MANUAL DO PROGRAMA DE CULTURA DIGITAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO PROGRAMA DE CULTURA DIGITAL"

Transcrição

1 MANUAL DO PROGRAMA DE CULTURA DIGITAL Av. D. Pedro II, Sala 07 N. Srª. das Graças CEP: Porto Velho- Rondônia - Brasil Fone/Fax: / 1

2 1. APRESENTAÇÃO A Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP, sem fins lucrativos, fundada em 17 de novembro de 1992, por um grupo de pessoas que trabalhavam com o povo indígena Uru-eu-wau-wau e na defesa do meio ambiente, em Rondônia. Entre as principais atividades desenvolvidas, desde a sua criação, destacamos: as ações de vigilância e fiscalização da Terra Indígena Uru-eu-wau-wau e do Parque Nacional de Pacaás Novos (RO); a assessoria às organizações indígenas; laudos de impacto ambiental; estudos e diagnósticos; avaliações ecológicas rápidas; educação ambiental; elaboração de projetos e acompanhamento de políticas públicas. Seu corpo técnico é formado de profissionais de diversas áreas: Biologia, Agronomia, Engenharia Florestal, História, Geografia, Antropologia, Direito, Cartografia, Saúde, Informática, Marketing, Fotografia, além dos importantíssimos indigenistas, mateiros, guias e estudantes que constantemente colaboram com nosso trabalho. As principais características de seus associados são: o respeito ao meio ambiente e aos povos indígenas, o profissionalismo, a alegria, a justiça, o gosto pela aventura, o conhecimento da floresta, a luta por uma qualidade de vida melhor. O Programa de Cultura Digital da Kanindé busca promover a inclusão social e digital nas comunidades indígenas que ainda nos dias atuais são excluídas do universo das Tecnologias da Comunicação e Informação - TICs. A Kanindé utiliza as novas tecnologias, no intuito de alcançar a sua missão de promover a harmonia entre o ser humano e o meio ambiente. Atuando para um desenvolvimento justo e responsável. O Programa de Cultura Digital da Kanindé é uma porta onde os indígenas perderam alcançar o acesso às essas informações, com o uso intensivo das tecnologias é possível ampliar a cidadania a cultura digital e promover a valorização cultural e a economia solidária, visando garantir a inserção dos indígenas na sociedade da informação e o fortalecimento do desenvolvimento local entendeu que a tecnologia é um instrumento que contribui para a valorização cultural e a formação de cada cidadão, aliada também a um sentido coletivo de apropriação dessa tecnologia. 2

3 2. PREMISSAS DO PROGRAMA Que os projetos sejam abertos à comunidade, visando o bom aproveitamento pelo maior número de cidadãos dos projetos de inclusão digital. Que a própria comunidade crie e valide mecanismos de gestão coletiva sobre o uso e funcionamento dos equipamentos, isto é, que as próprias pessoas beneficiadas pelos projetos possam gerir democraticamente as atividades culturais, educacionais e de formação que serão desenvolvidas. Que cada público além de ter acesso à Internet e a todo o campo de informações de que ela é portadora, possa também produzir conteúdos e conhecimentos para circular na rede mundial dos computadores, seja pela criação de vídeos, blogs, notícias, ou mesmo um documentário feito pela própria comunidade disponibilizada na Internet. 3. OBJETIVOS 3.1. OBJETIVO GERAL Desenvolver processos de produção e disseminação da cultura, fazer a inclusão social e digital, valorizar e resgatar expressões culturais populares com comunidades indígenas; e demais comunidades tradicionais, promover educação ambiental e popular, defender a vida, a cidadania e conservação ambiental OBJETIVOS ESPECÍFICOS Incentivar a produção de textos, imagens, e vídeos com o uso da tecnologia; Facilitar o diálogo intercultural, e Inter geracional; Acesso à informação e comunicação para diferentes etnias indígenas; Possibilitar o resgate e registro do patrimônio cultural imaterial e material. 4. EIXOS 4.1. Memória Digital (Registro, acervo, história e futuro); 4.2. Economia da Cultura Digital (compartilhamento, interesse público e mercado); 4.3. Infraestrutura para a Cultura Digital (infovia, acesso e inclusão); 4.4. Arte Digital (linguagem, democratização e remix); 4.5. Comunicação Digital e Comunitária (língua, mídia e convergência). 3

4 5. METODOLOGIA A metodologia utilizada levara em consideração o desenvolvimento local, integrado e sustentável fundamentado no saber e fazer da própria comunidade, privilegiando várias ações, formatadas em oficinas, seminários, cursos e eventos visando à universalização da cultura digital assim como a construção de uma rede social colaborativa que gerem conteúdo tecnológico indígena, de conhecimento, cultural, informativo e de compartilhamento com os povos indígenas e não indígenas, levando o conhecimento a partir de uma mídia étnica e critica pelo olhar dos povos indígenas em alianças estratégicas para ensino e qualificação da área de TIC. 6. OFICINAS 6.1. Inclusão Digital; 6.2. Produções Musicais; 6.3. Produções Audiovisuais; 6.4. Produções Gráficas; 6.5. Web Designer; 6.6. Direitos Autorais, Elaboração de Projetos, Produção de Eventos 7. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 6.1 Inclusões Digitais Noções Básicas de Informática Sistemas Operacionais - Linux, Windows Interface Gráfica do Ubuntu Interface Gráfica Windows BR Office, Microsoft Office Mozilla Firefox, Google Chrome, Internet Explorer 6.2 Produções Musicais Produção de Áudio Introdução à edição de áudio Equipamentos utilizados Programas para edição de áudio. Locução Produção de vinhetas 6.3 Produções Audiovisuais Produção Audiovisual Fotografia digital Filmagem digital 4

5 Equipamentos utilizados Produção de documentários 6.4 Produções Gráficas Design Gráfico WEB DESIGNER Design e suas aplicabilidades Tipos de design Cores e estilos Vetores Imagens Padrões e formatos de imagens Finalização de imagens Internet Impressão 6.5 Web Designer Flash Fire Works Dreamweaver HTML 6.6 Direitos Autorais, Elaboração de Projetos, Produção de Eventos Creative Commons O que é Creative Commos Procurando obras criativas Elaboração De Projetos Perspectivas de longo e curto prazo; Estratégias de pesquisas e levantamentos; Metodologias de elaboração e formas de desenhos institucionais das máscaras; Fontes de recursos. Produção De Eventos O que são eventos Planejamento de eventos Definição de publico Fases para a elaboração de eventos Tipologia de eventos Organograma ou fluxograma de eventos Cheq List do fluxograma Comunicação em eventos Publicidade e marketing em eventos Recursos financeiros Orçamentos e gerenciamento financeiro Planilhas de custo Calendário de eventos 5

6 8. VAGAS OFERTADAS E GRADE HORÁRIA De acordo com a atual estrutura o Programa de Cultura Digital da Kanindé, as oficinas poderão ofertar o seguinte número de participantes por cada turma. s Participantes Grade horária 1. Inclusão Digital; 2. Produções Musicais; 3. Produções Audiovisuais; 4. Produções Gráficas; 5. Web Designer; 6. Direitos Autorais, Elaboração de Projetos, Produção de Eventos horas, aula para cada oficina realizada 9. MATERIAL DIDÁTICO O Programa de Cultura Digital da Kanindé produzirá seu próprio material didático de apoio e será distribuída uma cópia para cada participante. Esse material, que geralmente é materializado em uma apostila, é desenvolvido Implementador Social, com orientação pedagógica, e deve sempre utilizar linguagem clara e objetiva. Além disso, durante as aulas também são utilizados vídeos e dinâmicas a fim de ilustrar o conhecimento. 10. AVALIAÇÕES E RESULTADOS Ao final de cada turma é importante realizar avaliação junto aos participantes, essa ação ajuda a entender a receptividade dos participantes junto às oficinas oferecidas e também orienta sobre a postura dos oficineiros, a estrutura física disponível e também sobre a qualidade do material pedagógico. 11. DOCUMENTAÇÃO A fim de garantir a documentação de todas as oficinas ministradas pelo Programa de Cultura Digital da Kanindé são imprescindíveis que sejam armazenadas todas as informações pertinentes a essas oficinas em um sistema de gestão. Para tal, algumas informações tornam-se necessárias são elas: Lista de presença: Para toda turma é necessário uma lista de chamada com o nome de todos os participantes a chamada deverá ocorrer a cada aula com data e horário. Finalizado a oficina, essa lista de chamada deverá ser arquivada. 6

7 Relatório de execução: Ao encerrar cada turma é importante que seja feito um relatório com informações gerais sobre todo o andamento dos trabalhos. O relatório será elaborado pelo Implementador Social que atuaram na sala de aula, contendo as seguintes informações: Nome da oficina e período de realização; Objetivos da oficina; programático; Relação dos participantes e nome Implementador Social; Fotos das aulas/atividades; Avaliações dos participantes Conclusões do Implementador Social. É recomendado, também, que o relatório contenha fotos individuais de cada participante, tornando-se necessário que as mesmas sejam feitas no decorrer da oficina e de acordo com a disponibilidade de câmeras digitais. Recursos materiais - Para a plena realização das oficinas são necessários os seguintes recursos materiais: Inclusão digital Produção de Áudio Recursos Necessários Computadores Impressora Conexão a internet Scanner Marcadores para quadro branco Cartucho Caixa de som Picape CDJ Microfone Computador 7

8 Audiovisual Design gráfico Web designer Creative commons Elaboração de projetos Produção de eventos Caixa de som Computador Microfone Computadores Impressora Conexão a internet Scanner Marcadores para quadro branco Cartucho Computadores Impressora Conexão a internet Scanner : Marcadores para quadro branco Cartucho Computador Caixa de som Conexão a internet Impressora Marcadores para quadro branco Cartucho ANEXOS: MODELO DE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO (CONTEÚDO/OFICINEIRO). MODELO DE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE SITE/BLOG 8

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 NOVA ANDRADINA MS MARÇO DE 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 Plano de ação a ser desenvolvido no ano letivo de 2015, pelo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 NOVA ANDRADINA MS MARÇO DE 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 Plano de ação a ser desenvolvido no ano letivo de 2015, pelo

Leia mais

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional? página 01 Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional A definição de Objeto Educacional, adotada pela equipe do projeto Arte com Ciência, é um

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição e do Programa Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ1134 EDITAL Nº 001/2014 1. Perfil: I - Consultoria para monitoramento e avaliação acerca de como se dá a apropriação de conteúdos, conceitos e novas

Leia mais

www.educacao.ba.gov.br

www.educacao.ba.gov.br Esta cartilha digital tem o objetivo de apresentar aos professores e estudantes da Rede Pública de Ensino as Mídias e Tecnologias Educacionais Livres da Secretaria de Educação da Bahia disponibilizados

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional SEB DCE CGMID COGTEC PROINFO SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROJETO DE UNIVERSALIZAÇÃO DA INFORMÁTICA PUI

EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROJETO DE UNIVERSALIZAÇÃO DA INFORMÁTICA PUI EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROJETO DE UNIVERSALIZAÇÃO DA INFORMÁTICA PUI A coordenação do Projeto de Universalização da Informática - PUI da UFJF torna público a existência de vagas para a seleção

Leia mais

Ensino técnico Integrado ao médio.

Ensino técnico Integrado ao médio. PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino técnico Integrado ao médio. Código: 262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Desenvolvimento e Design de Websites Eixo

Leia mais

Ensino Técnico. Ensino Técnico

Ensino Técnico. Ensino Técnico Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Aplicativos Informatizados Eixo Tecnológico: Gestão

Leia mais

Centro de Trabalho Indigenista CTI

Centro de Trabalho Indigenista CTI Centro de Trabalho Indigenista CTI Termo de Referência para Contratação de Consultoria Técnica Junho de 2015 Projeto Proteção Etnoambiental de Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato na Amazônia

Leia mais

Programa do Governo Federal, voltado a promover inclusão digital e social em todo território nacional.

Programa do Governo Federal, voltado a promover inclusão digital e social em todo território nacional. O que é o GESAC? Programa do Governo Federal, voltado a promover inclusão digital e social em todo território nacional. Plataforma com diversas facilidades que possibilitam apoiar outras iniciativas no

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE

Leia mais

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino Escolher o Sponte Educacional é escolher inteligente Sistema web para gerenciamento de instituições

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO 1. Identificação do proponente 1.1. Nome: Moeses Andrigo Danner 1.2. Vínculo com a instituição: Docente permanente 1.3. Coordenação /

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

PROJETOS ÁREA COMUNICAÇÃO

PROJETOS ÁREA COMUNICAÇÃO Comunicação Christina Ferraz Musse estratégica Comunicação Social para grupos de economia popular solidária de Juiz de Fora e região (Núcleo de Comunicação Social da INTECOOP/ UFJF) Website da Liga Acadêmica

Leia mais

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br.

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br. 2015 Confederação Nacional de Municípios CNM. Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons: Atribuição Uso não comercial Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Ética e Cidadania Organizacional Eixo Tecnológico: Segurança

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS 1. Qualificação Social 100 horas INCLUSÃO DIGITAL - 30 horas (15 h de prática) Ementa: Introdução à informática, hardware e software. Descrição

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Logística

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização coordenador: Lisandro Zambenedetti Granville relatores: Francele Cocco e Lucas Farinella Pretti A) Questões-chave SUSTENTABILIDADE DE PRODUTORES

Leia mais

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação 1. Público Alvo Este curso de Pós-Graduação Lato Sensu é destinado principalmente a alunos graduados em cursos da área de Educação (Pedagogia

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Tratamento de Imagens com Software Livre. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Tratamento de Imagens com Software Livre. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

FORMULÁRIO DE VINCULAÇÃO DE PROJETO

FORMULÁRIO DE VINCULAÇÃO DE PROJETO FORMULÁRIO DE VINCULAÇÃO DE PROJETO Título: Curso de informática básica para estudantes do ensino médio de escolas públicas localizadas no Vale do São Francisco Colegiado/Setor Proponente: Coordenador:

Leia mais

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV 1. Identificação do proponente Nome: Moeses Andrigo Danner Vínculo com a instituição: Docente permanente

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem O Projeto e-jovem é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação SEDUC, cuja proposta visa oferecer formação em Tecnologia da Informação

Leia mais

Anexo II DESCRIÇÃO SUMARIA DOS CARGOS

Anexo II DESCRIÇÃO SUMARIA DOS CARGOS Anexo II DESCRIÇÃO SUMARIA DOS CARGOS Nível de Classificação E; Nível de Capacitação I; Padrão de Vencimento I Regime Jurídico Único Jornada de Trabalho = 40 horas/semanais (Lei 11.091/05) REMUNERAÇÃO:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

PLANO DE ENSINO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

PLANO DE ENSINO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO PLANO DE ENSINO CURSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Componente Curricular: Informática e Português Instrumental Carga Horária: 90h Período Letivo: 2015/01

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS OBJETIVO E ESCOPO 1. Informações Gerais 1.1 Objetivo geral do trabalho: desenvolvimento de novo site institucional para o Senac (www.senac.br), nas versões

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CURSO DE CAPACITAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS CURSO DE CAPACITAÇÃO TECNOLOGIA

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA E CIDADANIA

PROJETO INFORMÁTICA E CIDADANIA PROJETO INFORMÁTICA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A Diocese de Abaetetuba, através de sua Associação Obras Sociais, sentindo a necessidade de dar resposta aos anseios das crianças e adolescentes empobrecidas

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO INTERCULTURAL DEINTER PROEXT 2014

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO INTERCULTURAL DEINTER PROEXT 2014 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO INTERCULTURAL DEINTER PROEXT 2014 EDITAL 02/2014 SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA PROGRAMA DE EXTENSÃO O Departamento de

Leia mais

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS?

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? Apresentação Histórico Estratégia de comunicação e políticas para promoção do municipalismo forte e atuante A atuação da Confederação Nacional de Municípios na comunicação pública

Leia mais

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal MINISTÉRIO DO MEIO AMBENTE SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA PILOTO PARA A PROTEÇÃO DAS FLORESTAS TROPICAIS BRASILEIRAS PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS SUB PROJETO CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DOS ÓLEOS

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO CARGO/ESPECIALIDADES Art. 378. Ao Consultor Legislativo, Especialidade Assessoramento Legislativo. ÁREAS DE INTERESSE DO SENADO FEDERAL Agronomia;

Leia mais

O PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL (PID): FORTALECIMENTO DOS CONSELHOS DE SAÚDE DO BRASIL

O PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL (PID): FORTALECIMENTO DOS CONSELHOS DE SAÚDE DO BRASIL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 O PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL (PID): FORTALECIMENTO DOS CONSELHOS DE SAÚDE DO BRASIL Zenite da Graça Bogea Freitas Kátia Maria

Leia mais

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA 1. APRESENTAÇÃO Com base nos valores da economia solidária e da cultura livre, o Estúdio Gunga empresa de comunicação focada na criação de sites, editoração gráfica,

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

Sandromir Almeida. Treinamentos Realizados nas Empresas

Sandromir Almeida. Treinamentos Realizados nas Empresas Sandromir Almeida Consultor de Informática desde 1995 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Docente de Informática há 15 anos Palestrante desde 2001 Técnico em Informática Webmaster Proprietário

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO. Unidade

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO. Unidade Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 6ª 2º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3604.2 PLANEJAMENTO GRÁFICO EM JORNALISMO

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014 O Observatório de Favelas torna pública, por meio desta chamada, as normas do processo de seleção de alunos para

Leia mais

EDITAL DE PROJETOS DA CESE

EDITAL DE PROJETOS DA CESE Igreja Católica Apostólica Romana Igreja Episcopal Anglicana do Brasil Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil Igreja Presbiteriana Independente do Brasil Igreja Presbiteriana Unida do Brasil

Leia mais

Tabela de Preços Sugeridos

Tabela de Preços Sugeridos WEBSITE Estrutura básica Área institucional Área estática: quem somos, o que fazemos, onde estamos etc. Área de contato E-mail, telefone, formulário etc. Área core Gerenciador de conteúdo para cadastro

Leia mais

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO MIRANDA 1, Márcia Verônica Costa; SILVA 2, Gilmar Batista da 1 Professora Orientadora

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Ensinar e aprender História - JP0038 PROFESSORA: Dra. Hilda Jaqueline de Fraga I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária 75h II EMENTA Concepções e temas recorrentes no

Leia mais

Dicas para a prova do MPU (cargos Analista e Técnico) NOÇÕES DE INFORMÁTICA: (comentário por tópico do edital visando o CESPE/UnB)

Dicas para a prova do MPU (cargos Analista e Técnico) NOÇÕES DE INFORMÁTICA: (comentário por tópico do edital visando o CESPE/UnB) Dicas para a prova do MPU (cargos Analista e Técnico) Por Prof.ª Ana Lucia Castilho NOÇÕES DE INFORMÁTICA: (comentário por tópico do edital visando o CESPE/UnB) Assunto: Noções de sistema operacional (ambientes

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Ética e Cidadania Organizacional Eixo Tecnológico: Gestão e

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Tecnologia

Leia mais

DISCIPLINAS DO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE DISCIPLINAS 2015.1

DISCIPLINAS DO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE DISCIPLINAS 2015.1 O presente quadro Processo de Recuperação 2015.1, indica as disciplinas que serão ofertadas nesse processo. O quadro especifica disciplina, período e o curso que a disciplina pertence. Fundamentos históricos

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

Programa Escola do Olhar. ImageMagica

Programa Escola do Olhar. ImageMagica Programa Escola do Olhar ImageMagica Programa Escola do Olhar O Programa Escola do Olhar visa implementação de Oficinas de Fotografia, artesanal ou digital, em equipamentos públicos, como escolas. Através

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA NO COTIDIANO ESCOLAR

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA NO COTIDIANO ESCOLAR ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA NO COTIDIANO ESCOLAR IVINHEMA/MS DEZEMBRO/2014 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL. 1º Semestre

INCLUSÃO DIGITAL. 1º Semestre INCLUSÃO DIGITAL 1º Semestre Sumário 1. Objetivos...4 2. Cursos oferecidos...4 2.1 Informática Básica...4 2.1.1. Windows...4 2.1.2. Word...4 2.1.3. Excel...4 2.1.4. PowerPoint...4 2.1.5. Internet...4 2.2

Leia mais

USO DA INFORMÁTICA NA INCLUSÃO SOCIAL DE PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS E COMUNIDADE GERAL DO BREJO PARAIBANO

USO DA INFORMÁTICA NA INCLUSÃO SOCIAL DE PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS E COMUNIDADE GERAL DO BREJO PARAIBANO USO DA INFORMÁTICA NA INCLUSÃO SOCIAL DE PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS E COMUNIDADE GERAL DO BREJO PARAIBANO Ruan dos Santos Silva (1) ; Márcia Verônica Costa Miranda (2) Centro de Ciências Agrárias

Leia mais

Subáreas. Incubadoras tecnológicas, polos e parques tecnológicos. Formação. Experiência. Conhecimentos. Habilidades

Subáreas. Incubadoras tecnológicas, polos e parques tecnológicos. Formação. Experiência. Conhecimentos. Habilidades Subáreas Incubadoras tecnológicas, polos e parques tecnológicos Design Área: Inovação Perfil Profissional: Instrutor/Consultor Competências Implantação de incubadoras de empresas; Processo de seleção de

Leia mais

MBA 2010 - Gestão Estratégica em Sustentabilidade e Responsabilidade social

MBA 2010 - Gestão Estratégica em Sustentabilidade e Responsabilidade social MBA 2010 - Gestão Estratégica em Sustentabilidade e Responsabilidade social Objetivos A estrutura do curso permitirá uma importante resposta às necessidades atuais do mercado que cada vez mais valoriza

Leia mais

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS 1. As humanidades e suas repercussões sobre o pluralismo cultural 2. Humanidades e ciências: o debate transcultural em contextos plurais 3. Pedagogias

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

CENTRO DE EXTENSÃO CENTRO EDUCACIONAL PROFESSORA ALZIRA ALTENFELDER SILVA MESQUITA

CENTRO DE EXTENSÃO CENTRO EDUCACIONAL PROFESSORA ALZIRA ALTENFELDER SILVA MESQUITA CENTRO DE EXTENSÃO CENTRO EDUCACIONAL PROFESSORA ALZIRA ALTENFELDER SILVA MESQUITA ALFABETIZANDO EM SOFTWARES Adobe Illustrator CC Unidade Mooca SÃO PAULO 2014 1 Identificação do Projeto Projeto: ALFABETIZANDO

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

PLANO TIC. O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] 2 0 0 9-2 0 1 0

PLANO TIC. O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] 2 0 0 9-2 0 1 0 PLANO TIC 2 0 0 9-2 0 1 0 O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] EB1/PE Santa Cruz http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pescruz eb1pescruz@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR TIC Egídia

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA INTEGRAL (CATI) PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL MICROBACIAS II ACESSO AO MERCADO SELEÇÃO DE CONSULTORES PELOS

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA NO COTIDIANO ESCOLAR

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA NO COTIDIANO ESCOLAR ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA NO COTIDIANO ESCOLAR IVINHEMA/MS DEZEMBRO/2014 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais