APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS"

Transcrição

1 APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS Apresentado por: Engº Francisco J. P. Oliveira Setembro / 2010

2 Objetivo Demonstrar de forma sucinta projetos de MDL, que envolvam a obtenção de créditos de carbono e geração de energia

3 Protocolo de Kyoto O QUE É? É o primeiro instrumento legal internacional no qual propõe uma ação comercial a um problema ambiental.

4 Protocolo de Kyoto HISTÓRIA Assinado em 1997, entrou em vigor somente 8 anos depois, em Seu objetivo principal é: Redução, em pelo menos 5% das emissões combinadas de gases de efeito estufa de Essas reduções devem ser atingidas até 2012, e se aplicam aos países desenvolvidos listados no Anexo I.

5 Protocolo de Kyoto Mecanismos de Flexibilização Criados para ajudar os países do Anexo I na redução das emissões a custos inferiores e maior efetividade: Implementação Conjunta (IC): Projetos de reduções de emissões realizados em Países Anexo I com financiamento de outros Países Anexo I Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL): Projetos de reduções de emissões realizados em Países Não-Anexo I com financiamento de Países Anexo I Comércio de Emissões: Permite que os países do Anexo I que possuem excesso de unidades de emissões vendam essas unidades para outros países do Anexo I

6 Protocolo de Kyoto Mapa Mundi Blue: The European Union Yellow: Annex I countries with economies in transition. Potential JI host countries White: Annex I countries that have not ratified the Kyoto Protocol Red: Annex II countries outside of the European Union Green: Non-Annex I countries. Potential CDM host countries

7 Mecanismos de Flexibilização Principal propósito é permitir que países industrializados cumpram suas metas de reduções a um menor custo e contribuir com o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento.

8 MDL MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO PRINCIPAIS BENEFÍCIOS PARA EMPRESAS E SEU FINANCIAMENTO Melhoria da imagem empresarial e reconhecimento público Acesso a novas tecnologias e/ou investimento estrangeiro, novos mercados Implementação de projetos sustentáveis Geração de Créditos de Carbono Melhorias na taxa interna de retorno dos projetos, favorecendo e fortalecendo a sua viabilidade econômica

9 MDL CICLO DO MDL Fonte: CETESB

10 Valorando o CER: Fatores de Risco Existem 3 riscos principais que podem deteriorar o preço do CER: Risco de Registro:apresenta a possibilidade do projeto não vir a ser registrado como MDL na UNFCCC, devido á discrepância em relação ás atuais metodologias. Hoje existe acúmulo de projetos esperando registro, a medida que mais e mais projetos sejam registrados esta ameaça diminui, porque novas metodologias estão sendo aprovadas Risco do País: apresenta a possibilidade do projeto não ser aprovado pelo DNA local, MCT no nosso caso, por conta da insegurança e indefinição de algumas regras internas, mas a medida em que mais projetos sejam aprovados em nível global, este cenário tende a melhorar dentro dos países Risco de Projeto: apresenta o risco do projeto no caso de este não gerar a quantidade suficiente de CRE s esperada. Para isso existe uma garantia de desempenho (performance bond), que visa reduzir o risco do projeto, mas impacta no preço final (a maior) do CRE Fonte: Carbon Point

11 US$ Evolução do Valor do CER x Fases do Projeto de MDL a 5 PIN PDD VALIDAÇÃO CARTA MCT REGISTRO EB CERTIFICAÇÃO EB CER Fases do Projeto de MDL

12 Metodologias EVOLUÇÃO DA METODOLOGIA ACM001 VERSÃO ANO DE VALIDAÇÃO 03/09/ /10/ /09/ /05/ /05/ /07/2006 PARÂMETROS Pedido de esclarecimento sobre a etapa 0 da "Ferramenta para demonstração e avaliação de adicionalidade". Parâmetro para fixar ex-ante para o período de crédito todo; Esclarecimento sobre requisitos de monitoramento dos fluxos de gás do aterro; Requisitos para o acompanhamento separado de biogás a temperatura e a pressão; Esclarecimento sobre os requisitos para controlar os fluxos de gás de aterro em projetos onde só ocorre a queima. Aplicabilidade da metodologia para um projeto que visa coletar LFG e atualizar para CPLG.

13 Metodologias VERSÃO ANO DE VALIDAÇÃO 28/06/ /12/ /12/ /07/ /07/ /11/2007 EVOLUÇÃO DA METODOLOGIA ACM001 PARÂMETROS Os gases residuais usina de geração em cativeiro a ser desmantelado no cenário do projeto; Revisão tendo em conta o combustível fóssil e caldeiras de recuperação de calor residual fornecer um gerador de turbina. Isto foi proposto como medida do poder calorífico dos gases calor não é possível; Temperatura dos gases de escape no ponto de amostragem no interior do flare. Acompanhamento ex-post do fator de ajuste para projetos de aterro sanitário.

14 VERSÃO 7 Metodologias ANO DE VALIDAÇÃO 02/11/ /12/2007 EVOLUÇÃO DA METODOLOGIA ACM001 PARÂMETROS Redefine o ciclo único para definição de ciclo combinado a utilizar o calor residual previamente não utilizadas de um motor em uma usina, com capacidade de ciclo único, e utilizar o calor para produzir vapor para uma turbina - tornando o sistema de ciclo combinado /12/ /08/ /08/ /02/2009 Aplicação da metodologia a uma rede de distribuição de gás ; Esclarecimento sobre um conflito entre ACM0001 e "Ferramenta para determinar as emissões do projeto de queima de gases contendo metano" relativos à medição da fração de metano e de vazão de gás de aterro (base seca ou úmida); Aplicação de 95% de confiança e número estatisticamente válido de exigência de amostras; Esclarecimentos adicionais sobre AMCLA Alternativas para a correção da vazão medida do gás residual de base para secar base. Esclarecimentos sobre o projeto de emissões; Orientação sobre a continuação da aplicabilidade de metodologias em relação às mudanças nos planos de um projeto registrado; Utilização térmica de aterro em processos industriais; Orientação sobre o controlo e registro de temperatura, pressão e fração de metano no gás de aterro.

15 VERSÃO Metodologias ANO DE VALIDAÇÃO 27/02/ /06/ /07/ Atual EVOLUÇÃO DA METODOLOGIA ACM001 PARÂMETROS Revisão para incorporar um cenário para uma colônia de gado que é um sistema de tratamento anaeróbio contra fatual que gera metano, sem destruição por queima ou produção de energia; Revisão para incluir "o cenário identificado é um sistema de tratamento anaeróbio contra fatual que gera metano, sem destruição por queima ou produção de energia" na aplicabilidade Substitui metodologias: AM002 - Redução das emissões de gases estufa através da captura e queima de gás de aterro onde a linha de base é estabelecida por um contrato de concessão pública - Apresentava 3 versões diferentes AM003 - Análise Financeira Simplificada para projetos de captura de gás de aterro - Apresentava 4 versões diferentes AM Captura de gás de aterro sanitário e projetos de geração de eletricidade em que a captura de gás de aterro não é obrigatória por lei - Apresentava 1 versão AM Recuperação de gás de aterro com geração de eletricidade e sem captura ou destruição de metano no cenário - Apresentava 3 versões diferentes

16 Comparativo da Metodologia ACM001 Consolidação da Metodologia ACM001 versão 1 e versão 11, referente a aterros em uma adição das variantes no cálculo de emissão de biogás/metano, aumentando graus de incerteza, causando redução de emissão dos mesmos.

17 POTENCIAL DE GERAÇÃO Modelagem Matemática de Emissões

18 POTENCIAL DE GERAÇÃO Modelagem Matemática de Emissões

19 POTENCIAL DE GERAÇÃO Modelagem Matemática de Emissões

20 POTENCIAL DE GERAÇÃO Modelagem Matemática de Emissões

21 Ciclo do Lixo

22 MDL

23 MDL

24 MDL

25 MDL

26 MDL

27 MDL

28 MDL

29 MDL

30 Fluxograma e balanço de energia para distintos tratamentos Fonte: A.P. Economopoulos (Creta/Grécia)/Waste Management (2010)

31 Fluxograma e balanço de energia para distintos tratamentos Fonte: A.P. Economopoulos (Creta/Grécia)/Waste Management (2010)

32 Fluxograma e balanço de energia para distintos tratamentos Fonte: A.P. Economopoulos (Creta/Grécia)/Waste Management (2010)

33 Fluxograma e balanço de energia para distintos tratamentos Fonte: A.P. Economopoulos (Creta/Grécia)/Waste Management (2010)

34 Fluxograma e balanço de energia para distintos tratamentos Fonte: A.P. Economopoulos (Creta/Grécia)/Waste Management (2010)

35 Valoração Energética e Investimentos INCINERAÇÃO + GERAÇÃO DE ENERGIA ATERRO DE CINZAS Geração de Resíduos (t/ano) Investimento Incinerador (USD) (10³) Taxa de Conversão de Resíduo para Energia (MWh/t) Geração de Energia (MWh/ano) Preço Energia (USD/MWh) Receita Venda de Energia (USD/ano) (10³) Geração de Cinzas (t/ano) Custo Aterro (USD) (000) Payback (a) , , , , , ,

36 Valoração Energética e Investimentos Geração de Resíduos (t/ano) Investimento Sistema de Queima de Gás (USD) (10³) Investimento Gerador de Energia (USD) (10³) QUEIMA BIOGÁS + GERAÇÃO DE ENERGIA Capacidad e Instalada (MW) Geração de Energia (MWh/ano) , Preço Energia (USD/MWh) Receita Venda de Energia (USD/ano) (10³) Receita Venda de Créditos Payback (10USD/CER.ano) (a) (10³) , ,

37 Recuperação de energia através da incineração de resíduos Padova - Itália

38 Lay-out do Projeto Rejeitos Forno 3 (implantação) Chaminés Linha de fornos 1 e 2 existentes Subestação elétrica 05/10/2010

39 Fotos da Obra

40 Fotos da Obra

41 Projeto Arquitetônico

42 Termo Elétrica a Queima de Lixo Incinerador Potencial de Instalação Útil ~ 15MW Pay-Back : Prazo de Retorno do Investimento 8 anos Investimento do Incinerador + Usina: U$ 150x10 6 Investimento Remediação: US$ 10x10 6 Receita com a Venda de Energia: US$ 150/Mw.h ~ US$ 19,71x10 6 /ano

43 OBRIGADO! Eng. Francisco J. P. Oliveira Contato: (11)

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

Econergy International PLC. Projetos de MDL

Econergy International PLC. Projetos de MDL Econergy International PLC. Projetos de MDL São Paulo, 18 de agosto de 2006 Econergy Escritórios rios Ireland Boulder (CO) Washington D.C. Monterrey São Paulo Buenos Aires Nossa Missão é Agregar Valor

Leia mais

e sua Adequação como Projetos do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo Eduardo A. Ananias Instituto de Biociências USP

e sua Adequação como Projetos do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo Eduardo A. Ananias Instituto de Biociências USP Tecnologias Ambientais para Curtumes e sua Adequação como Projetos do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo Eduardo A. Ananias Instituto de Biociências USP Sérgio Almeida Pacca EACH USP Panorama geral do

Leia mais

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (CQNUMC)

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (CQNUMC) TIPO III - OUTRAS ATIVIDADES DE PROJETO Os participantes do projeto devem levar em conta a orientação geral relativa às metodologias, as informações sobre adicionalidade, as abreviaturas e a orientação

Leia mais

Apresentação Grupo Solví

Apresentação Grupo Solví Apresentação Grupo Solví Mesa redonda Mercado de Metano Experiência Brasileira do Grupo Solvi com Gás G s Metano O Grupo Solví Resíduos Valorização Energética Saneamento O Grupo Solví Grupo Solví Valorização

Leia mais

SEMINARIO gosto 200Aproveitamento Energético de biogás de aterros. Uma solução para dois problemas? MEIO AMBIENTE E ENERGIA ALTERNATIVA

SEMINARIO gosto 200Aproveitamento Energético de biogás de aterros. Uma solução para dois problemas? MEIO AMBIENTE E ENERGIA ALTERNATIVA SEMINARIO gosto 200Aproveitamento Energético de biogás de aterros Uma solução para dois problemas? MEIO AMBIENTE E ENERGIA ALTERNATIVA manoel antonio avelino 26/04/2011 QUESTÕES COLOCADAS Sustentabilidade

Leia mais

Créditos de carbono em projetos de biogás. Seminário de biogás Instituto Ekos 02/10/2008

Créditos de carbono em projetos de biogás. Seminário de biogás Instituto Ekos 02/10/2008 Créditos de carbono em projetos de biogás Seminário de biogás Instituto Ekos 02/10/2008 First Climate MDL, CERs processo, venda Projetos de biogás identificação, trabalho, prazos, lucro, riscos Serviços

Leia mais

DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DO PROJETO (DCP)

DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DO PROJETO (DCP) MDL Conselho Executivo Página 1 FORMULÁRIO DO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DO PROJETO PARA ATIVIDADES DE PROJETO DO MDL (F-CDM-PDD) Versão 04.1 DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DO PROJETO (DCP) Título da atividade do

Leia mais

CONSULTORIA DO BIOGÁS NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATERROS SANITÁRIOS - ETE S - VINHAÇAS DE DESTILARIAS

CONSULTORIA DO BIOGÁS NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATERROS SANITÁRIOS - ETE S - VINHAÇAS DE DESTILARIAS Soluções Ambientais Soluções Ambientais CONSULTORIA DO BIOGÁS NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATERROS SANITÁRIOS - ETE S - VINHAÇAS DE DESTILARIAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA Solução Ambiental, Energética

Leia mais

Seção 2: Relatório de Validação

Seção 2: Relatório de Validação Registro de Atividade do Projeto MDL e Formulário de Relatório de Validação F-MDL-REG (Ao apresentar este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade proposta do projeto MDL atende

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

Mesa Redonda Avançando ando com os projetos de gás g s de aterros

Mesa Redonda Avançando ando com os projetos de gás g s de aterros Mesa Redonda Avançando ando com os projetos de gás g s de aterros USEPA e M2M, CETESB, e Prefeitura de Ribeirão Preto 17 de setembro de 2010 Tema IV Processos de MDL Potencial de MDL para projetos de Destruição

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DO PROJETO (DCP)

DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DO PROJETO (DCP) MDL Conselho Executivo Página 1 FORMULÁRIO DO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DO PROJETO PARA ATIVIDADES DE PROJETO DO MDL (F-CDM-PDD) Versão 04.1 DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DO PROJETO (DCP) Título da atividade do

Leia mais

Eduardo Giesen Coordenação Latino-americana GAIA www.no-burn.org

Eduardo Giesen Coordenação Latino-americana GAIA www.no-burn.org Taller do Sociedade Civil sobre MDL & Florestas e o mercado de carbono Incineração e mercados de carbono: Falsas soluções para um grande e REAL problema Eduardo Giesen Coordenação Latino-americana GAIA

Leia mais

O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade

O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade Profa. Dra. Anelise Leal Vieira Cubas Unisul Universidade do Sul de Santa Catarina Unisul Virtual RESÍDUOS Resíduo: Qualquer material ou substância

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Redução de Emissões. Carlos Alberto Widonsck

O Mercado Brasileiro de Redução de Emissões. Carlos Alberto Widonsck O Mercado Brasileiro de Redução de Emissões Carlos Alberto Widonsck O Protocolo de Quioto (1997) Define diretrizes para estimular a redução de emissões de gases de efeito estufa; Países Desenvolvidos (Anexo

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

PALESTRA: Aterro Salvador e demais projetos de Termelétricas a biogás

PALESTRA: Aterro Salvador e demais projetos de Termelétricas a biogás 11⁰ Seminário Nacional de RSU, ABES-DF, 6-8 de Agosto de 2014, Brasília Painel 1 - Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU 06/08/2014 PALESTRA: Aterro Salvador e demais projetos de Termelétricas

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Belo Horizonte, 26 de Abril de 2011 Jim Michelsen SCS Engineers & Frederico

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Balanço dos cinco anos da Política Municipal de Mudança do Clima de São Paulo Rede Nossa São Paulo 20/05/2014 Plano de Metas da PMSP

Leia mais

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO III SISCA 21 e 22 de agosto de 2013 Felipe Jané Bottini Green Domus Desenvolvimento Sustentável felipe@greendomus.com.br +55 (11) 5093 4854 http://storymaps.esri.com//globalfootprint/

Leia mais

Prof. Dr. Jorge O. Trierweiler Departamento de Eng. Química (DEQUI) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Prof. Dr. Jorge O. Trierweiler Departamento de Eng. Química (DEQUI) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Prof. Dr. Jorge O. Trierweiler Departamento de Eng. Química (DEQUI) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) D imens õ es do P ro blema do L ixo Q ua lquer s o luç ã o tem que s er a na lis a

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas

O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas Seminário Internacional sobre Finanças Climáticas São Paulo, 26 de fevereiro de 2015 Estrutura da Apresentação 1 O Fundo Clima 2 Ferramenta

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Lelo Coimbra) Institui o Programa Nacional de Geração de Energia Elétrica a partir do Lixo (Progel) e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Painel Energias Limpas

Painel Energias Limpas Painel Energias Limpas Délio Malheiros Secretário Municipal de Meio Ambiente Vice Prefeito Prefeitura de Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Santa Fé, 11 a 13 de setembro de 2013. 1 Energia Solar no

Leia mais

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzinifreire.com.br Mercado de Carbono no Brasil

Leia mais

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Mercado de Carbono Somente projetos estruturados com base nos mecanismos de flexibilização

Leia mais

O lixo como fonte de energia

O lixo como fonte de energia Transformando um Passivo Ambiental em um Recurso Energético: O lixo como fonte de energia Workshop Internacional Aproveitamento Energético do Biogás de Aterros Sanitários e do Tratamento de Efluentes Belo

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA CARBONO PARA ESTIMULAR SUSTENTÁVEL NO ESTADO DO

V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA CARBONO PARA ESTIMULAR SUSTENTÁVEL NO ESTADO DO Universidade Federal do Amazonas Centro de Desenvolvimento Energético Amazônico V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA MERCADO VOLUNTÁRIO DE CARBONO PARA ESTIMULAR PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Pedro Uczai) Dispõe sobre incentivos à utilização da energia solar e dá nova redação ao artigo 82 da Lei nº 11.977, de 7 de julho de 2009. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica DEMANDA GT Arranjos alternativos para geração eólica OBJETIVOS Desenvolver uma turbina eólica de eixo vertical de pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Realizar ensaios de rendimento do equipamento

Leia mais

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono.

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Os serviços envolvem uma ampla faixa de consultoria, desde

Leia mais

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. MDL Conselho Executivo Relatório da 32 a reunião do Conselho Executivo Anexo 38 página 1

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. MDL Conselho Executivo Relatório da 32 a reunião do Conselho Executivo Anexo 38 página 1 página 1 Orientação sobre o registro de atividades de projetos no âmbito de um programa de atividades como uma única atividade de projeto do MDL (Versão 2.1) A Conferência das Partes na qualidade de reunião

Leia mais

Standards do Mercado Voluntário Stefano Merlin. 16 de março de 2010

Standards do Mercado Voluntário Stefano Merlin. 16 de março de 2010 Standards do Mercado Voluntário Stefano Merlin 16 de março de 2010 24 de Fevereiro de 2009 Carbono Social Serviços Ambientais Co- desenvolvedora de projetos no Mercado Voluntário de Carbono A empresa com

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Japanese Business Alliance for Smart Energy Worldwide. http://www.jase-w.org/english

Japanese Business Alliance for Smart Energy Worldwide. http://www.jase-w.org/english Japanese Business Alliance for Smart Energy Worldwide http://www.jase-w.org/english Estabelecimento de JASE-W Japanese Business Alliance for Smart Energy - Worldwide Mr. S.Sakakibara, Presidente de JASE-W

Leia mais

MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva

MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva PROJETO LIXO LIMPO: MÓDULO I MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva VANTAGENS PARA TODA A COMUNIDADE O primeiro módulo visa a Universalização da Coleta Seletiva, promove a consciência ambiental e

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil Maisa de Souza Ribeiro Objetivos do Protocolo de Quioto Desenvolvimento Social, Ambiental e Econômico Países Poluidores PROTOCOLO

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Através deste anexo, a Brascarbon Consultoria Projetos e Representação Ltda. descreve como o projeto - Brascarbon Projeto

Leia mais

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa NOTA TECNICA I COMPARAÇÃO DA ELETRICIDADE GERADA EM CICLOS COMBINADOS A GÁS NATURAL E A PARTIR DE BIOMASSA No Decreto No. 3371 do MME (24/2/2000) foi instituído o Programa Prioritário de Termeletricidade

Leia mais

O desenvolvimento de recursos energéticos renováveis e alternativos: o papel do comissário Jeff Davis Comissário Comissão de Serviços Públicos do Missouri 1 Recursos energéticos renováveis e alternativos:

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Grandes cidades e Regiões Metropolitanas...1,0 kg/hab/dia. Município de São Paulo...12.000 t/dia. Região Metropolitana de São Paulo...18.

Grandes cidades e Regiões Metropolitanas...1,0 kg/hab/dia. Município de São Paulo...12.000 t/dia. Região Metropolitana de São Paulo...18. Valorização Energética de Resíduos Sólidos Urbanos O Problema dos Resíduos 1 O Problema dos Resíduos O Problema dos Resíduos 2 O Problema dos Resíduos O Problema dos Resíduos 3 Geração de Resíduos Sólidos

Leia mais

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NO MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NO MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO 1 OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NO MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO Oportunidades para o Setor de Petróleo e Gás Café da Manhã Rede Petro/BA - 12 de março de 2009 APRESENTAÇÃO A é uma empresa voltada para consultoria

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1

Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1 1 Avaliação de Desempenho Energético em Tempo Real Presented by Petrobras Objetivo Construir uma ferramenta capaz de monitorar a eficiência energética das unidades termoelétricas em tempo real e inferir

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Aplicações Tecnológicas da Pirólise Lenta a Tambor Rotativo Constituição Prestação de Serviço em Tratamento de Resíduos e Geração de Energia e Gás

Aplicações Tecnológicas da Pirólise Lenta a Tambor Rotativo Constituição Prestação de Serviço em Tratamento de Resíduos e Geração de Energia e Gás Aplicações Tecnológicas da Pirólise Lenta a Tambor Rotativo Constituição Prestação de Serviço em Tratamento de Resíduos e Geração de Energia e Gás This session was organized by: In collaboration with:

Leia mais

III Forum Brasileiro de Energia Mercado Voluntário de Carbono, alternativa de leverage para energias renováveis

III Forum Brasileiro de Energia Mercado Voluntário de Carbono, alternativa de leverage para energias renováveis III Forum Brasileiro de Energia Mercado Voluntário de Carbono, alternativa de leverage para energias renováveis Cristiano McMannis Segundo o Relatório State and Trends of Carbon Market 2011, publicado

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FUNDO CLIMA)

Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FUNDO CLIMA) Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FUNDO CLIMA) Conteúdo A Política Nacional sobre Mudança do Clima O Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima) Aplicações Não-Reembolsáveis Aplicações Reembolsáveis

Leia mais

Uso de Carvão Vegetal nos Altos Fornos da ArcelorMittal Juiz de Fora Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL. ArcelorMittal Juiz de Fora Aços Longos

Uso de Carvão Vegetal nos Altos Fornos da ArcelorMittal Juiz de Fora Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL. ArcelorMittal Juiz de Fora Aços Longos Uso de Carvão Vegetal nos Altos Fornos da ArcelorMittal Juiz de Fora Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL ArcelorMittal Juiz de Fora Aços Longos Visão Global da ArcelorMittal A M Planos Longos Inox

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS LMOP Treinamento de Operação de Aterros Ribeirao Preto, 17 de Setembro de 2010 Custos de Projeto que podem se beneficiar

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

Gestão dos Gases de Efeito Estufa

Gestão dos Gases de Efeito Estufa Gestão dos Gases de Efeito Estufa Um Novo Mercado para Pequenas e Médias Empresas 29 de Outubro 2013 FIBRA COMPONENTE 2 Gestão dos Gases de Efeito Estufa: Desenvolvimento e Implementação do Programa de

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos de

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

Sustentabilidade e Mudança Climática

Sustentabilidade e Mudança Climática Sustentabilidade e Mudança Climática 23 de Setembro 2009 Definindo uma Estratégia Corporativa para lidar com Mudanças Climáticas de forma sustentável Aceitar que o debate está concluído Entender a sua

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro F-MDL-REG Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

Seção 1: Pedido para registração

Seção 1: Pedido para registração Seção 1: Pedido para registração F-CDM-REG Formulário do relatório de registro e de validação de atividade do projeto de CDM (Submetendo a este formulário, a entidade operacional designada, confirma que

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Atuação CAIXA em Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento e Mercado de Carbono

Atuação CAIXA em Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento e Mercado de Carbono Atuação CAIXA em Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento e Mercado de Carbono Brasília, 07 de Maio de 2013 Denise Mª Lara de Souza Seabra Gerente de Clientes e Negócios Gerência Nacional Financiamento

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2013 COM(2013) 919 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa à limitação das emissões para a atmosfera de certos

Leia mais

ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade. Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland

ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade. Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland Sumário Introdução Desafios da mitigação de Gases de

Leia mais

Fundada em março de 2009 com capital integralizado de R$ 1 bilhão

Fundada em março de 2009 com capital integralizado de R$ 1 bilhão A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo que promove o crescimento sustentável das pequenas e médias empresas e municípios paulistas. Nosso objetivo é colaborar para

Leia mais

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída CPFL Energia Crescimento sustentável Empresa centenária com atuação no setor elétrico, criada em 1912 Market cap de R$20 bilhões,

Leia mais

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica).

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). 1 Biomassa é uma substância orgânica, produzida pelo processo de acumulação de energia solar. O seu maior potencial

Leia mais

O futuro da energia. Apresentação. OPUS Solutions & Pro2. Hendrik Wernick - Sócio Diretor Gunther Wernick - Sócio Diretor

O futuro da energia. Apresentação. OPUS Solutions & Pro2. Hendrik Wernick - Sócio Diretor Gunther Wernick - Sócio Diretor O futuro da energia Apresentação OPUS Solutions & Pro2 Hendrik Wernick - Sócio Diretor Gunther Wernick - Sócio Diretor Apresentação da Empresa UNIDADES DE NEGÓCIO: OPUS INTERNATIONAL - Importação & Exportação;

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

GRUPO SAGE Análise de projetos utilizando o software RETScreen

GRUPO SAGE Análise de projetos utilizando o software RETScreen Análise de projetos utilizando o software RETScreen Apresentação Grupo SAGE Serviço de Apoio à Gestão Empresarial Fundação: Maio de 1997 Sede: Rio de Janeiro Filiais: Brasília e Quito/Equador Mercado:

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais