Potencial De Negócios Com Créditos De Carbono Na Economia Brasileira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Potencial De Negócios Com Créditos De Carbono Na Economia Brasileira"

Transcrição

1 Potencial De Negócios Com Créditos De Carbono Na Economia Brasileira Resumo O propósito deste estudo é investigar a pontencialidade de negócios com créditos de carbono na economia brasileira. Para tanto foi utilizado modelo econômico Carbon Emission Reduction Trade (CERT) de Grütter (2006), para aferir a participação brasileira em investimentos no mercado de MDL (Mecanismo de Desenvolvimento Limpo). O modelo calcula a oferta e a demanda do mercado potencial de emissões e possibilita a projeção de oito cenários de emissões, para o ano 2010, considerando a evolução usual dos negócios e estima as reduções reais necessárias para que os países do Anexo I cumpram as metas do Protocolo de Kyoto. A pesquisa também tem como proposição avançar no estudo do mercado de carbono e na implantação de projetos de MDL no Brasil, com base na análise ACB (Análise Custo-Benefício) proposta por Mishan (1976) e Varian (2003) para cotejar o resultado de investimentos ambientais, por meio de um sistema apropriado para aferir todos os impactos da política e usos negativos e positivos dos recursos na forma monetária de custos e benefícios. Uma política economicamente eficiente para a redução das emissões é aquela em que se maximizem os benefícios líquidos, isto é, os benefícios das mudanças (que retardam alterações do clima) menos os custos associados de reduções das emissões. O Brasil ainda possui participação incipiente na negociação de crédito de carbono, segundo Ambrosi e Capoor (2006). Nesse sentido, esta o presente estudo tem o propósito de encontrar novas evidências sobre o tema em duas vertentes: (1) quais setores de atividades da economia brasileira possuem maior potencial de negócios com créditos de carbono; e (2) quais setores da economia brasileira são os mais atrativos para investimentos em Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDL). Há necessidade de ampliar os estudos sobre as potencialidades econômicas da implantação de MDL e a negociação de créditos de carbono nos países em desenvolvimento. Desse modo, considerando o Brasil como um gerador de créditos de carbono, a presente pesquisa pretende responder: Quais setores de atividades da economia brasileira possuem maior potencial de negócios com créditos de carbono? Os comentários e afirmações anteriormente expostos mostram a necessidade de ampliar o estudo sobre a viabilidade de implementação de projetos de MDL no Brasil. O objetivo geral da pesquisa na busca da solução à questão de pesquisa é investigar, no mercado de créditos de carbono, quais setores de atividades da economia brasileira possuem maior potencial de negócios. Como objetivos específicos do trabalho têm-se: a) Identificar quais os diferentes setores de atividades da economia brasileira já implantaram e registraram na ONU projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDL) e negociam créditos de carbono; b) Identificar, comparar e analisar quais setores de atividades da economia brasileira são os mais atrativos para investimentos em projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDL); Para responder á questão proposta pela pesquisa, optou-se por adotar metodologia de pesquisa de campo. Com relação à técnica empregada na coleta de dados, apoiou-se nos seguintes procedimentos: pesquisa documental e aplicação do Modelo CERT. Utilizando-se de uma abordagem empírico-analítica, a presente pesquisa pretende avaliar com base nos projetos de MDL registrados na ONU (aprovados, em revisão e rejeitados), qual o potencial de negócios de créditos de carbono dos setores de atividades na economia brasileira. De acordo com Martins (2000, p. 26), as investigações empírico-analíticas são abordagens que apresentam em comum, a utilização de técnicas de coleta, tratamento e análise de dados preponderantemente quantitativas. Os setores econômicos que apresentaram propostas de metodologias e/ou projetos de MDL em 2007 estão relacionados às atividades de co-geração de energia com biomassa; hidrelétricas e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH); eficiência energética troca de combustíveis e processos industriais;

2 aterros sanitários e tratamento e disposição de resíduos; agricultura; pecuária; transporte; florestamento e reflorestamento. Enquanto alguns destes setores conseguiram avançar rapidamente (como é o caso, principalmente das atividades relacionadas à co-geração de energia com biomassa; processos industriais; aterros sanitários e agricultura/pecuária), outros ainda estão tentando aprovar uma metodologia adequada para a área em questão (casos dos transportes e do setor de florestamento e reflorestamento). Considerando as metodologias e todos os projetos brasileiros nos diferentes níveis do ciclo de aprovação (totalizando 123), o ano de 2007 termina, no que diz respeito ao número de projetos submetidos, liderado pelas usinas sucroalcooleiras, com 52 atividades de projeto propostas para co-geração de energia com bagaço de cana (equivalendo a cerca de 33% do total). Em seguida, o setor industrial, que propõe troca de combustíveis ou eficiência energética, representa 21% dos projetos. Por sua vez, este é o setor que vem liderando o número de Certified Emission Reductions (CER) potenciais (quase 39%), seguido pelas atividades de captação de metano em aterros sanitários, que respondem por 29% dos CER s potenciais. Introdução Nas últimas décadas, o consumo da camada de ozônio, o aquecimento global, a ocorrência de chuvas ácidas, a poluição de rios e de mares, a degradação de florestas tropicais e outros fatos resultaram em uma série de esforços visando a conscientização dos seres-humanos sobre a relevância de medidas para a preservação dos recursos naturais existentes no planeta. Entre as décadas de 70 e 90, destacou-se a preocupação com as mudanças climáticas e, sobretudo, com o aquecimento global. Estes dois fatores de inquietação ambiental são resultantes do chamado efeito-estufa 1, fenômeno em que diversos gases aprisionam uma parte do calor na atmosfera e regula a temperatura do planeta. Mahlman (2001) ressalta que a emissão CO 2 é o fator principal para o aprisionamento do calor na Terra. Lomborg (2002, p. 313) afirma: O problema é que o homem aumentou a quantidade de gases-estufa na atmosfera, em particular o CO 2. Cerca de 80% do CO 2 extra provém da queima de petróleo, carvão e gás, enquanto os demais 20% provêm do desflorestamento e outras mudanças nas terras dos trópicos. Cerca de 50% do CO 2 liberado é reabsorvido pelos oceanos, por reflorestamentos no norte e, de um modo geral pelo crescimento vegetal (as plantas utilizam CO 2 como fertilizante), mas o restante é adicionado à atmosfera, de modo que a concentração de CO 2 aumentou 31% dos tempos pré-industriais até agora. Molina e Rowland (1974) já alertavam para o aumento das emissões entre 10 a 30 níveis superiores ao da época e seu potencial de destruição da camada de ozônio. Neste sentindo, surge um movimento histórico fruto do reconhecimento dos [...] efeitos negativos da intervenção antrópica 2 na biosfera [...] (LAYRARGUES, 2000, p. 80). Com o intuito de diminuir voluntariamente de forma gradual a emissão do CFC (um dos gases do efeitoestufa) foram assinados ao longo das últimas décadas, diversos acordos internacionais, promovidos por órgão internacionais como as Organizações das Nações Unidas (ONU). Dentre 1 Vários gases refletem e podem aprisionar o calor na atmosfera da Terra, são chamados de gases do efeito estufa (GEE). Dentre os principais está o dióxido de carbono (CO2), metano (CH 4 ), óxido nitroso (N 2 O), CFCs (clorofuorcabono), HFCs (hidrofluorocarbonos), HF 6 (hexafluoreto de Enxofre). Fonte: GHG-UNFCCC (2006). 2 Ação antrópica refere-se a qualquer modificação efetuada pelo ser humano no ambiente natural.

3 eles o de Montreal (1987), Londres (1990), Copenhague (1992), Viena (1995), novamente Montreal (1997) e Pequim (1999). Entretanto, vários destes acordos não estavam sendo cumpridos e, em 1997, a ONU organizou em Kyoto, a assinatura de um protocolo que transformava as reduções voluntárias em compulsórias. Neste acordo, ficou especificado que países participantes deveriam reduzir as emissões de CO 2 de 2008 a 2012 em 5,2 % em relação ao ano de E para cumprir tal meta, os países deveriam implementar projetos ambientais e comprovar as reduções de GEE até o ano de A assinatura do Protocolo de Kyoto dividiu os países em dois blocos. Um bloco formado por aqueles responsáveis pelas maiores emissões de carbono, os países desenvolvidos e/ou industrializados, listados no Anexo I 3. E outro bloco composto por países não listados no Anexo I, como Brasil, China, Índia, México e Coréia (United Nations Framework Convention on Climate Change - UNFCCC, 2006). De acordo com os relatórios de 1996 a 2006 do Intergovernamental Panel on Climate Change (IPCC), órgão científico ligado à ONU, estima-se que o custo anual total de todos os problemas do aquecimento global está em torno de 1,5 a 2% do PIB global, isto é, entre 480 e 640 bilhões de dólares. Lomborg (2002, p. 365) questiona: Afinal, quanto custará o protocolo de Kyoto? Isso depende de como ele será implementado. Como foi assinado, o protocolo especifica metas claras para cada participante: os Estados Unidos devem cortar 7%, a UE, 8%, o Canadá, 6% etc. Mas o protocolo também prevê a possibilidade de transacionar os direitos de emissões de CO 2. A possibilidade de comercializar os direitos de emissões cria estímulos para que as firmas encontrem meios de reduzir suas emissões e vender seus créditos no mercado aberto. Para que isso seja possível, o Protocolo de Kyoto estabelece alguns mecanismos para que os países consigam cumprir suas metas de redução de GEE, como o Clean Development Mechanism (CDM) ou Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) por meio do qual, países desenvolvidos podem reduzir seu volume de emissões fora de seus territórios, utilizando-se da comercialização de créditos de carbono. Esse mecanismo permite que países emissores de GEE em excesso financiem projetos em países em desenvolvimento, com o objetivo de reduzir suas emissões através da negociação dos créditos de carbono. De acordo com May et al (2003, p. 63) na perspectiva econômica, o principio teórico em que se baseia o funcionamento desses mecanismos é o da eficiência. Em virtude das diferenças tecnológicas entre países e empresas, os custos marginais da redução de emissões são diferenciados. Ou seja, os mecanismos para auxílio aos países do Anexo I atingirem suas metas de redução baseiam-se na diminuição dos custos das emissões de GEE, permitindo que esses ocorram, primeiramente, em países onde o custo marginal seja menor, maximizando assim a eficiência do processo global de mitigação. Segundo Nordhaus (2005), esse panorama também incentiva a adoção gradativa de tecnologias limpas nos países não listados no Anexo I, como o Brasil. 3 Países do Anexo I do Protocolo de Kyoto: Alemanha, Austrália, Áustria, Belarus, Bélgica, Bulgária, Canadá, Comunidade Européia, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos da América, Estônia, Federação Russa, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Islândia, Itália, Japão, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Mônaco, Noruega, Nova Zelândia, Países Baixos, Polônia, Portugal, Reino Unido da Grã- Bretanha e Irlanda do Norte, República Tcheca, Romênia, Suécia, Suíça, Turquia, Ucrânia.

4 Entretanto, como prevê Lomborg (2002, p. 364) mesmo com a assinatura do Protocolo de Kyoto não se evitará inteiramente o aquecimento global, pois o acordo não impôs limites às emissões em países desenvolvidos, [...] o efeito do Protocolo de Kyoto será marginal, mesmo pressupondo que o teto das emissões seja mantido indefinidamente. Neste cenário espera-se que novos acordos internacionais surjam e os atuais, como o de Kyoto, ampliem as negociações de metas com os países participantes. Como afirma Layrargues (2000, p. 84), no contexto atual, antecipar-se a legislação ambiental não mais significa apenas manter ações preventivas para evitar danos ambientais, mas criar uma vantagem competitiva no mercado, focalizada na variável ambiental. Adicionalmente o autor ressalta: A transição industrial orientada pela modernização tecnológica visa, em primeiro lugar, a reduzir custos para aumentar a competitividade. Se esse efeito for benéfico ao meio ambiente, tanto melhor, pois controlar a poluição também representa uma economia de recursos, além do que a aquisição de uma imagem empresarial positiva diante da opinião pública também consiste num valioso recurso. O Brasil ainda possui participação incipiente na negociação de crédito de carbono, segundo Ambrosi e Capoor (2006). Nesse sentido, o presente estudo tem o propósito de encontrar novas evidências sobre o tema em duas vertentes: (1) quais setores de atividades da economia brasileira possuem maior potencial de negócios com créditos de carbono; e (2) quais setores da economia brasileira são os mais atrativos para investimentos em MDL. Há necessidade de ampliar os estudos sobre as potencialidades econômicas da implementação de MDL e a negociação de créditos de carbono nos países em desenvolvimento. Desse modo, considerando o Brasil como um gerador de créditos de carbono, a presente pesquisa pretende responder: Quais setores de atividades da economia brasileira possuem maior potencial de negócios com créditos de carbono? Questão de Pesquisa e Objetivos Os comentários e afirmações anteriormente expostos mostram a necessidade de ampliar o estudo sobre a viabilidade de implementação de projetos de MDL no Brasil. O objetivo geral da pesquisa na busca da solução à questão de pesquisa é investigar, no mercado de créditos de carbono, quais setores de atividades da economia brasileira possuem maior potencial de negócios. Como objetivos específicos do trabalho têm-se: a) Identificar quais os diferentes setores de atividades da economia brasileira já implantaram e registraram na ONU projetos de MDL e negociam créditos de carbono; b) Identificar, comparar e analisar quais setores de atividades da economia brasileira são os mais atrativos para investimentos em projetos de MDL; Pesquisas Empíricas sobre Créditos de Carbono Em recente estudo para o Banco Mundial, os autores Ambrosi e Capoor (2006) estimam que, no mercado mundial de créditos de carbono, o volume total de contratos já realizados está próximo de 300 milhões de tco2e 4, desde o surgimento do mercado em Os tipos de transação variam desde simples compras pontuais, opções de compra e investimentos diretos. Os 4 Fator utilizado para converter toneladas de cada um dos cinco gases que não são CO2 em toneladas equivalentes de CO2. É a medida padrão de negociação. (ROCHA,2003)

5 preços variam de acordo com o risco associado à negociação. O valor agregado total dos mercados era US$ 10 bilhões excedente em Os autores relatam que algumas bolsas de valores também já negociam commodities (por exemplo, energia oriundas de projetos de MDL) e preparam-se para o comércio do CER (Certificado de Redução de Emissões), como a CCX (Chicago Climate Exchange) e a ECX (European Climate Exchange) que estabeleceu um relacionamento com o Fundo Europeu do Carbono (European Carbon Fund) e a Fundo do Carbono da Ásia (CLIMEX). O Brasil anunciou o estabelecimento do Mercado Brasileiro do Carbono (MBRE), uma linha de facilidade lançada como uma iniciativa comum entre a Bolsa Mercantil e Futuros (BM&F) e o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Em outro estudo, Nordhaus (2001), adicionalmente, defende uma mudança de licenças ambientais para impostos ambientais. Através destes últimos, os países poderiam impor um tributo comum sobre emissões de carbono, mas manteriam a receita. Os países desenvolvidos transfeririam as tecnologias para a redução das emissões a um preço subsidiado. Nordhaus foi o autor do primeiro modelo computadorizado para avaliar os aspectos positivos e negativos de diferentes políticas para o controle de emissões poluentes. O modelo Dinâmico Integrado do Clima-Economia (DICE) foi o pioneiro dos modelos de avaliação integrada (variáveis ambientais e econômicas). A metodologia foi amplamente aperfeiçoada nos anos 90 pelo IPCC e serviu como base para o modelo Regional Integrado do Clima-Economia (RICE) que inclui os custos do sistema econômico por meio da derivação dos custos das mudanças climáticas e das restrições às emissões dos GEE. Tigre (1994) afirma que a regulamentação governamental é também um grande indutor da implementação de soluções ambientais pelas empresas. O mercado isoladamente, é insuficiente para alterar o comportamento das empresas. O autor sustenta que uma política pública de controle ambiental, por mínima que seja, é primordial a transição à sustentabilidade. Leff (2001, p. 44) ressalta que as empresas operam pela dialética do mercado, [...] a proteção do meio ambiente é considerada como um custo e condição do processo econômico, cuja sustentabilidade gravita em torno dos princípios de sua racionalidade mecanicista e sua valorização a curto prazo. O impacto competitivo da política climática depende do total de projetos de reduções propostas por fontes de emissões que, por sua vez, depende do compromisso de redução total do país e da alocação doméstica, ou seja, dos projetos de MDL implantados pelas empresas e do custo marginal previsto para atingir essas reduções de GEE. Na avaliação de projetos de reduções, Mishan (1975, 1976), Pearce et al (1990), Maddison (1995) sugerem a Cost-benefit analysis (CBA) ou ACB (Análise Custo-Benefício) para cotejar o resultado de investimentos ambientais. Os autores fornecem um sistema apropriado para aferir todos os impactos da política e usos negativos e positivos dos recursos na forma monetária de custos e benefícios. Uma política economicamente eficiente para a redução das emissões é aquela em que se maximizem os benefícios líquidos, isto é, os benefícios das mudanças (que retardam alterações do clima) menos os custos associados de reduções das emissões. Mishan (1976, p. 431) afirma que a avaliação custo-benefício não pode ter sua ênfase exagerada, ou seja, não basta apenas que o ganho total exceda as perdas, quando problemas distributivos estão presentes para a sociedade. Ou seja, para que [...] uma empresa em estudos seja socialmente aprovada, não é suficiente que o resultado da análise de custos-benefícios ideal seja positivo. É preciso demonstrar, entre outras coisas, que as resultantes mudanças distributivas não são visivelmente regressivas e que não são perpetradas grandes iniqüidades.

6 Mishan (1976, p. 433) também alerta, quase todos os cálculos de custos-benefícios podem ser considerados como exercícios de análise muito parcial. Destarte, todos os preços à parte que dizem respeito ao projeto, podem ser razoavelmente supostos como constantes. Além da dificuldade na determinação da curva de benefício e de custos externos, Cánepa et al (1999) e Mishan (1976) citam ainda a complexidade de aferir efeitos externos, deseconomias ou externalidades negativas, como exemplo: controvérsias sobre a definição da taxa social de desconto, controvérsias sobre a valoração de vidas humanas, influência da distribuição de renda na disposição a pagar dos indivíduos e não-sustentabilidade do ponto ótimo a longo prazo. Cánepa et al (1999), utilizou em um estudo a metodologia de custo-benefício e custoefetividade para implantações de políticas públicas na gestão bacia do rio dos Sinos no Rio Grande do Sul. Segundo o autor, a metodologia Análise Custo-Efetividade (ACE) foi a mais adequada para aferir o resultado no contexto estudado e dispensa a definição da curva de benefícios e dos custos externos. Na Agenda 21 Brasileira (1992) a metodologia do custo-efetividade é sugerida: Um caminho alternativo para o tratamento dessas questões, muitas vezes de difícil quantificação, é o abandono da análise ampliada dos custos e dos benefícios e a utilização do custo-efetividade. A análise custo-efetividade é uma variante da análise custo-benefício mais simples de ser desenvolvida operacionalmente. Nela, os benefícios são especificados exogenamente (a geração de emprego em áreas deprimidas economicamente, a conservação ou a preservação de uma reserva florestal) e o problema passa a ser como minimizar os custos associados com um dado perfil de benefícios. No Brasil, outros modelos foram utilizados para aferir os resultados de investimento ambientais. Rocha (2003), estimou a participação brasileira no mercado de MDL, utilizando o modelo econômico Carbon Emission Reduction Trade (CERT 5 ), que calcula a oferta e a demanda do mercado potencial de emissões. O referido autor traçou oito cenários de emissões, para o ano 2010, considerando a evolução usual dos negócios e estimou as reduções reais necessárias para que os países do Anexo I cumpram as metas do Protocolo de Kyoto. O presente pesquisa também tem como proposição avançar no estudo do mercado de carbono e na implementação do MDL no Brasil. Para tanto, será feita uma análise setorial das empresas brasileiras e identificação do potencial de negócios neste nicho da economia. De acordo com Varian (2003, p. 655), a grande questão ambiental é como chegar a um acordo sobre em que medida se deve reduzir a poluição e determinar o mecanismo mais eficiente em termos de custos para alcançar tal redução. O autor propõe um modelo econômico simples: Suponhamos que só haja duas empresas. A cota de emissões da empresa 1 é de x 1, e da empresa 2 é de x 2. O custo de alcançar uma cota de emissão x 1 é de c 1 (x 1 ) para empresa 1 e c 2 (x 2 ) para a empresa 2. A quantidade total de emissões é fixada num nível X. Se quisermos minimizar os custos totais de atingir esse patamar de emissões sujeito à restrição agregada, teremos de solucionar o seguinte problema: mín c x ) + c ( x ) de modo que x 1 + x 2 = X. x1, x2 1( Em resumo, para Varian (2003, p. 656) o argumento econômico formulado mostra que o custo marginal sobre o controle das emissões tende a ser equalizado entre as empresas. Aquela 5 A modelagem utilizada pelo autor foi baseada no trabalho de por Grütter (2001) para o Banco Mundial.

7 que tiver um custo do controle mais alto que outra, reduzirá os custos totais ao diminuir a cota desta e aumentar a cota daquela. Contudo, para atingir esse resultado os governos e organismos reguladores teriam que calcular uma meta apropriada e impô-la a cada empresa, o que seria inviável. O que pode acontecer é inferir uma solução ótima e implementá-la a todos. Para o autor, a solução mais eficiente para o controle das emissões é utilizar o mercado. Neste contexto, surge uma oportunidade de negociação de créditos de carbono. Segundo Lomborg (2002, p. 365): A idéia básica, para o clima, não importa quem emite uma tonelada de CO 2, porque, qualquer que seja sua origem, ele será totalmente misturado na atmosfera. Assim, se (A) conseguir reduzir suas emissões de CO 2 a um custo bem menor do que outro país (B) faria sentido econômico (A) reduzir as emissões além de sua quota, e (B), aquém. Na prática, os Estados receberiam direitos de emitir CO 2, que poderiam vender para outros. Nesse caso (B) estaria disposto a comprar direitos de (A) a um preço maior do que o valor de suas emissões para o próprio (A), de modo que os dois países sairiam ganhando. Enfim, as empresas que tiverem facilidade em reduzir emissões venderão créditos para àquelas que valorizarem cara a redução. Em equilíbrio, o preço de mercado do direito de emitir uma tonelada de poluição deverá ser igual a custo marginal de reduzir emissões em uma tonelada. (VARIAN, 2003, p.656) Espera-se, com esta pesquisa, contribuir para o entendimento de como se apresenta o mercado de carbono no Brasil e as potencialidades de negócios nos setores produtivos da economia com a implmentação de projetos de MDL. Hipóteses de Trabalho A hipótese é uma suposição elaborada na tentativa de explicar um problema. A presente pesquisa propõe a seguinte hipótese geral: HG Há setores de atividades da economia brasileira que possuem maior potencial de negócios com créditos de carbono e são pouco explorados. Método de Pesquisa Para responder á questão proposta pela pesquisa, optou-se por adotar metodologia de pesquisa de campo. Com relação à técnica empregada na coleta de dados, apoiou-se nos seguintes procedimentos: pesquisa documental e aplicação do Modelo CERT. Utilizando-se de uma abordagem empírico-analítica, a presente pesquisa pretende avaliar com base nos projetos de MDL registrados na ONU (aprovados, em revisão e rejeitados), qual o potencial de negócios de créditos de carbono dos setores de atividades na economia brasileira. De acordo com Martins (2000, p. 26), as investigações empírico-analíticas são abordagens que apresentam em comum, a utilização de técnicas de coleta, tratamento e análise de dados preponderantemente quantitativas. Mercado de Créditos de Carbono Segundo Costa (2006) há dois ambientes específicos de negociação no mercado de créditos de carbono que englobam (i) as transações com redução de emissões baseadas em

8 projetos e (ii) o comércio de permissões de emissões alocadas 6 num sistema, existente ou iminente, que estabelece um teto de permissões e normas de comercialização das permissões (cap-and-trade). No primeiro, o comprador financia parte de um projeto que, quando comparado à atividade econômica corrente do empreendimento, reduz emissões de gases de efeito estufa e, em compensação, o comprador adquire parte dos créditos de carbono obtido pelo projeto. No segundo, para evitar sanções, uma das partes precisa deter permissões de emissões iguais ao seu total de emissões do poluente reduzido. Os projetos de MDL, submetidos e registrados na UNFCC, em sua maioria estão localizados na Ásia (principalmente Índia) e China e Brasil. Países maiores emissores de CERs CERs emitidos (Milhões) 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Mercado total de CERs emitidos Argentina Guatemala Mexico Chile China Brasil Coréia do Sul India Gráfico 1 Países maiores emissores de CERs Fonte: UNFCC, Elaborado pelo autor Tabela 1 Estimativa de volumes de mercado de MDL (AMÉRICA LATINA E BRASIL) Volumes América Latina Volume Brasil Valor (US$) América Latina Valor (US$) Brasil Nível Baixo de Implementação Nível Médio de Implementação Nível Esperado de Implementação Fonte: Grütter (National Strategy Studies) Banco Mundial. Adaptado pelo autor. 6 No âmbito do Protocolo de Kyoto, as quantidades alocadas denominam-se Assigned Amount Units (AAUs)

9 Projetos Novos projetos em implantação na América Latina + Brazil + México + Índia + China por quadrimestre de América Latina Brasil India China Q1-04 Q2-04 Q3-04 Q4-04 Q1-05 Q2-05 Q3-05 Q4-05 Q1-06 Q2-06 Q3-06 Q4-06 Gráfico 2 Novos projetos em implantação na América Latina + Brazil + México + Índia + China por quadrimetre de Fonte: UNFCC, Elaborado pelo autor. Como a discussão prévia sugere, quanto maiores as garantias que o vendedor pode oferecer - relacionada à robustez da redução de emissões negociadas, maior será a probabilidade de conseguir um preço mais alto. Nesse sentido, outros determinantes dos preços são: Credibilidade e experiência do responsável pelo projeto; Viabilidade do Projeto; Confiança na qualidade do futuro gerenciamento dos ativos de carbono e conseqüente Entrega de ERs (Redução de Emissões) durante a vida do projeto; Estrutura do Contrato (por exemplo, contrato spot30 versus contratos futuros, contratos com pagamentos antecipados e taxa de desconto aplicada a esses pagamentos, tipos De penalidade estabelecida para o vendedor - no caso de o projeto não cumprir as obrigações contratuais); Custo de Validação e Certificação; Suporte do país hospedeiro; Benefícios sociais e ambientais adicionais. Os projetos de MDL seriam divididos nas seguintes categorias: Fontes renováveis e alternativas de energia; Eficiência / conservação de energia; e Reflorestamento e estabelecimentos de novas floretas (é nesta modalidade que estão a maioria dos projetos em seqüestro de carbono) Na fase de configuração do projeto de MDL, é necessário estabelecer adicionalidade e linha de base (baseline) do projeto, além da metodologia de monitoramento que será utilizada para verificar o cumprimento das metas de redução e emissões e/ou de seqüestro de carbono (**árvores). As atividades de um projeto de MDL são consideradas adicionais se as emissões antropogênicas (*** feitas pela homem)

10 Tabela 2 Estimativa de volumes de mercado de MDL (AMÉRICA LATINA E BRASIL) Escopo Setorial Nº de Projetos de MDL emissores de CERs sediados no Brasil 1 - indústria de Energia ( fontes renováveis - / não-renováveis) manipulação e depósito de lixo (nomenclatura da UNFCCC ) projeto de redução da emissão de gás agricultura 2 5 indústrias química 1 S - atividade de projeto de pequena escala - projetos de energia renovável 17 Total 55 Aplicação da Metodologia (baseline) Nº de Projetos de MDL emissores de CERs sediados no Brasil 1.D. - geração de energia renovável 6 1.D. + 3.E - geração de energia renovável + produção evitada de metano 9 3.E. produção evitada de metano 1 ACM Metodologia consolidada para a geração de eletricidade - conectada de fontes renováveis 4 AM0015: Co-geração com bagaço de eletricidade de rede elétrica 29 AM0016: mitigação do efeito-estufa com gerenciamento das operações de alimentação e confinamento de animais. 5 AM0021: Metodologia da linha de base para decomposição de N. 2. O. das plantas 1 Total 55 Foi adotado o modelo exponencial - Cenário Modelo CERT. Na formulação a seguir o objetivo de minimizar o custo global da redução das emissões de GEE. Para tanto, a redução de emissões dos paises do ANEXO B é calculada subtraindo-se as metas de emissões para 2010 ( business as usual BAU), os assigned amount (emissões de 1990 multiplicadas pelas metas do Protocolo de Kyoto): QR = BAU i (KT i E 1990 ) i=1,6 QR = quantidade de emissões de GEE a serem reduzidas; BAU = business usual emissões em 2010; KT = metas de redução presente do Protocolo de Kyoto (porcentagem do ano base ou período); E 1990 = emissões em 1990 i = número de países e/ou grupos (ANEXO B) As curvas marginais de abatimento (MAC) são usadas para calcular o custo e a quantidade de redução de cada país e região. Dado um preço para a redução de emissões, e assumindo competição perfeita, cada país ou região irá reduzir suas emissões até o ponto em que o custo marginal se iguala ao preço. A integral das MAC representa o custo total das reduções das emissões. O CERT trabalha com dois tipos de MAC, uma função quadrática e outra exponencial: MC i = a i Q i 2 + b i Q i i = 1,2 MC i = a i (e biqi 1) i = 1,12 Onde: MC = custo marginal das emissões

11 Q = reduções das emissões i = número de países e/ou grupos (ANEXO B e não-anexo B) Dado o preço P k, a quantidade de redução em cada país e região será de: Q i = - b / 2a i + ((b i / 2a i ) 2 + P k / a i ) ½ i = 1,12 Q i = ln (P k / a i +1) / b i i = 1,12 Onde: Q = reduções das emissões P = preço para as reduções das emissões i = número de países e/ou grupos (ANEXO B e não-anexo B) O custo das reduções das emissões é obtido: C i = 1 / 3 a i Q 3 2 i + 1 / 2 b i Q i i = 1, 12 C i = ( a i / b i ) e biqi i a i Q i (a i / b i ) i = 1,12 Onde: C = o custo das reduções das emissões Q = reduções das emissões i = número de países e/ou grupos (ANEXO B e não-anexo B) O equilíbrio de mercado ocorre quando o total das emissões a serem reduzidas se iguala ao total reduzido. Na condição de competição perfeita, o preço de equilíbrio é calculado por: Onde: TQR = total de emissões a serem reduzidas QR = emissões a serem reduzidas i = número de países e/ou grupos (ANEXO B) TQR = QR i i = 1,6; QR i > 0 Onde: ; TQ = Qi i = 1, 12 TQ = total de emissões reduzidas Q = emissões reduzidas i = número de países e/ou grupos (ANEXO B e não-anexo B) As metas de Kyoto poderiam se atingidas sem o comércio de emissões. Nesta solução autárquica, cada país do ANEXO B vai reduzir emissões ate atingir seu assigned amount (emissões de 1990 multiplicadas pelas metas do Protocolo de Quito) de tal forma de QR i seja igual a Q i para cada país do ANEXO B com QR i > 0. O custo da solução autárquica é: C AI = 1 / 3 a i Q AI / 2 b i Q AI 2 i = 1, 6; QR i >0

12 C AI = (a i / b i ) e b i Q AI a i Q AI (a i / b i ) i = 1, 6; QR i >0 TC A = C AI i = 1, 6; QR i >0 Onde: C AI = custo da solução autárquica Q AI = redução da emissão autárquica TC A = custo total da redução de emissão autárquica; e i = número de países e/ou grupo de países (ANEXO B) A economia proporcionada pelo comércio pode ser multiplicada por: TS = (TC TC A ) / TC A Onde: TS = economia decorrente do comércio de redução de emissões em termos relativos (%) TC = custo total da redução de emissões com comercio TC A = custo total da redução autárquica Taxa de Implementação: (%) Brasil 38% Porcentagem de hot air a ser comercializada: 41% Custo de transação (USS t/c): US$ 1,73 Participação dos EUA: 32% Preço Carbono (US$ /ton C) Custos Marginais de Ababitmento - Países não-anexo B Abatimento de C Mton EEX CHN IND DAE BRA ROW Considerando a seguintes taxas para aplicação do modelo: Taxa de Implementação: (%) Brasil 38% Porcentagem de hot air a ser comercializada: 41% Custo de transação (USS t/c): US$ 1,73 Participação dos EUA: 32%

13 ANEXO B Não-ANEXO B USA: Estados Unidos EEX: Países exportadores de energia 6 JPN: Japão CHN: China EEC: União Européia 2 IND: Índia OOE: Outros países da OECD 3 DAE: Economias Dinâmicas Asiáticas 5 EET: Economias de Transição 4 BRA: Brasil FSU: Antiga União Soviética 5 ROW: resto do mundo 8 Quadro 6: Estrutura regional do CERT. Fonte: Kappel et al (2002) Resultados e Análises Os setores econômicos que apresentaram propostas de metodologias e/ou projetos de MDL e 2005 estão relacionados às atividades de co-geração de energia com biomassa; hidrelétricas e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH); eficiência energética, troca de combustíveis e processos industriais; aterros sanitários e tratamento e disposição de resíduos; agricultura; pecuária; transporte; florestamento e reflorestamento. Enquanto alguns destes setores conseguiram avançar rapidamente (como é o caso, principalmente das atividades relacionadas à co-geração de energia com biomassa; processos industriais; aterros sanitários e agricultura/pecuária), outros ainda estão tentando aprovar uma metodologia adequada para a área em questão (casos dos transportes e do setor de florestamento e reflorestamento). Considerando as metodologias e todos os projetos brasileiros nos diferentes níveis do ciclo de aprovação (totalizando 123), o ano de 2005 termina, no que diz respeito ao número de projetos submetidos, liderado pelas usinas sucroalcooleiras, com 41 atividades de projeto propostas para co-geração de energia com bagaço de cana (equivalendo a cerca de 33% do total). Em seguida, o setor industrial, que propõe troca de combustíveis ou eficiência energética, representa 21% dos projetos. Por sua vez, este é o setor que vem liderando o número de RCE potenciais (quase 39%), seguido pelas atividades de captação de metano em aterros sanitários, que respondem por 29% das RCE potenciais. REFERÊNCIAS 1. AGENDA 21 BRASILEIRA. Ações Prioritárias / Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 21 Nacional. 2. AMBROSI, Philippe; CAPOOR, Karan. State and Trends of the Carbon Market 2006, Development Economics Research Group. Washington: World Bank, Disponível em: <http://carbonfinance.org > Acesso em: 18 ago BRAGA, Benedito et al. Introdução à Engenharia Ambiental. São Paulo: Prentice Hall, GGH-UNFCCC - Greenhouse Gas Inventory Data. The latest compilation of Annex I GHG emission data, from 1990 to Disponível em: <http://ghg.unfccc.int/index.html>. Acesso em: 19 ago GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, GRÜTTER, Jürg M. World Market for GHG Emission Reductions: an analysis of the World Market for GHG abatement, factors and trends that influence it based on the CERT model. Washington: World Bank, Disponível em: < >. Acesso em 19 ago 2006.

14 7. IPCC - INTERGOVERNAMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. Climate change 2001: impacts, adaptation, and vulnerability. Mccarthy, J.J; Canziani, O. F.; Leary, N. A.: Dokken, D.J.; White, K.S. Ed Cambridge: Cambridge University Press, LAWRENCE H. Goulder ; IAN W. H. Parry ; ROBERTON C. Williams III; DALLAS Burtraw, "The Cost-Effectiveness of Alternative Instruments for Environmental Protection in a Second-Best Setting," NBER Working Papers 6464, National Bureau of Economic Research, Inc. 9. LAYRARGUES, Phillipe Pomier Layrargues. Sistemas de gerenciamento ambinetal, tecnologia limpa e consumidor verde: a delicada relação empresa-meio ambiente no ecocapitalismo. RAE Revista de Administração de Empresas, Abr/Jun São Paulo, V 40, n2 p LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis: Vozes, LOMBORG, Bjorn. O ambientalista cético: medindo o verdadeiro estado do mundo. Rio de Janeiro: Elsevir, MADDISON, David. Fuel and Energy Abstracts "A Cost-Benefit Analysis of Slowing Climate Change". Energy Policy. Oxford: Elsevier, MAHLMAN, J.D. The Long Time Scales of Human-Caused Climate Warming: Further Challenges for the Global Policy Process. Pew Center on Global Climate Change, Arlington, VA. Diponível em <http://www.pewclimate.org>. Acesso em: 17 ago MARTINS, Gilberto de Andrade. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, Abordagens metodológicas em pesquisas na área de adminstração, Volume, 32 Número: 3. São Paulo, MAY, Peter H.; LUSTOSA, Maria Cecília, VINHA, Valéria da; organizadores. Economia do meio ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, MISHAN, E. J. Análise de Custos-Benefícios. Uma introdução informal. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, MISHAN, E. J. Elementos de Análise de Custo-Benefício. Rio de Janeiro, RJ:. Zahar, MOLINA, M.J. and F.S. Rowland. Stratospheric sink for chlorofluoromethanes: chlorine atom-catalysed destruction of ozone, Nature, 249, Disponível em: <http://www.nature.coml>. Acesso em: 17 ago NORDHAUS, W. D. After Kyoto: Alternative Mechanisms to Control Global Warming. Paper prepared for a joint session of the American Economic Association and the Association of Environmental and Resource Economists. Atlanta, Georgia, 2001 Disponível em: <http://www.nber.org/papers/w11889>. Acesso em: 16 ago ORTIZ, Ramon Arigoni. Valoração ecnomica ambiental In MAY, Peter H.; LUSTOSA, Maria Cecília, VINHA, Valéria da; organizadores. Economia do meio ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier PEARCE, David W.; BARBIER, Edward; MARKANDYA, Anil. Sustainable Development: economics and environment in the Third World. London: Earthscan, ROCHA, Marcelo Theoto. Aquecimento Global e o Mercado de Carbono: uma Aplicação do modelo CERT, 2003, Piracicaba: Tese (Doutorado em Ciências). Universidade de São Paulo, Disponível em: <http://cepea.esalq.usp.br/pdf/tese_marcelo.pdf >. Acesso em: 17 ago SEROA DA MOTTA, Ronaldo. Estimativa do custo econômico do desmatamento na Amazônia. Texto para discussão n 910. IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica

15 Aplicada. Rio de Janeiro, Disponível em: < Acesso em: 20 ago TIGRE, P.B. Teconologia e meio ambiente: oportunidades para a indústria. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, UNFCCC - United Nations Framework Convention on Climate Change. Annex I Greenhouse Gas Inventories. Disponível em: <http://unfccc.int>. Acesso em: 16 ago VARIAN, Hal R. Microeconomia; tradução [da 6. ed. original] de Maria José Cylar Monteiro. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003, 6a Reimpressão.

16 Apêndice A Projetos de MDL registrado emissores de CERs implementados no Brasil. Nome do Projeto CERs Emitidos Total estimado de reduções (ton de CO 2 e) Média anual sobre o período de crédito de reduções estimadas (ton de CO2e) 0108: Granja Becker GHG Mitigation Project : Cucaú Bagasse Cogeneration Project (CBCP) : BK Energia Itacoatiara Project : Horizonte Wind Power Generation Project : Serra Bagasse Cogeneration Project (SBCP) : Usinas Itamarati Cogeneration Project : Jalles Machado Bagasse Cogeneration Project (JMBCP) : Moema Bagasse Cogeneration Project (MBCP) : Moema Bagasse Cogeneration Project (MBCP) : Alto Alegre Bagasse Cogeneration Project (AABCP) : Cruz Alta Bagasse Cogeneration Project (CABCP) : Campo Florido Bagasse Cogeneration Project (CFBCP) : Santa Cândida Bagasse Cogeneration Project (SCBCP) : Alta Mogiana Bagasse Cogeneration Project (AMBCP) : Nova América Bagasse Cogeneration Project (NABCP) : Iturama Bagasse Cogeneration Project (IBCP) : Lucélia Bagasse Cogeneration Project (LBCP) : Central Energética do Rio Pardo Cogeneration Project (CERPA) : Nova Sinceridade Small Hydroelectric Power Plant - Brascan Energética Minas Gerais S.A. (BEMG) Project Activity : Nova Sinceridade Small Hydroelectric Power Plant - Brascan Energética Minas Gerais S.A. (BEMG) Project Activity : Coinbra-Cresciumal Bagasse Cogeneration Project (CCBCP) : Bioenergia Cogeradora S.A. ( Bioenergia ) : Termoelétrica Santa Adélia Cogeneration Project (TSACP) : BT Geradora de Energia Elétrica S. A. Ferradura Small Hydro Power Plant Small Scale CDM Project : Vale do Rosário Bagasse Cogeneration (VRBC) : Vale do Rosário Bagasse Cogeneration (VRBC) : Palestina Small Hydroelectric Power Plant - Brascan Energética Minas Gerais S.A. (BEMG) Project Activity : Palestina Small Hydroelectric Power Plant - Brascan Energética Minas Gerais S.A. (BEMG) Project Activity : Colombo Bagasse Cogeneration Project (CBCP) : Jaguari Energética S. A. Furnas do Segredo Small Hydro Power Plant : Southeast Caeté Mills Bagasse Cogeneration Project (SECMBCP) : Equipav Bagasse Cogeneration Project (EBCP) : Cerradinho Bagasse Cogeneration Project (CBCP) : Pesqueiro Energia Small Hydroelectric Project (PESHP) : Cachoeira Encoberta and Triunfo Small Hydroelectric Power Plants - Brascan Energética Minas Gerais S.A (BEMG) Project Activity : Cachoeira Encoberta and Triunfo Small Hydroelectric Power Plants - Brascan Energética Minas Gerais S.A (BEMG) Project Activity : Santa Elisa Bagasse Cogeneration Project (SEBCP) : Santa Elisa Bagasse Cogeneration Project (SEBCP) : Zillo Lorenzetti Bagasse Cogeneration Project (ZLBC) : CAMIL Itaqui Biomass Electricity Generation Project , : Rickli Biomass electricity generation project : UTE Barreiro S.A. Renewable Electricity Generation Project : Koblitz - Piratini Energia S. A - Biomass Power Plant Small Scale CDM Project : AWMS GHG Mitigation Project BR05-B-07, Mato Grosso, Minas Gerais and Goiás, Brazil : AWMS GHG Mitigation Project BR05-B-07, Mato Grosso, Minas Gerais and Goiás, Brazil : AWMS GHG Mitigation Project BR05-B-02, Minas Gerais and São Paulo, Brazil : AWMS GHG Mitigation Project BR05-B-02, Minas Gerais and São Paulo, Brazil : Passo do Meio, Salto Natal, Pedrinho I, Granada, Ponte and Salto Corgão Small Hydroelectric Power Plants - Brascan Energética S.A : Lages Methane Avoidance Project : Irani Biomass Electricity Generation Project : Irani Biomass Electricity Generation Project , : Bandeirantes Landfill Gas to Energy Project (BLFGE) : Salvador da Bahia Landfill Gas Management Project , : N2O Emission Reduction in Paulínia, SP, Brazil Fonte: UNFCC, 2007.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Introdução a Mercados de Carbono Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Resumo da apresentação 1. Comércio de emissões - conhecimento básico 2. Tipos de crédito de carbono 3. Conectando compradores e vendedores

Leia mais

A CONVERSÃO DOS GASES DE EFEITO ESTUFA EM CRÉDITOS DE CARBONO, E A SUA NEGOCIAÇÃO

A CONVERSÃO DOS GASES DE EFEITO ESTUFA EM CRÉDITOS DE CARBONO, E A SUA NEGOCIAÇÃO A CONVERSÃO DOS GASES DE EFEITO ESTUFA EM CRÉDITOS DE CARBONO, E A SUA NEGOCIAÇÃO Pedro José da Silva (1) Professor da Faculdade de Engenharia Civil da Universidade Guarulhos/UnG Engenheiro Civil Universidade

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

Econergy International PLC. Projetos de MDL

Econergy International PLC. Projetos de MDL Econergy International PLC. Projetos de MDL São Paulo, 18 de agosto de 2006 Econergy Escritórios rios Ireland Boulder (CO) Washington D.C. Monterrey São Paulo Buenos Aires Nossa Missão é Agregar Valor

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos de

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO

OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO Maria Fernanda Cavalieri de Lima Santin Economista. Mestranda em Desenvolvimento Econômico

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono.

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Os serviços envolvem uma ampla faixa de consultoria, desde

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO

ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO Ilidia da Ascenção Garrido Martins Juras Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial e Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

especialmente, depois das turbulências ambientais como: enchentes, inundações,

especialmente, depois das turbulências ambientais como: enchentes, inundações, Mercado de Carbono_Aspectos tributários Rafaela Silva Brito 1. INTRODUÇÃO A temática ambiental tem despertado a atenção da comunidade internacional, especialmente, depois das turbulências ambientais como:

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO III SISCA 21 e 22 de agosto de 2013 Felipe Jané Bottini Green Domus Desenvolvimento Sustentável felipe@greendomus.com.br +55 (11) 5093 4854 http://storymaps.esri.com//globalfootprint/

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Economia de Floresta em Pé

Economia de Floresta em Pé Seminário Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia Economia de Floresta em Pé 12/Julho/2011 Porto Velho, Rondônia AGENDA MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO CARBONO DE FLORESTA REDD NA PRÁTICA

Leia mais

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzinifreire.com.br Mercado de Carbono no Brasil

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Mercado de Carbono Somente projetos estruturados com base nos mecanismos de flexibilização

Leia mais

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Mudanças Climáticas e Economia Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Junho de 2009 Aquecimento global como falha de mercado O clima tem forte relação com a atividade econômica: Interação mais conhecida

Leia mais

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas 1) O que é Mudança do Clima? A Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima (em inglês: United Nations Framework Convention on Climate Change UNFCCC),

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO Letícia Hoppe Ms. Economia do Desenvolvimento Síntese do Mini curso

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO)

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) ILÍDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2001

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Situação atual dos Projetos de MDL no Brasil e no Mundo

Situação atual dos Projetos de MDL no Brasil e no Mundo Oportunidades para Créditos de Carbono no Brasil Situação atual dos Projetos de MDL no Brasil e no Mundo Agosto de 2006 2006 ICF International. All rights reserved. ICF... Uma firma de consultoria que

Leia mais

Seção 2: Relatório de Validação

Seção 2: Relatório de Validação Registro de Atividade do Projeto MDL e Formulário de Relatório de Validação F-MDL-REG (Ao apresentar este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade proposta do projeto MDL atende

Leia mais

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS Apresentado por: Engº Francisco J. P. Oliveira Setembro / 2010 Objetivo Demonstrar de forma sucinta projetos de MDL, que envolvam a obtenção de créditos de

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Alexandre Kenji Tsuchiya

Alexandre Kenji Tsuchiya Alexandre Kenji Tsuchiya Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Os serviços envolvem uma ampla faixa

Leia mais

V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA CARBONO PARA ESTIMULAR SUSTENTÁVEL NO ESTADO DO

V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA CARBONO PARA ESTIMULAR SUSTENTÁVEL NO ESTADO DO Universidade Federal do Amazonas Centro de Desenvolvimento Energético Amazônico V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA MERCADO VOLUNTÁRIO DE CARBONO PARA ESTIMULAR PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO

Leia mais

Apresentação Grupo Solví

Apresentação Grupo Solví Apresentação Grupo Solví Mesa redonda Mercado de Metano Experiência Brasileira do Grupo Solvi com Gás G s Metano O Grupo Solví Resíduos Valorização Energética Saneamento O Grupo Solví Grupo Solví Valorização

Leia mais

Seminário Internacional - Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15

Seminário Internacional - Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15 Seminário Internacional - Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15 São Paulo, 24/02/2010 Mudanças Climáticas: redução de emissões de GEE pelo setor sucro-alcooleiro Isaias C. Macedo NIPE,

Leia mais

CONVENÇÃO DO CLIMA. Edna Cardozo Dias

CONVENÇÃO DO CLIMA. Edna Cardozo Dias CONVENÇÃO DO CLIMA Edna Cardozo Dias Doutora em Direito pela UFMG, professora de Direito Ambiental, presidente da Liga de Prevenção da Crueldade contra o Animal Artigo publicado na revista FORUM DE DIREITO

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

Mariano Colini Cenamo mariano@idesam.org.br

Mariano Colini Cenamo mariano@idesam.org.br IntroduçãoaosMercadosde de Carbono Mariano Colini Cenamo mariano@idesam.org.br CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SERVIÇOS AMBIENTAIS PARA TÉCNICOS DO GOVERNO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE SEMA FOREST

Leia mais

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT NEGOCIAÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA CRUCIAL NOS PRÓXIMOS DIAS EM

Leia mais

Título: Perspectivas da Suinocultura Brasileira na Captura de Carbono no Tratamento de Dejetos Suínos através s de Biodigestores em

Título: Perspectivas da Suinocultura Brasileira na Captura de Carbono no Tratamento de Dejetos Suínos através s de Biodigestores em Título: Perspectivas da Suinocultura Brasileira na Captura de Carbono no Tratamento de Dejetos Suínos através s de Biodigestores em Projetos de MDL. Fernando Rodrigues Marques (Business School São Paulo

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Nº I. Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: procedimentos para implementação e análise da evolução dos projetos

Nº I. Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: procedimentos para implementação e análise da evolução dos projetos Nº I Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: procedimentos para implementação e análise da evolução dos projetos Comunicado Técnico GEMUC/DPED/FEAM Os Comunicados Técnicos da Gerência de Energia

Leia mais

Mudança do Clima. Luiz Gylvan Meira Filho

Mudança do Clima. Luiz Gylvan Meira Filho SABESP São Paulo, 12 de novembro de 2008 Mudança do Clima Luiz Gylvan Meira Filho Pesquisador Visitante Instituto de Estudos Avançados Universidade de São Paulo A terra recebe energia do sol na forma de

Leia mais

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil Maisa de Souza Ribeiro Objetivos do Protocolo de Quioto Desenvolvimento Social, Ambiental e Econômico Países Poluidores PROTOCOLO

Leia mais

CRÍTICA À POSTURA DOS EUA SOBRE O PROTOCOLO DE KYOTO. Armando Affonso de Castro Neto 1

CRÍTICA À POSTURA DOS EUA SOBRE O PROTOCOLO DE KYOTO. Armando Affonso de Castro Neto 1 CRÍTICA À POSTURA DOS EUA SOBRE O PROTOCOLO DE KYOTO Armando Affonso de Castro Neto 1 RESUMO Os EUA, até 2007, não assinaram o Protocolo de Kyoto, argumentando, inclusive, que os países em desenvolvimento

Leia mais

Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema

Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema De Rosa, Siqueira, Almeida, Mello, Barros Barreto e Advogados Associados Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema EMBRAPA - Jaguariúna, 18.08.2003 1 Background... (Conferência

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 20 - Biomassa Sorocaba, Maio de 2015. ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Agência Nacional de Elétrica

Leia mais

Moderna aproximação ao mercado internacional de créditos de carbono

Moderna aproximação ao mercado internacional de créditos de carbono Moderna aproximação ao mercado internacional de créditos de carbono Ricardo Pretz, PTZ Fontes Alternativas de Energia ptz@ptz.com.br Vitória, 4 de maio, 2005 CREA-ES A Terra aquecendo O planeta Terra está

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA Josilene Ticianelli Vannuzini Ferrer PROCLIMA - CETESB, 2010 SP, a Agenda Climática e a CETESB 40 milhões de habitantes 18 milhões

Leia mais

Resumo do artigo: O Protocolo de Quito e o reflorestamento da Mata Atlântica: possibilidades para a bacia do Rio São João.

Resumo do artigo: O Protocolo de Quito e o reflorestamento da Mata Atlântica: possibilidades para a bacia do Rio São João. Resumo do artigo: O Protocolo de Quito e o reflorestamento da Mata Atlântica: possibilidades para a bacia do Rio São João. Seção 2: Políticas públicas e instrumentos econômicos para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Régis Rathmann e Maurício Francisco Henriques Jr. Identificação do Projeto Agência implementadora: PNUMA Financiamento: Doação

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial Seminário de Oportunidades para Financiamento de Projetos de Eficiência Energética e MDL Fundação Getúlio Vargas MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial F U N D A Ç Ã O B R A S I

Leia mais

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa Luiz Pinguelli Rosa O BRASIL NO CONTEXTO DA AMÉRICA LATINA E A QUESTÃO DA ESQUERDA NO GOVERNO Superar a identificação da esquerda estritamente com o socialismo de tipo soviético O QUADRO POLÍTICO NACIONAL,

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

III Forum Brasileiro de Energia Mercado Voluntário de Carbono, alternativa de leverage para energias renováveis

III Forum Brasileiro de Energia Mercado Voluntário de Carbono, alternativa de leverage para energias renováveis III Forum Brasileiro de Energia Mercado Voluntário de Carbono, alternativa de leverage para energias renováveis Cristiano McMannis Segundo o Relatório State and Trends of Carbon Market 2011, publicado

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Julho 2009 Sobre a GSS Empresa com atuação focada no desenvolvimento de projetos e prestação de consultorias

Leia mais

1. Mudanças climáticas : Aumento da temperatura da Terra. Fonte: IPCC, 2000)

1. Mudanças climáticas : Aumento da temperatura da Terra. Fonte: IPCC, 2000) Novas Tecnologias para o desenvolvimento sustentável: a viabilidade da produção de gás natural à partir do armazenamento geológico de CO 2 na Jazida de Charqueadas Letícia Hoppe Agenda 1. Contextualização

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO PARA PROJETOS ENERGÉTICOS

O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO PARA PROJETOS ENERGÉTICOS O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO PARA PROJETOS ENERGÉTICOS 5º CONGRESSO INTERNACIONAL DE BIOENERGIA Curitiba, PR, Agosto de 2010 Marcelo Schmid NOVEMBRO / 2008 marcelo@ideiaambiental.org.br MERCADO DE

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM

OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM Artigos 9 ARTIGOS TÉCNICOS / ARTICLES OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM MARCELO THEOTO ROCHA Engenheiro Agrônomo Doutor

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

estufa para setores agropecuários

estufa para setores agropecuários Simpósio de Mercado de Carbono pós COP15 e Código Florestal para o Sistema Cooperativista Inventário de gases de efeito fi estufa para setores agropecuários Inventário de gases de efeito estufa para setores

Leia mais

CONCEITOS CHAVE EM PROJETOS FLORESTAIS DE CARBONO. Celia A. Harvey, Climate Change Initiatives

CONCEITOS CHAVE EM PROJETOS FLORESTAIS DE CARBONO. Celia A. Harvey, Climate Change Initiatives CONCEITOS CHAVE EM PROJETOS FLORESTAIS DE CARBONO Celia A. Harvey, Climate Change Initiatives Projetos de carbono devem : Demonstrar adicionalidade Localizar potenciais fugas Garantir a permanência do

Leia mais

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 George Alves Soares Chefe da Assessoria Corporativa e de Novos Negócios em Eficiência Energética

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas

Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas 4o. Congresso de Tecnologia na Cadeia Produtiva da Cana de Açúcar em Mato Grosso do Sul CANASUL 2010 Campo Grande, Agosto 2010 Isaias C Macedo NIPE/UNICAMP

Leia mais

Crescimento Econômico e Mudanças Climáticas. Eliezer M. Diniz FEARP-USP - Brasil

Crescimento Econômico e Mudanças Climáticas. Eliezer M. Diniz FEARP-USP - Brasil Crescimento Econômico e Mudanças Climáticas Eliezer M. Diniz FEARP-USP - Brasil Resumo Introdução Modelos de Crescimento Econômico Curva Ambiental de Kuznets (CAK) Modelos de Nordhaus Conclusões 2 Introdução

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais