudo, não é apenas uma questão de tecnologia. As mudanças que implica são potencialmente as de maior impacto desde a Revolução Industrial, e afectam profundamente a organização tanto da economia como da sociedade. A gestão destas mudanças representa, hoje, um dos maiores desafios para a União. Assim, a iniciatíva da Comissão e-europa Uma sociedade de informação para todos, subscrita pelo Conselho Europeu de Lisboa em Março de, tem por objectivo aumentar a taxa de utilização das tecnologias digitais e garantir que todos tenham as competências necessárias para as utilizar. Estima-se que os países da UE gastem, em média, 6% do PIB em TIC (ver Gráfico A.23). As indústrias da informação e da comunicação estão a crescer, em termos reais, a um ritmo 5 pontos percentuais mais rápido do que os outros sectores, servindo de motor ao crescimento da economia na UE 23.Asindústrias de TIC foram, em 1997, responsáveis, por cerca de 4% do emprego na UE 24, estimando-se que um em cada quatro novos empregos é criado em TIC ou sectores afins 25. Se se incluir os chamados sectores baseados no conhecimento, verifica-se que, em termos globais, estes representaram cerca de um quarto do emprego e a maioria dos novos postos de trabalho criados em anos recentes 26 A liberalização do mercado combinada com a inovação tecnológica cada vez mais rápida favorece a concorrência no fornecimento das telecomunicações, diminuindo os custos e aumentando a escolha e a qualidade dos serviços na maior parte da UE: Os preços de acesso à Internet diminuiram drasticamente nos últimos anos, muito embora continuem a constituir uma barreira a uma utilização mais alargada em alguns países. O potencial é enorme O comércio electrónico (e-comércio) está a expandir-se rapidamente, obrigando as empresas a repensar os seus processos comerciais e, ao mesmo tempo, a criar novas formas de organização, incluindo novos tipos de mercado e diferentes formas de relação comercial. O comércio electrónico business to business (B2B) via Internet o seu principal segmento, que se estima represente hoje 8% do total está a desenvolver-se rapidamente, prevendo-se que venha a crescer mais de 9% ao ano durante o período A utilização das tecnologias do e-comércio nas relações B2B pode aumentar a eficiência através da redução e racionalização dos processos comerciais. Os seus efeitos são já evidentes na concepção de produtos (diminuindo o processo de concepção e aumentando as possibilidades de personalização e a padronização de peças), bem como na produção e na logística (custos de inventário mais baixos, produção mais rápida, menores custos de fornecimento). Estima-se que a disseminação das relações B2B nos EUA permita uma redução potencial dos custos comerciais entre 13% e 23% 28. Muito embora o mercado do e-comércio esteja menos desenvolvido na UE, prevê-se uma reduçãomédia de 18% das despesas correntes e de 15% dos custos das vendas (ver Gráfico A.24). Adopção e domínio das TIC pelas regiões é essencial para o seu desempenho económico O nível de penetração das TIC, definido como a quota das despesas em TIC 29 no PIB, é uma medida importante da transição de um país para a Sociedade de Informação, bem como da sua capacidade de inovação ede competitividade. Em termos desta medida, a diferença entre os países da coesão e os outros Estados-Membros da UE é pequena e com tendência a diminuir a taxa mais elevada de aumento desta despesa durante o período 1991 a 1999 verificou-se na Grécia, bem como na Itália. Contudo, em termos absolutos, e dado o seu baixo nível de PIB, os países da coesão terão futuramente que investir montantes relativamente elevados em TIC por forma a chegar ao nível dos outros. Muito embora o melhoramento das infra-estruturas de comunicação e informação seja um elemento determinante para a capacidade de participar na Sociedade de Informação, existem igualmente outros factores que desempenham um papel cada vez mais importante, tais como a sensibilização de pessoas e entidades, os níveis de escolaridade, o papel do sector público na promoção da Sociedade de Informação e a capacidade de organização e de investimento das empresas. As discrepâncias nas infra-estruturas de telecomunicações estão a diminuir Nos últimos anos as diferenças entre Estados-Membros nos acessos a um telefone de rede fixa diminuiram significativamente (Gráfico 14). Na maioria dos países da União, a proporção de agregados familiares com linha telefónica é de cerca de 92% da média da UE, mas, em Portugal, situa-se ainda nos 69%, contra 97% na Suécia 3.Na Finlândia, o valor é de apenas 78%, embora isso seja largamente compensado pela elevada proporção de agregados que dispõem de telefone móvel e de telefone sem rede fixa (18%, quase cinco vezes superior à média da UE). Fenómeno idêntico regista-se também, embora em menor escala, em Portugal (12%) e na Irlanda (onde apenas 84% dos agregados dispõem de telefone de rede fixa); um quinto dos agregados portugueses e um décimo dos irlandeses, porém, não têm sequer telefone em casa, 62

4 contra uma média europeia de apenas 4%. Verificam-se, contudo, diferenças consideráveis entre regiões de mais de 15 pontos percentuais na proporção de agregados com rede fixa na Alemanha, França e Itália. Nos países candidatos o número total de linhas telefónicas por 1 habitantes é de menos de metade da média da UE, embora tanto na Eslovénia como, em menor escala, na Estónia, esse número seja superior. 31. Telefones móveis e cabo podem ser alternativa para acesso à Internet... Muito embora haja variações no grau de penetração dos telefones móveis na União, as diferenças não reflectem necessariamente os níveis relativos de prosperidade. Todos os Países Nórdicos têm uma taxa de penetração relativamente elevada, tal como a Itália, mas na Grécia, Espanha e Portugal a taxa está também próxima, ou mesmo acima, da da UE. Note-se, porém, que a maior parte dos países (incluindo os países da coesão) que têm uma taxa relativamente baixa de possuidores de computadores pessoais e/ou um acesso limitado à Internet, registam, por outro lado, níveis elevados de utilização de telefone, o que aumenta a possibilidade de utilização dos telefones móveis para aceder à Internet. É evidente que a elevada taxa de utilização de telefones móveis nos Países Nórdicos se fica em parte a dever às suas características geográficas e à dispersão da população. Nos Estados-Membros do sul, pelo contrário, o rápido crescimento da sua utilização reflecte a baixa qualidade, ou mesmo a falta, de linhas fixas (ver Gráfico A.25). Talvez um tanto surpreendente seja o facto de os telefones móveis serem um pouco menos utilizados nas zonas rurais (3% dos agregados) do que nas áreas urbanas (45%). agregados familiares, a sua disponibilidade será essencial.... mas o acesso à Sociedade de Informação mantem-se desequilibrado Verificam-se, na União, diferenças significativas na utilização dos computadores pessoais em casa e no acesso à Internet (Gráfico 15). Exceptuando a França, parece haver uma clara separação Norte-Sul nas taxas de ligação à Internet. Na Grécia, Espanha, Portugal e Itália, bem como na Irlanda, a taxa é de metade dos 12% da média da UE, enquanto que nos Países Nórdicos está bem acima dos % (51% na Suécia). A taxa dos possuidores de computador pessoal é igualmente baixa na Grécia, Portugal e Irlanda. O número de computadores pessoais por cada 1 pessoas tem vindo a aumentar gradualmente nos países candidatos. Podem distinguir-se três grupos de países: a Eslovénia, com uma taxa próxima da média da UE; a Polónia e a República Checa, entre outros, com taxas semelhantes às dos países da coesão; e a Roménia e a Bulgária, com taxas entre os 1% e os 25% da média da UE. Na UE verifica-se ainda uma divisão clara em termos sociais, com os agregados familiares com rendimentos mais elevados a terem seis vezes mais probabilidades de estarem ligados à Internet do que os com os menos elevados. Além disso, nas áreas urbanas há uma maior proporção de agregados (13%-15%) com ligação à Internet do que nas zonas rurais (8%). Estas diferenças, contudo, parecem advir mais da falta de sensibilização sobre as possibilidades oferecidas pela Internet, do que do custo (45% dos agregados sem ligação disseram não estar 14 Linhas de telefone e penetração de telemóveis, 1998/99 A taxa de penetração dos telefones móveis nos países candidatos, em finais dos anos 9, era apenas de cerca de um quarto da média da UE, muito embora esteja a crescer rapidamente (18% ao ano, entre 1996 e 1999) Número total de linhas por 1 pessoas (eixo esquerdo) Telemóveis em % do total de linhas (eixo direito) 5 8 A tecnologia nesta área está a desenvolver-se a um ritmo acelerado, oferecendo novos meios de acesso à Internet através da terceira geração de serviços móveis com maior largura de banda, bem como as ISDN, xdsl, o cabo e as ligações a TV digital. Uma vez que é provável que, no futuro, o nível de acesso de banda larga se torne mais importante para a utilização da Internet nas empresas e nos S FIN L DK I F UK SL NL A E15 EL P D IRL B EE E CZ HU LV LT BG CEC PL RO

5 interessados, 9% nem sequer sabiam o que era, e 11% referiram o custo como a razão da não ligação). capacidade das empresas, instituições e indíviduos para utilizarem as TIC eficazmente. A utilização da Internet nas empresas é relativamente elevada em vários Estados-Membros, principalmente nos Países Nórdicos, muito embora haja ainda variações consideráveis na UE. Por exemplo, 76% das PME na Suécia estão ligadas à Internet, mas este número baixa para 16% em Portugal 32. Um inquérito recente revelou que as PME estão moderadamente bem informadas sobre o potencial oferecido pela Internet, mas, em contrapartida, um terço delas disse não ter acesso. Nos países da coesão,onúmero de PME sem acesso é mais elevado do que nas outras partes da União, o que vem na linha da análise da Comissão que indica que a pouca sensibilização para os potenciais benefícios e oportunidades e a escassez de competências em TIC, bem assim como o conteúdo muitas vezes fraco do actual software, são as principais barreiras ao desenvolvimento da Sociedade de Informação. 15 Acesso a equipamento PC e Internet, % da população PC mas não Internet Internet Assim, uma política estrutural nesta área deverá centrar-se no reforço do lado da procura e, em particular, da S DK NL L B FIN UK F D A E I P IRL EL UE15 1 Comissão Europeia () The Competitiveness of European Industry. Ver também Comissão Europeia (1999) Sexto Relatório Periódico relativo à situação das regiões (Parte 2 sobre a competitividade); OECD (1996) Industrial Competitiveness, Oxford Review of Economic Policy (1996) International Competitiveness Vol. 12, no.3. 2 Valor relativo à UE dos 13, até o Reino Unido e Irlanda apresentarem as respectivas estatísticas. As do Reino Unido deverão ser apresentadas nos próximos meses. As da Irlanda poderão não ser apresentadas (a apresentação destes dados é opcional e não um requisito regulamentar). 3 Nos serviços não-mercantis, o valor relativo à produtividade deverá ser cautelosamente interpretado, uma vez que o sector público não gera lucros e, por isso, o valor acrescentado consiste inteiramente nos salários e ordenados. 4 Ver, por exemplo, Midelfart-Knarvik, Overman, Redding and Venables (1999) The location of European industry. 5 Estas projecções não têm em conta os futuros membros da UE, que podem afectar as tendências subjacentes, principalmente da imigração, muito embora seja provável que a maior parte deste movimento migratório ocorra entre estes países e os actuais Estados-Membros da UE, mas também, a mais longo prazo, as taxas de natalidade e de mortalidade. 6 Note-se que estas taxas servem apenas de indicadores demográficos. Embora elas reflictam os problemas relacionados com os sistemas de bem-estar social e de tributação, existem outros factores igualmente importantes que devem ser tidos em conta, principalmente o número de pessoas em idade activa que estão de facto empregadas e a pagar impostos e contribuições sociais. 7 Baseado nos últimos cenários para a força do trabalho regional da Eurostat, compilados em 1998, que são combinados com as projecções da população produzidas em Os cenários cobrem 4 regiões NUTS nível 2 na UE, durante o período de 1995 a 25. O cenário de referência que é referido no texto parte do pressuposto que as tendências actuais se continuarão a verificar, embora com alguma redução nos desequilibrios regionais. 8 European Integration Consortium (DIW/CEPR/FIEF/IAS/IGIER), The Impact of Eastern Enlargement on employment and labour markets in the EU Member States; estudo efectuado para a DG do Emprego e Assuntos Sociais da Comissão Europeia; Berlin/Milan. 9 Bauer, T. and Zimmermann, K.(1999): Assessment of possible migration pressure and its labour market impact following EU enlargement to Central and Eastern Europe, Study for the UK Department of Education and Employment, IZA and CEPR, Bonn/London, Germany/UK. 1 Formação de capital fixo bruto é a rede de investimentos de disponíveis. Bruto refere-se ao facto de ele não ter em conta a depreciação ou consumo de capital. Fixo significa que apenas é considerado o investimento que é utilizado por mais de um ano. 11 O stoque bruto de capital é calculado através da acumulação do investimento anterior deduzindo o valor cumulado do investimento que foi retirado. O stoque líquido de capital inclui a depreciação e é, por isso, provavelmente a melhor medida. 12 Por exemplo, Abramovitz (1989) Thinking about growth. 13 A densidade é medida através de umíndice composto que indica a dotação de uma determinada região em relação à média da UE. Especificamente, é uma média aritmética do número de quilómetros de auto-estrada em relação à sua área territorial e população. 14 Medida da mesma forma que para as estradas, através de um índice composto da extensão de caminho-de-ferro numa região, em relação à sua área territorial e população, comparada com a média da UE. 64

6 15 Ver o estudo sobre The impact of eastern enlargement on employment and the labour market in the EU Member States (part B Strategic Report, chapter 3.3). 16 Eurostat, Inquérito sobre as Forças do Trabalho de Ver OECD: Education at a glance, p.195ss. 18 Ver OECD: Education policy analysis 1999, p.49ss. O estudo apenas fornece dados de 1997/98 para os 1 seguintes Estados-Membros: Bélgica (Comunidade Flamenga), Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Países Baixos, Portugal, Suécia e Reino Unido. 19 CEC (1995), Livro Verde sobre a Inovação, Comissão Europeia, Luxemburgo. COM()567 de de Setembro de. 21 Innovation policy in a knowledge-driven economy COM () 567 of September. 22 Impact of the enlargement of the EU towards the associated Central and Eastern European countries on RTD-innovation and structural policies, European Communities Job opportunities in the Information Society, CEC 1998, p Measuring the ICT Sector, OECD (). O sector de TIC é definido com base em 11 classes ISIC. Para a indústria transformadora, os produtos de uma indústria TIC têm que ter por objectivo preencher a função de processamento e comunicação da informação, incluindo a transmissão e mostra ou têm que utilizar processamento electrónico para detectar, medir e/ou registar fenómenos físicos ou controlar um processo físico. Para os serviços, a indústria tem que ter por objectivo permitir a função de processamento e comunicação de informação por meios electrónicos 25 As indústrias da Sociedade de Informação incluem as indústrias de conteúdos (por exemplo, publicação, audio-visuais, publicidade) e as indústrias ligadas a TIC (por exemplo, computadores e software, serviços informáticos, equipamento e serviços de telecomunicações). 26 Ver Emprego na Europa,, Chapter Baseado em dados da International Data Corporation (IDC), Internet Commerce Market Model, Goldman Sachs US (1999), B2B: 2B or not 2B, e-commerce/internet Goldman Sachs Investment Research. 29 As despesas em TIC incluem hardware, software e services TI, e equipamentos e serviços de telecomunicações a preços de mercado. 3 Gallup Residential Survey (). 31 European Survey of Information Society (ESIS) in Central and Eastern European countries, CEC The Gallup survey of small and medium-sized enterprises (SMEs) (). 65

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal IP/08/1397 Bruxelas, 25 de Setembro de 2008 Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal Como é que a UE vai conseguir que todos os europeus

Leia mais

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 IP/08/1422 Bruxelas, 29 de Setembro de 2008 Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 A Europa pode liderar a Internet da próxima geração.

Leia mais

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa IP/09/343 Bruxelas, 3 de Março de 2009 Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa A Comissão declarou hoje considerar prioritária

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação As políticas nacionais para a Sociedade do Conhecimento: literacia/competências digitais e inclusão social Graça Simões Agência para a Sociedade do Conhecimento UMIC Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro

Leia mais

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Regulamentação dos serviços profissionais Iain Paterson, Marcel Fink, Anthony Ogus et al. Resumo Estudo

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2003 COM(2003) 26 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PENSAR EM TERMOS DE PEQUENAS EMPRESAS NUMA EUROPA EM ALARGAMENTO COMUNICAÇÃO

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial Inovação Chave de Competitividade Luís Ribeiro Rosa ES Research - Research Sectorial 22 de Novembro de 2009 Inovação - Uma chave de um novo contexto Especificidades da economia portuguesa Inovação - A

Leia mais

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020 PROGRAMA OPERACIONAL INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO 18 de fevereiro de 2015 1 Coesão económica social e territorial Enquadramento Crescimento inteligente sustentável e inclusivo Estratégia Europa 2020 Agenda

Leia mais

3º Seminário. As finanças locais, instrumento da política ambiental

3º Seminário. As finanças locais, instrumento da política ambiental 3º Seminário As finanças locais, instrumento da política ambiental Propostas da campanha nacional RFA Índice da apresentação - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT - RFA Nacional - Resumo seminários

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Ano Europeu da Criatividade e Inovação

Ano Europeu da Criatividade e Inovação Ano Europeu da Criatividade e Inovação Imaginar criar inovar Índice A União Europeia O caminho da UE O Ano Europeu Criatividade e Inovação. Porquê? Criatividade e Inovação. Importância Criatividade e Inovação.

Leia mais

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português Nuno Gonçalves Ana Paula Africano Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords model. JEL Codes 41 estudos

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica

Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica IP/08/641 Bruxelas, 25 de Abril de 2008 Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica A Comissão Europeia publicou hoje as conclusões de um

Leia mais

PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020)

PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020) PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020) Maria da Graça a Carvalho Universidade de Évora 5 Janeiro 2012 Índice Mundo Multipolar na investigação e inovação Europa

Leia mais

Necessidade. de uma nova atitude

Necessidade. de uma nova atitude Necessidade de uma nova atitude O Conselho Europeu de Lisboa, de Março 2000, definiu um ambicioso objectivo estratégico a 10 anos, de tornar a União Europeia no espaço económico mais dinâmico e competitivo

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009 Direção-Geral da Comunicação Unidade do Acompanhamento da Opinião Pública Bruxelas, 13 de novembro de 2012 PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão IP/08/836 Bruxelas, 3 de Junho de 2008 A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão A Comissão Europeia acelerou hoje os seus esforços para promover a utilização na

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017 ESTUDO IDC/ACEPI Economia Digital em Portugal 2009-2017 ECONOMIA DIGITAL NO MUNDO (2012) 2.5 mil milhões de internautas no mundo 850 mil milhões de euros 300 mil milhões de euros Europa maior mercado de

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS. Síntese

O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS. Síntese Comissão Europeia, Employment in Europe 2005 Recent Trends and Prospects, Office for Official Publications of the European Communities, Luxemburgo, 2005, 301 pp.. O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES

Leia mais

"Voluntariado e Solidariedade Intergeracional"

Voluntariado e Solidariedade Intergeracional EUROPEAN PARLIAMENT Voluntariado e Solidariedade Intergeracional Relatório Trabalho de campo: Abril-Maio 2011 Publicação: Outubro 2011 Special Eurobarometer / Wave 75.2 TNS Opinion & Social O presente

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I 1.1 Indique o nome dos continentes e Oceanos assinalados na figura 1, respectivamente com letras e números.

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

NUTS 2 0 1 3 AS NOVAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS

NUTS 2 0 1 3 AS NOVAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS NUTS 2 0 1 3 AS NOVAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS MAIO 2015 2 NUTS 2013 AS NOVAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. O REGULAMENTO DA NOMENCLATURA

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Estatísticas das Receitas Fiscais 1995-2013 15 de maio de 2014 Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Em 2013, a carga fiscal aumentou 8,1%, após a diminuição observada em 2012,

Leia mais

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL Observatório Pedagógico Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Objectivos: 21 22 23 24 25 26 29 21 22 23 24 25 26 29 "shares"

Leia mais

Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido?

Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido? PT Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido? A Informações sobre o Regulamento de Dublim destinadas aos requerentes de proteção internacional, em conformidade com o artigo 4.º do Regulamento

Leia mais

Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015

Mercado Único Digital Conferência ANACOM Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mário Campolargo Director, NET Futures European Commission

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP Portugal

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP Portugal Computadores e Internet nas Escolas em Portugal IV Encontro sobre os Objectivos do Milénio da ONU e as TIC, dedicado às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), Inovação e Conhecimento FIL, Parque

Leia mais

A ESTRATÉGIA DE LISBOA: PORTUGAL NO CONTEXTO DA UNIÃO EUROPEIA Análise da evolução à luz dos Indicadores Estruturais

A ESTRATÉGIA DE LISBOA: PORTUGAL NO CONTEXTO DA UNIÃO EUROPEIA Análise da evolução à luz dos Indicadores Estruturais A ESTRATÉGIA DE LISBOA: PORTUGAL NO CONTEXTO DA UNIÃO EUROPEIA Análise da evolução à luz dos Indicadores Estruturais Novembro de 2004 ÍNDICE 0 INTRODUÇÃO... 4 ESTRUTURA DO RELATÓRIO... 4 1 ENQUADRAMENTO

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE Maria da Graça a Carvalho ISEP 27 Abril 2012 Índice Ensino Superior na Europa Investigação Científica na Europa Necessidade de Reforma das Instituições de E.S. Modernização

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL No ano de 2000, o Conselho Europeu, reunido em Lisboa, fixou o objectivo de na próxima década, tornar-se a economia baseada no conhecimento mais competitiva e dinâmica

Leia mais

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Pedro Duarte Neves Preparado para o painel "A Sociedade da Informação em Portugal: Situação e Perspectivas de Evolução" Fórum para a Sociedade da Informação

Leia mais

&RQWH[WRHFRQyPLFRHGHVHPSHQKRGRHPSUHJR. Bruxelas, 6 de Setembro de 2002

&RQWH[WRHFRQyPLFRHGHVHPSHQKRGRHPSUHJR. Bruxelas, 6 de Setembro de 2002 ,3 Bruxelas, 6 de Setembro de 2002 &RPLVVmR DILUPD TXH DV PHWDV GH HPSUHJR GH /LVERDVmRDLQGDUHDOL]iYHLVVHRV(VWDGRV0HPEURV GHUHP SULRULGDGH jv UHJL}HV SUREOHPiWLFDV H D HPSUHJRVSDUDDVPXOKHUHVHRVWUDEDOKDGRUHVPDLV

Leia mais

A TRIBUTAÇÃO DAS PME NA UNIÃO EUROPEIA

A TRIBUTAÇÃO DAS PME NA UNIÃO EUROPEIA A TRIBUTAÇÃO DAS PME NA UNIÃO EUROPEIA As actividades e o desenvolvimento das PME são fundamentais para o crescimento económico da União Europeia, daí que se torne primordial saber como são tributadas

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal Francisco Cordovil (Director do GPP) 30 de Abril de 2010 1 I. A agricultura perante a sociedade: compreender os desafios e agir positivamente

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial.

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. 1 Conteúdo Conceitos e definições segundo a NP 4456:2007 A inovação no mundo e em Portugal 2 Objectivos Situar a problemática

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 03 de Dezembro de 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

1995-2001 PRINCIPAIS INDICADORES ESTATÍSTICOS SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO PORTUGAL

1995-2001 PRINCIPAIS INDICADORES ESTATÍSTICOS SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO PORTUGAL SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO PRINCIPAIS INDICADORES ESTATÍSTICOS 1995-2001 PORTUGAL OCT OBSERVATÓRIO DAS CIÊNCIAS E DAS TECNOLOGIAS MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA Equipa: João Mata (coordenador) Nuno

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

A Comissão Europeia pretende reduzir significativamente as disparidades salariais entre homens e mulheres

A Comissão Europeia pretende reduzir significativamente as disparidades salariais entre homens e mulheres IP/10/236 Bruxelas, 5 de Março de 2010 A Comissão Europeia pretende reduzir significativamente as disparidades salariais entre homens e mulheres A Comissão Europeia tenciona lançar uma série de medidas

Leia mais

Debates sobre a Estratégia de Lisboa

Debates sobre a Estratégia de Lisboa Debates sobre a Estratégia de Lisboa Crescimento e Emprego Juntos a trabalhar pela Europa do futuro 2006-2008 Data de actualização: 19 de Dezembro de 2007 Em parceria: Alto Patrocínio: Debates sobre a

Leia mais

Prémios europeus de iniciativa empresarial 2010 2 / 10

Prémios europeus de iniciativa empresarial 2010 2 / 10 MANUAL OPERACIONAL Prémios europeus de iniciativa empresarial 2010 2 / 10 Julho 2010 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência na iniciativa empresarial... 3 1.2.

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Tópicos da Intervenção do Senhor Ministro da Economia e da Inovação 24 de Novembro de 2005 Plano Tecnológico - Inovação e Crescimento

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Agenda Digital: investimento na economia digital é chave para futura prosperidade da Europa, afirma relatório da Comissão

Agenda Digital: investimento na economia digital é chave para futura prosperidade da Europa, afirma relatório da Comissão IP/10/571 Bruxelas, 17 de Maio de 2010 Agenda Digital: investimento na economia digital é chave para futura prosperidade da Europa, afirma relatório da Comissão De acordo com o relatório da Comissão Europeia

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2005 C(2005) 103/2 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia Parte 1 Principais condições de oferta grossista

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

sobre o relatório do mecanismo de alerta 2013,

sobre o relatório do mecanismo de alerta 2013, COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.11.2012 COM(2012) 751 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO BANCO CENTRAL EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU, AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias BANDA LARGA

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias BANDA LARGA 03 DE DEZZEMBRO 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

Perguntas e respostas sobre o grupo de trabalho para a Grécia e o seu segundo relatório trimestral Ver também: IP/12/242

Perguntas e respostas sobre o grupo de trabalho para a Grécia e o seu segundo relatório trimestral Ver também: IP/12/242 MEMO/12/184 Bruxelas, 15 de março de 2012 Perguntas e respostas sobre o grupo de trabalho para a Grécia e o seu segundo relatório trimestral Ver também: IP/12/242 1. Qual é a missão do grupo de trabalho

Leia mais

Observatório das PME Europeias 2002. PME em foco. Principais resultados do Observatório das PME Europeias 2002

Observatório das PME Europeias 2002. PME em foco. Principais resultados do Observatório das PME Europeias 2002 Observatório das PME Europeias 2002 PME em foco Principais resultados do Observatório das PME Europeias 2002 Esta brochura apresenta os principais resultados dos relatórios publicados em 2002 no âmbito

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

Globalização e Distribuição Tendências e Desafios

Globalização e Distribuição Tendências e Desafios Globalização e Distribuição Tendências e Desafios Augusto Mateus Instituto Superior de Economia e Gestão Instituto Formação Empresarial Avançada Augusto Mateus & Associados 20º Aniversário Lisboa, 12 Maio

Leia mais

Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC

Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC IP/08/605 Bruxelas, 18 de Abril de 2008 Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC Mais de metade dos europeus são neste momento

Leia mais

Factos e Números Essenciais

Factos e Números Essenciais União Europeia Factos e Números Essenciais sobre a União Europeia Esta publicação é editada em todas as línguas oficiais da União Europeia: alemão, dinamarquês, espanhol, finlandês, francês, grego, inglês,

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Portugal como destino de Nearshore Outsourcing Rogério Carapuça

Portugal como destino de Nearshore Outsourcing Rogério Carapuça Portugal como destino de Nearshore Outsourcing Rogério Carapuça Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação Portugal Outsourcing 2008/2010 PORTUGAL COMO DESTINO DE NEARSHORE OUTSOURCING EDIÇÃO

Leia mais

A DGAE e a Política de Inovação

A DGAE e a Política de Inovação A DGAE e a Política de Inovação Seminário A Criatividade e a Inovação como Factores de Competitividade e Desenvolvimento Sustentável APOCEEP, 9 de Julho de 2009 José António Feu Director do Serviço para

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 Regras de Atribuição de DNS 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 O DNS em Portugal O nome de domínio.pt Como registar um nome de domínio em.pt As regras As novas possibilidades de registo

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais