Coletivo canal*motoboy. O nascimento de uma categoria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coletivo canal*motoboy. O nascimento de uma categoria"

Transcrição

1 Coletivo canal*motoboy O nascimento de uma categoria

2 2 Coletivo canal*motoboy Org. Eliezer Muniz dos Santos Autores Andréa Sadocco, Augusto Astiel Bruna Bo, Eliezer Muniz (Neka) Fábio Ascempcion, Marcelo Veronez Ronaldo Simão da Costa Programa Petrobras Cultural Apoio

3 Copyright 2009 MARCUS VINICIUS FAUSTINI COLEÇÃO TRAMAS URBANAS (LITERATURA DA PERIFERIA BRASIL) curadoria HELOISA BUARQUE DE HOLLANDA consultoria ECIO SALLES produção editorial CAMILLA SAVOIA projeto gráfico CUBICULO GUIA AFETIVO DA PERIFERIA produtor gráfico SIDNEI BALBINO revisão CAMILLA SAVOIA REBECA BOLITE revisão tipográfica CAMILLA SAVOIA F271g Faustini, Vinícius Guia afetivo da periferia / Vinícius Faustini. - Rio de Janeiro : Aeroplano, il.-(tramas urbanas ; 11) ISBN Faustini, Marcus - Ficção. 2. Diretores e produtores de teatro - Brasil - Ficção. 3. Subúrbios - Rio de Janeiro (RJ) - Ficção. 4. Romance brasileiro. I. Programa Petrobras Cultural. II. Título. III. Série CDD: CDU: (81) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AEROPLANO EDITORA E CONSULTORIA LTDA AV. ATAULFO DE PAIVA, 658 / SALA 401 LEBLON RIO DE JANEIRO RJ CEP: TEL: TELEFAX: A ideia de falar sobre cultura da periferia quase sempre esteve associada ao trabalho de avalizar, qualificar ou autorizar a produção cultural dos artistas que se encontram na periferia por critérios sociais, econômicos e culturais. Faz parte dessa percepção de que a cultura da periferia sempre existiu, mas não tinha oportunidade de ter sua voz. No entanto, nas últimas décadas, uma série de trabalhos vem mostrar que não se trata apenas de artistas procurando inserção cultural, mas de fenômenos orgânicos, profundamente conectados com experiências sociais específicas. Não raro, boa parte dessas histórias assume contornos biográficos de um sujeito ou de um grupo mobilizados em torno da sua periferia, suas condições socioeconômicas e a afirmação cultural de suas comunidades. Essas mesmas periferias têm gerado soluções originais, criativas, sustentáveis e autônomas, como são exemplos a Cooperifa, o Tecnobrega, o Viva Favela e outros tantos casos que estão entre os títulos da primeira fase desta coleção. Viabilizado por meio do patrocínio da Petrobras, a continuidade do projeto Tramas Urbanas trata de procurar não apenas dar voz à periferia, mas investigar nessas experiências novas formas de responder a questões culturais, sociais e políticas emergentes. Afinal, como diz a curadora do projeto, mais do que a Internet, a periferia é a grande novidade do século XXI. Petrobras - Petróleo Brasileiro S.A.

4 Na virada do século XX para o XXI, a nova cultura da periferia se impõe como um dos movimentos culturais de ponta no país, com feição própria, uma indisfarçável dicção proativa e, claro, projeto de transformação social. Esses são apenas alguns dos traços de inovação nas práticas que atualmente se desdobram no panorama da cultura popular brasileira, uma das vertentes mais fortes de nossa tradição cultural. Ainda que a produção cultural das periferias comece hoje a ser reconhecida como uma das tendências criativas mais importantes e, mesmo, politicamente inaugural, sua história ainda está para ser contada. É neste sentido que a coleção Tramas Urbanas tem como seu objetivo maior dar a vez e a voz aos protagonistas deste novo capítulo da memória cultural brasileira. Tramas Urbanas é uma resposta editorial, política e afetiva ao direito da periferia de contar sua própria história. Heloisa Buarque de Hollanda

5 Sumário Prefácio Introdução Antoni Abad São Paulo, a cidade dos motoboys Eliezer Muniz dos Santos Parte I O NASCIMENTO DE UMA CATEGORIA 000 Uma breve história da categoria Coletivo Canal*Motoboy Dedico este livro a minha família e a todos os profissionais motociclistas brasileiros. Um agradecimento àqueles que possibilitaram a realização deste livro, e em especial, àqueles que lutaram comigo ao escrevê-lo. Eleilson Leite, Alessandro Buzo, Heloisa Buarque, Júlio César, Keila Muniz, Andréa Sadocco, Antoni Abad, Augusto Astiel, Bruna Bo, Ronaldo Simão da Costa, Marcelo Veronez, Jordana Peretti, Roberto Ito, Fábio Ascempcion e ao meu filho Lucas. 000 No espelho retro1sor Augusto Astiel 000 Cultura motoboy Eliezer Muniz dos Santos Parte II OS MOTOBOYS E AS MOTOGIRLS 000 Meu nome é Ronaldo 000 Andrea Motogirl: Desafio contemporâneo 000 Poeta dos Motoboys 000 Fábio Motoboy 000 Jordana, Motogirl de Iomerê 000 Neka 000 Índice de Imagens 000 Sobre o autor

6 11 Prefácio Há aproximadamente sete anos chegaram ao mercado os telefones celulares com câmera integrada. Este dispositivo despontava como um instrumento excepcional, pois tinha duas características nunca antes reunidas em um aparelho tão pequeno: de um lado, a possibilidade de registro multimídia de fragmentos da realidade em formato áudio, vídeo, foto e texto; de outro, a capacidade de publicação quase imediata na Internet. O celular com câmera integrada estreita ao máximo, portanto, a distância entre uma ideia e sua disseminação. E a publicação a partir de celulares alcança um ambiente global, como a Internet, e não um ambiente local. A publicação na Internet é barata, além de praticamente imediata. Desde as minhas primeiras visitas a São Paulo, também há sete anos, o universo de motoboys chamou fortemente minha atenção. Segundo o censo de 2000 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a cidade de São Paulo contava naquele ano com cerca de dez milhões e meio de habitantes. Dentre eles, e de acordo com a tese de doutorado Percepção e avaliação da conduta dos motoristas e pedestres no trânsito: um estudo sobre espaço público e civilidade na metrópole paulista, de Alessandra Olivato, havia motociclistas, dos quais cerca de 160 mil eram motoboys. O congestionamento do tráfego e as enormes distâncias fazem do motoboy um personagem imprescindível para o funcionamento da cidade, onipresente em cada semáforo e cada esquina. A utilização dos seus serviços é profusa e generalizada. Transportam de tudo: documentos, dinheiro, pizzas... Dizem que até mesmo órgãos humanos entre hospitais. Arriscam a vida diariamente circulando a toda velocidade entre os corredores formados pelas intermináveis filas de carros. Entretanto, esses cavaleiros do apocalipse do asfalto paulista são vítimas de graves preconceitos. Nas notícias sobre eles, a imprensa sensacionalista destaca as vertiginosas corridas contra o tempo ou os casos em que assaltantes se fizeram passar por mensageiros para perpetrar seus delitos. Os motoboys aparecem nos meios de comunicação paulistas quase sempre em histórias truculentas que potencializam os piores preconceitos na percepção social da categoria. Em contrapartida, poucas vezes se enfatiza o lado mais positivo desse coletivo, que demonstra um sentimento de solidariedade muito particular, uma consciência corporativa que antepõe o socorro a um companheiro acidentado à urgência de uma entrega. O citado estudo de Olivato comenta: Observamos a existência de um sutil código de ética e solidariedade entre eles no trânsito, fato esse de que nem os próprios motoboys tinham se apercebido. Diante disso, indaguei-me o que ocorreria se uma rede móvel celular, com publicação em tempo real na Internet, fosse gerada a partir de uma rede humana preexistente como a que formam os motoboys. Ou, o que vem a ser o mesmo: o que aconteceria se um grupo de motoboys recebesse celulares com câmera com o objetivo de criar seus próprios canais multimídia na Internet. 10

7 12 13 Os motoboys poderiam, dessa maneira, transformar-se em cronistas de sua própria realidade, autorrepresentando-se e corrigindo a imagem distorcida que os meios de comunicação projetam deles. Assim, em 2003, em estreita colaboração com o programador Eugenio Tisselli, realizamos um primeiro esboço operacional do dispositivo de telefonia móvel para publicar um conteúdo na Internet. Quando ficou pronto, o esboço foi testado em um workshop com um grupo de estudantes na Casa Encendida, de Madri. Eugenio ficou programando ao vivo, corrigindo as falhas e implementando os recursos de narrativa multimídia que se mostravam necessários com a prática. A experiência se chamou ensaio* GERAL e serviu para assentar as bases tecnológicas, organizacionais e logísticas desse dispositivo de comunicação social baseado em tecnologia móvel audiovisual que funcionou como um alto-falante para todos os coletivos com que eu trabalharia nos anos seguintes: taxistas na Cidade do México (2004), jovens ciganos em Lleida e León (2005), prostitutas em Madri (2005), imigrantes nicaraguenses em San José da Costa Rica (2006), pessoas desalojadas e desmobilizadas na Colômbia e jovens dos acampamentos de refugiados saarianos próximos a Tinduf, na Argélia (2009). Dois desses projetos foram realizados por pessoas com mobilidade reduzida em Barcelona (2006) e Genebra (2008). Os participantes utilizaram telefones GPS com câmera integrada para fotografar os obstáculos e barreiras arquitetônicas que encontravam diariamente nas ruas, desenhando em tempo real na Web o plano de acessibilidade de suas cidades. O projeto canal*motoboy que me inspirou, sete anos atrás, a começar o trabalho que desde então desenvolvi na Internet com o uso de aparelhos de telefonia móvel em diferentes coletivos teria de esperar até 2007 para ser realizado, devido às enormes dificuldades para obter os recursos necessários, pois poucas instituições dispõem-se a apoiar um universo como o dos motoboys, que padece de enorme estigma social. Finalmente, com o apoio do Centro Cultural São Paulo, o Centro Cultural de España e a Sociedad Estatal para la Acción Cultural Exterior de España, conseguimos iniciar, em 2007, as transmissões por celular de um grupo de 12 motoqueiros de São Paulo. Três anos depois, as transmissões continuam a ser feitas e o canal* MOTOBOY é o que tem o percurso mais longo entre todos os projetos mencionados neste texto. Os motoboys estão propondo um mapa distinto, uma interpretação particular da enorme cidade de São Paulo, e já não apenas mediante seus vídeos, fotografias e arquivos de áudio e texto, mas através de um sistema de geolocalização implantado no dispositivo, e também de um mapa lexicográfico. Nos projetos anteriores ao canal* MOTOBOY, os emissores colocavam seus envios em canais personalizados, ou ambientes comuns propostos nas reuniões semanais dos participantes. Quando o trabalho com cada coletivo terminava, toda essa informação era organizada segundo um sistema de descritores concebido por um grupo de sociólogos. Mas no caso dos motoboys e pela primeira vez são eles mesmos que categorizam seus envios. Hoje, observamos os cruzamentos que se produzem no léxico entre a descrição da realidade imposta e antropológica e outra mais íntima e local. Os motoboys foram também os primeiros a experimentar o conceito de megafone : um telefone móvel comunitário dotado de GPS e que integra as capacidades de registro audiovisual geolocalizado e de publicação imediata

8 14 na Web do software desenvolvido em net. O megafone muda de mãos toda semana entre os participantes, que decidem democraticamente em suas reuniões editoriais qual deles será o emissor durante a semana seguinte. Em suma, os participantes do canal* MOTOBOY vêm desenvolvendo durante três anos seu próprio dispositivo de comunicação móvel audiovisual na Internet. Mas também contribuíram generosamente com sua experiência para o desenvolvimento do megafone, um dispositivo útil como meio de comunicação alternativo para grupos, coletivos, associações e comunidades que desejem se organizar para projetar sua própria visão da realidade e combater os estereótipos que os meios de comunicação difundem, incluindo entre suas possibilidades a geolocalização, que permite realizar projetos de cartografia pública digital. Obrigado, amigos motoqueiros, por estes anos de entrega ao projeto e pelas expectativas de futuro, pelas quais continuaremos a trabalhar em www. megafone.net. Vida longa ao Canal* MOTOBOY! Antoni Abad, Barcelona, janeiro de 2010 Introdução São Paulo, a cidade dos motoboys Todos os dias, milhares de motoboys saem pelas ruas e avenidas da cidade. À noite, de dia, no frio da madrugada. Eles vão, vêm, cruzam o asfalto. Passam pelas vielas e avenidas: é a cidade dos motoboys. Aceleram suas motos, cruzam para todos os lados, nunca param. Ditam o ritmo da metrópole e fazem de sua rotina diária a paisagem urbana. São Paulo sem motoboy para. Saberemos um dia quantos são? Mensageiros, motoqueiros, deliverys e couriers. Motoboys e motogirls. Homens e mulheres, manos e minas. Todos profissionais motociclistas, enfim, guerreiros do asfalto. Cidade em que não se sabe onde começa uma quebrada e termina outra (aonde os mais ricos só sabem que elas existem de uma poltrona de avião), onde estão as suas margens e suas periferias? O motoboy é a rua da quebrada, o beco e a viela na grande avenida. É a adrenalina com responsabilidade. O vento na cara é o passaporte para uma outra urbanidade. Eles vieram para ficar. Ocupar o espaço reservado e exclusivista dos automóveis. O motoboy é a cara da cidade, uma das suas identidades mais subterrâneas. É a velocidade com que se

9 16 17 descobre que entre civilizados de ternos e gravatas e os caras de botas e capa de chuva, pode ocorrer tanto o maior respeito, como a maior falta de respeito pela vida humana. Que o mesmo cidadão, que pede ali o serviço urgente, pode às vezes, num piscar de olhos, te dá uma fechada no trânsito. O que mostra também que a cidade não tem limites: às vezes, na correria do dia a dia, a carcaça de um carro pode ser a última parada de um motoboy. Pra ser motoboy é preciso estar atento. Estar além do tempo. Ao descobrirmos que os motoboys são a cara da cidade, a cidade pode parar, eles não. Pode chover e alagar que eles chegam. Se cair a ponte, eles atravessam. São insubstituíveis. Impossível narrar o cotidiano de um único motoboy. Imagina de todos! A vida na cidade é cheia de aventuras e mazelas. Comandas e ordens de serviços convivem com o inusitado. É uma profissão marcada pelo alto risco de acidentes e pela informalidade de seus serviços. Mas é também na rua, habitat natural do motoboy, que podemos ouvir seu último grito de liberdade. A buzina que toca no corredor quando um motoqueiro passa é mais do que um aviso de passagem. A capa de chuva, o capacete colorido e a moto adesivada são suas marcas, mas o que os une é a solidariedade entre eles. Seu olhar percorre toda a cidade. Seus movimentos rápidos entre os carros deslocam os olhares da cidade. É onde notamos, quando estes motoqueiros se propõem a narrar seu dia a dia e criam seu próprio modo de se expressar, pela música, pelos gestos, pela linguagem, que vemos surgir a força de seu imaginário, um outro fazer, uma parte de sua cultura. Portanto, este livro é um protesto organizado por vozes de resistência. Um manifesto dos motoboys e motogirls que não pode ser visto apenas pela singularidade de sua sobrevivência no caos do trânsito. Suas vidas não se reduzem à mera particularidade de serem tomados como mais uma tribo urbana: eles têm seus códigos, seus gestos e sua bravura. Mas também seus valores, versos e prosas. Assim, a cultura motoboy nasce pela via da autonomia a partir da expressão criativa. Da liberdade dos profissionais motociclistas em contar suas próprias experiências, fazerem de sua história, no cotidiano da metrópole, uma grande narrativa. Nesse sentido, este livro realiza sua intenção quando, motivados pela negação de uma visão de categoria marginalizada, eles se tornam os protagonistas de sua própria história e se põem a narrá-la, saindo em defesa da criação, do surgimento de uma nova cultura urbana e transformando o cotidiano de toda uma cidade. Abrem-se à vida cultural a que têm direto. Quando este ato de narrar, como num gesto simbólico, significa aquele momento em que eles tiram os capacetes, deixando então revelar em sua realidade a fisionomia cansada de pessoas comuns, mas por isto mesmo heroicas. A ideia de um livro assim só poderia nascer quando um grupo de profissionais motociclistas, reunidos em torno de um projeto cultural como o canal*motoboy, percebe que suas vivências nada mais são do que a própria história do surgimento de sua categoria profissional. Dessa forma, longe de se adotar outras experiências como modelo de organização cultural e política, essa categoria vive hoje um dos mais interessantes processos coletivos de organização social. Quando ela inventa os seus próprios meios e a partir de seus espaços e tempos mostra sua capacidade de criar o inusitado, nunca se rendendo as soluções fáceis, podemos compreender a sua especificidade e autonomia e, finalmente agora, por revelar nesta coletânea de textos uma nova perspectiva

10 18 19 sobre os motoboys, escritores do amanhã, que podemos compreender a sua especificidade e autonomia. Então, ao entrarmos em contato com suas narrativas, aos poucos conhecemos suas histórias, trajetórias e preocupações. Passamos a conviver com personagens que apontam para uma nova relação com a cidade. Portanto, mais que uma nova classe de trabalhadores, vemos surgir uma nova cidadania, ainda em formação. Como tão bem definiu a motociclista Andrea, que faz parte desta coletânea e nos faz compreender o papel deste novo personagem urbano: O motoboy é protagonista participante contribuinte do novo século, desta nova sociedade que surge cheia de tecnologias e desafios ambientais. Fundamentalmente, contribui com a sociedade, fazendo desenrolar com rapidez (as muitas) burocracias civis, abrindo um novo horizonte para uma nova cidadania. Eliezer Muniz dos Santos (Organizador) PARTE 01

11 .01 a breve história da categoria Cap.01 Uma breve história da categoria

12 Uma breve história da categoria 23 em 1999, quando pela primeira vez a prefeitura de São Paulo tenta regulamentar a profissão de motoboy. Entre 1999 e 2006 haveria ainda mais duas tentativas frustradas, de regulamentar e enquadrar os profissionais motociclistas, em seguidos decretos-lei criados pelos gabinetes dos prefeitos Celso Pitta que assinou o primeiro decreto Marta Suplicy, em 2004, e José Serra, em Todos partindo de um mesmo objeto de lei copiados, ipsum literis, de um antigo projeto de Lei de 1968, que regulamentara o serviço de táxi na capital paulistana. Se fizermos aqui um breve relato da história da categoria dos motoboys, descobriremos que esta é uma profissão relativamente nova no Brasil. As primeiras empresas que contratavam office-boys motorizados começaram a operar no início da década de 1980, com pouco mais de meia dúzia de motoqueiros. Em menos de duas décadas, por conta da crescente demanda por este tipo de serviço, eles se tornaram uma das maiores categorias de rua do país. A profissão de motociclista atividade remunerada que faz uso da motocicleta para execução de diversas tarefas, como entregas e retiradas, que prescindam de certa urgência, de documentos, cheques, malotes, medicamentos, alimentos e todo tipo de pequenos volumes e componentes, surgiu na onda da globalização e do fortalecimento do setor de serviços. Entrou definitivamente na cadeia produtiva da economia a partir 1988, quando a nova Constituição legitimou a terceirização dessas atividades no setor de serviços. No final daquela década já havia dezenas de empresas e mais de 5 mil motoqueiros rodando por dia nas ruas da cidade de São Paulo. A partir de 1994, com o Plano Real, a economia se estabiliza e a demanda por estes motociclistas cresce exponencialmente, chegando a mais de 80 mil profissionais No início de 2007, é apontada a espetacular produção de 1.2 milhão de motos fabricadas no Brasil. A categoria já superava a marca de 120 mil profissionais motociclistas apenas na capital de São Paulo. No país inteiro os mototaxistas se tornavam uma realidade. Em maio daquele ano é inaugurado no Centro Cultural São Paulo (CCSP) o canal*motoboy, projeto que reúne um grupo de motoboys utilizando celulares a partir de um site da internet, que permite criar um canal de comunicação com a categoria. Em junho, depois deste coletivo de motoboys solicitar à presidência da Câmara Municipal uma audiência pública, a fim de voltar à discussão de uma regulamentação da categoria que atendesse suas reivindicações, o prefeito Gilberto Kassab envia à Câmara dos Vereadores o malfadado Decreto do motofrete, recusado durante anos pelos motoboys. A Câmara aprova, em regime de urgência, o projeto de lei /07, de autoria do vereador Adolfo Quintas e, trinta dias depois, o prefeito recebe de volta o projeto na prefeitura e o sanciona. Em agosto, após a eleição de uma nova diretoria, o Sindicato dos Mensageiros Motociclistas do Estado de São Paulo volta para as mãos da categoria. Após inúmeros projetos de lei tramitarem no Congresso Nacional, no dia 29 de julho de 2009 o Presidente da 22

13 24 Coletivo canal*motoboy Uma breve história da categoria 25 República Luiz Inácio Lula da Silva assina a lei que regulamenta definitivamente a profissão de motoboy e mototaxista. Os profissionais passam a ter regras claras para a atividade, que serão definidas pelo Conselho Nacional de Trânsito, passando às prefeituras municipais a responsabilidade de regularizar os serviços de acordo com a necessidade de cada região. A sanção põe fim à polêmica em torno da legitimidade do serviço de motoboy e mototaxista, já que havia um grande preconceito em relação a estes serviços. O senador Expedito Júnior, relator do projeto de lei do Senado 203/2001, que propôs a regulamentação das profissões, comenta, em tom de comemoração, durante o ato que criou a classe dos profissionais motociclistas: Esses profissionais esperam por esse momento há mais de dez anos. É justo que agora consigam ver sua atividade regulamentada. São mais de 2,5 milhões de pais de família que agora podem bater no peito e dizer que têm uma profissão. Coletivo canal*motoboy

14 Cap.02 No espelho retrovisor

15 No espelho retrovisor 29 arriscam a vida diariamente carregando documentos, valores, ofícios, correspondências e outras parafernálias de nosso cotidiano burocratizado, são, desse modo, agrupados à revelia em uma categoria, como sempre acontece nessa construção cotidiana chamada sociedade. O que foge à categorização transforma-se em caricatura. E a caricatura é uma imagem sensibilizada pelo personagem criado apesar da pessoa. Um espectro ronda o trânsito o espectro do motoboy. Há anos ele vem desaparecendo em meio aos carros, os donos por direito do espaço não tão público das ruas e avenidas da cidade. O espelho retrovisor dos automóveis revela a imagem fugaz de um personagem cada vez mais presente. Invasor de um espaço restrito, o motoboy burla códigos e normas para suprir uma demanda de mercado. Desobediente, mostra como a falta de regulamentação acarreta problemas a um país que se pensa pacífico, mas não enxerga seus mortos diários. O motoboy devolve a imagem que se faz dele, pois é sua única maneira de ser visto: personagem que não se enxerga nem se escuta, mas se quer disciplinar, o Leviatã das relações de trabalho tenta seduzi-lo com a oportunidade de ser autônomo. E transforma-o em autômato. Por ser uma relação, mas com apenas uma via de visibilidade, ao motoboy é dado um papel que alguns abraçam com prazer: o delinquente sobre rodas que a nada obedece ou respeita. Da natureza simbólica da moto nasce o mito do fora da lei que chuta sua própria imagem no espelho. A invisibilidade do motoboy pode se transformar quando este invade o espaço do outro. Alguns sabem disso e invadem com vontade. De aparecer. De conflitar. Não obedecem as regras, pois não fazem parte do jogo. Os demais profissionais que Hoje são milhares de motoboys em meio ao tráfego pesado da cidade. Os corredores de ônibus espremeram os automóveis, mas garantem o transporte dos periferizados até os centros de trabalho, otimizando o tempo de quem tem que chegar antes e sair depois. Os tempos distintos dos mais diversos trabalhadores assim se cristalizam. O espaço também: corredores segregados imitam a separação metafísica entre quem pega ônibus e quem usa carro, ao mesmo tempo em que sedimenta a opção da cidade por sua geografia excludente. Dos depósitos de mão de obra barata, entretanto, surge um rebelde por natureza: a moto, que penetra o espaço que não lhe é de direito, ágil que é, rebolando entre os automóveis habitados por quem precisa que determinadas coisas sejam feitas em determinado tempo. Ou mais rápido, de preferência. Os eternos trabalhadores invisíveis, que constroem sem aparecer, pois seu espaço restringe-se ao lugar da produção e não da fruição, sobre a moto tornam-se incômodos ao desafiar o olhar atento do motorista atento com o outro no carro e não com seu empregado na moto, pois ver o outro significa, primeiro, encaixá-lo dentro de um discurso. A invisibilidade de alguém pressupõe a inexistência desse alguém dentro do ordenamento social. Mas a invisibilidade muda historicamente: do escravo aos trabalhadores miseráveis de Engels na Manchester do século XIX, o motoboy tem sua existência condicionada à posição social. E esse olhar condicionado, regra 28

16 30 Coletivo canal*motoboy No espelho retrovisor 31

17 32 Coletivo canal*motoboy No espelho retrovisor 33

18 34 Coletivo canal*motoboy No espelho retrovisor 35 na sociedade desigual, é forçado a enxergar quem nunca viu: primeiro como incômodo, depois como estatística. Inverte-se então o dito de Marx: assim como o serviçal submisso vira marginal para depois morrer, o motoboy é primeiro farsa para depois tornar-se tragédia. Entretanto, ao contrário do enredo cotidiano dos romances policiais dos tabloides televisivos diários, o motoboy é um trabalhador. No imaginário nacional, isso significa ser o oposto do bandido que é nosso vagabundo. O motoboy trabalha e morre, ou trabalha e se acidenta, pois, como numa guerra, para cada morto aparecem três feridos: clavículas quebradas, joelhos torcidos e pernas amputadas são outras estatísticas além das 365 mortes anuais ou 366, se o ano for bissexto. Daí a equação simbólica que não fecha: não é bandido, é trabalhador. Mas morre. Fica o incômodo de algo que não se explica. Algo que não se entende. Como uma sociedade pode conviver com um espectro desses lhe rondando a civilidade? Apesar de a morte ser o destino humano, o convívio diário com sua real possibilidade pode revelar a falta de capacidade da sociedade em gerir bem-estar. As categorias profissionais cujo discurso é perpassado pela fatalidade mostram valores diversos para a vida humana: parece que, tal a geografia política da cidade que circunscreve em um centro expandido seu gueto de civilidade, o acesso ao conforto e às oportunidades é demasiado restrito. Quem se percebe excluído dessa parcela de civilização pode optar por não partilhar de seus princípios, resignando-se frente à fatalidade ou rebelando-se: a morte na fila de um posto de saúde ou na esquina de uma avenida torna-se um fato da vida ou um slogan que fala da opção por ser outsider: vida loka. A civilização do trabalho intelectual tem tradição de rejeitar as tarefas musculares, braçais. Tais tipos de atividade foram continuamente rebaixados à medida que o processo histórico foi tomando o rumo do intelecto, que domava a natureza e a sobrepujava colocando-a a seu serviço, distanciando-se da sujeira e do suor, separando-se cada vez mais de sua origem e, assim, manifestando o orgulho do caminho percorrido. E com a história, segue o rumo do olhar. O motoboy, nesse ponto, é o final de uma complexa cadeia produtiva: ele é o responsável pelo último parafuso de uma grande máquina. Seu trabalho o obriga a relacionar-se com as ruas e avenidas continuamente, exposto à fumaça e à fuligem, ao suor e à sujeira que não penetra nos automóveis, essas carapaças herméticas de conforto regulado, fetiche do homem moderno. A natureza da motocicleta é outra daí seu apelo nãoconformista. Mas como sujeito do ordenamento social, a moto enquanto veículo para o lazer é diversa da moto para o trabalho: a sociedade não aceita o conformismo em seu seio tão facilmente. Ela restringe ao lazer o período do não-trabalho merecido após as horas regulamentares, ou outro tipo qualquer de regulação, seus rompantes de originalidade. A moto também está mais próxima do risco que o carro: os dispositivos de segurança desenvolvidos ao longo de anos e que tornam os automóveis cada vez mais seguros e caros trouxe ao homem a possibilidade de viver cada vez mais próximo do limite. Se os carros mudaram muito, as motos, no entanto, mudaram pouco, devido aos limites de sua própria concepção. O risco físico fica então ao encargo de quem a ele se sujeita, como no caso de inúmeros outros trabalhos essenciais à sociedade que, por lidarem com o que se considera degradante pois contrário à norma que valoriza a distância dos subprodutos

19 36 Coletivo canal*motoboy No espelho retrovisor 37 ou da infraestrutura da máquina social, são reservados às classes mais abaixo da pirâmide. A sociedade, em suma, deve operar como por encanto, magicamente funcionando sem produzir detritos de qualquer espécie. O encanto é assegurado pelo olhar que ignora quem lida com o indesejável ato agravado em uma sociedade historicamente segregada cujo ideal de igualdade de direitos é apenas retórica, uma ideia fora do lugar : é o que fica aparente no trato da valoração da vida humana, que possui índices diferentes conforme se aproximam do centro geográfico da metrópole. Aqui, igualdade e autoconsciência unem-se para dizer que consciência e democracia não se separam. No centro expandido, a morte ganha destaque, mesmo que seja pela força dos números. O motoboy acidentado aparece nos noticiários graças ao agravamento do trânsito de uma cidade cujas veias não suportam mais a seiva que transportam. O motoboy, que agiliza serviços e encurta prazos, atrasa a rotina da cidade quando sai de sua rota invisível. Nesse ponto, ele passa a ser visto. Vira assunto no jornal. Leis são feitas para ele. Umas pegam, outras viram moeda de troca entre os representantes do poder e quem a ele deve se submeter. Outras simplesmente somem. Leis em um país de apenas alguns cidadãos carecem de eficácia. Leis são elementos públicos, em um país em que as calçadas são mosaicos desarranjados da privacidade de cada imóvel a invadir o espaço público das ruas. A falta de normatização é a carência de um projeto unitário. Isso incentiva a criação de mais leis, para tentar normatizar o caótico, o que provoca a ingerência nas coisas mais básicas. Chega-se, então, às normas que impõem roupas padronizadas, com fitas luminescentes, para que o motoboy seja visto. Acessório indispensável por ser mundialmente aceito como eficaz, ele esbarra na questão de que a invisibilidade do motoboy não é um problema de regras de trânsito, mas de organização social. O olhar é educado para não ver. O olhar cria. Sobre o motoboy incide o olhar que vigia. Esse olhar não dá oportunidade ao observado de se pronunciar, pois vigia segundo suas próprias normas. Ele visa ao encaixe em um sistema, em um discurso que viabiliza e reforça ordenamentos já previamente estabelecidos. Cabe então ao olhar deseducado a tarefa de observar e se surpreender. O olhar estrangeiro é aquele que não participa do conjunto de normas específicas em que passeia momentaneamente os olhos. O turista descobre o que o nativo não vê, pois encaixa em outro sistema simbólico de valores ou não encontra lugar definido para encaixar, e aí fica a surpresa do inusitado. A curiosidade do estrangeiro devolve imagens que muitas vezes não vemos. Por isso o estrangeiro pode ser perigoso, pois com seu olhar desestabiliza toda uma construção social. Nesse ponto, o motoboy é o estrangeiro eternamente presente no trânsito da cidade. É o indivíduo que não deveria aparecer ali, mas, invisível, deveria cumprir sua missão civilizatória e retornar ao gueto, como outros milhões, diariamente, mundo afora. Resta saber em que mundo vive esse estrangeiro, ou em que mundo ele pensa viver. Da união de estrangeiros surge a oportunidade de dar ao motoboy o controle de seu discurso. Capturando as imagens de seu cotidiano, o profissional do motofrete pode mostrar o que vê da maneira como sente, tornandose visível além da mera estatística. O indivíduo sob o capacete de motociclista pode mostrar quem é, o que vê e o que quer nas imagens que produz. Para além do herdeiro do antigo office-boy, o novo personagem cotidiano que ronda o trânsito em sua moto pode, finalmente, começar a produzir sua própria caricatura. Augusto Stiel Neto

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 83 Papo Reto com José Junior 12 de junho de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

MOTOFRETISTA REGULAMENTADO! MOTOCICLISTA CONSCIENTE!

MOTOFRETISTA REGULAMENTADO! MOTOCICLISTA CONSCIENTE! SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Audiência Pública Discutir a Epidemia de Acidentes Envolvendo Motociclistas no Brasil Brasília, 29 de maio de 2012. MOTOFRETISTA REGULAMENTADO! MOTOCICLISTA

Leia mais

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Maio Amarelo. Paulo Roberto Guimarães Junior

Maio Amarelo. Paulo Roberto Guimarães Junior Maio Amarelo Paulo Roberto Guimarães Junior Observatório Nacional de Segurança Viária. Rua 9 de Julho, 1953 - Vila Georgina - Cep: 13.333-070 - Indaiatuba SP Telefone: (19) 3801.4500 E-mail: onsv@onsv.org.br

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL É hora de promover a segurança e a harmonia no trânsito. E os pais podem dar o exemplo. No Brasil, o índice

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final

Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final www.aciaanapolis.com.br Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final De 1º a 07 de Fevereiro de 2014 - Ano 09 - Nº 224 - Diretoria 2013/2015 Diretoria da Associação Comercial e Industrial

Leia mais

MC, PROFISSÃO DE RISCO?

MC, PROFISSÃO DE RISCO? MC, PROFISSÃO DE RISCO? O assassinato de Daniel Pellegrini (Mc Daleste) deixou marcas profundas na família do cantor e no Funk Nacional. O caso repercutiu no mundo inteiro comovendo e, por mais bizarro

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro 1 Em apoio às campanhas Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro A Universidade Federal de Santa Catarina e a Rede

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil Richard Uchôa C. Vasconcelos CEO LEO Brasil O tema hoje é engajamento, vamos falar de dez maneiras de engajar o público em treinamentos a distância. Como vocês podem ver, toda a minha apresentação está

Leia mais

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil - Justificativa: O projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil iniciou no segundo semestre

Leia mais

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA Ana Lhayse Feitoza Albuquerque analhayse@hotmail.com Beatriz Correia Neri de Araújo beatrizneri00@hotmail.com Thays Emanuela

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Presidente de associação de moradores não quer ser político e mantém-se no cargo há 14 anos

Presidente de associação de moradores não quer ser político e mantém-se no cargo há 14 anos Fonte: O Globo Síndico de Copacabana percorre o bairro de bicicleta para descobrir problemas Presidente de associação de moradores não quer ser político e mantém-se no cargo há 14 anos Artur Xexéo axexeo@oglobo.com.br

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Linha Direta INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Desmistificado, ensino técnico brasileiro passa a ser a possibilidade mais rápida de inserção no mercado de trabalho TECNOLOGIA

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

ENTREVISTA: "NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA", diz a pesquisadora Thais de Mendonça Jorge

ENTREVISTA: NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA, diz a pesquisadora Thais de Mendonça Jorge ENTREVISTA: "NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA", diz a pesquisadora Thais de INTERVIEW: DON'T MAKE NEWS ONLY WITH TECHNOLOGY, says researcher Thais de Thaisa Cristina Bueno 1 Lucas Santiago Arraes Reino

Leia mais

União Popular de Mulheres. de Campo Limpo e Adjacências. em parceria com SARAU DO BINHO. apresentam. Bibliomoto

União Popular de Mulheres. de Campo Limpo e Adjacências. em parceria com SARAU DO BINHO. apresentam. Bibliomoto União Popular de Mulheres de Campo Limpo e Adjacências em parceria com SARAU DO BINHO apresentam Edital ProAC nº 05 de 18 de maio a 12 de julho de 2010 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA São Paulo, Julho

Leia mais

Participa Curitiba! Oficina sobre participação cidadã. Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer. Material para aplicação.

Participa Curitiba! Oficina sobre participação cidadã. Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer. Material para aplicação. Participa Curitiba! Oficina sobre participação cidadã Realização: Material para aplicação Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer Essa Oficina sobre educação política e participação cidadã

Leia mais

A GEOGRAFIA DAS MOTOCICLETAS NO PARANÁ: APONTAMENTOS PRELIMINARES 1

A GEOGRAFIA DAS MOTOCICLETAS NO PARANÁ: APONTAMENTOS PRELIMINARES 1 A GEOGRAFIA DAS MOTOCICLETAS NO PARANÁ: APONTAMENTOS PRELIMINARES 1 Priscila Aparecida Olivette Licencianda do Curso de Geografia pela Unicentro e Bolsista Fundação Araucária (PR) pri_xd93@hotmail.com

Leia mais

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer]

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] colagem, remix narrativa em banco de dados remix de referências de várias áreas novas tecnologias a maneira que eu trabalho Eu acredito, na verdade,

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro , Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro Brasília - DF, 21 de setembro de 2006 Eu poderia deixar você falar, Paim, mas o microfone é alto e você não vai alcançar aqui.

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Entrevista CADERNOS DE SEGURO

Entrevista CADERNOS DE SEGURO Entrevista 6 Marco Antonio Rossi Presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) POR Vera de Souza e Lauro Faria

Leia mais

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP.

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. POP: Prêmio Nacional de Relações Públicas Categoria: Relações Públicas e Responsabilidade Social Profissional: Aislan Ribeiro Greca Empresa: Petrobras 10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. 2008

Leia mais

Crie seu mecanismo de engajamento: parte 2. David Mogensen. Novembro 2013

Crie seu mecanismo de engajamento: parte 2. David Mogensen. Novembro 2013 Crie seu mecanismo de engajamento: ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO Novembro 2013 parte 2 O RESUMO A jornada de decisão do consumidor já foi uma linha reta, mas agora é um caminho circular e em desenvolvimento.

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris.

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Thiago Máximo É preciso pensar a mobilidade urbana, como um sistema. Muitas vezes a questão da circulação nas grades cidades é pensada apenas para sanar problemas

Leia mais

Avaliação do Programa Cidadania em Trânsito ALUNOS Novembro / 2013

Avaliação do Programa Cidadania em Trânsito ALUNOS Novembro / 2013 Avaliação do Programa Cidadania em Trânsito ALUNOS Novembro / 2013 1 INDICE: METODOLOGIA:... 3 PERFIL DOS RESPONDENTES:... 4 CIDADANIA EM TRÂNSITO... 5 A Gidion é uma empresa que:...5 Você sabe se tem

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

Dia_Logos. café teatral

Dia_Logos. café teatral café Café Teatral Para esta seção do Caderno de Registro Macu, a coordenadora do Café Teatral, Marcia Azevedo fala sobre as motivações filosóficas que marcam esses encontros. Partindo da etimologia da

Leia mais

Por uma Cultura de Paz

Por uma Cultura de Paz Por uma Cultura de Paz Ângela Soares de Souza 1 Gisele Bischoff Scherer 2 Resumo O presente artigo traz a experiência vivida na Escola Municipal de Ensino Fundamental Grande Oriente do RS, desde 2004,

Leia mais

BEBÊS SUBMARINOS SETH CASTEEL TRADUÇÃO DE FLORA PINHEIRO

BEBÊS SUBMARINOS SETH CASTEEL TRADUÇÃO DE FLORA PINHEIRO BEBÊS SUBMARINOS Colton, 11 meses Valentina, 9 meses BEBÊS SUBMARINOS SETH CASTEEL TRADUÇÃO DE FLORA PINHEIRO Copyright 2015 Seth Casteel Publicado mediante acordo com Little, Brown and Company, Nova

Leia mais

Ituran: compromisso com a qualidade de vida

Ituran: compromisso com a qualidade de vida Ituran: compromisso com a qualidade de vida INTRODUÇÃO: O mercado de rastreadores veiculares começou a crescer verdadeiramente no início dessa década. Curiosamente, é nesse mesmo momento que aumenta definitivamente

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2 Ficava intrigado como num livro tão pequeno cabia tanta história. O mundo ficava maior e minha vontade era não morrer nunca para conhecer o mundo inteiro e saber muito da vida como a professora sabia.

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

02/12/2004. Discurso do Presidente da República

02/12/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega do Prêmio Finep e sanção da Lei de Inovação de Incentivo à Pesquisa Tecnológica Palácio do Planalto, 02 de dezembro de 2004 Meus companheiros ministros,

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

NOTÍCIAS. Parque da Cidade é o escolhido para grandes eventos em Natal. V.4 - N.4 - Setembro de 2015

NOTÍCIAS. Parque da Cidade é o escolhido para grandes eventos em Natal. V.4 - N.4 - Setembro de 2015 V.4 - N.4 - Setembro de 2015 Vilma Lúcia da Silva 05 Assessora de Comunicação do Parque da Cidade Parque da Cidade é o escolhido para grandes eventos em Natal Só no mês de setembro o Parque da Cidade recebeu

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 81 O Ajuste Fiscal e as ONGs 08 de maio de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Querida criança, Além desta revisão, estude, em seu Material Didático, os conteúdos do Volume III. Leia este texto: ASA BRANCA

Leia mais

I Fórum Políticas Públicas do Idoso"

I Fórum Políticas Públicas do Idoso I Fórum Políticas Públicas do Idoso" O idoso no mundo Em 2050, a Organização das Nações Unidas (ONU) estima que 30% da população mundial será de idosos; 2 bilhões dos habitantes do planeta terão mais de

Leia mais

Internet: A Rede Revolução

Internet: A Rede Revolução Internet: A Rede Revolução A era da informação. Nunca se teve tanto acesso às notícias como agora. Nunca se recebeu tantas informações e fatos mundiais como hoje. As notícias chegam até nós de forma rápida,

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

Relatório de atividades Socioambientais

Relatório de atividades Socioambientais Relatório de atividades Socioambientais Ação 1: Apresentação da programação da Feira do Empreendedor 2014 às instituições da comunidade do entorno do SESI. Realização: Amazônia Socioambiental Equipe Técnica

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA INTRODUÇÃO A mobilidade das cidades tem se tornado um desafio cada vez maior com o passar do tempo. Em 10 anos, a frota de automóveis e motocicletas cresceu 400% no

Leia mais

A palavra de ordem será: ACESSIBILIDADE!

A palavra de ordem será: ACESSIBILIDADE! O que é o Congresso de Acessibilidade? O Congresso de Acessibilidade é o primeiro evento online TOTALMENTE GRATUITO a ser realizado no Brasil, com foco no público de Pessoas com Deficiência e/ou Necessidades

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER

O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER LIDERANÇA O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER Roselinde Torres foco na pessoa 6 Por Roselinde Torres O que é preciso para ser um grande líder hoje? Muitos de nós temos a imagem de um líder como um

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadora: Maria Inês Castanha de Queiroz Coordenadora: Maria Inês Castanha de Queiroz CRP 5357/4ª região Psicóloga, Mestre

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

DE SUSTENTABILIDADE ÁGUA/LIXO ÁGUA/LIXO E CONSUMO E CONSUMO CONSCIENTE CONSCIENTE

DE SUSTENTABILIDADE ÁGUA/LIXO ÁGUA/LIXO E CONSUMO E CONSUMO CONSCIENTE CONSCIENTE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NASNAS ESCOLAS PÚBLICAS ESCOLAS PÚBLICAS ÁGUA/LIXO ÁGUA/LIXO E CONSUMO E CONSUMO CONSCIENTE CONSCIENTE O PROJETO O PROJETO O programa de sustentabilidade

Leia mais