A RENOVAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL E VIGÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RENOVAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL E VIGÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE"

Transcrição

1 A RENOVAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL E VIGÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Suelen Ferreira Bastos 1 RESUMO O presente artigo realiza uma discussão sobre a atualidade da renovação do Serviço Social Processo que se iniciou na década de Resgata a fundamentação histórica e metodológica da profissão e os elementos próprios da renovação e reconceituação. A renovação, na contemporaneidade se dá através da reafirmação dos pressupostos éticopolíticos da categoria profissional que emergiram após o rompimento com o conservadorismo tradicional. Palavras-chave: Serviço Social; Renovação; contemporaneidade. ABSTRACT This article provides a discussion of the relevance of Social Service renewal that began in the 1960s. For that rescues the historical and methodological reasons the profession and the proper elements of renewal and reconceptualization. The renewal takes place in contemporary times by reiterating ethical and political assumptions of the professional category that emerged after the break with traditional conservatism. Key-words: Social Service; Renewal; contemporaneity. 1 INTRODUÇÃO O Serviço Social consiste em uma especialização do trabalho coletivo, inserido no modo de produção capitalista para intervir sobre as expressões da questão social através da realização de políticas sociais. Sua origem se dá no contexto de expansão do capitalismo monopolista no país. Visando realizar uma abordagem sobre a história e desenvolvimento do Serviço Social, o presente artigo foca sua análise nos Movimentos de Reconceituação e renovação profissionais, que mudaram as bases da intervenção da profissão na sociedade. 1 Assistente social, discente do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Sergipe UFS. 365

2 O eixo que direciona as argumentações desse artigo é a atualidade dos pressupostos da renovação profissional, que proporcionou especialmente, a partir os anos 1980, a aproximação do Serviço Social com a teoria social crítica, e proporcionou uma ruptura com o tradicional conservadorismo profissional passando a nortear os aportes ético-políticos, técnico-operativos e teóricos-metodológicos da profissão. O Serviço Social na contemporaneidade responde às suas demandas através do comprometimento com os interesses dos trabalhadores, se valendo de uma relativa autonomia para realizar uma intervenção/análise crítica da realidade social, com o objetivo de reivindicar e mediar o acesso aos direitos sociais. 2 FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DO SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL O Serviço Social se insere na sociedade brasileira durante a vigência do capitalismo monopolista, a partir do momento que o Estado passa a intervir sobre as sequelas da questão social através de políticas sociais. Para entender os fundamentos em que a profissão se baseia e a história de seu desenvolvimento no país, é necessário primeiramente contextualizar a conjuntura do capitalismo brasileiro do período, bem como sua interface com a questão social. Brasil 2.1 A questão social e a capitalismo durante a emergência do Serviço Social no O capitalismo, a partir do final do século XIX adentra em outra fase no seu desenvolvimento organizativo, alterando profundamente as relações de produção e sociais existentes. Ele passou de sua fase concorrencial para a monopolista, que perdura até os dias atuais. O processo de concentração e expansão capitalista foi denominado por Lênin (1985) de imperialismo, por transformar a concorrência capitalista através do advento dos monopólios, que passaram a dominar o mercado com a fixação e imposição de preços, incorporação de pequenas empresas, além da expansão do domínio capitalista para outros países com a implantação de indústrias transnacionais. 366

3 O capitalismo chegado à sua fase imperialista, conduz à beira da socialização integral da produção; ele arrasta os capitalistas, seja como for, independentemente da sua vontade e sem que eles tenham consciência disso, para uma nova ordem social, intermédia entre a livre concorrência e a socialização integral (LÊNIN, 1985, p. 25). A produção torna-se social, mas a apropriação continua privada. Os meios de produção sociais permanecem propriedade privada de um pequeno número de indivíduos. O quadro geral da livre concorrência, que se reconhece nominalmente, subsiste e o jugo exercido por um punhado de monopolistas sobre a restante população torna-se cem vezes mais pesado, mais sensível, mais intolerável (LÊNIN, 1985, p. 25). Durante sua etapa imperialista o modo de produção capitalista passou por fases distintas, é importante apreendermos estas para fazer a conexão com a realidade brasileira. Ao recuperarem a análise mandeliana Netto e Braz (2006) afirmam que o período clássico do capitalismo monopolista vai de 1890 a 1940, onde a crise de 1929 cunhou a necessidade de intervenção do Estado na economia no âmbito da produção e acumulação. A segunda fase ficou conhecida como anos dourados, que vai do fim da Segunda Guerra Mundial até a entrada dos anos Nela o capitalismo conheceu um período de vasto crescimento, visto que havia ampla intervenção estatal, materializada através do pacto fordista/ keynesiano. O terceiro estágio imperialista é o capitalismo contemporâneo, que se estende de meados da década de 1970 até os dias atuais. Esta etapa proporcionou um quadro de mundialização do capital. Após viver um período de grande crescimento o capitalismo entra em uma onda recessiva que atingiu as potências capitalistas. No período transitório entre o capitalismo concorrencial e o capitalismo monopolista se destacam três fenômenos, que segundo Netto (2005) ganham importância nesse novo estágio. São estes: a constituição do proletariado enquanto classe para si; a burguesia operando como agente social conservador; e o peso específico das classes e camadas intermediárias. Aqui cabe destacar o processo de constituição da consciência de classe para si, pelo proletariado, que é marcado pelo seu protagonismo nas lutas por melhores condições de produção e reprodução da vida social, concretizados através dos sindicatos e partidos políticos. Esse foi um momento no qual ocorreram diversas crises capitalistas, que acarretaram, em um primeiro momento, desemprego, redução de salários e postos de trabalho, aumento da fome e da miséria. A luta dos trabalhadores, aliada à busca dos 367

4 capitalistas por instrumentos de controle dessa classe em ebulição, geraram respostas estatais mais incisivas à questão social. A questão social deve ser compreendida como o conjunto das expressões das desigualdades da sociedade capitalista madura, que tem uma raiz comum: a produção social é cada vez mais coletiva, enquanto a apropriação dos seus frutos mantém-se privada, monopolizada por uma parte da sociedade (IAMAMOTO, 1999). Esta é, portanto, inerente ao sistema capitalista. Nas palavras de Netto (2005, p. 157) [...] o desenvolvimento capitalista produz, compulsoriamente, a questão social diferentes estágios capitalistas produzem diferentes manifestações da questão social ; esta não é uma sequela adjetiva ou transitória do regime do capital: sua existência e suas manifestações são indissociáveis da dinâmica especifica do capital tornado potência social dominante. A questão social é constitutiva do desenvolvimento do capitalismo. Não se suprime a primeira conservando-se o segundo. No estágio monopolista o Estado passou a intervir de forma mais incisiva sobre a questão social. Incialmente essa intervenção é direcionada a garantir a acumulação dos monopólios; posteriormente, com o processo organizativo da classe trabalhadora, e a intensificação das contradições existentes entre capital e trabalho, suas ações passaram a buscar a preservação e controle da força de trabalho. A forma encontrada para solidificar a intervenção sobre a questão social foram as políticas sociais 2. Estas são [...] desdobramentos e até mesmo respostas e formas de enfrentamento às [...] expressões multifacetadas da questão social no capitalismo, cujo fundamento se encontra nas relações de exploração do capital sobre o trabalho (BEHRING; BOSCHETTI,2006, p. 51). É válido destacar que o processo de implementação das políticas sociais nos países capitalistas não foi uniforme, dependendo de fatores, como a formação social e econômica de cada um, além da capacidade organizativa da classe trabalhadora, no que tange ao processo de luta pela reinvindicação de direitos. No caso brasileiro as intervenções sobre a questão social através de políticas sociais públicas vão ocorrer a partir de 1930, quando o Estado, no governo de Getúlio Vargas, passa efetivamente a realizar ações voltadas para estes fins. O desenvolvimento 2 Estas somente podem se configurar como política social pública no capitalismo monopolista. Anteriormente a esse momento, durante o capitalismo concorrencial, o trato da questão social geralmente não era alvo da intervenção estatal, e quando era se dava através da criminalização ou culpabilização moral. 368

5 das políticas sociais no país possui características determinadas pelo modo de organização do sistema capitalista, pois este se dá de forma diferenciada em relação aos países centrais. O início da transição do capitalismo brasileiro se deu através da crise do poder oligárquico, que acabou por mudar as estruturas de poder no país, mas esse não foi um momento de total ruptura, pois a dominação burguesa é realizada sob a hegemonia da oligarquia, que não perdeu as bases de seu poder. A burguesia brasileira convergiu para o Estado, unificando-se com este no plano político. Segundo Fernandes (1976, p. 206) a transição para o século XX e todo o processo de industrialização que se desencadeia até a década de 30 fazem parte da evolução interna do capitalismo competitivo. Assim, o capitalismo brasileiro se configurou como dependente, voltado para consolidar o desenvolvimento imperialista. Coutinho (2005) reforça essa ideia ao afirmar que a modernização econômico-social no Brasil seguiu uma via prussiana, ou revolução passiva, pois as transformações ocorridas não decorreram de revoluções, mas de conciliação entre os grupos dominantes, sendo realizadas de cima para baixo, [...] a transição do Brasil para o capitalismo (e de cada fase do capitalismo para a fase subsequente) não se deu apenas no quadro da reprodução ampliada da dependência, ou seja, com a passagem da subordinação formal à subordinação real em face ao capital mundial; em estreita relação com isso (já que uma solução não prussiana da questão agraria asseguraria as condições para o desenvolvimento de um capitalismo nacional não dependente), essa transição se processou também segundo o modelo da modernização conservadora prussiana (COUTINHO, 2005, p. 52). O enfrentamento da questão social no país, caracterizado pelo capitalismo retardatário e determinado pelo aprofundamento do imperialismo e do processo de concentração e centralização de capitais, próprios do capitalismo em seu estágio monopolista (SANTOS, 2012, p. 137), se intensificou através de políticas sociais que buscavam a regulamentação do trabalho. É salutar lembrar que até então suas expressões eram tidas como problemas de polícia. Pode-se apontar como as principais medidas do período a regulação do trabalho através da criação da carteira de trabalho, bem como ações voltadas para aposentadorias e pensões; a instituição dos Ministérios de Educação e Saúde que significaram o desenvolvimento nacional dessas políticas; a criação da Legião Brasileira de Assistência 369

6 (LBA), que foi marcada pelo assistencialismo e práticas de tutela e favor na relação entre Estado e sociedade; no âmbito da infância e juventude destacam-se o Código de Menores e a criação do Serviço de Assistência ao Menor (SAM), (BEHRING; BOSCHETTI, 2006). É no contexto da emergência das políticas sociais realizadas no âmbito estatal para o enfrentamento da questão social que surge a necessidade do Serviço Social enquanto especialização do trabalho coletivo. 2.2 Fundamentos históricos do Serviço Social brasileiro O surgimento do Serviço Social tem relação direta com as relações sociais e de produção estabelecidas na sociedade capitalista, tal como foi situado anteriormente. Ao analisar a profissão não se pode perder de vista essa conexão, sob pena de se fundar em uma análise linear e destoada dos processos da totalidade da vida social. Montaño (2011), ao discutir a natureza do Serviço Social, afirma que para debater a gênese da profissão se firmaram duas teses, com fundamentações distintas, e que por isso se tornam mutuamente excludentes. A primeira é a perspectiva endogenista que vê o Serviço Social como uma evolução, profissionalização e sistematização da caridade, da ajuda, e filantropia, agora voltada para a intervenção sobre a questão social. [...] efetivamente, as análises desses autores quanto à natureza do Serviço Social (mesmo que diferente quando tratam a sociedade no seu conjunto e seu posicionamento perante a realidade) não consideram o real (a história da sociedade) como o fundamento e causalidades da gênese e desenvolvimento profissional, apenas situando as etapas do Serviço Social em contextos históricos [...]. Têm, por isso, uma perspectiva endógena, onde o tratamento teórico confere ao Serviço Social uma autonomia histórica com respeito à sociedade, às classes e às lutas sociais (MONTAÑO, 2011, p. 27). A perspectiva histórico-crítica entende o surgimento do Serviço Social como uma síntese dos projetos político-econômicos que operam no desenvolvimento histórico, quando no capitalismo monopolista, o Estado assume a intervenção direta sobre a questão social. Portanto, a gênese do Serviço Social não estaria vinculada a um processo evolutivo da caridade, mas sim, à própria dinâmica capitalista em seu estágio monopólico. 370

7 Este trabalho coaduna com a segunda tese e percebe a profissão como historicamente situada e elemento que contribui para a produção e reprodução dos indivíduos sociais. Estes, entendidos conforme Iamamoto e Carvalho (2005, p. 72): [...] a reprodução das relações sociais não se restringe à reprodução da força viva de trabalho e dos meios objetivos de produção (instrumentos de produção e metérias-primas). A noção de reprodução engloba-os, enquanto elementos substanciais do processo de trabalho, mas, também, os ultrapassa. Não se trata apenas da reprodução material em seu sentido amplo, englobando produção, consumo, distribuição e troca de mercadorias. Refere-se à reprodução das forças produtivas e das relações de produção na sua globalidade, envolvendo, também, a reprodução da produção espiritual, isto é, das formas de consciência social: jurídicas, religiosas, artísticas ou filosóficas, através das quais se torna consciência das mudanças ocorridas nas condições materiais de produção [...]. Assim, a reprodução das relações sociais é a reprodução da totalidade do processo social, a reprodução de determinado modo de vida que envolve o cotidiano da vida em sociedade: o modo de viver e de trabalhar, de forma socialmente determinada, dos indivíduos em sociedade [...]. Para formular e implementar as políticas socais do Estado monopolista são necessários agentes técnicos, dentre esses foi demandado o Serviço Social, com a funcionalidade de preservar e controlar a força de trabalho. Netto (2005, p. 76), destaca que este [...] não desempenha funções produtivas, mas se insere nas atividades que se tornaram acolitas dos processos especificamente monopólicos da reprodução, da acumulação e da valorização do capital [...]. As influências teóricas, e a forma como esse exercício profissional foi historicamente realizado será aprofundado no próximo item, com vistas a compreender o Serviço Social e sua renovação na cena contemporânea. 3 RECONCEITUAÇÃO E RENOVAÇÃO NO SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO O surgimento do Serviço Social, no Brasil, se deu na década de Este atuou historicamente atendendo tanto aos interesses da classe trabalhadora, diante de suas necessidades sociais, bem como os interesses das classes dominantes, e Estado, este enquanto seu maior empregador. Incialmente as bases ideológicas do Serviço Social se relacionaram com a doutrina social da Igreja, não apenas católica, mas em sua maioria, que confiaram à atividade profissional um caráter missionário e vocacional. Os interesses filantrópicos e altruístas 371

8 eram reforçados; contudo, para a classe dominante o que importava era o controle social dos trabalhadores e o reforço da hegemonia do capital como um bem para toda sociedade. As intervenções profissionais tinham um cunho moral e religioso e eram voltadas para o trabalhador e sua família, na perspectiva do ajuste e enquadramento social. Yazbek (2009) destaca que paulatinamente o Serviço Social se aproximou da matriz positivista e de sua apreensão instrumental e imediata do ser social. As relações sociais eram analisadas a partir de suas vivências, como fatos que se apresentam de forma objetiva e imediata. Outra influência no plano teórico-metodológico que incidiu sobre o Serviço Social brasileiro foi a fenomenologia, que associa, de forma idealizada, a transformação social às atitudes pessoais que se configuram na relação entre o assistente social e o cliente. Os princípios abstratos são valorizados, como o da autodeterminação, e reforçam a inscrição do Serviço de cunho conservador. As três principais formas de intervenção técnico-operativa da profissão que refletiam as tendências teórico-metodológicas eram o Serviço Social de Caso, Grupo e Comunidade 3. A partir da década de 1960 o sistema capitalista sofre transformações no que tange ao seu desenvolvimento, passando por crises e abalos que o levou a adentrar em um novo período de recessão, indo de encontro ao processo de acumulação e expansão que vivenciou no pós II Guerra Mundial. Com o exaurimento da longa onda expansiva gerouse questionamentos do sistema, oriundos de movimentos nacionais e internacionais. Nesse quadro o Serviço Social passa a rever sua fundamentação conservadora, em um movimento que pretendia reconfigurar as bases teóricas, técnicas e políticas da profissão. Este não se deu de forma contínua, e é importante conhecer tanto seu desenvolvimento no conjunto da América Latina quanto internamente, pois se desenvolveram dois processos que são distintos, mas tem relação intrínseca: a Reconceituação e a Renovação do Serviço Social. A Reconceituação, ou Reconceptualização profissional, é um movimento datado, que ocorreu no âmbito latino americano e teve reflexos no Serviço Social brasileiro. Este emergiu em 1965 e se esgotou por volta de Propunha a ruptura com o 3 Estas não serão aprofundadas por não serem o foco principal do trabalho em tela. 372

9 tradicionalismo profissional e se baseava na luta por transformações na estrutura capitalista. O ocaso do Serviço Social tradicional era defendido pelo movimento de reconceituação e nos marcos de seu desenvolvimento Netto (2005) aponta conquistas que passaram a integrar a dinâmica profissional nos países latinos americanos. A primeira delas é a articulação de uma nova concepção da unidade latino-americana, que proporcionou um ativo intercâmbio entre os países, que permanece até os dias atuais; a explicitação da dimensão política da ação profissional, que era suplantada pelo tradicionalismo profissional; a interlocução crítica com as ciências sociais, que abriu novos influxos, inclusive com a tradição marxista; a inauguração do pluralismo profissional, que possibilitou a percepção de diferentes concepções sobre a natureza, objeto, funções, objetivos e práticas do Serviço Social. O autor situa ainda como principal conquista a Reconceituação a recusa do assistente social em se situar como um agente meramente executivo de políticas sociais (executor terminal), este passou a requisitar atividades de planejamento, valorizando seu estatuto de intelectual. Contudo, como indicado anteriormente, este foi um movimento datado, seu esgotamento se dá pela onda ditatorial que atingiu a América Latina em oposição aos movimentos democráticos e de contestação da dominação burguesa, bem como na diversidade própria do movimento, que continha direcionamentos distintos para o Serviço Social em sua concepção de sociedade, teoria e prática profissional. No que tange à renovação, este foi um processo interno brasileiro que externou tendências e possibilidades para a profissão no momento pré-1964, quando a democracia do país foi interrompida através do golpe que institui a Ditadura Militar brasileira. Netto (2004, p. 131) define Renovação como, [...] o conjunto de características novas que, no marco das constrições da autocracia burguesa, o Serviço Social articulou, à base do rearranjo de suas tradições e da assunção do contributo de tendência do pensamento social contemporâneo, procurando investir-se como instituição de natureza profissional dotada de legitimação prática, através de respostas a demandas sociais e da sua sistematização, e de validação teórica, mediante a remissão às teorias e disciplinas sociais. Desse processo destacam-se três diferentes direcionamentos para o exercício profissional do assistente social, com visões de mundo e fundamentação teóricas 373

10 distintas. Estes são caracterizados por Netto (2004) como: a Perspectiva Modernizadora, a Reatualização do Conservadorismo e a Intenção de Ruptura. A primeira direção é a perspectiva modernizadora que conformava uma tentativa de adequar o Serviço Social às demandas oriundas no pós Os principais documentos que lhe fundamenta são os textos dos seminários de Araxá e Teresópolis e possuem forte inspiração funcionalista e estruturalista. Para essa vertente o Serviço Social deveria se envolver de forma a reforçar o processo de desenvolvimento e com seus referenciais e instrumentos deveria contribuir com a ordem sociopolítica instituída com a Ditadura Militar. A reatualização do conservadorismo imprime à profissão uma direção que recupera as bases teórico-metodológicas que conferiram ao Serviço Social um traço microscópico, com a visão de mundo vinculada ao pensamento católico tradicional, mas o faz com uma nova roupagem, trazendo traços de modernidade, tentando vinculá-lo a outras matrizes intelectuais, especialmente à fenomenologia. A intenção de ruptura se configura como a terceira vertente apresentada no processo de renovação da profissão. Esta tem um direcionamento diferenciado das demais por possuir um elemento contestador, realizando uma crítica ao desempenho do Serviço Social tradicional. Ela se baseia na tradição marxista, mesmo que no primeiro momento de forma tortuosa 4, seu principal expoente ficou conhecido como Método Belo Horizonte. Essa perspectiva, ao criticar sistematicamente o desempenho tradicional e seus suportes teóricos, metodológicos e ideológicos, tem a pretensão de romper com a herança do pensamento conservador e do reformismo. Mesmo se constituindo no pré a intenção de ruptura se adensa somente ao longo dos anos oitenta, expressando o processo de laicização da profissão. Isso se dá devido às mudanças ocorridas no país durante o processo de reabertura política e democratização. A intenção de ruptura ganhou força por colocar o Serviço Social ao lado das demandas da classe trabalhadora, não mais como agente legitimador da exploração. Paulatinamente as produções teóricas da profissão imprimiram uma direção ao exercício profissional baseada no pensamento marxista, já fundamentado nos escritos do 4 Yazbek (2009) destaca alguns problemas nessa apropriação do marxismo: as abordagens reducionistas dos marxismos de manual; influência do cientificismo e do formalismo metodológico presentes no marxismo althusseriano que provocou a recusa da via institucional e das determinações sócio históricas da profissão. 374

11 próprio Marx, não apenas em leitores deste. A abordagem da profissão passou a pensar a sociedade como fruto de um conjunto de relações sociais e o Serviço Social participando do processo de produção e reprodução dessas relações. A hegemonia alcançada pela intenção de ruptura é materializada através dos instrumentos normativos da profissão. No primeiro momento o Currículo Mínimo de 1982 e o Código de Ética de Esse direcionamento que se tornou teórico-metodológico, ético-político e técnico-operativo permanece presente no seio da categoria profissional até a contemporaneidade. 4 RENOVAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL: UMA REALIDADE EM MOVIMENTO O movimento de renovação profissional é anterior, concomitante e posterior a reconceituação do Serviço Social, portanto, pode-se afirmar que ele continua operante nos dias atuais. É nesse ponto que o presente eixo centrará sua análise. É inegável que após a década de 1980 as ideias da perspectiva intenção de ruptura lograram êxito e conquistaram hegemonia no âmbito profissional. Essa hegemonia é comprovada nos currículos que formam novos assistentes sociais, nas pesquisas realizadas nas instituições de trabalho e ensino que partem do direcionamento teóricometodológico centrado na teoria social crítica, nos princípios éticos da profissão materializados através do código de ética profissional. Afirmar que a renovação continua atual não é apenas ilustrar sua influência na atualidade, é reconhecer também que continuamos a ter no ambiente profissional projetos em disputa, pois hegemonia se constrói cotidianamente. As transformações ocorridas no capitalismo imperialista ao final do século XX e início do XXI acentuaram as contradições sociais do sistema, trazendo reflexos também para o campo da produção do conhecimento, com o questionamento da razão dialética e a valorização da razão instrumental como vetor para analisar as relações sociais. A análise da totalidade social é suprimida em detrimento do pensamento pós-moderno que visa a manifestação imediata do real, ou seja, não busca a essência dos fenômenos, apenas sua aparência. Com a suposta crise de paradigmas, o marxismo enquanto teoria explicativa do real é desconsiderado, passando a serem valorizadas as teorias do fragmento, do efêmero, que fortalecem a alienação e a reificação do presente. Como o Serviço Social 375

12 atua sobre demandas imediatas a utilização dessas fontes de análises pode ganhar terreno e favorecer o retorno às bases conservadoras da profissão, que reforçavam o empirismo e o pragmatismo, sem possuir uma compreensão crítica das relações sociais. Para Simionatto (2009, p. 102), a profissão, no atual momento histórico, se coloca novamente diante de duas tendências que podem direcionar seu exercício profissional, [...] uma vinculada ao fortalecimento do neoconservadorismo inspirado nas tendências pós modernas, que compreende a ação profissional como um campo de fragmentos, restrita às demandas do mercado de trabalho, cuja apreensão requer a mobilização de um corpo de conhecimentos e técnicas que não permite extrapolar a aparência dos fenômenos sociais; e outra relacionada à tradição marxista, que compreende o exercício profissional a partir de uma perspectiva de totalidade, de caráter histórico ontológico, remetendo o particular ao universal e incluindo as determinações objetivas e subjetivas dos processos sociais. É nessa disputa pela direção social da profissão que a Renovação se mantém viva na atualidade. A direção hegemônica do Serviço Social que se materializa no Projeto ético-político profissional deve assumir a luta pela afirmação dos direitos como uma luta contra o capital, além de contribuir para a formação de assistentes sociais que sejam propositivos e que tenham habilidades e discernimento para se valer de sua relativa autonomia nos espaços sóciocupacionais, buscando em cada situação apresentada possibilidades de trabalho. O Projeto ético político deve ser assumido como um direcionamento do exercício profissional através da articulação de suas dimensões técnico-operativas, ético-políticas e teórico-metodológicas. Além desses desafios Iamamoto (2009) aponta a necessidade de o Serviço Social, no tempo presente, ter: 1) rigorosa formação teórico-metodológica que permita explicar o atual processo de desenvolvimento capitalista sob a hegemonia das finanças e o reconhecimento das formas particulares pelas quais ele vem se realizando no Brasil, assim como suas implicações na órbita das políticas públicas e consequentes refrações no exercício profissional; 2) acompanhamento da qualidade acadêmica da formação universitária ante a vertiginosa expansão do ensino superior privado e da graduação à distância no país; 3) articulação com entidades, forças políticas e movimentos dos trabalhadores no campo e na cidade em defesa do trabalho e dos direitos civis, políticos e sociais; 4) afirmação do horizonte social e ético-político do projeto profissional no trabalho cotidiano, 5) o cultivo de uma atitude crítica e ofensiva na defesa 376

13 das condições de trabalho e da qualidade dos atendimentos, potenciando a nossa autonomia profissional. Nesses desafios residem as resistências atuais, para que se mantenham as bases progressistas que o Serviço Social alcançou com seu processo de renovação e ruptura com o tradicionalismo profissional. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O artigo em tela buscou discutir a atualidade do Movimento de renovação do Serviço Social que se gestou na década de 1960, trazendo elementos de sua gênese e fundamentação teórica. Das discussões apresentadas aqui se espera contribuir para o debate contemporâneo do Serviço Social, principalmente no que tange ao reforço das conquistas oriundas de seu processo de transformação recente. É incontestável a assertiva de que o Serviço Social, ao longo de sua história, sofre os reveses das transformações que ocorrem no âmbito político, econômico e social, isso por que é profissão inserida na sociedade e que intervém sobre esta. Na atualidade são postos inúmeros desafios para os assistentes sociais, entre estes está o de defender as conquistas oriundas do seu processo de renovação que possibilitou rever as bases de fundamentação da profissão, possibilitando uma capacidade de leitura crítica do real, com base no pensamento marxista. A atualidade desta perspectiva teórica deve ser reforçada, não apenas no âmbito acadêmico, mas também nos espaços sociocupacionais, na intervenção direta do exercício profissional. As adversidades para essa defesa são inúmeras, e impostas pela própria realidade social que reforça ideias individualistas e imediatistas; contudo, o assistente social pode utilizar os elementos do projeto ético-político como norte de atuação, potencializando sua relativa autonomia na defesa dos direitos. REFERÊNCIAS BEHRING, Elaine, BOSCHETTI, Ivanete. Política Social: fundamentos e história. São Paulo: Cortez, COUTINHO, Carlos Nelson. Cultura e Sociedade no Brasil: ensaios sobre ideias e formas. 3 ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro: DP&A,

14 FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaios de interpretação sociológica. 2ed. Rio de Janeiro: Zahar, IAMAMOTO, Marilda Vilela. Renovação e Conservadorismo no serviço social. 7 ed. São Paulo: Cortez, Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 2 ed. São Paulo: Cortez, O Serviço Social na cena contemporânea. In. Direitos Sociais e Competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, IAMAMOTO, Marilda Vilela. CARVALHO, Raul de. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 18 ed. São Paulo: Cortez; [lima, peru]: CELATS, LÊNIN, Vladimir Ilich. O imperialismo: fase superior do capitalismo. 3 ed. São Paulo: Global, MONTAÑO, Carlos. A natureza do serviço social: Um ensaio sobre sua gênese, a especificidade e sua reprodução. 2 ed. São Paulo: Cortez, NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social: Uma análise do serviço social no Brasil pós-64. 7ed. São Paulo: Cortez, O movimento de reconceituação 40 anos depois. In. Revista Serviço Social e Sociedade nº. 84. São Paulo: Cortez, NETTO, José Paulo. BRAZ, Marcelo. Economia Política. Uma introdução. São Paulo: Cortez, SANTOS, Josiane Soares. Questão Social : particularidades no Brasil. São Paulo: Cortez, SIMIONATTO, Ivete. Expressões ideoculturais da crise capitalista na atualidade e sua influencia teórico prática. In. Direitos Sociais e Competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, YAZBEK, Mª Carmelita. Fundamentos históricos e teórico-metodológicos do Serviço Social. In. Direitos Sociais e Competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS,

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI Ariana Célis Leite Lívia Hernandes de Carvalho Lívia Moura Marinho Thiago Agenor dos Santos de Lima RESUMO: O presente artigo tem como

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 RESUMO: O capitalismo financeiro está fortemente projetado na sociedade contemporânea,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 1 Catyelle Maria de Arruda Ferreira, autora, aluna do Curso de Ciências

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES CURSO: SERVIÇO SOCIAL

DIRETRIZES CURRICULARES CURSO: SERVIÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO Secretaria de Educação Superior Coordenação das Comissões de Especialistas de Ensino Superior Comissão de Especialistas de Ensino em Serviço Social DIRETRIZES CURRICULARES

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1

Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1 Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1 Serviço Social e Projeto Ético-político: desafios à categoria profissional 1 Mileni Alves Secon 2 1- Introdução: O Serviço Social e contradição

Leia mais

Serviço Social na Previdência Social INSS

Serviço Social na Previdência Social INSS Gerência Executiva do INSS em Cuiabá Seção de Saúde do Trabalhador SERVIÇO SOCIAL Serviço Social na Previdência Social INSS Maio/2015 1 Introdução O Serviço Social do INSS é um serviço previdenciário,

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica.

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica. ASSISTENTE SOCIAL 01. Considerando que o Serviço Social foi introduzido no Brasil nos anos 30, é correto afirmar que a primeira escola de Serviço Social, criada em 1963, no seu inicio sofreu forte influência:

Leia mais

Serviço Social e Marxismo: perspectivas de uma nova ordem societária

Serviço Social e Marxismo: perspectivas de uma nova ordem societária Serviço Social e Marxismo: perspectivas de uma nova ordem societária Daniel Silva Basílio 1 Lesliane Caputi 2 Eixo temático: 10. Educação Resumo: O presente texto traz para reflexões a interlocução histórica

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO BRASIL: um estudo de suas tendências históricas

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO BRASIL: um estudo de suas tendências históricas A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO BRASIL: um estudo de suas tendências históricas Severina Irene Tomaz Ferreira 1, Dalliana Grisi Ferreira Brito 2, Débora Suelle Marcelino de Miranda 3 1

Leia mais

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes 1 A Graturck é uma empresa especializada nas áreas de consultoria, assessoria e cursos em Serviço Social. Contando com uma equipe técnica qualificada, está lançando uma oportunidade para aqueles alunos

Leia mais

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Alceu Terra Nascimento O terceiro setor no Brasil, como categoria social, é uma "invenção" recente. Ele surge para identificar um conjunto

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE A POLÍTICA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Luara Caiana Sousa e Silva INTRODUÇÃO O processo de reestruturação

Leia mais

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2010 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2010 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS QUESTÃO: 22 Ver bibliografia do concurso: IAMAMOTO, Marilda. & CARVALHO, Raul. Relações sociais e serviço social no Brasil. Esboço de uma interpretação históricometodológica. 14ªed. São Paulo, Cortez,

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:27

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:27 7//1 19:7 Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Curso: 19 Serviço Social Currículo: 9/1 1 FIL.1.-9 Filosofia e Teoria do Conhecimento II Ementa: Correntes filosóficas que subsidiam as Ciências Sociais:

Leia mais

BOA SORTE! Não deixe de preencher as informações a seguir. Nome. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição AATENÇÃO

BOA SORTE! Não deixe de preencher as informações a seguir. Nome. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição AATENÇÃO FUNDAÇÃO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Não deixe de preencher as informações a seguir. Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição ASSISTENTE

Leia mais

Apresentação. Capítulo 3 Gramsci e o Serviço Social

Apresentação. Capítulo 3 Gramsci e o Serviço Social Apresentação Capítulo 3 Gramsci e o Serviço Social 3.1 Tempo e História 1960 Obras de Gramsci traduzidas e publicadas no Brasil Serviço Social já consolidado como profissão liberal de natureza técnico

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

2. Projeto Ético-Político do Serviço Social

2. Projeto Ético-Político do Serviço Social Projeto Ético-político do Serviço Social: a passagem do âmbito da possibilidade ao âmbito da efetividade Cláudia Mônica dos Santos Discente: Janaina Menegueli Início: agosto de 2013. Objeto: Projeto Ético-político

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E MÉTODO

SERVIÇO SOCIAL E MÉTODO SERVIÇO SOCIAL E MÉTODO RESUMO Fátima da Silva Grave Ortiz 1 Esta comunicação é resultado de parte dos estudos empreendidos ao longo de nossa inserção no Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre os Fundamentos

Leia mais

A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas

A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas A emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores. Karl Marx e Friederich Engels Resumo O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Geografia. Textos complementares

Geografia. Textos complementares Geografia Ficha 2 Geografia 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Queridos alunos, bom retorno. Segue um conjunto de atividades que têm por objetivo encaminhar as discussões iniciadas em nossas aulas

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

MOVIMENTO DE RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL: um reflexo no exercício profissional na contemporaneidade

MOVIMENTO DE RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL: um reflexo no exercício profissional na contemporaneidade MOVIMENTO DE RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL: um reflexo no exercício profissional na contemporaneidade Beatriz Borges Viana Acadêmica do curso de Serviço Social da Universidade Federal do Amazonas UFAM/Campus

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Resumo. Palavras chave: Serviço Social. Reconceituação. Marxismo. Ordem burguesa. Projeto profissional crítico.

Resumo. Palavras chave: Serviço Social. Reconceituação. Marxismo. Ordem burguesa. Projeto profissional crítico. Título do paper: A aproximação do Serviço Social com o Marxismo: desdobramentos para a profissão Eixo: 2 Autora: Mirian Cátia Vieira Basílio Instituição: Universidade Federal do Rio de Janeiro Endereço:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Serviço Social; Questão Social; Movimento de Reconceituação.

PALAVRAS-CHAVE: Serviço Social; Questão Social; Movimento de Reconceituação. Da Institucionalização do Serviço Social na América Latina à Inserção da Questão Social na Agenda Pública: reflexões sobre o Movimento de Reconceituação Bruno Alvarenga Ribeiro 1 Aline Mendonça Silva 2

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

Serviço Social, trabalho e políticas públicas: os desafios do presente

Serviço Social, trabalho e políticas públicas: os desafios do presente 283 Serviço Social, trabalho e políticas públicas: os desafios do presente ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de; ALENCAR, Mônica Maria Torres de. Serviço Social, trabalho e políticas públicas. São Paulo: Saraiva,

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Serviço Social e Reflexões Críticas sobre Práticas Terapêuticas

Serviço Social e Reflexões Críticas sobre Práticas Terapêuticas Serviço Social e Reflexões Críticas sobre Práticas Terapêuticas Conselho Federal de Serviço Social (CFESS) Gestão Atitude Crítica para Avançar na Luta (2008/2011) 1 O Conselho Federal de Serviço Social

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

O perfil das ONGs no neoliberalismo *

O perfil das ONGs no neoliberalismo * O perfil das ONGs no neoliberalismo * Elton Alcantara eltonluizcosta@gmail.com Gustavo Palmares gupalmaresrj@hotmail.com Letícia Chahaira leticiachahaira@yahoo.com.br Rafael Teixeira rafaelteixeira_ufrj@yahoo.com.br

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Amália Madureira Paschoal 1 Em defesa da Universidade gratuita, autônoma e de qualidade, em todos

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Mileni Alves Secon 1 Resumo: O Serviço Social tem seu surgimento marcado pela consolidação do sistema capitalista, no momento de sua manifestação como monopólios marcado

Leia mais

CURSO de SERVIÇO SOCIAL NITERÓI - Gabarito

CURSO de SERVIÇO SOCIAL NITERÓI - Gabarito PROAC / COSEAC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2008 e 1 o semestre letivo de 2009 CURSO de SERVIÇO SOCIAL NITERÓI - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social como Práxis Transformadora da Realidade. The Social Worker s Job as Praxis Transforming of Reality

O Trabalho do Assistente Social como Práxis Transformadora da Realidade. The Social Worker s Job as Praxis Transforming of Reality 41 O Trabalho do Assistente Social como Práxis Transformadora da Realidade The Social Worker s Job as Praxis Transforming of Reality Willam Gerson de Freitas 1. Mestre em Filosofia pela Universidade Federal

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL ABSTRACT

SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL ABSTRACT SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL Sofia Laurentino Barbosa Pereira 1 Simone de Jesus Guimarães 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo fazer uma revisão teórico-crítica acerca do Serviço Social no campo

Leia mais

I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL

I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL Seguridade Social e Projeto Ético Político Profissional: desafios aos Assistentes Sociais da Previdência Social Ana Maria Baima Cartaxo Professora

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais