Marketing e Dados Pessoais no Crédito ao Consumo. Dezembro 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marketing e Dados Pessoais no Crédito ao Consumo. Dezembro 2011"

Transcrição

1 Marketing e Dados Pessoais no Crédito ao Consumo Dezembro 2011

2 Índice 1. História e Grupo da Cofidis 2. Tratamentos registados na CNPD: clientes e potenciais clientes 3. Meio de recolha típico utilizado 4. Privacidade e conhecimento dos clientes 5. Dados pessoais e crédito: análise de solvabilidade e prevenção do branqueamento de capitais Cofidis Dezembro de

3 História da Cofidis A COFIDIS foi criada em 1982, em França, fruto de uma aliança entre a 3Suisses International (85%) e o Cetelem (15%), sendo hoje controlada, maioritariamente, pelo Banque Fédérative du CRÉDIT MUTUEL. A experiencia de ambos, a venda à distancia (VPC) desde 1932 e o crédito ao consumo desde 1953, permitiu criar o conceito inovador do crédito por telefone. Pioneira no conceito de crédito por telefone e com mais de 11,5 milhões de clientes, a Cofidis é líder no mercado do crédito ao consumo à distância em França e um importante player nos vários países europeus Cofidis Dezembro de

4 Actualmente a COFIDIS está.. presente em, França (82), Bélgica (85), Espanha (90), Itália (96), R. Checa (04), Hungria (05), Eslováquia (07) e Portugal (96) Cofidis Dezembro de

5 Como nasceu a COFIDIS Portugal? A COFIDIS conta com 15 anos de experiência em Portugal na gestão de crédito ao consumo. Alguns indicadores de actividade: Cerca de de carteira + de clientes Cerca de 400 colaboradores Em termos de estatuto jurídico somos uma sucursal da S.A. Francesa COFIDIS Instituição de Crédito supervisionada pelo Banco de Portugal Mediadora de Seguros registada no ISP, tendo como Parceira de Seguros a ACM/Credit Mutuel Assurances Cofidis Dezembro de

6 Importância dos Dados Pessoais no Grupo Na Cofidis existe uma preocupação constante com a protecção de dados pessoais: Existem instruções e políticas que têm de ser seguidas em todas as empresas do Grupo; São feitas periodicamente auditorias internas e externas; Todos os colaboradores das várias empresas conhecem e seguem orientações expressas em matéria de protecção de dados pessoais (além da obrigação do sigilo bancário). Donde, os dados pessoais tratados pela Cofidis são indissociáveis da actividade da Cofidis: a concessão do crédito ao consumo à distância. Cofidis Dezembro de

7 Tratamentos registados na CNPD: clientes e potenciais clientes Cofidis Dezembro de

8 Tratamentos registados: clientes e potenciais clientes Os principais tratamentos de dados pessoais da Cofidis são: Tratamento com a finalidade de Gestão de promoções e respectivos pedidos de concessão de financiamentos, relativos a produtos financeiros comercializados pela Cofidis. Acções de marketing directo. Tratamento com finalidade de Gestão de Clientes - Suporte à actividade de operações de financiamento e acessórios. Relacionamento comercial entre a entidade responsável pela base de dados e os seus clientes, gestão das respectivas contas correntes, seus movimentos e cobrança de créditos. Cofidis Dezembro de

9 Meio de recolha típico utilizado Cofidis Dezembro de

10 Meio de recolha típico utilizado A forma como os consumidores chegam à Cofidis é, normalmente, através do preenchimento e envio de uma proposta de crédito. Nas propostas de contrato, os titulares dos dados: São informados do tratamento automatizado dos dados, finalidades e todos os restantes requisitos constantes da Lei; Têm a possibilidade de se oporem ao tratamento para fins de marketing directo da Cofidis ( opt-out ); E pertence-lhes ainda a opção de consentirem expressamente, ou não, na recepção de propostas comerciais e novidades da Cofidis via SMS e ( opt-in ). Cofidis Dezembro de

11 Cofidis Dezembro de

12 Privacidade e Conhecimento dos Clientes Cofidis Dezembro de

13 Privacidade e Conhecimento dos Clientes A Base de Dados Prospects : A Cofidis fez no passado algumas acções de marketing directo com dados alugados a outras empresas: enviando comunicações a tais pessoas e, em caso de resposta, os dados pessoais eram tratados nesta base de dados. A Cofidis aposta na publicidade para captar o interesse dos potenciais clientes, preferindo-se actualmente este meio ao aluguer de bases de dados. Assim, são os consumidores que entram em contacto com a Cofidis de forma a receberem a proposta de contrato de crédito. Cofidis Dezembro de

14 Cofidis Dezembro de

15 Privacidade e Conhecimento dos Clientes Principais Acções de Fidelização para os nossos clientes: Acções Comerciais Acções Relacionais Acções de Informação/Gestã o de Conta Mailing, ing, SMS, Telefone Cofidis Dezembro de

16 Dados pessoais no Crédito: análise de solvabilidade e prevenção do branqueamento de capitais Cofidis Dezembro de

17 Dados Pessoais: solvabilidade e branqueamento Existem especificidades incontornáveis que resultam da legislação que regula a concessão do crédito e a actuação das Instituições de crédito: análise de solvabilidade dos potenciais clientes e prevenção do branqueamento de capitais antes de iniciar relações de negócio A nova legislação do crédito ao consumo consagra o dever das Instituições de crédito avaliarem a solvabilidade do consumidor antes da celebração do contrato de crédito. E esta análise é feita através: da verificação das informações prestadas pelo próprio consumidor; e pela consulta à Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal (obrigatória até à alteração do DL em Junho de 2010) e/ou outras bases de dados consideradas relevantes. Cofidis Dezembro de

18 Dados Pessoais: solvabilidade e branqueamento O Banco de Portugal na recente carta circular sobre as boas práticas no crédito ao consumo considerou que a recolha de documentação junto dos consumidores e a consulta de bases de dados de responsabilidades de crédito com cobertura e detalhe de informação adequados são práticas que facilitam a prova da avaliação de solvabilidade a que as instituições estão adstritas antes da celebração de contratos de crédito. Dados obrigatórios relativos à identificação: a) Nome completo e assinatura; b) Data de nascimento; c) Nacionalidade; d) Morada completa; e) Profissão e entidade patronal, quando existam; f) Cargos públicos que exerçam; g) Tipo, número, data e entidade emitente do documento de identificação (e respectivos documentos comprovativos). Cofidis Dezembro de

19 Dados Pessoais: solvabilidade e branqueamento Concluindo: As Instituições de Crédito (IC s) estão legalmente obrigadas a recolher determinadas categorias de dados previamente à celebração de contratos de crédito Uma outra decorrência do dever da análise de solvabilidade é a consulta a base de dados de crédito, nomeadamente, a Central de Responsabilidades de Crédito (CRC) gerida pelo Banco de Portugal. A CRC tem como principal finalidade dotar as entidades participantes de elementos e informação sobre o endividamento dos seus clientes ou potenciais clientes de forma a apoiar as suas decisões de crédito. As Instituições de Crédito podem aceder à informação agregada das responsabilidades de crédito do potencial cliente quando exista um pedido de concessão de crédito ou mediante autorização daquele. Seja o pedido de crédito seja a autorização têm de ser conservados pelas Instituições de Crédito por um período de 2 anos em suporte auditável. Donde, também no prazo de conservação do meio de recolha as IC s estão obrigadas a cumprir prazos e requisitos legais. Cofidis Dezembro de

20 Dados Pessoais: solvabilidade e branqueamento Assim, os desafios que se colocam às Instituições de Crédito são sempre com respeito pela legislação da protecção de dados pessoais encontrar constantemente: mais e melhores meios para verificar e confirmar as informações prestadas pelos potenciais clientes, lutando contra a fraude e branqueamento de capitais; mais e melhores meios para avaliar a solvabilidade dos potenciais clientes em consonância com a noção cada vez mais importante de crédito responsável ; Cofidis Dezembro de

21 Obrigado

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo O uso de perfis na empresa Os perfis são conjuntos de dados que caracterizam categorias de indivíduos destinados a serem

Leia mais

Informar para reduzir os Riscos de Crédito Malparado - A importância da informação pública do ponto de vista do Credit Manager

Informar para reduzir os Riscos de Crédito Malparado - A importância da informação pública do ponto de vista do Credit Manager Informação do Sector Público: Acesso, reutilização e comercialização 24 de Novembro de 2004 Representação da Comissão Europeia em Portugal Informar para reduzir os Riscos de Crédito Malparado - A importância

Leia mais

Deliberação n.º 156/09

Deliberação n.º 156/09 Deliberação n.º 156/09 Princípios aplicáveis aos tratamentos de dados pessoais no âmbito de Gestão de Informação com a finalidade de Prospecção de Opções de Crédito A Comissão Nacional de Protecção de

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa.

As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa. Dun-Trade As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa. O que é o DUN-Trade? é um programa de partilha de informação, totalmente gratuito,

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROMOTORES

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROMOTORES CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROMOTORES Definições: Promotores: toda a pessoa singular que, com o Banco ActivoBank, S.A. tenha celebrado um contrato de prestação de serviços, com o objectivo de exercer, a titulo

Leia mais

O MARKETING DIRECTO POR EMAIL

O MARKETING DIRECTO POR EMAIL O MARKETING DIRECTO POR EMAIL 1 AS IMPLICAÇÕES LEGAIS DO EMAIL MARKETING Enquadramento da questão Equilíbrio entre o poder e a eficácia do marketing directo por e-mail no contacto com os consumidores e

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor do Banco

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO RESPONSABILIDADE CIVIL INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A.

PROPOSTA DE SEGURO RESPONSABILIDADE CIVIL INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. PROPOSTA DE SEGURO RESPONSABILIDADE CIVIL INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais

Responsabilidades no crédito II

Responsabilidades no crédito II Responsabilidades no crédito II PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 26 DE MARÇO DE 2012 POR JM A Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal tem como principal objectivo apoiar

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO Preâmbulo O mercado financeiro, e em especial o mercado especializado no crédito ao consumo, exige por parte

Leia mais

Guia do VOLUNTÁRIO COM ASAS

Guia do VOLUNTÁRIO COM ASAS Guia do VOLUNTÁRIO COM ASAS O Guia do VoluntárioscomAsas tem como objectivo facilitar a sua integração nas Instituições promotoras alertando o para alguns deveres de cidadania, solidariedade, responsabilidade,

Leia mais

A presente Declaração Local de Privacidade explica como iremos recolher e utilizar os seus Dados Pessoais.

A presente Declaração Local de Privacidade explica como iremos recolher e utilizar os seus Dados Pessoais. Declaração Local de Privacidade: O responsável pelo tratamento de dados para efeitos da presente Declaração Local de Privacidade de Dados é a CATERPILLAR FINANCIAL CORPORACIÓN FINANCIERA, E.F.C., S.A.

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 18º Prestação de Serviços de telemarketing Processo: nº 3109, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-18. Conteúdo:

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas -

O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas - Lisboa, 18.05.2006 O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas - Enquadramento, Conceitos & Formalidades 2 Enquadramento Algumas medidas de segurança envolvem o tratamento

Leia mais

LEI 46/2012, DE 29 DE AGOSTO

LEI 46/2012, DE 29 DE AGOSTO LEI 46/2012, DE 29 DE AGOSTO No dia 29 de Agosto de 2012, foi publicada a Lei n.º 46/2012, que transpõe a Directiva n.º 2009/136/CE, na parte em que altera a Directiva n.º 2002/58/CE, do Parlamento Europeu

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DO CNSA 2012

PLANO DE ACTIVIDADES DO CNSA 2012 PLANO DE ACTIVIDADES DO CNSA 2012 O presente documento visa dar cumprimento ao disposto na alínea n) do n.º 1 do artigo 11º dos Estatutos do CNSA aprovados pelo Decreto-Lei nº 225/2008, de 20 de Novembro,

Leia mais

b. País de constituição Data de constituição / /

b. País de constituição Data de constituição / / Esta proposta de seguro é válida para Sociedades com facturação superior a 50 Milhões Euros. Excluem-se também desta proposta qualquer entidade seguradora e/ou financeira regulada pelos organismos competentes.

Leia mais

Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais. Recomendação 1/99

Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais. Recomendação 1/99 5093/98/PT/final WP 17 Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais Recomendação 1/99 sobre o tratamento invisível e automatizado de dados

Leia mais

-AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS. A sua protecção, com os melhores especialistas.

-AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS. A sua protecção, com os melhores especialistas. -AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS A sua protecção, com os melhores especialistas. Porquê a auditoria ao tratamento de dados pessoais? A regulamentação do tratamento de dados pessoais é uma área complexa

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO

MANUAL DE PREENCHIMENTO MANUAL DE PREENCHIMENTO CONDIÇÕES PARTICULARES DO CONTRATO BTN DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉCTRICA V 01/2012 TODOS OS CONTRATOS DEVEM SER PREENCHIDOS COM LETRA MAIÚSCULA E DE FORMA LEGÍVEL, RESPEITANDO

Leia mais

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S)

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) ENTRE ALTAVISA GESTÃO DE PATRIMÓNIOS, S.A., pessoa colectiva n.º 507 309 189, com sede em Matosinhos, na Rua Roberto Ivens, n.º 1280, 1.º andar sala 6 4450 251 Matosinhos,

Leia mais

Termos e condições de utilização da Plataforma e Política de Protecção de Dados Pessoais

Termos e condições de utilização da Plataforma e Política de Protecção de Dados Pessoais Termos e condições de utilização da Plataforma e Política de Protecção de Dados Pessoais Os presentes Termos e Condições e Política de Protecção de Dados Pessoais (adiante abreviadamente designados Termos

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto das Comissões

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO DE CAUÇÃO

PROPOSTA DE SEGURO DE CAUÇÃO PROPOSTA DE SEGURO DE CAUÇÃO INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO Preencher todos

Leia mais

Acção de Formação. Categorização de Clientes e o Dever de Avaliação da Adequação. Oradores: Carla Cabrita e Rafaela Rocha

Acção de Formação. Categorização de Clientes e o Dever de Avaliação da Adequação. Oradores: Carla Cabrita e Rafaela Rocha Acção de Formação Categorização de Clientes e o Dever de Avaliação da Adequação Oradores: Carla Cabrita e Rafaela Rocha Lisboa 15 Junho de 2007 Auditório da CMVM Sequência A categorização de clientes:

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO E SUPERVISÃO BANCÁRIA EM PORTUGAL

A REGULAMENTAÇÃO E SUPERVISÃO BANCÁRIA EM PORTUGAL A REGULAMENTAÇÃO E SUPERVISÃO BANCÁRIA EM PORTUGAL I. Os Objectivos da Regulamentação e Supervisão Prudenciais II. O Modelo Institucional da Supervisão em Portugal III. A Evolução da Regulamentação Bancária

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Em que consiste, razões para a existência do programa e benefício principal Quem pode beneficiar do programa Como beneficiar do programa

Leia mais

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei da Protecção de Dados Pessoais (transpõe para a ordem jurídica portuguesa a Directiva n.º 95/46/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de Outubro de 1995, relativa

Leia mais

Rua Amílcar Cabral, LUANDA ANGOLA Tlm.: +244 931 169 381/380 geral@sme.ao www.sme.ao. Página 1/15

Rua Amílcar Cabral, LUANDA ANGOLA Tlm.: +244 931 169 381/380 geral@sme.ao www.sme.ao. Página 1/15 Decreto-Lei n.º 17/09 de 26 de Junho Regras e procedimentos a observar no recrutamento, integração, formação e desenvolvimento dos trabalhadores no sector petrolífero Página 1/15 Considerando que a formação

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

O Papel dos Intermediários Financeiros

O Papel dos Intermediários Financeiros Mercados de Capitais e Informação ao Investidor O Papel dos Intermediários Financeiros Lisboa, 12 Dezembro 2002 Sumário O Mercado Financeiro Tradicional O Processo de Desintermediação Financeira O Papel

Leia mais

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

Condições Gerais para a Prestação de Serviços de Investimento

Condições Gerais para a Prestação de Serviços de Investimento Condições Gerais para a Prestação de Serviços de Investimento Versão: 6.0 Data inicial: 2007/10/31 Última alteração: 2014/09/18 Mod. 853E/2007 Banco Popular Portugal, S.A. 2/14 As presentes Condições Gerais

Leia mais

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study APCER Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Sumário País Portugal Sector Serviços Perfil do Cliente

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973);

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); SAÚDE E PROTECÇÃO DE DADOS 19/1/2010 Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); Convenção 108 do Conselho

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

1 Instruções gerais para os dois formulários. 2 Instruções para o formulário relativo ao total dos ativos. Fevereiro de 2015.

1 Instruções gerais para os dois formulários. 2 Instruções para o formulário relativo ao total dos ativos. Fevereiro de 2015. Instruções para preenchimento dos formulários relativos ao total dos ativos e das posições em risco para efeitos de recolha dos fatores de taxa utilizados no cálculo das taxas de supervisão Fevereiro de

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELO GOVERNO ITALIANO (MAE/DGCS) PROGRAMA AID 8420

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELO GOVERNO ITALIANO (MAE/DGCS) PROGRAMA AID 8420 AID 8420 Divulgação destinada exclusivamente à Entidade Contratante e ao autor do documento tendo em vista proteger dados pessoais e a vida privada, bem como a confidencialidade de informações comerciais

Leia mais

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março Decreto n.o 7/90 de 24 de Março Os Decretos executivos n.ºs 5/80 e 57/84, de 1 de fevereio e de 16 de Agosto respectivamente, pretenderam estabelecer os princípios regulamentadores da actividade das Representações

Leia mais

Endereço Internet: www.millenniumbcp.pt. Cartão de crédito.

Endereço Internet: www.millenniumbcp.pt. Cartão de crédito. FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL Cartões de Crédito Gémeos TAP Gold VISA/American Express A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO MARÍTIMO

PROPOSTA DE SEGURO MARÍTIMO PROPOSTA DE SEGURO MARÍTIMO INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO Preencher todos

Leia mais

INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS AO INVESTIDOR PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS AO INVESTIDOR PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Barclays Investimento Fundo Autónomo: SD 30 - abril 2018 EMPRESA DE SEGUROS Nome: CNP Barclays Vida y Pensiones, Compañia de Seguros, S.A. - Agência Geral em Portugal; Endereço da Sede Social: Plaza de

Leia mais

Projeto de proposta de Lei de alteração à Lei n.º 41/2004, de 18 de agosto, para transposição da Diretiva n.º 2009/136/CE, de 25/11

Projeto de proposta de Lei de alteração à Lei n.º 41/2004, de 18 de agosto, para transposição da Diretiva n.º 2009/136/CE, de 25/11 Parecer DE: PARA: ASSUNTO: José Eduardo Cruz Técnico Superior Gisela Serafim- Chefe de Divisão de Publicidade Projeto de proposta de Lei de alteração à Lei n.º 41/2004, de 18 de agosto, para transposição

Leia mais

Apresentação novidades

Apresentação novidades 1 Apresentação de Novidades e Alterações Legais Apresentação novidades 2 Apresentação de Novidades e Alterações Legais DL 198/2012 veio alterar o DL 147/2003, a dois níveis: - Ao conteúdo da informação

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente 1 Proposta de Adesão Particulares Cartão de Crédito Miles & More Gold da Caixa (para residentes no estrangeiro) Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 10/2008. Preâmbulo

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 10/2008. Preâmbulo Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 10/2008 Preâmbulo A divulgação pelas instituições de crédito e sociedades financeiras de informação sobre produtos e serviços financeiros, no âmbito

Leia mais

Gestão e Cobrança de Créditos GESTÃO E COBRANÇA DE CRÉDITOS. Luís Sousa CEO Logicomer. Logicomer, gestão e recuperação de créditos, sa

Gestão e Cobrança de Créditos GESTÃO E COBRANÇA DE CRÉDITOS. Luís Sousa CEO Logicomer. Logicomer, gestão e recuperação de créditos, sa GESTÃO E COBRANÇA DE CRÉDITOS Luís Sousa CEO Logicomer Empresa - Perfil QUEM É E O QUE FAZ A LOGICOMER Empresa - Perfil Marcos Importantes Fundação em 1989 Nº 1 referência em Portugal Vários Prémios de

Leia mais

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração ASSUNTO: ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DE CRÉDITO O Conselho de Administração da Cooperativa de Poupança e Crédito, SCRL, no âmbito das

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro REGULA O TRATAMENTO DOS DADOS PESSOAIS E A PROTECÇÃO DA PRIVACIDADE NO SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES (TRANSPÕE A DIRECTIVA 97/66/CE, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1997) Artigo

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO DE RAPTO E RESGATE

PROPOSTA DE SEGURO DE RAPTO E RESGATE PROPOSTA DE SEGURO DE RAPTO E RESGATE INTERNATIONAL COMMERCIAL AND ENGINEERING ICE SEGUROS S.A. 141A Rua José Craveirinha Bairro de Polana Cidade de Maputo Moçambique INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO Preencher

Leia mais

MEDIADOR TOMADOR DO SEGURO. Singular Sexo: F M Empresa C.A.E. N.º de trabalhadores. Casado Viúvo Divorciado/Separado Em União de Facto. Cód.

MEDIADOR TOMADOR DO SEGURO. Singular Sexo: F M Empresa C.A.E. N.º de trabalhadores. Casado Viúvo Divorciado/Separado Em União de Facto. Cód. Antes do preenchimento da presente proposta leia atentamente as informações pré-contratuais em anexo, não aplicáveis a alterações. Imposição legal: declare com exactidão todas as circunstâncias que conheça

Leia mais

Segurança Digital e Privacidade no sector bancário Desafios tecnológicos

Segurança Digital e Privacidade no sector bancário Desafios tecnológicos Segurança Digital e Privacidade no sector bancário Desafios tecnológicos Segurança Digital e Privacidade As organizações começam a apresentar uma crescente preocupação com a temática da segurança devido:

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Por força do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

SÍNTESE DE RESULTADOS DO ESTUDO SOBRE CONSUMO E COMUNICAÇÕES DE NATAL

SÍNTESE DE RESULTADOS DO ESTUDO SOBRE CONSUMO E COMUNICAÇÕES DE NATAL SÍNTESE DE RESULTADOS DO ESTUDO SOBRE CONSUMO E COMUNICAÇÕES DE NATAL DEZEMBRO 2008 Sobre a Netsonda A Netsonda, em actividade desde Julho de 2000, é líder e pioneira em Portugal na recolha e análise de

Leia mais

uma lei de financiamento que sirva o Ensino Superior, nunca prejudicando os estudantes e as suas famílias;

uma lei de financiamento que sirva o Ensino Superior, nunca prejudicando os estudantes e as suas famílias; U M A N O D E E N S I N O S U P E R I O R - C A R T A A B E R T A A O M I N I S T É R I O D A C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A E E N S I N O S U P E R I O R Exmºs Senhores, A Federação Académica do Porto

Leia mais

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 Banco de Portugal Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 ASSUNTO: Regime Excepcional de Regularização Tributária de Elementos Patrimoniais colocados no exterior (RERT III). Regras de Transferência

Leia mais

1) O que é o E-goi? 2) O que é o programa de parceria E-goi? 3) Quais são os tarifários do E-goi?

1) O que é o E-goi? 2) O que é o programa de parceria E-goi? 3) Quais são os tarifários do E-goi? 1) O que é o E-goi? O E-goi é uma solução completa de comunicação e marketing digital, que permite enviar correio electrónico, SMS, MMS, fax e mensagens de voz através de uma só plataforma sempre disponível

Leia mais

D&B Relatório de Negócios

D&B Relatório de Negócios D&B Relatório de Negócios Relatório Visualizado 10 Out 2007 Sua Referência V/ PEDIDO Identificação & Sumário HELDER & PEDRO SOUSA, LDA Avaliação de Risco Indicador de Risco 1 2 3 4 - Capacidade Financeira

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 20 Dezembro 2011. Jornada de Prevenção FDL

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 20 Dezembro 2011. Jornada de Prevenção FDL 20 Dezembro 2011 Jornada de Prevenção FDL Direcção de Serviços para a Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Divisão de Promoção e Avaliação de Programas e Estudos Divisão de Regulação de Entidades

Leia mais

INSTRUTIVO Nº. 1/98. Artigo 1º

INSTRUTIVO Nº. 1/98. Artigo 1º INSTRUTIVO Nº. 1/98 ASSUNTO: BANCOS COMERCIAIS NORMAS-DE -CONTROLO INTERNO E AUDITORIA EXIERNA Considerando a necessidade de se regulamentar os relatórios exigidos no Artigo 3º da Lei nº. 5/91, de 20 de

Leia mais

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 30 de Junho de 2010 João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 1 LOCAL : AB - PORTO DATA : 01-07-2010 CIBERCRIME Lei 109/2009, de 15 de Setembro Disposições penais materiais: Falsidade

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

Um dia não vai ter que se preocupar com seguros?

Um dia não vai ter que se preocupar com seguros? Um dia não vai ter que se preocupar com seguros? Esse dia começa quando nos contactar! AGENTE SEGUROS VIDA E NÃO VIDA AUTORIZADO PELO ISP SOB O NRº 408270880 Na AKTION SEGUROS irá encontrar soluções que

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DOS MERCADOS DE CRÉDITO HIPOTECÁRIO NA UE. Relatório elaborado pelo Grupo-Fórum relativo ao crédito hipotecário

A INTEGRAÇÃO DOS MERCADOS DE CRÉDITO HIPOTECÁRIO NA UE. Relatório elaborado pelo Grupo-Fórum relativo ao crédito hipotecário A INTEGRAÇÃO DOS MERCADOS DE CRÉDITO HIPOTECÁRIO NA UE Relatório elaborado pelo Grupo-Fórum relativo ao crédito hipotecário Comissão Europeia Direcção-Geral Mercado Interno O presente relatório é publicado

Leia mais

Enterprise 2007. A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas.

Enterprise 2007. A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas. Enterprise 2007 Descritivo completo A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas. Com vista a satisfazer totalmente cada empresa

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE A COFINA MEDIA, S.A. (doravante apenas designada de COFINA ), com sede na Rua Luciana Stegagno Picchio, 3, 1549-023, Lisboa, pessoa colectiva n.º 502801034, matriculada na Conservatória

Leia mais

Informação Importante

Informação Importante Informação Importante Independentemente das condições de prestação de serviços bancários, de investimento, de recepção e transmissão de ordens por conta de outrem, cujos termos se encontram expressos nas

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 13:38 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Termos de referência para as condições mínimas de acesso ao Fundo de Contragarantia Mútua,

Leia mais

PRODERAM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA E FLORESTAL

PRODERAM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA E FLORESTAL PRODERAM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA MEDIDA 1.4 - CRIAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO E ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA E FLORESTAL (PORTARIA N.º 174-H/2009, DE 30 DE DEZEMBRO)

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Proteção de Dados Pessoais e Privacidade

Proteção de Dados Pessoais e Privacidade Proteção de Dados Pessoais e Privacidade João Paulo Ribeiro joao.ribeiro@cnpd.pt 22 Novembro/2012 HISTÓRIA 1888: o direito de ser deixado só - Juiz Thomas Cooley, USA 1890: The Right to Privacy (O Direito

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA. Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services

BANCO NACIONAL DE ANGOLA. Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services BANCO NACIONAL DE ANGOLA Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services Orador: Ramos da Cruz Lisboa, Centro Cultural de Belém,

Leia mais