Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 4-32, Jan 2011 Research Directory. Influência do país construtor no preço internacional de navios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 4-32, Jan 2011 Research Directory. Influência do país construtor no preço internacional de navios"

Transcrição

1 B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 4-32, Jan 2011 Research Directory JTL RELIT E-ISSN Influência do país construtor no preço internacional de navios [Influence of the builder country on international ship prices] Floriano Carlos Martins Pires Jr., William M. Cipriano, Luiz Felipe Assis Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Brazil Submitted 9 Jan 2011; received in revised form 26 Jan 2011; accepted 31 Jan 2011 Resumo O processo de formação de preços de navios de segunda mão no mercado internacional é extremamente complexo. O presente trabalho tem o objetivo de analisar a hipótese de que o país de construção está entre as variáveis relevantes. Foram considerados navios petroleiros, graneleiros e porta-contêineres, com idade até 20 anos, vendidos nos anos de 2003, 2004 e A análise econométrica indicou, para o caso de graneleiros, evidência estatística robusta de que navios construídos no Japão apresentam valor esperado do preço de segunda mão, ceteris paribus, maior do que os construídos nos demais países. Para as demais classes analisadas, problemas de tendenciosidade nas amostras impedem uma análise conclusiva. Palavras-Chave:preços de navios de segunda mão; influência do país construtor no preço de navios; modelo econométrico. Abstract The pricing process in the international market of second-hand ships is extremely complex. This paper aims at analysing the hypothesis that the builder country is one of the significant explanatory variables. The sample analysed was composed of tankers, bulk carriers and full-containerships with less than 20 years, sold between 2003 and The econometric analysis has pointed out robust statistical evidence that bulk carriers built in Japan tend to have higher expected value of second-hand price, ceteris paribus. In the cases of the other classes of ships, sample bias due to different reasons precluded any conclusive analysis. Key words: second-hand ship price; builder country and ship price; econometric model. * Recommended Citation Pires Jr., F. C. M., Cipriano, W. M. and Assis, L. F. (2011) Influência do país construtor no preço internacional de navios. Journal of Transport Literature, vol. 5, n. 1, pp JTL RELIT is a fully electronic, peer-reviewed, open access, international journal focused on emerging transport markets and published by BPTS - Brazilian Transport Planning Society. Website This paper is downloadable at

2 1. Introdução A análise do desempenho da indústria naval, além dos elementos relacionados com custos e tempo de produção, envolve a questão da qualidade. A qualidade da produção do estaleiro, por sua vez, envolve não apenas a qualidade do produto propriamente dita, mas também outros aspectos, como flexibilidade para atender especificações e requisitos especiais do armador, e garantias e atendimento pós-venda. O presente trabalho tem o objetivo de analisar comparativamente a qualidade dos navios produzidos pelos principais países produtores. O indicador de qualidade considerado é o preço do navio no mercado de segunda mão. O processo de formação de preços de navios de segunda mão no mercado internacional é extremamente complexo. O comportamento dos preços é altamente volátil e sujeito a influência de um grande número de variáveis. Na literatura encontram-se muitos trabalhos voltados para a modelagem econométrica dos preços, visando a estabelecer ferramentas de previsão (Frias (2002), Tsolakis (2003) e Morato (2004)). Esses modelos, além de muito complexos, oferecem instrumentos de previsão de aplicação bastante limitada. A análise apresentada neste trabalho é baseada em modelos econométricos simples, que não visam ao desenvolvimento de ferramentas de previsão. Os modelos apresentados têm apenas o objetivo de verificar a existência de evidências estatísticas de que navios produzidos em determinados países tendem a alcançar preços mais ou menos elevados. A amostra é formada por petroleiros, graneleiros e porta-contêineres, com idade até 20 anos, vendidos nos anos de 2003, 2004 e Quanto ao país de construção, foram considerados os seguintes grupos: Japão, Coréia do Sul, Europa e Outros. Os resultados indicam a existência de evidência estatística robusta de que, para a classe de graneleiros, navios construídos no Japão apresentam valor esperado do preço de segunda mão, ceteris paribus, maior do que os construídos nos demais países. Para as demais classes analisadas, problemas de tendenciosidade nas amostras impedem uma análise conclusiva. Essa tendenciosidade (bias), para tanques e porta-contêineres, é conseqüência de alterações 5

3 estruturais de market share e da tendência de crescimento do porte dos navios, nos últimos anos. O artigo está dividido em cinco seções. A Seção 2 apresenta uma análise do comportamento do mercado de navios de segunda mão. A Seção 3 apresenta as características da amostra empregada. A Seção 4 apresenta os modelos econométricos e resultados. A última seção é de Conclusões. 2. Mercado internacional de navios de segunda mão O mercado de compra e venda de navios de segunda mão é um dos quatro principais segmentos do sistema da marinha mercante internacional, ao lado dos mercados de afretamento, de construção naval e de sucata (scrapping). A rigor, não se trata de mercados distintos, mas de segmentos, profundamente interdependentes, do grande mercado dos transportes marítimos. Mais de mil navios são vendidos anualmente, movimentando uma média de recursos superior a US$ 10 bilhões por ano (Stopford (2001)). Os agentes envolvidos no mercado são, mais ou menos como no mercado de afretamento, embarcadores, empresas de navegação, bancos, e especuladores (asset players). As razões que levam, tipicamente, um proprietário a vender um navio são: a própria política de substituição de navios da empresa; obsolescência tecnológica ou operacional, ou inadequação às necessidades operacionais; necessidade de caixa; expectativa, formada pelo proprietário, de que os preços de mercado irão cair. O comprador pode ser um operador demandando um navio com determinadas características para atender requisitos operacionais, ou um investidor que entende que é chegado o melhor momento para comprar. 6

4 Observam-se níveis elevados de correlação nas séries históricas de fretes e preços de segunda mão; entre preços de segunda mão e de novas construções; e entre as séries de preços para as diversas classes de navios. Porém, o comportamento dos preços de todas as classes de navios é extremamente volátil e de difícil modelagem e previsão. Em particular, nos últimos anos, a indústria do transporte marítimo apresentou condições especiais de oferta e demanda, onde o desenvolvimento dos mercados, especialmente de contêineres e granéis sólidos, experimentou variações de preços extremamente acentuadas, como poucas vezes antes se observara. O mercado de navios de segunda mão, como os demais mercados marítimos, apresenta um comportamento cíclico. O principal fator a influir no comportamento dos preços de segunda mão é o próprio mercado de fretes, de modo que os dois segmentos apresentam os mesmos altos níveis de volatilidade. As oscilações nas taxas de frete são transmitidas imediatamente para os preços dos navios no mercado de segunda mão, uma vez que os seus valores são estabelecidos, fundamentalmente, pelas expectativas de receitas que podem obter nas operações futuras. Assim, uma elevação nos fretes marítimos tende a ser imediatamente acompanhada por uma elevação nos preços dos navios usados. Em muitos casos, os ganhos oriundos da compra e venda de navios representam parcelas importantes nos resultados dos armadores. Muitos operadores concentram suas estratégias mais nas operações de compra e venda do que propriamente em operações de transporte marítimo (asset players). A Figura 1 ilustra, de maneira esquemática, como se comporta o ciclo marítimo (CEPAL (2005)). Observe-se que o mercado de navios de segunda mão desempenha um papel fundamental na indústria marítima, porque garante liquidez aos armadores e investidores, de forma a não se criarem barreiras para entrada e saída do mercado. A ausência dessas barreiras é um requisito para um mercado de livre competição. Os três principais tipos de navios mercantes, em termos do tamanho e abrangência dos mercados, são graneleiros, petroleiros e porta-contêineres. 7

5 1. Os fretes caem. Cai o estímulo para aumento de tonelagem da frota. 9. Aparecem sinais de excesso de oferta (tonelagem excedente). 8. Quando a demanda por transporte começa a se estabilizar, a oferta supera a demanda. 5. Os fretes aumentam. A demanda segue excedendo a oferta. 6. Aumento acelerado de encomendas de navios novos. 7. Excesso de otimismo. Os pedidos podem ser excessivos. Estabilizam-se os preços de segunda mão. 4. A demanda excede a oferta. Aumentam os preços de navios de segunda mão. 3. A frota cresce lentamente. A demanda cresce mais rapidamente. 2. Cai a demanda por navios. Aumenta o sucateamento. Os fretes seguem baixos, assim como os preços de segunda mão. Fonte: CEPAL (2005) Figura 1 O ciclo do mercado marítimo Depois de um longo período de certa estabilidade no mercado de fretes, ocorreu a partir do ano de 2003 um forte incremento nos fretes nos três segmentos, com reflexos imediatos nos preços dos navios usados. No caso do mercado de graneleiros ocorreram, inclusive, situações pouco comuns, como preços de navios usados, com idade de cinco anos, negociados por valores superiores em até 5% aos preços de contrato de novas construções. Os aumentos nos 8

6 preços de venda foram particularmente mais intensos nas classes de navios panamax 1 e capesize 2 (Ingeniería Naval (2006)). As curvas indicando a evolução de índices mensais de preço médio por tpb no mercado internacional de segunda mão de graneleiros, petroleiros e porta-contêineres são apresentadas, respectivamente, nas Figuras 2, 3 e 4. Figura 2 Preços de segunda mão - Graneleiros janeiro 2003 a outubro de 2005 Figura 3 Preços de segunda mão - Petroleiros janeiro 2003 a outubro de Navios com capacidade entre e toneladas de porte bruto tpb (deadweight tonnage dwt). 2 Capacidade acima de tpb. 9

7 Figura 4 Preços de segunda mão Porta-contêineres janeiro 2003 a outubro de 2005 Observa-se, nos três casos, crescimento contínuo nos anos de 2003 e Houve retração dos preços em meados de 2005 nos segmentos de graneleiros e porta-contêineres, e certa estabilização nos preços dos petroleiros. É importante destacar os fatores que estimularam os aumentos dos preços (CEPAL (2004)) Inelasticidade da oferta de navios frente a uma demanda volátil, que apresentou forte crescimento desde o ultimo trimestre de Forte crescimento das economias da Ásia, especialmente a China, aumentando a demanda por transporte marítimo para o Extremo Oriente. Insuficiência de navios, originada pelas causas antes mencionadas. Aumento do sucateamento de navios nos anos anteriores. Aumento de alguns componentes de custo importantes do transporte marítimo, como os preços de construção e afretamento de navios, seguros, custos associados à implementação de novas medidas de segurança e aumento nos preços de combustível. Ambiente propício à difusão de expectativas que estimulam o aumento de preços. 10

8 Na literatura, encontram-se vários trabalhos relacionados com a elaboração de modelos econométricos para o mercado de navios usados visando a estabelecer ferramentas de previsão. Esses modelos, além de muito complexos, oferecem instrumentos de previsão de aplicação bastante limitada. Em termos gerais, pode-se dizer que o preço do navio de segunda mão está ligado a vários fatores, que podem ser quantitativos e qualitativos (Drewry (2004)). Entre os fatores quantitativos se podem mencionar: idade, capacidade ou porte, potência do MCP (motor principal de propulsão), tipo e capacidade de outros equipamentos principais, velocidade e data da última docagem. Entre os fatores qualitativos se podem destacar: reputação do armador e da sociedade classificadora, padrão de manutenção e bandeira de registro. O presente trabalho tem o objetivo de verificar a hipótese de que o país de construção afeta o preço de venda do navio de segunda mão. A eventual diferença de valor esperado representaria um prêmio associado à qualidade do navio, como reconhecida pelo mercado. O modelo econométrico proposto tem o objetivo de verificar a existência de evidências estatísticas de que navios produzidos em determinados países tendem a alcançar preços mais ou menos elevados. 3. Amostras Foram considerados os principais segmentos do mercado de navios: graneleiros, petroleiros e porta-contêineres. O período selecionado para análise é de 2003 a Os dados foram obtidos da base de informações de Clarkson Shipping Inteligence Network. Os dados tabulados, para cada tipo e ano, foram ano de construção, capacidade (tonelagem de porte bruto - tpb), país construtor, data de venda e preço. Não foram considerados navios com mais de 20 anos, pois, usualmente, trata-se de navios que passaram por reformas extensivas, ou revitalizações, o que, certamente, poderia introduzir distorções na análise dos preços em função da idade. As Figuras 5, 6 e 7 mostram a distribuição dos navios negociados por país ou bloco de construção. 11

9 GRANELEIROS NÚMERO DE NAVIOS Japão Coréia do Sul Asia Europa Ocidental Europa Oriental América Figura 5 Amostra de Graneleiros PETROLEIROS NÚMERO DE NAVIOS Japão Coréia do Sul Asia Europa Ocidental Europa Oriental América Figura 6 Amostra de Petroleiros 12

10 PORTA-CONTÊINERES 35 NÚMERO DE NAVIOS Japão Coréia do Sul Asia Europa Ocidental Europa Oriental América Alemanha Figura 7 Amostra de Porta-Contêineres Os grupos de países a serem considerados, para cada tipo, foram definidos com o objetivo de se trabalhar com grupos agregados com um número razoável de componentes. Muitos grupos, com pequeno número de navios, dificultariam a obtenção de modelos significantes. Naturalmente que cada grupo deve preservar um nível mínimo de homogeneidade em relação aos padrões de qualidade cujo efeito se pretende investigar. Por outro lado, observando-se as Figuras 2, 3 e 4, pode-se identificar em quase todos os períodos, no intervalo analisado, uma tendência de variação dos preços. Assim, a estimação das relações de regressão entre o preço e as variáveis explicativas, como porte e idade, seria perturbada pela data de venda, dentro de cada ano. Para eliminar o efeito de variação com a conjuntura do mercado, os preços por tpb empregados na análise foram corrigidos pela variação dos índices de preço médio indicados nas Figuras 2, 3 e 4, para cada tipo de navio. Assim, o preço por tpb deflacionado é obtido através da expressão (1). P C I 0 = P, (1) I k Onde: 13

11 P C : preço por tpb corrigido P : preço de venda (US$/tpb) I : índice de preço médio no mês 0 (janeiro de 2003) 0 I : índice de preço médio no mês (k) de venda k 3.1 Graneleiros Observa-se na Figura 5 uma grande concentração de navios graneleiros construídos no Japão, e todos os demais grupos com número muito pequeno de navios. Como já observado, essa característica dificultaria a obtenção de modelos significantes para identificar a influência de país construtor. Assim, os dados serão agrupados em duas classes: Japão e Outros, como indicado na Figura 8. Desse modo, embora figurem apenas dois grupos, obtém-se uma amostra bem condicionada. Além disso, com base nessa divisão, será possível avaliar a hipótese, difundida no mercado de navios, de que navios japoneses têm níveis mais elevados de qualidade, e conseqüentemente tendem a obter preços mais elevados no mercado de segunda mão. GRANELEIROS NÚMERO DE NAVIOS Japão Outros Figura 8 Graneleiros construídos no Japão e outros países 14

12 Uma análise mais detalhada dos dados referentes aos navios graneleiros é apresentada nas Figuras 9 a 14. Observa-se que a amostra apresenta-se razoavelmente bem condicionada, com relação a variáveis relevantes como idade e porte do navio. Figura 9 - Navios Graneleiros 2003 preço x tpb Nas Figuras 9, 10 e 11, observa-se que efetivamente existe uma concentração maior de navios japoneses na faixa de menor porte, e de outros, na de maior porte. Entretanto, existe em cada faixa número suficiente de dados de cada grupo para permitir a análise. Figura 10 - Navios Graneleiros 2004 preço x tpb 15

13 As Figuras 12, 13 e 14 indicam que os pontos dos dois grupos (Japão e Outros) são bem distribuídos em termos da idade, não se observando viés relevante. Figura 11 - Navios Graneleiros 2005 preço x tpb Figura 12 - Navios Graneleiros 2003 preço x idade 16

14 Figura 13 - Navios Graneleiros 2004 preço x idade Figura 14 - Navios Graneleiros 2005 preço x idade 17

15 3.2 Petroleiros Conforme se discutiu anteriormente, a observação da Figura 6 sugere o agrupamento dos dados em três classes: Japão, Coréia do Sul e Outros. A Figura 15 apresenta a distribuição do número de dados da amostra conforme essa divisão. As Figuras 16, 17 e 18 apresentam a distribuição dos dados em termos de preço (US$/tpb) e idade, para 2003, 2004 e 2005, respectivamente. As Figuras 19, 20 e 21, a distribuição de preços e idades. Como já destacado, os preços foram corrigidos para eliminar, ou reduzir, o efeito da variação dos preços de mercado ao longo do tempo. PETROLEIROS NÚMERO DE NAVIOS Japão Coréia do Sul Outros Figura 15 - Petroleiros Japão, Coréia e Outros Observando-se o conjunto dos dados apresentados, pode-se identificar que a amostra apresenta vieses que podem perturbar a análise no caso dos navios petroleiros. Verifica-se, por exemplo, que os navios vendidos de origem coreana são mais novos e de maior porte, diferentemente do que ocorre com os navios de origem japonesa, que têm idade mais elevada e menor capacidade. Certamente essas características da amostra revelam correlações altas entre as variáveis de análise que prejudicariam a elaboração de um modelo econométrico acurado. 18

16 A principal observação nas Figuras 16, 17 e 18 refere-se aos navios na faixa de 250 a 350 mil tpb. Observa-se, nessa faixa, uma clara correlação entre porte e idade. Os navios maiores são mais novos. Ou seja, tem-se um caso típico de multicolinearidade, com alta correlação entre duas variáveis explicativas. O efeito do porte, que é sempre de reduzir o preço por tpb (US$/tpb), não pode ser captado nesse conjunto, devido ao predomínio do efeito da idade. Ainda mais crítica, para os objetivos desta análise, é a correlação com o país de construção. Pode-se observar, na classe de capacidade acima de tpb (VLCC e ULCC), que os navios maiores, que tendem a ser mais novos, são, também, predominantemente coreanos. Os japoneses tendem a ser os mais antigos e menores. Os de outras origens praticamente não existem nessa faixa. Esse viés (tendenciosidade) na amostra é fatal para a modelagem econométrica que visa a identificação do efeito do país de construção, num modelo com porte e idade, como variáveis explicativas básicas. O viés é provocado pela própria evolução do mercado nos últimos anos, com o grande aumento da participação da Coréia no mercado de petroleiros, e redução da participação do Japão, principalmente no setor de VLCC e ULCC. Essa característica da amostra pode ser confirmada pela observação das Figuras 19, 20 e 21. Figura 16 - Petroleiros 2003 preço x tpb 19

17 Figura 17 - Petroleiros 2004 preço x tpb Figura 18 - Petroleiros 2005 preço x tpb 20

18 Figura 19 - Petroleiros 2003 preço x idade Figura 20 - Petroleiros 2004 preço x idade A conclusão da análise preliminar da amostra é de que não será possível estimar-se um modelo de regressão com o objetivo de identificar o efeito do país construtor, na medida em que esse efeito é claramente dominado pelo efeito da idade (por sua vez correlacionada com o porte), principalmente na faixa dos navios de maior porte, parte importante da amostra. Portanto, não serão considerados, na seqüência, os petroleiros. 21

19 Figura 21 - Petroleiros 2005 preço x idade 3.3 Porta-Contêineres A análise dos dados apresentados na Figura 7 sugere o seguinte agrupamento dos dados: Japão, Coréia do Sul, Europa e Outros, como se mostra na Figura 22. PORTA-CONTÊINERES N Ú M E R O D E N A V IO S Japão Coréia do Sul Europa Outros Figura 22 Porta-Contêineres Japão, Coréia, Europa e Outros 22

20 É importante observar que no caso de navios porta-contêineres, diferentemente do que ocorre no mercado de petroleiros e graneleiros, a Europa apresenta uma posição de destaque na produção mundial (principalmente Alemanha, Dinamarca e Polônia). Do ponto de vista do critério da homogeneidade, discutido anteriormente, seria interessante separar a produção da Alemanha da dos países do leste. O principal problema, potencializado pelo tamanho limitado da amostra, seria distinguir os navios da Alemanha Ocidental da Alemanha Oriental. Surgem dificuldades operacionais e conceituais. A principal questão conceitual é até que ano manter a divisão da produção alemã. Sabe-se que a indústria naval oriental demorou algum tempo, após a integração, até alcançar padrões típicos da Europa Ocidental. O principal problema operacional é que feita alguma partição adicional da amostra, alguns conjuntos de teste ficariam excessivamente pequenos. As Figuras 23 a 28 apresentam as distribuições do preço de venda de porta-contêineres dividido pela capacidade em relação à capacidade e à idade para os três anos da amostra. De uma maneira geral, pode-se dizer que, para os três anos disponíveis, as amostras apresentam problemas de mau condicionamento para o tipo de análise que se pretende fazer. Na Figura 23 observa-se a presença de navios de origem européia de diferentes portes, mas com uma forte concentração em navios de maior porte. A amostra apresenta poucos navios grandes construídos em regiões distintas da Europa. No caso dos navios japoneses negociados, há forte concentração em navios de menor capacidade, havendo um único dado referente a navio acima de tpb. Na Figura 24, a distribuição da amostra, considerando-se navios japoneses e de outros países mostra-se relativamente equilibrada. Todavia, no caso dos navios de origem européia, verifica-se que a amostra concentra-se fortemente na faixa acima de 10 anos de idade. Comportamento contrário ocorre com os navios de origem coreana, que na sua quase totalidade tinham idade inferior a 10 anos. 23

21 Figura 23 Porta-Contêineres 2003 preço x tpb Figura 24 Porta-Contêineres 2003 preço x idade Em 2004 e 2005, Figuras 25 a 28, o comportamento se mantém mais ou menos idêntico. As alterações mais recentes no mercado de porta-contêineres, com o aumento acelerado da participação da Coréia, em todos os segmentos, principalmente de maior porte, ainda não se fizeram sentir plenamente nas amostras de navios vendidos no mercado de segunda mão. 24

22 De qualquer forma, existe uma forte tendenciosidade nas amostras, que não recomenda a modelagem econométrica. Pode-se dizer que nos próximos anos, com a chegada ao mercado de navios construídos mais recentemente, a qualidade da amostra deverá piorar ainda mais. Qualquer tentativa, para porta-contêineres, de avaliar o efeito do país construtor deverá ser baseado em alguma outra abordagem metodológica. Figura 25 Porta-Contêineres 2004 preço x tpb Figura 26 Porta-Contêineres 2004 preço x idade 25

23 Figura 27 Porta-Contêineres 2005 preço x tpb Figura 28 Porta-Contêineres 2005 preço x tpb Conforme se observa nas figuras 27 e 28, a amostra no ano de 2005 foi menor, em comparação com os outros anos e com os outros tipos de navios. Repete-se a concentração de navios construídos na Europa. Quase não há navios com porte superior a tpb. Só se encontra um único navio construído na Coréia. 26

24 Portanto, também neste caso dos porta-contêineres, o mau condicionamento da amostra não permite a análise do país construtor com base em modelagem econométrica. A análise seguinte considerará apenas os navios graneleiros. 4. Modelos econométricos Muitos fatores afetam os preços de mercado de navios de segunda mão, como foi reportado em trabalhos de Drewy (2004), Morato (2004) e Tsolakis (2003). A diferença entre a análise deste trabalho e a maioria dos estudos econométricos sobre preços de navios de segunda mão, como já reiterado, é que não se pretende aqui desenvolver uma ferramenta de previsão. Apenas identificar a existência ou não de influência do país construtor na formação do preço. Embora seja uma hipótese levantada com alguma freqüência, nunca fora verificada empiricamente. O modelo desenvolvido tem o objetivo de verificar a existência de evidências estatísticas de que navios produzidos em determinados países tendem a alcançar preços mais ou menos elevados. O modelo econométrico considerado para a análise é simples e considera apenas, como variáveis explicativas, a capacidade do navio (tpb), idade (age) e um conjunto de variáveis binárias, para classificar os dados em grupos de países construtores. Eliminando o efeito das variações do mercado, com a correção do parâmetro preço, os principais determinantes quantitativos do preço são porte e idade, considerando-se invariantes as demais características tecnológicas dos navios. O modelo considerado foi o seguinte: α β γ ( tpb) ( age) (λ) P = K (2) Onde: P: relação entre o preço do navio ( deflacionado ) e sua capacidade{ US $ / tpb}. tpb : capacidade do navio em toneladas 27

25 age : idade do navio em anos. γ : variável binária (0 ou 1) de classificação do pais de origem α : elasticidade capacidade (tpb) do preço (P) β : elasticidade idade (age) do preço (P). O modelo especificado na equação 2 permite explicitar o efeito de país construtor no preço: P, α β = K tpb age, γ = 0 e P = ( K λ) tpb α age β, γ = 1 Linearizando a equação 1, o modelo transformado ficaria com a seguinte expressão: ( P) Ln( K ) + αln( tpb) + βln( age) γln( λ) Ln = + (3) Uma vez linearizado o modelo (equação 3), procede-se a estimação e teste do modelo para cada um dos anos considerados: Os resultados para os anos de análise são resumidos nas Tabelas 1 a 6. Todos os valores de R 2 são significativos, variando entre 0,7146 e 0,8483. Os resultados obtidos para os navios graneleiros vendidos durante o ano 2003 são estatisticamente significantes, como é observado nas Tabelas 1 e 2. O nível de significância da variável binária, que representa o efeito em análise, é cerca de 1%. 28

26 Tabela 1 Graneleiros Indicadores de regressão 2003, 2004 e R 0,9011 0,8453 0,9210 R² 0,8119 0,7146 0,8483 R² ajustado 0,8087 0,7099 0,8456 F(3,172) 247, , ,3152 P 0,0000 0,0000 0,0000 Erro padrão 0,1849 0,1805 0,1453 Tabela 2 Coeficientes de regressão e significância Graneleiros 2003 b S b t(172) significância intersecção 8, , ,445 0,0000 ln(tpb) -0, , ,249 0,0000 ln(age) -0, , ,147 0,0000 λ 0, ,0315 2,587 0,0104 Para o ano de 2004, o modelo também apresenta indicadores satisfatórios, como se observa nas Tabelas 1 e 3. Em particular, o nível de significância de λ é de 2,4%. 29

27 Tabela 3 Coeficientes de regressão e significância Graneleiros 2004 b S b t(182) significância intersecção 7, , ,327 0,0000 ln(tpb) -0, , ,260 0,0000 ln(age) -0, , ,886 0,0000 λ 0, , ,270 0,0243 Todos os modelos são significantes e apresentam os sinais esperados, indicando que o preço por tpb tende a diminuir com a idade e com a capacidade 3. A amostra de graneleiros de segunda mão vendidos durante o ano 2005 foi menor do que as dos anos anteriores. Os resultados, indicados nas Tabelas 1 e 4, apresentam um nível de significância para o coeficiente da variável binária bastante pior dos que os anteriores, da ordem de 13%. Porém, considerando-se o conjunto da análise, pode-se afirmar que o resultado é conclusivo na identificação da significância da variável binária. Isso significa que a análise é conclusiva ao indicar que efetivamente existe um prêmio no preço de navios graneleiros de segunda mão construídos no Japão. Esse efeito pode ser atribuído à percepção pelo mercado da qualidade da produção da indústria naval japonesa. Tabela 4 Coeficientes de regressão e significância Graneleiros 2005 b S b t(167) significância intersecção 8, , ,666 0,0000 ln(tpb) -0, , ,391 0,0000 ln(age) -0, , ,254 0,0000 λ 0, , ,501 0, Embora, naturalmente, o preço tenda a aumentar com a capacidade, existe um efeito de escala significativo, para todos os tipos de embarcação, que faz com que o preço por tpb seja decrescente com o porte. 30

28 Conclusões O presente trabalho teve como objetivo verificar a existência de evidências estatísticas de que navios produzidos em determinados países tendem a alcançar preços mais ou menos elevados, mediante a aplicação de um modelo econométrico simples, que analisa uma amostra que é formada por graneleiros, petroleiros, e porta-contêineres, de segunda mão, com idade até 20 anos, vendidos nos anos de 2003, 2004 e Eliminado o efeito da evolução do mercado, através da correção dos preços observados por um índice de variação do preço médio, foram consideradas no modelo as principais variáveis quantitativas a influenciar os preços de navios de segunda mão: idade e porte. O efeito do país construtor foi considerado através da introdução de variáveis binárias. As análises das amostras de petroleiros e graneleiros indicaram a presença de tendenciosidades (vieses) muito significativas. O mau condicionamento das amostras impediu a análise para esses dois tipos. Portanto, a análise foi conduzida apenas para navios graneleiros, para os três anos da amostra. Os navios foram classificados em origem Japão e Outras. Os resultados confirmam a hipótese de que os navios japoneses tendem a ter um prêmio de qualidade em operações de venda de segunda mão. Futuras extensões da pesquisa poderiam considerar tanto a expansão da amostra, pela ampliação do período de análise ou incorporação de outros tipos de navios, quanto o emprego de outras abordagens metodológicas, como, por exemplo, métodos de dados em painel. Referências CEPAL (2004) Fletes Marítimos, Precios de Construcción de Buques: Sus Cambios Recientes. Boletín FAL Facilitación del Comercio y el Transporte Marítimo en América Latina y el Caribe. Ed CEPAL (2005) El Ciclo Marítimo y las Tendencias de la Industria en América Latina. Boletín FAL Facilitación del Comercio y el Transporte Marítimo en América Latina y el Caribe. Ed Clarkson Research. Shipping Intelligence Network. 31

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado.

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado. Hamburg Süd encerra 2014 com faturamento de 5,2 bilhões de euros Empresa movimentou, juntamente com a subsidiária Aliança, cerca de 3,4 milhões de contêineres, um aumento de 2% em relação ao período anterior

Leia mais

ANÁLISE DE PREÇOS DE NAVIOS DE SEGUNDA MÃO ATRAVÉS DE MODELAGEM ECONOMÉTRICA. Ricardo Brito Fiasca

ANÁLISE DE PREÇOS DE NAVIOS DE SEGUNDA MÃO ATRAVÉS DE MODELAGEM ECONOMÉTRICA. Ricardo Brito Fiasca ANÁLISE DE PREÇOS DE NAVIOS DE SEGUNDA MÃO ATRAVÉS DE MODELAGEM ECONOMÉTRICA Ricardo Brito Fiasca Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Naval e Oceânica da Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência 7. OS ELEMENTOS DE INTERESSE NO PDZPO Este capítulo apresentará os elementos condicionantes do PDZPO incluídos no PA, quais sejam: As projeções de fluxos de carga; A frota prevista; Os usos previstos do

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 3, pp. 210-228, Jul 2011 Reviews & Essays

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 3, pp. 210-228, Jul 2011 Reviews & Essays B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 3, pp. 210-228, Jul 2011 Reviews & Essays JTL RELIT www.transport-literature.org E-ISSN 2177-1065 O arrendamento

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo Outubro / 2003 A MARINHA MERCANTE BRASILEIRA MMB ítens abordados: transporte internacional; cabotagem;

Leia mais

Indústria de construção naval brasileira. Cenário Mundial

Indústria de construção naval brasileira. Cenário Mundial Indústria de construção naval brasileira Apresentação ao BNDES Cenário Mundial Paulo de Tarso Rolim de Freitas Julho de 2003 1 Situação da frota mundial Frota mundial: 825 milhões de TPB. Novas construções

Leia mais

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Ana Maria Pinto Canellas Agência Nacional de Transportes Aquaviários Esfera de Atuação Navegação de Longo Curso; Navegação de Cabotagem; Navegação

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory. [In Press, Corrected Proof]

Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory. [In Press, Corrected Proof] B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory [In Press, Corrected Proof] JTL RELIT www.transport-literature.org

Leia mais

A indústria de construção naval brasileira

A indústria de construção naval brasileira Apresentação ao BNDES Cenário Nacional A indústria O mercado Situação da frota Situação do trade Cabotagem Longo Curso Apoio Marítimo Pesca Ildefonso Côrtes Julho de 2003 Ivens Consult 1 A indústria Existe

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

6 O Papel do BNDES e o Crédito Externo 6.1. O BNDES

6 O Papel do BNDES e o Crédito Externo 6.1. O BNDES 6 O Papel do BNDES e o Crédito Externo 6.1. O BNDES Uma vez confiantes nos resultados encontrados em relação à influência dos juros sobre o investimento na economia, partimos para uma segunda fase do estudo.

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

O MERCADO DE TRANSPORTE MARÍTIMO DE NAVIOS TRAMP E SUA IMPORTÂNCIA NO PORTO DE SANTOS

O MERCADO DE TRANSPORTE MARÍTIMO DE NAVIOS TRAMP E SUA IMPORTÂNCIA NO PORTO DE SANTOS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 7, n. 1, pp. 182-193, Jan 2013 Reviews & Essays. [Care to the population: urban bus in the city of São Paulo]

Journal of Transport Literature Vol. 7, n. 1, pp. 182-193, Jan 2013 Reviews & Essays. [Care to the population: urban bus in the city of São Paulo] B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 7, n. 1, pp. 182-193, Jan 2013 Reviews & Essays JTL RELIT www.transport-literature.org ISSN 2238-1031 Atendimento

Leia mais

COMÉRCIO MARÍTIMO INTERNACIONAL (milhões de toneladas carregadas)

COMÉRCIO MARÍTIMO INTERNACIONAL (milhões de toneladas carregadas) milhões de toneladas carregadas COMÉRCIO MARÍTIMO INTERNACIONAL (milhões de toneladas carregadas) Ano Petróleo e Principais Outras Derivados Granéis Cargas Total 1970 1.440 448 717 2.605 1980 1.871 796

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FINANCEIRO DE ESTALEIROS A PARTIR DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS PRODUTIVAS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FINANCEIRO DE ESTALEIROS A PARTIR DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS PRODUTIVAS Verax consultoria VX00-090825-ConstrucaoNaval-DesempenhoFinanceiro.docx Função: estratégia / desenvolvimento de negócios Segmento: indústria / construção naval Tema: planejamento estratégico Metodologia:

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

ANÁLISE DA OPERAÇÃO DE NAVIOS PORTA CONTÊINERES EM VELOCIDADE REDUZIDA

ANÁLISE DA OPERAÇÃO DE NAVIOS PORTA CONTÊINERES EM VELOCIDADE REDUZIDA ANÁLISE DA OPERAÇÃO DE NAVIOS PORTA CONTÊINERES EM VELOCIDADE REDUZIDA Jorge Alberto Nuñez Gainza e-mail: coqui124@hotmail.com Hernani L.Brinati e-mail: hlbrinat@usp.br RESUMO Nos últimos 5 anos, o preço

Leia mais

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estimativas acuradas do volume de produtos e serviços processados pela

Leia mais

ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS

ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS Rio de Janeiro, 9 de novembro de 2004. Desempenha, como autoridade administrativa independente, a função de entidade reguladora e fiscalizadora

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Pesquisa de Conjuntura (resultados de julho de 2008) setembro/08 1 Principais destaques Em julho/08 as micro e pequenas empresas (MPEs) apresentaram queda de 3% no faturamento real

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 161-183, Jan 2011 Reviews & Essays

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 161-183, Jan 2011 Reviews & Essays B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 161-183, Jan 2011 Reviews & Essays JTL RELIT www.transport-literature.org E-ISSN 2177-1065 Estudo e previsão

Leia mais

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Os termos de troca no comércio exterior são definidos pela relação entre os preços das exportações de um país e os das suas importações.

Leia mais

Legislação de Cabotagem no Brasil: oportunidades e entraves para a indústria de construção naval. São Paulo, 23 de outubro de 2007

Legislação de Cabotagem no Brasil: oportunidades e entraves para a indústria de construção naval. São Paulo, 23 de outubro de 2007 Legislação de Cabotagem no Brasil: oportunidades e entraves para a indústria de construção naval São Paulo, 23 de outubro de 2007 O transporte por cabotagem cresce solidamente no Brasil Milhões de Toneladas

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

23º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore

23º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore 23º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore Rio de Janeiro, 25 a 29 de Outubro de 2010 Análise de Risco no Acompanhamento de Projetos de Construção Naval Floriano C M Pires

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

DEMANDA EXTERNA PARA NAVIOS PRODUZIDOS NO BRASIL: O CAMINHO PARA EXPORTAR

DEMANDA EXTERNA PARA NAVIOS PRODUZIDOS NO BRASIL: O CAMINHO PARA EXPORTAR Verax consultoria VX00 090826 ConstrucaoNaval Demanda.docx Função: marketing e vendas Segmento: indústria / construção naval Tema: estratégia de marketing Metodologia: administração / análise quantitativa

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM Importância da qualidade da informação técnica para a determinação da potência dos geradores de energia elétrica a serem instalados

Leia mais

MODELO GÁVEA MODELAGEM SISTÊMICA PARA PROJEÇÃO DO MERCADO DE FRETES DE NAVIOS PETROLEIROS

MODELO GÁVEA MODELAGEM SISTÊMICA PARA PROJEÇÃO DO MERCADO DE FRETES DE NAVIOS PETROLEIROS MODELO GÁVEA MODELAGEM SISTÊMICA PARA PROJEÇÃO DO MERCADO DE FRETES DE NAVIOS PETROLEIROS Paulo Campos Fernandes Petróleo Brasileiro S/A Petrobras E-mail: paulofernandes@petrobras.com.br Renata Gomes Frutuoso

Leia mais

Considerações sobre a indústria naval

Considerações sobre a indústria naval Considerações sobre a indústria naval Autor: Prof. Ubirajara Rodrigues Ribas 1 1. Introdução A dinâmica econômica mundial atual nos mostra que o desenvolvimento não está mais tão dependente de vantagens

Leia mais

consultoria LEGISLAÇÃO DE CABOTAGEM NO BRASIL: OPORTUNIDADES E ENTRAVES PARA A INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO NAVAL 1 INTRODUÇÃO

consultoria LEGISLAÇÃO DE CABOTAGEM NO BRASIL: OPORTUNIDADES E ENTRAVES PARA A INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO NAVAL 1 INTRODUÇÃO Verax consultoria VX00 090826 ConstrucaoNaval Cabotagem.docx Função: estratégia Segmento: logística / supply chain Tema: planejamento estratégico Metodologia: administração LEGISLAÇÃO DE CABOTAGEM NO BRASIL:

Leia mais

GERAÇÃO DE VIAGENS. 1.Introdução

GERAÇÃO DE VIAGENS. 1.Introdução GERAÇÃO DE VIAGENS 1.Introdução Etapa de geração de viagens do processo de planejamento dos transportes está relacionada com a previsão dos tipos de viagens de pessoas ou veículos. Geralmente em zonas

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Para mais informações sobre o livro e/ou temas tratados, visite o nosso website ou entre em contato conosco. www.veraxc.com

Para mais informações sobre o livro e/ou temas tratados, visite o nosso website ou entre em contato conosco. www.veraxc.com Para mais informações sobre o livro e/ou temas tratados, visite o nosso website ou entre em contato conosco. www.veraxc.com Resumo PG1_sem creditos nas figuras.qxd 12/6/2008 15:14 Page 17 Construção naval:

Leia mais

DIREITO DA NAVEGAÇÃO

DIREITO DA NAVEGAÇÃO 1 DIREITO DA NAVEGAÇÃO MARÍTIMO - Embarcação e Navio: natureza jurídica, acessórios e classificação dos navios P r o f. M a r c e l o A l v a r e s V i c e n t e 2011 2 Navio e Embarcação Conceito Legislação

Leia mais

Painel 13. Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária.

Painel 13. Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária. Senado Federal AUDIÊNCIA PÚBLICA P DA COMISSÃO DE INFRAESTRUTURA Painel 13 Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária Luiz Felipe

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL E OFFSHORE Resultados da Indústria da Construção Naval Brasileira 2010

SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL E OFFSHORE Resultados da Indústria da Construção Naval Brasileira 2010 1 Carteiras de encomendas dos estaleiros brasileiros 2010 Obras em andamento Carteiras de encomendas dos estaleiros RJ Empreendimentos TPB Particip. % Rio de Janeiro EISA 26 1.276.600 Rio Nave 2 3.000

Leia mais

4 de Janeiro de 2013 Saudações de ano novo do Presidente Kudo da NYK Usando os 3 I s da NYK (Integridade, Inovação e Intensidade) para eliminar os 3 M s (Muda, Mura e Muri) Gostaria de começar desejando-lhes

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

O DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CEARENSE EM 2007: UMA ANÁLISE UTILIZANDO O ÍNDICE COINCIDENTE DA INDÚSTRIA CEARENSE ICIC

O DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CEARENSE EM 2007: UMA ANÁLISE UTILIZANDO O ÍNDICE COINCIDENTE DA INDÚSTRIA CEARENSE ICIC GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 28 O DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CEARENSE EM 2007: UMA

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos Como as taxas de juros dos Estados Unidos afetam os mercados financeiros das economias emergentes 15 de maio de 2014 Alexander Klemm, Andre Meier e Sebastián Sosa Os governos da maioria das economias emergentes,

Leia mais

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa A Projeção de Investimento em Capital de Giro! Dimensionamento dos Estoques! Outras Contas do Capital de Giro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Nota à imprensa ab Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Contatos: Daniel Staib, Zurique Telefone +41 43 285 8136 Thomas Holzheu,

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

Análise dos investimentos no Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade.

Análise dos investimentos no Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade. Análise dos investimentos no Programa de Eficiência Energética das concessionárias de distribuição de eletricidade. Gilberto De Martino Jannuzzi [1], Herivelto Tiago Marcondes dos Santos [2] [1] Universidade

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

A Marinha Mercante Brasileira desafios e a participação do Estado no seu desenvolvimento

A Marinha Mercante Brasileira desafios e a participação do Estado no seu desenvolvimento 1º Seminário sobre o Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem Brasileira A Marinha Mercante Brasileira desafios e a participação do Estado no seu desenvolvimento Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa

Leia mais

O CAPM e futuros de setores selecionados

O CAPM e futuros de setores selecionados Introdução O Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (Capital Asset Pricing Model - CAPM) determina a taxa de retorno teórica que o investidor espera extrair do investimento em um ativo financeiro.

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Durante 2004, o PIB da América Latina e do Caribe deverá crescer em torno de 4,5%, o que significa um aumento de 3,0% do produto per capita. A recuperação das economias da

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO COPOM

A PROBLEMÁTICA DO COPOM A PROBLEMÁTICA DO COPOM Na ata de reunião terminada em 17 de outubro, em que houve a decisão unânime de manter a taxa SELIC em 11,25%, o COPOM dá uma indicação de sua motivação principal: 19. O Copom considera

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO

O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO FRANCISCO JOSÉ ROCHA DE SOUSA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos FEVEREIRO/2010 Francisco José Rocha de Sousa 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo.

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA/ESALQ/USP 25 de maio de 2011 Volume 1, Edição 22 Açúcar: Informativo Quinzenal Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo DATA Valor

Leia mais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Robert Wayne Samohyl (UFSC) samohyl@yahoo.com Resumo: A importância do controle estatístico

Leia mais

Contribuição para o Aperfeiçoamento de uma Política para a Indústria Naval e a Marinha Mercante

Contribuição para o Aperfeiçoamento de uma Política para a Indústria Naval e a Marinha Mercante Contribuição para o Aperfeiçoamento de uma Política para a Indústria Naval e a Marinha Mercante NOVAS CONSTRUÇÕES Eng. Agenor C. Junqueira Leite Presidente Trabalhos Publicados -Política Governamental

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Câmara Temática de Infraestrutura e Logística CTLOG 10 de junho de 2015 Brasília - DF

Câmara Temática de Infraestrutura e Logística CTLOG 10 de junho de 2015 Brasília - DF Câmara Temática de Infraestrutura e Logística CTLOG 10 de junho de 2015 Brasília - DF André Mello Vice Presidente Executivo da ABAC Associação Brasileira dos Armadores de Cabotagem Junho/2015 Agenda Apresentação

Leia mais

INDX avança 4,71% em Fevereiro

INDX avança 4,71% em Fevereiro INDX avança 4,71% em Fevereiro Dados de Fevereiro/15 Número 95 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de fevereiro com elevação

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE Resumo: NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE O artigo trata sobre a estratégia financeira de curto prazo (a necessidade de capital

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado O Gerenciamento de Risco de Mercado das Carteiras geridas pela Rio Verde Investimentos é efetuado pela Administradora dos Fundos, no caso BNY Mellon Serviços

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 109-124, Jan. 2014 Research Directory

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 109-124, Jan. 2014 Research Directory B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 109-124, Jan. 2014 Research Directory JTL RELIT www.transport-literature.org ISSN 2238-1031 Competição

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

P Estudo ICC 107 4. 5 agosto 2011 Original: francês. Organização Internacional do Café 107. a sessão 26 30 setembro 2011 Londres, Reino Unido

P Estudo ICC 107 4. 5 agosto 2011 Original: francês. Organização Internacional do Café 107. a sessão 26 30 setembro 2011 Londres, Reino Unido ICC 17 4 5 agosto 211 Original: francês P Estudo Organização Internacional do Café 17. a sessão 26 3 setembro 211 Londres, Reino Unido Relação entre os preços do café nos mercados físico e de futuros Antecedentes

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Outubro de 2014 Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria

Leia mais

Parte I Embarcação e Navio: natureza jurídica, acessórios e classificação do navio. P r o f. M a r c e l o A l v a r e s V i c e n t e 2011

Parte I Embarcação e Navio: natureza jurídica, acessórios e classificação do navio. P r o f. M a r c e l o A l v a r e s V i c e n t e 2011 DIREITO DA NAVEGAÇÃO Parte I Embarcação e Navio: natureza jurídica, acessórios e classificação do navio P r o f. M a r c e l o A l v a r e s V i c e n t e 2011 Navio e Embarcação Conceito Legislação comercial

Leia mais

RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise

RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise Ana Isabel Quinteiro Lopes Gonçalves Loureiro, Faculdade de Economia do Porto Bárbara Andrea Pereira Ribeiro, Faculdade de Economia

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de 30 3. Metodologia Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de dados utilizada, identificando a origem das fontes de informação, apresentando de forma detalhada as informações

Leia mais

Grupo Maersk. Relatório do Comércio. O melhor dos mundos e o pior deles para o comércio exterior Brasileiro

Grupo Maersk. Relatório do Comércio. O melhor dos mundos e o pior deles para o comércio exterior Brasileiro Grupo Maersk Relatório do Comércio QUARTO TRIMESTRE DE 215 BRAZIL O melhor dos mundos e o pior deles para o comércio exterior Brasileiro Exportações aceleram, mas importações colapsam em janeiro, impactando,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 6 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 8 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 83-96, Jan 2011 Research Directory. O custo do seguro aeronáutico e seus determinantes

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 83-96, Jan 2011 Research Directory. O custo do seguro aeronáutico e seus determinantes B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 83-96, Jan 2011 Research Directory JTL RELIT www.transport-literature.org E-ISSN 2177-1065 O custo do

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

Criação de postos de trabalho no Rio de Janeiro Carlos H. Corseuil * e Daniel D. Santos *

Criação de postos de trabalho no Rio de Janeiro Carlos H. Corseuil * e Daniel D. Santos * Criação de postos de trabalho no Rio de Janeiro Carlos H. Corseuil * e Daniel D. Santos * As transformações econômicas e geopolíticas ocorridas nos anos 90 em praticamente todas as economias do mundo trouxeram

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

Sondagem conjuntural da indústria de transformação aspectos metodológicos e analíticos

Sondagem conjuntural da indústria de transformação aspectos metodológicos e analíticos Sondagem conjuntural da indústria de transformação aspectos metodológicos e analíticos Salomão L. Quadros da Silva Instituto Brasileiro de Economia Fundação Getulio Vargas SEMINARIO SOBRE INDICADORES LÍDERES

Leia mais