Valores, Classes e Género na Europa João Ferreira de Almeida* Rui Brites**

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Valores, Classes e Género na Europa João Ferreira de Almeida* Rui Brites**"

Transcrição

1 Valores, Classes e Género na Europa João Ferreira de Almeida* Rui Brites** * Professor Catedrático do Departamento de Sociologia do ISCTE e investigador do CIES/ISCTE. ** Professor Auxiliar do Departamento de Métodos Quantitativos do ISCTE e investigador do CIES/SCTE. 1

2 Os valores na pesquisa social A análise dos valores assume hoje uma posição central na pesquisa social, podendo ser conceptualizados como sistemas organizados e relativamente duradouros de preferências. Exprimem-se numa determinada cultura, entendendo-se esta na sua acepção antropológica, como um agregado extenso e variado de características que, ao limite, é sinónimo da própria noção de sociedade (Almeida, 1994). 2

3 A perspectiva sociológica analisa a significação dos valores em si mesmos e como indutores e referência de comportamentos, procurando, ao mesmo tempo, os seus enraizamentos em classes sociais, em grupos e em indivíduos, sem descurar os grandes agregados constituídos pelos Estados nacionais e as suas eventuais identidades diferenciais. Como nota Schwartz, que propôs as bases de uma teoria estrutural dos valores, estes expressam metas motivacionais e diferenciam-se, precisamente, pelas metas que expressam (Schwartz, 1996). 3

4 O principal objectivo desta comunicação é o de detectar alguns padrões de valores das classes sociais na Europa, por um lado, e verificar se esses valores se distinguem também por género, no interior de cada classe, por outro. 4

5 Dados e procedimentos de análise Os dados analisados são provenientes do European Social Survey (ESS), rounds 1 e 2, de 2002 e 2004, respectivamente, sendo as amostras representativas dos países analisados. A tipologia de classes sociais é baseada na que tem sido desenvolvida por Ferreira de Almeida, Firmino da Costa e F. Luís Machado, que toma em consideração indicadores socioprofissionais também disponíveis no ESS, como a profissão e a situação na profissão, bem como sócioeducacionais, como os níveis de escolaridade. Foram criadas seis categorias: - Empresários e dirigentes; - Profissionais liberais; - Profissionais técnicos e de enquadramento; - Trabalhadores independentes; - Empregados executantes; 5 - Operários.

6 Valores sobre o trabalho 6

7 O ESS round 2 colocou a seguinte questão relativa aos valores sobre o trabalho*: Se estivesse à procura de trabalho, qual a importância que cada um dos seguintes aspectos teria para si pessoalmente? Os aspectos contemplados foram: - Trabalho seguro; - Remuneração elevada; - Boas oportunidades de promoção; - Um trabalho em que pudesse ter iniciativa; - Um trabalho que lhe permitisse conciliar o trabalho com as responsabilidades familiares Os resultados revelam o seguinte: * A esta questão só responderam os inquiridos com menos de 70 anos, tendo os indicadores sido medidos numa escala que varia de 1=nada importante, a 5=muito importante 7

8 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0,0-0,1-0,2-0,3-0,4 Prioridade dos valores sobre o trabalho por classe social (médias centradas individualmente) -0,5 Empresários e Dirigentes Profissionais Liberais Profissionais técnicos e de enquadramento Trabalhadores independentes Empregados executantes Operários Trabalho seguro Remuneração elevada Boas oportunidades de promoção Um trabalho em que pudesse ter iniciativa Um trabalho que permita conciliar com responsabilidades familiares Fonte: ESS, round 2 (2004) O trabalho seguro é a 1ª prioridade para os Operários, os Trabalhadores executantes, os Profissionais técnicos e de enquadramento e os Trabalhadores independentes, enquanto para os Empresários e dirigentes e Profissionais liberais esse papel 8 cabe ao trabalho com iniciativa.

9 Valores sobre o trabalho: perfil das classes sociais Um trabalho em que pudesse ter iniciativa Um trabalho que permita conciliar com responsabilidades familiares Boas oportunidades de promoção Trabalho seguro SPSS/CatPCA. Cronbach Alpha = 0852; Variance Accounted for Dimensions=62,8% Fonte: ESS, round 2 (2004) Empregados Profissionais executantes técnicos e de enquadramento Trabalhadores indepentes Operários Profissionais Liberais Empresários e Dirigentes Remuneração elevada Os Profissionais liberais e os Empresários e dirigentes opõemse aos Empregados executantes e aos Operários. Estes mais identificados com o trabalho seguro e aqueles com o trabalho onde possam ter iniciativa. 9

10 Perfil dos valores sobre o trabalho por classe social e género Remuneração elevada Trabalho seguro Operárias Operários EE Boas oportunidades de promoção EE Um trabalho que permita conciliar com responsabilidades familiares TI TI PTE EeD PTE EeD PL PL Um trabalho em que pudesse ter iniciativa Fonte: ESS, round 2 (2004) Saliente-se que são as Empregadas executantes e as Profissionais técnicas e de enquadramento que mais priorizam um trabalho que permita conciliar com as responsabilidade s familiares. Já os Profissionais Liberais elase eles são os que dão prioridade a terem um trabalho em que possam ter iniciativa, 10

11 Sindicalismo e mobilidade profissional 11

12 Os trabalhadores precisam de sindicatos fortes que os defendam (percentagens) 76,6 13,2 72,0 14,1 10,2 13,8 80,7 80,8 12,1 13,2 7,2 6,0 Escandinavos Norte+Centro Europa Países Pós-comunistas Sul da Europa Discorda Nem concorda nem discorda Concorda Fonte: ESS, round 1 (2002) A esmagadora maioria dos europeus que trabalham concorda com a existência de sindicatos fortes que defendam os direitos 12dos trabalhadores

13 Os trabalhadores precisam de sindicatos fortes que os defendam, por classe social e sexo (percentagens) Homens Empresários e Dirigentes 22,4 18,6 59,1 Mulheres Empresárias e Dirigentes 18,4 17,0 64,6 Homens Profissionais Liberais 25,8 18,0 56,2 Mulheres Profissionais Liberais 16,7 17,8 65,5 Homens Profissionais técnicos e de enquadramento 14,1 16,6 69,3 Mulheres Profissionais técnicos e de enquadramento 10,4 13,7 75,9 Homens Trabalhadores independentes 12,9 12,4 74,7 Mulheres Trabalhadoras independentes 8,9 11,4 79,7 Homens Empregados executantes 9,2 13,2 77,6 Mulheres Empregadas executantes 7,5 12,2 80,3 Homens Operários 7,5 10,8 81,7 Mulheres Operárias 6,1 8,8 85,1 Discorda Nem concorda nem discorda Concorda Fonte: ESS, round 1 (2002) Em todas as classes, as mulheres concordam mais que os homens que os trabalhadores precisam de sindicatos fortes que os defendam. Embora não seja surpreendente, note-se 13que a concordância aumenta das classes com maior para as de menor capital económico e cultural.

14 Recusaria outro trabalho, mesmo mais bem pago, para ficar na organização onde estou (percentagens) 31,7 23,4 Países escandinavos 36,2 21,2 44,9 42,6 Europa do Norte e do Centro 22,0 17,4 60,6 Países póscomunistas 32,8 20,7 46,5 Europa do Sul Discorda Não concorda nem discorda Concorda Fonte: ESS, round 2 (2004) Apenas cerca de 32% dos europeus a trabalharem por conta de outrem, no momento da aplicação do questionário, admitem que recusariam outro trabalho, mesmo mais bem pago, para ficarem na organização a que pertencem. É nos países Pós-comunistas que mais se verifica a opção de eventual saída 14 da empresa ou da organização.

15 Recusaria outro trabalho, mesmo mais bem pago, para ficar na organização onde estou, por classe e sexo (percentagens) Homens Empresários e Dirigentes 36,0 23,6 40,4 Mulheres Empresárias e Dirigentes 41,2 23,7 35,0 Homens Profissionais técnicos e de enquadramento 39,9 23,0 37,1 Mulheres Profissionais técnicos e de enquadramento 44,9 22,1 33,0 Homens Empregados executantes 49,9 18,1 31,9 Mulheres Empregadas executantes 50,5 18,8 30,8 Homens Operários 52,3 19,3 28,4 Mulheres Operárias 59,0 16,2 24,8 Discorda Não concorda nem discorda Concorda Fonte: ESS, round 2 (2004) As classes que menos discordam as mais ligadas à sua organização actual - são as que possuem mais capital económico e cultural e, em todas elas, as 15 mulheres mostram-se mais disponíveis para a eventual mudança

16 Extremamente 10 fácil Extremamente difícil Noruega Suécia Finlândia Fonte: ESS, round 2 (2004) Dinamarca Mobilidade profissional (médias) Islândia Reino Unido Alemanha Áustria Holanda É claro o hiato entre a percepção que os trabalhadores por conta de outrem têm sobre a facilidade em mudarem de empresa e a facilidade em serem substituídos. Sendo relativamente diminuto esse hiato nos países Escandinavos e no Reino Unido, ele vai-se acentuando para os países Pós comunistas e do Sul, evidenciando assim, nestes últimos, uma perspectiva mais pessimista a respeito de mobilidades positivas, o que retraduz diferentes condições objectivas 16 dos mercados de trabalho no quadro europeu. Bélgica Em que medida seria para si fácil ou difícil arranjar, noutro empregador, um trabalho tão bom ou melhor do que o que tem agora? Em que medida seria fácil ou difícil, para o seu empregador, arranjar alguém para o substituir caso se fosse embora? Centro da escala Luxemburgo Suíça Irlanda Rep.Checa Polónia Eslovénia Eslováquia Estónia Espanha Portugal Grécia

17 Confiança social e Confiança institucional 17

18 A confiança social* e a confiança institucional**, são medidas através de índices sintéticos que contemplam os seguintes indicadores: Confiança social Confiança nos outros; confiança na honestidade dos outros; confiança no altruísmo dos outros Confiança institucional confiança no Parlamento nacional; confiança no Sistema jurídico; confiança na Polícia confiança nos Políticos * Variância explicada: 68%; Alpha de Cronbach: 0,76. ** Variância explicada: 69%; Alpha de Cronbach: 0,88. 18

19 + 1,50 1,25 Índice sintético de Confiança Institucional média (valores standardizados) 1,00,75,50,25,00 -,25 -,50 -,75 Grécia Hungria Portugal Eslováquia Espanha França Eslovénia Bélgica Rep.Checa Estónia Áustria Reino Unido Alemanha Polónia -1,00-1,00 -,75 -,50 -,25,00,25,50,75 1,00 - média + (valores standardizados) Índice sintético de Confiança Social Irlanda Finlândia Dinamarca Luxemburgo Islândia Suíça Noruega Suécia Holanda r=0,837; p<,001 19

20 +,40 Pof.Técnicos e de Enquadramento,30 Índice sintético de Confiança Institucional média (valores standardizados) -,20,10,00 -,10 -,20 -,30 -,30 Trabalhadoras Independentes Operárias -,20 Trabalhadores Independentes Operários Empregados Executantes Empresários e Dirigentes Empregadas Executantes -,10,00,10 média (valores standardizados) Índice sintético de Confiança Social,20 Prof.Técnicas e de Enquadramento Profissionais Liberais Profissionais Liberais Empresárias e Dirigentes r=0,762; p=0,004,30,

21 É tudo. Muito obrigado pela vossa atenção! 21

Valores e Classes Sociais: diferenças e semelhanças de género em Portugal. João Ferreira de Almeida / Anália Torres / Rui Brites CIES/ISCTE

Valores e Classes Sociais: diferenças e semelhanças de género em Portugal. João Ferreira de Almeida / Anália Torres / Rui Brites CIES/ISCTE Valores e Classes Sociais: diferenças e semelhanças de género em Portugal João Ferreira de lmeida / nália Torres / Rui Brites CIES/ISCTE 1 Os valores na pesquisa social análise dos valores assume hoje

Leia mais

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Relatório A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a exclusão social

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho

Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho Anália Cardoso Torres Quatro ideias fundamentais. Grande valorização da família em todos

Leia mais

A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português. Albino Maria

A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português. Albino Maria A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português Albino Maria O ASSOCIATIVISMO NOS DIAS DE HOJE DO MODELO DE EXCLUSÃO AO MODELO DE INCLUSÃO DO LEMA MAIS FORTE, MAIS ALTO, MAIS

Leia mais

Renegociando as relações de género no cenário da vida familiar e profissional

Renegociando as relações de género no cenário da vida familiar e profissional Congresso Luso-Afro-Brasileiro Família, Género e Identidades Braga 4 7 Fevereiro 2009 Renegociando as relações de género no cenário da vida familiar e profissional Anália Torres Rui Brites Bernardo Coelho

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

Atitudes e valores face ao Trabalho:

Atitudes e valores face ao Trabalho: IV SEMINÁRIO DE ESTUDOS HISTÓRICOS SOBRE O ALGARVE Atitudes e valores face ao Trabalho: A Especificidade do Algarve numa Perspectiva europeia e regional Tavira, 16 de Agosto de 2008 Rui Brites rui.brites@iscte.pt

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009 Direção-Geral da Comunicação Unidade do Acompanhamento da Opinião Pública Bruxelas, 13 de novembro de 2012 PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais

Leia mais

Valores e Felicidade na Europa e em Portugal

Valores e Felicidade na Europa e em Portugal alores e Felicidade na Europa e em Portugal Rui Brites Professor Associado convidado do ISEG-Instituto Superior de Economia e Gestão Estudo completo alores e Felicidade no século XXI: um retrato sociológico

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

Portugal no contexto europeu Entre tradição e modernidade

Portugal no contexto europeu Entre tradição e modernidade Portugal no contexto europeu Entre tradição e modernidade Anália Cardoso Torres Professora Catedrática do ISCSP, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa Presidente

Leia mais

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL Observatório Pedagógico Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Objectivos: 21 22 23 24 25 26 29 21 22 23 24 25 26 29 "shares"

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

A PMA E AS TRANSFORMAÇÕES NA FAMÍLIA

A PMA E AS TRANSFORMAÇÕES NA FAMÍLIA PMA: Presente e Futuro. Questões Emergentes nos contextos Científico, Ético, Social e Legal A PMA E AS TRANSFORMAÇÕES NA FAMÍLIA Anália Cardoso Torres Professora Catedrática do ISCSP Instituto Superior

Leia mais

Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas

Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas Portugees - Portugais Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas Como podemos ajudar-te? À tua chegada à Bélgica Tens menos de 18 anos e chegaste à Bélgica sem o teu pai ou a tua mãe? Estás a procurar

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS

CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS News Release DATA: 30 de Janeiro CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS As vendas dos carros novos a gasóleo na Europa continuam a aumentar à medida que os consumidores trocam

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Percursos femininos dos séculos XX ao XXI. Da mulher-natureza à mulher mulher-indivíduo

Percursos femininos dos séculos XX ao XXI. Da mulher-natureza à mulher mulher-indivíduo Percursos femininos dos séculos XX ao XXI. Da mulher-natureza à mulher mulher-indivíduo Anália Cardoso Torres Socióloga Professora Catedrática do ISCSP Universidade Técnica de Lisboa www.analiatorres.net

Leia mais

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido PROGRAMA ERASMUS+ AÇÃO 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL PARA FINS DE APRENDIZAGEM ENSINO SUPERIOR 2015 TABELA DE BOLSAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS TABELA 1 De Portugal Continental para: Valor

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda Formação Inicial de Professores na União Europeia Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda 1999 - O Processo de Bolonha Um Espaço Europeu de Ensino Superior (EEES) globalmente harmonizado

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

CENTRO EUROPEU DO CONSUMIDOR - PORTUGAL EUROPEAN CONSUMER CENTRE

CENTRO EUROPEU DO CONSUMIDOR - PORTUGAL EUROPEAN CONSUMER CENTRE ECC-Net: Travel App Uma nova aplicação para telemóveis destinada aos consumidores europeus que se deslocam ao estrangeiro. Um projeto conjunto da Rede de Centros Europeus do Consumidor Nome da app: ECC-Net:

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 Regras de Atribuição de DNS 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 O DNS em Portugal O nome de domínio.pt Como registar um nome de domínio em.pt As regras As novas possibilidades de registo

Leia mais

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão Cafés e Internet A solução HORECA que lhe dá tudo O pacote é a solução para o segmento HORECA que conjuga os melhores conteúdos de desporto nacional e internacional, com telefone e internet. Chamadas ilimitadas

Leia mais

O que podemos fazer para lutar contra a discriminação?

O que podemos fazer para lutar contra a discriminação? O que podemos fazer para lutar contra a discriminação? Inclusion Europe Informação A Inclusion Europe e os seus 47 membros de 33 países lutam contra a discriminação: Portugal República Checa Roménia Rússia

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012 Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA Lisboa, 31 de Maio de 2012 O ESPAD European School Survey on Alcohol and other Drugs é um inquérito a nível europeu, que se realiza atualmente em

Leia mais

Seu guia completo para nossos serviços móveis

Seu guia completo para nossos serviços móveis Seu guia completo para nossos serviços móveis Entre na maior comunidade de serviços móveis das Ilhas do Canal Guernsey GRÁTIS www.jtglobal.com Pesquise por Jtsocial A JT oferece mais Custo/benefício A

Leia mais

MINIGUIA DA EUROPA 2011 Comunicar com os Europeus Línguas Na Europa fala-se muitas línguas, cujas principais famílias são a germânica, a românica, a eslava, a báltica e a céltica. As instituições da União

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística

O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística 31 de Maio e 1 de Junho de 2007 Angra do Heroísmo ana.oliveira@ine.pt AGENDA 1. Enquadramento 2. Informação Geográfica

Leia mais

CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL

CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL abril 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança

Leia mais

A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*)

A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*) A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*) Covilhã, 18 de Maio de 2007 (*) Manuel Delgado 1 AGENDA I Breve Caracterização dos Recursos Humanos da Saúde II As Despesas com Pessoal

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

Condições para uma aprendizagem eficaz

Condições para uma aprendizagem eficaz Creating Effective Teaching and Learning Environments: First Results from TALIS Summary in Portuguese Criação de Ambientes Eficazes para o Ensino e Aprendizagem: Primeiros Resultados do TALIS Sumário em

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

Maria João da Cruz Nogueira

Maria João da Cruz Nogueira Maria João da Cruz Nogueira Trabalho elaborado para a Oficina de Formação: A Educação Sexual em Meio Escolar: metodologias de abordagem/intervenção Formadoras: Cândida Ramoa, Isabel Leitão Matosinhos Fevereiro

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

Informação diagnóstico

Informação diagnóstico Informação diagnóstico O declínio demográfico da cidade de Lisboa e a periferização da área metropolitana Evolução Comparada das Populações de Portugal, da Área Metropolitana de Lisboa e do Concelho de

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem GUIA DE CANDIDATURA PARA MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA ESTÁGIOS ERASMUS+ (SMP)

Leia mais

PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA DOS FAMILIARES

PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA DOS FAMILIARES A COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES MIGRANTES Ver «Instruções» na página 4 E 411 ( 1 ) PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO

OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition Summary in Portuguese Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Sumário em Português Panorama da Educação oferece aos educadores, aos decisores

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD)

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) MEMO/11/406 Bruxelas, 16 de Junho de 2011 Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) Em férias nunca se sabe! Está a pensar viajar na UE ou na Islândia,

Leia mais

Comportamento Organizacional

Comportamento Organizacional Instituto Superior de Economia e Gestão Comportamento Organizacional M.B.A. Maria Eduarda Soares Tema 1 - Conceito e Âmbito do Comportamento Organizacional Definição de comportamento organizacional. Objectivos

Leia mais

ESLC 2011 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PROJAVI PROJETOS DE AVALIAÇÃO INTERNACIONAL DE ALUNOS

ESLC 2011 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PROJAVI PROJETOS DE AVALIAÇÃO INTERNACIONAL DE ALUNOS 1 PROJAVI PROJETOS DE AVALIAÇÃO INTERNACIONAL DE ALUNOS 2 SUMÁRIO EXECUTIVO ESCL apresentação do estudo O primeiro Inquérito Europeu às Competências em Línguas (ESLC 1 ), iniciativa da Comissão Europeia,

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais O Conselho Superior da Magistratura é membro de duas organizações internacionais que promovem a cooperação e concertação

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Vodafone Negócios. Red é todas as coisas boas para o seu negócio. Sem preocupações, sem limites.

Vodafone Negócios. Red é todas as coisas boas para o seu negócio. Sem preocupações, sem limites. Vodafone Negócios Red é todas as coisas boas para o seu negócio Sem preocupações, sem limites. Vodafone Red Pro Chamadas e SMS para todas as redes Número fixo no telemóvel com funcionalidades One Net

Leia mais

Fórum de Pesquisas CIES 2008. e Estilos de Vida

Fórum de Pesquisas CIES 2008. e Estilos de Vida Fórum de Pesquisas CIES 2008 Classes Sociais e Estilos de Vida Classes Sociais e Estilos de Vida A Modernização das Estruturas Sociais, João Ferreira de Almeida, 2000 Os Estudantes Universitários e a Sociedade

Leia mais

O empreendedorismo em Portugal

O empreendedorismo em Portugal O empreendedorismo em Portugal Hoje 1. Obter uma perspectiva geral sobre a actividade empreendedora em Portugal e no mundo 2. O empreendedorismo e a actividade económica 3. Determinantes nacionais do empreendedorismo

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA O acesso à informação é um direito fundamental de todos os alunos com ou sem deficiência e/ou necessidades educativas especiais. Numa

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 Dispõe sobre o percentual mínimo e máximo de participação de membros de cada sexo nos conselhos de administração das empresas públicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias

Leia mais

Seu guia completo para nossos serviços móveis

Seu guia completo para nossos serviços móveis Seu guia completo para nossos serviços móveis Entre na maior comunidade de serviços móveis das Ilhas do Canal Jersey GRÁTIS www.jtglobal.com Pesquise por Jtsocial A JT oferece mais Custo/benefício A JT

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 Entrada e Permanência I. FONTES OFICIAIS NACIONAIS... 3 Vistos de Estada Temporária (VET) e de Residência (VR), emitidos em 2009, por Tipo de Visto... 4 Vistos de Estada

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais